Unidade II PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS. Prof. José Junior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS. Prof. José Junior"

Transcrição

1 Unidade II PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS EM SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior

2 As demandas e as respostas da categoria profissional aos projetos societários Projetos societários são aqueles de determinada classe social. Assim, recorrendo mais uma vez à teoria marxista, constatamos que na atualidade identificamos duas classes sociais, sendo essas a classe burguesa e a classe operária.

3 As demandas profissionais no âmbito das relações entre o estado e a sociedade Em relação a essa questão, Iamamoto diz que, para compreendê-la, precisamos compreender três premissas básicas: desvelar a prática profissional; considerar o primado da produção social; privilégio da história.

4 As demandas profissionais no âmbito das relações entre o estado e a sociedade Segundo Iamamoto, além de compreender as classes sociais, é fundamental também entender o papel do estado, que figura, no ponto de vista da autora, como um representante da classe burguesa, mas que é um ator fundamental na compreensão de nossa prática profissional, das demandas de nossa profissão.

5 Consideração do primado da produção social No que concerne à consideração do primado da produção social, Iamamoto coloca que precisamos entender a relevância que possui o trabalho nessa sociedade.

6 Consideração do primado da produção social Quando o trabalho se torna precário, informal ou, sobretudo, quando assistimos à grande perda dos postos de trabalho, precisamos saber que essas mudanças irão provocar alterações nas expressões da questão social.

7 Sistematizando os conhecimentos Para compreender as demandas que são colocadas, precisamos entender as relações sociais estabelecidas na sociedade capitalista, em que figura como relevante compreender as classes sociais e o estado, o que demanda essencialmente também entender a importância do trabalho e da história nesse processo.

8 Premissas Esses aspectos, tratados por Iamamoto como premissas, precisam ser apreendidos por nós como o próprio nome sugere, ou seja, como aspectos que são imprescindíveis para a compreensão de novas demandas, novas expressões da questão social com as quais precisaremos atuar.

9 Precisamos olhar também para a sociedade civil. Iamamoto diz que, para que possamos compreender as relações sociais, precisamos olhar também para a sociedade civil.

10 Interatividade O que podemos entender como projetos societários? a) Projetos de determinada classe social, com ênfase na do empresariado. b) Projetos de determinada classe social. c) Projetos da classe dominante, apenas. d) Projetos da classe proletária, apenas. e) Projetos que visam a ciência e evolução humana.

11 Alterações no âmbito da produção e do trabalho As alterações no âmbito da produção e do trabalho colaboram muitas vezes para a precarização da vida da classe que vive do trabalho, e essa precarização se expressa de diversas formas, podendo ser necessária a intervenção dos assistentes sociais.

12 Alterações no âmbito da produção e do trabalho Isso pressupõe que o profissional realize uma análise com base em informações de recorrência a aspectos econômicos e políticos, visto que os fenômenos relacionados à organização da produção e do trabalho também precisam ser considerados como resultados da organização política vigente no país.

13 Realidade Rural Por fim, Iamamoto diz que, para apreender de fato nossa demanda profissional, precisamos conhecer também melhor a realidade rural.

14 Aspectos da sociedade civil sobre as configurações assumidas pela produção e pelo trabalho A apreensão dessa realidade, ou seja, dos aspectos da sociedade civil sobre as configurações assumidas pela produção e pelo trabalho, das peculiaridades dos moradores da zona rural, não é, a nosso ver, uma tarefa fácil, mas algo que precisa ser introduzido no cotidiano de nossas ações profissionais e deve figurar como referência ao considerarmos as perspectivas de trabalho profissional.

15 Processo de modernização tupiniquim Iamamoto ainda destaca a necessidade de compreender o papel do estado brasileiro no sentido de proporcionar o desenvolvimento econômico do país. Na verdade, um estado que se propõe mínimo é apenas mínimo para o social, mas máximo para implementar ações para o desenvolvimento do grande capital.

16 Realidade brasileira e a demanda profissional Uma modernização capitalista que traz no seu bojo a história de um país colonizado sob a ótica da exploração, em que o sistema capitalista trouxe índices precários de desenvolvimento em relação aos demais países e que contou e conta hoje com o Estado como o principal agente executor de medidas para a efetivação das pretensões capitalistas.

17 Interatividade A palavra demanda significa: a) Coletividade ou grupo de pessoas que precisa ou procura algo. b) Interesse na obtenção de lucratividade. c) Mostrar-se se com alarde e vanglória. d) Intervenção judicial de alguém em um pleito, sob pena de Lei. e) Primeira linha de um exército.

18 Condições de trabalho e respostas profissionais A precarização das relações trabalhistas tem conferido relações laborais ruins, precárias para grande parte da população brasileira e tem, ainda, resultado em um crescente desemprego de parcela significativa da população.

19 Condições de trabalho e respostas profissionais Por outro lado, o Estado, principal responsável por atuar no sentido de minimizar essas expressões da questão social, vem, desde a década de 90, se retraindo, ou seja, vem restringindo suas intervenções nessas expressões.

20 Condições de trabalho e respostas profissionais Iamamoto traz alterações na atuação dos assistentes sociais: Quando as intervenções em política social, junto às expressões da questão social, são reduzidas, espera-se que o mercado de trabalho dos assistentes sociais também seja reduzido.

21 Condições de trabalho e respostas profissionais Frente à redução de gastos na área das políticas sociais, os assistentes sociais que estão atuando nesses espaços precisam ampliar a seletividade dos atendimentos, sendo nessas ocasiões os responsáveis pelas triagens para avaliar a condição daqueles que poderão ser beneficiados, ou não, pelos serviços que estão sob sua responsabilidade.

22 Condições de trabalho e respostas profissionais O profissional permanece longos períodos preso à burocracia institucional em decorrência das triagens que precisa realizar. Mas o fato de estabelecer uma prática de tal forma resulta no chamado vazio profissional, ou seja, aquela sensação de não ter conseguido atingir as finalidades profissionais a que se propôs.

23 Condições de trabalho e respostas profissionais Assim, observamos uma grande dificuldade em conferir respostas profissionais a nossa demanda, uma dificuldade em cumprir os princípios assumidos por nossa categoria profissional e uma dificuldade maior ainda em conviver com essa realidade.

24 Interatividade Leia: A precarização das relações tem conferido relações laborais ruins. Marque a alternativa que contenha a palavra que melhor preencha a lacuna: a) Capitalistas. b) Familiares. c) Dicotômicas. d) Trabalhistas. e) Gênero.

25 Superação da realidade profissional Iamamoto apresenta algumas alternativas para a superação dessa realidade profissional que tanto asfixia os profissionais. Uma delas seria superar a perspectiva fatalista de que tudo está perdido e nada mais pode ser feito, bem como evitar posturas idealizadas e que percebem a profissão de uma forma romântica, como se não vivenciássemos esses problemas e outros observados em nossa categoria profissional.

26 Superação da realidade profissional Partindo disso, a autora coloca ainda que a mudança na relação do Estado com a questão social não é um objetivo apenas do serviço social, apenas de nossa categoria profissional.

27 Superação da realidade profissional Assim, a construção de respostas às demandas que nos têm sido postas passa pela compreensão da realidade como um condicionante e não como um impeditivo de nossas ações. E pressupõe ainda o estabelecimento de outras parcerias com categorias, segmentos, usuários que partilham dos mesmos princípios que são defendidos pelos assistentes sociais.

28 Superação da realidade profissional O momento que vivemos é um momento pleno de desafios. Mais do que nunca é preciso ter coragem, é preciso ter esperanças para enfrentar o presente. É preciso resistir e sonhar. É necessário alimentar os sonhos e concretizá-los dia a dia nos horizontes de novos tempos mais humanos, mais justos, mais solidários (IAMAMOTO, 2004).

29 Interatividade Marque a alternativa que contenha informações verdadeiras sobre realidade: a) Algo que não é concreto. b) Algo palpável. c) Estática. d) Pode mudar. e) Opção b e c estão corretas.

30 ATÉ A PRÓXIMA!

Interfaces da Questão Social, Gênero e Oncologia

Interfaces da Questão Social, Gênero e Oncologia 3ª Jornada de Serviço Social do INCA Direitos Sociais e Integralidade em Saúde Interfaces da Questão Social, Gênero e Oncologia Letícia Batista Silva Assistente Social HCII/INCA Rio de Janeiro, 1 de julho

Leia mais

Milénio (em particular do Objectivo 8), enquanto consenso internacional para a política

Milénio (em particular do Objectivo 8), enquanto consenso internacional para a política Introdução Esta dissertação procura explorar a importância dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (em particular do Objectivo 8), enquanto consenso internacional para a política de cooperação para

Leia mais

Unidade I MOVIMENTOS SOCIAIS. Profa. Daniela Santiago

Unidade I MOVIMENTOS SOCIAIS. Profa. Daniela Santiago Unidade I MOVIMENTOS SOCIAIS CONTEMPORÂNEOS Profa. Daniela Santiago Nessa disciplina estaremos realizando uma aproximação a questão dos movimentos sociais contemporâneos. Para isso estaremos nessa unidade

Leia mais

Prof. José Junior. Unidade III SUPERVISÃO DO ESTÁGIO ACADÊMICO

Prof. José Junior. Unidade III SUPERVISÃO DO ESTÁGIO ACADÊMICO Prof. José Junior Unidade III SUPERVISÃO DO ESTÁGIO ACADÊMICO CO Princípios fundamentais do Código de Ética do assistente social Os princípios fundamentais do Código de Ética demonstram os compromissos

Leia mais

Prof. José Junior. Unidade I SUPERVISÃO DO ESTÁGIO ACADÊMICO

Prof. José Junior. Unidade I SUPERVISÃO DO ESTÁGIO ACADÊMICO Prof. José Junior Unidade I SUPERVISÃO DO ESTÁGIO ACADÊMICO CO O exercício da profissão O exercício da profissão exige prévio registro no Conselho Regional de Serviço Social (CRESS) que tenha jurisdição

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

A função social da empresa

A função social da empresa A função social da empresa Considerações iniciais A função social da empresa tem como fundamento fornecer a sociedade bens e serviços que possam satisfazer suas necessidades. A propriedade privada é um

Leia mais

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL sayarahcarol@hotmail.com INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista,

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

PROVA SERVIÇO SOCIAL

PROVA SERVIÇO SOCIAL Nome: Data: 12/07/2016 1. Nas décadas de 60/70 iniciaram-se a ampliação da rede de serviços sociais como também a demanda do trabalho do Assistente Social. Nesse contexto, a intervenção do Serviço Social

Leia mais

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL ISSN 2359-1277 AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS ASSISTENTES SOCIAIS QUE ATUAM NOS MUNICÍPIOS DE ABRANGÊNCIA DO ESCRITÓRIO REGIONAL DE PARANAVAÍ - SECRETARIA DA FAMÍLIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO ESTADO DO

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!!

O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!! O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!! OBJETIVO Compreender que para definir objetivos é preciso planejamento e disciplina e como fazer para realiza-los Compreender que para definir objetivos

Leia mais

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS ISSN 2359-1277 SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS Brenda de Oliveira Dias, brendadiasoliveira3@gmail.com Débora dos Santos Marques, dmarx670@yahoo.com.br Gabriela Machado

Leia mais

Avaliação Quantitativa de Sistemas

Avaliação Quantitativa de Sistemas Avaliação Quantitativa de Sistemas Contexto A Avaliação Quantitativa de Sistemas permite a avaliação de sistemas antes mesmo da sua implementação física. Dessa forma, é possível avaliar um sistema projetado

Leia mais

O CAPITALISMO ESTÁ EM CRISE?

O CAPITALISMO ESTÁ EM CRISE? O CAPITALISMO ESTÁ EM CRISE? Nildo Viana Professor da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás; Doutor em Sociologia; Autor de diversos livros, entre os quais, O Capitalismo na Era

Leia mais

Empresário Irregular:

Empresário Irregular: ... depois de estudarmos que o conceito de empresário encontra-se no artigo 966 do CC e que o conceito de empresa se extrai do conceito de empresário, vejamos agora a figura do empresário e da sociedade

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ANÁLISE DO AMBIENTE

DEFINIÇÃO DE ANÁLISE DO AMBIENTE Análise do Ambiente DEFINIÇÃO DE ANÁLISE DO AMBIENTE - É o processo de monitoração do ambiente organizacional que visa identificar os riscos e oportunidades, tanto presentes como futuros, que possam influenciar

Leia mais

Política Externa Chinesa após 1980: uma acensão pacífica, por Lidiane Pascoal da Silva

Política Externa Chinesa após 1980: uma acensão pacífica, por Lidiane Pascoal da Silva Política Externa Chinesa após 1980: uma acensão pacífica, por Lidiane Pascoal da Silva Este artigo visa analisar as principais características da política externa da China, principalmente a partir da década

Leia mais

EDITAL VER-SUS CARIRI 2ª EDIÇÃO

EDITAL VER-SUS CARIRI 2ª EDIÇÃO EDITAL VER-SUS CARIRI 2ª EDIÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO DE VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL (VER-SUS CARIRI/BRASIL) As Secretarias de saúde de Barbalha, Juazeiro

Leia mais

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed Diretriz Nacional de Comunicação Sistema Unimed Diretriz de Comunicação Definição Política ou Diretriz de Comunicação é um processo articulado de definição de valores, objetivos, diretrizes, normas e estruturas,

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DA ASSESSORIA PEDAGÓGICA FRENTE A LEGISLAÇÃO DO CEE/MT. Aguinaldo Garrido Presidente do CEE/MT março/2013

A RESPONSABILIDADE DA ASSESSORIA PEDAGÓGICA FRENTE A LEGISLAÇÃO DO CEE/MT. Aguinaldo Garrido Presidente do CEE/MT março/2013 A RESPONSABILIDADE DA ASSESSORIA PEDAGÓGICA FRENTE A LEGISLAÇÃO DO CEE/MT Aguinaldo Garrido Presidente do CEE/MT março/2013 CONSTEXTUALIZAÇÃO O Governo de Mato Grosso diante da necessidade de viabilizar

Leia mais

Colégio F3: FOOD, FARMING & FORESTRY. FF 15 junho 2016

Colégio F3: FOOD, FARMING & FORESTRY. FF 15 junho 2016 Colégio F3: FOOD, FARMING & FORESTRY FF 15 junho 2016 A Saúde e o Bem-Estar nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável QUAIS AS TEMÁTICAS PRIORITÁRIAS, NA PERSPETIVA DOS PARTICIPANTES NO EVENTO? O papel

Leia mais

comunitária, além de colocá-los a salvo de todas as formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

comunitária, além de colocá-los a salvo de todas as formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. SISTEMA DE GARANTIA DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Art. 227 - É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida,

Leia mais

RELATÓRIOS DA EQUIPE TÉCNICA

RELATÓRIOS DA EQUIPE TÉCNICA RELATÓRIOS DA EQUIPE TÉCNICA Art. 42. As medidas socioeducativas de liberdade assistida, de semiliberdade de internação deverão ser reavaliadas no máximo a cada 6 meses, podendo a autoridade judiciária,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO E DA INFORMAÇÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES EM PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO

A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO E DA INFORMAÇÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES EM PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO E DA INFORMAÇÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES EM PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO PASSOS, Huana Freire Cirilo, Universidade Federal da Paraíba, Discente colaborador,

Leia mais

ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO ATRIBUIÇÕES

ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO ATRIBUIÇÕES ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO CARGO Auxiliar de Serviços Gerais I Merendeira I Fiscal de Obras e Edificações I ATRIBUIÇÕES Manter limpos os móveis, arrumar e manter limpos os locais de trabalho;

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Comércio precário Decreto Executivo n. 43/00 de 2 de Junho O Decreto n.º 29, de 2 de Junho de 2000, estabelece o comércio precário como uma das modalidades do exercício da actividade

Leia mais

O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa

O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa 2009 Projeto de capa: Luiz Carioca Ilustração da capa: Eduardo Marinho Diagramação: Farrer (C) Copyleft - É livre, e inclusive

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO "Que tristes os caminhos se não fora a presença distante das estrelas"? (Mario Quintana)

Leia mais

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS Unidade IV FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior A evoluçao do Serviço Social Nas décadas de 1980 e 1990, o serviço social encontra seu ápice, pois a revisão

Leia mais

Princípios da Administração Pública

Princípios da Administração Pública Princípios da Administração Pública PRINCÍPIO DA LEGALIDADE Conceito: Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei (art. 5º, II da CF). O Princípio da legalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

006/2016 DOMINGUEIRA DE 06/03/2016

006/2016 DOMINGUEIRA DE 06/03/2016 ANEXO O SUS é uma conquista da sociedade, não é pauta bomba Por Élida Graziane Pinto e Francisco Funcia* O Sistema Único de Saúde (SUS) representa uma das grandes conquistas da sociedade brasileira. A

Leia mais

Relatório Investimento Social - 2013

Relatório Investimento Social - 2013 Relatório Investimento Social - 2013 Divisão de Promoção da Cidadania Empresarial e Projetos com a Sociedade - PCSC Departamento de Responsabilidade Social e Projetos com a Sociedade PCS Sumário Projetos

Leia mais

Justifica-se a regressão de direitos trabalhistas na Europa diante da crise?

Justifica-se a regressão de direitos trabalhistas na Europa diante da crise? 1 6º Painel-A crise europeia e o Direito do Trabalho do 53º Congresso Brasileiro de Direito do Trabalho promovido pela LTr. Editora de 24 a 26 de junho de 2013 em São Paulo Justifica-se a regressão de

Leia mais

TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1.

TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1. TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1. Bem, estamos chegando ao fim do nosso estudo e não poderíamos deixar de trazer uma contribuição da nossa Doutora Iamamoto.

Leia mais

Didática e a prática pedagógica na orientação da racionalidade técnica

Didática e a prática pedagógica na orientação da racionalidade técnica EDUCAÇÃO FÍSICA E A PRÁTICA DE ENSINO: POSSIBILIDADE DE UMA RELAÇÃO QUE SUPERE A DICOTOMIA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA SOARES JÚNIOR, Néri Emilio UEG GT-04: Didática Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Fundamentos Históricos Teóricos e Metodológicos do Serviço Social IV. ANDREIA AGDA SILVA HONORATO Professora

Fundamentos Históricos Teóricos e Metodológicos do Serviço Social IV. ANDREIA AGDA SILVA HONORATO Professora Fundamentos Históricos Teóricos e Metodológicos do Serviço Social IV ANDREIA AGDA SILVA HONORATO Professora Seminário TRABALHO E SERVIÇO SOCIAL:O REDIMENSIONAMENTO DA PROFISSÃO ANTE AS TRANSFORMAÇÕES SOCIETÁRIAS

Leia mais

Programa de Gestión Urbana. Governador Valadares/MG/Brasil. Texto para Conferencia Eletrônica. Coordinación Regional para América Latina y El Caribe

Programa de Gestión Urbana. Governador Valadares/MG/Brasil. Texto para Conferencia Eletrônica. Coordinación Regional para América Latina y El Caribe Programa de Gestión Urbana Coordinación Regional para América Latina y El Caribe Otimização do uso de espaços vazios para Agricultura Urbana através de planos participativos, planificação e gestão para

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL PARA A INTEGRAÇÃO DE IMIGRANTES DE CASCAIS Plenário CLAS

PLANO MUNICIPAL PARA A INTEGRAÇÃO DE IMIGRANTES DE CASCAIS Plenário CLAS PLANO MUNICIPAL PARA A INTEGRAÇÃO DE IMIGRANTES DE CASCAIS Plenário CLAS 25.03.2015 Titulo da apresentação 00 mês 2014 Equipa de construção do Plano 1º Módulo Cascais e a Imigração: retrato da realidade

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL DO DEFICIENTE POR MEIO DO AMPARO JURÍDICO

INCLUSÃO SOCIAL DO DEFICIENTE POR MEIO DO AMPARO JURÍDICO INCLUSÃO SOCIAL DO DEFICIENTE POR MEIO DO AMPARO JURÍDICO Vanessa Cristina Lourenço Casotti Ferreira da Palma Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação - PPGEdu da Faculdade de

Leia mais

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS Unidade I FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O assistencialismo O conceito de assistencialismo estabelece uma linha tênue com o conceito de assistência,

Leia mais

Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual

Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual Ramiro Marques Instituto politécnico de Santarém Página pessoal: http://www.eses.pt/usr/ramiro/index.htm

Leia mais

Inteligência Artificial - IA. Agentes Inteligentes Cont.

Inteligência Artificial - IA. Agentes Inteligentes Cont. Agentes Inteligentes Cont. 1 Caracterização de agente - M. A. A. S. (P.E.A.S) Medida desempenho Ambiente Atuadores Sensores Agente filtro de e-mail Minimizar carga de leitura usuário mensagens do usuário

Leia mais

CONTEÚDOS EXIN SERVIÇO SOCIAL

CONTEÚDOS EXIN SERVIÇO SOCIAL CONTEÚDOS EXIN 2016.2 4MA E 4NA DISCIPLINA CONTEÚDO DISCIPLINAS CUMULATIVAS -Etapas do processo de trabalho: Elementos constitutivos. - O significado do Serviço Social na divisão social e técnica do trabalho;

Leia mais

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL Acadêmica :Amanda da Silva Alves Orientador: Alexsandro Barreto Almeida Águas Claras - DF 2016 Alexsandro Barreto

Leia mais

Respostas dos alunos sobre o curso

Respostas dos alunos sobre o curso Respostas dos alunos sobre o curso Aplicação INDICADOR: ENSINO QUESTÃO: EM TERMOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA, QUE ATIVIDADES VOCÊ CITARIA COMO UM DIFERENCIAL DO CURSO? (42) SERVIÇO SOCIAL A disciplina Estágio

Leia mais

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE EM TORNEIOS DE XADREZ por Wendel Rodrigo de Assis

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE EM TORNEIOS DE XADREZ por Wendel Rodrigo de Assis ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE EM TORNEIOS DE XADREZ por Wendel Rodrigo de Assis Pessoal, nas etapas do Circuito Solidário de Xadrez é comum, ao término de todas as rodadas, que alguns jogadores terminem

Leia mais

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas tem caráter multidisciplinar, integrando em suas disciplinas diversos

Leia mais

DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL

DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL SUMAC/PECOC CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Governo 21/12/2009 Superintendência de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Introdução

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso ENFERMAGEM Disciplina: ADMINSTRAÇÃO Ano letivo 2011 Série: 3ª Carga Horária:72h/aula Teoria: 72h/aula sem/semestral Professor(a) Claudia Lysia de

Leia mais

Sebastiana Batista Ramos

Sebastiana Batista Ramos CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE O ESTRESSE NO AMBIENTE DE TRABALHO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE ITANHOMI, MINAS

Leia mais

A atuação psicopedagógica institucional

A atuação psicopedagógica institucional A atuação psicopedagógica institucional Psicopedagogia Dorival Rosa Brito 1 A psicopedagogia assume um compromisso com a melhoria da qualidade do ensino expandindo sua atuação para o espaço escolar, atendendo,

Leia mais

Avaliação de Ambiente Interior Estudo de caso

Avaliação de Ambiente Interior Estudo de caso Universidade de Aveiro Avaliação de Ambiente Interior Estudo de caso Helena Simões e Mário M Talaia Departamento de Física F Universidade de Aveiro II Congresso Internacional e VI Encontro Nacional de

Leia mais

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS 1 ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS Cristina Ionácy Rodrigues e Souza 1 INTRODUÇÃO Ao fomentar que a assistência social é uma política que junto com as políticas setoriais,

Leia mais

ISSN São Paulo, Ano I, n. 02, MAI./aGO. de O ser humano é um capital que pode ser gerido?

ISSN São Paulo, Ano I, n. 02, MAI./aGO. de O ser humano é um capital que pode ser gerido? 9 772358 022003 ISSN 2358-0224 São Paulo, Ano I, n. 02, MAI./aGO. de 2014 O ser humano é um capital que pode ser gerido? Família: gerar e gerir pessoas Autor: José Ulisses Leva O homem: entre a coisificação

Leia mais

Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels

Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels Resenha Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels José Claudinei LOMBARDI (AUTOR) 2 Cláudio Rodrigues da SILVA 3 O livro Educação e ensino na obra

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO NA CARREIRA. TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS EM EM EDUCAÇÃO Aula Aula 1 1

DESENVOLVIMENTO NA CARREIRA. TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS EM EM EDUCAÇÃO Aula Aula 1 1 DESENVOLVIMENTO NA CARREIRA TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS EM EM EDUCAÇÃO Aula Aula 1 1 O servidor Técnico-Administrativo é responsável por executar atividades relacionadas ao suporte que as instituições federais

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação. Aula 7- Novas Tecnologias de Sistemas nos negócios

Administração de Sistemas de Informação. Aula 7- Novas Tecnologias de Sistemas nos negócios Aula 7- Novas Tecnologias de Sistemas nos negócios Conteúdo Programático desta aula Conhecer os conceitos básicos de Sistemas Especialistas; e identificar os Impactos Éticos e Sociais causados pelo uso

Leia mais

Assistentes sociais e psicólogas/os reivindicam sua inclusão na Política Municipal de Educação de Montes Claros

Assistentes sociais e psicólogas/os reivindicam sua inclusão na Política Municipal de Educação de Montes Claros Assistentes sociais e psicólogas/os reivindicam sua inclusão na Política Municipal de Educação de Montes Claros Assistentes sociais e psicólogas/os lotaram auditório da Câmara Municipal de Montes Claros

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Social 2 CICLO DE CAPACITAÇÃO PARA COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARCEIRAS

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Social 2 CICLO DE CAPACITAÇÃO PARA COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARCEIRAS 2 CICLO DE CAPACITAÇÃO PARA COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARCEIRAS 08/06/2016 DO PROGRAMA RECOMEÇO: UMA VIDA SEM DROGAS 8h00 Chegada e café de boas vindas 9h00 - Abertura 9h30- Tema 01 Questões de Gênero e

Leia mais

Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) CLASSES E ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) CLASSES E ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL CLASSES E ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL Quer levemos em conta o direito que os homens tem, depois de nascidos, à própria preservação, como nos dita a razão natural, e, portanto, ao alimento, à bebida e a tudo

Leia mais

ATER DE QUALIDADE E EM QUANTIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM MINAS GERAIS

ATER DE QUALIDADE E EM QUANTIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM MINAS GERAIS SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS ATER DE QUALIDADE E EM QUANTIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM MINAS GERAIS DESAFIOS E PERSPECTIVAS

Leia mais

PROGRAMA DE RELAÇÕES CASAL. Ass. Social Vivianne Maria Martins Barbosa

PROGRAMA DE RELAÇÕES CASAL. Ass. Social Vivianne Maria Martins Barbosa PROGRAMA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA CASAL Ass. Social Vivianne Maria Martins Barbosa A CASAL tem um papel relevante na sociedade alagoana, por ser o órgão executor da política de saneamento do governo.

Leia mais

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR S DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR ANÁLISE DA SITUAÇÃO NACIONAL 1. Identificar causas/ fatores de vulnerabilidade e modalidades de violência sexual contra

Leia mais

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 01 25/02/2014 Modificação do Modelo de APP Análise preliminar de Perigo.

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 01 25/02/2014 Modificação do Modelo de APP Análise preliminar de Perigo. PROCEDIMENTO PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO Página: 1 / 8 SUMÁRIO DE REVISÕES Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 01 25/02/2014 Modificação do Modelo de APP Análise preliminar de Perigo. 02 26/02/2014

Leia mais

VULNERABILIDADE SOCIAL. com ênfase ao atendimento à população em situação de rua

VULNERABILIDADE SOCIAL. com ênfase ao atendimento à população em situação de rua VULNERABILIDADE SOCIAL com ênfase ao atendimento à população em situação de rua Introdução A população atendida pela Defensoria Pública é caracterizada pela hipossuficiência financeira, condição exigida

Leia mais

APONTAMENTOS PARA O ENTENDIMENTO DA HEGEMONIA DO CONCEITO DE AGRICULTURA FAMILIAR NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO

APONTAMENTOS PARA O ENTENDIMENTO DA HEGEMONIA DO CONCEITO DE AGRICULTURA FAMILIAR NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO APONTAMENTOS PARA O ENTENDIMENTO DA HEGEMONIA DO CONCEITO DE AGRICULTURA FAMILIAR NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO Marcos Antônio de Oliveira 1 INTRODUÇÃO: No campo das ciências sociais no Brasil

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Vigilância Sanitária de Medicamentos, C...

Curso de Pós-Graduação em Vigilância Sanitária de Medicamentos, C... 1 de 6 23/11/2010 09:48 Portal Racine Cursos Agenda de Eventos Revistas Livros Serviços Home Institucional Sobre o Instituto Racine Coordenadores de Cursos Protocolos de Cooperação Educacional Bolsas de

Leia mais

Classes e Estratificação Social. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31)

Classes e Estratificação Social. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) Classes e Estratificação Social Quer levemos em conta o direito que os homens tem, depois de nascidos, à própria preservação, como nos dita a razão natural, e, portanto, ao alimento, à bebida e a tudo

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial. Prof. Me. Vitor Paulo Boldrin Organizador. ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Regulamento

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial. Prof. Me. Vitor Paulo Boldrin Organizador. ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Regulamento Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial Prof. Me. Vitor Paulo Boldrin Organizador ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Regulamento Jales 2016 APRESENTAÇÃO E EMENTA O presente texto visa

Leia mais

Política de Partes Relacionadas

Política de Partes Relacionadas Política de Partes Relacionadas SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 A QUEM SE APLICA... 3 3 DEFINIÇÃO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS... 3 4 DEFINIÇÃO DE PARTES RELACIONADAS... 4 5 DEFINIÇÃO DE SITUAÇÕES

Leia mais

Enfermagem além da pele: a integralidade no cuidado a pessoas com psoríase e vitiligo

Enfermagem além da pele: a integralidade no cuidado a pessoas com psoríase e vitiligo Enfermagem além da pele: a integralidade no cuidado a pessoas com psoríase e vitiligo Euzeli da Silva Brandão Professora Assistente da UFF e Doutoranda do PPGENF/UERJ Iraci dos Santos Professora Titular

Leia mais

PARECER N.º 255/CITE/2016

PARECER N.º 255/CITE/2016 PARECER N.º 255/CITE/2016 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível a trabalhadora com responsabilidades familiares, nos termos do n.º 5 do artigo

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS(LIBRAS) AULA 03: O PROFISSIONAL TRADUTOR E INTÉRPRETE DA LÍNGUA DE SINAIS (TILS) TÓPICO 03: O PROFISSIONAL INTÉRPRETE DA LÍNGUA DE SINAIS (ILS) E SUA ATUAÇÃO NA ESCOLARIZAÇÃO

Leia mais

Karla Muniz Belém Secretaria Estadual de Educação do Estado da Bahia (SEC/BA)

Karla Muniz Belém Secretaria Estadual de Educação do Estado da Bahia (SEC/BA) EDUCAÇÃO INCLUSIVA E A FAMÍLIA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA: ANÁLISE DOS ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO PERÍODO DE 2000 A 2016. Karla Muniz Belém Secretaria Estadual de Educação

Leia mais

Missão Controle Atenção. confiança. Segurança

Missão Controle Atenção. confiança. Segurança Missão Controle Atenção confiança competência Respeito Segurança Nosso objetivo desde a municipalização SUS foi e continua sendo a análise permanente da situação de saúde, controle dos determinantes, riscos

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

CRESS / 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social RJ

CRESS / 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social RJ TERMO DE ORIENTAÇÃO REALIZAÇÃO DE VISITAS DOMICILIARES QUANDO REQUISITADAS A ASSISTENTES SOCIAIS Considerando que cabe ao Conselho Regional de Serviço Social, 7º Região no uso de suas atribuições conforme

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 3.044, DE 2008

PROJETO DE LEI Nº 3.044, DE 2008 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3.044, DE 2008 (Apenso o PL nº4.536, de 2008) Dispõe sobre a universalização das bibliotecas escolares e determina outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

Home l Quem Somos l Sobre o Consórcio l Planos e Preços l Contato l Cadastro

Home l Quem Somos l Sobre o Consórcio l Planos e Preços l Contato l Cadastro imóveis automóveis caminhões serviços motos Pague sua parcela em dia e concorra toda semana a um prêmio de até: R$ 31.384,00 Realize a conquista de um imóvel comercial ou residencial SAIBA MAIS + compre

Leia mais

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive.

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive. 2ª Geografia 4º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade C1- CATEGORIAS DA GEOGRAFIA: Compreender a Geografia como ciência do espaço geográfico, reconhecendo-se, de forma crítica, como elemento

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA EM DEFESA DA APRENDIZAGEM

CARTA DE BRASÍLIA EM DEFESA DA APRENDIZAGEM CARTA DE BRASÍLIA EM DEFESA DA APRENDIZAGEM CARTA DE BRASÍLIA-DF EM DEFESA DA APRENDIZAGEM Os participantes do 3º Seminário Nacional de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem, promovido

Leia mais

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016 PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016 O programa Talentos da Educação é uma iniciativa da Fundação Lemann para apoiar pessoas talentosas e comprometidas com a melhoria da educação no Brasil. A proposta é

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO DOS NEGÓCIOS 1º SEMESTRE DE 2014

DIREITO ADMINISTRATIVO DOS NEGÓCIOS 1º SEMESTRE DE 2014 DIREITO ADMINISTRATIVO DOS NEGÓCIOS 1º SEMESTRE DE 2014 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em

Leia mais

Profa. Dra. Maria Inês Fini

Profa. Dra. Maria Inês Fini Profa. Dra. Maria Inês Fini 1 Um dos maiores desafios a serem enfrentados pelas escolas de educação básica na última década é o estabelecimento de uma política para a educação básica formal no Brasil para

Leia mais

Teorias curriculares: teoria tradicional campo epistemológico e teóricos

Teorias curriculares: teoria tradicional campo epistemológico e teóricos Teorias curriculares: teoria tradicional campo epistemológico e teóricos Objetivo da Aula Reconhecer a importância da teoria para explicar, descrever e compreender os fenômenos curriculares. Identificar

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Direito Administrativo Princípios constitucionais da Administração Pública Professora Tatiana Marcello www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Administrativo PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE Viver é isto: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências Jean Paul Sartre Jean-Paul Sartre - Paris, 1905 1980.

Leia mais

BH sedia 42º Encontro Descentralizado dos CRESS da Região Sudeste

BH sedia 42º Encontro Descentralizado dos CRESS da Região Sudeste BH sedia 42º Encontro Descentralizado dos CRESS da Região Sudeste A cidade de Belo Horizonte (MG) foi escolhida para sediar o 42º Encontro Descentralizado dos CRESS da Região Sudeste, realizado entre os

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Tipo de aula.

Textos, filmes e outros materiais. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Tipo de aula. PLANO DE CURSO DISCIPLINA: ORGANIZAÇÕES E TRATADOS INTERNACIONAIS (CÓD. ENEX 60146) ETAPA: 9ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano:

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Educação Física na Infância Professor: Gilson Pereira Souza E-mail: professorgilsonpereira@gmail.com Código:

Leia mais