Secretaria de Saúde de Diadema Coordenadoria de Vigilância à Saúde Serviço de Vigilância Sanitária

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria de Saúde de Diadema Coordenadoria de Vigilância à Saúde Serviço de Vigilância Sanitária"

Transcrição

1 Secretaria de Saúde de Diadema Coordenadoria de Vigilância à Saúde Serviço de Vigilância Sanitária

2 Fonte: rehagro.com.br Por que aprovar projetos arquitetônicos de estabelecimentos de interesse à saúde? A aprovação de projetos arquitetônicos de atividades de interesse à saúde pela Vigilância Sanitária é importante instrumento para avaliação de risco e prevenção de impactos à saúde, sendo competência do Sistema Único de Saúde. 2

3 Benefícios para a saúde pública Proporciona maior eficiência para desempenho das atividades desenvolvidas. Garante a salubridade dos ambientes construídos. Proporciona a proteção do meio ambiente. Fonte: rehagro.com.br Ambientes construídos Qualidade de Vida 3

4 Embasamento legal Constituição Federal 1988 institui o Sistema Único de Saúde Fonte: rehagro.com.br Lei Orgânica da Saúde (Lei 8080/90) art. 5 define a Vigilância Sanitária (conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio ambiente, produção e circulação de bens e prestação de serviços de interesse à saúde). 4

5 Portaria CVS 1/ define os estabelecimentos objeto de aprovação de projetos de interesse à saúde e emissão de laudo técnico de avaliação (LTA) como parecer final entre a compatibilidade dos espaços projetados e usos previstos. Portaria CVS 10/ estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a avaliação físico-funcional dos projetos. Fonte: rehagro.com.br Decreto /1978 dispõe sobre normas de promoção, preservação e recuperação da saúde Capítulo IX Locais de trabalho 5

6 Principais normas que abordam aspectos construtivos Serviços de Saúde Resolução RDC 50/2002 Resolução RDC 51/2010 Portaria MS 453/98 Projetos Arquitetônicos ABNT NBR 6492/1994 ABNT NBR 9050/2015 Indústrias de Alimentos Portaria MS 326/1997 Indústrias e Distribuidoras Cozinhas industriais de Produtos Portaria MS 326/1997 Resolução RDC 17/2010 Fonte: rehagro.com.br Portaria CVS 5/2013 Com. Var. Cosméticos com Resolução RDC 47/2013 Fracionamento Farmácia de manipulação Resolução RDC 48/2013 Resolução RDC 48/2013 Resolução RDC 67/2007 Resolução RDC 204/2006

7 A aprovação de projetos arquitetônicos de estabelecimentos de interesse a saúde pela Vigilância Sanitária é etapa obrigatória para a regularização de empresas consideradas de alto risco e definidas na Portaria CVS 1/2017. Fonte: dmrieengenharia.com.br 7

8 O que é Laudo Técnico de Avaliação LTA? Fonte: rehagro.com.br Documento que expressa decisão do órgão de Vigilância Sanitária competente sobre a avaliação físicofuncional do projeto de edificação de estabelecimentos, e seus complementos, que abriga atividade de interesse à saúde. Fonte: Portaria CVS 1/2017

9 Quais as atividades sujeitas a aprovação de projeto físico funcional pela Vigilância Sanitária? Fonte: https://delifesta.com/sobre Fabril Indústrias de: alimentos, água mineral, aditivos para alimentos, embalagens para alimentos, produtos para saúde, cosméticos, produtos de higiene e perfumes, saneantes domissanitários, medicamentos, farmoquímicos (insumos farmacêuticos). Fonte: Portaria CVS 1/2017 9

10 Distribuidora/Importadora de Diversas classes de Produtos: produtos para a saúde, cosméticos, produtos de higiene, perfumes, saneantes domissanitários, medicamentos e insumos farmacêuticos. Fonte: imsb.com.br Prestação de serviços com produtos relacionados a saúde: envasamento e empacotamento de produtos relacionados a saúde, depósito fechado de produtos relacionados à saúde, transportadora com local para armazenamento, esterilização e controle de pragas urbanas. Fonte: Portaria CVS 1/

11 Comércio varejista de medicamentos: farmácia de manipulação. Comércio varejista de cosméticos: com fracionamento. Fonte: guiadecubatao.com.br Comércio varejista de alimentos: cozinhas industriais Prestadores de serviços coletivos e sociais: clubes, ensino de esportes, parques temáticos e aquáticos, orfanatos. Fonte: fotografiasaereas.com.br Fonte: quantomaistardemelhor.com Outras atividades relacionadas a saúde: instituições de idoso, atividades de hidroginástica. Prestação serviços veterinários: clinicas e hospitais com uso de radiação ionizante (tratamento e 11 diagnóstico). Fonte: Portaria CVS 1/2017

12 Fonte: ehow.com.br Prestação de serviços de saúde: unidades hospitalares; pronto socorro; clinicas odontológicas; laboratórios de análises clínicas e anátomo patológicas; ambulatórios com procedimentos cirúrgicos ou exames complementares; serviço de vacinação humana; serviços de quimioterapia, hemoterapia e hemodiálise; serviço de esterilização de produtos para a saúde; estabelecimentos com equipamentos ou fontes emissoras de radiação (radiodiagnóstico médico e odontológico, medicina nuclear, radioterapia). Fonte: Portaria CVS 1/2017 Fonte: turmaderadiologiablogspot.com

13 Documentação Fonte: br.freepik.com Quais os documentos necessários para solicitação de análise de projetos de estabelecimentos de interesse à saúde? Formulário de Solicitação de Laudo Técnico de Avaliação LTA 1 via Projeto (Planta baixa) - 2 vias Memoriais do Projeto e da Obra - 2 vias Memorial de Atividades 2 vias Cópia da Anotação de Responsabilidade Técnica do responsável pelo projeto 1 via Comprovante de rede pública de água/esgoto 1 via Protocolo do VRE (exceto no caso de Pessoa Física) Cópia PGRSS * exclusivo para atividades de serviços de saúde 13

14 Resolução RDC 51/2010, Art. 13, parágrafo 1º Somente devem ser protocolados os projetos com documentação completa. 14

15 Formulário Fonte: br.freepik.com Formulário de Solicitação de Laudo Técnico de Avaliação LTA Anexo 2 da Portaria CVS 10/

16 Projeto Planta baixa (escala 1:100) Fonte: br.freepik.com 1- Quadro de informação (carimbo) 2- Implantação das edificações, instalações e equipamentos no lote; 3- Desenho de mobiliários, máquinas e equipamentos (lay out) ; 4- Quadro de iluminação e ventilação de todas as áreas; 16

17 Modelo de Carimbo de Projeto 17

18 Projeto Planta baixa (escala 1:100) Fonte: br.freepik.com 5- Cortes longitudinais e transversais; 6- Fluxo operacional das atividades (inclusive de resíduos); 7- Fluxo de Funcionários; 8- Detalhamento de elementos críticos (portas, escadas, corredores, rampas, etc); 9- Localização de reservatório de água e abrigo de resíduos. 18

19 Memoriais do Projeto e da Obra Fonte: br.freepik.com 1- Informações sobre o revestimento de pisos, paredes, divisórias, tetos, forros, coberturas, mobiliários, etc; 2- Informações sobre a capacidade do reservatório de água; 3- Especificações técnicas dos sistemas de ventilação artificial ; 4- Informações sobre tipos de resíduos gerados pelo serviço e sua destinação. 19

20 Memorial de Atividades Fonte: br.freepik.com 1- Descrição da sequência de operações em todas as etapas das atividades desenvolvidas (fluxo operacional); 2- Descrição dos processos de trabalho (para serviços de saúde); 3- Fluxo de circulação de pacientes (exclusivo para serviços de saúde) e de funcionários; 4- Quantificação e qualificação de pessoal por sexo e turno de trabalho. 20

21 Fonte: br.freepik.com Todos os documentos devem ser apresentados em duas vias (exceto o formulário de solicitação de LTA) e assinados pelo responsável legal do estabelecimento e pelo responsável técnico pelo projeto. 21

22 Modelos de projetos de acordo com as exigências normativas. Fonte: tracodaarquitetura.com 22

23 Exemplo I Projeto Conforme 23

24 Exemplo I - Quadro de Ventilação e Iluminação 24

25 Exemplo I - Quadro de Equipamentos 25

26 Exemplo II Projeto Conforme 26

27 Exemplo II Projeto Conforme 27

28 Exemplo II Projeto Conforme 28

29 Exemplo II Projeto Conforme 29

30 Modelo - Quadro de Acabamentos Fonte: ABNT NBR 6492/

31 Exemplo - Quadro de Acabamentos 31

32 Quais as principais não conformidades verificadas em projetos apresentados na Vigilância Sanitária de Diadema? Fonte: tracodaarquitetura.com 32

33 Não conformidades verificadas em projetos analisados VISA Diadema 2017 Ausência de informação dos CNAEs e/ou descrição da atividade correspondente, em memoriais e/ou projeto. Ausência no carimbo da planta do nome do Responsável Legal, por extenso. Layout incompleto não demonstração de todos os mobiliários e equipamentos, ambiente por ambiente. Ausência ou informação incompleta dos acabamentos/revestimentos de piso, paredes, divisórias, forros, coberturas, etc. Fluxos incompletos em planta e/ou em memorial de atividades. Ausência ou apresentação incompleta do quadro de ventilação e iluminação. Ausência ou apresentação incompleta de quadro geral dos acabamentos. Ausência da assinatura do Responsável Técnico pelo projeto no Memorial de Atividades. Ausência das soluções técnicas dos sistemas de ventilação nos Memorias do Projeto e da Obra. Não compatibilização entre as denominações utilizadas no projeto e nos memoriais, para os espaços físicos e pavimentos. Apresentação de fluxograma no lugar da descrição detalhada dos fluxos operacionais das atividades realizadas. Apresentação de Manual de Boas Práticas, Manual de Rotinas e Procedimentos e POPs no lugar do Memorial de Atividades. Apresentação de projetos em desacordo com as normas específicas definidas para a atividade solicitada. Reapresentação de projeto idêntico ao anteriormente entregue. 33

34 FLUXOGRAMA FLUXO DESCRITIVO 34

35 Modelo de Termo de Adequação de Conduta 35

36 Modelo de laudo Deferido com Condicionante Condicionantes: dizem respeito a determinados aspectos da edificação que merecem adequação, mas que não comprometem diretamente as finalidades de uso, constituindo pendências. Fonte: Portaria CVS 1/

37 Modelo de laudo Indeferido 37

38 Modelo de laudo Deferido 38

39 OBRIGADO Carlos Everardo Alves Filho Engenheiro Civil e Sanitarista Secretaria de Saúde de Diadema Coordenadoria de Vigilância à Saúde Serviço de Vigilância Sanitária

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. PORTARIA CVS Nº 10, DE 5 DE AGOSTO DE 2017 DOE/SP de 16/08/2017 [Página 39]

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. PORTARIA CVS Nº 10, DE 5 DE AGOSTO DE 2017 DOE/SP de 16/08/2017 [Página 39] SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA CVS Nº 10, DE 5 DE AGOSTO DE 2017 DOE/SP de 16/08/2017 [Página 39] Define diretrizes, critérios e procedimentos no âmbito do Sistema

Leia mais

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Industria Legal e Segurança Alimentar DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Vigilância Sanitária Objetivo: prevenção e controle de RISCOS à saúde da população e proteção

Leia mais

* APRECIAÇÃO DE DOCUMENTOS SIM NÃO NA

* APRECIAÇÃO DE DOCUMENTOS SIM NÃO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE Á SAÚDE EVSPIS/CGVS/SMS/PMPA Av. Padre

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE - RS NVES/DVS/CEVS ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE - RS NVES/DVS/CEVS ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974; - Regulamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ ESTADO DO PARANÁ

TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ ESTADO DO PARANÁ TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ OBRIGATORIEDADE DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Antonio Pedro Alves de Carvalho Imagem: omnistudio.com.br Qualidades de uma solução arquitetônica: Funcionalidade Economia Beleza Flexibilidade Expansibilidade

Leia mais

Portaria n.º 43/2008

Portaria n.º 43/2008 Portaria n.º 43/2008 Dispõe sobre a documentação necessária para abertura de processos administrativos para solicitação, renovação e alteração de Licença Sanitária de farmácias e drogarias no Estado do

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS SUJEITOS À VIGILÂNCIA SANITÁRIA SUMÁRIO

ANEXO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS SUJEITOS À VIGILÂNCIA SANITÁRIA SUMÁRIO ANEXO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS SUJEITOS À VIGILÂNCIA SANITÁRIA SUMÁRIO 1 - Laboratórios de Análises Clínicas, Pesquisa e Anatomia Patológica, Posto de Coleta de Laboratório

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) ODONTOLOGIA O gerenciamento dos RSS constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de bases

Leia mais

ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE /07

ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE /07 11. ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE 8630-5/07 Compreende: Banco de Esperma; Banco de Sêmen Humano; Clínica de Reprodução Assistida; Atividade de Fertilização In Vitro de Seres Humanos;

Leia mais

ANEXO 1 - PORTARIA SF Nº 05/2003. Tabela de Códigos referentes à Taxa de Fiscalização de Estabelecimentos (TFE) Seção 1 - Atividades Permanentes

ANEXO 1 - PORTARIA SF Nº 05/2003. Tabela de Códigos referentes à Taxa de Fiscalização de Estabelecimentos (TFE) Seção 1 - Atividades Permanentes ANEXO 1 - PORTARIA SF Nº 05/2003 Tabela de Códigos referentes à Taxa de Fiscalização de Estabelecimentos (TFE) Seção 1 - Atividades Permanentes Código Item da Tabela anexa à Lei Grupo de Atividades conforme

Leia mais

IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS

IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 3.326, de 29 de novembro de 1994 Publicada no DOERJ de 09 de dezembro de 1994

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA FÍSICA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

NORMATIZAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA FÍSICA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NORMATIZAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA FÍSICA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Órgão regulamentador do sistema de saúde, no desempenho da ação fiscalizadora, quanto a adequação das condições do ambiente onde se processa

Leia mais

TABELA PRÁTICA COM OS VALORES DA TFE PARA 2011

TABELA PRÁTICA COM OS VALORES DA TFE PARA 2011 30104 30201 30309 30406 30503 30600 30708 30805 30902 31003 31100 31208 31305 Agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal, pesca, aquicultura e serviços relacionados com essas atividades.

Leia mais

TABELA PRÁTICA COM OS VALORES DA TFE PARA 2014

TABELA PRÁTICA COM OS VALORES DA TFE PARA 2014 30104 30201 30309 30406 30503 30600 30708 30805 30902 31003 31100 31208 31305 Agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal, pesca, aquicultura e serviços relacionados com essas atividades.

Leia mais

A Prefeita do Município de Campinas, no uso de suas atribuições legais, e

A Prefeita do Município de Campinas, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 15.038 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 DISPÕE SOBRE OS ALVARÁS DE USO, CADASTROS E LICENÇAS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS DE INTERESSE E ASSISTÊNCIA À SAÚDE, TERMOS DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) Projeto Arquitetônico Projeto Estrutural TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS GRUPO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA XXVII SJCAMPOS

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS GRUPO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA XXVII SJCAMPOS GVS XXVII SÃO JOSÉ DOS CAMPOS A missão da Vigilância Sanitária engloba ações relacionadas a quatro áreas fundamentais: controle de bens de consumo que direta ou indiretamente se relacionam à saúde, envolvendo

Leia mais

RESOLUÇÃO SES Nº 213 DE 04 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO SES Nº 213 DE 04 DE JANEIRO DE 2012 RESOLUÇÃO SES Nº 213 DE 04 DE JANEIRO DE 2012 APROVA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA A REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS SUJEITOS À VIGILÂNCIA SANITÁRIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS NO ÂMBITO DO ESTADO

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA LICENCIAMENTO VISA - PAULISTA

DOCUMENTAÇÃO PARA LICENCIAMENTO VISA - PAULISTA DOCUMENTAÇÕES BÁSICAS PARA TODOS OS ESTABELECIMENTOS: 1. Requerimento padronizado da Secretaria de Saúde Vigilância Sanitária, assinado pelo Proprietário e/ou Responsável Técnico; 2. Cópia do Cadastro

Leia mais

WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA

WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA WORKSHOP RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFiOS PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SAÚDE E LIMPEZA PÚBLICA 2 CONDICIONANTES E DETERMINANTES DE SAÚDE: Conceito de Saúde para a Organização Mundial de Saúde, a OMS: Saúde é

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

1. Recomendações gerais:

1. Recomendações gerais: 06 de Abril de 2016 Página 1/17 MISSÃO DO NÚCLEO DE VIGILANCIA SANITÁRIA O Núcleo de Vigilância Sanitária é o órgão da Secretaria de Estado da Saúde, e tem como missão: Coordenar, supervisionar, assessorar,

Leia mais

Novo modelo de licenciamento. Obras da Construção Civil no Município de Balneário Camboriú SC

Novo modelo de licenciamento. Obras da Construção Civil no Município de Balneário Camboriú SC Novo modelo de licenciamento Obras da Construção Civil no Município de Balneário Camboriú SC Origem Teve seu início antes das eleições municipais de 2016 Compromisso do plano de governo da gestão atual

Leia mais

Pilar: Empresa (Rotina)

Pilar: Empresa (Rotina) Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Pilar: Empresa (Rotina) 1. EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 1.10 INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PARA OS MANIPULADORES:

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS.

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Razão Social / Nome completo: C.N.P.J. / C.P.F.: Endereço: Bairro: Classificação

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 42, DE 25 DE OUTUBRO DE 2010

RESOLUÇÃO-RDC Nº 42, DE 25 DE OUTUBRO DE 2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 42, DE 25 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de disponibilização de preparação alcoólica para fricção antisséptica das mãos, pelos serviços de saúde do País, e dá outras

Leia mais

VALIDAÇÃO DE FORNECEDORES

VALIDAÇÃO DE FORNECEDORES 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial ATO, VSC, LAS 1 Objetivo Estabelecer uma comissão e um fluxo de trabalho para

Leia mais

REGULARIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

REGULARIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO REGULARIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Dezembro de 2013 LAS ALVARÁ DE USO LICENÇA DE FUNCIONAMENTO RESTAURANTE E SIMILARES CNAE 5611-2/01 LANCHONETE, CASA DE CHÁS, SUCOS E SIMILARES CNAE 5611-2/03 MENOR

Leia mais

PANORAMA DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE FRENTE A RDC Nº15/2012

PANORAMA DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE FRENTE A RDC Nº15/2012 PANORAMA DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE FRENTE A RDC Nº15/2012 A Equipe de Serviços de Interesse à Saúde (EVSIS) é responsável pelo conjunto de ações capazes de prevenir, minimizar ou eliminar riscos e agravos

Leia mais

Aula 17- ARQ-011 Desenho Técnico 1: Representação de projetos de arquitetura (seg. NBR-6492: 1994) Antonio Pedro Carvalho

Aula 17- ARQ-011 Desenho Técnico 1: Representação de projetos de arquitetura (seg. NBR-6492: 1994) Antonio Pedro Carvalho Aula 17- ARQ-011 Desenho Técnico 1: Representação de projetos de arquitetura (seg. NBR-6492: 1994) Antonio Pedro Carvalho Técnicas Desenho a mão livre De maneira geral é a representação do projeto nas

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Construção Civil IV

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Construção Civil IV SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL 2 INTRODUÇÃO TC 042 - PROJETO ARQUITETÔNICO Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2017 SOUZA (2015). 3 INTRODUÇÃO 4 INTRODUÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DE ARAGUARI MG

MUNICÍPIO DE ARAGUARI MG MUNICÍPIO DE ARAGUARI MG SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO VOLUME I - PROJETO CIVIL / HIDRÁULICO TOMO III DESENHOS 1/62 A 30/62 ABRIL / 2015 1 APRESENTAÇÃO Em conformidade com o contrato firmado entre a

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas 1. Introdução As orientações aqui contidas têm o objetivo de auxiliar a FRANQUEADA na instalação da AGF. Seguindo todas as orientações e tirando

Leia mais

Droga Medicamento Insumo Farmacêutico

Droga Medicamento Insumo Farmacêutico TAF Lei 5.991 de 1973 I - Droga - substância ou matéria-prima que tenha a finalidade medicamentosa ou sanitária; II - Medicamento - produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade

Leia mais

Construção 1. Etapa 1- Compatibilização de projetos e documentação. (4 aulas) Projeto de arquitetura e complementares antes de iniciar a obra;

Construção 1. Etapa 1- Compatibilização de projetos e documentação. (4 aulas) Projeto de arquitetura e complementares antes de iniciar a obra; Construção 1 Etapa 1- Compatibilização de projetos e documentação. (4 aulas) Projeto de arquitetura e complementares antes de iniciar a obra; Parte gráfica arquitetura, detalhes estrutura, instalações

Leia mais

Grupo de Materiais de Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA

Grupo de Materiais de Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA Disciplina: Construção civil I Departamento de construção civil Prof: Gabriel P. Marinho Assuntos - CONCEITOS INICIAIS - CREA PR - ETAPAS - DOCUMENTOS - TAXAS - REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral Curso Técnico Segurança do Trabalho Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral A NR18 é a norma que regulamenta a Segurança e Medicina do Trabalho na Indústria da Construção

Leia mais

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO PARA ENGENHARIA CIVIL ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ 2016/02 ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO O projeto de uma edificação é desenvolvido em fases,

Leia mais

Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS

Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS Seção 2 Identificação do município Município: Endereço completo da Prefeitura: CEP: Telefone (Inserir DDD): E-mail para contato: Seção 3 Identificação

Leia mais

Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013

Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013 Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013 CONCEITOS RESÍDUO: Resíduos nos estados sólido, semi-sólido ou líquido resultantes de atividades industriais, domésticas, hospitalar,

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Aula Inaugural Introdução as Boas Práticas da Farmácia Hospitalar Kelly Braga Farmácia Hospitalar Unidade clínica, administrativa a e econômica,

Leia mais

REFORMA DO PISO DAS ENFERMARIAS COLETIVAS DO 4º, 6º E 7º ANDAR - ALA A. Contrato de Repasse Nº MEMORIAL DESCRITIVO

REFORMA DO PISO DAS ENFERMARIAS COLETIVAS DO 4º, 6º E 7º ANDAR - ALA A. Contrato de Repasse Nº MEMORIAL DESCRITIVO DO 4º, 6º E 7º ANDAR - ALA A Contrato de Repasse Nº 1028016-26 Av. Francisco Sales, 1111 Santa Efigênia CEP 30150-221 Belo Horizonte MG 31 32388100 santacasabh.org.br - 1/6 SUMÁRIO 1 DADOS GERAIS DO CONTRATO...

Leia mais

DELIBERAÇÃO N 854/2015

DELIBERAÇÃO N 854/2015 DELIBERAÇÃO N 854/2015 Ementa Dispõe sobre a regulação da assistência e responsabilidade técnica em empresas de transporte terrestre, aéreo, ferroviário ou fluvial de medicamentos, produtos farmacêuticos,

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação de Produtos para a Saúde. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD Alba Pismel

Boas Práticas de Fabricação de Produtos para a Saúde. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD Alba Pismel Boas Práticas de Fabricação de Produtos para a Saúde Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD Alba Pismel Coordenação de Inspeção de Produtos Nova estrutura administrativa Principais atribuições Legislação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO VELHO/RO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO VELHO/RO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Item 01 - DROGARIAS, FARMÁCIAS E DISPENSÁRIOS DE MEDICAMENTOS - ABERTURA 4. Cópia do Contrato Social / Ata de Constituição da Empresa registrado na Junta Comercial 5. Cópia do documento de Inscrição no

Leia mais

Roteiro de Solicitação

Roteiro de Solicitação Roteiro de Solicitação Número Roteiro.LP. 6-01 Nome Roteiro: Licença Prévia para comércio varejista de produtos farmacêuticos sem manipulação de fórmulas Objetivo: Requerer a Licença Prévia para comércio

Leia mais

CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA CVS N. 4, DE 21 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre o Sistema Estadual de Vigilância Sanitária (SEVISA), define o Cadastro Estadual de Vigilância Sanitária (CEVS) e os

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO COMPLEXO INDUSTRIAL / PRÉDIO COMERCIAL. Otaviano Alves de Lima, nº Jardim das Graças SÃO PAULO SP

LAUDO DE AVALIAÇÃO COMPLEXO INDUSTRIAL / PRÉDIO COMERCIAL. Otaviano Alves de Lima, nº Jardim das Graças SÃO PAULO SP fls. 374 LAUDO DE AVALIAÇÃO COMPLEXO INDUSTRIAL / PRÉDIO COMERCIAL Otaviano Alves de Lima, nº. 2.724 Jardim das Graças SÃO PAULO SP fls. 375 Sumário 1. PRELIMINARES 4 2. DIAGNÓSTICO DE MERCADO 4 3. RESUMO

Leia mais

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicament os Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicamentos Aspectos gerais Situação atual... No Brasil ainda não se tem uma regulamentação específica no âmbito nacional relacionada

Leia mais

SETOR DE COSMÉTICOS E BELEZA: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE COSMÉTICOS E BELEZA: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro SETOR DE COSMÉTICOS E BELEZA: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, OUTUBRO DE 2012 16 2012 PANORAMA

Leia mais

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições:

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições: IT 1814 R.5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE ANTEPROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES OU TRANSITÓRIAS) GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

REQUERIMENTO. Requerente

REQUERIMENTO. Requerente Município de Carlos Barbosa Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Planejamento Urbano Formulário para Licenciamento Ambiental de ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE E SIMILARES REQUERIMENTO, CPF nº, RG nº, abaixo

Leia mais

Projeto Arquitetônico Conceitos e elementos. Curso técnico em Eletroeletrônica

Projeto Arquitetônico Conceitos e elementos. Curso técnico em Eletroeletrônica Projeto Arquitetônico Conceitos e elementos Curso técnico em Eletroeletrônica PROJETO LEGAL PROJETO LEGAL É aquele dirigido à aprovação junto aos órgãos competentes: Projeto arquitetônico na Prefeitura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROJETO FINAL CURRAL DE MANOBRAS 1000 ANIMAIS Trabalho apresentado como parte dos requisitos

Leia mais

Portaria 2215/ SMS.G

Portaria 2215/ SMS.G Portaria 2215/2016 - SMS.G Estabelece os procedimentos necessários para o requerimento de inscrição no Cadastro Municipal de Vigilância em Saúde CMVS ou da Licença de Funcionamento Sanitária. O Secretário

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia

Conselho Federal de Farmácia 1 RESOLUÇÃO Nº 549, de 25 de agosto de 2011 Ementa: Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no exercício da gestão de produtos para a saúde, e dá outras providências. O Conselho Federal de Farmácia,

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II

UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II UNISALESIANO Curso de Arquitetura e Urbanismo Projeto Arquitetônico Interdisciplinar II Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Setembro - 2013 1 Acessibilidade a Edificações 1.1 Introdução A norma brasileira

Leia mais

INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL TÉCNICO

Leia mais

IMPOSTOS, LAUDOS E VIGILÂNCIA SANITÁRIA, O QUE É PRECISO FAZER PARA MONTAR UM CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO?

IMPOSTOS, LAUDOS E VIGILÂNCIA SANITÁRIA, O QUE É PRECISO FAZER PARA MONTAR UM CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO? www.ipebj.com.br IMPOSTOS, LAUDOS E VIGILÂNCIA SANITÁRIA, O QUE É PRECISO FAZER PARA MONTAR UM CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO? Para abertura dos consultórios odontológicos há uma série de condições impostas

Leia mais

MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO INTRODUÇÃO Os resíduos do serviço de saúde ocupam um lugar de destaque, pois merecem atenção especial em todas as suas fases de manejo (segregação,

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 01/2015 Análise de Projeto de Arquitetura

PROC-IBR-EDIF 01/2015 Análise de Projeto de Arquitetura INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 01/2015 Análise de Projeto de Arquitetura Primeira edição válida a partir de:

Leia mais

Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS

Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS Questionário: informações sobre a gestão municipal dos RSS *Questões de preenchimento obrigatório Seção 2 Identificação do município Município*: Endereço da Prefeitura* (Logradouro, número e complemento;

Leia mais

Universidade de Santo Amaro Curso de Farmácia - Regulamento de Estágios Obrigatórios

Universidade de Santo Amaro Curso de Farmácia - Regulamento de Estágios Obrigatórios Introdução O Estágio Curricular Obrigatório é uma exigência curricular para formação no Curso de Farmácia da Universidade de Santo Amaro (UNISA). As normas aqui descritas estão de acordo com a Lei Federal

Leia mais

2.1.2 Resolução CONAMA nº 283, de 12 de julho de Dispõe sobre o tratamento e a destinação final dos resíduos dos serviços de saúde.

2.1.2 Resolução CONAMA nº 283, de 12 de julho de Dispõe sobre o tratamento e a destinação final dos resíduos dos serviços de saúde. IT-1318.R-2 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA UNIDADES DE RECICLAGEM E COMPOSTAGEM Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.225, de 21 de novembro de 2002. Publicada no DOERJ de

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde da população. Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde na Cidade de São Paulo

Resíduos de Serviços de Saúde da população. Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde na Cidade de São Paulo T Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde na Cidade de São Paulo Anos 70 - Incineração realizada pelos estabelecimentos 1976 - CETESB/LIMPURB fecham os incineradores instalados nos Hospitais 1977 - Coleta

Leia mais

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO E PARECER

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO E PARECER PARECER Nº 2546/2017- ASSUNTO: UPA - CONTRATAÇÃO DE MÉDICOS RADIOLOGISTAS AUSÊNCIA DE RESPONSÁVEL TÉCNICO - NECESSIDADE DE ADEQUAÇÕES PARECERISTA: CONS.º LUTERO MARQUES DE OLIVEIRA EMENTA: Necessidade

Leia mais

Tratamento de Efluentes Fotoquímicos Reciclagem de Filmes Fotossensíveis Manutenção de Processadoras Gerenciamento de Resíduos Licenciamento

Tratamento de Efluentes Fotoquímicos Reciclagem de Filmes Fotossensíveis Manutenção de Processadoras Gerenciamento de Resíduos Licenciamento Tratamento de Efluentes Fotoquímicos Reciclagem de Filmes Fotossensíveis Manutenção de Processadoras Gerenciamento de Resíduos Licenciamento Ambiental Radioproteção Física Médica PGRSS Revelando Ideias,

Leia mais

NUTRIÇÃO CLÍNICA- INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

NUTRIÇÃO CLÍNICA- INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA NUTRIÇÃO CLÍNICA- INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS Nº DA VISITA

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5.442, DE 26 DE MARÇO DE 2014

LEI MUNICIPAL Nº 5.442, DE 26 DE MARÇO DE 2014 LEI MUNICIPAL Nº 5.442, DE 26 DE MARÇO DE 2014 Institui a taxa por ações básicas de vigilância sanitária de competência da Direção Municipal do Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências. TITO

Leia mais

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011.

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. À Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) A/C: Dr. Dirceu Brás Aparecido Barbano Diretor-Presidente Substituto em exercício Ref.: Resolução nº

Leia mais

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02.

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02. LEGISLAÇÃO VIGENTE PGRS LEI FEDERAL n o 9.795, de 27/04/99. A definição oficial de Educação Ambiental no Brasil. LEI ESTADUAL n o 12.493, de 22/01/99. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

Elaborando o Manual de Boas Práticas

Elaborando o Manual de Boas Práticas Elaborando o Manual de Boas Práticas 1º Ciclo 2016-Responsabilidade Técnica na área Pet Renato B. Miracca 23/03/2016 Quem sou... Médico Veterinário Bacharel em Direito MBA em gestão de Empresas e Marketing

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E 2 0 1 6 FARMÁCIA CLÍNICA Definição da Sociedade Europeia de Farmácia Clínica: "uma especialidade

Leia mais

Recorte dos artigos da Portaria 2215/2016 que se referem ao licenciamento dos serviços odontológicos.

Recorte dos artigos da Portaria 2215/2016 que se referem ao licenciamento dos serviços odontológicos. Orientações técnicas sobre Licença de Funcionamento Sanitária dos Serviços Odontológicos e de Prótese Dentária, conforme determinado pela Portaria 2215/2016. De acordo com o art 90 da Lei Municipal nº

Leia mais

Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos:

Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos: Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos: DEFINIÇÃO De acordo com o Conselho Federal de Farmácia (CFF), Farmácia Hospitalar e outros serviços

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e definição dos mecanismos para rastreamento de medicamentos, por meio de tecnologia

Leia mais

Manual de Boas Práticas de Fabricação. Alda Tâmara Nutricionista CRN Porto Alegre, 26 de fevereiro de 2016

Manual de Boas Práticas de Fabricação. Alda Tâmara Nutricionista CRN Porto Alegre, 26 de fevereiro de 2016 Manual de Boas Práticas de Fabricação Alda Tâmara Nutricionista CRN-2 5372 Porto Alegre, 26 de fevereiro de 2016 Legislações RDC Nº 2016/04 ANVISA 15 de setembro de 2004 Portaria Nº 78/2009 Secretaria

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 52 DE 09 DE OUTUBRO DE 2001

ATO NORMATIVO Nº 52 DE 09 DE OUTUBRO DE 2001 ATO NORMATIVO Nº 52 DE 09 DE OUTUBRO DE 2001 DISPÕE SOBRE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS PARA O EXERCÍCIO DA FISCALIZAÇÃO, CONCERNENTES A ESTUDOS, PROJETOS E SERVIÇOS NECESSÁRIOS À EXECUÇÃO DE EDIFICAÇÕES. O

Leia mais

SIMPÓSIO NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR CONTAMINADO POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS 11/08/2005 SANTOS SÃO PAULO

SIMPÓSIO NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR CONTAMINADO POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS 11/08/2005 SANTOS SÃO PAULO SIMPÓSIO NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR CONTAMINADO POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS 11/08/2005 SANTOS SÃO PAULO PROJETO DE NORMA TÉCNICA PARA USO DO GLURALDEÍDO EM ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS À SAÚDE SECRETARIA

Leia mais

DECRETO N , DE 15 DE SETEMBRO DE 1997.

DECRETO N , DE 15 DE SETEMBRO DE 1997. DECRETO N 37.066, DE 15 DE SETEMBRO DE 1997. Decreto 37.066 15/09/97 16/09/97 Executivo resíduos tratamento.de.resíduos transporte.cargas.perigosas Regulamenta o inciso IV do artigo 3º da Lei nº 10.315,

Leia mais

Relatório de Busca por Título

Relatório de Busca por Título Data: Hora: 11/03/2014 14:36:29 Relatório de Busca por Título Titulos Código Tipo Consultor de produtos farmacêuticos 3541-50 Engenheiro químico (produtos farmacêuticos) Farmacêutico Farmacêutico acupunturista

Leia mais

ANÁLISE DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF): APLICAÇÃO DE UM CHECK-LIST EM DOIS FRIGORÍFICOS NO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE.

ANÁLISE DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF): APLICAÇÃO DE UM CHECK-LIST EM DOIS FRIGORÍFICOS NO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE. ANÁLISE DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF): APLICAÇÃO DE UM CHECK-LIST EM DOIS FRIGORÍFICOS NO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE. Apresentação: Pôster Gabriela Araujo de Oliveira Maia 1 ; Clemilson Elpidio

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS REFEIÇÃO CONVENIO [ ] CESTA DE ALIMENTOS [ ] 1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN-7

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS REFEIÇÃO CONVENIO [ ] CESTA DE ALIMENTOS [ ] 1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN-7 CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 7ª ª REGIÃO PA AC AM AP RO - RR ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA ALIMENTAÇÃO COLETIVA REFEIÇÃO CONVENIO / CESTA DE ALIMENTOS REFEIÇÃO CONVENIO

Leia mais

REGULARIZAÇÃO E HABITE-SE DE OBRA UNIFAMILIAR

REGULARIZAÇÃO E HABITE-SE DE OBRA UNIFAMILIAR REGULARIZAÇÃO E HABITE-SE DE OBRA UNIFAMILIAR SETEMBRO 2013 3. No caso de Empresa, apresentar cartão do CNPJ, Contrato Social e/ou Alteração Contratual, Requerimento de Empresário. que comprove a isenção

Leia mais

NR-32 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

NR-32 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Instituto Superior de Tecnologia NR-32 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira NR-32 Tem por finalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação

Leia mais

Lei 6.433/77, Artigo 10, Inciso XIX. Lei 6.433/77, TÍTULO I - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES - Art São infrações sanitárias, Inciso IV.

Lei 6.433/77, Artigo 10, Inciso XIX. Lei 6.433/77, TÍTULO I - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES - Art São infrações sanitárias, Inciso IV. Nível: Médio Área: Agente de Vigilância Sanitária QUESTÃO 39 Situação: Procedente Questão 39 - Na prova para Agente de Vigilância Sanitária, de nível médio, menciona: A infração que é sujeita a pena de

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC - Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Estância Turística de Tupã - SP Eixo tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional : Técnica

Leia mais

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Prof. Henrique Innecco Longo longohenrique@gmail.com Departamento de Estruturas Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro 2017

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO. Nutricionista Entrevistado(a) Nome CRN- RT / QT

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO. Nutricionista Entrevistado(a) Nome CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS/ DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Nº DA VISITA VISITA AGENDADA

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS N.º 05 - PARTE 07 PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO: EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DE INCÊNDIO EXISTENTES 2016

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS N.º 05 - PARTE 07 PROCESSO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO: EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DE INCÊNDIO EXISTENTES 2016 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA, PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS N.º

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de instalação, manutenção e controle do sistema de iluminação da empresa

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 001/2009/SEMUSA

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 001/2009/SEMUSA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 001/2009/SEMUSA O SECRETARIO MUNICIPAL DE SAÚDE, no uso de suas atribuições legais, particularmente as que lhe confere o Decreto nº. 1562, de 29 de dezembro de 2003 - CÓDIGO DE

Leia mais