CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA"

Transcrição

1 CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA

2 CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL Data de Vigência 1.0 Primeira versão aprovada (após realização da CP xx.2012) Despacho nº xx.2012 xx.xx.2012

3 1. INTRODUÇÃO 4 2. OBJETIVO 4 3. PREMISSAS 4 4. LISTA DE DOCUMENTOS 6 5. FLUXO DE ATIVIDADES 7 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 8 7. ANEXOS 11

4 1. INTRODUÇÃO Os agentes da categoria de geração e das classes dos agentes comercializadores, e agentes importadores e exportadores que não apresentarem 100% (cem por cento) de lastro de potência para seus contratos de venda, nas horas do patamar de carga pesada, são penalizados pela falta de lastro, conforme módulo de Penalidade de Potência das Regras de Comercialização e submódulo 6.2 Notificação e Gestão do Pagamento de Penalidades, dos Procedimentos de Comercialização. A CCEE deve apurar, mensalmente, o nível de insuficiência de lastro de potência dos agentes que estão sujeitos a tal verificação, e disponibilizar um ambiente de negociação no Sistema de Contabilização e Liquidação SCL, podendo os agentes com déficit de potência comprar as suas necessidades de lastro daqueles que apresentarem superávit nos mesmos períodos de seu déficit. Devem ser penalizados os agentes que continuarem apresentando insuficiência de lastro após o prazo definido para a comercialização de potência. 2. OBJETIVO Estabelecer as premissas, os prazos e as condições para a comercialização de potência entre os agentes que apresentarem superávit e déficit de potência em um determinado mês de apuração. Este procedimento aplica-se apenas aos agentes da categoria de geração e das classes dos agentes comercializadores, e agentes importadores e exportadores. 3. PREMISSAS 3.1 Os agentes da categoria de geração e das classes dos agentes comercializadores, e agentes importadores e exportadores devem apresentar 100% (cem por cento) de lastro de potência para todas as suas operações no patamar de carga pesada. 3.2 Aqueles que apresentarem déficit de potência podem adquirir, de forma bilateral, o excedente de potência dos agentes que apresentarem superávit de lastro. 4

5 3.3 Até a data de divulgação dos relatórios de penalidades (30 dias corridos após a divulgação do resultado da contabilização), a CCEE deve disponibilizar os resultados da apuração dos níveis de insuficiência de lastro de potência de cada agente e a relação dos agentes com superávit para consulta no componente de aquisição de potência do SCL. 3.4 Os agentes interessados em negociar o lastro de potência devem acessar o Conteúdo Exclusivo do agente, no site da CCEE, onde são disponibilizados os contatos para negociação e o preço de referência para pagamento da penalidade por insuficiência de lastro de potência. 3.5 O preço de Referência para Pagamento da Penalidade por Insuficiência de Lastro de Potência é calculado no módulo de Penalidades das Regras de Comercialização, com base no preço não ajustado determinado pela ANEEL conforme Resolução Normativa nº 254, de 27 de fevereiro de 2007, atualizado monetariamente pela variação do IPCA, e corrigido por um fator de ajuste. 3.6 A apuração dos níveis de insuficiência de lastro de potência é realizada de forma global, considerando todos os perfis do agente; entretanto a comercialização de eventual superávit ou déficit de potência deve ser realizada pelos agentes por meio de seus respectivos perfis principais. 3.7 As negociações podem ocorrer apenas entre agentes que apresentarem superávits e déficits de potência em um mesmo período de comercialização. 3.8 Na etapa de negociação não há diferenciação entre potência oriunda de energia especial (incentivada ou convencional) e não especial (cogeração qualificada ou convencional). 3.9 Não é permitida a aquisição de potência para revenda, de forma que o agente comprador, definido como aquele que apresentou déficit, não pode adquirir montantes de potência superiores ao seu déficit O agente vendedor, definido como aquele que apresentou sobra, não pode registrar vendas de potência superiores às suas sobras. 5

6 3.11 Até 5 (cinco) dias úteis após a data de divulgação dos relatórios de penalidades, o agente vendedor deve efetuar no SCL o registro da potência comercializada, e o agente comprador deve validá-lo para que os montantes negociados sejam considerados na apuração da penalidade por insuficiência de lastro de potência, realizada após o período de negociação O agente vendedor pode cancelar o registro de aquisição de potência antes da validação pela contraparte. Após a validação do registro, o eventual cancelamento realizado pelo vendedor somente passa a surtir efeito caso o cancelamento seja validado pelo comprador até 5 (cinco) dias úteis após a data de divulgação dos relatórios de penalidades) Até 6 (seis) dias úteis após a data de divulgação dos relatórios de penalidades, a CCEE deve apurar a insuficiência de lastro de potência aos agentes que apresentarem déficit de potência após o período de comercialização, e aplicar penalidade conforme estabelecido no submódulo 6.2 Notificação e Gestão do Pagamento de Penalidades Os níveis de insuficiência apurados pela CCEE após o período de negociação são disponibilizados aos agentes no componente de relatórios do SCL A potência negociada é utilizada apenas para verificação dos níveis finais de insuficiência de lastro de potência, não produzindo efeitos na contabilização do Mercado de Curto Prazo MCP, e não sendo considerada como justificativa válida para solicitação de recontabilização. 4. LISTA DE DOCUMENTOS Não aplicável 6

7 5. FLUXO DE ATIVIDADES Legenda: X: Data de divulgação dos relatórios de penalidades (até 30 dias corridos após a divulgação do resultado da contabilização) du: Dias úteis 7

8 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO PRAZO Disponibilizar, no componente de aquisição de potência do SCL, os níveis de insuficiência de lastro de potência dos agentes e a relação dos agentes com superávit de potência. Divulgar o preço de referência para pagamento da penalidade por insuficiência de Disponibilizar níveis de lastro de potência no Conteúdo Exclusivo do insuficiência, divulgar preço de referência e informar CCEE agente, no site da CCEE, para que os agentes possam calcular suas eventuais penalidades, X prazos pra comercialização em função dos níveis de insuficiência informados nos relatórios. Enviar comunicado aos agentes, informando que o SCL já está disponível para a comercialização de potência, bem como os prazos para o registro e validação da potência negociada. 8

9 ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO PRAZO Consultar preço de referência divulgado no Consultar preço de referência e os resultados disponibilizados pela CCEE Agentes comprador e vendedor conteúdo exclusivo do site e os resultados disponibilizados pela CCEE para verificar os níveis de insuficiência de lastro de potência apurados e os períodos de comercialização que Até X+5du podem ser objeto de negociação. Negociar o excedente/insuficiência de lastro de Negociar potência de forma livre e direta Agentes comprador e vendedor potência, mediante contato entre os agentes que apresentaram superávit ou déficit de Até X+5du potência. Registrar, ajustar ou cancelar a aquisição de potência Agente Vendedor Acessar o componente de aquisição de potência do SCL para registrar a potência negociada, ajustar ou cancelar o(s) registro(s) realizado(s). Até X+5du Validar o registro, ajuste ou cancelamento da aquisição de potência Agente Comprador Acessar o componente de aquisição de potência do SCL para validar o registro, ajuste ou cancelamento realizado pelo agente vendedor. Até X+5du 9

10 ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO PRAZO Apurar a insuficiência de Apurar os níveis finais de insuficiência de lastro lastro de potência após o período de negociação CCEE de potência apresentados pelos agentes após o período de negociação. X+6du Legenda: X: Data de divulgação dos relatórios de penalidades (até 30 dias corridos após a divulgação do resultado da contabilização) du: Dias úteis 10

11 7. ANEXOS 11

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Seminário Autoprodução de Energia Elétrica na Ponta Impactos e Perspectivas 8 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.1 Apurações da energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS Revisão Motivo

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 2 Medição. Submódulo 2.1 Coleta e ajuste de dados de medição

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 2 Medição. Submódulo 2.1 Coleta e ajuste de dados de medição Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 2 Medição Submódulo 2.1 Coleta e ajuste de dados de medição 1 Submódulo 2.1 Coleta e ajuste ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO

Leia mais

ÍNDICE 1 OPERACIONAL CCEE Calendário Pagamentos Importância de Pagar em Dia Registro/Validação...

ÍNDICE 1 OPERACIONAL CCEE Calendário Pagamentos Importância de Pagar em Dia Registro/Validação... ÍNDICE 1 OPERACIONAL CCEE... 2 1.1 Calendário... 2 1.2 Pagamentos... 3 1.2.1 Importância de Pagar em Dia... 4 1.3 Registro/Validação... 4 2 OPERACIONAL EDP... 5 2.1 Faturamento... 5 2.1.1 Energia... 5

Leia mais

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB)

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) 3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) Até 1995, o Setor Elétrico Brasileiro era formado por empresas verticalizadas, predominantemente estatais, detentoras das atividades de geração, transmissão e distribuição

Leia mais

Balanço Energético. Versão 1.0

Balanço Energético. Versão 1.0 ÍNDICE BALANÇO ENERGÉTICO 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo do 10 2.1. Cálculo do 10 2 Controle de Alterações Revisão Motivo da Revisão Instrumento

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras. Título: PO CCB-02 Operacionalização do Prêmio de Risco Hidrológico. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras. Título: PO CCB-02 Operacionalização do Prêmio de Risco Hidrológico. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Título: PO CCB-02 Operacionalização do Prêmio de Risco Hidrológico Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.5 REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA - RRV

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.5 REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA - RRV CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 DE VENDA - RRV CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - Módulo 3: Contratação de Energia

Leia mais

Liquidação Financeira das Transações na CCEE

Liquidação Financeira das Transações na CCEE Liquidação Financeira das Transações na CCEE OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para a execução da Liquidação Financeira e para a Gestão de Garantias, referentes às operações de compra e venda de energia

Leia mais

Nota Técnica n o 022/2012-SEM/ANEEL. Em 27 de fevereiro de 2013.

Nota Técnica n o 022/2012-SEM/ANEEL. Em 27 de fevereiro de 2013. Nota Técnica n o 022/2012-SEM/ANEEL Em 27 de fevereiro de 2013. Processo: 48500.004102/2011-51 Assunto: Correção do Procedimento de Comercialização PdC 6.1 Penalidade e multas de medição. I. DO OBJETIVO

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva

Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.3 Cessões de energia de reserva Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA

Leia mais

Anexo III Contrato de Compra e Venda de Energia Elétrica. A. Venda Convencional

Anexo III Contrato de Compra e Venda de Energia Elétrica. A. Venda Convencional Anexo III Contrato de Compra e Venda de Energia Elétrica A. Venda Convencional CONTRATO CP BTG Nº BTG PACTUAL COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA. CNPJ: 07.133.522/0001-00 COMPRADORA AV.

Leia mais

Submódulo Confirmação da capacidade de geração de unidades geradoras

Submódulo Confirmação da capacidade de geração de unidades geradoras Submódulo 10.13 Confirmação da capacidade de geração de unidades geradoras Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.1 0.2 0.3 Atendimento à Resolução

Leia mais

Contratos Introdução. Regras de Comercialização. Contratos. 1 Versão Minuta. Versão 1.0

Contratos Introdução. Regras de Comercialização. Contratos. 1 Versão Minuta. Versão 1.0 Introdução Regras de Comercialização Contratos 1 Versão 1.0 - Minuta Versão 1.0 Introdução Índice Contratos 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6 2 Detalhamento das Etapas dos

Leia mais

Liquidação Financeira. PdC Versão 2 PdC Versão 3

Liquidação Financeira. PdC Versão 2 PdC Versão 3 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações Liquidação Financeira PdC Versão 2 PdC Versão 3 METODOLOGIA DO Texto em realce refere-se à inserção de nova redação. Texto tachado refere-se à exclusão

Leia mais

Caderno Algébrico. Cálculo do Desconto. à TUSD/TUST. Versão 1.0.1

Caderno Algébrico. Cálculo do Desconto. à TUSD/TUST. Versão 1.0.1 Caderno Algébrico Cálculo do Desconto Cálculo Aplicado do Desconto à TUSD/TUST Aplicado à TUSD/TUST Versão 1.0.1 ÍNDICE CÁLCULO DO DESCONTO APLICADO À TUSD/TUST 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas de Cálculo

Leia mais

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015 Visão Geral das Operações na CCEE Junho/2015 1. Visão do Sistema Elétrico 2. Modelo Institucional 3. Comercialização de Energia do SIN 4. Principais Regras de Comercialização 1. Visão do Sistema Elétrico

Leia mais

Anexo III Contrato de Compra e Venda de Energia Elétrica A. Venda Convencional

Anexo III Contrato de Compra e Venda de Energia Elétrica A. Venda Convencional Anexo III Contrato de Compra e Venda de Energia Elétrica A. Venda Convencional VENDEDORA BANCO BTG PACTUAL S.A., agente de comercialização de energia elétrica, autorizada pela Resolução Autorizativa ANEEL

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Módulo 5 Mercado de Curto Prazo

Módulo 5 Mercado de Curto Prazo Submódulo5.3 Conta Bandeiras Módulo 5 Mercado de Curto Prazo Submódulo 5.3 Conta Bandeiras 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE

Leia mais

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica Élbia Melo 10/02/2010 Agenda Visão Geral da CCEE e do Mercado de Energia Comercialização de Energia de Eólica PROINFA ACL ACR Energia

Leia mais

Submódulo 5.5. Consolidação da previsão de carga para o planejamento anual da operação energética

Submódulo 5.5. Consolidação da previsão de carga para o planejamento anual da operação energética Submódulo 5.5 Consolidação da previsão de carga para o planejamento anual da operação energética Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto

Leia mais

Modelagem de ativos e Medição para faturamento de energia

Modelagem de ativos e Medição para faturamento de energia Modelagem de ativos e Medição para faturamento de energia Brazil Windpower 2016 O&M Rio de Janeiro, 31 de agosto de 2016 Ediléu H. Cardoso Junior Gerente de Medição Contábil Agenda Introdução MCP e 1ºs

Leia mais

Versão: 2. Início de Vigência: XX/XX/200X. Instrumento de Aprovação: pdc_me_02_ccee_minuta13.doc Página 1 de 28

Versão: 2. Início de Vigência: XX/XX/200X. Instrumento de Aprovação: pdc_me_02_ccee_minuta13.doc Página 1 de 28 pdc_me_02_ccee_minuta13.doc Página 1 de 28 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: XX/XX/200X Instrumento de Aprovação: ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3. PROCESSO

Leia mais

Caderno Algébrico Penalidades de Energia Penalidades de Energia

Caderno Algébrico Penalidades de Energia Penalidades de Energia Caderno Algébrico Versão 1.0 ÍNDICE PENALIDADES DE ENERGIA 3 1. O Esquema Geral 3 2. Detalhamento das Etapas das 5 2.1. Apuração de Grandezas Preparatórias 5 2.2. Apuração do Nível da Insuficiência de

Leia mais

Contratos. Versão 1.1

Contratos. Versão 1.1 Contratos ÍNDICE CONTRATOS 5 1. Introdução 5 1.1. Lista de Termos 8 1.2. Conceitos Básicos 9 2. Detalhamento das Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 20 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI)...

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI)... CONTABILIZAÇÃO DEFINIÇÕES E INTERPRETAÇÕES Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009 ÍNDICE 1 Definições Gerais... 3 1.1 Objetivos... 3 1.2 Fluxo Geral das Regras de Comercialização... 4 2 Definições

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4 a REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS (PL) Versão 2008 Resolução Normativa ANEEL n 293/2007 Resolução Normativa CNPE n 8/2007 Resolução Normativa ANEEL n 306/2008

Leia mais

Ferramentas de Suporte

Ferramentas de Suporte Este docum ento apresenta as contribuições da CCEE para o Procedim ento de Com ercialização PdC AC.02 Mecanism o de Com pensação de Sobras de Déficits (MCSD), Cessão e Redução para os CCEARS do Produto

Leia mais

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Março de 2012 Agentes na CCEE Fevereiro 2012 1800 1650

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

Submódulo Coleta de dados de medição para faturamento

Submódulo Coleta de dados de medição para faturamento Submódulo 12.4 Coleta de dados de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 0.1 0.2 Este documento foi motivado pela

Leia mais

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Luiz Henrique Alves Pazzini Gerência de Acompanhamento de Mercado - GAM 25 de abril de 2007 Agenda Comercialização de Energia

Leia mais

EDITAL DE OFERTA PÚBLICA DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

EDITAL DE OFERTA PÚBLICA DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE OFERTA PÚBLICA DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA 5-0-2012 1. INFORMAÇÕES GERAIS OBJETO Venda de energia elétrica convencional no Submercado Sul por meio de fac-símile ou e-mail, assegurando publicidade,

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

Submódulo Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão

Submódulo Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão Submódulo 16.2 Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

Caderno Algébrico. Votos e Contribuição Associativa. Versão 1.0

Caderno Algébrico. Votos e Contribuição Associativa. Versão 1.0 Caderno Algébrico Votos e Contribuição Votos Associativa e Contribuição Associativa Versão 1.0 ÍNDICE VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA 3 1. O Esquema Geral 3 2. Detalhamento do Cálculo de Votos 4 2.1.

Leia mais

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades Maio / 2005 CCEE Papéis e Responsabilidades Sistema Elétrico Brasileiro (Interligado) Dimensões Continentais Sofisticado Sistema de Supervisão e Controle Integrado Capacidade Instalada (dez/03) Hidráulica:

Leia mais

Submódulo 5.6. Consolidação da previsão de carga para a elaboração do Programa Mensal da Operação Energética

Submódulo 5.6. Consolidação da previsão de carga para a elaboração do Programa Mensal da Operação Energética Submódulo 5.6 Consolidação da previsão de carga para a elaboração do Programa Mensal da Operação Energética Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de

Leia mais

Cálculo do Desconto. à TUSD/TUST

Cálculo do Desconto. à TUSD/TUST Caderno Algébrico Cálculo do Desconto Cálculo Aplicado do Desconto à TUSD/TUST Aplicado à TUSD/TUST Versão 2015.1.0 ÍNDICE CÁLCULO DO DESCONTO APLICADO À TUSD/TUST 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas de Cálculo

Leia mais

LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA

LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA LEILÃO CP COG_NAS_02_2014 02 (DOIS) PRODUTOS (Suprimento: Fevereiro/14) A COGERAÇÃO COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA, conforme legislação vigente, apresenta os procedimentos

Leia mais

EDITAL CEMIG GT - CP 03/2013 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO MARÇO/2013

EDITAL CEMIG GT - CP 03/2013 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO MARÇO/2013 EDITAL CEMIG GT - CP 03/2013 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO MARÇO/2013 A CEMIG Geração e Transmissão S.A. - CEMIG GT, conforme legislação aplicável (Lei nº. 10.438/ 2002, Lei nº. 10.848/2004,

Leia mais

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral Submódulo 5.1 Consolidação da previsão de carga: visão geral Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente da Audiência

Leia mais

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Segundo a lei federal no. 10.848, esse novo modelo tem três objetivos principais: garantir a segurança no suprimento da energia elétrica, atingir a modicidade

Leia mais

Modelagem de ativos e apuração de medição para contabilização

Modelagem de ativos e apuração de medição para contabilização Modelagem de ativos e apuração de medição para contabilização Brazil Windpower 2015 O&M Rio de Janeiro, 2 de setembro de 2015 Ediléu Cardoso Gerente de Medição Contábil Agenda Introdução - MCP Modelagem

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL Nº 6, DE 20 DE JANEIRO DE 2016 PROCESSO SELETIVO - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 FUNDO DE FINANCIAMENTO ESTUDANTIL - FIES O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PAR A APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI.

PROCEDIMENTOS PAR A APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. PROCEDIMENTOS PAR A APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. Sumário Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. PREMISSAS OPERACIONAIS...

Leia mais

Índice 1 Atualizações Enviar Arquivos... 4

Índice 1 Atualizações Enviar Arquivos... 4 Índice 1 Atualizações... 3 2 Enviar Arquivos... 4 2.1 Registro de Contrato do Participante... 4 2.2 ANTECIPACAOTER Antecipação TER... 10 2.3 TAXACAMBIOTER Taxa de Câmbio para Avaliação TER... 12 2 1 Atualizações

Leia mais

TERMO DE MOEDA - CONTRATADO COM CONTRAPARTE CENTRAL GARANTIDORA ( COM GARANTIA ) Especificações para Registro

TERMO DE MOEDA - CONTRATADO COM CONTRAPARTE CENTRAL GARANTIDORA ( COM GARANTIA ) Especificações para Registro TERMO DE MOEDA - CONTRATADO COM CONTRAPARTE CENTRAL GARANTIDORA ( COM GARANTIA ) Especificações para Registro 02/10/2017 SUMÁRIO 1 DEFINIÇÕES... 3 2 OBJETO DE REGISTRO... 6 3 DADOS DA OPERAÇÃO... 7 4 CRITÉRIO

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE CERTIDÃO DE ADIMPLEMENTO SGPCCEE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE CERTIDÃO DE ADIMPLEMENTO SGPCCEE MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE CERTIDÃO DE ADIMPLEMENTO SGPCCEE Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE Setembro de 2014 SUMÁRIO 1. Apresentação... 3 1.1. Propósito... 3 1.2. Público

Leia mais

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 36 Novembro/2012 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar os valores associados ao encargo, fundo de garantia e saldo da CONER

Leia mais

Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos

Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa

Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa Submódulo 21.7 Estudos de reserva de potência operativa Rev. Nº. 1.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 049/2008, submetida para aprovação em caráter definitivo pela ANEEL.

Leia mais

Versão: 5. Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, XXX, de 22 XX de fevereiro agosto de de

Versão: 5. Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, XXX, de 22 XX de fevereiro agosto de de pdc_me_02_versao5 Página 1 de 28 Procedimento de Comercialização Versão: 5 Início de Vigência: XX.XX.2009 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, XXX, de 22 XX de fevereiro agosto de de 2009 2010

Leia mais

Garantia Física. Regras de Comercialização. Garantia Física. Versão versão Minuta

Garantia Física. Regras de Comercialização. Garantia Física. Versão versão Minuta Regras de Comercialização Versão 1.0 1 versão 1.0 - Minuta Índice 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6 2 Detalhamento da Etapa de Ajuste da Sazonalizada 11 2.1 Ajuste da Sazonalizada

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL Nº 8, DE 27 DE JANEIRO DE 2017

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL Nº 8, DE 27 DE JANEIRO DE 2017 SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL Nº 8, DE 27 DE JANEIRO DE 2017 PROCESSO SELETIVO - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017 FUNDO DE FINANCIAMENTO ESTUDANTIL FIES O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso da atribuição

Leia mais

Caderno Algébrico Garantias Financeiras Garantias Financeiras

Caderno Algébrico Garantias Financeiras Garantias Financeiras Caderno Algébrico Garantias Financeiras Garantias Financeiras Versão 1.0 ÍNDICE GARANTIAS FINANCEIRAS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Cálculo de Garantias Financeiras 5 2.1. Determinação do Lastro Físico 5 2.2.

Leia mais

Submódulo Apuração mensal de encargos setoriais

Submódulo Apuração mensal de encargos setoriais Submódulo 15.10 Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Apuração mensal de encargos setoriais Motivo da revisão Este documento foi motivado pela publicação das Resoluções ANEEL nº 074, de 15/07/04 e nº 127, de 06/12/04 e

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO 06/2017

EDITAL DO LEILÃO 06/2017 EDITAL DO LEILÃO 06/2017 Leilão de Compra de Energia Elétrica - ATMO Energia Comercializadora de Energia Ltda. nº 06/2017 O LEILÃO DE COMPRA e os procedimentos a ele relativos serão regidos pelas disposições

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO 002/2017

EDITAL DO LEILÃO 002/2017 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 002/2017 PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL DA ENEX COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA, NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE EDITAL DO LEILÃO 002/2017 LEILÃO DE COMPRA

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO 003/2017

EDITAL DO LEILÃO 003/2017 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 003/2017 PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL DA ENEX COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA, NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE EDITAL DO LEILÃO 003/2017 LEILÃO DE COMPRA

Leia mais

Gestão do Sistema Elétrico Interligado. Abril / 2005

Gestão do Sistema Elétrico Interligado. Abril / 2005 Gestão do Sistema Elétrico Interligado Abril / 2005 Agenda Informações sobre o Sistema Elétrico Brasileiro Informações sobre a CCEE Informações sobre Mercosul Contato SIN Considerado único no âmbito mundial

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO SIMULTÂNEO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA 13/2009

EDITAL DO LEILÃO SIMULTÂNEO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA 13/2009 EDITAL DO LEILÃO SIMULTÂNEO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA 13/2009 CAPÍTULO 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 FINALIDADE DO PROCESSO O Leilão Eletrônico será realizado de forma a assegurar publicidade, transparência

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

Gestão de Contratos de Energia

Gestão de Contratos de Energia Gestão de Contratos de Energia 10 de junho de 2005 Delta Comercializadora de Energia Rua Funchal, 375 1º andar CEP: 04551-060 São Paulo, SP www.deltaenergia.com.br Mercado Livre Características do Mercado

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS Avenida Paulista, 2.064, 13º andar Bela Vista São Paulo/SP - Brasil

PRIMEIROS PASSOS Avenida Paulista, 2.064, 13º andar Bela Vista São Paulo/SP - Brasil PRIMEIROS PASSOS PRIMEIROS PASSOS NA CCEE Guia prático para novos agentes da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE Índice 1 - SOBRE A CCEE...5 1.1 Quem somos...6 1.2 Canais de Relacionamento

Leia mais

PROCESSO SELETIVO - 2º SEMESTRE DE 2016

PROCESSO SELETIVO - 2º SEMESTRE DE 2016 20/06/2016 09:58:23 Ato: Edital 64/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO - 2º SEMESTRE DE 2016 EDITAL Nº 64, DE 16 DE JUNHO DE 2016 A SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR,

Leia mais

Submódulo 3.5. Inspeções e ensaios nas instalações de conexão

Submódulo 3.5. Inspeções e ensaios nas instalações de conexão Submódulo 3.5 Inspeções e ensaios nas instalações de conexão Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 0.3 0.4 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Página 1 de 9 SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL Nº 64, DE 16 DE JUNHO DE 2016 PROCESSO SELETIVO - 2º SEMESTRE DE 2016 A SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR, SUBSTITUTA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas.

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas. XX Simpósio Jurídico da ABCE Os 10 anos da Lei 10.848/2004, reflexões e perspectivas. São Paulo Outubro de 2014 Ricardo Brandão Procurador-Geral da ANEEL Marcos normativos antecedentes à Lei 10.848/2004

Leia mais

1 Atualizações. Acerto do formato do campo cotação para fixing sequência 46. Atualizado em. 25/10/2016 Capa Inclusão da data conforme o comunicado.

1 Atualizações. Acerto do formato do campo cotação para fixing sequência 46. Atualizado em. 25/10/2016 Capa Inclusão da data conforme o comunicado. Índice 1 Atualizações... 3 2 Enviar Arquivos... 4 2.1 Registro de Contrato do Participante... 4 3 Receber Arquivos... 10 3.1 DPOSICAO (AAAAMMDDPO.TER)... 10 3.2 DMOVIMENTO (AAAAMMDDPO.TER)... 17 1 Atualizações

Leia mais

POSSIBILIDADES DE REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA: MICRO/MINIGERAÇÃO E MERCADO LIVRE DANIEL HOSSNI RIBEIRO DO VALLE SÃO PAULO, 30 DE JUNHO DE 2016

POSSIBILIDADES DE REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA: MICRO/MINIGERAÇÃO E MERCADO LIVRE DANIEL HOSSNI RIBEIRO DO VALLE SÃO PAULO, 30 DE JUNHO DE 2016 POSSIBILIDADES DE REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA: MICRO/MINIGERAÇÃO E MERCADO LIVRE DANIEL HOSSNI RIBEIRO DO VALLE SÃO PAULO, 30 DE JUNHO DE 2016 SUMÁRIO I. A Comercialização de Energia Elétrica - Relações

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA (SIE)

SISTEMAS DE ENERGIA (SIE) SISTEMAS DE ENERGIA (SIE) Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br Aula 3 Racionamento de energia RECAPITULANDO... Racionamento de energia; Crise de racionamento de 2001; Bandeira Tarifárias;

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MIGRAÇÃO PARA O AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE AO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MIGRAÇÃO PARA O AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE AO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.03.14.001 LIVRE AO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO 01 APROVADO POR CLAUDEMIR E. SIQUEIRA MEDIÇÃO EDP BANDEIRANTE BRUNO G.

Leia mais

Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005

Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho AEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005 CÓDIGO ÍDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3. PROCESSO

Leia mais

CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA. Especificações

CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA. Especificações CONTRATO FUTURO DE CUPOM DE IPCA Especificações 1. Definições IPCA Taxa DI Preço unitário (PU) Saque-reserva Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, expresso em número-índice (número de pontos),

Leia mais

Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico

Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico José Antonio Sorge Ludo Energia Ágora Energia Tópicos O atual modelo mercantil e de negócios com energia Principais regras e a CCEE Perspectivas

Leia mais

Painel 5 Impactos e Adaptações do Mercado para Implantação da Portaria MME 455/2012

Painel 5 Impactos e Adaptações do Mercado para Implantação da Portaria MME 455/2012 Painel 5 Impactos e Adaptações do Mercado para Implantação da Portaria MME 455/2012 Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Agenda 2 Objetivos

Leia mais

Solange David. Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)

Solange David. Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Solange David Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e desafios

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA, QUE ENTRE SI CELEBRAM XXXXXXXXXXXXXX E XXXXXXXXXX. De um lado, XXXXXXXXXXXXXX., XXXXXXXXXXXXX, autorizado pela Resolução ANEEL n.º XXX, de XXXX de XXXX,

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 1 Agentes. Submódulo 1.4 Atendimento

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 1 Agentes. Submódulo 1.4 Atendimento Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 1 Agentes Submódulo 1.4 Atendimento 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE FONTE INCENTIVADA DE 100% (I1) BRC-ASJA-16

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE FONTE INCENTIVADA DE 100% (I1) BRC-ASJA-16 DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE FONTE INCENTIVADA DE 100% (I1) BRC-ASJA-16 A ASJA SABARÁ SERVIÇOS PARA O MEIO AMBIENTE S/A. (VENDEDORA), com sede na Av. Professor Mário Werneck, 26 Sala 801 Bairro

Leia mais

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 24 3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Algumas características e mecanismos do mercado de energia elétrica brasileiro precisam ser compreendidos para realizar a análise proposta neste estudo. Especialmente,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ Nº. : 11.467.788/0001-67 PRODUTO: PR_PU_POPULAR2_S100_1S_CS752 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº:

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Associados da BM&F e Participantes do Mercado de Títulos Públicos

O F Í C I O C I R C U L A R. Associados da BM&F e Participantes do Mercado de Títulos Públicos 04 de dezembro de 2006 135/2006-DG O F Í C I O C I R C U L A R Associados da BM&F e Participantes do Mercado de Títulos Públicos Ref: SISBEX Introdução do Contrato de Operações Compromissadas Genéricas

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

Garantias Financeiras. Versão 1.0

Garantias Financeiras. Versão 1.0 Garantias Financeiras ÍNDICE GARANTIAS FINANCEIRAS 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento do Cálculo de Garantias Financeiras 10 2.1. Determinação do Lastro Físico

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 1 Agentes. Submódulo 1.1 Adesão à CCEE

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 1 Agentes. Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 1 Agentes Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7.

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS DELIBERAÇÃO Nº 19 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo:

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo: 02 2 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (30..203 a 06.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 309,49 309,33 Pesada 33,8

Leia mais

Aspectos gerais sobre a regulação e comercialização de energia elétrica. Gestão de Geradores e Consumidores livres.

Aspectos gerais sobre a regulação e comercialização de energia elétrica. Gestão de Geradores e Consumidores livres. Aspectos gerais sobre a regulação e comercialização de energia elétrica. Gestão de Geradores e Consumidores livres. Josiane M. G. Palomino Ricard H. J. Alves Maio 2016 Aspectos gerais e institucionais

Leia mais

Agenda CCEE /09/2014 2º Encontro Nacional de Consumidores Livres. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Agenda CCEE /09/2014 2º Encontro Nacional de Consumidores Livres. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Agenda CCEE 2015 29/09/2014 2º Encontro Nacional de Consumidores Livres Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Agenda CCEE e o mercado de energia elétrica Atuação em prol

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 16, DE 1º DE SETEMBRO DE 2017

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 16, DE 1º DE SETEMBRO DE 2017 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 16, DE 1º DE SETEMBRO DE 2017 Dispõe sobre a ocupação de vagas remanescentes do processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 16, DE 1º DE SETEMBRO DE 2017 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 16, DE 1º DE SETEMBRO DE 2017 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 16, DE 1º DE SETEMBRO DE 2017 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 04/09/2017 (nº 170, Seção 1, pág. 12) Dispõe sobre a ocupação

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO BTG LP 03/2017 LEILÃO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

EDITAL DO LEILÃO BTG LP 03/2017 LEILÃO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DO LEILÃO BTG LP 03/2017 LEILÃO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BTG PACTUAL COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Avenida Brigadeiro Faria Lima,

Leia mais

Medição Física. Versão

Medição Física. Versão Medição Física ÍNDICE Medição Física 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas de Medição Física 15 2.1. Aquisição das informações do SCDE 15 2.2. Integralização

Leia mais

MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1

MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1 MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1 2 MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA SUMÁRIO 1. Organização 2. Como está estruturado o mercado de energia elétrica? 3. Quais são as

Leia mais