UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO UTILIZAÇÃO DO DOE APLICADO AO PROCESSO DE SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA: UM ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Daniel Ribeiro do Valle Coutinho Orientador: Professor Sebastião Carlos da Costa Co-Orientador: Professor Anderson Paulo Paiva Universidade Federal de Itajubá, IEPG Cx. P Itajubá, MG, Brasil Resumo. O processo de soldagem por resistência (solda a ponto) é muito utilizado na indústria automotiva. O conhecimento e monitoramento dos parâmetros que influenciam neste processo, resultam em uma solda com maior qualidade, maior resistência mecânica, além de menor consumo de energia, fatores que são imprescindíveis para as indústrias e para o consumidor. Neste trabalho, será analisada a influência da corrente, da pressão e do tempo de ciclo, que são os fatores mais importantes deste processo. Os experimentos foram realizados em um processo de uma indústria automotiva e será utilizada a metodologia estatística Projeto e Análise de Experimentos (DOE) para conhecer a influência destes parâmetros e estabelecer um ponto ótimo buscando respostas como área soldada, dureza, qualidade da solda e resistência mecânica. Palavras Chave: Solda por Resistência Elétrica, DOE, Soldagem, Indústria Automobilística. 1. INTRODUÇÃO Um dos processos mecânicos mais utilizados nas indústrias é a soldagem, e como um dos principais tipos, está a soldagem por resistência elétrica (solda a ponto). Este processo é utilizado em vários tipos de indústrias, especialmente na automobilística, por apresentar vantagens como ser um processo rápido, de fácil automação e podendo ser utilizado em grandes linhas de produção. Como desvantagens apresenta o fato de soldas sobrepostas serem limitadas e o controle dos parâmetros serem difíceis, uma vez que fatores mecânicos, elétricos, térmicos e metalúrgicos estão envolvidos. Sendo assim, o conhecimento e o controle de cada parâmetro envolvido no processo se torna cada vez mais importante para as indústrias, e vários estudos tem sido realizados em sua compreensão, para que se obtenha soldas com boa qualidade, alta resistência mecânica e com um menor consumo de energia.

2 Este trabalho pretende estudar a influência dos parâmetros corrente (I), pressão (P) e tempo de ciclo (T) sobre a soldagem por resistência, com o objetivo de conhecer a influência de cada um na solda realizada e encontrar um ponto ótimo dos fatores que forneça as melhores respostas. As respostas analisadas foram a área fundida (Sf), a dureza na Zona Fundida (HB ZF ), a força máxima (Fmax) suportada e a qualidade do ponto de solda avaliados através de testes que serão explicados no decorrer do trabalho. Para a realização das análises dos parâmetros e das respostas, foi utilizada a ferramenta estatística Projeto e Análise de Experimentos (DOE), que permite gerar dados aleatórios de acordo com os limites de cada parâmetro. 2. SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA A soldagem tem grande importância na fabricação de variados componentes e máquinas industriais. Dentre os processos, a soldagem por resistência é uma das mais utilizadas podendo ser aplicada em produções seriadas e em diversos tipos de indústrias como automobilísticas, esquadrias metálicas, eletrônicas, nucleares entre outras (Paes et al., 1989). A aceitação deste processo se deve em grande parte a facilidade de operação e de automação, rapidez do processo, realização de vários pontos de solda sem que sejam necessários grandes ajustes dos parâmetros, baixo investimento e pelo fato de poder ser colocado em linhas de produção de grande escala, resultando em um produto de qualidade e resistência. Entretanto, o total controle deste processo é muito difícil já que envolve fatores mecânicos, elétricos, térmicos e metalúrgicos exigindo estudos para a adaptabilidade do processo (Darwish e Al-Dekhial, 1999). A união de peças no processo de soldagem por resistência elétrica (solda a ponto) normalmente ocorre através de juntas sobrepostas, sendo obtida através da geração de calor, pela passagem de corrente elétrica e pela aplicação de pressão. A geração de calor ocorre devido ao efeito Joule e se dá pela resistência do conjunto à passagem de corrente, sendo esta resistência composta pelo contato peça/eletrodo e peça/peça (Brandi, 1992). Durante o processo, as peças aquecem-se ocorrendo à fusão localizada no ponto de contato do eletrodo com as chapas. A passagem de corrente elétrica provoca aquecimento, e assim a fusão de certa quantidade do material das peças a serem unidas. A aplicação da pressão garante a continuidade do circuito elétrico, permitindo a obtenção de soldas com baixo nível de contaminação pela expulsão da região contaminada para fora da junta. O resfriamento da junta se dá sobre pressão. No processo de soldagem por pontos (Figura 1), a solda é feita na região da peça colocada entre um par de eletrodos. Este processo é muito utilizado na fabricação de peças e conjuntos, com chapas metálicas finas com espessura de até 3mm. Podem ser obtidos vários pontos de solda simultaneamente com a utilização de múltiplos pares de eletrodos, sendo um processo mais rápido que a parafusagem e rebitagem. Fig. 1 - Processo de Soldagem por Resistência.

3 O processo de soldagem por resistência (RW Resistance Welding) pode ser aplicado a diferentes materiais, mas normalmente as aplicações industriais se concentram nas utilizações de aços carbono de baixa e média liga, aços inoxidáveis e alumínio. Normalmente para se conseguir obter uma solda de qualidade adequada é necessário especificar uma combinação adequada da corrente de solda, do tempo de solda e da força aplicada no eletrodo (pressão). Como qualidade normalmente requerida para a solda, há citações de uma série de testes destrutivos ou não destrutivos à que os corpos de prova devem ser submetidos para a sua aprovação (Darwish e Al- Dekhial, 1999; Aslanlar, 2006). Entre os principais quesitos destacam-se o formato e o diâmetro do ponto de solda (nugget), a zona termicamente afetada (ZTA), a indentação (penetração do eletrodo) limite tolerável no ponto de solda, entre outros. Do ponto de vista de resistência da solda, normalmente testes de arrancamento da solda e de cisalhamento podem ser executados, onde se torna possível determinar a força máxima tolerável pela solda, a tensão de ruptura bem como o nível de deformação até a ruptura (Paes, Guimarães e Rebello, 1989; Darwish e Al- Dekhial, 1999; De et al, 1996). Além disso, testes de fadiga bem como avaliações de microdureza dos pontos de solda (ZF Zona Fundida) e ZTA também são normalmente utilizados (Aslanlar, 2006; Darwish e Al-Dekhial, 1999; De et al, 1996). Para uma utilização industrial mais efetiva do processo RW, normalmente as empresas encontram muitas dificuldades de ajuste dos parâmetros no sentido de obter uma solda otimizada. Em função de o processo ser totalmente automatizado, técnicas estatísticas baseadas no projeto e análise de experimentos (DOE Design of Experiments) tem sido freqüentemente utilizadas como descritos em trabalhos de Darwish e Al-Dekhial (1999), De et al (1996), entre outros. Considerando estes aspectos, este trabalho procura analisar a influência dos parâmetros corrente de solda (I), tempo de solda (t) e pressão dos eletrodos (P) na qualidade de soldas desenvolvidas em uma indústria atuante no setor automotivo, aplicados em aços de baixo teor de carbono. Como respostas analisadas foram avaliados a área do ponto de solda, a dureza da zona fundida, a qualidade visual da solda e a força máxima suportada pela solda. A partir da análise da influência dos parâmetros nestas respostas foi realizado numa segunda fase a otimização do processo no sentido de atender a todas estas respostas simultaneamente. A seguir alguns conceitos básicos, bem como o aparato experimental e resultados obtidos serão apresentados. 3. DOE - PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS O projeto de experimentos é uma técnica relativamente antiga, desenvolvida nas décadas de 20 e 30. Pode ser utilizado em diversas áreas como agricultura, medicina, neurociências, engenharia, psicologia, e muitas outras, aumentando a produtividade e se tendo um maior controle sobre as variáveis de cada processo. A sua maior utilização começou com o desenvolvimento de programas computacionais estatísticos que permitem a obtenção de respostas em menor tempo e sem a necessidade da realização de cálculos complexos. É uma ferramenta que consiste em planejar experimentos capazes de gerar dados apropriados para uma eficaz análise estatística, o que resulta em conclusões válidas e objetivas (Montgomery, 1997). Além disso, esta ferramenta tem ganhado grande destaque por ser muito utilizada na Metodologia Six Sigma, como uma das mais importantes ferramentas na fase de melhoria de processos (Paiva, 2004). Os elementos que compõem a metodologia são os fatores controlados, que são as variáveis que podem ser modificadas durante os experimentos para determinar a influência nas saídas; fatores não controlados que são variáveis que deveriam permanecer constantes durante os

4 experimentos, mas de alguma forma variam alterando as saídas; as respostas que são as saídas que deverão ser otimizadas; além do modelo que consiste na equação que relaciona as respostas com as variáveis do processo (Figura 2). Matéria Prima Input Fatores Controláveis x1 x2... Processo... xp zq z1 z2 Fatores Incontroláveis Output y1 y2... ym Produto Fig.2 - Fatores do Processo. As fases para a execução do Projeto de Experimentos (DOE) são mostradas na Figura 3. Fig. 3 Etapas do DOE (Domenech, 2004). O DOE é uma metodologia de experimentação, onde todas as variáveis controladas são modificadas simultaneamente. É feita a medição dos resultados nas variáveis de saída com o objetivo de manter um modelo empírico da relação y= f(x). A seqüência de ensaios para a utilização do DOE são protegidas contra a influência de variáveis não controladas que poderiam introduzir vícios nas conclusões (Domenech, 2004). Esta ferramenta apresenta grande vantagem, pois todas as variáveis controladas são modificadas simultaneamente ao contrário do método OFAT (One Factor at the Time) onde era estudada uma variável de cada vez. E isto faz com que o processo tenha maior garantia, já que uma variável sendo estudada isoladamente talvez não mostre o efeito que realmente tenha no resultado final esperado do que quando ela é estudada simultaneamente com as outras variáveis.

5 4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Para o desenvolvimento deste trabalho, o procedimento experimental foi realizado em uma indústria automotiva, em uma operação de solda do assoalho completo de uma cabine de caminhão, onde são soldadas duas chapas de aço com baixo teor de carbono de 1,20 mm com outra de 1,70 mm de espessura. Dentre os problemas normalmente encontrados no processo destacam-se pontos com baixa resistência mecânica e uma grande variação da qualidade dos pontos de solda, afetando assim o produto que chega ao cliente. Desta forma a empresa tem interesse em desenvolver um melhor conhecimento da influência dos parâmetros do processo, bem como na melhoria da qualidade de seus produtos objetivando o atendimento das exigências dos clientes. Os aços utilizados neste estudo, bem como suas composições químicas estão descritos na Tabela 1, de acordo com a norma ABNT Aços NBR EM NBR EEP PC Carbono Manganês Fósforo Enxofre Alumínio ( % máx ) ( % máx ) ( % máx ) ( % máx ) ( % máx ) 0,13 0,60 0,040 0,040-0,06 0,35 0,025 0,025 0,020 Tabela 1 Composição química dos aços. Para atender aos objetivos do trabalho, inicialmente foi feita uma análise para determinar os parâmetros mais influentes no processo. Em função de levantamentos na literatura (Darwish e Al- Dekhial, 1999; De et al., 1996; Paes et al., 1989; Aslanlar, 2006) bem como levantamentos internos na empresa, as análises indicaram que Corrente (ka), Pressão (bar) e Tempo de Ciclo de Solda (µs) seriam os parâmetros importantes. A partir desta análise, foram realizados uma série de experimentos exploratórios para que fossem determinados os limites mínimos e máximos de solda de cada parâmetro através do método OFAT. Nesta análise preliminar observaram-se aspectos relacionados ao formato visual do ponto de solda bem como a execução propriamente dita da solda (falta de fusão ou excesso de fusão). Em função destas análises foram determinados os limites operacionais do processo, sendo tais limites mostrados na Tabela 2. Fatores Nível (-) Nível (+) Corrente (I) ka 5,2 11,5 Pressão (P) bar 4,0 6,0 Tempo de Ciclo de Solda (T) µs 15,0 40,0 Tabela 2 Níveis dos fatores. Com os limites obtidos utilizou-se a técnica estatística DOE para a realização dos experimentos. Em função das possibilidades de execução dos experimentos, optou-se por utilizar o método fatorial completo, com 2 replicagens e 4 pontos centrais e realização dos experimentos em um único bloco e de forma randomizada, aumentando assim a precisão da análise estatística. Desta forma totalizaram-se vinte ensaios a serem realizados. Foi utilizado o software comercial Minitab - versão 14 para o delineamento da matriz de experimentação e análise dos resultados.

6 Para a realização dos testes, os corpos de prova foram cortados nas dimensões 100 x 25 mm e posteriormente dispostos de forma sobreposta conforme detalhamento mostrado na Figura 4. Esta preparação foi baseada em testes similares realizados por Darwish e Al-Dekhial (1999). Fig. 4 - Disposição das chapas nos testes realizados. Para a realização dos experimentos utilizou-se uma máquina TECMAG com capacidade nominal de 100 kva, tomando-se o cuidado de utilizar eletrodos novos, com diâmetro de 0,6 mm, sendo sua superfície sendo recuperada durante os experimentos. Este cuidado se mostrou necessário em virtude do desgaste na ponta do eletrodo após a solda fazendo com que área de contato com a peça aumente ocorrendo à diminuição na densidade superficial de corrente o que pode acarretar a diminuição do rendimento do processo. Entretanto tomou-se o cuidado de também não provocar uma recuperação exagerada do ponto do eletrodo, o que poderia gerar aumento da densidade superficial da corrente e conseqüente superaquecimento do eletrodo, diminuindo sua vida útil (Brandi, 1992). Como respostas a serem analisadas foram escolhidas quatro, descritas a seguir bem como o procedimento de medição. S zf - A área da ponto de solda (determinado através de sua projeção no projetor de perfil do laboratório de Metrologia da UNIFEI, com aumento de 10x e posterior determinação com o auxílio do software AutoCad 2004). HB zf o nível de dureza do ponto de solda (determinado em três pontos diferentes na zona fundida através do durômetro Otto Wolpert-Werke do Laboratório de Materiais UNIFEI aplicando-se uma carga de 100 kg e uma pré carga de 10 kg). Notas Qualidade atribuída ao ponto de solda em uma escala de 0 a 10 e determinadas pela avaliação de dois profissionais diferentes.

7 F max Força máxima do ponto de solda (determinado através de ensaio de cisalhamento realizado na máquina EmicDL2000 do Laboratório de Ensaios Destrutivos da UNIFEI). Vale ressaltar que nas medições de dureza na zona fundida algumas dificuldades foram encontradas em função da não uniformidade da superfície. Desta forma foram feitas as medidas (03) e posterior cálculo da média aritmética. Ressalta-se que a dureza do material é um fator importante, pois quanto maior for a dureza, maior será a fragilidade do material e menor sua resistência ao impacto. 5. RESULTADOS E ANÁLISES A Tabela 3 mostra a planilha de experimentação com a ordem aleatorizada gerada pelo software Minitab e os resultados obtidos conforme procedimento experimental anteriormente descrito. A Figura 5 mostra o detalhamento dos resultados obtidos no ensaio de cisalhamento para os corpos de prova cujo valor da força máxima está contido na Tabela 3. Std Run Parâmetros Respostas Order Order Corrente Pressão Tempo de Ciclo S ZF HB ZF Notas F max (I) (P) (T) - - ka bar µs mm HB - kgf ,23 74,3 5,25 487, ,92 60,0 5,50 700, ,26 74,0 8,00 937, ,52 79,0 8,25 888, ,73 66,3 2,50 * ,57 80,0 5, , ,73 78,0 6,00 942, ,19 82,3 6, , ,25 80,0 8,00 978, ,99 77,7 9,00 949, ,26 84,7 8, , ,45 73,7 7,50 964, ,86 73,7 8,00 566, ,22 95,3 6, , ,98 78,3 7,50 899, ,82 81,0 8,50 863, ,85 85,3 8, , ,62 77,7 6, , ,73 64,7 3,50 360, ,68 71,0 4,00 * Tabela 3 Matriz de experimentação e resultados obtidos. De posse dos resultados, realizou-se uma ANOVA (Analysis of Variance) adotando-se um nível de significância de 5% ( = 5%). Os resultados obtidos para o Valor de P dos parâmetros, das suas interações, dos pontos centrais (ct_pt), do coeficiente de correlação (R 2 ) e do coeficiente de correlação ajustado (R 2 adj) são mostrados na Tabela 4. Percebe-se destes resultados que a corrente de solda seguido pelo tempo de ciclo foram os dois fatores individuais

8 que mais influenciaram nas respostas. Percebe-se ainda que, dependendo das respostas, algumas interações se mostraram significativas, como é o caso da dureza da zona fundida influenciada pela interação I*P; da qualidade visual influenciada pela interação I*T e da força máxima influenciada pelas interações I*P e I*T. Figura 5 - Resultados do ensaio de cisalhamento para os corpos de prova. Fatores Respostas S ZF HB ZF NOTAS F max I 0,001 0,001 0,007 0,000 P 0,339 0,419 0,056 0,082 T 0,001 0,606 0,072 0,003 I*P 0,317 0,021 0,358 0,005 I*T 0,878 0,124 0,000 0,001 P*T 0,230 0,164 0,434 0,073 I*P*T 0,171 0,383 0,942 0,602 ct_pt 0,277 0,344 0,001 0,186 R 2 80,07 77,67 87,63 94,68 R 2 adj 65,58 61,43 78,64 89,95 Tabela 4 Teste de significância individual dos efeitos principais e interações Em função da influência mais significativa da corrente e do tempo de ciclo, a Figura 6 apresenta a influência destes dois parâmetros em todas as respostas analisadas. Percebe-se claramente destes resultados que há para todas as respostas correlações positivas entre elas. Observando a matriz de correlação dos resultados e o Valor de P apresentados entre parênteses na Tabela 5, nota-se que isto realmente ocorre, e que a correlação mais forte ocorre entre a força máxima e a dureza da zona fundida. Isto permite afirmar que ao se aumentar a resistência da solda, a dureza por sua vez também aumenta. Percebe-se também que a mesma tendência ocorre para a área da zona fundida, o que era de se esperar. Para a qualidade da solda também ocorre

9 esta tendência, porém com uma correlação mais fraca, resultado também esperado como será explicado adiante. (a) (b) (c) (d) Figura 6 Efeitos principais da corrente de solda e tempo de ciclo nas respostas: (a) S ZF ; (b) Nível de dureza do ponto de solda; (c) Qualidade visual; (d) Força máxima do cordão. Fmax HB ZF S ZF HB ZF 0,753 (0,000) S ZF 0,517 (0,028) 0,408 (0,074) Notas 0,465 (0,052) 0,539 (0,014) 0,425 (0,062) Tabela 5 Matriz de correlação entre as respostas. As tendências observadas de certa forma se justificam pelos fenômenos físicos que ocorrem durante a imposição de calor e seu posterior efeito na região de solda. Desta forma quando se aumenta a corrente de soldagem, gera-se em conseqüência um aumento da quantidade de calor transferido por Efeito Joule ( Q = RI 2 t ) permitindo a formação de um ponto de solda com maior penetração entre as chapas. Assim este ponto de solda adquire uma maior resistência representada pelo aumento da força cisalhante verificada. Paralelamente a esta maior imposição de calor tem-

10 se um aumento da área correspondente ao ponto de solda, resultado este esperado. Entretanto percebeu-se que esta maior imposição de calor provoca um aumento da expulsão de material do ponto de solda, gerando uma pequena indentação. Esta característica afeta a qualidade superficial da solda, refletindo desta forma na diminuição das notas atribuídas à qualidade com utilizações de correntes no nível superior, muito embora tenham gerado soldas mais resistentes. Este resultado está em concordância com o observado por Paes et al.(1989). Por outro lado o aumento da corrente de soldagem provocou também um aumento da dureza da zona fundida, resultado este oposto ao esperado, já que a velocidade de resfriamento das chapas neste caso indicaria uma tendência de diminuição em função da maior energia imposta. Entretanto este aspecto necessitaria de maiores estudos. Com relação ao tempo de ciclo percebe-se uma influência menor nas respostas analisadas, muito embora nota-se uma tendência de melhores resultados para valores intermediários. De qualquer forma vale observar que a utilização de um tempo menor associado a uma corrente máxima implica em condições de menor consumo de energia, fator este importante para uma maior competitividade da empresa. Finalmente ao analisar-se a pressão entre os eletrodos, como afirmado anteriormente, muito embora sua influência nas respostas seja menor, a análise de sua influência não deixa de ser um parâmetro importante no processo. Observou-se nas respostas analisadas que sua influência significativa ocorreu em interações com a corrente de solda na dureza da zona fundida e força máxima no cisalhamento. A Figura 7 apresenta os resultados destas interações. Pode-se notar que em ambas as respostas, quando se testou condições com maior nível de imposição de corrente, os resultados que permitiram a obtenção de um ponto de solda com maior resistência e dureza foram os correspondentes a pressões em seu nível mais elevado. Percebe-se também não haver uma diferença muito grande destas respostas para níveis de pressões inferiores. Figura 7 - Interações da corrente com a pressão no comportamento da dureza e força máxima. Em função da ANOVA (Analysis of Variance), os resultados mostraram um coeficiente de correlação muito adequado para a força máxima, que representa a resistência da solda, sendo, portanto uma característica de fundamental importância no estabelecimento da qualidade das soldas. De acordo com os resultados processados, esta resposta apresentou um comportamento linear sendo portanto o seu modelo podendo ser previsto com uma adequada precisão. A equação (1) apresenta este modelo previsto para a força máxima, modelo este adequado nas condições de contorno previamente estabelecidas.

11 F max = -137,80 +64,93*I 86,14*P + 57,33*T +16,46 I*P 4,14*I*T 5,67*P*T + 0,28I*P*T (1) S = 73,2831; R 2 = 94,68%; R 2 adj = 89,95%. Este modelo para a força máxima apresenta um coeficiente de ajuste muito bom, entretanto ainda é possível melhor adequá-lo através da eliminação de fatores não significativos. Ao se observar a Tabela 4, nota-se que a interação I*P*T não foi significativa. Ao se eliminar esta interação tem-se o novo modelo linear, mostrado na equação (2), com seus respectivos valores de R 2, R 2 adj e desvio padrão (s): F max = 250, ,72*I 163,73*P + 45,10* T + 24,90I*P 2,74*I*T - 3,15*P*T (2) S = 70,6437; R 2 = 94,50%; R 2 adj = 90,66%; P value = 0,000. O modelo previsto na equação (2), como se nota, apresenta um melhor ajuste que o expresso pela equação (1) sendo desta forma o mais adequado ao presente estudo. 5.1 OTIMIZAÇÃO DAS RESPOSTAS As análises anteriores permitiram estabelecer condições de ajuste dos parâmetros que atendem requisitos individuais da soldagem. Entretanto uma condição de ajuste que permita atender a todas as respostas de forma combinada se torna muito difícil baseado apenas nas análises anteriores, muito embora algumas indicações já se tornam evidentes, como no caso da corrente de solda por exemplo. Para a realização desta otimização global utilizou a ferramenta Response Optimizer do software Minitab. Para isto algumas condições de contorno foram estabelecidas, condições estas mostradas na Tabela 6. Vale ressaltar que no estabelecimento destas condições foi atribuída uma importância maior (peso 8) a força máxima da solda e em escala um pouco menor (peso 6) a qualidade do ponto de solda, por se considerar que estas são respostas muito importantes para a aceitação do cliente. A partir destas condições, a ferramenta estatística estabeleceu a melhor condição de ajuste dos parâmetros bem como as prováveis respostas e os correspondentes coeficientes de desejabilidade global e individual para cada resposta. As condições otimizadas corresponderam aos testes 3 e 17 cujos resultados (reais) estão mostrados na mesma Tabela 6. Ao analisar-se estes resultados inicialmente observa-se que todos os coeficientes de desejabilidade (global e individuais ) tiveram valores muito próximos do máximo (1) mostrando com isto uma condição muito adequada de previsibilidade dos resultados. De certa forma as condições previstas se aproximaram bastante das condições reais com uma faixa de erro máximo de 8% ocorrida na previsão da força máxima. Por outro lado, a condição de ajuste dos parâmetros que permitiram a obtenção otimizada das respostas (I= 11,5 ka; P = 4,0 bar e T= 15 µs) se revela como uma condição muito adequada do ponto de vista econômico já que uma corrente máxima associado a um tempo mínimo conduz a uma menor potência consumida e, conseqüentemente, menor custo com energia elétrica. Os testes correspondentes a estas condições após inspecionados permitiram constatar que a indentação do eletrodo não superou o percentual de 20% relativo a espessura da chapa, condição esta estabelecida como um dos padrões de aceitação do ponto de solda estabelecidos por Aslanlar (2006) em aplicações voltadas para o setor automobilístico.

12 Respostas Objetivo Lower Target Upper Peso Import. S ZF Target HB ZF Target Notas Maximizar F max Maximizar Parâmetros Solução Global Resposta Valores Previstos Desejabilidade Valores Reais Erro (%) Corrente 11,5 S ZF 19,55 0,911 19,26 19,85 1,5 1,0 Pressão 4,0 HB ZF 79,67 0,933 74,00 85,33 7,1 7,1 Tempo 15,0 Notas 8,25 1,000 8,0 8,5 3,0 2,9 Desejabilidade 0,98645 F max 1026,58 1, ,9 1115,3 8,6 8,0 Tabela 6: Otimização das respostas e comparação com os resultados reais. 6. CONCLUSÕES Em função dos resultados e análises este trabalho permite concluir que: A corrente de solda seguido pelo tempo de aplicação foram os parâmetros mais significativos nas respostas analisadas. A utilização da corrente no nível máximo (11,5 ka) permitiu a obtenção de um ponto de solda com maior resistência, com maior dureza e área soldada. Porém a qualidade desta solda foi prejudicada pelo efeito de expulsão do material pelo eletrodo no ponto de solda. Um modelo de previsão da resistência da solda em função dos parâmetros utilizados foi determinado. A otimização das respostas permitiu estabelecer uma condição de soldagem com resultados previstos com uma margem de erro muito próximas das condições reais. 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Aslanlar, S., 2006, The effect of Nucleus Size on Mechanical Properties in Electrical Resistance Spot Welding of Sheets used in Automotive Industry, Materials e Design, vol. 25, pp Brandi, S. D., 1992, Soldagem Processos e Metalurgia, Editora Edgard Blüncher LTDA, São Paulo, Brasil. Balestrassi, P. P., Paiva, P. A., Apostila da disciplina Controle Estatístico da Qualidade, Universidade Federal de Itajubá. Darwish, S.M. e Al-Dekhial, S.D., 1999, Micro-Hardness of Spot Welded (BS 1050) Commercial Aluminium as Correlated with Welding Variables and Strength Attributes, Journal of Materials Processing Technology, vol. 91, pp

13 De, A., Gupta, O. P., Dorn, L., 1996, An Experimental Study of Resistance Spot Welding in 1 mm Thick Sheet of Low Carbon Steel, Journal of Engineering Manufacture, pp Domenech, C.H., 2004, Como fazer um DOE com sucesso, Montgomery, D. C., 1997, Design and Analysis of Experiments, 4 th ed., Wiley, New York. Paes, M.T. P., Guimarães, A. S. e Rebello, J. M. A., 1989, Significância da Expulsão e do Tipo de Fratura em Soldagem por Pontos, Soldagem e Materiais, Junho, pp Paiva, P. A., 2004, Estudo da minimização de erro nas medições de concentração de emulsões por titração Karl-Fischer utilizando-se projeto de experimentos, Dissertação de Mestrado, 215 páginas.

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254.

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. cristie diego pimenta (feg unesp ) pimentadiego@yahoo.com.br Messias Borges Silva (feg unesp ) messias@dequi.eel.usp.br

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DoE UM PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE DIAFRAGMAS DE FREIO. (Design of Experiments) EM. Carlos Eduardo GEHLEN Jordão GHELLER

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DoE UM PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE DIAFRAGMAS DE FREIO. (Design of Experiments) EM. Carlos Eduardo GEHLEN Jordão GHELLER APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DoE (Design of Experiments) EM UM PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE DIAFRAGMAS DE FREIO Carlos Eduardo GEHLEN Jordão GHELLER Experimento Procedimento no qual alterações propositais são

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA Pires, Fábio de Souza Nascimento, Jôneo Lopes do Cardoso, Tito Lívio Medeiros* INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA INT 1. Introdução

Leia mais

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO

Leia mais

Aula 7 - Ensaios de Materiais

Aula 7 - Ensaios de Materiais Aula 7 - Ensaios de Materiais Tecnologia dos Materiais II Prof. Lincoln B. L. G. Pinheiro 23 de setembro de 2010 1 Ensaios de Dureza A dureza é uma propriedade mecânica que mede a resistência do material

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO. Projeto. Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno. Aluno: xxxxxxx n

TRABALHO DE GRADUAÇÃO. Projeto. Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno. Aluno: xxxxxxx n TRABALHO DE GRADUAÇÃO Projeto Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno Aluno: xxxxxxx n Orientador: Marcelo Augusto Santos Torres Início do Trabalho: março de 2010 1. Tema: Mecânica da Fratura

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-TC08 IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr Tópico 05 ENSAIOS MECÂNICOS - DUREZA Parte A - Dureza Brinell Introdução A dureza de um material é uma propriedade difícil de definir, que tem diversos significados dependendo da experiência da pessoa

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são:

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são: 1 Data realização da Laboratório: / / Data da entrega do Relatório: / / Objetivos RELATÓRIO: N o 5 ENSAIO DE FIOS CONDUTORES Verificar o estado da isolação do condutor. 1. Introdução: Esta aula tem como

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Aços CA-50 e CA-25

O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Aços CA-50 e CA-25 O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Os aços são classificados conforme sua resistência, definida pela sua composição e processo de fabricação. Assim,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão 6 a 1 de Outubro de 28 Olinda - PE Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão Ronaldo R. B. de Aquino Zanoni D. Lins Pedro A. C. Rosas UFPE UFPE UFPE rrba@ufpe.br zdl@ufpe.br prosas@ufpe.br

Leia mais

Experiência 03 Ensaio de Fios Condutores

Experiência 03 Ensaio de Fios Condutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 03 Ensaio de Fios Condutores Fábio P. Bauer

Leia mais

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS. Como os corpos sinterizados são compostos de regiões sólidas e poros, os valores de macrodureza determinados pelos

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

FLUXO DE OTIMIZAÇÃO EM PROJETO DE INOVAÇÃO UTILIZANDO

FLUXO DE OTIMIZAÇÃO EM PROJETO DE INOVAÇÃO UTILIZANDO FLUXO DE OTIMIZAÇÃO EM PROJETO DE INOVAÇÃO UTILIZANDO FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS EM CONJUNTO COM FORMULAÇÃO TEÓRICA Cristiano Marques de Oliveira 1 1 Delphi Automotive Systems E-mails: cristiano.m.oliveira@delphi.com

Leia mais

Os paquímetros distinguem-se pela faixa de indicação, pelo nônio, pelas dimensões e forma dos bicos.

Os paquímetros distinguem-se pela faixa de indicação, pelo nônio, pelas dimensões e forma dos bicos. Capítulo 3 PAQUÍMETRO 3.1 ASPECTOS GERAIS 3.1.1 Definição O Paquímetro (figura 3.1) é o resultado da associação de: uma escala, como padrão de comprimento; dois bicos de medição, como meios de transporte

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES Cairo Rezende dos SANTOS; Paulo César M. MACHADO; Luiz Roberto LISITA Escola de Engenharia Elétrica e de Computação UFG cairorezende@hotmail.com,

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

1919 siawood + A próxima geração de abrasivos profissionais

1919 siawood + A próxima geração de abrasivos profissionais 1919 siawood + A próxima geração de abrasivos profissionais 1919 siawood + A próxima geração de abrasivos profissionais A mais nova geração do 1919 siawood clássico estabelece novos padrões no lixamento

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO MSA SISTEMA DE MEDIÇÃO NÃO REPLICÁVEL

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO MSA SISTEMA DE MEDIÇÃO NÃO REPLICÁVEL ANÁLISE DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO MSA SISTEMA DE MEDIÇÃO NÃO REPLICÁVEL Vinicius Fechio Técnico de Metrologia Brasmetal Waelzholz S. A. Ind. e Com. Julho/ 2009 E-mail: vfechio@brasmetal.com.br / Site: www.brasmetal.com.br

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência 2 Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência A Família PS 6000 é o mais recente sistema de solda por resistência

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 A principal diferença entre um ferro fundido e um aço (aço carbono) é o teor de carbono. Portanto os percentuais de carbono nestes elementos são: Ferro

Leia mais

EME405 Resistência dos Materiais I Laboratório Prof. José Célio

EME405 Resistência dos Materiais I Laboratório Prof. José Célio Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia Mecânica EME405 Resistência dos Materiais I Laboratório Prof. José Célio Ensaio 01 Impacto Matrícula: 14551 Nome: Cid Henrique Otoni de Carvalho

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO Alexandre Afonso Alves de Moura Marcos Paulo Pereira de Toledo Ricardo Breviglieri Alves Castilho DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL

Leia mais

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados 1 Tubos cladeados Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para a instalação Tubulações pré-fabricadas e componentes soldados Vasos, tanques e torres Construção

Leia mais

CONFIABILIDADE DESEMPENHO

CONFIABILIDADE DESEMPENHO CONFIABILIDADE DESEMPENHO www. magotteaux. com STRATEGIEDESIGN 09/2006 Em 1950, a MAGOTTEAUX desenvolveu as primeiras bolas fundidas ao cromo na sua planta de Vaux (Bélgica). Hoje, o grupo produz mais

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF T. C. Chuvas 1 ; M. P. Cindra Fonseca 1 ; D. A. Castello 2 1 Departamento de Engenharia Mecânica/PGMEC

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

Aços Longos. Barras Trefiladas

Aços Longos. Barras Trefiladas Aços Longos Barras Trefiladas Soluções em aço seguro e sustentável. Resultado da união dos dois maiores fabricantes mundiais de aço, a ArcelorMittal está presente em mais de 60 países, fabricando Aços

Leia mais

SOLDA A LASER EM CHAPAS FINAS DE AÇO BAIXO CARBONO

SOLDA A LASER EM CHAPAS FINAS DE AÇO BAIXO CARBONO SOLDA A LASER EM CHAPAS FINAS DE AÇO BAIXO CARBONO Luiz Carlos Vicentin Maria Clara F. Ierardi Amauri Garcia Universidade Estadual de Campinas, Departamento de Engenharia de Materiais, CP 6122, 13083-97,

Leia mais

REFINO DE GRÃO ATRAVÉS DE TRATAMENTO TÉRMICO SEM MOVIMENTAÇÃO DE MASSA

REFINO DE GRÃO ATRAVÉS DE TRATAMENTO TÉRMICO SEM MOVIMENTAÇÃO DE MASSA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO LAIZ OLIVEIRA DOS REIS REFINO DE GRÃO ATRAVÉS DE TRATAMENTO TÉRMICO SEM MOVIMENTAÇÃO DE MASSA OSASCO 2011 2 LAIZ OLIVEIRA DOS REIS REFINO DE GRÃO

Leia mais

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensões Admissíveis e Tensões

Leia mais

Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP

Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP 1 Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP Pré-requisitos Ter estudado e compeendido o conteúdo das páginas 5 até 23 do e-book Radiologia Industrial

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Engenharia Diagnóstica

Engenharia Diagnóstica Engenharia Diagnóstica Ensaios Não Destrutivos - END Concreto Armado e Instalações PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Engenharia Diagnóstica

Leia mais

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda 3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda A união de placas em uma estrutura é conhecida como junta. Uma junta pode ser obtida utilizando-se os mais variados elementos de fixação: parafusos, rebites,

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA Edson Hiromassa Takano 1 Ana Sofia C.M. D Oliveira 2 hiromassa@gmail.com 1 sofmat@ufpr.br 2 1, 2 Departamento de Engenharia Mecânica, Setor de

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

gl2 plus DESCRIção VANTAGENS

gl2 plus DESCRIção VANTAGENS gl2 PLUS gl2 plus CARACTERÍSTICAS - PROJETOR Estanqueidade: IP 66 (*) Resistência ao impacto (vidro): IK 08 (**) Classe de isolamento elétrico: I (*) Tensão nominal: 127 a 277V, 50-60 Hz Peso: 13.6 kg

Leia mais

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister Introdução: Propriedades mecânicas indicam o comportamento dos materiais quando sujeitos a esforços de

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

CAPÍTULO 3 INSPEÇÃO E METROLOGIA

CAPÍTULO 3 INSPEÇÃO E METROLOGIA CAPÍTULO 3 INSPEÇÃO E METROLOGIA 3.1. INSPEÇÃO Conjunto de procedimentos técnicos com a finalidade de classificar o produto ou lote de produtos em aceito ou rejeitado. Pode ser efetuada em: Produtos acabados

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 01 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica Qualificação: Assistente

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Técnicas de Pesquisas Experimentais LUIS HENRIQUE STOCCO MARCIO TENÓRIO SANDRA MARCHI Introdução O Planejamento de Experimentos (Design of Experiments, DoE), técnica utilizada

Leia mais

A utilização dos roletes ESI no Brasil

A utilização dos roletes ESI no Brasil Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia A utilização dos roletes ESI no Brasil M.P. Porto 1 1 Departamento de Engenharia

Leia mais