Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral"

Transcrição

1 Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Relatório Contratualização em Saúde Oral Crianças e Jovens 2007 Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde

2 1. Enquadramento O Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral (PNPSO) tem como estratégias de intervenção a promoção da saúde oral no contexto familiar e escolar, a prevenção das doenças orais e o diagnóstico precoce e tratamento dentário. Relativamente ao tratamento dentário, destina-se a dar resposta às necessidades das crianças que, embora participem nas actividades de promoção da saúde oral desenvolvidas no jardim-de-infância e na escola do 1º ciclo, apresentam cárie dentária. Esta estratégia tem sido concretizada através de uma parceria público-privada, desenvolvida por um processo de contratualização com estomatologistas e médicos dentistas que decorre, desde o ano 2000, em todas as Administrações Regionais de Saúde. Tal como referido nos relatórios anteriores, os profissionais dos Centros de Saúde, nomeadamente, médicos, enfermeiros e higienistas orais têm continuado a assegurar as actividades que visam a promoção e educação para a saúde nos vários contextos onde o programa se desenvolve: Centro de Saúde, Escola e Família. Em 2007, a contratualização e respectiva dotação financeira, foi aprovada conforme o Despacho nº 787/2007 do Secretário de Estado da Saúde, publicado no Diário da República, nº 11, 2ª série de 16 de Janeiro. Os procedimentos a efectuar no âmbito da contratualização foram definidos e normalizados por esta Direcção-Geral através da Circular Normativa nº 5/DSE de 15/02/07 Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização em Evolução do processo de contratualização O processo de contratualização foi testado em 1999, nalguns concelhos de Aveiro e de Viana do Castelo, tendo sido iniciado no ano A tabela 1 apresenta a evolução do número de crianças e jovens previstas e abrangidas por tratamentos dentários e taxa de execução, até ao ano Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 2

3 Tabela 1 Nº de crianças e jovens previstas, abrangidas e taxa de execução Nº crianças e jovens Ano Previstas Abrangidas Taxa de execução % % % % % % % % O processo inicia-se com a divulgação de aviso de abertura de candidaturas por parte de cada uma das Administrações Regionais de Saúde. Os estomatologistas e médicos dentistas, interessados em participar no programa, enviam a documentação necessária e, posteriormente, é feita a avaliação das candidaturas em sede de Comissão Paritária, mediante critérios previamente estabelecidos. Após esta fase, celebram-se os contratos com os profissionais que obedecem aos critérios definidos. Na tabela 2, apresenta-se o número de estomatologistas e médicos dentistas contratualizados, de 2000 a Tabela 2 Número de estomatologistas e médicos dentistas contratualizados por ano e por ARS ARS Ano Norte Centro Lisboa e Vale do Tejo Alentejo Algarve Total Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 3

4 3. Distribuição das verbas atribuídas por ARS e Centros de Saúde envolvidos no processo de contratualização Em 2007, tal como nos anos anteriores, procedeu-se à distribuição da dotação financeira pelas regiões de saúde com se pode verificar na tabela 3. Tabela 3 Distribuição da dotação financeira por ARS ARS Verba atribuída ( ) Norte Centro Lisboa e Vale do Tejo Alentejo Algarve Total Na tabela 4 pode verificar-se que 90% dos Centros de Saúde existentes em cada uma das Administrações Regionais de Saúde estavam envolvidos no processo de contratualização. Tabela 4 Número de Centros de Saúde existentes e envolvidos no processo de contratualização CS existentes CS envolvidos % ARS Norte % ARS Centro % ARS Lisboa Vale Tejo % ARS Alentejo % ARS Algarve % Total % Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 4

5 4. Crianças e jovens beneficiadas pela contratualização médico dentária, consultas realizadas e situação dentária antes e após a intervenção médico-dentária Tal como referido na tabela 1, no âmbito do Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral, tiveram acesso a consultas de estomatologia / medicina dentária, crianças e jovens. O número de crianças e jovens que concluíram os tratamentos foi 49366, o que corresponde a 94% em relação ao número de crianças que participaram. A percentagem mais elevada (96%) foi atingida pela ARS Norte, seguida da ARS Centro (95%). Tabela 5 Número de crianças e jovens contratualizadas, número e percentagem de crianças e jovens que concluíram a contratualização por grupo etário ARS Nº crianças contratualizadas Nº crianças concluíram contratualização % crianças concluíram a contratualização Norte % Centro % LVT % Alentejo % Algarve % Total % Na seguinte tabela apresentam-se os dados discriminados por grupo etário e por região de saúde. Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 5

6 Tabela 6 Número de crianças e jovens que concluíram a contratualização por grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Total % 3-5 Norte % Centro % LVT % Alentejo % Algarve % Total % Na tabela 7 pode-se verificar o número de consultas realizadas, a nível nacional e regional, em cada grupo etário. Tabela 7 Número de consultas realizadas por grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Na tabela 8 verifica-se que, independentemente do número de tratamentos realizados em cada consulta, a média nacional de consultas por criança e jovem é de 2,3, sendo a região Norte e o grupo etário anos aqueles onde a média de consultas por individuo é maior, 2,7 e 2,8 respectivamente. Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 6

7 Tabela 8 Média de consultas realizadas por crianças/jovem em cada grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Total Norte 2,6 2,8 2,5 3,3 2,7 Centro 2,4 2,4 1,9 2,7 2,3 LVT 2,5 2,1 2,0 2,7 2,1 Alentejo 2,1 2,3 2,4 2,9 2,4 Algarve 1,7 1,6 1,5 2,1 1,6 Total 2,4 2,4 2,1 2,8 2,3 Relativamente à facturação os valores recolhidos, por região de saúde e por grupo etário, encontram-se na tabela 9. Tabela 9 Valor da facturação por grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Total Norte Centro LVT * Alentejo Algarve Total * Não apresentou os valores da facturação. Apresenta-se o valor global a pagar tendo em conta o número de crianças abrangidas e o valor atribuído a cada criança e jovem que beneficiou da contratualização. Relativamente à avaliação do estado dentário, nas tabelas 10, 11 e 12 e 13 pode verificar-se o número de dentes cariados, perdidos e obturados antes da intervenção médico-dentária, por grupo etário e por região de saúde. Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 7

8 Tabela 10 Nº de dentes cariados antes da intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT * Alentejo Algarve Total Tabela 11 Nº de dentes perdidos antes da intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT * Alentejo Algarve Total Tabela 12 Nº de dentes obturados antes da intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT * Alentejo Algarve Total Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 8

9 Tabela 13 Nº de dentes selados antes da intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Total Norte Centro LVT * Alentejo Algarve Total As tabelas que se apresentam de seguida (14, 15, 16 e 17) contêm os dados relativos à situação dentária da população em programa, por grupo etário e por região de saúde, após a intervenção médico-dentária. Tabela 14 Nº de dentes cariados após a intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Total Norte Centro LVT * Alentejo Algarve Total Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 9

10 Tabela 15 Nº de dentes perdidos após a intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT * Alentejo Algarve Total Tabela 16 Nº de dentes obturados após a intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT * Alentejo Algarve Total Tabela 17 Nº de dentes selados após a intervenção médico-dentária, por grupo etário e região de saúde Grupo etário Total ARS Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes Norte Centro LVT * Alentejo Algarve Total Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 10

11 5. Ganhos em saúde oral obtidos em 2007 na população intervencionada Através da intervenção médico dentária pretende-se tratar todas as situações de doença, que se prendam com a cárie dentária, das crianças e jovens encaminhados para consulta com estomatologista ou médico dentista contratualizado. Da análise do resultado do diagnóstico inicial e final, por emparelhamento e comparação das fichas individuais de saúde oral, das mesmas crianças foi possível avaliar os ganhos em saúde obtidos com a contratualização através da análise detalhada do estado dentário antes e após a intervenção médicodentária. É de referir que, embora o índice cpod e CPOD se mantenha, a componente Cariados diminuiu grandemente, tendo sido na maior parte dos casos substituída pela componente Obturados, tal como pretendido. Seguidamente os gráficos 1 a 5, apresentam os dados sobre a situação encontrada, no que diz respeito aos dentes cariados, perdidos, obturados e selados temporários e/ou permanentes, de cada um dos grupos etários. A coluna referente à situação encontrada após a intervenção médico-dentária é em todos os grupos etários maior, pelo facto de terem sido aplicados selantes de fissuras em dentes sãos, os quais não constam na coluna da esquerda. Gráfico 1 Situação antes e após a intervenção médicodentária aos 3-5 anos (dentes temporários) Início Fim selados obturados perdidos cariados cariados perdidos obturados selados Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 11

12 Gráfico 2 Situação antes e após a intervenção médicodentária aos 6-8 anos (dentes temporários) Início Fim selados obturados perdidos cariados cariados perdidos obturados selados Da análise relativa à situação dos dentes temporários existentes antes da intervenção médico-dentária, nos grupos etários 3-5 e 6-8 anos, verifica-se que 68% dos dentes temporários que se encontravam cariados foram tratados. Gráfico 3 Situação antes e após a intervenção médicodentária aos 6-8 anos (dentes permanentes) Início Fim selados obturados perdidos cariados cariados perdidos obturados selados Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 12

13 Gráfico 4 Situação antes e após a intervenção médicodentária aos 9-13 anos (dentes permanentes) Início Fim selados obturados perdidos cariados cariados perdidos obturados selados Neste grupo etário dos 9-13 anos foram aplicados selantes de fissura em dentes permanentes, o número mais elevado em todos os grupos. As crianças e jovens alvo deste processo de contratualização, visto terem lesões de cárie dentária em alguma das dentições, apresentam um risco acrescido à doença, sendo por isso indicada a aplicação de selantes de fissura como complemento às outras actividades preventivas fundamentais. Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 13

14 Gráfico 5 Situação antes e após a intervenção médicodentária aos anos (dentes permanentes) Início Fim selados obturados perdidos cariados cariados perdidos obturados selados Quanto à situação dos dentes permanentes existentes antes da intervenção médico-dentária, nos grupos etários 6-8, 9-13 e anos, verifica-se que 91% dos dentes permanentes que se encontravam cariados foram tratados. Em anexo a este relatório envia-se a compilação de todos os dados enviados pelas Administrações Regionais de Saúde a esta Direcção-Geral. 6. Conclusões No ano 2007 a contratualização permitiu abranger, para tratamento dentários crianças e jovens, dos 3 aos 16 anos. Em relação ao envolvimento dos Centros de Saúde, a percentagem atingida em 2006 manteve-se (90%). A região de saúde do Algarve e do Alentejo continuaram a envolver 100% dos Centros de Saúde existentes naquelas regiões. Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 14

15 Relativamente aos profissionais de saúde contratualizados, estomatologistas e médicos dentistas, aderiram 1191, número ligeiramente superior a 2006 (1166). A taxa de execução foi de 81%, mais baixa do que a obtida em Importa referir o aumento da verba atribuída no ano 2007, que previa abranger, no máximo crianças e jovens, mais que no ano Das crianças e jovens que efectivamente entraram em programa, terminaram os tratamentos dentários efectuados no âmbito da contratualização (94%). As regiões de saúde do Norte e do Centro situaram-se acima da média nacional tendo atingido 96% e 95%, respectivamente. A região de saúde do Algarve atingiu 93%, Lisboa e Vale do Tejo, 91% e o Alentejo 88%. O número médio de consultas realizadas por criança ou jovem foi 2,3. Destacase a região de saúde do Norte onde a média atingida chegou aos 2,7 e o grupo etário dos anos com 2,8 consultas por jovem intervencionado. Apesar das dificuldades relativas ao tratamento das crianças do grupo etário 3-5 anos, a percentagem de crianças incluídas neste processo foi, a nível nacional, de 10% tendo sido atingida a dotação mínima prevista na Circular Normativa orientadora deste processo. Através da intervenção médico-dentária obtiveram-se ganhos em saúde importantes, nomeadamente no que diz respeito ao tratamento de dentes que apresentavam lesões de cárie dentária. Foram tratados 68% dos dentes temporários e 91% dos dentes permanentes que apresentavam lesões de cárie dentária. A contratualização com os profissionais de saúde foi efectuada mediante a celebração de contrato entre as duas partes, prestador privado e Administração Regional de Saúde ou Sub-região de Saúde. Para a celebração do contrato era imprescindível, entre outros documentos, o certificado emitido pela autoridade de saúde competente que atestasse as condições higio-sanitárias da clínica ou do consultório e de acessibilidade das instalações, certificado que atestasse que as instalações cumprem as regras de segurança vigentes e licença de utilização emitida pela Câmara Municipal. Estes critérios de selecção Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 15

16 contribuíram grandemente para a qualidade das intervenções bem como para o controlo da infecção cruzada. Também é de realçar o empenho dos profissionais dos Centros de Saúde, das Administrações Regionais de Saúde, Sub-regiões de Saúde, dos estomatologistas e médicos dentistas contratualizados os quais, de um modo geral, demonstraram inexcedível profissionalismo, tendo todos eles contribuído para o resultado atingido e para, em ultima análise, a promoção da saúde oral das crianças e jovens. Maria Cristina Ferreira Cádima Técnica Principal, área Higiene Oral Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos Lisboa, 17 de Julho de 2008 Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos 16

17 PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL CONTRATUALIZAÇÃO 2007 Nº CS com contratualizaçã Nº de estomatologistas contratualizados Nº de médicos dentistas contratualizados Contratualização Nº crianças contratualizadas Nº crianças que concluiram a contratualização Nº de consultas realizadas Valor de facturação Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total ARS 3-5 anos 6-8 anos 9-13 anos anos Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT* Alentejo Algarve Total Mapa Anual Contratualização

18 Contratualização Diagnóstico dentário Início do Programa Final do Programa Nº de dentes cariados Nº de dentes perdidos Nº dentes obturados Nº dentes selados Nº de dentes cariados Nº de dentes perdidos Nº dentes obturados Nº dentes selados ARS 3-5 anos 6-8 anos 9-13 anos anos Total ARS Temporários Tempor. Perman. Permanentes Permanentes Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total Norte Centro LVT Alentejo Algarve Total * Não apresentou os valores da facturação. Apresenta-se o valor global a pagar tendo em conta o número de crianças abrangidas e o valor atribuído a cada criança e jovem que beneficiou da contratualização. Mapa Anual Contratualização

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização em 2007

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização em 2007 Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização em 2007 Todos os

Leia mais

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS (DESIGNAÇÃO DA ESCOLA) dia de mês de ano SNN SERVIÇOS DE GESTÃO APLICADA, LDA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 METODOLOGIA E CRONOGRAMA... 5 Metodologia...

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 2001

UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 2001 Informação à Comunicação Social 15 de Março de 22 UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 21 No terceiro trimestre de 21, cerca de um quarto das famílias portuguesas - 24%

Leia mais

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU Regulamento de Atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras de atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau, adiante designada

Leia mais

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 ENQUADRAMENTO SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Leia mais

Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural

Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Despacho nº 14758/2004 (2ª série), de 23 de Julho, Portaria nº 550-C/2004, de 21

Leia mais

Certificação do Controlo da Produção

Certificação do Controlo da Produção Certificação do Controlo da Produção 1. Sistema de controlo da produção Eng.º João Carlos Duarte Chefe de Serviços de Normalização APEB O Decreto-Lei n.º 301/2007, de 23 de Agosto, estabelece no seu Artigo

Leia mais

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 SEGURANÇA SOCIAL Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 Esta informação destina-se a Estabelecimentos e Apoio Social que queiram exercer atividade. O que é Os estabelecimentos de apoio social

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria)

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) Despacho n.º /2015 Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto (IPLeiria) Preâmbulo Nos termos do n.º 1 do artigo 15.º da Lei n.º 46/86, de 14.10 1,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Ano Letivo 2014/2015-1.º Período

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Ano Letivo 2014/2015-1.º Período Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Ano Letivo 04/05 -.º Período A Coordenadora Francisca Oliveira

Leia mais

Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital. Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social

Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital. Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social Estrutura da Apresentação 1) O que é a Avaliação Econômica?

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO ISENÇÃO DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO DOS JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

O presente estudo remete-nos para as causas de extração e perda dentária na dentição permanente, durante um período de 12 meses. Neste estudo foram incluídos todos os pacientes atendidos na clínica de

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DO ESTAGIÁRIO JULHO 2015 abatista@fatecbt.edu.br 03 a 14/08/2015 Matrícula de Estágio Supervisionado para os alunos que não constam no SIGA. 03 a 14/08/2015 Confirmação da

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de:

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de: Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015 Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME Se precisa de: Prospetar novos Clientes em mercados externos Elaborar um plano de negócios para

Leia mais

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa Considerando que a competitividade da economia concelhia está na primeira linha das preocupações

Leia mais

PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior. 2.º Ciclo. Regulamento

PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior. 2.º Ciclo. Regulamento PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior 2.º Ciclo Regulamento I. INDICAÇÕES GERAIS 1.1. A mobilidade Erasmus oferece aos alunos de mestrado a

Leia mais

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 1. Parte 1 Objectivos, valor e designação das bolsas 1.1. O programa PARSUK Xperience pretende dar a oportunidade a alunos de licenciatura ou mestrado em Portugal

Leia mais

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura António Firmino da Costa Elsa Pegado Patrícia Ávila CIES-ISCTE 2008 BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes

Leia mais

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL 2.1. INSTRUÇÃO NORMATIVA 2. ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA DE 7 DE MARÇO DE 2010 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB Estabelece a Política para Manutenção e Guarda do Acervo Acadêmico da Escola de Direito de Brasília

Leia mais

COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL Na última década, o número de pessoas em situação de pobreza e exclusão social em Portugal tem vindo a aumentar significativamente. A este facto preocupante, acresce

Leia mais

A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ

A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ 1 A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ Luciano Bárbara dos Santos 1 1 Cirurgião-dentista, aluno do curso de pós-graduação

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

I Olimpíadas da Economia

I Olimpíadas da Economia I Olimpíadas da Economia Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O presente regulamento estabelece um conjunto de normas e orientações gerais sobre as I Olimpíadas da Economia (doravante

Leia mais

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe...

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Responsabilidade Social na Galp Energia Responsabilidade Social na Galp Energia COLABORADORES ESPECIALISTAS PÚBLICO EM GERAL A Galp Energia foi

Leia mais

Tribunal de Contas VOLUME I ÍNDICE

Tribunal de Contas VOLUME I ÍNDICE Tribunal de Contas VOLUME I ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS...3 ÍNDICE DE QUADROS...3 ÍNDICE DE GRÁFICOS...3 RELAÇÃO DAS SIGLAS...4 GLOSSÁRIO...5 FICHA TÉCNICA...6 I Sumário...7 1 Conclusões...7 2 Recomendações...14

Leia mais

Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária.

Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária. Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária. - Planejar, programar, executar, avaliar, capacitar, orientar e fiscalizar as atividades relacionadas à análise, avaliação e aprovação

Leia mais

Protocolo relativo a Estágio Curricular

Protocolo relativo a Estágio Curricular Protocolo relativo a Estágio Curricular 1. Introdução O presente protocolo é celebrado entre a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, adiante designada por FEUP, a empresa/instituição de estágio

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA Preâmbulo No processamento da política de reorganização dos serviços municipais e no caso particular do Arquivo do Município de Fronteira, pretende-se com

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE DIREITOS HUMANOS

Leia mais

A Propriedade Intelectual

A Propriedade Intelectual Maria do Rosário Dias Camelo A Propriedade Intelectual REFERE-SE ÀS CRIAÇÕES DO ESPÍRITO HUMANO CONCEBIDAS PELA IMAGINAÇÃO E PELA CAPACIDADE CRIATIVA DO HOMEM, APOIADA NO CONHECIMENTO E NOS INVESTIMENTOS

Leia mais

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO No seguimento das propostas apresentadas por esta Direcção Regional de Educação para o Plano de Acompanhamento dos Centros de Recursos TIC (CRTIC) no ano de 2011, com uma linha orientadora

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N.

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N. EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: Aviso n.º 1/REB/AC REQUALIFICAÇÃO DA REDE ESCOLAR DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DA EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTOCARRO E CARRINHA

REGULAMENTO DO AUTOCARRO E CARRINHA REGULAMENTO DO AUTOCARRO E CARRINHA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO AUTOCARRO E CARRINHA DE NOVE LUGARES Preâmbulo Tendo em conta a nova realidade politica administrativa existente no território da União

Leia mais

Instruções para os trabalhadores a recibo verde da. Câmara Municipal de Lisboa

Instruções para os trabalhadores a recibo verde da. Câmara Municipal de Lisboa Instruções para os trabalhadores a recibo verde da Câmara Municipal de Lisboa Os trabalhadores a recibo verde que configuram verdadeiros contratos de trabalho deverão proceder da seguinte forma: 1- Elaborar

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA 2016.1 MANTENEDORA Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão LTDA MANTIDA Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Facema DIRETORIA Maria

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 810

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 810 Directriz de Revisão/Auditoria 810 CERTIFICAÇÃO DE CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E DE DEDUÇÃO DE IVA Nos termos do n.ºs 9 e 10 do art.º 71.º do Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Introdução Julho

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 12/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO II FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO

Leia mais

AVISO DE EDITAL Nº 001/2010

AVISO DE EDITAL Nº 001/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA CIVIL - MESTRADO - AVISO DE EDITAL Nº 001/2010 A Coordenadoria do Programa

Leia mais

O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal.

O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal. O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal. 2. O Quadro de Pessoal da Polícia Judiciária é constituído por: - Pessoal de Investigação Criminal - Pessoal de Apoio à Investigação Criminal - Pessoal

Leia mais

3. Condições de ingresso

3. Condições de ingresso EDITAL Concurso institucional aos Cursos Técnicos Superiores Profissionais em «Intervenção Social e Comunitária» e em «Comunicação Digital» para o ano letivo de 2016/2017 Cumprindo o previsto no n.º 1

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 As importações de vegetais, seus produtos, derivados e partes, subprodutos,

Leia mais

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS APÊNDICE 2 MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS (nota de primeira página) Projecto n :... Título do projecto:...... Nome completo do Beneficiário:... Morada:...... Formulário financeiro apresentado

Leia mais

1º Concurso de Bandas de Garagem da Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Viseu

1º Concurso de Bandas de Garagem da Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Viseu 1º Concurso de Bandas de Garagem da Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Viseu Ficha de inscrição *Nome do projecto musical: Idade do projecto: anos e meses *Cidade de origem: *Género

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR ALJEZUR, 4 DE DEZEMBRO DE 7 INTRODUÇÃO Desde a sua criação até aos dias de hoje, a formação interna dos elementos que constituem o Corpo de Bombeiros Voluntários de Aljezur, tem sido uma constante, na

Leia mais

Termos e Condições. Bem-vindo ao site de Internet da Telemedia - Promoção 20% - que disponibiliza descontos em equipamentos de televisão Samsung.

Termos e Condições. Bem-vindo ao site de Internet da Telemedia - Promoção 20% - que disponibiliza descontos em equipamentos de televisão Samsung. Termos e Condições Bem-vindo ao site de Internet da Telemedia - Promoção 20% - que disponibiliza descontos em equipamentos de televisão Samsung. 1. Condições Gerais 1.1 A utilização do site: http://www.campanha.telemediaportugal.com,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Regulamento Erasmus. Cap. I Disposição geral. Artigo 1º (Objecto)

Regulamento Erasmus. Cap. I Disposição geral. Artigo 1º (Objecto) Regulamento Erasmus Cap. I Disposição geral Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento rege a mobilidade de estudantes ao abrigo do Programa Erasmus/Socrates, no curso de licenciatura da Escola de Direito

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DE BAYU-UNDAN

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DE BAYU-UNDAN REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. o 3 /2003 de 1 de Julho SOBRE TRIBUTAÇÃO DOS CONTRATANTES DE BAYU-UNDAN O Tratado do Mar de Timor, assinado entre Timor-Leste e a Austrália

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Regulamento de Organização de Provas no âmbito da FPT

Regulamento de Organização de Provas no âmbito da FPT Regulamento de Organização de Provas no âmbito da FPT Preâmbulo O Calendário Oficial de Provas da FPT permite definir, em cada época desportiva, o quadro competitivo que melhor serve os interesses da FPT

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL DO DEFICIENTE POR MEIO DO AMPARO JURÍDICO

INCLUSÃO SOCIAL DO DEFICIENTE POR MEIO DO AMPARO JURÍDICO INCLUSÃO SOCIAL DO DEFICIENTE POR MEIO DO AMPARO JURÍDICO Vanessa Cristina Lourenço Casotti Ferreira da Palma Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação - PPGEdu da Faculdade de

Leia mais

Programa TEIP. Candidatura ao Fundo Social Europeu. https://www.portugal2020.pt/portal2020/ 16 e 17 de junho de 2016

Programa TEIP. Candidatura ao Fundo Social Europeu. https://www.portugal2020.pt/portal2020/ 16 e 17 de junho de 2016 Programa TEIP Candidatura ao Fundo Social Europeu https://www.portugal2020.pt/portal2020/ 16 e 17 de junho de 2016 Balcão 2020 A apresentação de candidaturas é efetuada através de formulário eletrónico

Leia mais

GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS

GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS 2008/2009 1º SEMESTRE GUIÃO DA DISCIPLINA Docentes: Anabela Mendes Moreira, Professora Adjunta NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira PREÂMBULO Os Orçamentos Participativos são símbolos de importância da participação dos cidadãos na sociedade democrática, neste sentido a Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º. 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

Bélgica-Geel: Fornecimento, instalação e manutenção de um sistema de digestão por micro-ondas de alta pressão e alta temperatura 2013/S 141-244766

Bélgica-Geel: Fornecimento, instalação e manutenção de um sistema de digestão por micro-ondas de alta pressão e alta temperatura 2013/S 141-244766 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:244766-2013:text:pt:html Bélgica-Geel: Fornecimento, instalação e manutenção de um sistema de digestão por micro-ondas

Leia mais

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Núcleo Executivo / Secretariado Técnico Rede Social Loures Aprovado na reunião de CLAS de 19.Fevereiro.2009 Objectivo Superior Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Monitorização

Leia mais

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 2015 Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 Junta de Freguesia de Fermentelos Índice NOTA JUSTIFICATIVA... 2 CAPÍTULO I... 3 Missão... 3 Artigo 1º... 3 CAPÍTULO II... 3 Objeto... 3 Artigo 2º...

Leia mais

AJUDA PREENCHIMENTO DA FICHA DE REGISTO DE FERTILIZAÇÃO

AJUDA PREENCHIMENTO DA FICHA DE REGISTO DE FERTILIZAÇÃO ÍNDICE 1. NOTA PRÉVIA... 2 2. ABERTURA DA FICHA DE REGISTO PELA PRIMEIRA VEZ... 2 2.1. No Excel 2003... 3 2.2. No Excel 2007... 4 3. ESTRUTURA GERAL... 4 4. FOLHAS CULTURA... 5 4.1. Identificação (produtor

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS

INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS Estão asseguradas as vagas dos 184 secretários municipais de saúde do Estado do Ceará, sendo necessário efetuar sua inscrição on-line no site do congresso. Havendo

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo Conselho de Faculdade da da Universidade Nova de Lisboa REGIMENTO Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Faculdade da FCM é constituído por treze membros, sendo oito docentes e investigadores, um estudante,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVINÓPOLIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVINÓPOLIS DECRETO Nº 9970 Estabelece regulamentos para a realização de consulta e audiência pública sobre o contrato de programa para a prestação de serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário

Leia mais

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL 1 INFORMAÇÃO N.º 06/2012 Trabalho Extraordinário Médico. Regime Remuneratório 1. O regime remuneratório do trabalho extraordinário médico, por referência à área hospitalar, consta, desde há muito, do Decreto-Lei

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas 1. Identificação do Candidato 1.1. Nome da pessoa/organização: 1.2. Número de identificação (BI ou CC): de / / ou

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. Estabelece procedimentos relacionados com a instrução de processos de autorização para funcionamento, alterações

Leia mais

Briefing Laboral # 18 1

Briefing Laboral # 18 1 Briefing Laboral # 18 1 CRIAÇÃO DA MEDIDA ESTÍMULO EMPREGO E ALTERAÇÃO ÀS MEDIDAS ESTÁGIO EMPREGO Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de Julho Concessão de Apoio Financeiro à celebração de contrato de Trabalho

Leia mais

Regime fiscal das fundações. Guilherme W. d Oliveira Martins FDL

Regime fiscal das fundações. Guilherme W. d Oliveira Martins FDL Regime fiscal das fundações Guilherme W. d Oliveira Martins FDL DUP e benefícios fiscais O regime fiscal das Fundações/IPSS depende da atribuição da declaração de utilidade pública a essas pessoas coletivas.

Leia mais

EDITAL N 021/2012/LETRAS-INGLÊS-EAD/UFSC PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS UAB

EDITAL N 021/2012/LETRAS-INGLÊS-EAD/UFSC PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS UAB EDITAL N 021/2012/LETRAS-INGLÊS-EAD/UFSC PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS UAB O Coordenador do curso de Letras Inglês, modalidade a distância, no uso de suas atribuições legais, torna pública a abertura

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ORIENTAÇÕES GERAIS Cada aluno deve elaborar seu relatório, mesmo que o trabalho esteja sendo desenvolvido em grupo. Os relatórios devem

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

Exposição de motivos

Exposição de motivos Exposição de motivos A diversidade e a complexidade dos tratamentos médico-dentários ampliaram a necessidade de habilitar a comunidade de doentes e a população em geral, com a informação segura sobre determinadas

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 2 Estrutura para o Teste de Software SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Vertentes

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E AGRONEGÓCIO MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº 03/2016-PGDRA

COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E AGRONEGÓCIO MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº 03/2016-PGDRA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E AGRONEGÓCIO MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº 03/2016-PGDRA ABERTURA DE INSCRIÇÃO PARA SELEÇÃO DE CANDIDATO À BOLSA DE ESTUDOS DO PROGRAMA

Leia mais

PROCESSO Nº 152/2012 PARECER CEE/PE Nº 18/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 11/03/2013 I RELATÓRIO:

PROCESSO Nº 152/2012 PARECER CEE/PE Nº 18/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 11/03/2013 I RELATÓRIO: INTERESSADO: ASSUNTO: RELATORA: PROCESSO Nº 152/2012 CEPEP - CENTRO DE PROFISSIONALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO RECIFE/PE CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA

Leia mais

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado.

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado. 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam desenvolver o turismo e outras actividades de lazer como forma de potenciar a valorização dos recursos endógenos

Leia mais

DGEstE D i r e ç ã o - G e r a l d o s E sta b e l e c i m e n t o s E s c o l a r e s

DGEstE D i r e ç ã o - G e r a l d o s E sta b e l e c i m e n t o s E s c o l a r e s Informação-Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de INGLÊS Prova Escrita 2014 2.º Ciclo do Ensino Básico 6.ºano Decreto-Lei n.º 139/2012, de 05 de julho 1. Introdução O presente documento visa

Leia mais

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSITÊNCIA TÉCNICA ANO CIVIL 2015

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSITÊNCIA TÉCNICA ANO CIVIL 2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO 160933 Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Centro CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSITÊNCIA TÉCNICA ANO CIVIL 2015 Agrupamento

Leia mais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais / 1. Princípios Gerais As instituições devem adotar uma política de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco, que evite potenciais conflitos

Leia mais

BASQUETEBOL. www.inatel.pt

BASQUETEBOL. www.inatel.pt NORMAS ESPECIFICAS www.inatel.pt NORMAS ESPECÍFICAS As normas específicas são regras estabelecidas pela Direção Desportiva, em complemento do Código Desportivo, para as provas organizadas pela Fundação

Leia mais

RENDIMENTOS DE CAPITAIS

RENDIMENTOS DE CAPITAIS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2016 R. P. 1 CATEGORIA E 2 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO DE - IRS MODELO 3 Anexo E DE CAPITAIS 3 IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S)

Leia mais

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001 Informação à Comunicação Social 27 de Dezembro de 22 Contas Económicas da Silvicultura 199 21 O Valor Acrescentado Bruto da Silvicultura decresceu,4% em termos reais, mas aumentou 35% em valor entre 199

Leia mais

COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS CRH/SES G RUPO DE G ESTÃO DE P ESSOAS NÚCLEO DE SUPORTE À G ESTÃO DE PESSOAS

COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS CRH/SES G RUPO DE G ESTÃO DE P ESSOAS NÚCLEO DE SUPORTE À G ESTÃO DE PESSOAS UNIDADE CENTRAL DE RECURSOS HUMANOS Edital de Abertura de Inscrições Nº 01/2009 CONCURSO DE PROMOÇÃO A Unidade Central de Recursos Humanos, no uso de sua competência atribuída pelo artigo 6º, do Decreto

Leia mais

Câmara Municipal de Mealhada

Câmara Municipal de Mealhada Câmara Municipal de Mealhada Normas de funcionamento dos serviços da Componente de Apoio à Família nos Estabelecimentos de Educação Pré-Escolar do Município da Mealhada NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM ABR/2013 Nº 01/ SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas MSc Engenharia do Ambiente Área de especialização Avaliação e Gestão Ambiental Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade do Algarve 1

Leia mais

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos Regulamento Do Serviço Vamos até Si 2014. Regulamento do serviço Vamos Até Si 1 Regulamento do Serviço Vamos até Si Preâmbulo Vamos até si é um serviço

Leia mais

Recensão digital Dezembro de 2013

Recensão digital Dezembro de 2013 Educação, Formação & Tecnologias (julho dezembro, 2013), 6 (2), 105 109 Recensão digital Dezembro de 2013 As ferramentas digitais do Mundo Visual http://nlstore.leya.com/asa/newsletters/ev/imagens/html/vfinal.html

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA - FAMEMA FÓRMULA SANTANDER - 2012 PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA - FAMEMA FÓRMULA SANTANDER - 2012 PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL FÓRMULA SANTANDER - 2012 O Diretor Geral da Faculdade de Medicina de Marília (Famema), Professor Doutor José Augusto Alves Ottaiano, no uso de suas atribuições, torna público este Edital de seleção de

Leia mais

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL ISEL ISEL Sessão de Apresentação no ISEL Manuel Pires Abraços 15 Novembro 2011 Apresentação O Poliempreende é um concurso de ideias e de planos de negócios que tem como objectivo avaliar e premiar projectos

Leia mais