A AVENIDA 7 DE SETEMBRO (IMBITUVA/PR) ENTRE FOTOS E FATOS:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A AVENIDA 7 DE SETEMBRO (IMBITUVA/PR) ENTRE FOTOS E FATOS: 1906-1940"

Transcrição

1 A AVENIDA 7 DE SETEMBRO (IMBITUVA/PR) ENTRE FOTOS E FATOS: CLEUSI TERESINHA BOBATO STADLER Mestranda do Programa de Pós-Graduação em História (História e Regiões) da UNICENTRO ANCELMO SCHÖRNER Doutor em História. Professor do Departamento de História e do Programa de Pós- Graduação em História (História e Regiões) da UNICENTRO, Campus de Irati/Pr. Toda fotografia tem atrás de si uma história; é este o enigma que procuramos desvendar. (Bóris Kossoy). 1. INTRODUÇÃO Este artigo ressalta a importância da fotografia para a construção da história. Ele resultou da discussão sobre alguns enfoques de estudos e de um trabalho final a ser apresentado na disciplina Tópicos Especiais em História e Fotografia, do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu - Mestrado em História PPGH, da Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Campus Irati. A principal preocupação deste estudo é a discussão sobre a necessidade de interpretação da fotografia enquanto fonte histórica. É preciso, como diz BLOCH (2001) em sua obra Apologia da História, ler nas entrelinhas, saber fazer as perguntas certas e desconfiar das respostas, ou seja, fazer uma crítica ao documento, no caso, a fotografia. A fotografia, até o início do século XIX não era valorizada enquanto documento histórico, os historiadores se recusavam a lançar mão da fotografia como fonte de pesquisa histórica. Ela era utilizada apenas como ilustração, como duplicação do real dos acontecimentos do passado. Mas em meados do século XIX a fotografia trouxe novas possibilidades de produção de informação e conhecimento, servindo como instrumento de apoio à pesquisa e como forma de expressão artística (KOSSOY, 2001). No final do século XIX transformações nas relações sociais e no pensamento filosófico trazem a fotografia como uma nova perspectiva, uma nova multiplicidade de 1

2 olhares, possuindo características que ajudam a desnaturalizar, compreender e interpretar os processos históricos. BORGES (2005, p.31) afirma, inicia-se um processo que, em médio prazo, contribuiria para criar as condições teóricas que levariam a uma mudança do conceito de documento histórico que, por sua vez, acabaria incorporando a fotografia no rol de fontes de pesquisa histórica. A partir deste momento a fotografia passa a ser tratada como um documento visual passível de interpretação. E como um documento histórico possibilita compreender os processos históricos, por meio de outros valores, interesses, problemas, técnicas e olhares, também contribui para melhor entendimento das formas por meio das quais as pessoas representaram sua história e sua historicidade e se apropriaram da memória cultivada individual e coletivamente. Dessa forma, o principal objetivo deste artigo é analisar as principais transformações ocorridas na Avenida 7 de setembro, principal via de acesso à cidade de Imbituva pela fotografia e pelo Código de Posturas da Câmara Municipal de 1900, permitindo compreender o passado através das interpretações que os sujeitos fazem no presente. Na delimitação temporal, optou-se pelos anos de 1906/1912, data das primeiras fotografias e década de 1930/40 que faz relação com a terceira fotografia. O Código de Postura é do ano de 1900, Código este considerado um dos mais antigos Códigos de Posturas da Região Centro-Sul do Paraná. A partir desses objetivos, buscamos utilizar a fotografia como fonte documental para destacar sua importância na construção da história, procurando contextualizar historicamente a fotografia com os documentos escritos, neste estudo, com o Código de Posturas do Município A TRAJETÓRIA DA FOTOGRAFIA Toda fotografia tem atrás de si uma história. Uma fotografia ao ser produzida, passa pela intenção de seu autor, o ato de seu registro e os caminhos percorridos por ela até tornar-se um documento histórico. Através dos escritos de vários autores e cientistas, sabemos que a fotografia é um estudo verificado desde o século V antes de Cristo, quando os primeiros pensadores

3 passaram a desenvolver estudos sobre a câmara escura. Esses estudos passaram pelo século IV a.c. quando Aristóteles já observava que quanto maior fosse o orifício da câmara, mais nítida era a imagem, passou pela Idade Média até que em 1826 surge a primeira imagem fotográfica, produzida por Joseph Niépce. A partir daí, essa invenção vai trazer uma mudança significativa na maneira de obter as imagens daquilo que observamos. A descoberta da fotografia no Brasil em 1833, pelo francês Hercules Florence, a utilização da primeira vez do termo photographie, seguindo para a descoberta das cartas-de-visite, até o surgimento da primeira câmara Kodak, a fotografia foi tendo uma aceitação bastante grande enquanto possibilidade inovadora de informação e conhecimento. 1 A fotografia surgiu na década de 1830 como resultado da feliz conjugação do engenho, da técnica e da oportunidade. Niépce e Daguerre dois nomes que se ligaram por interesses comuns, mas com objetivos diversos são exemplos claros dessa união. Enquanto o primeiro preocupava-se com os meios técnicos de fixar a imagem num suporte concreto, resultado das pesquisas ligadas à litogravura, o segundo almejava o controle que a ilusão da imagem poderia oferecer em termos de entretenimento (afinal de contas, ele era um homem do ramo das diversões) (MAUAD, 2008, p.29). 3 Porém, no final do século XIX e nas primeiras décadas do século XX, um grupo significativo de historiadores se recusou a lançar mão da fotografia como fonte de pesquisa histórica. Segundo Boris KOSSOY (2001, p.30), houve alguns preconceitos quanto à utilização da fotografia como fonte histórica ou instrumento de pesquisa. As duas razões fundamentais são: a) Predomínio da tradição escrita; herança do livro escrito como meio de conhecimento científico; b) Dificuldade em analisar e interpretar a informação visual. Pela historiografia metódica, a fotografia foi utilizada apenas como ilustração. Como reunião e exposição das imagens coletadas. Havia certa negação da fotografia como fonte histórica, sendo esta analisada em todas suas particularidades, mas usada 1 Dados retirados da Resenha: Pelos caminhos da fotografia de Maria Luisa Hoffmann. Doutoranda em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP) sob orientação do Professor Bóris Kossoy.

4 apenas como duplicação real dos fatos do passado, sem a sua devida análise. Houve a dispensa de metodologias para extrair algo destas fotografias. A pesquisa histórica era realizada como história resgate, onde o que era narrado era a expressão da verdade dos fatos do passado. As fontes analisadas eram somente verificadas na autenticidade, procedência, veracidade, sem, contudo, se fazer uma análise mais profunda deste documento histórico. Com a Revolução Documental das últimas décadas do século XX, a fotografia passou a ser tratada de forma diferenciada, como uma forma de texto e documentoinsubstituível, cujo potencial deve ser explorado. A fotografia passou a ser vista como perspectiva, com várias possibilidades, com multiplicidade de olhares, possuindo características que nos ajudam a desnaturalizar, compreender e interpretar processos históricos. As fontes fotográficas são uma possibilidade de investigação e descoberta que promete frutos na medida em que se tentar sistematizar suas informações, estabelecer metodologias adequadas de pesquisa e análise para a decifração de seus conteúdos e, por consequência, da realidade que os originou (KOSSOY, 2001, p.32). 4 Em toda fotografia podemos identificar a ação do homem, o fotógrafo, que em determinado espaço e tempo opta por um assunto em especial e que, para seu devido registro, emprega os recursos oferecidos pela tecnologia. Portanto temos três elementos que constituem uma imagem fotográfica: o assunto, o fotógrafo e a tecnologia. O ato do registro, ou o processo que deu origem a uma representação fotográfica, tem seu desenrolar em um momento histórico específico (caracterizado por um determinado contexto econômico, social, político, religioso, estético etc.); essa fotografia traz em si indicações acerca de sua elaboração material (tecnologia empregada) e nos mostra um fragmento selecionado do real (o assunto registrado). (KOSSOY, 2001, p.39-40). Ao fotografarmos, estabelecemos um tema e o espaço fotográfico, fazemos o foco e definimos o objeto central. Mas tudo depende do fotógrafo e dos recursos técnicos de que dispõe.

5 A informação visual do fato representado na imagem fotográfica nunca é posta em dúvida. Sua fidedignidade é em geral aceita a priori, devido à credibilidade da fotografia nos diferentes ramos da ciência. A fotografia é um meio de conhecimento do passado, mas não reúne em seu conteúdo o conhecimento definitivo dele. Ao ser utilizada como fonte histórica deve-se ter em mente que o assunto registrado mostra apenas um fragmento da realidade, um e só um enfoque da realidade passada: um aspecto determinado. Esse conteúdo é o resultado final de uma seleção de possibilidades de ver, optar e fixar certo aspecto da primeira realidade, cuja decisão é do fotógrafo, seja para ele próprio ou para seu contratante. As fotografias, não substituem a realidade tal como se deu no passado; congelam fragmentos desconectados de um instante da vida das pessoas, coisas, natureza, paisagens urbana e rural; sempre permitirão diferentes interpretações e contém múltiplas significações. Ao se analisar uma fotografia deve haver a conexão com as mais diversificadas fontes que informam sobre o passado e à atuação do fotógrafo. Conjugando essas informações ao conhecimento do contexto econômico, político e social, dos costumes, do ideário estético refletido nas manifestações artísticas, literárias e culturais da época retratada, haverá condições de recuperar micro-histórias, implícitas nos conteúdos das imagens. O significado da vida não se pode fotografar é imaterial. O vestígio da vida passa a ter sentido quando se compreende e se tem conhecimento dos fatos ausentes da imagem. Kossoy (2001) chama isso - além da verdade iconográfica. A fotografia é uma importante fonte histórica que traz elementos da cultura material, costumes, relações sociais e de poder, entre outros. Ela nos traz recortes de momentos passados, possibilitando a investigação, o levantamento de informações, quais os elementos representados por ela e o contexto nas quais elas estão inseridas. Mesmo estando atrelada ao estudo dos acontecimentos do passado passa a ser um testemunho do presente, ou seja, divulga os feitos dos homens públicos e o cotidiano dos homens e mulheres de diferentes classes sociais. Para o historiador, a fotografia 5

6 pode ser considerada um documento histórico que permite investigar como era a vida das pessoas de uma determinada época. Portanto, a utilização da fotografia enquanto evidência histórica requer o que MAUAD (1996, p.78) chama de habilidade de interpretação. A fotografia é, para o historiador, uma possibilidade de descoberta e interpretação da vida histórica. 3- CONTEXTUALIZAÇÕES HISTÓRICAS DE IMBITUVA Para a devida interpretação das fotografias deste artigo relacionando-as ao Código de Posturas da Villa de Santo Antonio do Imbituva é necessário contextualizar parte da história da cidade de Imbituva. 2 Imbituva teve início enquanto povoado, quando no final do século XVIII, foi concedido sesmarias na região do rio Imbituva. Estas sesmarias estavam ligadas ao rio Tibagi. No final do século XVIII, vão se formar próximas a essas sesmarias, novas comunidades campeiras, em torno dos pousos de tropeiros. Imbituva surge quando a expedição comanda por Diogo Pinto de Azevedo Portugal para chegar aos Campos de Guarapuava, passa pelos Campos do Cupim. Isso ocorre no ano de Por esses Campos do Cupim passava a então Estrada das Missões, oficializada em Essa estrada desviou o comércio de tropas de animais do Caminho do Viamão, porque elas(as tropas) passaram a ser adquiridas pelos tropeiros diretamente das Missões. Ao longo da antiga Estrada das Missões foram surgindo povoações, inclusive a nossa própria cidade. Em 1810, Diogo Pinto de Azevedo Portugal ordenou a construção da ponte sobre o rio Imbituva, chegando mais tarde aos Campos de Guarapuava. Pela Estrada das Missões que passava pelos Campos de Guarapuava e se entrosava com o Caminho do Viamão em Ponta Grossa, um dos pousos de tropeiros mais procurados era o do Cupim que recebeu esse nome devido estar situado em uma elevação de terreno, cujo formato peculiar lembra o de um Cupim, tão comum nos pastos paranaenses. 6 2 Todos os dados da contextualização histórica de Imbituva foram retirados do livro: STADLER, Cleusi T. B. Imbituva: uma cidade dos Campos Gerais. Imbituva: Gráfica Prudentópolis, p.

7 O declínio da feira de Sorocaba já se fazia notar em 1861 quando Antônio dos Santos Ávila, natural dos Campos Gerais, resolveu abandonar a antiga ocupação, comprar terras, aliciar parentes e amigos e fixar-se no pouso do Cupim, juntamente com outros companheiros, iniciando a construção da Vila. Em 1871, no dia 03 de maio, os moradores, em mutirão fizeram a capina inicial para erigir a capela de Santo Antonio de Pádua, no terreno doado pelo Senhor Antônio dos Santos Ávila. Ficou sendo considerada este dia como a data de fundação do Município de Imbituva, que na origem de seu nome, significa muito cipó-imbé. IMBITUVA ( Imbé + tuva) = lugar onde há muito imbé. Pela Lei n. 441 de 21/02/1876 o povoado é elevado a Freguesia do Cupim pertencendo à Comarca de Ponta Grossa. E pela Lei n. 651 de 26/03/1881 foi criado o Município elevando a Freguesia de Santo Antônio do Imbituva, descrevendo suas divisas com seu território desmembrado do município de Ponta Grossa, sendo João Pedrosa Presidente da Província do Paraná. Em 1886 ocorre a chegada dos Imigrantes Russos-Alemães do Volga, fundando a Igreja Luterana e a Escola Evangelisch Lutherische Gemeindeschule em 1895, hoje Colégio Luterano Rui Barbosa. Já os italianos chegaram em 1896, adquiriram terras e iniciaram a fundação de uma Colônia Bella Vista, na zona rural. Dedicaram-se ao cultivo de cereais, verduras, erva-mate e extração da madeira (araucária). Após a chegada desses dois grupos principais de imigrantes, a então Villa de Santo Antônio do Imbituva se desenvolve cada vez mais, até ser elevada a categoria de cidade em Em 1900 Imbituva já possuía um Código de Posturas Municipaes da Câmara Municipal, Lei n.5 de 30 de Novembro de Esse Código de Posturas foi criado no governo do Prefeito Municipal Modesto Polydoro, substituto legal em exercício da Villa de Santo Antônio do Imbituva. Esse Código será utilizado neste estudo para estabelecer um paralelo de análise com as fotografias da época, referentes a então Villa de Santo Antônio do Imbituva. Pela Lei n. 938 de 02/04/1910 foi criada a Comarca de Imbituva elevando à cidade, abrangendo o atual município de Prudentópolis. 7 4 FOTOGRAFIA E REPRESENTAÇÃO LOCAL

8 A fotografia se constitui em importante fonte para se registrar a expressão das vontades, das aspirações, das realizações, ou seja, da história de cada povo. São as fotos que ajudam a contar a vida das pessoas, das famílias, das cidades e o próprio desenvolvimento da cultura ou das transformações que o homem e o tempo impõem sobre o ambiente. A fotografia passou a ser utilizada como registro dos mais diversos acontecimentos. Ela tem registrado cidades, avenidas, paisagens, casamentos, nascimentos, romances, bodas, aniversários, lazer, conversas, trabalho, encontros descontraídos com crianças, ambientes domésticos, casamentos, batizados, festas, bailes, passeios em parques, praias e outros locais, enfim, a história do cotidiano e tem registrado os acontecimentos da política e da história nacional e mundial. Temos que estar atentos para o fato de que a fotografia não se confunda com a realidade registrada, mas parte dessa realidade, aquilo que o fotógrafo pretendia registrar. Como escreveu KOSSOY (2001, p.36), ela é uma representação do real e também uma possibilidade de construir a realidade, a partir da investigação que fizermos sobre o significado dela como imagem fotográfica e os condicionamentos em que foi produzida. Portanto, a fotografia nos transporta da recordação da memória para o real. Percebemos as fotos como produto social, ou seja, viabilizam o passado e a identidade das relações sociais dos indivíduos. Por isso, analisar parte da memória da avenida principal da cidade de Imbituva pela fotografia, permite compreender o passado através das interpretações que os sujeitos fazem no presente. Uma fotografia traz várias informações acerca de um momento passado. Ela sintetiza no documento um fragmento do real visível. O espaço urbano, os monumentos arquitetônicos, o vestuário, a pose e as aparências elaboradas dos personagens, aguardam interpretação. É essas interpretações que cabem ao historiador fazê-las. A fotografia, portanto, é uma fonte de estudos para a história, pois ela pode expressar, em alguns casos, mais que os próprios documentos escritos e também podem ser auxiliados por esses mesmos, ou seja, os dois se completam como MAUAD (2008, p.25) aborda: 8

9 [...] à medida que os textos históricos não são autônomos, necessitam de outros para sua interpretação. Da mesma forma, a fotografia para sua utilização como fonte histórica, ultrapassando seu mero aspecto ilustrativo deve compor uma série extensa e homogênea no sentido de dar conta das semelhanças e diferenças próprias ao conjunto de imagens que se escolheu analisar. [...] Ao analisar a fotografia, é possível identificar diferentes interpretações, diferentes realidades que se transformam de acordo com os anos de existência desta fotografia. Ou seja, existe a primeira realidade, que corresponde à primeira leitura desta fotografia - interrompe o tempo, e a segunda realidade, onde o documento ganha vida, ao interpretarmos e tentarmos decifrar sua intenção, técnica, conteúdo e a ação do fotógrafo. Portanto, a fotografia é passível de inúmeras interpretações que podem ser compreendidas em épocas diferentes, dependendo da forma como se compreende o processo que a criou, onde envolve o fotógrafo, tecnologia, ideologia e seus receptores. Partimos agora para a análise das fotografias em estudo neste artigo. Para a devida interpretação das fotografias deste artigo, o espaço urbano foi delimitado pela Avenida 7 de setembro, a principal via de acesso à cidade de Imbituva/Pr. Esse espaço público foi selecionado por dois motivos: o primeiro, por tratar- se da avenida principal de acesso ao centro da cidade; e o segundo, por tratar-se da via principal de comércio e de transporte, uma vez que era o local no qual se concentravam as principais casas comerciais. Através de questionamentos sobre as transformações da rua principal da cidade, buscamos analisar a representação histórica da Avenida 7 de setembro para o desenvolvimento da cidade de Imbituva, no início do século XX, interpretando os significados existentes. A principal atividade realizada para este estudo foi à interpretação de três fotografias da Avenida 7 de setembro, uma de 1906, outra de 1912, outra de data não identificada, mas que corresponde a década de 30/40. Utilizando-se de um roteiro e alguns passos sugeridos por KOSSOY (2001, p.77), foram sistematizadas as primeiras informações. 9

10 [...] análise técnica (análise do artefato, a matéria, ou seja, o conjunto de informações de ordem técnica que caracterizam a configuração material do documento) e da análise iconográfica (análise do registro visual, a expressão, isto é, o conjunto de informações visuais que compõem o conteúdo do documento). Os dados sistematizados com as fotografias foram referentes: a quem pertencia, data e o local, tema central, paisagem retratada, que tipo de ambiente e que outros elementos (detalhes) podiam se observar e destacar na fotografia. O trabalho realizado com as fotografias teve por objetivo central um estudo mais detalhado, entre a análise das fotografias e a interpretação dos dados que constam no Código de Posturas do Município do ano de Observando as fotografias, foram destacados os seguintes fatos fotográficos: Fotografia 01: Avenida 7 de setembro em 10 de outubro de Acervo particular do Sr. Édison Pupo 3. Traçado da rua principal já estabelecido; ruas de terras lamacentas; poucas casas; casas com cercas para delimitar seu terreno e com quintais aos fundos; não havia iluminação pública; Igrejinha no ponto mais alto da Vila; algumas casas de comércio; arborização; transporte por meio de carroças. Também observamos a presença de dois senhores: o Sr. Antônio Pupo (à direita) e Fadu Abibe (à esquerda) Fotos Retiradas do Livro: STADLER, Cleusi T. B. Memórias de Imbituva História e Fotografia. Imbituva: ALACS, p. Estas fotografias foram cedidas pelo proprietário à autora do livro e deste artigo.

11 Foto 01: Avenida 7 de setembro em Acervo particular do Sr. Édison Pupo. 4 Fotografia 02: Avenida 7 de setembro no ano de Um casamento. Acervo particular do Sr. Édison Pupo. Traçado da rua principal já estabelecido (mais largo); ruas de terras lamacentas; maior número de casas; casas com cercas definindo seu espaço de terreno; casas com calçadas estabelecidas na frente das casas e quintais aos fundos; já havia iluminação pública com postes de iluminação; Igrejinha no ponto mais alto da Vila; algumas casas de comércio; menos arborização; transporte por meio de carroças; trajes(vestimenta) para ocasiões especiais (casamento); instrumentos musicais. 11 Foto 02: Avenida 7 de setembro no ano de Um casamento. Acervo particular do Sr. Édison Pupo. 4 STADLER, Cleusi T. B. Memórias de Imbituva História e Fotografia. Imbituva: ALACS, p. Foto 1 retirada da página 40 e Foto 2 da página 92.

12 Pelo Código de Posturas da Villa de Santo Antonio do Imbituva, percebemos que eram estabelecidos alguns deveres aos cidadãos para a limpeza da Villa, tranquilidade e segurança pública, como verificamos no seguinte artigo: Art. 3º. Os moradores da Villa, proprietários, foreiros, ou inquilinos são obrigados a ter limpas e capinadas as testadas de suas casas, jardins, quintais ou chácaras até ao meio das ruas, sob pena de 5$000 de multa áquelles que abusarem depois de avisados pelo Fiscal. Art. 4º. Igual obrigação é imposta aos proprietários e foreiros, embora os seus terrenos ainda não estejam aproveitados ou edificados. Art. 5º. O serviço de limpeza a que se referem os artigos antecedentes, será feito aos sábados até as 9 horas da manhã no inverno e até as 7 horas no verão, sendo os resíduos ou lixo amontoados convenientemente, para que o encarregado da limpeza que será feita a custa da Camara, possa ajuntal-o e conduzil-o. (CÓDIGO DE POSTURAS,1900). Podemos perceber através do Código de Posturas uma preocupação com as ruas estabelecidas e sua limpeza, sendo visível isto nas fotografias, onde observamos não constar lixos amontoados e a avenida, apesar de lamacenta, estar em conformidade com o que está determinado no Código. Outra preocupação que observamos, tanto nas fotografias quanto no Código de Posturas, é a arborização da cidade. Observa-se essa preocupação quando no Código de Posturas cita uma multa para quem não cuidasse das plantas e árvores da Villa. 12 Art. 6º. A Camara arborisará as ruas e praças da Villa, quando julgar conveniente, e fará a conservação d aquellas, sendo os proprietários ou inquilinos obrigados a zelar as arvores plantadas na frente de suas moradas, sob pena de cinco mil reis de multa. Art. 7º. Aquelle que for encontrado em flagrante delicto de destruição ou estrago das arvores plantadas nas ruas e praças, será punido com 10$000 mil réis multa alem do danno causado. (CÓDIGO DE POSTURAS,1900). Observamos ainda nos documentos analisados, fotografias e Código de Posturas, que os proprietários das casas eram obrigados a calçar a frente de seus terrenos, casas, gradis ou muros. O calçamento era feito com pedra ou laje e o rejunte de cimento. Poderia também os proprietários fazer a calçada toda de cimento, sendo que o engenheiro da Câmara determinaria os alinhamentos e nivelamentos. Observamos na foto 02, que algumas casas já possuíam essas calçadas e as cercas que dividiam seus terrenos. Também se observa que a avenida era ampla e não havia nenhum impedimento

13 de sua passagem, pois pelo Código de Posturas, os proprietários receberiam multas se depositassem lixo, aves ou animais mortos, bem como se danificassem o leito das ruas e praças. Também era proibido fixar cartazes nas esquinas, frente das casas ou em portas, nem escrever ou pintarem figuras em muros ou paredes das casas. Realmente identificamos nas fotografias que nenhum desses itens foi praticado pelos moradores da Villa de Santo Antônio do Imbituva. Observa-se também uma preocupação muito grande com o traçado da rua principal e com tudo que pudesse prejudicar a passagem dos moradores por essa rua, como por exemplo, não colocar objetos nas portas e janelas das casas, porque poderiam cair nos transeuntes e machucá-los, não construírem degraus, toldos, colocar estacas nas calçadas para não prejudicarem quem andava por elas, bem como as carroças que fossem passar pelas ruas, transitarem livremente sem prejudicarem as demais, nem mesmo, a passagem dos moradores pelas ruas da villa. Ainda na fotografia 02, observamos a existência de postes de madeira de iluminação pública no lado esquerdo da avenida. A energia elétrica chega a Villa de Santo Antônio do Imbituva nos anos de 1911/1912. O jornal A República que na ocasião era o Diário Oficial, publicou em 11 de novembro de 1912 o edital de concorrência de 04/11, estabelecendo as condições para o fornecimento de energia elétrica. Em 20 de março de 1913 foi publicado o Contrato celebrado em 31 de janeiro de 1913, entre Jacob Brenner e a Câmara Municipal, neste ato, representada pelo Prefeito Coronel Salvador Penteado e pelo Secretário da Câmara Sr. João Chrysostomo Pupo Ferreira. 5 Este contrato previa o fornecimento de energia elétrica do anoitecer ao amanhecer pelo prazo de 20 anos sob as seguintes condições: as instalações seriam feitas em postes de madeira de lei, na altura mínima de 5 metros, com 100 focos de trinta velas nas vias públicas e 05 focos de 200 velas nas praças e avenidas. O contratante Jacob Brenner obrigou-se a empregar força motora a vapor montada pelo sistema moderno e fornecer luz de 05 focos de 30 velas gratuitamente para os edifícios públicos municipais, estaduais, para as casas de beneficência e para o Teatro do Clube 13 5 Dados retirados do Jornal Imbituva Hoje Regional, por ocasião do Centenário da Instalação da Luz elétrica no Município de Imbituva. Data: 01 a 31 de julho de Edição n Esses dados foram fornecidos pela família do Sr. Jacob Brenner de acordo com documentos pertencentes a família.

14 Dramático, já existente na Villa. As instalações no interior das casas seriam pagas pelos proprietários avaliadas ao preço justo do material e mão-de-obra. Na fotografia 03, vamos observar que os postes de energia elétrica já estão nos dois lados da avenida, pois em 18 de julho de 1924, a viúva de Jacob Brenner, Maria Brenner, firmou adendo ao contrato inicial estipulando aumento da rede elétrica, com mais 10 focos de 30 velas até a casa do Sr. Paulo Stadler. A Câmara Municipal concordou em fazer um pagamento adicional de 60$000 mensais e assim o contrato passou a vigorar por 30 anos, até 31 de janeiro de 1943, década da fotografia em análise 03. Fotografia 03: Avenida 7 de setembro na década de 30/40. Acervo particular de Cleusi T. B. Stadler. O mesmo traçado da rua igual ao da foto anterior, continuando como rua de terra lamacenta; bem maior o número de casas; casas com cercas definindo seu espaço de terreno; maior número de casas com calçadas estabelecidas na frente das casas e quintais aos fundos; iluminação pública com postes de iluminação dos dois lados da avenida; Igrejinha no ponto mais alto da cidade; algumas casas de comércio; menos arborização; pessoas andando na rua e calçadas. 14 Foto 03: Avenida 7 de setembro. Década de 30/40. Acervo particular de Cleusi T. B. Stadler.

15 Observando a fotografia 02 e 03 notamos que o traçado da rua era o mesmo, pois existia segundo o Código de Posturas uma preocupação quanto a passagem de carros e carroças ou tropas pelo centro da cidade. Art.18. Todo aquelles que conduzirem carros ou carroças ou tropas que entrarem no quadro urbano serão obrigados à conduzirem a passo pelo centro das ruas e conduzidos uns atraz dos outros, e nessa mesma ordem serão descarregados. Art. 34. Os carros e carroças deverão ser conduzidos pelas ruas de modo a não dificultar o transito um dos outros. A infração será punida com a multa de 10$000. (CÓDIGO DE POSTURAS, 1900). Percebemos também um número muito maior de casas e edifícios construídos na cidade. E para estas construções, de acordo com o Código de Posturas, havia um arruador nomeado pela Câmara, ao qual competia o alinhamento e nivelamento das ruas do quadro urbano e dos edifícios que se construíssem, regulando suas frentes pela planta que a Câmara adotasse. E os edifícios ou casas construídas teriam que seguir os parâmetros determinados pelo Código de Postura, em questões de metragem e altura, caso contrário pagariam as devidas multas. No decorrer da pesquisa, foram identificadas outras fotografias em épocas posteriores, que mostram a Avenida 7 de setembro como um dos pontos mais fotografados, ou ela sendo o ponto de retratos para outras direções. Isso identifica a intenção do fotógrafo em mostrar esse ambiente como sendo o centro da cidade, a área bem organizada, planejada, com suas casas de moradia, casas comerciais, igreja. A rua principal representa o espaço de fora, do público, da liberdade, da comunicação entre os cidadãos, enfim, o espaço da coletividade. As três fotos identificam uma avenida que se transforma ao longo de quatro décadas, como podemos observar na primeira imagem desse estudo. A Avenida 7 de setembro se transformou no espaço público, social, econômico, o local onde as pessoas passavam para realizarem suas atividades no centro da cidade, pois até os dias de hoje, essa avenida representa o centro da cidade. 15

16 Percebe-se que o fotógrafo 6 ao eternizar estas fotografias provavelmente teve como intenção destacar a importância da Avenida para o desenvolvimento que estava ocorrendo na cidade, como uma imagem que representava o desenvolvimento urbano da cidade de Imbituva, pois as mesmas foram fotografadas do mesmo espaço e do mesmo ângulo. É como se o fotógrafo estivesse educando o olhar das pessoas para compreender determinados aspectos do cotidiano e do espaço urbano de nossa cidade. 5- CONSIDERAÇÕES FINAIS No decorrer deste estudo, identificamos que as fotografias da Avenida 7 de setembro representam para o estudo da história da cidade, alguns momentos do registro fotográfico da rua de principal acesso à cidade e considerada como o centro da cidade. Também, através deste estudo, pudemos verificar que a técnica fotográfica foi muito importante para compreender as alterações urbanas ocorridas no início do século XX, em Imbituva. Sendo assim, podemos perceber ao longo desta pesquisa três momentos diferentes do registro fotográfico na Avenida 7 de setembro: o primeiro refere-se às poucas imagens da Avenida 7 de setembro e, portanto, da própria cidade de Imbituva, no início do século XX, identificando um pequeno povoado muito mais rural do que urbano; o segundo momento caracteriza-se por algumas transformações, evidenciandose alguns aspectos também culturais, identificados com a ocasião da fotografia de um casamento; e no terceiro, e último momento, evidenciamos a fotografia com a preocupação de identificar a cidade, higienizada e urbanizada para os novos olhares. Analisamos que as representações fotográficas da área urbana de Imbituva, identifica uma cidade que cresceu em torno de uma avenida. Primeiramente com o a passagem dos tropeiros e depois com as casas de comércio em torno da erva-mate e da madeira. Mas podemos perceber que a fotografia, juntamente com o Código de Posturas do Município, mostram os contrastes entre urbano e rural, bem como, a preocupação com as normas para estabelecer uma estrutura urbana bem definida. As fotografias analisadas mostram que a Avenida 7 de setembro, pertencente ao quadro urbano imbituvense, era o sinônimo de progresso, de identificar uma cidade que 16 6 Não foi possível identificar quem foi o(os) fotógrafo(os) que produziu estas fotografias. Não havia nenhum registro nas fotografias e de acordo com a época das mesmas, possivelmente foram encomendadas para fotógrafos ambulantes que passavam pela cidade.

17 progredia. Mas também, analisando mais profundamente as fotografias, com os olhos do presente, podemos perceber outras realidades do ato fotográfico que não os mesmos de sua construção. O destaque para a Avenida 7 de setembro mostra que era o principal espaço urbanizado, o que constatamos no decorrer do estudo, conjuntamente com o Código de Postura do Município que utilizamos, onde a preocupação em organizar o espaço público estava voltada principalmente para essa avenida. As mudanças ocorridas na principal avenida da cidade de Imbituva, também foram caracterizadas pelo regramento do Código de Postura Municipal, como examinamos ao longo deste estudo. Esse código foi implantado por várias cidades brasileiras no início do século XX, com a intenção de organizar os espaços urbanos, padronizar o crescimento da cidade, higienizar esses lugares para que houvesse a separação de rural e urbano. Identificamos o olhar dos possíveis fotógrafos como característicos das imagens fotográficas que retratavam os espaços urbanos das cidades da Primeira República. As imagens retratadas eram de prédios públicos, ruas bem alinhadas, casas de comércio, bancos, clubes, ou seja, representações do progresso e da modernidade típicas daquele momento. Através destas fotografias tivemos a oportunidade de recordar, aprender, dialogar com o passado de nossa cidade. Elas nos possibilitaram ultrapassar a barreira iconográfica, ou seja, nos possibilitaram ir além da interpretação da fotografia, mas aliada ao documento histórico, chegar até a criação /construção da realidade e da produção do próprio conhecimento histórico REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BLOCH, Marc. Apologia da História ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Zahar, p.

18 BORGES, Maria Eliza Linhares. História & Fotografia. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, p. Código de Posturas da Câmara Municipal da Villa de Santo Antônio de Imbituva. Lei N.5 de 30 de Novembro de Decretada pela Câmara Municipal em Sessão de 30 de Novembro de Disponível na Câmara Municipal de Imbituva/Pr. DUBOIS, Phllippe. O ato fotográfico e outros ensaios. 13ªed. Campinas/SP: Papirus, HOFFMANN, Maria Luisa. Pelos Caminhos da Fotografia. Discursos Fotográficos, Londrina, v.9, n.14, p , jan/jun KOSSOY, B. Fotografia e História. 2.ed.rev. São Paulo: Ateliê Editorial, p. MAUAD, Ana Maria. Poses e Flagrantes: ensaios sobre história e fotografias. Niterói: Editora da UFF, p. 18. Através da Imagem: Fotografia e história Interfaces. Revista Tempo, v.1, n.2, Universidade Federal Fluminense, Departamento de História. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, p , STADLER, Cleusi T. B. Imbituva uma cidade dos Campos Gerais. 2. ed. Imbituva: Gráfica Prudentópolis, p. STADLER, Cleusi T. B. Memórias de Imbituva História e Fotografia. Imbituva: ALACS, p.

nós na sala de aula - módulo: geografia 4º e 5º anos - unidade 9

nós na sala de aula - módulo: geografia 4º e 5º anos - unidade 9 As paisagens urbanas e as paisagens rurais são visualmente distintas. As atividades propostas têm como objetivo diferenciar e evidenciar as relações espaciais entre as paisagens urbanas e rurais, colocando

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro

Colégio Visconde de Porto Seguro Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I 2011 AULA 1 Ensino Fundamental e Ensino Médio Atividade de Recuperação Contínua Nome do (a) Aluno (a): Atividade de Recuperação Contínua de Ciências Nível I Classe:

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas NATHÁLIA TOPINI LUCAS * Resumo Esse trabalho tem por objetivo indicar um novo olhar

Leia mais

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO PROJETO CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI RELATÓRIO DE ATIVIDADES ASSENTEMENTOS SERRA DAS ARARAS, FORMIGUINHA E POUSO ALEGRE JULHO DE 2011 INTRODUÇÃO

Leia mais

Jimboê. Geografia. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 1 o bimestre

Jimboê. Geografia. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 1 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou à Unidade 1 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê Geografia 4 o ano Avaliação 1 o bimestre 1 Avaliação Geografia NOME: ESCOLA:

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Valéria Grace Costa ***, Antônio Cláudio Moreira Lima e Moreira, Suzana Pasternak, Maria de Lourdes Zuquim, Simone Cotic Clarissa Souza, Letícia

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Contrato de locação de serviços que entre si fazem (nome e qualificação de quem está contratando: natureza ou profissão, endereço e dados como

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

CIDADE LIMPA LEI Nº 6468/09

CIDADE LIMPA LEI Nº 6468/09 CIDADE LIMPA LEI Nº 6468/09 Índice Apresentação...03 O que é um anúncio?...04 É proibido colocar anúncio que prejudique:...04 Locais onde é proibido colocar anúncios:...05 Prazos...05 Anúncio indicativo

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

CLIQUE O TEMA "LUZ, CIÊNCIA E ACÃO NA SUA COMUNIDADE ESCOLAR E PARTICIPE DO MAIOR EVENTO CIENTÍFICO DA AMÉRICA LATINA!

CLIQUE O TEMA LUZ, CIÊNCIA E ACÃO NA SUA COMUNIDADE ESCOLAR E PARTICIPE DO MAIOR EVENTO CIENTÍFICO DA AMÉRICA LATINA! CLIQUE O TEMA "LUZ, CIÊNCIA E ACÃO NA SUA COMUNIDADE ESCOLAR E PARTICIPE DO MAIOR EVENTO CIENTÍFICO DA AMÉRICA LATINA! REUNIÃO ANUAL DA SBPC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS 12 a 18 de julho de 2015

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular Vanessa Minuzzi Bidinoto 1 Viviane Dal-Souto Frescura 2 Aline Pegoraro 3 Resumo: O presente trabalho buscou provocar reflexões sobre a importância da

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos.

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos. 4.3.3 Programa de Monitoramento Arqueológico O Programa de Monitoramento Arqueológico, conforme consta no Plano Básico Ambiental prevê a catalogação de amostras nas áreas de construção da Estrada Parque,

Leia mais

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Altera a redação do Decreto nº 2.378, de 16 de agosto de 2006, que regulamenta a Lei Complementar nº 112, de 25 de julho de 2006, e dispõe sobre a Autorização

Leia mais

Brincando com o Lápis

Brincando com o Lápis Brincando com o Lápis 1. Objetivo Geral o Trabalhar com as habilidades ligadas à coordenação viso motora fina através de materiais que possibilitem acréscimo de vocabulário e desenvolvimento de linguagem

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA Luciane de Oliveira Machado 1 INTRODUÇÃO Este artigo apresenta o projeto de educação para o

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Yahoo Grupos e Educação Matemática. Meios Computacionais no Ensino da Matemática. Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva

Yahoo Grupos e Educação Matemática. Meios Computacionais no Ensino da Matemática. Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva Yahoo Grupos e Educação Matemática Meios Computacionais no Ensino da Matemática Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva Débora Naiure Araujo Costa Mestrado em Ensino da Matemática 2012-2013 Introdução Vendo

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA Marcos Leomar Calson Mestrando em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ALTA FLORESTA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIODIVERSIDADE E AGROECOSSISTEMAS

Leia mais

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE Adriane Trindade Lopes Universidade do Estado do Pará adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tayanna Conde de Sousa

Leia mais

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT)

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) Rosinei Borges de Mendonça UFMT-Araguaia rosineibm@gmail.com Adriana Queiroz do Nascimento UFMT-Araguaia

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 AGOSTO 2015 1 APRESENTAÇÃO O Museu da Energia de Itu, pertencente à Fundação Energia e Saneamento, integra a Rede Museu da Energia composta por mais dois núcleos

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHAGUERA DE JUNDIAÍ AUTOR(ES): JEANNE

Leia mais

Projeto Jornal Educativo Municipal

Projeto Jornal Educativo Municipal Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Santa Bárbara de Goiás Secretaria Municipal da Educação Santa Bárbara de Goiás - GO Projeto Jornal Educativo Municipal Santa Bárbara de Goiás Janeiro/2013 Estado

Leia mais

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha.

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Por Talles Lucena, educador do MuBE. O prédio do Museu Brasileiro da Escultura é um projeto do

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

A NECESSIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES EM PRESIDENTE PRUDENTE.

A NECESSIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES EM PRESIDENTE PRUDENTE. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 116 A NECESSIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES EM PRESIDENTE PRUDENTE. Bruna Caroline

Leia mais

CONCURSO DE FOTOGRAFIA AMADORA DA 1ª SEMANA INTERMUNICIPAL DA FRONTEIRA.

CONCURSO DE FOTOGRAFIA AMADORA DA 1ª SEMANA INTERMUNICIPAL DA FRONTEIRA. CONCURSO DE FOTOGRAFIA AMADORA DA 1ª SEMANA INTERMUNICIPAL DA FRONTEIRA. 1 O Concurso Consórcio Intermunicipal da Fronteira CIF, juntamente com as Secretárias de Educação dos municípios de Bom Jesus do

Leia mais

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM 00092 A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM Maria Valcirlene de Souza Bruce 1 Monica Silva Aikawa 2 Resumo: O artigo apresenta o resultado de uma intervenção pedagógica

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI "INSTITUI O PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRAÇAS, CANTEIROS, JARDINS, PARQUES, LOGRADOUROS E ÁREAS VERDES PÚBLICOS, ESTABELECENDO SEUS OBJETIVOS, LIMITAÇÕES DAS RESPONSABILIDADES E DOS BENEFÍCIOS

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE COMODATO PARA EXPLORAÇÃO DO BAR DA PISCINA

MINUTA DE CONTRATO DE COMODATO PARA EXPLORAÇÃO DO BAR DA PISCINA MINUTA DE CONTRATO DE COMODATO PARA EXPLORAÇÃO DO BAR DA PISCINA DAS PARTES Pelo presente instrumento particular de contrato, que tem de um lado , brasileiro, residente à ,

Leia mais

Circo-Teatro: É Teatro No Circo

Circo-Teatro: É Teatro No Circo Circo-Teatro: É Teatro No Circo Ermínia Silva Centro de Memória da Unicamp Doutor Pesquisadora Colaboradora do Centro de Memória da Unicamp Resumo: Parte dos estudos sobre circo no Brasil, realizados no

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS EJE. Comunicacion y Extensión PETER, Cristina Mendes ¹; ZANI João Luiz ²; MONTEIRO, Alegani Vieira³; PICOLI,Tony

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGENTES DE LIMPEZA DE CAPINA E VARRIÇÃO: CASO BAIRRO MONTE CASTELO.

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGENTES DE LIMPEZA DE CAPINA E VARRIÇÃO: CASO BAIRRO MONTE CASTELO. PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGENTES DE LIMPEZA DE CAPINA E VARRIÇÃO: CASO BAIRRO MONTE CASTELO. Nadya Guedes Alves Lustosa (*), Paulo Borges da Cunha. *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 VIERO, Lia Margot Dornelles 2 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Geografia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil E-mail:

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade.

DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade. LEI N. 120/1952 DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade. Faço saber que a Câmara Municipal de Soledade,

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula O NOSSO AMBIENTE: CONSERVANDO O AMBIENTE ESCOLAR. Ensino Fundamental / Anos Iniciais. 3º ano.

TÍTULO: Plano de Aula O NOSSO AMBIENTE: CONSERVANDO O AMBIENTE ESCOLAR. Ensino Fundamental / Anos Iniciais. 3º ano. Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: O NOSSO AMBIENTE: CONSERVANDO O AMBIENTE ESCOLAR Nível de Ensino: Ensino Fundamental / Anos Iniciais Ano/Semestre de Estudo 3º ano Componente Curricular: Ciências Naturais

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais