& ' & )*( " # $%# Status. Eficiência superior. Crescimento orientado. Risco controlado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "& ' & )*( " # $%# Status. Eficiência superior. Crescimento orientado. Risco controlado"

Transcrição

1 ! 0

2 " # $%# & ' ( & )*( + % +,# #! Status Risco controlado 1. Gestão activa dos desafios regulatórios para sustentar o baixo perfil de risco 2. Desenvolver uma estratégia de comercialização lucrativa como cobertura natural ao negócio da produção 3. Reduzir as emissões de CO 2 através de capacidade de produção limpa Eficiência superior 4. Lançamento de um novo e ambicioso projecto de eficiência de custos 5. Forte disciplina no investimento incutindo competição interna pelos recursos 6. Desinvestir em activos não estratégicos e aumentar o foco no Core Business Crescimento orientado 7. Entrada de novos parques eólicos de elevada qualidade na Ibéria e lançar a expansão internacional 8. Crescimento em geração no Brasil mantendo uma exposição limitada 9. Construção de novas CCGTs na Ibéria até Desenvolver uma estratégia integrada de gás, assegurando o fornecimento de gás de forma competitiva 1

3 # - *...#&# & # # $%# /0 0# # #* Novas licenças de CCGTs concedidas em Portugal Contratos de LP de fornecimento de gás (bcm/ano) Empresa Localização P/ entrar em func. MW /kw 4.65 EDP Lares 3T09 2 x Tejo Energia Pego x Iberdrola F. Foz??? 2 x 400??? Galp Sines??? 2 x 400??? E Novas licenças de CCGTs em Portugal Margem de reserva reduzida, em Portugal 8 licenças de CCGTs garantidas em 2006 A CCGT da EDP é a única em fase de construção Custos de construção mais baixos e menor time-tomarket Parceria com Sonatrach (Out-07) Acordos inovadores produtor gás/consumidor gás Sonatrach recebe 25% de participação nas CCGTs fornecidas pelo seu próprio gás e adquiriu 2% do capital da EDP Alinhamento de interesses, partilha de riscos e retornos; 2

4 1 2 # & # &!&2* * 3 Actual situação do desenvolvimento hídrico em Portugal 2005 Identificação de valor - reforço oportunidades Gestão adequada dos regulamentos regulatórios Projectos aguardando resolução Extensão dos direitos de concessão do domínio hídrico (CAE) não concluída Repotenciações aguardam extensão do domínio hídrico Criação de oportunidades de crescimento Contrato para extensão dos direitos de concessão do domínio hídrico (4,100MW) 2 projectos de repotenciação em construção, mais em pipeline Projecto de Baixo Sabor bloqueado em Bruxelas Baixo Sabor aprovado pela CE, em construção Competição pelos direitos de Alqueva Nenhuma barragem nova construída pela EDP desde 1992 Aquisição da concessão de Alqueva, repotenciação em curso Entrega à EDP de 4 novas concessões hídricas (780MW) Enfoque na execução dos melhores projectos 3

5 ! 45 &* % *# Identificação de vantagem competitiva para a EDP: First mover, know-how interno, negócio com retornos atractivos, perfil de baixo risco, redução de exposição a CO 2 e combustíveis fósseis Pipeline EDPR (MW brutos) Capacidade Instalada EDPR (MW brutos) 10,2x ,4x Dez-05 Set-08 Dez-05 Set-08 Península Ibérica EUA Outros Criação de opções de crescimento: Aquisição da Horizon, nos EUA (Mar-07) Entrada selectiva em mercados da UE (França/Bélgica, Polónia/Roménia) Execução do pipeline : Instalação de MW em M08 (pipeline orgânico ou desenvolvimento de greenfield) Orientação estratégica para MW, no final

6 6*... #&# &! 7 * $%# # %# Estratégia definida Necessidade de equilibrar o portfolio distribuição/produção Margem de reserva reduzida, visão para oportunidades de investimento na produção Exigente política de risco/retorno para novos investimentos Geração M08P* 16% Detalhe EBITDA 40% Distribuição Distribuição 84% Geração 60% 531 MW +3,2x MW Metas-chave alcançadas Peixe Angical (+452 MW): Comissionado em 2006 Asset Swap (+412 MW): Alienação da Enersul, participação maior na central Lajeado Pecém (+307 MW): Em construção, a ser comissionado em 2011 Mini-hydro (+127 MW): 75 MW construídos, 52 MW em construção * Operação de permuta de activos concluída em Set-08. Valores pro-forma nos 9M08 5

7 #3 2# & && IPO EDP Renováveis Maior IPO na Europa em 2008: 1,6 mil mihões de encaixe, numa conjectura de mercado desfavorável: Reflecte confiança na gestão e na qualidade dos activos eólicos Alienação de activos nãoestratégicos Telecomunicações: (ONI, SonaeCom, Telecable, Esc90**): 332M Participações minoritárias: (Turbogás, REN, Edinfor): 629M Encaixe total: milhões vs. 0,8 mil milhões do objevtivo em 2006 Rácios dívida Manutenção de rácios de dívida saudáveis Maturidade média da dívida passa de 3,7 para 5 anos 4,6 x ~3,8 x 3,6 x Comprometido 9M08 Ajustado* Aumento do crescimento focado mantendo uma estrutura de capital forte * Dívida líquida ajustada de activos regulatórios; **Operadora de serviços por cabo no Brasil - pendente de aprovação do regulador 6

8 # 8# &# &" #&9...# #! & 2* # # - * (# EBITDA mil milhões ,0 +13,5% ~13% 2,6 TCMA E mil milhões ,4% ~14% Resultado Líquido* ,6 0,9 Dividendo E 0,6 ~11% +11,8% 0,4 bruto 0,170 0,2 0,125 0,100 0, E Nota: EBITDA 2005 pro-forma de 2.041; *Resultado líquido exclui ganhos de capital e impairments 7

9 *:(9 92# #! 2#;# 2 #82*< Fase 1: Fase 2: Criação de oportunidades de crescimento: (Eólico, Hídrico, Brasil and CCGTs) Cash flow seguro de baixo-risco Melhoria dos níveis de eficiência Manutenção de uma forte estrutura de capital Gestão da regulação Executar investimentos programados Maior enfoque no free cash flow Ainda mais melhorias em eficiência Continuação de melhorias nos rácios de crédito Criação de valor para accionistas Accionistas Clientes Credores Trabalhadores Sociedade 8

10 != #*>! 9

11 ! = #*>! # $# #...1 Objectivos de médio/curto prazo: EBITDA E TCMA Manter baixa exposição a volatilidade nos mercados energéticos Geração contratada de LP ~1% Gestão eficiente de activos: Melhoria da rentabilidade Produção & Comercialização Lib. 3%-5% Cobertura das operações em mercado: Optimizar risco/retorno Produção & Comercialização Ibérica 2%-3% Gestão da carteira de médio/longo prazo: Investimento Ac E / MW Capacidade Aumento da capacidade em CCGTs com fornecimento flexível de gás 3 CCGTs em construção ~ 0.4bn MW Hídricas em construção: 3 anos para entrada em mercado 4 centrais hídricas em construção ~ 0.7bn ~900 MW Hídricas em estudo: criação de valor de LP Projectos hídricos garantidos com direitos de desenvolvimento exclusivos MW Free cash flow estável + investimentos que reforçam a competitividade futura 10

12 " # 8'# #!.2#.2# #! TIRs elevadas nos novos projectos hídricos, impacto esperado do EBITDA anualizado: 89M Capex total: milhões, dos quais, 11% investidos em 2008 Duplicar a capacidade hídrica em mercado, entre 2008 e 2012 Centrais Hídricas MW Início operações GWh/ano (1) EBITDA (3) ( m) Tipo Estado Picote II 241 Dez Repotenciação Em construção Bemposta II 191 Dez Repotenciação Em construção Alqueva II 259 Dez (2) 24 Repotenciação c/ bombagem Em construção Baixo Sabor (2) 34 Nova planta c/ bombagem Em construção Total Projectos com criação de valor, geradores de free cash flow a partir de 2012 (1) Média anual; (2) Projects c/ bombagem: produção líquida da bombagem 32 GWh/ano em Alqueva II e 222GWh/ano no Baixo Sabor (3) EBITDA em 2012 excepto Baixo Sabor (2013) 11

13 /0.#&# *? &*# Investimento operacional médio 538/kW, 66% do investimento já incorrido até Set-08 Capacidade instalada das CCGTs (MW) Centrais /kw MWs Capex ( m) % Incorrido ( m) Início operações Espanha Portugal Castejon 3 Soto 4 (1) Jan-08 Ago Lares 1 (1) Lares Jul-09 Set Soto T Total Margem de reserva em Portugal é mais baixa que em Espanha Turbinas fornecidas atempadamente: menor custos de construção Redução das emissões de CO 2 pelo portfolio da produção Sinergias entre projectos: Lares 1 e 2, Soto 4 e 5, Castejon 1 e 3 Uma estratégia de crescimento competitiva com risco controlado (1) EDP detém 75% do projecto; Sonatrach detém os restantes 25% 12

14 1 1 % * ' * $ # 13

15 1 %* '* * $# ( E TCMA Envolvente regulatória estável: Revisão regulatória recente nos negócios de electricidade/gás em Portugal/Espanha: Boa visibilidade em termos de receitas regulatórias GWh distribuídos: crescimento acima da média europeia Baixa volatilidade na procura, impacto reduzido nas receitas regulatórias Margem bruta ( m) Distribuição electricidade Distrbuição gás (TWh) ~4% ~2% ~5% Forte enfoque na melhoria de eficiência - Redução gradual do pessoal e controlo exigente dos fornecimentos e serviços externos Opex (1) /MWh Electricidade Gás ~0% ~-4% Boa visibilidade em termos de receitas regulatórias + Enfoque na eficiência EBITDA ( m) (2) ~6% Investimento operacional em 2009E-2012E: Média de 0,4 mil milhões/ano Aumento de 20% da extensão da rede de gás para satisfazer o aumento de 5% do número de pontos de comercialização de electricidade Envolvente regulatória estável promovendo boa visibilidade de retornos (1) FSEs, Custos com pessoal e Custos com benefícios sociais (Excluindo custos de reestruturação nos RHs) (2) Excluindo custos de reestruturação nos RHs) 14

16 @2# *8?* &! Capex acumulado ( M) Distribuição TIE (min) Gás Espanha 15% Gás Portugal 7% Capex acumulado : 1,5 mil milhões EDP D 175 * ~ HC Energia ~ % Distribuição Espanha 66% Distribuição Portugal Enfoque na melhoria da qualidade do serviço e inovação tecnológica da rede de distribuição de electricidade, e na expansão da distribuição de gás e redes de transmissão InovGrid Introdução de novas técnologias e ferramentas de comunicação avançadas para melhoria da rede e da gestão de distribuição de energia Rede distribuição de gás (km) Portugal % Espanha % (1) Ajustado de impactos não recorrentes (tempestades, ventos fortes, e fogos de verão) 15

17 &< 16

18 :/A &" # # 2 # & 3 # -& # # - * Carteira de projectos (MW Brutos) Objectivo 2012: 10,5 GW brutos; +6,3 GW vs. 9M ,4 GW Total Prospects Tier 3 Tier 2 Tier 1 Em construção Time-to-market Europa 43% (dos projectos em construção, Tier I e Tier II) EUA 57% (dos projectos em construção, Tier I e Tier II) Espanha: investir em locais com elevado recurso eólico Portugal: os activos adjudicados estão em locais de elevada qualidade Resto da Europa: opções de crescimento em mercados altamente rentáveis Acelerar o crescimento em mercados líquidos com fortes RPS * A percentagem de energia renovável no total de energia é o maior driver para a definição de preços e para a rentabilidade dos projectos * Renewable Portfolio Standards 17

19 1 %*!B B2 # # % - Definição ao nível estatal e federal de uma politica comum de incentivo às energias renováveis Enquadramento regulatório estável: condições criadas para alcançar os objectivos de cada governo e da UE para 2020 Eleições EUA / Apoio do novo governo Estabelecimento de objectivos de produção de energia renovável ao nível federal (RPS) de 10% em 2012, atingindo os 25% em 2025 Extensão dos PTC por um período de 5 anos Aumento do incentivos a nível nacional Mercados Maduros: A Alemanha aumentou a tarifa para projectos eólicos on-shore para incentivar investimentos Mercados em crescimento: A Roménia melhorou a remuneração atribuída aos projectos eólicos EUA pretendem relançar o crescimento económico baseado em investimentos sustentáveis A Comissão Europeia continua a manter objectivos de 2020 mesmo com a actual situação económica 18

20 %6* 19

21 %6* 6*( 1 Free cash flow de baixo risco Nível de proveitos estável, actualização IPC, maturidade média 15 anos MW Instalados Set E ~2.100 Novos projectos de geração em análise: Carteira diversificada Novos contratos de PPAs sempre sob um critério rigoroso risco/retorno MW Capacidade em análise Envolvente regulatória estável na distribuição: revisão regulatória recente, baixo impacto nas receitas devido à baixa exposição a volatilidade na procura TCMA Electricidade Distribuída (TWh) ~3% Enfoque na melhoria de eficiência da distribuição: Opex/MWh, perdas energia, Opex/Cliente, O&M e custos comerciais Opex (1) /MWh TCMA <IPP País Investment grade ; Energias do Brasil financiada em moeda local, sem recorrer à EDP Mitigação da volatilidade cambial BRL/EUR nos resultados e balanço da EDP Negócio de baixo risco com potencial de crescimento e diversificação num país Investment grade (1) FSE, Custos com pessoal e Custos com benefícios sociais 20

22 &# * C - &*# $ 2 99 Evolução de capacidade instalada (MW) Hídrica sob PPA Hídrica em construção sob PPA Carvão em construção sob PPA Total em construção Em construção Peixe Mascarenhas Angical Repotenciação São João 2007 Lajeado 2008 Santa Fé Repotenciação Pecém I 2011 Capacidade adicional A capacidade instalada de produção duplicou em e deverá duplicar, novamente em

23 &" # &! -* CCGTs e biomassa: CCGTs, projectos em estudo: MW (acordo com Petrobras para fornecimento de gás) Biomass, projectos em estudo: ~350 MW Projectos em estudo Biomass 10% Mini-hídricas: Processos de licenciamento ambientais mais flexíveis e mais facilitados Períodos de construção mais curtos (média 2 anos) 30 projectos em estudo: ~600 MW (14 projectos em processo de licenciamento) Hídricas de médio porte: Estudos de viabilidade para projectos de greenfield 4 projectos em estudo: ~1.400 MW CCGT Mini Hídricas Hídricas de médio porte 30% 17% 43% Set MW de projectos sob análise em diferentes tecnologias 22

24 1 * * 23

25 * Detalhe do capex acumulado, Outros Brasil Eólico 4% 9% 62% 13% Significante 11% Moderado Expansão 2,4 mil milhões Redes reguladas CCGT Hídricas 12% 3% 10% Impacto EBITDA 76% Não material Exposição preços de mercado Manutenção 0,6 mil milhões Actividade média/ano CAPEX anual médio: 3 mil milhões 24

26 @#* #*...# # D!!(# Média capex Média capex % 19% 2% 9% 18% Redes reguladas P. Ibérica Brasil Produção P. Ibérica 72% 61% 71% Eólico 16% 12% Capex com nível de comissionamento significante Capex manutenção Capex de expansão não-comissionado Projectos de com grande visibilidade e projectos com elevada flexibilidade 25

27 # E C(9 9 TCMA +13% +12% E 2012E Eólico Geração Contratada LP Redes ibéricas Brasil Produção liberalizada 26% 23% 10% 23% 18% 32% 10% 17% 20% 21% Crescimento EBITDA sustentado por crescimento orgânico e activos existentes 26

28 # %*.. %2# %* 2007 e 2008 foram anos muito secos e penalizados pelo aumento do preço dos combustíveis fósseis Défice tarifário: preço de compra mais elevado em 20/MWh que o estimado pela ERSE Transmissão, a Mar-08, do direito a receber o défice tarifário de 2006 e 2007 ( 177M), ( million) Ajustamento CMEC Portugal Brasil Espanha Comercialização regulada Portugal ~1.700 Dez-05 Dez-07 Set-08 Dez-08E* Aumento de activos regulatórios com impacto significativo na dívida líquida em 2008 * Pressupostos baseados nas estimativas da ERSE; Assumindo securitização parcial em Espanha e manutenção dos ajustes nos CMECs 27

29 0! # %* ~ 2,8bn Défice Tarifário (Espanha) 0,3bn Novo leilão esperado ainda em 2008 Défice Tarifário (Portugal) 1,7bn A legislação portuguesa reconhece à EDP o direito de transmitir, sem recurso, a terceiros o défice tarifário depois de oficialmente reconhecido pelo regulador. O pressuposto final de défice tarifário será divulgado pelo regulador até 15 de Dezembro de 2008 Transmissão do direito a receber no 1T09 Renda Fixa do CMEC 0,8bn Pagamento mensal de 6,7M à EDP através das tarifas de acesso em Portugal até Valor actual de 0,8 mil milhões. Transmissão do direito dependente das condições de marcado. Potencial de transmissão dos direitos sobre os activos regulatórios no curto prazo: 2,8 mil milhões 28

30 2* ' #* Perfil de maturidade da dívida consolidada (Setembro 30, 2008) ( milhões) Papel comercial Outras empresas EDP SA + BV 16,9% Brasil: 243 M Project Finance: 35 M Obrigação milhões: Out 09 Maturidade média da dívida Set-08: 5 anos ,5% ,5% 10,1% 8,3% 7,3% 7,0% 7,6% 7.6% 4,9% 4,5% 2,8% 2,4% 0,4% 0,2% 0,8% 0,1% Perfil equilibrado da maturidade da dívida consolidada da EDP 29

31 % *>! 2 2& & ' :(9 9 Origem dos fundos Utilização de fundos: ( mil milhões) ( mil milhões) Liquidez total disponível Set-08: Emissão de obrigação em Out-08: 2,8 0,4 Necessidades de financiamento no mercado de dívida: Emissão de obrigação, maturidade Out-09 1,0 Emissão de obrigação, maturidade Jun-10 0,5 Transmissão do direito a receber o défice tarifário, esperada para o 1T09: 1,7 Linhas de crédito de CP: Linha de crédito, maturidade em Jul-09 1,3 Posição líquida confortável A EDP foi capaz de aceder a mercados de dívida em Outubro de

32 1-# # #$ Dívida líquida / EBITDA FFO / dívida líquida 4,6x 4,4x 4,3x 3,9x* 3,2x 12% 17% 17% 22% E 2012E E 2012E Rácios de 2008 melhoraram significativamente, excluindo activos regulatórios Melhoria estável até 2012 Crescimento FCF operacional baseado em actividades de baixo risco suportadas por melhorias claras dos rácios de crédito * Dívida líquida/ebitda ajustada de défice tarifário em Portugal e Espanha 31

33 #*3 32

34 % $%# & 9. 1# #*2#;# & # 1 Gestão da agenda regulatória com o objectivo de gerar cash flow com manutenção de perfil de baixo risco Risco controlado 2 Gestão activa da exposição aos mercados energéticos através de estratégias de cobertura 3 Redução de emissões de CO 2 através de investimentos em produção mais limpa 4 Estrutura de capital sólida continuando a melhoria dos rácios de endividamento Eficiência superior 5 Política de investimento selectiva, priveligiando investimentos de maior retorno e baixo risco 6 Promover mais melhorias de eficiência: todos os negócios e geografias 7 Promover uma cultura integrada em todas as geografias 8 Eólico: Enfoque em projectos de elevado retorno e execução do pipeline actual Crescimento orientado 9 Hídricas: Aumento gradual de capacidade em Portugal com execução do pipeline actual 10 Brasil: Execução dos actuais projectos de geração e análise rigorosa de novas oportunidades 33

35 1# #*... &! > F ** # EBITDA Mix por área de negócio EBITDA Mix por mercado Brasil (Regulado + CAE) Mercado Actividades contratadas e reguladas (ex- Brasil)* 19% 17% 12% 10% 69% 72% Outras EUA Brasil Espanha Portugal 1% 6% 4% 19% 12% 17% 23% 23% 53% 42% 9M M Gestão de agenda regulatória: Défice tarifário em Portugal e Espanha ( timing de transmissão de direitos), extensão de PTCs pós-2009 Estratégia de cobertura de risco: Continuar a desenvolver a nossa capacidade para gerir risco tomando partido de estratégia de mercado; cobertura da exposição à volatilidade, arbitragem e optimização de activos. * Inclui energia eólica remunerada através de tarifas fixas ou contratadas sob CAEs na Europa e EUA 34

36 1! &! %* & Mix de capacidade de instalada (%) Emissões de CO 2 (ton/mwh) Carvão+Fuel CCGT Hídrica Eólica -24% -56% 6% 19% 42% 39% 38% 66% 0,6 0,46 12% 10% 28% 0,27 40% 32% 14% 19% P P 35

37 *8 2#;# + &%! # # G9 && (9 9 Programa de redução de custos Objectivo de poupança de 160m até 2012 OPEX - Poupança de Custos * Medidas tomadas nos 9M Custos de Pessoal: Redução baseada em acordos de reforma Melhorar nível de eficiência por empregado Brasil P. Ibérica Medidas já implementadas 26% Objectivos 2012 Fornecimentos e serviços externos Inclui poupanças de custos em áreas como: TI Novas plataformas de tecnologia Serviços comerciais integrados Novas soluções de gestão O&M Controlo de custos e processos operativos Melhoria sustentável de eficiência * Exclui o impacto de inflação e de actividade de expansão 36

38 * #&#... 2? #! ( & &> # 3,750 MW de capacidade em construção em 7 mercados e 4 tecnologias Projectos em construção representam 20% da capacidade de geração actual MW em construção: Detalhe por data prevista de comissionamento Other Carvão Brasil 1% 10% CCGT Portugal 23% Hídrica Portugal 23% Em construção Set / Eólica USA Eólica Europa 17% 26% MW em construção 37

39 #& 3 # # #&:(9? # #&#& * Criar opções de crescimento Enfoque na execução Geração de Cash-flow Dez Capacidade Instalada 12 GW > 19 GW > 24 GW 38

40 & Programa de corte de custos de 160m irá melhorar eficiência operacional EBITDA TCMA : 12% Net Debt / EBITDA: 3.2x em 2012 Resultado líquido ajustado: TCMA : 10% Dividendo por acção continua a crescer por ano *EPS 2007 Adjusted = per share excluding of: capital gains (- 249m), restructuring costs (+ 139) and others (+ 46m); 39

41 ##*! :(9 2 Mais verde... CO2/MWh 0,60 0,48 0,31 Mais oportunidades CAPEX ( bn) 0,27 2,7 1,4 ~3.0 Mais diversificada E 2012E EBITDA fora da P. Ibérica 20% 24% 22% 35% Mais crescimento 2005 EBITDA ( bn) 2, E-2012E Avg. 2,6 12% TCMA E 2012E E Mais eficiente OPEX/Margem bruta 38% 30% 29% 27% Mais sólida Dívida Líquida/EBITDA * E 2012E E 2012E * Dívida líquida/ebitda ajustada pelo défice tarifário em Portugal e Espanha. 40

42 # - * Cumprimento de objectivos Criar oportunidades de investimento atractivas Sustentabilidade: Geração mais limpa, Baixa exposição ao mercado Investimento: Visibilidade e flexibilidade de mix em Focus em eficiência e disciplina: execução de opções de investimento Reforço de Agenda Estratégica Risco controlado Eficiência superior Crescimento orientado 41

43 42

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia sinta a nossa energia Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 0 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque

Leia mais

O Valor dos Activos Hídricos

O Valor dos Activos Hídricos edp sinta a nossa energia O Valor dos Activos Hídricos António Castro, Administrador de Desenvolvimento de Projectos, EDP Produção O Valor da Energia Hídrica Produção flexível da Hídrica permite obter

Leia mais

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 0 Índice I Introdução II Internacionalização III Estratégia em Portugal 1 I Introdução

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

informação financeira

informação financeira RELATóRIO e CONTAS 2009 informação financeira 142 ANÁLISE FINANCEIRA 148 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS e NOTAS 140 141 RELATóRIO E CONTAS 2009 análise financeira i. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCiOS DO GRUPO EDP Em 2009,

Leia mais

Resultados 1T2007. Lisboa, 3 de Maio de 2007. Direcção de Relações com Investidores. Miguel Viana, Director Elisabete Ferreira Ricardo Farinha

Resultados 1T2007. Lisboa, 3 de Maio de 2007. Direcção de Relações com Investidores. Miguel Viana, Director Elisabete Ferreira Ricardo Farinha Resultados Direcção de Relações com Investidores Miguel Viana, Director Elisabete Ferreira Ricardo Farinha Tel: +351 21 001 2834 Fax: +351 21 001 2899 Email: ir@edp.pt Site: www.edp.pt Reuters: Bloomberg:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 19 de Março de 2015 1 Destaques No ano de, o Resultado líquido atingiu 112,8M, menos 7,0% do que em igual período de (-8,5M ), tendo sido penalizado pela contribuição

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas EDP 2010

Assembleia Geral de Accionistas EDP 2010 Assembleia Geral de Accionistas EDP 2010 António Mexia Presidente do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 16 de Abril de 2010 EDP: Uma visão global, integrada e sustentável #1 hídrica na Europa

Leia mais

EDP Renováveis Resultados do 1º Semestre 2013

EDP Renováveis Resultados do 1º Semestre 2013 EDP Renováveis Resultados do 1º Semestre 2013 24 de Julho de 2013 14:00 GMT 15:00 CET www.edpr.com 1 Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com Resultados 1T11 4 de Maio de 2011 www.edprenovaveis.com Agenda I Destaques do 1T11 II Performance Operacional e Financeira do 1T11 III Perspectivas e Conclusão Destaques do 1T11 Elevada performance operacional

Leia mais

INVESTIMENTOS HÍDRICOS DO GRUPO EDP

INVESTIMENTOS HÍDRICOS DO GRUPO EDP ENCONTRO NACIONAL DO COLÉGIO DE ENGENHARIA CIVIL Desafios da EDP no Desenvolvimento Sustentável do seu Plano de Investimentos em Hidroelectricidade António Ferreira da Costa Administrador da EDP Produção

Leia mais

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português Proposta de Reorganização 3 de Abril de 2003 Política Energética Governamental: uma política para o Futuro A reorganização proposta pelo Governo

Leia mais

(EUR mn) 2012 2011 Var. %

(EUR mn) 2012 2011 Var. % VISÃO ACUMULAR Preço-alvo: EUR 2,57 Preço e Performance Preço 2,35 M áx de 52 semanas 2,45 M ín de 52 semanas 1,63 YTD (%) 2,75 Volume médio diário (mn) 5.403.836 Capitalização bolsista (mn) 8.604 Beta

Leia mais

GHG Protocol in EDP. Pedro Sirgado

GHG Protocol in EDP. Pedro Sirgado GHG Protocol in EDP Pedro Sirgado EDP Empresa de referência no mercado Ibérico, com uma presença de destaque no mercado Brasileiro e forte investimento nos E.U.A. Renováveis E.U.A. Capacidade de produção

Leia mais

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Seminário Anual WavEC Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Direção-Geral de Energia e Geologia Pedro Cabral Potencial renovável marinho

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

EDP. Aquisição de Activos de Gás em Espanha à Gas Natural

EDP. Aquisição de Activos de Gás em Espanha à Gas Natural EDP Aquisição de Activos de Gás em Espanha à Gas Natural 20 de Julho de 2009 0 Resumo da Transacção A Naturgas (detida em 64% pela EDP) assinou um contrato de compra e venda com a Gas Natural para a compra

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

Resultados. Direcção de Relação com Investidores. Miguel Viana, Director Sónia Pimpão Elisabete Ferreira Ricardo Farinha Pedro Coelhas Noélia Rocha

Resultados. Direcção de Relação com Investidores. Miguel Viana, Director Sónia Pimpão Elisabete Ferreira Ricardo Farinha Pedro Coelhas Noélia Rocha Resultados Direcção de Relação com Investidores Miguel Viana, Director Sónia Pimpão Elisabete Ferreira Ricardo Farinha Pedro Coelhas Noélia Rocha Tel: +351 21 001 2834 Email: ir@edp.pt Site: www.edp.pt

Leia mais

EDP Renováveis Resultados 2013

EDP Renováveis Resultados 2013 EDP Renováveis Resultados 2013 26 de Fevereiro de 2014 14:00 GMT 15:00 CET www.edpr.com 1 Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser utilizada na

Leia mais

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014.

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014. Resultados 3T14_ Novembro de 2014. Disclaimer Esta apresentação pode conter declarações baseadas em estimativas a respeito dos prospectos e objetivos futuros de crescimento da base de assinantes, um detalhamento

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO Estratégia para o Crescimento Verde A ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL António Sá da Costa 22 de Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. A ENERGIA EM PORTUGAL 2. CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

O preço das Renováveis

O preço das Renováveis O preço das Renováveis Comissão de Especialização em Engenharia da OE Ciclo de encontros sobre o preço da energia Lisboa, 17 de Fevereiro de 2011 Pedro Neves Ferreira Director de Planeamento Energético

Leia mais

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD Abel Mateus, Diretor por Portugal/Grécia no BERD Lisboa 23 de março de 2012 Informação geral sobre o Banco 12 10 8 6. 65 55

Leia mais

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade XIV Reunión Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energía Salvador - Bahía 28 a 30 de Abril de 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP

III Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade III Conferência Anual da RELOP Rio de Janeiro 4 Novembro 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS (ELETRICIDADE E GÁS NATURAL) Contexto Regulamentar O enquadramento legal decorre da implementação do designado "Terceiro Pacote Energético", da União Europeia, do qual fazem

Leia mais

O comercializador, agente do novo mercado de energia

O comercializador, agente do novo mercado de energia O comercializador, agente do novo mercado de energia II Seminário Internacional CANA & ENERGIA Antonio Carlos C. Pinhel GCS Energia Riberão Preto, 29 de Agosto de 2002 Grupo Guaraniana Patrimônio líquido

Leia mais

EDP Renováveis Resultados 9M15

EDP Renováveis Resultados 9M15 EDP Renováveis Resultados 9M15 28 de Outubro de 2015 15:00 CET 14:00 UK/Lisboa www.edpr.com Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser utilizada

Leia mais

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 AGENDA 2 I. CONSIDERAÇÕES GERAIS II. PRINCIPAIS INSTRUMENTOS LEGAIS E CONTRATUAIS III. REGULAÇÃO DO SECTOR PETROLÍFERO

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo

GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo 21.Abril.2009 Victor Baptista O Futuro Energético em Portugal Museu da Electricidade - Lisboa «Current global trends in energy supply and

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Nelson Colaferro Presidente do Conselho de Administração Brasília 28/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Jorge Esteves, XI Reunião Ibero-Americana de Reguladores de Energia Madrid, 18 de Junho de 2007 Entidade Reguladora dos Serviços

Leia mais

3T12 TRADING UPDATE 0

3T12 TRADING UPDATE 0 TRADING UPDATE Lisboa, 8 novembro 2012 0 Aviso importante O presente comunicado contém objetivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities Litigation Reform Act de 1995. Tais objetivos

Leia mais

EDP Renováveis Resultados 1S15

EDP Renováveis Resultados 1S15 EDP Renováveis Resultados 1S15 29 de Julho de 2015 15:00 CET 14:00 UK/Lisbon www.edpr.com Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser utilizada na

Leia mais

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Energia Eólica e Impactes Tarifários Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação dos custos da Produção em Regime Especial 3. O Sobrecusto

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2015 Magazine Luiza Destaques do Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Luizacred Lucro Líquido Ganhos de market share, principalmente em tecnologia Receita

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012 JOINT VENTURE MPX / E.ON Rio de Janeiro Janeiro 2012 AVISO LEGAL Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015. 11 de Maio de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015. 11 de Maio de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015 11 de Maio de 2015 1 Destaques O EBITDA totalizou 138,3M, um crescimento de 9,4% (11,8M ) versus. Este indicador beneficiou da venda da participação da REN na Enagás

Leia mais

Perspectiva dos Operadores

Perspectiva dos Operadores OS NOVOS DESAFIOS DO MIBEL Perspectiva dos Operadores Rui Cartaxo 1 de Junho de 2010 Rede Eléctrica Nacional, S.A. A especialização geográfica dos perfis de produção faz sentido mas implica mais e melhores

Leia mais

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Cláudio Monteiro (FEUP / SYSTEC) cdm@fe.up.pt Índice Complemento sobre enquadramento do novo regime de produção distribuída (autoconsumo).

Leia mais

Mercados & Reguladores duas faces da mesma moeda Manuel Rosa da Silva Administrador Executivo

Mercados & Reguladores duas faces da mesma moeda Manuel Rosa da Silva Administrador Executivo Financiamento das Telecoms Mercados & Reguladores duas faces da mesma moeda Manuel Rosa da Silva Administrador Executivo III Forum Telecom & Media Diário Económico Lisboa, 22 de Setembro 2004 Agenda Wall

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH ANTÓNIO NIO GONÇALVES HENRIQUES APROVEITAMENTOS HIDRO-ELÉCTRICOS EM PORTUGAL 35 médios m e grandes aproveitamentos hidroeléctricos

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade

O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade Apresentação no Seminário FEPAC Lisboa, 4 de Abril de 2013 Principais mensagens

Leia mais

Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada. Resultados abaixo do EBITDA - 4 - Investimento Operacional e Financeiro - 5 -

Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada. Resultados abaixo do EBITDA - 4 - Investimento Operacional e Financeiro - 5 - Conteúdo Destaques.... 2 Performance Financeira Consolidada 3 Resultados abaixo do 4 Investimento Operacional e Financeiro 5 Cash Flow Demonstração da Posição Financeira Consolidada Dívida Líquida Áreas

Leia mais

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 dezembro de 2015 2015-11-25 Pág. 1 I. Introdução II. Plano Estratégico - Linhas Gerais de Orientação Estratégica

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Luis Felipe Pozzatti Chefe do Setor de Estudos de Novos Potenciais luis.pozzatti@eletrosul.gov.br Eletrosul Segmentos: transmissão

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013 AGENDA Destaques do ano Desempenho dos negócios e consolidado Desenvolvimentos estratégicos Desafios e prioridades DESTAQUES VOLUME DE NEGÓCIOS: EBITDA RECORRENTE:

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas. Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012

O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas. Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012 O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012 Macro-tendências 1 Compromisso Global com temáticas relacionadas

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010 Apresentação de Resultados 2009 10 Março 2010 Principais acontecimentos de 2009 Conclusão da integração das empresas adquiridas no final de 2008, Tecnidata e Roff Abertura de Centros de Serviços dedicados

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS Índice Enquadramento Novo regime de autoconsumo Mercado do autoconsumo doméstico Análise energética/técnica Análise económica Futuros modelos de negócios

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA Fevereiro de 2014 AVISO: Este Documento de Consulta é exclusivamente informativo,

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2T15 31 de julho de 2015 Magazine Luiza Destaques do 2T15 Vendas E-commerce Ganho consistente de participação de mercado Redução na receita líquida de 10,1% para R$2,1 bilhões

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III*

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fundos de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fotomeramenteilustrativa. Trata-se dapch Buritido GrupoAtiaiaEnergiaS.A., que não faz parte do produto

Leia mais

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações Julho de 2014 Banif Euro Corporates porquê? Trata-se de um Fundo de obrigações maioritariamente

Leia mais

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015 2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra Lisboa, 13 de Junho de 2015 EMEL EMEL Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.M. S.A., tem como objecto a gestão

Leia mais

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios Apresentação no INETI 25 Junho, 2012 A energia está associada à maioria dos actuais desafios de sustentabilidade Resíduos Aquecimento global Poluição

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Renováveis em Cabo Verde

Renováveis em Cabo Verde Promoção das Energias Renováveis em Cabo Verde III Conferencia da RELOP Rio de Janeiro 4 e 5 de Novembro 2010 Apresentação :Rito Évora Administrador ARE Índice Porquê energias renováveis? Onde estamos?

Leia mais

SOCIAL PAULO AZEVEDO CEO SONAE 16 MARÇO 2011

SOCIAL PAULO AZEVEDO CEO SONAE 16 MARÇO 2011 INVESTIMENTO SOCIAL PAULO AZEVEDO CEO SONAE 16 MARÇO 2011 Investimento Social Clientes 268M de descontos em cartão/talão Produtos de marca Continente ~25% mais baratos que produto líder Comunidade 10,4M

Leia mais

A energia que vem do mar... CENFIM. CALDAS DA RAINHA 17 Set 2008

A energia que vem do mar... CENFIM. CALDAS DA RAINHA 17 Set 2008 A energia que vem do mar... CENFIM CALDAS DA RAINHA 17 Set 2008 Ideias Chave 3 Ideias Chave Ondas Fonte Nova de Energia Primária Renovável Ao largo da costa portuguesa poder-se-iam instalar 5 GW de parques

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 3T09

Teleconferência de Resultados do 3T09 Teleconferência de Resultados do 3T09 2 Destaques do trimestre O forte resultado do 3T09 demonstrou nossa confortável posição competitiva na indústria de proteínas e confirmou os resultados esperados de

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia Aplicação da Directiva 2009/28/CE Apresentação das previsões da APREN desenvolvidas no âmbito do Projecto Europeu REPAP 2020 63% 31% 85% Enquadramento

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

2002 - Serviços para empresas

2002 - Serviços para empresas 2002 - Serviços para empresas Grupo Telefónica Data. Resultados Consolidados 1 (dados em milhões de euros) Janeiro - Dezembro 2002 2001 % Var. Receita por operações 1.731,4 1.849,7 (6,4) Trabalho para

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais