REFORÇO E REABILITAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO INTERVENÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFORÇO E REABILITAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO INTERVENÇÕES"

Transcrição

1 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais 1 REFORÇO E REABILITAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO INTERVENÇÕES N. VILA POUCA Prof. Auxiliar FEUP Porto - Portugal ANÍBAL COSTA Prof. Catedrático Univ. Aveiro Aveiro - Portugal XAVIER ROMÃO Assistente FEUP Porto - Portugal VALTER LOPES Engenheiro Civil FEUP Porto - Portugal E. PAUPÉRIO Engenheira Civil IC-FEUP Porto - Portugal RESUMO O presente artigo aborda um conjunto de intervenções de reforço e reabilitação de estruturas de betão armado. Estas intervenções resultaram da necessidade de se aumentar a capacidade de carga destas estruturas, da necessidade de alterações com a incorporação de novos elementos estruturais, e ainda pelo facto das estruturas não apresentarem condições para desempenhar correctamente as funções para as quais foram dimensionadas. Neste contexto, a utilização de elementos metálicos no reforço de estruturas de betão armado revela-se uma solução adequada, em particular nos casos de intervenções em estruturas existentes de unidades industriais. Estas estruturas têm em geral condicionantes específicas que se prendem com os equipamentos industriais instalados e que condicionam de forma significativa as condições de execução em obra. Neste âmbito, são apresentados diversos casos de reforço de estruturas de betão armado aplicados em unidades industriais, tendo diferentes objectivos, nomeadamente o reforço sísmico e o reforço localizado de elementos estruturais resultantes da alteração de equipamentos. Nos casos concretos apresentados, faz-se, para além da abordagem dos aspectos de concepção e das condicionantes que conduziram às soluções de reforço preconizadas, uma descrição detalhada dos aspectos de projecto e de execução. Neste contexto, é dado especial destaque aos aspectos relacionados com a ligação dos elementos metálicos de reforço aos elementos de betão armado existentes. Esta questão assume grande importância neste tipo de intervenções, quer pelos aspectos relacionados com o seu dimensionamento, quer pelos os aspectos relacionados com a sua execução que se pretende que interfira o mínimo possível na laboração das unidades industriais.

2 2 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais 1. INTRODUÇÃO As intervenções de reforço e reabilitação de estruturas de betão armado resultam, em regra geral, da necessidade de aumentar a sua capacidade resistente ou do facto de já não apresentarem as condições necessárias para desempenhar correctamente as funções para as quais foram dimensionadas. Nesta situação, a utilização de elementos metálicos no reforço deste tipo de estruturas revela-se uma solução adequada, em particular nos casos de intervenções em estruturas existentes de unidades industriais. Assim, serão discutidos no presente artigo alguns dos aspectos mais relevantes relativos a um conjunto de intervenções de reforço e de reabilitação em estruturas industriais de betão armado. A presente comunicação é dedicada à discussão de dois casos concretos de reforço estrutural, nos quais se faz a aplicação de elementos metálicos de reforço. Nestes casos são discutidos de forma detalhada os aspectos, de avaliação, de concepção das soluções de reforço, de projecto e de aplicação em obra das soluções preconizadas. O primeiro caso refere-se à intervenção numa estrutura porticada de betão armado situada nas instalações da refinaria da GALP. Esta estrutura de betão, que se encontrava em estado de degradação estrutural avançado, faz o apoio de uma coluna metálica que contém petróleo bruto e seus destilados a elevadas temperaturas. O segundo caso abordará o reforço de uma laje maciça de betão armado numa unidade industrial. Trata-se, neste caso, de uma estrutura recente, em que, após a construção, se verificou que as cargas que se pretendiam instalar iriam ser superiores às preconizadas em projecto. 2. CASO 1 ESTRUTURA PORTICADA NA GALP 2.1 Descrição sumária da estrutura A estrutura de betão armado que foi alvo de reabilitação, datada de 1973, possui cerca de 13,60m de altura e executa o suporte da coluna metálica denominada T-3001 que tem cerca de 48,0m de altura. A estrutura é executada em betão armado (B300 e A40T segundo especificação do projecto) e é constituída por duas plataformas octogonais em anel situadas a níveis diferentes, apoiadas em 8 pilares de secção quadrada. Da Figura 1 à Figura 3, apresentam-se fotografias gerais da estrutura que permitem o seu melhor entendimento

3 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais 3 Figura 1: Vista geral da coluna T-3001 Figura 2: Vista geral da estrutura de betão de apoio da coluna T-3001 Figura 3: Vista da 1ª e 2ª plataformas Os pilares possuem secção de 0,60x0,60m 2, com uma distância perpendicular entre faces de pilares opostos de cerca de 6,0m e estando alinhados pela face exterior das plataformas. A 1ª plataforma é executada por uma viga com secção de 0,60x0,50m 2 que executa o travamento dos pilares e onde apoia uma laje em consola que serve de passadiço. A fundação, também de betão armado, tem dimensão em planta de 9,70x9,70m 2 e uma altura de 2,0m. A 2ª plataforma, que se situa a 13.6m do solo, é executada por uma viga com secção de 1,35x1,80m 2 que dá apoio à coluna T-3001 e que, por redução da sua secção, encaixa na zona oca da estrutura cerca de 9,0m. O apoio da coluna metálica na viga é efectuado através de ligação flangeada com conectores metálicos chumbados na viga de betão e que se encontram recobertos por uma saia de betão antifogo de protecção. Apresentam-se na Figura 4 e Figura 5 os desenhos de projecto dos níveis da 1ª (N1) e 2ª (N2) plataformas. Figura 5: Planta ao nível da 1ª plataforma Figura 6: Planta ao nível da 2ª plataforma

4 4 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais A coluna metálica que, em situação de ensaio hidrostático (enchimento máximo) pesa cerca de 1. ton, contém petróleo bruto e seus destilados a elevadas temperaturas, existindo uma saia de protecção em betão antifogo que envolve a coluna ao nível da 2ª plataforma na zona de ligação da coluna à viga de betão. Medições de temperaturas efectuadas por técnicos da Galp indicaram que as temperaturas médias são de 80ºC na zona do betão antifogo da saia da coluna, de 220ºC na boca da saída Sul e de 50ºC na 2ª plataforma. Salienta-se, ainda, que, do ponto de vista operacional, esta coluna faz a destilação do petróleo bruto e que a sua paragem de funcionamento acarretaria a paragem de parte do complexo, a qual se traduziria em elevadas perdas económicas por não-produção. Na Figura 7 e na Figura 8 apresentam-se um corte vertical da estrutura retirado dos elementos de projecto de betão armado e uma vista do modelo tridimensional da estrutura efectuado no decorrer deste estudo. Figura 7: Estrutura de betão de apoio à coluna T-3001 Figura 8: Modelo 3D da estrutura de betão armado 2.2 Patologias observadas e respectivas causas A estrutura de betão armado de apoio da coluna T-3001, actualmente com cerca de 40 anos, inserida num ambiente industrial agressivo e localizada em zona costeira, apresentava à data da inspecção uma grave degradação estrutural da qual se destacam: a existência de fissuração longitudinal e radial na viga do nível N2 que executa o apoio da coluna metálica. Uma das fissuras verticais possuía já abertura preocupante e, em algumas fissuras longitudinais, era possível observar o destacamento de betão e a delaminação de armaduras; a existência de fissuração longitudinal, vertical e radial generalizada nas vigas e lajes que executam as plataformas, com destacamento de betão e delaminação de armaduras;

5 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais 5 a existência de fissuração generalizada nos pilares junto à linha das armaduras longitudinais, potenciando o destacamento do betão de recobrimento e a corrosão de armaduras. Adicionalemente, refere-se que a análise do levantamento topográfico fornecido pela Galp mostrou que poderiam estar a ocorrer deformações importantes na estrutura de betão, principalmente ao nível da viga N 2. Neste contexto, é de notar que estes movimentos da estrutura de betão poderiam originar fugas de hidrocarbonetos a altas temperaturas sobre as ligações flangeadas das tubagens à coluna T Tendo sido efectuado um levantamento das avarias estruturais, apresentam da Figura 9 à Figura 12 alguns exemplos das avarias observadas. Figura 9: Fissura vertical na face exterior da viga do nível 2 Figura 10: Fissuração da viga com indícios de corrosão de armaduras. Vista de N1 para N2 Figura 11: Fissuração radial generalizada na face superior da viga Figura 12: Fissuração vertical na face lateral da viga

6 6 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais 2.3 Avaliação da capacidade resistente face às acções directas A avaliação da capacidade resistente da estrutura face às acções directas foi efectuada considerando 3 combinações de acções correspondentes às situações mais desfavoráveis para os pilares. Desta análise foi possível concluir que os pilares apresentavam uma substancial reserva de segurança (avaliada de acordo com a regulamentação), mesmo para a situação mais condicionante [1]. Atendendo a que os pilares não apresentavam danos responsáveis por uma significativa diminuição da sua capacidade resistente, e considerando a reserva de segurança anteriormente referida, não se considerou necessário orientar a solução de reforço no sentido de aumentar a capacidade resistente dos pilares. De forma a assegurar a durabilidade e a manutenção da segurança estrutural, optou-se pela reabilitação global do betão e das armaduras dentro das condicionantes existentes e por garantir o confinamento da estrutura no nível N2. Salienta-se que, no estudo da estrutura de confinamento, o efeito da variação de temperatura é um dos factores mais relevantes no seu comportamento. 2.4 Proposta e execução do reforço global da estrutura de betão armado Tendo em consideração as necessidades de reabilitação da estrutura de betão armado e face à impossibilidade de se parar, por período prolongado, o funcionamento da coluna metálica à qual estão ligadas inúmeras linhas, foram analisados e ponderados os dados obtidos da inspecção visual, da monitorização topográfica e da análise numérica de modo a decidir a intervenção global de reforço e o respectivo faseamento de execução. A reabilitação do betão armado foi efectuada de acordo com os procedimentos usuais, tendo-se dado particular atenção à viga do nível N2 onde esta reparação foi efectuada por tramos entre pilares e com a estrutura de confinamento já colocada, uma vez que existiam fissuras verticais importantes que poderiam originar o seu desconfinamento com a consequente perda de estabilidade da coluna metálica. A solução de confinamento consistiu na execução de uma estrutura metálica constituída por um conjunto de 6 tirantes perimetrais com diâmetro 32 que envolvem a viga do patamar do nível N2 na sua face exterior e que, por acção de aperto prévio, lhe conferem um confinamento lateral. Esta estrutura tem configuração octogonal, sendo o aperto dos tirantes efectuado em peças metálicas colocadas no alinhamento dos pilares (ver Figura 13 à Figura 16). Adicionalmente, foram colocados 9 pernos 20 na secção transversal de cada tramo da viga que realizam o aperto das suas faces laterais, estabilizando a fissuração longitudinal. Esta solução foi adoptada pela impossibilidade da substituição de estribos, facto que obrigaria à picagem de betão na zona de apoio da coluna. Note-se que a referida fissuração longitudinal que ocorre junto ao eixo da viga, na zona de apoio da coluna metálica, dá-se numa zona de fissuração preferencial, dadas as disposições construtivas da armadura transversal que se podem observar na Figura 17. Na face interior da viga de betão, estes varões 20 foram fixados por chapas com rosca incorporada. Quanto à reabilitação dos pilares, adoptou-se a

7 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais 7 aplicação de uma estrutura de cintagem em cantoneiras e barras após a remoção do betão degradado e a reposição da sua secção com um microbetão. A B Pormenor 3 PILAR 182x32 Ø32 Ø32 A Pormenor 2 Pormenor 1 Figura 13: Solução geral de confinamento 150x32 x15 M16 150x32 Figura 14: Pormenor 1 alçado 257 Barra x15 Ø x32 PILAR 182x Barra x15 Ø32 Ø32 Ø x x Barra x15 Ø20 PILAR PILAR Figura 15: Pormenor 1: planta Figura 16: Pormenor 2: alçado

8 8 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais Zona da coluna metálica Ø12 a Ø20/nível Figura 17: Corte transversal da viga do nível N2 com indicação da disposição de armaduras existentes e das armaduras de reforço 2.5 Faseamento de obra e tipos de ligação A importância das ligações neste tipo de obras de reabilitação é fundamental de modo a garantir um bom funcionamento de conjunto da estrutura. As ligações utilizadas nesta obra (mecânicas, por injecção, ou por colagens com resinas epoxy) encontram-se descritas junto ao faseamento da obra que foi condicionado pelas altas temperaturas que se faziam sentir na plataforma de trabalho N2. Salienta-se, ainda, que as diversas estruturas metálicas colocadas em obra foram executadas em aço inox 316L. De uma forma geral, a execução da obra, que foi sendo monitorizada quer topograficamente, quer com a colocação de fissurómetros na estrutura, contemplou então as seguintes fases: Reforço dos pilares através de um confinamento efectuado com cantoneiras e barras de aço inox. Este reforço foi executado após terem sido terminados os trabalhos de reconstituição da secção degradada, por vazamento de microbetão. Montagem de estruturas em aço inox para confinamento da viga do nível N2, dispostas sobre cada um dos pilares, de acordo com o especificado em projecto. Foi dado um aperto inicial mínimo aos tirantes Ø32 que estabeleceu a ligação entre cada uma destas estruturas, para que estas não se deslocassem e estabelecessem uma cintagem estrutural na viga do nível N2 enquanto decorriam as operações de reabilitação de betão sobre este elemento (Figura 14 a Figura 16).

9 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais 9 Picagem e remoção do betão degradado e preenchimento das fendas verticais da viga de betão do nível N2 por injecção e vazamento de microbetão. Reabilitação do betão da viga do nível N2 nas faces laterais e inferior. Esta tarefa incluiu os trabalhos de picagem do betão degradado, tratamento de armaduras, refechamento das fissuras e injecção com caldas com cimento expansivo não retráctil. Reabilitação do betão da viga do nível N2 na sua face superior, desenvolvendo-se os trabalhos já referidos nos pontos anteriores. Esta tarefa obrigou à demolição da saia antifogo que envolve a coluna T-3001, na sua ligação com a viga do nível N2, até ao plano vertical que contém os pernos metálicos que estabelecem a sua ligação com a viga de betão, devido à existência de uma chapa metálica que impossibilitava o trabalho. Assim, apenas foi realizado o tratamento do betão na zona exterior ao plano vertical dos pernos metálicos. Dado algumas das armaduras longitudinais e estribos serem de difícil substituição por implicarem a picagem na zona de apoio da coluna, para além da colocação dos 3Ø20 em 3 diferentes níveis que cosem transversalmente a viga do nível N2, as operações de recuperação nesta viga foram efectuadas de acordo com o esquema já apresentado na Figura 17. Execução da furação transversal na viga de betão do nível N2 para colocação dos tirantes Ø20 em aço inox. Na face interior da viga de betão, estes foram fixados por chapas 200x200x15mm com rosca incorporada. Aplicação das barras horizontais x15mm de ligação entre as estruturas de aço inox sobre os pilares e respectivos trabalhos de soldadura e fixação com parafusos M16. Aperto dos tirantes transversais Ø20 e respectiva selagem. Aperto final dos tirantes Ø32 em aço inox para a força de estiramento preconizada em projecto, seguindo um processo iterativo baseado na medição das acelerações da zona central de cada troço de tirante entre dois apoios fixos através de acelerómetros colocados nos tirantes. Mediante a análise dos registos de aceleração, obteve-se a frequência do modo de vibração fundamental de cada troço de tirante, a qual se relaciona com a tensão instalada. Colagem estrutural de todas as estruturas em aço inox com recurso a resinas epoxy. Pintura da estrutura de forma a dar-se uma protecção adicional ao betão face aos agentes atmosféricos. Da Figura 18 à Figura 35, apresentam-se algumas das fases da obra aqui descritas, não necessariamente pela ordem apresentada. Refere-se ainda que, sendo a acção da temperatura uma acção importante na estrutura, foram introduzidos nas zonas de betão reparado da viga do nível N2 2 sensores de deformação (transversal e longitudinal) e 2 de temperatura (intradorso e extradorso da viga), todos baseados nas redes de Bragg, que permitem obter um registo contínuo da evolução da estrutura.

10 10 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais Figura 18: Limpeza do betão degradado das zonas com fissuração Figura 19: Limpeza do betão degradado das zonas com fissuração. Monitorização das fissuras Figura 20: Pernos de ligação da coluna T-3001 à viga N2 já sem a saia de betão antifogo Figura 21: Pormenor da figura anterior. Rotura de armaduras Figura 22: Remoção do betão degradado de parte da face superior da viga de N2 Figura 23: Pormenor da corrosão e delaminação das armaduras

11 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais 11 Figura 24: Execução de molde da peça de confinamento da estrutura Figura 25: Peça de confinamento colocada e tirantes apertados a um nível inferior para permitir os trabalhos de remoção e reparação do betão e reposicionamento de armaduras Figura 26: Pormenor das novas armaduras Figura 27: Pormenor de colocação de estribos Figura 28: Linhas de nafta a alta temperatura ainda sem isolamento térmico junto aos tirantes Figura 29: Pormenor dos varões Ø20 que cosem transversalmente a viga

12 12 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais Figura 30: Injecção de fendas e colocação dos tirantes Ø20 transversais à viga Figura 31: Pormenor do aperto dos tirantes Ø20 pelo interior da viga. Injecção das fissuras Figura 32: Reforço de pilares com cantoneira e barra de aço inox Figura 33: Vista geral de pilares e viga do nível N2 Figura 34: Colocação de acelerómetros Figura 35: Vista geral de um acelerómetro

13 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais CASO 2 REFORÇO DE UMA LAJE DE BETÃO ARMADO AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA, CONCEPÇÃO E EXECUÇÃO O edifício em estudo neste segundo caso constitui uma ampliação das instalações de uma unidade industrial, correspondendo a um novo corpo que apresenta uma implantação aproximadamente rectangular, com dimensões de cerca de 50m numa direcção e 45m na outra. O presente estudo refere-se ao reforço do pavimento do piso 0 (laje Lm1) associado às novas sobrecargas que se pretendem instalar na zona de armazém. As juntas de dilatação existentes definem 3 zonas da laje referenciadas por Zona A (zona de armazém), Zona B (zona do cais de carga) e por Zona C. A laje Lm1 é materializada por uma laje maciça em betão armado, com uma espessura de m, apoiando-se em vigas de secção rectangular com dimensões variadas e, na sua periferia, em muros de contenção de betão armado, com espessuras de 25 ou 30 centímetros consoante a zona em que estes se inserem. Na Zona A, a laje Lm1 apresenta um comportamento de laje contínua unidireccional com 4 vãos iguais de cerca de 5.0m e um vão extremo de 2.8m. Na Zona B e na Zona C, a laje Lm1 tem dois tramos de 5.0m de vão que estão em continuidade com uma laje aligeirada de vigotas pré-esforçadas. As vigas de betão armado que servem de apoio à laje Lm1 apresentam secções de largura variável (entre 0.25m e 0.50m) e uma altura constante de 0.50m. Na Zona A e na Zona B, as vigas desenvolvem-se em 6 tramos contínuos de cerca de 5.0m de vão. Na zona C, as vigas em análise, com 2 e 3 tramos contínuos, apoiam-se nos pilares interiores e num dos muros. A generalidade dos pilares que constituem os apoios intermédios das vigas são pilares de betão armado de secção circular com 0.35m de diâmetro. 3.1 Avaliação de segurança A análise estrutural efectuada teve como principal objectivo a avaliação de segurança da laje Lm1 do piso 0 do edifício em estudo, não se tendo efectuado portanto a análise estrutural global do edifício. Contudo, a análise contemplou os aspectos relevantes associados ao funcionamento estrutural da laje, bem como todos os elementos estruturais a ela associados. Refira-se a este propósito que a estrutura da cobertura não foi considerada no modelo numérico, tendo sido consideradas unicamente as acções transmitidas pelos pilares à estrutura de betão armado. Na análise e verificação de segurança da estrutura foram adoptadas as disposições definidas na regulamentação nacional aplicável e em vigor e na regulamentação europeia, nomeadamente no que respeita aos procedimentos de verificação de segurança, à quantificação das acções e às combinações de acções de Estados Limite Últimos e Estados Limite de Serviço. As acções contabilizadas nas verificações efectuadas consistiram, para além das cargas permanentes (peso próprio dos elementos estruturais, peso dos revestimentos e paredes divisórias), nas sobrecargas aplicáveis ao edifício em estudo, tendo sido estudados 3 cenários distintos: cenário de sobrecargas de projecto; cenário de sobrecargas Eref.01, correspondendo a um ligeiro aumento no seu valor em relação aos valores de projecto; e cenário Eref.02,

14 14 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais correspondendo a um aumento significativo do valor das sobrecargas, sendo este o cenário correspondente às necessidades definidas pelo dono de obra. A avaliação da segurança foi baseada nos resultados obtidos do modelo numérico analisado com o programa de cálculo automático SAP2000 v10. O modelo numérico global utilizado na análise consistiu num modelo tridimensional da estrutura que utiliza elementos de barra para a simulação de pilares e vigas, e elementos finitos (elementos de casca) na simulação das lajes. A análise efectuada com este modelo foi baseada numa análise linear elástica considerando-se em geral a rigidez dos elementos definida a partir do módulo de elasticidade inicial do betão. Apresenta-se na Figura 36 uma representação do modelo de cálculo utilizado onde são ainda identificadas as diferentres zonas da laje Lm1. Salienta-se, ainda, que na avaliação da segurança foram igualmente utilizados modelos parcelares para a análise da laje e que consistiram em modelos de viga contínua. Atendendo a que a disposição de armaduras dos painéis rectangulares das lajes corresponde a um funcionamento essencialmente numa direcção, foi adoptada, nestes painéis, uma rigidez diferente em cada uma das direcções, de forma a atender-se à direcção principal de funcionamento da laje e à correspondente distribuição das armaduras. Para a análise detalhada da laje, foram considerados ainda no modelo de cálculo os efeitos da fendilhação associada aos momentos flectores negativos nas zonas de apoio da laje. Zona C Zona B Zona A Figura 36: Vista do modelo numérico e identificação das diferentes zonas da laje Lm1 Do ponto de vista da verificação de segurança, os resultados obtidos indicam [2]: A segurança estrutural foi apenas condicionada pelos resultados das análises para os Estados Limite Últimos (ULS); Com base nos diferentes cenários de carga analisados, observou-se que a zona B da laje Lm1 não cumpria as condições de segurança para o cenário de carga Eref.02, havendo, portanto, necessidade de proceder ao seu reforço; Relativamente às vigas, verificou-se a necessidade de reforçar a capacidade em flexão de algumas vigas da Zona A, bem de reforçar a capacidade ao corte de algumas vigas da Zona B;

15 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais 15 No que respeita os pilares, a verificação de segurança foi efectuada com base na avaliação da sua capacidade resistente em flexão desviada com compressão, não tendo sido sendo observadas deficiências de segurança nestes elementos para os cenários de carga analisados; Em relação às sapatas, a análise de segurança foi efectuada com base nas características definidas em projecto tendo em vista avaliar o nível de tensões instaladas no terreno e avaliar a sua segurança estrutural em relação ao punçoamento e às armaduras inferiores. Observou-se que, para os cenários de carga admitidos, a segurança estrutural é verificada em todas as sapatas, salientando-se que os valores de cálculo máximos da tensão no terreno (sempre inferiores a 350kPa) são aceitáveis para a generalidade dos terrenos de fundação com características médias. 3.2 Medidas de reforço estrutural Após a identificação dos elementos estruturais que não cumprem as condições de segurança para o cenário de carga designado por Eref.02, no qual foram definidas as acções para a zona de armazém e de cais de carga que se pretende instalar, foram equacionadas as medidas de reforço estrutural a tomar, no sentido de se proporcionar a funcionalidade para o nível de carga estabelecido, garantindo-se as adequadas condições de segurança. Relativamente à Zona B onde se verificou-se a necessidade de reforço, a solução adoptada consistiu na: Colocação de perfis metálicos (HEB) na direcção de funcionamento da laje em todos os alinhamentos dos pilares. Estes perfis são posicionados na face inferior da laje e fixados na zona superior dos pilares por intermédio de elementos metálicos. Os perfis metálicos servem de apoio à laje Lm1, passando esta laje a ter um funcionamento nas duas direcções, formando painéis de laje de 5.0x5.0m 2 ; Colocação de uma malha de armadura e aplicação de uma camada de cerca de 6,5cm de betão projectado na face inferior da laje, constituindo esta solução num aumento da armadura inferior da laje (colocando armadura nas duas direcções) e num aumento da espessura. As armaduras a incorporar foram amarradas aos perfis HEB e ancoradas à laje através de ligadores metálicos. Em relação ao reforço das vigas da Zona e da Zona B, a solução adoptada consistiu na: Colocação de cantoneiras metálicas nos vértices inferiores em todo o desenvolvimento das vigas. Estas cantoneiras são ligadas a barras, também metálicas, dispostas na vertical em cada face lateral das vigas. Este sistema de reforço, confere um aumento de resistência em relação aos momentos flectores positivos, traduzindose por um aumento da capacidade de carga destas vigas. 3.3 Reforço estrutural Com vista a determinar os esforços de cálculo com maior rigor de modo a proceder ao dimensionamento dos elementos de reforço [3], foram desenvolvidos 2 modelos de cálculo,

16 16 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais com base no modelo previamente utilizado, para a verificação de segurança. Cada um destes modelos permitiu avaliar os esforços instalados na estrutura em duas fases distintas: o primeiro modelo (R1), sem qualquer estrutura de reforço, permitiu avaliar as cargas actualmente na laje Lm1 e nas respectivas vigas de apoio após a sua execução, ou seja, ainda sem quaisquer sobrecargas instaladas; o segundo modelo (R2), semelhante ao primeiro mas agora considerando a introdução dos elementos de reforço (perfis metálicos HEB) e as suas implicações no funcionamento estrutural, permitiu avaliar o acréscimo de esforços provocado pela actuação das restantes cargas necessárias para completar os cenários de Estados Limite Últimos. Refira-se que nos 2 modelos foram considerados os efeitos da fendilhação associada aos momentos flectores negativos nas zonas de apoio da laje, à semelhança do efectuado no modelo usado para a verificação de segurança. Adicionalmente, salienta-se que a concepção estrutural do reforço dos diferentes elementos teve em especial atenção os aspectos associados à definição e à execução da ligação entre os elementos estruturais existentes e os novos elementos que compõem o reforço, de modo a potenciar o seu funcionamento em conjunto Reforço da laje Numa primeira fase foram avaliados os esforços instalados na laje após o reforço (modelo R2), de modo a determinar quais os perfis metálicos HEB a colocar. Verificou-se que a escolha destes perfis não era condicionada pelo seu dimensionamento, já que qualquer que fosse o perfil escolhido possuiria capacidade de suportar os esforços instalados, mas sim por questões de rigidez relativa em relação à laje, pois perfis metálicos muito flexíveis não desempenhariam a sua função de apoio de uma forma eficaz. Para que o funcionamento bidireccional da laje fosse o desejado, os perfis a introduzir teriam de ser suficientemente rígidos para sofrer deformações pequenas. A escolha do perfil ficou então condicionada à altura aparente das vigas de betão armado, já que não se pretendia que a altura útil do piso diminuísse com a execução do reforço. Assim, os perfis escolhidos foram HEB300. A Figura 37 mostra um desenho de pormenor dos perfis e da sua fixação a uma viga de betão armado existente. Quanto ao reforço da laje por via da introdução de armadura inferior suplementar, esta foi dimensionada para a soma dos esforços obtidos através dos dois modelos (R1 e R2), contabilizando a contribuição da armadura já existente. Note-se que a malha de armadura é quadrada, possuindo os mesmos varões nas duas direcções perpendiculares (Figura 38).

17 Barra 50x6 L60x B ar r a 50x U N P 65 U N P 65 B ar r a 50x6 B ar r a 50x6 B ar r a 50x6 B ar ra 50x6 Barra 50x L60x B ar r a 50x6 Ø 10//0. 20 (L= 4.40) + Ø 8//0. 20 (L =4.00) Ø 10// + Ø 8//0. 20 (L =4.00) B ar ra 50x6 L60x U N P 65 Ø 10//0. 20 (L= 4.40) + Ø 10//0.20 ( L=4.00) U N P 65 Ø 10// + Ø 10//0.20 ( L=4.00) U N P Barra 50x U N P 65 L60x U N P U N P 65 Barra 50x6 300 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais 17 Armaduras existentes da viga PISO 0 4 Varões roscados M Porcas M Anilhas Ø22 - Aço HEB300 Chapa 25x300x300 4 Furos Ø Chapa 25x300x300 4 Furos Ø22 Figura 37: Pormenor da ligação dos perfis HEB300 à viga V2 HEB300 - V IGAS E XISTENTE S C/RE FORÇO METÁLICO PAINÉIS DAS LAJES AA F - PAINÉIS DE LAJE A REFORÇAR. Armadura inferior de reforçr: #Ø10//+Ø8//. B etonagem c/betão Projec tado (6,5cm) PAINÉIS DAS LAJES A' A F' Porm. 5. Armadura inferior de reforço: #Ø10//0.10. B eton ag em c/betã o Proj ec tado (6,5cm) Porm. 4 C A B D E F H E B 300 H E B 300 H E B 300 H E B 300 H E B 300 H E B 300 H E B 300 H E B 300 H E B 300 H E B 300 RV TIPO 2 D' A' B' C' E' F' RV TIPO 3 Porm. 3 Porm. 2 Figura 38: Planta da zona B (zona do reforço) da laje Lm1 No que respeita à verificação ao esforço transverso nas lajes, concluiu-se que a colocação dos perfis metálicos HEB300, pelo efeito de desvio das cargas instaladas em duas direcções ortogonais, faz com que se verifique a segurança face ao esforço transverso em Estado Limite Último. Esta verificação foi efectuada de uma forma conservativa, sem a contribuição do reforço com betão projectado, ou seja considerando-se a altura da laje existente de 20cm Reforço das vigas A solução de reforço adoptada para as vigas resulta na execução de uma estrutura metálica em barras e perfis de aço estrutural S275. O dimensionamento das cantoneiras de reforço, face aos

18 18 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais esforços de flexão, permitiu obter a área de aço adicional necessária para resistir aos momentos totais aplicados na secção. Na Figura 39 apresenta-se um caso genérico, onde estão representadas: (a) a secção com as armaduras existentes assinaladas a azul e as cantoneiras de reforço assinaladas a vermelho; (b) o diagrama de extensões da secção, onde se assinalam as extensões das duas armaduras (existente e de reforço) com as cores em correspondência; (c) as forças internas que equilibram os momentos totais calculados com recurso aos modelos R1 e R2. Fc As As,r εs εs,r Fs Fs,r Figura 39: Esquema de uma secção tipo de uma viga com indicação dos parâmetros que intervêm no equilíbrio da mesma Quanto ao reforço ao esforço transverso, este foi conseguido através da colocação de barras metálicas (S275) verticais junto às faces laterais das vigas, funcionando assim como armadura de corte suplementar. No caso das vigas que não necessitavam de reforço para este tipo de esforços, estas barras foram dimensionadas de modo a transmitir à viga de betão as forças instaladas nas cantoneiras de reforço de flexão, não se tendo considerado, de modo conservativo, a aderência na transmissão destes esforços. Na Figura 40 apresenta-se um corte de uma das vigas com a indicação dos elementos tipo utilizados no reforço. Varões roscados M (afastados de 300mm) Porcas M20-8 Anilhas Ø22 - Aço PISO UNP UNP 65 Barra 50x6 181 Barra 50x = = L60x6 Barra 50x L60x6 500 Figura 40: Esquema do reforço tipo das vigas de betão armado

19 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais Execução A execução do reforço da estrutura seguiu um faseamento pré-definido [2], concebido de modo a optimizar o tempo de execução. Após a preparação e aprovisionamento dos materiais, incluindo as soldaduras e a preparação das superfícies dos elementos metálicos (Figura 41 e Figura 42), foi feita a detecção dos estribos nas vigas a reforçar (Figura 43), e a sua respectiva marcação, de modo a evitar que as furações para a fixação dos elemento metálicos de reforço os interceptassem. Foi também feita a decapagem da face inferior da laje com jacto de areia, de modo a conferir à superfície uma maior rugosidade e melhorar a aderência entre o betão projectado e esta superfície. Figura 41: Estruturas de reforço das vigas Figura 42: Perfis metálicos HEB300 Figura 43: Detecção das armaduras de uma das vigas De seguida foram efectuadas as furações nas vigas para a fixação dos perfis UNP (Figura 44), onde as estruturas de reforço da Figura 41 viriam a ser soldadas. Ao mesmo tempo, foram efectuadas as furações da laje para a colocação das fixações dos perfis e dos grampos conectores da laje existente ao betão projectado (Figura 45). Figura 44: Furações numa das vigas Figura 45: Execução das furações na laje Posteriormente foram colocados os perfis metálicos HEB300 (Figura 46) e devidamente fixados às vigas e à laje (Figura 47)

20 20 SIRR09 Seminário Internacional de Reforço e Reabilitação Ligações Estruturais Figura 46: Colocação de um perfil metálico HEB300 Figura 47: Perfis soldados às chapas de testa e fixados à viga de betão armado Após a fixação dos perfis HEB300, foram colocados os perfis UNP nas faces das vigas (Figura 48). Na zona B, onde se iria proceder à projecção de betão, as armaduras de espera que fariam a amarração com os varões de reforço a colocar encontravam-se já soldadas a estes perfis. Nesta zona foram também fixados à laje os grampos que fazem a sua conexão com o betão projectado (Figura 49). Figura 48: Colocação dos perfis UNP Figura 49: Grampos de conexão Seguidamente, foram colocados os elementos de reforço das vigas, tendo sido devidamente soldados aos perfis UNP (Figura 50). Após a sua colocação, foi efectuada a selagem de todos os elementos metálicos de reforço, incluindo os perfis HEB300 e os grampos colocados na face inferior da laje. Depois foi montada a armadura inferior de reforço da laje (Figura 51), encontrando-se a estrutura preparada para a projecção do betão, com todos os elementos existentes devidamente protegidos. Finalmente, foi efectuada a projecção de betão (Figura 52) e foram consumados os acabamentos das superfícies e pintura dos elementos metálicos (Figura 53).

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR António Costa REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR Aplicação Alteração do sistema estrutural Aumento da capacidade resistente Correcção do comportamento em serviço Exemplos

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES EXEMPLO DE APLICAÇÃO Carlos Moutinho FEUP, Maio de 2002 1. Dados Gerais - Laje destinada a zona comercial (Q = 4 kn/m 2 ) - Peso de revestimentos e paredes

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 2 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 ÍNDICE Introdução....................................................... 2 Características mecânicas dos diferentes materiais das lajes mistas...... 3 Condições de apoio................................................

Leia mais

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas Tiago Ilharco * tiagoid@fe.up.pt Luís Martins Luís.martins@parque-escolar.min-edu.pt Esmeralda

Leia mais

A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação.

A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação. INTRODUÇÃO A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação. Cada vez mais os diferentes tipos de estrutura ganham

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas António Costa Avaliação do Estado da Estrutura Objectivos: Definir o tipo e as causas da deterioração Definir o nível de deterioração Prever

Leia mais

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA Vitor C. França a, André A. Machado 2 b, Ângela S. Rodrigues 3 c e Hugo M. Sousa 4 d a Director de Projecto, TRIEDE S.A. b,c,d Chefe de

Leia mais

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE LIGAÇÕES ESTRUTURAIS REFORÇO DE ESTRUTURAS E ESTRUTURAS MISTAS LIGAÇÕES ENTRE DIFERENTES MATERIAS ESTRUTURAIS LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS ENG. TIAGO ABECASIS

Leia mais

LAJE MISTA PERFIL H60

LAJE MISTA PERFIL H60 LAJE MISTA PERFIL H60 JUL2013 05 EMPRESA 05 POLÍTICA DE QUALIDADE 06 INTRODUÇÃO 07 08 PERFIL H60 LAJES MISTAS 10 TABELAS DE CÁLCULO 12 13 16 19 22 EXEMPLO H60 0.7 mm H60 0.8 mm H60 1.0 mm H60 1.2 mm 25

Leia mais

TÓPICO 2 Reabilitação e Reforço das Estruturas

TÓPICO 2 Reabilitação e Reforço das Estruturas TÓPICO 2 Reabilitação e Reforço das Estruturas Inspecção, Diagnóstico e Reforço de coberturas antigas de madeira. O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas Ilharco, T. 1,a, Paupério, E. 2,b, Costa,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA

CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA A Intervenção no Património. Práticas de Conservação e Reabilitação 173 CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA ESMERALDA PAUPÉRIO Engenheira IC-FEUP ANÍBAL COSTA Engenheiro Prof.

Leia mais

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Inspecções e ensaios não destrutivos em pontes localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Duarte Abecasis, Tiago Ribeiro OZ, Lda. Ambientes agressivos

Leia mais

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Tipos de Fundações Técnicas de Reforço Técnicas de Execução de Caves Casos Práticos Considerações Finais Tipos de Fundações

Leia mais

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE:

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 295-51 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: www.salemoemerca.pt - email: geral@salemoemerca.pt MATRICULADA

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas António F. M. Oliveira 1, Paulo B. Lourenço 2 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058

Leia mais

Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores

Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores Aníbal Costa Professor Associado da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Porto,

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais

Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento

Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento Hugo Daniel Pereira Fernandes Relatório n.º 5 FLAT Comportamento de Lajes Fungiformes

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 1 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH Rodolfo Amaro Junho de 2006 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objectivo o estudo do sistema construtivo de Muros de Terra Armada, designadamente o sistema Terramesh.

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS

ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS Travamentos e Contraventamentos Estruturas de Coberturas Elementos Principais vencem o vão Elementos Secundários Exemplo: Planta geral da cobertura Planta da cobertura

Leia mais

Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra

Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra António Costa 1 Nuno Travassos 2 Júlio Appleton 3

Leia mais

RECUPERAÇÃO DO PALÁCIO SOTTO MAYOR ESCAVAÇÃO, CONTENÇÃO E RECALÇAMENTO. Recuperação do Palácio Sotto Mayor em Lisboa

RECUPERAÇÃO DO PALÁCIO SOTTO MAYOR ESCAVAÇÃO, CONTENÇÃO E RECALÇAMENTO. Recuperação do Palácio Sotto Mayor em Lisboa RECUPERAÇÃO DO PALÁCIO SOTTO MAYOR ESCAVAÇÃO, CONTENÇÃO E RECALÇAMENTO ÍNDICE Introdução Principais Condicionamentos Soluções Adoptadas Plano de Instrumentação e Observação Considerações Finais Palácio

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm www.geoplast.it ELEVETOR O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm ELEVETOR é um sistema combinado de cofragens

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

INTERVENÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA NA REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO TEATRO LETHES

INTERVENÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA NA REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO TEATRO LETHES Carlos A. P. Martins Área Departamental de Engenharia Civil EST/UAlg José Paulo Costa s.t.a.p. S.A. INTERVENÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA NA REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO TEATRO LETHES 1. Introdução

Leia mais

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente www.ferca.pt Pré-esforço Aderente Princípios O sistema T TM tension technology foi desenvolvido no âmbito da criação de um conceito integrado de soluções na área do pré-esforço com aplicação em obras de

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA 8 DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS RELATIVAS A VIGAS PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais: betão e aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência

Leia mais

O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR

O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR 1 INTERVIR NAS 1. 2. TÉCNICAS REFORÇO 3. DISPOSITIVOS LIGAÇÃO Ã NIKER 4. MECANISMO COLAPSO. COLAPSO MÉTODO - ESTUDO CASO ESTUDO CASO O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR 1. INTERVIR

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

Estoril Sol Residence, Cascais

Estoril Sol Residence, Cascais Estoril Sol Residence, Cascais 1 O Conceito O Estoril Sol Residence situa-se na Avenida Marginal em Cascais. Está implantado nos terrenos do antigo Hotel Estoril-Sol. A opção arquitetónica desenvolvida

Leia mais

Gestão da Construção. Especificações, medições e regras de medição. Gestão da Construção

Gestão da Construção. Especificações, medições e regras de medição. Gestão da Construção Especificações, medições e regras de medição 2006/2007 PEÇAS DE PROJECTO PEÇAS ESCRITAS Na prática corrente, os elementos de um projecto classificam-se da seguinte forma: Peças escritas; Peças desenhadas.

Leia mais

N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS. Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues

N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS. Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues EDIÇÃO: CONSTRULINK PRESS Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

www.catari.net uma marca diferente.

www.catari.net uma marca diferente. www.catari.net uma marca diferente. cofragem modular perfeita! Com uma vasta gama de dimensões, permite solucionar todas as suas necessidades de cofragem vertical, em qualquer tipo de construção. O combro

Leia mais

NOVOS Webinários Arktec

NOVOS Webinários Arktec NOVOS Webinários Arktec Webinários Arktec Sugestões para os seus projetos Information Technology Solutions NOVOS Webinários U M Ú N I C O P R O G R A M A Arktec Tricalc é um único programa que calcula

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à instalação de tubagem e realização de ensaios em redes de colectores nos sistemas de drenagem de águas residuais domésticas. Tem por objectivo garantir a boa

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Pré-esforço em lajes de edifícios

Pré-esforço em lajes de edifícios Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Pré-esforço em lajes de edifícios Paulo Oliveira 1 João Vinagre 2 Bernardo Lôbo 3 RESUMO O principal objetivo do presente trabalho

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DADOS GERAIS: 1.1. Proprietário: Município de Estação/RS CNPJ: 92.406.248/0001-75 1.2. Obra: Cobertura Metálica da Escola Municipal de Ensino Fundamental Pedro Cecconelo 1.3. Local:

Leia mais

SISTEMA MONOLITE. O sistema Monolite tem homologação italiana (Certificato d`idoneita Técnica) emitida em 1985 pelo Instituto Giordianos.

SISTEMA MONOLITE. O sistema Monolite tem homologação italiana (Certificato d`idoneita Técnica) emitida em 1985 pelo Instituto Giordianos. SISTEMA MONOLITE 1. INTRODUÇÃO O sistema Monolite é um sistema de construção com elevado grau de pré-fabricação baseado na utilização de painéis de laje, parede e escada que incluem uma alma de poliestireno

Leia mais

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios ENEC 2011 Encontro Nacional de Engenharia Civil A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios João Appleton 21 de Maio de 2011 A sustentabilidade corresponde a um conceito recente que,

Leia mais

Pré-Fabricação na Itáliana: PAINEIS DE FECHAMENTO

Pré-Fabricação na Itáliana: PAINEIS DE FECHAMENTO Pré-Fabricação na Itáliana: PAINEIS DE FECHAMENTO Os fechamentos constituem a parte externa e visível da construção, sua interface com o espaço urbano e, em geral, com o meio ambiente. Ao propor a arquitetura

Leia mais

Técnicas de Demolições. Construções Antigas. Construções com Estrutura de Betão Armado

Técnicas de Demolições. Construções Antigas. Construções com Estrutura de Betão Armado UNIVERSIDADE DO ALGARVE INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 4 Demolições de Edifícios Técnicas de Demolições Construções Antigas Construções com Estrutura de Betão Armado 1 Construções

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4

Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4 Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4 Hugo Rodrigues 2008 1. Introdução Este documento tem por finalidade auxiliar a modelação tridimensional de estruturas de betão armado utilizando

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias

Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias Home Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias Introdução A versão Tricalc 7.2 oferece, entre outras novidades, uma apresentação

Leia mais

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus.

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus. Tutorial Tutorial FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and 01045-000 São Paulo - SP Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da

Leia mais

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 5 Remodelação de Edifícios Remodelação de Edifícios Património histórico ou arquitectónico; Novas necessidades funcionais;

Leia mais

Manual de Montagem. Seguidor SPH 4.0

Manual de Montagem. Seguidor SPH 4.0 Manual de Montagem Seguidor 1 - Montagem do Poste Colocação do Poste em Base de Betão (da responsabilidade do cliente). Orientar a furação do Poste, para passagem de cabelagem, o mais a Norte possível.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Manual Técnico Sistema Cobiax

Manual Técnico Sistema Cobiax Manual Técnico Manual Técnico Sistema Cobiax ÍNDICE INTRODUÇÃO AO SISTEMA COBIAX... 2 PORQUÊ UTILIZAR O SISTEMA COBIAX... 3 LAJE COBIAX versus LAJE MACIÇA... 3 LAJE COBIAX versus LAJE ALIGEIRADA... 3 IMPACTO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA Coimbra, Portugal, 2012 CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA Paula R. C. Lamego 1,2 *, Paulo B. Lourenço 2 1: GuITTS, Área Departamental de Engenharia Civil Instituto Superior de

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS

REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS P. Marques Eng. Mecânico Univ. Aveiro Aveiro, Portugal F. Teixeira-Dias Prof. Auxiliar Univ. Aveiro Aveiro, Portugal H. Varum

Leia mais

Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos

Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos TIAGO ANTÓNIO CARNEIRO CABRAL DE OLIVEIRA Outubro de 2013 Resumo Este trabalho pretende ilustrar o dimensionamento dos vários elementos

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

Estantes para picking

Estantes para picking M7 Estantes para picking Sistema de armazenagem de produtos para picking manual que segue o princípio homem a produto. Principais vantagens: - Possibilidade de armazenar produtos de carga média e grande.

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS P.880.0 de 20 REGISTO DE ALTERAÇÕES: Elaborado Verificado Aprovado EDIÇÃO DESCRIÇÃO Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade (Obra) Director Técnico Empreitada Data Criação (PA)

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA MELHORIA DO COMPORTAMENTO SISMICO DE EDIFÍCIOS

ESTRATÉGIAS PARA MELHORIA DO COMPORTAMENTO SISMICO DE EDIFÍCIOS ESTRATÉGIAS PARA MELHORIA DO COMPORTAMENTO SISMICO DE EDIFÍCIOS E CANSADO CARVALHO GAPRES SA Seminário Reabilitação Sísmica de Edifícios. GECoRPA/Ordem dos Arquitectos, Outubro 2011 OS SISMOS SÃO INEVITÁVEIS

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

REABILITAÇÃO DA ABÓBADA DA CAPELA-MOR DA IGREJA DE N.ª S.ª DA GRAÇA

REABILITAÇÃO DA ABÓBADA DA CAPELA-MOR DA IGREJA DE N.ª S.ª DA GRAÇA REABILITAÇÃO DA ABÓBADA DA CAPELA-MOR DA IGREJA DE N.ª S.ª DA GRAÇA J. MASCARENHAS L. BELGAS F.G. BRANCO Prof. Eng.ª Civil Prof. Eng.ª Civil Prof. Eng.ª Civil IPT IPT Univ. Lúrio Tomar; Portugal Tomar;

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

Outras Soluções Fichas de Aplicação

Outras Soluções Fichas de Aplicação Outras Soluções Fichas de Aplicação Cofragem Perdida Painel Perfurado Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros Suplementos de Soluções

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho. ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.pt 1 Mestranda e Bolseira de investigação do Departamento

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções: ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa

Leia mais

Pavimento Fichas de Aplicação

Pavimento Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Virocfloor Virodal Viroc Bruto Revestimento de Técnico Sons de Percussão Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

Murfor A IDEIA CONSTRUTIVA

Murfor A IDEIA CONSTRUTIVA Murfor Armaduras para alvenarias Segurança reforçada para: O empreiteiro O técnico O arquitecto O promotor A IDEIA CONSTRUTIVA M urfor Armaduras para alvenarias Trata-se de uma armadura préfabricada composta

Leia mais

COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS COM PAREDES RESISTENTES

COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS COM PAREDES RESISTENTES SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS COM PAREDES RESISTENTES M.T. BRAZ CÉSAR Assistente Instituto Politécnico de Bragança Bragança DANIEL V.

Leia mais