RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE GESTÃO 2012"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Rio do Sul, SC. Abril, 2013

2 CENTRO UNIVERSITÁRIO PARA O DESENVOLVIMENTO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ UNIDAVI REITOR Prof. Célio Simão Martignago VICE-REITOR E PRO-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Alcir Texeira PRÉ-REITORA DE ENSINO Profa. Niladir Butzke PRÓ-REITOR DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO Prof. Charles Hasse REALIZAÇÃO Assessoria de Planejamento e PROAD Pág. 2 / 23

3 SUMÁRIO 1. FUNDAÇÃO UNIDAVI DENOMINAÇÃO FINALIDADE ESTRUTURA ADMINISTRATIVA CENTRO UNIVERSITÁRIO DENOMINAÇÃO FINALIDADES OBJETIVOS ESTRUTURA ADMINISTRATIVA PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL PERSPECTIVA DOS ESTUDANTES E COMUNIDADE DESEMPENHO DO ESTUDANTE RELAÇÕES INTERNACIONAIS ESTUDANTES NA UNIDAVI CURSOS NÚCLEOS DE APOIO PEDAGÓGICO E COMUNITÁRIO Núcleo de práticas jurídicas - NPJ Núcleo de Práticas de Gestão - NPG Núcleo de Estudos Avançados em Psicologia Serviço de Orientação Profissional Núcleo de Orientação a Pessoas com Necessidades Especiais NOPNE Serviço de Apoio ao Estudante Núcleo Gerador de Novos Empreendimentos PROCESSOS ACADÊMICOS E OPERACIONAIS RECONHECIMENTO E RENOVAÇÃO DE CURSOS PROCESSO SELETIVO DOCENTE PROCESSO SELETIVO DISCENTE DE GRADUAÇÃO EMISSÃO E REGISTRO DE CERTIFICADOS E DIPLOMAS PESQUISA EDITORA PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS TITULAÇÃO PLANO DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PERSPECTIVA DA GESTÃO FINANCEIRA E ADMINISTRATIVA PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO INVESTIMENTOS REALIZADOS EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Demonstrativo do Resultado Balanço Patrimonial Pág. 3 / 23

4 APRESENTAÇÃO O Relatório de Atividades de Gestão do Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí UNIDAVI é apresentado todos os anos para o Conselho de Administração da Fundação Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí. Trata-se de um documento consolidado que relata, sinteticamente, para a comunidade acadêmica e à sociedade do Alto Vale do Itajaí as ações relevantes desenvolvidas pela Instituição no exercício de A relatório é apresentado seguindo a estrutura do planejamento institucional da UNI- DAVI. Incialmente, as questões estatutárias ligadas à fundação e ao centro universitário. Na sequência, as ações desenvolvidas em 2012 nas perspectivas dos estudantes e comunidades, nos processos pedagógicos e operacionais, na perspectiva profissional e na perspectiva de gestão financeira e administrativa. A transparência de gestão, objetivo central da governança, acontece regularmente com as publicações das peças contábeis. Mas este é o relatório que consolida o exercício financeiro passado e é encaminhado ao Conselho de Administração com o parecer da auditoria externa, incorporam os anexos, integrandos os resultados econômicos e financeiros da instituição. A tendência de redução na demanda de alunos, situando-se em patamares inferiores à média histórica, não se consolidou, em relação ao exercício anterior, de outro lado a evasão escolar foi maior e torna-se fator de preocupação com relação à manutenção do nível da receita, determinante para o desempenho da Instituição. Mesmo assim, o desempenho dos indicadores financeiros do ano aconteceu dentro dos parâmetros estabelecidos e dos ajustes necessários à adequação da Instituição dentro das métricas estabelecidas no seu planejamento estratégico. Com responsabilidade e seriedade na condução e gestão dos processos e dos recursos, a UNIDAVI vem dedicando os maiores esforços no sentido de dotar o ensino, a pesquisa e extensão com a qualidade esperada pela comunidade, aportando os recursos necessários, no tocante à qualificação do corpo docente, da manutenção de estrutura física adequada e das tecnologias de informação e sua acessibilidade. Dessa forma, cumpre-me apresentar o Relatório de Gestão do exercício de 2012, documento que tem por finalidade prestar contas à comunidade acadêmica e à sociedade regional. Professor Me. Célio Simão Martignago Presidente da Fundação e Reitor da UNIDAVI Pág. 4 / 23

5 1. FUNDAÇÃO UNIDAVI Este capitulo trata dos aspectos regimentais da Fundação UNIDAVI, descrevendo sua denominação, finalidade e estrutura administrativa DENOMINAÇÃO A Fundação Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, é uma entidade educacional oficial, com patrimônio próprio, instituída pela Lei Municipal nº 613 de 07 de julho de 1966, educativa, cultural e de assistência social, de direito privado, comunitáriofilantrópica, sem fins econômicos, com área de abrangência compreendendo o Alto Vale do Itajaí, em Santa Catarina, inscrita no CNPJ sob nº / , Mantenedora do Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí - UNIDAVI, com sede e foro na cidade de Rio do Sul, Estado de Santa Catarina, onde funciona na Rua Dr. Guilherme Gemballa, nº 13 (Art. 1º Estatuto) FINALIDADE O artigo 3º do estatuto, estabelece as finalidades da Fundação UNIDAVI: I. manter o Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí; II. criar e manter outras instituições, objetivando o desenvolvimento do ensino de excelência, da pesquisa, da extensão e da prestação de serviços em todos os níveis e por todas as formas ao seu alcance; III. desenvolver atividades filantrópicas, visando ao bem estar social; IV. desenvolver e incentivar atividades culturais em prol da comunidade regional; V. desmembrar, agrupar ou extinguir as instituições por ela mantidas; VI. realizar ações de saúde, com vista ao bem estar e à valorização do ser humano; VII. prestar contas de todos os recursos e bens de origem público; VIII. criar e manter a Editora Universitária Editora UNIDAVI; IX. criar e manter laboratórios de ensino e de prestação de serviços à comunidade. X. criar e manter museus, com seus acervos históricos e tecnológicos, para a recuperação, manutenção e valorização da memória, da cultura e do meio ambiente. XI. desenvolver atividades e serviços de radiodifusão, de televisão, de editoração ou quaisquer outros meios de divulgação, com objetivos de produzir e veicular programas educativos, culturais, esportivos, científicos e jornalísticos de interesse comunitário ESTRUTURA ADMINISTRATIVA A estrutura administração da Fundação UNIDAVI é composta pelos seguintes órgãos (art.15 do estatuto): I. Conselho de Administração; II. Conselho Curador; III. Presidência. Pág. 5 / 23

6 FUNDAÇÃO UNIDAVI CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CURADOR PRESIDÊNCIA O Conselho de Administração é o órgão deliberativo, normativo, consultivo máximo e soberano, em assuntos de política administrativa, financeira e de planejamento da Fundação UNIDAVI. O Conselho Curador é o órgão de fiscalização, orientação e controle do registro da administração econômico-financeira da Fundação UNIDAVI. A Presidência é o órgão executivo superior da Fundação UNIDAVI e será exercida de forma cumulativa, pelo Reitor do Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, eleito conforme estabelecido em seu Estatuto. 2. CENTRO UNIVERSITÁRIO Este capítulo trata da denominação, finalidade, objetivos e a estrutura administrativa do Centro Universitário DENOMINAÇÃO O Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí UNIDAVI é uma instituição de ensino superior regional, multicampus, com área de abrangência compreendendo o Alto Vale do Itajaí, de caráter comunitário, mantida pela Fundação Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí FINALIDADES O Centro Universitário tem por finalidades: I. a formação humana e técnico-científica do cidadão, através do ensino, da pesquisa e da extensão; II. a intervenção na região com propostas e respostas para desenvolvimento sustentável nos aspectos econômicos, políticos, sociais, educacionais, regional-culturais e ambientais; III. a assistência e beneficência sociais, em especial orientadas para crianças, adolescentes, pessoas com deficiência, idosos e, genericamente, para pessoas em situação de vulnerabilidade. Pág. 6 / 23

7 2.3. OBJETIVOS Constituem objetivos do Centro Universitário: I. atender as demandas que lhe sejam feitas na educação de excelência, através da formação de profissionais necessários ao processo de desenvolvimento da sociedade; na pesquisa diretamente comprometida com os projetos e programas regionais em operação e na intervenção programada da extensão junto às comunidades da região; II. manter a sua vocação institucional e colocar-se como mecanismo privilegiado de mediação e articulação entre o poder público e outras instituições públicas e privadas, de pesquisa, ciência, tecnologia e formação de recursos; III. promover o intercâmbio científico e/ou cultural com instituições nacionais e internacionais ESTRUTURA ADMINISTRATIVA De acordo com o Artigo 11 do Estatuto do Centro Universitário, a administração acadêmica efetuar-se-á em nível superior e em nível setorial. Administração superior Colegiado Deliberativo Superior: a) Conselho Universitário CONSUNI e as Câmaras. Administração setorial a) Pelas Áreas de Conhecimento; b) Pelos Colegiados de Área; c) Pela Administração de Campus. Órgão Executivo Superior: a) Reitoria b) Pró-reitorias. Quadro 1 - Estrutura administrativa da fundação UNIDAVI Fonte: Estatuto da Fundação A Administração do Centro Universitário efetuar-se-á ainda pelos Órgãos Suplementares e Órgãos Complementares. O Conselho Universitário CONSUNI é órgão superior em matéria de Ensino, Pesquisa e Extensão, no âmbito do Centro Universitário, de natureza deliberativa, normativa e consultiva, em assuntos de política administrativa e de planejamento do Centro Universitário, qualificado em suas competências, funcionando também como instância de recurso, tendo a seguinte composição A Reitoria é o órgão executivo superior que planeja, administra, coordena, superintende e fiscaliza todas as atividades do Centro Universitário, sendo exercida pelo Reitor, Vice-reitor e pelos Pró-reitores, conforme Regimento Geral. As Pró-reitorias, órgãos de ação executiva descentralizada da Reitoria são: I. Pró-reitoria de Administração; II. Pró-reitoria de Ensino; III. Pró-reitoria de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão A Pró-reitoria de Administração é o órgão executivo incumbido de planejar, organizar, administrar, coordenar e controlar todas as atividades administrativas, financeiras, patrimoniais, comerciais e de suporte do Centro Universitário, promovendo a compatibilização da administração central com a administração dos campus. Pág. 7 / 23

8 A Pró-reitoria de Ensino é o órgão executivo incumbido de planejar, organizar, administrar, coordenar e controlar todas as atividades didático-pedagógicas da Educação Superior, da Educação Básica e de outras modalidades, promovendo a compatibilização da Administração Central com a Administração dos cursos dos Campus e dos cursos fora da sede. A Pró-reitoria de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão é o órgão executivo que superintende, coordena e supervisiona as atividades de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão do Centro Universitário. ORGANOGRAMA UNIDAVI CONSUNI Presidente CONSUNI CAD CAPPEX CAEN REITORIA Celio Simão Matinhago PROC. JURIDICA Niladir Butzke ASS. PLANEJAMENTO Gilberto Luiz Maschio AVALIAÇÃO INST. Marco Butzke GABINETE REITORIA Lurysmey Biz OUVIDORIA Lurysmey Biz CPA Carmem Bogo PROAD Alcir Texeira PROEN Charles Hasse PROPPEX Charles Hasse COLEGIADO DE ÁREA Presidente de colegiado CONSELHO DE CLASSE Colegiado de professores COORD. DE CURSO Coordenadores ESCOLA ED. BÁSICA Inhelora Joenk COORD PÓS Ilson Blogoslawski CAMPUS Gerentes Campus DEPTO FINAN./CONT. Alexandre Seidel DEPTO SUPRIMENOS Josue Bilck CENTRAL DE ESTAGIOS Jean Visentainer POLIT. PEDAGOGICAS Ana Paula Leão Batista COORD. PESQUISA Jean Segata COORD. EXTENSÃO Charles Hasse SECRETARIA REITORIA Lurysmey Biz DECOM Ariane Neckel DEPTO REC HUMANOS Roberto Nagel PROCED. ACADEMICOS Leila Cunha REL. INTERNACIONAIS Jean Visetainer LAB. DE SERVIÇOS Andréia Pasqualini DIV. REG. ACAÊMICOS Clarice Hasse DEPTO TI Marcondes/Luis EDUCAÇÃO A DIST. Jean Viesentainer Figura 1- Organograma da UNIDAVI Fonte: Assessoria de planejamento BIBLIOTECA Simone da S. Conceição 3. PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL Em 2012 a UNIDAVI elaborou seu planejamento institucional para o quadriênio de 2012 a O plano foi elaborado pela equipe da Reitoria em janeiro de 2012 e norteou as ações da Instituição no ano de 2012, assim como os projetos para os próximos anos. Pág. 8 / 23

9 A elaboração do planejamento institucional seguiu as seguintes etapas: Análise de cenários Definição do negócio, missão e visão Diagnóstico estratégico Posicionamento estratégico e políticas Objetivos e metas Plano de ações Figura 2 - Fluxo do planejamento institucional Fonte: Assessoria de planejamento O plano institucional constitui-se em documento próprio, contendo todas as etapas descritas acima. No presente documento, apresentaremos somente o negócio, missão, visão e valores da instituição. NEGÓCIO Ensino MISSÃO Servir de polo irradiador do desenvolvimento regional, pelo exercício do ensino, da pesquisa e da extensão, com qualidade de suas ações e seus resultados. VISÃO Ser uma Instituição de Ensino Superior de excelência, voltada ao desenvolvimento regional. VALORES Indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão; Ética acadêmica; Gestão democrática e autônoma; Compromisso socioambiental; Universalidade de campos de saber; Atenção às expressões culturais, sociais, étnicas e religiosas. Em novembro de 2012 o planejamento institucional foi remodelado, com o elaboração do mapa estratégico em quatro perspectivas: I. Estudantes e comunidade II. Financeira III. Processos IV. Profissionais MAPA ESTRATÉGICO MISSÃO Servir de polo irradiador do desenvolvimento regional, pelo exercício do ensino, da pesquisa e da extensão, com qualidade de suas ações e seus resultados. Pág. 9 / 23

10 VISÃO Ser uma Instituição de Ensino Superior de excelência, voltada ao desenvolvimento regional. Melhorar o desempenho do estudante. Aumentar o nº de alunos Melhorar o desempenho no IGC do MEC Promover a titulação de mestres e doutores PERSPECTIVA DOS ESTUDANTES E COMUNIDADE Ampliar o índice de satisfação dos alunos com a instituição Melhorar o desempenho econômico Desenvolver processos para aulas não presenciais Fortalecer a marca UNIDAVI Promover a realização de cursos de pós-graduação PERSPECTIVA FINANCEIRA Melhorar o desempenho financeiro Ampliar as fontes de recursos da instituição Promover a manutenção da estrutura PERSPECTIVA DOS PROCESSOS Informatizar todos os registros acadêmicos Desenvolver material didático-pedagógico Aplicar o orçamento anual da instituição Desenvolver a integração do ensino, pesquisa e extensão. PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS Promover o aumento do tempo de dedicação do corpo docente Promover o desenvolvimento de pesquisa pelos docentes Promover a capacitação para gestão universitária Facilitar o acesso ao mercado de trabalho Desenvolver Programas de sustentabilidade Aperfeiçoar os instrumentos normativos da instituição Melhorar a operacionalização dos setores de apoio 4. PERSPECTIVA DOS ESTUDANTES E COMUNIDADE Este capítulo trata do desempenho do estudante, do número de estudantes, das relações internacionais, dos cursos e dos núcleos de apoio pedagógico e comunitário DESEMPENHO DO ESTUDANTE O MEC instituiu em 2004 o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SI- NAES, criando vários indicadores para avaliar o educação superior no país, dentre eles o IGC, CPC e o ENADE. O IGC- Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição é um indicador de qualidade de instituições de educação superior, que considera, em sua composição, a qualidade dos cursos de graduação e de pós-graduação (mestrado e doutorado). No que se refere à graduação, é utilizado o CPC - Conceito Preliminar de Curso e, no que se refere à pós-graduação, é utilizada a Nota Capes. O resultado final está em valores contínuos (que vão de 0 a 500) e em faixas (de 1 a 5). Para aferir o rendimento dos alunos dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos, suas habilidades e competências, é utilizado o ENADE - Exame Nacional de Desempenho de Estudantes - ENADE. Esses índices são divulgados anualmente, refletindo o desempenho do ano imediatamente anterior. Pág. 10 / 23

11 Em 2011, dados divulgados em 2012, a UNIDAVI obteve 277 pontos no IGC, o que equivale a nota 3. Esse desempenho colocou a UNIDAVI entre as melhores Instituições de Ensino Superior do Estado. O bom desempenho no IGC reflete o comprometimento da UNIDAVI com a excelência do ensino em todas os seus níveis e aspectos. Além disso, o curso de Engenharia da Produção obteve nota 4 no CPC, tornando-se o curso com melhor desempenho no Estado, incluindo todas as instituições de ensino públicas e privadas, inclusive as federais. A UNIDAVI possui a COPEE Comissão Permanente do Enade; que coordena todas as ações do ENADE, envolvendo docentes, discentes e técnico-administrativos. Em 2012 foram realizadas provas do ENADE para os cursos de administração (geral e UNIDAVI Entre as melhores do Estado pelo IGC - MEC ênfases), ciências econômicas, ciências contábeis, direito e psicologia. A UNIDAVI teve 416 estudantes selecionados para realizar a prova, dos quais há registro de 359 presentes. Os cursos de administração, ciências contábeis, economia e direito, obtiveram o selo 3 estrelas do Guia do Estudante publicado pela Editora Abril, classificando-se entre os cursos mais recomendados do país. Os resultados do Enade 2011 de instituições de todo o Brasil foi divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), autarquia vinculada ao Ministério da Educação (MEC), no dia 05 de dezembro RELAÇÕES INTERNACIONAIS A UNIDAVI promoveu através de ações do setor de Relações Internacionais intercâmbio com universidades do Chile, sendo 3 intercambiados para a Universidad del Pacífico e 2 intercambiados para a Universidade Autonoma de Chile. Os intercâmbios são no âmbito dos cursos de administração, economia, enfermagem, psicologia, jornalismo, design gráfico, design de interiores e educação física para a Universidade del Pacífico e no âmbito dos cursos de ciências contábeis, direito e sistemas de informação na Universidad Autonoma de Chile. Figura 3 - Sede das universidades chilenas que a UNIDAVI mantem intercâmbio Fonte: Setor de relações internacionais Pág. 11 / 23

12 Além disso a UNIDAVI mantem convênio com universidades e instituições em outros países: País Instituição Estados Unidos Casper College Columbia University Alemanha Universidade de Erlangen Universidade e Münster Espanha Universidade de Girona Universidade de Alicante Itália Unidersitade de Parma Portugal Em negociação Argentina Em Negociação Quadro 3: Países em que a UNIDAVI possui convênio ou em fase de convênio Fonte: Setor de Relações Internacionais 4.3. ESTUDANTES NA UNIDAVI A UNIDAVI oferta cursos desde o ensino infantil até a pós-graduação, tornando-se o maior local de busca de conhecimento do alto vale do Itajaí e um dos principais do Estado. Os cursos de graduação absorvem mais de 50% de todos os egressos do ensino médio das escolas da região e seus cursos de pós-graduação são referência em qualidade de ensino e fortemente vinculados com o desenvolvimento regional. Gráfico 1 - Estudantes matriculados na UNIDAVI em dezembro de 2012 Fonte: Secretária acadêmica / Secretária Pós-Graduação / Secretaria Escola Básica 4.4. CURSOS A Escola de Educação Básica da UNIDAVI atende estudantes de ensino infantil, ensino fundamental e ensino médio. Pág. 12 / 23

13 Figura 4 - Imagens da escola básica da UNIDAVI Fonte: Secretária Escola Básica Na graduação são ofertados mais de 20 cursos superiores bacharelado, licenciatura e tecnologia, na sede e nos campus (Taió, Ituporanga e Presidente Getúlio). CURSOS DE GRADUAÇÃO EM 2012 Processos químicos Administração Ciências contábeis Ciências econômicas Comercio exterior Direito Marketing Comunicação inst. História Psicologia Sociologia Educação física Enfermagem Sistema de informação Engenharia civil Engenharia da produção Artes Visuais Informática Educação especial Geografia Design gráfico Design de interiores Pedagogia Segurança pública Quadro 2 Cursos de graduação em atividade pela UNIDAVI em 2012 Fonte: Secretaria Acadêmica A UNIDAVI oferta vários cursos de pós-graduação (lato sensu), nas mais diversas áreas, tendo sempre o foco voltado a demanda regional. Em dezembro de 2012 havia 12 cursos em funcionamento, sendo 3 conveniados com a secretaria de estado da segurança pública. CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM 2012 (Lato Sensu) Inteligência de negócios Gestão tributária empresarial Direito penal processual Gestão e segurança Pública Gestão penitenciária Inteligência criminal Lean Manufacturing Finanças e mercado de capitais Residência médica Direito processo civil Direito trabalho previdenciário Saúde da família Auditoria e pericia contábil Avaliação Psicológica Quadro 3 - Cursos de pós-graduação (lato sensu) ofertados pela UNIDAVI em Fonte: Secretária pós-graduação 4.5. NÚCLEOS DE APOIO PEDAGÓGICO E COMUNITÁRIO Constituem-se em núcleos de apoio: o núcleo de praticas jurídicas, de gestão, de estudos avançados de psicologia, de orientação profissional, de apoio a pessoas de necessidades especiais, de apoio ao estudante, de orientação profissional e o núcleo gerados de novos empreendimentos Núcleo de práticas jurídicas - NPJ É o órgão responsável pela aplicação do estágio curricular do curso de direito a partir das disciplinas de estágio orientado de prática jurídica II e IV. Atende os cidadãos que se Pág. 13 / 23

14 enquadram nos requisitos estabelecidos pela lei 1.060/50 para a concessão da assistência judiciária. Atividade Novos protocolos Petições iniciais Acompanhamento em audiências Processos retirados em carga e devolvidos Manifestações processuais Quadro 4 - Atividades do NPJ Fonte: NPJ/UNIDAVI Núcleo de Práticas de Gestão - NPG A partir do segundo semestre de 2011 foi inaugurada a nova área física do NPG, na Rua Júlio Roussenq Filho Bairro Jardim América Rio do Sul. O espaço conta com laboratórios de informática, sala para orientação de TC (trabalhos de curso), sala de pesquisa e um anfiteatro com cerca de 100 lugares. Os laboratórios de informática contam mais de 100 computadores e um sala para mercado de capitais, em parceira com a empresa Riocor Invest Núcleo de Estudos Avançados em Psicologia O Núcleo de Estudos Avançados em Psicologia realizou prioritariamente as seguintes atividades: Estágio de Intervenção e Estágio Básico em Avaliação Psicológica, com cerca de 500 atendimentos, resultando em mais de 2,5 mil sessões. Desenvolveu ainda projetos de pesquisa e extensão, envolvendo em torno de 300 alunos. Participou de Eventos nas Comunidades: Participação na Força Tarefa, em parcerias com as SDRs (Secretarias de Desenvolvimento Regional) nas cidades de: Aurora, Laurentino, Agronômica Salete, Rio do Oeste, Rio do Campo, Petrolândia, Braço do Trombudo e Trombudo Central, realizando Oficinas de orientações: Contos de fadas Serviço de Orientação Profissional O Serviço de Orientação Profissional da UNIDAVI desenvolveu visitas nas instituições educacionais da Região do Alto Vale do Itajaí, realizando orientação profissional nas escolas da região, quando solicitado. Atuou na ampliação das atividades de Orientação Profissional e Pág. 14 / 23

15 de Re-opção junto aos coordenadores e alunos, para identificação do índice de desistência e/ ou trancamento de matrícula. O trabalho de orientação profissional tem parceria com o CIEE Centro Integrado Escola Empresa que visa alocar estudantes nos diversos organismos sociais, através de estágios não obrigatórios e vagas de emprego Núcleo de Orientação a Pessoas com Necessidades Especiais NOPNE O NOPNE através pessoas com necessidades especiais e que requerem apoio em suas atividades de estudo, seja de mobilidade, audição, visão ou dificuldade de aprendizado. O núcleo conta com profissionais e suporte de diversas áreas psicologia, enfermagem, educação física, pedagogia e informática, para possibilitar a melhor convivência possível do estudante com o ambiente de aprendizagem. Em 2012 o núcleo atendeu e acompanhou 29 pessoas, sendo 10 da educação básica e 19 alunos de graduação Serviço de Apoio ao Estudante A SAE é um órgão vinculado a PROEN que tem como atribuição básica de propor e operacionalizar os programas de benefícios aos estudantes, seja eles de iniciativa da UNIDA- VI ou disponibilizados por outros organismos. Benefícios e Bolsas Concedidos a Discentes Nº alunos Bolsa de Estudo Do Artigo Bolsa Pesquisa 33 Bolsa de Estudo Do Artigo Bolsa Pesquisa do Artigo Bolsas da filantropia para graduação 18 Bolsas PROUNI 465 Bolsas da filantropia para educação básica 73 Benefícios para irmãos (educação básica) 86 Benefícios para dependentes de Funcionários e professores 73 Bolsa para funcionários 13 Bolsas Coralistas 6 Estagiários da UNIDAVI 24 FIES (Financiamento Estudantil) 233 Prefeitura Municipal de Rio do Sul 41 Egressos 50 Convênio Polícia Militar 27 Outros tipos de bolsa 10 TOTAL DE BENEFÍCIOS CONCEDIDOS Quadro 5 - Bolsas e benfícios concedidos a discentes pela UNIDAVI em 2012 Fonte: SAE - UNIDAVI Pág. 15 / 23

16 Núcleo Gerador de Novos Empreendimentos O papel desenvolvido pela incubadora GTEC/UNIDAVI está centrado no apoio à geração de novas empresas pela criação e disponibilização de um ambiente propício à implantação de novos projetos preferencialmente inovadores, buscando contemplar em suas ações o desenvolvimento econômico regional, por meio da criação de produtos e serviços, permitindo assim o aumento de sua capacidade competitiva. O objetivo é ampliar a oferta de salas para incubação, fortalecendo as condições de trabalho na comunidade por meio de empresas de base tradicional, tecnológica e de serviços. Gráfico 2 - Evolução das empresas e projetos no GTEC Fonte: GTEC 5. PROCESSOS ACADÊMICOS E OPERACIONAIS Neste capitulo serão apresentados os processos submetidos ao reconhecimento e renovação de cursos, processo seletivo de docentes, processo seletivo de discentes, emissão de diplomas e certificados, pesquisa e editora RECONHECIMENTO E RENOVAÇÃO DE CURSOS Em 2012 a UNIDAVI foi submetida ao exame de avaliação de sete cursos para renovação e credenciamento, conforme demonstrado no quadro a seguir. Curso Exame Situação Educação especial (PARFOR) Reconhecimento Aguardando publicação parecer Educação física (bacharelado) Renovação de reconhecimento Aguardando publicação parecer Enfermagem Renovação de reconhecimento Aguardando publicação parecer Informática licenciatura Reconhecimento Aguardando publicação parecer Pedagogia Reconhecimento Aguardando publicação parecer Sociologia Reconhecimento Decreto nº 1.259/2012 CEE Tecnologia da Comunicação Institucional Reconhecimento Decreto nº 1.389/2013 CEE Quadro 6 Cursos submetidos ao reconhecimento ou renovação de curso em 2012 Fonte: Carmem Bogo/Assessoria Acadêmica Pág. 16 / 23

17 5.2. PROCESSO SELETIVO DOCENTE Os professores novos são selecionados por um Colegiado de Seleção, composto por um representante da PROEN, pelo coordenador de curso, um docente da instituição que ministra a disciplina em questão ou afim, indicados pela Pró-Reitoria de Ensino os quais avaliam o perfil do candidato por meio do histórico profissional e de entrevista. Em 2012, a CREDAVI Comissão de Credenciamento de Docentes da UNIDAVI analisou 420 pedidos de credenciamento para disciplinas PROCESSO SELETIVO DISCENTE DE GRADUAÇÃO A UNIDAVI oferece várias formas de ingresso nos seus cursos de graduação, que dependem da demanda, condições do aluno, programa de acesso do Governo Federal, dentre outros. Dentre os que apresentam maior número de inscritos são: processo seletivo por histórico escolar (on line), pelo vestibular da ACAFE e pelas vagas ofertadas pelo Programa Universidade para Todos PROUNI. Os gráficos demonstram como foram preenchidas as vagas ofertadas pela UNIDAVI em 2012, nas chamadas do 1º e 2º semestre, também denominadas processo de verão e de inverno. Gráfico 3 Inscritos nos processos seletivos UNIDAVI no 1º e 2º semestre de Fonte: PROEN 5.4. EMISSÃO E REGISTRO DE CERTIFICADOS E DIPLOMAS A emissão e registro de certificados e diplomas é realizado pelo Departamento de Registros Acadêmicos, vinculado a PROEN. Em 2012 foram emitidos 1986 documentos relativos a diplomas e certificados, conforme demonstrado na figura seguinte. Pág. 17 / 23

18 Gráfico 4 Diplomas e certificados emitidos pela UNIDAVI em 2012 Fonte: PROEN 5.5. PESQUISA As atividades de Pesquisa na instituição são organizadas a partir dos Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica é um programa da UNIDAVI, através do qual se obtém anualmente uma quota institucional de Bolsas de Iniciação Científica. As bolsas referentes ao Artigo 170, PGP e PIBIC, têm período de vigência de dez meses e o amparo financeiro da pesquisa conta com os recursos advindos do Governo do Estado de Santa Catarina, nos termos do art. 170 da Constituição Estadual e da Lei Complementar n 281, de janeiro de 2005, e também é através do FAPE Fundo de amparo a Pesquisa e Extensão. Programa Nº projetos aprovados Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - Artigo Programa Institucional de Bolsas para Iniciação Científica PIBIC 9 Programa Institucional de Bolsas para Grupos de Pesquisa - PGP 12 Emissão de pareceres pelo Comitê de Ética da UNIDAVI 46 Quadro 7 Projetos aprovados por programa de iniciação científica em Fonte: PROPPEX 5.6. EDITORA A Editora UNIDAVI está registrada desde 2002 com o nome UNIDAVI-PROPPEX. Em 2010, a editora passou a ter regimento próprio e status institucional. A partir de então, é responsável pela edição e publicação de revistas e livros produzidos especialmente pelos docentes e pesquisadores da UNIDAVI. Contiguamente, mediante aprovação de seu Conselho Editorial, pode publicar obras de natureza externa à UNIDAVI, desde que atendam os preceitos de seu regimento. Ela é composta pelo Editor Responsável, Coordenadores de Coleções e Revistas, Equipe Técnica e Conselho Editorial. Atualmente é composta pelo Editor Responsável, quatro coordenadores dos números da Revista Eletrônica Caminhos, cinco membros da equipe técnica e 29 membros do Conselho Editorial. As atividades realizadas pela Editora UNIDAVI em 2012 foram obras nas coleções: Professor Autor, Série Cadernos UNIDAVI, Coleção Você Sabe, Revista Caminhos e Revista Eletrônica de Direito da UNIDAVI. Pág. 18 / 23

19 Gráfico 5 Publicações da Editora da UNIDAVI em Fonte: Editora UNIDAVI 6. PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS O capitulo da perspectiva dos profissionais faz referência a titulação dos professores, capacitação e formação continuada TITULAÇÃO A UNIDAVI desenvolve permanentemente a evolução da titulação de seu corpo docente, seja através do patrocínio em cursos de pós-graduação em nível de mestrado e doutorado (strictu sensu), seja através da contratação de professores já titulados nestes níveis. Em 2012 a UNIDAVI possuía 257 docentes, sendo 10% com titulação de doutor, 39% com titulação de mestre, 45% com titulação de especialista e 6% com graduação em fase de especialização. No gráfico abaixo se pode observar a evolução do quadro de docentes nos últimos 3 anos. Gráfico 6 Titulação dos docentes da UNIDAVI em dezembro de Fonte: DRA - UNIDAVI Pág. 19 / 23

Lista de Quadros. Fundação Uniplac

Lista de Quadros. Fundação Uniplac Lista de Quadros Quadro 1 Dirigente dafundaçãouniplac... 22 Quadro 2 Matérias apreciadas no Conselho Curador... 23 Quadro 3 Nominata do Conselho Curador... 23 Quadro 4 Matérias apreciadas no Conselho de

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Osvaldo Casares Pinto Pró-Reitor Des. Institucional José Eli S. Santos Diretor Dep. Planej. Estratégico junho de 2015 Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Brasileira de Educação Familiar e Social UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Social da Bahia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

valiação egulação upervisão Qualidade da Educação Superior

valiação egulação upervisão Qualidade da Educação Superior valiação egulação upervisão Qualidade da Educação Superior Apresentação Promover a efetivação da diretriz da qualidade no ensino superior é um dos principais desafios do Ministério da Educação no período

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI PROCESSO Nº 011/2012 ASSUNTO: Proposta de adequação das diretrizes para a parceria FURB-UFSC. INTERESSADO: Administração Superior. PROCEDÊNCIA: Reitoria. I - HISTÓRICO: Em

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Texto compilado Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI 0 RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JARAGUÁ DO SUL UNERJ. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ,

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Art. 2º - Estabelecer que a Estrutura Executiva é composta pelas seguintes Coordenadorias, as quais possuem as atribuições a seguir descritas:

Art. 2º - Estabelecer que a Estrutura Executiva é composta pelas seguintes Coordenadorias, as quais possuem as atribuições a seguir descritas: RESOLUÇÃO Nº 024/CONSUN/2008 Altera Estrutura Organizacional da UNOCHAPECÓ para a inclusão da Coordenadoria de Campus (São Lourenço D' Oeste e Xaxim) O Presidente do Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 33. Portaria n 708, publicada no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 32. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor comparece com regularidade

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1 -

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO SUBCOMISSÃO DOS NAUs RELATÓRIO DO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE DO INSTITUTO DE QUÍMICA (NAU-IQ)

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO SUBCOMISSÃO DOS NAUs RELATÓRIO DO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE DO INSTITUTO DE QUÍMICA (NAU-IQ) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO SUBCOMISSÃO DOS NAUs RELATÓRIO DO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE DO INSTITUTO DE QUÍMICA (NAU-IQ) Relatório elaborado com base nas dimensões avaliativas contempladas no Instrumento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015/2008 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 015/2008 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 015/2008 CONSUNI Aprova a Estrutura Organizacional da Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. O Presidente do Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Estado de Mato Grosso

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO FACULDADE LEÃO SAMPAIO Edital nº 01/2012 O Diretor Geral da Faculdade de Ciências Aplicadas Dr. Leão Sampaio, no uso das suas prerrogativas institucionais e legais, e considerando o que determina o Art.

Leia mais

LIVRO DE REGISTRO CONSUN. Procedência Assunto Comissão Parecer Data Sessão

LIVRO DE REGISTRO CONSUN. Procedência Assunto Comissão Parecer Data Sessão LIVRO DE REGISTRO CONSUN 001-2010 10/05/2010 VRA Regulamento Interno do Conselho Universitário CONSUN 002-2010 10/05/2010 VRA Edital Seletivo UnC/2009-20, aprovado ad 096/2009 003-2010 10/05/2010 VRA Edital

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Cruzada Maranata de Evangelização UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Batista Brasileira, com sede no

Leia mais

Estatuto da UFPB. Parte II

Estatuto da UFPB. Parte II Estatuto da UFPB Parte II ESTATUTO - UFPB REGIME DIDÁTICO-CIENTÍFICO Indissociabilidade do ensino pesquisa extensão ENSINO Modalidades de Cursos e Programas Sequenciais por campo do saber, de diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CENECT Centro Integrado de Educação, Ciência e UF: PR Tecnologia S/C Ltda. ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert UF:SP Einstein ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br PALESTRAS E CURSOS IN COMPANY PARA O ENSINO SUPERIOR ACADÊMICOS A Coordenação de Curso e sua Relevância no Processo de Competitividade e Excelência da IES Acessibilidade: requisito legal no processo de

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Santa Marcelina UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Santa Marcelina (FASM), com sede no Município

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 0/5/2012, Seção 1, Pág.. Portaria n 712, publicada no D.O.U. de 0/5/2012, Seção 1, Pág. 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

CPA AÇÕES PLANEJADAS E REALIZADAS:

CPA AÇÕES PLANEJADAS E REALIZADAS: CPA AÇÕES PLANEJADAS E REALIZADAS: Das reuniões realizadas com os diversos setores, serviços, coordenação de cursos e comunidade acadêmica a Comissão pode apresentar o seguinte quatro/cenário institucional,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Faculdade de Sorocaba AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Sorocaba Dezembro 2014 1 Faculdade

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Cristã de Moços de Sorocaba UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação Física da Associação

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - AGEX CAPÍTULO I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - AGEX CAPÍTULO I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - AGEX Aprovado no CONSEPE na 30ª sessão realizada em 16 de abril de 2012 e homologado na 140ª sessão

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 03/CUn/09, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 03/CUn/09, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ÓRGÃOS DELIBERATIVOS CENTRAIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO - TRINDADE CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SC TELEFONE (048) 3721-9661 - FAX (048) 234-4069

Leia mais

POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014. Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG

POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014. Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014 Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG Avaliação Institucional Processos de avaliação institucional Interna Relatórios da CPA Externa

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

KROTON EDUCACIONAL S/A. Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - FIES

KROTON EDUCACIONAL S/A. Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - FIES KROTON EDUCACIONAL S/A Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - FIES Í N D I C E SOBRE O FIES O que é o FIES? 1 Qual o marco legal do FIES? 1 Condições de financiamento 2 Quem pode se candidatar

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA ANEXO II

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA ANEXO II ANEXO II CRITÉRIOS PARA ATRIBUIÇÃO DE PONTOS PARA AVALIAÇÃO DE MEMORIAL CRITÉRIOS PARA ATRIBUIÇÃO DE PONTOS PARA AVALIAÇÃO DE MEMORIAL 1.1 Aulas ATIVIDADES DE ENSINO PONTUAÇÃO REFERÊNCIA 1.1.1 Graduação

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Faculdades Nordeste S/A UF: CE ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nordeste, com sede no Município de Fortaleza,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 20/7/2011, Seção 1, Pág.34. Portaria n 994, publicada no D.O.U. de 20/7/2011, Seção 1, Pág.35. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL

Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL Titulo: UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) Autor: Wilson dos Santos Almeida

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE VERÃO 2016 EDITAL

PROCESSO SELETIVO DE VERÃO 2016 EDITAL U N I V E R S I D A D E D E P A S S O F U N D O V i c e - R e i t o r i a d e G r a d u a ç ã o S e c r e t a r i a G e r a l d o s C u r s o s Campus I Rodovia BR 285 Km 292,7 - Bairro São José CEP 99052-900

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais