INQUÉRITO SOBRE O CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE TRÊS LAGOAS - MS SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INQUÉRITO SOBRE O CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE TRÊS LAGOAS - MS SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Odontologia e Curso de Medicina Veterinária Câmpus de Araçatuba INQUÉRITO SOBRE O CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE TRÊS LAGOAS - MS SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL Cláudia Souza e Silva Boraschi Médica Veterinária ARAÇATUBA -SP 2007

2 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Odontologia e Curso de Medicina Veterinária Câmpus de Araçatuba INQUÉRITO SOBRE O CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE TRÊS LAGOAS - MS SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL Cláudia Souza e Silva Boraschi Orientadora: Profa. Adj. Cáris Maroni Nunes Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia Unesp, Campus de Araçatuba, como parte das exigências para a obtenção do Título de Mestre em Ciência Animal (Medicina Veterinária Preventiva e Produção Animal). ARAÇATUBA -SP 2007

3 3 DADOS CURRICULARES DO AUTOR CLÁUDIA SOUZA E SILVA BORASCHI - nascida em Marília-SP no dia 26 de Junho de 1976, domiciliada em Três Lagoas-MS, formada em Medicina Veterinária pela Universidade de Marília no Ano de 1998, exercendo a função de clínica e cirurgia veterinária de pequenos animais desde de 1999 no município de Três Lagoas, Mato Grosso do Sul como Médica Veterinária autônoma.

4 4 É importante preparar o homem por meio de uma educação autêntica: uma educação que liberte, que não adapte, domestique ou subjugue (Paulo Freire)

5 5 Dedico esta pesquisa e a conclusão deste mestrado a todos os cães que tiveram suas vidas sacrificadas em nome da vida humana.

6 6 AGRADECIMENTOS A meus Pais que por suas intermináveis visitas a Três Lagoas para tomarem conta de minha casa e minha filha, tornaram possíveis tantos dias de ausência. Ao amigo e também médico veterinário Dr. José Mario Guerreiro que cuidou de meus pacientes em minha ausência profissional. A meu amigo e marido Rildo Boraschi, que em todos os momentos foi meu incentivador. À Profa. Luzia Helena de Queiroz por ter me recebido em minha primeira visita a esta faculdade sendo gentil e mostrado-me o caminho à minha orientadora. A minha orientadora porque, mesmo sem me conhecer, acreditou em mim e gastou horas, conhecimentos e muita boa vontade para que eu me tornasse Mestre. Obrigada!

7 7 SUMÁRIO CAPÍTULO I 10 Considerações Gerais 10 CÁPITULO II 18 ARTIGO CIENTÍFICO: LEISHMANIOSE VISCERAL: o que a população de Três Lagoas, MS, Brasil sabe sobre esta enfermidade? 18 Introdução 20 Material e métodos 21 Resultados 22 Discussão 25 Conclusão 27 Considerações finais 28 Referências Bibliográficas 29 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DA REVISÃO DE LITERATURA 32 PÓS TEXTO 37 Apêndices 37 Apêndice A: Questionário para os proprietários 38 Apêndice B: Questionários para os Clínicos Veterinários 39 Anexo: Normas para publicação do periódico 40 Anexo A: Cadernos de Saúde Pública 41

8 9 RESUMO Inquérito sobre o conhecimento da população da cidade de Três Lagoas - MS sobre leishmaniose visceral. A leishmaniose visceral (LV) é um importante problema de saúde pública e as medidas de prevenção preconizadas nem sempre são conhecidas pela população. Esta pesquisa avaliou, por meio da aplicação de um questionário, o conhecimento que a população de Três Lagoas, MS tem sobre esta zoonose. Dos 384 entrevistados, 100% afirmaram que já tinham conhecimento prévio da LV, 64,5% sabiam que é transmitida através do inseto vetor e 65,4% sabiam que a prevenção se dá evitando o criadouro deste. Observaram-se 93,5% de respostas para manutenção do quintal limpo como medida preventiva conhecida. Pelo menos um método de prevenção era utilizado no animal por 50,5% dos entrevistados e observou-se associação estatisticamente significante entre o grupo de proprietários cujos cães nunca apresentaram leishmaniose visceral canina e o grupo que fazia uso de alguma prevenção no animal (p=0,0006). Palavras-chave: Conhecimento, Epidemiologia, Leishmaniose Visceral, Prevenção e controle

9 10 SUMMARY Evaluation of the population s knowledge of Três Lagoas city, Mato Grosso do Sul, Brazil, on visceral leishmaniasis. Visceral Leishmaniasis (VL) is an important public health problem and the measures to prevent it are not always known by the population. This research evaluated the knowledge that the population of Três Lagoas, MS, Brazil has about this zoonosis. One hundred percent of the interviewed (384) had previous knowledge of the disease, 64.5% knew that a vector transmits it and 65.4% knew that the prevention is achieved by preventing vector s breeding sites. Maintenance of the backyard clean was informed by 93,5% as a known preventive measure. At least one preventive method was used in the animal by 51% of the interviewed ones and statically significant association between the group of owners whose dogs had never presented canine visceral leishmaniasis and owners that used some preventive method in the animal (p=0.0006) was observed. Keywords: Awareness, Epidemiology, Visceral Leishmaniasis, Prevention & control

10 11 Capítulo I Considerações Gerais A leishmaniose visceral é uma doença tropical de grande importância para a medicina humana e veterinária constituindo problema de saúde pública devido à alta incidência, letalidade e implicação econômica, com gastos provenientes de seu tratamento e depleção da força de trabalho. A doença está presente em cerca de 88 países, sendo 66 do velho mundo e 22 do novo mundo e apresentam algumas variações no ciclo epidemiológico, conforme a espécie do agente etiológico, a região geográfica considerada e as espécies de mamíferos susceptíveis (DESJEUX, 2004; FRANÇA-SILVA et al., 2005). A leishmaniose visceral (LV) faz parte de um conjunto de doenças causadas por um protozoário pertencente à ordem Kinetoplastida, família Trypanosomatidae e gênero Leishmania. A espécie Leishmania donovani é agente da leishmaniose visceral na África, Índia e China, Leishmania infatum, é agente da LV no Mediterrâneo e Oriente Médio, e Leishmania chagasi, agente da LV no continente americano (DESJEUX, 2004). A primeira descrição do parasito foi feita na Índia por William Boog Leishman, entretanto, o parasito foi confundido com Trypanosoma. Em 1908, na Tunísia, formas amastigotas foram detectadas em canídeos domésticos e Nicolle demonstrou que eles também eram hospedeiros intermediários. Em 1914, na Índia, comprovou-se que as áreas de incidência da doença coincidiam com as áreas de ocorrência de flebótomos. Entre 1936 e 1939, Evandro Chagas realizou estudos no Brasil que demonstraram a doença no homem e em cães e a infecção do flebótomo Lutzomyia longipalpis, que foi incriminado como provável vetor. O primeiro caso de LV diagnosticado em paciente vivo no Brasil foi feito em 1936, tendo sido relatado o primeiro surto de LV no Ceará, por Pessoa, em 1953 (MIRANDA-SÁ, 2006).

11 12 Estima-se que a incidência anual seja de cerca de 500 mil casos novos de leishmaniose visceral. A prevalência média é de 12 milhões de casos no mundo sendo que aproximadamente 90% dos casos ocorrem em cinco países: Índia, Bangladesh, Nepal, Sudão e Brasil, atingindo principalmente as populações pobres desses países. A forma epidemiológica zoonótica ocorre principalmente na América Latina, na Bacia do Mediterrâneo e na Ásia (ALVAR et al., 2006; DESJEUX, 2004). Nas Américas são registrados casos autóctones na Argentina, Bolívia, Colômbia, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Paraguai, Venezuela e Brasil, que responde por 90% dos casos que ocorrem no continente (MIRANDA-SÁ, 2006). No Brasil encontra-se distribuída no Nordeste (Maranhão, Bahia e Ceará), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo) e Centro Oeste (Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul) (LAINSON; RANGEL, 2005). Desde o primeiro registro da ocorrência da doença no Brasil, esta vem se mostrando como um crescente problema de saúde pública, sendo uma endemia em franca expansão geográfica. Inicialmente, a leishmaniose visceral foi descrita como uma doença esporádica, do ambiente silvestre ou rural, atingindo indiferentemente seres humanos ou cães que vivessem em contato próximo com a mata. A partir da década de 90, um novo modelo de ocorrência de leishmaniose visceral começou a ser percebido nos centros urbanos (LAINSON ; RANGEL, 2005). Um dos principais fatores responsáveis pelo aumento do número de casos de leishmaniose são as profundas transformações ambientais ocorridas nas últimas décadas as quais, aliadas a fatores sócio econômico que promovem a migração da população de áreas rurais para centros urbanos, contribuíram para a ocorrência dos ciclos urbanos (FRANÇA-SILVA et al., 2005). A urbanização é fenômeno novo e pouco se conhece sobre a epidemiologia da LV nestes focos, sendo a relação entre os componentes da cadeia de transmissão no ciclo urbano mais complexa e variada que no rural (GONTIJO; MELO, 2004). A transmissão da Leishmania sp. no Brasil se dá em dois hospedeiros: o vetor e um hospedeiro vertebrado. O vetor é representado por insetos dípteros,

12 13 da família Psychodidae, conhecidos como flebotomíneos, tendo como principal representante a Lutzomyia longipalpis, embora mais recentemente Lutzomyia cruzi também tenha sido observada como vetor no Estado do Mato Grosso do Sul (GALATI et al., 1997; GONTIJO; MELO, 2004; GRAMICCIA; GRADONI, 2005; MONTEIRO et al., 2005). Outros possíveis vetores no Brasil são a L. intermédia e a L. whitmani (LAINSON; RANGEL, 2005). Lutzomyia longipalpis é popularmente conhecido por mosquito palha, birigui ou cangalhinha. É pequeno, coberto de pêlos e de coloração clara (cor de palha ou castanho claro), facilmente reconhecível pelo seu comportamento ao voar em saltos e pousar com as asas entreabertas e ligeiramente levantadas, em vez de se cruzarem sobre o dorso. Vivem preferencialmente ao nível do solo, próximos a vegetação em raízes e/ou troncos de árvores, podendo ser encontrados em tocas de animais. Os flebotomíneos gostam de lugares com pouca luz, úmidos, sem vento e que tenham alimento por perto. De um modo geral, requerem temperaturas entre 20 e 30ºC, umidade superiores a 80% e presença de matéria orgânica para seu desenvolvimento. Ambos os sexos necessitam de carboidratos, que são extraídos da seiva de plantas como fonte energética sendo que as fêmeas precisam ingerir sangue para o desenvolvimento dos ovos (FRANÇA-SILVA et al., 2005). O ciclo de vida completo compõem-se das fases embrionária, larvária, pupa e adulto e o tempo de desenvolvimento do ovo ao adulto é de aproximadamente 30 a 40 dias em temperatura favorável. Temperaturas inferiores reduzem o crescimento larvário e a atividade do inseto adulto, prolongando o tempo do ciclo. As formas adultas estão adaptadas a diversos ambientes e têm atividade crepuscular e noturna. No domicílio e peridomicílio são encontradas próximas a fontes de alimento, ficando durante o dia em locais sombreados protegidos do vento e de predadores naturais (MIRANDA-SÁ, 2006). Lutzomyia longipalpis está presente em uma variedade de habitats, de água à rocha, tem capacidade de se adaptar ao ambiente peridoméstico particularmente em áreas rurais ou suburbanas com abundância de animais domésticos e animais de produção, ocasionando uma alta densidade dos flebotomíneos o que aumenta o risco de transmissão da

13 14 doença, particularmente em épocas de calor e chuva (FRANÇA-SILVA et al., 2005). O comportamento e hábitos alimentares de algumas espécies de flebotomíneos têm sido útil na compreensão da epidemiologia das leishmanioses. Estudo realizado no Município de Porteirinha (MG) indicou que Lutzomyia longipalpis é espécie oportunista, podendo sugar uma ampla variedade de vertebrados como gambá, roedor, cavalo, homem, cão e cachorro do mato (BARATA et al., 2005). Ao picar um vertebrado infectado o inseto ingere, junto com sangue, células parasitadas por formas amastigotas. As células infectadas rompem-se liberando formas amastigotas, que se multiplicam e se transformam em formas promastigotas. As formas promastigotas multiplicam-se rapidamente no trato digestivo do flebotomíneo e transformam-se em paramastigotas, que ficam aderidas ao epitélio do esôfago e faringe. Ao se soltarem do epitélio são livres e ágeis e se dirigem para a parte anterior do aparelho bucal, sendo a forma infectante do parasito. Quando o inseto realiza novo repasto sangüíneo, as formas promastigotas são inoculadas juntamente com a saliva, no início e durante a hematofagia. O ciclo no inseto dura cerca de 72 horas (MIRANDA-SÁ, 2006). Em modelos experimentais, as promastigotas se convertem em amastigotas nos macrófagos da pele, multiplicam-se e disseminam-se para fagócitos mononucleares através do sistema retículo endotelial. As células parasitadas mostram forte tendência a invadir baço, fígado e medula óssea (FRANÇA-SILVA et al.,2005; GALATI et al.,1997; GONTIJO; MELO, 2004; GRAMICCIA; GRADONI, 2005 ; MONTEIRO et al., 2005; SOUZA et al., 2004;). O hospedeiro vertebrado é representado por animais silvestres, como roedores, gambás, tamanduás, tatus, canídeos, primatas e preguiças; animais domésticos como cães, gatos e eqüinos e o homem (RICHARDS; ASHFORD, 1996). Entre as espécies animais que podem hospedar o agente etiológico a canina é a que aparentemente apresenta a maior importância epidemiológica, pois o cão convive e compartilha a habitação do homem (THOMÉ, 1999), possui elevada proporção de infecções inaparentes (RIBEIRO; MICHALICK, 2001) e apresenta maior quantidade de parasitos na pele. Os cães possuem

14 15 maior chance de se infectarem após o primeiro ano de vida, assim como há uma maior incidência da doença em cães de pelagem curta, condição esta que pode estar relacionada à barreira mecânica que a pelagem longa representa ao vetor (MOREIRA et al., 2003). A incidência da LV em cães também apresenta relação com a moradia destes perto de matas e quando compartilha o peridomicílio com galinhas, porcos e gambás, pois são animais importantes na manutenção da população de vetores no peridomicílio (MOREIRA et al., 2003; SILVA et al., 2005). As manifestações clínicas da doença no cão e no homem são similares e apresentam sinais inespecíficos, como febre irregular por longos períodos, anemia, perda progressiva de peso, apatia e caquexia em seu estágio final (FEITOSA, 2006). Alterações dermatológicas (alopecias, descamação furfurácea da pele, dermatite seborréica, piodermite periorbital, nódulos que podem ou não ulcerar, onicogrifose), insuficiência renal, alterações gastroentestinais como diarréias sanguinolentas, alterações oftalmológicas como uveíte e glaucoma e alterações neurológicas como tetraparesia, convulsões, mioclonias, andar em círculos, nistagmo, tremor de intenção, estrabismo, paralisia de mandíbula e ptose labial são sinais freqüentes (IKEDA et al., 2003; FEITOSA, 2006; THOMÉ, 1999). Os hospedeiros silvestres que representam maior risco de infecção para os cães ou humanos têm sido os didelfídeos ou gambás (Didelphis marsupiallis e/ou Didelphis albiventris), de ampla distribuição geográfica nas Américas, sendo de grande capacidade de domiciliação; o cachorro do mato Cerdocyon thous, encontrado na fronteira entre os Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul e no Nordeste (regiões de cerrado, caatinga e pantanal) e a raposa Lycalopex vetulus, que é encontrada no Brasil central (campos naturais, cerrado ou pantanal), foram descritas como naturalmente infectado pela L. chagasi e citadas em algumas áreas como envolvidas no ciclo da leishmaniose (BORASCHI; NUNES, 2007; CERQUEIRA et al., 2000; GONTIJO; MELLO, 2004). Outro hospedeiro silvestre potencialmente envolvido na leishmaniose é o roedor Rattus rattus, que é sinantrópico e de grande circulação, tendo sido

15 16 capturado dentro de habitações humanas em vários municípios, apresentando positividade para L. chagasi (DIAS et al., 2003; OLIVEIRA et al., 2005). Quanto aos animais domésticos como bovino, eqüino, asinino, caprino e principalmente suíno, ainda não tiveram seu papel como reservatório bem estabelecido, mas estas espécies são importantes para a manutenção da população de vetores, assim como as galinhas, pois a presença de galinheiros no peridomicílio aumenta a chance de transmissão da LV uma vez que permite a manutenção da população de vetores (MOREIRA et al., 2003). No Brasil três ciclos epidemiológicos distintos de LV podem ser identificados: o ciclo silvestre, o ciclo doméstico e o ciclo artificial epidêmico. No ciclo silvestre o vetor e reservatório habitam nichos ecológicos nos quais o homem ainda não interferiu. No Brasil os vetores silvestres são Lutzomyia longipalpis e Lutzomyia cruzi e os reservatórios são gambás, raposas e roedores. No ciclo doméstico os ambientes envolvidos são o rural, periurbano e/ou urbano, onde a leishmânia circula entre canídeos e gambás, que apesar de origem silvestre, são bem adaptados ao ambiente rural e urbano (sinantrópicos). Aqui o vetor se mantém e consegue se reproduzir nos domicílios, transmitindo a enfermidade para o homem e cães, assegurando a manutenção da infecção. O ciclo artificial epidêmico se dá de dois modos: quando cão e/ou homem penetram no ambiente silvestre são infectados por flebótomos e, no regresso para o domicílio (rural ou urbano), servem de fonte de infecção para os flebótomos do local, gerando novos focos, ou quando animais erráticos, infectados no ambiente silvestre, chegam nos arredores das fazendas e/ou sítios à procura de alimento e acabam servindo de fonte de infecção para os vetores peridomiciliares (MIRANDA-SÁ, 2006). O controle da leishmaniose visceral tem como objetivo principal interromper a cadeia de transmissão da doença em uma comunidade. A ocorrência de várias espécies de Leishmania, o contínuo aumento das afecções causadas por esses parasitos e as diferentes situações epidemiológicas encontradas, tanto em regiões rurais como em urbanas, vem requerendo a adoção de diferentes estratégias para o controle dessas endemias no Brasil. Essas medidas demandam estudos relacionados aos parasitos, insetos vetores,

16 17 fontes de infecção, aspectos clínicos, distribuição geográfica, fatores históricos e sócio-econômicos, integração dos serviços de saúde, tecnologias apropriadas de diagnóstico, tratamento e imunoprofilaxia. Finalmente, para o sucesso do controle, são requeridos esforços junto às comunidades humanas, envolvendo educação, provisão de informação, promoção da saúde e participação dessas comunidades no planejamento, desenvolvimento e manutenção dos programas adotados (MARZOCHI; MARZOCHI, 1994). No Brasil, as medidas de controle preconizadas pelo Ministério da Saúde se baseiam no diagnóstico precoce e tratamento adequado dos casos humanos; na redução do contato homem vetor através do combate ao inseto com inseticidas na área domiciliar e peridomiciliar e combate individual com uso de telas, mosquiteiros e repelentes, e o controle das condições propícias para desenvolvimento da população de flebotomíneos, além da identificação dos reservatórios domésticos do parasito e sua eliminação (BRASIL, 2006). O programa de eliminação de cães domésticos apresenta o menor suporte técnico-científico entre as três estratégias do programa de controle e as falhas observadas foram: 1) a falta de correlação espacial entre a incidência cumulativa de LV humana com a soroprevalência canina, 2) a demonstração teórica de que é um método pouco eficiente em comparação com as estratégias de controle vetorial, 3) a demonstração de que outros reservatórios podem ser fontes de infecção de L. chagasi, 4) a baixa eficiência dos testes sorológicos em detectar infecção canina e 5) a ausência de experiências anteriores que tenham demonstrado vantagens exclusivas da eliminação de cães (COSTA; VIEIRA, 2001). Além disto, devido a características socioeconômicas e culturais, a reposição da população eliminada é comum, tendo sido observada em 38,8% dos casos de área endêmica, em tempo mediano de 2,4 meses no município de Araçatuba, Estado de São Paulo (NUNES, 2007). As medidas preconizadas têm apresentado resultados controversos, demonstrando que muitos aspectos relacionados ao papel do cão na epidemiologia da LV ainda são desconhecidos, sugerindo a necessidade de uma reformulação das medidas empregadas para seu controle (SILVA et al., 2005).

17 18 A saúde e a doença, principalmente quando se trata das endemias, não são problemas isolados e individuais, são coletivos. Dependem de como um grupo de pessoas vive, como trabalha, como se alimenta, como mora e de seu poder aquisitivo (DIAS, 1998). As ações de promoção de saúde devem consideram os meios com que cada pessoa enfrenta suas necessidades e como, juntas, podem exercitar cidadania e serem capazes de produzir transformações em suas realidades (OLIVEIRA et al., 2007). De modo geral, nos países em desenvolvimento, as ações dirigidas para controlar determinado problema de saúde em uma população afetada ou exposta, deixam a educação popular de lado como medida sanitária concreta, constituindo-se um ponto débil dos programas de controle (GAMA et al, 1998). A Promoção de saúde é um processo de capacitação da comunidade para atuar na melhoria da sua qualidade de vida e saúde, onde é necessária uma participação efetiva da comunidade na eleição de prioridades, tomada de decisões e na elaboração e desenvolvimento de estratégias para alcançar melhor nível de saúde. O desenvolvimento pessoal e social pode ser conquistado pelo meio de informação, educação para a saúde e intensificação de habilidades que possibilitem a população exercer maior controle sobre sua própria saúde (OLIVEIRA et al., 2007). Assim a promoção da saúde é resultado de uma racional tomada de decisão quanto ao comportamento pessoal, o que pressupõe que o conhecimento esteja diretamente relacionado à mudança de comportamento.(oliveira, 2005). A presente pesquisa teve a intenção de avaliar o conhecimento que a população de Três Lagoas tem sobre leishmaniose visceral com o intuito de

18 19 fornecer subsídios às autoridades de saúde para ações de promoção de saúde que possam ser úteis para o controle desta zoonose.

19 20 Capítulo II- Leishmaniose visceral: o que a população de Três Lagoas, MS, Brasil sabe sobre esta enfermidade? Visceral leishmaniasis - what the population from the city of Três Lagoas, MS, Brazil knows about this disease? RESUMO A leishmaniose visceral (LV) é um importante problema de saúde pública e as medidas de prevenção preconizadas nem sempre são conhecidas pela população. Esta pesquisa avaliou, por meio da aplicação de um questionário, o conhecimento que a população de Três Lagoas, MS, tem sobre esta zoonose. Dos 384 entrevistados, 100% afirmaram que já tinham conhecimento prévio da LV, 64,5% sabiam que é transmitida através do inseto vetor e 65,4% sabiam que a prevenção se dá evitando o criadouro deste. Observaram-se 93,5% de respostas para manutenção do quintal limpo como medida preventiva conhecida. Pelo menos um método de prevenção era utilizado no animal por 50,5% dos entrevistados e observou-se associação estatisticamente significante entre o grupo de proprietários cujos cães nunca apresentaram leishmaniose visceral canina e o grupo que fazia uso de alguma prevenção no animal (p=0,0006). Observou-se ainda que o conhecimento não difere entre as classes econômicas, mas a adoção de medidas preventivas nos cães depende do poder aquisitivo da população. Descritores: Leishmaniose Visceral; Prevenção e controle; Conhecimento.

20 21 ABSTRACT Visceral leishmaniasis (VL) is an important public health problem and the measures to prevent it are not always known by the population. This research evaluated the knowledge that the population of Três Lagoas, MS, Brazil has about this zoonosis. One hundred percent of the interviewed (384) had previous knowledge of the disease, 64.5% knew that a vector transmits it and 65.4% knew that the prevention is achieved by preventing vector s breeding sites. Maintenance of the backyard clean was informed by 93,5% as a known preventive measure. At least one preventive method was used in the animal by 50,5% of the interviewed ones and statically significant association between the group of owners whose dogs had never presented canine visceral leishmaniasis and owners that used some preventive method in the animal (p=0.0006) was observed. Knowledge about the disease did not differ between the economically different classes but the adoption of preventive measures in the dogs depends on the economic condition. Keywords: Visceral Leishmaniasis; Prevention & control; Knowledge.

21 22 INTRODUÇÃO As leishmanioses são doenças endêmicas ocasionadas por protozoários do gênero Leishmania e registradas em 66 paises do velho mundo e 22 países do novo mundo 1, sendo de grande importância para a medicina humana e veterinária por constituir problema de saúde pública com a alta incidência, letalidade e implicações econômicas 2. A leishmaniose visceral (LV) é uma das formas clínicas e sua transmissão ocorre por meio dos flebotomíneos, cujo principal representante nas Américas, é a Lutzomyia longipalpis 3. O hospedeiro vertebrado é representado pelo homem e mamíferos domésticos ou silvestres sendo o cão a espécie de maior importância epidemiológica 4. A LV encontra-se em expansão no Brasil, ocorrendo de casos de leishmaniose visceral em 19 estados brasileiros, sendo que nos estados da região centro oeste e sudeste a expansão é decorrente principalmente dos ciclos urbanos. A urbanização da doença é um fenômeno novo onde a relação entre os componentes da cadeia de transmissão é mais complexa e variada do que no rural 4. Os principais determinantes dos níveis epidêmicos da LV nos grandes centros têm sido o convívio muito próximo entre o homem e o reservatório, o aumento da densidade do vetor, o desmatamento acentuado e o constante processo migratório 3. As medidas de controle da LV no Brasil têm se baseado no diagnóstico precoce e tratamento de casos humanos; na redução do contato homem-vetor e na identificação e eliminação do reservatório canino 5, além da educação em saúde 2. Em se tratando de endemias, a saúde e a doença não são problemas isolados e individuais, são coletivos e dependem de como um grupo de pessoas vive, trabalha, como se alimenta, como mora, seu poder aquisitivo 6, e de sua participação na comunidade para a resolução de problemas. Assim, a presente pesquisa teve como objetivo avaliar o conhecimento que a população de Três

22 23 Lagoas, MS, tem sobre a leishmaniose visceral, visando fornecer subsídios ou novas perspectivas ao controle da doença. MATERIAL E MÉTODOS A pesquisa foi realizada no Município de Três Lagoas, localizado no Estado de Mato Grosso do Sul, ( de latitude sul e longitude oeste), com população humana estimada, em 2006, em habitantes (IBGE) e população animal de cães e gatos. A ocorrência da leishmaniose visceral humana em Três Lagoas, desde de seu aparecimento em 2001 até março de 2007, foi de 268 casos humanos, com 35 óbitos. A porcentagem de positividade canina no ano de 2006 foi de 22,9% (2.745 /12.000) O tamanho da amostra (384) foi calculado considerando-se nível de confiança de 95% e uma proporção populacional de 50% com algum conhecimento sobre LV 7. Para a coleta de dados utilizou-se o método de entrevistas individuais tendo sido entrevistado um indivíduo adulto de cada domicílio com presença de cães, após consentimento esclarecido, em número proporcional à porcentagem de domicílios existentes nos bairros. Um questionário sobre a ocorrência prévia de leishmaniose visceral canina nos cães do domicílio e as medidas de prevenção para o meio ambiente e para os cães foi aplicado por veterinário e um auxiliar treinado, contendo questões de múltipla escolha, onde o indivíduo tinha acesso às respostas e podia escolher uma ou mais alternativa. As entrevistas foram feitas de junho a dezembro de Esta pesquisa teve aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Odontologia da UNESP, campus de Araçatuba. A associação entre variáveis foi avaliada por meio do teste do 2 ou teste exato de Fisher, com auxílio do programa GraphPad Instat 3. Adotou-se nível de significância de 5%.

23 24 RESULTADOS Todos os entrevistados (384) afirmaram que já tinham conhecimento prévio da leishmaniose visceral embora apenas 4,4% (17/384) tenham reconhecido a presença do flebótomo no domicílio. A idade média dos entrevistados foi de 35,8 anos. Dos 384 entrevistados, 353 forneceram informações sobre grau de instrução resultando em 30,6% com ensino médio; 291 forneceram informações sobre a renda familiar e destes, 64,3% ganhavam até 03 salários mínimos. Dentre os entrevistados, 73,2% (281/384) nunca tiveram animal com leishmaniose visceral enquanto que 26,0% (100/384) tiveram animais positivos para LV. Em relação ao modo de transmissão, 1,8% (7/384) não sabiam como a leishmaniose visceral é transmitida e 0,8% (3/384) não responderam à pergunta. A maior parte dos entrevistados, (64,5%) sabia que a LV é transmitida pela picada do mosquito e 26,0% (100/381) acreditavam que a transmissão acontece quando há a presença do cão doente e o mosquito. Da mesma, forma 65,4% (251/384) sabiam que a prevenção é feita evitando o criadouro do inseto e 27,6% (106/384) achavam que também se deve evitar o cão doente. Ao serem questionados sobre quais medidas citadas no questionário conheciam como prevenção da leishmaniose, observou-se que 93,5% (359/384) dos entrevistados responderam a manutenção do quintal limpo, 74,5% (286/384) o recolhimento das fezes dos animais diariamente, 61,5% (236/384) o recolhimento de frutos e folhas diariamente e 56,5% (217/384) responderam manter o recipiente de lixo sempre tampado. Na associação feita entre o ambiente e sua influência na ocorrência prévia de leishmaniose visceral canina (LVC) nos animais do domicílio, houve diferença estatisticamente significante na não manutenção do latão de lixo tampado (p=0,0012).

24 25 Dos métodos de prevenção de uso no animal citados no questionário, 51,0% (194/382) dos entrevistados utilizava algum tipo de prevenção, enquanto que 49,5% (189/382) não faziam uso de nenhum dos métodos de prevenção (Tabela 1). Tabela 1 Número e porcentagem (%) de respostas dadas segundo o método utilizado para a prevenção da leishmaniose visceral em Três Lagoas, MS. Prevenção utilizada Entrevistados Número % Nenhum método ,5 Banho semanal 66 17,3 Mais de um método 59 15,4 Uso de citronela tópica 22 5,8 Vacinação 21 5,5 Uso de coleira repelente 12 3,1 Uso de spray repelente 6 1,6 Plantio de citronela 5 1,3 Uso de piretroíde no dorso 2 0,5 questionários sem resposta - 2 Observou-se diferença estatisticamente significante para o grupo com renda maior que seis salários mínimos quando comparado ao grupo com renda de até três salários mínimos, para o uso de coleira repelente (p=0,0004), uso de citronela tópica (p<0,0001) e vacinação contra leishmaniose (p<0,0001). Dos entrevistados, 4,7% (18/384) faziam uso de telas protetoras, sendo que destes, somente 11,1% (2/18) utilizavam tela de malha fina. Não houve associação estatisticamente significante entre o relato de terrenos baldios limpos ou sujos, presença de chácara com plantas ou pomar e comércio na vizinhança dos domicílios com a ocorrência prévia de positividade para leishmaniose visceral canina. Da mesma forma não houve diferença estatisticamente significante entre o relato da presença de animais domésticos como o gato ou de produção (cavalo e galinha) no peridomicílio com a ocorrência prévia de positividade dos cães. Dentre os animais sinantrópicos

INQUÉRITO SOBRE O CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE TRÊS LAGOAS - MS SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL

INQUÉRITO SOBRE O CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE TRÊS LAGOAS - MS SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Odontologia e Curso de Medicina Veterinária Câmpus de Araçatuba INQUÉRITO SOBRE O CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE TRÊS LAGOAS

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

LEISHMANIOSES. Afonso Heusser Jr.*

LEISHMANIOSES. Afonso Heusser Jr.* LEISHMANIOSES Afonso Heusser Jr.* As leishmanioses compreendem um grupo de doenças zoonóticas causadas por protozoários flagelados heteroxenos, pertencentes ao gênero Leishmania (Protozoa, Kinetoplastida,

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Mossoró/RN no período de a 8. PUBVET, Londrina, V., N., Ed. 8, Art.,. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Análise dos casos de leishmaniose visceral humana residentes em Mossoró/RN

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LEISHMANIOSE EM CÃES ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DE ANDRADINA SP

PREVALÊNCIA DE LEISHMANIOSE EM CÃES ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DE ANDRADINA SP 36 CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHO ORIGINAL PREVALÊNCIA DE LEISHMANIOSE EM CÃES ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DE ANDRADINA SP PREVALENCE OF LEISHMANIASIS IN DOGS EXAMINED

Leia mais

Eutanásia para cães com leishmaniose é polêmica 4

Eutanásia para cães com leishmaniose é polêmica 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 4 Lílian Maria 1 Nielson Valério Ribeiro Pinto 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista de Sousa Nétto

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA E CONTROLE DAS LEISHMANIOSES

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA E CONTROLE DAS LEISHMANIOSES CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA E CONTROLE DAS LEISHMANIOSES Francisco Bergson Pinheiro Moura Médico Veterinário bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura@live.com Leishmaniose Visceral ( Calazar

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=618>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Leishmaniose tegumentar americana em cão da raça Cocker Spainel proveniente da área

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA VIGILÂNCIA DE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA VIGILÂNCIA DE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE ZOONOSES E ENTOMOLOGIA

Leia mais

Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras

Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras Virginia Ragoni de Moraes Correia (virginia@dpi.inpe.br) Marilia

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

LEISHMANIOSE VISCERAL

LEISHMANIOSE VISCERAL LEISHMANIOSE VISCERAL LUPPI, Thais SIMEONE, Ana Paula Pombo Acadêmico da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED/ ACEG PICCININ, Adriana Docente da Faculdade de Medicina Veterinária

Leia mais

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES *

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES * ZOONOSES * São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. * Médico alemão Rudolf Wirchow(século XIX) Fco Eugênio D. de Alexandria Infectologista Zoon = animal

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012

PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 CENTROS DE CONTROLE DE ZOONOSES Sua implantação e capacidade de ação dependem de diversos

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA - CSSF PROJETO DE LEI Nº 1.738, DE 2011. (VOTO EM SEPARADO DEPUTADO ODORICO MONTEIRO PT/CE)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA - CSSF PROJETO DE LEI Nº 1.738, DE 2011. (VOTO EM SEPARADO DEPUTADO ODORICO MONTEIRO PT/CE) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA - CSSF PROJETO DE LEI Nº 1.738, DE 2011. (VOTO EM SEPARADO DEPUTADO ODORICO MONTEIRO PT/CE) Dispõe sobre a Política Nacional de Vacinação contra a Leishmaniose animal.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Geraldo Resende) Dispõe sobre a Política Nacional de Vacinação contra a Leishmaniose animal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica instituída a Política Nacional

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 28 (IDB-28) TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES SUMÁRIO Introdução... 1 Aids... 2 Dengue... 7 Leishmaniose Visceral... 11 Leishmaniose Tegumentar Americana...

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO E ESTUDO DA LEISHMANIOSE VISCERAL EM MONTES CLAROS-MG 1

ESPACIALIZAÇÃO E ESTUDO DA LEISHMANIOSE VISCERAL EM MONTES CLAROS-MG 1 ESPACIALIZAÇÃO E ESTUDO DA LEISHMANIOSE VISCERAL EM MONTES CLAROS-MG 1 Bruna Andrade Laughton brunalaughton@yahoo.com.br Sandra Célia Muniz Magalhães sandramunizgeo@hotmail.com João Victor Souto de Oliveira

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE TAVIRA LEISHMANIOSE

CÂMARA MUNICIPAL DE TAVIRA LEISHMANIOSE LEISHMANIOSE Definição As leishmanioses são doenças parasitárias causadas por parasitas intracelulares pertencentes ao género Leishmania. A maioria das leishmanioses são zoonoses 1, daí a sua importância

Leia mais

A experiência do município de Paraty (Rio de Janeiro, Brasil) na prevenção e controle da leishmaniose tegumentar americana

A experiência do município de Paraty (Rio de Janeiro, Brasil) na prevenção e controle da leishmaniose tegumentar americana Parasitol Latinoam 59: 110-114, 2004 FLAP ARTÍCULO ORIGINAL A experiência do município de Paraty (Rio de Janeiro, Brasil) na prevenção e controle da leishmaniose tegumentar americana CAROLINA M. DA COSTA*,

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012

Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012 CUIDADOS BÁSICOS COM CÃES E GATOS Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012 INTRODUÇÃO Relação animais seres humanos positiva ou negativa Formas de convivência:

Leia mais

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão?

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? Perguntas frequentes 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente,

Leia mais

27/02/2014. Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; PROTOZOÁRIOS E ALGAS

27/02/2014. Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; PROTOZOÁRIOS E ALGAS PROTOZOÁRIOS E ALGAS Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; Locomoção por meio de pseudópodes; Vida livre ou parasitas; Vacúolo pulsátil

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS 1. Caracterização da situação anterior: Cidade polo da região sudoeste de Mato Grosso do Sul, Jardim está situado na região da Serra da Bodoquena no entroncamento

Leia mais

Leishmaniose visceral americana: situação atual no Brasil Leishmaniasis: current situation in Brazil

Leishmaniose visceral americana: situação atual no Brasil Leishmaniasis: current situation in Brazil Atualização Leishmaniasis: current situation in Brazil Waneska Alexandra Alves Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Secretaria de Vigilância em Saúde.

Leia mais

0101 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS

0101 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS QUESTÃO 01 Especifique qual o Vetor natural da DENGUE: A) O Homem; B) O macaco criado no convívio urbano; C) Somente a espécie sagui; D) Aedes aegypti. QUESTÃO 02 A Dengue é conhecida como uma doença:

Leia mais

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO Elidiane dos Santos CIRILO¹, Emilly Maria de Lima OLIVEIRA¹, Fábio José Targino

Leia mais

PROTOZOOSES. Doenças causadas por protozoários

PROTOZOOSES. Doenças causadas por protozoários PROTOZOOSES Doenças causadas por protozoários DOENÇA DE CHAGAS Agente etiológico: Trypanossoma cruzi Vetor: Triatoma infestans (barbeiro ou chupança). Complicações: Insuficiência e arritimia cardíaca (crônica)

Leia mais

Proposta de Vigilância Epidemiológica da Paracoccidioidomicose

Proposta de Vigilância Epidemiológica da Paracoccidioidomicose MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS UNIDADE DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIAS

Leia mais

EXPANSÃO DA LEISHMANIOSE E PERDA DE BIODIVERSIDADE

EXPANSÃO DA LEISHMANIOSE E PERDA DE BIODIVERSIDADE PROBIO II EXPANSÃO DA LEISHMANIOSE E PERDA DE BIODIVERSIDADE Drª CELESTE SOUZA LAB. DE IMUNOMODULAÇÃO E PROTOZOOLOGIA INSTITUTO OSWALDO CRUZ - RJ Leishmanioses Representam um complexo de doenças que afetam

Leia mais

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI INTRODUÇÃO A dengue é uma doença infecciosa febril aguda benigna na maior parte dos casos. É causada pelo vírus do

Leia mais

de Aguiar 2 1-FUNASA / 2- FIOCRUZ / 3-MNRJ RESUMO

de Aguiar 2 1-FUNASA / 2- FIOCRUZ / 3-MNRJ RESUMO Fauna Flebotomínica (Díptera: Psychodidae, Phlebotominae), da Fazenda São José, Município de Carmo, RJ, Brasil. João Ricardo Carreira Alves 1,2, Janira Martins Costa 3, Vanessa Rendeiro 2 & Gustavo Marins

Leia mais

PROTOZOOSES. Prof.: Eduardo Borges

PROTOZOOSES. Prof.: Eduardo Borges PROTOZOOSES PROTOZOOSES Prof.: Eduardo Borges Protozooses 1. Amebíase 2. Giardíase 3. Doença de Chagas 4. Leishmaniose 5. Malária 6. Toxoplasmose 7. Tricomoníase 8. Doença do sono 9. Balantidiose 1. Amebíase

Leia mais

FABIOLA VIVIANE BARBOSA SALES DA COSTA

FABIOLA VIVIANE BARBOSA SALES DA COSTA 1 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE SISTEMAS E SERVIÇOS DE SAÚDE FABIOLA VIVIANE BARBOSA SALES DA COSTA REALIZAÇÃO DE INQUERITO SOROLÓGICO CANINO NO

Leia mais

OBSERVAÇÕES SOBRE A TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

OBSERVAÇÕES SOBRE A TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL OBSERVAÇÕES SOBRE A TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Oswaldo Paulo Forattini * Ernesto Xavier Rabello * Oswaldo Pinto Serra** Maria das Dores Cotrim * Eunice Aparecida

Leia mais

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE.

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. AUTORES:Madureira, M.L 1.; Oliveira, B.C.E.P.D 1.; Oliveira Filho, A. M. 2 ; Liberto, M.I.M. 1 & Cabral, M. C. 1. INSTITUIÇÃO( 1 - Instituto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 14 DE MAIO Das 14 às 17: 30 horas 3 horas e 30 minutos de duração 30 QUESTÕES AGENTES COMUNITÁRIOS

Leia mais

O Mosquito Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti O Mosquito Aedes aegypti MOSQUITO A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é a fêmea, pois o macho apenas se alimenta de carboidratos extraídos

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE MAPA DE ENDEMIAS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM POLÍTICA PÚBLICA EM SAÚDE E VIGILÂNCIA EM MEIO AMBIENTE: O CASO MUNICÍPIO DE PARACAMBI/RJ

COMPOSIÇÃO DE MAPA DE ENDEMIAS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM POLÍTICA PÚBLICA EM SAÚDE E VIGILÂNCIA EM MEIO AMBIENTE: O CASO MUNICÍPIO DE PARACAMBI/RJ COMPOSIÇÃO DE MAPA DE ENDEMIAS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM POLÍTICA PÚBLICA EM SAÚDE E VIGILÂNCIA EM MEIO AMBIENTE: O CASO MUNICÍPIO DE PARACAMBI/RJ Duarte, Maria Aparecidade (*), Domiciano, Giselli

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Nota Técnica Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Yellow Fever in Brazil: Recommendations for Surveillance, Prevention and

Leia mais

CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO SOBRE TRANSMISSÃO E MEDIDAS DE PREVENÇÃO PARA DENGUE E FEBRE AMARELA

CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO SOBRE TRANSMISSÃO E MEDIDAS DE PREVENÇÃO PARA DENGUE E FEBRE AMARELA DE PREVENÇÃO PARA DENGUE E FEBRE AMARELA POPULATION S KNOWLEDGE ABOUT TRANSMISSION AND PREVENTION OF DENGUE AND YELLOW FEVER MÔNICA ANDRADE DE CARVALHO*, ELISABETH FRANÇA**, ARI DE PINHO TAVARES***, MARCELO

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Estudo da fauna dos triatomíneos recebidos no laboratório de entomologia do centro de controle de zoonoses no Município de Mossoró/RN Zuliete Aliona

Leia mais

PROTISTAS. Algas e protozoários

PROTISTAS. Algas e protozoários PROTISTAS Algas e protozoários Protozoários Organismos eucariontes, unicelulares, heterótrofos e com capacidade de locomoção. Célula procarionte Célula eucarionte 4 grupos principais: protozoários amebóides

Leia mais

Aula 21 Protozoários parasitas

Aula 21 Protozoários parasitas Aula 21 Protozoários parasitas Os protozoários são seres unicelulares, eucariontes e podem ser parasitas ou de vida livre. As células dos protozoários executam todas as funções vitais que nos grupos animais

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

Saiba o que é a Leishmaniose

Saiba o que é a Leishmaniose LEISHMANIOSE CANINA- O que todos devem saber ProAnima Associação Protetora dos Animais do DF SHCN CL 214 Bl. C Loja 56 Subsolo Brasília DF 70873-530 Tel: 61 3032-3583 Entidade sem fins lucrativos CNPJ

Leia mais

Associação Protetora dos Animais do DF LEISHMANIOSE NÃO! PROTEJA SEU CÃO. O que todos devem saber para proteger seus animais e sua família.

Associação Protetora dos Animais do DF LEISHMANIOSE NÃO! PROTEJA SEU CÃO. O que todos devem saber para proteger seus animais e sua família. Associação Protetora dos Animais do DF LEISHMANIOSE NÃO! PROTEJA SEU CÃO O que todos devem saber para proteger seus animais e sua família. 2 Introdução No passado, a Leishmaniose visceral era uma doença

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640 MUNICÍPIO DE PORTÃO População: 28583 (Censo IBGE 2007) Imóveis: 9981 (Censo IBGE 2007) Agentes de Endemias: 4 agentes Dpt VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL ENDEREÇO: Rua 09 de Outubro, 313 3 Andar TELEFONE:

Leia mais

Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com ou

Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com ou Professor Fernanda & Suellen Disciplina Biologia Lista nº 2 Assuntos Biomédicas Lista ENEM complemento do projeto UERJ Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA: o lúdico na conscientização

LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA: o lúdico na conscientização LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA: o lúdico na conscientização Marlon Patrik Costa Moreira Marina Neiva Alvim RESUMO A leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença infecciosa e não contagiosa que

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010.

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. Larissa de Oliveira Abrantes 1 ; Amanda Cristina Souza

Leia mais

DEBORA MIEKO YAMAMOTO CARACTERIZAÇÃO DOS DETERMINANTES ECOPARASITOLÓGICOS DA LEISHMANIOSE VISCERAL HUMANA NO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE, MS

DEBORA MIEKO YAMAMOTO CARACTERIZAÇÃO DOS DETERMINANTES ECOPARASITOLÓGICOS DA LEISHMANIOSE VISCERAL HUMANA NO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE, MS DEBORA MIEKO YAMAMOTO CARACTERIZAÇÃO DOS DETERMINANTES ECOPARASITOLÓGICOS DA LEISHMANIOSE VISCERAL HUMANA NO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE, MS CAMPO GRANDE 2011 DEBORA MIEKO YAMAMOTO CARACTERIZAÇÃO DOS DETERMINANTES

Leia mais

Subprojeto Ciências Biológicas

Subprojeto Ciências Biológicas 2 Estrutura do de O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID - tem o objetivo de incentivar a formação de professores para a Educação Básica. Enquanto Programa de Iniciação à Docência,

Leia mais

Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil

Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil Artigo Original Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil Epidemiological aspects of American Cutaneous Leishmaniasis in the city of Juína,

Leia mais

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014 Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya 1. Características da doença A Febre do Chikungunya (CHIKV) é uma doença causada por

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX.

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX. Plano de Vigilância da Febre do Nilo Ocidental Direcção Geral de Veterinária Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal PORTUGAL Página 1 de 6 Plano de Vigilância Febre do Nilo Ocidental I - Introdução

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTÁGIO VOLUNTÁRIO N.º

EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTÁGIO VOLUNTÁRIO N.º EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTÁGIO VOLUNTÁRIO N.º 02/2014 PROJETO: Prevenção e Controle da Leishmaniose Visceral Canina: impacto do uso de coleiras impregnadas com deltametrina a 4% sobre o cão, o vetor e a

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

OS CAMINHOS DA FEBRE AMARELA NO TEMPO E NO ESPAÇO

OS CAMINHOS DA FEBRE AMARELA NO TEMPO E NO ESPAÇO Universidade Federal da Bahia Instituto de Saúde Coletiva OS CAMINHOS DA FEBRE AMARELA NO TEMPO E NO ESPAÇO Maria da Glória Teixeira SETEMBRO 2008 FAS: série histórica de casos e taxa de letalidade. Brasil

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS ARAQUARI CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS ARAQUARI CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA CÂMPUS ARAQUARI CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA INQUÉRITO EPIDEMIOLÓGICO DE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE, SANTA CATARINA, BRASIL HIAGO DE OLIVEIRA CARLOS Relatório

Leia mais

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22 Animais de companhia: O verme do coração do cão Quando se fala em vermes, as primeiras imagens que vêm à mente das pessoas são: "lombrigas"

Leia mais

Amebíase ou Disenteria Amebiana

Amebíase ou Disenteria Amebiana Amebíase ou Disenteria Amebiana Agente causador: Entamoeba histolytica, que vive no interior do intestino grosso, fagocitando partículas de alimento digerido e também atacando a própria mucosa intestinal.

Leia mais

MAPEAMENTO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EM VINTE E SEIS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE ALFENAS, MINAS GERAIS

MAPEAMENTO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EM VINTE E SEIS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE ALFENAS, MINAS GERAIS MAPEAMENTO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EM VINTE E SEIS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE ALFENAS, MINAS GERAIS Lucas Emanuel Servidoni 1 Ericson Hideki Hayakawa 2 lucas_servidoni@hotmail.com, ericson_geo@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA MESTRADO PROFISSIONAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA MESTRADO PROFISSIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA MESTRADO PROFISSIONAL EPIDEMIA DE LEISHMANIOSE VISCERAL NO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL, BRASIL. MARA BEATRIZ GROTTA FURLAN Salvador

Leia mais

Protozooses. Profº Alan Frederico

Protozooses. Profº Alan Frederico Protozooses Profº Alan Frederico Filo Protozoa Unicelulares, eucariontes, heterótrofos, isolados ou coloniais. Podem ser apresentar um ou mais núcleos por célula. Podem ser anaeróbios ou aeróbios. Podem

Leia mais

Se para você os animais importam, acesse o site www.wspabrasil.org e ajude também a construir essa história. WSPA BRASIL. Apoio e Revisão Técnica:

Se para você os animais importam, acesse o site www.wspabrasil.org e ajude também a construir essa história. WSPA BRASIL. Apoio e Revisão Técnica: A WSPA Sociedade Mundial de Proteção Animal visa construir um mundo onde o bem-estar animal importe e os maus-tratos contra os animais tenham fim através de campanhas e cooperação com parceiros e fóruns

Leia mais

1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato.

1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato. LEPTOSPIROSE - O que saber e o que fazer 1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato. 2. Como se pega a leptospirose? Em situações

Leia mais

A AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONHECIMENTO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA LEISHMANIOSE VISCERAL

A AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONHECIMENTO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA LEISHMANIOSE VISCERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA E PESQUISA EM SAÚDE ESCOLA GHC FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ FIOCRUZ INSTITUTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

Leia mais

INTERAÇÃO HOMEM x ANIMAL SOB A PERSPECTIVA DO PRODUTOR RURAL ESTUDO PRELIMINAR. ¹ Discente de Medicina Veterinária UNICENTRO

INTERAÇÃO HOMEM x ANIMAL SOB A PERSPECTIVA DO PRODUTOR RURAL ESTUDO PRELIMINAR. ¹ Discente de Medicina Veterinária UNICENTRO INTERAÇÃO HOMEM x ANIMAL SOB A PERSPECTIVA DO PRODUTOR RURAL ESTUDO PRELIMINAR Carolina REMLINGER 1, karorem@hotmail.com, Raphaéli Siqueira BAHLS Raphabahls@hotmail.com 1 Felipe Lopes CAMPOS², campos.79@gmail.com

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral ANCILOSTOMÍASE. OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral ANCILOSTOMÍASE. OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel ANCILOSTOMÍASE OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED NEVES, Maria Francisca Docente da Faculdade de Medicina Veterinária

Leia mais

Introdução. Febre amarela. A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje

Introdução. Febre amarela. A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje Alta letalidade (em torno de 10%) Introdução Prof. Marco Antonio Zoonose endêmica,

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 CENSO DOS ANIMAIS DA REGIÃO DO PORTO GRANDE, ARAQUARI - SC ERIANE DE LIMA CAMINOTTO 1, MARLISE POMPEU CLAUS 1, ALINE BRODA COIROLO 2, DESIREE BICALHO 2. 1 Docentes do Instituto Federal Catarinense Campus

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

Biologia 1ª série Reino Protista

Biologia 1ª série Reino Protista Biologia 1ª série Reino Protista Profª Reisila Mendes Reino Protista Características gerais: Eucariontes; Unicelulares e pluricelulares; Autótrofos e Heterótrofos. Algas Protozoários Protozoário primeiro

Leia mais

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud 2012. La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN 978-959-212-811-8

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud 2012. La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN 978-959-212-811-8 IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS INTEGRADAS PARA CONTROLE DA MALÁRIA COM ENFOQUE NO USO DE TELAS E MOSQUITEIROS IMPREGNADOS COM INSETICIDA SANTOS, G. 1;2 ; CASTRO, D. 1 ; FREITAS, L.M. 1, ; FIALHO, R. 1 ; ALBUQUERQUE,

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ Veruska Martins da Rosa

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS 01. O SUS foi implantado com um conceito ampliado de saúde. Este conceito foi resultado de embate político que fez cair por terra a idéia de que

Leia mais

Muito bem, Cícero! Vim para acompanhar o Dr. Carlos na visita a algumas pessoas que estão com sintomas de LEISHMANIOSE. Quer vir conosco?

Muito bem, Cícero! Vim para acompanhar o Dr. Carlos na visita a algumas pessoas que estão com sintomas de LEISHMANIOSE. Quer vir conosco? Maria é uma das milhares de Agentes Comunitárias de Saúde que trabalham nos municípios brasileiros. Todos os dias, ela visita sua comunidade para saber como anda a saúde dos moradores. Olá, Cícero, como

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA EM SAÚDE PÚBLICA DAVID SOEIRO BARBOSA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA EM SAÚDE PÚBLICA DAVID SOEIRO BARBOSA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA EM SAÚDE PÚBLICA DAVID SOEIRO BARBOSA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL E DEFINIÇÃO DE ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA VIGILÂNCIA DA LEISHMANIOSE VISCERAL NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS,

Leia mais