INSTRUMENTOS DE POLÍTICA DO AMBIENTE. Isabel Mendes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUMENTOS DE POLÍTICA DO AMBIENTE. Isabel Mendes 2006-2007"

Transcrição

1 INSTRUMENTOS DE POLÍTICA DO AMBIENTE Isabel Mendes

2 Objectivo: Introdução; Instrumentos de Regulação e Controle (IRC); Instrumentos Baseados em Incentivos (IBI); Critérios para a escolha dos instrumentos mais eficazes: comparação entre imposto, taxa, subsídos, mercados de direitos. Isabel Mendes ISEG/UTL 2

3 Introdução Porque são necessários os instrumentos de política ambiental? ECONOMIA é o estudo do uso dos Recursos Económicos pelos Agentes Económicos, com vista à satisfação das necessidades humanas. Os Recursos Económicos são escassos para a satisfação de todas as necessidades da Sociedade NECESSIDADE DE ESCOLHER; ESCOLHER DESISTIR de algo; DESISTIR de algo INSATISFAÇÃO; Isabel Mendes ISEG/UTL 3

4 Introdução(2) INSATISFAÇÃO CUSTO DE OPORTUNIDADE de usar recursos escassos na satisfação de uma necessidade em detrimento de outras que lhe são alternativas; CUSTO DE OPORTUNIDADE de usar recursos escassos para satisfazer uma necessidade = benefício (ou satisfação) de que se tem de abdicar, por não usar esses recursos na satisfação de outra necessidade alternativa. Se as decisões dos agentes económicos ultrapassarem a FPP, a sociedade sofrerá CUSTOS EXTERNOS (poluição, congestionamento, redução da biodiversidade, recursos naturais mais caros, inflação, diminuição das oportunidades de escolha, ). Isabel Mendes ISEG/UTL 4

5 Introdução(3) O objectivo da Economia é usar recursos escassos para maximizar o bem-estar social eficiência económica; Eficiência económica refere-se a uma situação na qual os custos de produção são mínimos (eficiência produtiva) e os consumidores querem os bens e serviços que são produzidos (afectação eficiente) e que lhes maximizam o bem-estar; Nos mercados competitivos, os direitos de propriedade privada + o mecanismo de preços (interacção Oferta/Procura) funcionam juntos para produzir produtos de mercado de forma eficiente para a sociedade (maximizam os benefícios líquidos); Isabel Mendes ISEG/UTL 5

6 3. 2 Instrumentos de Política Ambiental Introdução(4) Mas os mercados não são sempre competitivos: existem falhas que impedem a eficiência) = falhas de mercado + falhas institucionais + falhas políticas. Quando existem falhas, os mercados não conseguem, por si só, o bem-estar social para determinadas afectações de bens de consumo e de recurso produtivos que o Benefício Marginal Social não é igual ao Custo Marginal Social. FALHAS DE MERCADO: há 2 grupos de falhas de mercado que mais interessam ao meio-ambiente: 1. Externalidades; 2. Bens Públicos; Isabel Mendes ISEG/UTL 6

7 Introdução(5) 1. Externalidades: se os benefícos/custos privados das decisões não igualarem os benefícos/custos sociais então há externalidades. Exemplo do efeito de uma Externalidade Negativa sobre uma afectação óptima: Uma empresa competitiva q*: p(q*) = CMP(q*), produz um bem de mercado + efluentes que despeja directamente na ribeira da zona e que vão afectar negativamente a produção de uma outra empresa, sua vizinha. Neste caso existe uma externalidade negativa: os custos privados da empresa não coincidem com os custos que ela impõe à sociedade, ou seja, os custos sociais (Figura 1): Isabel Mendes ISEG/UTL 7

8 3. 2 Instrumentos de Política Ambiental Introdução(6) p;cmp; CMS p* CMS(q) Custo Marginal Externo p* c d b CMP(q) a q* S q* P q Figura 1 Efeitos da não Consideração da Externalidade Negativa sobre o Equilíbrio de Mercado Isabel Mendes ISEG/UTL 8

9 Introdução (7) Efeitos: na presença de externalidades negativas, a empresa concorrencial produz um output ineficiente: produz mais do que deveria; gasta mais recursos económicos do que deveria; e arrecada um maior excedente do que deveria. 2. Bens Públicos: são não-exclusivos e/ou não-rivais: bens públicos puros = não-exclusividade + não-rivalidade; bens públicos quasi-puros: admitem alguma exclusão e alguma exaustão de consumo (praias; piscinas; parques; áreas protegidas; bibliotecas públicas, pontes); Isabel Mendes ISEG/UTL 9

10 Introdução (8) bens comuns: são bens para os quais se torna muito cara a exclusão mas que admitem rivalidade (recursos piscatórios; aquíferos; pastagens comunitárias); bens de mérito: é um bem que existe porque é reconhecidamente bom para a sociedade, independentemente de ele ter sido ou não escolhido pelos consumidores (áreas protegidas). Os mercados privados não conseguem gerar níveis de produção de Bens Públicos compatíveis com um equilíbrio eficiente, por ser impossível (ou quase) fazer com que os utilizadores paguem por eles. Isabel Mendes ISEG/UTL 10

11 Introdução (9) FALHAS INSTITUCIONAIS: - Recursos de uso comum: baldios, mares, rios e lagos, atmosfera, água; - Direitos de propriedade mal definidos. Efeitos: sobre-utilização (os custos da sobre-utilização não fazem parte da decisão dos utilizadores); a escassez associada à sobre-utilização é desconhecida; o valor dos recursos não é conhecido. Isabel Mendes ISEG/UTL 11

12 Introdução (10) FALHAS POLÍTICAS: - Subsídios aos factores de produção (subsídios à energia; água; capital) redução dos verdadeiros custos de produção uso ineficiente e excessivo de recursos; - Protecção à Indústria limita as pressões externas para que a Indústria se torne mais eficiente e adopte bens e processos produtivos mais sustentáveis; - Protecção à Agricultura (PAC tradicional) incentiva produções não sustentáveis. Isabel Mendes ISEG/UTL 12

13 Introdução (11) Porque são então necessários os instrumentos de política ambiental? A coexistência dos três conjuntos de falhas ineficiência económica: Sub-valorização (ou desconhecimento do valor) significativa de recursos, bens e serviços ambientais; Custos sociais consideráveis (sobre-consumo; esgotamento de recursos; externalidades; desvio de recursos financeiros de outras áreas públicas); Isabel Mendes ISEG/UTL 13

14 3.2 Instrumentos de Política al Introdução (12) A existência de falhas, conjugada com a dimensão económica do meio-ambiente, impossibilita o mercado de levar os agentes económicos a tomarem decisões eficientes. É necessária a intervenção de organismos externos (Estado) para: motivar a alteração de comportamentos dos agentes económicos empresas, consumidores de forma a induzir uma re-afectação dos recursos mais sustentável; poupar e gerar recursos financeiros adicionais que possam ser usados para financiar projectos sustentáveis. Isabel Mendes ISEG/UTL 14

15 Introdução (13) O primeiro passo da política ambiental: definir os objectivos ambientais compatíveis com critérios de eficiência económica. Tipo de objectivos ambientais: Normas ambientais; Normas tecnológicas; Normas de execução. Isabel Mendes ISEG/UTL 15

16 Introdução (14) Normas ambientais = nível de qualidade desejável para uma componente ambiental (água, água). Expressas em níveis máximos de concentração de poluição admissível (ver normas ambientais da UE). A norma ambiental é uma meta a alcançar através de um limite à poluição. Este limite à poluição é implementado através das duas outras normas. Isabel Mendes ISEG/UTL 16

17 Introdução (15) Normas tecnológicos = definem o tipo de mecanismos que devem ser usados na diminuição e controle da poluição. Exemplo: obrigar todas as centrais térmicas a carvão a usarem depuradores das emissões de forma a que todas emitam o mesmo nível de emissões. Isabel Mendes ISEG/UTL 17

18 Introdução (16) Normas de execução = especificam o limite de emissões que deve ser alcançado por todos os poluidores regulamentados, mas não estipula a tecnologia que deve ser usada para atingir as metas. Permitem que sejam os próprios poluidores a escolherem o método e a tecnologia mais eficientes para atingirem a norma ambiental. Isabel Mendes ISEG/UTL 18

19 Introdução (17) A adopção de normas ambientais levanta duas questões económicas: 1ª - a determinação do nível de redução de efluentes compatível com a maximização do bem-estar social; 2ª - o controle da execução das normas ambientais, feito de forma compatível com a maximização do bemestar. Isabel Mendes ISEG/UTL 19

20 Introdução (18) 1ª - Como são calculadas as normas ambientais? Na perspectiva económica, devem ser definidas segundo critérios de eficiência, para que não existam perdas de bemestar para a sociedade definir o nível de redução das emissões economicamente eficiente (R*): Custo Marginal Social da Redução (CMS(R*)) = Benefício Marginal Social da Redução (BMS(R*)) Sendo: Isabel Mendes ISEG/UTL 20

21 Introdução (19) CMS(R ) = custos suportados pela sociedade à medida que as emissões são reduzidas: CMS(R ) = Σ custos marginais de cada uma das actividades de redução de emissões + custos marginais do governo com a monitorização e a execução das normas. BMS(R ) = ganhos sociais associados às melhorias ambientais (saúde, ecosistemas, paisagem, propriedade) medida da redução dos custos ou dos danos associados à poluição. Isabel Mendes ISEG/UTL 21

22 Introdução (20) Graficamente: CMS(R); BMS(R) BMS(R)> CMS(R) CMS(R*)= BMS(R*) CMS(R)> BMS(R) CMS(R) BMS(R) R 0 R * R 1 Redução R Figura 1 Determinação do Nível Eficiente de Redução das Emissões de Poluentes Isabel Mendes ISEG/UTL 22

23 Introdução (21) É possível calcular R* (normas de emissão) eficientes? É pouco provável porque: Há restrições legislativas: as normas ambientais nem sempre são definidas em termos de benefícios/custos. Muitas vezes são definidas apenas em termos dos benefícios para a sociedade, sem ter os custos em conta recursos a mais desviados para o ambiente; Há informação imperfeita: como a poluição é um bem público as preferências relacionadas com a redução das emissões não são imediatamente conhecidas; mas há métodos para monetarizar os benefícios associados à redução; no caso dos custos é difícil conhecer o custo de redução de cada agente poluído; Isabel Mendes ISEG/UTL 23

24 Introdução (22) Há diferenças regionais: os custos/benefícios da redução variam com as especificidades regionais dificuldades se os parâmetros são definidos a nível nacional; Os poluentes podem ter efeitos diferentes sobre o meioambiente de local para local. Isabel Mendes ISEG/UTL 24

25 Introdução (23) 2ª - Como é controlada a execução das normas ambientais? É necessário escolher instrumentos de contrôle, para: i) confirmar a aplicação das normas; ii) para verificar se a execução é feita ao mais baixo custo = custo-eficiente, em alternativa à norma ambiental eficiente R* - critério do second-best. Isabel Mendes ISEG/UTL 25

26 Definição dos Instrumentos e suas aplicações A política ambiental dispõe de dois grandes grupos de Instrumentos para executarem e fazerem executar as normas ambientais: 2.1 Instrumentos para cumprir as metas de redução de emissões usam as normas ambientais e/ou restrições tecnológicas para regular directamente as fontes de poluição; 2.2 Instrumentos baseados em mecanismos de mercado- usam incentivos que, através de mecanismos de mercado, motivam os agentes a adoptarem decisões sustentáveis; Isabel Mendes ISEG/UTL 26

27 3.2.1 Instrumentos de Controle Directo de Emissões(1) Instrumentos de Regulação e Controle (IRC): consistem na promulgação de leis e de regulamentações que fixam os objectivos, padrões e tecnologias que os poluidores devem aplicar. Os IRC s são os instrumentos mais convencionais e os primeiros a serem usados, quando começaram as políticas ambientais: anos 60 e 70 (países industrializados). A Figura 2 representa um esquema de classificação dos IRC s. Isabel Mendes ISEG/UTL 27

28 3.2.1 Instrumentos de Controle Directo de Emissões(2) NÍVEIS POLUIÇÃO AMBIENTAL NORMAS AMBIENTAIS FIGURA 2 Emissões por unidade de output Quantidade de Bens produzida Localização de emissões Licenças de emissão Quotas de output Zonamento de emissões Tecnologia Inputs usados Controles tecnológicos Restrições de inputs Poluentes nãouniformes (a) Produção/emissões (b) IRC nas fases de produção Isabel Mendes ISEG/UTL 28

29 3.2.1 Instrumentos de Controle Directo de Emissões(3) Na Figura 2: - Painel (a) representa as relações entre a produção com os níveis de poluição; - Painel (b) representa os IRC para intervir em cada uma das fases de produção. Na Figura 3 apresentamos alguns exemplos de aplicação de IRC e dos factores a considerar no estabelecimento das metas Isabel Mendes ISEG/UTL 29

30 3.2.1 Instrumentos de Controle Directo de Emissões(4) Campo de aplicação Ar Água Resíduos Sólidos Tipo de Cobertura Níveis de qualidade do ar Efluentes com origem estática e dispersa Definição e caracterização da deposição e tratamento Factores a considerar na definição dos limites Limites mínimos da qualidade do ar, compatíveis com objectivos de saúde pública: só devem ser considerados os benefícios da regulação Limites mínimos de qualidade da água para vários usos (potável, natação, pesca, ): devem ser considerados benefícios e custos Só devem ser considerados os benefícios da regulação mas não os custos Controle de Substâncias Restringir o uso de substâncias perigosas: químicos na agricultura, e na produção de alimentos As metas devem ser definidas em termos de eficiência. Benefícios e custos devem ser considerados Biodiversida de Restringir o uso de solos Benefícios e Custos devem ser considerados. Sistemas de compensações aos proprietários Figura 3 Exemplos de Aplicação dos IRC, Tipos de Cobertura e Factores a Considerar Isabel Mendes ISEG/UTL 30

31 3.2.1 Instrumentos de Controle Directo de Emissões(5) Todavia, o uso de regulamentos não tem tido o sucesso esperado. Algumas razões do insucesso relativo dos IRC: Os IRC não cumprem a regra do second-best: não são custo-eficientes os custos relativos de todos os instrumentos de controle não são calculados e não são seleccionados os instrumentos menos dispendiosos, na maior parte dos casos. [ver outras críticas mais adiante] Isabel Mendes ISEG/UTL 31

32 3.2.2 Instrumentos baseados em mecanismos de mercado(6) Por si só os mercados não resolvem os problemas ambientais: mas os incentivos que definem o funcionamento dos mercados são úteis à política ambiental. Como actuam os instrumentos de mercado? Genericamente, os preços e outras variáveis económicas são usados como incentivos aos poluidores e consumidores para adoptarem comportamentos sustentáveis. Os preços e as variáveis económicas obrigam os agentes Económicos a internalizarem os verdadeiros custos sociais associados às suas decisões e a serem eficientes (ver Introdução). Isabel Mendes ISEG/UTL 32

33 3.2.2 Instrumentos baseados em mecanismos de mercado(7) O principal objectivo do uso destes instrumentos é o de revelar a consumidores e produtores os verdadeiros Custos sociais das suas decisões e não apenas os Custos Privados política do preço total social (P) (Figura 5), segundo a qual: P = CMS(Q) Onde: P = preço total social de mercado; CMS(Q) = custo marginal social de produção e: Isabel Mendes ISEG/UTL 33

34 3.2.2 Instrumentos baseados em mecanismos de mercado(8) CMS(Q) = CMP(Q) + CMU(Q) +CAM(Q) CMP(Q) = custo marginal privado de produção (trabalho, capital, matérias-primas, ); CMU(Q) = custo marginal do utilizador (benefícios futuros perdidos devido aos efeitos da sobre-produção de produtos e de sobre-utilização de factores ambientais); CAM(Q) = custos marginais ambientais (danos impostos pela actividade poluente sobre os outros agentes, as outras actividades económicas e o meio ambiente. Isabel Mendes ISEG/UTL 34

35 3.2.2 Instrumentos baseados em mecanismos de mercado(9) P CMS=CMP 0 -S+CMU 0 +CME 0 CMP 0 -S+CMU 0 P* D CME 0 CMP 0 -S P 0 C B A CMU 0 S -1 = CMP 0 subsidiado -S D -1 =BMS Q* Q 0 Q Figura 5 Efeitos da Internalização dos Custos associados às falhas de Mercado sobre o Equilíbrio. Isabel Mendes ISEG/UTL 35

36 3.2.2 Instrumentos baseados em mecanismos de mercado(10) Tipos de instrumentos de mercado: Direitos de propriedade e criação de mercados; Instrumentos fiscais e subsídios; Instrumentos financeiros; Sistemas de depósito com devolução; Instrumentos de Responsabilidade Social Isabel Mendes ISEG/UTL 36

37 1 Direitos de propriedade e criação de mercados(11) Direitos de Propriedade Justificam a origem da falha de mercado com a não existência de direitos de propriedade bens definidos, seguros e transferíveis. Permitem internalizar os custos associados à sobreutilização dos recursos, nomeadamente dos recursos com acesso público o proprietário só iniciará a exploração se o preço do bem ambiental cobrir os custos de extracção + custos de oportunidade de utilização. Isabel Mendes ISEG/UTL 37

38 1 Direitos de propriedade e criação de mercados (12) Adequados: em situações associadas a recursos escassos com externalidades pouco significativas, que possam ser emparcelados ou delimitados, cujo perímetro possa ser demarcado e o seu acesso controlado. Há três tipos de direitos de propriedade (privada, comunal ou estatal): Direitos de propriedade (títulos de terras; usos de água; direitos de extracção); Direitos de uso (licenciamentos, regimes de concessão) Direitos de Desenvolvimento (patentes, direitos de prospecção). Isabel Mendes ISEG/UTL 38

39 1 Direitos de propriedade e criação de mercados (13) Não-adequados: à protecção ambiental; à gestão de recursos naturais não fixos e de acesso livre (recursos piscícolas, atmosfera, clima, aquíferos); ou quando há externalidades significativas que violam o direito de propriedade sobre o recurso (e.g. quando a água é receptora de efluentes produzidos a montante) a segurança e a exclusividade do direito ficam comprometidas; ou quando o recurso ou o seu uso geram externalidades significativas (caso de uma floresta com elevados benefícios de conservação). Isabel Mendes ISEG/UTL 39

40 1 Direitos de propriedade e criação de mercados (14) Vantagens: Vão à raiz da inexistência de mercado; Ao governo cabe apenas a tarefa de garantir as infra-estruturas institucionais e legais para o bom funcionamento do mercado: o governo afecta os direitos; o mercado afecta os recursos; Custos administrativos baixos; minimiza os efeitos de intervir no sistema de preços; Podem ser geridos em conjunto com outros instrumentos; São eficientes se forem claramente definidos, se forem exclusivos, transferíveis e executáveis e se não existirem outras falhas de mercado. Isabel Mendes ISEG/UTL 40

41 1 Direitos de propriedade e criação de mercados (15) Desvantagens: Custos políticos: corrupção, pagamento de favores políticos, obtenção de rendas; Tem implicações a nível da repartição: o proprietário apodera-se do valor total do recurso; Direitos de propriedade definitivos são uma arma de dois gumes; melhoram a repartição; mas simultaneamente criam oportunidades de exigências por parte de lobbys e afastam os pobres do usufruto dos recursos comuns. Isabel Mendes ISEG/UTL 41

42 1 Direitos de propriedade e criação de mercados (16) Mercados de Emissões: criam mercados para direitos de poluir transaccionáveis - definem o nível de poluição socialmente aceitável, emitem créditos ou autorizações a poluir e deixa-se o mercado fixar o preço de transaccção dos direitos. Baseiam-se na criação de mercados para gerir a qualidade ambiental: são afectados direitos de uso, é calculado um preço de transacção dos direitos, e a transacção de direitos é livre. Tipos de Mercados de Emissões: Direitos de emissão transaccionáveis (ar); Quotas transaccionáveis de desenvolvimento (pressões do sector turístico e da construção); Quotas de água transaccionáveis (o recurso é indivisível fisicamente mas divisível no seu uso). Isabel Mendes ISEG/UTL 42

43 1 Direitos de propriedade e criação de mercados (17) Vantagens: Os efeitos sobre a redução de emissões são semelhantes aos dos impostos/taxas: ambos incentivam à tomada de decisão acerca da redução das emissões ateravés do custo marginal de redução; É o mercado que define os preços dos direitos sem intervenção de terceira entidade: nas taxas é o governo tem que definir o montante compatível com a meta que se quer atingir; Este sistema é mais flexível do que o das taxas: o número de direitos podem ser ajustados às mudanças do objectivo ambiental. Desvantagens: O sistema de taxas gera rendimentos sobre as unidades de poluição não tratadas mas os mercados não o fazem, o que pode ser crítico quando existem situações graves de déficits orçamentais. Isabel Mendes ISEG/UTL 43

44 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(18) São usados para eliminar a diferença entre os custos privados e os custos sociais de produção. Incluem impostos,taxas e subsídios. Impostos: Imposto Pigouviano (Figura 6) : valor do imposto (taxa ou subsídio) = dano marginal ambiental que corresponde ao nível de poluição socialmente óptimo. Isabel Mendes ISEG/UTL 44

45 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(19) P;Cust os P* 1 P* 0 t B D C A CMS D -1 = BMS CMP Dano Marginal associado à produção de Q* 0. Equivale à perda sofrida pela sociedade. Receita Fiscal P S Q* 1 Q* 0 Q Figura 6 Representação de uma taxa Pigouviana sobre um produto poluente e dos seus efeitos sobre o equilíbrio Isabel Mendes ISEG/UTL 45

46 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(20) Consequências do imposto Pigouviano sobre o output: O equilíbrio muda de A para B output Q e preço de venda ao consumidor; A externalidade para além da socialmente aceite é reduzida a zero; É gerada uma receita fiscal. Os impostos podem ser aplicados: i) aos inputs cuja produção/uso está associado à poluição (combustíveis; pesticidas); ii) aos produtos consumo final (gasolina); iii) É muito aplicada a política de diferenciação de impostos. Isabel Mendes ISEG/UTL 46

47 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(21) Taxas de emissão Pigouviana: na prática a aplicação do imposto sobre um produto cuja produção gera poluição é difícil porque: 1º) É difícil calcular o valor monetário do dano ambiental e calcular Q* 1 ; 2º) A poluição é diminuída apenas pela redução do output, o que é uma restrição pouco realista em alguns casos. Uma solução mais prática será aplicar uma taxa sobre a emissão do poluente em vez do imposto. Isabel Mendes ISEG/UTL 47

48 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(22) A taxa de emissão atribui um preço directo à poluição custo de produção adicional para a empresa. O empresário, confrontado com os custos sociais da sua actividade, tem várias alternativas: Continua a produzir o mesmo output e paga o preço do poluente emitido com o output; Continua a produzir o mesmo output com a mesma tecnologia, mas introduz métodos de redução de poluição, reduzindo os custos de poluir; Continua a produzir o mesmo output mas adopta uma tecnologia mais limpa e poupadora de recursos; Passa a produzir outro tipo de output mais amigo do ambiente. Isabel Mendes ISEG/UTL 48

49 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(23) Como é fixada a taxa de emissão Pigouviana: A taxa é fixada de forma a que as firmas possam tomar decisões sobre a minimização dos custos de produção (Figura 7): 1º) O governo define um nível de redução considerado socialmente aceitável: R A ; 2º) A seguir é implementada uma política ambiental que confronta a firma com duas opções: ou paga uma taxa t unitária igual à diferença entre o custo do seu esforço de redução actual (R 0 ) e R A tal que: taxa total = t (R A -R 0 ) ; ou a firma suporta o custo de redução. Isabel Mendes ISEG/UTL 49

50 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(24) CMR(R) c TM = taxa marginal = carga de imposto; t a b TM CMR = custo marginal de redução de emissões da firma; 0 R 0 R A Redução R Figura 7 Cálculo de uma taxa de emissão para um a firm a Se TM > CMR(R ) R 0 a firma escolhe reduzir CTR(R 0 ) = 0aR 0 ; Se TM < CMR(R ) R A a firma escolhe pagar t custo fiscal total = R 0 ab R A; Custos Totais da firma para cumprir a política ambiental = 0ab R A. Isabel Mendes ISEG/UTL 50

51 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(25) Subsídios Pigouvianos ( impostos negativos): pagam-se ao poluidores subsídios para reduzirem as emissões. Internalizam a externalidade positiva associada ao consumo de actividades de redução de emissões. Para ser eficiente: Subsídio = BMR( R ) Com BMR (R ) medido para o nível de output eficiente (Figura 8). Podem ser pagos sob a forma de subsídio com origem no Orçamento de Estado, taxas de depreciação mais rápidas para tecnologias limpas, diferenciação de impostos, reduções nos impostos, tudo o que possa incentivar as firmas a investirem na redução da poluição. Isabel Mendes ISEG/UTL 51

52 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(26) P * P 0 P 1 CMS(Q) Subsídio = Extern. positiva D 0 = BMP D 1 = BMS Valor do subsídio pago pelo governo CMS (Q) = Custo Marginal Social com a produção Q; BMS (Q) = Benefício Marginal Social com a produção Q; BMP(Q) = Benefício Marginal Privado com a produção de Q 0 Q 0 Q* Output Q Figura 8 Subsídio Pigouviano à produção de tecnologias limpas Isabel Mendes ISEG/UTL 52

53 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(27) Diferenças entre imposto(taxa Pigouviana) e taxas não Pigouvianas: Taxa não Pigouviana (taxas de uso, de acesso, administrativas, de recolha, de tratamento, municipais): são definidas como pagamentos associados ao uso recursos naturais ou de serviços prestados preços dos bens públicos; são decididas administrativamente, por qualquer organismo governamental ou de utilidade pública; não estão integradas no orçamento de Estado. Impostos e taxas Pigouvianas: São ferramentas da política orçamental e fiscal criadas não como pagamento de serviços mas como veículo de recolha de fundos financeiros e de promoção de equidade social; só os impostos e taxas Pigouvianos podem ser genericamente interpretados com sendo taxas propriamente ditas; São parte integrante do Orçamento de Estado. Isabel Mendes ISEG/UTL 53

54 2 Instrumentos Fiscais e Subsídios(28) Diferenças dos impactes dos impostos versus subsídios: Em termos de eficiência económica estática ambos são igualmente eficazes e custo-eficientes; Os impostos são politicamente mais controversos; Em termos dinâmicos, os subsídios podem gerar um efeito contrário ao pretendido: sector subsidiado sector atractivo + firmas + output + poluição; Os subsídios (excepção aos Pigouvianos) violam o PPP: toda a sociedade suporta os subsídios; mas os impostos são suportados apenas pelo produtor/consumidor de produtos poluentes. Isabel Mendes ISEG/UTL 54

55 3 Instrumentos Financeiros (29) Instrumentos Financeiros (doações, revolving funds, green funds, incentivos à re - afectação, empréstimos com juros bonificados): Distinguem-se dos impostos e subsídios porque: Não fazem parte do Orçamento de Estado; São financiados através de ajuda externa, empréstimos externos, linhas de crédito para o ambiente, etc. São preferidos aos anteriores por motivos políticos para se evitarem problemas de déficit orçamental. Têm efeitos semelhantes aos subsídios e aos sistemas de incentivos baseados em impostos. Isabel Mendes ISEG/UTL 55

56 3 Instrumentos Financeiros (30) Vantagens\Desvantagens: São incontornáveis numa política ambiental com objectivos do tipo second best; politicamente aceites; Mas numa política ambiental com objectivos de eficiência, não são adequados, sendo preferível corrigir as imperfeições no mercado de capitais, afectar o orçamento eficientemente e praticar a política do preço social em oposição ao tradicional preço privado. Isabel Mendes ISEG/UTL 56

57 4 Sistemas de Depósito com Devolução (31) Sistemas de Depósito com Devolução: são instrumentos económicos que transferem a responsabilidade de controlar a poluição para os produtores e consumidores, os quais ficam responsáveis pelos danos que venham a acontecer. Aplicações: embalagens, baterias e sucata, plásticos, resíduos perigosos, computadores, electrodomésticos. Isabel Mendes ISEG/UTL 57

58 4 Sistemas de Depósito com Devolução (32) Como é aplicado: é aplicada uma taxa que tem de ser paga adiantadamente (depósito), respeitante ao dano potencial; o retorno (a devolução) da taxa fica garantido se se confirmar que os resíduos foram convenientemente recolhidos e tratados (Figura 9). Vantagens: - combina as características de incentivo, que tem uma taxa de emissão - depósito, que está incorporada num mecanismo de controle de custos de monitorização - devolução; - Uma vez aplicado, os incentivos funcionam com fiscalização mínima; incentiva ao uso mais eficiente de matérias-primas; - Muito usado para diminuir a diferença entre os custos privados/sociais dos lixos. Incentiva comportamentos responsáveis a baixo custo. Isabel Mendes ISEG/UTL 58

59 4 Sistemas de Depósito com Devolução (33) CMS(R) CMP(R) + Depósito ab = valor do depósito =custo marginal externo medido ao nível de deposição de resíduos eficiente; 0 b a Q R * Q R0 CMP(R) BMS(R ) = BMP(R ) 100% Figura 9 Sistema de Depósito-Devolução no Mercado dos Resíduos Sólidos Q R0 Q R* = quantidade de resíduos reciclados Resíduos Sólidos Incorrectamente Depositados (%) CMP(R )= custos com a recolha de lixos + custos com a deposição ilegal de resíduos recicláveis (gastos com recipientes, taxas pagas a sucateiros, benefícios perdidos por não ter optado pela reciclagem); CMS(R ) = CMP (R ) + CME(R ); BMP(R ) = procura de resíduos mal depositados; Isabel Mendes ISEG/UTL 59

60 4 Sistemas de Responsabilidade Social (34) Sistemas de Responsabilidade Social: internalizam as externalidades, criando as condições para que os poluidores auto-regulem os seus comportamentos não sustentáveis. Baseiam-se no mecanismo de Regateio (bargaining) defendido por Coase [TEXTO ANEXO],como sendo uma forma eficiente de internalizar os custos externos. Acordos Voluntários: baseiam-se em acordos feitos entre diferentes agentes que se comprometem a cumprir determinadas normas ambientais. Isabel Mendes ISEG/UTL 60

61 4 Sistemas de Responsabilidade Social (35) O governo cria condições para reduzir os custos e os impedimentos do regateio: Definindo claramente direitos de propriedade (se possível); Criando uma estrutura institucional que facilite o diálogo (como acontece para as questões de Trabalho); Assumindo parte da responsabilidade na monitorização do problema ambiental (identificação dos poluidores; fornecendo informação entre as partes); Garantindo o acesso ao sistema judicial. Isabel Mendes ISEG/UTL 61

62 4 Sistemas de Responsabilidade Social (36) Aplicado na regulação de problemas de poluição transfronteiriça, quando não existem instituições soberanas supra-nacionais: emissões de gases com efeitos de estufa; recursos piscatórios; protecção da biodiversidade; recursos hídricos. Desvantagens: Problemas relacionados com a ausência e/ou dificuldade de aplicar os direitos de propriedade; Não funciona com um grande número de intervenientes; Não funciona se a poluição tiver várias origens; Problema de informação: é difícil identificar os actores e as origens e a dimensão dos danos ambientais; Inaplicável inter-geracionalmente. Isabel Mendes ISEG/UTL 62

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

Externalidades. Externalidades. Externalidades

Externalidades. Externalidades. Externalidades Externalidades IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Externalidades As externalidades são uma falha de mercado (por isso a intervenção governamental pode ser aconselhável). As externalidades

Leia mais

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos.

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. EXTERNALIDADE: São é conseqüência de algo que um agente realiza e afeta outro. Pode ser positiva

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

Orientações sobre a definição e a notificação de «medida de caráter fiscal ou financeiro» para efeitos da Diretiva 98/34/CE

Orientações sobre a definição e a notificação de «medida de caráter fiscal ou financeiro» para efeitos da Diretiva 98/34/CE Orientações sobre a definição e a notificação de «medida de caráter fiscal ou financeiro» para efeitos da Diretiva 98/34/CE As presentes orientações representam exclusivamente o ponto de vista da Direção-Geral

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Grupo II O Problema da Escassez e da Escolha Questão 1 Comecemos por explicitar o que se entende por bem económico: um bem económico é qualquer coisa

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I CUSTOS conceitos fundamentais Custo Sacrifício de um recurso para atingir um objectivo específico, ou, dito de outro modo, valor associado à utilização ou consumo de um recurso. A determinação dos custos

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis O sistema de licenças negociáveis é um tipo especifico de direito de propriedade. O direito de propriedade consiste em uma licença por meio da qual os agentes

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa : Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa José Manuel Viegas CESUR- Instituto Superior Técnico; e TIS.pt, consultores em Transportes Inovação e Sistemas, s.a. Workshop APDR Impacto dos Aeroportos

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Capítulo 3-O Novo Problema Agrícola

Capítulo 3-O Novo Problema Agrícola Capítulo 3-O Novo Problema Agrícola Sinopse das aulas Versão Provisória O novo problema agrícola Multifuncionalidade e externalidades da actividade agrícola O novo problema agrícola Tradicionalmente as

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Projecto de Lei nº 466/XI/2ª Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Exposição de motivos A problemática da gestão dos resíduos está hoje no centro de muitas opções essenciais de

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado

PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado Índice v Prefácio... xix Apresentação da 1ª edição... xxii Agradecimentos... xxiv Nota dos autores à 4ª edição... xxiv Os autores... xxvii PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado 1 Economia e

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS 1 INTRODUÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS Ao abordarmos o conceito de projecto de investimento começaremos por citar algumas definições propostas por alguns autores e instituições de reconhecido

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Nós, uma aliança de organizações não governamentais dedicadas à saúde e ao meio ambiente, temos sérias preocupações

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T9

Economia e Finanças Públicas Aula T9 Economia e Finanças Públicas Aula T9 3. Receitas Públicas: Teoria e Prática 3.1 Principais fontes de financiamento público 3.1.1 Tipologia das receitas públicas 3.1.2 Características desejáveis de um sistema

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira Instituto Superior Politécnico de Viseu SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental José Vicente Ferreira SÉRIE ISO 14000 Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Análise Ciclo Vida Avaliação Performance Ambiental

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo ISEG/UTL ANÁLISE FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro Fundo de Maneio Funcional e as NFM Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco EQUILÍBRIO

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei 17/92

Assembleia Nacional. Lei 17/92 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Nacional Lei 17/92 A Assembleia Nacional, no uso das faculdades que lhe são conferidas pela alínea g) do artigo 86.º da Constituição Política, para

Leia mais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais 3.1. Aspectos conceptuais - antecipação do futuro, informação e expectativas racionais 3.2. A restrição orçamental intertemporal das famílias 3.3. Teoria

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

1 Macroeconomia II - Aula 11

1 Macroeconomia II - Aula 11 Macroeconomia II - Aula. Set-up do Modelo de Crescimento Endógeno: Progresso Tecnológico Endógeno. Modelo de Equilíbrio Geral com Microfundações (excepto no que respeita as decisões de poupança/consumo).

Leia mais

PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS

PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS 25 de maio de 2015 PORTUGAL 2020: FINANCIAMENTO ATRAVÉS ATRAVÉ DO RECURSO AOS FUNDOS FUNDO EUROPEUS ESTRUTURAIS IS E DE INVESTIMENTO O estímulo ao tecido empresarial trazido pelo programa Portugal 2020

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio 1. V Semana Internacional A Semana Internacional é o evento mais carismático e que tem maior visibilidade externa organizado pela AIESEC Porto FEP, sendo

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO IV Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro O Fundo de Maneio Funcional e as NFM A Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco ISEG/UTL Teoria Tradicional

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc:

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc: Ana Oliveira De: Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: erse@erse.pt Cc: anacris@isr.uc.pt Assunto: Comentarios Anexos: ERSE-Revisão dos Regulamentos.doc;

Leia mais

Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas

Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas Políticas de Preços e de Rendimentos Análise das políticas agrícolas Objectivos Analisar os mecanismos de política agrícola: Primeiro classificar os instrumentos

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Seminário de Boa Governação das Energias Renováveis Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Madival Alva das Neves Meteorologista (Direção Geral do Ambiente) São Tomé, 30 de junho,

Leia mais

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04 PIRELIÓFORO e (P Himalaia) Água Quente Solar Jorge Cruz Costa para DER/INETI para PORTUGAL Como desenvolver o solar sem cometer os erros dos anos 80? O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Marketing Turístico e Hoteleiro

Marketing Turístico e Hoteleiro 2 CAPÍTULO II Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Capítulo II Sumário As características especiais do Marketing em Hotelaria e Turismo O ambiente

Leia mais

CONCEITOS CHAVE EM PROJETOS FLORESTAIS DE CARBONO. Celia A. Harvey, Climate Change Initiatives

CONCEITOS CHAVE EM PROJETOS FLORESTAIS DE CARBONO. Celia A. Harvey, Climate Change Initiatives CONCEITOS CHAVE EM PROJETOS FLORESTAIS DE CARBONO Celia A. Harvey, Climate Change Initiatives Projetos de carbono devem : Demonstrar adicionalidade Localizar potenciais fugas Garantir a permanência do

Leia mais

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica 2.4 Contratos e custos de transacção 2.4.1 Os custos de transacção (económicos e políticos) 2.4.2 O Teorema de Coase 2.5 Agência e problemas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES 3D CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 6 IMPOSTOS E CONTAMINAÇÃO ÓPTIMA Para quê a Regulamentação? No tema anterior vimos que as soluções de mercado

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis)

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) 6º Painel: Benefícios Fiscais e Competitividade A Zona Franca da Madeira: Papel e Ponto de Situação O Sistema Fiscal Português:

Leia mais

Tema III Construção de soluções sustentáveis no quadro do Estado Fiscal Eficiência fiscal e governance por indicadores

Tema III Construção de soluções sustentáveis no quadro do Estado Fiscal Eficiência fiscal e governance por indicadores Tema III Construção de soluções sustentáveis no quadro do Estado Fiscal Eficiência fiscal e governance por indicadores Marta Costa Santos 1 Aspectos a analisar: a economia, a sociologia e a psicologia

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Fundo Modernização Comércio

Fundo Modernização Comércio 1 Fundo Modernização Comércio IAPMEI Portaria 236/2013 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos a Apoiar 4. Elegibilidade

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental?

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental? 1. Quais são as dimensões do Desenvolvimento Sustentável? 2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? a) Económica b) Social c) Ambiental d) Todas as anteriores a) Melhorar a nossa qualidade de vida

Leia mais

Instrumentos Econômicos de Gestão Ambiental. Subsídio Ambiental

Instrumentos Econômicos de Gestão Ambiental. Subsídio Ambiental Instrumentos Econômicos de Gestão Ambiental Subsídio Ambiental Acabamos de perceber que um tributo sobre emissões funciona como se estivéssemos estabelecendo um preço pelo uso do patrimônio ambiental que

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ 12º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004) Curso Científico Humanístico PROVA 312/6Págs. Duração da prova: 90 minutos + 30 minutos de tolerância 2010 PROVA

Leia mais

MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas

MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas Tema: As Marcas e o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Orador: Pedro Aleixo Dias Senior Partner da BDO Membro da Comissão Executiva

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

PAY-AS-YOU-THROW. Um longo caminho para percorrer. - Caso de Óbidos - Filipa Silva Santos

PAY-AS-YOU-THROW. Um longo caminho para percorrer. - Caso de Óbidos - Filipa Silva Santos PAY-AS-YOU-THROW Um longo caminho para percorrer - Caso de Óbidos - Estrutura 1 Introdução 1.1 Relevância do Tema 1.2 Objectivos 1.3 Constrangimentos 2 O que é o PAYT? 3 Tarifários Variáveis 3.1 Alternativas

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais