Nº 54 Fevereiro/

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nº 54 Fevereiro/"

Transcrição

1 Nº 54 Fevereiro/ O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização de Dezembro de 211. O presente relatório possui caráter meramente informativo e tem por objetivo divulgar informações relativas ao Setor Elétrico brasileiro. SUMÁRIO 1. AGENTES Número de agentes por classe Modelagem e evolução dos ativos ENERGIA MEDIDA Geração por tipo Consumo Perdas na rede básica GARANTIA FÍSICA MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA Garantia física e MRA Garantia física após MRA e alocação de energia secundária no MRE Energia transacionada no MRE CONTRATOS PENALIDADES Penalidade por insuficiência de lastro de potência Penalidade por insuficiência de lastro de energia Penalidades para abatimento dos Encargos de Serviços do Sistema Penalidades para fins de alívio de exposição de CCEAR EXCEDENTE FINANCEIRO ENCARGOS DE SERVIÇOS DO SISTEMA Recebimento de Encargos de Serviços do Sistema Pagamentos por Encargos de Serviços do Sistema ALÍVIO DAS EXPOSIÇÕES FINANCEIRAS DE CCEARS... 2

2 9.1. Alívio de exposições de CCEAR MECANISMO DE COMPENSAÇÃO DE SOBRAS E DÉFICITS (MCSD) PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS MERCADO DE CURTO PRAZO - MCP ENERGIA DE RESERVA PROINFA Geração por fonte das usinas do PROINFA Energia contratada e garantia física das usinas do PROINFA LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA CONSIDERAÇÕES FINAIS

3 1. AGENTES 1.1. Número de agentes por classe A CCEE encerrou o mês de Dezembro com agentes, conforme Gráfico N dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Gráfico 1 - Número de agentes por classe Comercializador Importador Produtor Independente Gerador Consumidor Especial Consumidor Livre Autoprodutor Distribuidor 1.2. Modelagem e evolução dos ativos Em Dezembro, foram modelados 1 2 ativos de carga, com demanda associada de 188,8 MW, e 4 ativos de geração associados a uma capacidade de 212,47 MW referentes a novos ativos agregados ao sistema. O Gráfico 2 apresenta o número de ativos de geração (G) e unidades consumidoras (C) modelados nos últimos meses por submercado. 5 Nº C G C G C G C G C G C G C G C G C G C G C G C G C G SUL SUDESTE NORTE NORDESTE dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Gráfico 2 - Modelagem dos ativos de geração e de carga 1 A modelagem na CCEE tem tanto a finalidade de incorporar os novos ativos quanto a de adequar os ativos existentes para fins de compatibilização ao processo de contabilização.

4 2. ENERGIA MEDIDA 2.1. Geração por tipo A geração total atingiu MW médios em Dezembro. A Tabela 1 indica os montantes de geração hidráulica, térmica e eólica no centro de gravidade. Tabela 1 - Geração Hidráulica, Térmica e Eólica Energia (MW médio) Hidráulica Térmica Eólica Total Geração Participação 89,51% 9,6%,89% 1,% Comercial Teste Despachada ONS Não Despachada ONS MRE* Fora MRE * inclui a geração em teste das usinas participantes do MRE No Gráfico apresentamos os montantes mensais de geração hidráulica, térmica e eólica no centro de gravidade. MWmed Hidráulica (> MW) PCH 4. Térmica 5. Eólica. Total dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Gráfico - Histórico de geração hidráulica, térmica e eólica 4

5 No Gráfico 4 podem ser vistos os montantes mensais de geração térmica por tipo de fonte no centro de gravidade, que totalizaram MW médios em Dezembro..5. MWmed.182 Térmica a Gás 2.5 Térmica a Biomassa dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Térmica Nuclear Térmica a Carvão Mineral Térmica a Óleo e bi Combustível - gás/óleo Térmica - Outros Gráfico 4 - Histórico de geração térmica por tipo de fonte 2.2. Consumo O consumo total no ACL e ACR foi de 57.5 MW médios em Dezembro, superando em 2,5% o aferido no mesmo mês do ano anterior (Dezembro/1). Os valores mensais podem ser vistos no Gráfico 5. Ressaltamos que os valores não consideram o consumo da geração. 5

6 MWmed ACR ACL dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Gráfico 5 - Consumo do mercado livre e cativo O consumo no ACL alcançou MW médios, conforme detalhado no Gráfico 6. MWmed ACL CL + CE APE PIE ,5 942, 866,8,4,5 9,5 16,9 26,9 228,5 48,6 24,1 56,8 25, dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Consumidor Especial Consumidor Livre Gráfico 6 - Consumo de energia no mercado livre O consumo da classe Gerador (Gráfico 6) corresponde ao atendimento pela Chesf e Eletronorte aos consumidores finais, por meio de contratos com tarifas reguladas pela ANEEL. 6

7 O consumo do ramo de metalurgia e produtos de metal atingiu.27 MW médios em Dezembro, sendo a atividade com maior consumo entre os consumidores livres. Em seguida, aparece o setor químico com consumo de MW médios. Destaca-se também a representatividade dos consumidores livres dos ramos de extração de minerais metálicos e nãometálicos cujo consumo atingiu MW médios, e dos ramos de bebidas e alimentos, com 77 MW médios. O consumo por ramo de atividade pode ser visto na Gráfico 7..5 MWmed METALURGIA e PRODUTOS DE METAL METALURGIA e PRODUTOS DE METAL QUÍMICOS MINERAIS METÁLICOS E NÃO METÁLICOS VEÍCULOS E TRANSPORTE 95 CELULOSE BEBIDAS E ALIMENTOS MADEIRA, BORRACHA E PLÁSTICO TÊXTEIS dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 SERVIÇOS Gráfico 7 - Consumo por ramo de atividade 7

8 2.. Perdas na rede básica Em Dezembro a perda total do sistema atingiu MW médios, alocados entre os agentes participantes do rateio de perdas da CCEE. A Tabela 2 apresenta ainda o histórico mensal da geração bruta, consumo bruto e perdas na CCEE. Tabela 2 - Histórico da geração, consumo e perda Mês/Ano Geração Bruta (MW médio) Consumo Bruto (MW médio) Perdas (MW médio) Geração e Consumo* no CG (MW médio) dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ * Inclui o consumo da geração 8

9 Os fatores médios mensais de perdas de geração apresentaram nos últimos meses variação entre 2,1% (dez/1) e 2,5% (jan/11). O histórico desses valores pode ser visto na Tabela. O fator de perda considera a alocação das perdas do sistema somente entre as cargas e as usinas que participam do rateio de perdas. Tabela - Fatores de perda médios mensais Mês/Ano Fator de perdas da geração (%) Fator de perdas do consumo (%) dez/1 2,1% 2,17% jan/11 2,5% 2,46% fev/11 2,% 2,4% mar/11 2,27% 2,27% abr/11 2,% 2,1% mai/11 2,2% 2,25% jun/11 2,11% 2,12% jul/11 2,17% 2,19% ago/11 2,15% 2,17% set/11 2,18% 2,22% out/11 2,14% 2,17% nov/11 2,11% 2,12% dez/11 2,25% 2,27% 9

10 . GARANTIA FÍSICA A garantia física total das usinas em Dezembro foi de MW médios. Esse valor foi 4,6% superior ao mesmo mês de 21. Ressalta-se que as usinas que não possuem garantia física definida em ato regulatório tem valor definido de garantia física igual à geração. O Gráfico 8 apresenta a evolução da garantia física das usinas por fonte de geração e o consumo mensal no SIN. MWmed dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Térmica - Outros Térmica a Carvão Mineral Térmica a Óleo e bi Combustível - gás/óleo Térmica a Gás Térmica a Biomassa Térmica Nuclear Eólica Hidráulica PCH Hidráulica CONSUMO Gráfico 8 - Garantia física das usinas por fonte de geração A média móvel da garantia física total das usinas nos últimos 12 meses (a partir de Dezembro de 211) foi de MW médios. A média móvel do consumo no mesmo período foi de MW médios. O Gráfico 9 apresenta a evolução da média móvel da garantia física das usinas por fonte de geração e a média do consumo no SIN. MWmed Térmica - Outros Térmica a Carvão Mineral Térmica a Óleo e bi Combustível - gás/óleo Térmica a Gás dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Térmica a Biomassa Térmica Nuclear Eólica Hidráulica PCH Hidráulica Consumo Gráfico 9 - Garantia física das usinas por fonte de geração e consumo - Média móvel de 12 meses 1

11 O Gráfico 1 apresenta a folga de garantia física (média móvel) em relação ao consumo (média móvel). 2,% ,% 16,% Garantia Física x Consumo (MW médio) ,% 12,% 1,% 8,% 6,% Folga entre Garantia Física e Consumo (%) 5. 1,76% 2,% 2,17% 2,72% 2,74% 2,86% 2,9% 2,9% 2,62% 2,79% 2,91%,1%,27% 4,% 2,% 51. dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Garantia Física Consumo Folga entre GF e Consumo,% Gráfico 1 - Folga de garantia física (média móvel) em relação ao consumo médio 11

12 4. MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA 4.1. Garantia física e MRA A garantia física das usinas participantes do MRE após a aplicação do MRA somou MW médios em Dezembro, indicando redução de,5% em comparação com o mesmo mês do ano anterior. O Gráfico 11 mostra ainda o comportamento da garantia física antes do MRA e o fator de indisponibilidade médio.,45% 5. Percentual de Redução - MRA (%),4%,5%,%,25%,2%,15%,1%,5%,%,8%,%,4%,2%,2%,2%,2%,29% ,6%,6%,6%,5%,5% dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Garantia Física após MRA Percentual de Redução Garantia Física Total Garantia Física (MW médio) Gráfico 11 - Mecanismo de redução da garantia física 12

13 4.2. Garantia física após MRA e alocação de energia secundária no MRE O Gráfico 12 apresenta a geração e a garantia física das usinas participantes do MRE. A geração das usinas participantes do MRE representou 88,7% da geração total no SIN (item 2.1). 55. MWmed 5.81 Geração (MW méd) Garantia Física após MRA (MW méd) Secundária GSF dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Gráfico 12 - Geração, garantia física após MRA, energia secundária e GSF 4.. Energia transacionada no MRE A energia transacionada no MRE totalizou MW médios em Dezembro, conforme apresentado na Tabela 4. A transferência de energia entre os participantes do MRE contempla tanto as transferências para fins de garantia física quanto à alocação da energia secundária. Tabela 4 - Histórico da energia transacionada no MRE Mês/ Ano Energia transacionada no MRE (MW médio) Custo MRE (R$/MWh) Volume alocado no MRE dez/ , jan/ , fev/ , mar/ , abr/ , mai/ , jun/ , jul/ , ago/ , set/ , out/ , nov/ , dez/ ,

14 O Gráfico 1 apresenta a relação entre a energia gerada pelas usinas participantes do MRE e a energia transacionada no MRE ,% ,% Energia Comercializada no MRE/Geração MRE 14,% Geração no MRE Energia transacionada no MRE x Geração (MWmed) ,% 11,41% 12,9% 12,4% 1,87% 12,11% 1,2% 12,77% 12,9% 11,21% 11,27% 11,77% 9,4% 12,% 1,% 8,% 6,% 4,% Energia transacionada no MRE/Geração no MRE (%) Energia transacionada no MRE ,% dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11,% Gráfico 1 Geração e energia transacionada no MRE 14

15 Fevereiro/ CONTRATOS Em Dezembro foram considerados contratos na contabilização, o que representou uma comercialização de 76.5 MW médios. O Gráfico 14 apresenta os montantes contratados por tipo de contrato, considerados na contabilização. 8. MWmed Ressarcimento PROINFA Leilão Itaipu CCEAR CCEAR DISP Inicial Bilateral Distribuidores Bilateral - Outros Compradores 2. dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Gráfico 14 - Contratos por tipo A Tabela 5 apresenta o número de contratos contabilizados por tipo. Tabela 5 Nº de Contratos por tipo Tipo de Contrato Bilateral - Outros Compradores Bilateral Distribuidores CCEAR CCEAR DISP Inicial Itaipu Leilão PROINFA Ressarcimento Total dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/

16 Na Tabela 6 apresentamos os montantes de energia transacionados entre as classes de agentes (comprador e vendedor). Tabela 6 - Energia contratada por classe de agente Energia contratada (MW médio) Classe Compradores Autoprodutor Comercializador Consumidor Livre Distribuidor Gerador Importador Produtor Independente TOTAL Autoprodutor Vendedores Comercializador Gerador Produtor Independente TOTAL * A UHE Itaipu é representada na CCEE como agente comercializador. 6. PENALIDADES 6.1. Penalidade por insuficiência de lastro de potência O Gráfico 15 apresenta o histórico dos preços de referência para pagamento da penalidade por insuficiência de lastro de potência nos últimos 1 meses disponíveis. R$/MWh ,92 8,9 87,29 9,92 8,9 9,92 8,9 87,29 8,9 8,82 87,29 9,67 97, nov/1 dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 Gráfico 15 - Histórico de preços de referência para penalidades de potência 16

17 6.2. Penalidade por insuficiência de lastro de energia O preço de referência para pagamento de penalidades por insuficiência de cobertura contratual de consumo, obtido com base no valor máximo entre o VR, que apresentou aumento em relação ao valor anterior, 145,41 R$/MWh, e a partir de janeiro de 211 passou a 151,2 R$/MWh e o PMED (Preço Médio da Liquidação das Diferenças). Os valores de VR e PMED são apresentados no Gráfico R$/MWh 145,41 151,2 151,2 151,2 151,2 151,2 151,2 151,2 151,2 151,2 151,2 151,2 151, VR PMED 6-72,1 46,85 45,72 4,11 28,44 26,9 1,82 7,19 12,19 17,27 22,7 19,12 2,67 dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Gráfico 16 - Valores de VR e PMED para penalidades por insuficiência de lastro de energia 6.. Penalidades para abatimento dos Encargos de Serviços do Sistema As penalidades pagas utilizadas para o abatimento dos Encargos de Serviços do Sistema totalizaram R$ ,22 na contabilização de Dezembro (Tabela 7). Tabela 7 - Penalidade disponível para abatimento dos encargos de serviços do sistema Classes do agente Autoprodutor Comercializador Consumidor Livre Distribuidor Gerador Importador Produtor Independente Total Geral Penalidades de Medição Multas pelo não aporte das Gar. Fin. Penalidade por falta de combustível Penalidades por Insuficiência de Lastro de Venda do Perfil de Geração do Agente Penalidades por Insuficiência de Contratação Total de Penalidades , , , , , , ,1 28., , ,49-121, , , , ,92 87, ,22 17

18 6.4. Penalidades para fins de alívio de exposição de CCEAR As penalidades pagas consideradas na contabilização de Dezembro totalizaram R$ , conforme apresentado na Tabela 8. Tabela 8 - Penalidades pagas para fins de alívio de exposição de CCEAR Perfil Geração Perfil Consumo Classe do Agente Insuficiência de lastro de venda Insuficiência de lastro de potência Insuficiência de cobertura contratual do consumo Insuficiência de lastro de potência Total Geral Autoprodutor Comercializador Consumidor Livre Distribuidor Gerador Produtor Independente Total Geral

19 7. EXCEDENTE FINANCEIRO Em Dezembro, o excedente financeiro foi de R$ ,; conforme apresentado na Tabela 9. Tabela 9 - Alocação de excedente financeiro Mês/ Ano Excedente Financeiro Exposições Positivas Exposições Negativas Exposições Residuais Reservas para alívio de ESS dez/1-79.7, , ,94.61,67, jan/ , , ,8, ,9 fev/ , , ,1, ,76 mar/ ,52, ,87,.1.78,65 abr/11 1.9,52, 52,72, 1.4,8 mai/ , , ,51, ,48 jun/ , ,7 796,47, 57.71,96 jul/ , , ,59, 92.52,4 ago/ , , ,4, , set/ , , ,29, ,46 out/ ,5 1.64, ,42, ,7 nov/11 1.6,6 1.27,25 1.9,56, 1.24,29 dez/ , , , ,6, 19

20 8. ENCARGOS DE SERVIÇOS DO SISTEMA 8.1. Recebimento de Encargos de Serviços do Sistema O montante total de recebimento de Encargos de Serviços do Sistema (ESS) em Dezembro foi de 121 milhões. A Tabela 1 apresenta o histórico dos valores recebidos por ESS desde Dezembro de 21. Tabela 1 - Recebimentos por Encargos de Serviços do Sistema Mês/ Ano Recebimento por restrição de operação Recebimento por serviços ancilares Recebimento por segurança energética Recebimento por ultrapassagem da CAR Montante total de recebimento dez/ , , , ,15 jan/ , , , ,8 fev/ , , ,94 mar/ , , ,6 abr/ , , ,78 mai/ , , ,81 jun/ , , ,54 jul/ , , ,1 ago/ , , ,2 set/ , , ,17 out/ , , ,99 nov/ , , ,41 dez/ , , ,11 O total de ESS acumulado nos últimos 12 meses foi de R$ 1.55 milhões, sendo R$ 5,52 milhões decorrentes de Encargos de Segurança Energética. O Gráfico 17 ilustra a evolução por tipo de encargo e seu respectivo valor em reais. 2

21 ,27 29, 118,56 4,68 5,44 6,19 R$ milhões 114,79 14,67 89,72 1,15 94,65 125,9,2, 6,88, 4,2, 7,1, 5,94, 9,42, 174,91 11,57 11,4 12,9 114,25,8, 4,9, 4,2, 6,7, 6,9, dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Restrição de operação Serviços Ancilares Segurança Energética Ultrapassagem da CAR Gráfico 17 - Encargos de Serviços do Sistema Em Dezembro, não houve despacho por segurança energética. A Tabela 11 apresenta os montantes mensais de energia proveniente de despacho desta natureza. Tabela 11 - Despacho por segurança energética Mês/Ano Despacho por segurança energética (MWh) dez/1 27.1,1 jan/ ,1 fev/11, mar/11, abr/11, mai/11, jun/11, jul/11, ago/11, set/11, out/11, nov/11, dez/1, 21

22 8.2. Pagamentos por Encargos de Serviços do Sistema O valor de pagamento de ESS em Dezembro foi de R$ 118,147 milhões. A Tabela 12 a seguir apresenta o histórico dos valores de recebimento total por ESS e seus respectivos abatimentos, reservas para alívio de ESS, penalidades aplicadas, sobra de excedente financeiro e o montante resultante de pagamento de ESS desde Dezembro de 21. Tabela 12 - Pagamentos por Encargos de Serviços do Sistema Mês/ Ano Montante total de recebimento Reservas para alívio de ESS Total de penalidades aplicadas Sobra de excedente financeiro no mês anterior Pagamento por ESS dez/ ,15, , , ,66 jan/ , , , , ,75 fev/ , , , , ,97 mar/ ,6.1.78, , , ,6 abr/ ,78 1.4, ,62 9.5, ,95 mai/ , ,48.992,15.798, ,1 jun/ , , , , ,68 jul/ , , ,5 7.11, ,75 ago/ , , ,4 6.19, ,58 set/ , , , , ,25 out/ , , , , ,7 nov/ , , ,82.188, ,1 dez/ ,11, , , ,99 22

23 9. ALÍVIO DAS EXPOSIÇÕES FINANCEIRAS DE CCEARS 9.1. Alívio de exposições de CCEAR Em Dezembro, o total de exposição positiva, R$ , não foi suficiente para abater as exposições negativas, R$.54, de CCEAR. Na Tabela 1 são apresentadas mensalmente as exposições positivas e negativas dos contratos CCEARs. Tabela 1 - Alívio das exposições financeiras dos CCEARS Mês/ Ano Exposição Positiva Exposição Negativa Valor total das penalidades em base anual Sobra das exposições positivas Exposição financeira residual dez/ , , , ,94 jan/ , , , ,6 - fev/ , , , ,48 - mar/ , , , , - abr/11 2.1, , , ,6 - mai/ , , , ,72 - jun/ , , , , - jul/ , , , ,1 - ago/ , , , ,4 - set/ , , , , - out/ , , , ,51 - nov/ , , , ,4 - dez/ , , , ,5 2

24 1. MECANISMO DE COMPENSAÇÃO DE SOBRAS E DÉFICITS (MCSD) A Tabela 14 apresenta o total das declarações de sobras e déficits, bem como os montantes de energia compensados e devolvidos para o processamento mensal do MCSD. Tabela 14 - Sobras, déficits, compensação e devoluções mensais do MCSD Sobras Mês/Ano Saída consumidores livres (MW médio) Acréscimo Contratos Desvios de Mercado Déficits (MW médio) Compensação (MW médio) Devolução de CCEAR (MW médio) (MW médio) (MW médio) dez/1,,,,,, jan/11,,,,,, fev/11 2,,, 681,6 2,, mar/11,, 2,2 711,7 2,2, abr/11,,,,,, mai/11,,,,,, jun/11,, 18,5 555,9 18,5, jul/11,, 76,8 411,7 76,8, ago/11,,,,,, set/11,, 422,5 1,1 1,1, out/11,,, 1, 1, 1,5 nov/11,,, 5, 4,4, dez/11,,,,,, 11. PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS Em Dezembro, o valor utilizado para valorar a compra e venda de energia no mercado de curto prazo, média do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), foi de 4,92 R$/MWh. O Gráfico 18 mostra o histórico do PLD médio mensal por submercado. 24

25 R$/MWh NORTE SUDESTE SUL NORDESTE L M P L M P L M P L M P L M P L M P Gráfico 18 - Valor médio mensal do PLD O Gráfico 19 detalha os valores médios do PLD em cada submercado em Dezembro, apresentando os valores mínimos e máximos em cada submercado. R$/MWh ,74 64,74 64,74 64,74 4,8 4,8 PLD Médio Máximo Mínimo ,2 12,2 7,7 7,7 44,47 44,47 NORDESTE NORTE SUDESTE SUL Gráfico 19 PLD médio e limite mínimo e máximo, por submercado a conta 25

26 12. MERCADO DE CURTO PRAZO - MCP O total de compra no Mercado de Curto Prazo (MCP) pelos agentes da CCEE foi R$ 252,5 milhões. O histórico da compra/venda líquida de energia no MCP, apurada por agente, considerando os perfis geração e distribuição, é apresentado na Tabela 15. Tabela 15 - Compra e venda no Mercado de Curto Prazo Mês/Ano Energia MCP (MW médio) Venda MCP Compra MCP dez/ , ,4 jan/ , ,6 fev/ , ,56 mar/ , ,27 abr/ , ,2 mai/ , ,9 jun/ , ,88 jul/ , ,95 ago/ , ,8 set/ , ,5 out/ , ,66 nov/ , ,65 dez/ , ,61 Os valores de compra e venda no Mercado de Curto Prazo podem ser diferentes devido à diferença de preços entre os submercados e entre os patamares de carga. 26

27 1. ENERGIA DE RESERVA Em Dezembro, houve cobrança de R$ 51,74 milhões por encargo de energia de reserva. A Tabela 16 apresenta a evolução do saldo da CONER e o Encargo de Energia de Reserva a ser rateado pelos agentes de forma proporcional ao consumo médio nos últimos 12 meses. Mês/ Ano Recebimento Total da Receita Fixa da Energia de Reserva - RFIX_CERgm 2 Saldo CONER - SCONER Tabela 16 - Encargos de energia de reserva Fundo de Garantia para Operacionalização - FGAR Custos ADM, Financeiros e Tributários - CAF_T Consumo Médio de Referência para Pagamento do Encargo - TRC_ERE (MWmédio) Efeito da Deliberação do CAd sobre o Consumo Mensal - REC_AJU (MWmédio) Pagamento Devido ao Encargo - REER dez/ , , ,11 6., , ,55 nov/ , , ,69 6., , ,44 out/ , , ,27 6., , ,18 set/ , , ,42 6., , ,64 ago/ , , ,52 6., , ,51 jul/ , , , , , ,17 jun/ , , , , , mai/ , , , , , abr/ , , , , , mar/ , , ,8 5.29, , fev/11 ( ,89) , , , , jan/ , , ,2 5.29, , ,88 dez/ , , , , , ,5 Em Dezembro, houve geração de energia de reserva de MWh. A Tabela 17 apresenta a geração mensal. Tabela 17 - Geração de energia de reserva Mês/Ano Geração mensal (MWh) dez/ ,864 nov/ ,914 out/ ,78 set/ ,422 ago/ ,267 jul/ ,62 jun/ ,49 mai/ ,627 abr/ ,881 mar/ ,868 fev/ ,914 jan/ ,59 dez/1 7.65,86 Os valores liquidados no mercado de curto prazo formam o saldo da Conta de Energia de Reserva (Coner) após a liquidação financeira do mês. 2 Consideram os valores de ressarcimentos e devolução dos pagamentos retidos. 27

28 14. PROINFA Geração por fonte das usinas do PROINFA Em Dezembro, o total de energia gerada pelas usinas participantes do Proinfa foi de 1.19 MW médios. O Gráfico 2 apresenta a energia gerada por tipo de fonte das usinas participantes do Proinfa nos últimos meses. 1.2 MWmed Total Hidráulica PCH Eólica Térmica a Biomassa dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Gráfico 2 - Geração por tipo de fonte Energia contratada e garantia física das usinas do PROINFA Em Dezembro a garantia física das usinas do Proinfa foi de MW médios e o total de contratos de venda do Agente Comercializador de Energia do PROINFA (ACEP) foi de 1.68 MW médios. O Gráfico 21 apresenta a energia contratada e a garantia física das usinas participantes do Proinfa nos últimos 1 meses. 28

29 MWmed dez/1 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Venda GFIS Gráfico 21 - Energia Contratada x Garantia física 15. LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA A Tabela 18 apresenta os valores mensais do histórico de montantes financeiros contabilizados e liquidados na CCEE. Tabela 18 - Montantes contabilizados e liquidados Mês/Ano Montante contabilizado Montante liquidado dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ * *A liquidação do mês de dezembro de 211 ocorrerá em 1/2/

30 16. CONSIDERAÇÕES FINAIS As informações disponibilizadas nesse relatório consideram o último evento de contabilização de cada mês. A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE não se responsabiliza, em qualquer tempo, sob qualquer condição e hipótese, por estudos, projeções e/ou negociações que sejam realizadas com fundamento nos dados constantes do presente relatório.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 27 Fevereiro/2012 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar os valores associados ao encargo, fundo de garantia e saldo da CONER

Leia mais

Nº 003 Março/ Nº de usinas

Nº 003 Março/ Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 dezembro/2016. b. Contabilização novembro/16

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 dezembro/2016. b. Contabilização novembro/16 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de dezembro e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em novembro de 2016. O histórico de dados

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Seminário Autoprodução de Energia Elétrica na Ponta Impactos e Perspectivas 8 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Leia mais

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE CCEE Situação Atual e Evoluções Workshop Andrade&Canellas 2012 17 de agosto de 2012 Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE Responsabilidades da CCEE - Evolução 27) RRV usinas em atraso 28) Gestão

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 36 Novembro/2012 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar os valores associados ao encargo, fundo de garantia e saldo da CONER

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015 Visão Geral das Operações na CCEE Junho/2015 1. Visão do Sistema Elétrico 2. Modelo Institucional 3. Comercialização de Energia do SIN 4. Principais Regras de Comercialização 1. Visão do Sistema Elétrico

Leia mais

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Março de 2012 Agentes na CCEE Fevereiro 2012 1800 1650

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado ENASE 2017-14º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 17/05/2017 Agenda CCEE Mercado

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.1 Apurações da energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS Revisão Motivo

Leia mais

Balanço Energético. Versão 1.0

Balanço Energético. Versão 1.0 ÍNDICE BALANÇO ENERGÉTICO 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo do 10 2.1. Cálculo do 10 2 Controle de Alterações Revisão Motivo da Revisão Instrumento

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Luiz Henrique Alves Pazzini Gerência de Acompanhamento de Mercado - GAM 25 de abril de 2007 Agenda Comercialização de Energia

Leia mais

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes Fórum Novas Oportunidades para os Consumidores Livres Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº Abril/ O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades Maio / 2005 CCEE Papéis e Responsabilidades Sistema Elétrico Brasileiro (Interligado) Dimensões Continentais Sofisticado Sistema de Supervisão e Controle Integrado Capacidade Instalada (dez/03) Hidráulica:

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº 2 Março/2 O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Câmara de Comercialização

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI)...

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivos Fluxo Geral das Regras de Comercialização Definições e Interpretações (DI)... CONTABILIZAÇÃO DEFINIÇÕES E INTERPRETAÇÕES Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009 ÍNDICE 1 Definições Gerais... 3 1.1 Objetivos... 3 1.2 Fluxo Geral das Regras de Comercialização... 4 2 Definições

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 25 03 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2.

Leia mais

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng.

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. VII Conferência Anual da RELOP Praia, Cabo Verde 04 e 05/09/2014 Workshop:

Leia mais

Solange David. Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)

Solange David. Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Solange David Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e desafios

Leia mais

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas.

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas. XX Simpósio Jurídico da ABCE Os 10 anos da Lei 10.848/2004, reflexões e perspectivas. São Paulo Outubro de 2014 Ricardo Brandão Procurador-Geral da ANEEL Marcos normativos antecedentes à Lei 10.848/2004

Leia mais

A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial /03/2015

A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial /03/2015 A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial 2015 19/03/2015 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração A CCEE e destaques

Leia mais

ENERGY TRADING BRASIL 2009

ENERGY TRADING BRASIL 2009 ENERGY TRADING BRASIL 2009 Sessão 2.2.1 Fontes Incentivadas de Energia Cenários de Comercialização de Energia Elétrica para 2009 JOSE AMORIM ROTEIRO DA PALESTRA MENSAGEM INSTITUCIONAL CADEIA DE VALORES

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Datas, aspectos gerais e sistemáticas 03/06/2013 Gerência de Leilões e Mercado Regulado Agenda Data dos leilões no 2º semestre de 2013 11º Leilão de Energia

Leia mais

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 3,25 3,25 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 226 5ª

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Por Dentro da Tractebel Florianópolis, 1º de agosto de 2013 Manoel Zaroni Torres - CEO Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Expansão da Matriz

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de maio

Análise PLD 4ª semana operativa de maio 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 86,45 8,39 74,51 73,31 166,69 263,6 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 243 4ª semana de o/216 8 1 8 O InfoPLD

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de abril

Análise PLD 4ª semana operativa de abril 1,16 37,61 13, 19,3 8,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,8 9,4 166,69 63,6 94,1 3,66 3,4 37,73 49,4 7,93 61,3 83,43 11,8 149,,1 166, 1,19 11,44 18,43 16,4 87, 39,73 46,1 36,68 3,66 331,1 689, www.ccee.org.br

Leia mais

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica Élbia Melo 10/02/2010 Agenda Visão Geral da CCEE e do Mercado de Energia Comercialização de Energia de Eólica PROINFA ACL ACR Energia

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,28 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,2 2,21 166,5 122,19 121,44 1,64 111,91 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

Painel 2: O mercado em /04/2017 Agenda Setorial 2017: Abastecimento, Preço e Perspectivas

Painel 2: O mercado em /04/2017 Agenda Setorial 2017: Abastecimento, Preço e Perspectivas Painel 2: O mercado em 2017 03/04/2017 Agenda Setorial 2017: Abastecimento, Preço e Perspectivas Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração Agenda Grandes números da CCEE A expansão do mercado

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários Juliana Chade Agenda Cenário atual Preços Afluências Reservatórios Consumo de energia elétrica Meteorologia/Clima Expansão da Oferta Projeções de PLD 2 Agenda

Leia mais

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB)

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) 3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) Até 1995, o Setor Elétrico Brasileiro era formado por empresas verticalizadas, predominantemente estatais, detentoras das atividades de geração, transmissão e distribuição

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de maio

Análise PLD 3ª semana operativa de maio 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 35,66 3,42 37,73 49,42 86,45 8,39 74,51 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br

Leia mais

Contratação de energia mercado livre (ACL)

Contratação de energia mercado livre (ACL) Mercado Livre Contratação de energia mercado livre (ACL) Prazos, volumes e preço são livremente negociados entre as partes envolvidas Contratos não padronizados; maior parte das transações é selada via

Leia mais

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Low Carbon Business Action Brazil Ubiratan Francisco Castellano Secretaria de Planejamento e

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Aprimoramentos regulatórios do setor elétrico

Aprimoramentos regulatórios do setor elétrico Aprimoramentos regulatórios do setor elétrico 07/11/2017 Energy Risk Management Cesar Pereira Gerente Executivo de Regras, Capacitação e Preços Ampliação do Mercado Livre Total de Associados (setembro

Leia mais

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 24 3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Algumas características e mecanismos do mercado de energia elétrica brasileiro precisam ser compreendidos para realizar a análise proposta neste estudo. Especialmente,

Leia mais

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA ACMMINAS CONSELHO EMPRESARIAL DE MINERAÇÃO E SIDERURGIA JULHO DE 2016 SUMÁRIO A CEMIG E O SETOR INDUSTRIAL HISTÓRICO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E DE ATENDIMENTO REPRESENTATIVIDADES

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços

Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços Gustavo Arfux Agenda Principais aspectos da comercialização de energia no mercado livre A cadeia de modelos matemáticos de planejamento e operação Formação

Leia mais

Matriz elétrica brasileira e fontes de geração

Matriz elétrica brasileira e fontes de geração Matriz elétrica brasileira e fontes de geração Fernando Umbria LPS Consultoria Energética Agenda Características gerais e conceitos importantes Aspectos legais e regulatórios Os geradores e o mercado de

Leia mais

Expansão do Mercado Livre 23/08/2016 Workshop de Energia da FIESP Mercado Livre de Energia

Expansão do Mercado Livre 23/08/2016 Workshop de Energia da FIESP Mercado Livre de Energia Expansão do Mercado Livre 23/08/2016 Workshop de Energia da FIESP Mercado Livre de Energia Talita Porto Conselheira de Administração CCEE: operadora do mercado de energia elétrica Criada em 1999, a CCEE

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo:

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo: 02 2 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (30..203 a 06.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 309,49 309,33 Pesada 33,8

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 1ª semana operativa de fevereiro A 125,16 395,73 37,61 13,25 19,03 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 70,28 29,42,69 263,06 689,25 287,20 94,28 35,66 30,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,02,21,05,19 121,44,64 www.ccee.org.br Nº

Leia mais

Gestão de Contratos de Energia

Gestão de Contratos de Energia Gestão de Contratos de Energia 10 de junho de 2005 Delta Comercializadora de Energia Rua Funchal, 375 1º andar CEP: 04551-060 São Paulo, SP www.deltaenergia.com.br Mercado Livre Características do Mercado

Leia mais

MERCADO LIVRE DE ENERGIA

MERCADO LIVRE DE ENERGIA TUDO SOBRE MERCADO LIVRE DE ENERGIA NA BUSCA POR MELHORES PREÇOS E UM AUMENTO DA PREVISIBILIDADE NOS NEGÓCIOS, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS ESTÃO MIGRANDO PARA O CHAMADO MERCADO LIVRE. 1. INTRODUÇÃO Na busca

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 135,43 166,69 145,9 263,7 24,8 227,4 212,32 22,87 149,49 134,33 11,1 14,15 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 221 4ª semana de embro/15

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Março de 2014 1 Conjuntura do Sistema 2 Recordes de demanda mensal de energia elétrica... Fev/14 68.500 61.106

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

Perfil Energia gerada

Perfil Energia gerada 1. Perfil A AES Tietê, uma das geradoras do grupo AES Brasil, é uma Companhia de capital aberto com ações listadas na BM&FBovespa e está autorizada a operar como concessionária de uso do bem público, na

Leia mais

Caderno Algébrico Penalidades de Energia Penalidades de Energia

Caderno Algébrico Penalidades de Energia Penalidades de Energia Caderno Algébrico Versão 1.0 ÍNDICE PENALIDADES DE ENERGIA 3 1. O Esquema Geral 3 2. Detalhamento das Etapas das 5 2.1. Apuração de Grandezas Preparatórias 5 2.2. Apuração do Nível da Insuficiência de

Leia mais

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Segundo a lei federal no. 10.848, esse novo modelo tem três objetivos principais: garantir a segurança no suprimento da energia elétrica, atingir a modicidade

Leia mais

Obrigado! Consultoria em Energia

Obrigado! Consultoria em Energia Obrigado! Marcos Guimarães Consultoria em Energia Pedro Kurbhi Agenda 1 - Eficiência Energética x Gestão Contratual 2 - Pontos Críticos na Gestão de Energia 3- A Demanda 4 - O Consumo 5- Reativos 6 - A

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 Receita de Venda de CCEAR Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 3.5 Receita de venda de CCEAR ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de março

Análise PLD 3ª semana operativa de março 12,16 37,61 13,2 19,3 28,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 287,2 94,1 3,66 3,42 37,73 49,42 7,93 61,32 83,43 11,8 149,2 2,21 166, 122,19 121,44 128,43 184,49 18,6 238, 39,73 689,2 www.ccee.org.br

Leia mais

O Mercado Livre de Energia. Aspectos Gerais para Consumidores Livres

O Mercado Livre de Energia. Aspectos Gerais para Consumidores Livres O Mercado Livre de Energia Aspectos Gerais para Consumidores Livres Patrocinadores da Campanha 2012 Ano do Mercado Livre de Energia Agenda O Sistema Elétrico Brasileiro e suas Instituições O Modelo do

Leia mais

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Fórum CanalEnergia: Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Rodrigo Oliveira RJ, 25 de março de 2008 Características do Modelo Atual de Contratação

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Abril de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Abril de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.670 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Março de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Março de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.669 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

Release de Resultados Primeiro Trimestre de 2008

Release de Resultados Primeiro Trimestre de 2008 A CESP encerrou o primeiro trimestre de 2008 com EBITDA de R$ 268 milhões e Lucro Líquido de R$ 56 milhões São Paulo, 12 de maio de 2008: A CESP - Companhia Energética de São Paulo (BOVESPA: CESP3, CESP5

Leia mais

Aperfeiçoamentos ao Modelo de Comercialização de Energia

Aperfeiçoamentos ao Modelo de Comercialização de Energia Aperfeiçoamentos ao Modelo de Comercialização de Energia Roberto Brandão Coimbra 13.02.2015 Sumário Crise financeira: diagnóstico Situação atual Mercados de diferenças: fundamentos Entendendo o risco na

Leia mais

Resultados 2016 Março, 2017

Resultados 2016 Março, 2017 Resultados Março, 2017 Hidrologia e Reservatórios Redução da afluência no SIN em (86,7% da MLT 1 vs. 89,4% em 2015) com maior nível dos reservatórios em 31,7% em vs. 29,4% em 2015 Destaques $ Preço de

Leia mais

Utilities Day Santander São Paulo, Fevereiro de 2016

Utilities Day Santander São Paulo, Fevereiro de 2016 Utilities Day Santander São Paulo, Fevereiro de 2016 1 Fluxos nos Sistemas de Potência O fluxo dos elétrons Baseado em Leis Universais: - Kirchhoff's - Ohm s - Gauss s - Equações de Maxwell - Equações

Leia mais

Resultados 3T16 Novembro, 2016

Resultados 3T16 Novembro, 2016 Resultados Novembro, 2016 Hidrologia e Reservatórios Redução da afluência do SIN no para 86,5% da MLT 1 na comparação com o 3T15 e nível dos reservatórios ficaram em 38,3% Preço de Energia Expectativa

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 ABEEólica: Quem somos? A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 2002, congrega, em todo o Brasil,

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios Zilmar Souza Federação das Indústrias do Estado de Goiás FIEG Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios 18ª Reunião Goiás - GO 18 de agosto de 2015 BIOELETRICIDADE DA CANA

Leia mais

Proposta de nova versão das Regras de Comercialização

Proposta de nova versão das Regras de Comercialização Proposta de nova versão das Regras de Comercialização Versão 2016.1.0 (Janeiro/2016) Julho/2015 Objetivo Objetivo: Apresentar as principais propostas conceituais da Regras de Comercialização aplicáveis

Leia mais

Caderno Algébrico. Votos e Contribuição Associativa. Versão 1.0

Caderno Algébrico. Votos e Contribuição Associativa. Versão 1.0 Caderno Algébrico Votos e Contribuição Votos Associativa e Contribuição Associativa Versão 1.0 ÍNDICE VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA 3 1. O Esquema Geral 3 2. Detalhamento do Cálculo de Votos 4 2.1.

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Gestão do Sistema Elétrico Interligado. Abril / 2005

Gestão do Sistema Elétrico Interligado. Abril / 2005 Gestão do Sistema Elétrico Interligado Abril / 2005 Agenda Informações sobre o Sistema Elétrico Brasileiro Informações sobre a CCEE Informações sobre Mercosul Contato SIN Considerado único no âmbito mundial

Leia mais

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE Como reduzir custos sem comprometer a produção? MERCADO LIVRE DE ENERGIA MERCADO LIVRE DE ENERGIA Liberdade para escolher o fornecedor de energia, obter economia

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de agosto

Análise PLD 1ª semana operativa de agosto a 125,16 395,73 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 689,25 287,2 35,66 3,42 37,73,42 75,93 61,32 83,43 117,58 www.ccee.org.br Nº 253 1ª semana de agosto/216 8 1 8 O

Leia mais

+ DE 190 ASSOCIADOS EM 4 ANOS DE ATUAÇÃO!!

+ DE 190 ASSOCIADOS EM 4 ANOS DE ATUAÇÃO!! + DE 190 ASSOCIADOS EM 4 ANOS DE ATUAÇÃO!! ABRAPCH 1º Workshop Nacional de CGHs LEI Nº 9.074, DE 7 DE JULHO DE 1995 Art. 8 o O aproveitamento de potenciais hidráulicos iguais ou inferiores a 3.000 kw

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

PARCERIA SEGURA E COM EXPERIÊNCIA

PARCERIA SEGURA E COM EXPERIÊNCIA PARCERIA SEGURA E COM EXPERIÊNCIA O GRUPO CPFL ENERGIA Grupo com mais de 100 anos de história Maior grupo privado do setor elétrico nacional Mais de 30 anos de relacionamento com o setor sucroenergético

Leia mais

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017 Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético Maio de 2017 Instabilidade do preço-teto nos leilões O preço teto para a fonte biomassa tem

Leia mais

I Fórum de Debates CCEE Regras de Comercialização

I Fórum de Debates CCEE Regras de Comercialização I Fórum de Debates CCEE Regras de Comercialização 02 de março de 2016 I Fórum de Debates CCEE Agenda 1) Repactuação do risco hidrológico (art. 1º da Lei nº 13.203/2015) Apresentação: Luiz Pazzini Duração

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014 INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, PLD Médio /214 PLD TETO 822,83 7 6 5 4 3 2 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 1,, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 7/ NORTE SEMANA 2 8/

Leia mais

Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica

Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica Roberto Castro Conselheiro de Administração 24/08/2017

Leia mais

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Lei nº 10.848/2004 (Redação Original) Art. 2 o... 1 o Na contratação regulada, os riscos hidrológicos serão assumidos conforme as seguintes modalidades contratuais:

Leia mais

Ambiente de Contratação Livre e Alternativas de Aquisição de Energia

Ambiente de Contratação Livre e Alternativas de Aquisição de Energia ENCONTRO TÉCNICO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA Ambiente de Contratação Livre e Alternativas de Aquisição de Energia João Carlos Mello Abril 2005 O Mercado Livre no Brasil Abertura do Mercado de Energia Mercado

Leia mais

3º Ciclo Revisões Tarifárias Periódicas

3º Ciclo Revisões Tarifárias Periódicas 8 02 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 4ª Semana de Fevereiro de 203 Fevereiro (6.02.203 a 22.02.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 87,88 93,57 Pesada 27,60 27,60

Leia mais