SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE"

Transcrição

1 SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DOS SERVIÇOS NÃO INTEGRADOS NO SNS Coordenação Rita Cordeiro (Chefe de Divisão) Rita Cordeiro Execução Ema Paula SIOE DIVISÃO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO

2 Índice Glossário Introdução Número de Efectivos Efectivos Portadores de Deficiência Prestações de Serviço Distribuição de efectivos por cargo/carreiras e grupos profissionais..8 4 Distribuição etária Distribuição por nível de escolaridade.11 6 Distribuição por modalidade de vinculação Síntese. 14 2

3 GLOSSÁRIO ACS Alto Comissariado da Saúde ACSS Administração Central do Sistema de Saúde ARS Administração Regional de Saúde ASST Autoridade para os Serviços de Sangue e Transplantação DGS Direcção-Geral da Saúde IDT Instituto da Droga e da Toxicodependência IGAS Inspecção-Geral das Actividade em Saúde INEM Instituto Nacional de Emergência Médica INSA Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge SGMS Secretaria-Geral do Ministério da Saúde SNS Serviço Nacional de Saúde UMCCI Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados 3

4 1. INTRODUÇÃO No âmbito da Missão da Secretaria-Geral do Ministério da Saúde, o apoio técnico e administrativo aos Gabinetes dos membros do Governo e aos demais serviços e organismos não integrados no SNS, remete-nos para uma das suas áreas de competência, designadamente a caracterização dos seus Recursos Humanos. Este estudo, outrora da competência exclusiva desta Secretaria-Geral e que englobava todos os serviços do SNS viria, por força das alterações introduzidas pelo PRACE, a transitar, em parte, para a área de competências da Administração Central do Sistema de Saúde. Deste modo, os serviços que integram o SNS passaram a ser objecto de estudo da ACSS e, os restantes, da Secretaria-Geral. Em conformidade com as suas atribuições, nomeadamente a de promover a aplicação das medidas de politica de organização e de recursos humanos definidas para a Administração Pública, coordenando e apoiando os serviços e organismos do ministério na respectiva implementação (alínea f) do nº 3 da Portaria nº 643/2007, de 30 de Maio), e a de emitir pareceres em matéria de organização, recursos humanos e criação ou alteração de quadros de pessoal dos serviços do Ministério da Saúde não integrados no Serviço Nacional de Saúde (SNS) (alínea g) do nº 3 do mesmo diploma), foi criada a Divisão de Planeamento Estratégico (DPE), através do Despacho nº 8782/2010, de 24 de Maio. No âmbito das suas competências e face às crescentes solicitações exteriores e pedidos de informação sobre os recursos humanos do Ministério da Saúde, tornou-se necessário um conhecimento mais aprofundado dos seus efectivos. Assim a DPE deu início ao presente estudo, tendo como fonte os dados obtidos do último carregamento no Sistema de Informação e Organização do Estado (SIOE), referente aos efectivos a 31/12/2010. Estes dados foram disponibilizados pelos interlocutores dos vários serviços/organismos a quem a Secretaria-Geral presta apoio nestas matérias. 4

5 2. NÚMERO DE EFECTIVOS Da análise do Quadro 1, constata-se estarmos perante um universo de 5859 efectivos, maioritariamente do género feminino, tendência apenas contrariada pelo INEM, onde o género masculino se impõe numa percentagem superior a 50% do total dos seus trabalhadores. Quanto à sua distribuição, são os Serviços da Administração Indirecta do Estado que detêm a maior percentagem (70,34%), concentrando, neste grupo, o Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT) a maior percentagem com 25,65%. Seguem-se as Administrações Regionais de Saúde com 24,2%, sendo que, neste caso, o destaque é da ARS Norte com 9,66%. Já nos serviços de Administração Directa do Estado esta percentagem desce consideravelmente para 5,22%, representando a Unidade de Missão dos Cuidados Continuados Integrados, única estrutura de missão objecto deste estudo, uma percentagem inferior a 1% (0,24%). Quadro 1 - Nº de efectivos do Ministério da Saúde por serviços/organismos segundo o género M F Total % ADMINISTRAÇÃO DIRECTA DO ESTADO ,22 SGMS ,92 ACS * ,51 ASST ,14 DGS ,18 IGAS ,47 ADMINISTRAÇÃO INDIRECTA DO ESTADO ,34 ACSS ,87 INFARMED ,58 INSA ,98 IDT ,65 INEM ,33 IPS ,93 SERVIÇOS DE ÂMBITO REGIONAL ,2 ARSNORTE ,66 ARSCENTRO ,36 ARSLVT ,99 ARSALGARVE ,83 ARSALENTEJO ,36 ESTRUTURAS DE MISSÃO ,24 UMCCI ,24 TOTAL *inclui as coordenações nacionais 5

6 2.1 Efectivos Portadores de Deficiência Importa, ainda, salientar que do total de efectivos aqui caracterizados, 1,67% são portadores de deficiência, continuando a ser, maioritariamente, do género feminino. Constata-se que todos os Serviços da Administração Indirecta do Estado têm efectivos portadores de deficiência. A Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS) e as Administrações Regionais de Saúde do Centro, Lisboa e Vale do Tejo e Alentejo são, no âmbito dos Serviços da Administração Directa do Estado e nos Serviços de Âmbito Regional, as únicas entidades que integram estes efectivos nos seus mapas de pessoal. Quadro 2 - Nº de efectivos do Ministério da Saúde portadores de deficiência M F Total ADMINISTRAÇÃO DIRECTA DO ESTADO SGMS ACS * ASST DGS IGAS ADMINISTRAÇÃO INDIRECTA DO ESTADO ACSS INFARMED INSA IDT INEM IPS SERVIÇOS DE ÂMBITO REGIONAL ARSNORTE ARSCENTRO ARSLVT ARSALGARVE ARSALENTEJO 2 2 ESTRUTURAS DE MISSÃO UMCCI TOTAL *inclui as coordenações nacionais 6

7 2.2 Prestações de Serviço No que concerne aos prestadores de serviços, cujo total é de 244, estão em regime de avença 71 e 173 em regime de tarefa. Devido à legislação actual, a prestação de serviço em regime de tarefa é uma prática pouco frequente, sendo, todavia, situações de excepção, conforme se pode constatar pela observação do Quadro 3, o INEM com o maior número (170), seguido pelo INFARMED com 3 e, por último, pela ARS Alentejo com somente 1 prestador em regime de tarefa. Conforme se verifica, nas restantes Administrações Regionais de Saúde, não se identificam quaisquer tipo de prestações de serviço, o mesmo acontecendo na ASST, na IGAS, no IDT e no INEM. As situações de avença encontram-se dispersas pelos restantes serviços, com o INFARMED a apresentar o maior número (34), que traduzem 47,89% do total. Quadro 3 - Prestações de Serviços no Ministério da Saúde Avenças Tarefas Total M F M F Total ADMINISTRAÇÃO DIRECTA DO ESTADO SGMS ACS * ASST 0 0 DGS IGAS 0 0 ADMINISTRAÇÃO INDIRECTA DO ESTADO ACSS INFARMED INSA IDT 0 0 INEM IPS SERVIÇOS DE ÂMBITO REGIONAL ARSNORTE 0 0 ARSCENTRO 0 0 ARSLVT 0 0 ARSALGARVE 0 0 ARSALENTEJO ESTRUTURAS DE MISSÃO UMCCI 1 1 TOTAL * inclui coordenações 7

8 3.Distribuição de efectivos por cargos/carreiras e grupos profissionais Conforme se pode verificar na análise dos diversos quadros e gráficos ao longo deste relatório, o género feminino apresenta-se em maioria nas diversas apresentações e cruzamento de informação, exceptuando-se esta tendência no número de dirigentes superiores, em que o género masculino se apresenta em maioria de efectivos em todos os serviços/organismos, o mesmo acontecendo com a carreira de informática. Através da análise do Gráfico 1 e do Quadro 4 podemos verificar que, em termos gerais e quantitativos, o grupo profissional com maior expressão é o dos assistentes técnicos, com uma percentagem de 27%, seguindo-se o dos técnicos superiores (24,5%) e o grupo do outro pessoal com uma percentagem de 12,6%. Este último também bastante significativo comparativamente aos demais, sendo o INEM o serviço que tem no seu mapa de pessoal a grande maioria do citado grupo. Segue-se o grupo dos assistentes operacionais com 9,7% do total de efectivos. Todavia, devido às competências específicas de cada serviço (Quadro 4), existem excepções, sendo, nestes casos, diferente a leitura desta informação, como acontece no Infarmed, INSA e IDT, onde a carreira técnica superior concentra o maior número de efectivos, à semelhança da carreira técnica de diagnóstico e terapêutica no IPS. O mesmo acontece com o pessoal de inspecção que representa para o IGAS, naturalmente, 50% dos seus efectivos. No entanto, este grupo bem como o do pessoal de investigação, são na globalidade os grupos de menor expressão. Os corpos especiais da saúde (carreiras médica, de enfermagem e técnica de diagnóstico e terapêutica) apresentam-se distribuídas com maior incidência pelos 8

9 Serviços de Administração Indirecta do Estado e pelos Serviços de Âmbito Regional. A sua presença pelos restantes serviços é dispersa e pouco significativa em termos quantitativos. Quadro 4 Distribuição dos efectivos dos diversos serviços por cargos/carreiras SGMS ACS * ASST DGS IGAS ACSS INFARMED INSA IDT INEM IPS ARSNORTE ARSCENTRO ARSLVT ARSALGARV ARSALENTEJO UMCCI TOTAL Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Dirigente Superior 2 3, ,13 3 3,49 5 2,98 5 1,53 3 0,57 7 0,47 3 0,25 6 1,5 4 0,71 4 2,03 4 1,14 3 1, ,17 1 7, ,1 Dirigente Intermédio , , ,1 2 2, ,9 28 8,56 3 0, , ,26 2 0,5 7 1,24 8 4, ,42 9 5, , ,8 Técnico Superior 15 27,8 5 16,7 1 12, ,9 5 5, , , , ,7 33 2, , , , , , ,5 4 28, ,5 Informático 2 3,70 4 3,13 3 3, ,4 5 1,53 4 0, ,26 4 0, , ,2 12 3,42 7 4, , ,7 Assistente técnico 17 31,5 7 23, , , , , , , , , , , Médico 1 3, ,5 12 9,38 1 1, ,9 96 6, , ,1 11 1,94 3 1, ,99 4 2,41 3 2, , ,6 Enfermeiro 2 6,67 5 3,91 1 0,6 1 0, , , ,3 1 0, ,42 8 4, , , ,7 TDT 1 0,78 2 0, ,3 12 0, , , , , , ,6 Pessoal Inspecção 1 3, , ,9 Pessoal Investigação 1 0, ,51 1 0,2 52 0,9 Assistente Operacional 11 20, , ,9 6 6,98 6 3,57 7 2, , , , , , ,9 1 7, ,7 Outro Pessoal 1 3,33 1 0, ,4 2 0,5 2 14, ,6 TOTAL *inclui as coordenações nacionais 9

10 4. Distribuição etária Em termos etários, verifica-se que a maior concentração dos efectivos aqui caracterizados se situa no intervalo dos 35 aos 39 anos (cerca de 18%), logo seguida, respectivamente, pelos intervalos dos 30 aos 34 anos (16,6%) e dos 40 aos 44 anos (12,8%). Figura nº 1 Numa análise por género, os homens estão maioritariamente no intervalo dos 30 aos 34 anos, enquanto as mulheres se concentram em maior número no escalão dos 35 aos 39 anos. 373 Os escalões limite apresentam apenas efectivo cada, tendo o 1 < 20anos 0 INEM os efectivos do Homens escalão inferior a 20 anos e, a ASST, os efectivos do escalão > a 70 anos > 70 anos Mulheres O INEM revela-se como sendo o serviço que apresenta maior concentração do total dos seus efectivos (404) num dos escalões etários mais baixos (dos 25 aos 29 anos). Note-se, porém, que nos Serviços de Âmbito Regional (com excepção das ARS Algarve e Alentejo) o maior número de efectivos tem idades compreendidas entre os 55 e os 59 anos, o mesmo acontecendo na DGS e na ACSS. Quadro 5 - Nº de efectivos por escalão etário segundo o serviço/organismo SGMS ACS * ASST DGS IGAS ACSS INFARMED INSA IDT INEM IPS ARSNORTE ARSCENTRO ARSLVT ARSALGARVE ARSALENTEJO UMCCI TOTAL % < 20anos 1 1 0,02% ,47% ,97% ,56% ,96% ,83% ,08% ,47% ,42% ,68% ,53% > 70 anos 1 1 0,02% TOTAL % 10

11 5. Distribuição por nível de escolaridade A licenciatura é o grau académico que identifica o maior número de efectivos, sendo a IGAS o serviço que, relativamente ao total dos seus trabalhadores, tem a maior percentagem de licenciados. Segue-se o 12º ano (25%), sendo, neste caso, o INEM que detém o maior número de efectivos com este grau de ensino (58%). No total dos 5859 efectivos aqui caracterizados, 5 não concluíram os 4 anos de escolaridade básica e pertencem aos mapas de pessoal da IGAS, do IDT e do IPS. Ao invés, 1,42% são detentores de grau de doutoramento, distribuindo-se praticamente por todos os serviços, com maior incidência no INSA, sendo excepção a SG, ASST, IGAS, INEM, ARS Centro e UMCCI. Os efectivos com habilitação superior representam 51,92% do total. Gráfico 2 - Nível de escolaridade segundo o género F M < 4 anos 4 anos 6 anos 9º ano 11º ano 12º ano Bacharelato Licenciatura Mestrado Doutoramento F M

12 6. Distribuição por modalidade de vinculação Em conformidade com o novo enquadramento jurídico da legislação laboral da Administração Pública, mais precisamente com a entrada em vigor da Lei nº 59/2008, de 11 de Setembro, que aprova o Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas, 80% dos trabalhadores encontram-se em contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado, existindo, a 31/12/2010, apenas 0,75% com o vínculo de nomeação definitiva (43 na IGAS e 1 no ACS). Os Contratos de Trabalho em Funções Públicas a termo resolutivo certo representam a segunda modalidade de vínculo mais frequente e são identificados nos serviços da Administração Indirecta do Estado (com excepção da ACSS e do Infarmed) e nas Administrações Regionais de Saúde, exceptuando-se neste grupo a ARS de Lisboa e Vale do Tejo. Esta figura jurídica tem a maior incidência no IDT (196) à semelhança do que acontece com a Comissão de Serviço no âmbito do Código do Trabalho (76). Já em Comissão de Serviço no âmbito da LVCR estão 271 efectivos, distribuídos por todos os serviços, com excepção da ARS Algarve e da UMCCI. Outra das modalidades de vinculação é o Contrato de Trabalho em Funções Públicas a termo resolutivo incerto que, conforme se depreende da análise do Gráfico 3, se apresenta com um dos números menos significativos (52), podendo ser identificada na ACSS, no Infarmed e nas Administrações Regionais do Centro, de Lisboa e Vale do Tejo e do Alentejo. Quanto aos Contratos de Trabalho no âmbito do Código do Trabalho, têm uma representatividade muito pouco expressiva e são figuras utilizadas nalguns Serviços de Administração Directa do Estado (SGMS, ACS e DGS) e na UMCCI, única figura que se 12

13 identifica nesta Estrutura de Missão, para além do Contrato de Trabalho em Funções Públicas por tempo indeterminado. Gráfico 4: Nº de efectivos por serviço/organismo segundo a modalidade de vinculação UMCCI ARSALENTEJO ARSALGARVE ARSLVT ARSCENTRO ARSNORTE IPS INEM IDT INSA INFARMED ACSS IGAS DGS ASST ACS SGMS CT em funções públicas p/tempo indeterminado CT em funções públicas a termo resolutivo certo CT em funções públicas a termo resolutivo incerto Comissão de serviço no âmbito da LVCR Comissão serviço no âmbito do Código do Trabalho Contrato trabalho no âmbito do Código do Trabalho SGMS ACS ASST DGS IGAS ACSS INFARMED INSA IDT INEM IPS ARSNORTE ARSCENTRO ARSLVT ARSALGARVEARSALENTEJO UMCCI Nomeação definitiva

14 7. SÍNTESE Da análise dos dados obtidos conclui-se que os recursos humanos dos serviços/organismos não integrados no SNS apresentam a seguinte caracterização geral: 1. O universo é maioritariamente do género feminino; 2. Os efectivos integram, na sua grande maioria, a carreira de assistente técnico seguida da carreira técnica superior; 3. A idade acentua-se no intervalo dos 35 aos 39 anos; 4. O nível académico superior de licenciatura identifica o maior número de efectivos; 5. O contrato de trabalho em funções públicas predomina no enquadramento jurídico da relação laboral; 6. O nº de portadores de deficiência é pouco significativo e está concentrado nos serviços de Administração Indirecta do Estado; 14

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE FORMAÇÃO 2010

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE FORMAÇÃO 2010 SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE FORMAÇÃO 2010 DIVISÃO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE CENTRO DE FORMAÇÃO Coordenação Rita Cordeiro

Leia mais

ANO ECONÓMICO DE 2016 BALANÇO SOCIAL MUNICÍPIO DA LOUSÃ

ANO ECONÓMICO DE 2016 BALANÇO SOCIAL MUNICÍPIO DA LOUSÃ ANO ECONÓMICO DE 2016 BALANÇO SOCIAL MUNICÍPIO DA LOUSÃ Balanço Social EXERCÍCIO 2016 NOTA INTRODUTÓRIA O Balanço Social 2016 do Município da Lousã, foi executado em conformidade com o estabelecido pelo

Leia mais

BALANÇO SOCIAL /19

BALANÇO SOCIAL /19 BALANÇO SOCIAL 2015 1/19 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 1. Organograma do IDE, IP-RAM 5 2. Distribuição global dos recursos humanos.. 6 3. Estrutura etária dos recursos humanos. 10 4. Estrutura de antiguidades.

Leia mais

Balanço Social Abril de 14

Balanço Social Abril de 14 Abril de 14 Índice Introdução... 3 BALANÇO SOCIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013... 4 1. Estrutura orgânica... 4 2. Recursos Humanos... 4 3. Caraterização do efectivo global... 5 3.1 Por estrutura jurídica...

Leia mais

Mapa de trabalhadores do IPMA por por sexo

Mapa de trabalhadores do IPMA por por sexo Distribuição por Género FEMININO 0 MASCULINO 5 Mapa de trabalhadores do IPMA por por sexo 5 0 O Mapa de Pessoal do IPMA, I.P. a 0 de outubro de 05 apresenta um total de 5 trabalhadores, sendo dividido

Leia mais

BALANÇO SOCIAL de Fevereiro de 2016

BALANÇO SOCIAL de Fevereiro de 2016 BALANÇO SOCIAL 2015 12 de Fevereiro de 2016 BALANÇO SOCIAL 2015 índice 1. INTRODUÇÃO... 2 2. IDENTIFICAÇÃO DO ORGANISMO... 3 3. PAÍNEL DE INDICADORES DE GESTÃO... 5 4. CARACTERIZAÇÃO DO EFETIVO GLOBAL...

Leia mais

LINHAS GERAIS. Lei de Vínculos, Carreiras e Remunerações (LVCR) Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro

LINHAS GERAIS. Lei de Vínculos, Carreiras e Remunerações (LVCR) Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro LINHAS GERAIS DA Lei de Vínculos, Carreiras e Remunerações (LVCR) Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro Arnaldo Azevedo 1 Quadros e carreiras Vínculos Mobilidade Regime remuneratório rio 2 Quadro de pessoal

Leia mais

BALANÇO SOCIAL ANSR

BALANÇO SOCIAL ANSR BALANÇO SOCIAL ANSR 2014 1 Conteúdo I-Introdução... 2 II-Caracterização dos recursos humanos da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária a 31 de dezembro de 2014... 3 1.Relação Jurídica de emprego por

Leia mais

BALANÇO SOCIAL

BALANÇO SOCIAL BALANÇO SOCIAL 205 Índice Índice... 2 Introdução.... Organograma... 4 2. Aspetos a salientar... 5. Caracterização dos efetivos/movimentação de recursos humanos... 5 4. Trabalhadores Segundo o Género, Estrutura

Leia mais

Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ENTIDADE. Ministério da Administração Interna. Autoridade Nacional de Proteção Civil

Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ENTIDADE. Ministério da Administração Interna. Autoridade Nacional de Proteção Civil BALANÇO SOCIAL Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro 2012 IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ENTIDADE Código SIOE: ORG00001 Ministério: Serviço / Entidade: Ministério da Administração Interna Autoridade Nacional

Leia mais

Balanço Social

Balanço Social Elaborado pela Divisão de Gestão e Consultoria de Recursos Humanos do Departamento de Recursos Humanos da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, em 19 de maio de 2015. Página 2 Índice 1. Introdução...

Leia mais

Relatório do Balanço Social do Município de Ponte de Lima. Ano 2016

Relatório do Balanço Social do Município de Ponte de Lima. Ano 2016 Relatório do Balanço Social do Município de Ponte de Lima Ano 216 Balanço Social Ano 216 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 2. RECURSOS HUMANOS... 5 2.1 Contagem dos trabalhadores por cargo/carreira segundo a modalidade

Leia mais

Balanço Social Direção-Geral da Saúde

Balanço Social Direção-Geral da Saúde Balanço Social 2011 Direção-Geral da Saúde ÍNDICE GERAL I - INTRODUÇÃO 3 II A DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE 5 UNIDADES ORGÂNICAS 5 UNIDADES DE APOIO 5 MISSÃO, VISÃO E VALORES 6 LEGISLAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO INTERNA:

Leia mais

BALANÇO SOCIAL Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro

BALANÇO SOCIAL Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro BALANÇO SOCIAL Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro 2016 IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ENTIDADE Código SIOE: 090310000 Ministério: Serviço / Entidade: Trabalho, Solidariedade e Segurança Social Instituto

Leia mais

Perfil do Docente 2007/08

Perfil do Docente 2007/08 Perfil do Docente 2007/08 93 PERFIL DO DOCENTE 2009/2010 1 Índice FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2009/2010 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2009 1/14

BALANÇO SOCIAL 2009 1/14 BALANÇO SOCIAL 2009 1/14 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Organograma do IDE-RAM 2. Distribuição global dos recursos humanos 3. Estrutura etária dos recursos humanos 4. Estrutura de antiguidades 5. Estrutura habilitacional

Leia mais

RELATÓRIO DIFERENCIAÇÃO SALARIAL POR GÉNERO

RELATÓRIO DIFERENCIAÇÃO SALARIAL POR GÉNERO RELATÓRIO DIFERENCIAÇÃO SALARIAL POR GÉNERO APDL 2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA UTILIZADA... 3 3. DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS... 4 3.1. ANÁLISE QUANTITATIVA... 4 3.1.1. CARACTERIZAÇÃO GERAL...

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

BA Balanço Social 2014

BA Balanço Social 2014 BA Balanço Social 204 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A Q U A L I F I C A Ç Ã O D O S T R A B A L H A D O R E S E M F U N Ç Õ E S P Ú B L I C A, I N A Índice. Introdução... 2 2. Aspetos a salientar... 2 3.

Leia mais

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE Sistema de Informação de Apoio à Gestão das Organizações da Sociedade Civil Direcção de Serviços de Prevenção e Controlo de Doenças Divisão

Leia mais

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 909 camas de internamento REDE NACIONAL DE Implementação das Experiências Piloto * Mais de 1.400 utentes tratados em seis meses. 5 equipas de Coordenação

Leia mais

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L Mapa de Pessoal para o Ano de 0 - artigos 4.º e 5.º da Lei n.º -A/008 Unidades s/subunidades s Cargo/carreira /categoria Chefe de divisão - Dirigente intermédio

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2009/2010 Física e química

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2009/2010 Física e química PERFIL DO DOCENTE 2009/2010 FÍSICA E QUÍMICA 1 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2009/2010 Física e química Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato 206 490 688 CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Carreira

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1. a série N. o de Outubro de

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1. a série N. o de Outubro de Diário da República, 1. a série N. o 208 27 de Outubro de 2006 7517 Artigo 39. o Externalização 1 O Observatório do Emprego e Formação Profissional é transferido para o Conselho Económico e Social, nos

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Carreira Categoria

Leia mais

Balanço Social Índice

Balanço Social Índice Índice ENQUADRAMENTO LEGAL, MISSÃO E ATRIBUIÇÕES DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 2 ORGANOGRAMA DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 7 RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO E GRUPOS PROFISSIONAIS... 9 HABILITAÇÕES ACADÉMICAS...

Leia mais

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 CRSMCA M. Cândida Rebelo Presidente Alda P. Luís Benvinda Bento Representante do CD Helena Cargaleiro

Leia mais

Autoridade Nacional de Proteção Civil BALANÇO SOCIAL

Autoridade Nacional de Proteção Civil BALANÇO SOCIAL Autoridade Nacional de Proteção Civil BALANÇO SOCIAL 2014 ÍNDICE Introdução... 3 I Caracterização dos recursos humanos da ANPC... 4 1. Caracterização do efetivo... 4 2. Relação jurídica de emprego... 5

Leia mais

RIO CORGO MAYA KOSA & SÉRGIO DA COSTA O SOM E A FÚRIA

RIO CORGO MAYA KOSA & SÉRGIO DA COSTA O SOM E A FÚRIA RIO CORGO MAYA KOSA & SÉRGIO DA COSTA O SOM E A FÚRIA BALANÇO SOCIAL 2015 ÍNDICE Página I. NOTA INTRODUTÓRIA 3 II. ORGANIGRAMA 3 III. BALANÇO SOCIAL 3 III.1 Recursos Humanos 4 III.2 Remunerações e Encargos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro 2010 IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ENTIDADE Código 2437 Serviço / Entidade: Ministério da Saúde Instituto Nacional de Emergência Médica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE UNIDADES DE CUIDADOS NA COMUNIDADE

ASSOCIAÇÃO DE UNIDADES DE CUIDADOS NA COMUNIDADE Ofício nº: 03/2016 Data: 04/01/2016 Assunto: Parecer sobre nomeação para cargos de chefia, de enfermeiros coordenadores de UCC, conforme o Decreto-lei nº 248/2009, de 22 de setembro, A AUCC teve conhecimento

Leia mais

Estrutura de mapa de pessoal (exemplo) - Artigo 5.º LVCR

Estrutura de mapa de pessoal (exemplo) - Artigo 5.º LVCR - - - - 2 Medicina/ Administrador Hospitalar 2 Planeamento e gestão QUAR do Ministério Direção Apoio jurídico Direção 1 TDT 1 Direção 1 Gestão 1 Direção 1 Medicina - Biologia/Microbiologia 1 Direção 1

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A DIFERENÇA SALARIAL ENTRE HOMENS E MULHERES

RELATÓRIO SOBRE A DIFERENÇA SALARIAL ENTRE HOMENS E MULHERES RELATÓRIO SOBRE A DIFERENÇA SALARIAL ENTRE HOMENS E MULHERES Divisão de Gestão de Recursos Humanos Direção de Recursos ÍNDICE Introdução... 3 Finalidade do relatório... 4 Diferenciações Salariais uma análise

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS DL 659/2008 2008.11.14 A Lei 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, que consagra os regimes de vinculação, de carreiras e remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas vem estabelecer novos e mais

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE DIPLOMADOS NO ENSINO SUPERIOR, POR DISTRITO E POR NUTS II: de a

EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE DIPLOMADOS NO ENSINO SUPERIOR, POR DISTRITO E POR NUTS II: de a EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE DIPLOMADOS NO ENSINO SUPERIOR, POR DISTRITO E POR NUTS II: de 1997-1998 a 2004-2005 OCES Observatório da Ciência e do Ensino Superior 2007 Evolução do número de diplomados no ensino

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Carreira Categoria

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO PESSOAL NÃO DOCENTE

FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO PESSOAL NÃO DOCENTE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO PESSOAL NÃO DOCENTE ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO E ENSINO NÃO SUPERIOR DIRECÇÃO GERAL DOS RECURSOS HUMANOS DA EDUCAÇÃO DIVISÃO DE APOIO À FORMAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde ANO: 2013 Ministério da Saúde NOME DO ORGANISMO - Secretaria-Geral do Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO A Secretaria-Geral do Ministério da Saúde (SGMS) tem por missão assegurar o apoio técnico e

Leia mais

RELATÓRIO PERFIL DO TRABALHADOR NO SETOR DA ÁGUA

RELATÓRIO PERFIL DO TRABALHADOR NO SETOR DA ÁGUA RELATÓRIO PERFIL DO TRABALHADOR NO SETOR DA ÁGUA 29/213 NOTA INTRODUTÓRIA A APDA - Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas - tem desenvolvido vários estudos e atividades no âmbito do

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato A preencher pela entidade empregadora CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato 5-2011 CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Carreira Assistente

Leia mais

Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR

Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR A fixação dos critérios da ponderação curricular, bem como a respectiva valoração é feita por grupo profissional,

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicação do procedimento Código de candidato Preencher um número em cada quadrícula A preencher pela

Leia mais

Apresentação do Orçamento do SNS

Apresentação do Orçamento do SNS Apresentação do Orçamento do SNS 2010 ÍNDICE 1. Evolução da Dotação Inicial do SNS 2. Execução Económico-Financeira do SNS (2008 a 2010 - Estimativa) - Apresentação Tradicional 3. Execução Económico-Financeira

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Ordem dos Médicos / Ministério da Saúde Formação Médica Pós-Graduada: Internatos Médicos CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

MUNICÍPIO DE CORUCHE SECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

MUNICÍPIO DE CORUCHE SECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS MUNICÍPIO DE CORUCHE SECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato A preencher

Leia mais

SERVIÇOS CENTRAIS DO INEM. INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal Lugares previstos

SERVIÇOS CENTRAIS DO INEM. INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal Lugares previstos Conselho Diretivo Proceder à gestão, disponibilização e controlo dos recursos do INEM 1 Presidente Gestão Conselho Diretivo Coadjuvar o Presidente na gestão, disponibilização e controlo dos recursos do

Leia mais

ÍNDICE I - IDENTIFICAÇÃO... 3 II CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS... 5

ÍNDICE I - IDENTIFICAÇÃO... 3 II CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS... 5 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 I - IDENTIFICAÇÃO... 3 II CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS... 5 1. CONTAGEM DOS TRABALHADORES ANOS POR GRUPO PROFISSIONAL, MODALIDADE DE VINCULAÇÃO E GÉNERO... 5 1.1 TOTAL DE

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Referência a que se candidata 1 Código de candidato A preencher pela entidade

Leia mais

Quadro legal sobre proteção radiológica aplicado à saúde

Quadro legal sobre proteção radiológica aplicado à saúde Quadro legal sobre proteção radiológica aplicado à saúde A perspetiva de um operador privado Lisboa, setembro de 2013 João Rebelo Com a colaboração de Joana Pita Índice O regime jurídico do licenciamento

Leia mais

MUNICÍPIO DE BRAGANÇA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

MUNICÍPIO DE BRAGANÇA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Carreira Categoria

Leia mais

Município de Arraiolos

Município de Arraiolos FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato A preencher pela entidade empregadora CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

Boletim Informativo Recursos Humanos Estrangeiros No Ministério da Saúde - Atualização de dados ( )

Boletim Informativo Recursos Humanos Estrangeiros No Ministério da Saúde - Atualização de dados ( ) Boletim Informativo Recursos Humanos Estrangeiros No Ministério da Saúde - Atualização de dados (2011 2015) 27 de maio de 2016 ÍNDICE Sumário Executivo...4 I Evolução e Caracterização dos Recursos Humanos

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Relatório Contratualização em Saúde Oral Crianças e Jovens 2008 Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos Direcção de Serviços de Promoção

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato A preencher pela entidade empregadora CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

Data de nascimento Sexo: Masculino Feminino

Data de nascimento Sexo: Masculino Feminino FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Carreira Categoria

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Governo Regional Vice-Presidência

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Governo Regional Vice-Presidência Parecer: Despacho: Deste parecer resultam entendimentos passíveis de: FAQ s? Anotação de diploma? Publicação na Web? X Elaboração de Circular? Informação n.º 89 Proc. 7.1.10 Data 2010/ 05/ 05 Assunto:

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES. Maio de 2004

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES. Maio de 2004 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES 3 Maio de 4 I INTRODUÇÃO As reclamações como indicador da qualidade das unidades prestadoras de cuidados, quer

Leia mais

Boletim informativo RECURSOS HUMANOS ESTRANGEIROS NO MINISTÉRIO DA SAÚDE ATUALIZAÇÃO DE DADOS ( )

Boletim informativo RECURSOS HUMANOS ESTRANGEIROS NO MINISTÉRIO DA SAÚDE ATUALIZAÇÃO DE DADOS ( ) Boletim informativo RECURSOS HUMANOS ESTRANGEIROS NO MINISTÉRIO DA SAÚDE ATUALIZAÇÃO DE DADOS (2011-2016) ÍNDICE Índice Sumário executivo... 7 1. Evolução e caracterização dos recursos humanos estrangeiros

Leia mais

FAQ. 1. Qual o âmbito de aplicação pessoal da portaria n.º 242/2011, de 21 de junho?

FAQ. 1. Qual o âmbito de aplicação pessoal da portaria n.º 242/2011, de 21 de junho? FAQ SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA CARREIRA ESPECIAL DE ENFERMAGEM I. Enquadramento 1. Quais os instrumentos legais aplicáveis ao SIADAP dos enfermeiros? Ao SIADAP dos enfermeiros aplicam-se os

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DA MOBILIDADE GERAL

ALTERAÇÕES AO REGIME DA MOBILIDADE GERAL mobilidade geral encontra-se regulada nos artigos 59.º a 65.º da Lei nº 12-/2008, de 27 de fevereiro (LVCR), que define e regula os regimes de vinculação de carreiras e de remunerações dos trabalhadores

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE COIMBRA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

CÂMARA MUNICIPAL DE COIMBRA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento: BEP / Entidade que realiza o procedimento: Câmara Municipal de Coimbra CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL Código da publicitação do procedimento Código de candidato (número oferta BEPA)ERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Carreira Categoria Área de atividade indeterminado

Leia mais

ESTATÍSTICAS SOBRE CRIMES RODOVIÁRIOS ( )

ESTATÍSTICAS SOBRE CRIMES RODOVIÁRIOS ( ) 3.821 2.995 2.586 2.325 2.97 1.734 12.19 1.684 9.767 1.479 2.612 21.313 21.38 18.856 2.389 18.297 22.67 18.886 23.274 17.83 15.844 2.752 25.366 24.68 45.746 43.231 41.272 43.278 42.454 42.944 38.311 31.998

Leia mais

Polícia de Segurança Pública

Polícia de Segurança Pública Balanço Social 2012 [ NO SEPARADOR INSERIR, AS GALERIAS INCLUEM ITENS PARA SEREM COORDENADOS COM O ASPECTO GLOBAL DO DOCUMENTO. ] Balanço Social da PSP 2012 Elaborado pela Divisão de Gestão e Consultoria

Leia mais

ANEXO 1. Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística.

ANEXO 1. Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística. ANEXO 1 Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística. 1. Qualificação da população activa portuguesa Gráfico 1.

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Nota explicativa do mapa de pessoal para o ano de 2015, com o documento em anexo.

MAPA DE PESSOAL. Nota explicativa do mapa de pessoal para o ano de 2015, com o documento em anexo. 2015 MAPA DE PESSOAL Nota explicativa do mapa de pessoal para o ano de 2015, com o documento em anexo. ENQUADRAMENTO LEGAL De acordo com o estatuído na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, aprovada

Leia mais

Balanço Social Índice

Balanço Social Índice Índice ENQUADRAMENTO LEGAL, MISSÃO E ATRIBUIÇÕES DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 2 ORGANOGRAMA DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 7 RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO E GRUPOS PROFISSIONAIS... 10 HABILITAÇÕES ACADÉMICAS...

Leia mais

Decreto-Lei n.º 156/99, de 10 de Maio Estabelece o regime dos sistemas locais de saúde

Decreto-Lei n.º 156/99, de 10 de Maio Estabelece o regime dos sistemas locais de saúde Estabelece o regime dos sistemas locais de saúde Pelo Decreto-Lei n.º 11/93, de 15 de Janeiro, foi aprovado o Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, que veio estabelecer o conceito de unidades integradas

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Código de candidato A preencher pela entidade

Leia mais

DIRETRIZES DO CCA-IST

DIRETRIZES DO CCA-IST DIRETRIZES DO CCA-IST 19.01.2015 PLANEAMENTO DO SIADAP PARA 2015-2016 Nos termos dos artigos 58.º e 62.º da Lei do SIADAP 1 (LSIADAP), o Conselho Coordenador de Avaliação (CCA) define as regras a seguir

Leia mais

REGULAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CARTOGRAFIA

REGULAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CARTOGRAFIA REGULAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CARTOGRAFIA João Cordeiro Fernandes jcordeiro@igeo.pt Workshop Regulamentação da Cartografia a utilizar nos Instrumentos de Gestão Territorial Ordem

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código de publicitação do procedimento Código de candidato (A preencher pela entidade empregadora) CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 12629 Despacho (extrato) n.º 5181/2013 Em conformidade com o estipulado na alínea b) do n.º 1 do artigo 37.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de fevereiro, torna -se público para os devidos efeitos que por

Leia mais

Balanço Social Global do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2013

Balanço Social Global do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2013 Balanço Social Global do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2013 Página 1 de 167 DEPARTAMENTO DE GESTÃO E PLANEAMENTO DE RECURSOS HUMANOS (DRH) Balanço Social Global do Ministério

Leia mais

Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool

Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool Normas de Prevenção e Controlo do Consumo Excessivo de Álcool Aprovado pela Câmara Municipal, na reunião de 15 de Maio de 2006 MUNICÍPIO DE CORUCHE CÂMARA MUNICIPAL NORMAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO DO CONSUMO

Leia mais

Parte II. Caracterização dos Recursos Humanos da Região de Lisboa e Vale do Tejo

Parte II. Caracterização dos Recursos Humanos da Região de Lisboa e Vale do Tejo COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL AS AUTARQUIAS LOCAIS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE

Leia mais

ESTATÍSTICAS SOBRE CORRUPÇÃO ( )

ESTATÍSTICAS SOBRE CORRUPÇÃO ( ) Dezembro de 216 Número 46 BOLETIM ESTATÍSTICO TEMÁTICO ESTATÍSTICAS SOBRE CORRUPÇÃO (27-21) O PRESENTE DOCUMENTO PRETENDE RETRATAR, DE FORMA INTEGRADA E TRANSVERSAL, OS DADOS ESTATÍSTICOS REFERENTES AO

Leia mais

2. NÍVEL HABILITACIONAL Assinale o quadrado apropriado: 1. Menos de 4 anos de escolaridade 8. Bacharelato 2. 4 anos de escolaridade (1.º ciclo do ensi

2. NÍVEL HABILITACIONAL Assinale o quadrado apropriado: 1. Menos de 4 anos de escolaridade 8. Bacharelato 2. 4 anos de escolaridade (1.º ciclo do ensi Recebido em / / Assinatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato A preencher pela entidade empregadora

Leia mais

Mapa de Pessoal do INEM (art. 5º LVCR) Ano 2012

Mapa de Pessoal do INEM (art. 5º LVCR) Ano 2012 Mapa de Pessoal do INEM (art. 5º LVCR) Ano 22 - Presidente do Conselho Diretivo - Área Médica - Vogal do Conselho Diretivo - 2 - Diretor Regional Dirigente Intermédio º Grau - 4 - Diretor de Departamento

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO O Desporto Escolar (DE) tem de ser entendido como uma responsabilidade da comunidade escolar e é à escola, que compete criar as condições necessárias

Leia mais

Partilho a visão de que não há pessoas nas organizações as pessoas são as organizações. O resto é espaço, é capital, é equipamento.

Partilho a visão de que não há pessoas nas organizações as pessoas são as organizações. O resto é espaço, é capital, é equipamento. Partilho a visão de que não há pessoas nas organizações as pessoas são as organizações. O resto é espaço, é capital, é equipamento. José Manuel Dias in Humanator 1 Índice Introdução... 4 Balanço Social...

Leia mais

RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA

RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Código da publicitação do procedimento Indicar o número do aviso publicado no Diário da República ou o número do código da oferta de emprego

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO JUNHO 2013

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO JUNHO 2013 PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO JUNHO 2013 SÍNTESE do período entre 1 e 30 de JUNHO de 2013 As temperaturas observadas no mês de junho apresentaram-se

Leia mais

Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ORGANISMO. Ministério CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ORGANISMO. Ministério CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei nº 19/96, de 9 de Outubro ANO: 21 IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ORGANISMO Ministério CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO Serviço / Organismo INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Contacto: Direcção

Leia mais

ESTATÍSTICAS SOBRE CORRUPÇÃO ( )

ESTATÍSTICAS SOBRE CORRUPÇÃO ( ) Dezembro de 214 Número 32 BOLETIM ESTATÍSTICO TEMÁTICO ESTATÍSTICAS SOBRE CORRUPÇÃO (27-213) O PRESENTE DOCUMENTO PRETENDE RETRATAR, DE FORMA INTEGRADA E TRANSVERSAL, OS DADOS ESTATÍSTICOS REFERENTES AO

Leia mais

INFORMAÇÃO INTERNA SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO EMFAR

INFORMAÇÃO INTERNA SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO EMFAR INFORMAÇÃO INTERNA SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO EMFAR A Diretiva Ministerial para a reforma estrutural na Defesa Nacional e nas Forças Armadas, aprovada pelo Despacho n.º 7527-A/2013, de 31 de maio,

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato A preencher pela entidade empregadora CARATERIZAÇÃO DO

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução Caracterização dos Recursos Humanos Em função do sexo Em função da idade 6

ÍNDICE. 1. Introdução Caracterização dos Recursos Humanos Em função do sexo Em função da idade 6 Balanço Social 25 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Caracterização dos Recursos Humanos 4 2.1. Em função do sexo 5 2.2. Em função da idade 6 2.3. Em função do nível de escolaridade 1 2.4. Em função dos grupos

Leia mais

Acção 7.1 Agricultura Biológica e Acção 7.2 Produção Integrada Execução relativa ao ano de 2015

Acção 7.1 Agricultura Biológica e Acção 7.2 Produção Integrada Execução relativa ao ano de 2015 Acção 7.1 Agricultura Biológica e Acção 7.2 Produção Integrada Execução relativa ao ano de 2015 Neste INFO AMBIENTE E ÁGUA faz-se uma primeira análise aos dados apresentados no Relatório de Execução Anual

Leia mais

RELATÓRIO SOCIAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE

RELATÓRIO SOCIAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO SOCIAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2016 RELATÓRIO SOCIAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2016 ÍNDICE Índice Considerações prévias... 19 Sumário

Leia mais

S E C R E T A R I A G E R A L D O M I N I S T É R I O D A S A Ú D E

S E C R E T A R I A G E R A L D O M I N I S T É R I O D A S A Ú D E S E C R E T A R I A G E R A L D O M I N I S T É R I O D A S A Ú D E Balanço Social 2013 FICHA TÉCNICA Título Balanço Social 2013 Autor Divisão de Gestão de Recursos Secretaria-Geral do Ministério da Saúde

Leia mais

SNS RH Administrações Regionais de Saúde Dados de junho de 2016 Consulte o Portal do SNS em

SNS RH Administrações Regionais de Saúde Dados de junho de 2016 Consulte o Portal do SNS em CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS - ADMINISTRAÇÕES REGIONAIS DE SAÚDE População total por região (habitantes) População abrangida pelos Cuidados de Saúde Primários das ARS (habitantes) População abrangida em

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL Decreto-Lei nº 19/96, de 9 de Outubro 215 IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ENTIDADE Código 236 Serviço / Entidade: Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. Nota: Em

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA SAÚDE BALANÇO SOCIAL Decreto-Lei nº 190/96, de 9 de Outubro 2016 IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO / ENTIDADE Código 19 Serviço / Entidade: Administração Regional de Saúde do Alentejo I.P./ACES AC

Leia mais

Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do INEM Ano 2014

Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do INEM Ano 2014 Mapa de Pessoal dos Serviços Centrais do IN Ano 2014 Unidade orgânica Atividades/Procedimentos N.º de PT Carreira/Cargo Área Funcional Conselho Diretivo Proceder à gestão, disponibilização e controlo dos

Leia mais

Quadros Regionais de Ilha

Quadros Regionais de Ilha CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Quadros Regionais de Ilha RAA Todos os direitos reservados à DATAJURIS, Direito e Informática, Lda. É expressamente

Leia mais

INSTITUTO DO DESPORTO DE PORTUGAL, I.P. Decreto-Lei n.º 169/2007 de 3 de Maio

INSTITUTO DO DESPORTO DE PORTUGAL, I.P. Decreto-Lei n.º 169/2007 de 3 de Maio INSTITUTO DO DESPORTO DE PORTUGAL, I.P. Decreto-Lei n.º 169/2007 de 3 de Maio (Texto rectificado nos termos da Declaração de Rectificação n.º 55/2007, publicada no Diário da República, I Série, n.º 114,

Leia mais