Processo de Avaliação dos Trabalhos nas Feiras de Matemática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de Avaliação dos Trabalhos nas Feiras de Matemática"

Transcrição

1 Processo de Avaliação dos Trabalhos nas Feiras de Matemática Flavio de Carvalho (1) ; Ingrid Dias Belo (2) ; Samira Braidi Valcanaia (3) (1) Licenciatura Plena em Matemática pela UFSM RS, Pós Graduação em Matemática pela Superior Universidade Severino Sombra Vasouras RJ, Membro da CPFMat e Coordenador Regional das Feiras de Matemática; Integrador de Ensino médio e Profissional GERED Videira, (apresentador); (2) Formada na Faculdade de Filosofia,Ciências e Letras de Joinville em 1977-Curso de Matemática Curso de Pós - Graduação- Sociedade de Ensino Superior de Nova Iguaçu-Rio de Janeiro Concluído em Especialização em Matemática Superior Trabalho na Rede Estadual desde 1982.Ensino Fundamental e Médio, (3) Pós graduada em Metadisciplinaridade em orientação e Gestão Escolar Democrática (FACISA) atualmente sou Integradora de Ensino Médio e Educação Profissional da 35ª Gered de Timbó, RESUMO: Exemplificar a diferença entre orientador e avaliador de feiras de matemática, qual a necessidade e função de cada um; Deixar claro o porquê da necessidade dos dois no evento e porque a pessoa escolhida para cada função deverá ser qualificada e orientada para realizar um bom trabalho independente da função que exercer. A diferença de cada atividade e seu impacto para com o aluno e o trabalho apresentado. A elaboração de cada avaliação de moto claro e imparcial, não deixando levar-se por qualquer influência externa. Palavras-chave: orientador; avaliador; feiras de matemática. INTRODUÇÃO O presente trabalho busca exemplificar a importância das figuras do orientador de trabalhos e do avaliador de trabalhos em uma feira de matemática. Como é importante para quem irá avaliar antes de tudo se interar do que acontece e de como foi elaborado o trabalho, não apenas avaliando pelo visual e sim pelo conteúdo, se interando das dificuldades que foram impostas, do tempo de preparação e elaboração de cada trabalho. Quando o orientador, entender que ele faz parte do processo de desenvolvimento de todo o trabalho, desde a ideia primitiva até a montagem da apresentação, como ele é peça fundamental para a segurança e apoio aos estudantes que iram explanar seu trabalho na feira. A importância de tudo isso para a vida acadêmica do aluno que apresenta o trabalho, vendo seu esforço reconhecido por pessoas que nunca vira antes e aprovação e reconhecimento de sua capacidade de aprendizado, agradecendo os elogios e entendendo as criticas, crescendo com as duas e não deixando que sejam apenas meros comentários sem importância. Vários foram às pesquisas efetuadas para a elaboração do presente artigo, sendo os livros escritos por Zermiani, Feiras de Matemática de Santa Catarina: Relevância para a Educação e Gestão e Organização de uma Feira de Matemática direcionam o presente artigo de forma ampla e contemplativa.

2 MATERIAL E MÉTODOS Comunicação do trabalho linguagem e objetividade. - clareza, adequação da Conteúdo matemático - domínio do conteúdo matemático desenvolvido no trabalho, de acordo com a categoria. Qualidade Científica- organização do relatório, disposição dos elementos no estande, sistematização e organização dos alunos durante a exposição. Relevância Científica Social - importância do trabalho para a comunidade escolar e para a sociedade. Considerando os critérios acima, a avaliação deverá ser vista pelos seguintes aspectos: Aspectos Positivos: Envolvimento dos alunos na apresentação do trabalho Estética do trabalho deverá ser criativa e relevante tanto Quanto o conteúdo desenvolvido Sugestões para estimular maior desenvolvimento do trabalho Aspectos Negativos: Excesso de Informações Descompromisso com grupo Fragmentação da apresentação

3 Ênfase dada ao conteúdo matemático - clareza e objetividade nas definições e nos conceitos científicos essenciais, bem como, a aplicabilidade do modelo matemático e/ou nível de inter-relação relação proposto. RESULTADOS E DISCUSSÃO A professora Ingrid Dias Belo explanou a importância do ato de avaliar citando como referência: (SOUSA,1993,p.30) Avaliar significa emitir um julgamento de valor ou mérito, examinar os resultados educacionais para saber se preenchem um conjunto particular de objetos educacionais. Abordou que a avaliação de trabalhos sempre gera polêmicas nas diferentes etapas dos eventos (Municipal, Regional, Estadual e Nacional). Enfatizou que a grande maioria dos avaliadores é também orientador de trabalho apresentado, e estes devem ser os mediadores na construção e na avaliação dos trabalhos. Objetivando um melhor entendimento do processo avaliativo destacou três momentos: 1) Os avanços que se obteve com relação à avaliação nos quatro Seminários de Avaliação. I Seminário realizado em Blumenau: a) forma de avaliação dos trabalhos; b) redefinição dos critérios de avaliação dos trabalhos. II Seminário realizado em Brusque: a) inclusão dos alunos na organização e avaliação de trabalhos; b) continuação da avaliação por modalidade; c) redefinição dos critérios de avaliação e das modalidades. III Seminário realizado em 2006 Blumenau: a) critério avaliativo Relevância Social alterado para Relevância Científico Social ; b) nota foi substituída por parecer; c) ficha de avaliação alterada para: Trabalho Destaque ou Menção Honrosa; d) Sugestões de melhorias dos trabalhos diretamente com o professor orientador do trabalho avaliado; e) ficha de avaliação sem a coluna notas; f) instituído a Coordenação do Grupo de Avaliação.

4 IV Seminário realizado em 2009 Blumenau: a) tempo e espaço físico adequado para reunião dos coordenadores de grupo com os avaliadores dos trabalhos. 2) O processo de avaliação (papel do avaliador). a) identificar seu coordenador de grupo; b) ler o resumo dos trabalhos com antecedência; c) conhecer os critérios de avaliação; d) a imparcialidade do avaliador é imprescindível, durante todo o processo da avaliação; e) ter tempo hábil; f) avaliar individualmente; g) verificar se o trabalho apresenta relatório; proporcionar tranquilidade afim de gerar mais segurança aos expositores; h) tratar os alunos com respeito e dignidade; i) olhar os alunos expositores como pessoas em formação; demonstrar interesse pelo trabalho, interagindo quando é propício; j) preencher a ficha de avaliação com observações inerentes as melhorias; l) se perceber alguma irregularidade, regularidade, deverá se reportar diretamente ente ao orientador do trabalho; m) ao final da apresentação se achar a proposta da equipe válida poderá dar sugestões para que os alunos prossigam com a ideia do trabalho. Complementando a questão da imparcialidade do avaliador, ou seja, o caráter ético a professora Ingrid destacou alguns questionamentos, como: - É correto antecipar o resultado avaliativo para os alunos expositores? - É correto o orientador desrespeitar o regulamento (horário do desmonte do Stand)? 3) O processo do coordenador dos grupos de avaliação (papel de coordenador): a) discutir os critérios de avaliação com os avaliadores dos trabalhos de seu grupo; b) fiscalizar izar a atuação dos avaliadores; c) auxiliar no preenchimento das fichas e discutir os resultados com os avaliadores do seu grupo; d) preencher o relatório síntese de avaliação dos trabalhos do seu grupo; e) interagir com o grupo de avaliadores na indicação de um trabalho Destaque para a Feira Nacional (caso esta ocorra no ano seguinte).

5 ORIENTADOR & AVALIADOR Orientador - Segundo o dicionário Aurélio (FERREIRA, 1998, P. 1453). Orientação: Significa dar rumo, direção, dar sentido, acompanhar formação técnica específica, o desenvolvimento intelectual e a formação da personalidade integral dos estudantes. A orientação de trabalho: É um processo que caracteriza o desenvolvimento do aluno nas pesquisas e como consequência uma aprendizagem mais significativa. Orientador: É o líder da equipe, sendo peça fundamental no desenvolvimento de um trabalho, sendo sua função coordenar, nortear a pesquisa para posteriormente ser socializada. Avaliação (MICHAELS, 2009, P.100): Ato de avaliar, determinação do preço justo de qualquer coisa que pode ser vendida; valor de bens, determinado por avaliadores. Avaliador (MICHAELS, 2009, P.100): Que avalia, individuo que avalia; pessoa nomeada por autoridade judicial para avaliar bens. A avaliação de um trabalho em uma feira de matemática abrange diversos aspectos e peculiaridades que tem a necessidade de serem detalhados. Mas como avaliar um trabalho numa Feira de Matemática? Segundo LUCKESI (2005), a atividade de avaliar é caracterizada como um meio subsidiário do crescimento da aprendizagem do educando, ou seja, da construção de um resultado positivo de sua apresentação de conhecimento. Já GAUER (2007), aduz que a prática de avaliação, é uma atividade humana das mais difíceis e incômodas a ser executada. Avaliar é difícil porque muitas vezes, o trabalho a ser avaliado é apresentado por alunos que não os de seu convívio diário, o avaliador precisa descontar o fato de estar assistindo a um trabalho pronto. Avaliar, julgar, apreciar e em seguida, valorar, são atividades subjetivas, mesmo havendo um conjunto de critérios, que são iguais a todos os avaliadores. Mesmo assim

6 haverá pontos e vista diferentes, pois os avaliadores são pessoas diferentes e seus valores subjetivos são também diferentes. PATTON (2005, p.9) aduz: a função da avaliação não é só produzir informação, mas deixar pessoas transformadas. Alguns aspectos importantes devem ser considerados: POSTURA DO AVALIADOR O avaliador deve ser claro em algumas informações: * Visão geral dos trabalhos a serem avaliados; * Imparcialidade (aspecto ético), sendo este inerente a pessoa; * Leitura das fichas de inscrição e resumo de cada trabalho a ser avaliado; * Visita geral pela Feira antes de assistir os trabalhos a serem avaliados * A avaliação deve ocorrer de forma individual; CONCLUSÃO Pode-se concluir que a avaliação é um processo nem sempre justo, mas necessário e não podendo apenas ser pontual é mais abrangente. O importante que seja realizada com responsabilidade e conhecimento, respeitando critérios estabelecidos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MARIOTTI, h. As paixões do ego: complexidade, Política e Solidariedade. São Paulo: Palas Athena, SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DAS FEIRAS CATARINENSES DE MATEMÁTICA. (IV: 2009: Blumenau). Anais.. Blumenau: Nova Letra, ZERMIANI, V. J. Feiras de Matemática de Santa Catarina: Relevância para a Educação.. Blumenau: Edifurb, ZERMIANI, V. J.; BREUCKMANN, H.J. Gestão e Organização de uma Feira de Matemática. Blumenau, 2008.

7 ZERMIANI, Vilmar José; SILVA, V. C.. Trajetória da Rede das Feiras de Matemática em SC: 25 Anos. In: X Encontro Nacional de Educação Matemática, 2010, Salvador BA. Anais do X Encontro Nacional de Educação Matemática: Educação Matemática, cultura e diversidade. Recife - PE: Sociedade Brasileira de Educação Matemática, V. 10. SILVA, Hélio dos Santos; TOMELIN, Luciane Zickuhr. Construção, orientação e avaliação de trabalhos em feiras de matemática. Blumenau: Odorizzi, 2008.

V MOCISC V MOSTRA CIENTÍFICA DA REGIÃO DO CONTESTADO DE SANTA CATARINA. Etapa Classificatória REGULAMENTO

V MOCISC V MOSTRA CIENTÍFICA DA REGIÃO DO CONTESTADO DE SANTA CATARINA. Etapa Classificatória REGULAMENTO V MOCISC V MOSTRA CIENTÍFICA DA REGIÃO DO CONTESTADO DE SANTA CATARINA Etapa Classificatória REGULAMENTO A Universidade do Contestado apresenta a 5ª edição da MOCISC Mostra Científica da Região do Contestado

Leia mais

VI Feira Multidisciplinar e IV MOSTRA CIENTÍFICA DA UNC VII FEIRA DE CIÊNCIAS E TÉCNOLOGIA GERED-SEARA REGULAMENTO

VI Feira Multidisciplinar e IV MOSTRA CIENTÍFICA DA UNC VII FEIRA DE CIÊNCIAS E TÉCNOLOGIA GERED-SEARA REGULAMENTO Secretaria do Estado da Educação de Santa Catarina Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional SDR - Seara SC Universidade do Contestado Campus Concórdia VI Feira Multidisciplinar e IV MOSTRA CIENTÍFICA

Leia mais

VI Feira Multidisciplinar e. 5ª. MOSTRA CIENTÍFICA DA REGIÃO DO CONTESTADO MOCISC/UnC VIII FEIRA DE CIÊNCIAS E TÉCNOLOGIA GERED-SEARA REGULAMENTO

VI Feira Multidisciplinar e. 5ª. MOSTRA CIENTÍFICA DA REGIÃO DO CONTESTADO MOCISC/UnC VIII FEIRA DE CIÊNCIAS E TÉCNOLOGIA GERED-SEARA REGULAMENTO Secretaria do Estado da Educação de Santa Catarina Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional SDR - Seara SC Universidade do Contestado Campus Concórdia VI Feira Multidisciplinar e 5ª. MOSTRA CIENTÍFICA

Leia mais

Ata 01/2013 No dia 14 de março do ano de dois mil e treze, no período das 10 horas às 12 horas, ocorreu a 1ª mesa redonda do V Seminário Nacional de

Ata 01/2013 No dia 14 de março do ano de dois mil e treze, no período das 10 horas às 12 horas, ocorreu a 1ª mesa redonda do V Seminário Nacional de 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 Ata 01/2013 No dia 14 de março do ano de dois mil e treze, no período das 10 horas às 12

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE BIOTECNOLOGIA

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE BIOTECNOLOGIA Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE BIOTECNOLOGIA Resolução nº 024/2011 da Pró-Reitoria de Graduação Em atendimento

Leia mais

6ª BENTOTEC: Feira Cultural e Tecnológica. Etapas. Entrega do regulamento e modelo de projeto para todos os alunos 31 de março

6ª BENTOTEC: Feira Cultural e Tecnológica. Etapas. Entrega do regulamento e modelo de projeto para todos os alunos 31 de março 6ª BENTOTEC: Feira Cultural e Tecnológica Regulamento Etapas Entrega do regulamento e modelo de projeto para todos os alunos 31 de março Entrega dos pré-projetos para avaliação (todas as categorias) -

Leia mais

REGIMENTO DA XXXI FEIRA CATARINENSE DE MATEMÁTICA

REGIMENTO DA XXXI FEIRA CATARINENSE DE MATEMÁTICA XXXI Feira Catarinense de Matemática Joinville/2015 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE JOINVILLE PREFEITURA DE JOINVILLE UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Design de Moda FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE - FAPEPE APRESENTAÇÃO O presente Regulamento de Projeto de Graduação, em forma de TCC - Trabalho de

Leia mais

8º SIMPÓSIO I TER ACIO AL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO

8º SIMPÓSIO I TER ACIO AL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO 8º SIMPÓSIO I TER ACIO AL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO OVAS EXIGÊ CIAS DO PROCESSO CIVILIZADOR A CO TEMPORA EIDADE SEMI ÁRIO EDUCAÇÃO E TRÂ SITO: CAMI HA DO JU TOS A BUSCA DA EMA CIPAÇÃO HUMA

Leia mais

PAD II PROGRAMA DE APOIO AO DOCENTE MÓDULO 1 COMO ESTABELECER OBJETIVOS EDUCATIVOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PROF. CLAUDIO ZAKI DIB DOMÍNIO AFETIVO

PAD II PROGRAMA DE APOIO AO DOCENTE MÓDULO 1 COMO ESTABELECER OBJETIVOS EDUCATIVOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PROF. CLAUDIO ZAKI DIB DOMÍNIO AFETIVO DOMÍNIO AFETIVO 5.0 Caracterização por um valor ou um complexo de valor mais complexo 4.0 Organização 3.0 Valorização 2.0 Resposta 1.0 Recepção mais simples 1.0 - RECEPÇÃO Estar consciente de (ou prestar

Leia mais

Estágio Supervisionado III

Estágio Supervisionado III Estágio Supervisionado III Prof. Jorge Fernandes de Lima Neto INSTRUÇÕES A) Minha visão do estágio supervisionado antes de iniciá-lo: Preencher esse formulário descrevendo sua visão de estágio. faça duas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE FUNDAÇÃO FRITZ MÜLLER

PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE FUNDAÇÃO FRITZ MÜLLER IV Feira Nacional de Matemática Jaraguá do Sul/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE FUNDAÇÃO FRITZ MÜLLER 1. LOCAL DA FEIRA: A IV

Leia mais

Normas para Trabalhos de Conclusão de Curso no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Federal de Pelotas

Normas para Trabalhos de Conclusão de Curso no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Federal de Pelotas Normas para Trabalhos de Conclusão de Curso no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Federal de Pelotas 1 Objetivos Com a finalidade de obter o grau de tecnólogo em Gestão Ambiental,

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira QUADRINHOS NA CIÊNCIAS Área de Concentração: Ciências Naturais Disciplina de Concentração: Ciências Professores: Maria José Lima, Polyana Noronha e Thaianne Lopes Uberaba

Leia mais

Atividades Complementares dos Cursos da Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - UNIVAP

Atividades Complementares dos Cursos da Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - UNIVAP Atividades Complementares dos Cursos da Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - UNIVAP Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares para os cursos de graduação e graduação

Leia mais

1ª Amostra de Projetos e Produções Científicas em Educação Matemática da FAINTVISA

1ª Amostra de Projetos e Produções Científicas em Educação Matemática da FAINTVISA FACULDADES INTEGRADAS DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO FAINTVISA COORDENAÇÃO DE CIÊNCIAS EXATASE DA NATUREZA 1 Pontos turísticos da cidade da Vitória de Santo Antão PE 1ª Amostra de Projetos e Produções Científicas

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015 EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015 O Reitor do CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS CEULP, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto na Resolução de n 374/2010

Leia mais

Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Ciência Política Bacharelado TCC

Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Ciência Política Bacharelado TCC Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Ciência Política Bacharelado TCC Estabelece normas para a realização do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Curso de Graduação em

Leia mais

REGIMENTO DA XXXI FEIRA REGIONAL DE MATEMÁTICA

REGIMENTO DA XXXI FEIRA REGIONAL DE MATEMÁTICA XXXI Feira Regional de Matemática Ilhota/2015 SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE BLUMENAU GERÊNCIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHOTA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS TI TRABALHO INTERDISCIPLINAR

NORMAS E PROCEDIMENTOS TI TRABALHO INTERDISCIPLINAR NORMAS E PROCEDIMENTOS TI TRABALHO INTERDISCIPLINAR ARUJÁ SP 2º / 2012 APRESENTAÇÃO Mais um semestre se inicia e a Faculdade de Arujá FAR está propondo um novo modelo de Trabalho Interdisciplinar. A interdisciplinaridade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE FARMÁCIA

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO ESPECÍFICO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE FARMÁCIA Resolução 003/2007 da Pró-Reitoria de Graduação CAPÍTULO I - DO CONCEITO Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso -

Leia mais

Matemática na Educação Básica II, ministrada pela Professora Marizoli Regueira Schneider.

Matemática na Educação Básica II, ministrada pela Professora Marizoli Regueira Schneider. ESTUDO DAS TENDÊNCIAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 1 UTILIZADAS NA ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS DO ENSINO MÉDIO QUE RECEBERAM DESTAQUE NA FEIRA CATARINENSE DE MATEMÁTICA ENTRE OS ANOS DE 2007 E 2011 Silvana Catarine

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE GUANAMBI CESG FACULDADE GUANAMBI FG

CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE GUANAMBI CESG FACULDADE GUANAMBI FG CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE GUANAMBI CESG FACULDADE GUANAMBI FG Av. Barão do Rio Branco, 459 Centro / (77) 3451 8400 CEP: 46.430.000 Guanambi Bahia www.portalfg.com.br CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE GUANAMBI

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

EDITAL 01/2015 MUSEU ITINERANTE PONTO UFMG. III FEBRAT - Feira Brasileira de Colégios de Aplicação e Escolas

EDITAL 01/2015 MUSEU ITINERANTE PONTO UFMG. III FEBRAT - Feira Brasileira de Colégios de Aplicação e Escolas EDITAL 01/2015 MUSEU ITINERANTE PONTO UFMG III FEBRAT - Feira Brasileira de Colégios de Aplicação e Escolas Técnicas na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2015 "Luz, ciência e vida" NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Resolução 012/2010 da Pró-Reitoria de Graduação CAPÍTULO I - DO CONCEITO Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 REGULAMENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO TCC O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE da Faculdade Guanambi - FG, no uso de suas atribuições,

Leia mais

MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS

MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS O programa irá prepará-lo para ser um especialista em Design de Interiores Comerciais na elaboração de projetos comerciais ou de serviços. MBA EM DESIGN DE INTERIORES

Leia mais

Projetos de apoio ao SUS

Projetos de apoio ao SUS Carta Convite: Facilitação dos Cursos de Especialização em Gestão da Vigilância em Saúde, Gestão da Clínica nas Redes de Atenção à Saúde, Regulação em Saúde no SUS e Gestão do Risco e Segurança do Paciente

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

FACULDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FABEC BRASIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FABEC BRASIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FABEC BRASIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Artigo 1º - O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades relacionadas ao Trabalho

Leia mais

EXPOSIÇÃO DOS VINTE E OITO ANOS DO MOVIMENTO DAS FEIRAS DE MATEMÁTICA EM SANTA CATARINA

EXPOSIÇÃO DOS VINTE E OITO ANOS DO MOVIMENTO DAS FEIRAS DE MATEMÁTICA EM SANTA CATARINA EXPOSIÇÃO DOS VINTE E OITO ANOS DO MOVIMENTO DAS FEIRAS DE MATEMÁTICA EM SANTA CATARINA Profº Msc. Vilmar José Zermiani (1) ; Ana Carolina Schroeder (2) ; Jéssica Sabel (3) (1) Professor do Departamento

Leia mais

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC RESOLUÇÃO DEC No 01/2013 Fixa normas para Elaboração e Apresentação dos Trabalhos de Conclusão do Curso de Graduação em Engenharia Civil. A Chefia do Departamento do Curso de Engenharia Civil, no uso de

Leia mais

Prof. Valter Luís Estevam Junior

Prof. Valter Luís Estevam Junior Análise Exploratória de Dados Extraídos do Processo Seletivo SiSU/2014-1 Prof. Valter Luís Estevam Junior Diretoria de Avaliação e Regulação do Ensino - PROEN Observação: esta apresentação contém alguns

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

MBA EM BRANDING (GESTÃO DE MARCAS) APOIO: INFOBRANDING O MAIOR PORTAL DE BRANDING DO BRASIL

MBA EM BRANDING (GESTÃO DE MARCAS) APOIO: INFOBRANDING O MAIOR PORTAL DE BRANDING DO BRASIL MBA EM BRANDING (GESTÃO DE MARCAS) APOIO: INFOBRANDING O MAIOR PORTAL DE BRANDING DO BRASIL O programa irá prepara-lo para especializar-se no desenvolvimento e planejamento da gestão de marcas; capacitando-o

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA REGULAMENTO DE MONOGRAFIA Lavras - 2010 Regulamento de Monografia CAPÍTULO I DA ORIGEM E FINALIDADE Art. 1º - Este regulamento disciplina a apresentação, depósito e a avaliação da Monografia de conclusão

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

Tomar ciência dos processos de inscrição dos alunos, distribuição dos professores;

Tomar ciência dos processos de inscrição dos alunos, distribuição dos professores; Regimento Geral do Trabalho de Conclusão de Curso O leque de oportunidades de itinerários de estudo e vivências oferecidos nos Componentes Curriculares (teóricas e práticas) possibilitam a aproximação

Leia mais

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES A formação complementar é fruto da participação do aluno, durante o período de realização do seu curso superior, em atividades que não estão inseridas na grade curricular, mas que reconhecidamente contribuem

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

MBA EM DESIGN ESTRATÉGICO & INOVAÇÃO

MBA EM DESIGN ESTRATÉGICO & INOVAÇÃO MBA EM DESIGN ESTRATÉGICO & INOVAÇÃO O programa prepara você para tornar-se um gestor do design nos ambientes de negócio; oferecendo as habilidades gerenciais necessárias para desenvolver e administrar

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais

P L A N O D E E N S I N O. DISCIPLINA: Psicologia da Educação II. CARGA HORÁRIA TOTAL : 72h TEORIA: 72 PRÁTICA:

P L A N O D E E N S I N O. DISCIPLINA: Psicologia da Educação II. CARGA HORÁRIA TOTAL : 72h TEORIA: 72 PRÁTICA: P L A N O D E E N S I N O DEPARTAMENTO: Departamento de Matemática DISCIPLINA: Psicologia da Educação II SIGLA: PSE II CARGA HORÁRIA TOTAL : 72h TEORIA: 72 PRÁTICA: CURSO(S): Licenciatura em Matemática

Leia mais

Jornal na sala de aula

Jornal na sala de aula Professora Orientadora: Silvânia Maria da Silva Amorim Cruz Titulação: Pós-graduada em Língua Portuguesa Instituição: Escola Estadual Cônego Olímpio Torres Tuparetama/PE E-mail: silvania26@bol.com.br Jornal

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA O PROGRAMA NACIONAL DA EDUCAÇÃO DO CAMPO/ ESCOLA DA TERRA - BAHIA

PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA O PROGRAMA NACIONAL DA EDUCAÇÃO DO CAMPO/ ESCOLA DA TERRA - BAHIA PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA O PROGRAMA NACIONAL DA EDUCAÇÃO DO CAMPO/ ESCOLA DA TERRA - BAHIA O SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições e visando à implementação e desenvolvimento

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. 16\10\14 das 8h30 às 11h30

SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. 16\10\14 das 8h30 às 11h30 Câmpus de Presidente Prudente SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. Presentes: 16\10\14 das 8h30 às 11h30 DOCENTES: Cinthia

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO O Curso Superior de Tecnologia em Telecomunicações prevê em sua grade curricular atividades

Leia mais

III FEIRA ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA NATUREZA DO ACRE E III MOSTRA CIENTÍFICA DE CIÊNCIAS DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

III FEIRA ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA NATUREZA DO ACRE E III MOSTRA CIENTÍFICA DE CIÊNCIAS DA AMAZÔNIA OCIDENTAL III FEIRA ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA NATUREZA DO ACRE E III MOSTRA CIENTÍFICA DE CIÊNCIAS DA AMAZÔNIA OCIDENTAL Dias 6 e 7 de Novembro de 2013 Realização e apoio: facebook: https://www.facebook.com/fecinac

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Art. 1º - Este regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do Trabalho Final de Graduação (TFG) do curso de

Leia mais

ENADE 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS

ENADE 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS ENADE 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS APRESENTAÇÃO Apresentamos abaixo informações e instruções para que a participação dos estudantes do IFIBE no ENADE 2014 seja feita de forma consistente a fim de que todas

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL

XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A MATEMÁTICA NA EQUOTERAPIA KLUG, Marly Stédile 1 ; PEREIRA, Ivan

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO Ingressantes 2010 Página 1 de 14 SUMÁRIO 1. OBJETIVO DO CURSO 2. ESTRUTURA DO CURSO 2.1) Visão geral 2.2) Pré-requisitos 2.3) Critérios de contagem

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO, FATECE PIRASSUNUNGA, SP

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO, FATECE PIRASSUNUNGA, SP REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO, FATECE PIRASSUNUNGA, SP. 2 CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DAS FINALIDADES...

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DE DUQUE DE CAXIAS/RJ PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA

PADRÃO DE RESPOSTA REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DE DUQUE DE CAXIAS/RJ PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA 3. O tema: Capacitação e formação continuada como ingredientes indispensáveis ao sucesso do profissional da educação. A exposição e a defesa das ideias do autor do texto

Leia mais

Curso Técnicas de Apresentação: Falar para Liderar

Curso Técnicas de Apresentação: Falar para Liderar Curso Técnicas de Apresentação: Falar para Liderar Dentro do objetivo geral de conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições para o efetivo aumento da produtividade pessoal, apresentamos

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS REGULAMENTO DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS REGULAMENTO DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO O curso de Engenharia de Alimentos da UPF, através do seu Projeto Pedagógico, se propõe a oportunizar ao egresso uma série de habilidades pessoais e profissionais,

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. RESOLVE:

RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. Aprova as Normas Regulamentadoras da operacionalização da Monografia

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UM JOGO EDUCATIVO COMO AUXÍLIO PARA O ENSINO DA TABELA PERIÓDICA

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UM JOGO EDUCATIVO COMO AUXÍLIO PARA O ENSINO DA TABELA PERIÓDICA DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UM JOGO EDUCATIVO COMO AUXÍLIO PARA O ENSINO DA TABELA PERIÓDICA Hellen Regina Guimarães da Silva, Janelene Freire Diniz, Yasmim Mendes Souto, Verônica Evangelista de Lima

Leia mais

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital SALERNO, Daniela Prado 1 VIEIRA, Vania Maria de Oliveira

Leia mais

14/12/2010. Convite. Olá! Seja bem vindo a mais uma etapa da Preparação da Banca Examinadora do Prêmio Qualidade RS 2011.

14/12/2010. Convite. Olá! Seja bem vindo a mais uma etapa da Preparação da Banca Examinadora do Prêmio Qualidade RS 2011. Preparação para a Banca Examinadora PBE-2011 Pré-curso 1 Convite Olá! Seja bem vindo a mais uma etapa da Preparação da Banca Examinadora do Prêmio Qualidade RS 2011. Eu sou o João Sabido, e vou lhe acompanhar

Leia mais

PESQUISA: Direito e Economia PERCEPÇÕES SOBRE. www.etco.org.br

PESQUISA: Direito e Economia PERCEPÇÕES SOBRE. www.etco.org.br PESQUISA: Direito e Economia PERCEPÇÕES SOBRE A JUSTIÇA INTRODUÇÃO André Franco Montoro Filho Como ensinava Goffredo Telles a vida em sociedade exige regras de convivência. Com reforçada ênfase, o mesmo

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento das Atividades Práticas da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento das Atividades Práticas da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento das Atividades Práticas da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES PRÁTICAS DA FACULDADE

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) - DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) - DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE METODISTA DE CIÊNCIAS HUMANAS E EXATAS REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) - DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I Do Conceito, dos Princípios, das Finalidades

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NAS FEIRAS DE MATEMÁTICA

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NAS FEIRAS DE MATEMÁTICA A EDUCAÇÃO ESPECIAL NAS FEIRAS DE MATEMÁTICA Vânia Marta Machado Leite Professora Especialista do Curso de Licenciatura de Matemática, na Faculdade do Sertão Baiano - FASB, Monte Santo- BA, Rua Engenheiro

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA

MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADE ASSIS GURGACZ_FAG Cascavel, PR. MEDICINA VETERINÁRIA Manual de TCC do Curso de Medicina Veterinária, em concordância com o Regulamento De Trabalhos De Conclusão De Curso, Anexo I, Cap.XIV, da

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA Lilian Nasser Projeto Fundão (UFRJ) e CETIQT/SENAI lnasser@im.ufrj.br Resumo: A inclusão da Matemática Financeira na grade do Ensino Médio deve ser um

Leia mais

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. FACULDADE DE LUCAS DO RIO VERDE SUPERVISÃO DE ESTÁGIO E TCC/TC REGULAMENTO DE PROJETO E VERSÃO FINAL DE TC/ TCC CURSOS DE ADMINISTAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS Lucas Do Rio Verde / MT 2009 SUMÁRIO CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Indústria 2) Comércio 3) Serviços 4) Agronegócio DO OBJETIVO

REGULAMENTO. 1) Indústria 2) Comércio 3) Serviços 4) Agronegócio DO OBJETIVO REGULAMENTO DO OBJETIVO Art. 1º. O PRÊMIO JOVEM TALENTO EMPREENDEDOR é uma iniciativa da Prefeitura de Caxias do Sul, por meio da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Emprego,

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio

Leia mais

O Conselho Universitário da Universidade Comunitária Regional de Chapecó UNOCHAPECÓ, no uso das atribuições regimentais e estatutárias,

O Conselho Universitário da Universidade Comunitária Regional de Chapecó UNOCHAPECÓ, no uso das atribuições regimentais e estatutárias, RESOLUÇÃO Nº 057/CONSUN/2007 Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Licenciatura de Graduação em Artes Visuais O Conselho Universitário da Universidade Comunitária Regional de Chapecó UNOCHAPECÓ,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO DOCUMENTOS BÁSICOS: - Cadernos Paebes; - Ata de resultados finais da Escola em 2010; - Guia de Intervenção Pedagógica;

Leia mais

GESTÃO DE FEIRAS DE MATEMÁTICA

GESTÃO DE FEIRAS DE MATEMÁTICA GESTÃO DE FEIRAS DE MATEMÁTICA Margarida FILAGRANA (1) ; Fátima Peres Zago de OLIVEIRA (2) (1) Assistente Técnico Pedagógico Gerência Regional de Educação de Ibirama. Estrada Geral Ribeirão Tucano, s/nº-

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

O ENSINO DA PAISAGEM PARA ALUNOS COM SÍNDROME DE DOWN

O ENSINO DA PAISAGEM PARA ALUNOS COM SÍNDROME DE DOWN O ENSINO DA PAISAGEM PARA ALUNOS COM SÍNDROME DE DOWN Danielle Tatiane da Silva Cabral/UFRGS danielledasilvacabral@gmail.com Historicamente a ciência geográfica sofreu reformulações e reestruturou conceitos,

Leia mais

REGULAMENTO Introdução

REGULAMENTO Introdução Inscrição e ajustes no projeto 28/01/2014 a 05/abril/2014 Banca avaliadora Abril/ Maio 2014 Divulgação dos finalistas Junho 2014 Premiação: depois da Copa do Mundo Agosto/2014 REGULAMENTO Introdução A

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Apresentação de Seminário

Apresentação de Seminário UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Departamento de Ciência da Informação Apresentação de Seminário Profa. Marta Valentim Marília 2012 Introdução O seminário

Leia mais

Palavras Chave: Monitoria, Matemática no Ensino Superior, Reprovação em Matemática.

Palavras Chave: Monitoria, Matemática no Ensino Superior, Reprovação em Matemática. ISSN 2177-9139 MONITORIAS NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: RESULTADOS E PERSPECTIVAS Juliana Borges Pedrotti julianabpedrotti@gmail.com Universidade Federal de Pelotas, Instituto de Física

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

XX JORNADA JURÍDICA ACADÊMICA DO CURSO DE DIREITO

XX JORNADA JURÍDICA ACADÊMICA DO CURSO DE DIREITO Estado, Direito Penal e Segurança Pública: perspectivas para o controle social São Luís/MA, 29 a 31 de outubro de 2013 Hotel Luzeiros. CAPITULO I - Das disposições gerais REGULAMENTO DA II MOSTRA CIENTÍFICA

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACs)

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACs) REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACs) CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida:

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING

PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2014 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

Curso de Direito NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Autorizado pela Port. nº 584 de 26 de junho de 2007 MEC

Curso de Direito NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Autorizado pela Port. nº 584 de 26 de junho de 2007 MEC NORMAS COMPLEMENTARES DO NPJ FAR 2º SEMESTRE 2015 NORMAS COMPLEMENTARES PARA ESTAGIÁRIOS DO NPJ FAR 2º SEMESTRE 2015 1. OBJETIVOS: Estas Normas Complementares implantadas pelo Núcleo de prática Jurídica

Leia mais

Informações sobre o Curso de Especialização em Coordenação Pedagógica MEC/UFSCar

Informações sobre o Curso de Especialização em Coordenação Pedagógica MEC/UFSCar Universidade Federal de São Carlos Centro de Educação e Ciências Humanas Departamento de Educação Rodovia Washington Luiz, Km 235 Cxa.Postal 676 CEP. 13565 905 São Carlos SP Fone/Fax: 0xx 16 33518365 Informações

Leia mais