ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI)...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI)..."

Transcrição

1 CONTABILIZAÇÃO DEFINIÇÕES E INTERPRETAÇÕES Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009

2 ÍNDICE 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI) Introdução Dados de Entrada Fundamentos Conceituais Formulação Algébrica Dados de Saída

3 1 Definições Gerais 1.1 Objetivos Este Módulo tem por finalidade disciplinar o uso dos Símbolos e dos Somatórios utilizados em todos os Módulos das Regras de Comercialização. 3

4 Exposições de Autoprodutores Alocação do Excedente Financeiro Exposições de Direitos Especiais Alívio Retroativo de Exposições Residuais do Gerador e Encargos de Serviços do Sistema do Sistema do 12º do Sistema do 11º do Sistema do 10º do Sistema do 9º do Sistema do 8º do Sistema do 7º do Sistema do 6º do Sistema do 5º do Sistema do 4º do Sistema do 3º do Sistema do 2º do Sistema do 1º Contratos Bilaterais Modulação dos Contratos Bilaterais Exposições Totais de Contrato Exposições do MRE Determinação do Excedente Financeiro Alocação do Excedente Financeiro e das Exposições Positivas Rateio das Exposições Residuais Compensação de Exposições do Exposições do PROINFA Preço de Liquidação das Diferenças Sobra do Excedente Financeiro Totalização dos Alívios Retroativos Determinação do Preço de Liquidação das Diferenças Contratos de ITAIPU Cálculo dos Contratos de ITAIPU Contratos de ITAIPU Exposições de Itaipu Contratos Equivalentes Modulados Ex- Ante Contratos Equivalentes a Iniciais Fatores de Perda de Contratos Equivalentes Validação das Quantidades de Exposição Restrição de Operação Variáveis de Referência Cálculo do Encargo de Serviços de Restrições de Operação Consumo de Referência para Modulação de Contratos Equivalentes Modulação de Contratos Equivalentes Ex-Post Alívio das Exposições Financeiras de CCEARs Determinação das Exposições Positivas e Negativas Alocação das Exposições Financeiras do CCEARs Rateio das Exposições Financeiras Residuais Contratos de Leilões Anteriores ao Decreto nº5163 Modulação dos Contratos de Leilão Anterior Totalização Pagamentos por Penalidade Nova Pagamento por Penalidade Cálculo da Consolidação dos Encargos ao Decreto nº5163 Serviços Ancilares Cálculo dos Encargos de Serviços Ancilares Contratos do PROINFA Contratos do PROINFA Cálculo do Ajuste Proveniente do Processo de Recontabilização Diferenças entre o Processamento Atual e o Processamento Anterior Ajustes de Processamento CCEAR por Disponibilidade Modulação Ressarcimento por Indisponibilidade de Usinas Térmicas Comprometidas com CCEAR na Modalidade por Disponibilidade Movidas a Biomassa que não Possuirem as Taxas de Indisponibilidades Apuradas Pelo ONS Ressarcimento Por Indisponibilidade de Usinas Térmicas Comprometidas com CCEAR na Modalidade por Disponibilidade (Exceto Usinas Térmicas Movidas a Biomassa que não Possuirem as Taxas De Indisponibilidades Apuradas Pelo ONS) Ressarcimento por Geração Abaixo da Inflexibilidade de Usinas Térmicas Comprometidas com CCEAR na Modalidade por Disponibilidade (Exceto Usinas Térmicas Movidas a Biomassa que não Possuirem as Taxas de Indisponibilidades Apuradas pelo ONS) CCEAR por Quantidade Modulação dos Contratos do Ambiente Regulado CCEAR Posição Líquida dos Contratos Determinação da Posição Líquida dos Contratos Medição e Sistema Elétrico Determinação da Geração Medida Dados Líquidos Medidos Metodologia de Apuração dos Valores a Liquidar do MCSD Preços dos CCEAR Valores a Liquidar das Cessões de Anos Anteriores Valores a Liquidar das Cessões do Anos Corrente Valores Totais a Serem Liquidados por Produto Valores Totais a Serem Liquidados em Todos os Produtos Cálculo do Ajuste Proveniente do Processo de Reapuração da Metodologia de Apuração dos Valores a Liquidar Pagamento Adicional do Despacho Associado à Ultrapassagem da Curva de Aversão ao Risco Cálculo do Pagamento pelo Despacho Associado à Ultrapassagem da Curva de Aversão ao Risco Recebimento do Perfil de Geração do Agente por Exposição ao Preço do Mercado de Curto Prazo Determinação de Consumo Medido Modulação de Energias Asseguradas Cálculo de Energias Asseguradas Pagamento do Perfil de Geração do Agente por Consumo de Usina Agregação Contábil de Medição Geração e Consumo da Usina Valores Médios Validados a serem Compensados MCSD Anual Itaipu valores de Energia e Potência Anuais MCSD Anual Valores Presentes nos Termos de Cessão/Redução MCSD Anual Itaipu Cálculo do Rateio da inadimplência Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits Ex-post. Energia Assegurada de Usinas Submotorizadas Modulação de Energia Assegurada de Usinas não Participantes do MRE e Comprometida com Contratos Equivalentes Energia Assegurada Comprometida com Contratos Equivalentes Energia Assegurada Comprometida com CCEAR Energia Assegurada Livre Ressarcimento do Perfil de Geração do Agente por Custos Associados aos do Sistema Cálculo do Rateio da inadimplência Incluindo Reapurações Energia Assegurada de uma Usina Cálculo dos Fatores de Perda Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits por Outros Desvios de Mercado Limitado a 4% MCSD Anual Valores Médios Validados a Serem Compensados/ Reduzidos MCSD Anual Valores de Energia e Potência Anuais MCSD Anual Valores Presentes nos Termos de Cessão/Redução MCSD Anual Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits por Alterações das Quotas Anuais de Itaipu Redução da Energia Assegurada por Redução de Disponibilidade Dados Agregados por Perfil de Consumo do Agente e Perfil de Geração do Agente Consolidação dos Perfis de Geração Ajuste do Recebimento do Perfil de Geração do Agente em Função do MRE e do Excedente Financeiro Recebimentos Totais dos Perfis de Geração dos Agentes Cálculo das Perdas Internas Pagamento do Perfil de Geração do Agente em Função das Penalidades Pagamento do Perfil de Consumo do Agente por Penalidades Garantia Física de Usinas Térmicas Cálculo da Garantia Física Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits Determinação dos Valores Médios a Serem Compensados/ Reduzidos MCSD Mensal Valores Médios Validados a Serem Compensados/ Reduzidos MCSD Mensal Determinação dos Valores de Energia Média e Potência Sazonalizados MCSD Mensal Determinação dos Valores de Energia Média e Potência Anuais MCSD Mensal Determinação de Valores Informativos de Energia e Potência do MCSD MCSD Mensal Mecanismo de Realocação de Energia Cálculo da Energia Secundária Energia Assegurada Ajustada Alocação de Energia Assegurada Alocação de Energia Secundária Ajustes Totais do MRE Custos de Compensação de Geração Pagamento do Perfil de Geração em Função das Indisponibilidades das Usinas Comprometidas com CCEARs na Modalidade por Disponibilidade Pagamentos do Perfil de Consumo do Agente à CCEE por Exposição ao Preço do Mercado de Curto Prazo Pagamento do Perfil de Geração em Função da Geração Verificada Abaixo da Inflexibilidade Contratual das Usinas Comprometidas com CCEARs na Modalidade por Disponibilidade Consolidação dos Perfis de Consumo Pagamentos Totais do Perfil de Consumo do Agente Pagamentos do Perfil de Consumo do Agente por Encargos de Serviços do Sistema Ressarcimentos Totais dos Perfis de Geração dos Agentes Vendedores de CCEARs na Modalidade por Disponibilidade Recebimentos Totais do Perfil de Consumo do Agente Comprador de CCEAR na Modalidade por Disponibilidade REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO 1.2 Fluxo Geral das Regras de Comercialização Regras de Contabilização Preço de Liquidação das Diferenças Determinação da Geração e Consumo de Energia Contratos PARTE II PARTE I PARTE III PARTE II Excedente Financeiro Energias Asseguradas do Sistema Consolidação dos Resultados Ajuste de Contabilização e Recontabilização 4

5 2 Definições e Interpretações (DI) 2.1 Introdução Não se aplica a este Módulo. 2.2 Dados de Entrada Não se aplica a este Módulo. 2.3 Fundamentos Conceituais Uso de símbolos e outras expressões: Os seguintes símbolos usados nas fórmulas e outras expressões algébricas contidas neste documento têm os seguintes significados: a b c d e E f g G h i j k l m n p Refere-se a um patamar Refere-se a um Ponto de Medição de Geração localizado na Barra da Unidade Geradora Refere-se a uma Categoria de Agentes Refere-se a um Dia de Apuração Refere-se a um Contrato conforme registrado no Registro de Contratos Quando uma variável for relativa à Cessão e/ou Recebimento de Montantes Contratados, refere-se ao Contrato de Origem da Cessão. Refere-se a um Ano de Apuração Refere-se ao Perfil de Geração do Agente Refere-se a um Agente do tipo CONDOMÍNIO VIRTUAL Refere-se a todos os Anos Subseqüentes, ao Ano de Apuração, até o término de vigência do Período de Suprimento do Contrato. Refere-se a um Ponto de Medição de Geração localizado na conexão da Usina com a rede externa, ou a um ponto de medição de consumo Refere-se a um Período de Comercialização Refere-se a um Mês de Apuração onde ocorreu Penalização por Insuficiência de Contratação e/ou Penalização por Insuficiência de Lastro de Venda Quando uma variável for relativa ao fluxo entre Submercados, refere-se ao Submercado do qual a energia se origina Refere-se a um Mês de Apuração Refere-se à quantidade de Unidades Geradoras em operação comercial de uma Usina em fase de motorização Refere-se a uma Usina, que é definida como um grupo de Unidades Geradoras 5

6 r R s u u-1 v w y x z x-1 Refere-se ao Perfil de Consumo do Agente Quando uma variável for relativa à Cessão e/ou Recebimento de Energia, refere-se ao Agente Cedente. Refere-se a um Submercado Refere-se à última recontabilização ou ajuste de contabilização realizada para o Mês de Apuração, m Refere-se à contabilização, ou ajuste de Contabilização, ou recontabilização do Mês de Apuração, "m", anterior ao processamento, "u". Refere-se a Todos os Meses de Apuração a partir do Mês de Redução Inicial até o final do Ano de Apuração. Refere-se a uma Semana de Apuração Refere-se a uma Instalação Compartilhada ou Demais Instalações de Transmissão Compartilhada Refere-se à Execução do MCSD. Refere-se a cada um dos 12 Intervalos Contínuos de 5 minutos dentro de um Período de Comercialização, j, e que se iniciam aos 0, 5, 10, 15, 20, 25, 30, 35, 40, 45, 50, 55 minutos de cada Período de Comercialização, j. Refere-se à Execução Anterior do MCSD. α Refere-se a um Agente, de qualquer categoria, filiado à CCEE φ γ Refere-se a uma Assembléia Geral da CCEE Refere-se a uma Conexão Compartilhada à Rede Básica Nestas Regras de Comercialização: a) O Mercado de Curto Prazo é dividido em quatro Submercados: Norte, Nordeste, Sudeste/Centro-Oeste e Sul; b) O símbolo * representa uma operação de multiplicação; c) O número 0 (zero) deve ser tratado como um número inteiro e positivo; d) Com relação a qualquer conjunto de dados, o acrônimo max refere-se ao dado de maior valor do conjunto e o acrônimo min refere-se ao dado de menor valor do conjunto; e) Quando uma variável não é determinada sob essas Regras de Comercialização, deve ser considerada como zero; f) Quando houver referência a horário, deve ser adotado o horário de Brasília; g) Interconectores serão tratados como Usinas Térmicas; h) A função ABS( ) representa o valor absoluto de uma variável; i) Neste documento, o termo pertinente designa os Perfis de Geração dos Agentes, g, e/ou os Perfis de Consumo dos Agentes, r, registrados no SCL em nome do Agente, α ; 6

7 j) Sistema de Contabilização e Liquidação (SCL): Sistema baseado nas Regras de Comercialização, que suporta a comercialização de energia elétrica no âmbito da CCEE. k) Com relação a qualquer conjunto de dados, o acrônimo MAX m refere-se ao dado de maior valor horário compreendidos dentro do mês de apuração, m. l) Com relação a qualquer conjunto de dados, o acrônimo MIN m refere-se ao dado de menor valor horário compreendidos dentro do mês de apuração, m Neste documento, o termo Modalidade de Despacho se refere a classificação do tipo de modalidade de despacho atribuída à usina pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) de acordo com o Procedimento de Rede especifico (módulo 26), sendo: - Tipo I: Programação e despacho centralizado. - Tipo II: Programação centralizada e despacho não centralizado. - Tipo III: Programação e despacho não centralizado. A classificação das Usinas Hidraulicas, no âmbito da CCEE, será idêntica a definida pelo ONS. As Usinas não Hidraulicas classificadas pelo ONS como tipo I ou II serão diferenciadas, no âmbito da CCEE, de acordo com seu Custo Variável Unitário (CVU), sendo IA/IIA, quando possuírem CVU declarado, ou IB/IIB caso contrário. Resultando em: - Usinas IA e IIA: possuem Custo Variável Unitário (CVU) diferente de zero. - Usinas IB, IIB e III: possuem Custo Variável Unitário (CVU) igual a zero Uso de Somatórios. Os seguintes somatórios usados nas fórmulas e em expressões algébricas contidas neste documento têm os seguintes significados: dr 1 1 Somatórios de todos os dias compreendidos entre o primeiro dia do mês de apuração, m, e o dia imediatamente anterior ao dia do Reajuste Tarifário do Agente, r. m 1 Somatório de todos os dias do Mês de Apuração, m. 2m Somatório dos meses de apuração, m, de Janeiro e Fevereiro do Ano de Apuração, f ; m m 3 Somatório dos 3 últimos meses, incluindo o Mês de Apuração m ; m m 6 Somatório dos últimos seis Meses de Apuração inclusive o Mês de Apuração, m ; m m 9 Somatório dos 9 últimos meses, incluindo o Mês de Apuração m ; 7

8 12m Somatório dos últimos doze Meses de Apuração anteriores ao Mês de Apuração, m ; m m 12 12mf Somatório dos últimos doze Meses de Apuração inclusive o Mês de Apuração, m ; Somatório dos 12 meses de Apuração, m do Ano de Apuração, f. Certif 12m 12mh Somatório dos últimos doze Meses de Apuração Contabilizados e Certificados; Somatório dos 12 Meses de Apuração, m, do ano, h, Subseqüentes à Execução Mensal do MCSD, x, até o final do Contrato, e m ad am aw b c cc Somatório dos últimos agrupamentos completos de 12 meses, limitados a 5 grupos (60 meses); Somatório de todos os Períodos de Comercialização pertencentes ao Patamar, a, no Dia de Apuração, d ; Somatório de todos os Períodos de Comercialização pertencentes ao patamar, a, em um Mês de Apuração; Somatório de todos os Períodos de Comercialização pertencentes ao Patamar, a, na Semana de Apuração w ; Somatório dos Pontos de Medição de Barra de Unidade Geradora de uma Usina; Somatório de todas as Categorias dos Agentes; Somatório de todos os Pontos de Medição de Consumo de um Submercado; CE cr Somatório de todos os Pontos de Medição de Consumo que são Pontos de Medição Associados para os quais o Ponto de Medição, i, é o Ponto de Medição de Referência; Somatório de todo o consumo medido, fornecido pelo Perfil de Consumo do Agente em um Submercado; m dr Somatórios de todos os dias compreendidos entre o dia do Reajuste Tarifário do Agente, r, e o último dia do mês de apuração, m. vendedor eg Somatório de todos os Contratos, e, onde o Perfil de Geração do Agente, g, participa como vendedor; 8

9 comprador eg Somatório de todos os Contratos, e, onde o Perfil de Geração do Agente, g, participa como comprador; Comprador eg Somatórios de todos os Contratos, e, onde o Condomínio Virtual, G, e a Parte Compradora. comprador egs Somatório de todos os Contratos, e, registrados no Submercado, s, onde o Perfil de Geração do Agente, g, é a parte compradora; vendedor egs Somatório de todos os Contratos, e, registrados no Submercado, s, onde o Perfil de Geração do Agente, g, participa como vendedor; Vendedor ep Somatório de todos os Contratos, e, relacionados à Usina, p, como Parte Vendedora. Comprador er Somatório de Todos os Contratos, e, onde o Perfil de Consumo do Agente Distribuidor, r, participa como Parte Compradora. Vendedor er Somatório de Todos os Contratos, e, onde o Perfil de Consumo do Agente Distribuidor, r, participa como Parte Vendedora. Comprador erg Somatório de todos os Contratos, e, onde o Perfil de Consumo do Agente, r, participa como parte Compradora e o Agente CONDOMINIO VIRTUAL, G, participa como parte Vendedora. comprador ers Somatório de todos os Contratos, e, registrados no Submercado, s, onde o Perfil de Consumo do Agente, r, participa como comprador; vendedor ers Somatório de todos os Contratos, e, registrados no Submercado, s, onde o Perfil de Consumo do Agente, r, participa como vendedor; Comprador eα Somatório de todos os Contratos, e, em que os Perfis de Geração e Consumo do Agente, pertencentes ao Agente, α, participam como parte compradora. Vendedor eα g G Somatório de todos os Contratos, e, em que os Perfis de Geração e Consumo do Agente, pertencentes ao Agente, α, participam como parte vendedora. Somatório de todas as Usinas pertencentes ao Perfil de Geração do Agente, g, em um Submercado; Somatório de todos os CONDOMÍNIOS VIRTUIAS, G. 9

10 GE gg gg gs gα h i Somatório de todos os Pontos de Medição de Geração que são Pontos de Medição Associados para os quais o Ponto de Medição, i, é o Ponto de Medição de Referência; Somatório de todos os Perfis de Geração dos Agentes em um Submercado; Somatório de todos os Agentes, g, proprietários de Usinas, p, atribuídas ao Agentes Condomínio Virtual, G. Somatório de todos os Perfis de Geração dos Agentes em todos os Submercados; Somatório de todos os Perfis de Geração, g, pertinentes ao Agente, α ; Somatório de todos os Anos Subseqüentes, ao Ano de Apuração, até o término de vigência do Período de Suprimento do Contrato, e. Somatório de todos os Pontos de Medição de Geração de Conexão em uma Usina; Comprador ij iy Somatório de Todos os Contratos de Compra, e, cuja a parte Compradora é o Agente correspondente à linha, i, e a parte Vendedora é o Agente correspondente a coluna, j, na Matriz de Comercialização de Energias Incentivadas; Somatório de todos os Pontos de Medição, i, localizados na Instalação Compartilhada ou Demais Instalações de Transmissão Compartilhada, y. RPIC iy RPIC _ G iy Somatório de todos os Pontos de Medição de Consumo, i, para os quais o Perfil de Consumo do Agente, r, é responsável pelas Perdas da Instalação Compartilhada ou Demais Instalações de Transmissão Compartilhada, y. Somatório de todos os Pontos de Medição de Geração, i, para os quais o Perfil de Geração do Agente, g, é responsável pelas Perdas da Instalação Compartilhada ou Demais Instalações de Transmissão Compartilhada, y ; RPIC _ R iy iry Itaipu _ s j Somatório de todos os Pontos de Medição de Consumo, i, para os quais o Perfil de Consumo do Agente, r, é responsável pelas Perdas da Instalação Compartilhada ou Demais Instalações de Transmissão Compartilhada, y ; Somatório de todos os Pontos de Medição de Consumo, i, pertencentes ao Perfil de Consumo do Agente, r, e localizados na Instalação Compartilhada ou Demais Instalações de Transmissão Compartilhada, y. Somatório de todos os Contratos, e, registrados no Submercado sul, dos quais participam o Agente Comercializador de Energia de Itaipu, e ; Somatório de todos os Períodos de Comercialização, incluindo o Período de Comecialização, j ; 10

11 km m mf Somatórios de todos os Meses de Apuração referente a Penalização por Insuficiência de Contratação e/ou Penalização por Insuficiência de Lastro de Venda, k, que devem ser aplicados no Mês de Apuração, m ; Somatório de todos os Períodos de Comercialização em um Mês de Apuração; Somatório de todos os Meses Precedentes ao Mês de Apuração, m, pertencente ao Ano de Apuração, f. m mf Somatórios de todos os Meses Contabilizados dentro do ano de apuração, f, incluindo o mês de apuração, m. RF m 3 N NE p Somatório de todos os meses de apuração, m, que possuem o mesmo valor de Receita Fixa de m-3. Somatório dos Submercados Norte e Nordeste; Somatório de todas as Usinas, p, localizadas no Submercado, s ; Leilão p p _ ERM p _ NERM Somatório de todas as usinas virtuais, p, que representam parcelas da usina real comprometidas com CER ou CCEAR por Disponibilidade. Somatório de todas as Usinas no MRE; Somatório de todas as Usinas fora do MRE; safra pf pg pg pg _ ERM Representa o somatório de todos os Meses Contabilizados dentro do PERIODO DE APURAÇÃO da energia contratada relacionado ao ano, f, determinado no Contrato de Energia de Reserva CER da Usina Térmica Movida à Biomassa, p. Somatório de todas as Usinas, p, que pertencem ao Perfil de Geração do Agente, g ; Somatório de todas as Usinas, p, em todos os Submercados, s, atribuídas ao CONDOMÍNIO VIRTUAL, G. Somatório de todas as Usinas no MRE que pertencem ao Perfil de Geração do Agente, g ; PROINFA pg _ ERM Somatório de todas as Usinas no MRE participantes do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica, atribuídas ao Agente Comercializador da Energia do PROINFA, g ; 11

12 PROINFA pg _ NERM Somatório de todas as Usinas fora do MRE participantes do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica, atribuídas ao Agente Comercializador da Energia do PROINFA, g ; pg _ NERMICE Somatório de todas as Usinas fora do MRE e comprometidas com Contratos Equivalentes que pertencem ao Perfil de Geração do Agente, g ; pgg pgs _ ERM pgs _ NERM pp ps ps _ ERM psgg r R RR rα rr rrr rs Somatório de todas as Usinas, p, de propriedade do Agente, g, em todos os Submercados, s, atribuídas ao CONDOMÍNIO VIRTUAL, G. Somatório de todas as Usinas no MRE que pertencem ao Perfil de Geração do Agente, g, e estão localizadas no Submercado, s ; Somatório de todas as Usinas fora do MRE que pertencem ao Perfil de Geração do Agente, g, e estão localizadas no Submercado, s ; Somatório de todas as Usinas, P, atribuídas a todos os CONDOMÍNIOS VIRTUAIS, G, que possuem PARCACL _ = 1 com a Usina, p. Somatório de todas as Usinas em todos os Submercados; F pp Somatório de todas as Usinas no MRE que estão no Submercado, s ; Somatório de todas as Usinas, p, de propriedade do Agente, g, localizadas no Submercado, s, atribuídas ao CONDOMÍNIO VIRTUAL, G. Somatório de Todos os Perfis de Consumo dos Agentes Distribuidores Cessionários, r, em todos os Submercados, s. Somatório de Todos os Perfis de Consumo dos Agentes Distribuidores Cedente, R, em todos os Submercados, s. Somatório de Todos os Perfis de Consumo dos Agentes Distribuidores Cedente, R, em todos os Submercados, s, que compensaram com o Agente Cessionário, r. Somatório de todos os Perfis de Consumo, r, pertinentes ao Agente, α ; Somatório de todos os Perfis de Consumo dos Agentes em um Submercado; Somatório de todos os Perfis de Consumo dos Agentes Distribuidores Cessionários, r, em todos os Submercados, s, que compensaram com o Agente Cedente, R. Somatório de todos os Perfis de Consumo de todos os Agentes de Distribuição, r, em todos os Submercados, s ; 12

13 rsl Rr RRgs s sg Somatório de todos os Contratos, e, de um Perfil de Consumo do Agente de Distribuição, r, localizado no Submercado, s, que envolvem energia contratada no Submercado, l. Somatório de todos os pares, Agente Distribuidor, R, cedente, Agente Distribuidor, r, cessionário, em que o Agente Gerador, g, registrado em cada Submercado, s, participa como vendedor da cessão, para cada Produto, t. Somatório de Todos os Perfis de Consumo dos Agentes Distribuidores Cedente, R, que compensaram com o Agente Cessionário, r, através do Agente Gerador, g, registrado no Submercado, s, para cada Produto, t. Somatório de todos os Submercados; Somatório de todas as Usinas pertencentes ao Perfil de Geração do Agente, g em todos os Submercados; slm sm S SE s l t tr v Somatório de todos os pares de Submercados nos quais existam um comprador e um vendedor relacionados a qualquer Perfil de Geração do Agente num Mês de Apuração; Somatório de todos os Submercados em todos os Períodos de Comercialização em um Mês de Apuração; Somatório dos Submercados Sul, Sudeste e Centro-Oeste; Somatório de todos os Submercados exceto o Submercado, l ; Somatório de Todos os Produtos do CCEAR, t, adquiridos em Leilões do ACR. Somatório de todos os Produtos de CCEAR adquirido em Leilões do ACR, t, do Perfil de Consumo do Agente, r. Somatório de Todos os Meses de Apuração a partir do Mês de Redução Inicial até o final do Ano de Apuração, f. f x Somatório de todas as execuções, x, do MCSD, realizadas em anos anteriores ao Ano de Apuração, f. f x Somatório de todas as execuções, x, do MCSD, realizadas no Ano de Apuração, f. z Somatório de todos os Intervalos de 5 minutos de um Período de Comercialização, j. ( x y; z) últimos ; Somatório dos últimos (x) valores diferentes de zero publicados, se houver, obtidos no horizonte de (y) meses contabilizados, para a equação (z); 13

14 w α αc γi p γ Todos os períodos de comercialização da semana de apuração w ; Somatório de todos os Agentes da CCEE; Somatório de todos os Agentes, α, pertencentes à Categoria, c ; Somatório de todos os Pontos de Medição de Consumo, i, localizados na mesma Conexão Compartilhada à Rede Básica, γ ; Somatório de todas as Usinas, p, localizadas na mesma Conexão Compartilhada à Rede Básica, γ ; Consórcios de Geração. (a) (b) (c) (d) Nestas Regras de Comercialização, a expressão Consórcio de Geração representa a associação de Agentes da CCEE para a formação de entidade, com o objetivo de construir, operar e deter propriedade de uma usina inscrita na CCEE. Nestas Regras de Comercialização, a expressão tratamento uniforme aplicada a Consórcios de Geração significa que todos os direitos e obrigações advindos da operação comercial da usina na CCEE, apurados através destas Regras da CCEE, são repartidos indistintamente entre todos os participantes do Consórcio de Geração correspondente, de forma proporcional à parcela de propriedade de cada participante. Consórcios de Geração, e seus participantes serão tratados como Agentes da Categoria de Geração, de acordo com as condições estabelecidas no Procedimento de Comercialização correspondente. Os dados de medição de Consórcio de Geração deverão ser fornecidos de acordo com o Procedimento de Comercialização correspondente. 14

15 2.3.5 Determinação do Percentual de Destinação da Geração. Os seguintes símbolos usados nas fórmulas e outras expressões algébricas do Submódulo PERCENTUAL DE DESTINAÇÃO DA GERAÇÃO PD, do MÓDULO 2 DETERMINAÇÃO DA GERAÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA, têm os seguintes significados: REAL p ACR p RES p ACL p GFOM p Corresponde à usina real, que congrega os dados de medição e participa da contabilização até a distribuição de seus dados e parâmetros para as usinas virtuais; Corresponde à usina virtual ACR, que representa a parcela da usina comprometida com CCEAR por Disponibilidade, modelada sob propriedade do Agente Condomínio Virtual; Corresponde à usina virtual RES, que representa a parcela da usina comprometida com Contrato de Energia de Reserva - CER, modelada sob propriedade do Agente associado à Contratação de Energia de Reserva - ACER; Corresponde à usina virtual ACL, que representa a parcela da usina não negociada no Leilão, livre para comercialização no Ambiente de Contratação Livre ACL, modelada sob propriedade do Perfil de Geração Vinculado do Agente Vendedor, e serve de reserva de lastro para as parcelas ACR; Corresponde à usina virtual GFOM, que representa a parcela da usina modelada para receber os montantes de energia gerada fora da ordem de mérito de custo, para compensação de futuras indisponibilidades por falta de combustível, conforme REN nº 272/2007, sob propriedade do Perfil de Geração Principal do Agente Vendedor. 2.4 Formulação Algébrica Não aplicável a este Módulo. 15

16 3 Dados de Saída Não aplicável a este Módulo. 16

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização... 4

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização... 4 a REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO CONTABILIZAÇÃO MÓDULO 1 PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS (PL) Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009 1 CONTABILIZAÇÃO

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Balanço Energético. Versão 1.0

Balanço Energético. Versão 1.0 ÍNDICE BALANÇO ENERGÉTICO 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo do 10 2.1. Cálculo do 10 2 Controle de Alterações Revisão Motivo da Revisão Instrumento

Leia mais

Caderno Algébrico Ressarcimento

Caderno Algébrico Ressarcimento Caderno Algébrico Ressarcimento Versão 1.0.1 ÍNDICE RESSARCIMENTO 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas do Ressarcimento 5 2.1. Determinação da Geração Disponível para Atendimento dos Contratos por Disponibilidade

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 Receita de Venda de CCEAR Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 3.5 Receita de venda de CCEAR ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.1 Apurações da energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS Revisão Motivo

Leia mais

RATEIO DOS VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização... 4

RATEIO DOS VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização... 4 RATEIO DE VOTOS (RV) RATEIO DA CONTRIBUIÇÃO (RC) Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009 1 ÍNDICE 1 Definições Gerais... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Fluxo das Regras de Comercialização... 4 2 Rateio

Leia mais

Nº 84 Agosto/

Nº 84 Agosto/ www.ccee.org.br Nº 84 Agosto/214 8 1 8 O InfoMercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Caderno Algébrico. Votos e Contribuição Associativa. Versão 1.0

Caderno Algébrico. Votos e Contribuição Associativa. Versão 1.0 Caderno Algébrico Votos e Contribuição Votos Associativa e Contribuição Associativa Versão 1.0 ÍNDICE VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA 3 1. O Esquema Geral 3 2. Detalhamento do Cálculo de Votos 4 2.1.

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição setembro/2015. b. Contabilização agosto/15

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição setembro/2015. b. Contabilização agosto/15 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de setembro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em agosto/15. O boletim traz ainda um

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 fevereiro/2017. b. Contabilização Janeiro/17

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 fevereiro/2017. b. Contabilização Janeiro/17 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de fevereiro de 2017 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro de 2017. O histórico

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO MÓDULO 3 CONTRATOS ÍNDICE

CONTABILIZAÇÃO MÓDULO 3 CONTRATOS ÍNDICE PARTE I CONTRATOS GERAIS CONTRATOS BILATERAIS (CB) CONTRATOS DE LEILÃO DE AJUSTE (CL) CONTRATOS EQUIVALENTES A INICIAIS (CI) CONTRATOS DE ITAIPU (IT) CONTRATOS DO PROINFA (CP) CCEAR POR DISPONIBILIDADE

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

Caderno Algébrico. Cálculo do Desconto. à TUSD/TUST. Versão 1.0.1

Caderno Algébrico. Cálculo do Desconto. à TUSD/TUST. Versão 1.0.1 Caderno Algébrico Cálculo do Desconto Cálculo Aplicado do Desconto à TUSD/TUST Aplicado à TUSD/TUST Versão 1.0.1 ÍNDICE CÁLCULO DO DESCONTO APLICADO À TUSD/TUST 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas de Cálculo

Leia mais

Regras de Comercialização de Energia

Regras de Comercialização de Energia Regras de Comercialização de Energia Ricardo Grodzicki Agenda Medição Contratos Balanço Energético Encargos Custo devido ao descolamento entre PLD e CMO Liquidação Financeira do MCP Penalidade de Energia

Leia mais

Caderno Algébrico Garantias Financeiras Garantias Financeiras

Caderno Algébrico Garantias Financeiras Garantias Financeiras Caderno Algébrico Garantias Financeiras Garantias Financeiras Versão 1.0 ÍNDICE GARANTIAS FINANCEIRAS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Cálculo de Garantias Financeiras 5 2.1. Determinação do Lastro Físico 5 2.2.

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização Modulação de Garantias Físicas (MA)...

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização Modulação de Garantias Físicas (MA)... MODULAÇÃO DE GARANTIAS FÍSICAS (MA) MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA (MR) Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009 1 ÍNDICE 1 Definições Gerais... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Fluxo das Regras de

Leia mais

Garantia Física. Regras de Comercialização. Garantia Física. Versão versão Minuta

Garantia Física. Regras de Comercialização. Garantia Física. Versão versão Minuta Regras de Comercialização Versão 1.0 1 versão 1.0 - Minuta Índice 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6 2 Detalhamento da Etapa de Ajuste da Sazonalizada 11 2.1 Ajuste da Sazonalizada

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4 a REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS (PL) Versão 2008 Resolução Normativa ANEEL n 293/2007 Resolução Normativa CNPE n 8/2007 Resolução Normativa ANEEL n 306/2008

Leia mais

Caderno Algébrico Penalidades de Energia Penalidades de Energia

Caderno Algébrico Penalidades de Energia Penalidades de Energia Caderno Algébrico Versão 1.0 ÍNDICE PENALIDADES DE ENERGIA 3 1. O Esquema Geral 3 2. Detalhamento das Etapas das 5 2.1. Apuração de Grandezas Preparatórias 5 2.2. Apuração do Nível da Insuficiência de

Leia mais

RESULTADOS DA CONTABILIZAÇÃO - FEV/15

RESULTADOS DA CONTABILIZAÇÃO - FEV/15 O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de março/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em fevereiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

3º ENCONTRO JURÍDICO DA ABCE

3º ENCONTRO JURÍDICO DA ABCE 3º ENCONTRO JURÍDICO DA ABCE Convênio ICMS 15/2007 Análise Jurídica André Edelstein São Paulo, 13 de julho de 2007 INTRODUÇÃO MODALIDADES DE RELAÇÕES COMERCIAIS ENVOLVENDO A COMPRA E E VENDA DE ENERGIA

Leia mais

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Seminário Autoprodução de Energia Elétrica na Ponta Impactos e Perspectivas 8 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO R$ 388,48/MWh R$ 121/MWh 369,23/MWh R$ 123 milhões R$ 536 milhões R$ 2,532 bilhões

1. SUMÁRIO EXECUTIVO R$ 388,48/MWh R$ 121/MWh 369,23/MWh R$ 123 milhões R$ 536 milhões R$ 2,532 bilhões O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de junho/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em maio/15. O boletim traz ainda um relatório

Leia mais

Contratos Introdução. Regras de Comercialização. Contratos. 1 Versão Minuta. Versão 1.0

Contratos Introdução. Regras de Comercialização. Contratos. 1 Versão Minuta. Versão 1.0 Introdução Regras de Comercialização Contratos 1 Versão 1.0 - Minuta Versão 1.0 Introdução Índice Contratos 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6 2 Detalhamento das Etapas dos

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 5 Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) e Mecanismo de Contabilização de Sobras e Déficits (MCSD) Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Nº 90 Fevereiro/

Nº 90 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 90 Fevereiro/2015 0800 10 00 08 O InfoMercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da Câmara de Comercialização de Energia

Leia mais

Contratos. Versão 1.1

Contratos. Versão 1.1 Contratos ÍNDICE CONTRATOS 5 1. Introdução 5 1.1. Lista de Termos 8 1.2. Conceitos Básicos 9 2. Detalhamento das Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 20 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015 Visão Geral das Operações na CCEE Junho/2015 1. Visão do Sistema Elétrico 2. Modelo Institucional 3. Comercialização de Energia do SIN 4. Principais Regras de Comercialização 1. Visão do Sistema Elétrico

Leia mais

Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008

Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008 Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008 Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Garantias Financeiras. Versão 1.0

Garantias Financeiras. Versão 1.0 Garantias Financeiras ÍNDICE GARANTIAS FINANCEIRAS 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento do Cálculo de Garantias Financeiras 10 2.1. Determinação do Lastro Físico

Leia mais

Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits - MCSD. Versão

Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits - MCSD. Versão Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits - MCSD ÍNDICE MECANISMO DE COMPENSAÇÃO DE SOBRAS E DÉFICITS - MCSD 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Processamento das modalidades

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

RESOLUÇÃO N O 290, DE 3 DE AGOSTO DE 2000

RESOLUÇÃO N O 290, DE 3 DE AGOSTO DE 2000 RESOLUÇÃO N O 290, DE 3 DE AGOSTO DE 2000 Homologa as Regras do Mercado Atacadista de Energia Elétrica MAE e fixa as diretrizes para a sua implantação gradual. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA

Leia mais

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas.

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas. XX Simpósio Jurídico da ABCE Os 10 anos da Lei 10.848/2004, reflexões e perspectivas. São Paulo Outubro de 2014 Ricardo Brandão Procurador-Geral da ANEEL Marcos normativos antecedentes à Lei 10.848/2004

Leia mais

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE CCEE Situação Atual e Evoluções Workshop Andrade&Canellas 2012 17 de agosto de 2012 Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE Responsabilidades da CCEE - Evolução 27) RRV usinas em atraso 28) Gestão

Leia mais

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Datas, aspectos gerais e sistemáticas 03/06/2013 Gerência de Leilões e Mercado Regulado Agenda Data dos leilões no 2º semestre de 2013 11º Leilão de Energia

Leia mais

Resolução ANEEL 514/ Alocação de Cotas de Garantia Física de Energia e Potência. Reunião ABRAGE 28/11/2012

Resolução ANEEL 514/ Alocação de Cotas de Garantia Física de Energia e Potência. Reunião ABRAGE 28/11/2012 Resolução ANEEL 514/2012 - Alocação de Cotas de Garantia Física de Energia e Potência Reunião ABRAGE 28/11/2012 Alocação das Cotas (AP 090/2012) Objetivos: manter inalterado o nível de contratação das

Leia mais

3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro 3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Alexandre Zucarato 24 de abril de 2012 Funcionamento do Sistema Físico 2 Sistema Elétrico Brasileiro 3 Sistema Elétrico Brasileiro Rede

Leia mais

APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE. 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. 6 de agosto de 2012

APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE. 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. 6 de agosto de 2012 APERFEIÇOAMENTOS REGULATÓRIOS PARA O MERCADO LIVRE 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP 6 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE Funcionamento do Sistema Físico Funcionamento

Leia mais

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Março de 2012 Agentes na CCEE Fevereiro 2012 1800 1650

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB)

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) 3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) Até 1995, o Setor Elétrico Brasileiro era formado por empresas verticalizadas, predominantemente estatais, detentoras das atividades de geração, transmissão e distribuição

Leia mais

Votos e Contribuição Associativa. Versão 1.0

Votos e Contribuição Associativa. Versão 1.0 Votos e Contribuição Associativa ÍNDICE VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo de Votos 13 2.1. Apuração do Rateio

Leia mais

Caderno Algébrico. Regime de Cotas de. Física. Versão

Caderno Algébrico. Regime de Cotas de. Física. Versão Caderno Algébrico Regime de Cotas de Regime Garantia de Cotas Física de Garantia Física Versão 2013.1.2 ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 3 1. O Esquema Geral 3 2. Detalhamento das Etapas da Determinação

Leia mais

A ANEEL regula venda de excedentes das distribuidoras

A ANEEL regula venda de excedentes das distribuidoras A ANEEL regula venda de excedentes das distribuidoras MARTINIANO, Urias G. Neto. A ANEEL regula venda de excedentes das distribuidoras. Agência CanalEnergia. Rio de Janeiro, 25 de julho de 2018. A lei

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades Maio / 2005 CCEE Papéis e Responsabilidades Sistema Elétrico Brasileiro (Interligado) Dimensões Continentais Sofisticado Sistema de Supervisão e Controle Integrado Capacidade Instalada (dez/03) Hidráulica:

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 dezembro/2016. b. Contabilização novembro/16

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 dezembro/2016. b. Contabilização novembro/16 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de dezembro e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em novembro de 2016. O histórico de dados

Leia mais

Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia

Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia Papel e Perspectivas da CCEE para o Setor Elétrico Seminário Internacional Bolsa de Energia ARY PINTO Conselheiro 28/02/2019 Agenda Sistema Elétrico Brasileiro e a CCEE Mercado Livre de Energia Elétrica

Leia mais

Votos e Contribuição Associativa. Versão

Votos e Contribuição Associativa. Versão Votos e Contribuição Associativa ÍNDICE VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo de Votos 13 2.1. Apuração do Rateio

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação

Leia mais

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Luiz Henrique Alves Pazzini Gerência de Acompanhamento de Mercado - GAM 25 de abril de 2007 Agenda Comercialização de Energia

Leia mais

Cálculo do Desconto. à TUSD/TUST

Cálculo do Desconto. à TUSD/TUST Caderno Algébrico Cálculo do Desconto Cálculo Aplicado do Desconto à TUSD/TUST Aplicado à TUSD/TUST Versão 2015.1.0 ÍNDICE CÁLCULO DO DESCONTO APLICADO À TUSD/TUST 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas de Cálculo

Leia mais

Prova de Revalidação da Certificação de Operadores do Mercado de Energia Elétrica 2016

Prova de Revalidação da Certificação de Operadores do Mercado de Energia Elétrica 2016 Prova de Revalidação da Certificação de Operadores do Mercado de Energia Elétrica 2016 Esta prova consta de: 22/10/2016 14 horas um Caderno de Questões com 25 questões em forma de teste de múltipla escolha

Leia mais

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Segundo a lei federal no. 10.848, esse novo modelo tem três objetivos principais: garantir a segurança no suprimento da energia elétrica, atingir a modicidade

Leia mais

Proposta de nova versão das Regras de Comercialização

Proposta de nova versão das Regras de Comercialização Proposta de nova versão das Regras de Comercialização Versão 2016.1.0 (Janeiro/2016) Julho/2015 Objetivo Objetivo: Apresentar as principais propostas conceituais da Regras de Comercialização aplicáveis

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 3ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 224 3ª semana de

Leia mais

ANEXO VI DAS DEFINIÇÕES

ANEXO VI DAS DEFINIÇÕES ANEXO VI DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 03/2018_cp e no CONTRATO, ficam definidas as palavras e expressões abaixo relacionadas,

Leia mais

O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez

O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez 29 de Setembro de 2009 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico ENASE 2009 Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

MERCADO LIVRE DE ENERGIA

MERCADO LIVRE DE ENERGIA TUDO SOBRE MERCADO LIVRE DE ENERGIA NA BUSCA POR MELHORES PREÇOS E UM AUMENTO DA PREVISIBILIDADE NOS NEGÓCIOS, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS ESTÃO MIGRANDO PARA O CHAMADO MERCADO LIVRE. 1. INTRODUÇÃO Na busca

Leia mais

Legislação LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À COMPRA DE ENERGIA DE PCH S. Leis: Decretos:

Legislação LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À COMPRA DE ENERGIA DE PCH S. Leis: Decretos: Legislação A Legislação brasileira que trata da compra de energia de PCH's não é específica, tratando simultaneamente de tantos outros assuntos. Assim, é necessário identificar os artigos e parágrafos

Leia mais

Regras Versão Janeiro de Apresentação da proposta de alteração das regras de comercialização versão janeiro de 2014 AP 124/13

Regras Versão Janeiro de Apresentação da proposta de alteração das regras de comercialização versão janeiro de 2014 AP 124/13 Regras Versão Janeiro de 2014 Apresentação da proposta de alteração das regras de comercialização versão janeiro de 2014 AP 124/13 AGENDA BLOCO 1 1) Sazonalização de garantia física para fins de alocação

Leia mais

Novas Políticas e Impactos para o Mercado ENASE º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico

Novas Políticas e Impactos para o Mercado ENASE º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico Novas Políticas e Impactos para o Mercado ENASE 2010 7º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 29 de Setembro de 2010

Leia mais

RISCO HIDROLÓGICO, MRE E GSF

RISCO HIDROLÓGICO, MRE E GSF RISCO HIDROLÓGICO, MRE E GSF Camila Rodrigues Advogada da Justen, Pereira, Oliveira & Talamini A matriz elétrica brasileira tem como principal fonte geradora a hidráulica. A utilização do fluxo da água

Leia mais

O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Antônio Soares Diniz Superintendente

O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro. Antônio Soares Diniz Superintendente O Atual Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Antônio Soares Diniz Superintendente Junho/2005 Agenda Base Legal 2003 / 2004 As mudanças implantadas Objetivos do Novo Modelo CCEE Comercialização de Energia

Leia mais

SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA E OPORTUNIDADES

SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA E OPORTUNIDADES SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA E OPORTUNIDADES RICARDO LIMA CONSULTOR Nov/2018 MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA Fonte: EPE O que é mercado livre? Adaptado de uma apresentação

Leia mais

Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente

Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente Leonardo Calabró Conselho de Administração 05 de agosto de 2009

Leia mais

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Câmara de Comercialização

Leia mais

I Fórum de Debates CCEE Regras de Comercialização

I Fórum de Debates CCEE Regras de Comercialização I Fórum de Debates CCEE Regras de Comercialização 02 de março de 2016 I Fórum de Debates CCEE Agenda 1) Repactuação do risco hidrológico (art. 1º da Lei nº 13.203/2015) Apresentação: Luiz Pazzini Duração

Leia mais

Repensando o Mercado Livre e as Regras do PLD

Repensando o Mercado Livre e as Regras do PLD Repensando o Mercado Livre e as Regras do PLD 06 de Outubro de 2009 10º Encontro Internacional de Energia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Agenda Panorama do Ambiente

Leia mais

(Redação do Subanexo X dada pelo Decreto Nº DE 26/09/2014): SUBANEXO X - DAS OPERAÇÕES COM ENERGIA ELÉTRICA TRANSACIONADAS NO ÂMBITO DO MERCADO

(Redação do Subanexo X dada pelo Decreto Nº DE 26/09/2014): SUBANEXO X - DAS OPERAÇÕES COM ENERGIA ELÉTRICA TRANSACIONADAS NO ÂMBITO DO MERCADO (Redação do Subanexo X dada pelo Decreto Nº 14049 DE 26/09/2014): SUBANEXO X - DAS OPERAÇÕES COM ENERGIA ELÉTRICA TRANSACIONADAS NO ÂMBITO DO MERCADO ATACADISTA DE ENERGIA (MAE) (Conv. ICMS 15/2007) CAPÍTULO

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de setembro

Análise PLD 2ª semana operativa de setembro s 125,16 395,73 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 688,88 387,24 369,39 24,8 145,9 274,98 245,97 www.ccee.org.br Nº 26 2ª semana de setembro/215 8 1 8 O InfoPLD é uma

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº3.720, de 26 de dezembro de 2007.

Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº3.720, de 26 de dezembro de 2007. Procedimento de Comercialização DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE AUTOPRODUÇÃO E PRODUÇÃO INDEPENDENTE DE ENERGIA PARA APLICAÇÃO DAS TARIFAS DE USO DOS SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO E TRANSMISSÃO Versão: 3 Início

Leia mais

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes Fórum Novas Oportunidades para os Consumidores Livres Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral Submódulo 5.1 Consolidação da previsão de carga: visão geral Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente da Audiência

Leia mais

TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO CCEAR Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE).

TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO CCEAR Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE). TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE). Pelo presente instrumento contratual e na melhor forma de direito,

Leia mais

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Aspectos jurídicos da contratação no âmbito da CCEE

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Aspectos jurídicos da contratação no âmbito da CCEE IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Aspectos jurídicos da contratação no âmbito da CCEE Solange David Gerente Jurídica, março de 2012 I - Introdução: Principais discussões legais existentes

Leia mais

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST. Versão 1.0.1

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST. Versão 1.0.1 Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST ÍNDICE CÁLCULO DO DESCONTO APLICADO À TUSD/TUST 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas de Cálculo do Desconto

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Caderno Algébrico. Reajuste da Receita de Venda de CCEAR. Versão ersãoerro! Fonte de referência não encontrada.

Caderno Algébrico. Reajuste da Receita de Venda de CCEAR. Versão ersãoerro! Fonte de referência não encontrada. Caderno Algébrico Reajuste da Receita de Venda de CCEAR Versão 2013.3.1 ersãoerro! Fonte de referência não encontrada. ÍNDICE 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas da atualização da Receita de Venda dos empreendimentos

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 135,43 166,69 145,9 263,7 24,8 227,4 212,32 22,87 149,49 134,33 11,1 14,15 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 221 4ª semana de embro/15

Leia mais

AM.10 AFERIÇÃO E APLICAÇÃO DE PENALIDADES COBERTURA DE CONSUMO, LASTRO PARA VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA

AM.10 AFERIÇÃO E APLICAÇÃO DE PENALIDADES COBERTURA DE CONSUMO, LASTRO PARA VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA Procedimento de Comercialização Controle de Alterações AFERIÇÃO E APLICAÇÃO DE PENALIDADES COBERTURA DE CONSUMO, LASTRO PARA VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA Versão 2 METODOLOGIA DO Texto em realce

Leia mais

Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo)

Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo) Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo) 1 Glossário de Termos / Interpretações e Relação

Leia mais

Agentes de Geração Hidráulica. Junho/2012

Agentes de Geração Hidráulica. Junho/2012 Agentes de Geração Hidráulica Junho/2012 Objetivo Fornecer uma visão geral das regras e procedimentos vigentes que influenciam os Agentes de Geração que possuem empreendimentos de fonte hidráulica e as

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.2 Liquidação financeira relativa à contratação de energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.2 Liquidação financeira relativa à contratação de energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.2 Liquidação financeira relativa à contratação de energia de reserva ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES

Leia mais

PORTARIA Nº564, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014

PORTARIA Nº564, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 PORTARIA Nº564, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição, tendo em vista o disposto

Leia mais

ANEXO I: EMENTA DA OITAVA PROVA DE CERTIFICAÇÃO ABRACEEL DE HABILITAÇÃO PARA EXERCÍCIO DE ATIVIDADE DE OPERADOR DO MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA (2019)

ANEXO I: EMENTA DA OITAVA PROVA DE CERTIFICAÇÃO ABRACEEL DE HABILITAÇÃO PARA EXERCÍCIO DE ATIVIDADE DE OPERADOR DO MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA (2019) ANEXO I: EMENTA DA OITAVA PROVA DE CERTIFICAÇÃO ABRACEEL DE HABILITAÇÃO PARA EXERCÍCIO DE ATIVIDADE DE OPERADOR DO MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA (2019) 1) Ambientes de Contratação de Energia (Peso 17) i.

Leia mais

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 27 Fevereiro/2012 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar os valores associados ao encargo, fundo de garantia e saldo da CONER

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 3 Mercado, Tarifas e Preços Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica alvaroaugusto@utfpr.edu.br

Leia mais

Novas do Mercado de Energia

Novas do Mercado de Energia Novas do Mercado de Energia Paulo Sérgio Javorski Diretor de Mercado de Energia CPFL Comercialização Brasil S.A. São Paulo, 05 de agosto de 2012 CPFL Energia 2009. Todos os direitos reservados. Novas do

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado ENASE 2017-14º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 17/05/2017 Agenda CCEE Mercado

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 3 Mercado, Tarifas e Preços Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica alvaroaugusto@utfpr.edu.br

Leia mais

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 3,25 3,25 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 226 5ª

Leia mais

O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA

O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA O MODELO SETORIAL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS AMBIENTES DE CONTRATAÇÃO: LIVRE (ACL) OU REGULADA (ACR) DESVERTICALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DO SETOR: GERADORES, TRANSMISSORES,

Leia mais

POSSIBILIDADES DE REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA: MICRO/MINIGERAÇÃO E MERCADO LIVRE DANIEL HOSSNI RIBEIRO DO VALLE SÃO PAULO, 30 DE JUNHO DE 2016

POSSIBILIDADES DE REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA: MICRO/MINIGERAÇÃO E MERCADO LIVRE DANIEL HOSSNI RIBEIRO DO VALLE SÃO PAULO, 30 DE JUNHO DE 2016 POSSIBILIDADES DE REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA: MICRO/MINIGERAÇÃO E MERCADO LIVRE DANIEL HOSSNI RIBEIRO DO VALLE SÃO PAULO, 30 DE JUNHO DE 2016 SUMÁRIO I. A Comercialização de Energia Elétrica - Relações

Leia mais