. analogamente. Np Ns. a = Ns

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ". analogamente. Np Ns. a = Ns"

Transcrição

1 - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A bobina que fornece energia para uma carga ca é chamada de secundário. Todo o processo de transferência de energia de uma bobina para outra é feito através do núcleo, usando o acoplamento das bobinas (acoplamento magnético). Fig.. Bobinas Primária e Secundária.- Relação de Tensão e Corrente a) A tensão nas bobinas de um transformador é diretamente proporcional ao número de espiras das bobinas. d φ = φ m senϖt, aplicando em e = φ N dt obtemos e = N t ω φ m cosω. analogamente e ωn φm cosωt = Vp - tensão primária, V. Vs - tensão secundária, V. Np - Número de espiras do primário. Ns - Número de espiras do secundário. a relação de transformação. e e Vp = = Vs Np Ns, b) A corrente que passa nas bobinas de um transformador é inversamente proporcional à tensão nas bobinas. Ip - corrente primária, A Is - corrente secundária, A. Ip Is Vs = = Vp a = Ns Np Np Ns

2 .- Razão de Impedância É transferida uma quantidade máxima de potência de um circuito para outro quando a impedância dos dois circuitos for a mesma ou quando estiverem casados. Se os dois circuitos tiverem impedâncias diferentes, deve ser usado um transformador de acoplamento como um dispositivo casador de impedância entre os dois circuitos. A razão de espiras estabelece a relação correta entre a razão das impedâncias dos enrolamentos do primário e do secundário. Esta relação é expressa através da equação: Zp Impedância do primária, Ω Zs Impedância do secundária, Ω Np - Número de espiras do primário Ns - Número de espiras do secundário N ( N P S ) Z = Z P S.3- Equação da FEM de um Transformador E ϖn φ = φm, f m = 4,44fN E Tensão eficaz, induzida no primário, em Volts. f - Freqüência em Hz. N - Número de espiras do primário. φ m Fluxo magnético em Wb..4- Perdas do Transformador ϖ = π Um transformador real apresenta as seguintes perdas: a) perdas no núcleo, as quais incluem as perdas por histerese e corrente de Foucault; b) perdas resistivas ( I R ) nos enrolamentos primário e secundário. Potência de saída P Ef = 00% = Potência de entrada P Potência de entrada P P Ef = Potência de entrada Ef = V I FP V I FP + P + P ( ) Cu 00% Potência de saída 00% = Potência de saída + P + P Cu Fe Fe 00% Cu Fe 00%

3 onde: Ef eficiência (ou rendimento η ), % P potência de entrada no primário, W P potência de saída no secundário, W P Cu perda no cobre ou enrolamentos, W P Fe perda no ferro ou núcleo, W FP fator de potência da carga Transformadores.5- Circuitos Equivalentes de Transformadores Reais 3

4 Fig.. Circuitos Equivalentes do Transformador A regulação de tensão de um transformador é a variação na tensão terminal do secundário, entre circuito aberto e em plena carga, e é usualmente expressa como percentagem do valor da tensão em plena carga. V R(%) = ( SVazio V V SC arg a SC arg a ) *00%.6- Testes em Transformadores Os parâmetros do circuito equivalente são determinados, ou pelos dados de projeto, ou pelos dados de teste. Os dois testes mais comuns são os seguintes:.6.- Teste de Circuito Aberto (Teste a Vazio) A principal razão para executar-se o teste de circuito aberto (a vazio) é medirem-se as perdas do núcleo à tensão nominal. Os parâmetros do ramo de magnetização (R c e X m ) do circuito equivalente do transformador, também podem ser obtidos das medições realizadas no teste de circuito aberto. As ligações típicas são mostradas na Fig. abaixo para um transformador de dois enrolamentos, com tensão nominal aplicada aos terminais de baixa tensão X-X, e com os terminais de alta tensão, H-H, a circuito aberto. Uma vez que a tensão nominal é aplicada ao lado de baixa tensão, a tensão nominal também aparece nos terminais do lado de alta tensão. Cuidados então devem ser tomados para isolar os terminais deste enrolamento (A.T.), tanto para segurança do pessoal que executa o teste, quanto para prevenir que estes terminais não se fechem por meio de outros circuitos elétricos, instrumentos, terra, etc. 4

5 Fig..3 - Ligações típicas dos instrumentos para o teste de circuito aberto, que determinará as perdas no núcleo. O processo para a execução do teste de circuito aberto é o que se segue:. Leva-se o potenciômetro ou o transformador ajustável, desde zero até a tensão nominal, para o enrolamento em que está ligado o voltímetro CA.. Lê-se a potência a circuito aberto, P ca, a tensão nominal, V nom, e a corrente de magnetização, I m, nos instrumentos respectivos. 3. Calculam-se as perdas no núcleo a partir de P = P R I, onde R x é a Fe ca x m resistência do enrolamento de baixa tensão escolhido. Outras quantidades do circuito são encontradas por: V nom Leitura do Voltímetro R c = = (a) P Leitura do Wattímetro FE PFE Leitura do Wattímetro I c = = (b) V Leitura do Voltímetro nom I m = I m Ic (c) V nom X m = (d) Im Como o transformador está a circuito aberto, a corrente a vazio é relativamente pequena, bem como a resistência do enrolamento de baixa tensão no qual o teste é realizado. Na maioria dos casos, assim, é usual tomar-se a leitura do wattímetro como o valor das perdas no núcleo, sem subtrair as pequenas perdas no cobre produzidas pela corrente de magnetização. 5

6 OBSERVAÇÃO: No Teste de Circuito Aberto, é interessante que se aplique a tensão de teste ao enrolamento de baixa tensão pelos seguintes motivos: facilitar na obtenção de uma fonte de potência, para o teste, com a mesma tensão nominal do enrolamento (B.T.) e minimizar o erro quando despreza-se as perdas na resistência do cobre do enrolamento no lado onde se realiza a medição de potência (P Fe )..6.- Teste de Curto-Circuito. A principal razão para executar-se o teste de curto-circuito é medirem-se as perdas do cobre à corrente nominal, permitindo-se o conhecimento das características de desempenho do transformador (rendimento e regulação de tensão). Os parâmetros Re, Ze e Xe, podem ser facilmente calculados através das medições de tensão, corrente e potência primária, quando o transformador está curto-circuitado (com o enrolamento secundário em curto). Mais uma vez, a escolha do enrolamento a ser curto-circuitado é normalmente determinada pelos equipamentos de medição disponíveis para uso no teste. Entretanto, cuidados devem ser tomados registrando-se qual enrolamento está curto-circuitado, porque isto indicará o enrolamento de referência para se expressar as componentes de impedâncias obtidas por este teste. A Fig. abaixo mostra uma disposição típica de instrumentos e dispositivos para se obterem os dados do teste de curto-circuito de um transformador..4 - Ligações típicas dos instrumentos para o teste de curto-circuito, visando a determinação das perdas no cobre. O processo para a execução do teste de curto-circuito é o que se segue: 6

7 . Com um potenciômetro ou um transformador de saída variável, ajustado para dar tensão de saída nula, curto-circuitam-se os terminais de baixa tensão, X-X do transformador.. Lenta e cuidadosamente, aumenta-se a tensão usando o transformador ajustável ou o potenciômetro, até que a corrente nominal primária seja lida no amperímetro (a corrente nominal primária é determinada a partir da capacidade nominal do transformador em VA, dividida pela tensão nominal do lado de alta tensão, VA/V alta ). 3. Lê-se a potência de curto-circuito, P cc, a tensão de curto-circuito, V cc, e a corrente primária de curto-circuito, I cc =I nom (nominal). 4. Calcula-se Ze pela relação das leituras do voltímetro e do amperímetro: Ze Vcc leitura do voltímetro = (.) I leitura do amperímetro = cc 5. Calcula-se Re pela relação da leitura do wattímetro dividida pela leitura do amperímetro elevada ao quadrado: P leitura do wattímetro Re = = (.) I cc cc ( leitura do amperímetro) 6. Calcula-se Xe a partir de Ze e Re, obtidos pelos passos 4 e 5 acima, usando: Xe ou = Ze Re (.3) Re θ = arccos Ze e Xe = Ze senθ (.4) É normalmente admitido que a resistência dos enrolamentos e a reatância de dispersão, são divididas igualmente entre o primário e o secundário, isto é: Re = = R a R (.5) Xe X a X = = (.6) O wattímetro marca essencialmente as perdas no cobre, ou seja, a potência correspondente às perdas nas resistências primária e secundária, referidas ao primário (lado de alta tensão). À tensão e freqüência nominais, as perdas no núcleo de um transformador dificilmente serão desprezíveis. Mas, no caso do teste de curto-circuito, a tensão aplicada ao primário é apenas uma pequena fração da tensão nominal do lado de 7

8 alta tensão. Sob estas condições, as perdas no núcleo, que variam com o quadrado da tensão, podem ser desprezadas. OBSERVAÇÃO: No Teste de Curto-Circuito, embora qualquer lado possa ser curtocircuitado, é interessante que seja curto-circuitado o lado de baixa tensão pelos seguintes motivos: é o enrolamento que tem uma tensão nominal menor e uma corrente nominal maior (B.T.)..7- Autotransformadores. Um autotransformador é um transformador com um único enrolamento; ele é um dispositivo muito útil para algumas aplicações por causa da sua simplicidade e baixo custo, quando comparado com transformadores de vários enrolamentos. Entretanto, ele não apresenta um isolamento elétrico (entre primário e secundário) e, portanto, não pode ser usado quando este aspecto é necessário. O autotransformador, Fig..5, pode ser desenvolvido a partir de um transformador de dois enrolamentos; para isso, basta fazer a conexão elétrica dos dois enrolamentos em série, de modo que as polaridades sejam aditivas. Fig..5 - Transformador de dois enrolamentos conectado como autotransformador. Suponha que um transformador de dois enrolamentos foi conectado como um autotransformador, conforme mostrado no circuito da Fig..5, onde o primário do transformador de dois enrolamentos é o enrolamento H H e o secundário é o 8

9 enrolamento X X. O primário do autotransformador é H H, e o secundário é a soma dos dois enrolamentos H X.. Conseqüentemente, a razão ou relação de tensões e de espiras do autotransformador é: a N + N H H = (.7) N H H X X onde a é a relação de tensões e espiras do transformador original de dois enrolamentos. Além de apresentar uma maior relação de transformação, um par de enrolamentos, quando conectados como um autotransformador, pode também desenvolver mais voltampères (potência aparente) do que quando deixado como um transformador de dois enrolamentos. A razão disso é que a transferência de volt-ampères do primário para o secundário em um autotransformador não acontece somente por indução, como em um transformador de dois enrolamentos, mas também por condução. Fig..6 - Representação do autotransformador nas configurações de abaixador e elevador mostrando os volt-ampères transferidos condutivamente e por ação Transformadora. Desde que I = I + I C neste circuito, toda a corrente I é conduzida a I. Os voltampères transferidos condutivamente, do primário ao secundário, para um autotransformador abaixador, são: Volt-ampères condutivos = V. I (.8) Uma vez que V + V P = V, a diferença entre V e V (ou V P ) é a medida da energia transformada. Assim, os volt-ampères transferidos do primário ao secundário, por ação de transformador, para um autotransformador abaixador, são: 9

10 Volt-ampères transformados = V P. I (.9) Para um autotransformador elevador prevalece a mesma lógica. Como mostra a Fig. -6(b), I é a parte de I que é transferida condutivamente. Desta maneira, os voltampères transferidos condutivamente do primário ao secundário para um autotransformador elevador, são: Volt-ampères condutivos = V. I (.30) Desde que V = V S + V, a diferença entre V e V (ou V S ) é uma medida da energia transformada. Assim, os volt-ampères transferidos do primário ao secundário, por ação de transformador, para um autotransformador elevador, são: Volt-ampères transformados = V S. I (.3) Para ambos os autotransformadores, elevador e abaixador, a quantidade total de energia transferida do primário ao secundário, medida em kva é: kva (total) = kva (transferidos condutivamente) + kva (transformados) (.3) O aumento dramático na capacidade em kva, produzida pela ligação de um transformador isolado como autotransformador, tem como motivo o tamanho menor de um autotransformador da mesma capacidade em comparação a um transformador isolado comum. Deve-se levar em conta, entretanto, que, apenas quando a relação das tensões primária e secundária se aproxima da unidade, ocorre este marcante aumento de capacidade. Se há uma grande relação entre as tensões primária e secundária, a capacidade em kva tem um acréscimo, mas não tão marcante. (Para a > 0, o acréscimo em kva é menor que 0%.).8 Sistemas Trifásicos. Um sistema trifásico é uma combinação de três sistemas monofásicos. Num sistema trifásico a energia é fornecida por um gerador de corrente alternada que produz três tensões iguais mas separadas no tempo de 0 o. No sistema trifásico as vantagens práticas são mais inerentes do que em um sistema monofásico. Por exemplo, nos sistemas trifásicos os condutores possuem secções nominais menores que num sistema monofásico; eles permitem flexibilidade na escolha das tensões; os equipamentos trifásicos possuem menores dimensões e maior eficiência. Em sistema trifásico as fases podem ser ligadas de duas formas: delta ( ) ou triângulo e Y ou estrela. 0

11 .8.- Sistema em Triângulo O sistema em triângulo equilibrado caracteriza-se pelas seguintes equações: V I L L = V V L - tensão entre duas fases, V V F - tensão entre uma fase e o neutro do sistema, V. I L - corrente de linha, A. I F - corrente de fase, A..8.- Sistema em Estrela = F 3.I F O sistema em estrela equilibrado caracteriza-se pelas seguintes equações: V L - tensão entre duas fases, V V I L L = = I F 3.V F

12 V F - tensão entre uma fase e o neutro do sistema, V. I L - corrente de linha, A. I F - corrente de fase, A. obs : sistema equilibrado é o sistema onde as cargas que o compõem são iguais. Obs : No sistema da COSERN a tensão de linha é igual a 380 V e a tensão de fase é 0 V. (sistema em Y).9- Transformadores Trifásicos Os transformadores trifásicos podem ser formados por três transformadores -φ separados mas idênticos ou por uma única unidade 3-φ contendo enrolamentos trifásicos. Os enrolamentos dos transformadores (três no primário e três no secundário) podem ser ligados para formar um conjunto 3-φ de qualquer uma das quatros formas comuns Fig..7. Cada enrolamento primário é ligado ao enrolamento secundário desenhado paralelo a ele. Na figura estão indicadas as tensões e as correntes em função da tensão V de linha aplicada ao primário e da corrente da linha I, onde a = N / N, a razão entre o número de espiras do primário e do secundário. A tensão de linha é a tensão entre duas linhas, enquanto a tensão de fase é a tensão através do enrolamento de um transformador. A corrente de linha é a corrente em uma das linhas, enquanto a corrente de fase é a corrente no enrolamento do transformador. As especificações de tensão e de corrente dos transformadores individuais dependem das ligações mostradas (Fig..7) e estão indicadas na forma de uma tabela (Tabela -) para maior conveniência de cálculos. Supõe-se que os transformadores sejam ideais. A especificação em quilovolt-ampère de cada transformador é um terço da especificação em quilovolt-ampère do conjunto, independentemente das ligações usadas nos transformadores. (a) Triângulo com triângulo ( - ). (b) Estrela com estrela (Υ-Υ).

13 (c) Estrela com triângulo (Υ- ). (b) Triângulo com estrela ( -Υ). Fig..7 - Ligações comuns de transformadores 3-φ. Os enrolamentos dos transformadores são indicados através das linhas em negrito. a = N / N O uso de transformadores individuais é preferível a uma unidade polifásica, quando se requer continuidade no serviço. Por exemplo, uma bancada - (delta-delta) pode ser operada em V-V (delta aberto ou V-V) com um transformador removido. O sistema continua a suprir potência trifásica às cargas ligadas em ou Υ sem alteração nas tensões, porém com uma capacidade de 57,7% da potência total da bancada. Tabela -. Relações de tensão e corrente para ligações comuns de transformadores 3-φ. Ligação do PRIMÁRIO SECUNDÁRIO Transformador Linha Fase Linha Fase ( primário e secundário ) Tensão Corrente Tensão Corrente Tensão Corrente Tensão Corrente - V I V I 3 V a a I V a a I 3 Υ-Υ V I V 3 I V a a I V 3 a a I Υ- V I V 3 I V 3 a 3 a I V 3 a a I -Υ V I V I 3 3 V a a I 3 V a a I 3 Lista de Exercícios sobre Transformadores - Um transformador com uma relação abaixadora de 0: é seguido de um transformador com uma relação abaixadora de 5:. Qual é a tensão no secundário do segundo transformador se a tensão no primário do primeiro é de.00 V? - Um transformador cujo primário está ligado a uma fonte de 0 V libera V. Se o número de espiras do secundário for de 0 espiras, qual o número de espiras do 3

14 primário? Quantas espiras adicionais serão necessárias acrescentar ao secundário para que ele possa fornecer 33 V? 3- O primário de um transformador tem 00 espiras e é alimentado por uma fonte de 60 Hz, 0 V. Qual é o máximo valor de fluxo no núcleo? 4- Uma tensão v=55,5 sem 377t + 5,5 sem 3t (V) é aplicada no primário do transformador de 00 espiras, 60 Hz. Desprezando a dispersão magnética, determine o valor instantâneo do fluxo no núcleo. 5- Um transformador é testado e descobriu-se ser capaz de fornecer 60 A em 30 V quando a corrente de primário é de 5 A. Calcule: (a) a relação de transformação, (b) a tensão do primário e (c) os kva que podem ser fornecidos. 6- Uma tensão de primário de.900 V é aplicada a um transformador de 3.000/0 V, de 0 kva. Determine: (a) a tensão de secundário e (b) os kva que podem ser fornecidos nesta tensão mais baixa. 7- Obs.: A corrente não pode ultrapassar o valor especificado (nominal) indiferentemente da tensão. 8- Um transformador comercial de 0/30 V, 3 kva, 60 Hz tem a relação de 3 V/espira. Calcule: (a) o número de espiras do lado de AT, (b) o número de espiras do lado de BT, (c) a relação de transformação, se utilizado como abaixador, (d) a relação de transformação, se utilizado como elevador, (e) a corrente nominal do lado de AT, e (f) a corrente nominal do lado de BT. 9- Um transformador de 4,6 kva,.300/5 V, 60 Hz foi projetado para ter uma fem induzida de,5 volts/espira. Imaginando-o um transformador ideal, calcule: (a) o número de espiras do enrolamento de alta, N a, (b) o número de espiras do enrolamento de baixa, N b, (c) a corrente nominal para o enrolamento de alta, I a, (d) a corrente nominal para o enrolamento de baixa, I b, (e) a relação de transformação funcionando como elevador e (f) a relação de transformação funcionando como abaixador. 0- O lado de AT de um transformador tem 750 espiras e o de BT 50 espiras. Quando o lado de AT é ligado a uma rede de 0 V, 60 Hz, e uma carga de 40 A é ligada ao lado de BT, calcule: (a) a relação de transformação, (b) a tensão secundária, (c) a resistência da carga, (d) a relação volts/espiras do primário e do secundário, e (e) a capacidade em VA do transformador. - O lado de alta tensão de um transformador abaixador tem 800 espiras e o lado de baixa tensão tem 00 espiras. Uma tensão de 40 V é aplicada ao lado de alta tensão e uma 4

15 impedância de carga de 3 Ω é ligada ao lado de baixa tensão. Calcule: (a) a corrente e tensão secundárias, (b) a corrente primária, (c) a impedância de entrada do primário a partir da relação entre a tensão e a corrente primárias e (d) a impedância de entrada do primário por meio da relação de impedância. - Um transformador retira,5 A em 0V e fornece 7,5 A em 4 V para uma carga com um FP unitário (,0). Calcule o rendimento do transformador. 3- Um transformador fornece 550 V em 80 ma com uma eficiência de 90 por cento. Se a corrente do primário for de 0,8 A, qual a potência de entrada em voltampères e a tensão do primário? 4- Um transformador de 40/70 V e 5 kva é submetido a um teste de perda no cobre através de curto-circuito. No início do teste, varia-se a tensão do primário até que o amperímetro através do secundário indique a corrente especificada para o secundário com carga máxima. A resistência medida do enrolamento do primário é de 0,05 Ω e a do enrolamento do secundário é de,5 Ω. Calcule a perda total no cobre. 5- Num teste com circuito aberto para a verificação de perdas no núcleo no transformador de 5 kva da questão anterior, quando a tensão do primário é fixada na tensão especificada de 40 V, o wattímetro no circuito do primário indica 80 W. Se o fator de potência da carga for de 0,8, qual a eficiência do transformador com carga máxima? 6- Um transformador de 0 kva e.400/40 V em 60 Hz tem uma resistência no enrolamento primário de 6 Ω e uma resistência no enrolamento secundário de 0,06 Ω. A perda no núcleo é de 60 W. Calcule (a) a perda no cobre com carga máxima, (b) a eficiência do transformador quando estiver completamente carregado com um FP de 0,9 e (c) a sua eficiência se o FP for de 0,6. 7- Um transformador de 0 kva, 660 V/ 0 V tem perdas a vazio de 50 W e uma resistência do lado de AT de 0, Ω. Imaginando que as perdas relativas à carga nos enrolamentos são iguais, calcule: (a) a resistência do lado de BT, (b) a perda no cobre equivalente à plena carga. 8- Um transformador abaixador de 0 kva, 300/30 V, é ligado conforme mostra a figura abaixo, com o lado de baixa tensão curto-circuitado. 5

16 . Os dados lidos no lado de alta tensão são: Leitura do wattímero = 50 W Leitura do voltímetro = 50 V Leitura do amperímetro = Calcule: a) A impedância, a reatância e a resistência equivalentes referida ao lado de alta tensão. b) A impedância, a reatância e a resistência equivalentes referida ao lado de baixa tensão. 9- Um transformador de 0 kva, 60 Hz, 4800/40 V é ensaiado a vazio e a curto-circuito, respectivamente, sendo os resultados: Tensão Corrente Potência Enrol. usado Ensaio a vazio 40 V,5 A 60 W BT Ensaio de curtocircuito 80 V Nominal 80 W AT Utilizando estes dados, calcule: a) a resistência e a reatância equivalentes relativas ao lado de AT. b) A resistência e a reatância equivalentes relativas ao lado de BT. c) A regulação em tensão do transformador abaixador a FP unitário e plena carga. d) Repita (c) para FP de 0,8 em atraso, à plena carga. 0- Os parâmetros do circuito equivalente de um transformador de 50 kva, 400/40 V, são R =0, Ω, R = mω, X =0,45 Ω, X =4,5 mω, R Núcleo =0 kω, e X Nùcleo =,55 kω. Usando o circuito referido para o primário, determine (a) a regulação de tensão e (b) o 6

17 rendimento do transformador operando com carga nominal e fator de potência 0,8 atrasado. - Um transformador de 50 kva, 300/30 V, 60 Hz, consome 00 W e 0,30 A a vazio, quando 300 V são aplicados no lado de alta tensão. A resistência do primário é 3,5 Ω. Desprezando a queda na reatância de dispersão, determine: (a) o fator de potência a vazio, (b) a tensão induzida primária, (c) a corrente de magnetização, (d) e a componente de corrente de perda no núcleo. - Se a tensão de fase ou do enrolamento no secundário for de 0 V, qual a tensão da linha do secundário para ligações em Y e? 3- Um gerador ligado em delta fornece 00 V como tensão da linha e 5 A como corrente da linha. Quais os valores da tensão e da corrente para cada enrolamento ou fase? 4- Um gerador ligado em Y fornece 40 A para cada linha e tem uma tensão de fase de 50 V. Calcule a corrente através de cada fase e a tensão da linha. 5- A figura abaixo mostra um autotransformador de 3 enrolamentos alimentando duas cargas L e L. As quedas de tensão internas e a corrente de excitação podem ser desprezadas. Determinar as correntes nos 3 enrolamentos para as seguintes condições de carga: a) L = 360 kva, L = 0 b) L = 0, L = 0 kva c) L =360 kva, L = 0 kva com o mesmo fator de potência. 6- Os terminais de alta tensão de um banco trifásico de três transformadores monofásicos são ligados a um sistema trifásico de três fios, volts (de linha). Os terminais de baixa tensão são ligados a uma carga trifásica de três fios, com especificações nominais de.500 kva e.300 volts de linha. 7

18 Especificar as características nominais de tensão, corrente e potência aparente de cada transformador (para os enrolamentos de alta e baixa tensão) para as seguintes ligações: a) Enrolamentos de alta tensão em Y, enrolamentos de baixa tensão em. b) Enrolamentos de alta tensão em, enrolamentos de baixa tensão em Y. c) Enrolamentos de alta tensão em Y, enrolamentos de baixa tensão em Y. d) Enrolamentos de alta tensão em, enrolamentos de baixa tensão em. RESPOSTAS DE ALGUNS PROBLEMAS - V=4 V. - N =00 esp.; EA=40 esp. 3- φ m = 4,3 mwb 4- φ = -,05 cos 377t 0,068 cos 3t mwb 5- (a) a=,4; (b) V =55 V; (c) S=3,8 kva. 6- (a) V =6 V; (b) S =9,67 kva. 7- (a) N AT =73 esp.; (b) N BT =0 esp.; (c) a=7,33; (d) a=0,36; (e) I AT =3,64 A; (f) I BT =00 A. 8- (a) N AT =90 esp.; (b) N BT =46 esp.; (c) I AT = A; (d) I BT =40 A; (e) a=0,05; (f) a=0. 9- (a) a=5; (b) V =8 V; (c) R L =0, Ω; (d) Primário=Secundário=0,6 V/esp.; (e) S=30 VA. 0- (a) I =0 A e V =30 V; (b) I =,5 A; (c) Z =9 Ω; (d) Z =9 Ω. - η=65,5%. - S =48,9 VA e V =6, V. 3- P cu =94,04 W. 4- E f =95,8%. 5- (a) 0,0066 Ω, (b) 367 W 6 (a) 4,6 Ω 76 Ω, (b) 0,04 Ω 0,9 Ω, (c),875%, (d) 3,33% 0 (a) R(%)=,3%, (b) η=98,% (a) 0,9, (b) 300 V, (c) 0,86 A, (d) 0,088 A 8

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES - PERDAS EM VAZIO Potência absorvida pelo transformador quando alimentado em tensão e frequência nominais,

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente 1 Primário 220 V c 55 V 55 V 55 V 55 V Secundário Figure

Leia mais

Fundamentos de Máquinas Elétricas

Fundamentos de Máquinas Elétricas Universidade Federal do C Engenharia de nstrumentação, utomação e Robótica Fundamentos de Máquinas Elétricas rof. Dr. José Luis zcue uma Regulação de tensão Rendimento Ensaios de curto-circuito e circuito

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org 1ª. Questão Considere as seguintes impedâncias e tensões de um transformador cuja potência nominal é S N. Z AT : impedância de dispersão, referida à alta tensão, em ohms; Z BT : impedância de dispersão,

Leia mais

TERMOS PRINCIPAIS UTILIZADOS EM TRANSFORMADORES

TERMOS PRINCIPAIS UTILIZADOS EM TRANSFORMADORES TRANSFORMADOR MONOFÁSICO: São transformadores que possuem apenas um conjunto de bobinas de Alta e Baixa tensão colocado sobre um núcleo. 1 TRANSFORMADOR TRIFÁSICO: São transformadores que possuem três

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios

Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios Nome Nº ATENÇÃO: A justificação clara e concisa das afirmações e cálculos mais relevantes

Leia mais

Eng. Everton Moraes. Transformadores

Eng. Everton Moraes. Transformadores Eng. Everton Moraes Eng. Everton Moraes Transformadores 1 Transformadores Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Máquinas Elétricas... 3 1.1. Magnetismo... 3 1.2. Eletromagnetismo... 5 1.3. Solenóide... 5 2. Transformadores

Leia mais

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso.

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. Luciano de Abreu São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. É um dispositivo elétrico passivo que armazena energia

Leia mais

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Introdução Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Os circuitos que estudamos até o momento

Leia mais

Transformador. Índice. Estrutura

Transformador. Índice. Estrutura Transformador Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Um transformador ou trafo é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro, transformando tensões,

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL Paulo dos Santos CARACTERIZAÇÃO ELÉTRICA DE UM TRANSFORMADOR

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Os transformadores em geral apresentam perdas de potência quando estão em funcionamento, estas perdas são no cobre e no ferro.

Os transformadores em geral apresentam perdas de potência quando estão em funcionamento, estas perdas são no cobre e no ferro. Perdas no cobre e no ferro Os transformadores em geral apresentam perdas de potência quando estão em funcionamento, estas perdas são no cobre e no ferro. Perdas no cobre As perdas no cobre ocorrem devido

Leia mais

Prof. Cecil M. Fragoso Março de 1993

Prof. Cecil M. Fragoso Março de 1993 Transformadores Teoria e Projeto Apostila original por Prof. Cecil. Fragoso arço de 993 Reedição por Gabriel Gutierrez P. oares Revisão por anoel B. oares aio de 00 Transformadores - Conceito O transformador

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA Aplicações As três aplicações básicas dos transformadores e que os fazem indispensáveis em diversas aplicações como, sistemas de distribuição de energia elétrica, circuitos

Leia mais

Transformador Monofásico [de Isolamento]

Transformador Monofásico [de Isolamento] Transformador Monofásico [de Isolamento] Determinação do rendimento para a carga nominal Curva característica do rendimento η = f (S 2 ), para vários factores de potência 1 - Informação Geral A potência

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Sumário. Transformadores

Sumário. Transformadores Sumário UNIDADE I... 3 A NATUREZA DO MAGNETISMO... 3 CAMPOS MAGNÉTICOS... 3 FLUXO MAGNÉTICO Φ... 3 DENSIDADE DE FLUXO MAGNÉTICO B... 3 PERMEABILIDADE DE MATERIAIS MAGNÉTICOS... 3 ELETROMAGNETISMO... 4

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Aula 2.7 Transformadores Prof. Clodomiro Vila Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução

Leia mais

Em termos de estrutura, um transformador é composto essencialmente pelas seguintes partes:

Em termos de estrutura, um transformador é composto essencialmente pelas seguintes partes: ransformadores são equipamentos utilizados na transformação de valores de tensão e corrente, além de serem usados na modificação de impedâncias em circuitos eléctricos. Inventado em 1831 por Michael Faraday,

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

Finalmente, para adaptar o nível de tensão às necessidades de consumo, são necessários outros transformadores (de distribuição).

Finalmente, para adaptar o nível de tensão às necessidades de consumo, são necessários outros transformadores (de distribuição). TRASFORMADORES TRFÁSCOS van Camargo Março de 007 ) ntrodução e Aspectos Construtivos Os transformadores trifásicos são equipamentos indispensáveis para o funcionamento de um sistema elétrico. O transformador

Leia mais

Capítulo 9 TRANSFORMADORES

Capítulo 9 TRANSFORMADORES Capítulo 9 TRANSFORMADORES Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos transformadores com base nas leis de Faraday e Lenz, mostra o papel dos transformadores em um sistema elétrico de corrente

Leia mais

O funcionamento de um transformador baseia-se no fenômeno da mutua indução entre dois circuitos eletricamente isolados, mas magnéticamente

O funcionamento de um transformador baseia-se no fenômeno da mutua indução entre dois circuitos eletricamente isolados, mas magnéticamente TRANSFORMADORES ELETROTÉCNICA Prof. Antonio Sergio O funcionamento de um transformador baseia-se no fenômeno da mutua indução entre dois circuitos eletricamente isolados, mas magnéticamente acoplados.

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Departamento de ngenharia létrica Conversão de nergia I Aula.4 Transformadores Prof. Clodomiro Unsihuay Vila Bibliografia FITZGRALD, A.., KINGSLY Jr. C. UMANS, S. D. Máquinas létricas: com Introdução à

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

3 Faltas Desbalanceadas

3 Faltas Desbalanceadas UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior 2012 1 3 Faltas Desbalanceadas 3.1 Introdução Neste capítulo são estudados os curtos-circuitos do tipo monofásico, bifásico e bifase-terra. Durante o estudo será utilizado

Leia mais

Polaridade e relação em transformadores de potência

Polaridade e relação em transformadores de potência 68 Capítulo V Polaridade e relação em transformadores de potência Por Marcelo Paulino* O objetivo deste capítulo é apresentar os conceitos de polaridade e defasamento angular de transformadores e as metodologias

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Trifásico A verificação do desempenho,

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico Trabalho nº 1 Transformador Monofásico O presente trabalho prático laboratorial é composto por um conjunto de ensaios que visam obter o circuito eléctrico equivalente dum transformador. Material necessário

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

A harmonia da atividade industrial com o meio ambiente é um dos objetivos do SENAI.

A harmonia da atividade industrial com o meio ambiente é um dos objetivos do SENAI. Sumário Introdução 5 Princípio de funcionamento do transformador 6 Princípio de funcionamento 7 Transformadores com mais de um secundário 10 Relação de transformação 11 Tipos de transformadores quanto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Aula 05 Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Circuito Elétrico Básico e suas componentes. \ Resistores em Série Em uma associação de resistores em série, a corrente elétrica ( contínua)

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES

1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES Quanto a Finalidade: TRANSFORMADORES 1.1- DIVISÃO DOS TRANSFORMADORES a)transformadores de Corrente; b)transformadores de Potencial; c)transformadores de Distribuição; d)transformadores de Força. Quanto

Leia mais

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR ESTUDO DO UTOTRNSFORMDOR. onceito. O autotransformador é um equipamento semelhante ao transformador, possuindo a mesma finalidade. única diferença é que existe apenas um único enrolamento.. Estudo do utotransformador

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Projeto de pequenos transformadores

Projeto de pequenos transformadores Projeto de pequenos transformadores Um transformador é uma máquina elétrica estática, cuja principal função é transferir energia elétrica de um circuito para outro. Os transformadores podem ser elevadores,

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci INSTALAÇÔES ELÉTRICAS 1 Apresentação 2 Circuitos Elétricos - Monofásicos 3 Circuitos Elétricos - Trifásicos 4 Cálculo de Correntes 5 Dimensionamento 1-

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA. Av Vila Ema, 3863 Conj 4

MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA. Av Vila Ema, 3863 Conj 4 MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA Av Vila Ema, 3863 Conj 4 Vila Ema São Paulo SP CEP: 032.81-001 PABX: (11) 2717-7760

Leia mais

UFCD: Máquinas elétricas - caracterização Ação: Eletromecânico/a de Manutenção Industrial Formador: António Gamboa

UFCD: Máquinas elétricas - caracterização Ação: Eletromecânico/a de Manutenção Industrial Formador: António Gamboa 1- Transformador monofásico Transformadores estáticos ou simplesmente transformadores são aparelhos eletromagnéticos, sem partes móveis, destinados a elevar ou baixar a tensão da corrente alternada. 2-

Leia mais

TRANSFORMADOR. A figura 1 mostra o esquema de um transformador básico.

TRANSFORMADOR. A figura 1 mostra o esquema de um transformador básico. TRAFORMADOR O transformador é constituído basicamente por dois enrolamentos que, utilizando um núcleo em comum, converte primeiramente e- nergia elétrica em magnética e a seguir energia magnética em elétrica.

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

TRANSFORMADORES MEDIÇÃO DA RELAÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO

TRANSFORMADORES MEDIÇÃO DA RELAÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO L 5 - Circuitos létricos TRASFORMADORS MDÇÃO DA RLAÇÃO D TRASFORMAÇÃO "ão se pode ensinar alguma coisa a alguém, pode-se apenas auxiliar a descobrir por si mesmo. Galileu Galilei RSMO O objetivo deste

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

O Transformador. Outro tipo de transformador encontrado em alguns circuitos é o Toroidal, conforme imagem.

O Transformador. Outro tipo de transformador encontrado em alguns circuitos é o Toroidal, conforme imagem. O Transformador No geral, na maioria das fontes lineares ou analógicas, a primeira etapa (bloco) é composta por um componente básico chamado transformador. O que são os transformadores? Trata-se de um

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO III

LABORATÓRIO INTEGRADO III FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO III Experiência 02: TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS - FUNCIONAMENTO Prof. Norberto Augusto Júnior I) OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA *

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * Vitória ES 2006 7. ENROLAMENTOS PARA MOTORES DE CORRENTE ALTERNADA A maneira mais conveniente de associar vários condutores de um enrolamento

Leia mais

TRANSFORMADORES. Figura 6 1. Transformador

TRANSFORMADORES. Figura 6 1. Transformador 6 TRANSFORMADORES 6.. ASPECTOS CONSTRUTIVOS Núcleo: Confeccionado com chapas de Aço-Silicio laminado, empilhadas e prensadas, as quais apresentam permeabilidades magnéticas elevadas. Enrolamentos: Confeccionados

Leia mais

ESTUDO DOS REQUISITOS ESSENCIAIS A ESPECIFICAÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA EM CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RODRIGO DA SILVA DELGADO

ESTUDO DOS REQUISITOS ESSENCIAIS A ESPECIFICAÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA EM CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RODRIGO DA SILVA DELGADO ESTUDO DOS REQUISITOS ESSENCIAIS A ESPECIFICAÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA EM CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RODRIGO DA SILVA DELGADO PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

Representação em PU P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

Representação em PU P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNERDADE FEDERAL DE JU DE FORA Análise de istemas Elétricos de Potência Representação em PU P r o f. F l á v i o a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f. e d u. b r E N

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL ESCOLA: Escola Secundária dr. Solano de Abreu DISCIPLINA: Eletricidade e Eletrónica Módulo 1 ANO: 10º ANO 2014/2015 As grandezas mais importantes do circuito elétrico. A lei de OHM. A lei de JOULE. Os

Leia mais

As leituras no voltímetro V e no amperímetro A, ambos ideais, são, respectivamente,

As leituras no voltímetro V e no amperímetro A, ambos ideais, são, respectivamente, 1. (Espcex (Aman) 015) Em um circuito elétrico, representado no desenho abaixo, o valor da força eletromotriz (fem) do gerador ideal é E 1,5 V, e os valores das resistências dos resistores ôhmicos são

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Eletricidade / Eletrónica N.º TOTAL DE MÓDULOS: 8 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 30 Corrente Contínua Identificar

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

- SISTEMA TRIFÁSICO. - Representação senoidal

- SISTEMA TRIFÁSICO. - Representação senoidal - SISTEMA TRIFÁSICO - Representação senoidal As ligações monofásicas e bifásicas são utilizadas em grande escala na iluminação, pequenos motores e eletrodomésticos Nos níveis da geração, transmissão e

Leia mais

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que:

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: TÉCNICO EM ELETRICIDADE 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: C1 = 300µF C2 = C3 = 300µF C4 = C5 = C6

Leia mais

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br CURSO PREPARATÓRO PARA COCURSOS EM ELETROTÉCCA CPCE ELETRCDADE AULA TRASFORMADOR: Polaridade de u enrolaento Enrolaento e série e e paralelo Ensaio a vazio e e curto-circuito Ligações de u transforador

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Curso Profissional de Técnico de Inst. Elétricas 2012/2013 Eletricidade e Eletrónica (117 h 156t)

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Curso Profissional de Técnico de Inst. Elétricas 2012/2013 Eletricidade e Eletrónica (117 h 156t) Eletricidade e Eletrónica (117 h 1t) Total de Aulas Previstas ( min) 1 1º Período - 13 SET / 1 DEZ 2º Período - 3 JAN / 1 MAR 1 3º Período - 2 ABR / 0 Módulo : - Transístor Bipolar - (27h / 3t) Conhecer

Leia mais

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética 1 de 9 CURSO Eletroeletrônica - DATA / / COMPONENTE ALUNO DOCENTE Eletromagnetismo Prof. Romeu Corradi Júnior [www.corradi.junior.nom.br] RA: Assunto: Resumo com comentários Eletromagnetismo Indução eletromagnética

Leia mais

PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS

PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS Quando temos por exemplo um transformador ligado a um barramento que alimenta um receptor de 50 KVA, se este receptor aumentar a procura de potência para 100KVA,

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA EXPEÊNA 8 ANSFOMADOES, UOS EM OENE AENADA E FAO DE POÊNA 1 NODUÇÃO O transformador é um dispositivo elétrico que permite modificar a amplitude de tensões e correntes onsiste basicamente de duas bobinas

Leia mais

Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday

Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday Semestre I - 005/006 1.Objectivos 1) Estudo do campo magnético de espiras percorridas por corrente eléctrica. ) Estudo da lei de indução de Faraday.. Introdução

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

Transformadores. Gil Marques 2005

Transformadores. Gil Marques 2005 Transformadores Gil Marques 005 Transformadores - Gil Marques 005 Conteúdo Pioneiros Classificação Princípio de funcionamento Circuito equialente Medida dos parâmetros Rendimento Comportamento Valores

Leia mais

CEL 062 - Circuitos trifásicos

CEL 062 - Circuitos trifásicos CEL 062 - Circuitos trifásicos Alexandre Haruiti alexandre.anzai@engenharia.ufjf.br Baseado no material dos Profs. Pedro Machado de Almeida e Janaína Gonçalves de Oliveira pedro.machado@ufjf.edu.br janaina.oliveira@ufjf.edu.br

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

INTERLIGAÇÃO DE SISTEMAS COM TRANSFORMADORES DE DIFERENTES GRUPOS DE LIGAÇÃO ANGULAR. Flavio Vicente de Miranda Schmidt COPEL TRANSMISSÃO

INTERLIGAÇÃO DE SISTEMAS COM TRANSFORMADORES DE DIFERENTES GRUPOS DE LIGAÇÃO ANGULAR. Flavio Vicente de Miranda Schmidt COPEL TRANSMISSÃO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSE - 07 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDOS DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS GSE INTERLIGAÇÃO

Leia mais

Ensaio em Vazio de um Transformador Trifásico

Ensaio em Vazio de um Transformador Trifásico Ensaio em Vazio de um Transformador Trifásico Em um ensaio em vazio, como o próprio nome diz, o transformador é ensaiado sem carga. Os objetivos do teste em vazio do transformador trifásico são: Determinar

Leia mais