Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto"

Transcrição

1 DOENÇAS MUSCULARES Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo

2 DOENÇAS MUSCULARES = MIOPATIAS O QUE SÃO MIOPATIAS?

3 DOENÇAS MUSCULARES = MIOPATIAS DOENÇAS DA MUSCULATURA ESQUELÉTICA Hereditárias Adquiridas

4 DOENÇAS MUSCULARES OBJETIVOS APRESENTAR ALGUMAS NOÇÕES SOBRE QUADRO CLÍNICO E FISIOPATOLOGIA DAS MIOPATIAS DESPERTAR O INTERESSE PARA O ESTUDO MAIS APROFUNDADO DESSAS DOENÇAS

5 DOENÇAS MUSCULARES = MIOPATIAS QUAIS AS FORMAS MAIS FREQUENTES DE MANIFESTAÇÃO DAS MIOPATIAS?

6 DOENÇAS MUSCULARES DEGENERATIVAS x NÃO DEGENERATIVAS

7 DOENÇAS MUSCULARES DEGENERATIVAS FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA NÃO DEGENERATIVAS FRAQUEZA MUSCULAR ESTÁVEL FADIGA PRECOCE E MIALGIA OUTRAS

8 MIOPATIAS DEGENERATIVAS PORQUE OCORRE FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA NAS MIOPATIAS DEGENERATIVAS?

9 MIOPATIAS DEGENERATIVAS ADQUIRIDAS X HEREDITÁRIAS

10 DOENÇAS MUSCULARES ADQUIRIDAS MIOPATIAS INFLAMATÓRIAS FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA

11 MIOPATIAS INFLAMATÓRIAS PORQUE OCORRE FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA NAS MIOPATIAS INFLAMATÓRIAS?

12 MIOPATIAS INFLAMATÓRIAS DEVIDO À PRESENÇA DE UM PROCESSO INFLAMATÓRIO DE NATUREZA AUTOIMUNE NA MUSCULATURA ESQUELÉTICA.

13 MIOPATIAS DEGENERATIVAS ADQUIRIDAS X HEREDITÁRIAS

14 DOENÇAS MUSCULARES DEGENERATIVAS HEREDITÁRIAS DISTROFIAS MUSCULARES FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA DISTROFIAS MIOTÔNICAS FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA E MIOTONIA MIOPATIAS METABÓLICAS FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA

15 DOENÇAS MUSCULARES DEGENERATIVAS HEREDITÁRIAS DISTROFIAS MUSCULARES FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA

16 DISTROFIAS MUSCULARES DEFINIÇÃO O QUE SÃO DISTROFIAS MUSCULARES?

17 DISTROFIAS MUSCULARES DEFINIÇÃO SÃO DOENÇAS DEGENERATIVAS DA MUSCULATURA ESQUELÉTICA, DE NATUREZA HEREDITÁRIA

18 DISTROFIAS MUSCULARES DEFINIÇÃO PORQUE OCORRE FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA NAS DISTROFIAS MUSCULARES?

19 DISTROFIAS MUSCULARES FISIOPATOLOGIA VARIADA NECROSE HC FMRP-USP

20 DISTROFIAS MUSCULARES SINAIS E SINTOMAS FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA CONTRATURAS (retrações tendíneas) CARDIOPATIA CPK AUMENTADA

21 DISTROFIAS MUSCULARES Distrofia muscular de Duchenne Distrofia muscular de Becker Distrofia muscular de cinturas Distrofia facioescapuloumeral Distrofia muscular de Emery Dreifuss Miopatia distal Distrofia oculofaríngea Distrofia muscular congênita

22 DISTRIBUIÇAO DA FRAQUEZA MUSCULAR EMERY-DREIFUSS DUCHENNE/BECKER CINTURA FACIOESCAPULOUMERAL OCULOFARÍNGEA DISTAL Emery, AEH. Lancet 2002

23 DISTROFIA MUSCULAR DE DUCHENNE INÍCIO PRECOCE (3 a 4 anos de idade) HERANÇA LIGADA AO X FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA DISTRIBUIÇÃO PROXIMAL MEMBROS INF. PSEUDOHIPERTROFIA DAS PANTURRILHAS CONTRATURAS (retrações tendíneas) CARDIOPATIA CPK AUMENTADA

24 DISTROFIA MUSCULAR DE BECKER INÍCIO VARIÁVEL (desde a infância até idade adulta) HERANÇA LIGADA AO X MANIFESTAÇÃO VARIÁVEL (cãibras fraqueza) DISTRIBUIÇÃO PROXIMAL MEMBROS INF. PSEUDOHIPERTROFIA DAS PANTURRILHAS CONTRATURAS (retrações tendíneas) CARDIOPATIA CPK AUMENTADA

25 DISTROFIAS MUSCULARES Distrofia muscular de Duchenne Distrofia muscular de Becker Distrofia muscular de cinturas

26 DISTROFIAS MUSCULARES Distrofia muscular de Duchenne Distrofia muscular de Becker Distrofia muscular de cinturas Distrofia facioescapuloumeral

27 DISTROFIAS MUSCULARES QUADRO CLINICO FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA NECROSE DE FIBRAS MUSCULARES NECROSE RESULTA EM CK ELEVADA CARDIOPATIA

28 DISTROFIAS MUSCULARES PERDA PROGRESSIVA DE FIBRAS PERDA DA ELASTICIDADE MUSCULAR RETRAÇÕES TENDÍNEAS DEFORMIDADES ARTICULARES

29 DISTROFIAS MUSCULARES INCAPACIDADE FÍSICA FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA INSUFICIÊNCIA VENTILATÓRIA RETRAÇÕES TENDÍNEAS DEFORMIDADES AXIAIS

30 DISTROFIAS MUSCULARES FATORES AGRAVANTES CARDIOPATIA

31 DISTROFIAS MUSCULARES COMPLICAÇÕES FRAQUEZA MUSCULAR REDUÇÃO DA CARGA NOS MEMBROS OSTEOPOROSE FRATURAS PATOLÓGICAS

32 TRATAMENTO SUPORTE MEDICAMENTOSO EVITAR SOBRECARGA MUSCULAR PREVENÇÃO DE DEFORMIDADES FISIOTERAPIA PASSIVA ORIENTAÇÃO POSTURAL TALAS NOTURNAS ADAPTAÇÕES PARA ATIVIDADES TERAPIA OCUPACIONAL TRATAMENTO RESPIRATÓRIO FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA LIMPEZA VIAS AÉREAS VENTILAÇÃO MECÂNICA CORTICOSTERÓIDES D M Duchenne OSTEOPOROSE CÁLCIO VITAMINA D CARDIOPATIA DROGAS CARDIOTÔNICAS DISTÚRBIOS DE RITMO

33 DOENÇAS MUSCULARES DEGENERATIVAS HEREDITÁRIAS DISTROFIAS MIOTÔNICAS FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA E MIOTONIA

34 DISTROFIA MIOTÔNICA DOENÇA MULTISSISTÊMICA MÚSCULO ESQUELÉTICO fraqueza muscular/atrofia / miotonia MÚSCULO LISO constipação intestinal CORAÇÃO arritmia / miocardiopatia SISTEMA NERVOSO CENTRAL retardo mental/distúrbio do sono/ disfunção cognitiva SISTEMA ENDÓCRINO hipogonadismo / resistência à insulina/hormônio crescimento CRISTALINO catarata HERANÇA AUTOSSÔMICA DOMINANTE

35 DMWD DMPK SIX CATARATA ARRITMIA CARD HIPOGONADISMO REDUÇÃO IgG CTGn RNA CCTGn MIOTONIA DISTROFIA MUSC RESISTÊNCIA À INSULINA ZNF9

36 Fenômeno de antecipação catarata catarata e cardiopatia

37 DISTROFIAS MIOTÔNICAS INCAPACIDADE FÍSICA FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA MIOTONIA INSUFICIÊNCIA VENTILATÓRIA PODE SER PRECOCE

38 DISTROFIAS MIOTÔNICAS FATORES AGRAVANTES DOENÇA MULTISSISTÊMICA: CATARATA CARDIOPATIA ENDOCRINOPATIAS OSTEOPOROSE DISTÚRBIO COGNITIVO DISTÚRBIO DO SONO

39 TRATAMENTO SINAIS/SINTOMAS MUSCULARES: MIOTONIA MIALGIA FRAQUEZA MUSCULAR ALTERAÇÃO CARDÍACA: CATARATA: SONOLÊNCIA: ECG ANUAL DROGAS / MARCAPASSO TRATAMENTO CIRÚRGICO ESTUDO COM MODAFINIL CUIDADOS ANESTÉSICOS: CONCENTRAÇÃO K+ RABDOMIÓLISE / IRA

40

41 DOENÇAS MUSCULARES DEGENERATIVAS FRAQUEZA MUSCULAR PROGRESSIVA NÃO DEGENERATIVAS FRAQUEZA MUSCULAR ESTÁVEL FADIGA PRECOCE E MIALGIA OUTRAS

42 MIOPATIAS NÃO DEGENERATIVAS PORQUE OCORRE FRAQUEZA MUSCULAR NAS MIOPATIAS NÃO DEGENERATIVAS?

43 MIOPATIAS NÃO DEGENERATIVAS A FRAQUEZA MUSCULAR DECORRE DE ALTERAÇÃO NA FIBRA MUSCULAR QUE NÃO LEVA À DEGENERAÇÃO, SENDO FREQUENTE A ALTERAÇÃO DE PROTEÍNAS DO SARCÔMERO.

44 DOENÇAS MUSCULARES NÃO DEGENERATIVAS MIOPATIAS CONGÊNITAS - DESESTRUTURAÇÃO DO SARCÔMERO - ALTERAÇÕES NAS FIBRAS MUSCULARES

45 MIOPATIAS CONGÊNITAS O QUE SÃO MIOPATIAS CONGÊNITAS?

46 MIOPATIAS NÃO DEGENERATIVAS MIOPATIAS CONGÊNITAS FRAQUEZA MUSCULAR ESTÁVEL DOENÇA HEREDITÁRIA INÍCIO PRIMEIROS MESES DE VIDA FRAQUEZA MUSCULAR NÃO PROGRESSIVA HIPOTONIA DISMORFIAS

47 MIOPATIAS CONGÊNITAS INCAPACIDADE FÍSICA FRAQUEZA MUSCULAR (GRAU VARIÁVEL) HIPOTONIA E ATROFIA INSUFICIÊNCIA VENTILATÓRIA PROPORCIONAL AO GRAU DE FRAQUEZA GLOBAL DESPROPORCIONAL AO GRAU DE FRAQUEZA GLOBAL

48 MIOPATIAS CONGÊNITAS COMPLICAÇÕES FRAQUEZA + HIPOTONIA REDUÇÃO DA MOBILIDADE ARTICULAR DEFORMIDADES ARTICULARES

49 MIOPATIAS CONGÊNITAS COMPLICAÇÕES FRAQUEZA MUSCULAR REDUÇÃO DA CARGA NOS MEMBROS OSTEOPOROSE FRATURAS PATOLÓGICAS

50 MIOPATIAS CONGÊNITAS COMPLICAÇÕES FRAQUEZA MUSCULATURA AXIAL DEFORMIDADES COLUNA VERTEBRAL INSUFICIÊNCIA VENTILATÓRIA

51 TRATAMENTO SUPORTE FISIOTERAPIA ATIVA SEM CARGA EXTRA PREVENÇÃO DE DEFORMIDADES ADOLESCÊNCIA FISIOTERAPIA ORIENTAÇÃO POSTURAL TRATAMENTO DAS DEFORMIDADES CORREÇÃO CIRÚRGICA ADAPTAÇÕES PARA ATIVIDADES TERAPIA OCUPACIONAL TRATAMENTO RESPIRATÓRIO FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA LIMPEZA VIAS AÉREAS VENTILAÇÃO MECÂNICA

52 DOENÇAS MUSCULARES OUTRAS FORMAS DE MANIFESTAÇÃO DAS MIOPATIAS NÃO DEGENERATIVAS

53 MIOPATIAS NÃO DEGENERATIVAS MIOPATIAS METABÓLICAS FADIGA PRECOCE MIALGIA DOENÇAS HEREDITÁRIAS OU ADQUIRIDAS MIOPATIAS METABÓLICAS HEREDITÁRIAS ENDOCRINOPATIAS

54 DOENÇAS MUSCULARES DEFICIÊNCIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA

55 MIOPATIAS METABOLICAS INCAPACIDADE FÍSICA FADIGA PRECOCE MIALGIA INTOLERANCIA AO EXERCICIO EXAME NEUROLOGICO EM GERAL NORMAL (TROFISMO, TONUS E FORCA MUSCULAR)

56 TRATAMENTO SUPORTE MEDICAMENTOSO EVITAR EXERCÍCIOS FÍSICOS ACIMA DO LIMIAR ORIENTAÇÃO DIETA REPOSIÇÃO HORMONAL RETIRADA DO AGENTE TÓXICO VITAMINAS COFATORES ANTIOXIDANTES COENZIMA Q10 VITAMINA K3 SINTOMÁTICOS PARA DOR

57 TRATAMENTO REABILITAÇÃO FÍSICA ADAPTAÇÃO DAS ATIVIDADES DA VIDA DIÁRIA

MIOPATIAS E DOENÇAS DA JUNÇÃO NEUROMUSCULAR

MIOPATIAS E DOENÇAS DA JUNÇÃO NEUROMUSCULAR MIOPATIAS E DOENÇAS DA JUNÇÃO NEUROMUSCULAR Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de

Leia mais

MIOPATIAS Texto complementar Profa Dra Cláudia F R Sobreira Divisão de Neurologia Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento

MIOPATIAS Texto complementar Profa Dra Cláudia F R Sobreira Divisão de Neurologia Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento MIOPATIAS Texto complementar Profa Dra Cláudia F R Sobreira Divisão de Neurologia Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento A musculatura esquelética, tecido efetor do sistema motor, tem

Leia mais

DOENÇAS NEUROMUSCULARES

DOENÇAS NEUROMUSCULARES DOENÇAS NEUROMUSCULARES Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo NEURÔNIO

Leia mais

Manejo sistêmico do paciente com doença neuromuscular. Alexandra Prufer de Q. C. Araujo

Manejo sistêmico do paciente com doença neuromuscular. Alexandra Prufer de Q. C. Araujo Manejo sistêmico do paciente com doença neuromuscular Alexandra Prufer de Q. C. Araujo DOENÇA NEUROMUSCULAR Alexandra Prufer de Q. C. Araujo Gânglio da raiz dorsal Herpes zoster, ataxia de Friedreich

Leia mais

Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória

Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória 1. Anatomia e fisiologia do sistema cardiorrespiratório Egan. 1 ed. São Paulo: Manole, 2000. (Seção 3, caps.7 e 8) WEST, J.B. Fisiologia respiratória

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

FRAQUEZA MUSCULAR. Diagnóstico

FRAQUEZA MUSCULAR. Diagnóstico FRAQUEZA MUSCULAR Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A fraqueza muscular é um problema comum, mas, freqüentemente, tem significados diferentes

Leia mais

Sistema muscular Resistência Muscular Localizada Flexibilidade Osteoporose Esteróides Anabolizantes

Sistema muscular Resistência Muscular Localizada Flexibilidade Osteoporose Esteróides Anabolizantes MÚSCULOS, ARTICULAÇÕES, FORÇA, FLEXIBILIDADE E ATIVIDADE FÍSICAF Sistema muscular Resistência Muscular Localizada Flexibilidade Osteoporose Esteróides Anabolizantes APARELHO LOCOMOTOR HUMANO Constituição

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Semiologia Geral ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Generalidades sobre diagnóstico e avaliação AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA EM II - Avaliação da coluna (postura) -

Leia mais

Alterações no sistema músculo esquelético com o envelhecimento. Prof. Dra. Bruna Oneda

Alterações no sistema músculo esquelético com o envelhecimento. Prof. Dra. Bruna Oneda Alterações no sistema músculo esquelético com o envelhecimento Prof. Dra. Bruna Oneda Sistema músculo esquelético Compreende: Força muscular; Resistência muscular e Flexibilidade Sistema músculo esquelético

Leia mais

Implicações da fisioterapia aquática na assistência motora e familiar do paciente com Distrofia Muscular de Duchenne

Implicações da fisioterapia aquática na assistência motora e familiar do paciente com Distrofia Muscular de Duchenne Implicações da fisioterapia aquática na assistência motora e familiar do paciente com Distrofia Muscular de Duchenne FABIANA MAGALHÃES NAVARRO(UNINGÁ)¹ MARCELA DA FONSECA LOPES(G-UNINGÁ) 2 RESUMO A Distrofia

Leia mais

Rua do Platão nº. 147 Zambujal São Domingos de Rana Tel Fax

Rua do Platão nº. 147 Zambujal São Domingos de Rana Tel Fax Rua do Platão nº. 147 Zambujal 2785 698 São Domingos de Rana Tel. 214 549 200 Fax. 214 549 208 E-mail: anea@anea.org.pt PONTO DE VISTA DE UMA ASSOCIAÇÃO DE DOENTES A ESPONDILITE ANQUILOSANTE, O QUE É?

Leia mais

I MÓDULO Grandes Síndromes Clínicas: Sinais e Sintomas 6 Semanas: 1ª a 6ª semana SEMANA DIA HORÁRIO PROF. SALA CONTEÚDO

I MÓDULO Grandes Síndromes Clínicas: Sinais e Sintomas 6 Semanas: 1ª a 6ª semana SEMANA DIA HORÁRIO PROF. SALA CONTEÚDO Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 4º PERÍODO Semana Unidades Curriculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Módulo

Leia mais

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros Semiologia do aparelho osteoarticular Professor Ivan da Costa Barros IMPORTÂNCIA CLÍNICA 10% das consultas médicas Mais de 100 doenças Complicações não articulares Geralmente auto limitado 1 em 5 americanos

Leia mais

Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores,

Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores, Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores, deformidades progressivas e incapacidade funcional. SINTOMAS

Leia mais

GEP - GRUPO DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE Criança de risco para atraso do desenvolvimento motor 30 vagas - 3 grupos de 10 crianças cada

GEP - GRUPO DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE Criança de risco para atraso do desenvolvimento motor 30 vagas - 3 grupos de 10 crianças cada Protocolo: Situação clínica: Número de vagas: Tempo: Objetivo geral: GEP - GRUPO DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE Criança de risco para atraso do desenvolvimento motor 30 vagas - 3 grupos de 10 crianças cada 8 encontros

Leia mais

TERMO ADITIVO DO NÚMERO DE VAGAS REFERENTE AO EDITAL

TERMO ADITIVO DO NÚMERO DE VAGAS REFERENTE AO EDITAL TERMO ADITIVO DO NÚMERO DE VAGAS REFERENTE AO EDITAL 2017.2 Curso Administração e Contábeis Disciplina: Matemática Financeira. Turno: Manhã/Tarde/Noite Vagas: 2 para cada turno Juros simples Juros compostos

Leia mais

QUEDAS NA IDADE SÉNIOR: DO RISCO À PREVENÇÃO!

QUEDAS NA IDADE SÉNIOR: DO RISCO À PREVENÇÃO! QUEDAS NA IDADE SÉNIOR: DO RISCO À PREVENÇÃO! Janeiro, 2015 Sumário Processo de envelhecimento Incidência das quedas em Portugal Complicações das quedas Do risco à prevenção de quedas Envelhecimento Velhice

Leia mais

NEUROPATIAS PERIFÉRICAS. Prof. Douglas Monteiro

NEUROPATIAS PERIFÉRICAS. Prof. Douglas Monteiro NEUROPATIAS PERIFÉRICAS Prof. Douglas Monteiro Lesões nervosas periféricas Caracterizadas por uma disfunção dos nervos periféricos; As manifestações clínicas dependem da gravidade, da distribuição e das

Leia mais

PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X

PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X HOMENS: apresenta um X e um Y XY sexo heterogamético o seus gametas serão metade com cromossomo X e metade com cromossomo Y MULHER: apresenta dois X XX sexo homogamético

Leia mais

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Fóruns 28 de setembro de 2013 15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Insuficiência Cardíaca Como abordar na: IC Fração de ejeção reduzida / normal IC descompensada IC Crônica IC Chagásica

Leia mais

Eletrólitos na Nutrição Parenteral

Eletrólitos na Nutrição Parenteral Unesp Eletrólitos na Nutrição Parenteral Sergio A R Paiva Complicações da NP Mecânicas Infecciosas Distúrbios metabólicos Complicações da NP Mecânicas Infecciosas Distúrbios metabólicos Complicações da

Leia mais

HIPERTERMIA MALIGNA. CEDHIMA - UNIFESP (Centro de Estudo, Diagnóstico e Investigação em Hipertemia Maligna)

HIPERTERMIA MALIGNA. CEDHIMA - UNIFESP (Centro de Estudo, Diagnóstico e Investigação em Hipertemia Maligna) HIPERTERMIA MALIGNA CEDHIMA - UNIFESP (Centro de Estudo, Diagnóstico e Investigação em Hipertemia Maligna) 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: RG: Entrevistador: Data: / / Data de nascimento: Idade: Sexo: Cor: Naturalidade:

Leia mais

PREVENÇÃO DE QUEDAS JUNTO AOS IDOSOS PORTADORES DA DOENÇA DE PARKINSON

PREVENÇÃO DE QUEDAS JUNTO AOS IDOSOS PORTADORES DA DOENÇA DE PARKINSON Pró Reitoria de Extensão (PROEX/ UFSC) APOIO FINANCEIRO: Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Enfermagem GESPI Grupo de Estudos sobre o Cuidado da Saúde Integral de Pessoas Idosas PREVENÇÃO

Leia mais

Desnutrição na Adolescência

Desnutrição na Adolescência Desnutrição na Adolescência Adolescência CRIANÇA Desnutrição Anorexia/Bulimia Obesidade / Diabetes ADULTO Dietas não convencionais e restritivas Deficiência de ferro Cálcio, vitamina A, zinco, Vitamina

Leia mais

FISIOLOGIA MUSCULAR. Mecanismos de controle da força. Enquanto é dada a AP Profa Silvia Mitiko Nishida. Miron, 450 a.c

FISIOLOGIA MUSCULAR. Mecanismos de controle da força. Enquanto é dada a AP Profa Silvia Mitiko Nishida. Miron, 450 a.c FISIOLOGIA MUSCULAR Mecanismos de controle da força Enquanto é dada a AP Profa Silvia Mitiko Nishida Miron, 450 a.c Cérebro SNC Medula Unidade Motora 1 Unidade Motora 2 Neurônio motor Nervo Músculo Fibras

Leia mais

Dores na coluna Lombalgia

Dores na coluna Lombalgia Lombalgia A dor lombar (ou lombalgia ou lumbago ou dor nas costas ) é a segunda queixa mais frequente em todo o mundo atrás apenas do resfriado comum e uma das maiores causas de absenteísmo ao trabalho

Leia mais

Envelhecimento e Doenças Reumáticas

Envelhecimento e Doenças Reumáticas Envelhecimento e Doenças Reumáticas Armando Malcata CHUC XVII Forum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas Variações demográficas e sociais. Impacto crescente; multidimensional.

Leia mais

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al.

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al. ESTRATÉGIAS PARA OTIMIZAR OS BENEFÍCIOS E MINIMIZAR OS RISCOS EM TN Aporte de vitaminas e minerais e Minerais: O Excesso e a Falta na Recuperação do Paciente Helena Sampaio Você tem certeza que isso é

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Áreas de investigação Edital Normativo 03/2014 A Comissão de Pós-Graduação da Escola de Educação Física, conforme disposto no subitem VIII.11 do Regulamento da Comissão Coordenadora do Programa, baixado

Leia mais

CUIDADOS COM A MOBILIDADE Da infância à terceira idade

CUIDADOS COM A MOBILIDADE Da infância à terceira idade CUIDADOS COM A MOBILIDADE Da infância à terceira idade Christina DCM Faria, P.T., Ph.D. Professora do Departamento de Fisioterapia Universidade Federal de Minas Gerais CUIDADOS COM A MOBILIDADE O que é

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro síndrome de Majeed Versão de 2016 1. O QUE É A MAJEED 1.1 O que é? A síndrome de Majeed é uma doença genética rara. As crianças afetadas sofrem de Osteomielite

Leia mais

NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU

NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU SISTEMA LOCOMOTOR OBJETIVOS Identificar as estruturas e funções dos ossos do sistema locomotor; Analisar a importância deste sistema para processo de movimentação e locomoção;

Leia mais

Nutrição Parenteral em Pediatria

Nutrição Parenteral em Pediatria NUTRIÇÃO PARENTERAL OBJETIVO Quantidade e Qualidade - Volume correto - Oferta Calórica adequada - Equilíbrio: CH / Proteina/Gordura - Na, K, Ca, Mg, Cl, P - Vitaminas e Oligoelementos Grandes Desafios

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 4 de março de Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 4 de março de Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 4/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE FISIOTERAPIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

Neurociências. Revista Neurociências V13 N3 (supl-versão eletrônica) jul/set, 2005

Neurociências. Revista Neurociências V13 N3 (supl-versão eletrônica) jul/set, 2005 90 Correlações clínicas, morfológicas e funcionais do músculo estriado esquelético de pacientes que se submeteram ao teste de contratura muscular in vitro para o diagnóstico de hipertermia maligna. Helga

Leia mais

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS)

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) Versão de 2016 1. O QUE É A CAPS 1.1 O que é? A Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) compreende

Leia mais

MAGNÉSIO DIMALATO. FÓRMULA MOLECULAR: C4H6Mg2O7. PESO MOLECULAR: 396,35 g/mol

MAGNÉSIO DIMALATO. FÓRMULA MOLECULAR: C4H6Mg2O7. PESO MOLECULAR: 396,35 g/mol MAGNÉSIO DIMALATO FÓRMULA MOLECULAR: C4H6Mg2O7 PESO MOLECULAR: 396,35 g/mol Importante para mais de 300 processos biológicos no organismo, o magnésio é um mineral essencial utilizado na síntese de proteínas

Leia mais

EXIN FISIOTERAPIA

EXIN FISIOTERAPIA EXIN FISIOTERAPIA 2016.2 SÉRIE 4MA e 4MB Assuntos Avaliação do Tônus e Força Muscular. Avaliação da Marcha. Noções de Avaliação em Fisioterapia Neurológica. ADF 3 Avaliação da Coordenação e Equilíbrio.

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO MYOZYME COMO TRATAMENTO NA DOENÇA DE POMPE

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO MYOZYME COMO TRATAMENTO NA DOENÇA DE POMPE ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO MYOZYME COMO TRATAMENTO NA DOENÇA DE POMPE Wilma da Silva Rodrigues (wilmasrodrigues@hotmail.com)- Unifan Kamilla Jéssica Queiroz Farias (mylla-90@hotmail.com)- Unifan Lilyan Rodrigues

Leia mais

INTRODUÇÃO DOENÇAS NEUROMUSCULARES

INTRODUÇÃO DOENÇAS NEUROMUSCULARES INTRODUÇÃO DOENÇAS NEUROMUSCULARES As doenças neuromusculares (DNM) podem ser adquiridas ou hereditárias, formando um grupo bastante heterogêneo de desordens causadas por anormalidades da ponta anterior

Leia mais

XV Curso de Capacitação Profissional em Medicina do Sono. AULA e 21/08/ Dra. Monica Levy Andersen Tema: Sono e suas Funções

XV Curso de Capacitação Profissional em Medicina do Sono. AULA e 21/08/ Dra. Monica Levy Andersen Tema: Sono e suas Funções XV Curso de Capacitação Profissional em Medicina do Sono AULA 01 20 e 21/08/2011 - Dra. Monica Levy Andersen Tema: Sono e suas Funções 09h: Histórico da Medicina do Sono 10h: Bases Neurais do Sono 14h:

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro CANDLE Versão de 2016 1. O QUE É A CANDLE 1.1 O que é? A Dermatose Neutrofílica Atípica Crônica com Lipodistrofia e Temperatura Elevada (CANDLE) é uma doença

Leia mais

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração.

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. ESQUELETO ARTICULAÇÃO LESÕES MUSCULARES, ESQUELÉTICAS E ARTICULARES Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. Junção de ossos (dois ou mais) Estruturas Ligamentos Ligar ossos

Leia mais

Angina Estável: Estratificação de Risco e Tratamento Clínico. Dr Anielo Itajubá Leite Greco

Angina Estável: Estratificação de Risco e Tratamento Clínico. Dr Anielo Itajubá Leite Greco Angina Estável: Estratificação de Risco e Tratamento Clínico Dr Anielo Itajubá Leite Greco Angina Estável vel: Fisiopatologia da Insuficiência Coronária ria Isquemia de baixo fluxo ( suprimento): Redução

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisiologia Humana Código: Fisio 107 Pré-requisito: Bioquímica Período Letivo: 2016.1

Leia mais

Defeitos osteoarticulares

Defeitos osteoarticulares Osteoartrite Descrição Osteoartrite ou doença articular degenerativa ( artrose ) caracteriza-se pela perda progressiva da cartilagem articular e alterações reacionais no osso subcondral e margens articulares,

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro CANDLE Versão de 2016 1. O QUE É A CANDLE 1.1 O que é? A Dermatose Neutrofílica Atípica Crónica com Lipodistrofia e Temperatura Elevada (Síndrome CANDLE, pelas

Leia mais

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON Enfermagem em Clínica Médica Doença de Addison Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com DOENÇA DE ADDISON A insuficiência adrenal (IA) primária, também denominada doença de Addison, geralmente

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Enzimologia Clínica. Enzimas. Alteração da atividade sérica. Auxílio diagnóstico de processos patológicos Fosfatase Alcalina

Enzimologia Clínica. Enzimas. Alteração da atividade sérica. Auxílio diagnóstico de processos patológicos Fosfatase Alcalina Enzimologia Clínica Enzimas Auxílio diagnóstico de processos patológicos 1900 Lipase sérica 1927 Fosfatase Alcalina Alteração da atividade sérica Permeabilidade da membrana celular Necrose celular Remoção

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 52-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2015. Aprova o Curso de Especialização em Recursos Terapêuticos Manuais: Ênfase em Terapia Manual, modalidade modular, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho.

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho. O termo reumatismo, embora consagrado, não é um termo adequado para denominar um grande número de diferentes doenças que tem em comum o comprometimento do sistema músculo-esquelético, ou seja, ossos, cartilagem,

Leia mais

Adaptações Celulares. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Enf./2 o sem

Adaptações Celulares. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Enf./2 o sem Adaptações Celulares Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Enf./2 o sem Estímulo Lesivo Célula Normal Estresse Fisiológico/ Patógeno Lesão Celular Incapacidade

Leia mais

EXAME MÉDICO DE CONDUTORES OU CANDIDATOS A CONDUTORES DE VEÍCULOS A MOTOR (artigo 26.º n.º1 do RHLC)

EXAME MÉDICO DE CONDUTORES OU CANDIDATOS A CONDUTORES DE VEÍCULOS A MOTOR (artigo 26.º n.º1 do RHLC) MINISTÉRIO DA SAÚDE DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE EXAME MÉDICO DE CONDUTORES OU CANDIDATOS A CONDUTORES DE VEÍCULOS A MOTOR (artigo 26.º n.º1 do RHLC) 1ª PARTE A PREENCHER PELO INTERESSADO IDENTIFICAÇÃO (Nome

Leia mais

SINAIS DE PERTURBAÇÕES FUNCIONAIS

SINAIS DE PERTURBAÇÕES FUNCIONAIS SINAIS DE PERTURBAÇÕES FUNCIONAIS FORMAÇÃO, Comunicação profissional 2016 - Porto, Lisboa e Almancil CLINICAL NUTRICION DEVELOPMENT AND APPLICATIONS (CNDA) FUNÇÃO VITALIDADE GERAL Astenia. Sexualidade

Leia mais

Luana Talita Diniz Ferreira. Mortalidade por Distrofia Muscular de Duchenne no município de São Paulo de 2003 a 2007

Luana Talita Diniz Ferreira. Mortalidade por Distrofia Muscular de Duchenne no município de São Paulo de 2003 a 2007 Luana Talita Diniz Ferreira Mortalidade por Distrofia Muscular de Duchenne no município de São Paulo de 2003 a 2007 Monografia apresentada a Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina,

Leia mais

Princípios do tratamento das fraturas

Princípios do tratamento das fraturas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Princípios do tratamento das fraturas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Tratamento conservador - indicações - imobilizações - redução incruenta

Leia mais

Núcleos Clínico-Cirúrgicos InCor

Núcleos Clínico-Cirúrgicos InCor Núcleos Clínico-Cirúrgicos InCor Conceito Estrutura composta por Unidades Clínicas, Cirúrgicas e de Diagnóstico do InCor que apresentam atividades afins. O objetivo da criação dos Núcleos é melhorar a

Leia mais

FACULDADE CERES PROCESSO DE SELEÇÃO PARA TRANSFERÊNCIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 2º SEMESTRE DE 2017 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

FACULDADE CERES PROCESSO DE SELEÇÃO PARA TRANSFERÊNCIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 2º SEMESTRE DE 2017 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO FACULDADE CERES PROCESSO DE SELEÇÃO PARA TRANSFERÊNCIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 2º SEMESTRE DE 2017 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso: Metabolismo

Leia mais

Lesão por esforço Repetitivo

Lesão por esforço Repetitivo Lesão por esforço Repetitivo Lesão por esforço repetitivo Inrodução A lesão por esforço repetitivo ( LER),são lesões nos sistemas músculo esquelético e nervoso por tarefas repetitivas, esforços vigorosos,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE FISIOTERAPIA TAMIRES CARNEIRO BORGES

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE FISIOTERAPIA TAMIRES CARNEIRO BORGES UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE FISIOTERAPIA TAMIRES CARNEIRO BORGES AVALIAÇÃO PNEUMO-FUNCIONAL EM PACIENTES COM DISTROFIAS MUSCULARES PROGRESSIVAS MEMBROS DA ASSOCIAÇÃO SUL CATARINENSE

Leia mais

Amiotrofias Espinhais Progressivas

Amiotrofias Espinhais Progressivas UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Amiotrofias Espinhais Progressivas Av. Pará n 1720, Bloco 2A sala 2A 01 Campus Umuarama CEP: 38400-902

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

D.P.O.C. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

D.P.O.C. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica D.P.O.C. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Prof. João Luiz V Ribeiro Introdução Bronquite Crônica e Enfisema Pulmonar Coexistência Mesma síndrome funcional Hábito do tabagismo como principal fator etiopatogênico

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC

Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC Insuficiência Cardíaca: desempenho do coração inadequado para atender as necessidades metabólicas periféricas, no esforço ou no repouso, o coração torna-se incapaz

Leia mais

Esta patologia ocorre quando existe um stress na epífise de crescimento próximo a área da tuberosidade tibial.

Esta patologia ocorre quando existe um stress na epífise de crescimento próximo a área da tuberosidade tibial. INTRODUÇÃO Osgood-Schlatter (OS) constitui uma doença osteo-muscular, extra articular, comum em adolescentes (esqueleto em desenvolvimento). Surge na adolescência na fase denominada estirão do crescimento.

Leia mais

A Senilidade e suas consequências

A Senilidade e suas consequências A Senilidade e suas consequências Eduardo Ferriolli Divisão de Clínica Médica Geral e Geriatria Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP O T 6T O PILOTO DO T 6T Como e quando a funcionalidade é interrompida?

Leia mais

Os Benefícios da Atividade Física no Tratamento da Dependência Química. Benefícios Fisiológicos

Os Benefícios da Atividade Física no Tratamento da Dependência Química. Benefícios Fisiológicos Os Benefícios da Atividade Física no Tratamento da Dependência Química Fisioterapeuta Jussara Lontra Atividade Física expressão genérica que pode ser definida como qualquer movimento corporal, produzido

Leia mais

Definição. Conceitos Básicos de Cinesioterapia. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros 27/2/2012

Definição. Conceitos Básicos de Cinesioterapia. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros 27/2/2012 Definição Conceitos Básicos de Cinesioterapia Prof Christiane Riedi Daniel Disciplina: Cinesioterapia Cinesioterapia - s.f. Tratamento pelo movimento no sentido geral: mobilização ativa e passiva dos exercícios

Leia mais

Poliomielite um novo Olhar, comemorando a Vida, cuidando da Saúde!

Poliomielite um novo Olhar, comemorando a Vida, cuidando da Saúde! FISIOTERAPIA E HIDROTERAPIA NA SÍNDROME PÓS POLIOMIELITE Depois de viver anos sabendo que, originalmente, o exercício intenso e exaustivo ajudou-os a "dominar" sua doença, os pacientes com sequelas da

Leia mais

O que é a SÍNDROME do DESFILADEIRO TORÁCICO

O que é a SÍNDROME do DESFILADEIRO TORÁCICO O que é a SÍNDROME do DESFILADEIRO TORÁCICO Consiste em um complexo sintomático resultante da compressão do fluxo neurovascular na saída torácica (artéria, veia ou nervos do plexo braquial) no seu percurso

Leia mais

Cromossomos Sexuais e Herança Genética. Genética Professora Catarina

Cromossomos Sexuais e Herança Genética. Genética Professora Catarina Cromossomos Sexuais e Herança Genética Genética Professora Catarina Espécie humana 23 pares de cromossomos 22 pares autossômicos 1 par cromossomos sexuais ( XY e XX) Cariótipo 46, XX 46, XY Sistema XY

Leia mais

CONDUTA FISIOTERAPÊUTICA MOTORA EM PACIENTES COM ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA: REVISÃO DA LITERATURA BRASILEIRA.

CONDUTA FISIOTERAPÊUTICA MOTORA EM PACIENTES COM ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA: REVISÃO DA LITERATURA BRASILEIRA. CONDUTA FISIOTERAPÊUTICA MOTORA EM PACIENTES COM ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA: REVISÃO DA LITERATURA BRASILEIRA. INTRODUÇÃO ANDRESSA APARECIDA LORENÇO DE SOUZA 1 EDUARDO LINDEN JÚNIOR 1 SANDROVAL FRANCISCO

Leia mais

LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS

LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS Nome da atividade: Estágio Supervisionado em Fisioterapia Cardiovascular Tipo de atividade: Disciplina de Graduação Responsáveis: Profª

Leia mais

H - LE L R E /D / OR O T

H - LE L R E /D / OR O T Histórico - LER/DORT Doenças Ocupacionais 1700 - Ramazzini - Pai da Medicina do trabalho - "doença dos escribas e notórios". 1920 - Doença das tecelãs (1920) 1965 - Doença das lavadeiras Década de 80 Universalização

Leia mais

MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA. Francisco Sampaio

MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA. Francisco Sampaio MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA Francisco Sampaio MÚSCULO ESQUELÉTICO (RESUMO) INTRODUÇÃO CLASSIFICAÇÃO FUNÇÕES BIOMECÂNICA TIPOS DE CONTRACÇÃO MECANISMO DE CONTRACÇÃO UNIDADE MOTORA COMPORTAMENTO

Leia mais

FISIOTERAPIA NEUROMUSCULOESQUELÉTICA Código Interno: 100

FISIOTERAPIA NEUROMUSCULOESQUELÉTICA Código Interno: 100 RESIDÊNCIA SAÚDE 0 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FISIOTERAPIA NEUROMUSCULOESQUELÉTICA Código Interno: 00 Você recebeu o seguinte material: - Um CADERNO DE QUESTÕES constituído de cinco questões

Leia mais

II EDITAL DE PROCESSO SELETIVO INTERNO DO PROGRAMA DE MONITORIA

II EDITAL DE PROCESSO SELETIVO INTERNO DO PROGRAMA DE MONITORIA II EDITAL DE PROCESSO SELETIVO INTERNO DO PROGRAMA DE MONITORIA - 2016 A Direção do Centro de Ciências da Saúde faz saber aos interessados os dias, horários e locais das provas de ingresso e seleção para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 UNIDADE UNIVERSITÁRIA: Faculdade de Filosofia e Ciências CURSO: Fisioterapia

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DO ECG resolução de exercícios

INTERPRETAÇÃO DO ECG resolução de exercícios INTERPRETAÇÃO DO ECG resolução de exercícios Taquicardia sinusal Taquicardia em geral com QRS estreito, precedidas por ondas P e FC acima de 100 BPM e em geral abaixo de 200 BPM em repouso. Causas: aumento

Leia mais

Espinha Bífida. Dr. Fábio Agertt

Espinha Bífida. Dr. Fábio Agertt Espinha Bífida Dr. Fábio Agertt Neurônio Motor Superior/Inferior Espinha Bífida Defeito de fechamento do tubo neural; Variedade de apresentações e gravidade; As características podem ser diagnosticadas

Leia mais

Linfedema e outras sequelas físicas pós câncer da mama. Fisioterapeuta Dra. Mirella Dias

Linfedema e outras sequelas físicas pós câncer da mama. Fisioterapeuta Dra. Mirella Dias Linfedema e outras sequelas físicas pós câncer da mama Fisioterapeuta Dra. Mirella Dias Sequelas câncer de mama Linfedema Síndrome da Rede Axilar Diminuição da ADM Alterações de sensibilidade Alterações

Leia mais

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS)

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) Versão de 2016 1. O QUE É A CAPS 1.1 O que é? A Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) compreende

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisiologia do Exercício Código: Fisio 112 Pré-requisito: Fisiologia Humana Período

Leia mais

Atividade Física e Cardiopatia

Atividade Física e Cardiopatia AF e GR ESPECIAIS Cardiopatia Atividade Física e Cardiopatia Prof. Ivan Wallan Tertuliano E-mail: ivantertuliano@anhanguera.com Cardiopatias Anormalidade da estrutura ou função do coração. Exemplos de

Leia mais

Sistema Urinário. Patrícia Dupim

Sistema Urinário. Patrícia Dupim Sistema Urinário Patrícia Dupim Insuficiência Renal Ocorre quando os rins não conseguem remover os resíduos metabólicos do corpo. As substância normalmente eliminadas na urina acumulam-se nos líquidos

Leia mais

O QUE É O INDATIR? DIRETORIA

O QUE É O INDATIR? DIRETORIA HIPOTIROIDISMO O QUE É O INDATIR? O Indatir - Instituto da Tiróide é uma instituição sem fins lucrativos, fundada em dezembro de 2001 em São Paulo, reunindo especialistas do Brasil em problemas ligados

Leia mais

Profa. Cláudia Herrera Tambeli

Profa. Cláudia Herrera Tambeli Profa. Cláudia Herrera Tambeli Tipos de Músculos Estriado Liso Cardíaco Involuntário Esquelético Voluntário Involuntário Funções do músculo esquelético Relação Movimento/Força O músculo se contrai e encurta.

Leia mais

Dia Tema Palestrante CH Resumo Nº de Vaga s 23/10/2017 8:00 - Abertura do evento. 8h:15min 10h

Dia Tema Palestrante CH Resumo Nº de Vaga s 23/10/2017 8:00 - Abertura do evento. 8h:15min 10h Dia Tema Palestrante CH Resumo Nº de Vaga s 23/10/2017 8:00 - Abertura do evento Local 23/10/2017 NOÇÕES BÁSICAS DE PODOPOSTUROL OGIA Dr. Zari Neto Fisioterapeuta- Crefito10 127789-F Responsável Técnico

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Tema: BIPAP em paciente portador de Esclerose Lateral Amiotrófica

Tema: BIPAP em paciente portador de Esclerose Lateral Amiotrófica Nota Técnica 56/2014 Solicitante: WELLINGTON REIS BRAZ Juiz de Direito Data: 30/03/2014 Medicamento Material x Procedimento Cobertura Número do processo: 0362.14.003108-3 Tema: BIPAP em paciente portador

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Miostática (miogênica)- A unidade musculotendínea está adaptativamente encurtada com perda significativa de ADM, mas sem patologia muscular específica. Embora possa haver uma redução

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: FISIOLOGIA GERAL Código da Disciplina: NDC108 Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P. Faculdade

Leia mais

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Osteoporose secundária Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Definição Osteoporose causada por um distúrbio subjacente (doenças, fármacos ) Epidemiologia Provavelmente subdiagnosticada.

Leia mais

FISIOTERAPIA PEDIÁTRICA

FISIOTERAPIA PEDIÁTRICA FISIOTERAPIA PEDIÁTRICA A Fisioterapia Pediátrica é o ramo da Fisioterapia que utiliza uma abordagem com base em técnicas neurológicas e cardiorrespiratórias especializadas, buscando integrar os objetivos

Leia mais