ELIS CRISTINA CORRER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELIS CRISTINA CORRER"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA ELIS CRISTINA CORRER ARAPONGAS-PR 2010

2 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA ELIS CRISTINA CORRER EXPLORANDO TEXTOS DO COTIDIANO NO ENSINO DE QUÍMICA Plano de trabalho apresentado ao Programa de Desenvolvimento Educacional - PDE - Secretaria de Estado da Educação. Orientadora: Profa. Dra. Flaveli Aparecida de Souza Almeida

3 PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA A) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: PROFESSOR PDE: Elis Cristina Correr ÁREA PDE: Química NRE: Apucarana PROFESSOR ORIENTADOR IES: Flaveli Aparecida Souza Almeida IES VINCULADA: UEL - Universidade Estadual de Londrina ESCOLA DE IMPLEMENTAÇÃO: Colégio Estadual Walfredo Silveira Corrêa - Arapongas/PR PÚBLICO OBJETO DA INTERVENÇÃO: Alunos de 1 série do Ensino Médio. B) TEMA DE ESTUDO DO PROFESSOR PDE USOS E ABUSOS DA LINGUAGEM QUÍMICA: APRENDER PARA QUÊ? C) TÍTULO EXPLORANDO TEXTOS DO COTIDIANO NO ENSINO DE QUÍMICA

4 D) JUSTIFICATIVA O conhecimento das ciências é de grande utilidade para o cidadão, pois estamos cada vez mais, cercados por suas conquistas. Diante disso, o ensino de ciências tem uma função social fundamental (GOMES; MOITA, 2005). A Química é uma ciência que está fortemente inserida em nosso cotidiano exercendo uma influência muito grande no contexto político, social e econômico sob diversos ângulos e perspectivas em nossa sociedade. A Química, segundo Gomes e Moita (2005), tornou-se uma ciência central em todo o desenvolvimento científico e tecnológico que vêm ocorrendo desde a segunda metade do século passado. Ela está inter-relacionada a inúmeras áreas do conhecimento, como a física, astronomia, biologia, medicina, farmácia entre outras. O dia-a-dia das pessoas é repleto de situações relacionadas à Química e estas não podem ser analisadas de maneira restrita e disciplinar, visto que envolvem conhecimentos das diversas áreas do conhecimento (RICHETTI, 2008). Entretanto, observa-se que os conteúdos escolares de Química geralmente são trabalhados de maneira dissociada da realidade dos alunos. Beltran e Ciscato (1991), apontam que a Química é uma ciência que tem relação com quase tudo em nossa vida e as pessoas precisam saber disso, ou seja, quando alguém come, respira, pensa, está realizando processos químicos. Geralmente, a química é associada a um cientista e as ciências; a coisas ruins e nocivas à saúde, pois se nota que, ao falar de produtos químicos há uma referência ao não natural, e a ideia de natural é associada àquilo que é puro e faz bem à saúde. Em consequência desse fato, percebe-se que algumas dificuldades dos alunos não são apenas de aplicação de conceitos no seu cotidiano e sim porque não há apropriação do conceito como ferramenta à qual se recorre para pensar e agir no mundo. A química esta presente em todas as atividades humanas. Muitas vezes informações imprecisas, como este alimento não contem química, ou alarmistas como a energia nuclear mata, levam o aluno a ter uma visão distorcida da Química. É necessário, portanto, fazer uma análise dos benefícios e malefícios que essa ciência traz. Os problemas que podem surgir dependem da forma de produção e aplicação desses produtos, e o homem, como usuário deve estar consciente dos seus atos. (UTIMURA; LINGUANOTO, 1998, p. 11)

5 Assim, como a química produz materiais importantes para a vida do ser humano, também gera poluição e armas químicas que podem ser usadas nas guerras entre os povos. A Química tem garantido ao ser humano uma vida mais longa e confortável. O seu desenvolvimento tem permitido a busca para solução de problemas ambientais, o tratamento de doenças antes incuráveis, o aumento da produção agrícola, a construção de prédios mais resistentes, a produção de materiais que permitem a confecção de novos equipamentos. Contudo, associada ao progresso, temos uma infinidade de desequilíbrios ambientais. Vazamento de gases tóxicos, contaminação de rios e solo e envenenamento por ingestão de alimentos contaminados são problemas mostrados todos os dias, pela imprensa. (SANTOS et al, 2005.) Diante disto, este projeto busca desenvolver com os alunos, atividades que possam explicar mais profundamente o estudo da Química, fazendo-os perceber que esta Ciência está em quase tudo que se vê e até em muitas coisas que não podem ser vistas. Mas, ela deve ser tratada como uma ferramenta para o entendimento e melhoria do mundo em que vivemos. Sendo que o grande desenvolvimento de diversas áreas é devido diretamente ou indiretamente à Química como ciência, e esta pode ajudar a construir um mundo melhor, como também pode auxiliar para o extermínio deste em que vivemos. (MEDEIROS, 2003). A Química, por ser uma Ciência, traduz conhecimento: como o homem usa esse conhecimento é que pode torná-la perigosa. E) PROBLEMA Visto que em nossa sociedade, há sempre um questionamento do por que estudar Química, este projeto visa despertar nos alunos, a importância desta disciplina em sua vida diária, pois a mesma cria condições para o desenvolvimento do conhecimento; ressaltando-se que o homem deve ter uma visão crítica do mundo que o cerca, podendo analisar, compreender e utilizar este conhecimento no cotidiano, procurando assim perceber e ajudar em situações que melhorem sua qualidade de vida, como por exemplo, o impacto ambiental provocado pelos rejeitos industriais e domésticos que poluem o ar, a água e o solo.

6 Antes de chegar ao Ensino Médio, nossos alunos recebem informações, em particular da mídia, que criam expectativa negativa em relação à Química. As notícias, que envolvem catástrofes ambientais, fabricação de armas, especialmente, criam a imagem de que a Química polui, envenena, machuca e até mata, gerando a expectativa de tudo que é bom não contém Química, sem deixar claro que os tais malefícios são advindos do seu mau uso ou de negligência. (ANHAIA; NOGUEIRA, 2005). Tudo à nossa volta está permeado pela química. Essa afirmação parece exagerada, mas quando observada do ponto de vista das ciências, tudo a nossa volta é constituído de materiais sujeitos a constantes transformações, por meio das quais, toneladas de substâncias são produzidas industrialmente ou produtos naturais são disponibilizados para nosso uso, influindo de modo direto ou indireto no nosso dia-a-dia. A química está presente em todas as transformações naturais e sociais, ajudando o homem a interagir com a natureza e a se adaptar ao meio ambiente. Os alunos não vêm a possibilidade de interpretação do mundo físico através do conhecimento químico, não conseguem perceber a aplicação deste conhecimento em sua vida diária e nem a dinamicidade e mutabilidade deste conhecimento como condição para um processo dinâmico de construção, que é característica básica da elaboração do conhecimento científico. Apesar de todas as discussões a este respeito provocadas pelos PCN do Ensino Médio, muito poucas mudanças efetivas no Ensino de Química têm sido observadas. (BRASIL, 1999). Percebe-se que nossos alunos, nem sempre conseguem responder a questionamentos e indagações referentes ao estudo da química. Além de explicar a transformação da matéria, a Química é também um agente de mudança social, ela contribui para melhorar a vida das pessoas, aperfeiçoa a capacidade de o homem interagir com o ambiente. Além de gerar nos alunos uma ideia equivocada a respeito da construção e aplicação da Ciência, gera também ideia de que os conteúdos químicos, passados pelo professor não têm utilidade prática e é construído apenas como um conjunto de conhecimento o que deve ser decorado para ser respondido nos momentos de avaliação oficial. Diariamente, lemos notícias mostrando o paradoxo do desenvolvimento científico e tecnológico, que tanto traz benefícios para a sociedade como também riscos para a própria sobrevivência humana.

7 Então, se a química for usada como atividade racional do ser humano, no seu esforço de entender tudo que o rodeia, ela não é boa nem má, é parte da nossa história. Pretendo que através do exposto acima e das atividades a serem propostas, que os alunos consolidem as suas concepções, repensem o significado dos conceitos químicos e compreendam o significado de como a química está presente no seu dia-a-dia e a importância do estudo dessa disciplina, pois ela está presente em nossas vidas e interfere em nossas atitudes. F) OBJETIVOS F-1 OBJETIVO GERAL O aprendizado de Química pelos alunos de ensino médio implica que eles compreendam as transformações químicas que ocorrem no mundo físico de forma abrangente e integrada, assim, o objetivo geral deste projeto é que a leitura possibilite o aluno a compreensão tanto dos processos químicos em si, quanto da construção de um conhecimento científico em estreita relação com as aplicações tecnológicas e suas implicações ambientais, sociais, políticas e econômicas. F-2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Averiguar a concepção que o aluno ingressante no ensino médio tem da química e o que ele espera aprender. Incentivar a leitura, utilizando textos apresentados em jornais, revistas, livros e artigos. Desmistificar a visão que os alunos têm de que a química está ligada apenas a coisas nocivas à saúde, como: ao uso de agrotóxicos, venenos e produtos de limpeza; colocando a química como vilã em relação aos desastres ocorridos no ambiente, mostrando que produtos químicos são aqueles que poluem e degrada o ambiente e trazem diversas moléstias aos seres vivos em geral, preparando os mesmos para agir de forma crítica e informada como cidadão e consumidor. Propiciar aos alunos uma correlação da química com seu cotidiano, visto que muitos chegam a pensar que a química não faz parte de

8 suas vidas e que possam demonstrar que a Química não é uma ciência exclusiva de grandes cientistas, pois ela está presente em tudo o que nos rodeia. G) FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA / REVISÃO BIBLIOGRÁFICA De acordo com Chassot (1993), o conhecimento químico possibilita às pessoas uma nova leitura de mundo, o que permite aos indivíduos uma integração mais ativa e consciente na sociedade. O conhecimento químico permite ao homem atuação de forma específica na natureza, modificando-se e modificando-a através das interações e desenvolvimentos tornados possíveis pelo conhecimento químico. Para Sardella apud (BELTRAN; CISCATO, 1991), a Química está relacionada às necessidades básicas dos seres humanos. Ela não é uma coisa ruim, como alguns infelizmente pensam. Esses preconceitos só existem porque os meios de comunicação por falta de uma política pública para utilização adequada do meio ambiente a divulgam como bode expiatório. É necessário um mínimo de conhecimento de química para que o indivíduo consiga se posicionar ante os problemas da vida moderna e assim exercer efetivamente sua cidadania, exigindo os benefícios da aplicação do conhecimento químico para toda a sociedade. Saber como se processa o conhecimento químico pode dotar as pessoas de um conhecimento mais elaborado. O Processo de evolução Histórica da Química Segundo as Diretrizes Curriculares da Educação Básica do Paraná (2008), o desenvolvimento de saberes e práticas ligadas à transformação dos materiais está presente na formação das diversas civilizações, estimulado por necessidades humanas, tais como: a comunicação, o domínio do fogo e, posteriormente, o domínio do processo de cozimento, necessários à sobrevivência. Estes saberes (manipulação dos metais, vitrificação, chás, remédios, iatroquímica, entre outros), em sua origem, não podem ser classificados como a ciência moderna denominada Química, mas como um conjunto de ações e práticas que contribuíram para a elaboração do conhecimento químico desde o século XVII.

9 Inicialmente, o ser humano conheceu a extração, produção e o tratamento e metais como o cobre, o bronze, o ferro e o ouro. As civilizações antigas desenvolviam artes práticas tais como o preparo da liga metálica de bronze e do vidro pelos egípcios em cerca de 3000 a.c. Cerâmicas, corantes e vinhos no Oriente Médio. Enquanto estas artes estavam sendo desenvolvidas, os antigos filósofos da Grécia, Índia e China tentavam pela primeira vez descrever a composição das substâncias. Estas atividades levaram à alquimia, que na busca da pedra filosofal (que teria o poder de transformar qualquer metal em ouro) e do elixir da longa vida (que daria a imortalidade), desenvolveram técnicas laboratoriais e descobriram produtos que são utilizados até hoje. Segundo a revista Química, Tecnologia e Sociedade a palavra Química tem várias versões para sua origem. Uma hipótese é que ela seja advinda da palavra egípcia, Khemeia, arte relacionada com mistérios, superstições, ocultismo e religião. Outra hipótese é que tenha surgido da palavra grega Chyma, que significa fundir ou moldar metais. Em outra versão explicada por Sardella (2000, p.8): o termo química tem origem no latim Chimica, palavra que deriva de Alchimia, modificação da expressão árabe al kêmiya, cujo significado é grande arte dos filósofos herméticos e sábios da Idade Média. É provável que grande número de descobertas tenham se perdido, pois, para os leigos, qualquer experiência química era considerada obra sobrenatural. Outros alquimistas transformados pela cobiça se tornaram cunhadores de moedas falsas. Esses fatos acabaram separando os alquimistas da sociedade, formando seitas secretas que tinha como legado manuscritos elaborados em forma de poemas alegóricos, incompreensíveis aos não iniciados. (SILVA, 2005). A Química começou a existir como ciência somente no século XVII, época em Boyle publicou o livro O Químico Cético. E embora Robert Boyle seja considerado o fundador da Química, o pai da Química é Lavoisier, pois a partir das contribuições desse cientista francês é que ela se desenvolveu de forma rápida e com características de verdadeira ciência. De acordo com Silva (2005), a palavra ciência vem do latim e significa conhecimento. Hoje a palavra ciência refere-se à organização sistemática de fatos e idéias que descrevem o nosso mundo. A química está intimamente relacionada com os outros ramos da ciência moderna. Ela depende em parte da Física, que é o

10 estudo das leis fundamentais da natureza. As leis científicas gerais, como a lei da gravidade, são descrições gerais da ordem no universo. A Biologia, estudo dos seres vivos, está baseada em princípios da Química. A Geologia ou ciência da terra está fundamentada tanto na Química quanto na Física. Assim, a ciência química mantém uma relação intrínseca entre as demais ciências. No Brasil, as primeiras atividades de caráter educativo em Química surgiram no início do século XIX, provenientes das transformações políticas e econômicas que ocorriam na Europa (segundo as DCEs). O Brasil se tornou um ambiente favorável às tidas ciências exatas como a Matemática, a Física e a Química com a chegada de D. João VI ao Brasil e a criação da Academia Real Militar, a implantação do primeiro laboratório de Química, no Rio de Janeiro, em 1812; e do primeiro curso de química, na Bahia, em l817. Mas geralmente essas disciplinas eram voltadas aos cursos de Engenharia. Inclusive houve um período em que sequer era necessário concluir o secundário para entrar num curso superior. O estudo da disciplina de Química no ensino secundário no Brasil foi implantado em 1862, segundo dados do 3º Congresso sul-americano de Química. Segundo Schnetzler (1981) em 1875 foi produzido o primeiro livro didático de Química para o ensino secundário. A construção dos currículos, nessa época, teve por base três documentos históricos produzidos em Portugal, na França e no Brasil. As recomendações de Coimbra definiram o que seria o ensino em Portugal e marcaram fortemente todo o período imperial brasileiro. O texto do cientista Lavoisier foi decisivo, porque foi adotado nas escolas militares brasileiras, nas escolas de engenharia e nas escolas preparatórias para o ensino superior. As diretrizes para a cadeira de Química, elaboradas pelo Conde da Barca, influenciadas por uma carta do rei de Portugal, reconheciam a importância da Química para o progresso dos estudos da medicina, cirurgia e agricultura. Além disso, indicavam o ensino dos princípios práticos da Química e seus diferentes ramos aplicados às artes e à farmácia para o perfeito conhecimento dos muitos e preciosos produtos naturais do Brasil. (DCE, 2008). De acordo com Schwartzman (1979), a Primeira Guerra Mundial ( ) impulsionou a industrialização brasileira e acarretou aumento na demanda da atividade dos químicos. Em consequência, abriram-se as portas para o ensino de Química de nível superior, oficializado com um projeto para criação do curso de Química Industrial, aprovado em 1919, subsidiado pelo governo federal.

11 A partir de 1931, com a Reforma Francisco Campos, a disciplina de Química passou a ser ministrada de forma regular no currículo do Ensino Secundário no Brasil. Documentos da época apontam alguns objetivos para o ensino de Química voltado para a apropriação de conhecimentos específicos e também despertar o interesse científico nos alunos e enfatizar a sua relação com a vida cotidiana (MACEDO; LOPES, 2002). De acordo com Krasilchik: Tomando como marco inicial a década de 50, é possível reconhecer nestes últimos 50 anos movimentos que refletem diferentes objetivos da educação modificados evolutivamente em função de transformações no âmbito da política e economia, tanto nacional como internacional. Na medida em que a Ciência e a Tecnologia foram reconhecidas como essenciais no desenvolvimento econômico, cultural e social, o ensino das Ciências em todos os níveis foi também crescendo de importância, sendo objeto de inúmeros movimentos de transformação do ensino, podendo servir de ilustração para tentativas e efeitos das reformas educacionais. (Krasilchik 2000, p. 85). Em dezembro de 1961, entrou em vigor a lei n , na qual a Química adquire, em diversos países, inclusive no Brasil, configurações semelhantes às propostas dos EUA, no ensino experimental. Enquanto que nos anos 80, o documento de Química intitulado Reestruturação do Ensino de 2º grau, apresentava uma proposta de conteúdos essenciais para a disciplina e tinha como objetivo principal a aprendizagem dos conhecimentos químicos historicamente construídos. (DCE, 2008). No início dos anos de 1990, com a aprovação da nova Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional (LDB n. 9394/96), bem como a construção dos PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais). Priorizou-se a contextualização dos conteúdos e pela interdisciplinaridade, a fim de evitar a compartimentação do conhecimento. Na Química, por exemplo, enfocou o estudo de fatos cotidianos, ambientais e industriais, sem, contudo, maiores aprofundamentos teóricos que utilizassem o próprio saber químico. (DCE, 2008) Na concepção atual, as Diretrizes Curriculares da Educação Básica do Paraná (DCE), a abordagem dos conteúdos no ensino da Química é norteada pela construção e reconstrução de significados dos conceitos científicos, vinculada a contextos históricos, políticos, econômicos, sociais e culturais e tem com objetivo

12 possibilitar novos direcionamentos e abordagens no processo ensinoaprendizagem, para formar um aluno que se aproprie dos conhecimentos químicos e seja capaz de refletir criticamente sobre o meio em que está inserido. De acordo com Chassot (1995), a Química não deve ser entendida como um conjunto de conhecimentos isolados, prontos e acabados, mas sim como uma construção da mente humana, em contínua mudança, que pode proporcionar à nossa sociedade, meios de se atingir um desenvolvimento sustentável capaz de garantir saneamento básico, alimentação adequada, saúde e educação. Fatores estes indispensáveis para assegurar a qualidade de vida e o progresso de uma nação. Esse processo de elaboração e transformação do conhecimento ocorre a partir das necessidades humanas, uma vez que a Ciência é construída pelos homens e mulheres, falíveis e inseparáveis dos processos sociais, políticos e econômicos. A ciência já não é mais considerada objetiva nem neutra, mas preparada e orientada por teorias e/ou modelos que, por serem construções humanas com propósitos explicativos e previstos, são provisórios. (CHASSOT, 1995, p. 68). Na atualidade é imprescindível pensar em educação sem vinculá-la a questão da cidadania, no sentido de que os indivíduos estejam preparados para o exercício de direitos e deveres, voltados à soberania popular. Nesse contexto emerge a perspectiva de uma educação que restabeleça a ética, resgate os valores, preserve a cultura, a vida e que, acima de tudo, torne o ensino de disciplinas, como a Química, algo contextualizado, compreensível e útil. De acordo com Bernardelli (2004), muitas pessoas resistem ao estudo da Química pela falta de um método que contextualize seus conteúdos. Muitos estudantes do Ensino Médio têm dificuldade de relacioná-los em situações cotidianas, pois ainda se espera deles a excessiva memorização de fórmulas, nomes e tabelas. O mesmo autor destaca que: devemos criar condições favoráveis e agradáveis para o ensino e aprendizagem da disciplina, aproveitando, no primeiro momento, a vivência dos alunos, os fatos do dia-a-dia, a tradição cultural e a mídia, buscando com isso reconstruir os conhecimentos químicos para que o aluno possa refazer a leitura do seu mundo (BERNARDELLI, 2004, p. 2).

13 Acredita-se numa abordagem de ensino de Química voltada à construção e reconstrução de significados dos conceitos científicos nas atividades em sala de aula (MALDANER, 2003, p. 144). Isso implica compreender o conhecimento científico e tecnológico para além do domínio estrito dos conceitos de Química. diz que: A respeito do tratamento que a química vem sofrendo, Sardella (2003, p. 13) É comum ouvirmos comentários que depreciam essa ciência, relacionando-a a desastres ecológicos (derramamento de petróleo no mar), poluição (fumaça das chaminés) e envenenamentos (agrotóxicos). Esses fatos, infelizmente, encobrem as importantes conquistas do homem pelo conhecimento químico. Na verdade, o problema não está na química, mas no seu uso ela, em si não é boa nem má. Ainda são muitos aqueles que, movidos por interesses ou grupos, ultilizam-na para conquistar ou manter privilégios. Mudar essa situação não é papel somente do químico, mas de toda sociedade, que deve ser crítica e participativa, exigindo que o conhecimento promova uma qualidade de vida cada vez melhor e que permita uma coexistência harmoniosa entre o homem e o ambiente. Do mesmo modo, ainda com relação à visão que se tem sobre a química, pode-se completar nossa argumentação dizendo que: Em tempos de geração saúde, a química é considerada uma grande vilã. Em lojas especializadas podemos encontrar o chamado produto natural cujo rótulo tem a informação: Não contém produtos químicos. É comum ainda ouvirmos frases como Não coma isso, é pura química. Por que a palavra química é utilizada nesses contextos? Será que a química realmente contribui para envenenar as pessoas em nossa sociedade industrial? Será essa ciência um bicho de sete cabeças, que chega a tirar o sono dos estudantes em véspera de prova? (MORTIMER; MACHADO, 2003, p. 9) A mídia relaciona a palavra "química" a fatores prejudiciais à saúde, devido a expressões como: "produto sem substância química" impressas nas suas embalagens. Confunde-se, assim, a idéia de isenção de substâncias artificiais com o termo química que, além de infeliz, é totalmente incorreto. Ao fazer um pão, o padeiro utiliza-se de processos químicos; todos os objetos e materiais existentes são constituídos por substâncias químicas. Além disso, a Química não é um objeto, mas uma ciência que pode trazer benefícios ou prejuízos ao seres vivos e ao meio ambiente, dependendo da concepção com que seus conceitos são utilizados. Uma

14 ciência não pode ser culpada pelo mau uso que se faz dos produtos, pelo contrário, pode fornecer saídas para alguns problemas que enfrentamos hoje. H) ESTRATÉGIAS DE AÇÃO O projeto será desenvolvido no Colégio Estadual Walfredo Silveira Corrêa Ensino Fundamental e Médio, do município de Arapongas, com alunos do 1º Ano do Ensino Médio. A apresentação do projeto para a Equipe pedagógica, direção e professores da escola será feita através de uma explanação oral. No retorno das aulas com os alunos, o projeto será apresentado aos mesmos por meio de uma aula expositiva. Terá como objeto de investigação, o conhecimento químico que o aluno disponibiliza e que imagem este tem a respeito da Química, bem como a presença da química em seu dia-a-dia. Para obtenção desses dados serão apresentados pelo professor recortes citando a palavra química e os alunos farão pesquisas em rótulos, jornais, revistas entre outros. As pesquisas serão feitas em casa e complementadas em outro momento no laboratório de informática, onde cada aluno vai colher suas informações. Para responder a questão referente o que é química os alunos confeccionarão painéis com recortes de revistas ou ilustrações, onde expressarão suas idéias e imagens sobre a química. Serão formadas equipes de 4 estudantes. Nas aulas seguintes, os alunos apresentarão seus trabalhos aos colegas de sala, finalizando com debate de ideias sobre o conceito apresentado. Após as apresentações orais em sala, os painéis serão expostos no pátio do colégio para que os demais alunos conheçam o trabalho. Para consolidação de conceitos científicos será utilizado o rótulo do produto alimentício Granola e um folheto de propaganda de um sistema para limpeza de piscinas, reproduzidas do livro Aprender Ciências um Mundo de Materiais, (Anexo I e II). A partir desses textos serão analisadas e interpretadas as questões, de modo a elaborar os conceitos de produtos naturais e artificiais, desmistificando conceitos apresentados pelas propagandas que somente os produtos puros são bons para a saúde e tudo que tem química é prejudicial. As atividades com os dois textos serão realizadas em sala de aula. O alimento granola será apresentado aos alunos para conhecerem o produto. Em uma

15 das atividades irão criar um rótulo alternativo para a granola, que informe corretamente o consumidor seus nutrientes. Para complementar o estudo do folheto de propaganda de um sistema para limpeza de piscinas, farão um anúncio alternativo que atraia os consumidores, sem contudo enganá-los com falsas informações. Os textos em estudo terão como objetivo desmistificar conceitos negativos da ciência Química tendo como objetivo, alertar os alunos sobre as informações imprecisas da mídia, fazendo com que eles entendam o que é a Química, do que ela trata e como está inserida em suas vidas. Para a avaliação dos conceitos apresentados pelos alunos serão analisadas as respostas apresentadas por eles na interpretação dos textos de forma escrita, também na participação oral levando em consideração os conhecimentos inicias e os saberes posteriormente apresentados. A produção didática será elaboração de um caderno pedagógico e durante o projeto, serão coletadas informações a respeito das atividades desenvolvidas pelos alunos para elaboração do artigo científico. I) CRONOGRAMA DAS AÇÕES ATIVIDADES Jun. Ago. Set. Out. Nov. Dez. Apresentação do projeto para a equipe pedagógica da escola. X Apresentação do projeto para os alunos Investigação sobre o conhecimento químico do aluno. Pesquisas em rótulos, jornais, revistas, etc. referentes as imagens da Química. X X X Confecção de painéis com recortes de revistas ou ilustrações. Apresentação dos painéis a turma e colocação no ambiente X X

16 escolar. Estudo do rótulo do produto alimentício Granola. Estudo do folheto de propaganda de um sistema para limpeza de piscina. Pesquisa de mensagens semelhantes em jornais, revistas, folhetos de publicidade e nos rótulos de produtos. Elaboração de rótulo e folheto alternativo. X X X X Coleta das informações para elaboração do artigo científico. X X X X X J) REFERÊNCIAS ANHAIA, E. C.; NOGUEIRA, S. R. A. A Química inserida no cotidiano infantil. Sociedade Brasileira de Química (SBQ). Rio de janeiro. Disponível em: <sec.sbq.org.br/cdrom/31ra/resumos/t pdf>. Acesso em 16 mar BELTRAME, N.O.; CISCATO, C. A. Química. São Paulo: Cortez, 1991, 242 p. BERNARDELLI, M.S. Encantar para ensinar um procedimento alternativo para o ensino de química. In: Convenção Brasil Latino América, Congresso Brasileiro e Encontro Paranaense de Psicoterapias Corporais. 1.,4.,9., Foz do Iguaçu. Anais... Centro Reichiano, CD-ROM. BRASIL, Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Disponível em: < Acesso em: 2 mar BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnologia. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio - Ciência da Natureza Matemática e Suas Tecnologias / Ministério da Educação. Brasília: Ministério da Educação / Secretaria de Educação Média e Tecnológica, CARVALHO, S. I. M. Um Estudo de Apropriação de Conceitos de Substância e Mistura Monografia (Especialização em Ciências) - Faculdade de Educação da UFMG, Minas Gerais. CHASSOT, A. Catalisando Transformações na Educação. Ijuí, Ed. Unijuí, 1993.

17 CHASSOT, A. Para que(m) é útil o ensino. Canoas: Ed. da Ulbra, CIÊNCIAS da Natureza, Matemática e suas Tecnologias./ Secretaria da Educação Média e Tecnológica Brasília: MEC;SEMTEC,2002. COLÉGIO RAINHA DA PAZ. Química. Disponível em<http://www.rainhadapaz.g12.br/ensino/medio/quimica.htm>. Acesso em: 16 mar GOMES, M. S. S. O.; MOITA, N. J. M. (UFPI). A Química e a Formação do Cidadão. Disponível em: <www.ufpi.br/mesteduc/eventos/iiiencontro/.../quimica_formacao.pdf>. Acesso em: 15 mar KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. Perspectiva. São Paulo, v.14, n.1, p.85-93, jan/mar LIMA, M.E.C.C.; AGUIAR Jr O.G.; BRAGA S.A.M.: Aprender ciências: um mundo de Materiais: livro do aluno. 2. ed. Belo Horizonte: Editora U.F.M.G LIMA, M.E.C.C.; AGUIAR Jr O.G.; BRAGA S.A.M.: Aprender ciências: um mundo de Materiais: livro do professor. 2. ed. Belo Horizonte: Editora U.F.M.G MACEDO, E; LOPES, A. C. A estabilidade do currículo disciplinar: o caso das ciências. In: LOPES, A. C. MACEDO, E. (org.). Disciplinas e integração curricular: história e políticas. Rio de Janeiro: DP &A,2002. MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de química: professor/pesquisador. 2.ed. Ijuí: Editora Unijuí, MALDANER, O.A.; PIEDADE, M.C.T. Repensando A Química. Química Nova na Escola. Nº1, MEDEIROS, M. A. Química - Uma Ciência Desconhecida. Disponível em: < Acesso em: 16 marc MÓL, G. S. ; SANTOS, W. L. P. dos. Química e Sociedade: A Ciência, os Materiais e o Lixo. Modulo I, Ensino Médio. Coleção Nova Geração. São Paulo: Nova Geração, MORTIMER, E. F., MACHADO, A. H., ROMANELLI, L. I. A proposta curricular de química do Estado de Minas Gerais: fundamentos e pressupostos. Química Nova [on line]. São Paulo, v. 23, n. 2, abr PARANÁ. Diretrizes Curriculares do Estado do Paraná. Secretaria de Estado de Educação do Paraná. Curitiba: SEED, Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/diadia/arquivos/file/livro_e_diretrizes /diretrizes/diretrizesquimica72008.pdf>. Acesso em: 20 jan.2010.

18 PASSOS, M. H. da S.; MOITA, N. J. M. Uma Ferramenta Para a Cidadania. Disponível em: < Acesso em: 12 dez SANTOS, W.L.P.;Schwetzler, R.P. Educação em Química: Compromisso com a cidadania, Ijuí, ED. Unijuí, SARDELLA, A. Química v. único. Série Novo Ensino Médio. São Paulo: Ática, SARDELLA.Química. Ed. Ática. São Paulo SCHNETZLER, R. Um estudo sobre o tratamento do conhecimento químico em ivros didáticos dirigidos ao ensino secundário de Química de 1875 a Química Nova, v.4, n.1, p.6-15, SCHWARTZMAN, S. Formação da comunidade científica no Brasil. Rio de Janeiro: FINEP, SILVA, A. S. A Química, O Lixo e a Necessidade de uma Consciência de Preservação Ambiental. Disponível em: <http://webserver.falnatal.com.br/revista_nova/a4_v1/artigo_1.pdf>. Acesso em: 14 nov RICHETTI,G. P. A propaganda de medicamentos e a automedicação no Ensino de Química Pós-Graduação ( Educação Científica e Tecnológica)- Universidade Federal de Santa Catarina /UFSC),Florianópolis. UTIMURA,T.Y. ; LINGUANOTO.M.Química Fundamental. Ed. FTD.São Paulo ZULIANI,S. R. Q. A. Cultura, Ciência, Conhecimento Químico e Formação de Valores: Implicações para o conhecimento escolar. Disponível em: <http://www.faac.unesp.br/extensao/forum/textos_forum/silviazuliani.html>. A cesso em: 27 set

19 ANEXOS RÓTULOS E QUESTÕES UTILIZADOS NAS ATIVIDADES. ANEXO- I Figura 1-Rótulo do produto alimentício Granola. Fonte: LIMA; AGUIAR; BRAGA, a) Qual é a provável intenção do fabricante quando utiliza as frases: Sua saúde ao natural e isento de qualquer produto químico, no rótulo desse alimento? b) Quais os materiais existentes na granola que estão indicadas em seu rótulo? c) Você concorda com o fabricante ao afirmar que a granola não tem química? d) O que você entende por saúde ao natural? O que é um produto natural? e) Os produtos naturais são puros? Justifique. f) Proponha um rótulo alternativo para a granola, que informe corretamente o consumidor. g) O consumo de alimentos naturais sem elementos químicos torna a vida mais saudável? h) Os alimentos naturais também possuem substâncias químicas.

20 ANEXO- II Figura 2: Folheto de propaganda de um sistema de limpeza de piscinas. Fonte: LIMA; AGUIAR; BRAGA, a) O que anunciante pretende dizer utilizando a mensagem livre-se dos produtos químicos em sua piscina? b) É possível uma piscina sem produtos químicos? Justifique. c) A partir do folheto, faça uma lista de substâncias utilizadas por esse sistema para a limpeza da água de piscina. d) O anunciante apresenta um sistema seguro de purificação para água de piscina. O que é purificar a água, na concepção do anunciante? e) O que os químicos entendem por purificação da água? Como isso pode ser feito? Proponha um anúncio alternativo que atraia os consumidores, sem contudo enganá-los com falsas informações. f) Pesquise em jornais, revistas, folhetos de publicidade e nos rótulos de produtos a presença de mensagens semelhantes àquelas apresentadas acima (granola, sistema de limpeza de piscina).

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO Andeson Lisboa de Oliveira AZEVEDO 1, Kleyfton Soares da SILVA 2 1 Departamento de Química, Instituto Federal da Paraíba-IFPB, João Pessoa-PB. E-mail:

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS Kelly Karina Cardoso (kkimica@hotmail.com) Eniz Conceição de Oliveira (eniz@univates.br) Marlise

Leia mais

Centro Educacional Linus Pauling

Centro Educacional Linus Pauling Centro Educacional Linus Pauling Projeto 2º SEmestre 2012 APRESENTAÇÃO Faz-se necessário entender que o equilíbrio da natureza é essencial para a vida na terra, e que atualmente a preocupação com a degradação

Leia mais

A MATEMÁTICA DA SAÚDE

A MATEMÁTICA DA SAÚDE A MATEMÁTICA DA SAÚDE Isabel Cristina Thiel Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC isabelthiel@gmail.com Andressa Dambrós Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC dessa.dambros@gmail.com

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E INTERDISCIPLINARIDADE: CONCEPÇÕES DE PROFESSORES NO ENSINO DE GASES Helena Cristina Aragão de Sá 1 (FM) Roberto Ribeiro da Silva 2 (PQ) 1 SEEDF/E.C. 803 - Recanto das Emas, helenaaragaosa@gmail.com

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rafaela Alves Melo RESUMO O presente projeto buscou investigar a presença de temas que envolvem questões ambientais

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Qualidade ambiental Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Uso dos recursos naturais / ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável Conteúdos Lixo /

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO COMO ESTRATÉGIA PARA IMPLEMENTAÇÃO EFICAZ

PROJETOS DE ENSINO COMO ESTRATÉGIA PARA IMPLEMENTAÇÃO EFICAZ PROJETOS DE ENSINO COMO ESTRATÉGIA PARA IMPLEMENTAÇÃO EFICAZ DE PROJETOS DE TRABALHO; UMA EXPERIÊNCIA EM MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL NO SESI-BH. Amanda dos Santos Rêda de Souza SESI Emília Massanti

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS

CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: OBJETIVOS:

ÁREA TEMÁTICA: OBJETIVOS: TÍTULO: CONHECENDO E PRESERVANDO O MEIO AMBIENTE AUTORES: Mintza Idesis Jácome (mintza@bol.com.br) INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ÁREA TEMÁTICA: Meio Ambiente OBJETIVOS: O Projeto

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental.

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental. C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (045) 35-336 - Fax (045) 3379-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: CIÊNCIAS

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR A INFORMÁTICA E A MÍDIA IMPRESSA: COMO ELAS PODEM Prudentópolis 2013 MARIA MAZUR A INFORMÁTICA

Leia mais

Área Temática: Ensino da Química (ENQUI)

Área Temática: Ensino da Química (ENQUI) USO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS NO ENSINO DE QUÍMICA NA 1ª ETAPA DO ENSINO MÉDIO PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: APLICAÇÃO A APARTIR DA NECESSIDADE DOS EDUCANDOS Renato Macedo CORDEIRO Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO ANGELA CRISTINA NUNES GUEDES HUERTAS ORIENTADOR: PROFESSOR: PAULO GUILHERMETI O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL:

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE)

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) INTRODUÇÃO Ana Claudia Biz anaclaudiabiz@yahoo.com.br UNIOESTE-FBE O texto que segue

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente

Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente Capa Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente Prof. Dr. Airton Marques da Silva Universidade Estadual do Ceará, Universidade Federal do Ceará e Academia Cearense de Química airton@baydenet.com.br

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

iniciais: relato de uma experiência de parceria

iniciais: relato de uma experiência de parceria A formação do professor de ciências para as séries iniciais: relato de uma experiência de parceria Profa. Dra. Maria Candida Muller Professora dos cursos de Pedagogia e Análise de Sistemas Centro Universitário

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

Divulgação de Projetos Escolares em Blogs: uma avaliação de sua utilização na disciplina Física

Divulgação de Projetos Escolares em Blogs: uma avaliação de sua utilização na disciplina Física Divulgação de Projetos Escolares em Blogs: uma avaliação de sua utilização na disciplina Física Adriana Oliveira Bernardes adrianaobernardes@uol.com.br UENF (Universidade do Norte Fluminense) Resumo: A

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ;

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; RECICLANDO ATITUDES Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; 1 Farmacêutica, Bioquímica e Pós Graduada em Educação Ambiental- Professora

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Brinquedoteca Virtual: um ambiente de aprendizagem com diversão

Mostra de Projetos 2011. Brinquedoteca Virtual: um ambiente de aprendizagem com diversão Mostra de Projetos 2011 Brinquedoteca Virtual: um ambiente de aprendizagem com diversão Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E HQS NO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E HQS NO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E HQS NO ENSINO FUNDAMENTAL Daiane Aparecida Begname 1 Priscila Paschoalino Ribeiro 2 RESUMO O presente trabalho de extensão visou incentivar o uso de Histórias em Quadrinhos no ensino

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PORTELA, Caroline Dorada Pereira UFPR cdp_fisica@yahoo.com.br HIGA, Ivanilda UFPR ivanilda@ufpr.br

Leia mais

MEIO AMBIENTE E O JARDIM GEOMÉTRICO

MEIO AMBIENTE E O JARDIM GEOMÉTRICO MEIO AMBIENTE E O JARDIM GEOMÉTRICO Carla Bem PEREIRA 1 Carla Medeiros Roussenq LEAL 2 Daniele Lopes NETO 3 Josiane Piovezan PACHECO 4 Lara Nascimento de CAMPOS 5 RESUMO: O artigo apresenta a implantação

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

Os registros, obtidos através das observações, foram divididos em grupos e analisados separadamente e em conjunto.

Os registros, obtidos através das observações, foram divididos em grupos e analisados separadamente e em conjunto. PRIMEIRAS OBSERVAÇÕES A RESPEITO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE GEOGRAFIA EM LICENCIATURA PLENA PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI ANNA CRISTINA CORRÊA SILVEIRA 1 e VICENTE DE PAULA LEÃO

Leia mais

ENSINANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

ENSINANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA ENSINANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA Raimundo João dos Santos Júnior; Roseane Matias Lourenço; Amandda Mayara Araújo Farias; Onélia Araújo Franco Fragoso

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB Introdução Marcos Antonio Lopes do Nascimento Universidade Federal da Paraíba marcosal99@yahoo.com.br

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UTILIZAÇÃO DO LABORATORIO DE INFORMÁTICA Guarapuava 2013

Leia mais

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03 PROJETO RECICLAGEM 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB.

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB. Maria Célia Cavalcante de Paula e SILVA Licenciada em Ciências Biológicas pela

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Resumo Jéssica Danieli Ramos da Rosa 1 - UNÍNTESE Grupo de trabalho - Psicopedagogia Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A INFRAESTRUTURA ESCOLAR E A INCLUSÃO DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS

UM ESTUDO SOBRE A INFRAESTRUTURA ESCOLAR E A INCLUSÃO DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS UM ESTUDO SOBRE A INFRAESTRUTURA ESCOLAR E A INCLUSÃO DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS Alana da Maia Homrich 1* (ID), Alex Ricardo Schneider (ID), Lucas Antonio Pacheco (ID), Santiago Francisco

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA Janice Silvana Novakowski Kierepka - janicekierepka@bol.com.br Tamini Wyzykowski - tamini.wyzykowski@gmail.com Tatiane Cristina Possel Greter tati.cris2010@gmail.com

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Poluição do rio Tietê

Poluição do rio Tietê Poluição do rio Tietê Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e Universo Tema Água e vida; uso dos recursos naturais / a ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental / desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Grace Cristine Batista da Silva seduc professor Solange Maria da Silva seduc pedagoga gc73mat@yahoo.com.br Introdução

Leia mais

REFLETINDO E RESSIGNIFICANDO O FAZER PEDAGÓGICO EM CIÊNCIAS NATURAIS

REFLETINDO E RESSIGNIFICANDO O FAZER PEDAGÓGICO EM CIÊNCIAS NATURAIS Título: REFLETINDO E RESSIGNIFICANDO O FAZER PEDAGÓGICO EM CIÊNCIAS NATURAIS Área Temática: Educação em Ciências Naturais e Matemática Autora: CLÉRIA BITENCORTE MELLER (1) Instituição: Unijuí A formação

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: A SUA IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: A SUA IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: A SUA IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Alberto Luiz Pereira da Costa Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática da Universidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL Orientação nº 02/2008 PDE/SEED Curitiba, 27 de maio

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA Emma Gnoatto AMOP emmagnoatto2009@hotmail.com Heliane Mariza Grzybowski Ripplinger SEED liaripp@hotmail.com

Leia mais

GERÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PLANALTINA CENTRO DE ENSINO FUNDAMENTAL 02 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA - 2013. Plano de Ensino

GERÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PLANALTINA CENTRO DE ENSINO FUNDAMENTAL 02 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA - 2013. Plano de Ensino Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS Turma: A / B / C / D /E SÉRIE/ANO: 8ª / 9º Turno: MATUTINO Bimestral: 1º / 2º / 3º / 4º Anual: 2013 Professor: MÁRIO CÉSAR CASTRO E-mail:

Leia mais

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES.

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. FERNANDES, Jaqueline S. da S. & FONSECA, Viviane S. O. 1, Márcia Regina Walter 2. 1- Acadêmico do

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética.

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética. 1 EDUCAÇÃO, SAÚDE E CULTURA: RELIGANDO SABERES NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES E GESTORES MUNICIPAIS. Amélia Carmelita Gurgel dos Anjos Ana Claudia Gouveia Sousa Gleuba Regina L. Rodrigues Maria do

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais