Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados"

Transcrição

1 Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI)

2 909 camas de internamento REDE NACIONAL DE Implementação das Experiências Piloto * Mais de utentes tratados em seis meses. 5 equipas de Coordenação Regional. 115 equipas de Coordenação Local. 66 equipas de Gestão de Altas. Profissionais envolvidos na prestação de cuidados: profissionais (médicos, fisiatras, enfermeiros, terapeutas da fala, fisioterapeutas, assistentes sociais, auxiliares acção médica e directa) Profissionais envolvidos na gestão e organização da RNCCI: 600 profissionais (médicos, enfermeiros, assistentes sociais) *Novembro Maio 2007

3 Implementação das Experiências Piloto* 909 camas de internamento 56 entidades envolvidas 77 % SCM 16 % IPSS 3 % SNS 1 % Privadas Convalescença: 16 unidades de convalescença com uma capacidade total de 323 camas (36 % do total); Média Duração e Reabilitação: 17 unidades com uma capacidade de 234 camas (26 % do total); Longa Duração e Manutenção: 21 unidades com uma capacidade de 329 camas (36 % do total); Cuidados Paliativos: 3 unidades com uma capacidade de 23 camas (3 % do total). * Novembro Maio 2007

4 Referenciação para a RNCCI (entre Novembro de 2006 e Abril de 2007) casos referenciados para a RNCCI

5 Distribuição Recursos SNS por Região Algarve 5% 3% 11% Alentejo 4% 9% 13% LVT 15% 25% 37% RNCCI CENTROS DE SAÚDE HOSPITAIS Centro 30% 31% 28% Norte 26% 28% 35% N = 909 camas (experiências-piloto RNCCI) FONTE: DGS Estatística 2005

6 Relação entre População, População >65 anos, Casos referenciados para a RNCCI Algarve 4% 27% Alentejo 5% 8% 25% LVT 4% 22% 34% População Pop >65 anos Casos ref. RNCCI Centro 19% 24% Norte 8% 14% 33% FONTES: DGS Estatística 2005; GestCare

7 Entidade referenciadora para a RNCCI 65% 70% 60% 50% 40% 30% 0% 31% 4% HOSPITAL CUIDADOS SAUDE PRIMARIOS OUTROS

8 Utentes RNCCI - Distribuição por sexo 49% 51% Homens Mulheres

9 Utentes RNCCI Distribuição por faixas etárias 52% Idade mais frequente 77 anos Valor médio de idades 76 anos 17,00% 16% 2,50% 5,70% 6,50% 0,30% anos anos anos anos anos anos >90 anos

10 Distribuição de Utentes RNCCI Estado civil 50% 48% 40% 30% 18% 25% 1,50% 8% SOLTEIRO CASADO VIÚVO DIVORCIADO INDETERMINADO 0%

11 Distribuição de Utentes RNCCI Com quem vive 60% 56% 50% 40% 30% 7% 1% 1% 15% COM FAMILIA NATURAL SÓ EM INSTITUIÇÃO SEM ABRIGO OUTRO INDETERMINADO 0%

12 Distribuição de Utentes RNCCI De quem recebe apoio 70% 67% 60% 50% 43% CENTRO DE DIA FAMILIARES 40% AJUDA DOMICILIARIA TECNICOS SAUDE 30% 17% 15% 12% OUTROS SEM APOIO 6% 0%

13 Distribuição de Utentes RNCCI Tipo de apoio social 25% 15% 25% 18% 15% HIGIENE PESSOAL ALIMENTAÇÃO HIGIENE ROUPA 5% 2% HIGIENE DE CASA MEDICAMENTOS OUTROS 0%

14 Motivos de Solicitação ENSINO DOENTE/CUIDADORES 17% DEPENDÊNCIA NAS AVD 19% VIGILÂNCIA E TRATAMENTOS 41% DOENÇA CRONICA C/ EP AGUDIZAÇAO 23%

15 Distribuição de Utentes por Patologia 35% CARDIOVASCULAR (AVC) 35% 30% FRATURAS OSSEAS 25% 22% RESPIRATORIA 15% 14% 12% 5% 4% 8% ENDOCRINA (DIABETES) SENILIDADE 5% 0% NEOPLASIAS OUTRAS

16 Distribuição de utentes por Unidades e Equipas 30% 25% 15% 5% 0% 29% 24% 25% 4% 18% CONVALESCENÇA MÉDIA DURAÇÃO LONGA DURAÇÃO PALIATIVOS EQUIPAS CUIDADOS CONTINUADOS DOMICILIÁRIOS

17 Utentes com Alta Percentagem de utentes com alta da RNCCI = 40% Motivos de Alta da RNCCI 70% 65% 60% 50% 40% 30% 16% 6% 3% 0% ATINGIU OBJECT. MUDANÇA TIPOLOGIA AGUDIZAÇÃO DECISÃO PESSOAL ÓBITO

18 30% 25% Evolução da referenciação na RNCCI (% de utentes referenciados) 27% 23% 15% 5% 11% 9% 12% 18% 0% Nov-06 Dez-06 Jan-07 Fev-07 Mar-07 Abr-07

19 Taxa de ocupação das Unidades da RNCCI 80% 70% 60% 50% 53% 65% 75% 40% 30% 12% 18% 27% 0% Nov-06 Dez-06 Jan-07 Fev-07 Mar-07 Abr-07

20 Necessidade de rever e adequar as dotações de profissionais Resultados preliminares duma amostra* de entidades mostram rácios com desajustes de pessoal segundo os rácios referenciais dos contratos: Médicos Enfermeiros Auxiliares de Acção Médica e Directa Fisiatras Assistentes Sociais Nutricionistas, Dietistas, Fisoterapeutas, T. Ocupacional T. da Fala Psicólogo Rácios verificados inferiores aos contratualizados em unidades de Convalescença e Média Duração e Reabilitação Rácios verificados ajustados aos contratualizados em todas as tipologias. Rácios verificados inferiores aos contratualizados em unidades de Convalescença. Rácios verificados inferiores aos rcontratualizados em todas as tipologias. * Prestadores. RIM do mês de Fevereiro 2007 para 8 unidades de Convalescença, 7 unidades de Média D.R e 13 unidades de Longa D.M.

21 Comparticipação nos custos relativos aos internamentos na RNCCI % SS % Saúde Saúde = SS = 80 % 24% 5% 42% Unidades de Convalescença Unidades de Média D. e R. Unidades de Longa D. e M. Saúde = 71% SS = 29 % 29% Unidades de C. Paliativos Fonte: ECR, CADCON Outubro 06- Março 07

22 Preços e custos adequados Enquadramento 2007 composto por: Preços estipulados em Portaria Por utente e dia de internamento abrangendo recursos humanos e hoteleria. Pacote complementar do Ministério da Saúde Pagamento de medicamentos, exames auxiliares de diagnóstico e material de pensos para úlceras de pressão. Fonte: UMCCI

23 Hospital REDE NACIONAL DE Equipa Gestão de Altas (EGA) Detecção precoce de doentes Avaliação de necessidades Preparação da alta Proposta admissão RNCCI Equipa Coordenadora Local (ECL) Gestão das referenciações Equipa de Coordenação Regional (ECR) Unidade Missão para os CCI Prestadores da RNCCI Profissionais das unidades e equipas da RNCCI Gestão da Rede Regional Direcção e Gestão da RNCCI Gestão das respostas Gestão dos doentes Equipas Domiciliárias de CCI Centros de Saúde Gestão dos doentes Avaliação de necessidades Proposta admissão RNCCI

Relatório de monitorização do desenvolvimento e da atividade

Relatório de monitorização do desenvolvimento e da atividade Relatório de monitorização do desenvolvimento e da atividade da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º Semestre de 2012 1 INTRODUÇÃO... 7 2 IMPLEMENTAÇÃO RNCCI JUNHO 2012... 10 2.1

Leia mais

4º CONGRESSO INTERNACIONAL DOS HOSPITAIS. Profissionais de Saúde: refletir além dos números

4º CONGRESSO INTERNACIONAL DOS HOSPITAIS. Profissionais de Saúde: refletir além dos números 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DOS HOSPITAIS Envelhecimento e Saúde: Desafios em tempos de mudança Profissionais de Saúde: refletir além dos números ESPERANÇA DE VIDA À NASCENÇA OCDE PORTUGAL 80 70 60 50 40

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema?

Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema? Pé Diabético Epidemiologia Qual a dimensão do problema? Sessão Clínica Hospital Fernando Fonseca Amadora - 2012 Rui Carvalho Coordenador GEPED Consulta Multidisciplinar de Pé Diabético Serviço de Endocrinologia,

Leia mais

Contratualização em Cuidados Continuados

Contratualização em Cuidados Continuados Um Outro Olhar sobre o Hospital Contratualização em Cuidados Continuados João Amado Santa Casa da Misericórdia de Portimão RNCCI o início O Decreto-Lei nº 101/2006 criou a Rede Nacional de Cuidados Continuados

Leia mais

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL O amor á profissão pode torná-lo um bom profissional, mas só um diploma pode formar um profissional completo 1. OBJECTIVOS GERAIS O curso Profissional

Leia mais

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas N. 1/2017/CNCP/ACSS DATA: 12-01-2017 CIRCULAR NORMATIVA PARA: Instituições Hospitalares do SNS, Administrações Regionais de Saúde, IP/Agrupamentos de Centros de Saúde/Unidades Locais de Saúde, EPE ASSUNTO:

Leia mais

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Atualizado em:

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Atualizado em: Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Atualizado em: 04-09-2015 Esta informação destina-se a Pessoas que estejam em situação de dependência e necessitem de cuidados continuados de saúde

Leia mais

Atenção Domiciliar no Município do Rio de Janeiro. Germana Périssé Girlana Marano Hortense Marcier Brasília Dezembro/2013

Atenção Domiciliar no Município do Rio de Janeiro. Germana Périssé Girlana Marano Hortense Marcier Brasília Dezembro/2013 Atenção Domiciliar no Município do Rio de Janeiro Germana Périssé Girlana Marano Hortense Marcier Brasília Dezembro/2013 COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES Contratadas pelas Organizações Sociais Cada Base: 1 EMAP/2

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

O papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados

O papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados O papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados Carlos Pinto Porto, 12 de Novembro de 2015 A Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados

Leia mais

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09)

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09) R.N.C.C.I. Execução física até 31/12/2008 Capacidade da Rede Tipologia 2007 2008 Taxa Cresc. Convalescença 403 530 32,00% Média Duração e Reabilitação 646 922 43,00% Longa Duração e Manutenção 684 1325

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI)

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) INDICE I. APRESENTAÇÃO... 13 II. METODOLOGIA... 17 III. ANÁLISE DA SITUAÇÃO...

Leia mais

Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica Integrada

Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica Integrada Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica Integrada Internamento Hospitalar Francisco Sampaio Braga, 15 de outubro de 2016 Sampaio, F. (2016). Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica Integrada: Internamento

Leia mais

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E.

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Identificação da empresa Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Missão O Hospital da Senhora da Oliveira tem como missão prestar os melhores cuidados de saúde, com elevados níveis de competência,

Leia mais

Estratégia para o Desenvolvimento do Programa Nacional de Cuidados Paliativos

Estratégia para o Desenvolvimento do Programa Nacional de Cuidados Paliativos Estratégia para o Desenvolvimento do Programa Nacional de Cuidados Paliativos Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados 2011 2013 Serviço Nacional de Saúde Portugal Unidade de Missão para os Cuidados

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Relatório Contratualização em Saúde Oral Crianças e Jovens 2008 Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos Direcção de Serviços de Promoção

Leia mais

Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio Vincensi, Joares Telles Junior, Ana Cristina G. Costella, ACS.

Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio Vincensi, Joares Telles Junior, Ana Cristina G. Costella, ACS. HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETE MELLITUS: UMA ANALISE DO ACOMPANHAMENTO REALIZADO PELA EQUIPE ESF DE BOM SUCESSO DO SUL Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio

Leia mais

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2014 Março 2015

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2014 Março 2015 Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2014 Março 2015 ACSS - Departamento de Gestão da Rede de Serviços e Recursos em Saúde (DRS) Núcleo Funcional da Rede Nacional de

Leia mais

RNCCI: Sustentabilidade com Segurança

RNCCI: Sustentabilidade com Segurança Secção Regional do Sul RNCCI: Sustentabilidade com Segurança Estudo realizado pela Secção Regional do Sul junto das Unidades de Internamento da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI)

Leia mais

SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º de junho de Artigo 2.º. Portaria n.º 165/2016

SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º de junho de Artigo 2.º. Portaria n.º 165/2016 Diário da República, 1.ª série N.º 112 14 de junho de 2016 1821 SAÚDE Portaria n.º 165/2016 de 14 de junho O XXI Governo Constitucional, no seu programa para a saúde, estabelece como prioridade melhorar

Leia mais

Guia da REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) Setembro 2009 1 Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados

Guia da REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) Setembro 2009 1 Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados Guia da REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) Setembro 2009 1 Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados Índice Preâmbulo 1 2 Preâmbulo Enquadramento e organização da

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) São Julião, representada pelo seu Coordenador, Dr. José

Leia mais

Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento

Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) A UCCI presta cuidados continuados integrados a pessoas portadoras de doenças raras

Leia mais

Plataforma / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa

Plataforma  / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa Plataforma SIM@SNS SIM@SNS / SIARS / MIM@UF 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa 1 Agenda Agenda Enquadramento Caraterização (SIM@SNS / SIARS / MIM@UF) Evolução da plataforma SIM@SNS 2 Enquadramento Plataforma

Leia mais

CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Unidades de Convalescença, Reabilitação e Manutenção O Hospital SOERAD dispõe de programas de Cuidados Continuados adaptados especificamente às necessidades de cada paciente,

Leia mais

Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados

Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados Unidade de Cuidados na Comunidade-1º Ano de Vida Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados Dilma Pereira Raquel Azevedo Enfermeiras Especialistas em Enfermagem Comunitária Projecto de Enfermagem

Leia mais

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Saúde PARTE C PARTE H. Segunda-feira, 28 de novembro de 2016 Número 228. Município de Portimão

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Saúde PARTE C PARTE H. Segunda-feira, 28 de novembro de 2016 Número 228. Município de Portimão II SÉRIE Segunda-feira, 28 de novembro de 2016 Número 228 ÍNDICE SUPLEMENTO PARTE C PARTE H Saúde Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde: Despacho n.º 14311-A/2016: Aprova o Plano Estratégico

Leia mais

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários PATROCINADOR OURO Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários Isabel Hintze d Almeida MFamília- CS Povoação Isabel_h_almeida@hotmail.com 1 Sumário Qualidade em CSP Programas Regionais

Leia mais

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada Responsável Monte Caparica Américo Varela Data Início Actividade 01-05-2008 CS Costa de Caparica Luís Marquês ACES Almada Data Início Modelo B 01-05-2008 ARS Lisboa e Vale do Tejo Rui Portugal Utentes

Leia mais

A Farmácia no Sistema de Saúde

A Farmácia no Sistema de Saúde A Farmácia no Sistema de Saúde João Silveira 24 de Abril de 2008 A Farmácia O Farmacêutico O Medicamento O Doente Farmacêuticos - Competências 1. I&D, fabrico, qualidade, registo, distribuição e dispensa

Leia mais

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO ACTA Nº1/2008 ADENDA Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h Participantes: Conselho Directivo Enf. Isabel Oliveira Depart. Contratualização: Dr.ª Manuela

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR UNIMED-BH CAMILA CARNEIRO DA FONSECA Assistente Social Serviço de Atenção Domiciliar Atenção Domiciliar

Leia mais

Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica

Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica DIRECÇ GRUPO TRABALHO SOBRE PREVENÇÃO E Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica Kátia Furtado Envelhecimento: A situação actual Portuguesa representa um grave problema: 26%

Leia mais

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO GOALS OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? OBJECTIVOS - Passado: Evolução Histórica da SHT no SNS - Presente: Modelo de Gestão de SHT(Gestão de Risco) - O Futuro: uma abordagem estratégica INTRODUÇÃO

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

Encontro Ministerio da Saúde e Segurança Social. Relatório referente aos trabalhos do dia 09/08/2016 5ª Sessão dos Trabalhos

Encontro Ministerio da Saúde e Segurança Social. Relatório referente aos trabalhos do dia 09/08/2016 5ª Sessão dos Trabalhos Encontro Ministerio da Saúde e Segurança Social Relatório referente aos trabalhos do dia 09/08/2016 5ª Sessão dos Trabalhos A saúde mental nos CSP Moderadoras Dra Marina e Dra Raquel Estrela Dr José Teixeira

Leia mais

Hemato-Oncologia Pediátrica, Coordenadora da UMAD Ana Paula Fernandes Assistente Hospitalar Graduada Pediatria, Unidade de

Hemato-Oncologia Pediátrica, Coordenadora da UMAD Ana Paula Fernandes Assistente Hospitalar Graduada Pediatria, Unidade de es d n a n r la Fe u a P a An ilva S s e d esen R é r d An de nidade U, a i r t a edi MA D uada P ra da U d o a r d a G n r e ord itala ica, Co e Hosp t r t n á e i t d s i e úde A ss logia P ista Sa l

Leia mais

O coração e os Cuidados de Saúde Primários

O coração e os Cuidados de Saúde Primários O coração e os Cuidados de Saúde Primários XIX Jornadas de Cardiologia de Santarém Albertina Mendonça Óbidos, 01 de novembro 2013 Promover a articulação entre CSP e Cuidados Hospitalares Dar a conhecer

Leia mais

DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015

DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015 DIABETES: FACTOS & NÚMEROS, 2015 Luís Gardete Correia [ Diretor do Observatório Nacional da Diabetes] Prevalência da Diabetes Prevalência da Diabetes em Portugal na população no escalão 20-79 anos: Fonte:

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO 18 de Novembro 2016 ENQUADRAMENTO Hospital gerido em regime de Parceria Público-Privada, prestador de cuidados de saúde diferenciados, integrado na rede do SNS

Leia mais

ENCONTRO DE TRABALHO SOBRE SAÚDE MENTAL NA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

ENCONTRO DE TRABALHO SOBRE SAÚDE MENTAL NA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL ENCONTRO DE TRABALHO SOBRE SAÚDE MENTAL NA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL INTERVENÇÃO SOCIAL COMUNITÁRIA NO CONTEXTO DO DUPLO DIAGNÓSTICO : PRÁTICA HOSPITALAR - SERVIÇOS LOCAIS DE SAÚDE MENTAL Paula Domingos

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI)

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS PILOTO DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS (RNCCI) 27 de Julho de 2007 INDICE I. APRESENTAÇÃO... 13 II. METODOLOGIA... 17 III.

Leia mais

BETIM Leila da Cunha Meneses Maria Aparecida Rodegheri

BETIM Leila da Cunha Meneses Maria Aparecida Rodegheri INTERNAÇÃO DOMICILIAR: EXPERIÊNCIA EM UM MUNICÍPIO DE MINAS GERAIS BETIM Leila da Cunha Meneses Maria Aparecida Rodegheri Betim- Minas Gerais Dados Importantes População : 2010 (IBGE) : 378.089 Orçamento

Leia mais

Praça da República - Apartado 47, Setúbal

Praça da República - Apartado 47, Setúbal Ficha Técnica: Versão: Data: Autor: Responsável: Morada: Email: 1.0 10-03-2016 ISS,IP - Centro Distrital de Setúbal - UAD-NAGPGI (JL, CN) ISS,IP - Centro Distrital de Setúbal - UAD-NAGPGI (JR) Praça da

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

Organizar a Consulta de Pé Diabético. Ana Luisa Marques da Costa

Organizar a Consulta de Pé Diabético. Ana Luisa Marques da Costa Organizar a Consulta de Pé Diabético Ana Luisa Marques da Costa Se doente diabético, com problema no pé,deve ter acesso a cuidados do pé, por uma equipa multidisciplinar. Avaliação por equipa multidisciplinar

Leia mais

PRINCIPIOS DE CRIAÇÃO DE VALOR

PRINCIPIOS DE CRIAÇÃO DE VALOR PRINCIPIOS DE CRIAÇÃO DE VALOR - A FARMÁCIA DO FUTURO - Visão da ANF Ana Cristina Gaspar DADOS GLOBAIS EVOLUÇÃO DO MERCADO FARMACÊUTICO MERCADO MEDICAMENTOS (VALOR E VOLUME) Fonte: Sistema de Informação

Leia mais

Implementação das Precauções Básicas Experiência da ULS Matosinhos (Hospital Pedro Hispano)

Implementação das Precauções Básicas Experiência da ULS Matosinhos (Hospital Pedro Hispano) Experiência da ULS Matosinhos (Hospital Pedro Hispano) Dra. Isabel Neves Coordenadora do Grupo Coordenador Local do PPCIRA Unidade Local de Saúde de Matosinhos Lisboa, 5 de maio de 2014 Experiência do

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

DIRECTÓRIO DE COMPETÊNCIAS, NECESSIDADES FORMATIVAS, BASES PARA O PLANO DE FORMAÇÃO

DIRECTÓRIO DE COMPETÊNCIAS, NECESSIDADES FORMATIVAS, BASES PARA O PLANO DE FORMAÇÃO RELATÓRIO FINAL DIRECTÓRIO DE COMPETÊNCIAS, NECESSIDADES FORMATIVAS, BASES PARA O PLANO DE FORMAÇÃO Projecto IDENTIFICAR NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Equipa de Projecto da

Leia mais

Liberalização do Aborto em Portugal, 2 anos depois. FPV Lisboa, 10 de Fevereiro de 2009

Liberalização do Aborto em Portugal, 2 anos depois. FPV Lisboa, 10 de Fevereiro de 2009 Liberalização do Aborto em Portugal, 2 anos depois FPV Mais Aborto em Portugal O que mudou desde 2007 O que se disse 2007 Fevereiro Novembro 2008 Junho Aborto Legal, Raro e Seguro defendeu o sim O ministro

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

Hospital Sofia Feldman: compromisso com a VIDA. Florianópolis, novembro de 2013

Hospital Sofia Feldman: compromisso com a VIDA. Florianópolis, novembro de 2013 Hospital Sofia Feldman: compromisso com a VIDA. Florianópolis, novembro de 2013 Criado há 31 anos, é uma instituição filantrópica de direito privado, conveniado com o Sistema Único de Saúde, prestador

Leia mais

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 I Nota Introdutória e II Objectivos e Estratégias Com a elaboração do presente plano de actividades do Serviço Técnico Sócio Educativo de Deficientes Profundos

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE ANEXO 3 PROGRAMA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE 1. Conhecimentos sobre o SUS - Legislação da Saúde: Constituição Federal de 1988 (Título VIII - capítulo II - Seção II); Lei 8.080/90 e Lei 8.142/90; Norma

Leia mais

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Senado Federal Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Brasília, 26 de maio de 2009 Professora Dra Maria Alice Toledo Professora adjunta de Geriatria e Psiquiatria da

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS), representada pelo seu Presidente, Dr. e a Unidade de Saúde Familiar (USF), representada pelo seu Coordenador, Dr., constituída com base na homologação pelo Conselho

Leia mais

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D.

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD.indd 1 19/10/2015 15:30:04 Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD Objetivo: Fornecer suporte ao paciente para que

Leia mais

PARECER N.º 12 / 2014

PARECER N.º 12 / 2014 PARECER N.º 12 / 2014 ASSUNTO: IMPORTÂNCIA DA PRESENÇA DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS, NOMEADAMENTE NA UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE (UCC) 1. A questão Por

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas Área dos Idosos Rácios de pessoal para Serviço de Apoio Domiciliário Portaria nº38/2013, 30 de janeiro Número de Percentagem de Diretor técnico a) 1 50% 60 a) Diretor técnico pode ser comum às restantes

Leia mais

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública Prevenção e tratamento do VIH/SIDA nos migrantes e não migrantes: alguns aspectos económicos Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública (com a colaboração de Alexandre Carvalho e Helena Vaz, Coordenação

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais SETEMBRO 2016 O SUCH hoje O SUCH - Serviço de Utilização Comum dos Hospitais, é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja Missão visa promover a redução

Leia mais

Legislação Organização Escolar

Legislação Organização Escolar Legislação Organização Escolar Despacho Conjunto n.º 300/97 (2ª série), de 9 de Setembro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Define as normas que regulam a comparticipação

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

ACES ALENTEJO CENTRAL UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PLANÍCIE

ACES ALENTEJO CENTRAL UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PLANÍCIE ACES ALENTEJO CENTRAL UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PLANÍCIE Projeto de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem PREVENÇÃO DE ULCERA DO PÉ DIABÉTICO TRABALHO ELABORADO POR: Cidália Guerreiro,

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL)

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde conferidas pelo artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 127/2009,

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte: NORMA NÚMERO: 013/2016 DATA: 28/10/2016 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Regras de Prescrição de Dispositivos Médicos na Retenção/Incontinência em Idade Pediátrica e no Adulto Dispositivos médicos,

Leia mais

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 CRSMCA M. Cândida Rebelo Presidente Alda P. Luís Benvinda Bento Representante do CD Helena Cargaleiro

Leia mais

Introdução. Acções Paliativas. O mesmo que Actividades de Vida Diária. Actividades Físicas de Vida Diária (AFVD)

Introdução. Acções Paliativas. O mesmo que Actividades de Vida Diária. Actividades Físicas de Vida Diária (AFVD) GLOSSÁRIO REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Abril de 2009 1 Introdução O presente Glossário tem por objectivo clarificar e normalizar a nomenclatura de algumas termos e/ou conceitos, utilizados

Leia mais

GUIÃO DA ENTREVISTA. A Perfil sociodemográfico do cuidador informal

GUIÃO DA ENTREVISTA. A Perfil sociodemográfico do cuidador informal Data da entrevista: Numero: / / GUIÃO DA ENTREVISTA A Perfil sociodemográfico do cuidador informal 1) Género 2) Idade 3) Estado Civil Feminino Masculino 4) Composição do Agregado Familiar Anos Casado /União

Leia mais

Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL

Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL ESTRUTURA NACIONAL 02-05-2016 RNCCI 2 REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Saúde Segurança

Leia mais

Plano de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Intervenção Precoce

Plano de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Intervenção Precoce Mod46/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 8 2015 Elaborado: Ângela Madureira Data: 20.02.2015 Aprovado: Direção Data: 26.02.2015 1 Mod46/V01. Org (09.02.2015) Página 2 de 9 ÍNDICE Introdução... 3 Objetivos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO. Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO. Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE 2. GRUPO OCUPACIONAL INFRAESTRUTURA E MEIO AMBIENTE NIVEL TÉCNICO

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal foto Ordem Hospitaleira de São João de Deus Está presente nos cinco Continentes, em cerca de 55 Nações, 305 Centros Assistenciais. FUNDADA EM 1571 pelo Papa Pio V.

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Dra. Joana Alexandre Dra. Teresa Babo Dra. Sofia Moreira Introdução

Leia mais

III JORNADAS NACIONAIS DE CONTROLO DE INFECÇÃO. O Controlo da Infecção do Hospital à Comunidade

III JORNADAS NACIONAIS DE CONTROLO DE INFECÇÃO. O Controlo da Infecção do Hospital à Comunidade III JORNADAS NACIONAIS DE CONTROLO DE INFECÇÃO O Controlo da Infecção do Hospital à Comunidade ANCI Associação Nacional de Controlo de Infecção Guimarães 13 de Novembro 2009 Maria Madalena de Oliveira

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO

PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO BANCO DE VOLUNTARIADO PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO 1 ORGANIZAÇÃO FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO OBSERVATÓRIO DA CIDADANIA E INTERVENÇÃO SOCIAL 1 ABRIL 2014 10 JULHO

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16 Turma: K Professora: Maria de Fátima Martinho 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Higiene,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE PERNAMBUCO PARA 2014 RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA NÍVEL SUPERIOR

CONCURSO PÚBLICO DA SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE PERNAMBUCO PARA 2014 RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA NÍVEL SUPERIOR 01 - ANALISTA EM SAÚDE / ASSISTENTE SOCIAL I II V I I II 30 1.714 57,13 1 53 53,00 1 53 53,00 3 202 67,33 2 52 26,00 1 73 73,00 2 129 64,50 1 49 49,00 1 46 46,00 1 36 36,00 VAGAS e INSCRITOS / CARGO: 43

Leia mais

1º ENCONTRO DE CUIDADOS DOMICILIÁRIOS DA SOPRAR SORRISOS Auditório do Hotel Segredos de Vale Manso Aldeia do Mato Abrantes

1º ENCONTRO DE CUIDADOS DOMICILIÁRIOS DA SOPRAR SORRISOS Auditório do Hotel Segredos de Vale Manso Aldeia do Mato Abrantes 1º ENCONTRO DE CUIDADOS DOMICILIÁRIOS DA SOPRAR SORRISOS Auditório do Hotel Segredos de Vale Manso Aldeia do Mato Abrantes Encontros domiciliários: sopros de qualidade de vida Comissão Organizadora: Soprar

Leia mais

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Ministério da Saúde Ministro da Saúde Luís Filipe Pereira Apresentação dos Resultados dos Hospitais SA Centro Cultural de Belém,

Leia mais

UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa Sabrosa

UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa Sabrosa SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SABROSA UNIDADE DE CUIDADOS CONTINUADOS DE MÉDIA DURAÇÃO E REABILITAÇÃO UMDR de SABROSA: Avenida General Alves Pedrosa 5060-303 Sabrosa Telefones: 259 931 120 / 118 ou 259

Leia mais

ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção

ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção António Coelho Edgar Pereira 6º SEMINÁRIO PREVENÇÃO E CONTRO DA INFEÇÃO 1. A Empresa A Doce Viver Lda. Residencial Sénior, é uma empresa

Leia mais

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde MORBILIDADE HOSPITALAR SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2004 2005 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde 2004 2005 Direcção-Geral da Saúde Lisboa Maio 2007 Portugal.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO Maputo 11 de Novembro de 2015

PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO Maputo 11 de Novembro de 2015 PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO 2015-2018 Maputo 11 de Novembro de 2015 Conteúdo 1. Conceitos Básicos 2. Contextualização 3. Análise da situação e Justificação 4. Visão e

Leia mais

REUNIÃO PLENÁRIA CRSMCA Elsa Rocha

REUNIÃO PLENÁRIA CRSMCA Elsa Rocha REUNIÃO PLENÁRIA CRSMCA 20-11-2013 Elsa Rocha TERRITÓRIO 1 Distrito 16 Concelhos Área 500Km2 5,6% do território nacional UNIDADES DE SAÚDE CRSMCA 2010 Despacho 9872/2010 Hospital Portimão B2 UCF Barlavento

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

Objectivos da Qualidade

Objectivos da Qualidade Objectivos da Ano: 2008 Rev: 01 Objectivo da Aumentar adesão dos utentes ao rastreio do cancro do colo do útero cobertura (exames realizados) 4699 mulheres Aumentar adesão dos utentes ao rastreio do cancro

Leia mais

O Desafio da Promoção da Saúde no Município de Lisboa EP-PLHDS Maria Teresa Craveiro

O Desafio da Promoção da Saúde no Município de Lisboa EP-PLHDS Maria Teresa Craveiro O Desafio da Promoção da Saúde no Município de Lisboa EP-PLHDS Maria Teresa Craveiro EP-PLHDS - Equipa de Projecto do Programa Local de Habitação e Direitos Sociais Ana Cosme Ana Lúcia Antunes Ana Sofia

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais