Unidade I MOVIMENTOS SOCIAIS. Profa. Daniela Santiago

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade I MOVIMENTOS SOCIAIS. Profa. Daniela Santiago"

Transcrição

1 Unidade I MOVIMENTOS SOCIAIS CONTEMPORÂNEOS Profa. Daniela Santiago

2 Nessa disciplina estaremos realizando uma aproximação a questão dos movimentos sociais contemporâneos. Para isso estaremos nessa unidade estudando sobre o conceito de classe social, recuperando assim os principais movimentos sociais que foram se desenvolvendo no decurso histórico até a atualidade. Iremos nesse percurso histórico realizando um estudo considerando as experiências realizadas no âmbito internacional e também as que foram vivenciadas na realidade brasileira.

3 1. As teorias sobre as classes sociais e os sujeitos coletivos: Precisamos compreender o significado do termo "classe social", para que em seguida possamos entender a importância dos "sujeitos coletivos". 1.1 As diferentes abordagens contemporâneas sobre as classes sociais. Para que possamos compreender a noção de classe social iremos recorrer a duas formas de explicação sendo essas a explicação com base na teoria marxista e nas teorias norte-americanas.

4 O conceito de classe social segundo o Marxismo. Recorreremos a Marx e a outros teóricos que derivam do Marxismo. Principais apontamentos sobre o tema. Pierre Bourdieu desenvolve um conceito de classe social partindo de sociedade de classe, e a análise das classes sociais só pode ser feita se as diferenças culturais entre elas forem consideradas.

5 Modelo de Bourdieu proposto no modelo espacial: volume de capital, composição do capital, conversões de capital e com base ainda no chamado capital cultural. Thompson Apesar do econômico prevalecer, o simbólico é importante na difusão da cultura de classe. A classe se define segundo o modo como homens e mulheres vivem suas relações de produção e segundo a experiência de suas situações determinadas.

6 A principal mudança que ocorre é a questão da consciência de classe, que gera a luta de classes consciência em si e consciência para si. Construída por meio das experiências vividas pelos sujeitos. Síntese: observamos dois teóricos que provêm do marxismo e que trazem a reflexão, o conceito de classe social.

7 Interatividade Para Bourdieu a análise das classes sociais demanda: a) A compreensão crítica sobre os fenômenos que condicionam a totalidade. b) A compreensão das principais diferenças que demarcam as classes sociais. c) Uma revisão dos valores relacionados a sociedade patriarcal. d) Uma análise com base nas diferenças culturais que existe entre as classes sociais. e) Apenas uma visão da questão econômica, que é como vimos o que diferencia as classes sociais.

8 2. Conceituando movimentos sociais: movimentos sociais e classes sociais no Brasil. Iniciaremos nossa análise considerando o cenário internacional e na sequência estaremos realizando uma análise com o enfoque para a realidade brasileira. No cenário internacional: Pano de Fundo: Revolução Francesa (França) e Revolução Industrial (Inglaterra).

9 Partindo desses fenômenos temos a consolidação da dominação de uma classe sobre a outra revolução burguesa. Porém, motivou os demais segmentos a se colocarem contrários. Exemplos das primeiras organizações contrárias ao regime burguês: Comuna de Paris: conselho da comuna e queda da comuna.

10 Revolução Russa e Leninismo: poder assumido por representantes do movimento operário e ligados a Lenin. Síntese: vimos que houve uma série de movimentos sociais na esfera internacional e que colaboraram com a organização das classes sociais.

11 Interatividade A Revolução Russa: a) Estava relacionada ao empobrecimento de grande parcela da população. b) Não passou de uma disputa de poder entre Lênin e Marx. c) Destacou o surgimento dos molcheviques liderados por Lênin. d) Para Lênin não era necessário deter o poder político. e) Lênin defendeu que não era correto realizar a luta armada.

12 Nesse item, estaremos dando sequência a nossos estudos, ainda conhecendo experiências que aconteceram no âmbito internacional sobre os movimentos sociais. O primeiro movimento operário. Contexto histórico da Revolução Industrial. Os ludditas: Um grupo de artesãos, denominados ludditas ou quebradores de máquinas, invadiam as fábricas e destruíam as máquinas.

13 Houve intensa repressão ao movimento luddita. Contexto do trabalho artesão: envolvia aprendiz, jornaleiro e artesão. No período vivenciamos o mercantilismo: O Estado deveria intervir na economia, quando julgasse necessário; deter a tutela do monopólio do comércio; o governo era a favor do protecionismo alfandegário; o mercado por si só não dava conta de se regular; desqualificava-se o pensamento liberal burguês e concentrava seu lucro na circulação da mercadoria.

14 Mas o mercantilismo entrou em declínio e o que passou a figurar foi o liberalismo. Nesse contexto o sistema artesanal foi perdendo a importância frente a mecanização. Temos a partir de então um crescimento da população residente na zona urbana, sobretudo proveniente do êxodo rural. Se tornam mais latentes as diferenças sociais frente ao processo de urbanização.

15 Síntese: estudamos o movimento luddista que, na mais é do que a representação do resultado negativo que a nova ordem social trouxe a sobrevivência do ser humano.

16 Interatividade O movimento luddista: a) Fora formado por representantes do movimento operário. b) Representou a insatisfação dos artesãos com o processo de produção constituído. c) Defendia melhores condições de trabalho para mulheres e crianças. d) Tratou-se de um movimento religioso. e) Reivindicou o ensino laico.

17 Conceitos de movimentos sociais: Tem sua origem histórica no século XIX. Fim da recorrência apenas ao conhecimento religioso e surgimento do socialismo estimulam a compreensão diferenciada sobre a vida e motivam o surgimento dos movimentos sociais.

18 Assim sendo, surgem: dois momentos teórico-metodológicos de interpretação dos movimentos sociais: o modelo clássico marxista e o modelo contemporâneo. Modelo clássico marxista: materialismo histórico como ciência e o materialismo dialético como filosofia; para ele, o dever dos intelectuais não é apenas pensar a teoria, mas também pensar a ação; a práxis, que significa que o pesquisador deve pensar como se articula a prática social, ou seja, a ação do movimento social e popular.

19 Linhas de pesquisa sobre os movimentos sociais respaldada no marxismo: marxismo ortodoxo (estruturas econômicas); marxismo heterodoxo (histórico-humanista) e marxismo leninista (tomada do poder). Para um movimento social ser, de fato marxista é necessário: necessidade de organização e da comunidade de interesse de classe; a exigência de uma vanguarda para o movimento; o desenvolvimento de uma consciência de classe e de uma ideologia autônoma e uma proposta e um programa de transformação social.

20 Movimento contemporâneo: negação do marxismo, pautados em estudos culturalistas. Porém, para Touraine: análises devem privilegiar a identidade, a oposição, e a totalidade. Outras informações sobre os movimentos sociais: movimentos sociais clássicos primavera dos povos (Europa); era das revoluções individualismo e as teorias socialistas utópicas e socialismo científico (Marx).

21 Movimentos sociais no Brasil: Inconfidência Mineira. Os movimentos nativistas. Os movimentos separatistas. Síntese: observamos uma série de movimentos sociais, bem como teorias que fundamentam essas ações e acompanhamos alguns movimentos sociais brasileiros.

22 Interatividade Sobre os movimento separatistas que aconteceram no Brasil: a) Buscavam manter a relação com a metrópole. b) Foram desenvolvidos apenas na região nordestina. c) Tinham por objetivo a separação da metrópole. d) Foram organizados por tenentes. e) Tinham como idealizadores a população indígena.

23 ATÉ A PRÓXIMA!

Teorias socialistas. Capítulo 26. Socialismo aparece como uma reação às péssimas condições dos trabalhadores SOCIALISMO UTÓPICO ROBERT OWEN

Teorias socialistas. Capítulo 26. Socialismo aparece como uma reação às péssimas condições dos trabalhadores SOCIALISMO UTÓPICO ROBERT OWEN Capítulo 26 Socialismo aparece como uma reação às péssimas condições dos trabalhadores A partir de 1848, o proletariado procurava expressar sua própria ideologia As novas teorias exigiam a igualdade real,

Leia mais

Unidade II MOVIMENTOS SOCIAIS. Profa. Daniela Santiago

Unidade II MOVIMENTOS SOCIAIS. Profa. Daniela Santiago Unidade II MOVIMENTOS SOCIAIS CONTEMPORÂNEOS Profa. Daniela Santiago Dando seguimento a nossos estudos, estaremos agora orientando melhor nosso olhar para os movimentos sociais brasileiros, sendo que iremos

Leia mais

Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX. Profª Ms. Ariane Pereira

Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX. Profª Ms. Ariane Pereira Revoluções, ideias e transformações econômicas do século XIX Profª Ms. Ariane Pereira As transformações na Europa final do século XVIII Ideias Iluministas: liberdade e igualdade; Revolução Francesa estabeleceu

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

CAPÍTULO: 38 AULAS 7, 8 e 9

CAPÍTULO: 38 AULAS 7, 8 e 9 CAPÍTULO: 38 AULAS 7, 8 e 9 SURGIMENTO Com as revoluções burguesas, duas correntes de pensamento surgiram e apimentaram as relações de classe nos séculos XIX e XX: o Liberalismo e o Socialismo. O LIBERALISMO

Leia mais

A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR

A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR A ORDEM GEOPOLÍTICA BIPOLAR CAPITALISMO X SOCIALISMO Economia de mercado lei da oferta e procura; Propriedade privada dos meios de produção; Obtenção de lucro; Sociedade dividida em classes sociais; Trabalho

Leia mais

Aula ao vivo 21/03/2014 Pensamento Sociológico

Aula ao vivo 21/03/2014 Pensamento Sociológico Aula ao vivo 21/03/2014 Pensamento Sociológico 1) Através dos tempos o homem pensou sobre si mesmo e sobre o universo. Contudo, foi apenas no século XVIII que uma confluência de eventos na Europa levou

Leia mais

Curriculum Guide 11 th grade / História

Curriculum Guide 11 th grade / História Curriculum Guide 11 th grade / História Tema Conteúdo Habilidades Essential Questions 1) Era das Revoluções 1.1) Império Napoleônico 1.1a)Compreender o período napoleônico como uma época de consolidação

Leia mais

KARL MARX E A EDUCAÇÃO. Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2

KARL MARX E A EDUCAÇÃO. Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2 KARL MARX E A EDUCAÇÃO Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2 BIOGRAFIA Karl Heinrich Marx (1818-1883), nasceu em Trier, Alemanha e morreu em Londres.

Leia mais

TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX.

TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX. TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX 1. DEFINIÇÃO Ideais críticos ao capitalismo industrial. Crítica à propriedade privada (meios de produção). Crítica à desigualdade na distribuição

Leia mais

Qual é o ponto de humor da charge abaixo? SOCIALISMO

Qual é o ponto de humor da charge abaixo? SOCIALISMO Qual é o ponto de humor da charge abaixo? SOCIALISMO SOCIALISMO SOCIALISMO A História das Ideias Socialistas possui alguns cortes de importância. O primeiro deles é entre os socialistas Utópicos e os socialistas

Leia mais

Ideias e movimentos sociais e políticos no século XIX

Ideias e movimentos sociais e políticos no século XIX Ideias e movimentos sociais e políticos no século XIX O LIBERALISMO ECONÔMICO Adam Smith Pai da economia Obra: A riqueza das nações defesa da propriedade privada, livre iniciativa, livre contrato de trabalho,

Leia mais

EUROPA SÉCULO XIX. Revoluções Liberais e Nacionalismos

EUROPA SÉCULO XIX. Revoluções Liberais e Nacionalismos EUROPA SÉCULO XIX Revoluções Liberais e Nacionalismos Contexto Congresso de Viena (1815) Restauração do Absolutismo Princípio da Legitimidade Santa Aliança Equilíbrio Europeu -> Fim Sacro I. Romano Germânico

Leia mais

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS Unidade I FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O assistencialismo O conceito de assistencialismo estabelece uma linha tênue com o conceito de assistência,

Leia mais

Geografia - 6º AO 9º ANO

Geografia - 6º AO 9º ANO 5ª Série / 6º Ano Eixos norteadores Temas Conteúdo Habilidades Competências A Geografia como uma - Definição de Geografia - Noções de tempo e -Compreender processos - Identificar diferentes formas de representação

Leia mais

O Marxismo de Karl Marx. Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior

O Marxismo de Karl Marx. Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior O Marxismo de Karl Marx Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior Karl Marx (1818-1883). Obras principais: Manifesto Comunista (1847-1848). O Capital em 3 volumes.volume 1(1867) Volume 2 e 3 publicado por

Leia mais

TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX. h4p://historiaonline.com.br

TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX. h4p://historiaonline.com.br TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX 1. DEFINIÇÃO Ideais crílcos ao capitalismo industrial. CríLca à propriedade privada (meios de produção). CríLca à desigualdade na distribuição da

Leia mais

Movimentos Políticoideológicos XIX

Movimentos Políticoideológicos XIX Movimentos Políticoideológicos séc. XIX SOCIALISMO UTÓPICO Refere-se à primeira fase do pensamento socialista que se desenvolveu entre as guerras napoleônicas e as revoluções de 1848 ( Primavera dos povos

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnecuberaba.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Em tempos de humanidade desumanizada, de desordem sangrenta, nada deve

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Profª Karina Oliveira Bezerra Aula 05 Unidade 1, capítulo 5: p. 63 Unidade 8, capítulo 5: p. 455 Filme: Germinal

Profª Karina Oliveira Bezerra Aula 05 Unidade 1, capítulo 5: p. 63 Unidade 8, capítulo 5: p. 455 Filme: Germinal Profª Karina Oliveira Bezerra Aula 05 Unidade 1, capítulo 5: p. 63 Unidade 8, capítulo 5: p. 455 Filme: Germinal No século XIX, em decorrência do otimismo trazido pelas idéias de progresso (positivismo),

Leia mais

- Avanço das técnicas 2 Revolução industrial Impulso para o comércio internacional. - Ideologia do desenvolvimento positivismo e liberalismo

- Avanço das técnicas 2 Revolução industrial Impulso para o comércio internacional. - Ideologia do desenvolvimento positivismo e liberalismo - Avanço das técnicas 2 Revolução industrial Impulso para o comércio internacional - Ideologia do desenvolvimento positivismo e liberalismo - Surgimento da nova classe proletária grandes contrastes sociais

Leia mais

LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX

LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX MARX Nasceu em Tréveris (na época pertencente ao Reino da Prússia) em 5 de Maio de 1818 e morreu em Londres a 14 de Março de 1883. Foi filósofo, jornalista e revolucionário

Leia mais

Teoria de Karl Marx ( )

Teoria de Karl Marx ( ) Teoria de Karl Marx (1818-1883) Professora: Cristiane Vilela Disciplina: Sociologia Bibliografia: Manual de Sociologia. Delson Ferreira Introdução à Sociologia. Sebastião Vila Sociologia - Introdução à

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San.

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.org.br Os Teóricos TEM NO LIVRO, pág. 180 a 194 As primeiras críticas aos sistema capitalista surgiram pouco tempo depois da revolução industrial, na Europa.

Leia mais

10/03/2010 CAPITALISMO NEOLIBERALISMO SOCIALISMO

10/03/2010 CAPITALISMO NEOLIBERALISMO SOCIALISMO CAPITALISMO NEOLIBERALISMO SOCIALISMO Uma empresa pode operar simultaneamente em vários países, cada um dentro de um regime econômico diferente. 1 A ética não parece ocupar o papel principal nos sistemas

Leia mais

ESTRUTURA SOCIAL E ECONÔMICA Sociedade: Agrária Elite latifundiária (20%): detinha 80% das terras. Economia: Uma das economias mais atrasadas da

ESTRUTURA SOCIAL E ECONÔMICA Sociedade: Agrária Elite latifundiária (20%): detinha 80% das terras. Economia: Uma das economias mais atrasadas da REVOLUÇÃO RUSSA ESTRUTURA SOCIAL E ECONÔMICA Sociedade: Agrária Elite latifundiária (20%): detinha 80% das terras. Economia: Uma das economias mais atrasadas da Europa. BASE: agro-exportação. 2. POLÍTICA:

Leia mais

O CAPITALISMO ESTÁ EM CRISE?

O CAPITALISMO ESTÁ EM CRISE? O CAPITALISMO ESTÁ EM CRISE? Nildo Viana Professor da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás; Doutor em Sociologia; Autor de diversos livros, entre os quais, O Capitalismo na Era

Leia mais

KARL JENSEN E OS MOVIMENTOS SOCIAIS

KARL JENSEN E OS MOVIMENTOS SOCIAIS KARL JENSEN E OS MOVIMENTOS SOCIAIS Nildo Viana Sociólogo, Filósofo, Professor da Faculdade de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Goiás, Doutor em

Leia mais

O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea.

O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea. O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea. Professor: Danilo Borges A Idade Média não alterou substancialmente

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 Os exercícios deverão ser feitos no livro e / ou no caderno. Livro Didático: Língua Portuguesa

Leia mais

APONTAMENTOS PARA O ENTENDIMENTO DA HEGEMONIA DO CONCEITO DE AGRICULTURA FAMILIAR NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO

APONTAMENTOS PARA O ENTENDIMENTO DA HEGEMONIA DO CONCEITO DE AGRICULTURA FAMILIAR NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO APONTAMENTOS PARA O ENTENDIMENTO DA HEGEMONIA DO CONCEITO DE AGRICULTURA FAMILIAR NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO Marcos Antônio de Oliveira 1 INTRODUÇÃO: No campo das ciências sociais no Brasil

Leia mais

ILUMINISMO LUZ DA RAZÃO CONTRA AS TREVAS DA IGNORÂNCIA

ILUMINISMO LUZ DA RAZÃO CONTRA AS TREVAS DA IGNORÂNCIA ILUMINISMO LUZ DA RAZÃO CONTRA AS TREVAS DA IGNORÂNCIA Conceito: O Iluminismo foi um movimento ideológico do século XVIII, que defendeu a liberdade de expressão e o fim de todo regime opressor. O Iluminismo

Leia mais

Sociologia I Prof.: Romero. - Definição - Contexto - A. Comte - Durkheim

Sociologia I Prof.: Romero. - Definição - Contexto - A. Comte - Durkheim Sociologia I Prof.: Romero - Definição - Contexto - A. Comte - Durkheim Quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem Rosa Luxemburgo (1871-1919) [imaginação Sociológica] Ao utilizar este

Leia mais

A NECESSIDADE DO ESTUDO DO MARXISMO E DA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE

A NECESSIDADE DO ESTUDO DO MARXISMO E DA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE EDUCAÇÃO E MARXISMO A NECESSIDADE DO ESTUDO DO MARXISMO E DA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE A DOMINAÇÃO DE TEORIAS CONSERVADORAS NA ACADEMIA AS IDÉIAS DOMINANTES DE CADA ÉPOCA SÃO AS IDÉIAS DA CLASSE DOMINANTE

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SOCIOLOGIA. A Geografia Levada a Sério

FUNDAMENTOS DA SOCIOLOGIA.  A Geografia Levada a Sério FUNDAMENTOS DA SOCIOLOGIA 1 Eu não sei o que quero ser, mas sei muito bem o que não quero me tornar. Friedrich Nietzsche 2 PERFEIÇÃO Legião Urbana (1993) 3 A Sociologia É uma palavra com dois vocábulos

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL D1 Identificar a constituição de identidades culturais em diferentes contextos Identificar as diferentes representações sociais e culturais no espaço paranaense no contexto brasileiro. Identificar a produção

Leia mais

SOCIOLOGIA Autor e Responsável Técnico: Wellington de Oliveira Teixeira

SOCIOLOGIA Autor e Responsável Técnico: Wellington de Oliveira Teixeira Listagem de ALOCAÇÃO DE DISCIPLINAS NAS SALAS SOCIOLOGIA 2017/02 Autor e Responsável Técnico: Wellington de Oliveira Teixeira CÓDIGO TURMA DISCIPLINA SALA GSO00095 J1 Introdução à Sociologia P308 2ª 9h

Leia mais

É a base do desenvolvimento econômico mundial. Ocorre quando há transformação em algum bem, acabado ou semiacabado;

É a base do desenvolvimento econômico mundial. Ocorre quando há transformação em algum bem, acabado ou semiacabado; INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA DAS INDÚSTRIAS 1 Atividade Industrial É a base do desenvolvimento econômico mundial desde o século XVIII; Ocorre quando há transformação em algum bem, acabado ou semiacabado; Séc.

Leia mais

Revolução Industrial, Socialismo, Revolução Francesa e Napoleão

Revolução Industrial, Socialismo, Revolução Francesa e Napoleão Revolução Industrial, Socialismo, Revolução Francesa e Napoleão Revolução Industrial, Socialismo, Revolução Francesa e Napoleão 1. História O texto e a imagem apresentada fazem referência a um mesmo processo

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas A Teoria Crítica e as Teorias Críticas As Teorias Críticas Clássicas apresentam uma contestação aos métodos utilizados pelas pesquisas administrativas Têm o marxismo como base filosófica e ideológica Teoria

Leia mais

A RÚSSIA IMPERIAL monarquia absolutista czar

A RÚSSIA IMPERIAL monarquia absolutista czar A RÚSSIA IMPERIAL Desde o século XVI até a Revolução de 1917 a Rússia foi governada por uma monarquia absolutista; O rei era chamado czar; O czar Alexandre II (1818-1881) deu início, na metade do século

Leia mais

A Crítica Marxista ao Processo de Trabalho no Capitalismo

A Crítica Marxista ao Processo de Trabalho no Capitalismo A Crítica Marxista ao Processo de Trabalho no Capitalismo IGOR A. ASSAF MENDES O que iremos ver nesta aula? 1 Karl Marx: Breve Histórico 2 A compreensão do mundo pelas lentes Marxistas: materialismo histórico

Leia mais

(Uepg 2010) O liberalismo é uma corrente de pensamento econômico e político que se originou no século XVIII. A seu respeito, assinale o que for

(Uepg 2010) O liberalismo é uma corrente de pensamento econômico e político que se originou no século XVIII. A seu respeito, assinale o que for (Uepg 2010) O liberalismo é uma corrente de pensamento econômico e político que se originou no século XVIII. A seu respeito, assinale o que for correto. 01) A Riqueza das Nações, livro escrito pelo inglês

Leia mais

Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado. Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas.

Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado. Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas. Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas. 1 Do trabalho, segundo Marx Há uma frase de Marx nos Manuscritos de 1861-63

Leia mais

Seminários Estado e Regulação Apresentação do texto Após o liberalismo: em busca da reconstrução do mundo (2002), de Imannuel Wallerstein.

Seminários Estado e Regulação Apresentação do texto Após o liberalismo: em busca da reconstrução do mundo (2002), de Imannuel Wallerstein. Seminários Estado e Regulação Apresentação do texto Após o liberalismo: em busca da reconstrução do mundo (2002), de Imannuel Wallerstein. Sobre o autor Imannuel Wallerstein, nascido em 1930 na cidade

Leia mais

Planejamento Anual 2014 Geografia 1º período 2º ano - Ensino Fundamental I

Planejamento Anual 2014 Geografia 1º período 2º ano - Ensino Fundamental I Geografia 1º período Unidade 1 A identidade e o jeito de cada um. Pessoas e coisas têm nome. Somos diferentes. Unidade 2 Representando o seu corpo. Lateralidade. Unidade 3 De casa até a escola. Casa e

Leia mais

RESENHA CRÍTICA. OBRA RESENHADA: POLANYI, Karl. A subsistência do homem e ensaios correlatos. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 23 cm.

RESENHA CRÍTICA. OBRA RESENHADA: POLANYI, Karl. A subsistência do homem e ensaios correlatos. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 23 cm. RESENHA CRÍTICA OBRA RESENHADA: POLANYI, Karl. A subsistência do homem e ensaios correlatos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. 384 p. 23 cm. CREDENCIAIS DA AUTORA: Leandra Pereira da Silva é Graduanda

Leia mais

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA. Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017

ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA. Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017 ORIGEM DO ESTADO E FORMAS DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICA Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Junho de 2017 CONCEPÇÕES DA ORIGEM DO ESTADO Existem cinco principais correntes que teorizam a este respeito:

Leia mais

1º bimestre 3ª série Contemporânea Revoluções Russas Cap. 42 p Roberson de Oliveira

1º bimestre 3ª série Contemporânea Revoluções Russas Cap. 42 p Roberson de Oliveira 1º bimestre 3ª série Contemporânea Revoluções Russas Cap. 42 p. 404 Roberson de Oliveira 1. As transformações econômicas, sociais e políticas na ordem feudal-czarista Fatores e alguns efeitos: 1. Fatores

Leia mais

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 1 TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O ser humano trabalha quando cria a vida ou melhora as condições de vida. O trabalho transforma a natureza O trabalho também serve a estratificação está

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA

INTRODUÇÃO À ECONOMIA INTRODUÇÃO À ECONOMIA A economia é simultaneamente arte e ciência. Como ciência procura estabelecer as relações constantes existentes entre os fenômenos econômicos ; como arte, visa indicar os meios para

Leia mais

A Primeira Revolução Industrial XVIII

A Primeira Revolução Industrial XVIII A Primeira Revolução Industrial XVIII 1.0 - Fatores condicionantes para a Revolução Industrial inglesa. 1.1 - Séculos XVI a XVIII: Inglaterra como maior potência marícma colonial. 1.2 - Ampliação dos mercados

Leia mais

REVOLUÇÃO RUSSA. Monique Bilk História

REVOLUÇÃO RUSSA. Monique Bilk História REVOLUÇÃO RUSSA Monique Bilk História CONTEXTO Rússia Feudal até 1860. (XIX) Monarquia absolutista, teocrática Czarismo. Aristocracia rural. No começo do século XX, a Rússia era um país de economia atrasada

Leia mais

RESENHA: CAPITAL, PODER E DESIGUALDADE COMO FORÇAS ESTRUTURAIS CRÍTICAS DE LONGA DURAÇÃO NA AMÉRICA LATINA E CARIBE

RESENHA: CAPITAL, PODER E DESIGUALDADE COMO FORÇAS ESTRUTURAIS CRÍTICAS DE LONGA DURAÇÃO NA AMÉRICA LATINA E CARIBE RESENHA: CAPITAL, PODER E DESIGUALDADE COMO FORÇAS ESTRUTURAIS CRÍTICAS DE LONGA DURAÇÃO NA AMÉRICA LATINA E CARIBE HARRIS, R. L.; NEF, J. (eds). Capital, power, and inequality in Latin America and the

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO III. Karl Marx. Profa. Enimar

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO III. Karl Marx. Profa. Enimar EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO III Karl Marx Profa. Enimar As práticas liberais levaram alguns países nas últimas décadas do século XVIII e na primeira do Séc. XIX a elevados índices de crescimento econômico.

Leia mais

Marx e as Relações de Trabalho

Marx e as Relações de Trabalho Marx e as Relações de Trabalho Marx e as Relações de Trabalho 1. Leia os textos que seguem. O primeiro é de autoria do pensador alemão Karl Marx (1818-1883) e foi publicado pela primeira vez em 1867. O

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 8º ano Data: / /2017 Professor: Piero/Thales 1º semestre Nota: (valor: 2,0) a) Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os

Leia mais

SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIOM. Prof. Dieikson de Carvalho

SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIOM. Prof. Dieikson de Carvalho SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIOM Prof. Dieikson de Carvalho O estudo da Sociologia Por que estudar a sociedade em que vivemos? Não basta vivê-la? É possível conhecer a sociedade cientificamente? A sociologia

Leia mais

Curso de Serviço Social. Política Social : Fundamentos e História

Curso de Serviço Social. Política Social : Fundamentos e História ECSA Escola de Ciências Sociais Aplicadas Curso de Serviço Social Política Social : Fundamentos e História Palestrante: Professora Patricia Nicola 1 OBJETIVO O livro é uma excelente introdução teórica

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 57 SOCIALISMO: UTÓPICO E CIENTÍFICO

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 57 SOCIALISMO: UTÓPICO E CIENTÍFICO HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 57 SOCIALISMO: UTÓPICO E CIENTÍFICO Fixação 1) (PUC) Na segunda metade do século XIX, surgiu o socialismo científico, cujo teórico mais importante foi Karl Heinrich Marx. São

Leia mais

MARX. Prof. Fabiano Rosa de Magalhães

MARX. Prof. Fabiano Rosa de Magalhães MARX. Prof. Fabiano Rosa de Magalhães MARX Contexto A Perspectiva socialista se desenvolvia na Europa: autores como Thomas Paine (1737-1809), William Godwin (1756-1836) e Robert Owen (1771-1858) na Inglaterra;

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

Professor Guilherme Paiva. Ciências Sociais

Professor Guilherme Paiva. Ciências Sociais Professor Guilherme Paiva Ciências Sociais A sociologia como ciência: origens do pensamento sobre o social e Contexto histórico: desagregação da sociedade feudal; consolidação da civilização capitalista;

Leia mais

Unidade II PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS. Prof. José Junior

Unidade II PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS. Prof. José Junior Unidade II PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS EM SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior As demandas e as respostas da categoria profissional aos projetos societários Projetos societários são aqueles de determinada classe

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD - Coordenação de Processos Seletivos COPESE www.ufvjm.edu.br - copese@ufvjm.edu.br UNIVERSIDADE

Leia mais

Cipriano Barata,Pe. Agostinho Gomes, Luís Gonzaga das Virgens,João de Deus Lucas Dantas

Cipriano Barata,Pe. Agostinho Gomes, Luís Gonzaga das Virgens,João de Deus Lucas Dantas Inconfidência Mineira Minas Gerais, área principal da mineração aurífera 1789. Elitista Predomínio de mineradores, comerciantes, profissionais liberais, intelectuais e a alta burocracia; (maçonaria) Cláudio

Leia mais

Religião e Sociedade

Religião e Sociedade Religião e Sociedade A Religião, Crença e Ciência A secularização das sociedades modernas: passagem do regime religioso para o laico O conceito de religião e crença Religião, Filosofia e Ciência Objetivos

Leia mais

Sumário. Nota do Editor... xv Introdução: O quarto quadrante do círculo de Álvaro Vieira Pinto... 1

Sumário. Nota do Editor... xv Introdução: O quarto quadrante do círculo de Álvaro Vieira Pinto... 1 Sumário VOLUME I Nota do Editor.................................................. xv Introdução: O quarto quadrante do círculo de Álvaro Vieira Pinto............. 1 Parte Um Análise de algumas noções fundamentais

Leia mais

Resumo das aulas de Filosofia 2ª série do Ensino Médio/ 1 trimestre / 2 avaliação

Resumo das aulas de Filosofia 2ª série do Ensino Médio/ 1 trimestre / 2 avaliação Resumo das aulas de Filosofia 2ª série do Ensino Médio/ 1 trimestre / 2 avaliação O modo capitalista de produção O que caracteriza o modo de produção capitalista são as relações assalariadas de produção

Leia mais

RESOLUÇÃO SIMULADO 3 SÉRIE H6 TARDE 1º DIA 1BIM 2015 TIPO D

RESOLUÇÃO SIMULADO 3 SÉRIE H6 TARDE 1º DIA 1BIM 2015 TIPO D RESOLUÇÃO SIMULADO 3 SÉRIE H6 TARDE 1º DIA 1BIM 2015 TIPO D Resposta da questão 1: Resposta da questão 2: Resposta da questão 3: Resposta da questão 4: Resposta da questão 5: Resposta da questão 6: Resposta

Leia mais

RESOLUÇÃO SIMULADO 3 SÉRIE H5 TARDE 1º DIA 1BIM 2015 TIPO C

RESOLUÇÃO SIMULADO 3 SÉRIE H5 TARDE 1º DIA 1BIM 2015 TIPO C RESOLUÇÃO SIMULADO 3 SÉRIE H5 TARDE 1º DIA 1BIM 2015 TIPO C Resposta da questão 1: Resposta da questão 2: Resposta da questão 3: Resposta da questão 4: Resposta da questão 5: Resposta da questão 6: Resposta

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira Antecedentes Históricos da Administração Professor Maurício Teixeira Abordagens Mostrar a história Incipiente preocupação com a Administração na antiguidade Influencias da Administração Filosóficas Da

Leia mais

História geral normalmente referem a Revolução Francesa, e, nela, a tomada da Bastilha, em 1789, como o momento de viragem. Mas não parece errado que

História geral normalmente referem a Revolução Francesa, e, nela, a tomada da Bastilha, em 1789, como o momento de viragem. Mas não parece errado que INTRODUÇÃO Quanto mais nos aproximamos do estudo de um objecto, mais ele nos parece complexo, pois assim evidencia os seus diversos e por vezes contraditórios pormenores. O pensamento filosófico-político

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

Durkheim, Weber, Marx e as modernas sociedades industriais e capitalistas

Durkheim, Weber, Marx e as modernas sociedades industriais e capitalistas Durkheim, Weber, Marx e as modernas sociedades industriais e capitalistas Curso de Ciências Sociais IFISP/UFPel Disciplina: Fundamentos de Sociologia Professor: Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33)

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) PROFESSOR: Emiliano Glaydson de Oliveira TURMA: 9º Ano DISCIPLINA: História 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Unidade 2 Intervencionismo e autoritarismo no mundo em crise Cap. 4 O mundo no contexto

Leia mais

Interpretações sobre a noção de desenvolvimento em Marx: Uma revisão crítica

Interpretações sobre a noção de desenvolvimento em Marx: Uma revisão crítica Interpretações sobre a noção de desenvolvimento em Marx: Uma revisão crítica Seminários de Pesquisa PPED Rio, 13/10/2014 Patrick Galba de Paula 1) Objetivos do estudo Analisar as principais interpretações

Leia mais

Revolução Industrial

Revolução Industrial Revolução Industrial A Revolução (evolução) Industrial representou o uso da maquinofatura e a maturidade capitalista, graças à abundância de capitais acumulados e também de mão de obra. 1 Fases tecnológicas

Leia mais

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA Profº Ney Jansen Sociologia Ao problematizar a relação entre indivíduo e sociedade, no final do século XIX a sociologia deu três matrizes de respostas a essa questão: I-A sociedade

Leia mais

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD CANOAS, JULHO DE 2015 DISCIPLINA PRÉ-HISTÓRIA Código: 103500 EMENTA: Estudo da trajetória e do comportamento do Homem desde a sua origem até o surgimento do Estado.

Leia mais

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção de evolução social na compreensão deste sociólogo sobre

Leia mais

POSITIVISMO - Uma primeira forma de pensamento social - século XVIII

POSITIVISMO - Uma primeira forma de pensamento social - século XVIII POSITIVISMO - Uma primeira forma de pensamento social - século XVIII Primeira corrente teórica sistematizada de pensamento sociológico, seu representante Auguste Comte. Tentativa de derivar as ciências

Leia mais

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira Curso: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO CÓDIGO DRP30156 P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I HABILITAÇÃO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PERÍODO 3 CRÉDITOS 06 CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA LITERATURA CLÁSSICA E DA LITERATURA DE MASSA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO HUMANA

AS IMPLICAÇÕES DA LITERATURA CLÁSSICA E DA LITERATURA DE MASSA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO HUMANA AS IMPLICAÇÕES DA LITERATURA CLÁSSICA E DA LITERATURA DE MASSA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO HUMANA Larissa Quachio Costa (UNESP) lalaquachio@yahoo.com.br INTRODUÇÃO De acordo com György Lukács (1969), desde

Leia mais

A Questão da Transição. Baseado em Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engel.

A Questão da Transição. Baseado em Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engel. A Questão da Transição Baseado em Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engel. 1 Uma civilização em crise Vivemos num mundo assolado por crises: Crise ecológica Crise humanitária

Leia mais

REVOLUÇÃO RUSSA (1917): Do czarismo à U.R.S.S. PROFESSOR ESPECIALISTA HAROLDO TRAZÍBULO JR.

REVOLUÇÃO RUSSA (1917): Do czarismo à U.R.S.S. PROFESSOR ESPECIALISTA HAROLDO TRAZÍBULO JR. REVOLUÇÃO RUSSA (1917): Do czarismo à U.R.S.S. PROFESSOR ESPECIALISTA HAROLDO TRAZÍBULO JR. KARL MARX A revolução comunista é a ruptura mais radical com o regime tradicional de propriedade (...). O proletariado

Leia mais

O SOCIALISMO DEPOIS DE MARX

O SOCIALISMO DEPOIS DE MARX O SOCIALISMO DEPOIS DE MARX Contexto Histórico Século XVIII e XIX : a Revolução Industrial inicia-se na Inglaterra e se amplia por vários países europeus acirra as desigualdades sociais e estimula novos

Leia mais

REVOLUÇÃO RUSSA. Situação Política: Até início do séc. XX a Rússia ainda era um país Absolutista, governada por um Czar.

REVOLUÇÃO RUSSA. Situação Política: Até início do séc. XX a Rússia ainda era um país Absolutista, governada por um Czar. Antecedentes: REVOLUÇÃO RUSSA Situação Política: Até início do séc. XX a Rússia ainda era um país Absolutista, governada por um Czar. Situação Econômica: era um país extremamente atrasado, economia agrária,

Leia mais

Avaliação sob o prisma da ÉTICA. Descobre-se a ação de pessoas éticas, corrigindo abusos, evitando explorações e desmascarando injustiças.

Avaliação sob o prisma da ÉTICA. Descobre-se a ação de pessoas éticas, corrigindo abusos, evitando explorações e desmascarando injustiças. Slide 1 ética PROF a TATHYANE CHAVES SISTEMAS ECONÔMICOS Slide 2 SISTEMAS ECONÔMICOS Avaliação sob o prisma da ÉTICA Uma empresa pode operar simultaneamente em vários países, cada um dentro de um regime

Leia mais

Filosofia e Política

Filosofia e Política Filosofia e Política Aristóteles e Platão Aristóteles Política deve evitar a injustiça e permitir aos cidadãos serem virtuosos e felizes. Não há cidadania quando o povo não pode acessar as instituições

Leia mais

Aula 03 1B REVOLUÇÃO FRANCESA I

Aula 03 1B REVOLUÇÃO FRANCESA I APRESENTAÇÃO Aula 03 1B REVOLUÇÃO FRANCESA I Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA

Leia mais

Elementos para uma teoria libertária do poder. Felipe Corrêa

Elementos para uma teoria libertária do poder. Felipe Corrêa Elementos para uma teoria libertária do poder Felipe Corrêa Seminário Poder e Estado Florianópolis, março de 2012 DEFINIÇÕES DE PODER - Poder é toda probabilidade de impor a própria vontade numa relação

Leia mais

24/07/2014. As origens da Sociologia. A questão do conhecimento

24/07/2014. As origens da Sociologia. A questão do conhecimento Tema 1: O enfoque do Positivismo para a Educação Professora Ma. Mariciane Mores Nunes As origens da Sociologia Sociologia: ciência que explica a dinâmica das sociedades contemporâneas. Envolve: herança

Leia mais

Revolução Russa. Setor Aula 23 Revolução Russa Aula 23. Prof. Edu. 1 Antecedentes. 2 Revolução de Outubro (1917)

Revolução Russa. Setor Aula 23 Revolução Russa Aula 23. Prof. Edu. 1 Antecedentes. 2 Revolução de Outubro (1917) Aula 23 Revolução Russa 1 Antecedentes Setor 1606 2 Revolução de Outubro (1917) 3 Construção do Socialismo ealvespr@gmail.com 1.1 Antecedentes Czar Nicolau II Absolutismo Igreja Ortodoxa Monopólio do ensino

Leia mais

COD FCP de abril Apresentação do programa do curso. 4 de abril Somos livres para agir? Teoria da ação voluntária em Hobbes

COD FCP de abril Apresentação do programa do curso. 4 de abril Somos livres para agir? Teoria da ação voluntária em Hobbes UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO C E N T R O D E F I L O S O F I A E C I Ê N C I A S S O C I A I S I N S T I T U T O D E F I L O S O FI A E C I Ê N C I A S S O C I A I S D E P A R T A M E N T O D

Leia mais

DIFERENTES PERSPECTIVAS EPISTEMOLÓGICAS EM PESQUISA. Prof. Dto. Luiz Antonio de OLIVEIRA.

DIFERENTES PERSPECTIVAS EPISTEMOLÓGICAS EM PESQUISA. Prof. Dto. Luiz Antonio de OLIVEIRA. DIFERENTES PERSPECTIVAS EPISTEMOLÓGICAS EM PESQUISA Prof. Dto. Luiz Antonio de OLIVEIRA. PARADIGMAS DE INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO Pesquisar: Para quem? (sentido social) Por quê? (histórico) De qual lados

Leia mais