Instituição de Vínculo do Proponente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituição de Vínculo do Proponente"

Transcrição

1 Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC Nº PROTOCOLO Pedido Nº 8064/2015 Computação em Nuvem Edital Nº 13/ Edital para seleção de propostas para o desenvolvimento de projetos de pesquisa e produção de conhecimento na área de Tecnologia da Informação - TIC no Estado da Bahia Coordenador do Projeto: Titulação Máxima Pós-Doutorado Situação de Adimplência com a FAPESB: Tipo de Vínculo com a Instituição Executora: Instituição proponente Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação Natureza: CNPJ: Endereço: Rua Augusto Viana, S/Nº Complemento: Bairro: Cidade: Estado: Telefone: Fax: Canela Dados do Coordenador do Projeto DANIELA BARREIRO CLARO CPF: Ano de Conclusão Telefone Celular (71) Adimplente Professor Adjunto Instituição de Vínculo do Proponente UNIVERSIDADE FEDERAL (UF) Salvador BA Representante Legal da Instituição: Cargo Representante Legal: Reitor João Carlos Salles Pires da Silva Dados do Projeto Titulo do Projeto: CLOUD SECURITY INTEROPERABLE SOCIETY (CSIS): UM AMBIENTE PARA INTEROPERABILIDADE EM NUVEM - UMA EXPERIÊNCIA NO DOMÍNIO DA SEGURANÇA PÚBLICA Número de Meses do Projeto: 24 Linha Temática: Área do Conhecimento: Subárea do Conhecimento: Palavras Chaves Ciências Exatas e da Terra Ciência da Computação Interoperabilidade / Computação em Nuvem / Interoperabilidade Pragmática / Segurança Pública Resumo do Projeto Com o objetivo de usufruir dos benefícios oferecidos pela Computação em Nuvem, tais como recursos ilimitados, gerenciamento e redução dos custos de investimento, é necessário adotar soluções que promovam a interoperabilidade entre aplicações hospedadas em ambientes de nuvens distintos. Assim, a presente proposta abordará os três níveis de interoperabilidade (sintático, semântico e pragmático) 15/06/ :14:03 PM Página 1 de 27

2 Dados do Projeto analisando os três níveis da computação em nuvem (PaaS-Plataform as a Service, SaaS-Software as a Service e DaaS-Data as a Service): Os serviços IaaS e/ou PaaS requerem a interoperabilidade sintática que pode ser alcançada através da utilização de padrões de interoperabilidade sintáticos adequados ou utilizando uma plataforma de integração. Os Dados como Serviços (DaaS) requerem uma interoperabilidade semântica através de anotação semântica e abordagens de dados auto-descritivos; Os Softwares como Serviços (SaaS) requerem a interoperabilidade pragmática para assegurar que a intenção do requerente do serviço será entendida e executada de forma desejada pelo provedor do serviço. Este projeto visa desenvolver uma abordagem para dar suporte a interoperabilidade sintática, semântica e pragmática entre ambientes em nuvem distintos. Esta abordagem compreende uma infraestrutura denominada CSIS (Cloud Security Interoperable Society (CSIS): Um Ambiente para Interoperabilidade em Nuvem) para dar suporte ao desenvolvimento e à execução de serviços interoperáveis. Espera-se produzir benefícios para ambos os usuários finais e desenvolvedores de aplicações hospedadas em ambiente em nuvem. Desenvolvedores poderão compor suas aplicações com os serviços da infraestrutura proposta sem a necessidade de desenvolver soluções de base para a interoperabilidade, enquanto os usuários finais podem usar aplicações e dados que interoperam sintatica, semântica e pragmaticamente a fim de efetivamente atender aos seus requisitos. O cenário de uso para validação desta infraestrutura será a Segurança Pública, através do monitoramento e da execução de ações frente a Cogel - Companhia de Governança Eletrônica de Salvador (Município) e a Secretaria de Segurança Pública (Estado). Espera-se que ao final do projeto tenhamos um ambiente que proporcione aos usuários e aplicações, mesmo hospedadas em nuvens distintas, troca de mensagens para a realização das suas tarefas de forma transparente, onde este não perceberá a heterogeneidade envolvida na sua sua solicitação. Adicionalmente, espera-se contribuir com o avanço da arte da Computação em Nuvem bem como no tratamento dos vários níveis do requisito funcional de interoperabilidade. Em relação a computação em nuvem o projeto deve colaborar com o esforço de soluções e padrões para a engenharia de aplicações em nuvem. Em relação ao tópico da interoperabilidade, o projeto deve contribuir para proposta de soluções que desejam o tratamento da interoperabilidade em vários níveis. Como cenário de uso, temos a utilização da nossa infraestrutura CSIS (Cloud Security Interoperable Society) para atender as necessidades dos nossos parceiros: UCSal, Cogel e SSP através do monitoramento de câmeras destas instituições. Dados Adicionais do Projeto Introdução e justificativa: A computação em nuvem é um novo paradigma no campo da tecnologia da informação (TI), onde recursos computacionais como hardware, software, ambiente de desenvolvimento e outras infraestruturas são fornecidos aos usuários como serviços através da rede Internet ou Intranet. Sua evolução rápida na comunidade acadêmica e na indústria foi atribuída a capacidade de fornecer recursos computacionais ilimitados. O crescimento e a permanência dessa tecnologia estão ameaçados por vários desafios identificados, dos quais destaca-se o problema da dependência do fabricante, denominado Vendor locked-in ou Vendor dependency. Essa limitação é decorrente da dificuldade do usuário em mover seus dados e aplicações entre nuvens, ou seja, de uma nuvem para outra, ficando o mesmo obrigado a utilizar a mesma tecnologia, serviços e políticas aplicados por uma determinada nuvem onde estava previamente hospedado. O problema de Vendor locked-in pode ser caracterizado entre nuvens (heterogeneidade horizontal) ou dentro da mesma nuvem (heterogeneidade vertical) [2]. Três características principais foram identificadas como fatores fundamentais deste problema: as diferenças de semânticas, de tecnologias e de interfaces utilizadas pelas nuvens [3] [4] [5]. Esses elementos são responsáveis pela dificuldade de adotar a interoperabilidade de aplicações e dados entre as nuvens ou dentro de uma única nuvem [6]. A interoperabilidade é definida como a capacidade de aplicações heterogêneas compartilharem procedimentos e dados em plataformas distintas [23]. A interoperabilidade é de vital importância para o mundo moderno no qual a tecnologia dá suporte aos negócios e colaborações substituindo ações de seres humanos por mecanismos automatizados. A semântica inerente ao ser humano permite desfazer significados ou ações não compreendidas, ou seja, em uma conversa entre seres humanos, é possível facilmente solicitar mais informações quando há duvidas (por exemplo: O que o sr. disse? Poderia me explicar melhor? O que realmente deseja é isto, correto?). Em se tratando da comunicação entre componentes automatizados é preciso garantir que na troca de mensagens tanto os significados quanto as ações resultantes serão corretamente compreendidas e realizadas. Assim, a interoperabilidade é um requisito essencial para a realização de atividades em ambientes heterogêneos de uma maneira efetiva e eficiente. Diferentes tipos de interoperabilidade são necessários para que haja uma comunicação entre aplicações distribuídas e heterogêneas: sintática, semântica e pragmática [25]. A interoperabilidade sintática 15/06/ :14:04 PM Página 2 de 27

3 permite que mensagens sejam trocadas entre diferentes aplicações para realizar uma atividade. A interoperabilidade semântica está relacionada com a capacidade das entidades distintas (transmissor e receptor) compreenderem o conteúdo da mensagem. O significado dos dados é compartilhado e o conteúdo das solicitações de intercâmbio de informações é claramente definido. A interoperabilidade pragmática é obtida quando os sistemas envolvidos estão cientes dos métodos e procedimentos que são mutuamente utilizados. Em outras palavras, a utilização dos dados - ou o contexto da sua aplicação - é compreendido pelos sistemas participantes; o contexto no qual a informação trocada é inequivocadamente definida. Definições de interoperabilidade pragmática podem ser agrupadas em duas categorias: sistemas e negócios [15]. A interoperabilidade pragmática no nível do negócio existe se houver compatibilidade entre os requisitos de negócio das partes envolvidas expressa através de suas intenções de negócios, regras de negócios e políticas organizacionais. Ao nível do sistema, a interoperabilidade é principalmente entre aplicativos através da troca de mensagens[23]. Um dos principais objetivos da interoperabilidade pragmática é melhorar a comunicação entre os serviços e a colaboração entre sistemas e até mesmo entre instituições distintas. A comunicação é um elemento crucial para a colaboração. Os cenários nos quais a interoperabilidade pragmática é principalmente exigida envolve sempre heterogeneidade e grandes fontes de dados [16]. Várias estratégias em diferentes domínios têm sido desenvolvidas com o intuito de alcançar a interoperabilidade pragmática [17], das quais destacam-se: a área de Sistemas de Informação, especificamente no atendimento às expectativas do usuário [18] [19] as plataformas de Serviços Web [23], as arquiteturas de referência [20] e agentes de software [21]. Padrões, tal como o padrão HL (HL7) foram utilizados em algumas propostas [16] [22]. A interoperabilidade pragmática pode ajudar potencialmente a concretizar uma colaboração verdadeiramente eficaz, trazendo os benefícios das soluções tecnológicas mais perto do nível de negócios. A ausência de interoperabilidade semântica e pragmática pode acarretar em atrasos, resultados incorretos e incompletos que em certos domínios não é possível existir ou que causará prejuízos enormes financeiros ou até mesmo com vida. Os problemas de interoperabilidade semântica surgem quando modelos de domínio do usuário diferem dos modelos de domínio do sistema, enquanto que o problema de interoperabilidade pragmática acontece quando o efeito pretendido de uma mensagem difere do efeito real desta mensagem. Ao contrário da interoperabilidade semântica onde existem várias propostas de soluções como ontologias, plataforma e modelo[11,12,13], na interoperabilidade pragmática, as propostas são mais escassas e existe um amplo espectro para discussão. A interoperabilidade pragmática evidentemente é intimamente relacionada com a facilidade de centralidade no desenvolvimento de serviços, e tem uma função importante no desempenho do desenvolvimento da confiança do usuário nos serviços. Com o objetivo de usufruir dos benefícios oferecidos pela Computação em Nuvem, tais como recursos ilimitados, gerenciamento e redução dos custos de investimento, é necessário adotar soluções que resolvam o problema da interoperabilidade. Assim, a presente proposta abordará os três níveis de interoperabilidade analisando os três níveis da computação em nuvem (PaaS, SaaS e DaaS): Os serviços IaaS e/ou PaaS requerem a interoperabilidade sintática que pode ser alcançada através da utilização de padrões de interoperabilidade sintáticos adequados ou utilizando uma plataforma de integração. Os Dados como Serviços (DaaS) requerem uma interoperabilidade semântica através de anotação semântica e abordagens de dados auto-descritivos; Os Softwares como Serviços (SaaS) requerem a interoperabilidade pragmática para assegurar que a intenção do requerente do serviço será entendida e executada de forma desejada pelo provedor do serviço. Este projeto visa desenvolver uma abordagem para dar suporte a interoperabilidade sintática, semântica e pragmática entre ambientes em nuvem distintos. Esta abordagem compreende uma infraestrutura denominada CSIS (Cloud Security Interoperable Society (CSIS): Um Ambiente para Interoperabilidade em Nuvem) para suportar o desenvolvimento e a execução de serviços interoperáveis. Espera-se produzir benefícios para ambos os usuários finais e desenvolvedores. Desenvolvedores podem compor estes serviços sem a necessidade de desenvolver soluções de base para a interoperabilidade, enquanto os usuários finais podem usar aplicações e dados que interoperam sintatica e semanticamente a fim de efetivamente atender aos seus requisitos. O cenário de uso para validação desta infraestrutura será a Segurança Pública, através do monitoramento e da execução de ações frente a Cogel - Companhia de Governança Eletrônica de Salvador (Município) e a Secretaria de Segurança Pública (Estado). Espera-se que ao final do projeto tenhamos um ambiente que proporcione aos usuários e aplicações, mesmo hospedadas em nuvens distintas, troca de mensagens para a realização das suas tarefas de forma transparente, onde este não perceberá a heterogeneidade envolvida na sua sua solicitação. Adicionalmente, espera-se contribuir com o avanço da arte da Computação em Nuvem bem como no tratamento dos vários níveis do requisito funcional de interoperabilidade. Em relação a computação em nuvem o projeto deve colaborar com o esforço de soluções e padrões para a engenharia de aplicações em nuvem. Em relação ao 15/06/ :14:05 PM Página 3 de 27

4 tópico da interoperabilidade, o projeto deve contribuir para proposta de soluções que desejam o tratamento da interoperabilidade em vários níveis. Como cenário de uso, temos a utilização da nossa infraestrutura CSIS (Cloud Security Interoperable Society) para atender as necessidades dos nossos parceiros: UCSal, Cogel e SSP através do monitoramento de câmeras destas instituições. Diversos delitos têm ocorrido nas vias da avenida Pinto de Aguiar, em frente à Universidade Católica do Salvador, tendo como vítimas, dentre outros, os alunos da instituição. Operadores de câmeras instaladas nestas vias registram as ocorrências delituosas através da digitação de mensagens que posteriormente são enviadas a um aplicativo computacional que as processa e retorna ações de combate ao crime mais adequadas à cada situação. As ações, na sua maioria, representam a escolha de um órgão competente para combater o tipo de delito identificado na mensagem. Os agentes do órgão escolhido se dirigem ao local do delito para averiguar a ocorrência. As mensagens poderão ser enviadas ao aplicativo computacional por meio de cinco operadores: Software de processamento de imagem que identifica variação no padrão da imagem, pertencente ao Municipio; Operadores das câmeras digitais da central de monitoramento do Município; Operadores das câmeras digitais da central de monitoramento da UCSal; Operadores das câmeras digitais da central de monitoramento do Estado (39a. Cia. PM); Pessoas envolvidas, utilizando smartphones ou web site. A viabilidade desta aplicação requer que as mensagens sejam transmitidas de modo seguro entre: o aplicativo computacional, os operadores dos órgãos de segurança pública do Município e do Estado, os operadores da universidade, o software de processamento de imagem e os smartphones das pessoas envolvidas. Esta segurança, que é fundamental para reduzir a incidência de trotes, efetivamente só pode ser alcançada através da utilização do CSIS, conforme descrito neste projeto. Neste cenário, cada mensagem transmitida possui um contexto associado. Quando a mensagem é enviada para o aplicativo computacional o mesmo identifica em qual contexto essa se classifica. Esses contextos representam os tipos de delitos que podem ocorrer, como por exemplo, atos de vandalismo. As ações a serem tomadas precisam estar alinhadas ao contexto da mensagem. O aplicativo computacional caracteriza este alinhamento da seguinte forma: Comportamento inadequado de membros da comunidade UCSal - Acionar núcleo de segurança da universidade (Universidade); Atos de vandalismo - acionar guarda municipal (Municipio); Ação criminosa - Acionar a 39a. Cia. da PM (Estado); Alarme falso ou trote - Registar e arquivar. No intuito de exemplificar instâncias do cenário, será utilizada a via de registro de ocorrências que obtém as imagens através das câmeras digitais instaladas nas imediações da Universidade Católica do Salvador. Estas imagens são analisadas pelos operadores da central de monitoramento da UCSal que registram os delitos ocorridos nas dependências da universidade e na avenida Pinto de Aguiar. Alunos, de posse dos seus smartphones, poderão atuar também como operadores no registro de ocorrências. Uma instância inicial é caracterizada por um delito visualizado pelas câmeras da universidade. Nesta ocorrência, cinco suspeitos são percebidos pelo operador, sendo que um deles aparenta portar uma arma de fogo na cintura. O operador então digita a ocorrência e envia a mensagem para o aplicativo computacional. Consequentemente, a decisão de qual dos órgãos competentes é o mais adequado para combater o tipo de delito identificado é tomada pelo aplicativo. Neste caso, a 39a. Cia. da PM seria a melhor escolha por se tratar de porte de arma, que é uma atitude classificada como ação criminosa. Em uma outra situação, um aluno visualiza um indivíduo embriagado que resolve depredar o patrimônio público. Nesta caso, o aluno registra a ocorrência do delito, via smartphone, e a envia ao aplicativo computacional que decide acionar a guarda municipal, por perceber que não há necessidade de envolver força policial letal, pois a ocorrência se caracteriza como ação de vandalismo. Em uma terceira instância, as câmeras registram um indivíduo traficando drogas entre os alunos. O operador comunica o fato ao aplicativo computacional e o mesmo decide acionar o núcleo de segurança da universidade por constatar que o fato ocorreu nas dependências da instituição, o que caracteriza um comportamento inadequado de membros da comunidade UCSal. 15/06/ :14:05 PM Página 4 de 27

5 Embora isoladamente cada instituição contenha os seus aplicativos em nuvem, as mesmas são distintas e não permitem a comunicação entre si. Além disso, por se tratar de contextos diferentes que determinam ações distintas a depender do contexto analisado, as interoperabilidades sintáticas e semânticas não são suficientes para garantir que a mensagem correta será processada. Assim, somente através da interoperabilidade pragmática é possível garantir a correção das mensagens trocadas e a correta efetivação dos serviços oferecidos. Tanto as ocorrências como os órgãos de segurança pública precisam estar alinhados para que a ação de combate ao crime seja efetiva. Não é desejável, por exemplo, que a guarda municipal seja solicitada para atender às questões que envolvem uso de armamento pesado como também não é desejável que a polícia militar seja acionada para resolver desavenças familiares. Fundamentação Teórica: Segundo o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologias dos Estados Unidos (NIST), a Computação em Nuvem é definida como sendo um modelo que possibilita acesso via Internet, sob demanda, e de qualquer localização, recursos de computação compartilhados (redes, servidores, armazenamento, aplicativos) que possam ser prontamente disponibilizados e liberados como serviços com um esforço mínimo de gestão ou de interação com o provedor [9]. O NIST classifica o paradigma de computação em nuvem em cinco características essenciais, três modelos de serviços e três modelos de implantação. As características essenciais são consideradas como as principais vantagens da Nuvem. O modelo oferece serviço sobre demanda de uma forma automatizada, permite um amplo acesso a rede, facilita agrupamento de recursos no ambiente, tem capacidade de fornecer rapidamente recursos de acordo com a demanda e mede os serviços oferecidos. Esses serviços podem ser um Software (SaaS Software as a Service) como Google Drive e Picasa; uma plataforma (PaaS Platform as a Service) como Google App Engine e Microsoft Azure; ou uma Infraestrutura (IaaS - Infrastructure as a Service) como Amazon e IBM SmartCloud [10]. Dado o crescimento rápido do volume de dados gerado e armazenado nas nuvens, surgiu à necessidade de definir um novo modelo de serviços denominado Data as a Service (DaaS) dentro da estrutura da nuvem. O DaaS baseia-se no conceito de que os dados podem ser fornecidos sob demanda como serviços ao usuário independentemente da localização geográfica ou organizacional do fornecedor e do consumidor. O modelo DaaS envolvem os modelos de dados relacionais, dados estruturados e os dados semiestruturados. Dependendo do tipo de serviços fornecidos pelos provedores e das restrições de acesso, a nuvem pode ser classificada em privada, pública e híbrida. Como quaisquer outros serviços, os oferecidos na nuvem, possuem um ciclo de vida composto por cinco fases: Publicação, Descoberta, Seleção, Composição, Invocação e Monitoramento [11]. As descrições semânticas [3] dos serviços, as tecnologias [4] e interfaces [5] utilizadas são especificas para cada nuvem. Essas características afetam a interoperabilidade de dados e aplicações entre nuvens distintas provocando uma situação de Vendor Lock-in. O ideal é manter um conjunto de nuvens integrado como uma rede privada de distribuição de gás onde o consumidor adquire o serviço de gás sem necessidade de identificar a origem do produto. Seu objetivo é obter um serviço que seja sempre disponível, eficaz, eficiente e com o menor custo. O primeiro relatório técnico sobre os conceitos e desafios na computação em nuvem foi elaborado em 2009 por um grupo de pesquisadores da Universidade da Califórnia em Berkeley [1]. Algumas iniciativas como especificação de padrões e soluções abertas com diversas técnicas estão sendo desenvolvidos ou foram apresentadas. No caso das iniciativas padronizadas várias propostas foram apresentadas. A Distributed Management Task Force (DMTF) com seu grupo de nuvens de Gestão de Trabalho (CMWG) introduziu um formato chamado Open Virtualization Format (OVF) para encapsular e distribuir software que serão executados em múltiplas máquinas virtuais [34]. A IEEE criou dois grupos de trabalho nomeados P2301 [36] e P2302 [37]. O primeiro grupo é responsável por ativar os recursos de portabilidade por uso de interfaces e o segundo permite a interoperabilidade entre nuvens, fornecendo protocolos e funcionalidades. O Cloud Computing Interoperability Forum (CCIF) propôs uma padronização de interfaces em nuvem e uma descrição unificada de modelos de dados em nuvem semântica para integrar duas ou mais plataformas de nuvens. O Open Cloud Computing Interface (OCCI) do Open Grid Forum (OGF) e Storage Networking Industry Association (SNIA) produziu uma solução semelhante de interface com o modelo de serviço IaaS para estabelecer a interoperabilidade com as nuvens de armazenamento [35]. A Organização para o Avanço de Padrões de Informação Estruturada (OASIS) desenvolveu perfis de padrões abertos para a implantação de identidade, fornecimento e gerenciamento de computação em nuvem para assegurar a interoperabilidade. O Forum Plataforma 3.0 Aberta e Grupo Aberto do Grupo de Trabalho da Computação em Nuvem foi criado para garantir um entendimento comum entre compradores e fornecedores. Esta solução introduz plataformas e modelos padrão para eliminar uma eventual situação de vendor lock-in permitindo assim, que empresas beneficiem dos produtos e serviços nas nuvens. As soluções abertas desenvolvidas para resolver os problemas da interoperabilidade são baseadas em vários tipos de artefatos [29]. Os tipos mais comum são: Plataformas, Interfaces API e Arquiteturas, Frameworks, Abordagens e Ferramentas. Essas soluções foram projetadas para resolver os problemas de portabilidade, interoperabilidade sintática e/ou semática e/ou ambas. Devido a importância do assunto, existe uma variedade de soluções abertas que foram desenvolvidas no meio acadêmico e industrial. Apresentaremos algumas delas pela sua grau de importância: a Infraestructure as a Service Aggregator (IaaSA) [30], o Projeto 15/06/ :14:05 PM Página 5 de 27

6 RESERVOIR [31], o Projeto mosaic [32] e o Projeto SITIO [38]. A IaaSA [30] permite que diferentes provedores de IaaS subscreva seus recursos em uma interface comum para que usuários de IaaS consigam gerenciar os recursos [30]. O projeto SITIO [38] cria uma nova plataforma que fornece ontologias para descrever sematicamente os serviços disponíveis nos provedores e facilitar a localização das aplicações desejadas pelos usuários. Essa proposta soluciona o problema da interoperabilidade semântica a nível do modelo de serviços SaaS. O objetivo do Projeto mosaic [32] é desenvolver uma plataforma de código aberto que permite que os aplicativos negociem serviços em nuvens solicitado por seus usuários. Com a ontologia da nuvem, os aplicativos serão capazes de especificar os requisitos dos serviços e comunicar-se à plataforma através de uma API. A plataforma irá implementar um mecanismo de intermediação de multi-agente que irá procurar os serviços correspondentes as especificações das aplicações e possivelmente compor os serviços solicitados. A plataforma irá facilitar a concorrência entre os provedores de nuvem. O projeto RESERVOIR [31] fornece uma arquitetura para uma infra-estrutura orientada a serviços construída em padrões abertos e novas tecnologias. Fornece um painel e uma API (interface de aplicativo) padrão TCloud baseado em OVF (Open Virtualization Format) para apoiar o fornecimento dos serviços PaaS (Platform-as-a-Service) e SaaS (Software as a Service) nas nuvens. Podemos observar que ambas as iniciativas padronizadas e as soluções abertas propostas para resolver os problemas de interoperabilidade nas nuvens são direcionadas nos dois níveis de interoperabilidade: sintática e semática. Nenhuma delas tem proposta para interoperabilidade pragmática. Há portanto, uma escassez de propostas em relação a interoperabilidade pragmática, o que é uma boa oportunidade de um amplo espectro de discussão. Muitos pesquisadores têm argumentado que as soluções de interoperabilidade considerando apenas o formato e significado (ou seja, sintaxe e semântica) de troca de dados não são suficientes para alcançar uma comunicação completa, efetiva e significativa. Interoperabilidade pragmática tem sido destacada como um requisito fundamental para melhorar a comunicação. Autores em [25] [27] [28] têm discutido recentemente sobre a necessidade da interoperabilidade pragmática para estender os benefícios proporcionados pelas soluções de interoperabilidade semânticas e sintáticas. Suporte de interoperabilidade pragmática tem sido visto como um requisito fundamental para atender os efeitos desejados durante a troca de mensagens e diferentes autores [25] [27] [28] têm discutido nisso. Objetivo Geral: Um dos principais desafios da computação em nuvem é a heterogeneidade da infraestrutura, tecnologia e consequentemente aplicações que fazem uso deste ambiente. Esta heterogeneidade torna difícil a utilização eficaz dos dados por causa dos problemas de interoperabilidade. As preocupações com segurança e privacidade dos dados e das aplicações dificultam ainda mais o fornecimento de soluções, o que torna esta problemática um dos importantes desafios da atualidade. Os padrões internacionais emergentes não conseguem resolver isoladamente esse problema pelo fato de não conseguirem muitas vezes solucionar os aspectos mais desafiadores ou fazê-lo apenas em contextos relevantes para determinados usuários. Assim, o presente projeto tem por principal objetivo desenvolver uma infraestrutura para prover a interoperabilidade sintática, semântica e pragmática em diferentes níveis da computação em nuvem (PaaS, DaaS e SaaS), com o intuito de facilitar a integração de sistemas em contextos distintos. Espera-se que ao final do projeto tenhamos um ambiente denominado CSIS (Cloud Security Interoperable Society) que proporcione aos usuários e aplicações, mesmo hospedadas em nuvens distintas, troca de mensagens para a realização das suas tarefas de forma transparente, onde este não perceberá a heterogeneidade envolvida na sua sua solicitação. Adicionalmente, espera-se contribuir com o avanço da arte da Computação em Nuvem bem como no tratamento dos vários níveis do requisito funcional de interoperabilidade. Em relação a computação em nuvem o projeto deve colaborar com o esforço de soluções e padrões para a engenharia de aplicações em nuvem distintas. Em relação ao tópico da interoperabilidade, o projeto deve contribuir para proposta de soluções que desejam o tratamento da interoperabilidade em vários níveis. Objetivos Específicos: O presente projeto pretende criar um projeto de serviços para facilitar que os serviços em nuvem providos pelas instituições parceiras sejam utilizados globalmente através de tecnologias padronizadas robustas. Estes serviços serão providos pelos parceiros deste projeto envolvendo o Municipio (COGEL) na integração com o Estado (SSP). O foco da pesquisa conjunta será o desenvolvimento de tecnologias inovadoras que combinam Computação em Nuvem e Interoperabilidade para enfrentar os desafios decorrentes de diferentes contextos de aplicação. Assim, especificamente o presente projeto pretende: Conhecer as tecnologias emergentes deste projeto incluindo a Computação em Nuvem e a Interoperabilidade com o intuito de melhor gerenciar a integração e nivelar a equipe executora. Analisar as aplicações dos parceiros com o intuito de melhor definir a infraestrutura proposta (CSIS); Desenvolver a infrestrutura proposta (CSIS) para o desenvolvimento e execução de serviços em nuvem para o provimento do requisito não funcional da interoperabilidade nos três niveis: sintático, semântico e pragmático, tratando os três níveis da nuvem (PaaS, SaaS e DaaS). Desenvolver um processo de software para guiar os desenvolvedores na composição de serviços com CSIS; 15/06/ :14:05 PM Página 6 de 27

7 Desenvolver um processo de software que permita que a mesma aplicação que se utiliza da infraestrutura do CSIS possa ser desenvolvida para diferentes nuvens. Avaliar a infraestrutura desenvolvida a fim de que possa atender aos objetivos propostos; Desenvolver um conjunto de aplicações piloto de teste para que se possa validar a infraestrutura proposta assim como a integração das diferentes aplicações presente no cenario descrito. Integrar na infraestrutura proposta (CSIS) às características inovadoras como interoperabilidade pragmática desenvolvidas neste projeto para apoiar as aplicações pilotos. Validar os pilotos desenvolvidos a fim de que possam ser utilizadas pelos parceiros. Divulgar a pesquisa, o conhecimento e a tecnologia envolvidas neste projeto (CSIS), através da publicação de trabalhos científicos e a disseminação através de workshops com o intuito de melhor difundir o projeto e consequentemente socializar os conhecimentos adquiridos. Objetivos e Metas Alcançadas: Este projeto de pesquisa tem como objetivo desenvolver uma infrestrutura para promover a interoperabilidade entre nuvens distintas. A interoperabilidade será tratada nos níveis sintático, semântico e pragmático. Esta interoperabilidade será tratada nos três níveis da nuvem: PaaS, DaaS e SaaS. Cada meta possui um objetivo diretamente a ligado a um ou mais objetivos específicos do projeto, o gerenciamento global do projeto e a divulgação dos resultados obtidos durante a execução. Para cada meta teremos um responsável pela sua execução durante o projeto. Meta 1 - Compartilhamento do Conhecimento Básico Esta meta tem como principal objetivo compartilhar o conhecimento básico sobre os temas principais do presente projeto: Computação em Nuvem e Interoperabilidade. Para tal, as seguintes atividades foram propostas: A1.1. Estudo da Computação em Nuvem e seus conceitos essenciais A1.2. Estudo da Interoperabilidade e seus conceitos essenciais A1.3. Análise global de trabalhos que envolvem a interoperabilidade na computação em nuvem A1.4. Conhecimento dos aplicativos utilizados pelas instituições parceiras D1.1. Workshops sobre os temas propostos; Meta 2 - Especificação e Desenvolvimento da Abordagem de Interoperabilidade Sintática Esta meta tem como objetivo especificar uma abordagem, desenvolver e testar um conjunto de serviços para promover a interoperabilidade sintática entre nuvens, especificamente no nível de PaaS. Para tal, as atividades correspondem: A2.1. Levantamento do Estado da Arte utilizando técnicas de revisão sistemática A2.2. Especificação da proposta de solução para a Interoperabilidade Sintática A2.3. Especificação dos Serviços para a Interoperabilidade Sintática A2.4. Desenvolvimento e teste unitários dos Serviços para Interoperbilidade Sintática A2.5 Integração, Revisão e melhorias dos Serviços na infrasetrutura CSIS D2.1 Soluções para Interoperabilidade Sintática em Nuvens D2.2 CSIC - Serviços para Interoperabilidade SIntática entre Nuvens Meta 3 - Especificação e Desenvolvimento da Abordagem de Interoperabilidade Semantica Esta meta tem como objetivo especificar uma abordagem, desenvolver e testar um conjunto de serviços para promover a interoperabilidade semântica entre nuvens. As atividades correspondem ao: A3.1. Levantamento do Estado da Arte Utilizando técnicas de revisão sistemática A3.2. Especificação da proposta de solução para a Interoperabilidade Semântica A3.3. Especificação dos Serviços para a Interoperabilidade semântica A3.4. Desenvolvimento e teste unitários dos Serviços para Interoperabilidade semântica A3.5 Integração, Revisão e melhorias dos Serviços de Interoperbilidade semântica na infrasetrutura CSIS D3. 1 Soluções para Interoperabilidade semântica em Nuvens D3.2 CSIS - Serviços para Interoperabilidade semântica entre Nuvens Meta 4 - Especificação e Desenvolvimento da Abordagem da Interoperabilidade Pragmática Esta meta tem como objetivo especificar uma abordagem, desenvolver e testar um conjunto de serviços para promover a interoperabilidade pragmática entre nuvens. As atividades correspondem ao : A4.1. Levantamento do Estado da Arte utilizando técnicas de revisão sistemática A4.2. Especificação da proposta de solução para a Interoperabilidade pragmática A4.3. Especificação dos Serviços para a Interoperabilidade pragmática A4.4. Desenvolvimento e teste unitários dos serviços para Interoperabilidade pragmática A4.5. Integração, Revisão e melhoria dos Serviços de interoperabilidade pragmática na infrasetrutura CSIS 15/06/ :14:05 PM Página 7 de 27

8 D4. 1 Soluções para Interoperabilidade pragmática em Nuvens; D4.2 CSIS- Serviços para Interoperabilidade pragmática entre Nuvens; Meta 5 - Especificação, Desenvolvimento e Validação da Infraestrutura para tratamento da Interoperabilidade em Nuvens Esta meta tem como objetivo a integração das soluções geradas nas metas 2, 3, 4 em uma infraestrutura uniforme para o desenvolvimento de aplicações e serviços interoperáveis entre nuvens. As soluções geradas individualmente serão testadas de forma integrada para verificar a composição entre os serviços da infraestrutura. Usando aplicações baseadas no Projeto Piloto da Meta 6, testes de integração serão aplicados de forma iterativa até se alcançar uma estabilidade da infraestrutura proposta (CSIS). Além disto esta meta estará definido e guiando as soluções implementadas nas metas 2, 3, 4. Deve ser pesquisado o conjunto de tecnologias que serão usados para implementação bem como um ambiente de teste para as equipes que estarão trabalhando nas metas 2, 3, 4. As seguintes atividades foram elencadas: A5.1. Levantamento e definição de tecnologias para utilização no projeto. Serão definidas as plataformas de nuvens que serão utilizadas no projeto. A5.2. Instalação e teste da Infraestrutura de Desenvolvimento do Projeto A5.3. Escrita do Manual Interno de Utilização do Infraestrutura de Desenvolvimento A5.4. Integração dos Serviços de Interoperabilidade na infraestrutura A5.5. Projeto e execução do processo de validação da infraestrutura D5.1- Proposta Geral da CSIS - Estado da Arte e Proposta da Solução; D5. 2 Ambiente de Desenvolvimento CSIS; D5.3 - Arquitetura da Infraestrutura CSIS; D5.4 - Guia de Desenvolvimento de Execução de Aplicações da CSIS; D5.5 - CSIS Uma Infraestutura para a interoperabilidade entre nuvens. Este será um artefato final do projeto que apresentará, na forma de relatório técnico, a infraestrutura da CSIS. Meta 6 - Especificação, Desenvolvimento e Execução do Projeto Piloto no Domínio da Segurança Publica Esta meta tem como objetivo especificar e desenvolver um conjunto de aplicações para compor o piloto que será utilizado para validação dos serviços de interoperabilidade. Utilizando cenários básicos um conjunto de aplicações que utilizam os serviços de interoperabilidade serão implementadas para testar a infraestrutura definida. Estudos exploratórios, baseados no framework conceitual para engenharia de software experimental proposto em [26], serão empregados. As seguintes atividades foram elencadas: A6.1 Definição de Cenários, Levantamento e Especificação de Requisitos do Domínio A6.2. Definição e Especificação dos requisitos de sistema para as aplicações A6.3 Implementação, teste e estudo piloto das aplicações na infraestrutura CSIS A6.4. Especificação e Execução de Estudos explorátorios (caso de uso, experimentos, etc) das aplicações D6.1. CSIS - Cenários e Aplicações para Interoperabilidade em Nuvens D6.2 CSIS - Relatório Técnico dos Estudos Exploratórios da Infraestrutura Meta 7 - Especificação da estratégia de desenvolvimento de aplicações para nuvens Esta meta tem como objetivo especificar uma abordagem para que as aplicações do estudo piloto possam ser desenvolvidas. Esta abordagem será desenvolvida para facilitar a portabilidade das aplicações nas diversas nuvens envolvidas no projeto. As seguintes atividades foram elencadas: A7.1. Levantamento do estado da arte para desenvolvimento de aplicações em nuvens distintas A7.2. Especificação da abordagem para o modelo de negocio (independente de computação) A7.3. Especificação da abordagem para o modelo de projeto (independente de plataforma) A7.4. Especificação da abordagem para as plataformas de nuvens distintas utilizadas no projeto D7.1. Relatorio técnico sobre as abordagens; D7.2. Especificação do processo de desenvolvimento; D7.3 MInicurso sobre o desenvolvimento de aplicações interoperáveis em ambientes de nuvens Meta 8 - Gerenciamento do Projeto Esta meta tem como objetivo gerenciar a execução do projeto ao longo do seu ciclo de vida. Além da realização de atividades de gerenciamento esta meta tem como objetivo promover a integração entre as várias equipes que estarão trabalhando no projeto. As seguintes atividades foram elencadas: 15/06/ :14:05 PM Página 8 de 27

9 A8.1. Realizações de Workshops de Gerenciamento e Alinhamento de Resultados. A8.1.1 Workshop de Kickoff do projeto para (i) apresentação das partes envolvidas, (ii) definição dos lideres das metas e encarregados das atividades, (iii) definição dos grupos de trabalho; A Workshop semestral de apresentação dos resultados pelos grupos de trabalho. A8.2. Contratação de pessoal técnico do projeto A8.3. Aquisição de software para desenvolvimento e apoio as atividades do projeto A8.4. Definição e Acompanhamento do Cronograma de Andamento do trabalho A8.5. Reuniões quinzenais entre os lideres de metas para discussões técnicas, compartilhamento de conhecimento e tomada de decisões D8.1 Guia de execução do projeto Meta 9 - Divulgação e Socialização dos Resultados Esta meta tem como objetivo planejar e gerenciar a divulgação e socialização dos resultados. O projeto terá um site para a divulgação dos resultados para o público em geral. Os documentos do projeto que sejam de dominio público serão disponibilizados na forma de relatórios técnicos e links para suas publicações associadas. Cada deliverable do projeto tem potencial para gerar resultados de avanço tanto científico quanto tecnológico. Com o objetivo de gerar artefatos de qualidade e grande potencial de publicação, a cada finalização de um deliverable este será submetido para revisão de membros da equipe executora que não participarão da escrita do original. As seguintes atividades foram elencadas: A9.1. Delegação e distribuição dos Deliverables entre os Revisores A9.2. Acompanhamento e formatação do deliverables A9.3. Acompanhamento das principais oportunidades de publicação dos resultados do projeto. D9.1 Guia de Acompanhamento e Revisão dos deliverables D9.2 Guia dos potenciais veículos de publicação dos resultados. Qualificação do Principal Problema a ser Abordado: No cenário tecnológico atual, softwares, sistemas e aplicações colaboram para realização de diversas tarefas. A interoperabilidade está relacionada à capacidade dos sistemas se comunicarem de tal forma que diferentes partes possam colaborar independentemente das tecnologias utilizadas (metodologias, linguagens e ambientes de programação) [2].Ela é um requisito fundamental para a implementação de mecanismos que apóiem de forma eficiente e eficaz a realização das tarefas colaborativas em ambientes de nuvens. Apesar do grande potencial para a hospedagem de dados e execução de aplicações, softwares hospedados em nuvens distintas não são prontamente interoperáveis. A existência de uma grande diversidade de plataformas de nuvens faz com que a implementação do requisito de interoperabilidade seja uma tarefa de alto custo para os desenvolvedores de uma mesma aplicação a ser hospedada em nuvens distintas, bem como para desenvolvedores que desejam utilizar serviços que estão hospedados em nuvens distintas para compor os serviços em uma única aplicação. Na prática, para cada novo ambiente de nuvem inserido em um determinado projeto de software, pode ser necessário um novo processo de desenvolvimento e implementação para prover a interoperabilidade entre estes ambientes distintos, visto que cada nuvem tem uma infrestrutura e plataforma distintas. Efetivamente, um desenvolvedor precisa utilizar um conjunto de APIs específicas para fazer o deploy de um serviço em nuvem. Uma mesma aplicação, após o seu deploy em uma nuvem, não é prontamente interoperável entre as suas diferentes instancias hospedadas em nuvens distintas. Sendo assim, se o desenvolvedor de uma mesma aplicação ou aplicações distintas que estejam hospedadas em nuvens diferentes, deseja prover o requisito não-funcional de interoperabilidade, este desenvolvedor atualmente terá que: (i) executar processos específicos de software para o deploy em cada nuvem; (ii) desenvolver uma solução especifica para que as aplicações possam trocar mensagens entre si. Tomamos como exemplo o seguinte cenário de uma aplicação X que necessita ser hospedada nas nuvens A e B. Além disto, esta aplicação necessita compor com serviços de outra aplicação Y que também está nas nuvens C e D. O desenvolvedor da aplicação X necessitará de dois processos de software distintos para o deploy PXA e PXB. Onde : (i) PXA é o processo de deploy da aplicação X na nuvem A e (ii) PXB é o processo de deploy da aplicação na nuvem B. Além disto o desenvolvedor precisará desenvolver quatro soluções de software distintas: IXAYC, IXAYD, IXBYC e IXBYC. Onde IXAYC é a solução de interoperabilidade entre as aplicações X hospedada na nuvem A com a aplicação Y hospedada na nuvem C, IXAYD é a solução de interoperabilidade entre as aplicações X hospedada na nuvem A com a aplicação Y hospedadas na nuvem D, e assim por diante. A cada nuvem distinta que possivelmente entre neste cenário, será necessário N novos processos, sendo N o número de nuvens distintas. Sendo, aplicações e serviços hospedados em N nuvens distintas serão necessários N x N soluções diferentes. Assim, a presente proposta (CSIS) visa prover: (i) processo de software para minimizar o esforço de desenvolvimento de uma mesma aplicação para nuvens 15/06/ :14:05 PM Página 9 de 27

10 distintas. (ii) uma infraestrutura para minimizar o esforço de desenvolvimento para prover o requisito não-funcional da interoperabilidade entre aplicações que estão hospedadas em nuvens distintas. Espera-se alcançar, com a disponibilização da infreestutrura, um cenário no qual as aplicações distintas e hospedadas em diferentes nuvens possam interoperar no nível desejado (sintático, semântico e pragmático) de forma transparente para os usuários das aplicações e com um custo efetivo do processo de desenvolvimento para os engenheiros de software. Metodologia: A metodologia aplicada neste projeto pode ser dividida em quatro macro etapas: a primeira etapa corresponde à aquisição de conhecimento na área investigada. A segunda etapa envolve o projeto, desenvolvimento e validação da infraestrutura proposta (CSIS), a terceira etapa se refere a incorporação dos serviços à infraestrutura proposta e a consequente geração dos pilotos e a quarta etapa será responsável pela sociallização dos resultados adquiridos com este projeto. Ao longo de uma etapa do projeto as atividades definidas nas metas serão realizadas. Similarmente ao desenvolvimento interativo incremental de um produto de software, uma etapa se carateriza por ter uma enfase maior em um determinado tipo de atividade. Por exemplo na primeira etapa teremos uma intensa realização das atividades de aquisição de conhecimento presentes nas primeiras etapas de cada meta. As metas deste projeto serão desenvolvidas de forma paralela durante as etapas deste projeto. Assim, a primeira etapa far-se-á necessário um estudo sobre os conceitos fundamentais de Computação em Nuvem e Interoperabilidade através da leitura, análise e discussão de artigos científicos. Além disso, em cada meta descrita há atividades que correspondem à aquisição de conhecimento especifico refernte à meta proposta. A segunda etapa corresponde ao desenvolvimento da infraestrutura propriamente dita na qual envolve as metas 2, 3,e 4 descritas. Nese intuito a combinação dos métodos Double-Diamond, UCD e Desenvolvimento Ágil serão utilizados. A combinação destes métodos traz algumas vantagens: O alinhamento dos resultados entre as partes interessadas, as equipes de desenvolvimento e os usuários finais; Prevenção de retrabalho Prevenção de erros de interpretações através de verificações iniciais e testes; Melhoria da qualidade do serviço a ser oferecido. A terceira macro etapa tem por principal objetivo incorporar possíveis serviços e gerar os pilotos. Nesta etapa também teremos intensa atividade de testes e estudos exploratórios baseado no framework conceitual proposto em [26]. A quarta macro etapa corresponde a socialização dos resultados deste projeto através de workshops, de publicação de artigos cientificos em veiculos nacionais e internacionais. Além disso, os produtos gerados, tais como a infraestrutura e o piloto também são partes inerentes ao conhecimento adquirido ao longo deste projeto. Infraestrutura disponível da Instituição Executora: A execução do projeto contará com o apoio das infraestruturas de cinco laboratorios do Departamento de Ciência da Computação (DCC/UFBA): LaSiD (Laboratório de Sistemas Distribuidos), LES (Laboratório de Engenharia de Software) e o Laboratorio de Pós-Graduação. O LaSiD conta com três salas disponíveis para alunos, uma de uso geral de alunos que atuam na area de pesquisa em Sistemas Distribuídos, outra de Mecatronica e ainda uma interdisciplinar. Atualmente este laboratorio faz parte de um centro interdisciplinar denominado CICTI e conta no total com 26 desktops, 3 impressoras, máquina xérox e um projetor multimídia, além de um acervo bibliográfico com títulos importantes que dão apoio aos projetos. O LES (Laboratório de Engenharia de Software) está situado no PAF e dispõe de postos de trabalhos para alunos que desenvolvem pesquisas na área de Engenharia de Software. Há mais três laboratorios destinados a pós-graduação, totalizando 72 postos de trabalho para alunos desenvolverem suas pesquisas. Além do mais, há o Centro de Apoio a Pós-Graduação (CEAPG) que possui técnicos administrativos que apoiam a pós-graduação. Impactos e Resultados Previstos: A presente proposta tem três impactos claramente caracterizados: científico, tecnológico e social. O impacto científico é decorrente do avanço no estado da arte para a área de computação em nuvem que a abordagem proposta (CSIS) irá empreender. Atualmente não há uma solução integrada baseada em serviços que permita interoperar nos três níveis nuvens distintas, ou seja de fornecedores distintos. Além disso, o presente projeto ambiciona prover a interoperabilidade pragmática que tem por principal objetivo analisar o contexto que as aplicações estão inseridas. Em se tratando do impacto tecnológico, tanto a abordagem proposta quanto o ambiente que será desenvolvido para apoiá-la são aplicáveis a empresas que possuam setores de desenvolvimento de software que desejem melhorar a produtividade e a qualidade dos seus processos e produtos relativos à tecnologia da informação. Em se tratando de nuvens distintas, o fornecimento de um ambiente que permita integrar nuvens distintas já favorece o avanço tecnológico adquirido pela área. É possível destacar como principal 15/06/ :14:05 PM Página 10 de 27

11 resultado a construção do protótipo do Ambiente CSIS e a distribuição da sua primeira versão estável, como sendo uma ferramenta inovadora não somente em contexto nacional, mas também no âmbito internacional. Esta ferramenta terá um potencial para contribuir com a facilitação do desenvolvimento de aplicação para nuvens através de adoções de padrões. Em se tratando do impacto social, um dos principais pontos se refere à atividade de pesquisa visto que a mesma contribui para a formação de pessoal diminuindo a sua dependência tecnológica. Esta formação atrai investimento de indústrias no setor e fomenta a capacitação de pessoal o que contribui para a geração de riquezas. O engajamento de alunos dos cursos de graduação, especialização, mestrado e doutorado já são um exemplo desta formação e capacitação de pessoal. Em se tratando de impacto social, há o caracter especifico deste projeto voltado para a segurança pública. Através da presente proposta será possível coibir a ação de delinquentes nas mediações e principalmente minimizar os acionamentos inadequados a determinados órgãos, enquanto outros de esfera menor já poderiam resolver o problema. Considerando o estudo de caso mencionado, uma viatura da PM não será acionada caso haja um conflito familiar que a Guarda Municipal já pode resolver. Consequentemente haverá uma maior credibilidade por parte das esferas municipais e estaduais e ainda institucionais em detrimento do deslocamento para o local do delito. Consequentemente a população terá uma sensação de maior apoio e espera-se que haja uma redução significativa nos delitos da região. Principal Contribuições Científicas e Tecnológicas da Proposta/Resultados Esperados: Ao termino dos 24 meses deste projeto, espera-se o alcance das metas estabelecidas contemplando a especificação da abordagem e da infraestrutura CSIS, bem como o desenvolvimento do ambiente ferramental que possibilitará a prática da abordagem. Pretende-se obter resultados distribuídos em diversos contextos como detalhado a seguir: RESULTADOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA É possível destacar como principal resultado a construção do protótipo do Ambiente CSIS e a distribuição da sua primeira versão estável, como sendo uma ferramenta inovadora não somente em contexto nacional, mas também no âmbito internacional. Tal ferramenta possibilitará a realização de experimentos e estudos de caso tanto em laboratório quanto em ambientes reais de produção de software. Dessa maneira, será possível avaliar o grau de aceitação, limitações e potencialidades, tanto da abordagem quanto da solução ferramental de apoio, diante de interesses das organizações produtoras de software e relatos científicos encontrados na literatura. Para levar os resultados ao Mercado de Software, espera-se participar de eventos diversificados, ministrando palestras e minicursos. Espera-se construir um ambiente estável para que este evolua continuamente servindo de base tanto para trabalhos academicos-científicos como troca de experiencia para o mercado de software. RESULTADOS CIENTÍFICOS Diversos resultados no âmbito científico podem ser destacados após a realização do projeto: (i)publicação da Abordagem CSIS bem como os subprodutos da infraestrutura, isto é, os seus módulos poderão ser publicados separadamente em um ou mais artigos. (ii)estudos de Caso relatando e avaliando a aplicação da abordagem e do ambiente. A base cientifica desses resultados será composta pelos elementos seguintes: (i)publicações em anais de congressos, revistas e jornais nacionais e internacionais; (ii)trabalhos de conclusão de graduação através de alunos do cursos de computação da Ufba, Ucsal e Uneb. (iii)possível relação com monografias de pós-graduação, dissertações de mestrado e tese de doutorado relacionadas ao tema por meio do Programa de Pós-Graduação da Ufba. Referências Bibliográficas: [1] M. Armbrust, A. Fox, R. Griffith, A. D. Joseph, R. Katz, A. Konwinski, G. Lee, D. Patterson, A. Rabkin, I. Stoica, and M. Zaharia, Above the clouds: A Berkeley view of cloud computing, Dept. Electrical Eng. and Comput. Sciences, University of California, Berkeley, Rep. UCB/EECS, vol. 28, Acessado em: [2] A. Ranabahu and A. Sheth, Semantics Centric Solutions for Application and Data Portability in Cloud Computing, in Proceedings of the 2nd IEEE International Conference on Cloud Computing Technology and Science (CloudCom 2010), Indianapolis, Indiana USA, [3] N. Loutas, V. Peristeras, T. Bouras, E. Kamateri, D. Zeginis, and K. Tarabanis, Towards a Reference Architecture for Semantically Interoperable Clouds, in 2010 IEEE Second International Conference on Cloud Computing Technology and Science, 2010, pp [4] B. Rochwerger, D. Breitgand, E. Levy, A. Galis, K. Nagin, I. M. Llorente, R. S. Montero, Y. Wolfsthal, E. Elmroth, J. Caceres, M. Ben-Yehuda, W. Emmerich, and F. Galán, The Reservoir model and architecture for open federated cloud computing, IBM Journal of Research and Development, vol. 53, no. 4, pp. 4:14:11, Jul [5] L. Rodero-Merino, L. M. Vaquero, V. Gil, F. Galán, J. Fontán, R. S. Montero, and I. M. Llorente, From 15/06/ :14:05 PM Página 11 de 27

12 infrastructure delivery to service management in clouds, Future Generation Computer Systems, vol. 26, no. 8, pp , Oct [6] P. Hofmann and D. Woods, Cloud Computing: The Limits of Public Clouds for Business Applications, IEEE Internet Computing, vol. 14, no. 6, pp. 9093, Nov [7] D. Petcu, G. Macariu, S. Panica, and C. Crăciun, Portable Cloud applications From theory to practice, Future Generation Computer Systems, Jan [8] N. Ferry, A. Rossini, F. Chauvel, B. Morin, and A. Solberg, Towards model-driven provisioning, deployment, monitoring, and adaptation of multi-cloud systems, in IEEE 6th Intl. Conf. on Cloud Computing, 2013, pp [9] DILLON, T., WU, C., and CHANG, E. Cloud computing: Issues and challenges. In Advanced Information Networking and Applications (AINA), th IEEE International Conference on, pages (2010). [10] OpenCloud (2010). The Open Could Manifesto. Acessado em: 29/01/2014. [11] BREITMAN, K. and VIRTEBO, J. Computação na Nuvem Uma Visão Geral [12] NEIVA, F. W. ; DAVID, J. M. N. ; Maciel, R. S. P. ; Braga, Regina ; CAMPOS, F.. SISS: Extending Semantic Interoperability to Support Collaborative System Development and Execution. In: IEEE 18th International Conference on Computer Supported Cooperative Work in Design (CSCWD 2014), 2014, Taiwan. IEEE 18th International Conference on Computer Supported Cooperative Work in Design (CSCWD 2014), [13] Arize, Diego ; Maciel, R. S. P. ; DAVID, J. M. N.. ThesIS: A Semantic Interoperability Service for a Middleware Service Oriented Architecture. In: 17th IEEE International Conference on Computer Supported Cooperative Work in Design (CSCWD 2013), 2013, Whistler. 17th IEEE International Conference on Computer Supported Cooperative Work in Design (CSCWD 2013), 2013 [14] DE ALMEIDA, THIAGO R. ; DAVID, JOSE MARIA N. ; MACIEL, RITA SUZANA P.. Supporting semantic interoperability in a middleware infrastructure for the development of collaborative services. In: th International Conference on Computer Supported Cooperative Work in Design (CSCWD), 2011, Laussane. Proceedings of the th International Conference on Computer Supported Cooperative Work in Design (CSCWD). p [17] Asuncion, C. H. (2011). Pragmatic interoperability in the enterprise : a research agenda. 23rd International Conference on Advanced Information Systems Engineering Doctoral Consortium, CAiSE-DC. London, United Kingdom. [15] Asuncion, C. H., and van Sinderen, M. J. (2010). Pragmatic interoperability: A systematic review of published definitions [16] Liu, S., and Zaraté, P. (2014). Knowledge Based Decision Support Systems: A Survey on Technologies and Application Domains. Group Decision and Negotiation. A Process-Oriented View, [18] Ferreira, N., Santos, N., Machado, R., and Gasevic, D. (2012). Derivation of Process-Oriented Logical Architectures: An Elicitation Approach for Cloud Design. 3th International Conference on Product-Focused Software Development and Process Improvement - PROFES , pp Berlin Heidelberg, Germany, Madrid, Spain: Springer-Verlag. [19] Lee, J., Lee, Y., Shah, S., and Geller, J. (2007). HIS-KCWater: context-aware geospatial data and service integration. ACM symposium on Applied computing (pp ). ACM. [20] Mingxin, G. (2009). Enterprise Isomorphic Mapping Mechanism: Towards Ontology Interoperability in EIS Development. IEEE International Conference on e-business Engineering (pp ). IEEE. [21] Lee, Y., Patel, C., Chun, S. A., and Geller, J. (2004). Towards intelligent Web services for automating medical service composition. IEEE International Conference on Web Services (pp ). IEEE. [22] Rukanova, B., van Slooten, K., and Stegwee, R. A. (2006). Towards a Meta Model for Describing Communication. Enterprise Information Systems VI, [23] Chen, C., Fang, C.-L., and Liang, D. (2007). Ft-soap: A fault-tolerant web service. Journal of Systems Architecture: the EUROMICRO Journal. [24] G. C. Silva, L. M. Rose, R. Calinescu A Systematic Review of Cloud Lock-in Solutions IEEE International Conference on Cloud Computing Technology and Science. Department of Computer Science, University of York. [25] Asuncion, C. H., Sinderen. J. M.; Pragmatic Interoperability: A Systematic Review of Published Definitions. Peter Bernus; Guy Doumeingts; Mark Fox. Enterprise Architecture, Integration and Interoperability, 326, Springer, pp , 2010, IFIP Advances in Information and Communication Technology, [26] Wohlin, C. Aurum, A. Towards a decision-making structure for selecting a research design in empirical software Engineering. Empir Software Eng. Springer, 2014 [27] Karasavvas, K. A., Baldock, R., & Burger, A. (2004). Bioinformatics integration and agent technology. Journal of Biomedical Informatics (37(3)), [28] Bravo, M., & Alvarado, M. (2008). On the pragmatic similarity between agent communication protocols: Modeling and measuring. On the Move to Meaningful Internet Systems: OTM, (pp ). [29] G. C. Silva, L. M. Rose, R. Calinescu A Systematic Review of Cloud Lock-in Solutions IEEE International Conference on Cloud Computing Technology and Science. Department of Computer Science, 15/06/ :14:05 PM Página 12 de 27

13 University of York. [30] B. S. Lee, S. Yan, D. Ma, and G. Zhao, Aggregating IaaS Service, in Proceedings of 2011 Annual SRII Global Conference, Connecting Services to Science & Engineering San Jose, California, [31] B. Rochwerger, D. Breitgand, E. Levy, A. Galis, Nagin K., I. Llorente, R. Montero, Y. Wolfsthal, E. Elmroth, J. Caceres, M. Ben-Yehuda, W. Emmerich, and F. Gal an, The RESERVOIR Model and Architecture for Open Federated Cloud Computing, IBM Systems Journal, [32] B. di Martino, D. Petcu, R. Cossu, P. Goncalves, Mahr T., and M.Loichate, Building a Mosaic of Clouds, in Proceedings of the 16th European Conference on Parallel and Distributed Computing (Euro-Par 2010), Ischia-Naples, Italy, [33] SILVA, L. J. ; CLARO, D. B. ; LOPES, D. C. P.. Semantic-based Clustering of Web Services. Journal of Web Engineering, v. 14, p , [34] Distribuited Managemente Task Force.http://www.dmtf.org/standards/cloud. Acessado em: [35] Open Cloud Computing Interface. http: //occi-wg.org/. Acessado em: [36] N. Loutas, E. Kamateri, F. Bosi, and K. Tarabanis, Cloud Computing Interoperability: The State of Play, in Cloud Computing Technology and Science (CloudCom), 2011 IEEE Third International Conference on, 2011, pp [37] M. Vukoli c, The byzantine empire in the intercloud, SIGACT News, vol. 41, no. 3, pp , Acessado em: [38] F. Garcia-Sanchez, E. Fernandez-Breis, R. Valencia-Garcia, E. Jimenez, J. Gomez, J. Torres-Nino, and D. Martinez-Maqueda, Adding Semantics to Software-as-a-Service and Cloud Computing, WSEAS Transactions on Computers, vol. 9, pp , Disponibilidade Efetiva de Infraestrutura e de apoio Técnico para o Desenvolvimento do Projeto (instituição executora e parceira): A Universidade Católica do Salvador UCSal conta com dois grupos de pesquisa ligados ao desenvolvimento de soluções computacionais de alto desempenho, sistemas de informações de uso geral e bancos de dados, ambos localizados no Campus de Pituaçu, Departamento 3, Instituto de Ciências Exatas, o qual reúne os cursos de Bacharelado em Informática, Sistemas de Informações, Engenharia Civil, Engenharia Ambiental e Matemática. LECA (Laboratório de Estudos em Computação Avançada) Este laboratório foi oriundo do projeto CEBACAD (Centro Baiano de Computação de Alto Desempenho) e tem como principal objetivo o desenvolvimento de soluções computacionais que demandem alto poder de processamento e programação paralela. Sua estrutura compreende computares integrados em rede e acesso à Internet. NEDAEL (Núcleo de Estudos e Desenvolvimento de Aplicações Educacionais Livres) Este núcleo objetiva desenvolver soluções computacionais usando software gratuito e de código aberto, prioritariamente para a área de educação, atualmente pesquisando desenvolvimento de soluções interativas de geoprocessamento no modelo webgis para a educação ambiental. Os grupos de pesquisa dispõem de uma sala exclusiva no próprio prédio da graduação no Campus de Pituaçu com computadores em rede e ligados à internet, equipados com programas gráficos, de geoprocessamento e servidores de desenvolvimento de aplicações e de bancos de dados, além de impressoras, scanners, mesas para análise de mapas e biblioteca com vasto acervo nas áreas de geografia, informática, engenharia e ciências biológicas. As tecnologias atualmente existentes no laboratório do grupo de pesquisa enquadram-se na premissa do software livre, de código aberto e do desenvolvimento tecnológico nacional, a exemplo dos aplicativos Spring e Terraview do INPE, a extensão espacial para bancos de dados PostGIS da Open Source Spatial Software and Refractions Research, a ferramenta de modelagem de dados espaciais ArgoCaseGEO da Universidade Federal de Viçosa-MG, bem como do uso das bases cartográficas do IBGE e das imagens dos satélites CBERS e LANDSAT. Além dessa estrutura, este projeto conta com o apoio do programa de Mestrado e Doutorado em Planejamento Territorial que se dedica a estudos urbanos e ambientais na RMS possuindo em Pituaçu o Laboratório integrado de Geoprocessamento (LABGEO). A execução do projeto contará com o apoio das infraestruturas de cinco laboratorios do Departamento de Ciência da Computação (DCC/UFBA): LaSiD (Laboratório de Sistemas Distribuidos), LES (Laboratório de Engenharia de Software) e o Laboratorio de Pós-Graduação. O LaSiD conta com três salas disponíveis para alunos, uma de uso geral de alunos que atuam na area de pesquisa em Sistemas Distribuídos, outra de Mecatronica e ainda uma interdisciplinar. Atualmente este laboratorio faz parte de um centro interdisciplinar denominado CICTI e conta no total com 26 desktops, 3 impressoras, máquina xérox e um projetor multimídia, além de um acervo bibliográfico com títulos importantes que dão apoio aos projetos. O LES (Laboratório de Engenharia de Software) está situado no PAF e dispõe de postos de trabalhos para alunos que desenvolvem pesquisas na área de Engenharia de Software. Há mais três laboratorios destinados a pós-graduação, totalizando 72 postos de trabalho para alunos desenvolverem suas pesquisas. Além do mais, há o Centro de Apoio a Pós-Graduação (CEAPG) que possui técnicos administrativos que apoiam a pós-graduação. 15/06/ :14:05 PM Página 13 de 27

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

TÍTULO: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E ESTRUTURA DA SOLUÇÃO DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM IMPLANTADA EM UMA EMPRESA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TÍTULO: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E ESTRUTURA DA SOLUÇÃO DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM IMPLANTADA EM UMA EMPRESA DO ESTADO DE SÃO PAULO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E ESTRUTURA DA SOLUÇÃO DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM IMPLANTADA EM UMA EMPRESA

Leia mais

Transformação da Indústria

Transformação da Indústria Conceitos Transformação da Indústria Hoje Cloud Anos 2000 Web Anos 1990 Cliente / Servidor Anos 1970 e 80 Mainframe Novas possibilidades O momento atual do país é favorável para que as empresas passem

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Computação em Nuvem. Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2

Computação em Nuvem. Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2 Computação em Nuvem Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010

Leia mais

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist 05 De onde vem o termo nuvem? Business Servidores SAN WAN SAN LANs Roteador NAS Switch

Leia mais

Levantamento sobre Computação em Nuvens

Levantamento sobre Computação em Nuvens Levantamento sobre Computação em Nuvens Mozart Lemos de Siqueira Doutor em Ciência da Computação Centro Universitário Ritter dos Reis Sistemas de Informação: Ciência e Tecnologia Aplicadas mozarts@uniritter.edu.br

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Fernando Seabra Chirigati. Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte

Fernando Seabra Chirigati. Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte Fernando Seabra Chirigati Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte Introdução Grid x Nuvem Componentes Arquitetura Vantagens

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação ORIGEM e Comunicações Departamento de Segurança da Informação e

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect Cloud Computing e HP Converged Infrastructure Para fazer uso de uma private cloud, é necessário crescer em maturidade na direção de uma infraestrutura convergente. Por Antonio Couto O que é Cloud Computing?

Leia mais

O que é Cloud Computing?

O que é Cloud Computing? O que é Cloud Computing? Referência The Economics Of The Cloud, Microsoft, Nov. 2010 Virtualização, Brasport, Manoel Veras, Fev. 2011. 2 Arquitetura de TI A arquitetura de TI é um mapa ou plano de alto

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Artigo. Riscos de Segurança em Cloud Computing Questões de segurança e gestão de riscos. Parte 3

Artigo. Riscos de Segurança em Cloud Computing Questões de segurança e gestão de riscos. Parte 3 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Tecnológico - CTC Departamento de Informática e Estatística - INE Curso Ciências da Computação CCO Disciplina Redes de Computadores I - INE5414 Professor

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 0 CLOUD COMPUTING 1 1. Introdução Com o grande avanço da tecnologia de processadores,

Leia mais

COMPUTAÇÃO EMNUVEM AVALIAÇÃO DO RETORNO DO INVESTIMENTO. Pedro Assis. pfa at isep.ipp.pt passis at eu.ipp.pt

COMPUTAÇÃO EMNUVEM AVALIAÇÃO DO RETORNO DO INVESTIMENTO. Pedro Assis. pfa at isep.ipp.pt passis at eu.ipp.pt COMPUTAÇÃO EMNUVEM AVALIAÇÃO DO RETORNO DO INVESTIMENTO Pedro Assis pfa at isep.ipp.pt passis at eu.ipp.pt 8 de Fevereiro de 2011, Jornadas FCCN, FEUP Agenda Enquadramento Retorno do Investimento Metodologia,

Leia mais

Computação em Grid e em Nuvem

Computação em Grid e em Nuvem Computação em Grid e em Nuvem Computação em Nuvem Molos 1 Definição Um grid computacional é uma coleção recursos computacionais e comunicação utilizados para execução aplicações Usuário vê o grid como

Leia mais

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA QUALQUER TIPO DE USUÁRIO Gustavo Henrique Rodrigues Pinto Tomas 317624 AGENDA Introdução: Cloud Computing Modelos de Implementação Modelos de Serviço Eucalyptus

Leia mais

Soluções IBM SmartCloud. 2014 IBM Corporation

Soluções IBM SmartCloud. 2014 IBM Corporation Soluções IBM SmartCloud Estratégia de Cloud Computing da IBM Business Process as a Service Software as a Service Platform as a Service Infrastructure as a Service Design Deploy Consume Tecnologias para

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA COMPARAÇÃO DE PROVEDORES DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM DESDE UMA PERSPECTIVA DE INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES 1

UMA PROPOSTA PARA COMPARAÇÃO DE PROVEDORES DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM DESDE UMA PERSPECTIVA DE INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES 1 UMA PROPOSTA PARA COMPARAÇÃO DE PROVEDORES DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM DESDE UMA PERSPECTIVA DE INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES 1 Igor G. Haugg 2, Rafael Z. Frantz 3, Fabricia Roos-Frantz 4, Sandro Sawicki 5. 1 Pesquisa

Leia mais

Imagem Gustavo Santos. Observe Bombinhas SC.

Imagem Gustavo Santos. Observe Bombinhas SC. Imagem Gustavo Santos. Observe Bombinhas SC. 1 2 1. Uma nova modalidade de prestação de serviços computacionais está em uso desde que a computação em nuvem começou a ser idealizada. As empresas norte-

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Computação em Nuvens IaaS com Openstack. Eng. Marcelo Rocha de Sá marcelo@jambu.com.br FLISOL - Belém - Pará 25 de abril 2015

Computação em Nuvens IaaS com Openstack. Eng. Marcelo Rocha de Sá marcelo@jambu.com.br FLISOL - Belém - Pará 25 de abril 2015 Computação em Nuvens IaaS com Openstack Eng. Marcelo Rocha de Sá marcelo@jambu.com.br FLISOL - Belém - Pará 25 de abril 2015 Nuvens Computacionais IaaS com Openstack Nuvens Computacionais Serviços em nuvens

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Tendências em TI Aula: 01 versão: 1.1 30/06/2014

Tendências em TI Aula: 01 versão: 1.1 30/06/2014 Tendências em TI Aula: 01 versão: 1.1 30/06/2014 Robson Vaamonde http://www.vaamonde.com.br http://www.procedimentosemti.com.br Professor do Curso Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de

Leia mais

Em direção à portabilidade entre plataformas de Computação em Nuvem usando MDE. Elias Adriano - UFSCar Daniel Lucrédio - UFSCar

Em direção à portabilidade entre plataformas de Computação em Nuvem usando MDE. Elias Adriano - UFSCar Daniel Lucrédio - UFSCar Em direção à portabilidade entre plataformas de Computação em Nuvem usando MDE Elias Adriano - UFSCar Daniel Lucrédio - UFSCar III Workshop Brasileiro de Desenvolvimento de Software Dirigido por Modelos

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo Proposta para Grupo de Trabalho GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados Roberto Samarone dos Santos Araujo Agosto/2011 1 Título GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

monitoramento unificado

monitoramento unificado DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA monitoramento unificado uma perspectiva de negócios agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 Seção 1: ambientes de computação emergentes atuais 4 Seção 2: desafios

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

Computação em Nuvem & OpenStack

Computação em Nuvem & OpenStack Computação em Nuvem & OpenStack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre Ação Computação em Nuvem: Charles Christian Miers André Rover de Campos Glauber Cassiano Batista Joinville Roteiro Definições

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE PLATAFORMAS DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM

ANÁLISE COMPARATIVA DE PLATAFORMAS DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM ANÁLISE COMPARATIVA DE PLATAFORMAS DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM Igor dos Passos Granado¹, Ricardo de Melo Germano¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil

Leia mais

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02 tendências CLOUD EDIÇÃO 02 Agosto/2012 CLOUD O conceito de nuvem é nebuloso Como uma organização pode contratar assertivamente Serviços em Cloud? Quais são os principais riscos de um contrato de Cloud

Leia mais

Computação em Nuvem (Cloud Computing)

Computação em Nuvem (Cloud Computing) Computação em Nuvem (Cloud Computing) Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas Introdução Os modelos ASP e SaaS têm sido hoje usados

Leia mais

Arquiteturas Paralelas e Distribuídas

Arquiteturas Paralelas e Distribuídas Arquiteturas Paralelas e Distribuídas TSI-6AN Apresentado por: Cleber Schroeder Fonseca 1 CLOUD COMPUTING 2 Cloud Computing A expressão cloud computing (computação nas nuvens) começou a ganhar força em

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

Acelere a sua jornada à nuvem

Acelere a sua jornada à nuvem Boletim técnico Acelere a sua jornada à nuvem Arquitetura de nuvem convergente da HP Índice Uma nova computação para a empresa... 2 Evolua a sua estratégia de TI para incluir serviços da nuvem... 2 A nova

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM

9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM 9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM Autor(es) ORLANDO PEREIRA SANTANA JUNIOR Orientador(es) MARINA TERESA PIRES VIEIRA 1. Introdução A informação

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

CA Automation Suite for Data Centers

CA Automation Suite for Data Centers FOLHA DE PRODUTOS: CA Automation Suite for Data Centers CA Automation Suite for Data Centers agility made possible "A tecnologia ultrapassou a capacidade de gerenciamento manual em todas as grandes empresas

Leia mais

Alex D. Camargo, Érico M. H. Amaral, Leonardo B. Pinho

Alex D. Camargo, Érico M. H. Amaral, Leonardo B. Pinho COMISSÃO REGIONAL DE ALTO DESEMPENHO / RS ESCOLA REGIONAL DE ALTO DESEMPENHO / RS 15ª Edição - Abril / 2015 Framework open source simplificado para Cloud Computing Alex D. Camargo, Érico M. H. Amaral,

Leia mais

Folheto. Automação de nuvens. Gerenciamento aberto e extensível do ciclo de vida de serviços para nuvens privadas e híbridas

Folheto. Automação de nuvens. Gerenciamento aberto e extensível do ciclo de vida de serviços para nuvens privadas e híbridas Folheto Automação de nuvens Gerenciamento aberto e extensível do ciclo de vida de serviços para nuvens privadas e híbridas Índice 3 Visão geral 4 Casos de uso do HP Cloud Service Automation 5 Criação de

Leia mais

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Nº 96080 - Adário de Assunção Fonseca Muatelembe Nº 96118 - Castelo Pedro dos Santos Nº 96170 - Feliciano José Pascoal

Leia mais

MBA EM ARQUITETURA DE SOLUÇÕES

MBA EM ARQUITETURA DE SOLUÇÕES MBA EM ARQUITETURA DE SOLUÇÕES Você está trabalhando ou quer trabalhar em um mercado que precisa de soluções cada vez mais complexas, alinhadas ao negócio e, principalmente, soluções com características

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF 108 Segurança da Informação Computação em Nuvem Prof. João Henrique Kleinschmidt Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE API S PARA PORTABILIDADE EM NUVEM

ANÁLISE COMPARATIVA DE API S PARA PORTABILIDADE EM NUVEM ANÁLISE COMPARATIVA DE API S PARA PORTABILIDADE EM NUVEM Ana Paula Cristina Ehlke Carrion 1, Tiago Volpato 1, Claudete Werner 1, Ricardo de Melo Germano 1, Gabriel Costa Silva 2 1 Universidade Paranaense

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Núvem Pública, Privada ou Híbrida, qual adotar?

Núvem Pública, Privada ou Híbrida, qual adotar? Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 03/04/2015 Núvem Pública, Privada ou Híbrida, qual adotar? Paulo Fernando Martins Kreppel Analista de Sistemas

Leia mais

IBM Rational Requirements Composer

IBM Rational Requirements Composer IBM Requirements Composer Aprimore os resultados do projeto por meio da melhor definição e gerenciamento de requisitos Destaques Obter maior agilidade, foco no cliente, qualidade e menor tempo de lançamento

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Leonardo Mota, Jobson Massollar, Guilherme Horta Travassos Federal University of Rio de Janeiro/COPPE/PESC Caixa Postal

Leia mais

Entendendo as camadas do cloud computing: Iaas, Paas e SaaS

Entendendo as camadas do cloud computing: Iaas, Paas e SaaS + segurança + economia + liberdade + disponibilidade + sustentabilidade + flexibilidade Entendendo as camadas do cloud computing: Iaas, Paas e SaaS As camadas da nuvem Nossa missão com este white paper

Leia mais

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Introdução Cloud Computing Computação Móvel SaaS, PaaS e IaaS CloudBees Diariamente arquivos são acessados, informações dos mais variados tipos são armazenadas e ferramentas

Leia mais

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES Agenda Quem usa? Conceito Ilustração Vantagens Tipologia Topologia Como fazer? O que é preciso? Infraestrutura Sistema Operacional Software Eucalyptus

Leia mais

O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Entendendo a cloud computing (computação nas nuvens)

O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Entendendo a cloud computing (computação nas nuvens) O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Introdução A expressão cloud computing começou a ganhar força em 2008, mas, conceitualmente, as ideias por trás da denominação existem há muito mais tempo.

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE E COMPUTAÇÃO EM NUVEM COMO SERVIÇO

ENGENHARIA DE SOFTWARE E COMPUTAÇÃO EM NUVEM COMO SERVIÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2015.2 ENGENHARIA DE SOFTWARE E COMPUTAÇÃO EM NUVEM COMO SERVIÇO Aluna: Marcela Pereira de Oliveira Orientador:

Leia mais

Computação em Nuvem. (Cloud Computing) Pesquisa & Desenvolvimento

Computação em Nuvem. (Cloud Computing) Pesquisa & Desenvolvimento Computação em Nuvem (Cloud Computing) Pesquisa & Desenvolvimento Santo André: 20 de fevereiro de 2013 Características de um bom Data Center Bom Desempenho Escalabilidade Alta Disponibilidade Economia Gerência

Leia mais

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem White paper Para provedores de nuvem Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem Introdução: os novos desafios dos clientes estimulam a adoção da nuvem Em um ambiente de negócios dinâmico,

Leia mais

Computação nas Nuvens

Computação nas Nuvens Computação nas Nuvens TÓPICOS Introdução Internet: O fundamento principal O que é Computação em Nuvens Vantagens Dúvidas Corrida pela tecnologia Trabalhos Futuros Conclusão Referências 2 TÓPICOS Introdução

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Engenharia de Software-2003

Engenharia de Software-2003 Engenharia de Software-2003 Mestrado em Ciência da Computação Departamento de Informática - UEM Profa. Dra. Elisa H. M. Huzita eng. de software-2003 Elisa Huzita Produto de Software Conceitos Software

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB.

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. Marllus de Melo Lustosa (bolsista do PIBIC/UFPI), Luiz Cláudio Demes da Mata Sousa

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br OpenShift Solução livre de PaaS da RedHat Aquisição da Makara em 2010 Principais concorrentes:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM.

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM. O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM O ponto de vista dos executivos sobre a nuvem Janeiro de 2015 Computação em nuvem Mudança da função e da importância das equipes de TI Janeiro de 2015 1 Capacitação

Leia mais

Cloud Computing. Eduardo Roloff

Cloud Computing. Eduardo Roloff Cloud Computing Eduardo Roloff Sumário Conceituação Modelos de Serviços Modos de Implantação Oportunidades de Pesquisa Discussão Conceituação Cloud Computing é um modelo que pretende prover computação

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados?

Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados? Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados? Expectativa de 20 minutos Uma abordagem prática e sensata de usar os Serviços em Nuvem de forma segura. Segurança nas Nuvens O que é? Quais as Vantagens das

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar)

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) COMPUTAÇÃO EM NUVEM Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Mih_nai@hotmail.com juliocesar@unipar.br Resumo. Este artigo contém a definição e citação

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO UM ESTUDO SOBRE OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DE SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE CLOUD COMPUTING

ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO UM ESTUDO SOBRE OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DE SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE CLOUD COMPUTING ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1 UM ESTUDO SOBRE OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DE SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE CLOUD COMPUTING Aluno: Fabrício Rodrigues Henriques da Silva Matrícula: 05201186 Professor:

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação. Raphael Ottoni Santiago Machado de Faria

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação. Raphael Ottoni Santiago Machado de Faria Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação Raphael Ottoni Santiago Machado de Faria MONOGRAFIA DE PROJETO ORIENTADO EM COMPUTAÇÃO I Rastreamento

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

2 Computação na Nuvem

2 Computação na Nuvem 18 2 Computação na Nuvem 2.1 Definição A ideia essencial da computação na nuvem é permitir um novo modelo onde o consumo de recursos computacionais, e.g., armazenamento, processamento, banda entrada e

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

Introdução a Computação nas Nuvens

Introdução a Computação nas Nuvens Introdução a Computação nas Nuvens Professor: Rômulo César Dias de Andrade. E-mail: romulocesar@faculdadeguararapes.edu.br romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br PROFESSOR... Mini CV: NOME: RÔMULO

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Provisione e gerencie serviços de nuvem por toda a pilha

Provisione e gerencie serviços de nuvem por toda a pilha Informe Técnico Provisione e gerencie de nuvem por toda a pilha A arquitetura e as capacidades técnicas do HP Cloud Service Automation O HP Cloud Service Automation é uma solução de gerenciamento do ciclo

Leia mais

Miguel Tavares (1) Jorge Gustavo Rocha (2)

Miguel Tavares (1) Jorge Gustavo Rocha (2) Apenas Comunicação Oral X Apenas Poster Comunicação Oral ou Poster (Assinalar com X a opção de submissão desejada) A ADMINISTRAÇÃO LOCAL NA CLOUD: UMA TRANSIÇÃO INEVITÁVEL Miguel Tavares (1) Jorge Gustavo

Leia mais

Contabilidade & MOBILIDADE. CICERO TORQUATO IX Encontro de Contabilidade do Agreste Alagoano Maceió/Maio/2016

Contabilidade & MOBILIDADE. CICERO TORQUATO IX Encontro de Contabilidade do Agreste Alagoano Maceió/Maio/2016 Contabilidade & MOBILIDADE CICERO TORQUATO IX Encontro de Contabilidade do Agreste Alagoano Maceió/Maio/2016 Quando os ventos de mudança sopram, umas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

MBA EM ARQUITETURA E GESTÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI

MBA EM ARQUITETURA E GESTÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI MBA EM ARQUITETURA E GESTÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI Novas tecnologias e tendências surgem a cada dia, como Big Data, Cloud Computing, Internet of Things, entre outras. A curva de adoção dessas tecnologias

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais