Cronograma de Educação Permanente 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cronograma de Educação Permanente 2016"

Transcrição

1 Cronograma de Educação Permanente 2016 JANEIRO FEVEREIRO Atendimento ao cliente s Favorecer diálogos sobre boas práticas de atendimento ao cliente. quimioterapia, equipe do SAME e colaboradores. MARÇO Relacionamento Interpessoal s Favorecer diálogos sobre boas práticas de relacionamento interpessoal, a fim de melhorar as relações no cotidiano do trabalho. Auxiliares e Técnicos de Enfermagem, equipe do SAME. Dispensação de medicamentos. Assistência à saúde em Unidade Quimioterápica Capacitação e Atualizar os profissionais sobre a normatização de dispensação de medicamentos. assistência à saúde em unidade quimioterápica. s unidades assistenciais. quimioterapia. Boas práticas em nutrição Solicitação de nutrição parenteral Palestra Discutir sobre boas práticas em nutrição. Normatizar solicitações de nutrição parenteral Feridas e curativos Capacitar a equipe sobre técnicas adequadas de curativos. Sistema MV Módulo MGES- Controle de Estoque. Capacitar coordenadores, assistentes administrativos do setor de Compras, Funcionários do Almoxarifado central e Funcionários do Departamento de Recursos Humanos, Funcionários do SAME sobre o manuseio do sistema MV 2000 no módulo MGES-Controle de Estoque. Colaboradores dos serviços de nutrição. Médicos, equipe de enfermagem e nutricionistas pediatria - Coordenadores, Assistentes Administrativos do setor de Compras. -Funcionários do Departamento de Recursos Humanos. - Funcionários do Almoxarifado central

2 ABRIL Organização de Carro de Parada Cardiorrespiratória Capacitação e Fomentar compreensão acerca do protocolo de organização do carro de parada cardiorrespiratória. s unidades assistenciais Proteção radiológica Registro no prontuário Sistema MV Módulo PSSD- Controle de SADT. Motivação profissional Palestras Discutir sobre medidas de proteção radiológica. Discutir sobre registros de exames radiológicos no prontuário. Capacitar coordenadores, farmacêuticos, auxiliares de farmácia sobre o manuseio do sistema MV 2000 no módulo PSSD- Controle de SADT. Favorecer diálogos sobre motivação pessoal e profissional. Técnicos em Radiologia do Centro de Imagem. Técnicos de Radiologia do Centro de Imagem. Coordenadores, farmacêuticos, auxiliares de farmácia. SAME, colaboradores. Sistema Único de Saúde: avanços, desafios e perspectivas. Painel Científico Atualizar os profissionais sobre assistência e garantia de direitos aos usuários do SUS em ambiente hospitalar Ética Profissional s Favorecer diálogos sobre ética profissional. Nutrição enteral Discutir com os profissionais acerca de condutas e processos em nutrição enteral Assistentes sociais, estagiários e demais profissionais da saúde. SAME, colaboradores. Médicos, equipe de enfermagem e nutricionistas Assistência de enfermagem pediátrica Preparo, diluição e administração de medicamentos Segurança ocupacional em processo de soldagem / Educação em Atualizar a equipe de enfermagem quanto à assistência pediátrica. Atualizar a equipe sobre preparo, diluição e administração de medicamentos. Discutir sobre medidas de segurança ocupacional no processo de soldagem. pediatria. maternidade e berçários. manutenção Sistema MV Capacitar a equipe do setor de Faturistas do

3 Módulo PAEU- Atendimento de e Urgência. Sistema MV Módulo FNFI Controle Financeiro Contas a Pagar e a Receber. Urgência e e do faturamento sobre os módulos de PAEU Atendimento de e Urgência. Capacitar a equipe do Almoxarifado central sobre o módulo FNFI Controle Financeiro Contas a Pagar e a Receber. Faturamento do SUS, Coordenador e Enfermeiro (a) do setor de Faturamento de Convênios. Enfermagem e auxiliares da. recepção da emergência. Funcionários do Almoxarifado central. MAIO Sítio Cirúrgico Capacitação/ Fomentar compreensão acerca do protocolo Demarcação do Sítio Cirúrgico (Checklist). enfermagem do Bloco Cirúrgico Humanização na Atenção à Saúde Higienização das mãos Segurança ocupacional em carpintaria e pintura Rouparia Hospitalar Sistema MV Módulo PAGU Gerenciamento de Unidades. Discutir com os profissionais sobre práticas de atenção à saúde fundamentadas na perspectiva da humanização. Discutir sobre os passos da higienização das mãos e dos momentos que essa técnica deve ocorrer Discutir sobre medidas de segurança ocupacional no processo de carpintaria e pintura. técnicas adequadas em rouparia hospitalar. Capacitar a equipe da farmácia, da emergência e do faturamento sobre o módulo Gerenciamento de Unidades Enfermagem da Clínica Cirúrgica São José e colaboradores bem como equipe da Recepção. Profissionais da assistência e estudantes manutenção rouparia - Coordenadores, farmacêuticos, auxiliares de farmácia. - Auxiliares de

4 escritório, técnicos e auxiliares de Enfermagem, da Adulta. - Auxiliares de escritório, Auxiliares aprendizes, Coordenador do Faturamento do SUS e Faturista. JUNHO Capacitação/ Fomentar compreensão acerca do protocolo de prevenção e tratamento de lesões de pele. Prevenção e tratamento de lesões de pele Sistema Kambam Reanimação Cardiopulmonar Capacitar a equipe da emergência sobre o manuseio do Sistema Kambam reanimação cardiopulmonar. s unidades assistenciais - Auxiliares de escritório, técnicos e auxiliares de Enfermagem, da Adulta. Enfermagem da Clínica Cirúrgica São José. Assistência de enfermagem neonatal Passagem de Plantão Segurança ocupacional em serviço de manutenção (hemodiálise) / Educação em Atualizar a equipe de enfermagem quanto à assistência neonatal. Discutir sobre a importância da passagem de plantão para a assistência em saúde. Discutir sobre medidas de segurança ocupacional em de Manutenção. enfermagem maternidade e berçários. Manutenção hemodiálise Racionalização de Custos em Unidades Hospitalares Palestra Fomentar diálogo sobre o consumo racional de materiais em serviços de saúde. Funcionários da SCMS.

5 Sistema MV módulo de PARI - Gerenciamento de Internações. Capacitar a equipe sobre o manuseio do sistema MV 2000 (módulo de PARI- Gerenciamento de Internações). Faturamento SUS, da, e Assistente Social. Sistema MV módulo MGCO - Controle de Compras Prevenção e Tratamento de Úlceras por Pressão Capacitar a equipe sobre o manuseio do sistema MV 2000 nos módulos MGCO- Controle de Compras; JULHO Almoxarifado Central e do Setor de Compras. Capacitação/ Fomentar compreensão acerca do protocolo de prevenção e tratamento de úlceras por pressão. s unidades assistenciais Atendimento ao cliente s Favorecer diálogos sobre boas práticas de atendimento ao cliente. quimioterapia. e SAME colaboradores Sistema Elétrico de Potenção Manuseio de diluentes Segurança no Transporte de Pacientes; /Curso de curta Capacitar sobre sistema elétrico de Potenção. Discutir acerca das boas práticas em manuseio de diluentes de limpeza hospital. Discutir técnicas seguras para o transporte de pacientes. Eletricistas, profissionais da eletrônica e SESMT Agentes de Limpeza Maqueiros da Adulta Segurança no Trabalho (utilização de EPIs) Módulos Faturamento AIH (FFIS) e Faturamento Ambulatorial (FFAS) do Sistema MV 2000i /Curso de curta Discutir sobre uso adequado de equipamentos de proteção individual. Capacitar os profissionais parautilização adequada dos sistemas de Faturamento de AIH e de Faturamento Ambulatorial. Maqueiros da Adulta Faturamento SUS e Convênio. AGOSTO Relacionamento Interpessoal s Favorecer diálogos sobre boas práticas de relacionamento Auxiliares e Técnicos de

6 Assistência de enfermagem no pósoperatório Corte e costura Capacitação/ interpessoal, a fim de melhorar as relações no cotidiano do trabalho. Padronizar assistência de enfermagem no pós-operatório. Atualizar os profissionais acerca de técnicas de corte e costura Enfermagem, colaboradorese equipe do SAME Sala de Recuperação e Clínicas Cirúrgicas Costureiras UNISUS WEB Segurança no Trabalho (utilização de EPIs) Direitos e Deveres trabalhistas Curso habilitação. Discutir com os profissionais sobre a funcionalidade do UNISUS WEB. Discutir sobre uso adequado de equipamentos de proteção individual. SETEMBRO Faturamento SUS, Recepção e. Maqueiros da Adulta Palestra Discutir sobre os direitos e deveres do trabalhador no hospital. Enfermagem da Clínica Cirúrgica São José e colaboradores. Sistema de Gerenciamento da Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS (SIGTAP) Motivação profissional Palestras Discutir com os profissionais a funcionalidade do SIGTAP para unidades hospitalares. Favorecer diálogos sobre motivação pessoal e profissional. Faturamento SUS. SAME e colaboradores Registro e manuseio de prontuários Uso adequado de EPI Curso habilitação Discutir sobre registros de enfermagem e manejo dos prontuários. Discutir sobre uso adequado de equipamentos de proteção individual. maternidade e berçários. Técnicos em Segurança do Trabalho Organização de arquivos técnicas adequadas de organização SAME

7 Racionalização de Custos em Unidades Hospitalares Treinamento teórico e prático no sistema de gestão de folha de pagamento. Norma Regulamentadora nº 32 Palestra Capacitação de arquivos. Fomentar diálogo sobre o consumo racional de materiais em serviços de saúde. o sistema de gestão de folha de pagamento;. OUTUBRO Funcionários da SCMS. Funcionários do Departamento de Recursos Humanos. Curso sobre NR 32 Discutir sobre as normas relacionadas a serviços de saúde. Técnicas de negociação Higiene e limpeza hospitalar Computação Curso sobre OPME (Órteses, Próteses e Materiais Especiais). Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional (ISO 18001) Discutir com profissionais sobre técnicas de negociação. Capacitar os agentes de limpeza quanto às normas de higiene e limpeza hospitalar Capacitar os profissionais acerca do manuseio de computadores. o sistema OPME. Colaboradores dos serviços de higiene e limpeza hospitalar Coordenadores, Assistentes Administrativos do setor de Compras. Agentes de Limpeza Costureiras Faturistas do Faturamento do SUS, Coordenador e Enfermeiro (a) do setor de Faturamento de Convênios. NOVEMBRO SESMT Gerenciamento de resíduos sólidos Treinamento teórico e prático no sistema de gestão RH Fortes Ponto. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional (ISSO 18001). Fomentar compreensão acerca do gerenciamento correto de resíduos sólidos em serviços de saúde. Agentes de limpeza e profissionais de saúde DEZEMBRO Capacitação o sistema de gestão de RH Fortes Ponto. Funcionários do Departamento de Recursos Humanos e do

8 Trabalho com altura Curso habilitação Discutir sobre medidas de proteção de trabalho com altura. Direção defensiva. Curso Capacitar funcionário sobre direção defensiva. Gestão de Compras Dialogar com a equipe sobre serviço gerenciamento de compras. Almoxarifado Central. Profissionais envolvidos com altura. Funcionário do Compras. Coordenadores, Assistentes Administrativos do setor de Compras.

Prof. Márcio Batista

Prof. Márcio Batista Prof. Márcio Batista OBJETIVOS DA AULA Conhecer os principais conceitos em farmácia hospitalar. Conhecer os aspectos técnicos e legais de localização, construção e instalação e estruturação da farmácia

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 6 Médico Pediatra 2 Médico de Estratégia PSF 0 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 4 Auxiliar de Saúde Bucal 4 Técnico

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

Como elaborar campanhas e treinamentos. Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Como elaborar campanhas e treinamentos. Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Como elaborar campanhas e treinamentos Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Por onde começar... Importante definir : Quais os focos de atuação do Controle

Leia mais

Auditoria Farmacêutica. Unimed Federação Minas

Auditoria Farmacêutica. Unimed Federação Minas Auditoria Farmacêutica Unimed Federação Minas Unimed Federação Minas REPRESENTATIVIDADE POLÍTICO-INSTITUCIONAL 3 Milhões de clientes 56% de participação de mercado 16.530 cooperados NÚMEROS 61 Cooperativas

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 01/2016

PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 01/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 01/2016 MATERNIDADE NASCER CIDADÃO O Diretor Executivo da FUNDAHC, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, comunica a realização de processo seletivo para os cargos abaixo

Leia mais

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL O amor á profissão pode torná-lo um bom profissional, mas só um diploma pode formar um profissional completo 1. OBJECTIVOS GERAIS O curso Profissional

Leia mais

Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização

Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização Unimed São José dos Campos - SP INTRODUÇÃO A origem da Campanha Cirurgias

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL ESTERILIZADO PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL ESTERILIZADO PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO E CENTRO DE MATERIAL ESTERILIZADO Código:

Leia mais

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado.

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Uma maneira diferente de focar a avaliação. Processo interativo,

Leia mais

115 FÍSICO FÍSICA MÉDICA - RADIOTERAPIA A B A E A C B B C D A E D A A E C D B C B E D A C E E A B D FISIOTERAPIA A B A E A D E B D E A D E C A B

115 FÍSICO FÍSICA MÉDICA - RADIOTERAPIA A B A E A C B B C D A E D A A E C D B C B E D A C E E A B D FISIOTERAPIA A B A E A D E B D E A D E C A B (Gabarito divulgado em 09/12/2013) D E B E B A D D D C D C E A C C B C B E 101 ASSISTENTE SOCIAL A B A E A E A B D C B A E B C B D B D A C E A D D E C E A C 102 - BIÓLOGO A B A E A C A E B E C D A D D

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. (85)

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. (85) COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE nucit@saude.ce.gov.br (85) 3101-5234 SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE E SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS 5 e 6 de Maio de 2009 Fortaleza / CE Comissão

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO E HUMANIZAÇÃO HOSPITAL MATERNO INFANTIL RELAÇÃO DE SALÁRIOS FUNÇÃO SALÁRIO OUTROS BENEFICIOS

INSTITUTO DE GESTÃO E HUMANIZAÇÃO HOSPITAL MATERNO INFANTIL RELAÇÃO DE SALÁRIOS FUNÇÃO SALÁRIO OUTROS BENEFICIOS ANALISTA ADMINISTRATIVO 1.928,70 96,44 ANALISTA ADMINISTRATIVO 3.000,00 150,00 ANALISTA ADMINISTRATIVO 3.000,00 150,00 ANALISTA ADMINISTRATIVO 2.249,37 279,87 ANALISTA ADMINISTRATIVO 2.000,00 267,40 ANALISTA

Leia mais

MODELO ASSISTENCIAL HOSPITAL SAMARITANO -SP

MODELO ASSISTENCIAL HOSPITAL SAMARITANO -SP MODELO ASSISTENCIAL HOSPITAL SAMARITANO -SP Patricia Santesso Laurino Assessora de Aprimoramento e Desenvolvimento Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais Unimed de

Leia mais

Boas Práticas em Serviços de

Boas Práticas em Serviços de FEIRA+FÓRUM FÓRUM HOSPITALAR 2011 24 de Maio de 2011 São Paulo SP Boas Práticas em Serviços de Saúde Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA Noção Matemática

Leia mais

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Título 1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Classificação 2.SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM E OS MODELOS ORGANIZACIONAIS:

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 2,2 2,2 2,2 % 2 1 1,28 1,47 1,79 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 % 1,5 1,21 1,28 1,96,96,96,5

Leia mais

CUSTO TOTAL DA UNIDADE

CUSTO TOTAL DA UNIDADE HOSPITAL E MATERNIDADE DONA REGINA 1 CUSTO TOTAL DA UNIDADE PERÍODO: 01/09/2014 30/09/2014 ITEM CUSTO - SINTÉTICO ANALÍTICO SET/14 PESSOAL Benefícios a Pessoal - Contrato Temporário R$ 243.155,62 Benefícios

Leia mais

Diretrizes Assistenciais CHECKLIST CIRÚRGICO TIME OUT. Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2012

Diretrizes Assistenciais CHECKLIST CIRÚRGICO TIME OUT. Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2012 Diretrizes Assistenciais CHECKLIST CIRÚRGICO TIME OUT Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2012 Checklist Cirúrgico TIME OUT Introdução Dados do Institute of Medicine (IOM) estimam que cerca de 98.000

Leia mais

NQSP - CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA 2015: Ação Meta Prazo Responsável Resultado Justificativa Observação. Contínuo NQSP. NUFA, NQSP e colaboradores

NQSP - CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA 2015: Ação Meta Prazo Responsável Resultado Justificativa Observação. Contínuo NQSP. NUFA, NQSP e colaboradores - CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA 2015: Ação Meta Prazo Responsável Resultado Justificativa Observação Verificação da Notificação Conferir diariamente as notificações on line Identificação do Auditoria da adesão

Leia mais

Implantação do protocolo de acolhimento com classificação de risco nas unidades ambulatoriais do Tribunal de Justiça de São Paulo

Implantação do protocolo de acolhimento com classificação de risco nas unidades ambulatoriais do Tribunal de Justiça de São Paulo Implantação do protocolo de acolhimento com classificação de risco nas unidades ambulatoriais do Tribunal de Justiça de São Paulo Josinete Ap.da Silva Bastos Cerullo Doutora em Enfermagem Noemi de Melo

Leia mais

Plano de Saúde Amil Empresarial ou PME

Plano de Saúde Amil Empresarial ou PME AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas 02 a 29 vidas Amil Saúde 400, 500, 700 para 02 a 29 vidas AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS QUEM PODE SER DEPENDENTE = DEPENDENTES LEGAIS ATÉ O TERCEIRO GRAU DE PARENTESCO LIMITADOS

Leia mais

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade FECOMERCIO - 21/11 SÃO PAULO Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade LUIZ DE LUCA Coordenador Comissão GC em Saúde - IBGC Superintendente Corporativo Hospital Samaritano Governança Corporativa

Leia mais

Atendente de Consultório 44 05 Dentário Cirurgião Dentista 44 10 Enfermeiros 44 32 Médicos 44 13 Técnico em Higiene Dental 22 07

Atendente de Consultório 44 05 Dentário Cirurgião Dentista 44 10 Enfermeiros 44 32 Médicos 44 13 Técnico em Higiene Dental 22 07 EMPREGOS PUBLICOS ESF ESTRATEGIA SAUDE DA FAMILIA Nº por Atendente de Consultório 44 05 Dentário Cirurgião Dentista 44 10 Enfermeiros 44 32 Médicos 44 13 Técnico em Higiene Dental 22 07 EMPREGOS PUBLICOS

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS DIRETORIA REGIONAL DE RONDÔNIA EDITAL DE ABERTURA Nº 601/2009 RETIFICAÇÕES

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS DIRETORIA REGIONAL DE RONDÔNIA EDITAL DE ABERTURA Nº 601/2009 RETIFICAÇÕES EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS DIRETORIA REGIONAL DE RONDÔNIA EDITAL DE ABERTURA Nº 601/2009 RETIFICAÇÕES Edital de Retificação nº. 625/2009 Retificação Salários Publicado em 15/12/2009 Rondônia,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 01/CT/2016 Assunto: Desinfecção Terminal em UBS Palavras-chave: Desinfecção Terminal, UBS, Auxiliar de Limpeza I Solicitação recebida pelo Coren/SC: Nas UBS os responsáveis

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEc Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico de enfermagem Qualificação:

Leia mais

MANUAL DE PROCESSOS AMB07A - PROVER EXA- MES DE IMAGEM AO PACIEN- TE AMBULATORIAL

MANUAL DE PROCESSOS AMB07A - PROVER EXA- MES DE IMAGEM AO PACIEN- TE AMBULATORIAL MANUAL DE PROCESSOS AMB07A - PROVER EXA- MES DE IMAGEM AO PACIEN- TE AMBULATORIAL SUMÁRIO GLOSSÁRIO (SIGLAS, SIGNIFICADOS)... 3 I. OBJETIVO DO PROCESSO... 5 II. ÁREAS ENVOLVIDAS... 5 III. DESCRIÇÃO DAS

Leia mais

Versão: Índice Área: APOIO Área: ASSISTENCIAL Área: ATENDIMENTO Área: CONTROLADORIA Área: FATURAMENTO Área: FINANCEIRO Área: HOTELARIA

Versão: Índice Área: APOIO Área: ASSISTENCIAL Área: ATENDIMENTO Área: CONTROLADORIA Área: FATURAMENTO Área: FINANCEIRO Área: HOTELARIA 1 Versão: 2.2.1271 Índice Área: APOIO 02 Área: ASSISTENCIAL 03 Área: ATENDIMENTO 04 Área: CONTROLADORIA 06 Área: FATURAMENTO 07 Área: FINANCEIRO 08 Área: HOTELARIA 08 Área: SADT 08 Área: SUPRIMENTOS 08

Leia mais

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Aula Inaugural Introdução as Boas Práticas da Farmácia Hospitalar Kelly Braga Farmácia Hospitalar Unidade clínica, administrativa a e econômica,

Leia mais

> Dezoito enfermarias reformadas e equipadas com camas novas

> Dezoito enfermarias reformadas e equipadas com camas novas Hospital de Urgências de Goiânia - HUGO > Aumento de 25% no número de cirurgias > Dezoito enfermarias reformadas e equipadas com camas novas > Nova sala de emergência com central de monitoramento de pacientes

Leia mais

Debate em foco Tendências e Inovação no Segmento Hospitalar. Inovação na Farmácia Hospitalar

Debate em foco Tendências e Inovação no Segmento Hospitalar. Inovação na Farmácia Hospitalar Debate em foco Tendências e Inovação no Segmento Hospitalar Inovação na Farmácia Hospitalar Nossa instituição hoje 439 Leitos Operacionais UTI com 57 leitos Unidades Críticas 62 leitos 19 Salas Cirúrgicas

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA Versão 2014 Entidades Associadas Sumário Seção 1 Estrutura Organizacional 1.1. Liderança 1.2. Equipe Médica 1.3. Equipe de Enfermagem 1.4. Gestão de Pessoas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código:136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM FARMÁCIA Qualificação: Técnico

Leia mais

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001 1- Objetivo Página: 1/10 Estabelecer plano de cuidado e prestar atendimento fisioterapêutico às necessidades imediatas e continuadas do paciente interno e externo. 2- Definições 2.1 Plano de cuidado: visa

Leia mais

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR Realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos, inclusive em Hemodinâmica; Prescrever e ministrar tratamento para as diversas afecções

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA NR 32 NO HOSPITAL CRUZ AZUL DE SÃO PAULO. Dr. Cláudio Alves de Lima Nascimento

IMPLANTAÇÃO DA NR 32 NO HOSPITAL CRUZ AZUL DE SÃO PAULO. Dr. Cláudio Alves de Lima Nascimento IMPLANTAÇÃO DA NR 32 NO HOSPITAL CRUZ AZUL DE SÃO PAULO 26.06.2008 Dr. Cláudio Alves de Lima Nascimento -Médico do Trabalho Comissão Regional NR 32 - SP Objetivos : Demonstrar a experiência do Hospital

Leia mais

Descrever os processos necessários para cadastro, liberação de perfil, vinculação de assinaturas digitalizadas.

Descrever os processos necessários para cadastro, liberação de perfil, vinculação de assinaturas digitalizadas. Setor: Escritório da Qualidade Pág. 1 de 10 Código:.QLD.NOR.002 Versão: 00 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3. SIGLAS UTILIZADAS... 2 4. GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5.

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG Hospital público, geral, universitário, integrado ao Sistema Único de Saúde (SUS), Unidade Especial da UFMG; Atende a todas especialidades e subespecialidades oferecidas ao

Leia mais

Local de 45m², destinado a receber os pacientes e direcioná-los.

Local de 45m², destinado a receber os pacientes e direcioná-los. HOSPITAL PEDRO II 1º PAVIMENTO 1- Recepção e acolhimento Local de 45m², destinado a receber os pacientes e direcioná-los. Mobiliário: balcão de atendimento, cadeiras 2- Consultórios maternidade Recepção

Leia mais

Anexo III Documentos, informações e regras necessárias para análise de autorização de serviços/itens relacionados ao atendimento Ambulatorial.

Anexo III Documentos, informações e regras necessárias para análise de autorização de serviços/itens relacionados ao atendimento Ambulatorial. São Paulo, 2016. Caro Prestador, Para melhor atendê-los e reforçar o compromisso da Seguros Unimed com seus clientes, expomos nesse comunicado algumas regras importantes relativas aos processos de autorizações,

Leia mais

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Regulação e Avaliação REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Setembro/2010

Leia mais

Divisão de Assistência Farmacêutica

Divisão de Assistência Farmacêutica Divisão de Assistência Farmacêutica 1. Introdução A Divisão de Assistência Farmacêutica, unidade pertencente ao Departamento de Apoio Técnico, atende cerca de 58.631.430 solicitações/mês, englobando prescrições

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA. Nº 02/2015, 19 de janeiro de 2015

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA. Nº 02/2015, 19 de janeiro de 2015 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA Nº 02/2015, 19 de janeiro de 2015 Nº 1 De 30 de julho de 2013 SUPERINTENDÊNCIA... 4 PORTARIAS... 4 Portaria nº 026, de 14 de janeiro de 2015.... Erro! Indicador não

Leia mais

EMENTA: É vedada a instalação de câmeras filmadoras nas salas de atendimento a pacientes nos serviços de emergência. CONSULTA

EMENTA: É vedada a instalação de câmeras filmadoras nas salas de atendimento a pacientes nos serviços de emergência. CONSULTA PARECER CFM nº 5/16 INTERESSADO: Universidade Federal do Rio Grande do Sul ASSUNTO: Câmeras de filmagem em unidades de reanimação nos serviços de emergência RELATOR: Cons. José Albertino Souza EMENTA:

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

Implantação. Tania Chagas Kátia Topázio Licia L.Moreira Verônica Raich

Implantação. Tania Chagas Kátia Topázio Licia L.Moreira Verônica Raich Implantação do Programa de Segurança do Paciente em uma Unidade de Cirurgia Ambulatorial Tania Chagas Kátia Topázio Licia L.Moreira Verônica Raich Introdução Pensar segurança no âmbito da cirurgia ambulatorial

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde 1 CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde REESTRUTURAÇÃO DE UM SERVIÇO DE SAÚDE DO TRABALHADOR EM UM HOSPITAL GERAL PÚBLICO MUNICIPAL EM BELO HORIZONTE

Leia mais

DATA/TURNO CANDIDATO TEMAS DIA 05/11/12. - Processo de trabalho em enfermagem/registros. - Crescimento e desenvolvimento na criança até 2 anos.

DATA/TURNO CANDIDATO TEMAS DIA 05/11/12. - Processo de trabalho em enfermagem/registros. - Crescimento e desenvolvimento na criança até 2 anos. DATA/TURNO CANDIDATO TEMAS DIA 05/11/12 MANHÃ RENATA MARIA MEDEIROS FREITAS BARBOSA ANDRÉA CLÁUDIA CAMPÊLO MACIEL TERESA KARINY PONTES BARROSO GIRLIANE SILVA DE SOUSA VANESSA DIAS DA SILVA RITA VIANA GOMES

Leia mais

Diária de Enfermaria Hospital-Dia c/ acompanhante (até 3 leitos 70%) R$ 206,75 R$ 165,40 R$ 127,23 R$ 99,97 R$ 77,40

Diária de Enfermaria Hospital-Dia c/ acompanhante (até 3 leitos 70%) R$ 206,75 R$ 165,40 R$ 127,23 R$ 99,97 R$ 77,40 PLANO SC SAÚDE ANEXO 11.3 - DIÁRIAS, TAXAS E GASES Vigência: 21/05/2016 TABELA DE DIÁRIAS E TAXAS HOSPITALARES - SC SAÚDE Código Descrição do Serviço Nível 5 Nível 4 Nível 3 Nível 2 Nível 1 80013015 Diária

Leia mais

O PAP destina se a complementar a formação de recém graduados na área de saúde, exceto médicos, mediante treinamento em serviço. Seus objetivos são:

O PAP destina se a complementar a formação de recém graduados na área de saúde, exceto médicos, mediante treinamento em serviço. Seus objetivos são: O que é O Programa de Aprimoramento Profissional (PAP) é um Programa de Bolsas do Governo do Estado de São Paulo, instituído em 11 de setembro de 1979, pelo Decreto estadual nº 13.919, para profissionais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS CURSOS E TREINAMENTOS

APRESENTAÇÃO DOS CURSOS E TREINAMENTOS 1. APRESENTAÇÃO: APRESENTAÇÃO DOS CURSOS E TREINAMENTOS A SETC Consultoria é uma empresa fundada no município de Parauapebas PA, no ano de 2011, voltada para atender com soluções ágeis e necessárias às

Leia mais

Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de Enfermagem realizar atendimento domiciliar particular

Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de Enfermagem realizar atendimento domiciliar particular PARECER TÉCNICO COREN-MA-CPE Nº 20/2015 ASSUNTO: Atendimento de Enfermagem particular em domicilio. 1. Do fato Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de

Leia mais

ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E ATRIBUIÇÕES CARGO/FUNÇÃO

ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E ATRIBUIÇÕES CARGO/FUNÇÃO EDITAL DE ABERTURA N 006/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA ADMISSÃO POR TEMPO DETERMINADO PARA O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SÁUDE. ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E ATRIBUIÇÕES CARGO/FUNÇÃO ENSINO

Leia mais

VISITA TÉCNICA AO HOSPITAL DE URGÊNCIA DE GOIÂNIA - HUGO

VISITA TÉCNICA AO HOSPITAL DE URGÊNCIA DE GOIÂNIA - HUGO VISITA TÉCNICA AO HOSPITAL DE URGÊNCIA DE GOIÂNIA - HUGO Com o objetivo de conhecer a estrutura e o funcionamento da saúde pública estadual o Presidente da Comissão de Saúde e Promoção Social (CSPS), o

Leia mais

RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE

RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE ANO 2013 Conforme previsto no art. 36 da Lei Complementar N.º 141/2012, o Relatório Detalhado do Quadrimestral Anterior contém informações

Leia mais

Encontro Regional da Economia da Saúde do Nordeste João Pessoa, março de 2014

Encontro Regional da Economia da Saúde do Nordeste João Pessoa, março de 2014 Coordenação-Geral de Economia da Saúde Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento - DESID Secretaria Executiva/Ministério da Saúde Encontro Regional da Economia da Saúde do Nordeste

Leia mais

/ Emissão: 25/08/2015 Filial : 4, Depto: 01 Conta Redu Descrição Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

/ Emissão: 25/08/2015 Filial : 4, Depto: 01 Conta Redu Descrição Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 01/07/2015 a 31/07/2015 Folha:1 1 203 Ativo 1.01 204 Circulante 1.01.01 205 Caixa e Equivalentes de Caixa 1.01.01.03 217 Bancos C/Movimento Recurso com Restr 1.01.01.03.005 222 Banco Bradesco - 3946/192-9

Leia mais

Manual de Organização

Manual de Organização ÍNDICE GERAL Descrição Pag. Introdução... 3 II. Plano de Cargos e Vencimentos... 10 1. Quadros de Especificação de Classes de Cargos de Provimento em Comissão... 11 Administrador de Creche... 12 Analista

Leia mais

Aula 2 Partes Interessadas. Rosely Gaeta

Aula 2 Partes Interessadas. Rosely Gaeta Aula 2 Partes Interessadas Rosely Gaeta Definição São os indivíduos e grupos capazes de afetar e serem afetados pelos resultados estratégicos alcançados e que possuam reivindicações aplicáveis e vigentes

Leia mais

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D.

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD.indd 1 19/10/2015 15:30:04 Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD Objetivo: Fornecer suporte ao paciente para que

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Ensino Técnico Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio

Leia mais

FÓRUM DE GESTÃO DE CUSTOS

FÓRUM DE GESTÃO DE CUSTOS FÓRUM DE GESTÃO DE CUSTOS PROJETO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E MELHORIA CONTÍNUA DOS RESULTADOS I. INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES Grupos 1 e 2-27 Instituições participantes, sendo 09 estruturantes, 10

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA. Nº 07/2016,18 de fevereiro de 2016

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA. Nº 07/2016,18 de fevereiro de 2016 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA Nº 07/2016,18 de fevereiro de 2016 Nº 1 De 30 julho de 2013 EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES EBSERH HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA Praça Tequinha Farias,

Leia mais

CRONOGRAMA DE FORMAÇÕES 2015/2016

CRONOGRAMA DE FORMAÇÕES 2015/2016 CRONOGRAMA DE FORMAÇÕES 2015/2016 Capacitações Técnicas e Comportamentais GRUPO 1 ESTRATÉGICO Gerentes de Unidades Diretores de Mantidas Especialistas de Unidades GRUPO 2 TÁTICO Chefes de Setores Analista

Leia mais

Plano de Segurança do paciente

Plano de Segurança do paciente Plano de Segurança do paciente Enfª. M e Jovana Toniato . Plano de Segurança do Paciente Documento que aponta situações de risco e descreve as estratégias e ações definidas pelos serviços de saúde visando

Leia mais

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Remuneração Hospitalar Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Sobre a Unimed Vitória UNIMED VITÓRIA / ES 310.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 20.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.380 MÉDICOS COOPERADOS; 208 PRESTADORES

Leia mais

Parceria. Visite nossos sites!

Parceria. Visite nossos sites! Parceria http://www.as-solucoes.com.br http://www.allservice.com.br Visite nossos sites! Parceria AS x All Service Visando as alterações de mercado, verificamos a necessidade de muitos clientes que não

Leia mais

CLASSES DE CARGOS COMISSIONADOS

CLASSES DE CARGOS COMISSIONADOS AGENTE S POLÍTICOS: REMUNERAÇÃO Prefeito R$ 11.000,00 - Vice Prefeito R$ 4.100,00 - CLASSES DE CARGOS COMISSIONADOS Salário JORNADA SEMANAL HORAS - Chefe de Gabinete - Procuradoria Jurídica - Coord.Sist.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA SAHUDES

RELATÓRIO DE GESTÃO DA SAHUDES RELATÓRIO DE GESTÃO DA SAHUDES A Sociedade de Apoio, Humanização e Desenvolvimento de Serviços de Saúde SAHUDES, devidamente qualificada como Organização Social, titulação deferida através do Decreto Municipal

Leia mais

Manual de Organização Plano de Cargos e Vencimentos

Manual de Organização Plano de Cargos e Vencimentos de Cargos de Provimento em Comissão 251 CARGOS COMISSIONADOS EXISTENTES COORDENADOR DE CRECHES MUNICIPAIS ASSESSOR ADMINISTRATIVO ASSESSOR PARLAMENTAR ASSESSOR ESPECIAL DE TURISMO RURAL CHEDE DE ADM DAS

Leia mais

PRÁTICA SALARIAL - JORNADA MENSAL DE 200 HORAS

PRÁTICA SALARIAL - JORNADA MENSAL DE 200 HORAS S DE GRATIFICAÇÃO (40%) Advogado R$ 4.620,20 5895,61 Advogado PL R$ 5.895,61 5895,61 Advogado SR R$ 8.710,17 9605,42 Almoxarife R$ 2.332,50 2572,03 Analista Administrativo R$ 3.367,18 3367,18 Analista

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR UNIMED-BH CAMILA CARNEIRO DA FONSECA Assistente Social Serviço de Atenção Domiciliar Atenção Domiciliar

Leia mais

1º Encontro Norte Paranaense de Acreditação em Serviços de Saúde COMPLEXO ERASTO GAERTNER

1º Encontro Norte Paranaense de Acreditação em Serviços de Saúde COMPLEXO ERASTO GAERTNER COMPLEXO ERASTO GAERTNER Unidades Estratégicas Rede Feminina de Combate ao Câncer Hospital Erasto Gaertner Instituto de Bioengenharia IBEG Nossa Missão Combater o Câncer com Humanismo, Ciência e Afeto

Leia mais

HOSPITAL REGIONAL DE DIVINOLÂNDIA CONDERG-CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA

HOSPITAL REGIONAL DE DIVINOLÂNDIA CONDERG-CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA 1. Apresentação O Serviço de Endoscopia Digestiva Alta é responsável pela realização de exames com finalidade diagnóstica aos pacientes encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde dos municípios consorciados

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS EQUIPE DE APOIO UPA PREFEITURA MUNICIPAL TATUI INSTITUTO HYGIA SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SOCIAL SALÁRIO BASE

ANEXO I QUADRO DE VAGAS EQUIPE DE APOIO UPA PREFEITURA MUNICIPAL TATUI INSTITUTO HYGIA SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SOCIAL SALÁRIO BASE ANEXO I QUADRO DE VAGAS EQUIPE DE APOIO UPA PREFEITURA MUNICIPAL TATUI INSTITUTO HYGIA SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SOCIAL CARGO CARGA HORÁRIA VAGAS VAGAS PCD REQUISITOS ATRIBUIÇÕES SALÁRIO BASE ANALISTA DPTO

Leia mais

FAVENI Matrícula + a vista, ou mensalidade.

FAVENI Matrícula + a vista, ou mensalidade. LISTA DE CURSOS Solicite informações e/ou a matricula no zap 61 99620 6628 ou vocestudando@gmail.com - http://vocestudando.blogspot.com.br/ FAVENI Matrícula + a vista, ou mensalidade. ÁREA EDUCACIONAL

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 3-CEPE/UNICENTRO, DE 28 DE JANEIRO DE 2013. REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 12/2015-CEPE/UNICENTRO. Aprova o Curso de Especialização em Fisioterapia Traumato-Ortopédica Funcional, modalidade modular,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 14, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO RS RESOLUÇÃO Nº 14, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a normatização dos procedimentos de contracepção de cães e gatos em Programas

Leia mais

RELATORIO DE GESTÃO 2012 NUTRIÇÃO E DIETÉTICA

RELATORIO DE GESTÃO 2012 NUTRIÇÃO E DIETÉTICA RELATORIO DE GESTÃO 2012 NUTRIÇÃO E DIETÉTICA 1. APRESENTAÇÃO O Setor de Nutrição e Dietética, esta localizado ao lado direito do prédio central, sua instalação consta com refeitório, lactário, copas separadas

Leia mais

Pro-Hosp 2013 Política Hospitalar do Estado de Minas Gerais

Pro-Hosp 2013 Política Hospitalar do Estado de Minas Gerais Pro-Hosp 2013 Política Hospitalar do Estado de Minas Gerais PRO-HOSP Conjunto de ações e políticas hospitalares do Estado que visam o fortalecimento e a melhoria das Redes de Atenção à Saúde Prioritárias

Leia mais

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1 Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina - Departamento de Medicina Social Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Monitoramento e Avaliação do Programa de Expansão e Consolidação

Leia mais

TABELA DE TAXAS, DIÁRIAS E SERVIÇOS

TABELA DE TAXAS, DIÁRIAS E SERVIÇOS TABELA DE TAXAS, DIÁRIAS E SERVIÇOS CÓDIGO DESCRIÇÃO UNIDADE QTD US DIÁRIA HOSPITALAR - TIPOS DE ACOMODAÇÕES 60000651 DIÁRIA DE APARTAMENTO STANDARD DIA 416 60000660 DIÁRIA DE APARTAMENTO STANDARD DA MATERNIDADE

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA COMUNICAÇÃO

ÁREA TEMÁTICA COMUNICAÇÃO PRONTO-SOCORRO CARDIOLÓGICO DE PERNAMBUCO PROF. LUIZ TAVARES PROCAPE ÁREA TEMÁTICA COMUNICAÇÃO Representante: Ageyra Andrea Pacheco Tabosa Psicóloga Projeto: Campanhas Educativas nos Setores do Hospital

Leia mais

PESQUISA DE CARGOS E SALÁRIOS JUNHO/2012

PESQUISA DE CARGOS E SALÁRIOS JUNHO/2012 PESQUISA DE CARGOS E SALÁRIOS JUNHO/2012 Para Este levantamento em questão a amostra utilizada foi de: 800 empresas entrevistadas e 2.449 cargos identificados. Os cargos abaixo dispostos estão separados

Leia mais

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ DE FORA A N E X O I - D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O N º 0 1 / 2 0 1 6 R E T I F I C A D O CARGO 101:

Leia mais

LISTA DE TRABALHOS APROVADOS. Eixo Humanização. Sala 01-14h

LISTA DE TRABALHOS APROVADOS. Eixo Humanização. Sala 01-14h Eixo Humanização Sala 01-14h 01 A abordagem dialética no processo de cuidado: implicações positivas em um setor Simone Braga Rodrigues de clínica cirúrgica 02 A arte como auxilio no tratamento do câncer

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini

QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1 Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO 1. UF: 2. Município: 3. Nome da Unidade Básica

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBTENÇÃO DE GUIAS E ENVELOPES PARA ATENDIMENTO 3. UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DOS ENVELOPES 3.1. ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS 3.2.

1. INTRODUÇÃO 2. OBTENÇÃO DE GUIAS E ENVELOPES PARA ATENDIMENTO 3. UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DOS ENVELOPES 3.1. ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS 3.2. 1. INTRODUÇÃO 2. OBTENÇÃO DE GUIAS E ENVELOPES PARA ATENDIMENTO 3. UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DOS ENVELOPES 3.1. ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS 3.2. INTERNAÇÃO 4. UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DAS GUIAS 4.1.

Leia mais

RESUMO DAS ATIVIDADES DE JANEIRO A JUNHO/2013.

RESUMO DAS ATIVIDADES DE JANEIRO A JUNHO/2013. RESUMO DAS ATIVIDADES DE JANEIRO A JUNHO/2013. Hospital de pequeno porte, Filantrópico, sem fins lucrativos, conveniado com o SUS Sistema Único de Saúde, conforme metas de quantidade e qualidade. METAS

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o Art. 81, item

Leia mais

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação.

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação. 1 Decreto Nº 94.406/87 Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe

Leia mais

INSTITUTO MACHADO DE ASSIS Seriedade, compromisso e competência.

INSTITUTO MACHADO DE ASSIS Seriedade, compromisso e competência. CARGO: VIGIA B A B A A D D A C B A C B C C A B B A B A A D A C D A B B A D C B B C B B D C C CARGO: MOTORISTA B A B A A D D A C B A C B C C A B B A B A B B B D D D C C A B B B A B C A B B C CARGO: AUXILIAR

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Apoio: Núcleo de Economia da Saúde PB Departamento de Economia da Saúde, Investimentos e Desenvolvimento/SE/MS -DESID/MS; Governo do Estado da Paraíba: DECRETO nº 33.766,

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 191

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 191 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 191 Manutenção e Operacionalização do SAH Promover a instalação de ferramentas de gestão que permitam o perfeito gerenciamento das informações dos diversos

Leia mais

Práticas Ambientais na Universidade Feevale

Práticas Ambientais na Universidade Feevale Práticas Ambientais na Universidade Feevale Engenheira de Gerenciamento Ambiental Sheila Maria Leuck Novembro/2014 Universidade Feevale Missão: Promover a produção do conhecimento, a formação dos indivíduos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Simone Röhrig de Sousa. Relatório Estágio Curricular III- Serviço Hospitalar

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Simone Röhrig de Sousa. Relatório Estágio Curricular III- Serviço Hospitalar 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Simone Röhrig de Sousa Relatório Estágio Curricular III- Serviço Hospitalar Hospital Dia Hospital de Clinica de Porto Alegre Porto Alegre

Leia mais