A morte do ehuttio. 5Cmp~. Qu~ndo flulmen{c IOCOU no apan:lht,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A morte do ehuttio. 5Cmp~. Qu~ndo flulmen{c IOCOU no apan:lht,"

Transcrição

1 A morte do ehuttio Ou"i", urn rn;am",do de Idcfone:l.O longe. Depois ~vi~lou urn", mcsinha de m~dcir:a Iu.m",d~ p<lr urn vcrnit de bstanle brilho, com urn Iclcfone moderno.,-ermelho. de IcciJS prel"" e ",imeros bran cos, eflormes, que chama"" i n~i,tcnicmentc. Agora mais pro. Jimo. $om era mais nllido. pucci", rcal Percebeu que era 0 lelcfonc. Enrrou cortctldo pcb Wa Jl'lra.~Io, "'\:I.U en lada branc", c, nd"" somente a m!!sinha C()m 0 apardh,' 'lue wm~n 5Cmp~. Qu~ndo flulmen{c IOCOU no apan:lht, Abriu os oihos qu:ando 0 fone: esw'a,j em _ mlca. F\:.cdxu que sonhar.ll cum urn {elcfone ch~m~ndo porq~ ~ tdd'onc ch~ rna"", de (;110. Num r;for~o sofridu. Icvanltlu-K nproumcmc com a cnlaa de que oonscguirn. :o.inda em «hipo ;limp!' o~ Iho. que er~ OUITO, diferenle do sonh",do. rcdu creme com numcros pequcno~ c negros. Par.ll lanlo. "'cdcrou KUS pusos joi tenms, fazendn ;lcderat umbtm su balid", c~rdi;lu. SOfrcgo, como que a heber urn cop<> d'agua depoi! de muil'" $Cdc, ~Iendeu ao,clcfone. TIrou 0 fone do apardho C 0 Ie>-ou ~o ou,-ido num movimcllio colidi:ano, tanto< millures de vcus fqjcticio. Solrou 0 formado em Lerns pelj UEJII. Eir Feo,_, de f,eow fez pliii'te de dulls.-.toiopd po«ius: I Mosrra de A>: I ~ Vel I NoIo.mos (SPOCIS/MERJ. 1995) e IWw CotOOCil"" (Loses Ed., 1996). Seu conto -0 IfO boes,ado" onspnou a inisq pli:suca S6nia I/oIpinI. que p.roapou com o.m eo 1II11h... IIknica III I' sabre ~ n.a e~p""?o I'oemas ViJ<lodDs '.eo 10 prete> e Ioneo (GaIeoi.a SEse Copacabina. de NOVII999 a janilooo). l) i "

2 primeiro -.16-, c nos 5cgundQ~ sul)!.~il('me~ p.('pamu a mente. con~mrou-5c c dirttionou or", ouvido$ p;tra cs.:u(u 0 "alo" c a idcmifi~ em morno. 56 CniaO perccbaj 0 <;n~1 rcpetido dcnunci:mdo que a cturrada ;a liniu..ijo (on.uu. Rccolocou 0 fi:,nc no ap,lfflho (' olhou em dir~ao). poluolll de onde acoin'" de,-i. En uma poltran.. conford.i-e! de couro "dha, esprf,ldo pdo tcmpo e pdo wo, que diferi.. do rel:mu <.b dc(;ora~o moc:icrfla c luxuo>:l.. Mas era a sua pohrona de muilo' c muilos ailui. Gostava de scm~i-sc oda c I" <c deilla. fica. 0 <iia inlei.o. Al..J.,indu rv au dormindo por alguns ou muito! insij.mcs; fazia qucu;iu dcsle seo antu. da sua polnona. Concordara com a e<posa c lith.. em cump... mobilia nu,'" PM'" a CI5OI. 0 iogo de wfii novo Cr.I desconfon~,-.:j ItW ooo,ordou, d~c que mantiv~m a poltrana,o Il'Ono. 0 lugar.kilufudo. Ali podia $I: cm:omru com $lw rcmlnisdr\(:w. Dali poc:i.u oihu 0 ~ngulo da Jab c pr«nchcr a cua oom as auf>9u que urn dia ton", the irriuram. m;u quo: nio the irri(~ riam nuis. I'tI'l$()U, amo de utomq ao SC'U omo: OipIanhn.:!. ~lguru imlam~. Talva (enu»<:m pd.;t ~nda \e.!. 0 que 1U0 acol'lr\'ceo. J" nlo rinha '~rtc7a!.(c eta a RgUnd.> nu a rcr~eira "COl., pols r;nh~ a sens~o de que. ~mcs do sonho. naqude cmressono. ou";ra urn lelcfonc chjm~ndo. MiS nlo rinha a eerreu. l\jo ouvia muiro bern uhimamcmc, podcria {cr sido apcnu uma impressao. As 9h4'i t... Mil HdC1'lI ~ milu, do OulTO bdo da ddjdc. Dl' vetij I( la (min~do a diri~ir,',me anos atr.b, qw.ndo ela pcdiu. I::'mria ho;': iscmo dot;;) oong;w;io, (((rla aind.t com quem con(:at } ~uclu horas de nttn..i.udc: b'ar 30 hospira.l, (nuf de voila; a. levar.u compras, IToll.(CT de volu: bwar 0 nno no coicgio: '"Judu na mucbn~a do filho. CertU alitudes sio upli<:adu apenu pdo pcnamenlo HOgieo. ou justi6cadas reb in«n,uln. 1ulp"'" que era ainda muito,i<n... m - d~ ~ Hdena e acrec1i rava ni>w _ C er.l muther. l\'lo de-'cru, pois. dirigir., I

3 Na di~lo do arro, rm di[~lo} igreja, 0 rculmlismo repun,';!; $U15 pernu, m;u nio f.tj.d.\"3lu. nfo~ ~ra nlo permili-io. o co~ ponlndo por um..:. WCIU. dcunda"a a dox-r n~ momml05, nus J.imubVll urn :iorriso pan que Ht~ n.jto ~ e murmunva qualq~r cois;t p:mo <)... i><> ~ n~lur.tl, 0 loud encarquilhado rdletia sua Stnilicbde. Rio f'o'l '1,\ <k.n. f"'rccbo:, mn sua il1olp:lci<blk. Nounos ranpos. IW &m"j. mniuria em sua uude de ferro e nio prc:cisana dissimujaro"'isa aipma. Oilcma e (;lfllll> anos de urn vaoo de PlUTUa). pal de uma f.,.. milia U lenn, jamai! dcixou falnc em usa. OrguJh~, a-.e de semprc tel sido fone e dominado. AgQn en wde '" DlD podcru. fctroceder, nio admiti.ia, ~,,",r P'"'' >.i, 5IIa dehil.d- ': h;'..., ~a7 hi;> quc' 1000$ pe,ocbi:un. nus 0 lino de, Rio adjnidr _ com quie. ao Im'IlO$, nio duy;d.. scm de que:.:n apm -.: pcmava. djqo estava ceno. No ~lacionamen(o da igrcja. ao en('wlf 0 arlo. ~ no meio-flo por urn erro de cllculo, 011 f.:up de'.... ~ He. leu olholl para cle prcocupada, m15 de dcniolllf(>u. dckuo. como K nlo li~~ P'C'fccbido. Agnvava Ii plb- if'4if'a &mm~. fe, dcs$a forma, mas n.>.o s.abia. ingenq.amenic acttd..iu.va que, simulando urn d~c:lso, Hdena pensan,. q.. en. apcna uma impremo, 'Iue 0 a.rro de fato n~o IOCDU n mad-flo. ule incidence ClI.uSQu-lhe uma prrocupa.,ao a rna;'. Rdembrou. do ;K,dcnle h:i quc"s150 de ano c meio, quando 0 onibw ~ h'"" trcllle p~rou de slibilo C SUll perna! nlo foram..igt'u 0 Jullacnu: pau br«ar em Icmpo. O~ lbnos (Dram minima,. mn IICU trauma uouxe-lbe ~ alma a n~ sem do oh5limitac;i>es de...a.. tad. A ten~ que se es~hou po< locta a f..mnia foi. dc-vwajon e co>-mlic. Nunu antes JC prrocupat:l.m porju,:.uod..a h.avi.a ~omccido alt aqudc dia, f:atidic;o dill.. Dc.rubno (sim. PORjuc. mc<mo que grad,uivamenlc, o tempo p.an. de era agon. um mlo comprgmir), de slibito sentiu, uma cnormc deprcsa:ao. Culpou-~ por n~o ler re.. dado a lodos.s "

4 qlle h~ mllilo IKCCSliila'... ajllda, mll n~o leve congem de ceder SCli!>mIO, pois «dena em scu posto. P:wou a sef mais C/lUlek»o a partir de enllio. Aguardava do!ado de fon. p:;iil':i pod... fumar cnquamo 0 p:;ii. d~ daval Heleru e:lo$ demais tkis as li~ il1intdigfvris tk boo. condufli. Sc ainda foss., jovem. como Helena, desejaria enuw e (JUvir. Mu hoje j:i nw 1M sentm mais esas prke$. Suas prcocu. p:l~6a enm oulras. LcvOll'll scmprr um.1 "Ida de solidlo, apaar da grande familia. festiva e \l:mp~ prscnlc. Era para looos 0 guar. dador de rebanho$, cr,ar. Ape<ar tk born homem, (inham lhe a d~d.ncia do rcspcito comedo da aproxima.;io. Fum:lva agor:l como fumou naquclc dill do acidenle: :l~:llmou se e pcgou 0 ma~, retirou dde urn cipuo. k>"ou-(j VaproS:lJ1lenle 1 boca, ris COlI 0 Uqudro c alnummtr 0 ao:nda!. Agia _ loda va que se scmia Mf\'OSO. Prcocup:;il,..., com 0 dia em q~ nlo mais pockria dar conn de I:lma m;ponsab.lidadr. Scmi:l SC cada vv' m.w. donne. Questioruva-«. loda a vida pcnwu levu um:l vid.. boa e uudivel Ulil c praurosa. Bdcu, pr:w:-r. I':lude. ul1lidlde. Qum:JOna":l agora ~ conceiros. p~i. 7.ia urn futuro a pam. de ftlu operiencias, como urn guru de si proprio. ACrNiuva..,mpte In- :w;:omp.mhado a humanitbde, e 5:1. bia :lgon q~lc wminuava aind:l. portm com mals maturidade. A medida que a.crediu,... nislo. COmava dencia de scu definhamemo. ConKiencia crud, WUSladOI':l.. Sabia que 0 fim nlo eslavll longe. H~ scis anos. levara urn susto. ComcyaVl emin a lornar urn IIII'<ficuncnIO novo no inkio de mail; Urn tr.ltllmemo! 0 deiconlro- Ie gji<:bnico. Tamas palavru tao mlninus, que sua visio preclria n50 ~ pcrmilia as Ie. em urn papd rio p!'(jueno. A m~ administra~lo 0 Icvou quasc i morte. Os olhara Cfam de... nadores, principalmenlc os de Helcna e Alcundrc, leu filho mais mq(jo, quando funm lhc visilar no hospital. t\in podc.la p:lrlir. Helena ainda n~o esl:lva prcp~rada c stu 1l1ho, prcsles ~ se casar.

5 Um pouco amol do fim da m;'>s:i. lui af~ de e 0 a~mlci. Foi assim que 0 conbeci. Perl; um cigarro, meio scm jcilo. Ele lano;ou pm:i m;m urn olbar proibilivo, e oomemou minttl icbde como;u: gumenfo para que n~o fumauc. Eu nio era menor e ele,,10 pclcd)o!u, al.-e1. por 5Ua yisa., fclgil. ~h'n por n~ andn pr"'n~ndo muia afen~ ullimamctllc. Tambtm njo h,nu P<'rccbido q~ (I obsen-ava dade ;nsan":5 an[oi, cnqu:mro INnohrava alrapalhadameme 0 carro. Nt'gou.me 0 cigarro por uma 'lunlio de ~lica, nla por avareu. Olhci para 0 rnolho de ch.ovc'i pt'ndurado em sua cai~a "mig:. e, nurn impulso q;olsra. rasguri.!he 0 co. e romei-ihe as chavo e rna"" de dgartl)!;. Minttl inlen.;io tn IpclW urna. e mcu alvo, apcnas 0 t:lrro. Mas, 00 auge d,,. nf~ para II: man I~ tespcilado, rngiu :lo as!-alfo, nwna Icnrnn-a" A.Inr.l bonn. Tudo 0 que fll. foi cmpurrar_lhe num uanoo, men uma I~ bnna, e me rctirar 0 mais drpn::su poal\'d, Inando 0 arm e I sua dignidade. Caiu conlra a S:!.ljela ainda!lmla d, wuma ehun. Ah! Snt SIIfaJo!, revollou-se. E, com a cara what. pin 0 ehao de lerra b,nida do OIucionamemo, r~cmoldu~' "." de: Ala nd:a loa. dia c vi. Seu eor~lo conlraiu-se e, em melo» dora que Kn[iu. bll.$c(lu ali a mdhor sol~: emrcg<>u-se de cocpo e alma c se desprendeu de IUdo. Cedia.t esposa a h:ll.llo..bril mio do que mais fcmia: 0 c[erno dudo emre a vida e a mone. "seu uhimo conflito. Scmiu-sc fdit pot morrn antcs dc Icr chcpdo 010 fim, Qucm que enlendam que n~o foi minj,a ;nl<,",;lo. Arran<juei com 0 ClIrto em disparada, mn.ua imagem tluluando no ar cm djr~.io;w chio n50 sala da minha IIlCntC Dirigi.!oil quandr6cs e C$lacionei 0 carro. Volld a pc', para di<t~-mt de lranscumc. ;>':Cj;le (nlerim, um~ mullid~o st formou ao KU redor t risto a que me,ubmeti foi em \10. ~lo corucgul '~r $l"u rosio. Indaguci ao redor e U P<'ssoas n.io M>Ubcrim mc diur 0 quc aconlcccu. ~ nlo ~tr urn menino que me r('\"dou, no augt da '!3 cmpolg~>o pdo rumulro, q,.. urn vdho IInM side assaiado <' mono. ~

6 Urn di~par.lt(, p(nsci, as,( m"nino. Mas, "nquanto t(nq"i!abcr sobre 0 incid(nl". Ir"mi mnis os.o. magros. Urn.. "oz, njo sc:i de ond", mu proxima. com"mou que morrna com oolhar """quilo, como sc: a p;u I;"-asc: sc apoderado de sua alma. Auim pnuou cia,,, asstm pnu:uam OJ mu;1o:5 que a ouv;r.un. AWtei-mr d~gar ~n nlo sc:r pt'kmido." anles que algum~ lalemunha an<$nima me apontaioc na multidao. Hoir. j~ no ~uge de minha scnilidad", a imagem daqucl" erm;110 Olinda me atorm"nla. Talvcz porqu" eu oleja perto do fim. comn el" alava. E minha c:5polool, It... ano$ mail vclha, derenda ~c"'menle de meus cuid.dos. Fu mc ~f1igiria sc ajgum tromb.:. dinha me dr.usc: a vida. mesmo 'III<: por urn acid(nl(.

7 ( 1'0 c 10 t e Organizadores: Jorge Ayres Neusa Eiras I F

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Professora: Raquel de Lemos Tochetto PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Competências Linguagem oral, leitura e escrita. Objetivo geral:

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 sumário Introdução... 17 Gua ra ná Porrada... 25 Muletas... 39 Exó ti cas gan gues... 47 Um mons tro e um pinguim... 55 Si ga o cão... 61 Dia de campeão...

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Sumário. 4 caligrafia a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z

Sumário. 4 caligrafia a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z Escrever é sempre um prazer. neste livro você vai escrever com letras juntas umas das outras para formar cada palavra. Elas são chamadas letras cursivas ou manuscritas. prepare-se para deixar a sua letra

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

O comerciante francês havia sido um homem talentoso e amável. Tinha uma mulher encantadora e uma família numerosa. Contrastado com o pétreo Mr.

O comerciante francês havia sido um homem talentoso e amável. Tinha uma mulher encantadora e uma família numerosa. Contrastado com o pétreo Mr. I. MR. CLAY Na década de sessenta do século passado, vivia em Cantão um negociante de chá, imensamente rico, de nome Mr. Clay. Era um velho alto, seco e insociável. Tinha uma casa magnífica e uma esplêndida

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

PROGRAMA DE ESTUDOS E

PROGRAMA DE ESTUDOS E ESTU DO S & PESQ UISA S PROGRAMA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM REFORMA DO ESTADO E GOVERNANÇA Fundação Getúlio Vargas / Escola Brasileira de Administração Pública* OEstado brasileiro vem passando por transformações

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012 Prova Discursiva Medicina 16/12/2012 Caderno de Prova Este caderno, com 16 páginas numeradas sequencialmente, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica dos Elementos

Leia mais

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA.

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. A LINGUAGEM DOS JOVENS E A CONSCIENTIZAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ATRAVÉS

Leia mais

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto Primórdios Afir mar que a so ci o lo gia por tu gue sa só co me çou ver da de i ra men te

Leia mais

www.hqemfoco.com.br/nanquim

www.hqemfoco.com.br/nanquim www.hqemfoco.com.br/nanquim EDIÇÃO: Daniel Esteves CRIAÇÃO E ROTEIRO: Daniel Esteves DESENHOS: Capitulo 01 Wanderson de Souza (lápis) Carlos Eduardo (arte-final) Capitulo 02 Mário Cau Capitulo 03 Júlio

Leia mais

T e c n o l o g i a g e r a n d o v a l o r p a r a s e u n e g ó c i o w w w. s o f t c a s e n e t. c o m. b r ERP CASE

T e c n o l o g i a g e r a n d o v a l o r p a r a s e u n e g ó c i o w w w. s o f t c a s e n e t. c o m. b r ERP CASE T e c n o l o g i a g e r a n d o v a l o r p a r a s e u n e g ó c i o w w w. s o f t c a s e n e t. c o m. b r ERP CASE ERP CASE UM SISTEMA SEGURO UMA FERRA MENTA INDIS PENSAVEL Cada unidade tem suas

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

PArte I. O ALfAbetO POrtuguês. Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: érre ésse. jóta. dablio cápa ipsilon

PArte I. O ALfAbetO POrtuguês. Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: érre ésse. jóta. dablio cápa ipsilon PArte I guia de fonética O ALfAbetO POrtuguês Ouça o alfabeto português. Letra: Letra: a á n éne b bê o ó c cê p pê d dê q quê e é r érre f éfe s ésse g guê t tê h agá u ú i i v vê j jóta w dablio k cápa

Leia mais

Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho Missões O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) é uma organização imparcial, neutra e independente cuja missão exclusivamente humanitária é proteger a vida e a dignidade das vítimas dos conflitos

Leia mais

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação DEPA R TAMENTO : Psicologia Social PERÍODO/A NO : 7º/2014 CA RG A HOR Á RIA : 34 PR OFESSOR AS : A na Mercês Bahia Bock A driana Eiko Matsumoto O

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 CRIADOR TELEFONE GAIOLA ANEL SEXO NOMENCLATURA VALOR OBS ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 1 IB-105-40-13 FM CN OP AM MF IN 100,00 BANCO: 2 BB-3992-44-11

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná.

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Advo ga dos Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Man da do de Se gu ran ça 768.003-5 Jul ga men to: Órgão Espe ci al. Rel.:

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Vamec. Palavra do Diretor. www.automasafety.com.br. Grupo VK: 1/14

Vamec. Palavra do Diretor. www.automasafety.com.br. Grupo VK: 1/14 Palavra do Diretor Em um cenário nacional onde o risco de ocorrer um acidente no local de trabalho é iminente e a grande maioria das empresas não está adequada com base nas Normas Regulamentadoras Brasileiras,

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento Resumo O presente artigo pretende analisar as práticas e representações dos deputados portugueses

Leia mais

República dos Estados Unidos do Brasil. ( elo OA. '""1~ck.o ~., V.fr~~) ~. -4-~~~ ~-C/.~T - Of/A~~ - DISTRI BUiÇÃO

República dos Estados Unidos do Brasil. ( elo OA. '1~ck.o ~., V.fr~~) ~. -4-~~~ ~-C/.~T - Of/A~~ - DISTRI BUiÇÃO '.. República dos Estados Unidos do Brasil lol Q) < W '. C f 811 '1 \ o Z Câm a ra d o s D e p utad os ( elo OA. '""1~ck.o ~. V.fr~~) ASSUNTO : PROTOCOLO N.o....... ~. -4-~~~ ~-C/.~T - Of/A~~ - ~ _. CI&tnz~-1.At~O.~

Leia mais

Estruturação e Implantação de Projeto Fotovoltaico Modalidade EPC JUL 13

Estruturação e Implantação de Projeto Fotovoltaico Modalidade EPC JUL 13 Estruturação e Implantação de Projeto Fotovoltaico Modalidade EPC JUL 13 Projetos e Histórico da empresa : EBES - Empresa Brasileira de Energia Solar 1992 Construção do primeiro carro solar/eletrico Brasileiro

Leia mais

edificações vias públicas leis e normas

edificações vias públicas leis e normas mobilidade acessível na cidade de são paulo edificações vias públicas leis e normas ACESSIBILIDADE prefeitura da cidade de são paulo secretaria municipal da pessoa com deficiência e mobilidade reduzida

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar?

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar? White Paper E-mail Marketing: por onde começar? Primeiros passos para definir o planejamento de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação, é importante criar suas

Leia mais

«G ˆ ˆ ˆ. l ˆ«. ˆ«======================== & 2 fi C ˆ ˆ««G7 ======================== & ˆ«. ˆ«======================== & ˆ«

«G ˆ ˆ ˆ. l ˆ«. ˆ«======================== & 2 fi C ˆ ˆ««G7 ======================== & ˆ«. ˆ«======================== & ˆ« 1) Hoe é festa diferente (bertura) (ountry) ======================== & 2 fi 4. = 1 Ho e_é ( "eebrações speciais" nº 3 Pauus) es O céu em minhas mãos Missa de Primeira ucaristia ta di fe ren te pra quem

Leia mais

Cartilha de Machos. Machos para Roscar. Ter i olo ia do Macho. Especi ca o do Macho. Escolha do Macho. Tipos de Aplica o e Tipos de Macho M i a

Cartilha de Machos. Machos para Roscar. Ter i olo ia do Macho. Especi ca o do Macho. Escolha do Macho. Tipos de Aplica o e Tipos de Macho M i a CARTILHA DE MACHOS Cartilha de Machos Machos para Roscar De i o Ter i olo ia do Macho Especi ca o do Macho Escolha do Macho Tipos de Aplica o e Tipos de Macho Ma al Tipos de Aplica o e Tipos de Macho M

Leia mais

Querido Diário... E pronto, Querido Diário! Para a semana há mais! Um grande beijinho, A turma do 1.ºA

Querido Diário... E pronto, Querido Diário! Para a semana há mais! Um grande beijinho, A turma do 1.ºA Esta semana, Querido Diário, começámos mal! Foi logo na segunda-feira, quando entregámos as castanhas à nossa professora para podermos comemorar o Dia Mundial das Castanhas... e a nossa professora disse

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

cm 3 4/2065 4/2659 4/2065 4/2659

cm 3 4/2065 4/2659 4/2065 4/2659 Ficha Técnica Gama MI 1,5 a 3,5 toneladas Empilhadeiras térmicas MANITOU MANITOU MANITOU MANITOU MI15G MI15D MI18G MI18D Q t 1,5 1,5 1,8 1,8 c mm 500 500 500 500 x mm 405 405 405 405 y mm 1420 1420 1420

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 Eládio Torret Rocha Ju iz de Direito do TJSC SUMÁRIO: 1. Intro du ção; 2. A im pren sa e a li mi ta

Leia mais

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Coordenação Profa Carla Alessandra Lima Reis Prof Rodrigo Quites Reis http://www.processode Roteiro Introdução Elementos Motivadores

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL Miguel Correia Pinto e Manuel Mira Godinho Resumo Com os avanços nos domínios da biotecnologia registados nas décadas mais recentes, os conhecimentos

Leia mais

O q u e v o c ê q u e r

O q u e v o c ê q u e r O q u e v o c ê q u e r GANHAR AGORA? Prêmios de 1.000 a BELEZA E SAÚDE Má q u i n a d e Cortar Cabelo 110V 8.000 Medidor de Glicose Massageador Relax 8.000 PERFUMARIA De 1.000 a Creme de Renovação Facial

Leia mais

LЃ0 8Ѓ0 1I NOЃ0 2I Ѓ0 5AЃ0 8U

LЃ0 8Ѓ0 1I NOЃ0 2I Ѓ0 5AЃ0 8U LЃ0 8Ѓ0 1I NOЃ0 2I Ѓ0 5AЃ0 8U ----- 1 7 1 7 1 7---- Ѓ0Ќ3Ѓ5ю5i thѓ6ѓ9ng mёґa XuЃ0 9n nѓ0њ0m 1975 Ѓ0Ќ4Ѓ0Љ0 lё m thѓ5ю9t bѓ5ю5i hoё n toё n cuѓ6 1c chiѓ6ѓ5n tranh xѓ0 9m lѓ0њ6ѓ6 1c cѓ6 5a Ѓ0Ќ4Ѓ6ѓ5 quѓ6 3c

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO A Casan 5/09) Diário do Sul/Tubarão - 29/09/2015 2 - Colunista - Arilton Barriros Mídia Imprssa A Ca www.clipagm.com.br 1 Mídia Imprssa Pr Projto d li ncaminha Balnário Piçarras ao tratamnto d sgoto 8/09)

Leia mais

Tecnologia. Expresso. Classe: Dimensão: Informação Geral. Economia 21 03 2015. Imagem: Página (s): Âmbito: Tiragem: Nacional 131300.

Tecnologia. Expresso. Classe: Dimensão: Informação Geral. Economia 21 03 2015. Imagem: Página (s): Âmbito: Tiragem: Nacional 131300. Temática: Tecnologia Expresso Classe: Âmbito: Tiragem: Informação Geral Nacional 131300 Dimensão: Imagem: Página (s): 2776 S/Cor 1/12/13 Estamos perante uma nova bolha tecnológica Textos Elisabete Tavares

Leia mais

MUNDO DAS ESPECIALIDADES TUBARÕES ESTUDO DA NATUREZA 094. ARETHA STEPHANIE Formada em Letras pela UNEB DCH Campus IV, Bahia

MUNDO DAS ESPECIALIDADES TUBARÕES ESTUDO DA NATUREZA 094. ARETHA STEPHANIE Formada em Letras pela UNEB DCH Campus IV, Bahia ESTUDO DA NATUREZA 094 Texto: Aretha Stephanie; Diagramação: Ranmaildo Revorêdo ARETHA STEPHANIE Formada em Letras pela UNEB DCH Campus IV, Bahia O s t u b ar õe s c on s t itu e m u m g ru po d e cr ia

Leia mais

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976)

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) Lá pelos anos 1971, vivi uma experiência que sempre me incomodou.

Leia mais

Aula sobre Desejos (anotações da aula do Rav Shlomiansky - México - no dia 4 de Agosto de 2010, em Miami feitas por André e Flávia Kutwak)

Aula sobre Desejos (anotações da aula do Rav Shlomiansky - México - no dia 4 de Agosto de 2010, em Miami feitas por André e Flávia Kutwak) Aula sobre Desejos (anotações da aula do Rav Shlomiansky - México - no dia 4 de Agosto de 2010, em Miami feitas por André e Flávia Kutwak) Liberdade x Escravidão A Mishna em Pirkei Avot diz que não há

Leia mais

Ministério Público ILUSTRÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO DIRETÓRIO REGIONAL DO DEM - DEMOCRÁTAS.

Ministério Público ILUSTRÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO DIRETÓRIO REGIONAL DO DEM - DEMOCRÁTAS. rfo Estado co Amapá ILUSTRÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO DIRETÓRIO REGIONAL DO DEM - DEMOCRÁTAS. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ. representado por sua Procuradora-Geral de Justiça, ao final assinado,

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Anexo A Categorização das respostas dos alunos às questões antes de ensino e pós-ensino na Actividade de Aprendizagem 1

Anexo A Categorização das respostas dos alunos às questões antes de ensino e pós-ensino na Actividade de Aprendizagem 1 Anexos CD Anexo A Categorização das respostas dos alunos às questões antes de ensino e pós-ensino na Actividade de Aprendizagem 1 Qual é o efeito da variação de temperatura no estado físico da água líquida?

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA TESTE DE ELENCO COM UMA CENA Por VINICIUS MOURA * Embora seja uma cena que contenha dois atores os candidatos serão avaliados individualmente. Os critérios de avaliação se darão a partir da performace

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais