TERMO DE RECOMENDAcA0 N 06/ PRbURB e PROD. Ao Administrador. Assentamento 26 de S que se abstenha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE RECOMENDAcA0 N 06/2014 - PRbURB e PROD. Ao Administrador. Assentamento 26 de S que se abstenha"

Transcrição

1 MINISTERIO P6BLICO DA UNIAO MINISTERIO PuBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITORIOS PROMOTORIA DE JUSTICA DE DEFESA DA ORDEM URBANiSTICA E TERMO DE RECOMENDAcA0 N 06/ PRbURB e PROD Procedimento Administrativo n /13-09 Inquerito Civil Pablico n" /13-41 Ao Administrador Regional da Regiao Administrativa de Vic' nte Pires para que anule as licencas de funcion mento expedid s para os estabelecimentos con erciais localiz dos no Assentamento 26 de S que se abstenha ternbro, bem chino para de emitir novas licencas/ autorizacoes/ funcionamento. alvards de Considerando que o Ministerio Public ten o dever consititucional de promover as aceies necessarias, no exercicio de suas ft..ncoesinstitucionais, para defesa da ordern juridica, do regime democratic e dos interesses individuais indisponiveis e sociais, e, no presente caso, nos -termos dos artigos 182 e 225 da CF/1988, para protecao do ordenamento territorial e do meio ambiente natural e urbano, objetivando propiciar qualidade de vida aue moradores dd Distrito Federal; Considerando que o artigo 225 da Constitu cdo da Repnblk, de 1988 estabelece que todos tern direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bbem de use comum do povo e essencial a sadia qualidade de vida, impo do-se ao 1

2 4 MINISTERIO PUBLICO DA UNIA.0 MINISTERIO PUBLIC() DO DISTRITO FEDERAL E TERRIT6RIOS PROMOTORIA DE JUSTICA DE DEFESA DA ORDEM UF2BANISTICA E Poder Publico e a coletividade o dever de defende-lo e preserva-lo para as presentes e futuras geraccies; Considerando que o direito ao meio ambi nte (natural e c r nstruido) ecologicamente equilibrado depende de atuacao da coletividade e do Poder PUblico, e em especial da adequada implementacdo e execucao dad politicas pnblicas ambientais; Considerando que tramita junto a Promotoria de Justica de Defesa da Ordem Urbanistica o procedimento no /13-09 cujo objeto verificar possivel Ocupacao irregular e parcelamento ilegal do solo no local conhe ido como Assentamento 26 de Seternbro; Considerando que tramita junto a Promc toria de Defes do Meio Ambiente e do PatrimOnio Cultural o Inquerito Civil Publico n /13-41, o qual apura a responsabilidade civil e adrninistrativa pelos danos ambientais decorrentes do adensarnento urbano da area 02 da FLORESTA NACK1)NAL DE BRASILIA, em especial diante do Nncleo Rural 26 de Seterribro. Considerando 'que parte do Assentamento 26 de Setembro esta situado em area da TERRACAP, segundo matricula , do 2 Officio do Registro de ImOveis de Brasilia, mais precisamente 996,4783ha, fls. 423, e parte em terra da Uniao; Considerando que a maior parte 'desta area onde se e -tcontra o Assentamento 26 de Setembro e classificada pelo Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT, Lei complementar 803/2009)) como Area de Interesse mbiental 6sr - (Floresta. Nacional) e que seu quadrante noroeste esta inserido em Area d e Protecao

3 MINISTERIO PUBLICO DA UNIAO MINISTERIO PUBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRIToRIOS PROMOTORIA DE JUSTIcA DE DEFESA DA ORDEM URBANISTICA E PROMOTORIA DE JUSTIcA DE DEFESA DO MEI AMBIENTE E PATRIMONIO CULTURAL de Mananciais (APM) Bananal, circundada pelos COrregos do Valo e Cana do Reino, pelo Parque Nacional de Brasilia e pela Floresta Nacional de Brasilia (FLONA); - Considerando que as glebas em que esta localizado referido Assentamento Rural estao no interior da Area 02 da Fl resta Nacional e Brasilia (FLONA), criada pelo Decreto Presidencial s/n de 10 de junho de 1999, fi rando no altigo 17 da Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservac (Lei n /2000); Considerando que parte do Assentamen o e Area de P otecao de Manancial e integra as areas de recarga de lencol freatico formados das na centes do Ribeirao 113ananal que ficam no Parque Nacional de Brasilia e comps e a Bacia Hidrografica do Lago Paranod, fratando-se de regiao especialmente s nsivel a o abastecimento de agua do Distrito Federal para os presentes ands e ind spensavel para as geracoes posteriores; Considerando que o PDOT; em seu art. 97, estabelece como diretrizes para Areas de Protecao de Manancial a proibicao do parcelamento rural, a preserva0o da vegetacao nativa, a recuperacao d s areas degradadas de preservacao permanente e a proibicao de atividades agro ecuarias de forle impacto ambiental, bem como aquelas geradoras de risco a captaczo de agua; Considerando que o PDOT tambern classifia a area do Ass ntamento 26 de Setembro como Zona Rural de Uso Controlado; 3

4 MINISTERIO PUBLIC() DA UNIAO MINISTERIO PUBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRIToRIO PROMOTORIA DE JUSTICA DE DEFESA DA ORDEM URBANiSTICA E Considerando que, de acordo corn o inciso V, do art. 88 do PDOT, em focais corn essa classificacdo devera ser coibido o parcelamento irregular ' rurais; glebas Considerando que o Assentamento 26 de Stembro ainda e tá situado em Zona I'ampao do Parque Nacional de Brasilia; Considerando, por fim, o Assentamento 26 de Setembro es 4a inserido em area da Floresta Nacional, em Area de Protecao A ambas Unidades de Conservacan de Uso Sustentavel; biental do Plan6 Central, Considerando que o Instituto Chico Me Ades de Conse yacao da Biodiviersidade (ICMBio) e o Orgāo gestor dessas Unidades de Consei acao, nos termos do art. 4" do Decreto'n 1.299/99; Considerando que, face caracteristicas e fragilidades a bientais, qualquer intervencao no local deve ser,precedida de con sulta do Orgao estor, em conformidade corn a Lei 9985/2000; Considerando que a area do Assentamento 26 de Setemi ro nao é passivel de transferencia de dominialidade aos particulares cupantes (regularizacao fundiaria), tendo em vista a determinacao do 1 do artigo!17 da Lei Federal 9.985/2000 de que as, terras da FLOR STA NACIO AL sac), necessariamente, de posse e dominios publicos. Considerando que o art. 11 da Lei Distritai n 4611/2011, c ndiciona a emissao do alvard de funcionamento provisorio ' a bservancia da E.,gislacao ur anistica e ambiental, quando existentes;

5 MINISTERIO PUBLIC() DA UNIAO MINISTERIO PUBLIC DO DISTRITO FEDERAL E TERRITORIOS PROMOTORIA DE JUSTICA DE DEFESA DA ORDEM URBANISTICA E Considerando que, a despeito de todas as caracteristicas e fragilidade ambiental da area, a Administracao Regional de Vicen e Pires expecliu a Ivard de funciona ' ento - para tres empreendimentos comerciais; a saber: Super ercado e Distribui ora Lara, llasicao Materiais de ConstrucaO Materia is de Construcao; e Pre-Molded Estrela Considerando que, para o Superrnercad e Distribuido 'a Lara, o *are de, funcionamento preve atividade de comercio e produtos ali enticios e materials de construcdo no mesmo lugar; Considerando que, caso fosse legalmente alv era d funcionamento, esta deveria ser precedida de Sanitaria, conforme Lei no 6360/106, regulamentada pelc possivel a ex edicao de autorizacao da Vigilancia Decreto n 8077/ 2013; Considerando que os estabelecimentos Tony Allan e Pre noldados Estrela d dicam-se ao comercio de materiais de construca Considerando que essas atividades comerc ais sac) incompa veis corn as caracteristicas ambientais da area onde se encontra o Assentame to 26 de. Setembro, conforme acima delineado; Considerando que, alem disso, o estabelecimento corn rcial Premoldados Estrela exerce parte de sues atividades em a ea aberta, dedic ndo-se a produzir artefatos de cimento e comercio varejista; Considerando que essa atividade e p tencialmente oluidora, especialmente sob a forma de material particulado e por ua dispersdo a osferica,.rtifir ex)' g indo Drevio licenciamento ambiental e adequacao urb nistica; 5

6 MINISTERIO PUBLICO DA UNIA0 MINISTERIO PUBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRIToRIOS PROMOTORIA DE JUSTIcA DE DEFESA DA ORDEM URBANISTICA E PROMOTORIA DE JUSTIcA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE E PATRIMONIO CULTURAL Considerando que esse fato, por si so, exig ria a realizacao e vistoria previa p lo IBRAM para fins de concessao de alvara de uncionamento, os termos do anexo VI do Decreto n /2010, que regulamenta, Lei n 4457/20 9; Considerando que, caso fosse legalmente possivel a ex dicao de alvara d,fnncionamento, seria necessaria previa vistoria do IBRAM (lice ciamento 'ambienta ) nos terrnos do Decreto /2010, que trata da classifi acao das atividade de risco; Considerando que, caso fosse legalmente possivel a exp dicao de alvara de funcionamento para esse estabelecimento com rcial, haveria n cessidade de previ vistoria por parte do Corpo de Bombeiros Militar, uma vez que area utilizada pelo comerciante e superior a 750m 2, confon e se depreend da area indicada para fins de recolhimento da taxa de fiscaliz cao (6.285,36 ). Neste ponto, cumpre observar que ha grande divergencia entre sta area e aquel "indicada no alvara (500m 2); Consideranclo que qualquer atividade a set desenvo vida - no Assentamento 26 de Setembro exige previa consulta ao rgao gestor (ICI Bio) da unidade de conservacao diretamente afetada (FLOREST NACIONAL) Cerea da compatibilidade da atividade corn as restricoes arnbientais do local; de funci especialm Considerando que nao cabe ao administrac,or public expe it alvard namento para atividades.econornicas a se em exercidas pm, area nte protegida e nao passivel de regularizacao fudiaria; Considerando que o Administrador PUblico pode, a qualqu r tempo, vogar (no caso de,relevante interesse publico), Vassar (na hip i tese de

7 MINISTERIO PUBLIC() DA UNIAO MINISTERIO PUBLIC() DO DISTRITO FEDERAL E TERRIT6RIOS PROMOTORIA DE JUSTICA DE DEFESA DA ORDEM URBANISTICA E desvirtumento 1 da finalidade do document obtido) u a anular (no caso de comprov cao de ilegalidade ou irregularidade na doc mentacao apres nfada ou expedida, seus atos administrativos; verbis: Considerando o contido no art. 11 da Lei 4.611/2011 e er4 seu 2(), Art. 11. Exceto nos casos em que o au de risco d atividade seja considerado alto e observadas a legislacoes ur anistica e ambiental do Distrito Federal, quan1 o existentes, os rgaos do Distrito Federal erruitirao Alvara de 1funcionamentoo rovisorio, que permitird o inicio de oper cao do estab lecimento imediatamente apos o ato de registro. (...) 2 Na hipatese de verificacao p sterior da em encia de restricao a concessao do Alvara, este sera sum riamente cassado, cabendo aos orgaos de Ficalizacao providenciar a extincao da atividade no prazo de 5 (inco) dias Itteis. O Ministerio Public do Distrito Federal e TerritOrios resolve RECOMENDAR ao Senhol. Administrador Regional de Vicente Pires/ que Anule os alvaras de funcionamento expedidos ara os estabelecimentos comerciais Tony Allan dos Reis C rreia-me A1/4... (processo n /2013), Pre-Mold dos Estrela Coi ercio de 7

8 MINISTERIO PUBLIC() DA UNIAO MINISTERIO PUBLIC() DO DISTRITO FEDERAL E TERRITORIO PROMOTORIA DE JUSTICA DE DEFESA DA ORDEM URBANiSTICA E PROMOTORIA DE JUSTICA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE E PATRIMONIO CULTUR Artefatos de Cimento Ltda-ME (process W.F. Lara & Cia Ltda -Mt (processo n /2013) /2012) e Abstenha-se de emitir novos alvaras/ icen0s/aufori coes de funcionamento sem previa comprovac7o de cumpri ento das normas ambientais e previa consulta ao gdo gestor das nidades de Conservacao e demais argaos envchlvidos no pr cesso de licenciamento de atividade economica, a exemplo da VISA e Corpo de Bombeiros. 0 Ministerio Ptiblico requisita, corn funda ento no art. 8, Complenientar n 75/93, no prazo de 10 (dez) dias ittei, informacoes medidas Idotadas para o cumprimento da presente Reco endacao. V da Lei erca das Informa-se, por oportuno, que o n5 RECOME DAQA0 implicard a tomada das medida esferas adininistrativa, civel, penal e de improbidade. atendimento a esta judiciais cabi eis, nas Brasilia, 31 de marco de Deni Aug isto de Oliveira il/loura Prot rotor de Justica MPDFT )rt Cot Pvemotor de Justica MPUFT Marcelo 'autos Teixe,r a, Ougii(;11-Adjui MPDFT /// 4/( Cesar Au orlo t arde li Costa Prom. Adj unto 8

RECOMENDAQA0 PROURB N 04/2014

RECOMENDAQA0 PROURB N 04/2014 MINISTERIO PUBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITORIOS PROMOTORIA DE JUSTIcA DE DEFESA DA ORDEM URBANISTICA RECOMENDAQA0 PROURB N 04/2014 Recomenda ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

DIGNISSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR DE JUSTIÇA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE LIMEIRA/SP.

DIGNISSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR DE JUSTIÇA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE LIMEIRA/SP. DIGNISSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR DE JUSTIÇA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE LIMEIRA/SP. Inquérito Civil n 021/06 ASSOCIAÇÃO DE DEFESA E PROTEÇÃO DOS DIREITOS DO CIDADÃO ONG DEFENDE associação constituída

Leia mais

FLORESTA NACIONAL DE BRASÍLIA (Como preservá- la para as presentes e futuras gerações?)

FLORESTA NACIONAL DE BRASÍLIA (Como preservá- la para as presentes e futuras gerações?) FLORESTA NACIONAL DE BRASÍLIA (Como preservá- la para as presentes e futuras gerações?) Promotor de Jus,ça do MPDFT Promotoria de Defesa do Meio Ambiente (PRODEMA) Dr. PAULO LEITE Audiência Pública dia

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE

A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE Hiuri Martorelli Metaxas 1 RESUMO: Este artigo descreve o conceito de Licenciamento Ambiental segundo a legislação vigente.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Renováveis (Ibama), Ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECOMENDAÇÃO Nº 01, de 31 de março de 2009 1. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República que esta subscreve, no uso das suas atribuições constitucionais e legais: 2. Considerando que,

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1

NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1 NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1 Em, 16 de maio de 2012. 1. Referência Projeto de Lei Complementar n. 117/2011 que altera dispositivos da

Leia mais

LEI N 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992

LEI N 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992 LEI N 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992 Cria a Secretaria de Estado do Meio Ambiente - SEMA, a entidade autarquica Instituto Ambiental do Parana - IAP e adota outras providencias. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

RECOMENDAÇÃO 001/2008

RECOMENDAÇÃO 001/2008 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DA BAHIA OFÍCIO DO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO 001/2008 OBJETO: assegurar que recursos financeiros do Banco Nacional

Leia mais

JOSÉ AFONSO JACOMO DO COUTO

JOSÉ AFONSO JACOMO DO COUTO O Diretor-Presidente da COOPERLEG - Cooperativa Habitacional dos Servidores do Legislativo LTDA, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto Social da Entidade, convoca todos os cooperados ADIMPLENTES

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras Registro http://servicos.ibama.gov.br/ctf/modulos/certificadoregistro/certificado... 1 de 1 25/09/2013 09:16 Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Painel I Parcelamento do Solo Conceitos e Aspectos Legais 20 de junho de 2006 1 Loteamento art. 2º,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO 1 PARECER nº 1075/2003 REQUERENTE: ROFINO MARCON E OUTROS END. RUA JOÃO CAETANO n. 507 PROCESSO n 2.249815.00.4 ASSUNTO: Limitação ambiental. Área não edificável. Projeto especial para alteração do regime

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE SANTO ANTONIO DO DESCOBERTO/GOIÁS

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE SANTO ANTONIO DO DESCOBERTO/GOIÁS RECOMENDAÇÃO EXPEDIDA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS A RESPEITO DA ILEGALIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE CHÁCARAS E SÍTIOS DE RECREIO NA ZONA RURAL Santo Antônio do Descoberto 26, de agosto de 2013.

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Ordinario Vinculado Total

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Ordinario Vinculado Total 01.000.0000 Legislativa 55.548.990,00 55.548.990,00 01.031.0000 Acao Legislativa 55.544.400,00 55.544.400,00 01.031.0010 Prover a Camara Municipal de 16.350.000,00 16.350.000,00 infra-estrutura fisica

Leia mais

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011 DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS Junho/2011 CONTEXTO Das 310 Ucs Federais, 251 são domínio público DOMÍNIO TERRAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS DOMÍNIO TERRAS PÚBLICAS

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81)

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 1. LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1.1 NATUREZA JURÍDICA: Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) 1.2 CONCEITO: Segundo o art. 1º,

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

ffi O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE Justiça de Tutela Coletiva Nucleo Três Rios, no exercício de sììas e dos

ffi O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE Justiça de Tutela Coletiva Nucleo Três Rios, no exercício de sììas e dos ffi M i pntfug 8uHir""S "ff S$pç*"# t$tàtx'éb rprr ve NUcLEo rnês RIos-RJ RECOMENDAÇAO N." O7l2O13 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, pelo Promotor de Justiça oficiante perante a Promotoria

Leia mais

Entidade: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - Ibama

Entidade: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - Ibama Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0372-38/00-2 Identidade do documento: Decisão 372/2000 - Segunda Câmara Ementa: Representação formulada por Unidade Técnica do TCU. IBAMA. Possíveis

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA O PODER DE POLÍCIA AMBIENTAL E SUA EXECUÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE CASTRO CASTRO

Leia mais

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII ANOTAÇÕES SOBRE A FAUNA Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VI - florestas, caça,

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios Luciano de Faria Brasil Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística de Porto

Leia mais

Portaria n. 88, de 22/07/2015

Portaria n. 88, de 22/07/2015 Portaria n. 88, de 22/07/2015 O Ministério Público Federal, pelos Procuradores da República signatários, no cumprimento de suas atribuições constitucionais conferidas pelo art. 129 da Constituição Federal

Leia mais

MEIO AMBIENTE LEIS E REGULAMENTOS AMBIENTAIS

MEIO AMBIENTE LEIS E REGULAMENTOS AMBIENTAIS Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental MEIO AMBIENTE LEIS E REGULAMENTOS AMBIENTAIS Constituição Federal art 23, 24, 30, 170, 175, 186 e 225 Lei de Crimes Ambientais Lei 9605/98 art 2º, 3º e 56

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS Principais Objetivos da Política Ambiental de MS para o Setor Florestal Reduzir a pressão sobre a vegetação nativa, especialmente aquela

Leia mais

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011 Regularização Fundiária Rosane Tierno 02 julho -2011 Parte I - Informalidade fundiária Imagem interna de um cortiço Regularização Fundiária Por que?? INFORMALIDADE FUNDIÁRIA URBANA MUNICÍPIOS POR FAIXA

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

RECO1VIENDAcA0 le'24/2009- PROURB

RECO1VIENDAcA0 le'24/2009- PROURB MINISTERIO PUBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITORIOS PROMOTORIA DE JUSTICA DA ORDEM URBANISTICA PROMOTORIA DE JUSTICA DE DEFESA DA EDUCACAO RECO1VIENDAcA0 le'24/2009- PROURB 0 Ministerio Pablico do Distrito

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DA RECEITA POR SUA NATUREZA Em R$ 1,00

CONSOLIDAÇÃO DA RECEITA POR SUA NATUREZA Em R$ 1,00 10000000 RECEITAS CORRENTES 5.333.697.922 11000000 RECEITA TRIBUTARIA 2.123.261.493 11120000 IMPOSTOS 248.988.321 11120430 11120501 11120700 RETIDO NAS FONTES IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEICULOS AUTOM

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

13/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP de Indaiatuba AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS

13/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP de Indaiatuba AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS 13/10/ CIESP de Indaiatuba 08 de outubro de AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS COMITÊS DE BACIAS CIESP de Indaiatuba 08 de outubro de Organização ( Lei n 6938/81

Leia mais

AULA 04. O art.225, 1º, III, da Constituição, assim dispõe: 1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público:

AULA 04. O art.225, 1º, III, da Constituição, assim dispõe: 1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Ambiental / Aula 04 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 04 CONTEÚDO DA AULA: Sistema Nacional de Unidades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

ANEXO II MAPEAMENTO DE RISCOS AMBIENTAIS

ANEXO II MAPEAMENTO DE RISCOS AMBIENTAIS ANEXO II MAPEAMENTO DE RISCOS AMBIENTAIS ATIVIDADES POTENCIALMENTE IMPACTANTES (API) Atividades potencialmente impactantes (API): compreendem empreendimentos e atividades com potencial de causar danos

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS. Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos

RECURSOS HÍDRICOS. Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos RECURSOS HÍDRICOS Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos WORKSHOP A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR PRODUTIVO EM FÓRUNS AMBIENTAIS CIESP - JUNDIAÍ SETEMBRO - 2010 Wilson A. Bonança

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 026/2011

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 026/2011 Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS RECOMENDAÇÃO nº 026/2011 Ao INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS (IBAMA), Diretoria de Planejamento, Administração

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL

O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL Luiz Henrique Lima, D.Sc. Conselheiro Substituto TCE MT XIV SINAOP - Cuiabá, MT - novembro / 2011 O Brasil detém a maior diversidade biológica do planeta, 40%

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União

Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União Seminário Nacional de Gerenciamento Costeiro Brasília, 4 de novembro de 2014 Reinaldo Redorat A área pública não é do Estado e sim, de todos!

Leia mais

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável;

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável; Instrução n. 22/2007 Visa garantir nos imóveis, Área Livre de qualquer intervenção, permeável, passível de arborização e dá outras providências. atribuições legais, O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Regulamentação e Licenciamento Ambiental Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Matriz Constitucional "Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

4º SEMINÁRIO REGIONAL SUL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROGRAMA LIXO NOSSO DE CADA DIA

4º SEMINÁRIO REGIONAL SUL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROGRAMA LIXO NOSSO DE CADA DIA 4º SEMINÁRIO REGIONAL SUL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROGRAMA LIXO NOSSO DE CADA DIA Daniela Kramer Frassetto Assessora de Gabinete CME/MPSC cme@mpsc.mp.br Realidade do Planeta e do Brasil A manutenção do aumento

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. LEI Nº 5.280, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. LEI Nº 5.280, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) 1 LEI Nº 5.280, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) REGULAMENTADA PELO DECRETO DISTRITAL 35.309 DE 08.04.2014 DODF 09.04.2014 Dispõe sobre o licenciamento para funcionamento

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL

PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL Severino Soares Agra Filho UFBA POLíTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Art 2º - A Política Nacional do Meio Ambiente tem

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DA RECEITA POR SUA NATUREZA Em R$ 1,00

CONSOLIDAÇÃO DA RECEITA POR SUA NATUREZA Em R$ 1,00 10000000 RECEITAS CORRENTES 5.663.681.554 11000000 RECEITA TRIBUTARIA 2.430.104.300 11120000 IMPOSTOS 269.520.373 11120431 11120501 11120701 RETIDO NAS FONTES - TRABALHO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS MINERAIS - DIPM

DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS MINERAIS - DIPM Licenciamento Ambiental da Atividade de Exploração Abertura de acessos Acampamento provisório Praça de sondagem Malha de sondagem Cenário recente Aplicação mais rigorosa pelos Órgãos Ambientais de legislação

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Novo Hamburgo/RS Interessado(s) 1: Jumibel Interessado(s) 2: Color Telhas Vitrificadas Ltda. - ME Assunto(s): Meio Ambiente do Trabalho 01.01.014-01.03. RECURSO ADMINISTRATIVO. AUSÊNCIA

Leia mais

PORTARIA N o 51, DE 7 DE OUTUBRO DE 2008. (publicada no DOU de 8/10/2008, seção I, página 57)

PORTARIA N o 51, DE 7 DE OUTUBRO DE 2008. (publicada no DOU de 8/10/2008, seção I, página 57) PORTARIA N o 51, DE 7 DE OUTUBRO DE 2008. (publicada no DOU de 8/10/2008, seção I, página 57) A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 60, inciso III, da Lei n

Leia mais

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL RODRIGO ANDREOTTI MUSETTI I-) INTRODUÇAO. A exploração de florestas de domínio privado (não sujeitas ao regime de utilização limitada

Leia mais

PROJETO DE DEFESA DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO A GRANDE DEVASTAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

PROJETO DE DEFESA DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO A GRANDE DEVASTAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO CADERNO DE METAS 2009 PROJETO DE DEFESA DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO A GRANDE DEVASTAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Após longos anos de devastação e exploração, o povo e a cultura do Rio São Francisco vêem

Leia mais

A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO

A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO (*) Gabriel Montilha Nos processos de licenciamento ambiental para a implantação de loteamentos, submetidos à aprovação dos órgãos ambientais,

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

PLANO DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL DA VILA NOVA MUNICÍPIO DE MATINHOS

PLANO DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL DA VILA NOVA MUNICÍPIO DE MATINHOS PLANO DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL DA VILA NOVA MUNICÍPIO DE MATINHOS 1. OBJETO Regularização fundiária sustentável e saneamento ambiental da área denominada Vila Nova, bem imóvel de propriedade

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROMOTORIA DE LAGOA GRANDE Curadoria do Meio Ambiente RECOMENDAÇÃO Nº 002/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROMOTORIA DE LAGOA GRANDE Curadoria do Meio Ambiente RECOMENDAÇÃO Nº 002/2014 RECOMENDAÇÃO Nº 002/2014 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, por seu órgão de execução, no uso das suas atribuições legais, com fundamento no artigo 129, inciso II, da Constituição, c/c artigo

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

Engº Cezar Augusto Pinto Motta TCE/RS -SRSM cmotta@tce.rs.gov.br

Engº Cezar Augusto Pinto Motta TCE/RS -SRSM cmotta@tce.rs.gov.br Metodologia de Auditoria de Gestão o Ambiental Engº Cezar Augusto Pinto Motta TCE/RS -SRSM cmotta@tce.rs.gov.br Comissão Especial Portaria 525/02 Dra. Rosângela Motiska Bertolo Dra. Rosane Heineck Schmitt

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Implantação e gestão territorial das UCs REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ NÚCLEO DE CIDADANIA E MEIO AMBIENTE 30ª Promotoria de Justiça

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ NÚCLEO DE CIDADANIA E MEIO AMBIENTE 30ª Promotoria de Justiça RECOMENDAÇÃO N.º 16/2011 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ, por intermédio da representante da abaixo firmada, com fundamento no art. 27, parágrafo único, inciso IV, da Lei Orgânica Nacional do Ministério

Leia mais

LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982

LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982 LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982 DISCIPLINA a Política Estadual da Prevenção e Controle da Poluição, Melhoria e Recuperação do Meio Ambiente e da Proteção aos Recursos Naturais, e da outras providencias.

Leia mais

ICMS Ecológico. A Federação Goiana de Municípios orienta sobre ICMS Ecológico

ICMS Ecológico. A Federação Goiana de Municípios orienta sobre ICMS Ecológico ICMS Ecológico A Federação Goiana de Municípios orienta sobre ICMS Ecológico ICMS Ecológico O que é? O ICMS Ecológico é um mecanismo tributário que possibilita aos municípios acesso a parcelas maiores

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DECRETO Nº 6796 Altera e atualiza o Zoneamento Ecológico Econômico da Área de Proteção Ambiental denominada APA do Rio Verde. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

Unidades de Conservação Federal, Mineração e Elaboração de Planos de Manejo

Unidades de Conservação Federal, Mineração e Elaboração de Planos de Manejo Unidades de Conservação Federal, Mineração e Elaboração de Planos de Manejo Belém-PA Dezembro/2012 Proteger o patrimônio natural e promover o desenvolvimento socioambiental Portaria MME N 882, de 25

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO Rua Professora Maria Coeli Franco, 13 - CNPJ nº 18.602.037/0001-55 CEP: 38.800-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO Rua Professora Maria Coeli Franco, 13 - CNPJ nº 18.602.037/0001-55 CEP: 38.800-000 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO Rua Professora Maria Coeli Franco, 13 - CNPJ nº 18.602.037/0001-55 CEP: 38.800-000 LEI N 2.076, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. ESTABELECE PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA, ESTIMANDO

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização LO N : 0001/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

EMENTA: INSTITUI Q "!PTU ECOLOGICQ",

EMENTA: INSTITUI Q !PTU ECOLOGICQ, bitfllli\i1a AAUPlIi:ilflAL BE GARAliNlif) PROTOCOLO GERAL N0,Q.{.; L( C

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais