Belém: Música e Identidade na Cidade Plural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Belém: Música e Identidade na Cidade Plural"

Transcrição

1 Belém: Música e Identidade na Cidade Plural 2ª versão Henry Burnett * para o Ernani Resumo: Quando se está imerso na própria identidade normalmente não sabemos do que somos feitos. A identidade não é uma questão, ou um tema, quando não precisamos discutir quem somos ou quando essa interrogação é vã. Só quando a dinâmica cultural se impõe é que nossa marca precisa ser impressa e às vezes defendida, porque já não basta pertencer a este ou aquele lugar, mas fundamentalmente devemos mostrar do que somos feitos de verdade. Talvez em outras circunstâncias esse conflito se desse entre países, entre religiões em conflito com seus diversos deuses e concepções políticas; no Brasil a identidade é uma questão doméstica, uma querela entre regiões distantes que mal se comunicam e que se nutrem de suas próprias culturas. Se quisermos radicalizar ainda mais, para chegar ao tema deste ensaio, às vezes precisamos entender quem somos dentro de uma única cidade. É o caso de Belém e de sua musicalidade plural. Palavras-chave: Música Paraense; Identidade; Canção Popular; Tecnobrega. Abstract: When we are immersed in our own identity, normally we do not know who we are. When we know who we are or when this is an empty question, identity is not a question or a theme. Only when dynamic cultural are imposed we need to leave such a mark, that Revista Estudos Amazônicos vol. X, nº 2 (2013), pp

2 sometimes must be held, because belonging to a certain place it is not enough anymore, but we fundamentally need to show who we are. Maybe in other circumstances, this conflict takes place between countries, between religions in conflict with their various gods and political concepts; in Brazil, the identity is a local issue, a quarrel between distant regions that promote their own cultures and can barely communicate themselves. If we want to achieve the aim of this essay, we need to understand who we are inside a single city. It is the case of Belem and its plural musicality. Keywords: Music in Pará; Identity; Folksong; Tecnobrega. Temos, portanto, dois sentidos negativos da palavra povo. O primeiro, mais evidente, é o que blinda uma identidade fechada e sempre fictícia de tipo racial ou nacional. A existência histórica desse tipo de povo exige a construção de um Estado despótico, que engendra violentamente a ficção que o fundamenta. O segundo, mais discreto, porém em grande escala ainda mais nocivo por sua flexibilidade, e pelo consenso que alimenta, é aquele que subordina o renascimento de um povo a um Estado que se supõe legítimo e benfeitor exclusivamente em virtude de organizar a expansão, quando pode, e, em todo caso, a persistência de uma classe média, livre para consumir os produtos vãos com que o Capital a empanturra, e livre também para dizer o que quiser, contanto que esse dizer não tenha nenhum efeito no mecanismo geral. (Alain Badiou, 24 anotações sobre a palavra povo, Revista Serrote nº 17, p. 29) Revista Estudos Amazônicos 47

3 I Gostaria de começar esta reflexão de modo atípico: eu acredito em um paradigma na música popular do Brasil e não sei se este ponto de partida é o mais adequado para se falar em um produto comercial como a música popular pós século XX. Este paradigma pode ser chamado, na falta de outro nome melhor, de canção de arte, ou canção estética ou o mais simples e preciso: de canção brasileira. Acredito, hoje, que a canção no Brasil alcançou o estatuto do paradigma, apesar de suas infinitas faces. Sua força estética diferencial é a aliança entre a rítmica popular e a poesia culta. Dito isso, deixo claro que não pretendo fazer uma análise de conjuntura, uma crítica musical ou algo parecido, antes quero esboçar algumas ideias, em certa medida pretenciosas apesar de iniciais, na direção de uma reconstrução estética de um material musical quase esquecido: a canção paraense. Para tanto, o dito paradigma precisa ser considerado a partir do tema da identidade musical, ou ainda, do que eu chamaria aqui, tomando de empréstimo uma referência pessoal, de uma estética das águas, que a meu ver sintetiza a produção desse cancioneiro urbano, mormente do que se produziu em Belém e no seu entorno. Tentarei explicar melhor essa aparente anomalia crítica convidando o leitor menos para uma reflexão teórica sobre a questão da cena musical recente do que para a audição memorialística de um recorte estético-musical daquilo que ficou de fora no que podemos chamar de marcha triunfal da história da música do Pará, ou seja, trata-se aqui de um posicionamento que caminha no espaço deixado entre vencidos e perdedores, famosos e esquecidos. Talvez fosse possível se resguardar de um tema complexo como este permanecendo no âmbito dessa questão da identidade, tratando de origens e cronologias, nascimentos e representações, mas isso tornaria esta reflexão frágil na medida em que os argumentos mais visíveis a favor do 48 Revista Estudos Amazônicos

4 atual cenário e de seus artistas vitoriosos giram precisamente em torno desse tema, quer dizer, resguardados numa defesa exacerbada da representação considerada arquetípica, amparada num processo de afirmação oficialesco, os defensores da causa abusam da identidade como princípio. Sabemos bem que quando se está imerso na própria identidade, ou no que imaginamos ser essa definição quando aplicada sobre nosso próprio ambiente, normalmente não sabemos do que somos formados; a identidade não chega a ser uma questão quando não precisamos entender nossas origens ou quando essa interrogação é vã porque nada acrescenta em nossa vida comum. Somente quando os conflitos culturais se impõem, quase sempre no âmbito comercial, uma marca precisa ser impressa e às vezes até mesmo defendida, porque já não basta pertencer a este ou aquele lugar, mas fundamentalmente mostrar do que somos constituídos verdadeiramente. O tema e as discussões sobre a identidade nacional são recorrentes em diversos níveis nos estudos sobre o Brasil desde o final do século XIX. No âmbito deste texto, tratarei principalmente do modo como a escolha identitária, ou sua invenção, é consumida no interior do mercado de bens culturais. Em outras circunstâncias este choque entre o real e o imaginado, ou entre o verdadeiro e o falso de nossas representações, esse maniqueísmo que está em pano de fundo aqui quando se pensa naquilo que deve nos identificar social e culturalmente ou não, poderia se dar entre países ou entre religiões em conflito; no Brasil, entretanto, a identidade é uma questão doméstica, uma querela entre regiões que mal se comunicam e que se nutrem de suas próprias culturas. Se quisermos radicalizar, para chegar ao tema deste texto, às vezes é preciso entender quem se é dentro de uma única cidade é o caso de Belém e da recente exposição nacional de parte significativa de seus bens culturais, da culinária à fotografia, do cinema à literatura, mas, sem dúvida, num movimento de reconhecimento que tem a música como porta de entrada, apresentada a partir de um recorte Revista Estudos Amazônicos 49

5 estético-ideológico específico da sua produção. A necessidade de se autocompreender, no momento em que sua música passou a ser executada em nível nacional, e justamente no que há de mais estabelecido no quadro de certas instâncias da indústria de bens de consumo, isto é, nas novelas globais, nos programas de auditório, nas rádios de massa tem causado, a uma cultura até então semi isolada, inúmeras indagações, veladas ou não. A intenção é pensar sobre algumas delas de modo mais calmo do que aquele que levou parte da nossa música para o centro das atenções, principalmente a partir do momento em que o aparato estatal foi mobilizado como uma espécie de mecenas oficial de um grupo determinado de músicos, chegando ao ponto de tornar aparentemente indiscerníveis extratos distintos dessa produção, igualando músicos, fotógrafos, cozinheiros e dançarinos dentro de um mesmo espectro. Um momento que permite inúmeras reflexões sobre questões que não estão na superfície da festa. II Como um micro país, Belém tem uma história antiga e razoavelmente bem conservada, pelo menos no âmbito da memória, já que sua degradação urbana pode ser constatada por qualquer um que tenha vivido nela nos últimos 30 anos. Essa imagem memorialística cada vez mais dissipada mantém-se graças ao seu isolamento geográfico, reconhecido por todos ora como um atraso, ora como uma virtude para sua auto conservação. Mas essa distância nem sempre foi tão espaçosa, e é cada vez menor, graças a uma descoberta sem precedentes pelo chamado mainstream do show business nacional, que se voltou para uma suposta estética amazônica. Grandes empresas de comunicação nacionais, principalmente 50 Revista Estudos Amazônicos

6 as redes abertas, alimentam parte dos seus cenários novelísticos, auditórios e programas de entrevistas com essa estética e, enfim, com o que podemos chamar de cena paraense. Tudo, como não poderia deixar de ser, travestindo a disputa por audiência fazendo crer que o que está em jogo é uma suposta descoberta da cultura amazônica e sua valorização, embora em alguma medida isso também esteja em jogo, apesar da padronização estilística que vem a reboque dessa boa intenção. É sobre esse interesse repentino das grandes cadeias de comunicação e suas consequências domésticas que podemos tecer algumas considerações. Para isso, precisamos recuar algumas décadas e retomar, ainda que em linhas gerais, parte da história da canção e da música paraense ainda no século XX. Houve um momento, nos idos dos anos 70, que um poeta, um compositor e uma cantora, respectivamente Ruy Barata, Paulo André Barata e Fafá de Belém tornaram a atmosfera paraense conhecida massivamente nos grandes centros de distribuição de bens culturais. Naquele momento, versos da canção Foi assim (Paulo André e Ruy Barata), pertenciam ao que chamamos comumente de MPB, isto é, à tradição da música popular comercial urbana brasileira, ou ainda, a um estilo bem definido pelo par letra/música, já consagrado àquela altura, a canção brasileira em sua forma mais avançada ressalto isso porque acredito que o termo popular utilizado na sigla nem sempre foi utilizado no sentido de uma música massivamente conhecida ou mesmo reificada ou industrializada, mas como um espelho ou eco de sua origem, quer dizer, esta canção é uma junção da rítmica popular com a poesia culta. Uma das provas desse vínculo do cancioneiro paraense com a MPB tradicional é a resistência desta canção ao tempo, sua permanência na memória dos ouvintes estéticos definição forjada por Nietzsche ao imaginar um ouvinte concentrado, para quem a música servia como arrebatamento e triunfo da vida, para os quais ela permanece, ainda hoje, como um retrato instantâneo da Belém de outra época: Revista Estudos Amazônicos 51

7 Foi assim Como um resto de sol no mar Como a brisa da preamar Nós chegamos ao fim Foi assim Quando a flor ao luar se deu Quando o mundo era quase meu Tu te fostes de mim Volta meu bem, murmurei Volta meu bem, repeti Não há canção nos teus olhos Nem há manhã nesse adeus Horas, dias, meses se passando E nesse passar, uma ilusão guardei Ver-te novamente na varanda A voz sumida em quase pranto A me dizer, meu bem, voltei Hoje essa ilusão se fez em nada E a te beijar, outra mulher eu vi Vi no seu olhar envenenado O mesmo olhar do meu passado E soube então, que te perdi. 52 Revista Estudos Amazônicos

8 Isso se aplica ainda a outra canção da dupla, cujos versos são ainda mais entranhados do ambiente amazônico. O clima de Pauapixuna (Paulo André e Ruy Barata) não é desses que se lembre fácil, ou que remeta um público afeito ao ambiente urbano mesmo o belenense, ao qual o ambiente da canção é refratário diretamente ao seu universo úmido e silencioso; quer dizer, a canção é muito amazônica, mas no sentido de ser uma representação de um tempo e de um lugar bem delimitado, que eu, como ouvinte, remeto aos campos da Ilha do Marajó. Nessa dificuldade de imprimir imagens que só fazem pleno sentido para quem as vivencia, é igualmente admirável sua força de arrebatamento e de perenidade no ambiente de consumo letrado fora do seu estado de origem. A canção popular paraense pode não ter nascido pelas mãos de Paulo André e Ruy Barata, mas foi com eles que se deu sua integração à história da música popular urbana. Uma história comercial e estética breve, não fosse justamente seu atual pertencimento ao cânone do cancioneiro nacional. Aqui a letra de Pauapixuna : Uma cantiga de amor se mexendo Uma tapuia no porto a cantar Um pedacinho de lua nascendo Uma cachaça de papo pro ar Um não sei quê de saudade doendo Uma saudade sem tempo ou lugar Uma saudade querendo, querendo... Querendo ir e querendo ficar Uma leira, uma esteira, Uma beira de rio Um cavalo no pasto, Uma égua no cio Um princípio de noite Revista Estudos Amazônicos 53

9 Um caminho vazio Uma leira, uma esteira, Uma beira de rio E, no silêncio, uma folha caída Uma batida de remo a passar Um candeeiro de manga comprida Um cheiro bom de peixada no ar Uma pimenta no prato espremida Outra lambada depois do jantar Uma viola de corda curtida Nessa sofrida sofrência de amar Uma leira, uma esteira, Uma beira de rio E o vento espalhado na capoeira A lua na cuia do bamburral A vaca mugindo lá na porteira E o macho fungando pelo curral O tempo tem tempo de tempo ser O tempo tem tempo de tempo dar Ao tempo da noite que vai correr O tempo do dia que vai chegar. Antes desse momento, isto é, antes que Fafá de Belém e a música paraense circulassem livremente no eixo Rio-São Paulo, o nome do compositor Waldemar Henrique pertencia a um domínio não menos conhecido, mas certamente mais distante dos canais de mídia de massa; sua obra era, e talvez ainda seja, estudada por famílias cultas dos mesmos centros que um dia acolheriam Fafá e seu sotaque. No entanto, Waldemar 54 Revista Estudos Amazônicos

10 Henrique pertencia ao domínio da música dita clássica, era um compositor frequentado, sobretudo nos conservatórios e nas escolas de música tudo isso antes das apropriações posteriores, como a da própria Fafá, mas também de Mônica Salmaso, Zizi Possi, Nilson Chaves e Vital Lima, entre outros, que o aproximariam do ambiente popular ao qual ele também pertencia, ainda que de modo menos nítido. São dois momentos importantes, que mostram o primeiro lance dessa inserção nacional gerada dentro dos limites de uma capital com nítido conteúdo cosmopolita e, ao mesmo tempo, profundamente apartada pelo tempo e pelo espaço, resultando de muitos modos num ambiente provinciano que perdura ainda hoje em instâncias distintas, como no jornalismo e na política, quase sempre irmanados. Dentro desse mesmo patamar de penetração talvez sejam os únicos exemplos de generalizado reconhecimento nacional de massa; únicos, até a chegada do tecnobrega, mais de 30 anos depois da primeira aparição. 1 III Esse longo hiato é diretamente proporcional ao lugar ocupado pela canção no cenário midiático nacional, quer dizer, o interesse por compositores como Paulo André, Ruy Barata e Waldemar Henrique pertence ao passado mais ou menos recente, e coincide com o ápice da penetração do estilo no espaço da televisão e dos meios de comunicação de massa em geral na década de 1960 e 1970, que criou os mitos que ainda hoje alimentam a tradição canônica dos compositores urbanos. Podemos dizer que esse espaço vazio é apenas um espelhamento de uma mudança que ocorreu em todo país, e talvez em todo mundo, e que pode ser resumido na ideia de uma fragmentação incontornável da experiência perceptiva em relação às artes de modo geral, uma mudança, como Revista Estudos Amazônicos 55

11 sabemos, ligada ao novo espaço virtual de consumo, que não deixa de ser uma extensão do modelo anterior, sob outras plataformas, mas como novos ícones em resumo: mudou a plataforma, mas não mudou o espectador, apenas os mitos se modificaram. Com isso, a canção se tornou um produto similar a um poema, que exige habilidades de apreensão sensível que só se mantém nos espectadores/leitores/ouvintes que reagem ao ambiente fragmentário e procuram desesperadamente a sensação de arrebatamento estético perdido e só a muito custo reencontrado, e mesmo assim deixando margem a uma sensação de anacronismo incontornável. Foram décadas de silêncio midiático entre aquele momento e este em que nos encontramos entenda-se: quando falo em silêncio penso no isolamento da produção local, a distância que durante décadas manteve esta produção quase proscrita. Ocorre que esses anos nutriram de canções mais de uma geração, sem que se soubesse, fora de Belém e de cidades de médio-porte no interior do Pará, quem eram esses artistas e que música eles faziam, na medida em que permaneciam consumidos em âmbito restrito; e mesmo esse conceito de consumo deve ser amainado, porque não havia exatamente o que chamamos de produção musical, a não ser em casos isolados encontro-me portanto, cronologicamente, exatamente nesse lugar onde o esquecimento é a palavra-chave. Foram três décadas de algo que podemos chamar de auto sustentação cultural. Houve tentativas de reação, e eu citaria o movimento encabeçado pelo compositor Ronaldo Silva, um dos líderes do grupo Arraial do Pavulagem, que ousou entrincheirar-se contra a avassaladora presença dos movimentos musicais ainda ditados pela poderosa indústria fonográfica que inundavam o país de Norte a Sul e que aqui durante muitos anos tiveram lugar cativo em diversos festivais com produção milionária. O resultado da mudança estilística em suas canções resultou na popularização do Arraial do Pavulagem, que extrapolou a dimensão da apreciação musical, ao que chamo 56 Revista Estudos Amazônicos

12 de audição estética, tornando-se um movimento de grande força de massa. Como se vê, o mercado de música local reagiu, mas sem a extensão midiática das aparelhagens de onde nasceria o tecnobrega. Não é por acaso que um dos pontos altos do disco Treme, de Gaby Amarantos, seja justamente uma canção de Ronaldo Silva, Merengue latino, aliança clara entre o passado e o presente da produção belenense. No mesmo compositor, a síntese de duas épocas, que podemos divisar ouvindo Porto dos apaixonados antes da faixa supracitada. Quero exatamente pensar no centro dessa mudança, na impossibilidade de se ouvir esta canção contra a facilidade de se ouvir aquela. Qual a razão dessa cesura entre a canção tradicional e a canção de impacto? Entre o ouvir e o dançar? Essa diferença entre o ouvir e o dançar, hoje infelizmente apartadas pela história, é um ponto elementar desta reflexão e não uma polarização maniqueísta estamos no campo minado da crítica, é preciso lembrar. A música paraense se dividia entre o popular estilo musical conhecido entre nós como brega, que ocupava os bares e as sedes na periferia da capital e no interior, e um sem número de compositores ditos tradicionais, que desenvolviam obras sem impacto midiático nacional ou sequer regional, permanecendo dentro de um círculo ínfimo de consumo o brega era muito popular e autossuficiente do ponto de vista de sua produção em toda a região, e era consumido por todas as classes sociais, num processo muito distinto daquele que é discutido no livro Eu não sou cachorro não, de Paulo César de Araújo, que diagnostica justamente o preconceito contra o qual compositores ditos bregas lutaram no eixo de consumo intelectualizado do resto do país; no Pará, não raro, compositores considerados cultos, escreveram para cantores e compositores bregueiros, é o caso do poeta Edson Coelho, autor do clássico Cansei de esperar, parceria com o cantor Luiz Guilherme e que se tornou um tema de referência do estilo. No intervalo entre a década de 1970 e a década de 2000, nada parecia capaz de alterar aquela convivência Revista Estudos Amazônicos 57

13 pacífica que, salvo engano, não era dividida entre cultos e populares, antes se interpenetrava de maneira irônica e não excludente. Mas então algo muito distinto ocorreu no ambiente do chamado brega paraense, e que muitos consideram o desenvolvimento do tradicional estilo, agora rebatizado de tecnobrega e alçado à categoria de representação cultural oficial, juntamente com toda uma estética genericamente chamada de caribenha. Tal movimento se deve, fundamentalmente, ao forte aparelho estatal mobilizado quase integralmente para projetar diversos nomes em cadeia nacional, numa cooptação sem precedentes na história das relações entre Estado e Cultura no Pará. Uso o termo cooptação porque o Estado e seu aparato de comunicação não inventou o tecnobrega, que já havia se imposto quando da associação, mas o absorveu e o reprogramou com uma função bem distinta do que ele era na origem: a divulgação propagandística de uma imagem do Estado filtrada por um recorte de suas identidades múltiplas, com uma clara opção pelo que podemos chamar de recorte popular, ou ainda, de recorte padrão, dando a entender que, falsamente, Belém era uma capital isolada e plena de seus valores culturais regionalistas, um equívoco sob vários aspectos, entre eles o fato de que se há um movimento claramente identificável nas últimas décadas é o movimento rock. Com isso, o Pará estava integrado ao consumo cultural de massa nacional, algo que considero sem espanto, pois me parece inevitável que a multiplicidade rítmica da região um dia fosse descoberta e assimilada pelo mercado de consumo; o dado inédito é que essa assimilação se organizou pelas mãos do Estado, para só depois ser absorvida pelos grandes canais de comunicação, numa reativação da aliança entre estética e política que tem antecedentes nada honrosos, como é o caso do aparato propagandístico do Terceiro Reich e a utilização das canções populares como substancialização do que chamava na época do ser alemão; tomadas as abissais proporções políticas e culturais, e incluindo 58 Revista Estudos Amazônicos

14 o possível desconhecimento histórico de quem acha essa jogada política normal, estamos diante dos mesmos argumentos, agora zombeteiramente explicados através de uma ideia de pureza regional capaz de nos destacar como ímpares e únicos em meio à saturação das produções musicais populares no Brasil. Gaby Amarantos, uma cantora com grande potencial e dotada de forte presença de palco, tornou-se a porta-voz da cultura do Estado, mormente encerrando seus shows empunhando a bandeira do Pará e bradando louvores ufanistas ao Estado. Foi quando os ouvintes se dividiram entre um misto de orgulho e vergonha ao ver suas idiossincrasias domésticas em rede nacional. Por todas essas razões, e muitas outras que arriscarei apresentar adiante, não se deve estranhar a surpresa que pode acometer um espectador menos atencioso, o chamado ouvinte médio, que não vai além da audição despretensiosa do que lhe surge na TV, no Rádio ou na internet, seja de Belém, do interior do estado ou mesmo de fora, ao passar sem conexão de Tamba-tajá (Waldemar Henrique) para Ela tá beba doida (Beba doida) (Gaby Amarantos) como se vira uma página. Mesmo este ouvinte não especializado, pode sentir a modificação, de resto, como vimos, absolutamente previsível. Tamba-tajá (Waldemar Henrique) Tamba-tajá me faz feliz Que meu amor me queira bem Que seu amor seja só meu de mais ninguém, Que seja meu, todinho meu, de mais ninguém... Tamba-tajá me faz feliz... Assim o índio carregou sua macuxy Para o roçado, para a guerra, para a morte, Assim carregue o nosso amor a boa sorte... Tamba-tajá Tamba-tajá-a Revista Estudos Amazônicos 59

15 Tamba-tajá me faz feliz Que meu amor me queira bem Que seu amor seja só meu de mais ninguém, Que seja meu, todinho meu, de mais ninguém... Tamba-tajá me faz feliz... Que mais ninguém possa beijar o que beijei, Que mais ninguém escute aquilo que escutei, Nem possa olhar dentro dos olhos que olhei. Tamba-tajá Tamba-tajá-a Ela tá beba doida (Beba doida) (Gaby Amarantos) Ela tá beba, doida Ela tá beba, doida Ela tá beba, doida Tá beba, tá doida. Ela chegou Ela é um perigo Só sai da mesa Quando ela seca o litro. Começa na cerveja, Bebe a noite inteira Mistura tudo E vai pra cima da mesa. Começa na cerveja Bebe, à noite inteira 60 Revista Estudos Amazônicos

16 Mistura tudo E vai pra cima da mesa. Ela tá beba, doida Ela tá beba, doida Ela tá beba, doida Tá beba, tá doida. (Ela só sai carregada, querida) Creio ser possível afirmar que estamos diante de um problema novo, ou seja, a discussão a respeito dessa herança musical que passa hoje pela afirmação do que é e do que não é paraense tem a ver com o problema enunciado no início deste texto: a questão da identidade. Salvo engano, esse tema nunca esteve presente no horizonte dos paraenses. Ninguém nunca perguntou se Pinduca, o Rei do Carimbó, era mais paraense que Walter Bandeira, que foi o grande intérprete da cidade, com um repertório que ia de Caetano a Edith Piaf, de Waldemar Henrique a Frank Sinatra. Dito isso, do que se trata o misto de orgulho e repulsa que acomete os paraenses toda vez que artistas populares da região aparecem em cadeia nacional? A resposta não tem nada de simples e envolve um complexo esquadro onde podem entrar tanto valorações de gosto quanto elementos psicanalíticos, ambos igualmente arriscados para quem se propõe comentar essas questões no calor da hora. Isentando-me da condição de analista, me resguardo na dimensão estética. Embora o tema da identidade paraense só tenha sido digno de observação depois de sua hiper exposição, não se pode dizer o mesmo do momento de estabelecimento da música urbana brasileira, a passagem do século XIX para o século XX, quando isso tudo foi discutido com profundidade. Voltemos rapidamente às primeiras décadas do século XX, quando o terreno da música brasileira era um campo movediço e Revista Estudos Amazônicos 61

17 impreciso. Comecemos com a retomada de um projeto nuclear dentro dos estudos etnográficos e musicológicos brasileiros, a Missão de Pesquisas Folclóricas, organizada por Mário de Andrade em Em linhas gerais, a Missão tinha como tarefa capturar em gravações, fotos e filmes as manifestações populares que todos julgavam ameaçadas pela penetração das novas tecnologias e pelos processos iniciais de veiculação comercial da música; um temor expresso principalmente por Mário de Andrade, o grande idealizador do projeto de registro. 2 Não é por acaso que retomamos esse projeto como exemplo. Os discos 5 e 6, respectivamente dedicados a Paraíba e Maranhão, Pará e Minas, guardam um dado curioso, se os confrontamos hoje a partir das especificidades de dois Estados vizinhos: o registro de carimbó foi feito em São Luiz do Maranhão e o registro de boi-bumbá foi gravado em Belém. Deixando de lado a ausência de fronteiras estanques, e desconsiderando o já citado grupo Arraial do Pavulagem e suas toadas por ser uma tradição de pouco mais de uma década, e mesmo assim com um sotaque muito distinto daquele que se consolidou no Maranhão e tirante não se saber de nenhum cantador de carimbó maranhense que tenha levado adiante aquele passado ligado ao estilo registrado pela equipe da Missão, seria estranho pensar que o documento que pretendia revelar e conservar identidades hoje não representasse bem pelo menos oficialmente nem os paraenses nem os maranhenses; tudo, claro, sem descuidar do registro irônico: O carimbó é nosso, a tradição do boibumbá é deles poderia ser o mote de uma campanha de resgate cultural do Governo do Estado do Pará. Esse é um bom ponto de partida para pensarmos sobre o que é paraense? É uma grande obviedade reafirmar isso hoje, mas a música representa, desde sempre, a sociedade onde ela se produz. Por isso muitos estudam a música de algumas épocas quando querem entender dinâmicas 62 Revista Estudos Amazônicos

18 econômicas, políticas e culturais próprias a determinados períodos. Se, ao que tudo indica, quando se ouvia Ruy Barata e Waldemar Henrique havia reconhecimento e quando se ouve Gaby Amarantos esse reconhecimento desaparece, ou é escamoteado, é porque a sociedade onde Gaby se projetou artisticamente é outra, ou sua face atual é conflituosa ou preconceitos de classe e cor permanecem vivos, ou tudo isso junto. Ou talvez possamos pensar que havia uma crença defasada em certa homogeneidade cultural, provavelmente equivocada, e que hoje desapareceu. Mas como essa perda de auto identificação pode ter acontecido em tão poucos anos? São várias as possibilidades de responder a esta questão, nenhuma dotada de objetividade. Minha base é, ainda uma vez, a identidade musical que nos distingue no domínio da canção, i.e., o que foi produzido à margem, e que hoje pode ser considerado esquecido, um paradigma que recebeu coloração paraense por uma geração numerosa e hoje quase esquecida. A produção dos cancionistas paraenses se desenvolveu na absoluta proscrição, ou ainda, exposta de modo tímido em shows organizados pelos autores, em alguns casos com apresentações uma vez ao ano e com público reduzido. Esse trabalho crítico sobre a história e a dinâmica da canção paraense nas últimas décadas ainda não foi feito, ainda que seja algo essencial que ainda exige um esforço nosso. Se tomo a canção paraense aqui como um paradigma, é porque reconheço nela uma contribuição essencial ao estilo. Por isso, minha intenção não é e nem poderia ser frear a marcha da lógica mercadológica que cerca a música há mais de um século, mas assegurar que os movimentos musicais de fachada não oprimam a história, ou uma parte dela, já que não há redenção possível dentro do sistema vigente. Logo, não se trata de salvar aquele ambiente musical esquecido nem de condenar o atual, algo que seria tão ingênuo quanto reconstruir Belém. Indicar que aquilo que foi derrotado não desapareceu como acontecimento estético já seria uma contribuição importante. Revista Estudos Amazônicos 63

19 IV Não é simples explorar fenômenos midiáticos contemporâneos servindo-se de aparato clássico, sequer podemos assegurar a viabilidade dessa transposição, mesmo nos apropriando de análises mais próximas, como as que se originaram da crítica estético-musical de traço filosófico da primeira metade do século XX, principalmente aquela elaborada por seu maior nome: Theodor Adorno, em seus textos da fase estadunidense, quando esteve mais próximo das questões que ora nos ocupam. Embora a percepção da música tenha um mesmo ponto de apoio, ditado por cada momento histórico e por suas formas de lidar com os materiais sonoros, já não parece possível tomar essas categorias como universais, nem mesmo como balizas seguras, porque as formas que determinavam padrões de consumo naquela época, hoje são consideradas extintas. Claro que as questões vitais da audição musical não se extinguiram com as grandes gravadoras, quer dizer, o que se ouve hoje nas rádios e programas musicais pouco difere daquilo que as multinacionais ditavam nesse terreno, o que só prova que aquele padrão se impôs mesmo na ausência do controle rígido dos produtores; esse alcance perene do tipo de ouvinte/espectador resignado é o mais importante legado do mundo fonográfico administrado. Mas, os tais conceitos estéticos foram pensados de acordo com a observação de alguns filósofos a partir de problemas estéticos bem definidos: é o caso de catarse, utilizado por Aristóteles como um modo de compreensão dos efeitos da tragédia grega sobre o público. Assim também se deu em Kant com os conceitos de belo e sublime, num momento em que a percepção da beleza exigia uma compreensão para além das distinções 64 Revista Estudos Amazônicos

20 entre sensível e suprassensível, elevando o filósofo o nível da discussão para a compreensão fundamental sobre o juízo de gosto estético. Se passarmos da Grécia e da Alemanha para os Estados Unidos da primeira metade do século XX, encontraremos o filósofo alemão Theodor Adorno forjando os conceitos de fetichismo e regressão da audição para um entendimento das novas formas de se ouvir música, ditadas a partir do advento do capitalismo e das formas de captação e audição técnicas da música comercial que vinham a reboque. Foi preciso novamente que um filósofo pensasse com novas categorias um fenômeno novo, gerado pelo presente mutante e inexplicável à luz dos conceitos clássicos que, embora importantes, exigiam novas formulações, ainda que como desdobramentos das reflexões anteriores. Sirvo-me deles aqui marginalmente, não para ilustrar a reflexão com lances de erudição, mas para indicar que, em nossas discussões sobre a música, o mercado, o Estado e tudo o que cerca as produções atuais, um elemento fundamental permanece excluído, como se não existisse; estou falando da análise estética, i.e., do que afinal a música causa, do que ela pode exercer sobre os ouvintes. É preciso apontar de antemão que, ao invocar a estéticamusical, não significa que se esteja propondo a manutenção de uma pretensa crítica de gosto, distintiva, hierárquica, mas que essa reflexão sobre as sensações poderia servir não apenas para reavivar a força perdida da canção amazônica, mas também para ajudar a entender o poder de arrebatamento coletivo daquilo que chamamos de cena paraense, cada vez mais notória no ambiente de alto consumo, mas não neutralizada em suas fontes por conta disso. A rigor, o fato de não ter sido gerado dentro de um esquema pré-concebido, como o eram os das grandes gravadoras até bem pouco tempo atrás, não significa que o aporte performático dessa cena seja diferenciado; antes pelo contrário, sua penetração na TV aberta, significa, sem sombra de dúvida, uma adesão natural aos padrões de consumo, um recíproco espelhamento. Talvez nem fosse preciso dizer Revista Estudos Amazônicos 65

Belém: música e identidade na cidade plural

Belém: música e identidade na cidade plural Belém: música e identidade na cidade plural Henry Burnett 1 Resumo: Quando se está imerso na própria identidade normalmente não sabemos do que somos feitos. A identidade não é uma questão, ou um tema,

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Histórias, Redes Sociais e Memória

Histórias, Redes Sociais e Memória Histórias, Redes Sociais e Memória h.d.mabuse "A capacidade de lembrar o que já se viveu ou aprendeu e relacionar isso com a situação presente é o mais importante mecanismo de constituição e preservação

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO CONCEPÇÕES ACERCA DE UMA NOVA ORDEM SOCIETÁRIA O passado não se pode ser

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com

Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com O ENSINO DO CANTO POPULAR BRASILEIRO Abordagem Didática: técnica vocal Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

Representação midiática: uma análise comparativa entre as participações da cantora Gaby Amarantos nos talk shows Agora é Tarde e The Noite 1

Representação midiática: uma análise comparativa entre as participações da cantora Gaby Amarantos nos talk shows Agora é Tarde e The Noite 1 Representação midiática: uma análise comparativa entre as participações da cantora Gaby Amarantos nos talk shows Agora é Tarde e The Noite 1 Thaís Barbosa de MEDEIROS 2 Denise Figueiredo Barros de PRADO

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin Fotos: Luís Antônio Rodrigues No Perfil & Perfil Em meio às gravações no estúdio Brothers da Lua do músico, juntamente com o gravamos uma entrevista, onde eles nos contam como começou essa amizade e parceria,

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Circo-Teatro: É Teatro No Circo

Circo-Teatro: É Teatro No Circo Circo-Teatro: É Teatro No Circo Ermínia Silva Centro de Memória da Unicamp Doutor Pesquisadora Colaboradora do Centro de Memória da Unicamp Resumo: Parte dos estudos sobre circo no Brasil, realizados no

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

5 Passos para vender mais com o Instagram

5 Passos para vender mais com o Instagram 5 Passos para vender mais com o Instagram Guia para iniciantes melhorarem suas estratégias ÍNDICE 1. Introdução 2. O Comportamento das pessoas na internet 3. Passo 1: Tenha um objetivo 4. Passo 2: Defina

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho 1 de 5 A realização de um sonho Natalino Salgado Filho É do poeta Paulo Leminski a frase: Haja hoje para tanto ontem. Ela se encaixa com perfeição na realização de um sonho embalado por tantos anos e agora

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS RESUMO

POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS RESUMO POESIA NO ENSINO MÉDIO: ANÁLISE DE RECEITAS Caroline Orlandini Moraes (Bolsista Fundação Araucária / G CLCA UENP/CJ) (Integrante do GP Literatura e Ensino - UENP/CJ) Rafaela Stopa (Orientadora - CLCA-UENP/CJ)

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro. No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro

Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro. No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro Consagrado pela crítica e pelo público Para comemorar o sucesso de tantos lançamentos

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA

CINCO OBSERVAÇÕES SOBRE UMA RESENHA CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS Neste número, a seção Crônicas e Controvérsias apresenta dois textos: o primeiro, de Sírio Possenti, acerca da resenha do livro de Alice Krieg- -Planque A noção de fórmula em análise

Leia mais

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea.

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. XX Congresso Brasileiro de Arquitetos Fortaleza, 22 04 14 Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. Arquiteto Sérgio Magalhães Muito boa noite. Minha saudação cordial a todos.

Leia mais

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br Olá, concurseiro! É um grande prazer poder lhe dar algumas dicas básicas a respeito da sua preparação para um Concurso Público. Sei que esse é um grande sonho, e ter a oportunidade de colaborar com a construção

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): 1 Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE LÍNGUA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã Oficina de Roteiro - Onda Cidadã ---Pesquisa Todo vídeo necessita de pesquisa para ser produzido. Isto ajuda a organizar as ideias e facilita a produção. Faça a sua própria pesquisa (...) você deve fazer

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

Encontros de vida que se faz vivendo.

Encontros de vida que se faz vivendo. Encontros de vida que se faz vivendo. Thatiane Veiga Siqueira 1 A menina do coração de chocolate. Juliana tem nove anos, é uma menina de olhos esbugalhados, com sorriso fácil, ao primeiro olhar já se vê

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

Figura 1 - Saci Urbano no trem às 14h45 O Saci é um ser libertário. Mostra essa passagem do meio rural para a urbanidade.

Figura 1 - Saci Urbano no trem às 14h45 O Saci é um ser libertário. Mostra essa passagem do meio rural para a urbanidade. ARTISTA DO SACI URBANO Figura 1 - Saci Urbano no trem às 14h45 O Saci é um ser libertário. Mostra essa passagem do meio rural para a urbanidade. Por Diana Mendes 1, Ana Maria Dietrich 2, Everson José de

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais