RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:"

Transcrição

1 RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010

2 Objectivos do Estudo do Ministério da Saúde Estudo de Necessidades Previsionais de Recursos Humanos em Saúde Médicos: Caracterização e diagnóstico do universo dos médicos no SNS, no período nas dimensões demográfica, relações laborais, comparações internacionais, sistema de formação (inicial e específico) Estabelecimento de cenários prospectivos de evolução entre 2008 e 2020 estimando eventuais gaps de profissionais face às necessidades, por especialidade, região e tipologia de prestação de cuidados de saúde.

3 Recursos Humanos em Medicina Geral e Familiar Situação Actual e Perspectivas de Futuro Diagnóstico Actual Médicos

4 Médicos no SNS Nº de Efectivos Evolução do Nº de Médicos no SNS SNS Entre 2002 e 2007: nº de médicos no SNS aumentou 1,8% 2007: médicos no SNS representavam 63% dos médicos registados na Ordem dos Médicos (Continente)

5 Médicos no SNS Estrutura Etária e Género em 2007 Profissão envelhecida : 44% dos médicos tinham idade superior a 50 anos. Feminização da profissão: 55,1% dos médicos eram mulheres nos escalões etários até aos 34 anos: 1,9 mulheres por cada homem

6 Médicos no SNS Sector de Prestação de Cuidados 2007 Outros 1% CS Primários 30% CS Hospitalares 69% Entre 2002 e 2007: sector dos cuidados primários perde representatividade no número de efectivos face ao sector hospitalar (2 p.p.).

7 Médicos no SNS Sector de Prestação de Cuidados Estrutura Etária segundo o Sector (2007) Sector dos cuidados primários muito envelhecido: 71% dos clínicos em exercício tinham mais de 50 anos e apenas 9% tinham idade inferior a 35 anos. O rejuvenescimento da profissão tem-se verificado no sector hospitalar.

8 Recursos Humanos em Medicina Geral e Familiar Situação Actual e Perspectivas de Futuro Diagnóstico Actual Médicos Médicos Especialistas em Medicina Geral e Familiar

9 Evolução da MGF ( ) 3 tendências Redução do número de efectivos de MGF no SNS Envelhecimento da estrutura Aumento da feminização da profissão

10 Especialistas de MGF no SNS Evolução do Nº de Especialistas em Medicina Geral e Familiar ( ): Nº de especialistas em MGF em exercício no SNS reduziu 5% Dos especialistas em MGF em exercício em 2007, 6% não se encontravam afectos aos cuidados primários de saúde.

11 Especialistas de MGF no SNS 100,0% 80,0% 60,0% 40,0% 46,1% 53,9% 42,7% 57,3% Homens Mulheres 20,0% 0,0% Distribuição por Género Comparação ( ) Taxa de feminização dos especialistas em MGF aumentou 4,4 p.p. entre 2002 e 2007, atingindo os 57,3%

12 Especialistas de MGF no SNS e Estrutura Etária Comparação ( ): Envelhecimento da estrutura etária dos especialistas de MGF : 75,2% têm mais de 50 anos

13 Especialistas de MGF no SNS Distribuição Regional Nº ABSOLUTO DE ESPECIALISTAS EM 2007 E VARIAÇÃO 2002/07 As Regiões que mais efectivos perdem são Lisboa e o Algarve

14 Médicos de MGF no SNS Distribuição Regional RÁCIOS POPULACIONAIS REGIONAIS (Nº DE HABITANTES POR ESPECIALISTA) As regiões em que o rácio de habitantes por especialista de MGF é mais elevado são as Regiões de Lisboa e o Norte A região em esse rácio é mais reduzido é a Região Centro

15 Especialistas de MGF no SNS Existiam 519 Internos da Especialidade em Formação em (correspondendo a 9% do total dos especialistas em Medicina Geral e Familiar em exercício no SNS em 2007). Este número é insuficiente para assegurar a substituição geracional.

16 Recursos Humanos em Medicina Geral e Familiar Situação Actual e Perspectivas de Futuro Diagnóstico Actual Médicos Médicos Especialistas em Medicina Geral e Familiar Como se perspectiva o futuro?

17 Especialidade de MGF O futuro Componentes do Modelo da Oferta: Projecção do nº de vagas e do nº de licenciados em Medicina. Projecção no nº de entradas no Internato de MGF (com base na disponibilização de 30% do nº total de vagas de especialidade) e estimativa do nº de especialistas formados. Projecção do nº de saídas por aposentação por limite de idade até 2020.

18 Especialidade de MGF Modelo da Oferta no SNS O Modelo da Oferta no SNS: 2008/2020 Este modelo representa a capacidade teórica instalada de produção de especialistas pelos sistemas de formação (inicial e específico). Representa também a absorção integral pelo SNS da totalidade dos diplomados em Medicina.

19 Modelo da Oferta no SNS Capacidade teórica instalada para aumentar em 50% o quantitativo global de médicos no SNS (incluindo internos da especialidade).

20 Especialidade de MGF Modelo da Oferta no SNS Saídas por Aposentação Entradas no IM Saídas do IM Projecção do Modelo da Oferta na MGF (2008/2020): Aposentações até especialistas (59% dos profissionais de MGF do SNS); Produção de novos especialistas em MGF até

21 Especialidade de MGF Modelo da Oferta no SNS Situação em 2020 A utilização da capacidade instalada no Modelo da Oferta atinge os especialistas em MGF em 2020 (menos 2,5% do que em 2007)

22 Especialidade de MGF Modelo das Necessidades Componentes do Cenário Reforma: Baseado no processo de reestruturação dos cuidados primários em curso constituição de ACES e das unidades funcionais que os integram. Utilização de um rácio de 1 médico (especialista em MGF) por cada utentes. Projecções de evolução da população (INE).

23 Especialidade de MGF Modelo das Necessidades Situação em 2020 As necessidades de especialistas em MGF em 2020 estimam-se em profissionais. (correspondendo a um rácio de 64,5 especialistas por habitantes). Este cenário é pouco sensível a especificidades regionais (Alentejo e Algarve, p. ex.)

24 Especialidade de MGF Saldo dos Modelos Tendo em conta a capacidade de formação instalada (na base dos 30% de vagas para o Internato da especialidade), verifica-se um défice acumulado, até 2020, de 314 especialistas de MGF.

25 Recursos Humanos em Medicina Geral e Familiar Situação Actual e Perspectivas de Futuro Diagnóstico Actual Médicos Médicos de Medicina Geral e Familiar Como se perspectiva o futuro? Algumas conclusões

26 Conclusões A capacidade instalada no sistema formativo nacional, representada no Modelo da Oferta, tem potencial para satisfazer as necessidades de especialistas, gerando mesmo excedentes em todas as especialidades, com excepção da MGF e da Saúde Pública, em que se regista um défice; A afectação de 30% do número de vagas do Internato da especialidade para a MGF, mesmo num contexto de forte crescimento do nº de diplomados em medicina, é insuficiente para suprir os rácios de suporte à Reforma do Sistema de Cuidados Primários em curso; Para atingir os rácios necessários, o número de vagas de Internato Médico a atribuir à especialidade de MGF, em cada ano, teria de se situar, em média, nos 34%.

27 Conclusões A capacidade instalada no sistema formativo nacional, representada no Modelo da Oferta, tem potencial para satisfazer as necessidades de especialistas, gerando mesmo excedentes em todas as especialidades, com excepção da MGF e da Saúde Pública, em que se regista um défice; A afectação de 30% do número de vagas do Internato da especialidade para a MGF, mesmo num contexto de forte crescimento do nº de diplomados em medicina, é insuficiente para suprir os rácios de suporte à Reforma do Sistema de Cuidados Primários em curso; Para atingir os rácios necessários, o número de vagas de Internato Médico a atribuir à especialidade de MGF, em cada ano, teria de se situar, em média, nos 34%.

28 Conclusões A capacidade instalada no sistema formativo nacional, representada no Modelo da Oferta, tem potencial para satisfazer as necessidades de especialistas, gerando mesmo excedentes em todas as especialidades, com excepção da MGF e da Saúde Pública, em que se regista um défice; A afectação de 30% do número de vagas do Internato da especialidade para a MGF, mesmo num contexto de forte crescimento do nº de diplomados em medicina, é insuficiente para suprir os rácios de suporte à Reforma do Sistema de Cuidados Primários em curso; Para atingir os rácios necessários, o número de vagas de Internato Médico a atribuir à especialidade de MGF, em cada ano, teria de se situar, em média, nos 34%; Existe, no entanto, uma carência de especialistas de MGF a curto prazo, que deverá ser objecto de um plano de contingência.

29 Recursos Humanos em Medicina Geral e Familiar Situação Actual e Perspectivas de Futuro Obrigada! Paula Santana Helena Peixoto

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS

AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS Dia Mundial da Criança 1 de Junho 30 de Maio de 2005 AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS O conteúdo do presente Destaque está alterado na página 2, relativamente ao divulgado em 30-05-2005.

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 4 de Março de 2004 Dia Internacional da Mulher DIA INTERNACIONAL DA MULHER O Instituto Nacional de Estatística não quis deixar de se associar à comemoração do Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, apresentando

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação realizada para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Centro Ocidental (Alvalade, Campo Grande, S. João

Leia mais

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012 Perfil da presença feminina no tecido empresarial português Sumário executivo Em Portugal : 54,9% das empresas têm pelo menos uma mulher nos seus cargos de gestão e direcção: 44,8% têm uma equipa mista,

Leia mais

Mobilizar a Agenda dos Recursos Humanos ESPAP Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas Centro de Congressos de Lisboa

Mobilizar a Agenda dos Recursos Humanos ESPAP Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas Centro de Congressos de Lisboa Mobilizar a Agenda dos Recursos Humanos ESPAP Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas Centro de Congressos de Lisboa Joana Ramos 26 de novembro de 2014 Diagnóstico de peso excessivo

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi 13,5%

A taxa de desemprego estimada foi 13,5% 4 de fevereiro de 2015 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada foi 13,5 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2014 foi 13,5. Este valor é superior em 0,4

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

Posição da Ordem dos Médicos sobre a Faculdade de Medicina de Aveiro.

Posição da Ordem dos Médicos sobre a Faculdade de Medicina de Aveiro. Posição da Ordem dos Médicos sobre a Faculdade de Medicina de Aveiro. O novo curso de Medicina da Universidade de Aveiro não foi antecedido por um periodo de discussão pública, no qual se pudesse debater

Leia mais

RELATÓRIO DIFERENCIAÇÃO SALARIAL POR GÉNERO

RELATÓRIO DIFERENCIAÇÃO SALARIAL POR GÉNERO RELATÓRIO DIFERENCIAÇÃO SALARIAL POR GÉNERO APDL 2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA UTILIZADA... 3 3. DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS... 4 3.1. ANÁLISE QUANTITATIVA... 4 3.1.1. CARACTERIZAÇÃO GERAL...

Leia mais

Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal

Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal José Rebelo dos Santos ESCE / IPS jose.rebelo@esce.ips.pt Lisboa, 7 de outubro de 2016 Sumário: Objetivos Contextualização do desemprego

Leia mais

(112,47) ^^encia a 413,36

(112,47) ^^encia a 413,36 (112,47) ^^encia a 413,36 Este documento pretende proceder a uma análise sintética das principais variáveis sociais, económicas e demográficas do Distrito de Évora salientando os aspetos que se afiguram

Leia mais

Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates. Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse

Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates. Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse Portugal passou do 14º para o 5º lugar do ranking do desemprego

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO 1. CARACTERIZAÇÃO DA MORTALIDADE 1.1 Principais causas de morte, 2010-2013, RAM 1.2 Taxa de mortalidade padronizada (/100.000 hab), Região (RAM, RAA e Portugal), 2009 a 2012 Fonte: Estatísticas da Saúde,

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9% 05 de agosto de 2014 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9.

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 11 de outubro 2016 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 População residente Em 31 de dezembro de 2015, a população residente na Região Autónoma da Madeira (RAM) foi estimada em

Leia mais

Sérgio Antunes de Carvalho

Sérgio Antunes de Carvalho A EXPERIENCIA DE GERIR A ENFERMAGEM DA FORMAÇÃO AO CONTEXTO DA PRÁTICA DOS CUIDADOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DIFICULDADES PERCEBIDAS - Diferenças substanciais dos ACES no que se refere a políticas de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX A tendência do número de nascimentos em Portugal neste período é de um decréscimo. O período de 1975 a 1977 contraria esta evolução devido a fatores

Leia mais

Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde

Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde Capital humano principal ativo do SNS O Serviço Nacional de Saúde (SNS), apesar de muitas contrariedades, produz resultados de saúde que

Leia mais

DESTAQUE ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO ELEMENTOS AUXILIARES PONTOS FORTES PONTOS FRACOS

DESTAQUE ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO ELEMENTOS AUXILIARES PONTOS FORTES PONTOS FRACOS INDICADORES GLOBAIS DA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA 7,4% 20,4% 11,1% 25,9% 16,7% 13,0% 5,6% Indicador de Confiança dos Consumidores da região do (3º trimestre de 2003): - 41 Variação homologa do Índice

Leia mais

DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015

DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015 DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015 Luís Gardete Correia [ Diretor do Observatório Nacional da Diabetes] Prevalência da Diabetes Prevalência da Diabetes em Portugal na população no escalão 20-79 anos: Fonte:

Leia mais

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Avaliação das práticas contracetivas das mulheres em

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1%

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1% 09 de maio de 2014 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1. Este

Leia mais

CRIAÇÃO DE VALOR - A FARMÁCIA DO FUTURO - A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira

CRIAÇÃO DE VALOR - A FARMÁCIA DO FUTURO - A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira A Visão do Serviço Nacional de Saúde Uma Visão de Médico de Família Rui Nogueira Médico de Família, CS Norton de Matos Coordenador do Internato MGF

Leia mais

Censos 2011 revelam o maior excedente de alojamentos em Portugal

Censos 2011 revelam o maior excedente de alojamentos em Portugal Parque Habitacional em Portugal: Evolução na última década 2001-2011 07 de dezembro de 2012 Censos 2011 revelam o maior excedente de alojamentos em Portugal Em 2011, o número de alojamentos em Portugal

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS

ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS Licenciamento de Obras Dezembro de 2005 1 09 de Fevereiro de 2006 ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS Em Dezembro de 2005, atenuou-se a tendência decrescente da variação

Leia mais

2 Conceitos da qualidade em saúde

2 Conceitos da qualidade em saúde 2 Conceitos da qualidade Avaliação da Satisfação do Utente/Cliente Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa Qualidade clínica como a articulação de 4 elementos - Desempenho profissional (qualidade técnica)

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

1. POPULAÇÃO RESIDENTE

1. POPULAÇÃO RESIDENTE 1. POPULAÇÃO RESIDENTE No fim do ano de 2007 a estimativa da população residente de Macau era de 538 0, tendo-se verificado um aumento de 24 700 pessoas em comparação com o número estimado no fim do ano

Leia mais

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Ministério da Saúde Ministro da Saúde Luís Filipe Pereira Apresentação dos Resultados dos Hospitais SA Centro Cultural de Belém,

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] INDICADOR REGIONAL DE LISBOA LISBON INDEX A Comissão Europeia (CE) divulgou recentemente os resultados de um novo índice que produziu o Indicador Regional de Lisboa

Leia mais

Painel 2 Planeamento e Criação de Cidades Saudáveis. IV Simpósio de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis 19 de Novembro

Painel 2 Planeamento e Criação de Cidades Saudáveis. IV Simpósio de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis 19 de Novembro IV Simpósio de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis 19 de Novembro Acesso e acessibilidade aos cuidados de saúde secundários no Alto Alentejo Caso de estudo do concelho do Gavião ao hospital

Leia mais

[ ESTUDO DE EVOLUÇÃO PROSPECTIVA DE MÉDICOS NO SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE ] [Relatório Final] [Junho, 2013]

[ ESTUDO DE EVOLUÇÃO PROSPECTIVA DE MÉDICOS NO SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE ] [Relatório Final] [Junho, 2013] [ ESTUDO DE EVOLUÇÃO PROSPECTIVA DE MÉDICOS NO SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE ] [Relatório Final] [Junho, 2013] FICHA TÉCNICA Este documento foi produzido pela Universidade de Coimbra para a Ordem dos Médicos.

Leia mais

BA Balanço Social 2014

BA Balanço Social 2014 BA Balanço Social 204 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A Q U A L I F I C A Ç Ã O D O S T R A B A L H A D O R E S E M F U N Ç Õ E S P Ú B L I C A, I N A Índice. Introdução... 2 2. Aspetos a salientar... 2 3.

Leia mais

Emprego. População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011

Emprego. População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011 População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011 População Empregada, por Sexo Total Masculino Feminino 2001 2011 2001 2011 2001 2011 Portugal 4 650 947 4 361 187 2 599 088 2 275 974 2 051 859 2 085 213

Leia mais

A Madeira no Feminino

A Madeira no Feminino A Madeira no Feminino 2000-2014 ELABORAÇÃO: Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho Direção Regional do Trabalho 2 de março 2015 1 A MADEIRA NO FEMININO (indicadores de evolução 2000-2014) População

Leia mais

Demografia Médica em Portugal: Análise Prospetiva

Demografia Médica em Portugal: Análise Prospetiva Demografia Médica em Portugal: Análise Prospetiva Demography of Physicians in Portugal: Prospective Analysis Paula SANTANA 1, Helena PEIXOTO 2, Nuno DUARTE 2 Acta Med Port 2014 Mar-Apr;27(2):246-251 RESUMO

Leia mais

NORMAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO

NORMAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO NORMAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO Um Exemplo Pratico de Implementação VI CONGRESSO CIENTIFICO ANL IV JORNADAS CIENTIFICAS JIQLAC Lisboa 21 de Maio de 2016 Dulce Pascoalinho Coordenadora do Grupo Coordenador

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC Data de referência da informação: 18 de Novembro de 2016 SUMÁRIO EXECUTIVO Os cuidados de saúde primários (CSP) constituem o primeiro ponto de contacto

Leia mais

Novo Regime Jurídico do Internato Médico Decreto-Lei nº 86/2015. Novo Regulamento do Internato Médico Portaria n.º 224-B/2016

Novo Regime Jurídico do Internato Médico Decreto-Lei nº 86/2015. Novo Regulamento do Internato Médico Portaria n.º 224-B/2016 Novo Regime Jurídico do Internato Médico Decreto-Lei nº 86/2015 Novo do Internato Médico Portaria n.º 224-B/2016 ENQUADRAMENTO LEGAL Anterior REGIME JURÍDICO: Decreto-Lei n.º 203/2004 Alterado pelos: Decreto-Lei

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL FASES DO CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO: Até 1750 Regime Demográfico Primitivo Crescimento muito lento da população mundial; Taxa de mortalidade elevada; Taxa de natalidade elevada;

Leia mais

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística Variações entre os valores anuais de 2005 e 2006: +4,2% no movimento de passageiros desembarcados de voos internacionais clássicos; +38,6% movimento de passageiros desembarcados de voos low-cost; -0,8%

Leia mais

A crise e a saúde em Portugal

A crise e a saúde em Portugal A crise e a saúde em Portugal Jorge Simões Lisboa, 29 de Novembro de 2013 1 Agenda 1. Contexto político, demográfico e económico 2. Política de saúde recente 3. Desempenho do sistema 2 Agenda 1. Contexto

Leia mais

Índice. Indicadores Demográficos

Índice. Indicadores Demográficos NUT III Península de Índice Densidade Populacional... 3 Esperança de Vida à Nascença... 3 Estrutura Etária da População dos 0 aos 14 anos... 4 Estrutura Etária da População dos 15 aos 24 anos... 4 Estrutura

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Workshop O Sistema Nacional de Investigação e Inovação - Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Eduardo Brito Henriques, PhD Presidente

Leia mais

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem:

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: I - NATURAL Relacionados com condicionalismos naturais, já que a atividade agrícola está muito dependente de fatores

Leia mais

Programa de Financiamento dos Investimentos na Qualificação. das Unidades de Cirurgia de Ambulatório do SNS. Relatório de Acompanhamento

Programa de Financiamento dos Investimentos na Qualificação. das Unidades de Cirurgia de Ambulatório do SNS. Relatório de Acompanhamento Programa de Financiamento dos Investimentos na Qualificação das Unidades de Cirurgia de Ambulatório do SNS Junho 2010 I. Projectos objecto de financiamento No âmbito do Programa de Financiamento dos Investimentos

Leia mais

Investigação em serviços de saúde

Investigação em serviços de saúde Ministério da Saúde Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Investigação em serviços de saúde Cuidados de saúde primários 2011-2015 Índice Tópicos Pág. Nota inicial.... 02 Prioridades

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Brasil Setor Agroalimentar

Mercados. informação estatística. Mercado Brasil Setor Agroalimentar Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Brasil Setor Agroalimentar Outubro 2015 Índice 1. Evolução das exportações portuguesas

Leia mais

ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL: RETRATO SOCIOGRÁFICO. Mariana Gaio Alves Membro da Direção do SNESUP Patrícia Lopes Funcionária do SNESUP

ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL: RETRATO SOCIOGRÁFICO. Mariana Gaio Alves Membro da Direção do SNESUP Patrícia Lopes Funcionária do SNESUP ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL: RETRATO SOCIOGRÁFICO Mariana Gaio Alves Membro da Direção do SNESUP Patrícia Lopes Funcionária do SNESUP Gabinete de Estudos SNESUP Dezembro 2015 Sumário Executivo A evolução

Leia mais

INQUÉRITO ÀS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO DAS MICROEMPRESAS DA RAM 2006/2008

INQUÉRITO ÀS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO DAS MICROEMPRESAS DA RAM 2006/2008 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL INQUÉRITO ÀS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO DAS MICROEMPRESAS DA RAM 2006/2008 SÍNTESE DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015

Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015 Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015 A AECOPS divulga a sua análise do comportamento do mercado imobiliário residencial em 2015, detalhando a evolução das vendas de alojamentos novos e

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

Economia da Saúde. Pedro Pita Barros

Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Economia da Saúde Pedro Pita Barros Economia da saúde é um tema demasiado amplo Vamos tratar apenas de um aspecto importante, mas apenas um: Sustentabilidade financeira do Serviço Nacional de Saúde O que

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] O PIB REGIONAL UMA ANÁLISE APLICADA À REGIÃO CENTRO O Produto Interno Bruto (PIB) é um indicador habitualmente utilizado para aferir e comparar o grau de desenvolvimento

Leia mais

Liberalização do Aborto em Portugal, 4 anos depois

Liberalização do Aborto em Portugal, 4 anos depois Liberalização do Aborto em Portugal, 4 anos depois Gabinete de Estudos da F.P.V. Coordenação Francisco Vilhena da Cunha (De)crescimento populacional 110 000 108 000 106 000 104 000 1º ano em que o número

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

GUIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURRICULUM VITAE (CV)

GUIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURRICULUM VITAE (CV) GUIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURRICULUM VITAE (CV) 1 O documento designado como curriculum vitae é um misto de CV e de PERFIL DE PRÁTICA. A OM tem mais do que um modelo (publicações de 14/09/2012 e

Leia mais

O Envelhecimento em Portugal

O Envelhecimento em Portugal O Envelhecimento em Portugal Situação demográfica e sócio-económica recente das pessoas idosas I. Enquadramento geral As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto Consideram-se pessoas

Leia mais

Análise do Documento de Estratégia Orçamental junho de 2014

Análise do Documento de Estratégia Orçamental junho de 2014 Análise do Documento de Estratégia Orçamental 2014-2018 junho de 2014 Cenário macroeconómico O cenário macroeconómico apresentado parece ser equilibrado e razoavelmente prudente: Previsão de crescimento

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores da hotelaria de fevereiro de 2013

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores da hotelaria de fevereiro de 2013 Lisboa, 2 de maio de 2013 Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores da hotelaria de fevereiro de 2013 Subidas de 3,83% na OCUPAÇÃO POR QUARTO (fixou-se em 41,20%), de 2,86% no REVPAR (fixou-se

Leia mais

REUNIÃO PLENÁRIA CRSMCA Elsa Rocha

REUNIÃO PLENÁRIA CRSMCA Elsa Rocha REUNIÃO PLENÁRIA CRSMCA 20-11-2013 Elsa Rocha TERRITÓRIO 1 Distrito 16 Concelhos Área 500Km2 5,6% do território nacional UNIDADES DE SAÚDE CRSMCA 2010 Despacho 9872/2010 Hospital Portimão B2 UCF Barlavento

Leia mais

Dia Internacional da Família 15 de maio

Dia Internacional da Família 15 de maio Dia Internacional da Família 15 de maio 14 de maio de 14 (versão corrigida às 16.3H) Na 1ª página, 5º parágrafo, 3ª linha, onde se lia 15-65 anos deve ler-se 15-64 anos Famílias em Portugal As famílias

Leia mais

2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção

2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção (milhares) 2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção Durante a última década (2002-2012), o setor da Construção viveu a crise mais prolongada e intensa da sua história recente, com o ano de 2012

Leia mais

A RAA em números. Geografia

A RAA em números. Geografia 09 Foto: Espectro A RAA em números Geografia O arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas dispersas no Atlântico Norte ao longo de 600 km, segundo uma orientação noroeste-sudeste e enquadrado

Leia mais

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores A. Pesquisa Divisões territoriais: http://sig.ine.pt/viewer.htm Indicar os tipos de divisões territoriais (administrativa, estatística, outras); Indicar os itens de cada divisão administrativa (distrito,

Leia mais

Caracterização da Região Alentejo

Caracterização da Região Alentejo Reunião Plenária da Comissão Nacional com as Comissões Regionais da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente, e com as Autoridades de Saúde das Regiões Autónomas. Um contributo para a definição de

Leia mais

DEZ ANOS DE (DE)IGUALDADE DE GÉNERO NO TRABALHO E EMPREGO ( )

DEZ ANOS DE (DE)IGUALDADE DE GÉNERO NO TRABALHO E EMPREGO ( ) DEZ ANOS DE (DE)IGUALDADE DE GÉNERO NO TRABALHO E EMPREGO (2001 2011) Introdução A igualdade entre mulheres e homens é um direito fundamental que a Constituição da República Portuguesa consagra no seu

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

Resultados sob embargo até divulgação pelo JN, DN, RTP e Antena 1 no dia 5 de Março à 01h00

Resultados sob embargo até divulgação pelo JN, DN, RTP e Antena 1 no dia 5 de Março à 01h00 SONDAGEM SOBRE CRISE ECONÓMICA E REFORMA DO ESTADO CESOP/UCP PARA ANTENA 1, RTP, JN E DN Resultados sob embargo até divulgação pelo JN, DN, RTP e Antena 1 no dia 5 de Março à 01h00 0. Ficha técnica Ficha

Leia mais

Presença feminina nas empresas em Portugal

Presença feminina nas empresas em Portugal Presença feminina nas empresas em Portugal 4ª Edição, Março 2014 ESTUDO INFORMA D&B A Informa D&B, como especialista no conhecimento da informação sobre o tecido empresarial, tem vindo a acompanhar esta

Leia mais

Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema?

Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema? Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema? Sessão Clínica Hospital Fernando Fonseca Amadora - 2012 Rui Carvalho Coordenador GEPED Consulta Multidisciplinar de Pé Diabético Serviço de Endocrinologia,

Leia mais

ACES LISBOA NORTE. Planeamento do ACES de Lisboa Norte

ACES LISBOA NORTE. Planeamento do ACES de Lisboa Norte ACES LISBOA NORTE Planeamento do ACES de Lisboa Norte ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento Departamento de Instalações e Equipamentos Departamento de Gestão e Administração Geral 07-2013 Índice 1. Introdução...

Leia mais

A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA. Maputo, Dezembro de 2015

A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA. Maputo, Dezembro de 2015 MINISTÉRIO DO GÉNERO, CRIANÇA E ACÇÃO SOCIAL A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA Maputo, Dezembro de 2015 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. Introdução; 2. Situação

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE b Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Nos últimos anos o Serviço Nacional de Saúde perdeu orçamento e profissionais;

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

O Brasil possui uma população de , com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²;

O Brasil possui uma população de , com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²; A POPULAÇÃO BRASILEIRA Características Gerais O Brasil possui uma população de 191.715.083, com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²; A população brasileira ocupa o território de modo bastante irregular.

Leia mais

ÍNDICE. Efetivos por tipo de contrato. Efetivos por grupos profissionais. Efetivos por níveis de habilitações. Efetivos por níveis salariais

ÍNDICE. Efetivos por tipo de contrato. Efetivos por grupos profissionais. Efetivos por níveis de habilitações. Efetivos por níveis salariais 213 213 ÍNDICE 2 3 5 6 7 8 9 1 11 12 13 1 15 16 17 Evolução de efetivos Efetivos por tipo de contrato Efetivos por grupos profissionais Efetivos por níveis de habilitações Pirâmide etária Pirâmide de antiguidades

Leia mais

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada Responsável Monte Caparica Américo Varela Data Início Actividade 01-05-2008 CS Costa de Caparica Luís Marquês ACES Almada Data Início Modelo B 01-05-2008 ARS Lisboa e Vale do Tejo Rui Portugal Utentes

Leia mais

Plataforma / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa

Plataforma  / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa Plataforma SIM@SNS SIM@SNS / SIARS / MIM@UF 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa 1 Agenda Agenda Enquadramento Caraterização (SIM@SNS / SIARS / MIM@UF) Evolução da plataforma SIM@SNS 2 Enquadramento Plataforma

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

Liderança no Feminino Um Activo Essencial

Liderança no Feminino Um Activo Essencial Liderança no Feminino Um Activo Essencial CONFIDENCIAL E EXCLUSIVO A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da McKinsey & Company é estritamente proibida Lisboa, 15 de

Leia mais

Faça uma pergunta em goo.gl/slides/jtrgc2. Ocupação do território, emprego e demografia

Faça uma pergunta em goo.gl/slides/jtrgc2. Ocupação do território, emprego e demografia Centro Algarvio Faça uma pergunta em goo.gl/slides/jtrgc2 Ocupação do território, emprego e demografia Tendências Demográficas População Residente Em 2011 residiam 258.235 hab. (+15% face a 2001). Maiores

Leia mais

Quebras de Produção Intensificam-se

Quebras de Produção Intensificam-se Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

BALANÇO SOCIAL ANSR

BALANÇO SOCIAL ANSR BALANÇO SOCIAL ANSR 2014 1 Conteúdo I-Introdução... 2 II-Caracterização dos recursos humanos da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária a 31 de dezembro de 2014... 3 1.Relação Jurídica de emprego por

Leia mais

Aumento significativo das dormidas e proveitos

Aumento significativo das dormidas e proveitos 15 de abril de 2016 Atividade Turística Fevereiro de 2016 Aumento significativo das dormidas e proveitos A hotelaria registou 989,9 mil hóspedes e 2,6 milhões de dormidas em fevereiro de 2016, equivalendo

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais No primeiro semestre de 2008, o número de beneficiários de planos médico-assistenciais cresceu fortemente, 2,6%,

Leia mais

estatísticos, da Madeiraa

estatísticos, da Madeiraa 29 de agosto de 2014 ESTATÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 1. Sistema de Indicadores das Operações Urbanísticas (SIOU) O Sistema de Indicadores das Operações Urbanísticas

Leia mais

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos Portugal 198-1: Retrato Económico e Social em gráficos E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 15 Perante o processo de ajustamento efectuado nos últimos quatro anos, é nosso propósito mostrar e realçar que

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9% 06 de janeiro de 2015 Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego embro de A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9% A taxa de desemprego (15 a 74 anos) ajustada de sazonalidade estimada para

Leia mais

Demografia e Perspectiva Económica

Demografia e Perspectiva Económica Demografia e Perspectiva Económica Elementos para uma análise de reciprocidade em Portugal e na Europa III CONGRESSO PORTUGUÊS DE DEMOGRAFIA. 2008 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Demografia População Recursos

Leia mais

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008 Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 28 No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

4ª MAIOR ECONOMIA MUNDIAL PIB MILHÕES EUROS (2013) PIB PER CAPITA MILHÕES DE HABITANTES

4ª MAIOR ECONOMIA MUNDIAL PIB MILHÕES EUROS (2013) PIB PER CAPITA MILHÕES DE HABITANTES JAPÃO MERCADO BEBIDAS ALCOÓLICAS IVV, I.P. ABRIL 216 4ª MAIOR ECONOMIA MUNDIAL PIB 3.6 MILHÕES EUROS (213) PIB PER CAPITA 26.936 127 MILHÕES DE HABITANTES TÓQUIO 9,79 MILHÕES RESIDENTES ÁREA METROPOLITANA

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO Portugal na União Europeia Alguns indicadores estatísticos

O MERCADO DE TRABALHO Portugal na União Europeia Alguns indicadores estatísticos Informação à Comunicação Social 22 de arço de 2000 O ERCADO DE TRABALO na União Europeia Alguns indicadores estatísticos A propósito da realização, em Lisboa, a 23 e 24 de arço de 2000, da Cimeira extraordinária

Leia mais