3º ENCONTRO JURÍDICO DA ABCE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3º ENCONTRO JURÍDICO DA ABCE"

Transcrição

1 3º ENCONTRO JURÍDICO DA ABCE Convênio ICMS 15/2007 Análise Jurídica André Edelstein São Paulo, 13 de julho de 2007

2 INTRODUÇÃO MODALIDADES DE RELAÇÕES COMERCIAIS ENVOLVENDO A COMPRA E E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA Promovidas entre agentes ou entre estes e consumidores livres e formalizadas por meio de CCEAR s ou CCVE s, registrados na CCEE liquidadas de forma bilateral entre as partes Promovidas entre agentes ou entre estes e consumidores livres no âmbito do Mercado de Curto Prazo ou spot liquidadas mensalmente de forma multilateral Promovidas por distribuidoras no âmbito do Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits MCSD liquidadas mensalmente de forma multilateral OBJETO DO CONVÊNIO ICMS 15/2007 Disciplina a forma de cumprimento das obrigações tributárias principais e acessórias relativas a essas distintas modalidades de negócios envolvendo a compra e venda de energia elétrica Revoga o Convênio ICMS 06/2004

3 BILATERAIS (CCEAR s e CCVE s) OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Vendedor: Emissão de notas fiscais individualizas para cada estabelecimento de consumo do comprador, mesmo que não identificados no Contrato Comprador: Informar ao Vendedor a real distribuição de cargas por estabelecimento CCEE: Disponibilizar relação de todos os contratos registrados OBRIGAÇÃO PRINCIPAL Incidência: Prevista apenas na hipótese de fornecimento a consumidor livre ou autoprodutor, cabendo o ICMS ao Estado de consumo não se menciona a exclusão da incidência nas operações interestaduais (cf. LC nº 87/96 e Convênio ICMS 83/00) Base de cálculo: Preço total contratado, ao qual está integrado o próprio imposto

4 BILATERAIS (CCEAR s e CCVE s) FORNECIMENTO A CONSUMIDOR: QUAL BASE DE CÁLCULO DEVE SER ADOTADA? Lei Complementar nº 87/96: preço praticado na operação final (art. 9º, 1º, II) valor da operação (art. 13, I e VIII) Convênio ICMS 15/07: Preço total contratado

5 BILATERAIS (CCEAR s e CCVE s) FORNECIMENTO A CONSUMIDOR: QUAL BASE DE CÁLCULO DEVE SER ADOTADA? Possível orientação das Secretarias de Fazenda Estaduais: incidência do ICMS sobre todas as importâncias pagas (LC 87/96, art. 13, 1º, II, a ) Questionabilidade dessa orientação Jurisprudências análogas do STJ concretização do fato gerador do ICMS no consumo de energia elétrica ICMS sobre Demanda: incidência do ICMS apenas sobre o consumo apurado (1ª e 2ª Turmas) ICMS sobre faturas não pagas: incidência do ICMS em virtude de se caracterizar a ocorrência do fato gerador no momento do consumo (1ª Turma) Segregação da fatura? Parcela consumida: incidência do ICMS Parcela contratada e não consumida: não incidência do ICMS

6 REALIZADOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO Contabilização da Produção CCEE Contabilização do Consumo Geração Verificada Contratada Consumo Verificado Contratado MONTANTE LIQUIDADO MENSALMENTE NO CCEE PRODUÇÃO CONSUMO MONTANTE LIQUIDADO MENSALMENTE NO CCEE Preços Livremente Negociados (Contratos Bilaterais) Fonte: CCEE

7 REALIZADOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO DIFICULDADES: Impossibilidade de identificação da localização das partes e contrapartes e da destinação dada à energia comercializada; Liquidação financeira da CCEE não reflete as operações físicas de entrada e saída de energia elétrica; Incertezas na determinação da posição credora ou devedora para fins de cumprimento de obrigações relativas ao ICMS

8 REALIZADOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO DETERMINAÇÃO DA POSIÇÃO CREDORA OU DEVEDORA Regra prevista no Convênio ICMS 15/03: Valor da liquidação Financeira contabilizada pela CCEE, excluindo se as parcelas sobre as quais não incide o ICMS e que já tenham sido tributadas em liquidações anteriores Deve ser considerado o saldo final da liquidação promovida pela CCEE e apontado nas pré faturas e nas NLC s, ou apenas as importâncias relativas à energia elétrica comercializada no Mercado de Curto Prazo, discriminada na CB006? Como identificar as parcelas que já foram tributadas em liquidações anteriores?

9 REALIZADOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO DETERMINAÇÃO DA POSIÇÃO CREDORA OU DEVEDORA Objetivo da Consolidação dos Resultados da CCEE: Apuração dos cálculos finais de receitas e despesas na CCEE de todos os Agentes. Os componentes principais das receitas ou despesas são: exposição ao Preço de Liquidação das Diferenças, Encargos de Serviços do Sistema, participação no MRE, alocação de Excedente Financeiro e de exposições positivas, pagamento e alocação de penalidades (cf. item 1.1 do Módulo 7 das Regras de Comercialização Consolidação dos Resultados, aprovado pela Resolução Normativa ANEEL n 254/07). CB006 (Resumo da Pré Fatura): Resumo dos resultados financeiros mensais da Contabilização das Operações do Agente na CCEE, com a apresentação dos seus respectivos valores a pagar ou a receber no Mercado de Curto Prazo (cf. item 14 do Procedimento de Comercialização PdC DR. 01 Divulgação de Resultados, aprovado pelo Despacho ANEEL nº 649/07).

10 REALIZADOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO DETERMINAÇÃO DA POSIÇÃO CREDORA OU DEVEDORA Encargos de Serviços do Sistema (ESS): Preço (R$/MWh), pago pelos Consumidores, correspondente aos serviços realizados pelos Agentes de Geração para preservar a estabilidade e a segurança do Sistema Interligado Nacional SIN Mecanismo de Realocação de Energia (MRE): Mecanismo de compartilhamento dos riscos hidrológicos associados à otimização eletroenergética do Sistema Interligado Excedente Financeiro: Diferença positiva entre o total de pagamentos e o total de recebimentos no âmbito da CCEE, que surge devido às transações de energia entre Submercados e à diferença de valores do PLD Penalidade: Sanções definidas ou aprovadas pela ANEEL, aplicáveis em caso de inobservância ou descumprimento do disposto na Convenção de Comercialização ou nas Regras e Procedimentos de Comercialização Rateio de Inadimplência: Compartilhamento das repercussões financeiras relativas aos valores não liquidados pelos Agentes Devedores entre todos os Agentes Credores, implicando na redução de seus valores líquidos a receber.

11 CB006 Resumo da P ré Fatura AGENTE X Evento: Contabilização Fevereiro/ 2007 P ré Fatura do P erfil de Geração do Agente Descrição I tem Acrônimo Unidade Valor AGENTE X G Ajuste Mensal de Excedente Financeiro do Perfil de Geração do Agente (GERM_1) R$ 0,00 Ajuste de Compensação dos Custos de MRE do Perfil de Geração do Agente (GERM_2) R$ 0,00 Ajuste Total de MRE e de Alocação de Excedente Financeiro (TGERM) R$ 0,00 Somatório dos Pagamentos da CCEE para a Geração Medida (TOTAL GWGP) R$ 0,00 Somatório dos Pagamentos da CCEE por Restrição a Usinas (TOTAL GCON) R$ 0,00 Somatório dos Pagamentos por Consumo de Usina do Perfil de Geração do (TOTAL Agente GWGPR) R$ 0,00 Somatório dos Pagamentos da CCEE ao Perfil de Geração do Agente (TOTAL TWPG) R$ 0,00 Pagamentos por Encargos de Serviços Ancilares (GESA) R$ 0,00 Encargo de Compensação Síncrona do Perfil de Geração do Agente (GECS) R$ 0,00 Total de Outros Serviços Ancilares (TOSA) R$ Ajuste Mensal de Disputas do Perfil de Geração do Agente (TOTAL DISPG) R$ Total de Penalidades por Insuficiência de Lastro de Venda do Perfil de Geração do Agente (TPIVG) R$ Total de Penalidade por Insuficiência de Lastro de Venda do Perfil de Geração do Agente em Base Anual (TPIVG_1) R$ Total de Penalidade por Insuficiência de Lastro de Potência do Perfil de Geração do Agente (TPILPG) R$ Pagamentos Totais da CCEE ao Perfil de Geração do Agente (TPG) R$ 0,00 Inadimplência de Outubro /2006 R$ 0,00 Multa de Outubro /2006 R$ 0,00 Juros de 11/Dez/2006 até 09/Jan/2007 R$ 0,00 Atualização Monetária de 11/Dez/2006 até 09/Jan/2007 R$ 0,00

12 CB006 CB006 R esum Resumo o da Pda ré Fatura P ré Fatura AGENTE AGENTE X Evento: X Evento: Contabilização Contabilização Fevereiro/ Fevereiro/ P Pré Fatura do do P erfil P erfil de de Consumo Consumo do do Agente Agente Descrição Descrição I tem I tem Acrônimo U Unidade Valor AGENTE AGENTE X D X D Somatório Somatório dos Pagamentos dos do Perfil do Perfil de Consumo de Consumo do Agente do Agente à CCEE à CCEE por por Energia (TOTAL RWP) RWP) R$ R$ ,34 Somatório Somatório Pagamento Pagamento do Perfil do Perfil de Consumo de Consumo do Agente do Agente à CCEE à CCEE por por Encargo Encargo de de Serviço Serviço do Sistema do Sistema (TOTAL (TOTAL RSSC) RSSC) R$ R$ ,69 Ajuste Ajuste Mensal Mensal de Disputas de Disputas do Perfil do Perfil de Consumo de Consumo do Agente do Agente (TOTAL (TOTAL DISPR) DISPR) R$ R$ 300,00 Somatório Somatório dos Pagamentos dos Pagamentos Totais Totais do Perfil do Perfil de Consumo de Consumo do Agente do Agente à CCEE à CCEE (TOTAL (TOTAL STRP) STRP) R$ R$ ,02 Ajuste Ajuste de Excedente Excedente Financeiro Financeiro do Perfil do Perfil de Consumo de Consumo do Agente do Agente (RSA) (RSA) R$ R$ 00 Ajuste Ajuste das Exposições das Exposições Residuais Residuais do Perfil do Perfil de Consumo de Consumo do Agente do Agente (RSMA) (RSMA) R$ R$ 00 Ajuste Ajuste Referente Referente ao Rateio ao Rateio das Receitas das Receitas Remanescentes Remanescentes do Alívio do Alívio das das Exposições Exposições Financeiras Financeiras (RPA) (RPA) R$ R$ 0 0 Compensação dos Custos do Agente Cessionário MCSD Ex Post (PGTO_XP) R$ Compensação dos Custos do Agente Cessionário MCSD Ex Post (PGTO_XP) R$ Compensação dos Custos do Agente Cedente MCSD Ex Post (RCTO_XP) R$ Compensação dos Custos do Agente Cedente MCSD Ex Post (RCTO_XP) R$ Total de Penalidades por Insuficiência de Contratação (TPICD) R$ Total de Penalidades por Insuficiência de Contratação (TPICD) R$ Total de Penalidades por Insuficiência de Cobertura Contratual de Consumo do Total de Penalidades por Insuficiência de Cobertura Contratual de Consumo do Perfil de Consumo do Agente em Base Anual (TPICD_1) R$ Perfil de Consumo do Agente em Base Anual (TPICD_1) R$ Total de Penalidades por Insuficiência de Lastro de Venda do Perfil de Consumo Total de Penalidades por Insuficiência de Lastro de Venda do Perfil de Consumo do Agente (TPIVD) R$ do Agente (TPIVD) R$ Pagamento Total não ajustado do Perfil de Consumo do Agente à CCEE (TURPS) R$ ,02 Pagamento Total não ajustado do Perfil de Consumo do Agente à CCEE (TURPS) R$ ,02 Pagamento Total ajustado do Perfil de Consumo do Agente à CCEE (TRAP) R$ ,02 Pagamento Total ajustado do Perfil de Consumo do Agente à CCEE (TRAP) R$ ,02 Atualiz Monet Recont Fev05 03 R$ 0,414 Atualiz Atualiz Monet Monet Recont Recont Fev05 03 Jan05 03 R$ R$ 0,414 1,854 Atualiz Atualiz Monet Monet Recont Recont Jan05 03 Mar05 03 R$ R$ 1,854 12,75 Atualiz Estorno Monet de Recont Inadimp. Mar05 03 Polyenka R$ R$ 12,75 6,444 Estorno de Inadimp. Polyenka R$ 6,444 Fator de Ajuste Financeiro FAF 1 Fator de Ajuste Financeiro Pré Fatura Total FAF 1 P ré Fatura Total Total Unidade Valor Total Total Unidad e R$ Valor ,48 Total R$ ,48

13 REALIZADOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Vendedor (credor) e Comprador (devedor): Emissão de notas fiscais relativamente à saída ou entrada de energia elétrica, conforme o caso Requisitos da Nota Fiscal Modelo 1 ou 1 A ou avulsa Informações Complementares: Indicar os dados da liquidação da CCEE Quadro Destinatário / Remetente: Expressão Relativa à liquidação no Mercado de Curto Prazo

14 REALIZADOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO OBRIGAÇÃO PRINCIPAL Incidência: Prevista apenas quando houver a aquisição de energia elétrica por parte de consumidor livre ou autoprodutor não se menciona a exclusão da incidência nas operações interestaduais Responsável pelo recolhimento: consumidor livre ou autoprodutor Base de cálculo: Valor da liquidação financeira contabilizada pela CCEE, excluindose as parcelas sobre as quais não incide o ICMS e que já tenham sido tributadas em liquidações anteriores, integrado se o montante do próprio imposto. Deve ser promovido o rateio proporcional segundo as medições verificadas na hipótese de existir mais um ponto de consumo Alíquota: incidente na unidade federada de localização do consumo Forma e prazo de recolhimento: guia de recolhimentos estaduais, observando se o prazo da respectiva unidade federada incompatibilidade dos prazos estaduais com os prazos de divulgação dos resultados do processo de contabilização pela CCEE (20º ao 22º dia útil do mês seguinte)

15 REALIZADOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO CRÉDITO É assegurado o crédito na forma e no montante admitidos, devendo este ser apropriado no mês em que o imposto tiver sido recolhido Adota se o saldo final da liquidação promovida pela CCEE e apontado nas préfaturas e nas NLC s, ou apenas as importâncias relativas à energia elétrica comercializada no Mercado de Curto Prazo, discriminada na CB006? Como identificar as parcelas que já tenham sido tributadas em liquidações anteriores? Restrição quanto ao momento de apropriação incompatibilidade com a orientação adotada pelas Secretarias de Fazenda Estaduais

16 REALIZADOS NO MCSD ANTECEDENTES Decreto nº 5.103/04: Prevê a implantação do MCSD como instrumento para realização de cessões entre distribuidoras na hipótese de existência de excedentes entre os montantes de energia elétrica estimados e contratados para o atendimento de seu mercado Resolução ANEEL n 161/05: Aprova as Regras de Comercialização de Energia Elétrica relativas ao MCSD Complexidade operacional da liquidação bilateral em face do elevado número de negócios realizados Resolução ANEEL nº 267/07: Institui o Processo de Apuração e Liquidação Financeira das Cessões do MCSD, executado de forma independente do Processo de Contabilização e Liquidação Financeira das operações de compra e venda de energia elétrica realizadas no âmbito do Mercado de Curto Prazo

17 REALIZADOS NO MCSD OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Vendedor (credor) e Comprador (devedor): Emissão de notas fiscais relativamente à saída ou entrada de energia elétrica, conforme o caso Requisitos da Nota Fiscal Modelo 1 ou 1 A ou avulsa Informações Complementares: Indicar os dados da liquidação da CCEE Quadro Destinatário / Remetente: Expressão Relativa à apuração e liquidação do Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits MCSD OBRIGAÇÃO PRINCIPAL É dispensado o destaque do ICMS pela empresa distribuidora suprida sobre a entrada de energia relativa ao MCSD

18

(Redação do Subanexo X dada pelo Decreto Nº DE 26/09/2014): SUBANEXO X - DAS OPERAÇÕES COM ENERGIA ELÉTRICA TRANSACIONADAS NO ÂMBITO DO MERCADO

(Redação do Subanexo X dada pelo Decreto Nº DE 26/09/2014): SUBANEXO X - DAS OPERAÇÕES COM ENERGIA ELÉTRICA TRANSACIONADAS NO ÂMBITO DO MERCADO (Redação do Subanexo X dada pelo Decreto Nº 14049 DE 26/09/2014): SUBANEXO X - DAS OPERAÇÕES COM ENERGIA ELÉTRICA TRANSACIONADAS NO ÂMBITO DO MERCADO ATACADISTA DE ENERGIA (MAE) (Conv. ICMS 15/2007) CAPÍTULO

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 fevereiro/2017. b. Contabilização Janeiro/17

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 fevereiro/2017. b. Contabilização Janeiro/17 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de fevereiro de 2017 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro de 2017. O histórico

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização... 4

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização... 4 a REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO CONTABILIZAÇÃO MÓDULO 1 PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS (PL) Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009 1 CONTABILIZAÇÃO

Leia mais

Regras de Comercialização de Energia

Regras de Comercialização de Energia Regras de Comercialização de Energia Ricardo Grodzicki Agenda Medição Contratos Balanço Energético Encargos Custo devido ao descolamento entre PLD e CMO Liquidação Financeira do MCP Penalidade de Energia

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Balanço Energético. Versão 1.0

Balanço Energético. Versão 1.0 ÍNDICE BALANÇO ENERGÉTICO 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo do 10 2.1. Cálculo do 10 2 Controle de Alterações Revisão Motivo da Revisão Instrumento

Leia mais

Resolução ANEEL 514/ Alocação de Cotas de Garantia Física de Energia e Potência. Reunião ABRAGE 28/11/2012

Resolução ANEEL 514/ Alocação de Cotas de Garantia Física de Energia e Potência. Reunião ABRAGE 28/11/2012 Resolução ANEEL 514/2012 - Alocação de Cotas de Garantia Física de Energia e Potência Reunião ABRAGE 28/11/2012 Alocação das Cotas (AP 090/2012) Objetivos: manter inalterado o nível de contratação das

Leia mais

RESULTADOS DA CONTABILIZAÇÃO - FEV/15

RESULTADOS DA CONTABILIZAÇÃO - FEV/15 O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de março/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em fevereiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição setembro/2015. b. Contabilização agosto/15

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição setembro/2015. b. Contabilização agosto/15 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de setembro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em agosto/15. O boletim traz ainda um

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.1 Apurações da energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS Revisão Motivo

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI)...

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI)... CONTABILIZAÇÃO DEFINIÇÕES E INTERPRETAÇÕES Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009 ÍNDICE 1 Definições Gerais... 3 1.1 Objetivos... 3 1.2 Fluxo Geral das Regras de Comercialização... 4 2 Definições

Leia mais

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE CCEE Situação Atual e Evoluções Workshop Andrade&Canellas 2012 17 de agosto de 2012 Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE Responsabilidades da CCEE - Evolução 27) RRV usinas em atraso 28) Gestão

Leia mais

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Seminário Autoprodução de Energia Elétrica na Ponta Impactos e Perspectivas 8 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO R$ 388,48/MWh R$ 121/MWh 369,23/MWh R$ 123 milhões R$ 536 milhões R$ 2,532 bilhões

1. SUMÁRIO EXECUTIVO R$ 388,48/MWh R$ 121/MWh 369,23/MWh R$ 123 milhões R$ 536 milhões R$ 2,532 bilhões O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de junho/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em maio/15. O boletim traz ainda um relatório

Leia mais

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015 Visão Geral das Operações na CCEE Junho/2015 1. Visão do Sistema Elétrico 2. Modelo Institucional 3. Comercialização de Energia do SIN 4. Principais Regras de Comercialização 1. Visão do Sistema Elétrico

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.2 Liquidação financeira relativa à contratação de energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.2 Liquidação financeira relativa à contratação de energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.2 Liquidação financeira relativa à contratação de energia de reserva ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES

Leia mais

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Luiz Henrique Alves Pazzini Gerência de Acompanhamento de Mercado - GAM 25 de abril de 2007 Agenda Comercialização de Energia

Leia mais

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades Maio / 2005 CCEE Papéis e Responsabilidades Sistema Elétrico Brasileiro (Interligado) Dimensões Continentais Sofisticado Sistema de Supervisão e Controle Integrado Capacidade Instalada (dez/03) Hidráulica:

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Comercialização no Novo Modelo de Energia Elétrica

Comercialização no Novo Modelo de Energia Elétrica Comercialização no Novo Modelo de Energia Elétrica Reestruturação do Setor Elétrico Seminário Internacional : Reestruturação e Regulação do Setor de Energia Elétrica e Gás Natural Antonio Carlos Fraga

Leia mais

APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE. 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. 6 de agosto de 2012

APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE. 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. 6 de agosto de 2012 APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP 6 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE Funcionamento do Sistema Físico Funcionamento

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 Receita de Venda de CCEAR Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 3.5 Receita de venda de CCEAR ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Nº 84 Agosto/

Nº 84 Agosto/ www.ccee.org.br Nº 84 Agosto/214 8 1 8 O InfoMercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

ÍNDICE 1 OPERACIONAL CCEE Calendário Pagamentos Importância de Pagar em Dia Registro/Validação...

ÍNDICE 1 OPERACIONAL CCEE Calendário Pagamentos Importância de Pagar em Dia Registro/Validação... ÍNDICE 1 OPERACIONAL CCEE... 2 1.1 Calendário... 2 1.2 Pagamentos... 3 1.2.1 Importância de Pagar em Dia... 4 1.3 Registro/Validação... 4 2 OPERACIONAL EDP... 5 2.1 Faturamento... 5 2.1.1 Energia... 5

Leia mais

3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro 3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Alexandre Zucarato 24 de abril de 2012 Funcionamento do Sistema Físico 2 Sistema Elétrico Brasileiro 3 Sistema Elétrico Brasileiro Rede

Leia mais

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 27 Fevereiro/2012 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar os valores associados ao encargo, fundo de garantia e saldo da CONER

Leia mais

Liquidação Financeira das Transações na CCEE

Liquidação Financeira das Transações na CCEE Liquidação Financeira das Transações na CCEE OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para a execução da Liquidação Financeira e para a Gestão de Garantias, referentes às operações de compra e venda de energia

Leia mais

Implantação de um Novo Modelo de Garantias para o Mercado Fórum Abraceel O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

Implantação de um Novo Modelo de Garantias para o Mercado Fórum Abraceel O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica Implantação de um Novo Modelo de Garantias para o Mercado Fórum Abraceel O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica Luciano Macedo Freire Conselho de Administração da CCEE 14 de outubro de 2008

Leia mais

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas.

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas. XX Simpósio Jurídico da ABCE Os 10 anos da Lei 10.848/2004, reflexões e perspectivas. São Paulo Outubro de 2014 Ricardo Brandão Procurador-Geral da ANEEL Marcos normativos antecedentes à Lei 10.848/2004

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 dezembro/2016. b. Contabilização novembro/16

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 dezembro/2016. b. Contabilização novembro/16 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de dezembro e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em novembro de 2016. O histórico de dados

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Novas do Mercado de Energia

Novas do Mercado de Energia Novas do Mercado de Energia Paulo Sérgio Javorski Diretor de Mercado de Energia CPFL Comercialização Brasil S.A. São Paulo, 05 de agosto de 2012 CPFL Energia 2009. Todos os direitos reservados. Novas do

Leia mais

O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Antônio Soares Diniz Superintendente

O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Antônio Soares Diniz Superintendente O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Antônio Soares Diniz Superintendente Junho/2005 Agenda Base Legal 2003 / 2004 As mudanças implantadas Objetivos do Novo Modelo CCEE Comercialização de Energia

Leia mais

Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008

Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008 Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008 Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da

Leia mais

Nº 90 Fevereiro/

Nº 90 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 90 Fevereiro/2015 0800 10 00 08 O InfoMercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da Câmara de Comercialização de Energia

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação

Leia mais

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 36 Novembro/2012 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar os valores associados ao encargo, fundo de garantia e saldo da CONER

Leia mais

O mercado livre de energia elétrica e os aprendizados para o setor de gás

O mercado livre de energia elétrica e os aprendizados para o setor de gás O mercado livre de energia elétrica e os aprendizados para o setor de gás Seminário sobre Gás Natural e Regulação 11/12/2017 Solange David Vice-presidente do Conselho de Administração Agenda Governança

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 (*) Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 5 Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) e Mecanismo de Contabilização de Sobras e Déficits (MCSD) Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica

Leia mais

Novas Políticas e Impactos para o Mercado ENASE º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico

Novas Políticas e Impactos para o Mercado ENASE º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico Novas Políticas e Impactos para o Mercado ENASE 2010 7º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 29 de Setembro de 2010

Leia mais

ANEXO VI DAS DEFINIÇÕES

ANEXO VI DAS DEFINIÇÕES ANEXO VI DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 03/2018_cp e no CONTRATO, ficam definidas as palavras e expressões abaixo relacionadas,

Leia mais

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB)

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) 3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) Até 1995, o Setor Elétrico Brasileiro era formado por empresas verticalizadas, predominantemente estatais, detentoras das atividades de geração, transmissão e distribuição

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4 a REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS (PL) Versão 2008 Resolução Normativa ANEEL n 293/2007 Resolução Normativa CNPE n 8/2007 Resolução Normativa ANEEL n 306/2008

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

Caderno Algébrico. Regime de Cotas de. Física. Versão

Caderno Algébrico. Regime de Cotas de. Física. Versão Caderno Algébrico Regime de Cotas de Regime Garantia de Cotas Física de Garantia Física Versão 2013.1.2 ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 3 1. O Esquema Geral 3 2. Detalhamento das Etapas da Determinação

Leia mais

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes Fórum Novas Oportunidades para os Consumidores Livres Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do

Leia mais

Desafios e melhores práticas para garantir a segurança a financeira nas operações do mercado de energia

Desafios e melhores práticas para garantir a segurança a financeira nas operações do mercado de energia Desafios e melhores práticas para garantir a segurança a financeira nas operações do mercado de energia Workshop P&D ARY PINTO Conselheiro 12/12/2018 Associados CCEE Última posição: nov/18 Participação

Leia mais

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng.

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. VII Conferência Anual da RELOP Praia, Cabo Verde 04 e 05/09/2014 Workshop:

Leia mais

Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia

Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia ARY PINTO Conselheiro 28/02/2019 Agenda Sistema Elétrico Brasileiro e a CCEE Mercado Livre de Energia Elétrica

Leia mais

Legislação LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À COMPRA DE ENERGIA DE PCH S. Leis: Decretos:

Legislação LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À COMPRA DE ENERGIA DE PCH S. Leis: Decretos: Legislação A Legislação brasileira que trata da compra de energia de PCH's não é específica, tratando simultaneamente de tantos outros assuntos. Assim, é necessário identificar os artigos e parágrafos

Leia mais

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Março de 2012 Agentes na CCEE Fevereiro 2012 1800 1650

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras. Título: PO CCB-02 Operacionalização do Prêmio de Risco Hidrológico. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras. Título: PO CCB-02 Operacionalização do Prêmio de Risco Hidrológico. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Título: PO CCB-02 Operacionalização do Prêmio de Risco Hidrológico Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº3.720, de 26 de dezembro de 2007.

Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº3.720, de 26 de dezembro de 2007. Procedimento de Comercialização DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE AUTOPRODUÇÃO E PRODUÇÃO INDEPENDENTE DE ENERGIA PARA APLICAÇÃO DAS TARIFAS DE USO DOS SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO E TRANSMISSÃO Versão: 3 Início

Leia mais

RESOLUÇÃO N O 290, DE 3 DE AGOSTO DE 2000

RESOLUÇÃO N O 290, DE 3 DE AGOSTO DE 2000 RESOLUÇÃO N O 290, DE 3 DE AGOSTO DE 2000 Homologa as Regras do Mercado Atacadista de Energia Elétrica MAE e fixa as diretrizes para a sua implantação gradual. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA

Leia mais

A ANEEL regula venda de excedentes das distribuidoras

A ANEEL regula venda de excedentes das distribuidoras A ANEEL regula venda de excedentes das distribuidoras MARTINIANO, Urias G. Neto. A ANEEL regula venda de excedentes das distribuidoras. Agência CanalEnergia. Rio de Janeiro, 25 de julho de 2018. A lei

Leia mais

Caderno Algébrico Ressarcimento

Caderno Algébrico Ressarcimento Caderno Algébrico Ressarcimento Versão 1.0.1 ÍNDICE RESSARCIMENTO 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas do Ressarcimento 5 2.1. Determinação da Geração Disponível para Atendimento dos Contratos por Disponibilidade

Leia mais

O Mercado Livre de Energia. Aspectos Gerais para Consumidores Livres

O Mercado Livre de Energia. Aspectos Gerais para Consumidores Livres O Mercado Livre de Energia Aspectos Gerais para Consumidores Livres Patrocinadores da Campanha 2012 Ano do Mercado Livre de Energia Agenda O Sistema Elétrico Brasileiro e suas Instituições O Modelo do

Leia mais

O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez

O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez 29 de Setembro de 2009 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico ENASE 2009 Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Gestão do Sistema Elétrico Interligado. Abril / 2005

Gestão do Sistema Elétrico Interligado. Abril / 2005 Gestão do Sistema Elétrico Interligado Abril / 2005 Agenda Informações sobre o Sistema Elétrico Brasileiro Informações sobre a CCEE Informações sobre Mercosul Contato SIN Considerado único no âmbito mundial

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

AM.10 AFERIÇÃO E APLICAÇÃO DE PENALIDADES COBERTURA DE CONSUMO, LASTRO PARA VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA

AM.10 AFERIÇÃO E APLICAÇÃO DE PENALIDADES COBERTURA DE CONSUMO, LASTRO PARA VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA Procedimento de Comercialização Controle de Alterações AFERIÇÃO E APLICAÇÃO DE PENALIDADES COBERTURA DE CONSUMO, LASTRO PARA VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA Versão 2 METODOLOGIA DO Texto em realce

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado Reunião Plenária da ABRAGE Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 20/09/18 Grandes números CCEE e mercado de energia elétrica

Leia mais

Simplificação do Faturamento dos Encargos de Uso

Simplificação do Faturamento dos Encargos de Uso Simplificação do Faturamento dos Encargos de Uso Aspectos Gerais da Proposta Tiago Brighente Tractebel Energia Brasília, 20 de agosto de 2014 Processo Atual de Faturamento do EUST (gestor) Informações

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO São Partes no presente Contrato, de um lado, e doravante denominado simplesmente VENDEDORA, XXXXXXXX, sociedade por quotas, sediada

Leia mais

Dinâmica da Reestruturação do Setor Elétrico O Processo de Comercialização de Energia

Dinâmica da Reestruturação do Setor Elétrico O Processo de Comercialização de Energia Dinâmica da Reestruturação do Setor Elétrico O Processo de Comercialização de Energia III Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica III SISEE Élbia Melo 19/10/2008 Agenda Processo de Reestruturação

Leia mais

Módulo 5 Mercado de Curto Prazo

Módulo 5 Mercado de Curto Prazo Submódulo5.3 Conta Bandeiras Módulo 5 Mercado de Curto Prazo Submódulo 5.3 Conta Bandeiras 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE

Leia mais

SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA E OPORTUNIDADES

SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA E OPORTUNIDADES SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA E OPORTUNIDADES RICARDO LIMA CONSULTOR Nov/2018 MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA Fonte: EPE O que é mercado livre? Adaptado de uma apresentação

Leia mais

ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DA MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DA MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DA MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 Introdução ao ICMS: O ICMS é a sigla que identifica o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações

Leia mais

Perfil Energia gerada

Perfil Energia gerada 1. Perfil A AES Tietê, uma das geradoras do grupo AES Brasil, é uma Companhia de capital aberto com ações listadas na BM&FBovespa e está autorizada a operar como concessionária de uso do bem público, na

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais de Geração Hidrelétrica PCHse CGHs

Mercado de Energia Elétrica Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais de Geração Hidrelétrica PCHse CGHs Mercado de Energia Elétrica Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais de Geração Hidrelétrica PCHse CGHs Curitiba - PR Turma 1: 21 de Agosto de 2018 Turma 2: 22 de Agosto de 2018 O Treinamento Objetivo:

Leia mais

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Datas, aspectos gerais e sistemáticas 03/06/2013 Gerência de Leilões e Mercado Regulado Agenda Data dos leilões no 2º semestre de 2013 11º Leilão de Energia

Leia mais

Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente

Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente Leonardo Calabró Conselho de Administração 05 de agosto de 2009

Leia mais

Art. 2º Para todos os fins, são adotadas as seguintes definições:

Art. 2º Para todos os fins, são adotadas as seguintes definições: RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 783, de 26/09/2017 Estabelece os critérios e procedimentos para controle dos contratos de comercialização de energia elétrica. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA

Leia mais

Contratos. Versão 1.1

Contratos. Versão 1.1 Contratos ÍNDICE CONTRATOS 5 1. Introdução 5 1.1. Lista de Termos 8 1.2. Conceitos Básicos 9 2. Detalhamento das Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 20 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

RISCO HIDROLÓGICO, MRE E GSF

RISCO HIDROLÓGICO, MRE E GSF RISCO HIDROLÓGICO, MRE E GSF Camila Rodrigues Advogada da Justen, Pereira, Oliveira & Talamini A matriz elétrica brasileira tem como principal fonte geradora a hidráulica. A utilização do fluxo da água

Leia mais

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Lei nº 10.848/2004 (Redação Original) Art. 2 o... 1 o Na contratação regulada, os riscos hidrológicos serão assumidos conforme as seguintes modalidades contratuais:

Leia mais

ABCE COMITÊ TRIBUTÁRIO PEC

ABCE COMITÊ TRIBUTÁRIO PEC ABCE COMITÊ TRIBUTÁRIO PEC 233/08 Reforma Tributária Novo ICMS André Edelstein Brasília, 27 de maio de 2008 Principais Objetivos EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Nº 16/08 - MF Simplificar o sistema tributário nacional

Leia mais

ANEXO 1 AO COMUNICADO: SEFAZ REALIZA ALTERAÇÕES NA EFD ICMS- IPI

ANEXO 1 AO COMUNICADO: SEFAZ REALIZA ALTERAÇÕES NA EFD ICMS- IPI ANEXO 1 AO COMUNICADO: SEFAZ REALIZA ALTERAÇÕES NA EFD ICMS- IPI Abrangência: contribuintes de São Paulo obrigados à entrega da EFD-ICMS-IPI. Conteúdo: tabela atual e nova de códigos de ajuste da EFD-ICMS-IPI.

Leia mais

Luiz Eduardo Barata Ferreira

Luiz Eduardo Barata Ferreira Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Câmara de Comercialização de Energia Elétrica 6 de maio de 2014 Agenda A atuação da CCEE Conta-ACR Desafios para o futuro Perguntas

Leia mais

Contratos Introdução. Regras de Comercialização. Contratos. 1 Versão Minuta. Versão 1.0

Contratos Introdução. Regras de Comercialização. Contratos. 1 Versão Minuta. Versão 1.0 Introdução Regras de Comercialização Contratos 1 Versão 1.0 - Minuta Versão 1.0 Introdução Índice Contratos 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6 2 Detalhamento das Etapas dos

Leia mais

Gestão de Contratos de Energia

Gestão de Contratos de Energia Gestão de Contratos de Energia 10 de junho de 2005 Delta Comercializadora de Energia Rua Funchal, 375 1º andar CEP: 04551-060 São Paulo, SP www.deltaenergia.com.br Mercado Livre Características do Mercado

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2016 a Comercialização

Perspectivas do Setor Elétrico 2016 a Comercialização Perspectivas do Setor Elétrico 2016 a 2020 - Comercialização ENASE 2016-13º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 18/05/2016 Agenda CCEE Mercado

Leia mais

DECRETO Nº DE 12 DE AGOSTO DE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 2o A CCEE terá, dentre outras, as seguintes atribuições:

DECRETO Nº DE 12 DE AGOSTO DE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 2o A CCEE terá, dentre outras, as seguintes atribuições: DECRETO Nº 5.177 DE 12 DE AGOSTO DE 2004. Regulamenta os arts. 4o e 5o da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, e dispõe sobre a organização, as atribuições e o funcionamento da Câmara de Comercialização

Leia mais

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 24 3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Algumas características e mecanismos do mercado de energia elétrica brasileiro precisam ser compreendidos para realizar a análise proposta neste estudo. Especialmente,

Leia mais

Caderno Algébrico Garantias Financeiras Garantias Financeiras

Caderno Algébrico Garantias Financeiras Garantias Financeiras Caderno Algébrico Garantias Financeiras Garantias Financeiras Versão 1.0 ÍNDICE GARANTIAS FINANCEIRAS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Cálculo de Garantias Financeiras 5 2.1. Determinação do Lastro Físico 5 2.2.

Leia mais

Gestão de Risco de Mercado

Gestão de Risco de Mercado Gestão de Risco de Mercado Visão da CCEE Roberto Castro 30/03/2017 Temário I. Garantias Financeiras Limite Operacional Corte em Cadeia Cadastro Positivo II. Indicadores de Risco de Mercado Exposição Índice

Leia mais

Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits - MCSD. Versão

Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits - MCSD. Versão Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits - MCSD ÍNDICE MECANISMO DE COMPENSAÇÃO DE SOBRAS E DÉFICITS - MCSD 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Processamento das modalidades

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A CELG DISTRIBUIÇÃO S/A CELG D, nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44,

Leia mais

Repensando o Mercado Livre e as Regras do PLD

Repensando o Mercado Livre e as Regras do PLD Repensando o Mercado Livre e as Regras do PLD 06 de Outubro de 2009 10º Encontro Internacional de Energia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Agenda Panorama do Ambiente

Leia mais

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica 1 Modelo atual do setor elétrico brasileiro a partir de 2004 2 Marcos Regulatórios do Novo

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO São Partes no presente Contrato, de um lado, e doravante denominado simplesmente VENDEDORA, XX, sociedade por quotas, sediada

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado ENASE 2017-14º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 17/05/2017 Agenda CCEE Mercado

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado 15º ENASE Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 23/05/2018 Grandes números da CCEE 7.062 agentes 13% crescimento no último ano

Leia mais

O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA

O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA O MODELO SETORIAL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS AMBIENTES DE CONTRATAÇÃO: LIVRE (ACL) OU REGULADA (ACR) DESVERTICALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DO SETOR: GERADORES, TRANSMISSORES,

Leia mais

ICMS. Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação

ICMS. Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação ICMS Profº André Gomes de Oliveira Imposto sobre a Circulação de Mercadorias

Leia mais

RATEIO DOS VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização... 4

RATEIO DOS VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização... 4 RATEIO DE VOTOS (RV) RATEIO DA CONTRIBUIÇÃO (RC) Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009 1 ÍNDICE 1 Definições Gerais... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Fluxo das Regras de Comercialização... 4 2 Rateio

Leia mais