CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO"

Transcrição

1 CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor. O estator constitui a parte estática das máquinas elétricas girantes. Costumam ser constituídos por um núcleo de chapas finas de aço magnético, tratadas termicamente para reduzir ao mínimo as perdas por correntes parasitas e por histerese. As chapas têm a forma de um anel com ranhuras internas que servem para acomodar os conjuntos de bobinas, ou simplesmente enrolamentos, que irão criar o campo girante. Em um motor elétrico, as bobinas localizadas nas ranhuras do estator recebem a potência elétrica diretamente da rede; já em um gerador, será induzida tensão elétrica nas bobinas. A Figura 3.1 apresenta o núcleo de chapas de um estator. Figura 3.1: Núcleo de chapas de um estator. Inserido no interior do estator encontra-se o rotor, a parte girante das máquinas elétricas. O rotor é igualmente constituído por um núcleo de chapas magnéticas quase sempre com as mesmas características das chapas do estator. Essas chapas são ranhuradas externamente para acomodar as bobinas do rotor, ou mais comumente as barras que fazem o papel das bobinas. O núcleo de chapas do rotor é suportado pelo eixo do motor, como mostra o esquema da Figura 3.2 Figura 3.2: Núcleo de chapas do rotor. No caso dos geradores elétricos, o rotor é posto em movimento por uma máquina primária, normalmente uma turbina hidráulica ou a vapor. Já nos motores elétricos o rotor gira em função do campo girante que se forma no estator. Alguns tipos de motores Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 10

2 necessitam de uma fonte de tensão aplicada em seus enrolamentos do rotor para que possam funcionar; outros dispensam esta fonte de tensão. O conjunto estator-rotor constitui um circuito magnético que possibilita ao fluxo um caminho fechado de baixa relutância. O vão livre entre o estator e o rotor, necessário para o desenvolvimento da rotação, é chamado entreferro. A Figura 3.3 apresenta o conjunto estator-rotor. Figura 3.3: Conjunto estator-rotor. 3.2 Motores de corrente contínua Introdução. Os motores de corrente contínua necessitam de uma fonte de energia contínua para operar. Quando ligados à rede elétrica, normalmente alternada e senoidal, eles necessitam retificar a tensão proveniente. Isso é feito no chamado comutador, anéis condutores ligados de forma tal que retificam a tensão proveniente da rede. Atualmente essa função também pode ser desempenhada por retificadores constituídos por elementos de eletrônica de potência. Os motores de corrente contínua necessitam de fontes de excitação que podem ser ligadas em série com sua armadura (parte do circuito do rotor), em paralelo (shunt) com a armadura, ou utilizando uma combinação das duas configurações, denominada de excitação composta (compound). Esses diferentes tipos de excitação afetam diretamente as características dos motores de corrente contínua e serão vistos com maiores detalhes mais adiante. Os motores de corrente contínua apresentam como principais vantagens o alto conjugado que pode ser obtido e a possibilidade de um amplo controle de sua velocidade. No entanto, eles apresentam maior dificuldade em sua construção e uma maior necessidade de manutenção, principalmente em seu comutador. Também, a comutação de corrente por elemento mecânico implica no surgimento de arcos e faíscas, o que torna proibitivo sua utilização em ambientes perigosos Princípio de funcionamento de um motor de corrente contínua. O funcionamento de um motor de corrente contínua está baseado nas forças produzidas da interação entre o campo magnético e a corrente de armadura no rotor, que tendem a mover o condutor em um sentido que depende do sentido do campo e da corrente da armadura. A Figura 3.4 mostra o sentido das forças que agem sobre uma espira. Sob a ação da força a espira irá se movimentar até a posição X Y onde a força resultante é nula, não dando continuidade ao movimento. Torna-se, então, necessário a inversão da corrente na espira para que tenha-se um movimento contínuo. Este problema é resolvido utilizando um comutador de corrente, o que possibilita a circulação de corrente alternada no rotor através de uma fonte cc. Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 11

3 Figura 3.4: Forças que atuam em uma espira imersa num campo magnético, percorrida pela corrente de armadura. Para obter-se um conjugado constante durante todo um giro da armadura do motor, utiliza-se várias espiras defasadas no espaço montadas sobre um tambor e conectadas ao comutador. Com o deslocamento dos condutores da armadura no campo surgem tensões induzidas (força contra eletromotriz E), que atuam no sentido contrário ao da tensão aplicada. Esta força contra eletromotriz é proporcional à velocidade do motor e ao fluxo magnético e pode ser expressa por: E = k máquina.ω.φ (3.1) sendo: ω = velocidade angular do motor [rad/s]; φ = fluxo magnético [Wb]; k máquina = constante que depende de aspectos construtivos do motor e pode ser expressa por: k N.p = máquina 2.π. (3.2) a sendo: N = número de condutores ativos presentes no enrolamento da armadura; a = número de caminhos que o enrolamento apresenta; p = número total de pólos que compõem o estator do motor cc. A velocidade de um motor qualquer é normalmente fornecida em rpm (n). Para determinar o valor da velocidade angular utiliza-se a expressão seguinte: 2π ω =.n (3.3) 60 A soma das forças que atuam sobre os condutores do induzido cria o conjugado eletromagnético dado por: sendo: C = conjugado eletromagnético [N.m]; C = k máquina.i a.φ (3.4) Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 12

4 I a = corrente da armadura [A]. A potência mecânica do motor cc pode ser calculada pelas seguintes expressões: P mec = E.Ia (3.5) P mec = Ua.Ia.η (3.6) P mec = C.ω P mec = k máquina.i a.φ.ω (3.7) Nas equações 3.5, 3.6 e 3.7 tem-se: P mec = potência mecânica desenvolvida pelo motor [W]; η = rendimento do motor; Ua = tensão aplicada à armadura do motor cc [V]; ω =velocidade angular do motor [rad/s]. Exemplo 3.1: O enrolamento de armadura de um motor cc tem 360 condutores ativos e foi desenvolvido para um estator de 4 pólos. Sabendo que a máquina é posta a girar numa rotação de rpm e o fluxo que atravessa o entreferro vale 32 mwb, determine: a) a força contra eletromotriz induzida no enrolamento da armadura; b) se a armadura da máquina for projetada para suportar uma corrente de 72 A, qual a potência convertida por ela? c) Nas condições do item b, determine o conjugado desenvolvido pelo motor. Considere que o número de caminhos (a) é igual ao número de pólos do motor. Solução a) Inicialmente vamos calcular a constate da máquina: k máquina N.p k 2.π. a = k 2.π. 4 = máquina máquina = 57, 3 por: A velocidade do motor foi fornecida em rpm. Deve-se calcular a velocidade angular 2. π 2. π ω =. n ω = ω = 209, 44[ rad / s] Pode-se, agora, calcular a tensão induzida na armadura: E = k máquina.ω.φ E = 57,3.32x ,44 E = 384,03 V b) A potência mecânica pode ser calculada por: P mec = E.Ia P mec = 384,03.72 P mec = 27,65 [kw] Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 13

5 c) O conjugado desenvolvido pelo motor pode ser calculado por: Pmec C = C = ω 209, 44 C = 132 N.m Exemplo 3.2: Um motor de corrente contínua apresenta uma tensão induzida na armadura de 655,2V. Sabendo que a máquina apresenta 4 pólos, 728 condutores, uma velocidade de rpm e um fluxo magnético de 30 mwb, determine o número de caminhos que o enrolamento de armadura apresenta. Solução. Inicialmente vamos calcular a velocidade angular do motor: 2π 2π ω =. n ω = ω = 188, 5 [ rad / s] A partir da equação seguinte, determina-se o valor de k máquina: : E 655, 2 E = k máquina.ω.φ kmáquina = kmáquina = k = 115, 86 3 máquina ω. φ 188, 5. 30x10 Com o valor de k máquina, é possível determinar o número de caminhos do enrolamento da armadura (a). Tem-se: k máquina N.p N. p = a = a = 2.π. a 2. π. k 2. π. 115, 86 máquina a = 4 Exemplo 3.3: Um motor de corrente contínua de 4 pólos, 2 caminhos no enrolamento da armadura, 46 ranhuras e 16 condutores por ranhura, apresenta uma tensão induzida na armadura de 480 V quando desenvolve uma velocidade de 1200 rpm. Determine o fluxo magnético do motor. Solução. Como o motor conta com 46 ranhuras, cada uma com 16 condutores, o número total de condutores (N) pode ser obtido por: O k máquina é calculado como se segue: N = N = 736. k máquina N.p k 2.π. a = k 2.π. 2 = máquina máquina = 234, 28 A velocidade angular do motor é obtida por: Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 14

6 2π 2π ω =. n ω = ω = 125, 66 [ rad / s] O fluxo magnético é obtido como se segue: E 480 E = k máquina.ω.φ φ = φ =. ω 234, , 66 k máquina φ = 16,3 [mwb] Partes componentes dos motores de corrente contínua. As máquinas de corrente contínua, de uma forma geral, possuem os seguintes componentes básicos: circuito magnético: responsável pela condução do fluxo magnético; enrolamento de armadura (induzido): local onde são induzidas tensões e circulam correntes elétricas responsáveis pela formação do conjugado eletromecânico; enrolamento de campo: nos quais circulam correntes que serão responsáveis pela criação do campo magnético; componentes mecânicos: os quais podem ser fixos, para suportar e proteger as partes eletro-magnéticas, e rotativas, para a transmissão de energia; isolamento elétrico: composto de isolantes sólidos e são responsáveis pelo nível de tensão admissível entre as diversas partes da máquina; Como já observado, as partes fixas formam o denominado estator e as partes móveis o rotor. Nos motores de corrente contínua a armadura é girante e os pólos são fixos na carcaça. Os motores cc podem ser estacionários, como nas aplicações industriais, ou móveis, como nos motores de tração. As Figuras 3.5 e 3.6 apresentam, respectivamente, um corte longitudinal de um motor de tração da GE e uma vista explodida de um motor industrial Bardela Boriello. Figura 3.5: Corte longitudinal de um motor CC de tração GE 761. Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 15

7 Figura 3.6: Vista explodida Motor CC Bardela Boriello Partes componentes do estator. O estator em máquinas de corrente contínua é constituído basicamente por carcaça, pólos, interpólos e enrolamentos de campo e de compensação. A carcaça é a estrutura que suporta os demais componentes do estator e compõe o circuito magnético. As máquinas mais antigas possuem carcaça de formato circular; entretanto, visando reduzir o uso de material, motores cc modernos estão sendo construídos com uma carcaça em formato octagonal. A Figura 3.7 mostra um corte transversal de ambos os modelos a fim de comparação. Figura 3.7: Corte transversal de carcaças de motores de corrente contínua. Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 16

8 Os pólos indutores são responsáveis pelo estabelecimento do fluxo magnético principal. Na maioria dos casos, são construídos separadamente do resto do conjunto e são constituídos por chapas de aço fundido ou ferro doce. Tais chapas formam um pacote que é fixo à carcaça por meio de parafusos. A Figura 3.8 ilustra as partes componentes de um pólo indutor. Figura 3.8: Partes componentes dos pólos indutores. Os pólos de comutação são quase sempre feitos de ferro fundido, sendo fixados à carcaça por meio de parafusos. Os enrolamentos de campo são responsáveis pela excitação do motor de corrente contínua, necessária para seu funcionamento. Podem ser do tipo série, paralelo (shunt) ou composto (compound) Partes componentes do rotor. As partes componentes de um rotor de motor cc são a armadura, o comutador e o eixo. A armadura é composta por um núcleo magnético, enrolamento e respectivos órgãos de sustentação, conforme mostrado na Figura 3.9. Figura 3.9: Corte de um rotor de um motor cc. Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 17

9 O núcleo da armadura é atravessado pelo fluxo magnético produzido pelos pólos principais, sendo constituído de chapas magnéticas superpostas com espessuras de 0,4 a 0,5 mm. Na periferia externa da armadura existem ranhuras com a função de alojar o enrolamento, sendo que estas ranhuras possuem várias formatos, como pode ser visto na Figura Figura 3.10: Diversos tipos de ranhuras utilizadas em armaduras de motores cc. O comutador é o componente responsável pela retificação da tensão cc para ca em uma máquina cc, sendo considerada sua parte mais importante. Normalmente é constituído por peças de cobre de formato especial, chamadas de teclas, que são eletricamente isoladas entre si e do suporte do induzido. Em cada tecla é conectado o final de uma bobina e ou princípio de outra, de modo que o comutador tenha tantas teclas quanto forem as bobinas da armadura, conforme ilustra a Figura Figura 3.11: Detalhe das teclas de um comutador. A Figura 3.12 apresenta um corte parcial de um comutador, detalhando todas as suas partes constituintes. Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 18

10 Figura 3.12: Corte parcial de um comutador. O eixo é o elemento mecânico responsável pela sustentação dos diversos componentes da armadura e também é através dele que se consegue o acoplamento do motor à carga que será acionada. Nota-se pela Figura 3.9 que o diâmetro do eixo de um motor cc é variável, o que é necessário em função da maneira de fixar-se a armadura e o coletor sobre ele Classificação dos motores de corrente contínua. Os motores de corrente contínua podem ser classificados conforme as interconexões entre os enrolamentos de campo e da armadura. Os enrolamentos de armadura são aqueles nos quais são aplicadas as tensões provenientes de uma fonte contínua. Já os circuitos de excitação são responsáveis pela formação do fluxo magnético. Basicamente tem-se: motores com excitação independente; motores com excitação série; motores com excitação em derivação (shunt); motores com excitação composta (compound) Motor cc com excitação independente. Um motor cc é denominado de excitação independente quando o circuito de campo é eletricamente independente do circuito da armadura, ou seja, tem-se dois circuitos elétricos independentes, que podem ser analisados isoladamente. O primeiro circuito, circuito de campo, recebe energia elétrica de uma fonte independente para a excitação da máquina, a qual é armazenada na forma de um campo magnético. O segundo circuito é formado pelo circuito da armadura ligado a uma segunda fonte de energia, em corrente contínua, que alimenta o motor em nível de força. A Figura 3.13 apresenta o diagrama de um circuito equivalente de um motor cc com excitação independente. Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 19

11 Figura 3.13: Diagrama elétrico de um motor cc com excitação independente. Para um motor com excitação independente valem as seguintes relações: circuito da armadura Ua = E + Ra. Ia + 2. V (3.8) circuito de excitação Ue = Ie. Re (3.9) sendo: Ua = tensão aplicada ao circuito da armadura [V]; E = tensão induzida nos enrolamentos da armadura [V]; Ra = resistência dos enrolamentos da armadura [Ω]; Ia = corrente do circuito da armadura [A]; V = queda de tensão nos terminais das escovas do motor cc (as escovas não estão apresentadas na Figura 3.13) [V]; Ue = tensão aplicada no circuito de excitação [V] Ie = corrente do circuito de excitação [A]; Re = resistência do circuito de excitação (não apresentada na Figura 3.13) [Ω]. Neste tipo de ligação do motor cc, o fluxo magnético depende somente da corrente de excitação. Caso essa permaneça constante, o fluxo também permanecerá constante. Exemplo 3.4: Um motor de corrente contínua com excitação independente gira a uma rotação de 1405 rpm. Com uma corrente de campo constante, este motor consome uma corrente de armadura de 50 A sob uma tensão de 120 V. A resistência de armadura é de 0,1 Ω. Se a carga no motor variar de tal maneira que ele passe a consumir 95 A sob 120 V, determine a velocidade do motor para esta nova carga. Despreze a queda de tensão nas escovas do motor. Solução. Neste problema a corrente de excitação é constante, ou seja, o fluxo magnético do motor permanecerá constante para qualquer carga acionada pelo motor. Pode-se calcular a tensão inicialmente induzida na armadura deste motor como se segue: Ua = E + Ra. Ia + 2. V E = Ua Ra.Ia - 2. V Desprezando a queda de tensão nas escovas, tem-se: E = Ua Ra.Ia E = 120 0,1.50 E = 115 V Como já observado, a tesão induzida na armadura pode ser expressa por: Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 20

12 E = k máquina.ω.φ Como a corrente de excitação é constante o fluxo também o será. Assim, a tensão induzida na armadura depende apenas da velocidade angular do motor: sendo: E = k.ω k = k máquina.φ Pode-se calcular k a partir da relação seguinte: E k = ω A velocidade angular é determinada por: 2π 2π ω =. n ω = ω = 147, 13 [ rad / s] Substituindo-se os valores de E e ω determina-se o valor de k. E 115 k = k = k = 0, 78 ω 147, 13 A seguir deve-se determinar a tensão induzida na armadura com a nova carga: E = Ua Ra.Ia E = 120 0,1.95 E = 110,5 V A partir do valor de k já determinado (lembre-se que o fluxo permanece constante pois a corrente de excitação não varia), determina-se a nova velocidade angular do motor: E 110, 5 ω = k = ω = 141, 67 [ rad / s] k 0, 78 Determina-se a nova velocidade em rpm como se segue: n =. ω n =. 141, 67 n = 1352, 85 [ rpm] 2. π 2. π O motor de corrente contínua com excitação independente é indicado para tarefas nas quais o usuário necessita de controle muito preciso da velocidade angular no eixo mecânico. Pode ser empregado no controle de velocidade de processos industriais em que uma banda muito larga de velocidades é requerida Motor cc com excitação série. Em um motor de corrente contínua com excitação série, a bobina de excitação é conectada em série com os enrolamentos da armadura. Nessa situação, a própria corrente Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 21

13 da armadura irá atuar na formação do fluxo magnético do motor. A Figura 3.14 ilustra o circuito elétrico equivalente de um motor com excitação série. Figura 3.14: Diagrama elétrico de um motor cc com excitação série. Para essa configuração pode-se escrever: Ua = E + (Ra + Re). Ia + 2. V (3.10) sendo: Ua = tensão aplicada ao circuito da armadura [V]; E = tensão induzida nos enrolamentos da armadura [V]; Ra = resistência dos enrolamentos da armadura [Ω]; Ia = corrente do circuito da armadura [A]; V = queda de tensão nos terminais das escovas do motor cc [V]; Ue = tensão aplicada no circuito de excitação [V] Ie = corrente do circuito de excitação [A]; Re = resistência do circuito de excitação [Ω]. Exemplo 3.5: Um motor de corrente contínua com excitação série apresenta os seguintes valores para suas resistências: Ra = 0,1 Ω e Re = 0.15 Ω. Este motor consome 48 A quando alimentado com 230 V e desenvolvendo uma rotação de 720 rpm. Nestas condições determine o conjugado eletromagnético desenvolvido. Considere que: K máquina = 235; queda de tensão nas escovas = 2,5 V Solução. O conjugado eletromagnético pode ser determinado por: C = k máquina.i a.φ Como se conhece o valor de k máquina e de Ia, deve-se calcular φ. Isso é realizado a partir da seguinte equação: E = k máquina.ω.φ φ = E k máquina. ω Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 22

14 A velocidade angular é obtida como se segue: 2π 2π ω =. n ω =. 720 ω = 75, 40 [ rad / s] série: Já a tensão induzida da armadura é obtida a partir da equação geral do motor cc Ua = E + (Ra + Re). Ia + 2. V E = Ua - (Ra + Re). Ia - 2. V E = 230 -(0,1 + 0,15) ,5 E = 213 V Calcula-se o fluxo magnético como segue-se: 213 φ = φ = 12 [ mwb] , 40 Assim, calcula-se o conjugado eletromagnético: C = k máquina.i a.φ C = x10-3 C = 135,36 [N.m] O motor de corrente contínua com excitação série é amplamente utilizado no acionamento de veículos metroviários e ferroviários e em aplicações em que grandes conjugados devem ser desenvolvidos, como é o caso dos motores para tração elétrica. Por apresentarem grandes conjugados em baixas velocidades e adaptarem-se, automaticamente, às solicitações das cargas, são potencialmente empregados na tração elétrica. Deve-se tomar o cuidado de não operar motores desse tipo em vazio, pois a sua velocidade tenderia a aumentar indefinidamente, danificando a máquina Motor cc com excitação em derivação (shunt). Os motores ligados em derivação (também conhecidos como shunt ou paralelo) são aqueles em que o circuito de excitação está diretamente ligado à fonte de alimentação e em paralelo com a armadura do motor. A Figura 3.15 apresenta o diagrama elétrico de um motor com esse tipo de excitação. Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 23

15 Figura 3.15: Diagrama elétrico de um motor cc com excitação em derivação. Como o circuito de excitação está em paralelo com o circuito de armadura, as duas tensões são iguais: Ua = Ue. Pode-se escrever: I T = Ia + Ie (3.11) Ua = Re. Ie (3.12) Ua = E + Ra. Ia + 2. V (3.13) Ie. Re = E + Ra. Ia + 2. V (3.14) sendo: Ua = tensão aplicada ao circuito da armadura [V]; E = tensão induzida nos enrolamentos da armadura [V]; Ra = resistência dos enrolamentos da armadura [Ω]; Ia = corrente do circuito da armadura [A]; I T = corrente total fornecida pelo sistema elétrico [A]; V = queda de tensão nos terminais das escovas do motor cc [V]; Ue = tensão aplicada no circuito de excitação [V] Ie = corrente do circuito de excitação [A]; Re = resistência do circuito de excitação [Ω]. Exemplo 3.6: Um motor de corrente contínua com excitação em derivação apresenta os seguintes valores para suas resistências: Ra = 0,05 Ω e Re = 75 Ω. Este motor consome 46 A da rede elétrica quando alimentado com 230 V e desenvolve uma velocidade de 1110 rpm. Nestas condições determine o conjugado eletromagnético desenvolvido. Considere que: k máquina = 215; queda de tensão nas escovas = 1,5 V. Solução. O conjugado eletromagnético pode ser determinado por: C = k máquina.i a.φ Como se conhece o valor de k máquina, deve-se determinar os valores de Ia e de φ. Ia pode ser obtido como se segue: Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 24

16 Ua Ie = Ie = Re Ie 3 [ A] Ia = It Ie Ia = 46 3 Ia = 43 [ A] O fluxo magnético pode, então, ser obtido como: E = k máquina. ω.φ φ = A velocidade angular é obtida como se segue: E k máquina. ω 2π 2π ω =. n ω = ω = 116, 24 [ rad / s] Já a tensão induzida na armadura é obtida a partir da equação geral do motor cc com seu campo ligado em derivação: E = Ua - Ra. Ia - 2. V E = 230 0, ,5 E = 224,85 [V] Calcula-se o fluxo magnético como segue-se: 224, 85 φ = φ = 9, 00 [ mwb] , 24 Assim, calcula-se o conjugado eletromagnético: C = k máquina.i a.φ C = ,00x10-3 C = 83,21 [N.m] O motor de corrente contínua com excitação em derivação é indicado para tarefas nas quais o usuário possui uma única fonte de energia que irá alimentar os circuitos de campo e de armadura. Pode ser empregado no acionamento de cargas em que o controle de velocidade é mais simples, mesmo que a banda de velocidade requerida seja bastante ampla Motor cc com excitação composta (compound). O motor cc com excitação composta apresenta seu sistema de excitação dividido em duas partes: uma parte conectada em paralelo com a armadura do motor e a outra parcela colocada em série com a armadura. A Figura 3.16 apresenta um esquema de ligação do motor com excitação composta. Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 25

17 Figura 3.16: Diagrama elétrico de um motor cc com excitação composta. Para o motor cc com excitação composta pode-se escrever as seguintes equações: I T = Ia + Ie (3.15) Ua = Re 1.Ie (3.16) Ua = E + (Ra + Re 2 ). Ia + 2 V (3.17) sendo: Ua = tensão aplicada ao circuito da armadura [V]; E = tensão induzida nos enrolamentos da armadura [V]; Ra = resistência dos enrolamentos da armadura [Ω]; Ia = corrente do circuito da armadura [A]; I T = corrente total fornecida pelo sistema elétrico [A]; V = queda de tensão nos terminais das escovas do motor cc [V]; Ue = tensão aplicada no circuito de excitação [V] Ie = corrente do circuito de excitação [A]; Re 1 = resistência de excitação colocada em paralelo com a armadura do motor[ω]; Re 2 = resistência de excitação colocada em série com a armadura do motor[ω]. Exemplo 3.7: Um motor de corrente contínua com excitação composta apresenta os seguintes valores para suas resistências: Ra = 0,05 Ω e Re 1 = 60 Ω e Re 2 = 0,15 Ω. Este motor consome 60 A da rede elétrica quando alimentado com 230 V e desenvolvendo uma velocidade de 1300 rpm. Nestas condições determine o conjugado eletromagnético desenvolvido. Considere que: k máquina = 240; queda de tensão nas escovas = 1,5 V. Solução. O conjugado eletromagnético pode ser determinado por: C = k máquina.i a.φ Como se conhece o valor de k máquina, deve-se determinar os valores de Ia e de φ. Ia pode ser obtido como se segue: Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 26

18 Ua Ie = Re 1 Ie = Ie = 3, 83 [ A] Ia = It Ie Ia = 60 3, 83 Ia = 56, 17 [ A] O fluxo magnético pode, então, ser obtido como: E = k máquina. ω.φ φ = A velocidade angular é obtida como se segue: E k máquina. ω 2π 2π ω =. n ω = ω = 136, 14 [ rad / s] Já a tensão induzida na armadura é obtida a partir da equação geral do motor cc com seu campo ligado em derivação: E = Ua - (Ra + Re 2 ). Ia - 2 V E = 230 (0,05 + 0,15) ,5 E = 215 [V] Calcula-se o fluxo magnético como segue-se: E 215 φ = φ = 6, 58 [ mwb] k. ω , 14 máquina Assim, calcula-se o conjugado eletromagnético: C = k máquina.i a.φ C = ,58x10-3 C = 94,75 [N.m] Os motores compostos acumulam as vantagens do motor série e do motor em derivação, isto é, possuem um elevado conjugado de partida e velocidade aproximadamente constante no acionamento de cargas variáveis. Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 27

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Capítulo 14 Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Objetivos: Entender o princípio de funcionamento Analisar as características operacionais destes motores ONDE EXISTE ESTE TIPO DE ROTOR? ESPIRA

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Conceitos preliminares Introdução às máquinas CA e CC Força Magnetomotriz (FMM) de enrolamentos concentrados e de enrolamentos distribuídos

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas.

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas. 3.3 Motores de Indução Trifásicos. 3.3.1 Campo Girante Trifásico. A Figura 3.17 apresenta o campo girante produzido por uma estrutura de dois e quatro pólos magnéticos. A Figura também destaca um núcleo

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Fundamentos das máquinas CC:

Fundamentos das máquinas CC: p. 1/38 Fundamentos das máquinas CC: Com excessão da máquina homopolar a conversão eletromecânica de energia elétrica em mecânica e vice-versa se processa através de grandezas alternadas; A retificação

Leia mais

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA *

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * Vitória ES 2006 7. ENROLAMENTOS PARA MOTORES DE CORRENTE ALTERNADA A maneira mais conveniente de associar vários condutores de um enrolamento

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

Geradores de corrente contínua

Geradores de corrente contínua Geradores de corrente contínua Introdução: Um motor é uma máquina que tem a função de converter energia elétrica em energia mecânica e um gerador tem a função tem função contrária, ou seja, converter a

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

TRANSFORMADOR. A figura 1 mostra o esquema de um transformador básico.

TRANSFORMADOR. A figura 1 mostra o esquema de um transformador básico. TRAFORMADOR O transformador é constituído basicamente por dois enrolamentos que, utilizando um núcleo em comum, converte primeiramente e- nergia elétrica em magnética e a seguir energia magnética em elétrica.

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA Aplicações As três aplicações básicas dos transformadores e que os fazem indispensáveis em diversas aplicações como, sistemas de distribuição de energia elétrica, circuitos

Leia mais

Geradores de corrente alternada

Geradores de corrente alternada Geradores de corrente alternada Introdução: A função do gerador elétrico é bastante conhecida, converter energia mecânica em energia elétrica podendo esta ser alternada ou contínua. Um gerador de corrente

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos Aula 19 Modelagem de geradores síncronos trifásicos Geradores Em problemas de fluxo de potência normalmente são especificadas as tensões desejadas para a operação do gerador e calculadas as injeções de

Leia mais

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos. Prof.: Hélio Henrique

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos. Prof.: Hélio Henrique DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique 2 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA 2.1 - COMPONENTES DA MÁQUINA CC Fig. 2-1 :

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA Todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica constitui uma máquina geradora de energia elétrica. O funcionamento do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA Geradores e motores A máquina é um motor quando transforma energia elétrica em energia mecânica. Quando transforma energia mecânica em energia elétrica, ela é um gerador.

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos 1 Fig.20.1 20.1. A Fig. 20.1 mostra um receptor elétrico ligado a dois pontos A e B de um circuito entre os quais existe uma d.d.p. de 12 V. A corrente que o percorre é de 2,0 A. A

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho

Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho thinkmotion Como otimizar o desempenho e minimizar o tamanho em aplicações de alta velocidade Motores CC sem escova de alto desempenho I. Introdução II. III. IV. Otimização de um motor CC sem escova para

Leia mais

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução Capítulo 3 Máquinas de corrente contínua Introdução A máquina de corrente contínua foi, durante muito tempo, a solução mais natural para problemas em que era imprescindível variar a velocidade durante

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Motores de Corrente Contínua:

Motores de Corrente Contínua: p. 1/2 Motores de Corrente Contínua: I F R F I A R A I L V F N F E A ω mec T mec T ele CARGA Máquina CC operando como MOTOR: 1. Inicialmente a máquina se encontra em repouso (ω m = 0); 2. Alimenta-se o

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Capítulo 04. Geradores Elétricos. 1. Definição. 2. Força Eletromotriz (fem) de um Gerador. 3. Resistência interna do gerador

Capítulo 04. Geradores Elétricos. 1. Definição. 2. Força Eletromotriz (fem) de um Gerador. 3. Resistência interna do gerador 1. Definição Denominamos gerador elétrico todo dispositivo capaz de transformar energia não elétrica em energia elétrica. 2. Força Eletromotriz (fem) de um Gerador Para os geradores usuais, a potência

Leia mais

Fig. 13 Como um movimento de um passo se desenvolve quando a excitação é chaveada de Ph1 para Ph2.

Fig. 13 Como um movimento de um passo se desenvolve quando a excitação é chaveada de Ph1 para Ph2. Como visto na Fig. 12, quando os dentes do rotor e do estator estão fora do alinhamento na fase excitada, a relutância magnética é grande. O motor RV trabalha para minimizar a relutância magnética. Vamos

Leia mais

Transformador. Índice. Estrutura

Transformador. Índice. Estrutura Transformador Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Um transformador ou trafo é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro, transformando tensões,

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Prof.: Geraldo Barbosa Filho

Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 07 GERADORES E RECEPTORES 5- CURVA CARACTERÍSTICA DO GERADOR 1- GERADOR ELÉTRICO Gerador é um elemento de circuito que transforma qualquer tipo de energia, exceto a elétrica, em energia elétrica.

Leia mais

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR ESTUDO DO UTOTRNSFORMDOR. onceito. O autotransformador é um equipamento semelhante ao transformador, possuindo a mesma finalidade. única diferença é que existe apenas um único enrolamento.. Estudo do utotransformador

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Eng. Everton Moraes. Transformadores

Eng. Everton Moraes. Transformadores Eng. Everton Moraes Eng. Everton Moraes Transformadores 1 Transformadores Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Máquinas Elétricas... 3 1.1. Magnetismo... 3 1.2. Eletromagnetismo... 5 1.3. Solenóide... 5 2. Transformadores

Leia mais

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética 1 de 9 CURSO Eletroeletrônica - DATA / / COMPONENTE ALUNO DOCENTE Eletromagnetismo Prof. Romeu Corradi Júnior [www.corradi.junior.nom.br] RA: Assunto: Resumo com comentários Eletromagnetismo Indução eletromagnética

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores Objetivos da aula Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação estrela e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores. Medições

Leia mais

Geradores elétricos GERADOR. Energia dissipada. Símbolo de um gerador

Geradores elétricos GERADOR. Energia dissipada. Símbolo de um gerador Geradores elétricos Geradores elétricos são dispositivos que convertem um tipo de energia qualquer em energia elétrica. Eles têm como função básica aumentar a energia potencial das cargas que os atravessam

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA ELETROTÉCNICA 1. INTRODUÇÃO : Este texto foi preparado procurando uma exposição na forma mais simples, apenas com a intenção de relembrar alguns conceitos fundamentais da eletricidade e do eletromagnetismo

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

Prof. Cecil M. Fragoso Março de 1993

Prof. Cecil M. Fragoso Março de 1993 Transformadores Teoria e Projeto Apostila original por Prof. Cecil. Fragoso arço de 993 Reedição por Gabriel Gutierrez P. oares Revisão por anoel B. oares aio de 00 Transformadores - Conceito O transformador

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Jhonathan Junio de Souza Motores de Passo Trabalho apresentado à disciplina

Leia mais

Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica

Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Existem diversas maneiras de se gerar energia elétrica. No mundo todo, as três formas mais comuns são por queda d água (hidroelétrica), pela queima

Leia mais

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor.

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. Corrente alternada Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. A corrente elétrica pode ser contínua (quando movimento é em uma única direçaõ e sentido) ou

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

Descrição dos pinos do Módulo Driver Motor com Dupla Ponte-H - L298N:

Descrição dos pinos do Módulo Driver Motor com Dupla Ponte-H - L298N: O MÓDULO DRIVER MOTOR COM DUPLA PONTEH - L298N é baseado no chip L298N com dupla Ponte- H, podendo controlar a velocidade e o sentido de giro de até dois motores de 3-30V DC ou um motor de passo com 2

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Geradores de turbinas eólicas O aerogerador converte a energia mecânica em energia elétrica. Os aerogeradores são não usuais, se comparados com outros equipamentos geradores conectados a rede elétrica.

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como:

O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como: Resumo - Alternador O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como: Não ligar a bateria com polaridade invertida; Não ligar o alternador sem carga ou retirar a carga com alternador

Leia mais

1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES

1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES Quanto a Finalidade: TRANSFORMADORES 1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES a)transformadores de Corrente; b)transformadores de Potencial; c)transformadores de Distribuição; d)transformadores de Força. Quanto

Leia mais

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso.

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. Luciano de Abreu São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. É um dispositivo elétrico passivo que armazena energia

Leia mais

Como funciona o Reed-Switches (MEC089)

Como funciona o Reed-Switches (MEC089) Como funciona o Reed-Switches (MEC089) Escrito por Newton C. Braga Um componente de grande utilidade que pode ser usado como sensor em muitas aplicações mecatrônicas, robóticas e de automação é o reed-switch

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Aula -2 Motores de Corrente Contínua com Escovas

Aula -2 Motores de Corrente Contínua com Escovas Aula -2 Motores de Corrente Contínua com Escovas Introdução Será descrito neste tópico um tipo específico de motor que será denominado de motor de corrente contínua com escovas. Estes motores possuem dois

Leia mais

Unidade 12 - Capacitores

Unidade 12 - Capacitores Unidade 1 - Capacitores Capacidade Eletrostática Condutor Esférico Energia Armazenada em um capacitor Capacitor Plano Associação de Capacitores Circuitos com capacitores Introdução Os primeiros dispositivos

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Montagem da Ponte H Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES - PERDAS EM VAZIO Potência absorvida pelo transformador quando alimentado em tensão e frequência nominais,

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTRALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ENSAIO DA MÁQUINA SÍNCRONA Por: Prof. José

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DE CAPACITORES BT

GUIA DE APLICAÇÃO DE CAPACITORES BT GUIA DE APLICAÇÃO DE Neste guia você tem um resumo detalhado dos aspectos mais importantes sobre aplicação de capacitores de baixa tensão para correção do fator de potência. Apresentando desde conceitos

Leia mais

Capítulo 02. Resistores. 1. Conceito. 2. Resistência Elétrica

Capítulo 02. Resistores. 1. Conceito. 2. Resistência Elétrica 1. Conceito Resistor é todo dispositivo elétrico que transforma exclusivamente energia elétrica em energia térmica. Simbolicamente é representado por: Assim, podemos classificar: 1. Condutor ideal Os portadores

Leia mais

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas elétricas ou a seleção de freqüências em filtros para caixas

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores IF-UFRJ Elementos de Eletrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mestrado Profissional em Ensino de Física Aula 7: Polarização de Transistores Este material foi baseado em livros e manuais existentes

Leia mais

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação.

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. De acordo com a potência (carga), o contator é um dispositivo de comando

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

Máquinas Elétricas e Acionamento

Máquinas Elétricas e Acionamento Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação Máquinas Elétricas e Acionamento uma introdução Edson Bim Sumário 4 Regime Permanente de Máquinas de Corrente Contínua 1 4.1 Estrutura geométrica e aspectos

Leia mais