Unidade II PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS. Prof. José Junior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS. Prof. José Junior"

Transcrição

1 Unidade II PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS EM SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior

2 As demandas e as respostas da categoria profissional aos projetos societários Projetos societários são aqueles de determinada classe social. Assim, recorrendo mais uma vez à teoria marxista, constatamos que na atualidade identificamos duas classes sociais, sendo essas a classe burguesa e a classe operária.

3 As demandas profissionais no âmbito das relações entre o estado e a sociedade Em relação a essa questão, Iamamoto diz que, para compreendê-la, precisamos compreender três premissas básicas: desvelar a prática profissional; considerar o primado da produção social; privilégio da história.

4 As demandas profissionais no âmbito das relações entre o estado e a sociedade Segundo Iamamoto, além de compreender as classes sociais, é fundamental também entender o papel do estado, que figura, no ponto de vista da autora, como um representante da classe burguesa, mas que é um ator fundamental na compreensão de nossa prática profissional, das demandas de nossa profissão.

5 Consideração do primado da produção social No que concerne à consideração do primado da produção social, Iamamoto coloca que precisamos entender a relevância que possui o trabalho nessa sociedade.

6 Consideração do primado da produção social Quando o trabalho se torna precário, informal ou, sobretudo, quando assistimos à grande perda dos postos de trabalho, precisamos saber que essas mudanças irão provocar alterações nas expressões da questão social.

7 Sistematizando os conhecimentos Para compreender as demandas que são colocadas, precisamos entender as relações sociais estabelecidas na sociedade capitalista, em que figura como relevante compreender as classes sociais e o estado, o que demanda essencialmente também entender a importância do trabalho e da história nesse processo.

8 Premissas Esses aspectos, tratados por Iamamoto como premissas, precisam ser apreendidos por nós como o próprio nome sugere, ou seja, como aspectos que são imprescindíveis para a compreensão de novas demandas, novas expressões da questão social com as quais precisaremos atuar.

9 Precisamos olhar também para a sociedade civil. Iamamoto diz que, para que possamos compreender as relações sociais, precisamos olhar também para a sociedade civil.

10 Interatividade O que podemos entender como projetos societários? a) Projetos de determinada classe social, com ênfase na do empresariado. b) Projetos de determinada classe social. c) Projetos da classe dominante, apenas. d) Projetos da classe proletária, apenas. e) Projetos que visam a ciência e evolução humana.

11 Alterações no âmbito da produção e do trabalho As alterações no âmbito da produção e do trabalho colaboram muitas vezes para a precarização da vida da classe que vive do trabalho, e essa precarização se expressa de diversas formas, podendo ser necessária a intervenção dos assistentes sociais.

12 Alterações no âmbito da produção e do trabalho Isso pressupõe que o profissional realize uma análise com base em informações de recorrência a aspectos econômicos e políticos, visto que os fenômenos relacionados à organização da produção e do trabalho também precisam ser considerados como resultados da organização política vigente no país.

13 Realidade Rural Por fim, Iamamoto diz que, para apreender de fato nossa demanda profissional, precisamos conhecer também melhor a realidade rural.

14 Aspectos da sociedade civil sobre as configurações assumidas pela produção e pelo trabalho A apreensão dessa realidade, ou seja, dos aspectos da sociedade civil sobre as configurações assumidas pela produção e pelo trabalho, das peculiaridades dos moradores da zona rural, não é, a nosso ver, uma tarefa fácil, mas algo que precisa ser introduzido no cotidiano de nossas ações profissionais e deve figurar como referência ao considerarmos as perspectivas de trabalho profissional.

15 Processo de modernização tupiniquim Iamamoto ainda destaca a necessidade de compreender o papel do estado brasileiro no sentido de proporcionar o desenvolvimento econômico do país. Na verdade, um estado que se propõe mínimo é apenas mínimo para o social, mas máximo para implementar ações para o desenvolvimento do grande capital.

16 Realidade brasileira e a demanda profissional Uma modernização capitalista que traz no seu bojo a história de um país colonizado sob a ótica da exploração, em que o sistema capitalista trouxe índices precários de desenvolvimento em relação aos demais países e que contou e conta hoje com o Estado como o principal agente executor de medidas para a efetivação das pretensões capitalistas.

17 Interatividade A palavra demanda significa: a) Coletividade ou grupo de pessoas que precisa ou procura algo. b) Interesse na obtenção de lucratividade. c) Mostrar-se se com alarde e vanglória. d) Intervenção judicial de alguém em um pleito, sob pena de Lei. e) Primeira linha de um exército.

18 Condições de trabalho e respostas profissionais A precarização das relações trabalhistas tem conferido relações laborais ruins, precárias para grande parte da população brasileira e tem, ainda, resultado em um crescente desemprego de parcela significativa da população.

19 Condições de trabalho e respostas profissionais Por outro lado, o Estado, principal responsável por atuar no sentido de minimizar essas expressões da questão social, vem, desde a década de 90, se retraindo, ou seja, vem restringindo suas intervenções nessas expressões.

20 Condições de trabalho e respostas profissionais Iamamoto traz alterações na atuação dos assistentes sociais: Quando as intervenções em política social, junto às expressões da questão social, são reduzidas, espera-se que o mercado de trabalho dos assistentes sociais também seja reduzido.

21 Condições de trabalho e respostas profissionais Frente à redução de gastos na área das políticas sociais, os assistentes sociais que estão atuando nesses espaços precisam ampliar a seletividade dos atendimentos, sendo nessas ocasiões os responsáveis pelas triagens para avaliar a condição daqueles que poderão ser beneficiados, ou não, pelos serviços que estão sob sua responsabilidade.

22 Condições de trabalho e respostas profissionais O profissional permanece longos períodos preso à burocracia institucional em decorrência das triagens que precisa realizar. Mas o fato de estabelecer uma prática de tal forma resulta no chamado vazio profissional, ou seja, aquela sensação de não ter conseguido atingir as finalidades profissionais a que se propôs.

23 Condições de trabalho e respostas profissionais Assim, observamos uma grande dificuldade em conferir respostas profissionais a nossa demanda, uma dificuldade em cumprir os princípios assumidos por nossa categoria profissional e uma dificuldade maior ainda em conviver com essa realidade.

24 Interatividade Leia: A precarização das relações tem conferido relações laborais ruins. Marque a alternativa que contenha a palavra que melhor preencha a lacuna: a) Capitalistas. b) Familiares. c) Dicotômicas. d) Trabalhistas. e) Gênero.

25 Superação da realidade profissional Iamamoto apresenta algumas alternativas para a superação dessa realidade profissional que tanto asfixia os profissionais. Uma delas seria superar a perspectiva fatalista de que tudo está perdido e nada mais pode ser feito, bem como evitar posturas idealizadas e que percebem a profissão de uma forma romântica, como se não vivenciássemos esses problemas e outros observados em nossa categoria profissional.

26 Superação da realidade profissional Partindo disso, a autora coloca ainda que a mudança na relação do Estado com a questão social não é um objetivo apenas do serviço social, apenas de nossa categoria profissional.

27 Superação da realidade profissional Assim, a construção de respostas às demandas que nos têm sido postas passa pela compreensão da realidade como um condicionante e não como um impeditivo de nossas ações. E pressupõe ainda o estabelecimento de outras parcerias com categorias, segmentos, usuários que partilham dos mesmos princípios que são defendidos pelos assistentes sociais.

28 Superação da realidade profissional O momento que vivemos é um momento pleno de desafios. Mais do que nunca é preciso ter coragem, é preciso ter esperanças para enfrentar o presente. É preciso resistir e sonhar. É necessário alimentar os sonhos e concretizá-los dia a dia nos horizontes de novos tempos mais humanos, mais justos, mais solidários (IAMAMOTO, 2004).

29 Interatividade Marque a alternativa que contenha informações verdadeiras sobre realidade: a) Algo que não é concreto. b) Algo palpável. c) Estática. d) Pode mudar. e) Opção b e c estão corretas.

30 ATÉ A PRÓXIMA!

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

Teorias curriculares: teoria tradicional campo epistemológico e teóricos

Teorias curriculares: teoria tradicional campo epistemológico e teóricos Teorias curriculares: teoria tradicional campo epistemológico e teóricos Objetivo da Aula Reconhecer a importância da teoria para explicar, descrever e compreender os fenômenos curriculares. Identificar

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS & NORMAS INTERNAS Versão: 1- Objetivo O objetivo desta Política de Investimento Pessoal (ou Política) é estabelecer procedimentos e regras para os investimentos pessoais

Leia mais

Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás. Entendendo a Administração. Prof. Jairo Molina

Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás. Entendendo a Administração. Prof. Jairo Molina Entendendo a Administração Prof. Jairo Molina 1 Entendendo a Administração Metas principais: 1) Entender o significado da palavra administração. 2) A importância da administração para as diferentes organizações

Leia mais

Inteligência Artificial - IA. Agentes Inteligentes Cont.

Inteligência Artificial - IA. Agentes Inteligentes Cont. Agentes Inteligentes Cont. 1 Caracterização de agente - M. A. A. S. (P.E.A.S) Medida desempenho Ambiente Atuadores Sensores Agente filtro de e-mail Minimizar carga de leitura usuário mensagens do usuário

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior Cristiane Bertolino Problema de pesquisa A partir da década de 1990 Visão renovada da empreendedorismo Promover o desenvolvimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES Um desafio para a igualdade numa perspectiva de gênero Ituporanga 30/04/04 Conferência Espaço de participação popular para: Conferir o que tem sido feito

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

Interfaces da Questão Social, Gênero e Oncologia

Interfaces da Questão Social, Gênero e Oncologia 3ª Jornada de Serviço Social do INCA Direitos Sociais e Integralidade em Saúde Interfaces da Questão Social, Gênero e Oncologia Letícia Batista Silva Assistente Social HCII/INCA Rio de Janeiro, 1 de julho

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro

Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro Módulo 1 Liderança e Gestão de Lojas de Varejo Tema 3 - Liderança Liderança Liderança: Como liderar uma equipe de vendas? Quais as habilidades

Leia mais

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Fabiana Chinalia Professora de Metodologia para o Ensino de Ciências Naturais e Meio Ambiente Data: 05 e 06/04/2011 Descobertas sociocientíficas

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

CURRÍCULO ESCOLAR VMSIMULADOS

CURRÍCULO ESCOLAR VMSIMULADOS CURRÍCULO ESCOLAR 01. Segundo a LDB (Lei no 9394/96), os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar,

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL (CLAS) Grupo de Trabalho Pessoas Idosas, Envelhecimento e Intergeracionalidade. ATA nº 1

CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL (CLAS) Grupo de Trabalho Pessoas Idosas, Envelhecimento e Intergeracionalidade. ATA nº 1 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL (CLAS) Grupo de Trabalho Pessoas Idosas, Envelhecimento e Intergeracionalidade ATA nº 1 Data: 24 de fevereiro de 2012 (sexta-feira) Local: Câmara Municipal de Peniche Hora

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE SANTA ROSA 1

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE SANTA ROSA 1 ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE SANTA ROSA 1 Gianine Taís Karlinski Santos 2, José Valdemir Muenchen 3, Luciano Zarberlan 4. 1 Trabalho resultante do Projeto de Extensão Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

Home l Quem Somos l Sobre o Consórcio l Planos e Preços l Contato l Cadastro

Home l Quem Somos l Sobre o Consórcio l Planos e Preços l Contato l Cadastro imóveis automóveis caminhões serviços motos Pague sua parcela em dia e concorra toda semana a um prêmio de até: R$ 31.384,00 Realize a conquista de um imóvel comercial ou residencial SAIBA MAIS + compre

Leia mais

Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Sábado, 06 de fevereiro de 2016

Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Sábado, 06 de fevereiro de 2016 Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Sábado, 06 de fevereiro de 2016 Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Domingo, 07 de fevereiro de 2016 Clipping Tribunal de Contas do Estado do

Leia mais

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016

Grupo de Informática Disciplina de Pl PLANO CURRICULAR 12º ANO /2016 Curso Formação Geral Formação específica Matemática A (disciplina Curso Ciências e Tecnologia A - Biologia Química Física Geologia B - Psicologia B Inglês Aplicações Informáticas B (ver síntese pp. 4 e

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO DOS NEGÓCIOS 1º SEMESTRE DE 2014

DIREITO ADMINISTRATIVO DOS NEGÓCIOS 1º SEMESTRE DE 2014 DIREITO ADMINISTRATIVO DOS NEGÓCIOS 1º SEMESTRE DE 2014 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em

Leia mais

O Processo de Avaliação de Impacto Ambiental e seus Objetivos

O Processo de Avaliação de Impacto Ambiental e seus Objetivos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Biologia Geral Impacto Ambiental O Processo de Avaliação de Impacto Ambiental e seus Objetivos Monaliza de Araújo Melo

Leia mais

Princípios e Diretrizes Sistema Único de Saúde

Princípios e Diretrizes Sistema Único de Saúde Princípios e Diretrizes Sistema Único de Saúde 1 DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES Lei Orgânica da Saúde Lei n. 8.080 de 19 de setembro de 1990. Art. 7º: I - universalidade de acesso aos serviços de saúde em

Leia mais

CONSTRUINDO A QUALIDAE DOS CONSELHOS DE EDUCAÇÃO. Paulo Hentz

CONSTRUINDO A QUALIDAE DOS CONSELHOS DE EDUCAÇÃO. Paulo Hentz CONSTRUINDO A QUALIDAE DOS CONSELHOS DE EDUCAÇÃO Paulo Hentz paulohentz@gmail.com DADOS HISTÓRICOS A década de 1960 e o surgimento da maior parte dos Conselhos Estaduais de Educação. Decorrência da Lei

Leia mais

5 De F A ma

5 De F A ma Educação Física 5 De F A ma Uma Breve Revisão... Em 07 de abril de 2005 entra em vigor no Estado de Minas Gerais a resolução SEE N.º 666; Em agosto de 2011, é instituído o PIP CBC; No ano de 2012 o PIP

Leia mais

A Goiânia que queremos

A Goiânia que queremos Opinião 22/12/2015 06:00 Renato de Sousa Correia A Goiânia que queremos Uma cidade limpa, arborizada e organizada. O que parece apenas um sonho pode se tornar realidade a partir de medidas e intervenções

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade 3ª Geografia 3ª Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade 1.- Geografia: C 1: Categorias da Geografia Compreender a Geografia como ciência do espaço geográfico, reconhecendo-se, de forma crítica,

Leia mais

O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!!

O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!! O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!! OBJETIVO Compreender que para definir objetivos é preciso planejamento e disciplina e como fazer para realiza-los Compreender que para definir objetivos

Leia mais

Cuidado e desmedicalização na atenção básica

Cuidado e desmedicalização na atenção básica Rio de Janeiro, agosto de 2012 Cuidado e desmedicalização na atenção básica Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada FSP-USP Medicalização e a disputa pela vida Movimento de compreender todos

Leia mais

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: GERÊNCIA DE RISCOS JULIANA PENTAGNA GUIMARÃES Diretoria da Sociedade LEANDRO SALIBA Diretoria da Sociedade INDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS... 2 3. CONCEITO... 2 4. ABRANGÊNCIA...

Leia mais

Educação Difusa: a tradição oral

Educação Difusa: a tradição oral Educação Difusa: a tradição oral A educação existe onde não há escola e por toda parte podem haver redes e estruturas sociais de transferência de saber de uma geração a outra, onde ainda não foi sequer

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

Candidatos enfrentam a maior concorrência por vagas de trabalho em três anos

Candidatos enfrentam a maior concorrência por vagas de trabalho em três anos Candidatos enfrentam a maior concorrência por vagas de trabalho em três anos Mercado de trabalho continua gerando menos vagas enquanto a procura por emprego segue em alta Em junho de 2015, o número de

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE CAA NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL AULA 01 INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES Prof. Leonardo Herszon Meira, DSc DEFINIÇÕES

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO É um plano administrativo que cobre todas as operações da empresa, para um período de

Leia mais

MANUAL RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE RISCO DE LIQUIDEZ ANO 2013 COOPERATIVA DE ECONOMIA 1 E CRÉDITO MÚTUO CECREB 1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - Diretoria Define as Regras de Operacionalização. - Gerência Executa as determinações

Leia mais

EDITAL VER-SUS CARIRI 2ª EDIÇÃO

EDITAL VER-SUS CARIRI 2ª EDIÇÃO EDITAL VER-SUS CARIRI 2ª EDIÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO DE VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL (VER-SUS CARIRI/BRASIL) As Secretarias de saúde de Barbalha, Juazeiro

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS(LIBRAS) AULA 03: O PROFISSIONAL TRADUTOR E INTÉRPRETE DA LÍNGUA DE SINAIS (TILS) TÓPICO 03: O PROFISSIONAL INTÉRPRETE DA LÍNGUA DE SINAIS (ILS) E SUA ATUAÇÃO NA ESCOLARIZAÇÃO

Leia mais

TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1.

TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1. TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1. Bem, estamos chegando ao fim do nosso estudo e não poderíamos deixar de trazer uma contribuição da nossa Doutora Iamamoto.

Leia mais

Respostas dos alunos sobre o curso

Respostas dos alunos sobre o curso Respostas dos alunos sobre o curso Aplicação INDICADOR: ENSINO QUESTÃO: EM TERMOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA, QUE ATIVIDADES VOCÊ CITARIA COMO UM DIFERENCIAL DO CURSO? (42) SERVIÇO SOCIAL A disciplina Estágio

Leia mais

LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA

LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA Direitos Sociais 1988: Promulgação da Constituição Federal; A Assistência Social passou a integrar o Sistema de Seguridade Social,

Leia mais

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 LEI 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 Artigo 2º, parágrafo 1º, estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. Artigo

Leia mais

Unidade: Introdução à Sociologia

Unidade: Introdução à Sociologia Unidade: Introdução à Sociologia Construção do conhecimento em sociologia Senso comum: conjunto de opiniões, recomendações, conselhos, práticas e normas fundamentadas na tradição, nos costumes e vivências

Leia mais

Mestrado em Gestão Industrial

Mestrado em Gestão Industrial Mestrado em Gestão Industrial Disciplina: CONTROLO DE GESTÃO Capítulo 1: Ideias Chave de Controlo de Gestão 1 SUMÁRIO O Valor e a medição da Performance As perspectivas de performance As implicações nos

Leia mais

Uma empresa dedicada ao desenvolvimento humano e organizacional

Uma empresa dedicada ao desenvolvimento humano e organizacional Uma empresa dedicada ao desenvolvimento humano e organizacional Quem somos Nossas soluções objetivam a transformação humana e das culturas organizacionais, fortalecendo laços entre organizações e colaboradores.

Leia mais

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 9º Ano 3º/4º Bimestre 2016 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Gabriel Data: / /2016 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Geografia Resultado

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

A Política de Assistência Social Um novo desenho.

A Política de Assistência Social Um novo desenho. A Política de Assistência Social Um novo desenho. Profª. Eline Alcoforado Maranhão Sá Profª. Maria Aparecida Guimarães Skorupski Profª Regina Coeli Climaco Matos A Assistência Social como política de proteção

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Seminário Internacional de Certificação Profissional. Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s

Seminário Internacional de Certificação Profissional. Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s Seminário Internacional de Certificação Profissional Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s Certificação Profissional - Definição Usual Reconhecimento formal dos conhecimentos, habilidades, atitudes

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS Unidade I FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O assistencialismo O conceito de assistencialismo estabelece uma linha tênue com o conceito de assistência,

Leia mais

OBJETIVO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONCEITOS BÁSICOS CONCEITO DE CONSULTORIA ORGANIZACIONAL

OBJETIVO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONCEITOS BÁSICOS CONCEITO DE CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONSULTORIA CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ms. Carlos William de Carvalho 1 OBJETIVO Entender o contexto da consultoria organizacional, pois muitos serviços são realizados para as organizações e não devem ser

Leia mais

Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016

Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016 Prémio Floresta e Sustentabilidade 2016 Formulário de Candidatura Categoria Sustentabilidade Florestal Iniciativa desenvolvida pela CELPA em associação com o Correio da Manhã e o Jornal de Negócios, com

Leia mais

Unidade III ÉTICA E LEGISLAÇÃO. Profª. Gislaine Stachissini

Unidade III ÉTICA E LEGISLAÇÃO. Profª. Gislaine Stachissini Unidade III ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL Profª. Gislaine Stachissini Ética É o estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana, suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal,

Leia mais

LABORATÓRIO SEGURO. Preservando vidas.

LABORATÓRIO SEGURO. Preservando vidas. LABORATÓRIO SEGURO Preservando vidas. O Grupo de Trabalho Laboratório Seguro foi formado com o objetivo de discutir as questões que envolvem a segurança dos alunos de graduação, pós-graduação, extensão

Leia mais

ATER DE QUALIDADE E EM QUANTIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM MINAS GERAIS

ATER DE QUALIDADE E EM QUANTIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM MINAS GERAIS SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS ATER DE QUALIDADE E EM QUANTIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM MINAS GERAIS DESAFIOS E PERSPECTIVAS

Leia mais

A Ouvidoria na Saúde. Maria Inês Fornazaro Julho / 2013

A Ouvidoria na Saúde. Maria Inês Fornazaro Julho / 2013 A Ouvidoria na Saúde Maria Inês Fornazaro Julho / 2013 Cenário Social Nas últimas décadas a sociedade brasileira passou por inúmeras mudanças que determinaram o redimensionamento de políticas públicas,

Leia mais

006/2016 DOMINGUEIRA DE 06/03/2016

006/2016 DOMINGUEIRA DE 06/03/2016 ANEXO O SUS é uma conquista da sociedade, não é pauta bomba Por Élida Graziane Pinto e Francisco Funcia* O Sistema Único de Saúde (SUS) representa uma das grandes conquistas da sociedade brasileira. A

Leia mais

Desenvolvimento do trabalho

Desenvolvimento do trabalho Desenvolvimento do trabalho Manhã do dia 28.03 Conceitos e características da avaliação em larga escala. Principais aspectos do delineamento de uma proposta de avaliação. Desenvolvimento do trabalho Tarde

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob:

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: a) visa estabelecer diretrizes sistêmicas aplicáveis à execução do Planejamento Estratégico em vigência, no que se refere às ações de

Leia mais

PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, Janeiro de 2012.

PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, Janeiro de 2012. PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, Janeiro de 2012 Design D Kebrada 2. Dados do projeto 2.1 Nome do projeto Design D Kebrada 2.2 Data e

Leia mais

UNESP. ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL: conceitos e objetivos. Antonio Lázaro Sant Ana (Prof. Unesp Ilha Solteira) Abril de 2014

UNESP. ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL: conceitos e objetivos. Antonio Lázaro Sant Ana (Prof. Unesp Ilha Solteira) Abril de 2014 UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA Disciplina Comunicação e Extensão Rural Curso de Agronomia ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL: conceitos e objetivos

Leia mais

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012.

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO, INSTRUMENTO DA POLITICA MUNICIPAL DE

Leia mais

ANEXO 4 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX SOLICITAÇÃO, PROVIMENTO E PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO DE INTERCONEXÃO

ANEXO 4 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX SOLICITAÇÃO, PROVIMENTO E PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO DE INTERCONEXÃO SOLICITAÇÃO, PROVIMENTO E PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO DE INTERCONEXÃO 1. CONDIÇÕES GERAIS 1.1 Qualquer das Partes poderá, na forma da regulamentação pertinente, solicitar novas Interconexões ou alterações

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

40% 60% AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE

40% 60% AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE DATA: 14 de março de 2010 LOCAL: Auditório da FIRJAN TEMA: Seminário de Planejamento Estratégico do IFRJ Arranjos Produtivos Locais, Mercado de Trabalho e Indicadores de Gestão.

Leia mais

O que é planejamento estratégico?

O que é planejamento estratégico? O que é planejamento estratégico? Um dos fatores de sucesso das empresas é possuir um bom planejamento. Mas o que é planejamento? Nós planejamos diariamente, planejamos nossas atividades, nossas finanças,

Leia mais

FAQ Novo Portfólio PF Diretoria de Credit Services

FAQ Novo Portfólio PF Diretoria de Credit Services 1. O que a minha empresa ganha consultando os relatórios da família ACERTA, novo portfólio de produtos Pessoa Física? Dados Cadastrais, Restritivos e Comportamentais observados isoladamente não são suficientes

Leia mais

Quem cuida da minha empresa? EU!

Quem cuida da minha empresa? EU! Quem cuida da minha empresa? EU! SUMÁRIO Introdução...2 Capítulo 1 Cuidados nas Estratégias Empresariais..3 Capítulo 2 Cuidados nos Processos Empresariais...4 Capítulo 3 Cuidados nas Finanças Empresariais...5

Leia mais

Quantos passos posso dar? : Construindo a autonomia na infância

Quantos passos posso dar? : Construindo a autonomia na infância Quantos passos posso dar? : Construindo a autonomia na infância FE RNANDA PALHARE S LIA BEATRIZ DE LUCCA FREITAS LAPEGE Pesquisas na área do desenvolvimento moral e formação ética Parceria com escolas

Leia mais

Políticas de Proteção à Pessoa Idosa

Políticas de Proteção à Pessoa Idosa Políticas de Proteção à Pessoa Idosa Maria Alice Nelli Machado Email.marialicemachado@ig.com.br O processo de envelhecimento traz conseqüências para os indivíduos, para as sociedades e para os Estados;

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação

Leia mais

ANEXO I - MODELO DA PROPOSTA BÁSICA DE PROJETO EDITAL nº /2014

ANEXO I - MODELO DA PROPOSTA BÁSICA DE PROJETO EDITAL nº /2014 Campus: ANEXO I - MODELO DA PROPOSTA BÁSICA DE PROJETO EDITAL nº /2014 ITAPETINGA JEQUIÉ VITÓRIA DA CONQUISTA 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1 TÍTULO DO PROJETO 1.2 PROFESSOR ORIENTADOR DO PROJETO Nome Completo: Área

Leia mais

Francisco Valim MÉTODOS PRÁTICOS PARA RESULTADOS

Francisco Valim MÉTODOS PRÁTICOS PARA RESULTADOS MÉTODOS PRÁTICOS PARA RESULTADOS Francisco Valim ENTREVISTAFRANCISCO VALIM QUALITIN.COM.BR Uma pessoa disciplinada, mas também capaz de liderar estratégias agressivas de negócios para ver sua empresa progredir,

Leia mais

É fato! Histórico de BONS RESULTADOS

É fato! Histórico de BONS RESULTADOS Para concretizar tudo o que vivenciamos em 2015, nada melhor que verificar a opinião das, jovens e familiares que participaram da Fundação Gol de Letra durante o ano!! Escutar é dar voz! A Gol de Letra

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN UM ESTUDO DAS MULTIPLAS CAPACIDADES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM PARALISIA CEREBRAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FISICA Lilian Ravazzi Universidade Estadual de Londrina RESUMO Quando se fala em Paralisia Cerebral,

Leia mais

NOTA PROMISSÓRIA 11.1 NOÇÃO

NOTA PROMISSÓRIA 11.1 NOÇÃO 11 NOTA 11.1 NOÇÃO Enquanto a letra de câmbio é uma ordem de pagamento, porque através dela o signatário (sacador) do título requisita a uma pessoa (sacado) o pagamento de uma soma, a nota promissória

Leia mais

A EVOLUÇÃO COMERCIAL E SOCIETÁRIA NOS PAÍSES LUSÓFONOS: DA CARTA DE LEI DE 1888 ATÉ AOS

A EVOLUÇÃO COMERCIAL E SOCIETÁRIA NOS PAÍSES LUSÓFONOS: DA CARTA DE LEI DE 1888 ATÉ AOS VII ENCONTRO DE HISTÓRIA DA CONTABILIDADE ORDEM DOS TÉCNICOS OFICIAIS DECONTAS A EVOLUÇÃO COMERCIAL E SOCIETÁRIA NOS PAÍSES LUSÓFONOS: DA CARTA DE LEI DE 1888 ATÉ AOS NOSSOS DIAS ILÍDIO TOMÁSLOPES INSTITUTO

Leia mais

Ministério da Integração Nacional

Ministério da Integração Nacional Protocolo Conjunto para Proteção Integral a Crianças e Adolescentes, Pessoas Idosas e Pessoas com Deficiência em Situação de Riscos e Desastres Portaria Interministerial Nº 02 de 06 de Dezembro de 2012

Leia mais

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed Diretriz Nacional de Comunicação Sistema Unimed Diretriz de Comunicação Definição Política ou Diretriz de Comunicação é um processo articulado de definição de valores, objetivos, diretrizes, normas e estruturas,

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

Aditivo ao Termo de Compromisso de Recebimento de Cargas da Coleta Seletiva, anexo I ao Decreto Municipal n /2013.

Aditivo ao Termo de Compromisso de Recebimento de Cargas da Coleta Seletiva, anexo I ao Decreto Municipal n /2013. Aditivo ao Termo de Compromisso de Recebimento de Cargas da Coleta Seletiva, anexo I ao Decreto Municipal n 20.849/2013. Considerando que é dever do Poder Público e da coletividade a defesa e a preservação

Leia mais

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta NOTA TÉCNICA N. 0011/2013 Brasília, 08 de março de 2013. ÁREA: Educação TÍTULO: Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta REFERÊNCIA: PORTARIA Nº 152, DE 31 DE MAIO DE 2012

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN: A HORA DA NOTÍCIA. Isaías Emilio da Silva

SÍNDROME DE DOWN: A HORA DA NOTÍCIA. Isaías Emilio da Silva SÍNDROME DE DOWN: A HORA DA NOTÍCIA Isaías Emilio da Silva UM MOMENTO QUE NUNCA SERÁ ESQUECIDO Por Ana Beduschi Nahas, enfermeira e mãe de um rapaz com síndrome de Down Menino ou menina?" É a primeira

Leia mais

ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO ATRIBUIÇÕES

ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO ATRIBUIÇÕES ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO CARGO Auxiliar de Serviços Gerais I Merendeira I Fiscal de Obras e Edificações I ATRIBUIÇÕES Manter limpos os móveis, arrumar e manter limpos os locais de trabalho;

Leia mais

Sistema Tributário Nacional

Sistema Tributário Nacional A estrutura de um sistema tributário não se forma pelo lado da receita, mas do gasto público. Forma-se a partir da investigação de quais são os tributos necessários para a satisfação das necessidades coletivas.

Leia mais

Karla Muniz Belém Secretaria Estadual de Educação do Estado da Bahia (SEC/BA)

Karla Muniz Belém Secretaria Estadual de Educação do Estado da Bahia (SEC/BA) EDUCAÇÃO INCLUSIVA E A FAMÍLIA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA: ANÁLISE DOS ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO PERÍODO DE 2000 A 2016. Karla Muniz Belém Secretaria Estadual de Educação

Leia mais

UM PAÍS CHAMADO CLASSE MÉDIA A NOVA CLASSE MÉDIA E O MERCADO DE SEGUROS RENATO MEIRELLES

UM PAÍS CHAMADO CLASSE MÉDIA A NOVA CLASSE MÉDIA E O MERCADO DE SEGUROS RENATO MEIRELLES UM PAÍS CHAMADO CLASSE MÉDIA A NOVA CLASSE MÉDIA E O MERCADO DE SEGUROS RENATO MEIRELLES r e n a t o @ d a t a p o p u l a r. c o m. b r MAS ANTES DE TUDO, NÃO CUSTA LEMBRAR... 2 O QUE TODOS JÁ SABEM (OU

Leia mais

Notas para reflexão sobre a Economia de Moçambique. Carlos Nuno Castel-Branco Machava,

Notas para reflexão sobre a Economia de Moçambique. Carlos Nuno Castel-Branco Machava, Notas para reflexão sobre a Economia de Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco Machava, 27-01-2007 Estrutura da Apresentação Uma nota introdutória Uma questão de método Sobre a neutralidade da taxa de crescimento

Leia mais

Princípios da Administração Pública

Princípios da Administração Pública Princípios da Administração Pública PRINCÍPIO DA LEGALIDADE Conceito: Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei (art. 5º, II da CF). O Princípio da legalidade

Leia mais