Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral"

Transcrição

1 Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Relatório Contratualização em Saúde Oral Crianças e Jovens 2008 Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde

2 1. Enquadramento O Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral (PNPSO) aprovado através do Despacho n.º 153/2005 (2ª série), publicado no Diário da República, n.º 3, de 5 de Janeiro, tem como estratégias de intervenção a promoção da saúde oral no contexto familiar e escolar, a prevenção das doenças orais e o diagnóstico precoce e tratamento dentário. Relativamente ao tratamento dentário, destina-se a dar resposta às necessidades das crianças que, embora participem nas actividades de promoção da saúde oral desenvolvidas no jardim-de-infância e na escola do 1º ciclo, apresentam cárie dentária. Esta estratégia tem sido concretizada através de uma parceria público-privada, desenvolvida por um processo de contratualização com estomatologistas e médicos dentistas que decorre, desde o ano 2000, em todas as Administrações Regionais de Saúde (ARS). Tal como referido nos relatórios anteriores, os profissionais dos Centros de Saúde, nomeadamente, médicos, enfermeiros e higienistas orais têm continuado a assegurar as actividades que visam a promoção e educação para a saúde nos vários contextos onde o programa se desenvolve: Centro de Saúde, Escola e Família. Em 2008, a contratualização e respectiva dotação financeira, foi aprovada conforme o Despacho nº 59/2008 de , do Gabinete da Ministra da Saúde, o qual refere: a avaliação do processo de contratualização realizado em 2007, evidenciou a obtenção de ganhos em saúde, pelo que se entende ser de toda a conveniência recorrer ao mesmo tipo de procedimento para a prestação daqueles cuidados no ano em curso. É ainda referido: a execução da contratualização, no âmbito do programa, durante o ano de 2008, obedece aos parâmetros e orientações estabelecidos nas alíneas a) a f) do n.º 4 do Despacho n.º 787/2007 (2ª Série), publicado no Diário da República, n.º 11, de 16 de Janeiro. Este processo de contratualização de estomatologistas e médicos dentistas em curso até ao final de 2008, foi substituído tendo sido publicada a Portaria nº301/2009 de 24 de Março, a qual regula o funcionamento do Programa Nacional de Promoção de Saúde Oral (PNPSO) no que respeita à prestação de cuidados de saúde oral personalizados, preventivos e curativos, ministrados Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 2

3 por profissionais especializados, às grávidas seguidas no Serviço Nacional de Saúde (SNS), aos beneficiários do complemento solidário para idosos utentes do SNS; e às crianças e jovens com idade inferior a 16 anos. 2. Evolução do processo de contratualização O processo de contratualização foi testado em 1999, nalguns concelhos de Aveiro e de Viana do Castelo, tendo sido iniciado no ano A tabela 1 apresenta a evolução do número de crianças e jovens previstas e abrangidas por tratamentos dentários e taxa de execução, até ao ano Tabela 1 Nº de crianças e jovens previstas, abrangidas e taxa de execução Nº crianças e jovens Ano Previstas Abrangidas Taxa de execução % % % % % % % % % O processo inicia-se com a divulgação de aviso de abertura de candidaturas por parte de cada uma das Administrações Regionais de Saúde. Os estomatologistas e médicos dentistas, interessados em participar no programa, enviam a documentação necessária. Após a análise das candidaturas pela Comissão Paritária, celebram-se os contratos com os profissionais que obedecem aos critérios previamente definidos. Na tabela 2, apresenta-se o número de estomatologistas e médicos dentistas contratualizados, de 2000 a 2008, em cada ARS: Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo (LVT), Alentejo e Algarve. Como se pode verificar, no ano 2000 foram contratualizados 400 profissionais de saúde oral, em 2001 o número de profissionais duplicou, e em 2002 celebraram-se contratos com 1143 profissionais. De 2002 a 2007 o número manteve-se estável, tendo havido um Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 3

4 acréscimo de cerca de 28% de 2007 para 2008, passando-se de 1191 para 1532 profissionais contratualizados, no âmbito do Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Tabela 2 Número de estomatologistas e médicos dentistas contratualizados por ano e por ARS Ano ARS Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Distribuição das verbas atribuídas por ARS e Centros de Saúde envolvidos no processo de contratualização Em 2008, tal como nos anos anteriores, procedeu-se à distribuição da dotação financeira pelas regiões de saúde com se pode verificar na tabela 3. Tabela 3 Distribuição da dotação financeira por ARS ARS Verba atribuída ( ) Norte Centro Lisboa e Vale do Tejo Alentejo Algarve Total Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 4

5 De referir que a ARS do Algarve, tendo em conta que não iria esgotar a verba atribuída, transferiu para a ARS do Centro, a pedido desta, , para o tratamento de 250 crianças. Na tabela 4 pode verificar-se que 92% dos Centros de Saúde existentes em cada uma das Administrações Regionais de Saúde estiveram envolvidos no processo de contratualização. Tabela 4 Número de Centros de Saúde existentes e envolvidos no processo de contratualização ARS CS existentes CS envolvidos % CS envolvidos ARS Norte % ARS Centro % ARS Lisboa Vale Tejo % ARS Alentejo % ARS Algarve % Total % 4. Crianças e jovens beneficiadas pela contratualização médico dentária, consultas realizadas e situação dentária antes e após a intervenção De acordo com o referido na tabela 1, no âmbito do Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral, tiveram acesso a consultas de estomatologia / medicina dentária, crianças e jovens. Como se pode verificar na tabela 5, o número de crianças e jovens que concluíram os tratamentos foi 61612, o que corresponde a 94% em relação ao número de crianças que participaram. A percentagem mais elevada (98%) foi atingida pelas ARS Norte e Centro. Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 5

6 Tabela 5 Número de crianças e jovens contratualizadas, número e percentagem de crianças e jovens que concluíram a contratualização por grupo etário ARS Nº crianças contratualizadas Nº crianças concluíram contratualização % crianças concluíram a contratualização Norte % Centro % LVT % Alentejo % Algarve % Total % Na seguinte tabela apresentam-se os dados discriminados por grupo etário (3-5 anos, 6-8 anos, 9-13 anos e anos) e por região de saúde. Tabela 6 Número de crianças e jovens que concluíram a contratualização por grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Total % 3-5 Norte % Centro * LVT % Alentejo % Algarve % * Não apresentou os valores por grupo etário ** Não inclui a ARS Centro Total %** Na tabela 7 pode-se verificar o número de consultas realizadas, a nível nacional e regional, em cada grupo etário. Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 6

7 Tabela 7 Número de consultas realizadas por grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total A média nacional de consultas por criança e jovem é de 2,2. Na tabela 8 verifica-se que, independentemente do número de tratamentos realizados em cada consulta, a região Norte e o grupo etário anos apresentam o maior número médio de consultas por indivíduo. Tabela 8 Média de consultas realizadas por crianças/jovem em cada grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Total Norte 2,7 2,7 2,5 3,5 2,6 Centro* 2,2 LVT 2,1 1,9 1,9 2,9 2,0 Alentejo 2,0 2,2 2,2 2,6 2,2 Algarve 1,9 1,7 1,6 2,3 1,7 * Não apresentou o número de crianças e jovens que concluíram a contratualização por grupo etário Relativamente à facturação os valores recolhidos, por região de saúde e por grupo etário, encontram-se na tabela 9. Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 7

8 Tabela 9 Valor da facturação por grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Total Norte Centro* LVT Alentejo Algarve Total * Não apresentou o valor da facturação por grupo etário Relativamente à avaliação do estado dentário, nas tabelas 10 a 13 pode verificar-se o número de dentes cariados, perdidos e obturados antes da intervenção médico-dentária, por grupo etário e por região de saúde. Tabela 10 Nº de dentes cariados antes da intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 8

9 Tabela 11 Nº de dentes perdidos antes da intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Tabela 12 Nº de dentes obturados antes da intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Tabela 13 Nº de dentes selados antes da intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 9

10 As tabelas que se apresentam de seguida (14 a 17) contêm os dados relativos à situação dentária da população em programa, por grupo etário e por região de saúde, após a intervenção médico-dentária. Tabela 14 Nº de dentes cariados após a intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Tabela 15 Nº de dentes perdidos após a intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 10

11 Tabela 16 Nº de dentes obturados após a intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Tabela 17 Nº de dentes selados após a intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Ganhos em saúde oral obtidos em 2008 na população intervencionada Através da intervenção médico dentária pretende-se tratar todas as situações de doença, provocadas por cárie dentária, das crianças e jovens encaminhados para consulta com estomatologista ou médico dentista contratualizado. Da análise do resultado do diagnóstico inicial e final, por emparelhamento e comparação das fichas individuais de saúde oral, das mesmas crianças foi possível avaliar os ganhos em saúde obtidos com a contratualização através da análise detalhada do estado dentário antes e após a intervenção. É de Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 11

12 referir que, embora o índice cpod e CPOD se mantenha, a componente cariados diminuiu grandemente, tendo sido na maior parte dos casos substituída pela componente obturados, tal como pretendido. Seguidamente os gráficos 1 a 5, apresentam os dados sobre a situação encontrada, no que diz respeito aos dentes cariados, perdidos, obturados e selados temporários e/ou permanentes, de cada um dos grupos etários. A coluna referente à situação encontrada após a intervenção médico-dentária é em todos os grupos etários maior, pelo facto de terem sido aplicados selantes de fissuras em dentes sãos, não constando estes na coluna da esquerda. Gráfico 1 Situação antes e após a intervenção médicodentária aos 3-5 anos (dentes temporários) Início Fim selados obturados perdidos cariados cariados perdidos obturados selados Da análise relativa à situação dos dentes temporários ou decíduos existentes na boca das crianças do grupo etário 3-5 anos, verifica-se que estavam cariados antes da intervenção médico-dentária e após a intervenção, apenas 3708 desses dentes mantiveram as lesões de cárie. No final da intervenção havia mais 92% de dentes obturados do que no inicio da intervenção. Embora, Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 12

13 na maior parte das vezes o tratamento de crianças tão pequenas seja difícil, o facto é que 80% dos dentes temporários que se encontravam cariados foram tratados o que constitui um ganho em saúde considerável, tendo em conta a importância da manutenção destes dentes até à idade da sua esfoliação natural. Gráfico 2 Situação antes e após a intervenção médicodentária aos 6-8 anos (dentes temporários) Início Fim selados obturados perdidos cariados cariados perdidos obturados selados Quanto à situação dos dentes temporários das crianças do grupo etário 6-8 anos, é de realçar que, de acordo com a Circular Normativa nº 05/DSE de 15/02/2007 sobre os Termos de Referência para a Contratatualização em 2007, adoptada igualmente em 2008, o tratamento dos dentes temporários com lesões de cárie dentária era obrigatório até aos 7 anos. Embora depois dessa idade o tratamento tenha deixado de ter carácter obrigatório, 69% dos dentes temporários com lesões de cárie foram intervencionados, deixando de constituir para essas crianças um problema de saúde e revelando a importância atribuída a estes dentes pelos profissionais de saúde oral. Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 13

14 Gráfico 3 Situação antes e após a intervenção médicodentária aos 6-8 anos (dentes permanentes) Início Fim selados obturados perdidos cariados cariados perdidos obturados selados Quanto aos dentes permanentes do grupo etário 6-8 anos, verifica-se que dos dentes cariados antes da intervenção médico-dentária, 93% foram tratados. De realçar o grande número de selantes de fissura aplicados (51 069) em primeiros molares permanentes neste grupo etário. A aplicação de selantes de fissura, recomendada às crianças alvo deste processo de contratualização, crianças que tinham lesões de cárie dentária na dentição temporária ou na dentição definitiva, por isso apresentavam um risco acrescido à doença. Após a intervenção verifica-se um aumento de 84% de dentes permanentes com selantes de fissura. Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 14

15 Gráfico 4 Situação antes e após a intervenção médicodentária aos 9-13 anos (dentes permanentes) Início Fim selados obturados perdidos cariados cariados perdidos obturados selados No grupo etário 9-13 anos, verifica-se que dos dentes cariados antes da intervenção médico-dentária, 92% foram tratados. Foram aplicados selantes em molares permanentes o que representa um aumento de 72% relativamente à situação encontrada antes da intervenção. Gráfico 5 Situação antes e após a intervenção médicodentária aos anos (dentes permanentes) Início Fim selados obturados perdidos cariados cariados perdidos obturados selados Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 15

16 No grupo etário anos 89% dos dentes cariados foram intervencionados, tendo havido um de aumento de 68% no que diz respeito ao número de dentes obturados e um aumento de 71% no número de dentes com selantes de fissuras. O resumo dos dados recolhidos dos Mapas Anuais da Contratualização enviados pelas Administrações Regionais de Saúde a esta Direcção-Geral, encontra-se em anexo. 6. Conclusões No ano 2008 a contratualização permitiu abranger, para tratamento dentários crianças e jovens, dos 3 aos 16 anos. A nível nacional, estiveram envolvidos 92% dos Centros de Saúde. As regiões de saúde do Algarve e do Alentejo desenvolveram a contratualização médicodentária, incluída no Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral, em 100% dos Centros de Saúde existentes naquelas regiões. Relativamente aos profissionais de saúde contratualizados, estomatologistas e médicos dentistas, aderiram 1532, mais 28% do que em A taxa de execução em 2007 foi de 81% e em %. Contudo o número de crianças e jovens aumentou 19%. De crianças e jovens previstos para tratamento dentário, passou-se para , mais do que no ano anterior. Das crianças e jovens que, efectivamente, entraram em programa, terminaram os tratamentos dentários efectuados no âmbito da contratualização (94%). As regiões de saúde do Norte e do Centro situaram-se acima da média nacional tendo ambas, atingido 98%. A região de saúde do Algarve atingiu 87%, Lisboa e Vale do Tejo, 88% e o Alentejo 87%. O número médio de consultas realizadas por criança ou jovem foi 2,2. Destacase a região de saúde do Norte onde a média atingida chegou aos 2,6. Apesar das dificuldades relativas ao tratamento das crianças do grupo etário 3-5 anos, a percentagem de crianças incluídas neste processo foi, a nível Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 16

17 nacional, de 9% destacando-se a região do Algarve com maior percentagem de encaminhamentos e consequentes tratamentos de crianças deste grupo (12%). Através da intervenção médico-dentária obtiveram-se ganhos em saúde importantes, nomeadamente no que diz respeito ao tratamento de dentes que apresentavam lesões de cárie dentária. Foram tratados 71% dos dentes temporários e 96% dos dentes permanentes que apresentavam lesões de cárie dentária. A contratualização com os profissionais de saúde foi efectuada mediante a celebração de contrato entre as duas partes, prestador privado e Administração Regional de Saúde. Para a concretização deste processo e obtenção dos resultados apresentados, é de realçar o empenho dos profissionais dos Centros de Saúde, das Administrações Regionais de Saúde, dos estomatologistas e médicos dentistas contratualizados os quais, de um modo geral, demonstraram inexcedível profissionalismo, tendo todos contribuído para a promoção da saúde das crianças e jovens. Maria Cristina Ferreira Cádima Técnica Principal, área Higiene Oral Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos Lisboa, 10 de Julho de 2009 Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 17

18 ANEXO PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL MAPA RESUMO - CONTRATUALIZAÇÃO 2008 Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 18

19 PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL MAPA RESUMO - CONTRATUALIZAÇÃO 2008 Nº CS com contratualização Nº estomatologistas/medicos dentistas contratualizados Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Contratualização Nº crianças contratualizadas Nº crianças que concluiram a contratualização Nº de consultas realizadas Valor de facturação ARS 3-5 anos 6-8 anos 9-13 anos anos Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 1

20 Contratualização Diagnóstico dentário Início do Programa Final do Programa Nº de dentes cariados Nº de dentes perdidos Nº dentes obturados Nº dentes selados Nº de dentes cariados Nº de dentes perdidos Nº dentes obturados Nº dentes selados ARS 3-5 anos 6-8 anos 9-13 anos anos Temporários Tempor. Perman. Permanentes Permanentes Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 2

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Relatório Contratualização em Saúde Oral Crianças e Jovens 2007 Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos Direcção de Serviços de Promoção

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização. Todos os serviços dependentes do Serviço Nacional de Saúde

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização. Todos os serviços dependentes do Serviço Nacional de Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização Todos os serviços

Leia mais

Projectos de Saúde Oral na Grávida e na Pessoa Idosa:

Projectos de Saúde Oral na Grávida e na Pessoa Idosa: DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Projectos de Saúde Oral na Grávida e na Pessoa Idosa: Resultados do seu impacto no 1º semestre de aplicação Lisboa 1. Introdução Há precisamente 1 ano, isto é, no dia 23 de Novembro

Leia mais

no âmbito da educação PROJETO SORRIR BRANQUINHO

no âmbito da educação PROJETO SORRIR BRANQUINHO II Seminário de intercâmbio de experiências no âmbito da educação PROJETO SORRIR BRANQUINHO Saúde Oral A nível mundial, a doença oral é a quarta doença mais onerosa de tratar. A cárie dentária afeta a

Leia mais

SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DOS SERVIÇOS NÃO INTEGRADOS NO SNS Coordenação Rita Cordeiro (Chefe de Divisão) Rita Cordeiro Execução Ema Paula SIOE 31-12-2010

Leia mais

Entrevista Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro da Silva

Entrevista Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro da Silva Entrevista Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro da Silva Este mês temos o prazer de entrevistar o Ilmo Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas Orlando José Mendes Monteiro da Silva.

Leia mais

Tribunal de Contas VOLUME I ÍNDICE

Tribunal de Contas VOLUME I ÍNDICE Tribunal de Contas VOLUME I ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS...3 ÍNDICE DE QUADROS...3 ÍNDICE DE GRÁFICOS...3 RELAÇÃO DAS SIGLAS...4 GLOSSÁRIO...5 FICHA TÉCNICA...6 I Sumário...7 1 Conclusões...7 2 Recomendações...14

Leia mais

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 909 camas de internamento REDE NACIONAL DE Implementação das Experiências Piloto * Mais de 1.400 utentes tratados em seis meses. 5 equipas de Coordenação

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

Departamento de Contratualização. Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Região de Saúde do Algarve

Departamento de Contratualização. Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Região de Saúde do Algarve Departamento de Contratualização Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Região de Saúde do Algarve Relatório Final Ano 2013 2 Índice CONSIDERAÇÕES INICIAIS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 4 LISTA DE

Leia mais

2004 Política Nacional de Saúde Bucal. Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros

2004 Política Nacional de Saúde Bucal. Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros AS POLITICAS PÚBLICAS condicionam Os determinantes sociais da saúde Inclusão

Leia mais

Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde. Anexo II. Intervenções. Cláudia Furtado João Pereira

Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde. Anexo II. Intervenções. Cláudia Furtado João Pereira Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde Anexo II Intervenções Cláudia Furtado João Pereira Escola Nacional de Saúde Pública Universidade Nova de Lisboa Lisboa Julho de 2010 Cuidados de Saúde Primários

Leia mais

Unidade de Saúde Pública

Unidade de Saúde Pública Unidade de Saúde Pública ULS Matosinhos Programa Nacional de Saúde Escolar Saúde Escolar Prevenir e Atuar Observatório local de acidentes escolares e peri-escolares Sensibilização da comunidade escolar

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES. Maio de 2004

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES. Maio de 2004 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES 3 Maio de 4 I INTRODUÇÃO As reclamações como indicador da qualidade das unidades prestadoras de cuidados, quer

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização em 2007

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização em 2007 Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização em 2007 Todos os

Leia mais

Grupo de trabalho: Ana Paula Sousa Uva (médica- USP) Helena Viegas (Higienista Oral - USP) Mª Teresa Correia Leite (Enfermeira USP)

Grupo de trabalho: Ana Paula Sousa Uva (médica- USP) Helena Viegas (Higienista Oral - USP) Mª Teresa Correia Leite (Enfermeira USP) Grupo de trabalho: Ana Paula Sousa Uva (médica- USP) Helena Viegas (Higienista Oral - USP) Mª Teresa Correia Leite (Enfermeira USP) Circular Normativa nº 2//DSPPS/DCVAE DE 9/1/09 Têm direito em meio escolar

Leia mais

Criação do Serviço Nacional de Saúde. Lista de doenças crónicas

Criação do Serviço Nacional de Saúde. Lista de doenças crónicas DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : SSaaúúddee Criação do Serviço Nacional de Saúde IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Lei nº 56/79 DATTA 1979-09-15 Regime de Taxas moderadoras para acesso aos serviços de

Leia mais

SIGLAS. ACES Agrupamento de Centros de Saúde. UCSP Unidade de Cuidados Personalizados de Saúde. USF Unidade de Saúde Familiar

SIGLAS. ACES Agrupamento de Centros de Saúde. UCSP Unidade de Cuidados Personalizados de Saúde. USF Unidade de Saúde Familiar MAIO DE 2016 SIGLAS ACES Agrupamento de Centros de Saúde UCSP Unidade de Cuidados Personalizados de Saúde USF Unidade de Saúde Familiar UCC Unidade de Cuidados na Comunidade USP Unidade de Saúde Pública

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE 1.º CHEQUE-DENTISTA

UTILIZAÇÃO DE 1.º CHEQUE-DENTISTA GUIA DO UTILIZADOR DO SISO UTILIZAÇÃO DE 1.º CHEQUE-DENTISTA Data: 30-06-2008 Versão: 1.0 Sumário: Guia do utilizador do SISO para Estomatologistas e Médicos Dentistas, relativo à utilização do 1.º Cheque-Dentista,

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a seguinte: ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 005/2013 DATA: 10/04/2013 Programa Nacional de Prevenção de Acidentes. Projeto Bebés, Crianças e Jovens em Segurança. Formulário de Candidatura Transporte

Leia mais

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC Data de referência da informação: 18 de Novembro de 2016 SUMÁRIO EXECUTIVO Os cuidados de saúde primários (CSP) constituem o primeiro ponto de contacto

Leia mais

SOLENE DIA MUNDIAL SAÚDE ORAL]

SOLENE DIA MUNDIAL SAÚDE ORAL] 2017 SEAS Secretário de Estado Adjunto e da Saúde Prof. Doutor Fernando Araújo [DISCURSO SESSÃO SOLENE DIA MUNDIAL SAÚDE ORAL] Secretário de Estado Adjunto e da Saúde (20 março, Lisboa) (vocativos) Minhas

Leia mais

Plano de Actividades Triénio

Plano de Actividades Triénio 1 ACES OESTE NORTE UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA Plano de Actividades Triénio 2011-2013 Jorge Nunes Coordenador da USP 2 ÍNDICE Lista de Siglas... 3 Nota Introdutória... 5 Constituição da Equipa da Unidade

Leia mais

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO ACTA Nº1/2008 ADENDA Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h Participantes: Conselho Directivo Enf. Isabel Oliveira Depart. Contratualização: Dr.ª Manuela

Leia mais

pelos CH e, por outro lado, da produção realizada tal como descrita nos Relatórios e Contas, os Contratos-Programa não estarão a refletir as

pelos CH e, por outro lado, da produção realizada tal como descrita nos Relatórios e Contas, os Contratos-Programa não estarão a refletir as Sumário executivo A Entidade Reguladora da Saúde, ao abrigo das suas atribuições tal como consagradas no Decreto-Lei n.º 127/2009, de 27 de Maio, de [ ] assegurar o cumprimento dos critérios de acesso

Leia mais

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte:

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte: Despacho O Despacho n.º 5328/2011, de 28 Março, estabeleceu as regras e os princípios orientadores a observar na organização das escolas e na elaboração do horário semanal de trabalho do pessoal docente

Leia mais

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G5)

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G5) PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G5) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para

Leia mais

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento Plano de Intervenção Imediata 2006 Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento (Modelo 2-A) INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Ler atentamente as instruções antes de preencher. A preencher

Leia mais

Apresentação do Orçamento do SNS

Apresentação do Orçamento do SNS Apresentação do Orçamento do SNS 2010 ÍNDICE 1. Evolução da Dotação Inicial do SNS 2. Execução Económico-Financeira do SNS (2008 a 2010 - Estimativa) - Apresentação Tradicional 3. Execução Económico-Financeira

Leia mais

ESTÁGIOS PROFISSIONAIS APOIOS AO EMPREGO EMPREENDEDORISM O

ESTÁGIOS PROFISSIONAIS APOIOS AO EMPREGO EMPREENDEDORISM O ESTÁGIOS PROFISSIONAIS APOIOS AO EMPREGO EMPREENDEDORISM O ESTÁGIOS PROFISSION AIS ESTÁGIOS PROFISSIONAIS Desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o Objeto objetivo de promover

Leia mais

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE Sistema de Informação de Apoio à Gestão das Organizações da Sociedade Civil Direcção de Serviços de Prevenção e Controlo de Doenças Divisão

Leia mais

Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS

Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS UMCCI Março de 2009 Índice 1 Introdução.. 3 2 - Contabilização do investimento e dos incentivos 3 3 - Execução do projecto 4

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 27150 Diário da República, 2.ª série N.º 119 23 de Junho de 2008 Da homologação cabe recurso, a interpor no prazo de 10 dias úteis a contar da publicação da presente lista. 12 de Junho de 2008. A Vogal

Leia mais

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental * Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto Direcção-Geral da Saúde com a colaboração do INSA Acompanhamento estatístico e epidemiológico

Leia mais

FAQ. 1. Qual o âmbito de aplicação pessoal da portaria n.º 242/2011, de 21 de junho?

FAQ. 1. Qual o âmbito de aplicação pessoal da portaria n.º 242/2011, de 21 de junho? FAQ SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA CARREIRA ESPECIAL DE ENFERMAGEM I. Enquadramento 1. Quais os instrumentos legais aplicáveis ao SIADAP dos enfermeiros? Ao SIADAP dos enfermeiros aplicam-se os

Leia mais

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada Responsável Monte Caparica Américo Varela Data Início Actividade 01-05-2008 CS Costa de Caparica Luís Marquês ACES Almada Data Início Modelo B 01-05-2008 ARS Lisboa e Vale do Tejo Rui Portugal Utentes

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Aviso - ALG-36-2010-01 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Prevenção e Gestão

Leia mais

Grupo de Trabalho sobre Estatísticas do Trabalho, Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais alínea b) Relatório de Actividade

Grupo de Trabalho sobre Estatísticas do Trabalho, Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais alínea b) Relatório de Actividade DOCT/1608/CSE/DSFA Grupo de Trabalho sobre Estatísticas do Trabalho, Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais alínea b) Relatório de Actividade 1. Introdução A Secção Permanente de Estatísticas Demográficas

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE UNIDADES DE CUIDADOS NA COMUNIDADE

ASSOCIAÇÃO DE UNIDADES DE CUIDADOS NA COMUNIDADE Ofício nº: 03/2016 Data: 04/01/2016 Assunto: Parecer sobre nomeação para cargos de chefia, de enfermeiros coordenadores de UCC, conforme o Decreto-lei nº 248/2009, de 22 de setembro, A AUCC teve conhecimento

Leia mais

INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS

INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS RELATÓRIO FINAL DA ANÁLISE DOS DADOS DEZEMBRO 2010 Índice Índice... 2 1. Sumário... 3 2.

Leia mais

SNS Recursos Humanos. Dados de junho de Recursos Humanos do SNS por Região. Nº total de Profissionais Nº de Médicos e Enfermeiros.

SNS Recursos Humanos. Dados de junho de Recursos Humanos do SNS por Região. Nº total de Profissionais Nº de Médicos e Enfermeiros. Recursos Humanos do SNS por Região Nº total de Profissionais Nº de Médicos e Enfermeiros 40 740 9 941 13 450 23 894 5 118 8 171 Serviços Centrais 62 42 140 Serviços Centrais 3.528 9 414 13 466 200 Médicos

Leia mais

Promoção da Saúde na Área Materno - Infantil

Promoção da Saúde na Área Materno - Infantil da ARS Norte, I.P. Promoção da Saúde na Área Materno - Infantil Hospital Magalhães Lemos 26 de Novembro 2008 Promoção da Saúde na Área Materno Infantil As doenças crónicas não transmissíveis (DCV, cancro,

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Manda o Governo, pelo Ministro da Saúde, em cumprimento do disposto no artigo 10.º do Decreto-Lei n.º 242-B/2006, de 29 de Dezembro, o seguinte:

Manda o Governo, pelo Ministro da Saúde, em cumprimento do disposto no artigo 10.º do Decreto-Lei n.º 242-B/2006, de 29 de Dezembro, o seguinte: Portaria n.º 3-B/2007, de 2 de Janeiro Regula o procedimento de pagamento às farmácias da comparticipação do Estado no preço de venda ao público dos medicamentos (Revogado pela Portaria n.º 193/2011, de

Leia mais

AVISO N.º 3/2015 NÚCLEO DE GESTÃO DOS PROGRAMAS DE APOIOS FINANCEIROS

AVISO N.º 3/2015 NÚCLEO DE GESTÃO DOS PROGRAMAS DE APOIOS FINANCEIROS AVISO N.º 3/2015 NÚCLEO DE GESTÃO DOS PROGRAMAS DE APOIOS FINANCEIROS Abertura do Processo de Candidatura a Financiamento Público a projetos no âmbito do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infeção

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2 Questões da Semana 1 Indicadores solicitados no âmbito do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde Relatórios SIARS a utilizar para o preenchimento do quadro pág.12 Com o objectivo de responder às

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Administração Regional de Saúde

Leia mais

Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto

Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto 1 Caracterização da população >65 anos no Distrito do Porto: Concelho Censos 2001 Censos 2011

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

SNS RH Administrações Regionais de Saúde Dados de junho de 2016 Consulte o Portal do SNS em

SNS RH Administrações Regionais de Saúde Dados de junho de 2016 Consulte o Portal do SNS em CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS - ADMINISTRAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE População total por região (habitantes) População abrangida pelos Cuidados de Saúde Primários das ARS (habitantes) População abrangida em

Leia mais

Questionário sobre literacia em direitos dos utentes

Questionário sobre literacia em direitos dos utentes Questionário sobre literacia em direitos dos utentes A Entidade Reguladora da Saúde desenvolveu um inquérito por questionário com o objetivo de avaliar o grau de literacia dos cidadãos sobre os seus direitos

Leia mais

Relatório de Progresso da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários

Relatório de Progresso da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários Ministério da Saúde Relatório de Progresso da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários (Etapa II) Situação em 30 de Junho de 2010 Enquadramento Este Relatório dá cumprimento à atribuição cometida ao Grupo

Leia mais

Determinantes de saúde

Determinantes de saúde 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Determinantes de saúde Eugénio Cordeiro 1 J Santos 2, L Antunes 2,S Namorado 2, AJ Santos 2, I Kislaya

Leia mais

Região de Lisboa e Vale do Tejo

Região de Lisboa e Vale do Tejo Região de Lisboa e Vale do Tejo ONDAS DE CALOR RELATÓRIO 2009 Lisboa, Dezembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução... 1 2. Actividades desenvolvidas... 2 2.1. Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale

Leia mais

[DISCURSO PROFERIDO NA TOMADA DE POSSE DOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS PARA O MANDATO ]

[DISCURSO PROFERIDO NA TOMADA DE POSSE DOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS PARA O MANDATO ] SEAS Secretário de Estado Adjunto e da Saúde [DISCURSO PROFERIDO NA TOMADA DE POSSE DOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS PARA O MANDATO 2016-2019] 1 Secretário de Estado Adjunto e da Saúde

Leia mais

AVISO n.º POCH Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF)

AVISO n.º POCH Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF) AVISO n.º POCH - 66-2017-08 Concurso para apresentação de candidaturas Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF) Revisto em 2017-07-28: ponto 17 e Anexo IV Programa Operacional Capital Humano Eixo

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) São Julião, representada pelo seu Coordenador, Dr. José

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

Relatório de. Português Língua Não Materna (PLNM) 2006/07 e 2007/08

Relatório de. Português Língua Não Materna (PLNM) 2006/07 e 2007/08 Relatório de Português Língua Não Materna (PLNM) e 2007/08 Dezembro de 2009 Índice 1. Introdução... 3 2. Análise comparativa da população escolar de PLNM nos anos lectivos de e 2007/08... 5 3. Análise

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 233/96. EMISSOR : Ministério da Defesa Nacional. DATA : Sábado, 7 de Dezembro de 1996 NÚMERO : 283/96 SÉRIE I-A

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 233/96. EMISSOR : Ministério da Defesa Nacional. DATA : Sábado, 7 de Dezembro de 1996 NÚMERO : 283/96 SÉRIE I-A DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 233/96 EMISSOR : Ministério da Defesa Nacional DATA : Sábado, 7 de Dezembro de 1996 NÚMERO : 283/96 SÉRIE I-A PÁGINAS DO DR : 4398 a 4399 Decreto-Lei n.º 233/96, de 7 de

Leia mais

Carie dentaria entre crianças de creches publicas na faixa etária de 0 a 5 anos

Carie dentaria entre crianças de creches publicas na faixa etária de 0 a 5 anos 0 Junia Cláudia de Lima Carie dentaria entre crianças de creches publicas na faixa etária de 0 a 5 anos Monografia apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Odontologia da Universidade Federal de Minas

Leia mais

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Ministério da Saúde Ministro da Saúde Luís Filipe Pereira Apresentação dos Resultados dos Hospitais SA Centro Cultural de Belém,

Leia mais

ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO

ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO Setembro/2009 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Complexo Social de Apoio à Pessoa Idosa designado por Misericórdia da Freguesia

Leia mais

Projecto de Lei N.º 397/IX (Cria o Provedor da Saúde)

Projecto de Lei N.º 397/IX (Cria o Provedor da Saúde) Projecto de Lei N.º 397/IX (Cria o Provedor da Saúde) Exposição de motivos A nossa Lei Fundamental reconhece a todos os cidadãos o direito à protecção da saúde, concretizado através de um serviço nacional

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar Novo Cuidar

- Unidade de Saúde Familiar Novo Cuidar CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar Novo Cuidar Modelo B A Administração Regional de Saúde (ARS), IP, representada pelo seu Presidente, Dr. Alcindo Maciel Barbosa e a Unidade de Saúde Familiar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO PROGRAMA NACIONAL de PROMOÇÃO da SAÚDE ORAL RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007 Grupo Regional da Saúde Oral Lisboa Julho 2008 Grupo Regional da Saúde

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O. (indicar o tipo de estabelecimento ou estrutura prestadora de serviços) designado por (indicar

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar (33 V4.02) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS)

PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS) PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS) Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Despacho n.º 69/2009 de 31 Agosto -Ministra da Saúde Aprova o Modelo de

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/ SAMA/ 2008 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) CONCURSO GERAL E CONCURSO JUSTIÇA OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS Nos termos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Gabinete do Ministro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Gabinete do Ministro Despacho n.º 2331/98 (2.ª série). 1 O n.º 2 do artigo 19.º da Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro, que define as bases do financiamento do ensino superior público,

Leia mais

Estudo Sobre a Concorrência no. Sector das Análises Clínicas

Estudo Sobre a Concorrência no. Sector das Análises Clínicas Sumário Executivo Estudo Sobre a Concorrência no Sector das Análises Clínicas Sendo uma das atribuições da Entidades Reguladora da Saúde (ERS), nos termos do art. 6.º n.º 2 al. b) do Decreto-Lei n.º 309/2003,

Leia mais

Colocação dos especialistas de medicina geral e familiar

Colocação dos especialistas de medicina geral e familiar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 88/XI/1ª Colocação dos especialistas de medicina geral e familiar A realidade actual marcada pela escassez de recursos e pela competitividade exige uma maior flexibilidade e prontidão

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos Proveitos e Custos nos Estabelecimentos Hoteleiros Ano de 2004 Página 2

Leia mais

AVISO N.º 10/2016 NÚCLEO DE GESTÃO DOS PROGRAMAS DE APOIOS FINANCEIROS

AVISO N.º 10/2016 NÚCLEO DE GESTÃO DOS PROGRAMAS DE APOIOS FINANCEIROS AVISO N.º 10/2016 NÚCLEO DE GESTÃO DOS PROGRAMAS DE APOIOS FINANCEIROS Abertura do Processo de Candidatura a Financiamento Público a projetos no âmbito do Programa Nacional para a Infeção VIH, SIDA e Tuberculose

Leia mais

É constituído por três tipos de acções:

É constituído por três tipos de acções: Programa Agricultores Guia Projecto de Requalificação Ambiental da Actividade Agrícola Projecto Referência a nível Nacional, no tema Ambiente / Sustentabilidade pela DGOTDU. Resulta de um protocolo de

Leia mais

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO GOALS OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? OBJECTIVOS - Passado: Evolução Histórica da SHT no SNS - Presente: Modelo de Gestão de SHT(Gestão de Risco) - O Futuro: uma abordagem estratégica INTRODUÇÃO

Leia mais

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 SEGURANÇA SOCIAL Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 Esta informação destina-se a Estabelecimentos e Apoio Social que queiram exercer atividade. O que é Os estabelecimentos de apoio social

Leia mais

[DIRETOR] Despacho D-19/2015

[DIRETOR] Despacho D-19/2015 [DIRETOR] Despacho D-19/2015 Regulamento de Colaborador Externo Alumni De acordo com os Estatutos da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, publicado no Diário da República, 2. série,

Leia mais

Monitorização de justificações técnicas e direito de opção - registo de casos

Monitorização de justificações técnicas e direito de opção - registo de casos Monitorização de justificações técnicas e direito de opção - registo de casos Comissão de Farmácia e Terapêutica - ARS Norte Porto,10 novembro de 2014 Índice 1. Introdução.... 4 2. Metodologia.... 5 2.1

Leia mais

DESPACHO. Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 de Maio.

DESPACHO. Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 de Maio. DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 334/91 de 6 de Setembro

Decreto-Lei n.º 334/91 de 6 de Setembro Decreto-Lei n.º 334/91 de 6 de Setembro Gestão das instalações desportivas...2 Ordem de preferência na utilização...2 Cedência das instalações...3 Utilização das instalações...3 Intransmissibilidade das

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

ANEXO F ÁRVORE DE CATEGORIAS DAS ENTREVISTAS APRECIATIVAS

ANEXO F ÁRVORE DE CATEGORIAS DAS ENTREVISTAS APRECIATIVAS ANEXO F ÁRVORE DE CATEGORIAS DAS ENTREVISTAS APRECIATIVAS Categorias Número de Referências Projecto Intervir A Técnicos no O Estruturação do Reconhecimento do Actividades Enquadramento da intervenção Trabalho

Leia mais

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Organismo avaliado: ARS CENTRO 1.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Ordem dos Médicos / Ministério da Saúde Formação Médica Pós-Graduada: Internatos Médicos CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

MANUAL DE ARTICULAÇÃO

MANUAL DE ARTICULAÇÃO MANUAL DE ARTICULAÇÃO ACES UCC 1. INTRODUÇÃO A Unidade de Cuidados na Comunidade é uma unidade funcional do ACES, à qual compete, à luz do disposto no artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 28/2008, de 22 de Fevereiro,

Leia mais

Regulamento Programa AnimaSénior

Regulamento Programa AnimaSénior Nota Justificativa O Município de Vouzela, ao longo dos anos, tem vindo a implementar programas e atividades destinados à população sénior residente no concelho, no âmbito do programa AnimaSénior, tendo

Leia mais

Documento de Trabalho

Documento de Trabalho AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE Documento de Trabalho O Decreto-Lei nº 28/2008 de 22 de Fevereiro cria os agrupamentos de centros de saúde (ACES) do Serviço Nacional de

Leia mais

AVISO de ABERTURA PROCEDIMENTO CONCURSAL EXTERNO N.º 01/2016 ANO LETIVO 2016/2017 ATIVIDADES de ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

AVISO de ABERTURA PROCEDIMENTO CONCURSAL EXTERNO N.º 01/2016 ANO LETIVO 2016/2017 ATIVIDADES de ENRIQUECIMENTO CURRICULAR AVISO de ABERTURA PROCEDIMENTO CONCURSAL EXTERNO N.º 01/2016 ANO LETIVO 2016/2017 ATIVIDADES de ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Portaria n.º 644-A/2015, Diário da República, 2.ª série N.º 164 24 de agosto de

Leia mais

Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020

Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020 FICHA TÉCNICA FUNCIONAMENTO 2020 Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020 Objetivo Este sistema de incentivos tem por alvo direto as micro,

Leia mais

Acção 7.1 Agricultura Biológica e Acção 7.2 Produção Integrada Execução relativa ao ano de 2015

Acção 7.1 Agricultura Biológica e Acção 7.2 Produção Integrada Execução relativa ao ano de 2015 Acção 7.1 Agricultura Biológica e Acção 7.2 Produção Integrada Execução relativa ao ano de 2015 Neste INFO AMBIENTE E ÁGUA faz-se uma primeira análise aos dados apresentados no Relatório de Execução Anual

Leia mais

Regulamento da Valência Lar de Idosos

Regulamento da Valência Lar de Idosos Associação Cultural e Beneficente de Santa Maria Reconhecida de utilidade pública D. R. III série n.º 249 de 29/10/91 Contribuinte N.º 501 272 690 Sedielos - Peso da Régua Regulamento da Valência Lar de

Leia mais

1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana

1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana DIREITOS DOS DOENTES 1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana É um direito humano fundamental, que adquire particular importância em situação de doença. Deve ser respeitado

Leia mais