Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso. Referencial para organização das Atividades de Enriquecimento Curricular

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso. Referencial para organização das Atividades de Enriquecimento Curricular"

Transcrição

1 Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso Referencial para organização das Atividades de Enriquecimento Curricular 2015 /

2 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AMADEO DE SOUZA-CARDOSO ENSINO DO INGLÊS AAA AT. LÚDICO-EXP. AT. FÍSICA E DESP.1 Referencial para a organização das Atividades de Enriquecimento Curricular I. Introdução II. Enquadramento III. Definição de Princípios e Competências I. INTRODUÇÃO Considerando 1. A importância do desenvolvimento das Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC) no 1.º Ciclo do Ensino Básico para a formação dos alunos e consequentemente para o seu sucesso escolar; 2. A necessidade de adaptar os tempos de permanência dos alunos na escola às necessidades das famílias e a necessidade de garantir que esses tempos sejam pedagogicamente ricos e complementares das aprendizagens associadas à aquisição dos conhecimentos e ao desenvolvimento de capacidades definidos para a componente curricular; 3. A necessidade de adotar procedimentos que regulem as atividades, atitudes e comportamento dos intervenientes nas mesmas, desde os alunos aos docentes titulares das turmas e professores dinamizadores das atividades, do pessoal auxiliar (assistentes operacionais/tarefeiras), aos pais e encarregados de educação, através da adoção de uma cultura de responsabilidade; Em face das considerações anteriores, e tendo por base os normativos legais que regulam a atividade docente, conteúdos funcionais do pessoal não docente, estatuto disciplinar do aluno e ainda os direitos e deveres dos pais e encarregados de educação, determina-se que os princípios expressos neste Referencial sejam tidos em conta na organização das Atividades de Enriquecimento Curricular, no Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso (entidade promotora). 2

3 II. ENQUADRAMENTO 1. As Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC) estão previstas nos princípios orientadores da organização curricular do Ensino Básico, através dos r es p et i vos normat ivo s legais 2. Entende-se por AEC as atividades que se desenvolvem para além do horário curricular e que incidam nos domínios artísticos, científico, desportivo, pedagógico e das tecnologias de informação. 3. A entidade promotora das AEC é o Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza- Cardoso. 4. As AEC a desenvolver neste Agrupamento de Escolas são: Ensino do Inglês, Atividade Lúdico-Expressiva, Atividade Física e Desportiva e T.I.C.; 5. As AEC ocorrem entre as 16:30h e as 17:30h, exceto no dia de flexibilização do horário do professor titular de turma, em que decorrerão entre as 14:00h e as 15:00h (caso a escola tenha o intervalo do almoço entre as 12:00h e as 13:30h, as Atividades de Enriquecimento Curricular decorrerão, no dia de flexibilização, entre as 13:30h e as 14:30h), ou em outra hora, por necessidade de enquadrar as diferentes atividades, incluindo Inglês Curricular e Educação Moral e Religiosa Católica. III. DEFINIÇÃO DE PRINCÍPIOS E COMPETÊNCIAS Organização das AEC 6. De acordo com os normativos legais, as AEC são uma oferta de cariz universal e gratuita, não sendo obrigatória a participação dos alunos. No entanto, este programa, enquanto oferta educativa da escola, deve ser entendido por todos os envolvidos como uma mais-valia, nomeadamente pelos professores, pessoal não docente, alunos e encarregados de educação. Competências do Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso Âmbito Geral 7. Compete ao Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso: a) Garantir a gestão administrativa e financeira e a avaliação anual do programa; 3

4 b) Contratualizar os serviços necessários, ou estabelecer acordos de colaboração com entidades que promovam a Atividade Lúdico-Expressiva, o Ensino do Inglês e a Atividade Física e Desportiva; c) Sempre que possível e no âmbito do enquadramento legal das competências do Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso, disponibilizar os recursos humanos e logísticos para a adequada implementação das atividades objeto de candidatura; d) Divulgar o programa pelos meios mais eficazes, de modo a garantir a universalidade do benefício; e) Assegurar a articulação e a supervisão das atividades de enriquecimento curricular com os departamentos curriculares. Competências do Agrupamentos de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso Âmbito Específico 8. Compete também ao Agrupamentos de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso: a) Proceder à gestão pedagógica do Programa de Generalização do Ensino de Inglês no 1º CEB e outras atividades de enriquecimento curricular; b) Organizar as turmas e elaborar os horários para as AEC; c) Garantir o acompanhamento das atividades e zelar pela sua integração plena no projeto educativo da escola, promovendo a sua articulação entre ciclos; d) Garantir e proporcionar a inscrição de todos os alunos interessados em participar no Programa; e) Elaborar relatórios intercalares (período letivo) e de final de ano; f) Garantir a higienização dos espaços quando as atividades se desenvolverem nas escolas; g) Velar pelo regular desenvolvimento das atividades; h) Coordenar o desempenho pedagógico dos docentes das atividades. i) Supervisionar toda a atividade dos docentes das AEC, de modo a facilitar-lhes a sua integração nas atividades do Agrupamento; j) Disponibilizar material de desgaste para as atividades, de acordo com os recursos existentes. 4

5 Competências de cada escola do agrupamento 9. Compete às Escolas: a) Acompanhar o desenvolvimento das atividades, no âmbito da supervisão prevista; b) Articular a ligação com as famílias, prestando-lhes todas as informações solicitadas; c) Integrar as AEC no projeto de turma; e) Fazer aplicar o regulamento interno da escola, nomeadamente no que se refere ao Estatuto do Aluno e as regras de funcionamento das atividades letivas e não letivas; f) Dar a conhecer ao encarregados de educação as normas de organização das AEC. Competências das Famílias 10. São deveres dos Encarregados de Educação a) Os contemplados no Regulamento Interno do Agrupamento; b) Aos encarregados de educação compete alertar a escola, em caso de falta do aluno, e responsabilizarem-se pela assiduidade dos seus educandos; c) As atividades não podem ser interrompidas pelos encarregados de educação, devendo estes esperar pelo seu terminus num espaço exterior ao local onde se desenvolve a atividade; d) As atividades, apesar de não serem curriculares, são atividades educativas, pelo que deverão ser encaradas com seriedade a bem da formação dos alunos; e) Garantir a frequência das atividades após o momento da inscrição; f) Os encarregados de educação devem cumprir e fazer cumprir as regras estabelecidas pelo estabelecimento de educação. 2. São direitos dos Encarregados de Educação a) Os contemplados no Regulamento Interno do Agrupamento; 5

6 b) Os encarregados de educação podem interpelar diretamente os professores das atividades desde que em causa estejam preocupações pedagógicas; c) Os encarregados de educação têm o direito de serem informados acerca dos conteúdos programáticos de cada atividade; d) Os encarregados de educação podem fazer propostas relevantes, desde que devidamente justificadas, para o aumento qualitativo das atividades, através das associações legalmente constituídas; Competências dos Professores das AEC 11. Para além do expresso no Regulamento Interno do Agrupamento, compete genericamente aos professores das AEC: a) Planear e executar as atividades consoante as temáticas/prioridades definidas em articulação com o departamento curricular do 1.º Ciclo; b) Proporcionar aos alunos os materiais pedagógicas possíveis para execução da atividade; c) Garantir o cumprimento do horário das atividades; d) Preencherem, diariamente, o livro de registo da turma com os sumários; e) Trocar impressões sobre os alunos com o professor titular de turma, nos momentos de supervisão previstos; f) Realizar as atividades com segurança num ambiente positivo, de acordo com as orientações expressas nos documentos do Agrupamento e com as capacidades de aprendizagem das crianças; g) Informar atempadamente no caso de ausência, sendo a falta justificada nos mesmos moldes do pessoal docente (ver guião de procedimentos, em caso de falta ou permuta). Competências dos Alunos 12. São deveres dos Alunos a) Os contemplados no Regulamento Interno do Agrupamento b) Tratar com respeito e correção qualquer elemento afeto ao Programa das AEC 6

7 c) Seguir as orientações dos professores relativas ao seu processo de ensinoaprendizagem; d) Respeitar as instruções do pessoal docente e não docente, no decorrer do período afeto às AEC; e) Respeitar o direito à educação e ensino dos outros alunos; f) Ser assíduo, pontual e responsável no cumprimento dos horários e das tarefas que lhe forem solicitadas; g) Participar nas atividades desenvolvidas pela escola/agrupamento. 2. São direitos dos Alunos a) Os contemplados no Regulamento Interno do Agrupamento; b) Frequentar as atividades do programa gratuitamente; c) Usufruir de um programa enriquecedor que contribua para a sua formação enquanto cidadão de pleno direito; d) Ser respeitado nos seus plenos direitos. Competências do Pessoal Não Docente 12. Para além do conteúdo funcional expresso na carreira profissional, e enquanto membros da comunidade educativa intervenientes no processo das AEC, devem contribuir para a eficiência e qualidade dos serviços. Para tal, compete genericamente ao pessoal auxiliar: a) Cumprir e empenhar-se em fazer cumprir o Regimento em todo o espaço escolar ou onde decorrem as atividades; b) Cumprir o horário, respeitando horas de entrada e saída; c) Chamar a atenção dos alunos, quando estes usarem linguagem menos adequada; d) Tratar com educação os alunos, professores, colegas, pais ou encarregados de educação e demais pessoas com que eventualmente contactem na escola; e) Auxiliar os professores no desempenho das AEC; f) Comunicar ao Coordenador da EB qualquer anomalia detetada no material, ou nas instalações, ou qualquer problema relativo aos alunos; g) Vigiar e zelar pela segurança dos alunos; 7

8 h) Acompanhar os alunos no percurso e nas deslocações ao exterior da Escola; i) Manter vigilância aos alunos, caso o professor das AEC falte; j) Zelar pela limpeza e conservação do material escolar e das instalações, incluindo os espaços exteriores; k) Prestar assistência em situações de primeiros socorros e, em caso de necessidade, acompanhar o aluno a unidades hospitalares. Horários - Flexibilização de horários 13. As AEC serão desenvolvidas em período que não colida com a atividade curricular da turma; 14. Os órgãos competentes do Agrupamento podem, desde que tal se mostre necessário, flexibilizar o horário da atividade curricular, de acordo com os critérios estabelecidos, de forma a adaptá-lo às condições de realização do conjunto das atividades curriculares e de enriquecimento curricular tendo em conta o interesse dos alunos e das famílias, sem prejuízo da qualidade pedagógica. 15. Disposições Finais Os intervenientes nas AEC deverão conhecer os princípios expressos no presente Referencial de Organização das AEC As situações não enquadradas pelo presente referencial serão resolvidas pelo Diretor, ouvindo os intervenientes envolvidos. Telões-Amarante, setembro de

Actividades de Enriquecimento Curricular Regimento

Actividades de Enriquecimento Curricular Regimento Actividades de Enriquecimento Curricular Regimento 2010-2011 REGIMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Considerando a importância do desenvolvimento de Actividades de Enriquecimento Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno)

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno) REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno) Novembro/2015 Capítulo I Introdução Considerando a importância do desenvolvimento

Leia mais

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 5)

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 5) Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 5) 2016-2017 Anexo 5 (Regulamento AEC(s)) Considerando a importância do desenvolvimento de atividades de enriquecimento curricular no 1º

Leia mais

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro. Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia. Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro. Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia. Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular DGEstE Direção de Serviços da Região Centro Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Ano Letivo 2015/2016 Página2 Introdução Considerando: 1. A importância das

Leia mais

Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201

Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201 Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201 /2012 Considerando a importância do desenvolvimento de atividades de enriquecimento curricular no 1º ciclo do ensino básico para o desenvolvimento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BELÉM RESTELO. Regimento / Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BELÉM RESTELO. Regimento / Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BELÉM RESTELO Regimento / Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular 1º CICLO 2011 2012 ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR 1º Ciclo Ano Letivo 2011 / 2012 Regimento

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR. 1º Ciclo do Ensino Básico

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR. 1º Ciclo do Ensino Básico REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR 1º Ciclo do Ensino Básico Considerando a importância do desenvolvimento de Atividades de Enriquecimento Curricular no 1º ciclo do ensino básico para

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR - 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO -

REGULAMENTO INTERNO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR - 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO - REGULAMENTO INTERNO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR - 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO - Despacho nº8683/2011 de 28Junho (altera e republica o despacho nº14460/2008 de 26 de Maio) CAPÍTULO I - Âmbito

Leia mais

Nota Justificativa. Considerando que:

Nota Justificativa. Considerando que: Projeto de Regulamento Municipal para Funcionamento do Programa de Atividades de Animação e de Apoio à Família Acordo de Colaboração para a Educação Pré-Escolar Considerando que: Nota Justificativa - A

Leia mais

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto ROSÁRIO Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES Edição: maio 2016 Capítulo III Dos Educadores Edição maio de 2016 Índice do Capítulo III Secção I Docentes

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE PENACOVA E O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PENACOVA

ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE PENACOVA E O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PENACOVA 1 Entre: Acordo de colaboração MUNICÍPIO DE PENACOVA, primeiro outorgante, pessoa colectiva n.º 506 657 957, aqui representada pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal, Ernesto Fonseca Coelho; AGRUPAMENTO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VALE DO TAMEL. Plano de Atividades Educativas de Complemento Curricular AECC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VALE DO TAMEL. Plano de Atividades Educativas de Complemento Curricular AECC PAA 2016/2017: ANEXO III AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VALE DO TAMEL Plano de Atividades Educativas de Complemento Curricular AECC Despacho Normativo nº 10-A/2015, de 19 de junho, artigo 7º alínea b) e artigo

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO I. Disposições Gerais: Artigo 1º Objeto 1. O presente documento regulamenta a organização e o funcionamento da Sala de Estudo (SE) do Colégio São Filipe (CSF). Artigo 2º Âmbito

Leia mais

CAPÍTULO 3 ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA SECÇÃO I ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO EDUCATIVA E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA. Artigo 32.º

CAPÍTULO 3 ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA SECÇÃO I ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO EDUCATIVA E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA. Artigo 32.º CAPÍTULO 3 ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA SECÇÃO I ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO EDUCATIVA E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Artigo 31.º Definição 1. São estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica as estruturas,

Leia mais

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S S A N T O S S I M Õ E S

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S S A N T O S S I M Õ E S AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES ANEXO 2 ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (AEC) Artigo 1.º Âmbito O presente anexo ao Regulamento Interno aplica-se a todos os estabelecimentos de ensino do 1.º

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO NO ÂMBITO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMILIA NA ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO N.º 1, AREIAS, SETÚBAL Considerando que: a) O Despacho n.º 14 460/2008, da Ministra da Educação, de 15 de

Leia mais

ANEXO III Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) na Educação Pré-escolar

ANEXO III Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) na Educação Pré-escolar ANEXO III Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) na Educação Pré-escolar I (Disposição Introdutória) 1. A educação pré-escolar é considerada a primeira etapa da

Leia mais

Regulamento. Interno

Regulamento. Interno CENTRO CULTURAL DESPORTIVO DE SANTA EULÁLIA DEPARTAMENTO DE FUTEBOL DE FORMAÇÃO Regulamento Interno Época 2016-2017 1- INTRODUÇÃO Serve este Regulamento Interno como instrumento de orientação definindo

Leia mais

COLÉGIO JOSÉ ÁLVARO VIDAL ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

COLÉGIO JOSÉ ÁLVARO VIDAL ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO COLÉGIO JOSÉ ÁLVARO VIDAL ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO Ano Letivo 2016/2017 ÍNDICE Artigo 1º Objetivos...03 Artigo 2º Atividades de Enriquecimento Curricular...03

Leia mais

DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS DA COMINUDADE EDUCATIVA

DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS DA COMINUDADE EDUCATIVA DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS DA COMINUDADE EDUCATIVA Todos os membros da comunidade educativa (Alunos, Pais, Encarregados de Educação, Docentes e Não Docentes) devem conhecer, compreender e participar

Leia mais

Campo de Férias

Campo de Férias Campo de Férias - 2017 Regulamento Interno Objetivo É objetivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 6 e os 16 anos,

Leia mais

PLANO TIC 1

PLANO TIC 1 2015-2016 PLANO TIC 1 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres Estrada Nacional n.º 16 6370-147 Fornos de Algodres Tel.: 271700110 Fax: 271700118 www.ae-fa.pt e-mail: aefa.og@ae-fa.pt 2 Equipa PTE

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO REGULAMENTO INTERNO - ADENDA Artigo 88º Medidas de recuperação e de integração 8- As atividades de recuperação da aprendizagem, quando a elas houver lugar, são decididas

Leia mais

REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO O direito de participação dos pais na vida da Escola processa-se de acordo com o disposto na Lei de Bases do Sistema Educativo,

Leia mais

ANEXO 18 A Regulamento Interno

ANEXO 18 A Regulamento Interno ANEXO 18 A Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO, NA MODALIDADE DE ENSINO RECORRENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO Regulamento dos Cursos Vocacionais do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

Página 1 de 5. Anexo VII - Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos Profissionais

Página 1 de 5. Anexo VII - Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos Profissionais Anexo VII - Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos Profissionais Artigo 1.º Âmbito e Definição 1 O presente documento regula a Formação em Contexto de Trabalho (FCT) dos Cursos Profissionais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA TÉCNICA PROFISSIONAL DA MOITA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA TÉCNICA PROFISSIONAL DA MOITA REGULAMENTO INTERNO ESCOLA TÉCNICA PROFISSIONAL DA MOITA ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR DEFINIÇÃO / CONTEXTUALIZAÇÃO DAS AEC O Programa de Generalização do Ensino de Inglês e de Outras Atividades

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE NATAÇÃO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE NATAÇÃO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE NATAÇÃO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Deliberado pela Câmara Municipal de Sintra em 25 de janeiro de 2012 Aprovado pela Assembleia Municipal de Sintra em 26

Leia mais

Anexo A - REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO A-1

Anexo A - REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO A-1 Anexo A - REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO A-1 ÍNDICE 1. Definição.3 2. Objetivos.3 3. Procedimentos Pedagógicos..3 4. Aprovação e Autorização.4 5. Planificação...5 6. Organização..6 7. Outras situações

Leia mais

Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural

Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Despacho nº 14758/2004 (2ª série), de 23 de Julho, Portaria nº 550-C/2004, de 21

Leia mais

Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013

Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013 Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013 Regulamento Interno das Férias Desportivas O presente regulamento tem como objetivo dar a conhecer a todos os intervenientes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO 170586 REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS REGIMENTO INTERNO Departamento de Ciências Sociais e Humanas SECÇÃO I CONSTITUIÇÃO E

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

Regulamento das visitas de estudo

Regulamento das visitas de estudo Regulamento das visitas de estudo 1. Definição 1.1. Considera-se visita de estudo toda a atividade curricular, intencionalmente planeada e realizada fora do espaço físico da Escola ou da sala de aula,

Leia mais

PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO

PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Alcácer do Sal PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA SIMULADA

REGULAMENTO DA PRÁTICA SIMULADA Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO DA PRÁTICA SIMULADA CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO Regulamento da Prática

Leia mais

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER 1. Objetivos Específicos a) Organizar e promover atividades destinadas a crianças que frequentam o 1.º ciclo do ensino básico, com a finalidade

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento interno,

Leia mais

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR O Município tem assumido anualmente a responsabilidade de proporcionar as atividades de enriquecimento curricular (AEC) aos alunos do 1º CEB, sendo a entidade promotora deste programa no concelho. Para

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA MMA CARTA DOS DIREITOS E DEVERES CENTRO SOCIAL NOSSA SENHORA DO AMPARO Aprovado em Reunião de Direção a 07 /01 /2014 INTRODUÇÃO O CSNSA focaliza todo o seu trabalho no cliente, individualizando e personalizando

Leia mais

Cursos Profissionais Nível 3

Cursos Profissionais Nível 3 Cursos Profissionais Nível 3 Despacho nº 14758/2004 (2ª série), de 23 de Julho, Portaria nº 550-C/2004, de 21 de Maio e Portaria nº 797/2006, de 10 de Agosto. I ÂMBITO E DEFINIÇÃO A (FCT) é um conjunto

Leia mais

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Relatório de Avaliação Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra 2013/2014 1. INTRODUÇÃO Com o objetivo de implementar o Programa de Atividades de Enriquecimento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE Regulamento das visitas de estudo 1. Definição 1.1. Considera-se visita de estudo toda a atividade curricular, intencionalmente planeada e realizada fora do espaço físico da Escola ou da sala de aula,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. Por uma escola com valores. Equipa Promotora da disciplina

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. Por uma escola com valores. Equipa Promotora da disciplina CÓDIGO DE CONDUTA Por uma escola com valores Equipa Promotora da disciplina 2012-2013 1 Índice Introdução Pág.3 Código de conduta dos alunos... Pág.4 Código de conduta de docentes e não docentes Pág.6

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 O Ministério da Educação e Ciência, através da publicação

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES]

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES] 2012 Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Escola Básica de Campelo [REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES] Artigo 1º Âmbito e Aplicação 1. O presente Regimento regulamenta a atividade do Departamento do

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 (Aprovado

Leia mais

Único - Considerando sua finalidade, são atribuições gerais do Centro de Informática:

Único - Considerando sua finalidade, são atribuições gerais do Centro de Informática: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º O Centro de Informática da Universidade Pedagógica - CIUP é um orgão central técnico e académico virada para a área de serviços, desenvolvimento

Leia mais

Cursos Profissionais Nível 4

Cursos Profissionais Nível 4 Cursos Profissionais Nível 4 Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro e demais legislação em vigor I ÂMBITO E DEFINIÇÃO A (FCT) é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob coordenação

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUELUZ-BELAS PLANO DE AÇÃO PARA A PREVENÇÃO DA INDISCIPLINA 2016/17 CÓDIGO DE CONDUTA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUELUZ-BELAS PLANO DE AÇÃO PARA A PREVENÇÃO DA INDISCIPLINA 2016/17 CÓDIGO DE CONDUTA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUELUZ-BELAS PLANO DE AÇÃO PARA A PREVENÇÃO DA INDISCIPLINA 2016/17 CÓDIGO DE CONDUTA 1. INTRODUÇÃO A indisciplina nega a plena educação e limita as aprendizagens, seja pela incidência

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso. Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso. Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA Índice Código de conduta dos alunos Pág.3 digo de conduta de docentes

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde Edição N.º 19 Atividades Técnicas do Serviço de Segurança no Trabalho dezembro de 2016 O desenvolvimento da prevenção de riscos profissionais no local de trabalho é

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO C U RSOS P R O FI SSIONAI S R E GU L AMEN T O DA FORM AÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Artigo 1.º Âmbito e definição 1. A Formação

Leia mais

Lei Complementar Nº 58 de 13 de setembro de 2004 de Natal

Lei Complementar Nº 58 de 13 de setembro de 2004 de Natal Lei Complementar Nº 58 de 13 de setembro de 2004 de Natal O PREFEITO MUNICIPAL DO NATAL, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: TÍTULO I DO PLANO DE CARREIRA

Leia mais

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO ESCOLA SECUNDÁRIA MARQUÊS DE POMBAL

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO ESCOLA SECUNDÁRIA MARQUÊS DE POMBAL REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO ESCOLA SECUNDÁRIA MARQUÊS DE POMBAL CAPÍTULO I ORGANIZAÇÃO DAS VISITAS DE ESTUDO Artigo 1.º Definição e Objetivos 1. As visitas de estudo são estratégias do processo ensino-aprendizagem

Leia mais

PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14

PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14 PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14 ENTIDADE PROMOTORA Município de Ponte de Sor NIPC: 506806456 Coordenação e Monitorização por parte da equipa de Coordenação dos Projetos Socioeducativos ENTIDADES PARCEIRAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º..

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º.. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho n.º.. Sem prejuízo do regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico

Leia mais

Plano de Articulação Curricular

Plano de Articulação Curricular Plano de Articulação Curricular 2014-2015 Agrupamento de Escolas Fernando Pessoa Índice 1.Introdução... 3 2 2.Prioridades... 4 3.Operacionalização do Plano de Articulação Curricular... 5 4.Monitorização

Leia mais

Protocolo Anual. Componente de Apoio à Família (CAF) 1º Ciclo

Protocolo Anual. Componente de Apoio à Família (CAF) 1º Ciclo Câmara Municipal de Alpiarça Agrupamento de Escolas José Relvas de Alpiarça Protocolo Anual Componente de Apoio à Família (CAF) 1º Ciclo Ano Letivo 2014/2015 Estabelecimentos de Ensino: EB1/JI de Alpiarça

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Leça da Palmeira, Julho 2012 0 INDICE Introdução. Relatório da avaliação externa..

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO DE VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018 0/6 Definição 1. Visita de estudo é uma atividade curricular, organizada por professores para alunos, realizada

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico 2015-2017 1 (Anexo X A) Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico Artigo 1º Âmbito 1- Os cursos vocacionais

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

PLANO DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Plano de Articulação / 2013

PLANO DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Plano de Articulação / 2013 Agrupamento de Escolas Rio Arade PLANO DE ARTICULAÇÃO Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] 1 / 9 Índice Nota introdutória... 3 Objetivos Gerais... 4 Estratégias de intervenção... 5 Organização... 6 Procedimentos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2015/2016 No âmbito da distribuição de serviço docente o Conselho Pedagógico reafirma o primado da importância fulcral

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB 1 Preâmbulo O Conselho de Docentes do 1.º ciclo do ensino básico é uma estrutura constituída para efeitos de avaliação dos alunos. Artigo 1.º

Leia mais

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar ÍNDICE Artigo 1.º Definição 3 Artigo 2.º Princípios e objetivos 3 Artigo 3.º Coordenação e constituição 4 Artigo 4.º Competências do coordenador 4 Artigo 5.º Atividades

Leia mais

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DO CENFORMA 2 Artigo 1.º Definição 1. O Regimento Interno da Secção de Formação e

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2016/2017 A distribuição do serviço docente da Escola Secundária da Ramada (doravante designada

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto.

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto. DECRETO N 1188, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2012. Homologa o regimento interno do Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das

Leia mais

Comissão Coordenadora das AEC. DGEstE Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares

Comissão Coordenadora das AEC. DGEstE Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Comissão Coordenadora das AEC DGEstE Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Índice Índice... 3 Índice de tabelas... 3 Apresentação... 4 Dados Estatísticos... 5 Oferta e Procura... 5 Recursos Humanos

Leia mais

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Manual Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Reuniões de Turma As reuniões com os diretores de turma (no 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e no ensino secundário) ou com

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES (PAA) Adenda n.º 1. Viagens na minha Terra 2014/2015

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES (PAA) Adenda n.º 1. Viagens na minha Terra 2014/2015 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES (PAA) Adenda n.º 1 Viagens na minha Terra 2014/2015 1 Tabela XXIII- Departamento curricular da Educação Pré-escolar Celebrar o Natal ida ao circo Destinatários: alunos da educação

Leia mais

SECÇÃO I ALUNOS. RI direitos e deveres alunos CGT versão consulta pública Página 1

SECÇÃO I ALUNOS. RI direitos e deveres alunos CGT versão consulta pública Página 1 SECÇÃO I ALUNOS Artigo 49.º Quadro regulamentar 1. Os direitos, deveres e faltas a aplicar aos alunos dos ensinos básico e secundário estão conforme o previsto na Lei nº 51/2012 de 5 de setembro que estabelece

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

Escola Superior de Educação Almeida Garrett

Escola Superior de Educação Almeida Garrett Escola Superior de Educação Almeida Garrett Regulamento Interno do Gabinete de Formação Contínua Preâmbulo O Gabinete de Formação Contínua (adiante designado por GFC) da Escola Superior de Educação Almeida

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA Plano de Formação do Agrupamento 2015/2018 Índice 1. Nota Introdutória... 3 2. Enquadramento do Plano de Formação... 4 3. Diagnóstico... 6 4. Objetivos Gerais...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO (GRUPO 110) 2012/2013 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES DO 1º CICLO REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO 1º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições Preâmbulo O Programa de Generalização do Fornecimento de Refeições Escolares aos Alunos do 1º CEB e a Componente de Apoio à Família (CAF) procuram dar hoje uma resposta direta às necessidades das famílias

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Festas de Aniversário

REGULAMENTO INTERNO Festas de Aniversário 2013 REGULAMENTO INTERNO Festas de Aniversário I REGULAMENTO INTERNO DAS FESTAS DE ANIVERSÁRIO NO C.C.V. DE CONSTÂNCIA O Centro Ciência Viva de Constância Parque de Astronomia, pretende disponibilizar

Leia mais

Regulamento ACC 2016/2017

Regulamento ACC 2016/2017 O regulamento das Atividades de Complemento Curricular visa contribuir para uma melhor resposta do Colégio às suas necessidades específicas neste domínio. As soluções que preconiza decorrem da sua autonomia

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS DE FÍSICA E DE QUÍMICA

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS DE FÍSICA E DE QUÍMICA Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VAGOS REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS DE FÍSICA E DE QUÍMICA abrill2014 Índice Página Introdução... 2 SECÇÃO I - Disposições gerais... 2 Artigo

Leia mais

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 2015 Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 Junta de Freguesia de Fermentelos Índice NOTA JUSTIFICATIVA... 2 CAPÍTULO I... 3 Missão... 3 Artigo 1º... 3 CAPÍTULO II... 3 Objeto... 3 Artigo 2º...

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA Avaliação Externa das Escolas 2012-2013 PLANO DE MELHORIA A elaboração deste plano de melhoria assenta no pressuposto de que o Agrupamento Vertical de Escolas de Azeitão é capaz de repensar estratégias

Leia mais

c) O número de grupos/ turmas a considerar em cada ciclo e anos é o aprovado na rede de oferta formativa para o ano letivo 2016/2017, a saber:

c) O número de grupos/ turmas a considerar em cada ciclo e anos é o aprovado na rede de oferta formativa para o ano letivo 2016/2017, a saber: CRITÉRIOS PARA A CONSTITUIÇÃO DE TURMAS ANO LETIVO 2016/2017 Os professores responsáveis pela constituição de turmas devem ter em atenção as seguintes orientações: a) Na constituição de turmas, aplicam-se

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO 2013-2017 0 ÍNDICE I - Organização 2 Atribuições dos Professores Organizadores 2 Atribuições dos Professores Acompanhantes 4 Atribuições

Leia mais

AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA A realidade da escola de 1º ciclo contempla especificidades, quer por razões históricoculturais quer pela tradição de monodocência, quer ainda pela especificidade da

Leia mais

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa Papel das Escolas e dos Orientadores Cooperantes no Mestrado em Ensino Documento de orientação aprovado pela Comissão Pedagógica dos Mestrados em Ensino em 25 de maio de 2016 O presente documento dirige-se

Leia mais

Espaço Jovem REGULAMENTO

Espaço Jovem REGULAMENTO Espaço Jovem REGULAMENTO ARTIGO 1.º - OBJETO O presente Regulamento define as condições de funcionamento do Espaço Jovem da Junta de Freguesia do Beato, que fica subordinado hierarquicamente ao pelouro

Leia mais