A METODOLOGIA UTILIZADA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NA MODALIDADE PROEJA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A METODOLOGIA UTILIZADA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NA MODALIDADE PROEJA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL /CAMPUS BENTO GONÇALVES ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL INTEGRADA À EDUCAÇÃO BÁSICA NA MODALIDADE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A METODOLOGIA UTILIZADA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NA MODALIDADE PROEJA Janete Bondan Orientador: Milene Vânia Kloss Bento Gonçalves

2 FICHA CATALOGRÁFICA B711m Bondan, Janete A metodologia utilizada no ensino da Língua Inglesa na modalidade PROEJA / Janete Bondan ; orientadora Milene Vânia Kloss. Bento Gonçalves, f. : il. Trabalho de conclusão (Especialização) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Curso de Especialização em Educação Profissional integrada à Educação Básica na Modalidade Educação de Jovens e Adultos, 2009, Porto Alegre, BR-RS. 1. Educação. 2. Educação profissional. 3. Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos. 4. PROEJA. 5. Língua Inglesa Metodologia Ensino PROEJA. 6. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves PROEJA. I. Kloss, Milene Vânia. II. Título. CDU 374.7:802.0 CIP-Brasil. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação. (Jaqueline Trombin Bibliotecária responsável - CRB10/979) 2

3 A METODOLOGIA UTILIZADA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NA MODALIDADE PROEJA Janete Bondan 1 Milene Vânia Kloss 2 Resumo: Percebe-se que a componente curricular de Língua Inglesa, embora tendo um papel importante no mercado de trabalho, ainda hoje é vista por alguns educandos como algo desnecessário e de difícil compreensão. Por isso este trabalho objetiva pesquisar como os educandos do Curso Técnico em Comércio, na Modalidade Proeja, vêem esta componente curricular e como ela é trabalhada, enfocando a metodologia de ensino. Quais são as expectativas destes educandos em relação aos conteúdos propostos, a metodologia adotada pelo professor e a questão do porquê aprender este idioma, qual a sua função no cotidiano de suas vidas, e ainda, como são trabalhadas as possíveis causas de desinteresse pelo idioma. Para a realização da pesquisa foi aplicado questionário com a turma 2007 em que os alunos puderam expor suas opiniões de maneira objetiva. A partir destas análises percebe-se que, mesmo diante das mais variadas causas que levaram a maioria dos educandos a retornar aos estudos depois de uma longa data, ainda assim há um interesse e uma busca pela aquisição do conhecimento, mesmo que em primeiro momento lhes parecesse como algo a ser inatingível ou de difícil compreensão. Diante da pesquisa realizada, a maioria dos educandos demonstrou interesse e motivação pelo idioma, uma vez que, estão conscientes da importância deste, em relação às exigências do mercado de trabalho e também por estarem satisfeitos com o método de ensino adotado pela docente da disciplina bem como, diante dos com conteúdos propostos, sendo que participam efetivamente das atividades propostas, as quais na maioria das vezes, relaciona-se com o cotidiano de suas vivências, tornando as aulas mais atrativas. Palavras chave: Metodologia, Ensino, PROEJA 3, Educador, Educando Abstract: Although the English Language has an important role in the job market, it is possible to realize that lately it has been seen by some students as unnecessary or difficult to understand. This article is a study about the way the students see this subject and the way it is being developed, focusing the teaching methodology. It tries to understand the group s expectation towards the contents and the methodology. In addition, this work also investigates the reasons that makes this students learn English; what importance does it have in their lives, and how does the teacher deal with the some students lack of interest. This research was based on a questionnaire in which students could show their opinions. Although the students were not attending school for a long time, it was possible to realize that there was a big interest for the pursuit of knowledge. In certain moments the students seemed to have some difficulties in understanding the subject, but most of the students demonstrated interest and motivation for the idiom. They were aware about the importance of the language for the job market requests. Besides they were satisfied with the teaching methodology adopted by the teacher as well as with the contents approached. Most of the times the proposed activities had a relation with their everyday life experiences, which made the classes more interesting. Key words: Methodology, Teaching, PROEJA 4, Teacher, Student 1 Bacharel em Secretária Executiva Bilíngue - UCS Licenciatura Plena em Língua Inglesa - UNISC - Magistério à nível de 2º Grau para as séries iniciais do ensino fundamental. 2 Licenciatura Plena em Português, Inglês e Respectivas Literaturas UFSM - Especialização em Educação de Jovens e Adultos na Educação Profissional e no Ensino Médio- UFRGS - Mestrado em Literatura Comparada - UFSM 3 Um Programa de Integração de Educação Técnica e Profissionalizante com um nível médio o qual é destinado a educação de jovens e adultos. 3

4 Introdução As questões que abordam o processo de ensino de uma língua estrangeira, neste caso a língua inglesa, tem que apresentar uma forma que motive, instigue e facilite a compreensão da mesma pelos educandos. Eles precisam se sentir capazes e acima de tudo envolvidos no processo de ensino, buscando com isso superar as suas dificuldades e sentindo-se capaz de absorver com segurança os conteúdos propostos. Dentro de uma concepção epistemológica construtivista, acredita-se que o trabalho docente prime por buscar a aproximação dos conteúdos propostos junto aos educandos através de seus conhecimentos e experiências vivenciadas, buscando com isso um método onde todos, educador e educandos sintam-se membros atuantes e responsáveis pelo seu sucesso. Essa pesquisa objetiva verificar se a metodologia aplicada em na Modalidade Proeja, na turma 2007 para o curso Técnico em Comércio no IFRS Bento Gonçalves, supre as necessidades de assimilação dos conteúdo propostos, verbalização, interesse pela disciplina, boa aceitação diante da metodologia aplicada aos educandos do Proeja desta instituição. Verificar em que momentos a metodologia aplicada está sendo falha no processo de ensino e em que pontos a metodologia aplicada está sendo positiva, contribuindo para a compreensão e o interesse do conhecimento e a assimilação dos conteúdos propostos. O ensino da Língua Inglesa na modalidade Proeja, bem como Eja, torna-se um desafio, pois os educandos destas modalidades, vem de diferentes realidades, dentre elas, o abandono aos estudos por fatores econômicos, falta de interesse e motivação, frequentes reprovações no ensino regular, no caso de algumas adolescentes, uma gravidez inesperada tornando difícil às idas à escola, dentre outros fatores. Diante dessas diferentes realidades em que se encontram as turma de Eja e Proeja nos dias atuais, faz-se necessário conhecer a metodologia a qual está sendo aplicada e se está atingindo os objetivos propostos para esse público. Para embasar o artigo, o presente trabalho busca fundamentação nas obras de Paulo Freire, Moacir Gadotti, Fernando Becker, Jean Piaget, entre outras, que falam sobre práticas docentes, o papel do professor como mediador do conhecimento e processo ensinoaprendizagem. Além disso, realizou-se observação e pesquisa qualitativa, com alunos em Proeja no IFRS Campus Bento Gonçalves durante algumas aulas de Língua Inglesa, onde foram aplicadas questões aos alunos referentes à metodologia de ensino aplicada, a visão diante dos alunos diante deste componente curricular e a importância para as suas vidas. 4 An Integration Program of Technical and Professional Education with a high school level which is proper for The Young People and Adults Education 4

5 Diante da pesquisa realizada, percebe-se um percentual considerável de alunos satisfeitos e cientes em relação do porquê aprender uma Língua Estrangeira, neste caso a Língua Inglesa. Em relação à metodologia aplicada no ensino deste idioma, a turma 2007 em Proeja, no IFRS Bento Gonçalves, demonstra estar em sintonia com o trabalho da docente, sendo membros atuantes a participantes no processo de ensino-aprendizagem. O papel da Língua Inglesa na Modalidade Proeja Numa palavra, o ser humano é resultado de sua própria ação; ele pode erigir sua grandeza ou sua própria destruição. Por isso, é urgente pensarse a educação que deve ser tão acertada e competente que dê condições ao sujeito humano para construir sua grandeza em harmonia com a natureza e o cosmos, evitando o caminho da catástrofe (BECKER, Fernando; MARQUES, Tania B.I., Ser Professor é Ser Pesquisador, 2007, p. 7). Com o advento da globalização optou-se pela Língua Inglesa como idioma universal, instituindo-a nas escolas como disciplina de Língua Estrangeira Moderna. Embora saiba-se da importância deste idioma como componente curricular, diante de uma era globalizada, em que quase todos ou a sua grande maioria ouve e fala este idioma, frente a um mercado de trabalho cada vez mais concorrido em que os profissionais mais preparados destacam-se na conquista de melhores oportunidades de trabalho, ainda assim, a Língua Inglesa, em alguns momentos é vista como algo desnecessário, de difícil compreensão ou até mesmo de difícil acesso na aquisição da mesma, talvez pelo motivo de que em nossa região, a maioria das pessoas seja descendente de imigrantes italianos. Diante desses fatores aqui sugeridos e de outros os quais serão analisados através da pesquisa e coleta de dados, destacam-se algumas das possíveis causas em que se percebe a dificuldade na questão da metodologia aplicada, resultando com isso uma certa carência na assimilação do conteúdo: A dificuldade na assimilação dos conteúdos, devido a prática de uma metodologia que, em muitos casos, distancia os conteúdos ministrados das práticas cotidianas; A falta de estímulo do docente em inovar suas aulas, em certos momentos, promove nos educandos uma desmotivação para com o componente curricular, fazendo com que eles percam o interesse pelo idioma; A falta de recursos metodológicos como, aulas de audição, conversação, prática de pronúncia, limitam o ensino do idioma; o que também pode gerar desinteresse e resistência por parte dos educandos. 5

6 A Modalidade PROEJA, sendo uma modalidade de Educação Básica Profissionalizante, tem como objetivo atingir uma clientela de educandos, os quais, por várias razões, buscam, através da formação básica, um meio de qualificar-se para o mercado de trabalho. Diante disso, exige-se uma pedagogia própria e uma metodologia particular para abordar os mais diversos assuntos, dentre eles a disciplina de Língua Inglesa. Por se tratar de uma Língua Estrangeira, a Língua Inglesa geralmente é vista por alguns educandos, como algo desnecessário, de difícil compreensão e assimilação, tornando o trabalho do docente um tanto quanto árduo. Razão pela qual, a constante avaliação da metodologia que se está usando faz-se necessária, identificando os pontos positivos e negativos, buscando aperfeiçoar a aplicação do método de ensino. O ensino da Língua Inglesa na modalidade PROEJA é um desafio constante, por isso faz-se necessário conhecer a metodologia que está sendo aplicada e verificar se ela está atingindo os objetivos propostos para essa clientela de educandos. Acredita-se que seja necessário fazer com que o educando perceba e desperte para o novo, para a mudança, para o aprendizado, para uma busca constate de novos saberes e consequentemente seja instigado cada vez mais para essa busca infinita. Portanto, cabe ao docente buscar meios de ensino que despertem o interesse da turma. Na verdade,meu papel como professor ao ensinar o conteúdo a ou b, não é apenas o de me esforçar para, com a clareza máxima, descrever a substantividade do conteúdo para que o aluno o fixe. Meu papel fundamental, ao falar com clareza sobre o objeto, é incitar o aluno a fim de que ele, com os materiais que ofereço, produza a compreensão do objeto em lugar de recebê-la na íntegra de mim (FREIRE, Paulo - Pedagogia da Autonomia, Saberes Necessários a Prática Educativa, 34º Ed p. 118, 119). Tendo atuado na modalidade EJA para os ensinos fundamental e médio, durante seis anos, pude constatar as dificuldades, barreiras e limitações dessa clientela. Os alunos de EJA, em geral buscam um conhecimento que lhes facilite a compreensão e o entendimento do que os cercam. Em vários momentos, ouvi comentários dos meus educandos como: Eu não sei falar nem mesmo corretamente o Português, por que eu tenho que aprender Inglês? ou ainda: Eu nunca viajarei para os Estados Unidos, por que tenho que aprender Inglês? Diante desses comentários, percebe-se que a assimilação do Inglês torna-se dificultosa, pois em alguns casos, a falta de conhecimento sobre a disciplina, são justificativas usadas pelos educandos alunos para ignorar o aprendizado e a prática deste idioma. Isso faz com que o 6

7 docente deva atuar com muita perseverança e motivação tornando suas aulas, no mínimo, interessantes. O professor precisa buscar constantemente uma metodologia que ofereça aos seus educandos, duplamente, uma boa assimilação do conteúdo e que desperte neles o interesse pelo aprimoramento da Língua Inglesa. Nossas práticas em educação de jovens e adultos tem apontado que esse autorizar-se, alicerçado na espontaneidade e na criação, se faz possível, na sala de aula, no momento em que se institui uma identificação da proposta constituída pelos educadores e educandos (...) (MOLL, Jaqueline, 2005, p.22) O ensino da Língua Inglesa é algo delicado em se tratando de uma clientela como Proeja, pois são educandos com aspectos diferenciados do público de ensino fundamental regular e médio regular. Na questão da metodologia em Língua Inglesa, é essencial um aperfeiçoamento da mesma, aprimorando seus métodos de ensino, resultando, com isso, em uma melhor assimilação de conteúdo por parte dos educandos. Os educandos, na maioria das situações, buscam algo que lhes incorpore a vida cotidiana e que facilite a compreensão e o diálogo, muitas vezes tornando o trabalho do professor um tanto dificultoso, tanto por questões de dificuldades pessoais como pela questão da heterogeneidade em que se encontram as turmas. Há alguns anos, o público alvo na modalidade EJA, por exemplo, estava primeiramente voltado às pessoas que estavam afastadas da escola por muito tempo, as quais estariam retornando com o objetivo de concluir o ensino fundamental e médio por inúmeros fatores, dentre eles, uma qualificação tanto pessoal como profissional, exigências no mercado de trabalho devido a normatizações instituídas nas empresas, primando pela conclusão e um aperfeiçoamento no aspecto educacional. Por outro lado, nos dias atuais, percebe-se que, a clientela de ambas as modalidades, volta-se também para um público adolescente dentre os quais destaca-se aquele educando que, por motivos sócio econômicos, comportamentais, familiares, dificuldades na aprendizagem, escolaridade descontinuada com reprovações seqüenciais, e em muitos dos casos provenientes do próprio fracasso e com responsabilidade de ajudar na sustentabilidade da família estão optando por estas modalidades, gerando com isso a heterogeneidade citada anteriormente. Por esse motivo, é importante que se aplique uma metodologia engajada com a realidade dos alunos, buscando envolvê-los no processo de ensino do idioma, possibilitando que os educandos mantenham-se motivados a prosseguir com seus estudos. Não nos basta apenas como educadores, transmitir o conhecimento aos nossos educandos pelo simples fato de termos um plano de estudos e de trabalho em mãos a serem cumpridos dentro de um prazo, num determinado ano letivo. O que realmente merece uma 7

8 atenção em especial, é a busca por uma metodologia que desperte nos educandos um interesse maior e que, os faça buscar constantemente e de forma plena um conhecimento voltado as suas experiências, expectativas e vivências para sentirem-se membros participantes do processo de ensino. É preciso, sobretudo, e aí já vai um destes saberes indispensáveis, que o formando, desde o princípio mesmo de sua experiência formadora, assumindo-se como sujeito também da produção do saber, se convença definitivamente de que ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção (FREIRE, Paulo - Pedagogia da Autonomia, Saberes Necessários a Prática Educativa, 34º Ed.2006, p. 22). A metodologia, como também os conteúdos a serem desenvolvidos, merecem ser analisados e voltados ao público que estamos educando, buscando com isso, maior produtividade na construção do conhecimento a ser produzido, do contrário, a busca pelo conhecimento pode tornar-se indiferente. Não quer se dizer, no entanto, que apenas uma metodologia aberta ao diálogo, desconsiderando o conteúdo em si, seja necessária, mas uma metodologia em que os educandos sintam-se envolvidos no âmbito escolar, produzindo com isso diferentes alternativas metodológicas, dependendo do grupo a ser trabalhado para a aplicação dos conteúdos e despertando com isso, o gosto pela assimilação dos mesmos. É importante considerar que os educandos de PROEJA, ainda persistem na metodologia de que, sala de aula é espaço para escrever e copiar, razão pela qual torna-se importante a questão de um processo de readaptação para que lhes permita uma visão mais aberta a participação e ao diálogo em sala de aula. Porém deve-se levar em conta, que esta mudança a participação e envolvimento dos educandos no processo metodológico da disciplina, não seja interpretado pelos mesmos, como algo descentrado aos objetivos propostos, pois pode-se gerar com isso, uma interpretação equivocada do processo de ensino. Segundo Moll, (2005, p.14) (...) inúmeras vezes, perdemos alunos e alunas na cena escolar porque fazemos, talvez sem querer a curvatura da vara : de uma escola na qual só se copiava para uma escola na qual só se conversa. Diversos elementos se conjugam a fim de dar conta da metodologia de uma língua estrangeira, mas considera-se que o estar motivado para ensinar, constitua a melhor forma de educar, independente da metodologia a ser utilizada. Acredita-se que para manter o interesse do educando pela língua estrangeira, o professor precise engajá-lo no processo de aquisição da linguagem, assumindo uma parte da responsabilidade pelo seu processo de aprendizagem. O educando tem de aprender a aprender e este, por sua vez, ser capaz de assumir uma parte da responsabilidade pelo seu processo de aprendizagem. 8

9 Segundo Freire (2006, p. 118) (...) Ele precisa se apropriar da inteligência do conteúdo para que a verdadeira relação de comunicação entre mim, como professor, e ele, como aluno se estabeleça. É por isso, que ensinar não é transferir conteúdo a ninguém, assim como aprender não é memorizar o perfil do conteúdo transferido no discurso vertical do professor. Dentro de uma teoria construtivista, vê-se que a assimilação dos conteúdos, dá-se através da construção dos conhecimentos partindo do ponto em que os nossos educandos trazem em sua bagagem vivida e apreendida. Nada seria mais prejudicial ao ensino, do que a certeza das idéias prontas. Construtivismo é falar de construção de conhecimento, algo tão importante quanto o nosso papel diante de nossos educandos. Dentro de uma metodologia a ser adotada, deve-se promover uma síntese dentro daquilo que os nossos educandos já construíram previamente e as novidades trazidas por eles, partindo disso para as suas necessidades. Segundo Marques, (2005, p. 254 ), (...) o professor precisa pensar no aluno a partir do aluno, e não a partir dele próprio, para ajudar a construir o adulto capaz de conquistar, por si só, a beleza e a verdade do seu tempo. Na questão da Língua Inglesa como componente curricular na modalidade Proeja, percebe-se que, por inúmeras vezes, tal disciplina é interpretada pelos educandos como algo desnecessário e de difícil compreensão. Eles, por si próprios, em muitos casos, bloqueiam-se inconscientemente, pensando que tal disciplina pode vir a ser algo que lhes cause constrangimento caso não saibam pronunciar ou expressar-se da mesma forma que o educador o estiver fazendo. Em outros, a questão de ser um idioma universal, os faz pensar que é algo inatingível ou que, apenas as pessoas de maior conhecimento é que estão aptas a aprendê-lo. É neste sentido, que uma metodologia direcionada ao público com o qual o docente está atuando, tenha por objetivo, despertar uma boa aceitação e assimilação dos conteúdos propostos para que os educandos sintam-se envolvidos e motivados com a metodologia trabalhada. 9

10 Segundo Freire (2006, p.118) (...) Ensinar a aprender tem que ver com o esforço metodicamente crítico do professor de desvelar a compreensão de algo e com o empenho igualmente crítico do aluno de ir entrando como sujeito em aprendizagem, no processo de desvelamento que o professor deve deflagrar. Isso não tem nada que ver com a transferência de conteúdo e fala da dificuldade mas, ao mesmo tempo, da boniteza da docência e da discência. Sejam quais forem as razões - econômicas, diplomáticas, sociais, comerciais ou militares, a necessidade de entrar em contato com falantes de outro idioma é muito antiga. Supõe-se que as primeiras aprendizagens de uma língua estrangeira aconteceram pelo contato direto com o estrangeiro. Paralelamente a estas aquisições em meio natural, alguns povos se preocuparam em aprender e ensinar, de forma sistemática, algumas línguas estrangeiras. Segundo Almeida Filho (2001;19) Os professores de línguas precisam, entre outras coisas, produzir o seu ensino e buscar explicar por que procedem das maneiras como o fazem. Orientações Curriculares para o Ensino Médio, 2008, Apud (FILHO, 2001, p. 19). Sabe-se que os processos de ensino e avaliação merecem uma atenção em especial diante de uma modalidade Proeja, levando-se em conta as diferenças que esse público traz em sua bagagem de vida e profissional, bem como suas vivências escolares remanescentes. Ainda segundo Almeida Filho (2001;19) A abordagem é mais ampla e abstrata do que a metodologia por se endereçar não só ao método (...) Orientações Curriculares para o Ensino Médio, 2008, Apud (FILHO, 2001, p. 19). Neste sentido, o autor também refere-se a maneira pela qual se está tratando determinado tema em sala de aula, pois é diante da busca pelo interesse e motivação dos educandos que a construção do conhecimento pode tornar-se cada vez maior e com resultados mais positivos. A Língua Inglesa aos Alunos do Proeja 2007 no IFRS Campus Bento Gonçalves Neste trabalho, foi realizada pesquisa qualitativa e quantitativa com o objetivo de verificar as causas, que levam ao interesse e/ou desinteresse dos educandos em Proeja diante dessa disciplina; bem como a metodologia apresentada: se ela supre as necessidades dos educandos, amenizando as suas dificuldades. Além disso, pretende-se averiguar em que momentos a metodologia aplicada está sendo falha no processo de ensino e em que pontos a metodologia aplicada está sendo positiva contribuindo para a compreensão e o interesse no processo de aquisição e conhecimento da disciplina. 10

11 O estudo foi realizado com a turma 2007 do Curso Técnico em Comércio na Modalidade Proeja, no IFRS Campus Bento Gonçalves, visando diagnosticar como os educadores trabalham as dificuldades apresentadas pelos educandos em sala de aula, como lidam com as formas mais variadas de resistências e divergências, dentre elas a falta de um conhecimento mínimo por parte de alguns alunos, as diferenças em relação a faixa etária, as diferentes formas de assimilação de conteúdo no sentido de que alguns educandos possuem mais facilidade e com isso participam mais das aulas, enquanto que outros por terem alguma dificuldade na aquisição do conteúdo, sentem-se constrangidos, gerando com isso um desinteresse ou até mesmo uma desmotivação pela disciplina. Desmotivação essa, que se, não for detectada a tempo pelo docente através de um olhar mais cuidadoso, tratando de buscar os alunos e fazer que eles interajam como demais procurando amenizar essas situações, pode levá-los a pensar que o idioma é dispensável ao ensino ou ainda, que eles, educandos, não são aptos para a aquisição de tal conhecimento. Em geral, os educandos da modalidade Proeja e Eja, possuem um histórico de fracasso educacional, ou seja, abandono escolar motivados por diversas causas como: Motivos sócio econômicos, comportamentais, familiares, dificuldades na aprendizagem, escolaridade descontinuada com reprovações seqüenciais, e em muitos dos casos provenientes do próprio fracasso e com responsabilidade de ajudar na sustentabilidade da família gerando com isso o atraso escolar. De alguma forma, o aluno já sofreu perdas no seu processo de formação, sendo que este não concluiu seus estudos em tempo normal dentro da faixa etária prevista. Retornando aos estudos, as dificuldades acarretadas pela vida e o acúmulo de atividades, dificultam esse processo de retomada aos estudos, entre eles, percebe-se: constrangimento em muitos casos pela diferença etária em relação aos outros colegas, cansaço, preocupações com família, compromissos em relação ao cotidiano, enfim, são inúmeros os fatores que contribuem para dificultar o reingresso aos estudos. Dentro da pesquisa realizada, a faixa etária dos alunos foi dos 24 aos 59 anos de idade, sendo um total de 21 entrevistados, mais precisamente 6 homens e 15 mulheres. Como resposta a questão em relação ao tempo que estavam afastados da escola, obteve-se o resultado no gráfico abaixo: 11

12 4% 5% 4% sempre estudaram 20% estavam afastados por uns 2 anos estavam afastados de 6 a 7 anos 43% 10% estavam afastados por 10 anos estavam afastados de 12 a 17 anos estavam afastados de 20 a 30 anos estavam afastados da escola por mais de 35 anos 14% Gráfico 1 Tempo de afastamento Fonte: autora Diante deste resultado, percebe-se que a maioria dos alunos desta modalidade, ainda é daqueles que estavam afastados por um longo período da sala de aula, apesar da heterogeneidade que ocorre nas turmas de Eja e Proeja. De modo geral, o principal motivo pelo reingresso aos estudos nesta modalidade é a preocupação com o mercado de trabalho, buscando com isso uma qualificação profissional o qual exige cada vez mais com relação a formação de profissionais para atuarem devido a normatizações presentes na maioria das empresas nos dias atuais. Como resultado diante desta abordagem, obteve-se os percentuais de que, 76% retomaram os estudos por uma questão de qualificação profissional e exigência no mercado de trabalho, 20% por vontade de aprender e adquirir mais conhecimentos e 4% pelo motivo de querer conviver mais com outras pessoas como uma alternativa de interagir melhor na sociedade e buscar com isso também um crescimento pessoal. Por isso, vale sempre lembrar, o despertar para o aprender, para o conhecimento, a razão pela qual estamos inseridos, neste caso, nossos educandos, num ambiente escolar, a motivação para isso, os interesses, as perspectivas, as expectativas, as idéias, a bagagem cultural e a vivência que nossos educandos trazem consigo, tudo isso os motiva, os faz querer descobrir mais e os torna cada vez mais membros participantes e envolvidos no processo de ensino. 12

13 Segundo Morin, (2000, p.20), vale lembrar: A reforma do ensino deve levar à reforma do pensamento, e a reforma do pensamento deve levar à reforma do ensino. Orientações Curriculares para o Ensino Médio, 2008, Apud (MORIN, 2000, p. 20). Em relação a disciplina de Língua Inglesa, é lamentável que ainda há um pensamento por parte de alguns alunos de que a mesma possa ser dispensável ao currículo escolar, que ainda seja vista como algo a ser estudado apenas por aqueles que possuem uma condição favorável para o seu estudo, ou ainda, que apenas seja válida como estudo em caso de algum contato com o exterior, nesse caso, uma viagem, um contato com nativos no idioma, uma possível mudança de vida a ponto de mudar de país, entre outros pensamentos que ainda permeiam nas concepções de nossos educandos, como sendo algo inatingível, de pouca ou quase nada importância. Quanto às memórias recentes, há um lamento de que os alunos de escola pública não sabem a importância do inglês na vida deles e menção aos sentimentos negativos que a disciplina e, por conseqüência, o professor despertam nos aprendizes. Orientações Curriculares para o Ensino Médio, 2008, Apud (PAIVA, 2005, p. 9). Diante desse contexto, 33% dos alunos responderam que classificam a aquisição do idioma como muito importante, 53% importante e 14% pouco importante. Muitos de nós, educadores, sonhamos e projetamos um ensino melhor, mais satisfatório, mais condizente com as realidades com as quais somos deparados e diante disso, vale refletir a respeito da educação, buscando uma metodologia de ensino que atinja o público com o qual estamos trabalhando e gerando com isso uma satisfação, uma contemplação no mínimo dos objetivos propostos diante da necessidade de nossos educandos. Enquanto educadores é necessário que se busque uma certa magia na arte de educar. É imprescindível que se questione e problematize nossos educandos diante de situações em que eles possam interagir através de uma metodologia onde sintam-se membros integrantes e atuantes no processo de aquisição do conhecimento. Como professores/educadores, não nos basta dar ao aluno a faca e o queijo mas sim, provocar-lhe a fome, fome esta, pela aquisição do conhecimento. Se ele tiver fome, mesmo que não haja queijo, ele acabará por descobrir maneiras de chegar até ele para obtê-lo. Segundo Freire (2006, p. 24) (...) Ensinar inexiste sem aprender e vice-versa e foi aprendendo socialmente que, historicamente, mulheres e homens descobriram que era possível ensinar. Éaprendendo que percebe-se a necessidade de trabalhar maneiras, caminhos e métodos para ensinar. Não existe uma regra para isso, não há uma receita infalível, tampouco alguém que o diga como fazer. Mas sim, descobrindo no dia-a-dia com nossos educandos, as suas curiosidades e as suas aspirações para juntos traçarmos o caminho a ser seguido, diante da realidade que está a nossa frente sedenta pela arte da aquisição do conhecimento infinito. 13

14 Cabe lembrar aqui que, a metodologia empregada na disciplina de um idioma, neste caso, a Língua Inglesa, pode despertar ou gerar aversão por parte dos educandos. Cabe ao profissional docente, desenvolver nos seus educandos a questão de descobrir o porquê do estudo de determinado idioma, primeiramente para que estes saibam os aspectos culturais, lingüísticos, contextuais, orais, escritos, enfim, tudo o que concerne ao assunto, instigando assim o despertar pela assimilação dos conteúdos propostos. Hoje, muito mais de como eu ensino, é saber como eu ensino, é saber como o estudante aprende e se preocupar com cada um, tendo sensibilidade e visão. Concorremos com MP3, internet, celular e o professor precisa envolver o aluno de tal maneira que, na próxima aula, este venha munido de reflexões sobre o que aprendeu (Revista Aprendizagem, Set. Out. 2007). Tanto é real tal afirmação que, diante da pesquisa realizada os alunos responderam ao questionamento a respeito do uso da Língua Inglesa em suas vidas e as respostas foram de que 33% acredita que o idioma pode lhes ser útil no uso da Internet e 67% no manuseio de computadores e aparelhos em geral como MP3, MP4, e outros. Ainda dentro da questão da importância deste idioma em suas vidas, 91% respondeu que a aquisição desta língua pode-lhes aumentar as chances de adquirir um emprego melhor e 9% respondeu que facilita na realização de tarefas no emprego. Atualmente, a formação de professores e a qualidade de ensino depende cada vez mais do comprometimento com a profissão docente. A base para um programa de Formação de Professores vem da partilha de conhecimentos, no estudo de casos de práticas pedagógicas (Revista Aprendizagem, Set. Out. 2007) O objetivo pelo qual prima-se é o de buscar nossos educandos de alguma forma, ou de várias formas até sabermos em qual ponto os tocamos para que sintam-se engajados neste processo e que acima de tudo, percebam o quanto isso lhes é importante e o quanto lhes agrega as suas vidas como seres humanos e profissionais. Ainda na questão de como os educandos se sentem em relação a disciplina de Língua Inglesa, 86% diz sentir-se feliz por aprender o idioma e acredita que isso pode lhes ajudar em futuras conquistas, porém 14% não gosta ou ainda não reconhece a aplicabilidade desse componente curricular em suas vidas. 14

15 Diante desta pesquisa, percebe-se um bom percentual de satisfação por parte dos educandos em relação a metodologia aplicada na disciplina e em relação a assimilação dos conteúdos propostos. Realidade esta, satisfatória em relação a outras as quais, ouve-se pelos corredores da educação. Um programa de educação de adultos, por essa razão, não pode ser avaliado apenas pelo seu rigor metodológico, mas pelo impacto gerado pela qualidade de vida da população atingida. A educação de adultos está condicionada às possibilidades de uma transformação real das condições de vida do aluno-trabalhador (GADOTTI, 2006, P.32). Em relação a metodologia aplicada no ensino do idioma, 85% dos alunos respondeu que possui uma boa participação nas aulas e que sentem-se a vontade diante dos conteúdos propostos e 15% possui pouca participação nas aulas e quanto ao método aplicado, 33% considera-o de fácil compreensão e assimilação, 9% satisfatório, 10% mais ou menos e 15% de difícil compreensão e 33% não opinaram. Ainda ao final do questionamento, em relação a atual metodologia aplicada os percentuais foram de 70% para os que afirmam que a mesma lhes permite e facilita a compreensão e assimilação dos conteúdos propostos e 30% mais ou menos. Seria muito simples se o ato de ensinar pudesse ser reduzido à semelhança de uma receita culinária, a um pensar organizado, a uma experimentação exitosa e a combinação com modos de fazer quase sempre infalíveis. Porém o processo de ensinar é dinâmico e complexo, inserido numa realidade móvel, sempre em transformação. Voltando-se para a abordagem em considerar as experiências e conhecimentos trazidos pelos nossos educandos, sabe-se que a sociedade não é uma abstração. É um contexto complexo e estamos inseridos nela, nós e nossos alunos. Uma análise da estrutura da sociedade e de seu movimento de relações se faz necessária antes de se proceder à escolha de uma metodologia pedagógica. Diante de uma realidade pedagógica, sabe-se que as pessoas trazem consigo seus espaços de vida, preenchidos por experiências, saberes e expectativas, tornando-se necessária a identificação das características do grupo para o qual se destina o ensino pretendido, antes de se iniciar o processo. Considerando a complexidade em relação a metodologia de ensino, compete ao professor refletir crítica e constantemente seus procedimentos docentes. Faz-se necessário que o educador tenha clareza o que faz, o porque o faz e como o faz na sua relação com o conhecimento diante dos seus educadores. Sem a compreensão dialética da realidade, a metodologia do ensinar pode, na prática, tornar-se como o bolo que não cresceu porque nele se deixou de, ao acrescentar mais farinha, aumentar a dose dos demais ingredientes. Em relação a metodologia aplicada na disciplina de Língua Inglesa para a turma na qual realizou-se a pesquisa, observa-se que as aulas são dinamizadas por atividades em que os educandos interagem numa atmosfera de parceria e participação com o docente, sentem-se 15

16 membros atuantes, embora alguns, nesse caso a minoria, um pouco constrangidos pelo fato talvez, de não pronunciarem corretamente o idioma quando questionados, ou até mesmo pela presença de outra docente, nesse caso, a minha pessoa a qual estava os observando. Mesmo assim, é notável um clima de satisfação por parte dos educandos em relação a metodologia aplicada na disciplina e em relação a assimilação dos conteúdos propostos. Realidade esta, a qual considerase satisfatória em relação a outras que, se ouve e percebe pelos corredores da educação. Acredita-se que através de uma metodologia direcionada ao público com o qual se está atuando, conhecendo as diferentes realidades dos nossos educandos, criando novos métodos para que nossas aulas possam ser mais interessantes e com educadores que, além de bem preparados, sejam sensíveis e tenham um olhar diferenciado e dedicado para com os educandos em Proeja, possamos alcançar a tão sonhada arte de despertar em nossos alunos a fome pelo saber, pela aquisição do conhecimento, e fazer disso uma meta para que busquem sempre mais serem saciados pela aquisição de novos saberes. Por isso, vale enfatizar que, devese valorizar o conhecimento espontâneo de nossos educandos, pois negando tal fato, a escola pode passar a idéia de que o conhecimento escolar (tido como conhecimento científico) é o verdadeiro, e por isso imutável. Na verdade, assumimos uma postura que tanto o conhecimento escolar como o espontâneo são provisórios, pois a realidade é mutável pela ação dos homens ao longo to tempo/espaço histórico. Realidade esta, percebida na turma a qual realizou-se a pesquisa, onde pode-se perceber a participação dos alunos no sentido de valorização dos conhecimentos trazidos por eles quando questionados pelo docente sobre os conteúdos propostos e atividades desenvolvidas na sala de aula. Embora, alguns alunos demonstraram não possuir conhecimento na Língua Inglesa, sentiam-se a vontade e encorajados para participar das dinâmicas e das atividades propostas pelo educador, percebendo que suas opiniões e idéias eram relevantes por mais simples que fossem. Nesse sentido, Zanon (1993 p.32) Fazer Pedagógico Construções e Perspectivas Apud (ZANON, 1993, p.32), enfatiza o papel da escola enquanto mediação permanente e aproximação crescente entre o conhecimento espontâneo (o senso comum) e o conhecimento científico (o conhecimento sistematizado e universalmente aceito). 16

17 Considerações Finais Através da pesquisa realizada, pode-se observar que em geral os alunos sentem-se satisfeitos e atraídos pelo ensino da componente curricular Língua Inglesa. Em relação à verificação da metodologia abordada, nota-se que a mesma atinge os objetivos propostos pela docente e que há um percentual considerável em relação a questão de aquisição dos conhecimentos abordados, destacando que os alunos sentem-se membros participantes, ativos e instigados a construir o conhecimento mutuamente com a docente. Percebe-se que a maioria dos alunos vêem esta disciplina como algo que certamente lhes agrega conhecimento, pois estão cientes da importância em relação às exigências do mercado de trabalho e também pela aquisição como língua universal, no sentido de poderem se sentir mais capacitados. Neste sentido, os alunos demonstraram estar suprindo suas expectativas em relação ao componente, percebendo-se que os conteúdos abordados estão sendo absorvidos de maneira positiva e receptiva, demonstrando estarem despertos para a aquisição do idioma. A maioria dos educandos ainda não utiliza a componente no seu trabalho, porém diante da pesquisa realizada, percebeu-se que utilizam o idioma no dia-a-dia como recurso para a utilização de aparelhos como MP3, DVD, computadores, e em alguns casos, na leitura de manuais quando são adquiridos produtos importados pelas empresas nas quais atuam. Pode-se afirmar que alguns alunos, por alguns momentos, não demonstraram grande interesse por certos conteúdos propostos, sendo que mantinham uma postura de imparcialidade e indiferença. Acredita-se que, se fossem estudadas de forma particular tais atitudes, há uma chance de se buscar nesses alunos, um interesse maior pela disciplina e pelos conteúdos abordados. Em relação à metodologia utilizada no componente, vê-se que as aulas são bastante dinâmicas, tornando o clima da sala de aula bastante ativo. Porém, nem todos os educandos sentem-se à vontade diante dessa euforia, pois se percebe que em alguns instantes certos alunos tentavam acompanhar o ritmo da aula, mas na realidade estavam um tanto perdidos. Estes procuravam demonstrar que estava tudo bem, mas na realidade percebeu-se que não estavam conseguindo acompanhar o ritmo da aula em relação às colocações feitas pela docente. Talvez estivessem tomando tal postura, para que os colegas ou até mesmo a professora não percebessem que estavam um tanto perdidos durante as aulas, provavelmente para não se sentirem inferiorizados perante a turma. 17

18 Obras Consultadas: BARBARA, Leila; RAMOS, Rosinda de Castro. Guerra Reflexão e Ações no Ensino- Aprendizagem de Línguas. Mercado das Letras; BECKER, Fernando; MARQUES, Tania B.I. Ser Professor é Ser Pesquisador Editora Mediação, 2007 Porto Alegre. Fazer Pedagógico Construções e Perspectivas - Programa Interinstitucional de Integração da Universidade com a Educação Fundamental UNIJUÍ FILHO, José Carlos P. Almeida Dimensões Comunicativas no Ensino de Línguas Pontes, FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Saberes Necessários à Prática Educativa 34ª Edição. Editora Paz e Terra, 2006 FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança. Um reencontro com a pedagogia do oprimido. 13ºed. Rio de Janeiro; Paz e Terra, 1992 GADOTTI, Moacir e ROMÃO, José E. Educação de Jovens e Adultos. Teoria, prática e proposta. 8ª Edição. Cortez Editora, 2006 KRASHEN, S.D. Principle and Practice in Second Language Acquisition. Oxford: Pergamon Press, MOLL, Jaqueline. Educação de Jovens e Adultos. 2ª Edição, Porto Alegre, Mediação, Orientações Curriculares para o Ensino Médio Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Ministério da Educação, PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, Revista Aprendizagem A revista Prática Pedagógica Ano 1 Nº2 Ed.Melo Pinhais PR - Set. Out SANTOS, Simone Valdete; ESLABÃO, Leomar da Costa; FRANZOI, Naira; Albernaz, Roselaine; DOROW, Clóris; Arenhaldt, Rafael. Reflexões sobre a prática e a teoria em PROEJA: Produções e Especialização PROEJA/RS. Porto Alegre, Evangraf,

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) LOURENÇO, Érica Simone 1 PELOZO, Rita de Cassia Borguetti 2 VIEIRA, Kátia Solange Borges 3 VIEIRA, Rosimeire Garcia 4 RESUMO Este artigo tem como

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR Erika Aparecida Domiciano Moser 1 RESUMO A alegria não chega apenas no encontro

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA Amanda Aparecida Rocha Machado Universidade Federal do Triângulo Mineiro E-mail: amandamachado_56@hotmail.com

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO

JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO Rayssa Eutália Gurjão Coutinho Borges 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: rayssagurjao@hotmail.com

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão PELOZO, Rita de Cássia Borguetti Docente da FAHU/ACEG RESUMO: O presente trabalho procura evidenciar a importância

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA

INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA ISSN 2316-7785 INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA Alexsandro Queiroz Lencina alexqueiroz@sb.iffarroupilha.edu.br Alex Sandro Gomes Leão alexleao@iffarroupilha.edu.br

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA Gabriela de Aguiar Carvalho, UFC Orientadora: Maria José Costa dos Santos, UFC INTRODUÇÃO

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID ISSN 2316-7785 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID Charles Peixoto Mafalda Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões charles1995peixoto@hotmail.com

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 Resumo Claudenici Aparecida Medeiros da Silva Universidade Federal do Pará Campus de Marabá Pólo de Canaã dos Carajás nici_medeiros@hotmail.com

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras Entrevista Margarida Kunsch Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras no campo das relações públicas e da comunicação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID.

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. Resumo Alcenir Amorim de Sousa 1 1 Instituto Federal de educação

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos.

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos. PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UENP, EM RELAÇÃO AOS ASPECTOS QUE CARACTERIZAM UM AMBIENTE FAVORECEDOR DA APRENDIZAGEM RESUMO Maria Cristina SIMEONI 1 Este resumo

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

VOZES E IMAGENS POÉTICAS: UMA EXPERIÊNCIA COM O CORDEL NO CEEIGEF

VOZES E IMAGENS POÉTICAS: UMA EXPERIÊNCIA COM O CORDEL NO CEEIGEF VOZES E IMAGENS POÉTICAS: UMA EXPERIÊNCIA COM O CORDEL NO CEEIGEF Francisca Luana Abrantes de Castro (1); Fabiana Soares da Silveira Nóbrega (1); Jakeline Francisca da Silva (2); Maria Elisabete Melo dos

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID Heloisa Braga dos Santos Christian Vieira de Souza RESUMO Este artigo foi elaborado com o objetivo de relatar a

Leia mais

Destaque Documento Base Parágrafo

Destaque Documento Base Parágrafo DOCUMENTO BASE NACIONAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DE EJA DO TOCANTINS Destaque Documento Base Parágrafo 1. Diante do quadro diagnóstico que se apresenta da educação de jovens e adultos (EJA)

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI Kássia Hellem Tavares da Silva (*), Lorrane de Castro Miranda, Israel

Leia mais

Trabalho de campo. Janete Aparecida Nunes da Silveira 1

Trabalho de campo. Janete Aparecida Nunes da Silveira 1 Trabalho de campo Janete Aparecida Nunes da Silveira 1 Resumo: Este artigo objetiva discutir a importância dos trabalhos de campo. O trabalho de campo utiliza a metodologia do empirismo para obter seus

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail. O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.com 1. Introdução Podemos considerar inegável que um dos fatores atuantes

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CARRENHO, Silvanira migliorini 1 KIMURA, Marcia Regina de Souza 1 VEGAS, Dirce Aparecida Izidoro 1 ANTONIO, Fernanda Peres 2 RESUMO

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais