PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G5)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G5)"

Transcrição

1 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G5) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para leitura ótica. Não se esqueça que só deve escrever na folha de respostas com esferográfica de tinta preta. Não utilize qualquer outro material na sua folha de respostas, nomeadamente lápis ou corretor branco. Sobre a mesa de trabalho devem estar, apenas, o caderno de questões e a folha de respostas. Os equipamentos eletrónicos deverão ser desligados e colocados sob a mesa, não sendo possível a sua consulta ou utilização durante a prova. FORMA DE IDENTIFICAÇÃO: Repare no espaço com o título Reservado ao candidato situado na parte inferior da folha de respostas. Escreva, nos espaços correspondentes, o seu NIF (número de identificação fiscal) e o seu Nome (completo e separado por um espaço em branco entre cada nome). Preenchimento do NIF: por baixo de cada número que escreveu, encontra colunas de quadrados, organizados de 0 a 9. Preencha, com um X, o quadrado correspondente ao dígito que escreveu no topo dessa mesma coluna, tal como é apresentado no exemplo ao lado. Não assine, nem rubrique, a folha de respostas, uma vez que a correção desta prova de conhecimentos será feita sob anonimato. FORMA DE RESPOSTA A prova que vai realizar é composta por 15 questões, de resposta múltipla, para uma cotação máxima de 7,5 valores. Cada resposta certa é valorada com 0,5 valores. A ausência de resposta, ou uma questão errada, será valorada em zero valores. Em cada pergunta, é apresentado um texto, seguido de quatro afirmações: a, b, c, d. Sugerimos que registe, inicialmente, no enunciado, a sua intenção de resposta e só a assinale na folha de respostas, quando estiver certo(a) da opção correta. Ao assinalar as suas respostas, na folha de respostas, certifique-se que não se enganou quanto à questão ou alínea que pretende assinalar como correta. Desenhe corretamente o X, no espaço adequado, para evitar a anulação das respostas, durante o processo de correção. Na folha de resposta, assinale apenas uma resposta como correta, por cada pergunta. No caso de assinalar duas opções com X, aquando da correção, essa resposta será anulada. Não faça rasuras ou correções na folha de respostas. Em caso de engano deve utilizar uma nova folha de respostas. DURAÇÃO DA PROVA A prova tem a duração de 30. BOM TRABALHO Aviso de abertura n.º Aviso n.º 11565/2014 Página 1

2 1 A Portaria n.º 82/2014, de 10 de abril veio estabelecer os critérios que permitem categorizar os serviços e estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde (SNS). As valências de cada instituição podem assumir áreas de influência direta e indiretas superiores ou inferiores às da própria instituição, de que forma: a) Por despacho do membro do governo responsável pela área da saúde, sob proposta da Administração Central do Sistema de Saúde, IP b) Por despacho do membro do governo responsável pela área das finanças, sob proposta da Administração Central do Sistema de Saúde, IP c) Por despacho do membro do governo responsável pela área das finanças, sob proposta da Administração Regional de Saúde IP, territorialmente competente d) Por despacho do membro do governo responsável pela área da saúde, sob proposta da Direção-Geral da Saúde 2 O Decreto-Lei n.º 95/95, de 9 de maio, estabelece os procedimentos a que deve obedecer a instalação de equipamento médico pesado. Nos termos deste diploma a quem compete autorizar a instalação de equipamento médico pesado? a) Ao Diretor-Geral da Saúde b) Ao Secretário de Estado da Saúde c) Ao Ministro da Saúde d) Ao Presidente do Conselho Diretivo da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) 3 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 61/95, de 8 de junho, define os equipamentos médicos pesados abrangidos pelo decreto-lei n.º 95/95, de 9 de maio, bem como os critérios de programação e distribuição territorial aplicáveis a cada um desses equipamentos. Quais os critérios aí definidos para os equipamentos de Tomografia de emissão de positrões? a) Um aparelho por cerca de habitantes b) Um aparelho por cerca de habitantes c) Um aparelho por cerca de habitantes d) Um aparelho por cerca de habitantes Página 2

3 4 Os ACES podem compreender várias unidades funcionais, entre as quais a Unidade de Saúde Pública (USP). Na área geodemográfica do ACES em que se integra a esta compete designadamente: a) Elaborar informação e planos em domínios dos cuidados continuados, proceder à vigilância epidemiológica, gerir programas de intervenção no âmbito da prevenção, promoção e proteção da saúde da população b) Elaborar informação e planos em domínios da saúde pública, proceder à vigilância epidemiológica, gerir programas de intervenção no âmbito da prevenção, promoção e proteção da saúde da população c) Elaborar informação e planos em domínios dos cuidados na comunidade, proceder à vigilância epidemiológica, gerir programas de intervenção no âmbito da prevenção da saúde da população d) Elaborar informação e planos em domínios da saúde familiar, proceder à vigilância epidemiológica, gerir programas de intervenção no âmbito da prevenção da saúde da população 5 Os Agrupamentos de Centros de Saúde, de acordo com a sua natureza jurídica, são: a) Serviços desconcentrados da Administração Central do Sistema de Saúde, I. P. (ACSS, I. P.), estando sujeitos ao seu poder de direção b) Serviços desconcentrados da respetiva Administração Regional de Saúde, I. P. (ARS, I. P.), estando sujeitos ao seu poder de direção c) Serviços desconcentrados da Direção Geral da Saúde (DGS), estando sujeitos ao seu poder de direção d) Serviços desconcentrados da respetiva Direção Regional de Saúde, I. P. (DRS, I. P.), estando sujeitos ao seu poder de direção 6 O Despacho SEAMS n.º 10319/2014 determina a estrutura do Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM) e os níveis de responsabilidade dos Serviços de Urgência (SU). Deve existir um Serviço de Urgência Polivalente (SUP) por cada: a) habitantes b) a habitantes c) a habitantes d) a habitantes Página 3

4 7 Aos Centros de Trauma (CT), enquanto polos da Rede Nacional de Trauma, compete a responsabilidade do tratamento sistematizado e definitivo do doente politraumatizado grave, estes devem assegurar a prestação de cuidados de saúde no âmbito das seguintes valências, além das obrigatórias para um SUP (Serviço de Urgência Polivalente): a) Cirurgia Maxilo facial e Cirurgia Vascular b) Neurocirurgia e Medicina Geral e Familiar c) Cirurgia Vascular e Oftalmologia d) Pediatria e Medicina Geral e Familiar 8 Segundo o seu estudo para a Carta Hospitalar, a ERS entende que a definição das áreas de influência primárias dos hospitais deve assentar-se nos seguintes pressupostos: a) Desrespeitar os limites territoriais das Administrações Regionais de Saúde (ARS I.P.) b) Considerar o concelho como unidade geográfica mínima de definição das áreas de influência, simplificando e uniformizando desta forma a definição das áreas c) Impor como limite mínimo admissível em todas as áreas de influência primárias um tempo de viagem para qualquer residente até ao hospital de 90 minutos d) Não devem existir áreas de influência primárias para os hospitais gerais 9 O Despacho do Ministro da Saúde n.º 5414/2008 define e classifica os serviços de urgência que constituem os pontos da rede de referenciação urgência/emergência. De acordo com o seu Anexo Pontos da Rede, existe um serviço de urgência polivalente (SUP) em que unidade hospitalar? a) Hospital Distrital de Abrantes, integrado no Centro Hospitalar do Médio Tejo, E.P.E. b) Hospital de S. João, atualmente integrado no Centro Hospitalar do Porto, E.P.E. c) Hospital José Joaquim Fernandes - Beja, atualmente integrado na Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, E.P.E. d) Hospital de S. Bernardo, Centro Hospitalar de Setúbal, E.P.E. Página 4

5 10 Nos termos do mesmo Despacho quem procede à planificação do transporte para e entre os pontos da Rede? a) As Administrações Regionais de Saúde, I.P. b) As Instituições Hospitalares c) O Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. d) As Câmaras Municipais 11 De acordo com o Estatuto do Serviço Nacional de Saúde (SNS), às instituições e serviços do SNS: a) Podem ser atribuídas responsabilidades nacionais ou inter-regionais, quer exercendo uma atividade de orientação e coordenação em áreas especializadas, quer na prestação de cuidados b) Podem ser atribuídas responsabilidades nacionais ou inter-regionais apenas na prestação de cuidados c) Só podem ser atribuídas responsabilidades nacionais ou inter-regionais de orientação e coordenação em áreas especializadas d) Não podem ser atribuídas responsabilidades nacionais ou inter-regionais 12 De acordo com o mesmo estatuto, o Serviço Nacional de Saúde organiza-se em: a) Distritos b) Regiões de Saúde c) Distritos e concelhos d) Concelhos Página 5

6 13 De acordo o Decreto-Lei n.º 244/2012 a celebração dos contratos-programa com os hospitais E.P.E., é precedida de autorização: a) Do membro do Governo responsável pela área das finanças b) Dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e da saúde c) Do membro do Governo responsável pela área da saúde d) Dos conselhos diretivos da Administração Central do Sistema de Saúde, I. P. e das Administrações Regionais de Saúde, I.P 14 De acordo o mesmo diploma o modelo de acompanhamento do contrato programa e os instrumentos de monitorização, acompanhamento e avaliação do desempenho assistencial de base populacional são definidos: a) Pelo membro do Governo responsável pela área das finanças b) Pelo membro do Governo responsável pela área da saúde c) Pelo conselho diretivo da Administração Regional de Saúde, I.P. d) Pelo conselho diretivo da Administração Central do Sistema de Saúde, I. P. 15 Qual destas dimensões de avaliação não é analisada no relatório de benchmarking hospitalar da Administração Central do Sistema de Saúde, I. P.? a) Acesso b) Qualidade c) Capacidade d) Produtividade FIM DA PROVA Página 6

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1)

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para

Leia mais

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G10)

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G10) PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G10) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para

Leia mais

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G2)

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G2) PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G2) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para

Leia mais

Quadro legal sobre proteção radiológica aplicado à saúde

Quadro legal sobre proteção radiológica aplicado à saúde Quadro legal sobre proteção radiológica aplicado à saúde A perspetiva de um operador privado Lisboa, setembro de 2013 João Rebelo Com a colaboração de Joana Pita Índice O regime jurídico do licenciamento

Leia mais

Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro

Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro Administração Regional de Saúde do Centro, I.P. www.arscentro.min-saude.pt I. ENQUADRAMENTO MISSÃO: Garantir à população o acesso à prestação

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: NÚMERO: 003/2016 DATA: 21/07/2016 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: SINAVElab: Registo de laboratórios para notificação laboratorial SINAVE; SINAVElab; Doenças de Declaração Obrigatória; Notificação

Leia mais

R E G U L A M E N T O. Visitas dos Delegados de Informação Médica ao Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE. Preâmbulo

R E G U L A M E N T O. Visitas dos Delegados de Informação Médica ao Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE. Preâmbulo R E G U L A M E N T O Visitas dos Delegados de Informação Médica ao Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE Preâmbulo Nos termos e para os efeitos previstos no ponto número 15 do Despacho n.º 2837/2004,

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS 1. Nos termos do subitem do Edital, as instruções constantes nos Cadernos de Questões das Provas Objetiva e Dissertativa, na

ORIENTAÇÕES GERAIS 1. Nos termos do subitem do Edital, as instruções constantes nos Cadernos de Questões das Provas Objetiva e Dissertativa, na CONCURSO PÚBLICO Edital n. 01/2009 ANALISTA DE GESTÃO E ASSISTÊNCIA À SAÚDE-AGAS NÍVEL III GRAU A ARQUITETURA / ARQUITETURA HOSPITALAR Código 501 CADERNO 1 PROVA DISSERTATIVA ATENÇÃO Leia as instruções

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 25 5 de fevereiro de Portaria n.º 53/2013

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 25 5 de fevereiro de Portaria n.º 53/2013 703 Diário da República, 1.ª série N.º 25 5 de fevereiro de 2013 Captação de Vale de Gaios Captação de Campo de Besteiros MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 53/2013 de 5 de fevereiro Captação de Covelo Considerando

Leia mais

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (com recurso à calculadora)

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (com recurso à calculadora) PROVA FINAL DO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 62/1.ª Chamada/2012 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI

Leia mais

Prova Final de Matemática. Caderno 1: 50 minutos. Tolerância: 20 minutos. 1.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 42/2.ª Fase.

Prova Final de Matemática. Caderno 1: 50 minutos. Tolerância: 20 minutos. 1.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 42/2.ª Fase. PROVA FINAL DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 42/2.ª Fase/2013 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI n.º

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS

CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS Assunto: Processo de desmaterialização da referenciação para Urgência reforço de procedimento Para: Administrações Regionais de Saúde (ARS), Hospitais

Leia mais

José Magalhães. Fevereiro de 2013

José Magalhães. Fevereiro de 2013 SESSÃO DE ESCLARECIMENTO OBRIGAÇÕES LEGAIS NO QUADRO DA LEGISLAÇÃO LABORAL José Magalhães Fevereiro de 2013 OBRIGAÇÕES DO EMPREGADOR EM MATÉRIA DE SHST O empregador deve assegurar aos trabalhadores condições

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. CONCURSO PÚBLICO Edital n. 01/2007 SES-MG ESPECIALISTA EM POLÍTICAS E GESTÃO DA SAÚDE NÚCLEO TEMÁTICO: ARQUITETURA/ENGENHARIA CIVIL Código: 203 CADERNO 1 ORIENTAÇÕES PARA A PROVA DISSERTATIVA 1. Este caderno

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

Caderno 1: 30 minutos. (com recurso à calculadora)

Caderno 1: 30 minutos. (com recurso à calculadora) Provas a Nível de Escola PROVA FINAL DO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 52/1ª Fase/2014 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de CC identificação

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Destinatários Todos Profissionais do CHL Elaboração Centro de Investigação do CHL Aprovação Conselho de Administração Assinatura (s) Responsável (eis) pela Aprovação

Leia mais

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (com recurso à calculadora)

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (com recurso à calculadora) PROVA FINAL DO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 62/1.ª Chamada/2013 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI n.º

Leia mais

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios?

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários Unidades Cuidados Comunidade: Projetos, Programas e Recursos. Desafios! Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Apresentação da: Unidade de Cuidados

Leia mais

ACES LISBOA NORTE. Planeamento do ACES de Lisboa Norte

ACES LISBOA NORTE. Planeamento do ACES de Lisboa Norte ACES LISBOA NORTE Planeamento do ACES de Lisboa Norte ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento Departamento de Instalações e Equipamentos Departamento de Gestão e Administração Geral 07-2013 Índice 1. Introdução...

Leia mais

PORTARIA Nº 210 DE 15 DE JUNHO DE 2004

PORTARIA Nº 210 DE 15 DE JUNHO DE 2004 PORTARIA Nº 210 DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, e Considerando a Portaria 1.169/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção

Leia mais

Despacho: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra

Despacho: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra IMP.PS.01.431.02 IMP.PS.01.431.03 COMUNICAÇÃO DE ABERTURA AO PÚBLICO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS EM CASO DE AUSÊNCIA DE AUTORIZAÇÃO PARA FINS TURÍSTICOS (ao abrigo do artigo 31º do Decreto-lei nº 39/2008,

Leia mais

Grelha de Correção Exame de Direito Administrativo I Turma Noite

Grelha de Correção Exame de Direito Administrativo I Turma Noite Grelha de Correção Exame de Direito Administrativo I - 2014-2015 - Turma Noite Responda, justificando, às seguintes questões: I 1. Qualifique, do ponto de vista da sua natureza jurídico-administrativa

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 12629 Despacho (extrato) n.º 5181/2013 Em conformidade com o estipulado na alínea b) do n.º 1 do artigo 37.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de fevereiro, torna -se público para os devidos efeitos que por

Leia mais

PROGRAMA CAMPOS ELECTROMAGNÉTICOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA E PLANEAMENTO

PROGRAMA CAMPOS ELECTROMAGNÉTICOS DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA E PLANEAMENTO PROGRAMA CAMPOS ELECTROMAGNÉTICOS Legislação Regulamentar referente a Planos de Monitorização e Medição, de acordo com o DL 11/2003, de 23 de Novembro. INTRODUÇÃO E CONTEXTO LEGAL O Decreto-Lei n.º 11/2003,

Leia mais

Instituto Nacional de Emergência Médica

Instituto Nacional de Emergência Médica Instituto Nacional de Emergência Médica 2016 INEM, I. P. - Instituto Nacional de Emergência Médica, I. P. Criado em 1981 Coordena, em Portugal Continental, um conjunto de entidades que prestam assistência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UNIVERSITÁRIO PROF. ALBERTO ANTUNES CONCURSO PÚBLICO FEDERAL INSTRUÇÕES GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UNIVERSITÁRIO PROF. ALBERTO ANTUNES CONCURSO PÚBLICO FEDERAL INSTRUÇÕES GERAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. ALBERTO ANTUNES CONCURSO PÚBLICO FEDERAL Cargo (Nível Médio/Técnico): TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO PROVA PRÁTICA UFAL-HUPAA/2012 CADERNO

Leia mais

Novo Regime Jurídico do Internato Médico Decreto-Lei nº 86/2015. Novo Regulamento do Internato Médico Portaria n.º 224-B/2016

Novo Regime Jurídico do Internato Médico Decreto-Lei nº 86/2015. Novo Regulamento do Internato Médico Portaria n.º 224-B/2016 Novo Regime Jurídico do Internato Médico Decreto-Lei nº 86/2015 Novo do Internato Médico Portaria n.º 224-B/2016 ENQUADRAMENTO LEGAL Anterior REGIME JURÍDICO: Decreto-Lei n.º 203/2004 Alterado pelos: Decreto-Lei

Leia mais

Síntese do Documento para informação e implementação das Provas de Aferição para Alunos e Encarregados de Educação.

Síntese do Documento para informação e implementação das Provas de Aferição para Alunos e Encarregados de Educação. Síntese do Documento para informação e implementação das Provas de Aferição para Alunos e Encarregados de Educação. Esta síntese não substitui a leitura de toda a documentação exposta e enviada electronicamente

Leia mais

7º Seminário Prevenção e Controlo de Infeção ERPI/Lares/UCCI 8 de Novembro Unidade de Saúde Publica ACES Loures/Odivelas

7º Seminário Prevenção e Controlo de Infeção ERPI/Lares/UCCI 8 de Novembro Unidade de Saúde Publica ACES Loures/Odivelas Prevenção e Controlo de Infeção ERPI/Lares/UCCI 8 de Novembro 2016 Unidade de Saúde Publica ACES Loures/Odivelas ACES Loures/Odivelas Unidade de Saúde Pública Médicos de Saúde Pública / Autoridades de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Página 1 de 9 Provas de ingresso específicas para avaliar a capacidade para a frequência do ciclo de estudos de licenciatura, pelos titulares de um diploma de especialização tecnológica, Decreto-Lei n.º

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

Deliberação n.º 2473/2007, de 28 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 247, de 24 de Dezembro de 2007)

Deliberação n.º 2473/2007, de 28 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 247, de 24 de Dezembro de 2007) Deliberação n.º 2473/2007, de 28 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 247, de 24 de Dezembro de 2007) Aprova os regulamentos sobre áreas mínimas das farmácias de oficina e sobre os requisitos de funcionamento

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

Estudo Sobre a Concorrência no. Sector das Análises Clínicas

Estudo Sobre a Concorrência no. Sector das Análises Clínicas Sumário Executivo Estudo Sobre a Concorrência no Sector das Análises Clínicas Sendo uma das atribuições da Entidades Reguladora da Saúde (ERS), nos termos do art. 6.º n.º 2 al. b) do Decreto-Lei n.º 309/2003,

Leia mais

Projeto de Portaria. Alteração à Portaria n.º 172-A/2015, de 5 de junho

Projeto de Portaria. Alteração à Portaria n.º 172-A/2015, de 5 de junho Projeto de Portaria Alteração à Portaria n.º 172-A/2015, de 5 de junho O Estatuto do Ensino Particular e Cooperativo (EEPC), aprovado pelo Decreto- Lei n.º 152/2013, de 4 de novembro, prevê, no n.º 1 do

Leia mais

Colégio de Radiologia

Colégio de Radiologia Colégio de Radiologia Inquérito para atribuição de idoneidade e capacidade formativa aos serviços Assinale com (x) ou preencha as quadrículas, quando for caso disso. Escreva com letras maiúsculas. Se necessitar,

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL Abril de Prova

EDUCAÇÃO MUSICAL Abril de Prova INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO MUSICAL Abril de 20 Prova 12 20 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de Julho) O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

Monitorização de justificações técnicas e direito de opção - registo de casos

Monitorização de justificações técnicas e direito de opção - registo de casos Monitorização de justificações técnicas e direito de opção - registo de casos Comissão de Farmácia e Terapêutica - ARS Norte Porto,10 novembro de 2014 Índice 1. Introdução.... 4 2. Metodologia.... 5 2.1

Leia mais

SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º de junho de Artigo 2.º. Portaria n.º 165/2016

SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º de junho de Artigo 2.º. Portaria n.º 165/2016 Diário da República, 1.ª série N.º 112 14 de junho de 2016 1821 SAÚDE Portaria n.º 165/2016 de 14 de junho O XXI Governo Constitucional, no seu programa para a saúde, estabelece como prioridade melhorar

Leia mais

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS Direção-Geral da Saúde 17/12/2014 1 INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno Plano:

Leia mais

ICP - Autoridade Nacional de Comunicações. Regulamento n.º XXXX/2011

ICP - Autoridade Nacional de Comunicações. Regulamento n.º XXXX/2011 ICP - Autoridade Nacional de Comunicações Regulamento n.º XXXX/2011 Metodologia de elaboração e execução dos planos de monitorização e medição dos níveis de intensidade dos campos electromagnéticos resultantes

Leia mais

Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014

Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014 Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014 Exmos Senhores, A Lei nº 50/2012 de 31 de agosto aprovou o regime jurídico da atividade empresarial local e das participações locais. A EPRM

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática PROVA FINAL DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 42/1.ª Fase/2013 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI n.º

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST?

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM

Leia mais

SERVIÇOS CENTRAIS DO INEM. INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal Lugares previstos

SERVIÇOS CENTRAIS DO INEM. INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal Lugares previstos Conselho Diretivo Proceder à gestão, disponibilização e controlo dos recursos do INEM 1 Presidente Gestão Conselho Diretivo Coadjuvar o Presidente na gestão, disponibilização e controlo dos recursos do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO MOÇÃO A. Em agosto de 2015, o Ministério da Educação e Ciência abriu um concurso de atribuição de apoio financeiro do Estado destinado à seleção das entidades proprietárias de estabelecimentos de ensino

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

PROVA MODELO Duração da prova: 120 minutos. Grupo 1 - Três questões de resposta múltipla de matemática.

PROVA MODELO Duração da prova: 120 minutos. Grupo 1 - Três questões de resposta múltipla de matemática. Página 1 de 9 Provas de ingresso específicas para avaliar a capacidade para a frequência do ciclo de estudos de licenciatura, pelos titulares de um diploma de especialização tecnológica, Decreto-Lei n.º

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática PROVA FINAL DO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 62/1.ª Chamada/2013 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI n.º

Leia mais

Informação Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Ciências Naturais

Informação Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Ciências Naturais Informação Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Ciências Naturais Prova de Ciências Naturais - 6º ano 2.º Ciclo do Ensino Básico Prova Escrita Código 02 abril / 2015 5 Páginas 1. Introdução O

Leia mais

AS REDES DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR COMO REGRAS DE ACESSO DO UTENTE AOS CUIDADOS DE SAÚDE DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE.

AS REDES DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR COMO REGRAS DE ACESSO DO UTENTE AOS CUIDADOS DE SAÚDE DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. AS REDES DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR COMO REGRAS DE ACESSO DO UTENTE AOS CUIDADOS DE SAÚDE DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Sumário Executivo No exercício das suas atribuições e competências, a Entidade Reguladora

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA

INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO 4.º ANO DE ESCOLARIDADE / MATEMÁTICA INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA INTRODUÇÃO O presente documento divulga informação relativa à prova final a nível

Leia mais

PROVAS DE AFERIÇÃO. (de acordo o Guia para Realização das Provas de Aferição 2017)

PROVAS DE AFERIÇÃO. (de acordo o Guia para Realização das Provas de Aferição 2017) ESCOLA SECUNDÁRIA INFANTA D. MARIA PROVAS DE AFERIÇÃO (de acordo o Guia para Realização das Provas de Aferição 2017) (.) 2. ÂMBITO E DESTINATÁRIOS 2.1. As provas de aferição são de aplicação universal

Leia mais

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (com recurso à calculadora)

Caderno 1: 30 minutos. Tolerância: 10 minutos. (com recurso à calculadora) PROVA FINAL DO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 62/2.ª Chamada/2012 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI

Leia mais

1ª/2ª Fase. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do programa da disciplina.

1ª/2ª Fase. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do programa da disciplina. Agrupamento de Escolas de Barrancos INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO INGLÊS maio de 2016 Prova 21 2016 1ª/2ª Fase 3.º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita + Oral

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DAS ENTIDADES PRESTADORAS DE SERVIÇOS EXTERNOS DE SAÚDE NO TRABALHO

AUTORIZAÇÃO DAS ENTIDADES PRESTADORAS DE SERVIÇOS EXTERNOS DE SAÚDE NO TRABALHO AUTORIZAÇÃO DAS ENTIDADES PRESTADORAS DE SERVIÇOS EXTERNOS DE SAÚDE NO TRABALHO DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS A ADOTAR NA ANÁLISE E DECISÃO DOS PROCESSOS Na sequência da entrada em vigor da Lei nº 102/2009, de

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática PROVA FINAL DO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 62/2.ª Chamada/2012 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI

Leia mais

MODELO ORGANIZATIVO DA REDE

MODELO ORGANIZATIVO DA REDE 2 3 MODELO ORGANIZATIVO DA REDE O modelo organizativo da Rede de Referenciação Hospitalar de Psiquiatria da Infância e da Adolescência que se apresenta procura corresponder ao preconizado no Plano Nacional

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Relatório e parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais à Proposta de Decreto Legislativo Regional - Aplicação à Região Autónoma dos Açores do Decreto-Lei nº 158/84, de 17 de Maio, que estabelece

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Código 316

ULTRASSONOGRAFIA EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Código 316 CONCURSO PÚBLICO Edital n. 01/2009 MÉDICO NÍVEL III GRAU A (RESIDÊNCIA MÉDICA / ÁREA DE ATUAÇÃO) ULTRASSONOGRAFIA EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Código 316 CADERNO 1 PROVA DISSERTATIVA ATENÇÃO Leia as instruções

Leia mais

PORTUGUÊS. Prova 01/ º Ciclo do Ensino Básico

PORTUGUÊS. Prova 01/ º Ciclo do Ensino Básico INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PORTUGUÊS Prova 01/2016 1.º Ciclo do Ensino Básico O pres ent e docum ent o divulga i nform ação rel at iva à prova de equi val ênci a à frequênci a da di

Leia mais

Guia de Orientação. SAS_GO005 - e-consultas Manual do Utilizador. Marcação de atos médicos online

Guia de Orientação. SAS_GO005 - e-consultas Manual do Utilizador. Marcação de atos médicos online data: Guia de Orientação SAS_GO005 - e-consultas Manual do Utilizador Marcação de atos médicos online Âmbito: SAS_P006 Acesso a cuidados de saúde [P074] Objetivo: Apoio ao utilizador da aplicação e-consultas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico 20/2016 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Decreto -Lei nº 17/2016, de 4 de abril Aprovado

Leia mais

Pelo Hospital Visconde de Salreu e pela manutenção da Cirurgia de Ambulatório

Pelo Hospital Visconde de Salreu e pela manutenção da Cirurgia de Ambulatório Pelo Hospital Visconde de Salreu e pela manutenção da Cirurgia de Ambulatório Com a criação do Centro Hospitalar do Baixo Vouga (CHBV), em Dezembro de 2010, os hospitais de Aveiro, Estarreja e Águeda passaram

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas N. 1/2017/CNCP/ACSS DATA: 12-01-2017 CIRCULAR NORMATIVA PARA: Instituições Hospitalares do SNS, Administrações Regionais de Saúde, IP/Agrupamentos de Centros de Saúde/Unidades Locais de Saúde, EPE ASSUNTO:

Leia mais

Regras de Utilização da Marca Centro de Referência-Portugal. Unidades Prestadoras de Cuidados do Sistema de Saúde

Regras de Utilização da Marca Centro de Referência-Portugal. Unidades Prestadoras de Cuidados do Sistema de Saúde NÚMERO: 005/2016 DATA: 11/03/2016 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Regras de Utilização da Marca Centro de Referência-Portugal Centro de Referência Unidades Prestadoras de Cuidados do Sistema

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE DIRETOR CLÍNICO

ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE DIRETOR CLÍNICO ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE DIRETOR CLÍNICO Ao abrigo do artigo 15.º, n.º 1, do Decreto-Lei n.º 184/2009, de 11 de agosto, e no uso da competência que lhe é conferida pela

Leia mais

Prova Final de Matemática 1.º Ciclo do Ensino Básico. Caderno 1: 45 minutos. Tolerância: 15 minutos. Prova 42/1.ª Fase. Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática 1.º Ciclo do Ensino Básico. Caderno 1: 45 minutos. Tolerância: 15 minutos. Prova 42/1.ª Fase. Prova Final de Matemática Prova Final de Matemática 1.º Ciclo do Ensino Básico Prova 42/1.ª Fase/2014 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura do Aluno CC

Leia mais

Região Centro. Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica. Cuidados de Saúde Primários. Unidade de Saúde Familiar Lusitana

Região Centro. Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica. Cuidados de Saúde Primários. Unidade de Saúde Familiar Lusitana Região Centro Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica Cuidados de Saúde Primários ACeS Dão Lafões Unidade de Saúde Familiar Lusitana Unidade de Saúde Familiar Viseu Cidade Unidade de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Ordem dos Médicos / Ministério da Saúde Formação Médica Pós-Graduada: Internatos Médicos CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 40/XIII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 40/XIII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 40/XIII Exposição de Motivos A aprovação de uma Lei de programação de infraestruturas e equipamentos para as Forças e Serviços de Segurança do Ministério da Administração Interna (Lei

Leia mais

PROVAS FINAIS DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO 4.º ano de escolaridade PORTUGUÊS MATEMÁTICA

PROVAS FINAIS DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO 4.º ano de escolaridade PORTUGUÊS MATEMÁTICA PROVAS FINAIS DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO 4.º ano de escolaridade PORTUGUÊS MATEMÁTICA Documento informativo para alunos e Encarregados de Educação 2013/2014 Quem as realiza? As provas serão realizadas

Leia mais

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica:

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA HISTÓRIA 2014 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga a informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

ÂMBITO: Postos de Enfermagem Unidades ou Estabelecimentos de saúde privados, abertos ao público, onde se exerça a prática de enfermagem.

ÂMBITO: Postos de Enfermagem Unidades ou Estabelecimentos de saúde privados, abertos ao público, onde se exerça a prática de enfermagem. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 86903 e 86906 CENTROS DE ENFERMAGEM ÂMBITO:

Leia mais

1. Introdução. 2. Objeto de avaliação

1. Introdução. 2. Objeto de avaliação AGRUPAMENTO ESCOLAS PROFESSOR CARLOS TEIXEIRA Código 150502 Informação - Prova Final a nível de Escola Matemática Prova 82 2016 9º Ano / 3.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho Normativo n.º 1-G/2016 art.º

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS-2º CICLO maio 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS-2º CICLO maio 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS-2º CICLO maio 2016 PROVA 06 2016 Modalidade ESCRITA /ORAL -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

1. LOCAL DE TRABALHO As funções serão exercidas nos Estabelecimentos de Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico da rede pública do Concelho do Porto.

1. LOCAL DE TRABALHO As funções serão exercidas nos Estabelecimentos de Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico da rede pública do Concelho do Porto. AVISO Código da Publicitação do Procedimento - A/ Procedimento de Seleção para recrutamento de Técnicos no âmbito do Programa de Atividades de Enriquecimento Curricular do 1.º Ciclo do Ensino Básico -

Leia mais

INSTRUÇÕES ALUNOS PROCEDIMENTOS GERAIS

INSTRUÇÕES ALUNOS PROCEDIMENTOS GERAIS PROVAS AFERIÇÃO 2016 ENSINO BÁSICO PORTUGUÊS DIA 6 DE JUNHO 14H MATEMÁTICA DIA 8 DE JUNHO 14H INSTRUÇÕES ALUNOS PROCEDIMENTOS GERAIS 1. As pautas serão afixadas com a antecedência de 48 horas relativamente

Leia mais

Este documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à Prova Final a Nível de Escola:

Este documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à Prova Final a Nível de Escola: 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova Final a Nível de Escola, nos termos das orientações gerais das condições especiais na realização de provas finais de ciclo para

Leia mais

PROVA ESCRITA E PRÁTICA (Despacho normativo n.º 5/2013, de 8 de abril)

PROVA ESCRITA E PRÁTICA (Despacho normativo n.º 5/2013, de 8 de abril) DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 DEPARTAMENTO

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO AGOSTO 2013 Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde SÍNTESE do período entre 1 e 31 de AGOSTO

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. EDUCAÇÃO MUSICAL Prova 12 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do 2.º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

Atestado médico para a Carta de Condução Formação

Atestado médico para a Carta de Condução Formação Atestado médico para a Carta de Condução Formação Agenda Enquadramento Âmbito do Projeto Modelo Funcional Processo Visão Macro Apresentação do módulo ACC do SClínico Estado AFM/AM Notificações Mensagens

Leia mais

Acordo de Colaboração

Acordo de Colaboração Acordo de Colaboração Extensão de horário das actividades de animação e de apoio à família na educação Pré-escolar nos Jardins do Agrupamento de Escolas de Samora Correia Considerando que: A Educação Pré-escolar,

Leia mais

SNS Recursos Humanos. Dados de junho de Recursos Humanos do SNS por Região. Nº total de Profissionais Nº de Médicos e Enfermeiros.

SNS Recursos Humanos. Dados de junho de Recursos Humanos do SNS por Região. Nº total de Profissionais Nº de Médicos e Enfermeiros. Recursos Humanos do SNS por Região Nº total de Profissionais Nº de Médicos e Enfermeiros 40 740 9 941 13 450 23 894 5 118 8 171 Serviços Centrais 62 42 140 Serviços Centrais 3.528 9 414 13 466 200 Médicos

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO - TURMA 2012 PROVA

Leia mais

ESTUDO DO MEIO. 1.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril)

ESTUDO DO MEIO. 1.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESTUDO DO MEIO 2016 Prova 22 2016 1.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA ( 19) HISTÓRIA MAIO 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA ( 19) HISTÓRIA MAIO 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE Escola Básica 2+3 de Santo António Escola Secundária Fernando Lopes Graça INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA ( 19) HISTÓRIA MAIO 2016 9.º ANO - 3.º

Leia mais

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E.

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Identificação da empresa Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Missão O Hospital da Senhora da Oliveira tem como missão prestar os melhores cuidados de saúde, com elevados níveis de competência,

Leia mais

1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 93/2012 (S10463-201209) Nos termos do artigo 33º.do Decreto-Lei nº. 178/2006, de 5 de Setembro, com as alterações introduzidas

Leia mais

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa MARIA JOÃO ESTORNINHO Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa TIAGO MACIEIRINHA Assistente da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito

Leia mais

Especialista em C&T Produção e Inovação em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Especialista em C&T Produção e Inovação em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES História da Saúde Internacional Especialista em C&T Produção e Inovação em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo

Leia mais

Lei n.º 122/99, de 20 de Agosto, Regula a vigilância electrónica prevista no artigo 201.º do Código de Processo Penal

Lei n.º 122/99, de 20 de Agosto, Regula a vigilância electrónica prevista no artigo 201.º do Código de Processo Penal 1/7 Lei n.º 122/99, de 20 de Agosto, Regula a vigilância electrónica prevista no artigo 201.º do Código de Processo Penal JusNet 170/1999 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 194, Série

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º xx/2012 O Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro, na redação que confere ao Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores

Leia mais