RESOLUÇÃO UGT REIVINDICA DIMENSÃO SOCIAL NO PROGRAMA DE GOVERNO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÃO UGT REIVINDICA DIMENSÃO SOCIAL NO PROGRAMA DE GOVERNO"

Transcrição

1 RESOLUÇÃO UGT REIVINDICA DIMENSÃO SOCIAL NO PROGRAMA DE GOVERNO As eleições legislativas, ao darem maioria absoluta ao Partido Socialista, criaram condições de estabilidade e governabilidade. O Governo tem todas as condições para aplicar o seu Programa Eleitoral e cumprir as suas propostas, em diálogo e concertação social. A UGT estará particularmente atenta à área social e à criação de mais e melhores empregos, ao reforço da competitividade com dimensão social e ao combate à pobreza e à exclusão social. A UGT recusa o discurso dos sacrifícios de alguns economistas e empresários, que na prática nada mais significa que a continuidade das políticas que foram rejeitadas pelos portugueses em 20 de Fevereiro. A conjuntura actual, a nível nacional e internacional, aponta que não vivemos um momento de facilidades, mas antes de desafios que há que enfrentar com determinação, tendo em especial atenção o cumprimento da Estratégia de Lisboa. Neste quadro tendo presente os Desafios aos Partidos Políticos Desenvolvimento com Equidade e Solidariedade, aprovado por este Secretariado Nacional em 6/1/2005, a UGT reclama que o Programa de Governo a apresentar à Assembleia da República dê resposta a algumas questões fundamentais. 1. Emprego O Principal Desafio A criação líquida de postos de trabalho em 4 anos exige uma calendarização no tempo e que a partir do 2º trimestre de 2005 se inverta o ciclo de evolução do desemprego. No quadro de uma política de emprego e formação exige-se nomeadamente: A revisão urgente dos Programas de Emprego e Formação, em particular os geridos pelo Instituto de Emprego e Formação profissional, com concentração de meios nos programas com maior impacto em termos de empregabilidade e competitividade e redução clara do número global de programas; Aumento acentuado do programa de estágios profissionais com particular atenção à empregabilidade nas pequenas e médias empresas, que contribua para a melhoria da capacidade de gestão e inovação, devendo haver acompanhamento e avaliação permanente de impactos sectoriais e regionais; Desenvolvimento dos programas de qualificação inicial de jovens, particularmente os desenvolvidos no Sistema educativo, nas Escolas 1

2 Profissionais e na Aprendizagem (privilegiando a alternância escolaempresa); Melhoria da qualidade do emprego com maiores qualificações e menor precariedade; Desenvolvimento de programas obrigatórios de qualificação e requalificação de desempregados, em especial os de longa duração e com direito ao subsídio de desemprego, em estreita articulação com as Associações Sindicais e Empresariais, visando a resposta às necessidades do mercado de trabalho; Aprovação de um Programa Global orientado para a empregabilidade dos jovens licenciados desempregados; A garantia do direito à formação contínua, privilegiando a formação dada na empresa e ligada à melhoria das qualificações profissionais e criando uma rede de oferta e procura formativas que respondam a efectivas necessidades dos trabalhadores e das empresas e para a melhoria da qualidade do emprego; Desenvolvimento de componentes de formação em higiene e segurança no trabalho, inglês e tecnologias da informação e comunicação, em reposta a necessidades dos postos de trabalho, incluindo uma especial atenção a programas de literacia para trabalhadores sem escolaridade obrigatória; Melhoria do funcionamento da Inspecção Geral de Trabalho, com um plano plurianual de recrutamento de quadros, campanhas específicas de fiscalidade e desenvolvimento de campanhas de informação a nível das associações, dos trabalhadores e das empresas; Cumprimento dos Acordos Tripartidos de Higiene e Segurança no Trabalho e de Emprego e Formação, celebrados em A Aposta no Crescimento Económico Sem crescimento económico significativo não haverá emprego e aproximação aos restantes Países da União Europeia. As políticas públicas são fundamentais para gerar, nos sectores público e privado, um clima favorável ao desenvolvimento o que exige confiança dos agentes económicos e sociais. Esta resultará de políticas consistentes e continuadas e não da constante criação de factos políticos. Que as políticas orçamentais, de rigor e contenção, mas não de crise e recessão, dêem sinais positivos aos agentes económicos e sociais. Para a UGT é fundamental que as políticas públicas e, consequentemente, as orçamentais promovam: 2

3 O investimento em áreas como a educação, a formação e a inovação, de grande rentabilidade para o futuro; Condições para uma efectiva modernização de serviços públicos fundamentais, como é o caso das Contribuições e Impostos, das Inspecções Económicas e do Trabalho, dos serviços virados para a criação de empresas e dos que respondem a necessidades directas dos cidadãos, evitando burocracias inúteis; Um combate determinado à fraude e fuga fiscais; Políticas sectoriais nas áreas económicas que traduzam efectivas apostas no desenvolvimento de novas áreas de actividade e na consolidação das existentes, nomeadamente por via de uma gestão preventiva das reestruturações empresariais, eliminando múltiplos incentivos às empresas que não tem qualquer consequência em termos de decisão de investimento; Uma política de gestão de efectivos na Administração Pública que promova a rápida satisfação das necessidades, quer por via de mobilidade interna, quer por recrutamento externo; A criação de condições de estabilidade da máquina do Estado, quer em termos de estruturação de Ministérios, quer nas unidades orgânicas fundamentais, pondo termo a uma política sistemática de publicação de leis orgânicas para, por essa via, provocar a queda de todos os dirigentes; Uma política de efectiva melhoria da produtividade dos serviços públicos, com maior responsabilização dos dirigentes, dignificação das funções e aposta na formação continua. 3. A aposta na Legislação e na Protecção Social Em Portugal tem-se muitas vezes confundido reformas com mudanças de legislação que, na prática, nada alteram. A UGT considera prioritárias: A revisão da legislação laboral visando a dinamização da negociação colectiva, o combate à precariedade abusiva, o repor do princípio fundamental de que a legislação fixa mínimos para a negociação e a reposição de direitos individuais e colectivos postos em causa pelo Código de Trabalho; A revogação do diploma sobre o subsídio de doença que visou fundamentalmente poupar dinheiro à custa dos doentes; A discussão sobre a sustentabilidade financeira a longo prazo da Segurança Social, no quadro do cumprimento do Acordo Tripartido celebrado em 2001; A revisão do regime de reformas flexíveis para combater abusos e para favorecer a permanência voluntária na vida activa; 3

4 A aplicação dos acordos sobre a participação dos parceiros sociais no sistema de segurança social e sobre a acesso à informação; A recuperação das pensões degradadas, privilegiando a situação de idosos e famílias em situação de pobreza. A UGT considera que é importante intensificar o combate à fraude no cálculo das pensões, os regimes de taxa reduzida e o cumprimento da Lei de Bases no que respeito ao cumprimento do financiamento do regime contributivo, mas que nada justifica neste momento o aumento da idade de reforma. 4. Uma Política de Rendimentos Justa e Solidária A política de rendimentos tem um acto significativo na situação económica e social. Deve ser um instrumento de justiça e de solidariedade social. A UGT defende aumentos salariais que tenham em conta a inflação esperada e os aumentos de produtividade. O nosso País apresenta aumentos de produtividade normais de cerca de 2% ao ano. Só em situação de crise económica e de aumento de desemprego se verificam aumentos de produtividade inferiores a estes valores. Os aumentos salariais acordados nas negociações colectivas devem contribuir para uma aproximação gradual aos salários médios comunitários, não prejudicando a competitividade das empresas, nem o emprego. Atenção especial deve ser dada ao salário mínimo que tem vindo a perder peso para os salários médios, ao contrário de todas as orientações internacionais. A UGT defende uma orientação geral para a política de rendimentos que torna mais efectiva negociação colectiva e aproxima os sectores de maiores e menores ganhos de produtividade. Uma política justa de crescimento dos salários tem um efeito positivo sobre o crescimento económico por via do aumento da procura e, consequentemente, sobre o emprego. A UGT rejeita políticas de perda dos salários reais, que não têm qualquer justificação económica e têm um efeito muito negativo sobre o crescimento e o emprego. 5. Negociação Colectiva e Concertação Social para a Mudança O diálogo social a todos os níveis permite uma maior aceitação social para as mudanças e, consequentemente, maior rapidez na sua aplicação. A negociação colectiva e a concertação social são fundamentais para a melhoria da adaptabilidade das empresas, para o aumento da produtividade e para uma melhor conciliação entre a vida profissional e a vida familiar. 4

5 A UGT defende: Uma negociação colectiva que abranja a generalidade dos sectores e empresas, tanto públicas como privadas; A revisão global dos contratos, permitindo uma melhor resposta ás necessidades dos sectores e empresas; A rápida negociação de um acordo tripartido sobre a competitividade e o emprego, que seja levado à prática durante a legislatura; Um debate tripartido sobre a revisão da legislação laboral; Um debate tripartido sobre os mecanismos de sustentabilidade financeira do regime contributivo da Segurança Social; Uma negociação alargada entre Governos e Sindicatos sobre políticas para a Administração Pública incluindo salários, carreiras, mobilidade e pensões, tendo em atenção a desburocratização e a melhoria da qualidade; Um diálogo do Governo com os Sindicatos do Sector da Educação e da Saúde visando a melhoria da qualidade dos serviços e uma melhor gestão; O reforço dos mecanismos de participação em especial na higiene e segurança no trabalho, na formação e na segurança social; Medidas visando o efectivo respeito pelo Estado de Direito. Lisboa, 3 de Março de 2005 O Secretariado Nacional 5

RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL

RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL 1. Uma Situação Preocupante O nosso País tem tido um crescimento económico inferior à média da União Europeia desde 2002. Seis anos continuados de crise económica fizeram

Leia mais

I MAIO NOTAS PARA A INTERVENÇÃO

I MAIO NOTAS PARA A INTERVENÇÃO I MAIO 2011 - NOTAS PARA A INTERVENÇÃO Caras e caros Companheiros e Amigos Aqui, somos muitos, muitos mil para dizer ao País que os trabalhadores estão mobilizados na defesa de um PAÍS PROGRESSO ECONÓMICO

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO

POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO 2014-2020 A UGT deve, antes de mais, assinalar que o questionário apresentado se torna de difícil resposta num contexto

Leia mais

ACORDO ENTRE AS CONFEDERAÇÕES COM ASSENTO NA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL, VISANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ACORDO ENTRE AS CONFEDERAÇÕES COM ASSENTO NA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL, VISANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACORDO ENTRE AS CONFEDERAÇÕES COM ASSENTO NA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL, VISANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL A formação profissional constitui um instrumento fundamental para combater o défice

Leia mais

OBSERVAÇÕES DA UGT SOBRE A ACTUALIZAÇÃO DA RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA

OBSERVAÇÕES DA UGT SOBRE A ACTUALIZAÇÃO DA RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA OBSERVAÇÕES DA UGT SOBRE A ACTUALIZAÇÃO DA RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA I. ELEMENTOS PARA A ACTUALIZAÇÃO DA RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA Documento distribuído pelo Governo em CPCS Regista-se

Leia mais

Balanço do ano 2005 O DESEMPREGO A AUMENTAR E PIORES CONDIÇÕES DE VIDA E DE TRABALHO. SERÁ 2006 MELHOR?

Balanço do ano 2005 O DESEMPREGO A AUMENTAR E PIORES CONDIÇÕES DE VIDA E DE TRABALHO. SERÁ 2006 MELHOR? Balanço do ano 2005 O DESEMPREGO A AUMENTAR E PIORES CONDIÇÕES DE VIDA E DE TRABALHO. SERÁ 2006 MELHOR? Em 2005, os portugueses tiveram, uma vez mais, poucas ou nenhumas razões para celebrar. Foram confrontados

Leia mais

PARECER DA UGT SOBRE O FUNDO E AS COMPENSAÇÕES POR DESPEDIMENTO

PARECER DA UGT SOBRE O FUNDO E AS COMPENSAÇÕES POR DESPEDIMENTO PARECER DA UGT SOBRE O FUNDO E AS COMPENSAÇÕES POR DESPEDIMENTO I. ANTECEDENTES 1. O Acordo Tripartido para a Competitividade e Emprego O Acordo Tripartido para a Competitividade e Emprego de 22 de Março

Leia mais

Projecto de resolução n.º 391/XII (1.ª) Recomenda ao Governo a adopção de medidas com vista à criação de uma garantia para a juventude

Projecto de resolução n.º 391/XII (1.ª) Recomenda ao Governo a adopção de medidas com vista à criação de uma garantia para a juventude Projecto de resolução n.º 391/XII (1.ª) Recomenda ao Governo a adopção de medidas com vista à criação de uma garantia para a juventude O desemprego jovem representa um dos principais e mais alarmantes

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO GERAL COMBATER A CRISE: PRIORIDADE AO EMPREGO E AOS SALÁRIOS, VALORIZAÇÃO DA QUALIDADE DO TRABALHO E MELHOR EDUCAÇÃO

RESOLUÇÃO DO CONSELHO GERAL COMBATER A CRISE: PRIORIDADE AO EMPREGO E AOS SALÁRIOS, VALORIZAÇÃO DA QUALIDADE DO TRABALHO E MELHOR EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO GERAL COMBATER A CRISE: PRIORIDADE AO EMPREGO E AOS SALÁRIOS, VALORIZAÇÃO DA QUALIDADE DO TRABALHO E MELHOR EDUCAÇÃO 1. SITUAÇÃO ECONÓMICA E EMPREGO Todos os dados estatísticos divulgados

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE AS CONDICIONANTES DA POLÍTICA ECONÓMICA (mercado de trabalho e educação)

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE AS CONDICIONANTES DA POLÍTICA ECONÓMICA (mercado de trabalho e educação) MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE AS CONDICIONANTES DA POLÍTICA ECONÓMICA (mercado de trabalho e educação) I Mercado de trabalho Objetivos: Rever o sistema de prestações de desemprego com o objetivo de reduzir

Leia mais

Conferência Dia Nacional do Mutualismo

Conferência Dia Nacional do Mutualismo Associação Portuguesa de Mutualidades Conferência Dia Nacional do Mutualismo Qual o papel do sistema complementar no futuro da segurança social em Portugal? Lisboa, 25 Outubro 2017 Maria Margarida Corrêa

Leia mais

RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL UMA SITUAÇÃO ECONÓMICA QUE URGE MUDAR

RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL UMA SITUAÇÃO ECONÓMICA QUE URGE MUDAR RESOLUÇÃO DO SECRETARIADO NACIONAL UMA SITUAÇÃO ECONÓMICA QUE URGE MUDAR 1. Enquadramento Após um fraco crescimento da economia portuguesa em 2005 (0.3%), o Governo prevê para 2006, um crescimento de 1.4%;

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO - UGT EXIGE COMPROMISSO DO GOVERNO A 4 ANOS

SALÁRIO MÍNIMO - UGT EXIGE COMPROMISSO DO GOVERNO A 4 ANOS SALÁRIO MÍNIMO - UGT EXIGE COMPROMISSO DO GOVERNO A 4 ANOS Na Política de Rendimentos 2005/2006 apresentada a 01 de Setembro, a UGT reivindicou que, em sede de Comissão Permanente de Concertação Social,

Leia mais

COMENTÁRIOS UGT. Relatório sobre a Sustentabilidade da Segurança Social - Síntese

COMENTÁRIOS UGT. Relatório sobre a Sustentabilidade da Segurança Social - Síntese COMENTÁRIOS UGT Relatório sobre a Sustentabilidade da Segurança Social - Síntese No âmbito do acordado em sede de Concertação Social, o Governo comprometeu-se a enviar aos Parceiros Sociais um relatório

Leia mais

A UGT E O SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

A UGT E O SUBSÍDIO DE DESEMPREGO A UGT E O SUBSÍDIO DE DESEMPREGO A UGT em 10/4/06, em sede de CPCS, acordou o texto final relativo à revisão do subsídio de desemprego. O mesmo aconteceu com a CGTP, CAP, CCP e CTP. A CIP manifestou a

Leia mais

COMENTÁRIOS DA UGT AO RELATÓRIO SOBRE A RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA (MAIO 2014)

COMENTÁRIOS DA UGT AO RELATÓRIO SOBRE A RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA (MAIO 2014) COMENTÁRIOS DA UGT AO RELATÓRIO SOBRE A RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA (MAIO 2014) A UGT regista a apresentação do Relatório sobre a Retribuição Mínima Mensal Garantida (RMMG), que visa enquadrar

Leia mais

COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA UM ACORDO DE CONCERTAÇÃO DE MÉDIO PRAZO

COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA UM ACORDO DE CONCERTAÇÃO DE MÉDIO PRAZO COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA UM ACORDO DE CONCERTAÇÃO DE MÉDIO PRAZO Partindo de uma análise partilhada da realidade económica e social do país da qual faz sentido destacar, sem prejuízo de outros elementos,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 36/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 36/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 36/XII Exposição de Motivos O Estado Português, através da assinatura do Memorando de Políticas Económicas e Financeiras, assumiu perante a União Europeia, o Fundo Monetário Internacional

Leia mais

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL I. ENQUADRAMENTO A pobreza e a desigualdade na distribuição de rendimentos são problemas que persistem na sociedade portuguesa,

Leia mais

Unidade-Disciplina-Trabalho MINISTÉRIO DO EMPREGO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Gabinete do Ministro. 104ª Conferencia Internacional do Trabalho

Unidade-Disciplina-Trabalho MINISTÉRIO DO EMPREGO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Gabinete do Ministro. 104ª Conferencia Internacional do Trabalho 104ª Conferencia Internacional do Trabalho Discurso do Ministro do Emprego e dos Assuntos Sociais de São Tomé e Príncipe (08 de Junho 2015) Senhora Presidente da centésima quarta Conferencia Internacional

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 447/X

PROJECTO DE LEI N.º 447/X Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 447/X ALTERA A LEI N.º 53-B/2006, DE 29 DE DEZEMBRO, QUE CRIA O INDEXANTE DOS APOIOS SOCIAIS E NOVAS REGRAS DE ACTUALIZAÇÃO DAS PENSÕES E OUTRAS PRESTAÇÕES SOCIAIS

Leia mais

Projecto de Lei n.º 12/XI

Projecto de Lei n.º 12/XI Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 12/XI Altera as Regras da Atribuição do Subsídio de Desemprego, introduzindo uma maior justiça social O desemprego em Portugal atinge actualmente níveis dramáticos,

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO O Governo publicou, a 15 de Março, dois diplomas em matéria de protecção no desemprego: Decreto-Lei nº 64/2012, de 15 de Março

Leia mais

DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE AO ORÇAMENTO DO ESTADO

DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE AO ORÇAMENTO DO ESTADO DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE AO ORÇAMENTO DO ESTADO RECUPERAÇÃO DE RENDIMENTOS DO TRABALHO OE 2016 OE 2017 RECUPERAR RENDIMENTOS DO TRABALHO: OE2016 - OE2017 3 ACORDO PARA PARAR O EMPOBRECIMENTO DESCONGELAMENTO

Leia mais

BASES PARA UM ACORDO TRIPARTIDO SOBRE O EMPREGO

BASES PARA UM ACORDO TRIPARTIDO SOBRE O EMPREGO BASES PARA UM ACORDO TRIPARTIDO SOBRE O EMPREGO 1ª CONTRIBUIÇÃO OBJECTIVOS Encontra-se em discussão em sede de CPCS a possibilidade de concretização de um Pacto para o Emprego. Esta é uma discussão que

Leia mais

ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992

ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992 CONSELHO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992 LISBOA Em 15 de Fevereiro de 1992, culminando um processo gradual de concertação o Conselho Coordenador do Conselho

Leia mais

Revisão do regime de renda apoiada

Revisão do regime de renda apoiada Revisão do regime de renda apoiada Conselho Municipal de Habitação Lisboa, 24 de Setembro de 2012 Helena Roseta Enquadramento Durante 20 anos, a prioridade da política de habitação em Lisboa foi erradicação

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2018

ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 10/14/17 4:40 PM 13.10.2017 1 CRESCIMENTO, EMPREGO E CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL Défice 2016 2,0 2017 1,4 1 2018 1,0 0.9 0.8 0.7 0.6 0.5 Dívida Pública

Leia mais

PROPOSTA DE TEMAS PARA UM ACORDO TRIPARTIDO DE MEDIO PRAZO

PROPOSTA DE TEMAS PARA UM ACORDO TRIPARTIDO DE MEDIO PRAZO PROPOSTA DE TEMAS PARA UM ACORDO TRIPARTIDO DE MEDIO PRAZO 2017 2020 I Reformas Estruturais e Desenvolvimento Económico 1. Financiamento da economia O Acordo deverá incluir uma solução com o duplo objetivo

Leia mais

Programa do novo Governo tem de abrir portas ao diálogo e à concertação

Programa do novo Governo tem de abrir portas ao diálogo e à concertação Comunicados Programa do novo Governo tem de abrir portas ao diálogo e à concertação 2015-12-02 A concretização do programa do novo Governo, na área da Educação, tem de se abrir ao diálogo, à negociação

Leia mais

Medidas de Reforma da Segurança Social

Medidas de Reforma da Segurança Social Medidas de Reforma da Segurança Social Documento de Trabalho Complementar Dando continuidade ao processo negocial em curso, em sede de Comissão Permanente de Concertação Social, e na sequência do anterior

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 5 Maio 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

O IMPACTO DAS MEDIDAS DA TROIKA E PROGRAMA DO GOVERNO SOBRE O MERCADO LABORAL

O IMPACTO DAS MEDIDAS DA TROIKA E PROGRAMA DO GOVERNO SOBRE O MERCADO LABORAL O IMPACTO DAS MEDIDAS DA TROIKA E PROGRAMA DO GOVERNO SOBRE O MERCADO LABORAL 1 - Legislação de protecção do emprego 1.1 Redução da indemnização por despedimento (despedimento colectivo, extinção do posto

Leia mais

Conferência A redução da Taxa Social Única e a reforma da segurança social

Conferência A redução da Taxa Social Única e a reforma da segurança social Conferência A redução da Taxa Social Única e a reforma da segurança social IDEFF Instituto de Direito Económico, Financeiro e Fiscal Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Lisboa, 26 de Maio de

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE UM REGIME PARA O FUNDO NACIONAL DE SOLIDARIEDADE E ASSISTÊNCIA NO ACTUAL CONTEXTO

REFLEXÕES SOBRE UM REGIME PARA O FUNDO NACIONAL DE SOLIDARIEDADE E ASSISTÊNCIA NO ACTUAL CONTEXTO REFLEXÕES SOBRE UM REGIME PARA O FUNDO NACIONAL DE SOLIDARIEDADE E ASSISTÊNCIA NO ACTUAL CONTEXTO DR. JOSÉ CHIVALA Director Geral Adjunto do INSS ENAD. 16 DE NOVEMBRO DE 2015 AS FUNÇÕES DO ESTADO E A PROTECÇÃO

Leia mais

CADERNO REIVINDICATIVO DO PARA 2009

CADERNO REIVINDICATIVO DO PARA 2009 CADERNO REIVINDICATIVO DO sintap/açores PARA 2009 INTRODUÇÃO O sintap/açores, ao elaborar o seu Caderno Reivindicativo, faz sempre questão de frisar a matriz caracterizadora da sua acção sindical, a saber,

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT ESTRATÉGIA DE LISBOA E POLÍTICA DE EMPREGO (05/09/2005)

CONTRIBUTO DA UGT ESTRATÉGIA DE LISBOA E POLÍTICA DE EMPREGO (05/09/2005) CONTRIBUTO DA UGT ESTRATÉGIA DE LISBOA E POLÍTICA DE EMPREGO (05/09/2005) I. NOTA PRÉVIA No âmbito dos compromissos assumidos em sede de concertação social, o Governo apresentou aos Parceiros Sociais o

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas Produto Interno Bruto Variações trimestrais homólogas Mediante reformas introduzidas na economia portuguesa, entre 2011 e 2015, nomeadamente quanto á competitividade das empresas, foi possível estimular

Leia mais

Programa Nacional de Acção para o Crescimento e o Emprego (PNACE) Estratégia de Lisboa- Portugal de novo CONTRIBUTOS DA UGT

Programa Nacional de Acção para o Crescimento e o Emprego (PNACE) Estratégia de Lisboa- Portugal de novo CONTRIBUTOS DA UGT Programa Nacional de Acção para o Crescimento e o Emprego 2005-2008 (PNACE) Estratégia de Lisboa- Portugal de novo CONTRIBUTOS DA UGT I. INTRODUÇÃO O Conselho Europeu de Bruxelas de 22-23 de Março de 2005

Leia mais

A REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

A REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL A REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO DE 10/10/06 POSIÇÃO DA UGT 26/10/06 1 APRESENTAÇÃO Temas a abordar I. Situação financeira da Segurança Social II. III. As Grandes Questões da Reforma Organização do

Leia mais

- Alterações ao Código de Trabalho: Subsídio de Desemprego

- Alterações ao Código de Trabalho: Subsídio de Desemprego 19-01 01-2012 - Alterações ao Código de Trabalho: Subsídio de Desemprego Agora que o acordo de concertação social está concluido, eis algumas das novidades relativas ao subsídio de desemprego, pelo que

Leia mais

!"# $% A pressão para o Estado mínimo e direitos mínimos estão a marcar, na Europa e em Portugal, os caminhos sobre o futuro do modelo social.

!# $% A pressão para o Estado mínimo e direitos mínimos estão a marcar, na Europa e em Portugal, os caminhos sobre o futuro do modelo social. Grupo Parlamentar!"# $% O sistema público de segurança social, universal e solidário, está a ser fortemente questionado, pelas condições da intensa globalização neoliberal, das transformações operadas

Leia mais

Plano Plurianual de Atividades

Plano Plurianual de Atividades Plano Plurianual de Atividades 2014-2017 Plano Plurianual de Atividades 2014-2017 2 ÍNDICE Introdução 001 Princípios orientadores do Plano Plurianual. Organização, desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens,

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 744/XIII

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 744/XIII PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 744/XIII Recomenda ao Governo que desenvolva um programa específico de qualificação para desempregados de longa duração com 45 ou mais anos de idade O desemprego é uma preocupação

Leia mais

Resolução VENCER AS DIFICULDADES COM COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL. Cumprir os Compromissos Internacionais com preocupação social

Resolução VENCER AS DIFICULDADES COM COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL. Cumprir os Compromissos Internacionais com preocupação social Resolução VENCER AS DIFICULDADES COM COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL O novo Governo entra agora em plenitude de funções, com um Programa de Governo e a necessidade de cumprir os compromissos do País perante

Leia mais

O Programa Nacional de Reformas constitui um elemento essencial na definição da estratégia de médio prazo que permitirá a Portugal, no horizonte de

O Programa Nacional de Reformas constitui um elemento essencial na definição da estratégia de médio prazo que permitirá a Portugal, no horizonte de O Programa Nacional de Reformas constitui um elemento essencial na definição da estratégia de médio prazo que permitirá a Portugal, no horizonte de 2020, lançar um conjunto de reformas estruturais que

Leia mais

Eis as principais medidas incluídas na proposta de programa de Governo do PS:

Eis as principais medidas incluídas na proposta de programa de Governo do PS: PROPOSTA DE PROGRAMA DE GOVERNO O PS espera que o défice fique abaixo dos 3% já em 2016, apesar de se comprometer, até ao final da legislatura, com medidas como a reversão dos cortes salariais, o fim da

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

Segurança Social: A sustentabilidade em questão

Segurança Social: A sustentabilidade em questão Segurança Social: A sustentabilidade em questão Fernando Ribeiro Mendes Em Portugal, o debate sobre a sustentabilidade das pensões tem sido muito vivo nestes últimos anos por razões conhecidas. O número

Leia mais

POLITICAS ACTIVAS DE EMPREGO PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA UGT AO DOCUMENTO APRESENTADO PELO GOVERNO

POLITICAS ACTIVAS DE EMPREGO PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA UGT AO DOCUMENTO APRESENTADO PELO GOVERNO POLITICAS ACTIVAS DE EMPREGO PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA UGT AO DOCUMENTO APRESENTADO PELO GOVERNO BASES PARA ACORDO SOBRE A REFORMA DAS POLÍTICAS ACTIVAS DE EMPREGO 13 OUTUBRO 2006 I. INTRODUÇÃO No âmbito

Leia mais

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira 1 a sessão NORTE & PESSOAS 12 MAIO Instituto de Design de Guimarães www.ccdr-n.pt/norte-pessoas O Mercado de Trabalho da Região Norte 1. Da viragem do

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 99/XI ESTABELECE O REGIME SOCIAL E DE SEGURANÇA SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DAS ARTES DO ESPECTÁCULO

PROJECTO DE LEI N.º 99/XI ESTABELECE O REGIME SOCIAL E DE SEGURANÇA SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DAS ARTES DO ESPECTÁCULO Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 99/XI ESTABELECE O REGIME SOCIAL E DE SEGURANÇA SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DAS ARTES DO ESPECTÁCULO Exposição de motivos Quando se assiste a um espectáculo dificilmente

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolve:

Assim: Nos termos da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolve: O programa do XVIII Governo Constitucional define como um dos seus principais objectivos concretizar a universalização da frequência da educação básica e secundária de modo a que todos os alunos frequentem

Leia mais

SALÁRIOS - EMPREGO - CONTRATAÇÃO COLECTIVA - HORÁRIOS - SERVIÇOS PÚBLICOS

SALÁRIOS - EMPREGO - CONTRATAÇÃO COLECTIVA - HORÁRIOS - SERVIÇOS PÚBLICOS NOTA À IMPRENSA 1º DE MAIO VALORIZAR O TRABALHO E OS TRABALHADORES SALÁRIOS - EMPREGO - CONTRATAÇÃO COLECTIVA - HORÁRIOS - SERVIÇOS PÚBLICOS Passados 131 anos da repressão de Chicago, nos Estados Unidos

Leia mais

Projecto de Lei n.º 620/X

Projecto de Lei n.º 620/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 620/X Altera as Regras da Atribuição do Subsídio de Desemprego, introduzindo uma maior justiça social A crise económica e financeira mundial tem vindo a gerar recessão

Leia mais

CONVITE PARA A AUDIÇÃO PÚBLICA, POR INICIATIVA DO GRUPO PARLAMENTAR DO PCP, A REALIZAR NO DIA 15 DE MAIO DE 2017 SEGUNDA-FEIRA

CONVITE PARA A AUDIÇÃO PÚBLICA, POR INICIATIVA DO GRUPO PARLAMENTAR DO PCP, A REALIZAR NO DIA 15 DE MAIO DE 2017 SEGUNDA-FEIRA Página 1 de 6 CONVITE PARA A AUDIÇÃO PÚBLICA, POR INICIATIVA DO GRUPO PARLAMENTAR DO PCP, A REALIZAR NO DIA 15 DE MAIO DE 2017 SEGUNDA-FEIRA «HORÁRIOS DE TRABALHO: COMBATE À DESREGULAÇÃO, 35 HORAS, RESPEITAR

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

Que Reformas Para a Segurança Social?

Que Reformas Para a Segurança Social? A Redução da Taxa Social Única e a Reforma da Segurança Social Que Reformas Para a Segurança Social? Miguel Coelho Instituto de Direito Económico, Fiscal e Financeiro da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO. económico geral. das instituições

BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO. económico geral. das instituições ANEXO III BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO 1 Artigo 14.º Base jurídica Descrição Elementos processuais 1 Artigo 15.º, n. 3 Artigo 16.º, n. 2 Artigo 18.º Artigo 19.º, n. 2 Artigo 21.º,

Leia mais

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social BASES PARA UM ACORDO DE REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social BASES PARA UM ACORDO DE REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL BASES PARA UM ACORDO DE REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Considerando os Parceiros Sociais e o Governo que: A aposta estratégica na qualificação da população Portuguesa enquanto instrumento crítico para

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

Políticas económicas e sociais do Estado português

Políticas económicas e sociais do Estado português Políticas económicas e sociais do Estado português Políticas Conjunturais Políticas (exemplos): Fiscal Orçamental Monetária De preços De combate ao desemprego De redistribuição dos rendimentos Social Política

Leia mais

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA Aumentar a liquidez / crédito Política monetária Normalização sistema financeiro Expandir a procura Apoiar o emprego Investimento público Investimento privado Políticas

Leia mais

CIP - Europa Laboral em Síntese

CIP - Europa Laboral em Síntese CIP - Europa Laboral em Síntese Nº 5 janeiro de 2015 DESTAQUES Relatório sobre o emprego e desenvolvimentos sociais na Europa (2014) A Comissão Europeia publicou, em janeiro, o seu relatório sobre o emprego

Leia mais

A Convergência da Regulação e da Supervisão da Actividade Financeira. Gabinete do Governador e dos Conselhos

A Convergência da Regulação e da Supervisão da Actividade Financeira. Gabinete do Governador e dos Conselhos Intervenção do Governador do Banco de Cabo Verde, Dr. Carlos Burgo, no VII Encontro dos Governadores dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa, Cidade da Praia, 2 de Maio de 2014. A Convergência

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT AO DOCUMENTO

CONTRIBUTO DA UGT AO DOCUMENTO CONTRIBUTO DA UGT AO DOCUMENTO LINHAS GERAIS DE REVISÃO DA PROTECÇÃO SOCIAL NA EVENTUALIDADE DESEMPREGO I. NOTA PRÉVIA No âmbito dos compromissos assumidos em sede de concertação social, o Governo apresentou

Leia mais

Desafio Portugal 2020: Educação, Qualificação Profissional e Mercado de Trabalho: Impacto na Economia Portuguesa

Desafio Portugal 2020: Educação, Qualificação Profissional e Mercado de Trabalho: Impacto na Economia Portuguesa Desafio Portugal 2020: Educação, Qualificação Profissional e Mercado de Trabalho: Impacto na Economia Portuguesa Auditório da Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Torres Novas Fundos Europeus 2014-2020

Leia mais

Grandes orientações. Âncora no Sector da Pesca, contribuindo de forma determinante para a sua inovação, crescimento e garantia da

Grandes orientações. Âncora no Sector da Pesca, contribuindo de forma determinante para a sua inovação, crescimento e garantia da A Empresa Tem a seu cargo no continente português, o serviço público da prestação de serviços de Primeira Venda de Pescado, bem como o apoio ao Sector da Pesca e respectivos portos. Missão Com as suas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS 20º Encontro de Lisboa com as Delegações dos Bancos Centrais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor Leste à Assembleia Anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial 04

Leia mais

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Os Ministérios das Finanças, da Economia e da Saúde, e a Indústria Farmacêutica, por intermédio

Leia mais

PAINEL EMPREGO. João Cerejeira [Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão]

PAINEL EMPREGO. João Cerejeira [Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão] PAINEL EMPREGO João Cerejeira [Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão] 2008-1T 2008-2T 2008-3T 2008-4T 2009-1T 2009-2T 2009-3T 2009-4T 2010-1T 2010-2T 2010-3T 2010-4T 2011-1T 2011-2T 2011-3T

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO DESTES SLIDES

JUSTIFICAÇÃO DESTES SLIDES JUSTIFICAÇÃO DESTES SLIDES Estes slides foram utilizados na intervenção que fiz no debate organizado pela União dos Sindicatos do Algarve em 6.7.2017, em Faro, destinado não só a reformados e aposentados,

Leia mais

Uma perspetiva acerca do dualismo no mercado de trabalho

Uma perspetiva acerca do dualismo no mercado de trabalho Uma perspetiva acerca do dualismo no mercado de trabalho Mário Centeno Ordem dos Economistas Lisboa, 20 de Outubro 2011 Um lento processo de reformas Uma boa análise económica é um pré-requisito para boas

Leia mais

NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO DO TRABALHO

NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO DO TRABALHO 03.02.2009 NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO DO TRABALHO MEDIDAS EXCEPCIONAIS DE APOIO AO EMPREGO E À CONTRATAÇÃO PARA O ANO DE 2009 Como forma de reacção à actual conjuntura económica e financeira

Leia mais

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis.

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis. CAPÍTULO III OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E PROJECTOS PRIORITÁRIOS OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Em termos de Objectivos estratégicos manteve-se o definido no Plano anterior, ou seja existem três vectores que se

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 371/XI

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 371/XI Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 371/XI Alteração à Lei 53-B/2006, de 29 de Dezembro, estabelece o valor das pensões no caso da manutenção do valor do IAS Exposição de motivos Actualmente com a vigência

Leia mais

O caminho para uma Administração Pública capaz de responder aos desafios do século XXI

O caminho para uma Administração Pública capaz de responder aos desafios do século XXI O caminho para uma Administração Pública capaz de responder aos desafios do século XXI Qualificar a Administração Pública para a excelência Gonçalo Castilho dos Santos (Secretário de Estado da Administração

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais

Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais Conferência Fulbrigth Educação e Cidadania para Vencer os Desafios Globais Lisboa, 21 de Outubro Políticas de educação para vencer os desafios mundiais Maria de Lurdes Rodrigues Quero, em primeiro lugar,

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS. 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade

SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS. 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade Instituto Politécnico de Leiria (E.S.T.G.) Departamento de Gestão e Economia 4 de Novembro 2016 OE 2017 CENÁRIO MACRO-ECONÓMICO FMI

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 140/XIII/1.ª Valoriza as longas carreiras contributivas, garantindo a antecipação da pensão sem penalizações aos beneficiários que completem

Leia mais

Apresentação da Proposta de ORÇAMENTO DO ESTADO 2017

Apresentação da Proposta de ORÇAMENTO DO ESTADO 2017 Apresentação da Proposta de ORÇAMENTO DO ESTADO 2017 14.10.2016 Um país mais justo, um orçamento responsável, amigo das famílias e das empresas. POLÍTICA ECONÓMICA E ORÇAMENTAL RECUPERAÇÃO DE RENDIMENTOS

Leia mais

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário SESSÃO DE LANÇAMENTO DO MOVIMENTO PARA O EMPREGO FCG (SALA DIRECÇÕES) - 23.05.2013, 15H30 Senhor Ministro da Economia e do Emprego Senhor Secretário de Estado do Emprego Senhores Deputados Senhor Presidente

Leia mais

POBREZA, EXCLUSÃO E DESIGUALDADES EM PORTUGAL. Professor Catedrático de Economia Vice Presidente do ISEG, Universidade Técnica de Lisboa

POBREZA, EXCLUSÃO E DESIGUALDADES EM PORTUGAL. Professor Catedrático de Economia Vice Presidente do ISEG, Universidade Técnica de Lisboa POBREZA, EXCLUSÃO E DESIGUALDADES EM PORTUGAL REAPN José António Pereirinha Professor Catedrático de Economia Vice Presidente do ISEG, Universidade Técnica de Lisboa 1 POBREZA, EXCLUSÃO E DESIGUALDADES

Leia mais

ALIANÇA PORTUGAL. Acordo de coligação para as eleições para o. Parlamento Europeu de 2014

ALIANÇA PORTUGAL. Acordo de coligação para as eleições para o. Parlamento Europeu de 2014 ALIANÇA PORTUGAL Acordo de coligação para as eleições para o Parlamento Europeu de 2014 As eleições para o Parlamento Europeu, que têm lugar no próximo dia 25 de Maio, realizam-se num momento especialmente

Leia mais

FUNDO DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO

FUNDO DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO Conferência de imprensa 24.09.2011 FUNDO DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO De acordo com as teorias neoliberais em voga, para combater a segmentação do mercado de trabalho, promover a criação de emprego e aumentar

Leia mais

PARECER DA UGT SOBRE O PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE VISA APROVAR O NOVO REGIME JURIDICO DO SECTOR PUBLICO EMPRESARIAL

PARECER DA UGT SOBRE O PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE VISA APROVAR O NOVO REGIME JURIDICO DO SECTOR PUBLICO EMPRESARIAL PARECER DA UGT SOBRE O PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE VISA APROVAR O NOVO REGIME JURIDICO DO SECTOR PUBLICO EMPRESARIAL 1. Na generalidade O Sector Empresarial do Estado (SEE), (também denominado Sector Público

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 215/XIII/1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 215/XIII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 215/XIII/1.ª Repõe o regime de férias na função pública, designadamente o direito a 25 dias de férias anuais e majorações de dias de férias

Leia mais

Programa. Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013. Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira. Introdução

Programa. Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013. Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira. Introdução Programa Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013 Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira Introdução I. Aspectos gerais 1. As Finanças Públicas. Questões de ordem geral 2. Fixação

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 549/XIII-2ª AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL

Projeto de Resolução n.º 549/XIII-2ª AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 549/XIII-2ª AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL As últimas eleições legislativas 4 de outubro de 2015 demonstraram de uma forma evidente

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

Observatório Pedagógico. Carlos Farinha Rodrigues

Observatório Pedagógico. Carlos Farinha Rodrigues Observatório Pedagógico O Impacto das Políticas de Austeridade na Desigualdade e na Pobreza: Portugal 2010-2014 Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade de Lisboa carlosfr@iseg.utl.pt Objectivos: Contribuir

Leia mais

25 anos de Ensino Profissional Agrícola em Portugal

25 anos de Ensino Profissional Agrícola em Portugal 25 anos de Ensino Profissional Agrícola em Portugal A parceria desejável entre Escola e Empresa Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho Diretivo da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional

Leia mais

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS PARECER SOBRE O PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE PROTECÇÃO NAS EVENTUALIDADES DE INVALIDEZ E VELHICE DOS BENEFICIÁRIOS DO REGIME GERAL DE SEGURANÇA SOCIAL Angra do Heroísmo, 26 de Fevereiro

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

P L AN I F I C AÇ Ã O AN U AL

P L AN I F I C AÇ Ã O AN U AL P L AN I F I C AÇ Ã O AN U AL DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ÁREA DISCIPLINAR: 430 - CIÊNCIAS SOCIAIS E GESTÃO DISCIPLINA: Economia A NÍVEL DE ENSINO: Secundário CURSO: Ciências SócioEconómicas

Leia mais

O Seguro de Vida na vida real

O Seguro de Vida na vida real O Seguro de Vida na vida real A Invalidez e a Reforma Lisboa, 12 de outubro de 2016 A segurança na vida real é condição para: - A paz e o bem-estar social; - A capacidade individual e coletiva de planear

Leia mais

UGT contra a Proposta de Orçamento do Estado para 2013

UGT contra a Proposta de Orçamento do Estado para 2013 UGT contra a Proposta de Orçamento do Estado para 2013 1. Na Generalidade A UGT manifesta a sua rejeição da Proposta de Orçamento de 2013, que vai agravar a pobreza, aumentar o desemprego e as desigualdades

Leia mais