Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais"

Transcrição

1 Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) Departamento de Ensino de II Grau Coordenação do Curso Técnico de Eletrotécnica e Automação Industrial Disciplina: Prática de Laboratório de Máquinas Elétricas II Prof. Welington Passos de Almeida Prof. Colimar Marcos Vieira 2007

2 Índice Conteúdo 1ª Aula prática: Conteúdo Programático ª Aula prática: Motor de Indução ª Aula prática:motor de indução rotor bobinado ª Aula prática :Partida Motor de indução ª Aula prática :Ensaio rotor bloqueado ª Aula prática : Ensaio a vazio motor de indução ª Aula prática : Ensaio de carga motor de indução ª Aula prática : Máquina Síncrona ª Aula prática : Ensaio a vazio gerador síncrono ª Aula prática : Ensaio em curto circuito gerador síncrono ª Aula prática : Paralelismo geradores síncronos ª Aula prática :Ensaio de carga motor síncrono IV BIBLIOGRAFIA: Máquinas Elétricas II Página 2

3 1ª Aula prática: Conteúdo Programático Assunto: Apresentação, objetivos gerais, conteúdo programático, bibliografia e avaliação. I APRESENTAÇÃO: Disciplina: Prática de Laboratório de Máquinas Elétricas II PLME II. Curso: Eletrotécnica e Automação Industrial Turma: 4º Módulo Carga Horária de 02 aulas semanais. II OBJETIVOS GERAIS: Ao final da disciplina o aluno será capaz de: 1. Identificar os componentes básicos da máquina assíncrona. 2. Executar os principais ensaios de laboratório em motores assíncronos. 3. Obter o circuito equivalente dos motores assíncronos a partir dos ensaios de laboratório. 4. Calcular o rendimento dos motores assíncronos a partir dos circuitos equivalentes obtidos nos ensaios e das condições de operação. 5. Determinar a regulação de velocidade dos motores assíncronos. 6. Identificar os componentes básicos da máquina síncrona. 7. Utilizar a terminologia específica empregada para a máquina síncrona. 8. Executar os principais ensaios de rotina da máquina síncrona. 9. Executar transferência de potência ativa e reativa entre geradores síncronos ligados a um barramento infinito. 10. Calcular o rendimento dos motores síncronos a partir dos ensaios e das condições de operação. III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: UNIDADE 1: MÁQUINAS ASSÍNCRONAS 1.1 Partes constituintes e aplicações. 1.2 Ensaio a vazio do motor de indução trifásico com o circuito de rotor aberto. 1.3 Medição da relação de transformação de um MIT, rotor bobinado. 1.4 Partida de um MIT, rotor bobinado. 1.5 Ensaio de rotor bloqueado de um MIT, rotor bobinado. Máquinas Elétricas II Página 3

4 1.6 Ensaio a vazio de um MIT, rotor bobinado. 1.7 Ensaio de carga de um MIT, rotor bobinado. UNIDADE 2: MÁQUINAS SÍNCRONAS Partes constituintes, emprego e aplicações Partida de um motor síncrono Ensaio a vazio de um gerador síncrono trifásico Ensaio de curto-circuito de um gerador síncrono trifásico Operação em paralelo de geradores síncronos trifásicos Ensaio de carga do motor síncrono trifásico Ensaio de carga do gerador síncrono trifásico. V AVALIAÇÃO: 1ª Avaliação escrita abrangendo os conteúdos das práticas de Máquinas de indução trifásica, valor: 30 pontos; 2ª Avaliação escrita abrangendo os conteúdos das práticas de máquinas síncronas, valor: 30 pontos; 3ª Avaliação escrita abrangendo os conteúdos das práticas de máquinas de indução trifásica e máquinas síncronas, valor: 40 pontos; 4ª Exame Especial, valor: 100 pontos: a) Avaliação da seqüência de ações para resolver um determinado problema, valor: 40 pontos; b) Avaliação da execução de ensaios e solução do problema, valor: 60 pontos Máquinas Elétricas II Página 4

5 2ª Aula prática: Motor de Indução Assunto: Introdução do motor de indução trifásico. Fundamentos Teóricos Um Campo magnético girante com amplitude constante e velocidade angular constante ocorre no estator da máquina de indução trifásica quando lhe é aplicada uma tensão trifásica com amplitude e freqüência constantes no seu enrolamento de armadura. Isto acontece por causa da composição vetorial das correntes circulantes em cada fase, que combinada com a posição geométrica dos enrolamentos da armadura (defasados de 120º geométricos) produz o campo magnético rotativo no sentido horário ou anti-horário, dependendo da seqüência de fases da tensão aplicada. A cada instante o fluxo mútuo resultante no entreferro da máquina (φ m ) desencadeia uma série de ações que faz a máquina operar equilibradamente em cada ponto de carga. O diagrama vetorial, a seguir, mostra o funcionamento equilibrado da máquina de indução trifásica para uma tensão senoidal instantaneamente positiva aplicada no enrolamento da armadura, isto é, com valores instantâneos no I e II quadrantes trigonométricos. Onde: V a = Tensão na armadura (amplitude e freqüência constantes) I a = Corrente na armadura (amplitude variável) θ a = Ângulo do fator de potência na armadura φ a = Fluxo na armadura (amplitude variável) E a = Tensão induzida na armadura (amplitude variável) E r = Tensão induzida no rotor (amplitude e freqüência variáveis) θ r = Ângulo do fator de potência no rotor I r = Corrente no rotor (amplitude e freqüência variáveis) φ r = Fluxo no rotor (variável) φ m = Fluxo mútuo resultante no entreferro (constante) As partes constituintes das máquinas de indução trifásica são: Máquinas Elétricas II Página 5

6 Carcaça Núcleo do estator ou da armadura Enrolamento do estator ou da armadura Eixo do rotor Núcleo do rotor Enrolamento do rotor: a) Bobinado ou enrolado; b) Gaiola de esquilo. Obs.: Quando o rotor é bobinado, a máquina exige anéis coletores, escovas, molas e porta escovas. A velocidade angular do campo magnético girante (N s ) a partir de: (N s = 120.f / P), onde N s é a velocidade angular ou velocidade síncrona (rpm), f é a freqüência da tensão do enrolamento da armadura e P é o número de pólos da máquina.. A diferença entre a velocidade síncrona do campo magnético girante e a velocidade efetiva do rotor é chamada de deslize ou de escorregamento (s): s(%) = [(N s N r ).100%] / N s, Onde: N r = Velocidade do rotor (rpm) s% = Escorregamento percentual A tensão, freqüência e a reatância do rotor dependem exclusivamente do escorregamento (s): f r = s. f, onde f r é a freqüência da tensão no rotor; E r = s. E bl, onde E r é Tensão induzida no rotor e E bl é a tensão induzida com o rotor bloqueado; X r = s. X bl, onde X r é a reatância do rotor e X bl é a reatância do rotor com rotor bloqueado. O número de pares de pólos é inversamente proporcional à velocidade angular se o período ou freqüência forem constantes. O número de pares de pólos é diretamente proporcional à freqüência se a velocidade for mantida constante. Máquinas Elétricas II Página 6

7 3ª Aula prática: Motor de indução rotor bobinado Assunto: Ensaio do MIT, rotor bobinado, com o circuito de rotor aberto. Fundamentos Teóricos Neste ensaio determina-se a potência de histerese e correntes de Foucault com circuito de rotor aberto (P hfcra ) desenvolvido pelo motor de indução trifásico para a condição de tensão e freqüência nominais aplicadas na armadura. A equação de tensão por fase do motor de indução trifásico é dada por: V af = Z af x I af + Z mf x I af Onde, V af = tensão na armadura por fase Z af = impedância de armadura por fase I af = corrente de armadura por fase Z mf = impedância de magnetização por fase A potência total com o circuito de rotor aberto (P tcra ) é dada por: P tcra = P hfcra + P rea Onde, P tcra = W 1 + W 2 = (3) 1/2. V a. I a. Cos θ a P hfcra = P tcra - P rea = 3. (V mf ) 2 / R mf Cos θ a = fator de potência da armadura V mf = tensão de magnetização por fase R mf = resistência de magnetização por fase P rea = potência nas resistências do enrolamento da armadura P rea = 3. R af. (I af ) 2 = 3/2 R linha. (I a ) 2 Onde, R af = resistência de armadura por fase R linha = resistência de armadura por linha Máquinas Elétricas II Página 7

8 Ω R af R Linha = 2 R af R af ou: R af R Linha R af = 2 A resistência de armadura por fase pode ser medida diretamente, se a conexão estrela ou triângulo for desfeita, caso contrário mede-se a resistência de linha e calcula-se a resistência de fase e corrige-se para a temperatura de trabalho (75ºC): (R af ) 75ºC = (R af ) ta [(234,5º + 75º) / (234,5º + ta)], Onde: (R af ) ta = resistência na temperatura ambiente (R af ) 75ºC = resistência na temperatura de 75 o C 234,5º = temperatura negativa no qual a resistência do cobre é praticamente igual a zero. Então, voltando à equação de potência total com o circuito de rotor aberto P tcra e isolando a variável potência de histerese e correntes de Foucault P hfcra teremos, P hfcra = P tcra - P rea ou P hfcra = W 1 + W 2-3 R af. I 2 af ou ainda P hfcra = [(3) 1/2. V a. I a. Cos θ a ] - [(3/2). R linha. (I a ) 2 ]. Este P hfcra é determinado para a tensão nominal aplicada na armadura V a e para a freqüência nominal da tensão aplicada na armadura f. Sabe-se que o P hf varia quadraticamente com a tensão aplicada na armadura e que o mesmo P hf varia linearmente com a freqüência aplicada na armadura, daí concluirmos que será possível determinar o desconhecido P hfx se a freqüência aplicada na armadura for mantida constante e a tensão aplicada na armadura V ax variar, teremos: (P hfcra / P hfx ) = [(V a ) 2 / (V ax ) 2 ] e isolando o valor do P hfx teremos a seguinte expressão: P hfx = [ P hfcra. ( V ax ) 2 ] / ( V a ) 2. Máquinas Elétricas II Página 8

9 Procedimentos 1 Medir a resistência de armadura por fase e corrigi-la para a temperatura de trabalho 75 0 C ; 2 Executar o diagrama de montagem: R W 1 S A V MIT V T W 2 3 Aplicar a tensão nominal e freqüência nominal no enrolamento da armadura e anotar as medições dos instrumentos: I a (A) I af (A) V a (V) V af (V) W 1 (W) W 2 (W) P tcra (W) E rl linha (V) E bl /fase (V) E bl = tensão do rotor por fase, com o rotor parado ou bloqueado. E rl = tensão do rotor de linha 4 Determinar P rea, P hf e a relação de transformação do MIT α MIT considerando as tensões de fase da armadura e do rotor. P rea (W) P hf (W) α MIT Máquinas Elétricas II Página 9

10 4ª Aula prática: Partida Motor de indução Assunto: Partida do MIT, rotor bobinado. Fundamentos Teóricos Neste ensaio vamos verificar a diminuição da corrente de partida do MIT, rotor bobinado, e a variação da velocidade do rotor em função da resistência inserida no circuito elétrico do rotor (R x ). Esta verificação será feita com o motor sem carga ou a vazio, mas este comportamento é geral e, portanto, válido também para o motor com carga. As equações base deste ensaio são: a) I r = E bl / [(R r + R x ) 2 + (S. X bl ) 2 ] 1/2, com a inserção de R x, a corrente I r diminui. b) Cos θ r = (R r + R x ) / [(R r + R x ) 2 + (S. X bl ) 2 ] 1/2, com a inserção de R x, o cos Θ r aumenta. c) T = K t. S. Ebl. I r. Cos θr = (K t. S. (E bl ) 2. (R r + R x )] / [(R r + R x ) 2 + (S. X bl ) 2 ], Com a inserção de R x, o torque aumenta e pode chegar até ao valor máximo, se (R r + R x ) = (S. X bl ). d) (S r / R r ) = S r+x / (R r + R x ), com a inserção de R x, o escorregamento aumenta. e) S r+x = (N s N r+x ) / N s, com o aumento do escorregamento S r+x, a velocidade N r+x diminui. 1 Medir a resistência do rotor por fase (R rf ); Procedimentos 2 Fazer a conexão do enrolamento da armadura para 220 V (Triângulo paralelo), de acordo com o diagrama de montagem a seguir: R S T I a MIT I r Reostato de Partida Máquinas Elétricas II Página 10

11 3 Ajustar o reostato de partida para a posição 0 (zero), ou seja, de máxima resistência inserida (R x ); 4 Acionar o motor de indução MIT, anotando as leituras das correntes máximas de partida na armadura e no rotor, em seguida, anotar as leituras das correntes em regime de marcha normal na armadura e no rotor e finalmente anotar a velocidade do rotor; 5 Ajustar o reostato de partida para a posição de trabalho 1 (um), ou seja, de resistência inserida igual a zero (R X = 0) e repetir o procedimento número quatro (4), preenchendo o quadro abaixo: Parâmetros Posição do Reostato de partida Ia ( máxima de partida ) [A] Ia ( regime de marcha normal ) [A] Ir ( máxima de partida ) [A] Ir ( regime de marcha normal ) [A] Nr [rpm] Nr+x [rpm] 6 Calcular o valor de R x para a velocidade N r+x. Máquinas Elétricas II Página 11

12 5ª Aula prática: Ensaio rotor bloqueado Assunto: Ensaio com rotor bloqueado do motor de indução trifásico de rotor bobinado. Fundamentos teóricos Este ensaio é executado para determinar a impedância equivalente referida à armadura por fase ( Z eraf ), a resistência equivalente referida à armadura por fase ( R eraf ) e a reatância equivalente referida à armadura por fase ( X eraf ) do motor de indução trifásico. O ensaio consiste-se em travar mecanicamente o eixo do rotor, que neste caso é feito através de um suporte metálico, e ao mesmo tempo curto circuitar os terminais do enrolamento do rotor, aplicando uma tensão reduzida ( V bl ) no enrolamento de armadura até que circule por ele a corrente nominal. Os wattímetros indicarão a potência total com rotor bloqueado ( P tbl ), isto é, P tbl = W 1 ± W 2, que é constituída pela potência de Histerese e Foucault com rotor bloqueado ( P hfbl ) e pela potência na resistência equivalente referida a armadura ( P rera ) ou P tbl = P rera + P hfbl, mas o P hfbl = P hfcra. (V bl / V nominal ) 2 utilizando dados do ensaio com o circuito de rotor aberto. Logo, P rera = P tbl - P hfbl e com este valor de P rera calcula-se o valor da resistência equivalente referida a armadura por fase: P rera = 3 * R eraf * ( I af ) 2 ou R eraf = P rera / [3. ( I af ) 2 ]. A impedância equivalente referida a armadura por fase é obtida da seguinte forma: Z eraf = V bl / I af, os valores da tensão V bl e da corrente devem ser valores de fase do ensaio. E finalmente, a reatância equivalente referida à armadura por fase é determinada: X eraf = ( Z eraf 2 - R eraf 2 ) 1/2. Com estes resultados é possível estimar, em um cálculo de primeira ordem, a reatância de dispersão da armadura por fase X af a partir da proporção ( X af / R af ) = ( X eraf / R eraf ), ou X af = ( R af. X eraf ) / R eraf ), determinando em seguida a reatância de rotor bloqueado por fase X bl, X eraf = X af + [( α mit ) 2. X bl ] ou X bl = ( X eraf - X af ) / ( α mit ) 2. Da mesma forma, a resistência do rotor por fase R rf também pode ser determinada, R eraf = R af + [( α mit ) 2. R rf ] ou R rf = [( R eraf - R af ) / ( α mit ) 2 ]. Máquinas Elétricas II Página 12

13 Procedimentos 1 Fazer a conexão do enrolamento da armadura para 220 V ( // ) e executar o diagrama de montagem: R W 1 S A V MIT Curto-circuito Reforçado T W 2 2 Bloquear o eixo do rotor e aplicar a tensão V bl no enrolamento da armadura até que circule por ele a corrente nominal, anotar as leituras dos instrumentos e fazer os cálculos: V bl (V) I a (A) I af (A) W 1 (W) W 2 (W) P tbl (W) P hfbl (W) P rera (W) P reraf (W) Z eraf (Ω) X eraf (Ω) X af (Ω) R rf (Ω) X bl (Ω) Máquinas Elétricas II Página 13

14 6ª Aula prática: Ensaio a vazio motor de indução Assunto: Ensaio a vazio do MIT, rotor bobinado. Fundamentos teóricos O ensaio a vazio é executado para determinar a potência rotacional ( P rot ) do motor de indução trifásico. O MIT é posto a girar a vazio de maneira que a potência total ( P t ) é constituída pela potência na resistência equivalente referida a armadura ( P rera ) e pela potência rotacional : P t = P rera + P rot, logo, P rot = P t - P rera = P t - [ 3. R eraf. (I af ) 2 ], Onde, P t é a leitura dos wattímetros no ensaio a vazio, P t = W 1 + W 2 ; R eraf é a resistência equivalente referida a armadura, por fase, obtida no ensaio de curto-circuito; e I af é corrente de armadura por fase no ensaio a vazio. Sabendo-se o valor da potência de Histerese e Foucault para tensão e freqüência nominais (P hfcra ), pode-se determinar a potência por atrito e ventilação ( P av ), pois P rot = P hfcra + P av ou P av = P rot - P hfcra. A potência por atrito e ventilação varia linearmente com a velocidade, daí ser possível corrigir o valor de P av para velocidades variadas. Máquinas Elétricas II Página 14

15 Procedimentos 1 Executar o diagrama de montagem considerando a conexão do enrolamento da armadura feita para 220 V ( // ); R W 1 S A V MIT Reostato de Partida T W 2 2 Acionar o motor de indução MIT a vazio, com tensão e freqüência nominais, ajustar o reostato de partida para a posição de trabalho 1, anotar as leituras dos instrumentos e fazer os cálculos: V a (V) I a (A) I af (A) W 1 (W) W 2 (W) P t (W) P rera W) P rot (W) P av (W) N r (rpm) Máquinas Elétricas II Página 15

16 7ª Aula prática: Ensaio de carga motor de indução Assunto: Ensaio de carga do MIT, rotor bobinado. Fundamentos teóricos Este ensaio é executado para determinar o rendimento percentual pelo método carga-escorregamento (AIEE) para os vários pontos de carga do MIT. Para isto é necessário ter o conhecimento da potência rotacional P rot, da resistência de armadura por fase R af, e da velocidade do rotor N r para o qual foi determinado o P rot. Ao fazer a leitura da potência ativa total da armadura P t, através dos dois wattímetros, será possível determinar a potência de entrada do rotor ou potência total do rotor P tr : P tr = P t 3.R af. ( I af ) 2, ou P tr = ( W 1 ±W 2 ) 3.R af. (I af ) 2, ou ainda P tr = [( 3. ( I r ) 2.R r ) / s], ou ainda mais, P tr = P rr + P dr para qualquer ponto de carga, onde P rr é a potência nas resistências do rotor, e P dr é a potência desenvolvida pelo rotor. A potência nas resistências do rotor é obtida a partir de P tr, ou seja, P rr = (s. P tr ), já a potência desenvolvida pelo rotor é obtida da seguinte forma: P dr = 3. Er. I r. cos Θ r = P tr (s. P tr ) ou P dr = P s + P rot, onde P s = potência de saída ou P s = P dr P rot, ou ainda P s = P tr (s. P tr ) - P rot. O rendimento percentual (η%) é então pontualmente determinado a partir de P s : η% = ( P s / P t ). 100%, ou η% = [( P dr P rot ).100% / ( W 1 ±W 2 )] ou ainda η% = {[ P tr (s. P tr ) - P rot ] / (W 1 ±W 2 )}. O fator de potência Cos θ é dado por Cos θ = {P t / [(3) 1/2.V a. I a ]}, ou Cos θ = {(W 1 ±W 2 ) / [(3) 1/2.V a. I a ]}. O torque de saída T s pode ser dado em N.m, T s = (9,55. P s ) / N r, onde a potência de saída é dada em Watt e a velocidade efetiva do rotor é dada em rpm. O torque de saída T s pode ser dado em lb-pé, T s = (7,0402. P s ) / N r, onde a potência de saída é dada em Watt e a velocidade efetiva do rotor é dada em rpm. Para determinar o rendimento percentual pelo método convencional (η% conv ) é necessário ter o conhecimento de P rot para sua velocidade N r correspondente, além disso, deve-se saber o valor da resistência equivalente referida à armadura por fase (R eraf ). Neste caso, a potência de saída P s " é dado por P s = P t - 3.R eraf. ( I af ) 2 - P rot ou P s = ( W 1 ±W 2 ) - 3.R eraf. ( I af ) 2 - P rot, logo η% conv = [( P s ).100% / P t ], ou η% conv = {[( W 1 ±W 2 ) - 3.R eraf.( I af ) 2 - P rot ].100% / ( W 1 ±W 2 )}. Máquinas Elétricas II Página 16

17 Procedimentos 1 Anotar os seguintes dados dos ensaios anteriores: P rot (W) R af (Ω) R eraf (Ω) N r (rpm) 2 Executar o diagrama de montagem considerando a conexão do enrolamento da armadura feita para 220 V ( // ); 3 Acionar o MIT, mecanicamente, acoplado ao gerador monofásico que por sua vez é conectado à carga elétrica. Variar por quatro vezes a carga até o valor nominal e anotar as leituras dos instrumentos de medição na tabela abaixo: V a (V) I a (A) ,8 I af (A) N r (rpm) P rot (W) S ( VA ) W 1 (W) W 2 (W) P t (W) 3.R af. ( I af ) 2 (W) P tr (W) P rr (W) P dr (W) P s (W) η% T s (N.m) T s (lb-pé) Cos θ 3.R eraf. ( I af ) 2 (W) P s (W) η% conv Máquinas Elétricas II Página 17

18 8ª Aula prática: Máquina Síncrona Assunto: Introdução da máquina síncrona trifásica Fundamentos teóricos A máquina síncrona trifásica tem característica mista em relação à natureza de corrente, pois é excitada por corrente contínua no enrolamento de campo magnético e é excitada por corrente alternada no enrolamento trifásico da armadura. A força magneto motriz resultante dessas duas correntes produz uma reação que é traduzida em um torque no eixo e em uma tensão induzida no enrolamento da armadura. As partes constituintes principais da máquina síncrona são: 1 Carcaça; 2 Núcleo do campo; 3 Enrolamento do campo; 4 Núcleo da armadura; 5 Enrolamento da armadura; 6 Anéis coletores e escovas; 7 Eixo do rotor; 8 Enrolamento amortecedor. A Máquina Síncrona se classifica em máquina síncrona de pólos salientes, que é empregada em atividades que exigem baixa rotação, ou em máquina síncrona de pólos não salientes que é empregada em atividades que exigem alta rotação. Estando a máquina sincronizada, verifica-se uma tensão aplicada na armadura por fase ( V af ) e uma tensão gerada por fase ( E gf ) na armadura. A corrente de armadura por fase ( I af ) que é solicitada, dependerá da diferença entre os vetores V af, já que a impedância síncrona de fase ( Z sf ) é constante para um determinado ponto de excitação. A equação vetorial das tensões do gerador síncrono trifásico é, portanto, E gf = V af + Z sf I af, e a equação vetorial de tensões do motor é V af = E gf + Z sf I af. Como esta máquina opera com velocidade constante ( síncrona ), a tensão E gf dependerá somente do fluxo do campo ( resultante ), podendo ocorrer três casos: a) E gf. Cos α = V af, campo magnético com excitação normal ( cos θ = 1 ) e E gf E gf Eresultante I af V af Máquinas Elétricas II Página 18

19 b) E gf. cos α > V af, campo magnético sobre excitado ( cos θ = capacitivo ) E gf E resultante I af V af c) E gf. cos α < V af, campo magnético sub excitado ( cos θ = indutivo ) E gf E resultante V af I af Máquinas Elétricas II Página 19

20 9ª Aula prática: Ensaio a vazio gerador síncrono Assunto: Ensaio a vazio do gerador síncrono trifásico. Fundamentos teóricos Para um gerador síncrono trifásico é válida a seguinte equação vetorial de tensões, por fase: E gf = V af + Z sf I af. No ensaio a vazio Iaf = 0, logo E gf = V af e não haverá reação alguma na armadura, utilizando-se apenas uma potência em corrente contínua para a magnetização do núcleo do campo magnético. Logo, a tensão gerada na armadura por fase, E gf = K t.φ.n, dependerá somente da intensidade do fluxo do campo magnético, uma vez que N, velocidade síncrona da máquina, é mantida constante. O ensaio a vazio se consiste em variar o fluxo do campo magnético a partir da corrente de campo igual a zero até chegar a um valor limite de corrente que produza a saturação do núcleo magnético e depois a corrente de campo é reduzida novamente até ser zerada. Procedimentos 1 Executar o diagrama de montagem a seguir: 2 Acionar o motor de corrente contínua mantendo a sua velocidade constante e igual a velocidade nominal síncrona do gerador; 3 Variar a corrente de campo, crescentemente, por dez vezes, a partir de zero até obter E g = 125% da tensão nominal, sendo que um dos pontos de variação deve ser E g = V nominal : E g (V) 288 E gf (V) I campo (A) 0 N (rpm) Máquinas Elétricas II Página 20

21 4 Variar a corrente de campo, decrescentemente, por dez vezes, a partir de E g = 125%.V nominal até zerar a corrente de campo, sendo que um dos pontos deve ser E g = V nominal. E g (V) 288 E gf (V) I campo (A) 0 N (rpm) Construir a curva de E gf = f(i campo ) em escala. Prever espaço para inserir duas ordenadas que serão obtidas após o ensaio de curto circuito: I af = f(i campo ) e Z sf = f(i campo ). Máquinas Elétricas II Página 21

22 10ª Aula prática: Ensaio em curto circuito gerador síncrono Assunto: Ensaio de curto-circuito do gerador síncrono trifásico. Fundamentos teóricos A tensão de armadura por fase V af é forçada a zerar quando os terminais da armadura são curto circuitados, ou seja, E gf = I af. Z sf, pois neste caso V af = o, desde que a velocidade do eixo da máquina seja mantida constante. A impedância síncrona por fase pontual será dada por Z af = E gf / I af, onde E gf é obtido no ensaio a vazio e I af é obtido neste ensaio de curto circuito para um mesmo ponto de excitação I campo. A reatância síncrona por fase será dada por X sf = [ ( Z sf ) 2 - ( R af ) 2 ] 1/2. Como a tensão induzida na armadura por fase E gf será sempre maior que a tensão nos terminais da armadura V af, a reação da máquina síncrona será desmagnetizante e a tensão gerada irá suprir apenas as perdas de potência internas da máquina síncrona. Procedimentos 1 Medir a resistência de armadura por fase R af e corrigi-la para a temperatura de 75ºC, o enrolamento da armadura é de cobre recozido esmaltado; 2 Fazer a conexão da armadura para 230V (YY) e curto circuitar os terminais de acordo com o diagrama de montagem: 3 Acionar o motor de corrente contínua com a velocidade constante e igual à velocidade síncrona do gerador; 4 Variar a corrente da armadura I a por dez vezes, até atingir o valor nominal, anotando as leituras dos instrumentos após cada variação; Máquinas Elétricas II Página 22

23 I af (A) 0,5 1 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 I campo (A) Z sf (Ω) X sf (Ω) 5 Calcular a impedância síncrona por fase Z sf considerando a curva de descida do gráfico da tensão gerada por fase E gf em função da corrente de campo I campo (método pessimista) obtido no ensaio a vazio, construir as curvas de I af = F(I campo ) e de Z sf = F (I campo ), no mesmo gráfico do ensaio a vazio e em escala. Máquinas Elétricas II Página 23

24 11ª Aula prática: Paralelismo dos geradores síncronos Assunto: Operação em paralelo de geradores síncronos trifásicos. Fundamentos teóricos Um barramento de potência infinita (BPI) é identificado por manter conectados vários geradores síncronos trifásicos em paralelo. Um sistema elétrico operando com o BPI tem pelo menos três vantagens: a) Possibilita a manutenção de geradores individuais, sem interromper o sistema; b) Aumenta a confiabilidade; c) Aumenta o rendimento operacional. Antes do gerador ser ligado ao BPI, é necessário que ele flutue no barramento, isto é, não forneça e nem receba potência sincronizante relativo ao próprio barramento. As condições de flutuação do gerador são: 1) Ter a mesma tensão eficaz do BPI; 2) Ter a mesma freqüência do BPI; 3) Ter a mesma seqüência de fases do BPI; 4) Ter as tensões em oposição de fase. Uma vez operando ligado ao BPI, a freqüência e a tensão de operação do gerador são fixadas pelo BPI, conduzindo a duas conseqüências: a) Haverá troca de potência sincronizante ativa, toda vez que houver uma tentativa de variação da freqüência da tensão gerada, mantendo assim a freqüência do BPI; b) Haverá troca de potência sincronizante reativa, toda vez que houver uma tentativa de variação da amplitude da tensão gerada, pela variação do fluxo de campo magnético, mantendo desta forma a tensão do BPI. Máquinas Elétricas II Página 24

25 1 Executar os diagramas de montagem: Procedimentos 2 Ligar os instrumentos no painel de sincronismo e girar, no console, o controle de campo do gerador síncrono e do motor de corrente contínua, totalmente, no sentido anti horário para garantir o fluxo máximo na partida do motor de corrente contínua, e o fluxo mínimo no gerador síncrono; 3 Ligar o painel de sincronização, acionar o motor de corrente contínua, ajustando a sua velocidade para a velocidade nominal do gerador síncrono, colocar a ficha de sincronização, tomada tipo de telefone que habilita o sincronoscópio, o freqüêncimetro e o voltímetro, correspondente da máquina a ser conectada. Ajustar a tensão, a freqüência e seqüência de fases da tensão gerada para que se igualem aos parâmetros registrados no BPI; 4 Ligar o sincronoscópio e atuar no circuito de campo do motor de corrente contínua até que ele registre a oposição de fases e neste momento ligar o disjuntor de conexão ao BPI e desligar o sincronoscópio; 5 Atuar cuidadosamente nos controles de campo, de forma que a máquina síncrona forneça ou receba de 0,5 KW de potência ativa em relação ao BPI, anotar as leituras dos instrumentos. Máquinas Elétricas II Página 25

26 12ª Aula prática: Ensaio de carga motor síncrono Assunto: Ensaio de carga do motor síncrono trifásico. Fundamentos teóricos A solicitação de carga ou o ângulo de torque do motor síncrono trifásico pode ser representado pelos graus elétricos (α ) ou pelos graus mecânicos (β), ambos relacionados com o número de pares de pólos da máquina síncrona: (α / β) = (P / 2), onde P é o número de pólos. A potência total (P t ) do motor síncrono trifásico é P t = [(3) 1/2.V a. I a. cos θ] ou P t = W 1 + W 2, que é constituída pela potência desenvolvida na armadura (P da ) e pela potência nas resistências do enrolamento da armadura (P rea ), onde P da = P s + P rot ou P da = [3. E gf. I af. cos(ângulo entre E gf e I af )] e ainda, P rea = (3/2). R linha. (I a ) 2 ou P rea = 3. R af. (I af ) 2. A perda de potência rotacional (P rot ) é obtido no ensaio a vazio, quando a potência de saída (P s ) é zero: P rot = P t P rea P s. Para o motor síncrono trifásico P rot é constante, pois a velocidade N s não varia. Para qualquer ponto de carga onde P s O, essa potência de saída é obtida facilmente através da seguinte equação: Ps = P t P rea P rot. O rendimento percentual ( η% ) é a razão entre a potência de saída e a soma da potência total P t com a potência desenvolvida no enrolamento de campo P campo, vezes 100%: η% = [( P s ). 100%] / ( P t + P campo ), onde P campo = V campo. I campo. O torque mecânico de saída (T s ) dado em N.m é dado por T s = (9,55 x P s ) / N s. Para um motor síncrono trifásico que opera com o fator de potência unitário, o ângulo de torque (α ), a tensão gerada por fase ( E gf ) e a potência desenvolvida podem ser calculados para qualquer ponto de carga, desde que se saiba os valores de R af e de X af : E gf = [(V af R af. I af ) 2 + (X sf.i af ) 2 ] 1/2 e α = arctg (X sf. I af ) / (V af R af. I af ). O motor síncrono trifásico que utiliza o enrolamento amortecedor deve ser acionado inicialmente como se fosse um motor de indução trifásico comum, aplicando-se uma tensão trifásica no seu enrolamento de armadura e em seguida, aplicando-se uma tensão contínua no seu enrolamento de campo magnético para sincronizá-lo, e finalmente ajustando-se essa corrente de campo magnético até obter a corrente mínima no enrolamento de armadura ou o fator de potência unitário nessa mesma armadura. Máquinas Elétricas II Página 26

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Trifásico A verificação do desempenho,

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTRALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ENSAIO DA MÁQUINA SÍNCRONA Por: Prof. José

Leia mais

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores Objetivos da aula Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação estrela e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores. Medições

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas.

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas. 3.3 Motores de Indução Trifásicos. 3.3.1 Campo Girante Trifásico. A Figura 3.17 apresenta o campo girante produzido por uma estrutura de dois e quatro pólos magnéticos. A Figura também destaca um núcleo

Leia mais

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico Trabalho nº 1 Transformador Monofásico O presente trabalho prático laboratorial é composto por um conjunto de ensaios que visam obter o circuito eléctrico equivalente dum transformador. Material necessário

Leia mais

EEE462 LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. GUIA DO ALUNO (Edição 2 Setembro 2013)

EEE462 LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. GUIA DO ALUNO (Edição 2 Setembro 2013) EEE462 LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS GUIA DO ALUNO (Edição 2 Setembro 2013) Revisado por: Prof. Juan Carlos Mateus Sánchez, DSc. Prof. Juan Carlos Mateus Sánchez, DSc. 1 1. OBJETIVOS EEE462 LABORATÓRIO

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 6: Máquina Síncrona em Barramento Infinito Objetivo: Verificar, experimentalmente, como é feita a ligação de um gerador síncrono no barramento infinito. Teoria: As necessidades de energia elétrica

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES - PERDAS EM VAZIO Potência absorvida pelo transformador quando alimentado em tensão e frequência nominais,

Leia mais

Fundamentos de Máquinas Elétricas

Fundamentos de Máquinas Elétricas Universidade Federal do C Engenharia de nstrumentação, utomação e Robótica Fundamentos de Máquinas Elétricas rof. Dr. José Luis zcue uma Regulação de tensão Rendimento Ensaios de curto-circuito e circuito

Leia mais

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Conceitos preliminares Introdução às máquinas CA e CC Força Magnetomotriz (FMM) de enrolamentos concentrados e de enrolamentos distribuídos

Leia mais

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Capítulo 14 Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Objetivos: Entender o princípio de funcionamento Analisar as características operacionais destes motores ONDE EXISTE ESTE TIPO DE ROTOR? ESPIRA

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA Todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica constitui uma máquina geradora de energia elétrica. O funcionamento do

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA ELETROTÉCNICA 1. INTRODUÇÃO : Este texto foi preparado procurando uma exposição na forma mais simples, apenas com a intenção de relembrar alguns conceitos fundamentais da eletricidade e do eletromagnetismo

Leia mais

Geradores de corrente contínua

Geradores de corrente contínua Geradores de corrente contínua Introdução: Um motor é uma máquina que tem a função de converter energia elétrica em energia mecânica e um gerador tem a função tem função contrária, ou seja, converter a

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO -

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............. Professor:... Data:..... Objetivo:............. 1. Transformador 1.1 Transformador

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Motores CA. CFP Eliezer Vitorino Costa

Motores CA. CFP Eliezer Vitorino Costa Motores CA Motor Elétrico Definição: É uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. Os motores elétricos em geral são divididos em dois grupos: Motores de Corrente contínua Motores

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Aula 2.7 Transformadores Prof. Clodomiro Vila Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução

Leia mais

Elétrotécnica. Princípio de funcionamento das máquinas elétricas, rotativas e estáticas

Elétrotécnica. Princípio de funcionamento das máquinas elétricas, rotativas e estáticas Elétrotécnica Princípio de funcionamento das máquinas elétricas, rotativas e estáticas Princípio da Conservação de Energia O Princípio da Conservação da Energia diz que "a energia pode ser transformada

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Geradores de corrente alternada

Geradores de corrente alternada Geradores de corrente alternada Introdução: A função do gerador elétrico é bastante conhecida, converter energia mecânica em energia elétrica podendo esta ser alternada ou contínua. Um gerador de corrente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Laboratórios Integrados II Trabalhos Práticos de Máquinas Eléctricas 2004/2005 LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Introdução Estes trabalhos consistem na utilização, ensaio

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA DANUSIA DE OLIVEIRA DE LIMA Rio Grande Energia RGE Departamento de Engenharia e Construções

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL Paulo dos Santos CARACTERIZAÇÃO ELÉTRICA DE UM TRANSFORMADOR

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Máquinas Elétricas e Acionamento

Máquinas Elétricas e Acionamento Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação Máquinas Elétricas e Acionamento uma introdução Edson Bim Sumário 4 Regime Permanente de Máquinas de Corrente Contínua 1 4.1 Estrutura geométrica e aspectos

Leia mais

Motores de Corrente Contínua:

Motores de Corrente Contínua: p. 1/2 Motores de Corrente Contínua: I F R F I A R A I L V F N F E A ω mec T mec T ele CARGA Máquina CC operando como MOTOR: 1. Inicialmente a máquina se encontra em repouso (ω m = 0); 2. Alimenta-se o

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

Motores Síncronos. Notas Técnicas Motores NT-02. Introdução. Princípios Gerais de Operação

Motores Síncronos. Notas Técnicas Motores NT-02. Introdução. Princípios Gerais de Operação Notas Técnicas Motores NT-02 Motores Síncronos Introdução O motor síncrono é um tipo de motor elétrico muito útil e confiável com uma grande aplicação na indústria. Entretanto, pelo fato do motor síncrono

Leia mais

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução Capítulo 3 Máquinas de corrente contínua Introdução A máquina de corrente contínua foi, durante muito tempo, a solução mais natural para problemas em que era imprescindível variar a velocidade durante

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

26/08/2012 1 Agosto/2012

26/08/2012 1 Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/08/2012 2 MOTORES ELÉTRICOS Corrente Pulsante Corrente Alternada Corrente Contínua MOTOR DE PASSO (Step Motor ) RELUT. VARIÁVEL IMÃ PERMANENTE HÍBRIDO MOTOR

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA Professores: Eduardo Nobuhiro Asada Luís Fernando Costa Alberto Colaborador: Elmer Pablo Tito Cari LABORATÓRIO N 9: MAQUINA SÍNCRONA: (ângulo de carga,

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores GUIAS DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS (LIC. ENGENHARIA AEROESPACIAL) Funcionamento motor da máquina de corrente contínua: características

Leia mais

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA Geradores e motores A máquina é um motor quando transforma energia elétrica em energia mecânica. Quando transforma energia mecânica em energia elétrica, ela é um gerador.

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA 1. INTRODUÇÃO A manutenção preditiva tem sido largamente discutida nos últimos anos, e sem dúvida é um procedimento moderno de gerenciamento, que comprovadamente vem diminuindo

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Eletricidade, Máquinas e Medidas Elétricas: 1.1. Princípios da Eletrodinâmica: Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistores Elétricos, Potência Elétrica e Leis de OHM; 1.2. Circuitos

Leia mais

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente 1 Primário 220 V c 55 V 55 V 55 V 55 V Secundário Figure

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Técnico em Eletrotécnica Um forno elétrico industrial de 100 kw/440v trifásico é acionado diariamente por cerca de 5 horas e 12 minutos. O consumo mensal (30 dias) de

Leia mais

Máquinas e Equipamentos Elétricos e Mecânicos

Máquinas e Equipamentos Elétricos e Mecânicos Indicação de ícones Os ícones são elementos gráficos utilizados para ampliar as formas de linguagem e facilitar a organização e a leitura hipertextual. Atenção: indica pontos de maior relevância no texto.

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 9 Instalações para motores elétricos. Prof. JORGE LUIZ MORETTI

Leia mais

EQUIPAMENTO AGRÍCOLA

EQUIPAMENTO AGRÍCOLA EQUIPAMENTO AGRÍCOLA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA Aproveite a força do seu trator! Práticos, versáteis e seguros, os equipamentos com alternadores da linha Agribam, do grupo Bambozzi, são ideais para propriedades

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Fundamentos das máquinas CC:

Fundamentos das máquinas CC: p. 1/38 Fundamentos das máquinas CC: Com excessão da máquina homopolar a conversão eletromecânica de energia elétrica em mecânica e vice-versa se processa através de grandezas alternadas; A retificação

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais