FRANCISCO DE ASSIS OLIVEIRA JÚNIOR IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS: CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FRANCISCO DE ASSIS OLIVEIRA JÚNIOR IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS: CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS"

Transcrição

1 FRANCISCO DE ASSIS OLIVEIRA JÚNIOR IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS: CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS LAVRAS - MG 2012

2 FRANCISCO DE ASSIS OLIVEIRA JÚNIOR IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS: CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Agroquímica, para obtenção do título de Mestre. Orientadora Dra. Adelir Aparecida Saczk Coorientadora Dra. Zuy Maria Magriotis LAVRAS - MG 2012

3 Ficha Catalográfica Elaborada pela Divisão de Processos Técnicos da Biblioteca da UFLA Oliveira Júnior, Francisco de Assis. Implantação do Programa de Gerenciamento de Resíduos Químicos : caso da Universidade Federal de Lavras / Francisco de Assis Oliveira Júnior. Lavras : UFLA, p. : il. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Lavras, Orientador: Adelir Aparecida Saczk. Bibliografia. 1. Gestão de resíduos químicos. 2. Logística reversa. 3. Análise multivariada. 4. Química ambiental. I. Universidade Federal de Lavras. II. Título. CDD

4 FRANCISCO DE ASSIS OLIVEIRA JÚNIOR IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS: CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Agroquímica, para obtenção do título de Mestre. APROVADA em 06 de julho de 2012 Dra. Zuy Maria Magriotis Dr. Matheus Puggina de Freitas Dra. Fabiane de Oliveira Cantão Fonseca UFLA UFLA UFLA Dra. Adelir Aparecida Saczk Orientadora LAVRAS MG 2012

5 A Deus por ter me sustendo durante todo este tempo. A minha mãe pelas renúncias, ao meu pai, à Lurdinha pela alegria no rosto e a Gleice por estar sempre ao meu lado e me ensinado a ser uma pessoa melhor. DEDICO O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem. João Guimarães Rosa Ter fé é assinar uma folha em branco e deixar que Deus nela escreva o que quiser Santo Agostinho Ninguém é suficientemente perfeito, que não possa aprender com o outro e, ninguém é totalmente destituído de valores que não possa ensinar algo ao seu irmão. São Francisco de Assis

6 AGRADECIMENTOS Certa vez alguém chegou ao céu e pediu para falar com Deus. Segundo seu ponto de vista, havia uma coisa na criação que não tinha sentido. Deus atendeu de imediato. - Senhor, sua criação é muito bonita, muito funcional, cada coisa tem sua razão de ser, mas, no meu ponto de vista, tem uma coisa que não serve para nada - E que coisa é essa? Perguntou Deus. - É o horizonte. Para que serve o horizonte? Se eu caminho um passo em sua direção, ele se afasta um passo de mim. Se, caminho cem passos, ele se afasta outros cem passos. Isso não faz sentido! O horizonte não serve para nada. Deus sorriu e disse: - Mas é justamente para isso que serve o horizonte... para fazê-lo caminhar e nunca desistir do amanhã. Minha sincera gratidão: A Deus por sempre acreditar em mim e mesmo nos momentos em que não quis seu apoio Ele esteve sempre ao meu lado. A Nossa Senhora pela proteção e cuidado de mãe. A minha orientadora Adelir que acreditou em mim quando ninguém quis acreditar. Muito obrigado pela confiança, pelo carinho, pelo respeito, pelos ensinamentos e principalmente pela amizade. A minha coorientadora Zuy, pela amizade e grande disposição em me ajudar. Ao professor Matheus que gentilmente e pacientemente me ajudou nos resultados deste trabalho. À professora Fabiane que participou da banca de defesa e contribui muito para a correção deste trabalho.

7 Ao meu pai que lá do céu está muito feliz com mais esta conquista. A minha mãe que sempre nos ensinou a lutar pelos objetivos, e hoje mamãe, sou o grande homem que a senhora sempre falou. A minha noiva Gleice que foi muito atenciosa comigo, apoiando-me e ajudando-me nos pequenos gestos, mas que significaram muito para a conclusão deste trabalho, a minha irmã Lurdinha Potranca por conseguir no silêncio de suas palavras expressar um verdadeiro amor. A minha vovó Zita que também não está conosco mais se alegra no céu junto com meu pai. A minha madrinha Lúcia que orgulha a cada dia mais do pretinho dela. A todos meus familiares e primos em especial meu primo e irmão Gustavo Verdin. A minha grande amiga Gisa pelo apoio e à Thaís que muitas vezes matou minha fome nos dias que tinha aula do mestrado. Muito obrigado à Dona Ilma pelo carinho e à Sirlene, que tantas vezes me ouviu. Aos meus amigos e irmãos do Grupo de Oração Luz e Vida: Christofer, Tia Lili, Bruno Bressani, Miúda e Nathan. Muito obrigado pelo carinho e zelo que vocês têm por mim. Aos meus grandes amigos de longa data Alexandre e Alessandro um pouco distante, mas sempre presentes, muito obrigado. A Universidade Federal de Lavras, ao Departamento de Química e ao Programa de Pós-Graduação em Agroquímica em especial à Shirley que esteve disponível para esclarecer as minhas inúmeras dúvidas. A todos os professores do Departamento de Química que tive a honra de conviver e aprender, em especial ao professor Teodorico que me concedeu uma oportunidade de ser melhor, só conclui o mestrado graças ao seu voto de confiança, muito obrigado Téo por tudo e aos demais professores em especial, Walclée, Mario, Malu, Elaine, Bruno, Custódio, Angelita o meu muito obrigado.

8 Aos amigos e companheiros dos laboratórios de química, onde pude experimentar um bom café e um bom papo obrigado em especial Joalis, Wilssinho, Marcelo, Liege e Xulita. Às amigas Elisangela M. Carvalho e Hélia Maria Vitor da prefeitura do Campus da UFLA muito obrigado pela disposição em me atender. Aos meus grandes amigos do LGRQ: Robson e Felipe, sem vocês esse sonho não se cumpriria, ao Hugo que trouxe animo e dedicação ao LGRQ você é grande parceiro, à Elaíza que trouxe eficiência e presteza ao LGRQ muito obrigado pela sua dedicação em catalogar, pesar e organizar o entreposto, a Hélvia e o João Paulo pelo cuidado com entreposto, ao Rafael pelas planilhas, a todos os estudantes do LGRQ que fazem deste laboratório um local de muita harmonia. Muito obrigado a todos meus alunos que me ensinam com suas travessuras, e as diversas pessoas que passaram pela minha vida contribuindo para minha história. E as pedras do caminho? Foram tantas que estou recolhendo para construir um castelo. O nome do castelo? ESPERANÇA.

9 RESUMO As instituições de ensino trabalham com uma grande variedade de produtos químicos e geram da mesma forma uma enorme diversidade de materiais residuais. Na grande maioria das universidades, a gestão dos resíduos gerados em suas atividades rotineiras é inexistente, e devido à falta de um órgão fiscalizador, o descarte inadequado continua a ser praticado. A Universidade Federal de Lavras (UFLA) implementou um Programa de Gerenciamento de Resíduos Químicos (PGRQ) no segundo semestre de Para o sucesso desse programa é importante que toda a comunidade acadêmica esteja engajada em suas propostas e objetivos. Assim, ações de conscientização ambiental como palestras, cursos e acompanhamento dos técnicos são necessárias para divulgar e consolidar o programa. Para dar prosseguimento ao gerenciamento adequado de resíduos químicos na UFLA, é necessário que se estabeleça rotinas operacionais de fluxo de resíduos dos laboratórios locais para o LGRQ, assim como um fluxo reverso. Reunir dados de coletas de entrada e saída de resíduos e uma destinação adequada destes será de fundamental importância para consolidar o PGRQ. Assim, tratar e analisar esses resultados, por análises multivariadas permitirá programar uma logística no decorrer de suas atividades com critérios e organização, propondo rotinas de coleta e tratamento de resíduo químico. Palavras-chave: Resíduos químicos. Gerenciamento de resíduos. Logística reversa. Análise multivariada.

10 ABSTRACT The educational institutions work with a wide variety of chemical products and generate the same way, a huge diversity of waste materials. In the vast majority of universities, the management of waste generated in their routine activities is non-existent, and due to the lack of a supervisory body, the inappropriate disposal continues to be practiced. The Federal University of Lavras (UFLA) implemented a Chemical Waste Management Program (CWMP) in the second semester of For the success of the program it is important that the entire academic community is engaged in its proposals and objectives. Thus, environmental awareness actions such as lectures, courses and technical monitoring are required to disseminate and consolidate the program. To continue to the proper management of chemical residues at UFLA, it is necessary to establish operational routines of the waste flow from the local laboratories for the Laboratory Chemical Waste Management, as well as a reverse flow. Gather data collections of waste input and output and a proper disposal of these will be fundamental importance to consolidate the Chemical Waste Management Program. So, treat and analyze these results by multivariate analyses allow to program a logistics throughout of their organization and activities with criteria and proposing routine collection and treatment of chemical waste. Keyword: Waste chemical. Waste management. Reverse logistics. Multivariate analyses.

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Resíduos gerados em uma Universidade Figura 2 Resíduos de laboratórios químicos gerados nas Universidades Figura 3 Códigos e campos de preenchimento do Diagrama de Hommel Figura 4 Rótulo Padronizado fornecido pelo LGRQ Figura 5 A logística Integrada Figura 6 Processo Logístico Reverso Figura 7 Resíduos coletados pelo LGRQ de acordo com sua classificação a) 2010 b) Figura 8 Foto das prateleiras do entreposto Figura 9 Entreposto do LGRQ Figura 10 Resíduos Tratados pelo LGRQ. a) 2010 b) Figura 11 PCA dos Departamentos da UFLA no ano de 2010 e 2011 a) scores, b) Loadings Figura 12 PCA dos Departamentos da UFLA, obtido pelo programa Pirouette 4.1. scores, b) Loadings Figura 13 PCA dos Departamentos da UFLA, obtido pelo programa Pirouette 4.1. scores, b) Loadings Figura 14 PCA do DAG a) scores, b) Loadings Figura 15 PCA do DBI a) scores b) Loadings Figura 16 PCA do DCA a) scores, b) Loadings Figura 17 PCA do DCF a) scores b) Loadings Figura 18 PCA para o DCS a) scores, b) Loadings Figura 19 PCA do DEG a) scores, b) Loadings Figura 20 PCA o DEN a) scores, b) Loadings Figura 21 PCA do DFP a) scores, b) Loadings Figura 22 PCA do DMV a) scores, b) Loadings... 78

12 Figura 23 PCA do DQI 4.1. a) scores, b) Loadings Figura 24 PCA do DZO a) scores, b) Loadings Figura 25 PCA do Inventário de a) scores, b) Loadings Figura 26 Cadeia de Suprimentos do Laboratório de Gerenciamento de Resíduos Químicos e fluxo reverso dos resíduos... 87

13 LISTA DE QUADROS E TABELAS Quadro 1 Atividades comuns da logística reversa Quadro 2 Legenda dos gráficos Tabela 1 Resíduos coletados pelo LGRQ em 2010 e Tabela 2 Ordem de Serviço Executado pelo LGRQ em 2010 e

14 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT ANTT CONAMA DAG DCA DBI DCF DCS DEG DEN DFP DMV DQI DZO ESAL FISPQ IEF LGRQ MSDS MT NFPA ODS PC1 PC2 PCA PGRQ Associação Brasileira de Normas Técnicas Agência Nacional de Transportes Terrestres Conselho Nacional de Meio Ambiente Departamento de Agricultura Departamento de Ciências de Alimentos Departamento de Ciências Biológicas Departamento de Ciências Florestais Departamento de Ciências dos Solos Departamento de Engenharia Departamento de Entomologia Departamento de Fitopatologia Departamento de Medicina Veterinária Departamento de Química Departamento de Zootecnia Escola Superior de Agricultura de Lavras Ficha de Segurança de Produtos Químicos Instituição de Ensino Federal Laboratório de Gestão de Resíduos Químicos Material Safety Data Sheet Ministério de Transporte National Fire Protection Association Ordem de Serviço Primeira Componente Principal Segunda Componente Principal Análise dos Componentes Principais Programa de Gerenciamento de Resíduos Químicos

15 PNRS POA UFLA Política Nacional de Resíduos Sólidos Processos Oxidativos Avançados Universidade Federal de Lavras

16 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Geral Específicos REFERENCIAL TEÓRICO Resíduos químicos Classificação Resíduos gerados nas Instituições de Ensino Superior (IES) Legislação brasileira Programas de gerenciamento de resíduo químico nas IES Implantação do programa de gerenciamento de resíduo químico na UFLA Manejo dos resíduos químicos Regras gerais para o acondicionamento Rotulagem Rótulo padrão do programa de gerenciamento de resíduos químicos Coleta Entreposto e segregação Tratamento dos resíduos químicos Introdução definições em termos de Álgebra Linear Logística Logística reversa Atividades da logística reversa A logística reversa no Brasil MATERIAIS E MÉTODOS... 44

17 4.1 Recolhimento de resíduo químico Segregação Código de entrada Formas de tratamento Destilação Metais Neutralização Processo Oxidativo Avançado (POA) Destinação final Análise multivariada RESULTADOS E DISCUSSÃO Resíduos químicos gerados pela UFLA Recolhimento de resíduos Coleta durante os anos de 2010 e Solicitações de ODS em 2010 e Segregação de resíduos A segregação Zoneamento do entreposto Saída de resíduos do entreposto Tratamento de resíduos Análise Multivariada dos resíduos químicos recolhidos no LGRQ Análise multivariada da Entrada de Resíduos químicos por Departamento Análise de entrada de resíduo químico para cada departamento Departamento de Agricultura Departamento de Biologia... 70

18 Departamento Ciência dos Alimentos Departamento de Ciências Florestais Departamento Ciências do Solo Departamento de Engenharia Departamento de Entomologia Departamento de Fitopatologia Departamento de Medicina Veterinária Departamento de Química Departamento de Zootecnia Perfil de geração de resíduos por departamento e para cada tipo de resíduo no ano de Logística integrada Rotina de coleta por departamento Rotina de tratamento Custo do tratamento Neutralização POA Logística reversa CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS... 95

19 18 1 INTRODUÇÃO O crescente aumento da população mundial tem feito com que a miséria, poluição e escassez de recursos naturais se agravem cada vez mais. Atualmente, cresce o interesse pela química verde, onde as indústrias estão trocando processos tradicionais por tecnologias ambientalmente corretas. De acordo com a Constituição Federal de 1988, artigo 225, do Meio Ambiente: todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e a coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para os presentes e futuras gerações (BRASIL, 2000a). Ao acolher tendências mundiais em busca da sustentabilidade ambiental e fazer cumprir a legislação vigente (principalmente a Lei de Crimes Ambientais, nº 9605/98), as instituições de ensino superior brasileiras (IEFs) vêm desenvolvendo, pouco a pouco, programas próprios de gerenciamentos de seus resíduos (BRASIL, 1998). A Escola Agrícola de Lavras foi fundada em 1908, pelo Instituto Gammon, transformou-se em Escola Superior de Agricultura de Lavras (ESAL) em 1938 e em Universidade Federal de Lavras (UFLA) em Em 2009, o Laboratório de Gestão de Resíduos Químicos (LGRQ), iniciou suas atividades fazendo um levantamento dos resíduos passivos e ativos de todos os laboratórios da UFLA. Foi recolhido o total de 10 toneladas, sendo os passivos destinados a uma empresa especializada. No segundo semestre de 2009 foi realizado um curso de capacitação para todos os técnicos de laboratórios da UFLA, com o intuito de conscientizar e orientar quanto ao armazenamento, rotulagem, transporte e segurança do laboratório. Dessa forma o LGRQ orientou a tratar e/ou destinar de forma correta, os resíduos químicos gerados por esta instituição.

20 19 Para dar prosseguimento ao gerenciamento adequado de resíduos químicos na UFLA é necessário que se estabeleça rotinas operacionais de fluxo de resíduos dos laboratórios locais para o LGRQ, assim como um fluxo reverso. Reunir dados de coletas de entrada e saída de resíduos e uma destinação adequada destes será de fundamental importância para consolidar o PGRQ. Assim, tratar e analisar esses resultados por análises multivariadas permitirá a programação de uma logística no decorrer de suas atividades com critério e organização, propondo rotinas de coleta e tratamento de resíduo.

21 20 2 OBJETIVOS 2.1 Geral Propor instrumentos de gestão para o Programa de Gerenciamento de Resíduos Químicos (PGRQ) sob a coordenação do LGRQ, junto aos laboratórios da UFLA, definindo procedimentos administrativos que tenham como foco os processos logísticos de coleta e tratamento de resíduos químicos. 2.2 Específicos Levantamento de dados durante os anos de 2010 e Controlar o estoque de entrada/saída de resíduos no entreposto. Organizar a logística de coleta e tratamento dos resíduos. Estimar um fluxo mensal de coleta, tratamento e destinação de resíduos do LGRQ.

22 21 3 REFERENCIAL TEÓRICO 3.1 Resíduos químicos Em quaisquer processos de produção, transformação ou obtenção de materiais existem produtos que não apresentam valor comercial, utilidade ou benefício para o homem. Esses produtos são denominados resíduos. Os resíduos podem ser considerados perigosos, não perigosos, ativos e passivos e dependendo da classificação, quando descartados de forma inadequada, podem contaminar o solo e os mananciais aquíferos (NOLASCO; TAVARES; BENDASSOLLI, 2006) Classificação A classificação dos resíduos permite estruturar, de forma adequada, as etapas do processo de implementação e execução do sistema de gerenciamento de resíduos (VILHENA, 1999). Pode ser classificado quanto: a) Origem: Podem ter origens domésticas, hospitalares, comerciais, agrícolas, de serviços, lodos provenientes do sistema de tratamento de águas, resíduos gerados por equipamentos e instalações do controle de poluição, e determinados líquidos que não podem ser lançados nas redes públicas de esgotos. Podem ser divididos ainda em urbanos, industriais, radioativos, serviço de saúde e agrícolas (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT, 2004).

23 22 b) Natureza: Podem ser seco ou molhado (natureza física) e orgânico ou inorgânico e grua de biodegrabilidade (composição química) (LEITE,1997). c) Classe: Classe I resíduos perigosos, características inflamáveis, corrosivas, reativas, tóxicas e patogênicas. Exemplos: resíduos hospitalares, industriais e agrícolas, pilhas, baterias, lâmpadas fluorescentes, medicamentos e produtos químicos vencidos, embalagens de produtos químicos em geral (inclusive de limpeza pesada e inseticida), restos de tintas e solventes. Classe II resíduos não perigosos; Classe II A resíduos não inertes. Exemplos: a maioria dos resíduos domésticos, sucatas de materiais ferrosos e/ou não ferrosos e ainda embalagens de plástico. Classe II B resíduos inertes. Exemplos: entulhos de demolições como pedras, areias, além de concreto e vidro. d) Resíduo ativo e passivo: O resíduo ativo é gerado continuamente, fruto das atividades rotineiras. Nos laboratórios de pesquisa, a quantidade de resíduo gerada é pequena e de grande versatilidade, o que torna difícil a minimização da geração desse tipo de resíduos. O resíduo passivo compreende todo resíduo estocado, não caracterizado, aguardando destinação adequada. Podem ser restos reacionais, resíduos sólidos, frascos de reagentes vencidos entre outros (JARDIM, 1998). 3.2 Resíduos gerados nas Instituições de Ensino Superior (IES) As indústrias sempre foram preocupadas com a questão ambiental, devido à quantidade de resíduos gerados. Por outro lado, as Universidades não

24 23 são fiscalizadas, em grande parte delas o descarte de resíduo ainda ocorre de maneira indiscriminada. As IES enquanto organizações formadoras de recursos humanos devem desempenhar um papel perante a sociedade e ao meio ambiente. Toda Universidade impulsionada pelo governo federal aumentou seu leque de cursos em todas as áreas do conhecimento, com isso espera-se que a quantidade de resíduos aumente. A Figura 1 representa diversas fontes geradoras de resíduos de uma Universidade. Figura 1 Resíduos gerados em uma Universidade Fonte Sassiotto, Salvador e Corneto (2004) Os laboratórios acadêmicos são locais onde as atividades práticas associadas ao ensino, pesquisa e extensão são executadas e constituem fonte de geração de resíduos. A Figura 2 exemplifica as possíveis fontes geradoras de resíduos químicos de uma Universidade.

25 24 Figura 2 Resíduos de laboratórios químicos gerados nas Universidades Fonte: Sassiotto, Salvador e Corneto (2004) 3.3 Legislação brasileira O Brasil conta com uma legislação vigente e rigorosa, porém a falta de fiscalização torna-a não executável. Existem diversas leis que contemplam o tema meio ambiente. Algumas dessas merecem destaque: a) Constituição Federal: Título VIII, Capítulo VI, do Meio Ambiente de 1988: assegura o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado (BRASIL, 2000a). b) Lei nº 6938 de 31 de agosto de 1981 dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus afins e mecanismos de formulação e aplicação (BRASIL, 1981). c) Resolução do CONAMA nº 9605 de 12 de fevereiro de 1998 dispõe sobre sanções penais e administrativas derivadas de

26 25 condutas e atividades lesivas ao meio ambiente (CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, 1998). d) Resolução do CONAMA nº 257 de 30 de junho de 1999 estabelece que pilhas e baterias, que contenham em sua composição chumbo, cádmio, mercúrio e seus compostos, tenham os procedimentos de reutilização, reciclagem, tratamento ou disposição final ambientalmente adequado (CONAMA, 1999). e) Lei nº de 28 de abril de 2000 dispõe sobre a prevenção, o controle e a fiscalização da poluição causada por lançamentos de óleo e outras substâncias nocivas ou perigosas em águas sob jurisdição nacional (BRASIL, 2000b). f) Resolução do CONAMA nº 357 de 17 de março de 2005 dispõe sobre a classificação dos corpos de águas e diretrizes ambientais para o enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamentos de efluentes (CONAMA, 2005). g) Resolução do CONAMA nº 397 de 03 de abril de 2008 altera a resolução nº 357 de 17 de março de 2005 (CONAMA, 2008). h) Lei nº de 02 de agosto de 2010 institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9605 (BRASIL, 1010). Ainda que o tema ambiental esteja presente em diversas leis é necessário integrá-lo às ações do nosso cotidiano, tanto no âmbito particular como acadêmico. 3.4 Programas de gerenciamento de resíduo químico nas IES Nos anos sessenta as IES passaram a introduzir a temática ambiental. Os Estados Unidos foram pioneiros neste tema, com práticas que estimulavam as

27 26 promoções de profissionais nas ciências ambientais, que se expediu ao longo dos anos setenta. Algumas universidades começaram a implementar seus programas de gerenciamento a partir dessa década, entre elas cita-se a Universidade da Califórnia, a Universidade de Winscosin, a Universidade do Estado do Novo México, a Universidade de Illinois e a Universidade de Minnesota (ASHBROOH, 1985). Já nos anos oitenta, o destaque foi para políticas mais específicas a gestão de resíduos e eficiência energética. Durante a década de noventa se desenvolveram políticas ambientais de âmbito global, que congregaram todos os âmbitos das instituições (DELGADO; VÉLEZ, 2005). No Brasil, diversas IFES desenvolvem programas de gerenciamento de resíduos químicos (PGRQ). Dentre as instituições federais, 44,6% têm programa ou estão com uma linha de pesquisa formada. Nas Universidades Estaduais 28,6% já possuem PGRQ implantado ou em desenvolvimento. Merecem destaque os seguintes Institutos/Universidades: IQ/USP - Instituto de Química da Universidade de São Paulo (DI VITTA et al., 2002); IQSC/USP - Instituto de Química da Universidade de São Paulo do Campus São Carlos (ALBERGUINI; SILVA; REZENDE, 2003); CENA/USP - Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo (TAVARES, 2004); UNICAMP - Universidade de Campinas (COELHO et al., 2002); IQ/UERJ - Instituto de Química da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (BARBOSA et al., 2003); DQ/UFPR Departamento de Química da Universidade Federal do Paraná (CUNHA, 2001); IQ/UFRGS - Instituto de Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (AMARAL et al., 2001); UCB - Universidade Católica de Brasília (DALSTON et al., 2004); UFSCar - Universidade Federal de São Carlos (SASSIOTTO; SALVADOR; CORNETO, 2004); FURB Universidade Regional de Blumenau (ZANELLA, 2004); URI Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (DEMAMAN et al., 2004); UFRJ

28 27 Universidade Federal do Rio de Janeiro (AFONSO et al., 2003); UNIVATES Centro Universitário Univates (BERSCH; GONÇALVES; MACHADO, 2004). Um programa de gerenciamento de resíduos contribui para diminuir riscos, reduzir ou eliminar a insalubridade e periculosidade de vários locais, e também para despertar nos discentes, técnicos e docentes a consciência de que são capazes de gerar conhecimento e descartar adequadamente aquilo que, na geração desse conhecimento, possa representar risco grave à saúde ou ao ambiente. A Universidade tem como papel formar profissionais com visão holística para a temática ambiental, dessa forma cada aluno pode levar suas experiências nessa área para suas vidas profissionais e pessoais Implantação do programa de gerenciamento de resíduo químico na UFLA A UFLA foi fundada em 1908 sob o lema do Instituto Gammon: Dedicado à glória de Deus e ao Progresso Humano, a Escola Agrícola de Lavras, depois Escola Superior de Agricultura de Lavras (ESAL) e, hoje, Universidade Federal de Lavras (UFLA), é um exemplo vivo da concretização dos ideais de seu fundador, Dr. Samuel Rhea Gammon, e de seu primeiro diretor, Dr. Benjamim Harris Hunnicutt. Os três pilares de uma Universidade são: ensino, pesquisa e extensão. Para o desenvolvimento de suas atividades de ensino e pesquisa a UFLA possui diversos laboratórios que geram diferentes tipos de resíduos, dentre eles, o químico. A implantação de um PGRQ requer mudanças de atitude, e por isso, é uma atividade com resultados a médio e longo prazos (AFONSO et al., 2003). Por esse motivo, dois pontos são primordiais para o sucesso do programa: a instituição deve estar realmente disposta a implementar e sustentar um programa

29 28 de gestão de resíduos; e o fator humano, pois o sucesso do programa está diretamente relacionado à mudança de atitudes de todas as pessoas envolvidas na geração dos resíduos (discentes, funcionários e docentes) (JARDIM, 1998). O PGRQ da UFLA está integrado diretamente com diversos departamentos, por meio dos técnicos responsáveis pelos laboratórios de ensino e pesquisa e por discentes de Programa de Pós-Graduação. Em agosto de 2007 dois discentes do curso de Química Licenciatura da UFLA realizaram um estágio no Laboratório de Resíduos Químicos da USP - São Carlos com o intuito de conhecer o funcionamento de um programa de resíduos consolidado, além de realizar alguns tratamentos. O PGRQ iniciou suas atividades em 2008, quando começaram as coletas semanais dos resíduos gerados em aulas práticas do DQI/UFLA e o levantamento dos resíduos passivos e ativos gerados por todos os departamentos. Também nesse ano iniciou-se a construção do Laboratório de Gestão de Resíduos Químicos (LGRQ) com a finalidade de recolher, tratar e recuperar resíduos químicos gerados em toda instituição. Em agosto de 2009 iniciaram as atividades do LGRQ com o recolhimento, tratamento e destinação final dos resíduos dos departamentos da UFLA, institucionalizando assim o PGRQ. Nesse ano, foi realizado um curso de capacitação com todos os técnicos de laboratórios químicos, possibilitando que fossem esclarecidas as dúvidas quanto ao gerenciamento de resíduos em seus laboratórios, integrando-os ao PGRQ. Ainda, com a finalidade de capacitar foi realizado palestras nos Programas de Pós-Graduação dentro da disciplina Seminários, no sentido de orientar e reforçar a integração e o conhecimento do PGRQ junto a esses discentes, contribuindo para sua consolidação. No primeiro semestre de 2010 foi realizada uma visita a todos os laboratórios para que fosse feita uma análise de sua adequação quanto à

30 29 segurança química e a gestão dos resíduos de acordo com as normas do PGRQ. Nesse mesmo ano o LGRQ começou a trabalhar mediante a ODS (Ordem de Serviço) que eram protocoladas na Prefeitura do Campus e executada de acordo com a logística mais apropriada. O ano de 2011 foi decisivo para que pudesse comparar o impacto do PGRQ em todos os departamentos da UFLA, já que se têm dados para um estudo mais evidente do que se coleta, trata e destina, pode-se propor e implementar uma logística de suas atividades com mais critérios e organização. Dos tratamentos propostos pelo LGRQ foram iniciados no DMV um estudo da quantificação e reutilização da água contendo solução de formaldeído. Nesse departamento são descartados aproximadamente 6000 litros de água contendo a solução de formaldeído e restos de tecidos animais no esgoto. Por esse motivo, espera-se que ao realizar o gerenciamento adequado desse resíduo, haja uma diminuição dos custos financeiros e ambiental para a Universidade. Os resíduos de ácido sulfúrico e línter de algodão provenientes do DAG também estão sendo estudados, para que seja utilizado na neutralização de outros resíduos. Esses tratamentos realizados pelo PGRQ da UFLA estimulam o reaproveitamento do resíduo inevitavelmente gerado, podendo ser realizado por meio de reciclagem, recuperação ou reutilização. As definições sobre essa terminologia são variadas, mas Tavares et al. (2004) explicam que reciclar é refazer o ciclo completo, volta à origem, ou seja, é quando determinado material retorna como matéria-prima ao seu processo produtivo. Recuperar é retirar do resíduo um componente energético de interesse, seja por questões ambientais, financeiras ou ambas concomitantemente. Já a reutilização ou reuso é quando um resíduo é utilizado, tal qual foi gerado, em um processo qualquer, dentro ou fora da unidade geradora (NOLASCO; TAVARES; BENDASSOLLI, 2006).

Gerenciamento de resíduos químicos dos laboratórios de Engenharia Química da UTFPR Ponta Grossa

Gerenciamento de resíduos químicos dos laboratórios de Engenharia Química da UTFPR Ponta Grossa Gerenciamento de resíduos químicos dos laboratórios de Engenharia Química da UTFPR Ponta Grossa Resumo: Existe uma necessidade evidente de se ter um controle sobre resíduos químicos de toda e qualquer

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia.

Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia. Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia. Aluna: Thaísa Silveira Nascimento Curso: Engenharia Ambiental Professor: Ricardo Motta Pinto Coelho O que é a Reciclagem?

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná LEI Nº 12493-22/01/1999 Publicado no Diário Oficial Nº 5430 de 05/02/1999. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes a geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte,

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final Disposição inadequada

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

NORMAS PARA RECOLHIMENTO DOS RESÍDUOS QUÍMICOS DO CAMPUS DE SÃO CARLOS

NORMAS PARA RECOLHIMENTO DOS RESÍDUOS QUÍMICOS DO CAMPUS DE SÃO CARLOS NORMAS PARA RECOLHIMENTO DOS RESÍDUOS QUÍMICOS DO CAMPUS DE SÃO CARLOS Universidade de São Paulo Laboratório de Resíduos Químicos Campus de São Carlos Av. Trabalhador Sancarlense 400 CEP: 13566-590 São

Leia mais

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais.

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. O F I C I N A D E ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. Walter Françolin DMA FIESP Agosto 2010 ou outra destinação final ambientalmente adequada; Art. 3º - XII

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.497, de 03 de setembro de 2004. Publicada no DOERJ de 21 de setembro de 2004.

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.497, de 03 de setembro de 2004. Publicada no DOERJ de 21 de setembro de 2004. DZ-1310.R-7 - SISTEMA DE MANIFESTO DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.497, de 03 de setembro de 2004. Publicada no DOERJ de 21 de setembro de 2004. 1 OBJETIVO Estabelecer a metodologia

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: MELHORES PRÁTICAS E PERSPECTIVAS

GESTÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: MELHORES PRÁTICAS E PERSPECTIVAS GESTÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: MELHORES PRÁTICAS E PERSPECTIVAS Emanuela Saramento (*), Alexandra Rodrigues Finotti, Ariane Laurenti, Renata Martins Pacheco, Sara Meireles

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ. Caroline Borges

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR Política Nacional de Resíduos Sólidos BASE LEGAL : Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010 Decreto Federal nº 7404, de 23.12.2010 Princípio

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: chumbo, cromo, tratamento, recuperação, resíduos.

RESUMO. Palavras-chave: chumbo, cromo, tratamento, recuperação, resíduos. TRATAMENTO E RECUPERAÇÃO DE RESÍDUOS DE CHUMBO E ÍONS CROMATO GERADOS NO LABORATÓRIO DE ENSINO DE QUÍMICA ANALÍTICA DO CENTRO DE EDUCAÇÃO E SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Tácia Thaisa

Leia mais

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Raquel Ströher 1, Ana Paula Ströher 2, João Walker Damasceno 3 RESUMO: No Brasil,

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Parecer Técnico nº 08/2014

Parecer Técnico nº 08/2014 Parecer Técnico nº 08/2014 INTERESSADO: ASSUNTO: ABRANGÊNCIA: Setor Industrial de Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado do Paraná Plano de Logística Reversa Estadual PROTOCOLO: 13.352.187-9

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS

UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Bruna Cristina Vieira Lopes CURITIBA JUNHO, 2013 1 BRUNA

Leia mais

Esclarecimentos Importantes

Esclarecimentos Importantes Meio Ambiente Desenvolvimento Sustentável Reciclagem de Pilhas e Baterias André Luis Saraiva Vice-Diretor de Meio Ambiente da ABINEE andresaraiva@abinee.org.br 28.04.2005 Esclarecimentos Importantes Abinee

Leia mais

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS CABRAL, Mayara da Nóbrega CHAVES, Antônio Marcos Maia CHAVES, Maria Emília Tiburtino JALES, Silvana Teresa Lacerda MEDEIROS, Leanio Eudes

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS. Patricia Busko Di Vitta. pabusko@iq.usp.

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS. Patricia Busko Di Vitta. pabusko@iq.usp. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS Patricia Busko Di Vitta pabusko@iq.usp.br Setor Técnico de Tratamento de Resíduos Instituto de Química

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

NORMA CETESB P4.262 (2007)

NORMA CETESB P4.262 (2007) NORMA CETESB P4.262 (2007) (Versão Agosto/2007) Gerenciamento de Resíduos Químicos provenientes de Estabelecimentos de Serviços de Saúde - Procedimento 1 - Objetivo Esta norma estabelece procedimentos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Leonardo Dias Pinto (Latec/UFF) Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas (Latec/UFF) Resumo Os resíduos sólidos provenientes

Leia mais

20ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE LONDRINA PROMOTORIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE, PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA E FUNDAÇÕES

20ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE LONDRINA PROMOTORIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE, PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA E FUNDAÇÕES RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA CONJUNTA Nº 001/2011 A PROMOTORIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE DE LONDRINA, através da Promotora de Justiça Solange Novaes da Silva Vicentin, e o INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais OS ACORDOS SETORIAIS E A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA: Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais X Seminário Nacional de Resíduos Sólidos Associação Brasileira de Engenharia

Leia mais

UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011

UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011 UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011 Autora: Profa. Dra. Melissa Furlan Cursos: Direito e Engenharia Ambiental Área de Pesquisa: Meio Ambiente Título do artigo: O destino

Leia mais

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista 1 Única entidade sindical reconhecida pelo Governo Federal que representa a categoria econômica dos

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O GERENCIAMENTO (PGRQ)

PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O GERENCIAMENTO (PGRQ) PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O GERENCIAMENTO DE Profa. Magda Beretta (Escola Politécnica) Prof. Lafaiete Cardoso (Instituto de Química) Profa. Viviana Zanta (Escola Politécnica) Outubro/2006 As atividades

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana;

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana; RESÍDUOS SÓLIDOS - são os resíduos que se apresentam nos estados sólidos, semi-sólidos e os líquidos não passíveis de tratamento convencional, que resultam de atividades de origem industrial, comercial,

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA jscolforo@ufla.br Câmpus da UFLA em 2015 Discentes graduação:11.607 Discentes pós-graduação: 2.184 Técnicos: 563 Docentes: 603

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento: Recursos Humanos, Políticas Públicas e Educação Juliana Chaves Maristela Pessolano

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

RESÍDUOS PERIGOSOS. Autor: Nicolau Bello Email:- nicobelo@hotmail.com 1

RESÍDUOS PERIGOSOS. Autor: Nicolau Bello Email:- nicobelo@hotmail.com 1 RESÍDUOS PERIGOSOS Email:- nicobelo@hotmail.com 1 Autor:- Nicobelo@hotmail.com Resíduos Perigosos Resíduos Industriais Normas Ambientais Como Identificar Resíduos Perigosos? Tratamento de Resíduos Perigosos.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 I RESUMO EXECUTIVO O que muda com a Lei 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros controlados ficam proibidos. A Lei, determina que todas as administrações

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

RESULTADOS E CONCLUSÕES

RESULTADOS E CONCLUSÕES Torres, G. R. ; BORGES, S. S. ; BECKER, H. ; CAVALCANTE, D. A. ; OLIVEIRA, E. S.. Programa de Gerenciamento de Resíduos da Universidade Federal do Ceará: a sustentabilidade socioambiental implementada

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 I - Dos objetivos do Decreto Quase cinco meses após a publicação da lei 12.305/10, que instituiu a chamada Política Nacional

Leia mais

REUTILIZAÇÃO 100% Engenheiro Químico Celso Luís Quaglia Giampá

REUTILIZAÇÃO 100% Engenheiro Químico Celso Luís Quaglia Giampá REUTILIZAÇÃO 100% Engenheiro Químico Celso Luís Quaglia Giampá PROJETO FÊNIX IMPLANTANDO SOLUÇÃO GERENCIAMENTO DOS RSU EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONTINUADA NA POPULAÇÃO COLETA SELETIVA PARA RESÍDUOS SECOS E ÚMIDOS

Leia mais

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados, o Primeiro e o Segundo Setor da Sociedade. Tem como objetivo

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Porto Alegre RS

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Porto Alegre RS Política Nacional de Resíduos Sólidos Porto Alegre RS Data: 04 Julho 2015 Apresentação PNRS: Atores e obrigações Panorama Geral: Implementação da PNRS no Brasil Pesquisa CNM (2015) Sanções PNRS PNRS PNRS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais