NORMATIZAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA FÍSICA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMATIZAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA FÍSICA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE"

Transcrição

1 NORMATIZAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA FÍSICA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

2 Órgão regulamentador do sistema de saúde, no desempenho da ação fiscalizadora, quanto a adequação das condições do ambiente onde se processa a atividade e a existência de instalações e equipamentos, indispensáveis e condizentes com as suas finalidades, baseada no controle dos riscos associados.

3 Objetivos Prevenção, minimização ou eliminação do risco aos usuários Racionalização de uso Vantagens Segurança para paciente, funcionário e usuário Uso de processo e métodos aperfeiçoados Redução de custos Facilidade de interpretação e de comunicação Melhoria da qualidade

4 Proporciona a descentralização das decisões de planejamento e projeto todo mundo pensa igual Não estabelece uma tipologia de EAS, nem tampouco programas arquitetônicos pré-definidos (trabalha com unidades/ambientes) Permite a elaboração de projetos e a avaliação de qualquer EAS Disponibiliza regras flexíveis (ADE) Objetivo

5 No planejamento de redes físicas Na elaboração de projetos de EAS Na avaliação de projetos de EAS (projetos físicos) Nas inspeções de vigilância sanitária (em conjunto com outras normas específicas) Aplicação

6 Nas construções novas; Nas áreas a serem ampliadas de EAS existentes; Nas reformas de EAS já existentes e aqueles anteriormente não destinados a estabelecimentos de saúde. Abrangência

7 PARTE I -PROJETO DE EAS 1 - Elaboração de Projetos Físicos definições de projetos, siglas etc PARTE II -PROGRAMAÇÃO FÍSICO- FUNCIONAL DOS EAS 2 - Organização Físico-funcional 3 - Dimensionamento, Quantificação e Pontos de Instalação dos Ambientes Estrutura

8 PARTE III - CRITÉRIOS PARA PROJETO DE EAS 4 - Circulações Externas e Internas (bombeiros) 5 - Condições Ambientais de Conforto (ventilação/exaustão/ar condicionado) 6 - Condições Ambientais de Controle de Infecção (segurança biológica/salas limpas) 7 - Instalações Prediais Ordinárias e Especiais (gases/energia/descargas atmosféricas) 8 - Condições de Segurança Contra Incêndio Estrutura

9 Elaboração de Projetos Físicos PROCEDIMENTO PARA ANÁLISE: Obra nova: aplicação total; Reformas: ****, privilegiar fluxos e solicitar documentação complementar: - Planta com lay-out dos equipamentos - Declaração do projetista de como estão sendo supridas as não conformidades

10 Organização Funcional de Saúde ORGANIZADO EM: Atribuições Atividades Sub-atividades

11 7. APOIO ADMINISTRATIVO 6. ENSINO E PESQUISA 1. ATENDIMENTO EM REGIME AMBULATORIAL E DE HOSPITAL - DIA 2. ATENDIMENTO IMEDIATO 3. ATENDIMENTO EM REGIME DE INTERNAÇÃO 4. APOIO AO DIAGNÓSTICO E TERAPIA 8. APOIO LOGÍSTICO 5. APOIO TÉCNICO

12 SALA DE MANIPULAÇÃO SALAS DE APLICAÇÃO 4 MEDICAMENTO QUIMIOTERAPIA INSTALAÇÃO SANITÁRIA 2 ANTE- SALA 1 VESTIÁRIO SALA DE HIGIENIZAÇÃO 3 ADMINISTRAÇÃO FLUXOS PARA PESSOAL E MEDICAMENTOS PESSOAL 5 I ANTE-SALA ( ANTE-CÂMARA OU VESTIÁRIO LIMPO ) COM LAVABO 2 INSTALAÇÃO SANITÁRIA COM CHUVEIRO, LAVATÓRIO E LAVA-OLHOS 3 SALA DE HIGIENIZAÇÃO ( GUARDA DE MEDICAMENTOS E/OU ARTIGOS ) 4 SALAS DE APLICAÇÃO DE DROGAS ( PEDIÁTRICA, CURTA E LONGA DURAÇÃO ) 5 ADMINISTRAÇÃO ( COM RECEPÇÃO E SETORES DE APOIO )

13 Programação Físico-funcional Após definidar as atribuições, atividades e sub-atividades que o estabelecimento irá executar é que se deve proceder a elaboração do projeto arquitetônico que deve começar pela definição do programa arquitetônico. Programa Arquitetônico

14 Dimensionamento, quantificação e pontos de instalação

15 AMBIENTES DE APOIO: -Sala de utilidades -Banheiros com vestiários para funcionários (barreira) -Sala administrativa -Depósito de equipamentos e materiais -Rouparia -DML -Banheiro (s. de pré-parto e higienização) - Sala de distribuição de hemocomponentes ( in loco ou não)

16 AMBIENTES DE APOIO: *-Sala de estar (parturientes do pré-parto) *-Sala de espera para acompanhantes (anexa à unidade) *-Sala de preparo de equipamentos / material *-Copa *-Área para guarda de macas e cadeira de rodas *-Sanitários para acompanhantes (sala de espera) *-Área de guarda de pertences *-Sala de estar para funcionários

17 Critérios Para Projetos de EAS Circulações Externas e Internas Circulações: avaliar Código de Prevenção de Incêndios do PR (**) Portas: (NBR 9050) Nunca menores do que 80 cm; Passagem de macas cm Circulações Verticais: Escadas para pacientes = 1,5 m de largura; (**) Rampas e/ou elevadores para pavimentos superiores Monta-cargas - devem abrir para recintos fechados

18 Critérios Para Projetos de EAS Condições ambientais de conforto Higrotérmico e qualidade do ar Acústico Luminoso a partir de luz natural (ventilação/exaustão/ar condicionado/ruídos)

19

Local de 45m², destinado a receber os pacientes e direcioná-los.

Local de 45m², destinado a receber os pacientes e direcioná-los. HOSPITAL PEDRO II 1º PAVIMENTO 1- Recepção e acolhimento Local de 45m², destinado a receber os pacientes e direcioná-los. Mobiliário: balcão de atendimento, cadeiras 2- Consultórios maternidade Recepção

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Antonio Pedro Alves de Carvalho Imagem: omnistudio.com.br Qualidades de uma solução arquitetônica: Funcionalidade Economia Beleza Flexibilidade Expansibilidade

Leia mais

* APRECIAÇÃO DE DOCUMENTOS SIM NÃO NA

* APRECIAÇÃO DE DOCUMENTOS SIM NÃO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE Á SAÚDE EVSPIS/CGVS/SMS/PMPA Av. Padre

Leia mais

Dimensionamento em Radioterapia São Paulo. XI Encontro de Enfermeiros Oncologistas em Radioterapia

Dimensionamento em Radioterapia São Paulo. XI Encontro de Enfermeiros Oncologistas em Radioterapia Dimensionamento em Radioterapia São Paulo XI Encontro de Enfermeiros Oncologistas em Radioterapia CNEN - Comissão Nacional de Energia Nuclear radioproteção certificação dos serviços de Radioterapia NN

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

Prof. Márcio Batista

Prof. Márcio Batista Prof. Márcio Batista OBJETIVOS DA AULA Conhecer os principais conceitos em farmácia hospitalar. Conhecer os aspectos técnicos e legais de localização, construção e instalação e estruturação da farmácia

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 6 Médico Pediatra 2 Médico de Estratégia PSF 0 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 4 Auxiliar de Saúde Bucal 4 Técnico

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

CENÁRIO ATUAL DA SAÚDE PRIVADA EM PORTO ALEGRE

CENÁRIO ATUAL DA SAÚDE PRIVADA EM PORTO ALEGRE 1 CENÁRIO ATUAL DA SAÚDE PRIVADA EM PORTO ALEGRE CENÁRIO ATUAL 18 MILHÕES 49 MILHÕES De novos usuários de plano de saúde. No total Rede assistencial não cresceu na mesma proporção. Consumidor mais exigente.

Leia mais

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais;

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais; RESOLUÇÃO Nº 06, de 09 de maio de 2006. Dá nova redação ao Anexo I, da Resolução n.º 07, de 14 de abril de 2003. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA O PLANEJAMENTO ARQUITETÔNICO DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO DAS URGÊNCIAS SAMU 192

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA O PLANEJAMENTO ARQUITETÔNICO DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO DAS URGÊNCIAS SAMU 192 ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA O PLANEJAMENTO ARQUITETÔNICO DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO DAS URGÊNCIAS SAMU 192 Estas orientações não eximem a obrigatoriedade da aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de instalação, manutenção e controle do sistema de iluminação da empresa

Leia mais

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 1. Recursos SEF 1.1. Custeio - Dotação Básica - Manutenção e Reposição de Equipamentos de Informática - Treinamento de Recursos Humanos

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS 0 Sumário 1. LINHA ECONÔMICA... 2 1.1 LINHA ECONÔMICA ALMOXARIFADO / DEPÓSITO / FERRAMENTARIA... 3 1.2 LINHA ECONÔMICA ESCRITÓRIO / VESTIÁRIO / REFEITÓRIO... 4 1.3 LINHA ECONÔMICA

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE /07

ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE /07 11. ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE 8630-5/07 Compreende: Banco de Esperma; Banco de Sêmen Humano; Clínica de Reprodução Assistida; Atividade de Fertilização In Vitro de Seres Humanos;

Leia mais

Cronograma de Educação Permanente 2016

Cronograma de Educação Permanente 2016 Cronograma de Educação Permanente 2016 JANEIRO FEVEREIRO Atendimento ao cliente s Favorecer diálogos sobre boas práticas de atendimento ao cliente. quimioterapia, equipe do SAME e colaboradores. MARÇO

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

Maria da Conceição M. Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) Maria da Conceição M. Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) Com o avanço tecnológico que ocorreu nos últimos anos, a cirurgia passou da sangria para a época de uso de computadores, robótica e requisitando,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO POR AMBIENTE

MEMORIAL DESCRITIVO POR AMBIENTE MEMORIAL DESCRITIVO POR AMBIENTE Obra: REFORMA DO PRONTO SOCORRO GERAL Local: Avenida Dr. Fernando Arens, 939 Centro Cidade: Artur Nogueira SP Proprietário: Prefeitura Municipal de Artur Nogueira 1. NECROTÉRIO

Leia mais

Anexo 7 - Despesa por Projeto e Atividade - Detalhado

Anexo 7 - Despesa por Projeto e Atividade - Detalhado Folha N. 1 01 LEGISLATIVA 120.000,00 4.543.000,00 4.848.000,00 01.031 AÇÃO LEGISLATIVA 120.000,00 4.543.000,00 4.848.000,00 01.031.0001 PROCESSO LEGISLATIVO 4.543.000,00 4.728.000,00 01.031.0001.0125 INATIVOS

Leia mais

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade Lista de verificação Algumas soluções implementadas em praias acessíveis, que poderão inspirar soluções a implementar nas zonas balneares Ponto 1 Chegada

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Vantagens e cuidados exclusivos para você e sua empresa.

Vantagens e cuidados exclusivos para você e sua empresa. Vantagens e cuidados exclusivos para você e sua empresa. Pioneira na gestão da Medicina e Segurança do Trabalho Sobre a RH Vida A RH Vida Saúde Ocupacional é uma empresa do Grupo NotreDame Intermédica

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título Do Trabalho

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título Do Trabalho ASSEMAE VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título Do Trabalho INCENTIVO À PESQUISA, REFLEXÃO E DEBATE DE TEMAS AMBIENTAIS: ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO E VISUAL DIFERENCIADO

Leia mais

No Jardim Icaraí, o 2 e 3 quartos com estilo e sofisticação.

No Jardim Icaraí, o 2 e 3 quartos com estilo e sofisticação. No Jardim Icaraí, o 2 e 3 quartos com estilo e sofisticação. Localização Rua Domingues de Sá Fachada Mais conforto dentro e fora do seu apartamento. Área total do terreno : 1.016,38 m² Total de 75 apartamentos

Leia mais

CRAS - PRAIA DO CANTO. Coordenadora: Silvia Cristina Caldas. Endereço: Rua Francisco Rubim, s/n

CRAS - PRAIA DO CANTO. Coordenadora: Silvia Cristina Caldas.   Endereço: Rua Francisco Rubim, s/n CRAS - PRAIA DO CANTO Coordenadora: Silvia Cristina Caldas E-mail: crpcanto@vitoria.es.gov.br Endereço: Rua Francisco Rubim, s/n Bairro: Bento Ferreira CEP: 29050-680 Telefone: (27) 3315-2605 Horário de

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO.

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. 1. Levantamento de Informações 1.1.Projeto de arquitetura A escolha do projeto residencial 1.2. Lay out ocupação e uso do espaço Informações

Leia mais

Engenharia Civil José Roberto Hino Junior (2º período) Stéfani Ferreira dos Santos (6º período)

Engenharia Civil José Roberto Hino Junior (2º período) Stéfani Ferreira dos Santos (6º período) Engenharia Civil José Roberto Hino Junior (2º período) Stéfani Ferreira dos Santos (6º período) Estabelecimentos Assistenciais de Saúde; Qualquer edificação destinada a assistência a saúde; Hospitais:

Leia mais

Página 1 PLANETÁRIO DE VITÓRIA. Diretor: José Arlon da Silva. Fundação: 23/06/1995

Página 1 PLANETÁRIO DE VITÓRIA. Diretor: José Arlon da Silva.   Fundação: 23/06/1995 PLANETÁRIO DE VITÓRIA Diretor: José Arlon da Silva Email: joasilva@correio1.vitoria.es.gov.br Fundação: 23/06/1995 Logradouro: Avenida Fernando Ferrari, 514 Bairro: Goiabeiras CEP: 29665-000 Telefone:

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA N.º

NORMA REGULAMENTADORA N.º SUMÁRIO SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NORMA REGULAMENTADORA N.º 10 2. Formação profissional 2.1 Qualificação 2.2 Habilitação 2.3 Capacitação 2.4 Autorização 3. Medidas de controle

Leia mais

DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS

DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS COORDENAÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA EM SAÚDE - CQIS/DESID MARCELO SETTE GUTIERREZ Coordenador Economia

Leia mais

Funcionários Terceirizados

Funcionários Terceirizados 1. Faixa etária de pessoas atendidas: Todas as idades 2. Bairros Atendidos TODOS 3. Existem critérios para que o espaço seja usado: Sim 3.1 No caso de sim, quais esses critérios: PRÁTICA ESPORTIVA 4. São

Leia mais

PERGUNTAS e RESPOSTAS. P. Qual a dimensão mínima para portas das salas de exames?

PERGUNTAS e RESPOSTAS. P. Qual a dimensão mínima para portas das salas de exames? PERGUNTAS e RESPOSTAS. P. Qual a dimensão mínima para portas das salas de exames? R. O dimensionamento de portas de EAS está estabelecido na RDC 50/02, Parte III Critérios para Projetos de Estabelecimentos

Leia mais

ANEXO I - DESCRIÇÃO DE ACOMODAÇÃO DOS SERVIDORES A- CONSULTORIA JURÍDICA DA UNIÃO/MS

ANEXO I - DESCRIÇÃO DE ACOMODAÇÃO DOS SERVIDORES A- CONSULTORIA JURÍDICA DA UNIÃO/MS ANEXO I - DESCRIÇÃO DE ACOMODAÇÃO DOS SERVIDORES A- CONSULTORIA JURÍDICA DA UNIÃO/MS Área estimada de 174,00m², compreendendo os ambientes a seguir: 1. GABINETE DO COORDENADOR: 01 Gabinete com 15m², destinado

Leia mais

PLANO DE CONTROLE DE VESTIÁRIOS, / / SANITÁRIOS E BARREIRAS SANITÁRIAS

PLANO DE CONTROLE DE VESTIÁRIOS, / / SANITÁRIOS E BARREIRAS SANITÁRIAS Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de controle higiênico-sanitário dos vestiários, sanitários e barreiras

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA, no uso de suas atribuições, de acordo com o disposto na Lei Federal n.º 8080/90, artigos 15, I e XI, 17, III e XI e na Lei Estadual

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA Versão 2014 Entidades Associadas Sumário Seção 1 Estrutura Organizacional 1.1. Liderança 1.2. Equipe Médica 1.3. Equipe de Enfermagem 1.4. Gestão de Pessoas

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o Art. 81, item

Leia mais

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação.

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação. 1 Decreto Nº 94.406/87 Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE - RS NVES/DVS/CEVS ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE - RS NVES/DVS/CEVS ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974; - Regulamento

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL2000 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3

Leia mais

NOVA SEDE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DE MINAS GERAIS

NOVA SEDE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DE MINAS GERAIS NOVA SEDE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DE MINAS GERAIS Programa de Necessidades / Dimensionamento (VERSÃO PRELIMINAR) ÁREAS DO CONSELHO REGIONAL Código Espaços Pessoal Características Relacionamento

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

Escadas. Profa Dra Sandra Martins

Escadas. Profa Dra Sandra Martins Escadas Profa Dra Sandra Martins Circulação Vertical A circulação vertical faz-se por meio de ESCADAS, RAMPAS e de EQUIPAMENTOS MECÂNICOS (elevador, monta carga e escada rolante). ESCADAS Para representação

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

Programa Nacional de Reestruturação e Aparelhagem da Rede Escolar Pública de Educação Infantil;

Programa Nacional de Reestruturação e Aparelhagem da Rede Escolar Pública de Educação Infantil; Programa Nacional de Reestruturação e Aparelhagem da Rede Escolar Pública de Educação Infantil; Faz parte das ações do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) do Ministério da Educação. Promover ações

Leia mais

DECRETO Nº 2946 DE 08 DE JANEIRO DE 2016

DECRETO Nº 2946 DE 08 DE JANEIRO DE 2016 DECRETO Nº 2946 DE 08 DE JANEIRO DE 2016 ESTABELECE OS VALORES DE MÃO-DE-OBRA E O RESPECTIVO ISSQN POR M 2 PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL, SEGUNDO O TIPO E A CATEGORIA DA EDIFICAÇÃO, PARA VIGORAREM NO MUNICÍPIO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UMA BOA MANUTENÇÃO E CONFIABILIDADE NAS INSTALAÇÕES PARA FORNECER SEGURANÇA E QUALIDADE AO PACIENTE.

A IMPORTÂNCIA DE UMA BOA MANUTENÇÃO E CONFIABILIDADE NAS INSTALAÇÕES PARA FORNECER SEGURANÇA E QUALIDADE AO PACIENTE. A IMPORTÂNCIA DE UMA BOA MANUTENÇÃO E CONFIABILIDADE NAS INSTALAÇÕES PARA FORNECER SEGURANÇA E QUALIDADE AO PACIENTE. BLOCO C- 1992 INAUGURAÇÃO DO BLOCO C. NO FINAL DA DÉCADA DE 70 A DIRETORIA DE SENHORAS

Leia mais

HOSPITAL DE EMERGÊNCIA DE SOROCABA 09/10/13

HOSPITAL DE EMERGÊNCIA DE SOROCABA 09/10/13 HOSPITAL DE EMERGÊNCIA DE SOROCABA 09/10/13 PROPOSTA DE ARQUITETURA IMPLANTAÇÃO INSERÇÃO URBANA IMPLANTAÇÃO SISTEMA VIÁRIO BLOCO HOTELARIA BLOCO DE SERVIÇOS BLOCO DE ALTA COMPLEXIDADE P.A.E. - AMBULATÓRIO

Leia mais

PLANO DIRETOR DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS NOV 2004

PLANO DIRETOR DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS NOV 2004 PLANO DIRETOR DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS NOV 2004 Prioridades definidas pela Unidade: - - Recuperação das fachadas dos edifícios Ernest Marcus e André Dreyfus (curto prazo); -- Ampliação da área disponível

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES ÍNDICE APRESENTAÇÃO.......................................... 3 PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA........................... 4 CIRCULAÇÃO

Leia mais

NORMA TÍTULO INSPEÇÕES DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PALAVRAS CHAVES INSTALAÇÕES DE CONFORTO, INSTALAÇÕES SANITÁRIAS, VESTIÁRIOS

NORMA TÍTULO INSPEÇÕES DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PALAVRAS CHAVES INSTALAÇÕES DE CONFORTO, INSTALAÇÕES SANITÁRIAS, VESTIÁRIOS 1/9 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. PROCEDIMENTOS BÁSICOS 3.1 Realização das Inspeções 3.2 Registro e Arquivamento 3.4 Recebimento e Acompanhamento de Notificações 4. DISTRIBUIÇÃO 5.

Leia mais

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Regulação e Avaliação REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Setembro/2010

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Ano Base: 2013 Demonstrativo da Proposta da Despesa

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Ano Base: 2013 Demonstrativo da Proposta da Despesa 0100 - ATIVIDADE DE APOIO ADMINISTRATIVO 20780 - Preservação do Patrimônio Público 0001 - Rio Grande do Norte Assegurar os recursos orçamentários necessários à cobertura de despesas com a conservação do

Leia mais

SIMPÓSIO NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR CONTAMINADO POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS 11/08/2005 SANTOS SÃO PAULO

SIMPÓSIO NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR CONTAMINADO POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS 11/08/2005 SANTOS SÃO PAULO SIMPÓSIO NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR CONTAMINADO POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS 11/08/2005 SANTOS SÃO PAULO PROJETO DE NORMA TÉCNICA PARA USO DO GLURALDEÍDO EM ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS À SAÚDE SECRETARIA

Leia mais

Art. 2º O Regulamento Técnico contido na Resolução - RDC nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º O Regulamento Técnico contido na Resolução - RDC nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 passa a vigorar com a seguinte redação: Resolução - RDC nº 307, de 14 de novembro de 2002 DOU de 18/11/2002 Altera a Resolução - RDC nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 que dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração

Leia mais

Roteiro de Inspeção para fornecedores - Anexo III

Roteiro de Inspeção para fornecedores - Anexo III Empresa: Data Atual: oteiro de Inspeção para fornecedores - Anexo III Assinatura do esponsável Pág 1 à 6 Data da Ultima Visita: 1º Vez º Vez Participante: Cargos: 1.Aspecto Legais: a) Profissional responsável

Leia mais

CENTRO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO TOXICÔMANOS. Coordenador: Renato Carlos Vieira. Endereço: Rua Álvaro Sarlo, 160. Bairro: Ilha de Santa Maria

CENTRO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO TOXICÔMANOS. Coordenador: Renato Carlos Vieira. Endereço: Rua Álvaro Sarlo, 160. Bairro: Ilha de Santa Maria CENTRO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO TOXICÔMANOS Coordenador: Renato Carlos Vieira Endereço: Rua Álvaro Sarlo, 160 Bairro: Ilha de Santa Maria CEP: 29051-100 Horários de atendimento: 7 às 19h (Atendimento

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

D E C R E T A: PROJETOS RESIDENCIAIS. Residência Unifamiliar R 1 1,90 2,35 2,94. Residência Multifamiliar R 8 1,64 1,95 2,39

D E C R E T A: PROJETOS RESIDENCIAIS. Residência Unifamiliar R 1 1,90 2,35 2,94. Residência Multifamiliar R 8 1,64 1,95 2,39 DECRETO N.º 4.220, DE 29DE JULHO DE 2015. Altera o Decreto n.º 3.988/2014, que Regulamenta a Lei Municipal n.º 4.739/2010, que dispõe sobre os procedimentos necessários para a obtenção do habite-se. legais,

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Leia mais

A CRIANÇA HOSPITALIZADA

A CRIANÇA HOSPITALIZADA A CRIANÇA HOSPITALIZADA O hospital infantil tornou-se um complexo de equipes de especialistas que trabalham para a melhoria de saúde da criança. Profissional importante dessas equipes é o enfermeiro, que

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

Comprovação de renda mensal compatível aos critérios de recebimento do benefício Bolsa Família. 6. Bairros atendidos

Comprovação de renda mensal compatível aos critérios de recebimento do benefício Bolsa Família. 6. Bairros atendidos CRAS - MARUÍPE Coordenadora: Cremilda Viana Astorga E-mail: cvastorga@correio1.vitoria.es.gov.br Fundação: 2001 Endereço: Rua Dom Pedro I, 72 Bairro: Maruípe CEP: 29043-190 Telefone: (27) 3314-5311 Horário

Leia mais

Deve ser totalmente preenchido com rigor e ser enviado em formato electrónico. Em conjunto devem ser enviados os seguintes anexos:

Deve ser totalmente preenchido com rigor e ser enviado em formato electrónico. Em conjunto devem ser enviados os seguintes anexos: QUESTIONÁRIO DE INFRAESTUTURAS CLUBE: PAVILHÃO: LOCALIDADE: Este questionário destina-se a identificar as condições técnicas e desportivas das infra-estruturas destinadas à prática do futsal nas competições

Leia mais

8. Existe um acompanhamento das famílias já cadastradas Sim (PAIF) Programa de atenção integral à família

8. Existe um acompanhamento das famílias já cadastradas Sim (PAIF) Programa de atenção integral à família CRAS - SANTA MARTHA Coordenadora: Margareth Pereira Bergamin E-mail: crsmartha@vitoria.es.gov.br Fundação: 2010 Endereço: Av leitão da Silva, 3375 Bairro: Andorinhas CEP: 29045-115 Telefone: (27) 3332-7942

Leia mais

Módulo IV - PIT CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES NACIONAL. (Fase preliminar) Princípios a serem abordados

Módulo IV - PIT CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES NACIONAL. (Fase preliminar) Princípios a serem abordados Módulo IV - PIT CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES NACIONAL (Fase preliminar) Princípios a serem abordados CONCEITOS FUNDAMENTAIS Viabilização dependente do sucesso do trinômio : DESEMPENHO X SUSTENTABILIDADE X RESPONSABILIDADE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO RELATORIO DE FISCALIZAÇAO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO RELATORIO DE FISCALIZAÇAO RELATORIO DE FISCALIZAÇAO 1. Identificação: 1.1. Estabelecimento: Pronto Atendimento Médico Municipal de Poconé. 1.2. CNPJ: 03.162.872/0001-44 1.3. Endereço: Av. Dom Aquino, 406. Centro. Poconé/MT. CEP

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 202/08 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 202/08 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 202/08 - CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: que as ações e serviços de saúde são de relevância pública, estando sujeitos à regulamentação,

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 15 Instalações Prediais de Esgoto Sanitário Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS

ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS ESTUDO PRELIMINAR SISTEMAS ELÉTRICOS OBRA : ECO INDEPENDÊNCIA LOCAL : Rua Souza Coutinho CONSTRUÇÃO : Fortenge Construções Empreendimentos Ltda REVISÃO : ØØ 06/10/2005 EMISSÃO INCIAL Eco Independência

Leia mais

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima identificado verificar suas condições de funcionamento.

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima identificado verificar suas condições de funcionamento. RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Pronto Clínica Oftalmológica do Nordeste Ltda (PCO) Rua Oswaldo Cruz, 341, Anexo I; Boa Vista Recife PE. Telefone: (81) 3423-4454 CNPJ 03.628.981/0001-04 Diretor Técnico: Dr.

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL H3 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3 pessoas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO DE QUEDA

GERENCIAMENTO DE RISCO DE QUEDA 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autores 1.00 Proposta inicial MGO,ESS,MRM,PAD,GAA,FCA,AMR,RRM 1 Objetivo Implantar um processo de assistência

Leia mais

Recursos Próprios 2013

Recursos Próprios 2013 Recursos Próprios 2013 " Serviços Próprios de Atendimento Pré-Hospitalar (SOS) e Assistência Domiciliar ( Home- Care): reconhecendo a importância destas modalidades assistenciais para o cliente e para

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROPRIETÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROPRIETÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROPRIETÁRIO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACABAMENTOS Validação do Memorial Descritivo do Proprietário TORRE HOTEL Empreendimento Maxplaza Rua. Gen. Salustiano Canoas/RS Data : 19/04/2016

Leia mais

AVALIAÇÃO PÓS- OCUPAÇÃO DO AMBIENTE CONTRUÍDO. Antonio Pedro Alves de Carvalho

AVALIAÇÃO PÓS- OCUPAÇÃO DO AMBIENTE CONTRUÍDO. Antonio Pedro Alves de Carvalho AVALIAÇÃO PÓS- OCUPAÇÃO DO AMBIENTE CONTRUÍDO Antonio Pedro Alves de Carvalho Definição Metodologia para diagnosticar aspectos positivos e negativos do ambiente construído a partir da avaliação de fatores

Leia mais

TABELA REFERENCIAL DE ESPECIFICAÇÃO - USO EXCLUSIVO DE VENDEDORES PORTOBELLO

TABELA REFERENCIAL DE ESPECIFICAÇÃO - USO EXCLUSIVO DE VENDEDORES PORTOBELLO - USO EXCLUSIVO DE VENDEDORES PORTOBELLO Página 01 de 05 AD Área de Serviço - piso 6 4 175 0,40 4 FL NR R R RR I I R R R R R R Área de Serviço - parede 3 ML R R NR R R R R R NR R R NR Residencial Banheiro

Leia mais

PROGRAMA DE NECESSIDADES - CAMPUS ZONA LESTE DA UNIFESP QUADRO DE USOS E ÁREAS DESCRITAS POR FASE DE CRESCIMENTO

PROGRAMA DE NECESSIDADES - CAMPUS ZONA LESTE DA UNIFESP QUADRO DE USOS E ÁREAS DESCRITAS POR FASE DE CRESCIMENTO PROGRAMA DE NECESSIDADES - CAMPUS ZONA LESTE DA UNIFESP QUADRO DE USOS E ÁREAS DESCRITAS POR FASE DE CRESCIMENTO Os quadros aqui apresentado foram elaborados em julho de 2013 pela Pró- Reitoria de Planejamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

Onde será localizada sua Clínica de Fisioterapia? Como será o processo de Venda, isto é, como conseguir clientes na quantidade necessária?

Onde será localizada sua Clínica de Fisioterapia? Como será o processo de Venda, isto é, como conseguir clientes na quantidade necessária? Onde será localizada sua Clínica de Fisioterapia? Como será o processo de Venda, isto é, como conseguir clientes na quantidade necessária? Como será o processo para ocupação do espaço no mercado com clientes,

Leia mais

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO 1. ATIVIDADES MÍNIMAS A REALIZAR 1.1. ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Produção. 1.1.1. Realizar, no mínimo, 90% da meta estabelecida no Plano de Metas de 1.1.2. O indicador de aferição

Leia mais

VISITA TÉCNICA AO HOSPITAL DE URGÊNCIA DE GOIÂNIA - HUGO

VISITA TÉCNICA AO HOSPITAL DE URGÊNCIA DE GOIÂNIA - HUGO VISITA TÉCNICA AO HOSPITAL DE URGÊNCIA DE GOIÂNIA - HUGO Com o objetivo de conhecer a estrutura e o funcionamento da saúde pública estadual o Presidente da Comissão de Saúde e Promoção Social (CSPS), o

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO Existe uma bibliografia completa com dimensões médias das necessidades humanas. Um dos autores mais importantes é Ernst Neufert, que fez um estudo detalhado sobre estas dimensões

Leia mais

PROGRAMA DE NECESSIDADES - CAMPUS EMBU DA UNIFESP Estimativa preliminar para Estudo de Viabilidade - Outubro de 2013

PROGRAMA DE NECESSIDADES - CAMPUS EMBU DA UNIFESP Estimativa preliminar para Estudo de Viabilidade - Outubro de 2013 PROGRAMA DE NECESSIDADES - CAMPUS EMBU DA UNIFESP Estimativa preliminar para Estudo de Viabilidade - Outubro de 2013 CURSOS Cinema vespertino 50 200 Cinema noturno 50 200 Artes plásticas verspertino Ingressa

Leia mais

Programa obrigatório em qualquer empresa que possua funcionários regidos pela CLT, independente da quantidade. Deve ser coordenado por Médico com

Programa obrigatório em qualquer empresa que possua funcionários regidos pela CLT, independente da quantidade. Deve ser coordenado por Médico com Saúde e Segurança no Trabalho Gestão de Segurança na Construção Civil e Seus Pontos Positivos PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional O que é? Programa obrigatório em qualquer empresa que

Leia mais

EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes

EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes EQUIPAMENTOS PORTE I PORTE II PORTE III Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes Bebedouro 1 1 2 Balcão de atendimento com espaço para 1 1 1 computadores e impressoras* Cadeira

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA MANUAL DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO PLURIANUAL 2004-2007 E R R A T A BELÉM-PARÀ Junho/2003

Leia mais

INSPEÇÕES DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS, DE CONFORTO E VESTIÁRIOS.

INSPEÇÕES DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS, DE CONFORTO E VESTIÁRIOS. NORMA CÓDIGO T.01.04 APROVAÇÃO DEX-308ª REVISÃO 01 PÁG 1 / 9 DATA 10/12/2002 DATA 26/03/2015 TÍTULO INSPEÇÕES DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS, DE. PALAVRAS-CHAVE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS, INSTALAÇÕES DE CONFORTO,

Leia mais

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento

Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Esgotos Sanitários Ventilação e Dimensionamento Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Etapas de Projeto: Vista de instalação de esgoto sob laje e shaft em edifício comercial (Fonte: www.suzuki.arq.br).

Leia mais

INFORMAÇÕES DO EMPREENDIMENTO

INFORMAÇÕES DO EMPREENDIMENTO DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO Dados Gerais do Empreendimento: - Localização: Rua João Pio Duarte Silva, s/n, Córrego Grande, Florianópolis/SC; - Projeto aprovado nº 58.148 em 16/03/2010; - Incorporação nº

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 01/CT/2016 Assunto: Desinfecção Terminal em UBS Palavras-chave: Desinfecção Terminal, UBS, Auxiliar de Limpeza I Solicitação recebida pelo Coren/SC: Nas UBS os responsáveis

Leia mais

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO Nome do estabelecimento: UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Tipo do estabelecimento: UPA PORTE 02 Proprietária: Fundo Municipal de Saúde de Caicó/RN

Leia mais

PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO

PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO PARECER TÉCNICO N.º 006/DTPI/2016 ASSUNTO Consulta técnica do 5º CRB,

Leia mais