O preço das Renováveis

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O preço das Renováveis"

Transcrição

1 O preço das Renováveis Comissão de Especialização em Engenharia da OE Ciclo de encontros sobre o preço da energia Lisboa, 17 de Fevereiro de 2011 Pedro Neves Ferreira Director de Planeamento Energético EDP

2 Tópicos Preço da electricidade Sobrecusto das Renováveis Custos nivelados Política Energética Conclusões DPE Direcção de Planeamento Energético 1

3 Pergunta: comparar o quê? 1 Métrica Preço final incluindo impostos não recuperáveis O que compara? O que se paga Comentários Única métrica válida para comparar preços de electricidade 2 Preço final ponderado por Paridade de Poder de Compra (PPC) Esforço relativo face ao orçamento disponível Electricidade é um bem capitalintensivo baseado em commodities internacionais; custos subjacentes são iguais em todo mundo Métrica revela mais sobre riqueza de cada país do que sobre eficiência do preço da electricidade 3 Preço final sem impostos Preço líquido de fiscalidade Métrica virtual Há que ajustar também por: Consumo per capita Capilaridade da rede Mix canais comerciais Outros (rendas, ) DPE Direcção de Planeamento Energético 2

4 O preço da electricidade em Portugal tem sido consistentemente inferior à média da UE-27 e de Espanha Preços de electricidade para clientes residenciais 1 /MWh Preços de electricidade para clientes empresariais 2 /MWh Espanha UE Espanha Portugal UE Portugal S07 1S08 2S08 1S09 2S09 1S S07 1S08 2S08 1S09 2S09 1S10 Em Portugal, as tarifas de 2011 implicam um aumento mensal na factura de 1,5 3 À semelhança de Espanha, em 2011 foram extintas as tarifas finais MAT, AT, MT e BTE Fonte: Eurostat. 1. Preços para o escalão Dc (consumo anual entre e kwh), incluindo impostos 2. Preços para o escalão Ic (consumo anual entre 500 e MWh), excluindo IVA e outros impostos recuperáveis. 3. Considera cliente doméstico médio, com factura mensal de 41 (Fonte: ERSE) DPE Direcção de Planeamento Energético 3

5 uma realidade no sector doméstico para todas as bandas com excepção das bandas de menor consumo, que são agora abrangidas pela Tarifa Social, Comparação dos preços de electricidade no sector doméstico Inclui IVA e todos os outros impostos Peso das bandas de consumo (%) Preço Portugal (cêntimo do euro por kwh) Preço Portugal / Preço UE27 (%) Preço Portugal / Preço Espanha (%) Banda Da < kwh 4% 33,8 136,5 87,3 Banda Db >= kwh < kwh 23% 18,0 100,3 90,9 Banda Dc* >=2.500 kwh < kwh 37% 15,8 94,5 91,7 Banda Dd >=5.000 kwh < kwh 29% 14,4 89,5 92,6 Banda De >=15.00 kwh 7% 13,7 88,2 95,8 Banda Equivalente** 100% 16,5 96,5 91,6 Fonte: Eurostat. * Banda de consumo apresentada nos relatórios semestrais do Eurostat ** Média ponderada pelo peso de cada banda de consumo DPE Direcção de Planeamento Energético 4 100,0 100,0

6 e no sector industrial em todas as bandas de consumo Comparação dos preços de electricidade no sector não doméstico Inclui todos os impostos excepto IVA e impostos recuperáveis Peso das bandas de consumo (%) Preço Portugal (cêntimo do euro por kwh) Preço Portugal / Preço UE27 (%) Preço Portugal / Preço Espanha (%) Banda Ia < 20 MWh 12% 16,4 100,0 90,4 Banda Ib >= 20 MWh < 500 MWh 35% 11,8 96,4 85,0 Banda Ic* > =500 MWh <2.000 MWh 16% 9,4 90,2 80,1 Banda Id >= MWh < MWh Banda Ie >= MWh < MWh 22% 10% 8,0 6,7 87,6 80,1 86,4 88,8 Banda If >= MWh < MWh 5% 5,2 67,4 76,3 Banda Equivalente** 100% 10,3 92,3 85,5 Fonte: Eurostat. * Banda de consumo apresentada nos relatórios semestrais do Eurostat 100,0 100,0 ** Média ponderada pelo peso de cada banda de consumo DPE Direcção de Planeamento Energético 5

7 Na última década, os preços de electricidade em Portugal cresceram menos que em Espanha e na UE Crescimento médio dos preços de electricidade (%) Clientes residenciais 1 Clientes empresariais Reino Unido 2,3 9,6 2,8 8,9 Espanha 4,7 9,5 4,8 8,3 Grécia 6,8 11,4 4,4 6,1 Dinamarca 3,1 3,2 5,1 5,1 Itália -0,2 0,0 2,8 4,2 Portugal 2,3 2,8 2,5 3,7 Bélgica 3,6 6,5 2,0 3,3 Finlândia 4,3 4,6 3,9 2,2 Alemanha 4,5 5,9 n.a. 2,1 França 0,6 1,0 1,2 2,1 Holanda 1,7-2,7 1,9 1,1 UE27 5,0 Fonte: Eurostat (valores para o 1º semestre de cada ano) 1. Preços incluindo impostos, para o consumidor-tipo Dc até 2007 (consumo anual de kwh) e para o escalão Dc (consumo anual entre e kwh) de 2008 a 2010, 2. Preços excluindo IVA e outros impostos recuperáveis, para o consumidor-tipo Id (consumo anual de MWh) até 2007 e para o escalão Ic (consumo anual entre 500 e MWh) de 2008 a DPE Direcção de Planeamento Energético 6 UE27 4,0

8 Tópicos Preço da electricidade Sobrecusto das Renováveis Custos nivelados Política Energética Conclusões DPE Direcção de Planeamento Energético 7

9 Do sobrecusto de PRE (~1.200 M ) de 2011 as renováveis representam 55% (509 M ) e as eólicas apenas 31% (373 M ) Detalhe do sobrecusto da PRE* nas Tarifas de 2011 M 1,214 Renovável % Eólicas % Não renovável Outras Renováveis Total Sobrecusto PRE Reclassificação Cogeração Renovável Sobrecusto PRE após reclassificação Ajustamento Anos Anteriores Sobrecusto do Ano Sobrecusto do Ano não renováveis** Sobrecusto do Ano renováveis PRE Produção em Regime Especial ** Inclui 16M de microgeração, considerada pela ERSE fora do DL 90/2006 DPE Direcção de Planeamento Energético 8

10 Para preços de mercado de 2008 os quais permitem operar de forma viável centrais térmicas a gás o diferencial face ao preço de mercado reduzir-seia em 70% Preço de mercado de referência /MWh Margem de uma CCGT (CSS) /MWh Sobrecusto PRE renovável M 40,0-22, ,6-15,4 509 Cenário Tarifas ,0-12, ,0-2, % 70,0 Preço energia verificado no 1ºT , ,0 18, CSS: Clean Spark Spread - pressupostos assumidos: rendimento CCGT 51,4%; factor de emissão 0,365 ton/mwh; VOM 1,4 /MWh; ATR variável 1,0 /MWh; CO 2 15 /ton ; câmbio 1,35 /$; Brent 102,5 $/bbl DPE Direcção de Planeamento Energético 9

11 A energia eólica já é competitiva com a geração a gás para Brent ~75 $/bbl (ou 105 $/bbl, se incluirmos estimativa do sobrecusto associado a investimento em backup e reforço de redes) Custo da eólica e da CCGT em função do Brent 1 /MWh e $/bbl /MWh Brent ($/bbl) Fonte: Análise EDP. 1. Pressupostos assumidos: custo nivelado eólica 75 Eur/MWh; sobrecusto eólica associado a redes, reserva e backup 15 Eur/MWh; CAPEX CCGT 0,65 Eur/W; vida útil 25 anos; WACC 7,5%; FOM 12,9 Eur/kW/ano; TPA fixo 22,3 Eur/kW/ano; rendimento 51,4%; factor de emissão 0,365 ton/mwh; 3.500h funcionamento CCGT; câmbio 1,35 /$; VOM 1,4 /MWh; ATR variável 1,0 /MWh; CO 2 15 /ton DPE Direcção de Planeamento Energético 10

12 Num mundo estilizado sem eólicas, o preço de mercado aumentaria, anulando a poupança do sobrecusto Sistema com eólicas Preço ( /MWh) vs. quantidade (TWh) Sistema sem eólicas Preço ( /MWh) vs. quantidade (TWh) Preço 90,5 Sobrecusto = 373 M Preço Aumento do custo da energia = 364 M 46,6 7 /MWh Mercado (43,5 TWh) Eólica (8,5 TWh) Consumo total (52 TWh) Neste sentido, as eólicas não introduzem sobrecustos no sistema. DPE Direcção de Planeamento Energético 11

13 Uma política que se baseie em renováveis maduras tenderá a ter cada vez menos sobrecustos Tendência Preços médios /MWh Sobrecusto PRE Preço de mercado* Renováveis não maduras Progresso tecnológico Aumento dos combustíveis fósseis e CO 2 Quantidades fornecidas GWh Aumento da penetração de renováveis Sobrecusto total com PRE M Aumento devido à queda do preço da pool Estabilidade Redução do peso do sobrecusto no custo total de energia * Para o ano de 2005 e 2006 o preço de referência diz respeito ao valor da tarifa EP + tarifa URT AT; para os anos seguintes é o preço médio com aquisição de energia eléctrica no mercado organizado DPE Direcção de Planeamento Energético 12

14 Tópicos Preço da electricidade Sobrecusto das Renováveis Custos nivelados Política Energética Conclusões DPE Direcção de Planeamento Energético 13

15 A importância das fontes DPE Direcção de Planeamento Energético 14

16 Diversidade de estimativas Released by DECC, June 2010 DPE Direcção de Planeamento Energético 15

17 Tópicos Preço da electricidade Sobrecusto das Renováveis Custos nivelados Política Energética Conclusões DPE Direcção de Planeamento Energético 16

18 Condicionantes da Política Energética Competitividade Previsão do preço do petróleo $ 2008 /bbl Segurança de abastecimento Dependência energética da UE-27 1 (cenário baseline) Sustentabilidade Objectivos de emissões da UE-27 GtCO 2 e -8% -20% Spot ~102 $/bbl -80%/-95% 1. Fonte: EC, DG TREN, European energy and transport trends to 2030 update 2007 Compromiss o internacional Protocolo de Quioto Pacote Energia/ Clima Conf. G8 em Itália DPE Direcção de Planeamento Energético 17

19 O défice externo de Portugal está fortemente associado à factura energética Factura energética portuguesa mil M, Decomposição da Balança de Bens e Serviços % do PIB e % energia no saldo da balança, % PIB Balança energética Peso balança energética Balança excluindo componente energética % Energia no Saldo Desde 2005 que metade do défice externo nacional se deve à balança energética Fonte: DGEG, A Factura Energética Portuguesa (vários anos); Banco de Portugal, Relatório e Contas 2009 DPE Direcção de Planeamento Energético 18

20 Existem três alavancas principais para reduzir o peso da factura energética no PIB Drivers fundamentais Alavancas de actuação Valor da Factura Energética X Volume de Importações de Combustíveis Fósseis X Consumo de Energia Dependência Energética Maior eficiência energética Maior aproveitamento de recursos endógenos (Renováveis) Peso da Factura Energética no PIB Preço Unitário dos Combustíveis Fósseis Não accionável PIB Aumento da produtividade da economia Maior incorporação nacional na produção de energia DPE Direcção de Planeamento Energético 19

21 Tópicos Preço da electricidade Sobrecusto das Renováveis Custos nivelados Política Energética Conclusões DPE Direcção de Planeamento Energético 20

22 Conclusões 1. As renováveis são mais caras que as convencionais? A grande hídrica não apresenta qualquer sobrecusto, participando plenamente em mercado Comparando custos totais, a eólica é já hoje competitiva com a térmica a gás Num mundo estilizado sem eólicas, o preço grossista aumentaria, anulando a poupança do sobrecusto pelo que este é apenas aparente A prazo, as renováveis serão mais competitivas que as convencionais pelo encarecimento dos combustíveis fósseis e progresso tecnológico nas renováveis 2. Se há sobrecustos os benefícios directos e indirectos podem compensá-lo? Serão estes benefícios indirectos quantificáveis? Como referido, as renováveis maduras (hídrica e eólica) não apresentam sobrecusto face aos custos totais das convencionais Ainda assim, apresentam benefícios adicionais não internalizados: independência energética, redução do défice externo, criação de emprego e menor impacto ambiental Haverá que fazer análise custo benefício sobre as renováveis menos maduras 3. A política Portuguesa de renováveis está actualmente ajustada? Se não, quais as propostas alternativas? A Política Energética nacional está alinhada com a P.E. Europeia e promove a competitividade do sistema [reduzindo o défice externo e criando emprego], devendo contudo (i) aprofundar-se o aproveitamento da eficiência energética, (ii) introduzir de forma gradual as renováveis não maduras DPE Direcção de Planeamento Energético 21

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 Mobilidade eléctrica Jorge Cruz Morais Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução

Leia mais

Avaliação dos custos e dos benefícios da energia eléctrica de origem renovável

Avaliação dos custos e dos benefícios da energia eléctrica de origem renovável Avaliação dos custos e dos benefícios da energia eléctrica de origem renovável Relatório final do estudo Lisboa, Julho de 2011 1 Nota introdutória (1/3) > As opções de política energética de Portugal têm

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO Estratégia para o Crescimento Verde A ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL António Sá da Costa 22 de Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. A ENERGIA EM PORTUGAL 2. CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Energia Eólica e Impactes Tarifários Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação dos custos da Produção em Regime Especial 3. O Sobrecusto

Leia mais

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética A Importância da Eficiência Energética Ordem dos Engenheiros Lisboa, 17 de Dezembro de 2013 Principal Objectivo Apresentar alguns dados que caracterizam a nossa economia, do ponto de vista macro energético,

Leia mais

AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013

AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013 AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013 ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. DADOS GERAIS 3. A CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTOS NACIONAL 4. O IMPACTO DAS RENOVÁVEIS NA FACTURA DE ELECTRICIDADE E

Leia mais

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades:

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades: 1. QUEM SOMOS 2 A APREN A APREN - Associação Portuguesa de Energias Renováveis, é uma associação sem fins lucrativos, constituída em Outubro de 1988, com a missão de coordenação, representação e defesa

Leia mais

GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo

GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo 21.Abril.2009 Victor Baptista O Futuro Energético em Portugal Museu da Electricidade - Lisboa «Current global trends in energy supply and

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia sinta a nossa energia Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 0 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque

Leia mais

Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores

Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores Miguel S8lwell d Andrade Administrador EDP Lisboa, 4 de Julho de 2012 Os preços pra:cados pelos comercializadoras devem reflec:r os

Leia mais

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia Membro nacional da Implicações para a Produção Descentralizada de Energia 31 de Março de 2006 Álvaro Brandão Pinto Vice-Presidente do Conselho Director da COGEN Portugal Índice 1. O Conceito 2. O Comércio

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Nos termos regulamentarmente previstos, o Conselho de Administração da ERSE apresenta, a 15 de outubro de cada ano, uma proposta

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Nos termos regulamentarmente previstos, designadamente no artigo 185.º do Regulamento Tarifário, o Conselho de Administração da ERSE

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP

III Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade III Conferência Anual da RELOP Rio de Janeiro 4 Novembro 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ELECTRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL

AVALIAÇÃO DOS CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ELECTRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL estudo AVALIAÇÃO DOS CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ELECTRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL AVALIAÇÃO DOS CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ELECTRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL 1 Parceiros a nível internacional Quem somos A Associação

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

EDP Serviços. Colégio de Engenharia Geológica e de Minas. Optimização energética na indústria extrativa

EDP Serviços. Colégio de Engenharia Geológica e de Minas. Optimização energética na indústria extrativa EDP Serviços Colégio de Engenharia Geológica e de Minas Explorações a Céu Aberto:Novos desenvolvimentos Optimização energética na indústria extrativa Lisboa, 23 de Março de 2011 Agenda Contexto Consumos

Leia mais

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Cláudio Monteiro (FEUP / SYSTEC) cdm@fe.up.pt Índice Complemento sobre enquadramento do novo regime de produção distribuída (autoconsumo).

Leia mais

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Comemoração do Dia nacional da Água 1 de outubro de 2014 2 A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL PROGRAMA 10:30 10:50 Sessão

Leia mais

Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda

Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português Coimbra, 3 de Julho 2008 Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda Guilherme Machado Conteúdo 1. Energia e Ambiente: Duas faces da mesma

Leia mais

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE LUIS MIRA AMARAL Engenheiro (IST) e Economista (Msc NOVASBE) ORDEM DOS ENGENHEIROS 21 de Setembro de 2015 1 I - O MONSTRO ELECTRICO PORTUGUÊS: EÓLICAS, BARRAGENS, CENTRAIS

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Resultados principais Novembro de 2014 Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação 1 22 Após décadas de preços de electricidade

Leia mais

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade XIV Reunión Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energía Salvador - Bahía 28 a 30 de Abril de 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia

Leia mais

Estudo sobre o preço da eletricidade e a competitividade da indústria em Portugal. Apresentação em 25 de Junho de 2014

Estudo sobre o preço da eletricidade e a competitividade da indústria em Portugal. Apresentação em 25 de Junho de 2014 Estudo sobre o preço da eletricidade e a competitividade da indústria em Portugal Apresentação em 25 de Junho de 2014 Abordagem Metodológica O presente estudo pretende ser um contributo para uma discussão

Leia mais

V Jornadas Empresariais Portuguesas Encontros de Vidago

V Jornadas Empresariais Portuguesas Encontros de Vidago V Jornadas Empresariais Portuguesas Encontros de Vidago Internacionalização das Empresas Luís Laginha de Sousa 2 de Junho de 2006 Agenda Conclusões Um quadro de referência Internacionalizar inevitabilidade

Leia mais

V Conferência Anual da RELOP

V Conferência Anual da RELOP V Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis em Portugal António Sá da Costa 1 Junho 2012 Distribuição do Consumo e da Produção de Electricidade entre as várias fontes existentes Valores para Portugal

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia Aplicação da Directiva 2009/28/CE Apresentação das previsões da APREN desenvolvidas no âmbito do Projecto Europeu REPAP 2020 63% 31% 85% Enquadramento

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA O PANORAMA MUNDIAL DA ENERGIA WORLD ENERGY OUTLOOK 2011 IEA SOLAR ENERGY PERSPECTIVES 2011 IEA O PROGRAMA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ENSINO MESTRADO

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc:

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc: Ana Oliveira De: Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: erse@erse.pt Cc: anacris@isr.uc.pt Assunto: Comentarios Anexos: ERSE-Revisão dos Regulamentos.doc;

Leia mais

A 376394. PORTUGAL: As Relações Ibéricas no Âmbito da Globalização e Liberalização dos Mercados

A 376394. PORTUGAL: As Relações Ibéricas no Âmbito da Globalização e Liberalização dos Mercados A 376394 PORTUGAL: As Relações Ibéricas no Âmbito da Globalização e Liberalização dos Mercados ÍNDICE NOTA DE ENQUADRAMENTO 9 PREFÁCIO 11 INTRODUÇÃO A A escolha do tema 17 B - Objectivos e metodologia

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira Página Web 1 de 1 Ana Oliveira De: GEOTA [geota@mail.telepac.pt] Enviado: quarta-feira, 11 de Abril de 2001 20:53 Para: erse@erse.pt Assunto: Comentários do GEOTA à proposta de Revisão dos Regulamentos

Leia mais

O REGIME ECONÓMICO DA COGERAÇÃO (Produção em Regime Especial)

O REGIME ECONÓMICO DA COGERAÇÃO (Produção em Regime Especial) O REGIME ECONÓMICO DA COGERAÇÃO (Produção em Regime Especial) Diferencial de custos com a aquisição de energia eléctrica e impacto na Tarifa de Venda a Clientes Finais Julho 2009 Regime económico das instalações

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Energia e competitividade

Energia e competitividade Energia e competitividade Eng.º Henrique Gomes (SEE) Ordem do Engenheiros 19 de Outubro de 211 Índice Sustentabilidade do Sistema Eléctrico Nacional Principais pressupostos Situação de partida e evolução

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Auditorias Energéticas: uma ferramenta de apoio à gestão

Auditorias Energéticas: uma ferramenta de apoio à gestão Auditorias Energéticas: uma ferramenta de apoio à gestão Seminário de Transporte Rodoviário Transporte Rodoviário de Mercadorias : O desafio das empresas em contexto de incerteza Hotel Tiara Park Atlantic

Leia mais

O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade

O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade Apresentação no Seminário FEPAC Lisboa, 4 de Abril de 2013 Principais mensagens

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Lanheses Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Especializações Inteligentes e Clusters Regionais: como exportar, com que apoios e para que mercados? Viana do Castelo

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS Índice Enquadramento Novo regime de autoconsumo Mercado do autoconsumo doméstico Análise energética/técnica Análise económica Futuros modelos de negócios

Leia mais

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER Braga, 26 de Outubro de 2012 Luis Alexandre Silva Porquê a presença no Mercado Elétrico? Expansão de Negócios Estratégia de diversificação (novos mercados) Crescimento nos

Leia mais

Efeitos da Economia do Carbono sobre a Produção de Electricidade

Efeitos da Economia do Carbono sobre a Produção de Electricidade Tomar, 31 de Março de 2006 Efeitos da Economia do Carbono sobre a Produção de Electricidade Seminário TECNICELPA sobre Mercado de Carbono Gabinete de Planeamento Energético Agenda Ponto de situação do

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2015 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro.

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro. Castelo de Vide 16.02.2009 Mais eco. Mais futuro. O mundo está nas nossas mãos... 1 O consumo energético mundial tem registado forte crescimento nos últimos anos, agravando o volume de emissões de CO 2

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

Comunicado. Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014

Comunicado. Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014 Comunicado Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014 Para efeitos da determinação das tarifas e preços de gás natural a vigorarem entre julho de 2013 e junho de 2014, o Conselho de Administração

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA. APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Consumidores de Energia Eléctrica

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA. APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Consumidores de Energia Eléctrica SEMINÁRIO ERSE, 5 de Fevereiro de 2009 REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Baptista Pereira 1 A APIGCEE, abrange sectores-chave da indústria portuguesa

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso,

Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso, Energia: prioridades para a Europa Apresentação de J.M. Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu de 22 de maio de 2013 Novas realidades do mercado mundial da energia Impacto da crise

Leia mais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais Energia Offshore Jorge Cruz Morais factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução do consumo mundial de energia primária, 1970-2009 Mtep 11.164

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Álvaro Gomes Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Conjunto de regras, opções tarifárias, horários e preços que regem a facturação dos fornecimentos

Leia mais

Perspectiva dos Operadores

Perspectiva dos Operadores OS NOVOS DESAFIOS DO MIBEL Perspectiva dos Operadores Rui Cartaxo 1 de Junho de 2010 Rede Eléctrica Nacional, S.A. A especialização geográfica dos perfis de produção faz sentido mas implica mais e melhores

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

EXPO EUROPA E AMBIENTE

EXPO EUROPA E AMBIENTE EXPO EUROPA E AMBIENTE Microgeração Um novo Conceito de Energias Carlos Mendes Nunes Carlos Simões Contactos: Eurosauna; José Morais / Raul Fino Quarteira - Loulé 09 Maio 2008 Energias Renová Energias

Leia mais

Administrador da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. Uma parceria EDP / ALTRI

Administrador da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. Uma parceria EDP / ALTRI Avaliação de Impactes e Energia Geração de Energia Eléctrica a partir de Biomassa A experiência pioneira da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. na Central Termoeléctrica a Biomassa Florestal Residual de Mortágua

Leia mais

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade A DIRETIVA EUROPEIA SOBRE INFRAESTRUTURAS DE COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO, A RELAÇÃO COM A BANCA Coimbra, 18 de Junho de 2014 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303

Leia mais

Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica. Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques

Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica. Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques Tópicos O paradigma da Mobilidade Eléctrica Vs Veículos a combustão Infra-estrutura de carregamento Enquadramento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015 Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

As Energias Renováveis: o Solar Térmico em Portugal

As Energias Renováveis: o Solar Térmico em Portugal As Energias Renováveis: o Solar Térmico em Portugal Manuel Collares Pereira Director de I&D da AoSol /Enerpura CEO- ESTP Professor Catedrático Convidado,IST Portugal, o país mais rico E. Renováveis : de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre o mercado dos produtos petrolíferos em 2013 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução do mercado dos combustíveis

Leia mais

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Índice 1. Grupo Dourogás 2. O Gás Natural 3. UE: mobilidade sustentável 4.

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL. António Sá da Costa

O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL. António Sá da Costa O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL António Sá da Costa 1. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO A ENERGIA NO MUNDO Existe uma nova realidade no setor da energia a nível mundial Consumo

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva 20 de Outubro 2009

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais