Escola Superior de Propaganda e Marketing. R e l a t ó r i o F i n a l d e A u t o - A v a l i a ç ã o I n s t i t u c i o n a l

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Superior de Propaganda e Marketing. R e l a t ó r i o F i n a l d e A u t o - A v a l i a ç ã o I n s t i t u c i o n a l"

Transcrição

1 Escola Superior de Propaganda e Marketing R e l a t ó r i o F i n a l d e A u t o - A v a l i a ç ã o I n s t i t u c i o n a l Rio de Janeiro, Março de

2 Sumário 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO A CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Composição da CPA CONSIDERAÇÕES INICIAIS Coleta de Dados Tabulação Análise Emissão de Relatórios DESENVOLVIMENTO Dimensão 1 Concepção/Gestão da ESPM Pontos Fortes Pontos Fracos Dimensão 2 Ensino dos Cursos de Graduação Pontos Fortes Pontos Fracos Dimensão 3 Corpo Docente Pontos Fortes Pontos Fracos Dimensão 4 Corpo Discente Pontos Fortes Pontos Fracos Dimensão 5 Corpo Técnico Administrativo Pontos Fortes Pontos Fracos Dimensão 6 Infraestrutura física, Recursos de informação e Comunicação Pontos Fortes Pontos Fracos Dimensão 7 Ensino Pós-Graduação Pontos Fortes Pontos Fracos CONSIDERAÇÕES FINAIS Divulgação dos Resultados Aprimoramento do Processo de Auto-Avaliação na ESPM-RJ ASSINATURA DOS MEMBROS DA CPA

3 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/Código da Instituição Escola Superior de Propaganda e Marketing Caracterização da Instituição Faculdade Privada sem fins lucrativos Endereço Nome/Código da Mantenedora Rua do Rosário, 90 Centro - Rio de Janeiro CEP: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing

4 2 A CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO A Comissão Própria de Avaliação da ESPM foi constituída em junho de 2004, em atendimento ao art. 11º da Lei nº /2004, com as atribuições de condução dos processos de avaliação interna da Instituição, tendo em vista o aperfeiçoamento acadêmico, a melhoria da gestão educacional e a prestação de contas de seu desempenho para a sociedade. 2.1 Composição da CPA Comissão Própria de Avaliação Nome Kátia Cristina Barbosa de Castro Seabra Campos (Coordenadora da CPA) Silvia Borges João Luis Figueiredo Silva Luciano Tardin Pinheiro Marcelo Guedes Carneiro Luiz Roberto Romero Gonçalves Matheus Yan Michetti da Cruz Rafael Sant anna Henriques Camilla Ghermandi Ana Luiza Pradel de Carvalho Luiz Claudio Aguiar Claudia Costa Aragon Kleber Nabuco de Araujo Sá Rêgo Ana Maria Polastreli Thiago Leal Sampaio Segmento Técnico Administrativo Docente Docente Docente Docente Docente Discente (Comunicação Social) Discente (Administração) Discente (Design) Discente (Relações Internacionais) Técnico Administrativo Técnico Administrativo Ouvidoria Sociedade Civil Organizada Grupo Tarefa Tatiana Ramos Pereira de Souza Grupo Tarefa Período de mandato da CPA: Janeiro/2012 à Março/2013 3

5 3 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O Projeto de Auto-Avaliação da Instituição, aprovado por Parecer CONAES/INEP datado de 07 de julho de 2005, com Comentário do Tipo 1 da Comissão Técnica em Avaliação, foi desenvolvido para avaliação de 7 (sete) Dimensões, a saber: Dimensão 1 Concepção / Gestão da ESPM Dimensão 2 Ensino Cursos de Graduação Dimensão 3 Corpo Docente Dimensão 4 Corpo Discente Dimensão 5 Corpo Técnico Administrativo Dimensão 6 Infraestrutura Física, Recursos de Informação e Comunicação Dimensão 7 Ensino Pós-Graduação Para avaliação das Dimensões foram desenvolvidos questionários semiestruturados, foram atribuídas notas como grau de satisfação do usuário de 1 (para a pior) a 6 (para a melhor) na avaliação dos itens, e/ou entrevistas para obtenção de depoimentos para a análise das Dimensões. Em todos os questionários havia espaço para comentários, caso o respondente desejasse fazê-lo. Os questionários desenvolvidos abrangeram todas as dimensões e segmentos da comunidade acadêmica, conforme demonstra o quadro abaixo: Dimensões Dimensão 1 Concepção / Gestão da ESPM Dimensão 2 Ensino Cursos de Graduação Dimensão 3 Corpo Docente Dimensão 4 Corpo Discente Dimensão 5 Corpo Técnico Administrativo Dimensão 6 Infraestrutura Física Dimensão 7 Ensino Pós- Graduação Respondentes das Pesquisas realizadas Comunidade Acadêmica (Discentes, Docentes e Técnico Administrativo) Dirigentes (Diretoria) Corpo Docente Corpo Discente Corpo Técnico Administrativo Diretoria Acadêmica, Coordenação de Cursos e Chefes de Departamentos da Graduação Corpo Docente Corpo Discente Corpo Docente Corpo Discente Corpo Técnico Administrativo Corpo Docente Corpo Discente Corpo Técnico Administrativo Diretoria e Coordenação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu 4

6 3.1 Coleta de Dados Todos os questionários e entrevistas foram aplicados pelo Grupo Tarefa, instituído para apoio à CPA, para toda a comunidade acadêmica, conforme descrito no quadro acima. A coleta de dados foi obtida nos seguintes locais na Instituição e Ensino: 1. Corpo discente sala de aula 2. Corpo docente sala de professores 3. Corpo Técnico Administrativo Respectivos Departamentos Foram entrevistados 377 alunos, 65 funcionários, 95 professores, 1 dirigente diretor/coordenador da pós-graduação e 10 diretores/coordenadores da graduação. 3.2 Tabulação Nos questionários semi-estruturados, a tabulação dos dados foi realizada somandose o total de conceitos 1 e 2 como resultado Ruim, conceitos 3 e 4 como resultado Regular e 5 e 6 como resultado Bom. Para as entrevistas ou questões abertas foram transcritos os comentários de maneira agrupada, devido à diversidade de manifestações escritas. Cada membro da CPA recebeu uma pasta com os dados tabulados da pesquisa e anexos, para a análise dos resultados. 3.3 Análise Para facilitar o desenvolvimento dos trabalhos, a Comissão Própria de Avaliação da ESPM decidiu pela criação de três Núcleos Avaliativos, formados entre os próprios componentes da CPA. Desta forma, as Dimensões puderam ser analisadas simultaneamente. Para a composição dos Núcleos foi considerada a experiência, conhecimento e envolvimento dos integrantes da CPA com cada Dimensão. A composição dos Núcleos e as Dimensões específicas sob responsabilidade de cada um são: Núcleos Membros Dimensões Analisadas Núcleo 1 Katia Cristina Barbosa de Castro Seabra Campos Joyce Ajuz Coelho Luiz Roberto Romero Gonçalves Ana Maria Polastreli Claudia Costa Aragon Dimensão 1 Concepção / Gestão da ESPM Dimensão 2 Ensino Cursos de Graduação Dimensão 7 Ensino Pós-Graduação 5

7 Núcleo 2 Núcleo 3 Luiz Claudio Aguiar Marcelo Guedes Thiago Leal Sampaio João Luis Figueiredo Rafael Sant anna Matheus Yan da Cruz Tatiana Ramos Pereira Kleber Nabuco de Araujo Sá Rêgo Luciano Tardin Pinheiro Ana Luiza Pradel Camilla Ghermandi Dimensão 3 Corpo Docente Dimensão 6 Infraestrutura Física, Recursos de Informação e Comunicação. Dimensão 4 Corpo Discente Dimensão 5 Corpo Técnico Administrativo Faz parte da Missão da ESPM a Excelência Acadêmica. Assim, todos os itens avaliados em cada Dimensão foram analisados separadamente, sendo que os itens quantitativos que receberam menos de 50% como grau de satisfação Bom, serão objeto de estudo para melhorar este conceito nas futuras Auto-Avaliações. Quanto aos dados qualitativos, todos os depoimentos foram considerados, para recolher as principais informações para interpretação da avaliação, sob o ponto de vista dos envolvidos na pesquisa. 3.4 Emissão de Relatórios Cada Núcleo analisou as Dimensões sob sua responsabilidade, apontou os pontos fortes e pontos fracos detectados e também apresentou sugestões de melhorias e de ações destinadas à superação das dificuldades e aprimoramento da Instituição. A análise inicial de cada Dimensão feita pelo Núcleo respectivo, foi apresentada para discussão, avaliação e interpretação aos demais Núcleos em reuniões da CPA. Nas reuniões, novas ações foram sugeridas e discutidas pela Comissão Própria de Avaliação e Relatórios Parciais foram formulados para cada Dimensão. 6

8 4 DESENVOLVIMENTO 4.1 Dimensão 1- Concepção/Gestão da ESPM De acordo com o projeto de avaliação interna da ESPM, submetido ao MEC e aprovado pelo Ministério da Educação, a Dimensão 1 pode avaliar os seguintes pontos referentes à gestão da ESPM: Coerência entre Gestão, Objetivos e Estrutura Organizacional; Compromisso Social; Políticas Institucionais; A comunicação com a sociedade: Os meios de comunicação e as estratégias utilizadas pela IES para atingir os públicos interno e externo; A imagem da ESPM nos meios de comunicação; Programas institucionais de financiamento de estudos para carentes Pontos Fortes Mais de 80% dos entrevistados da comunidade acadêmica entre boa e excelente a imagem da ESPM perante da Sociedade. A ESPM continua sendo considerada uma referência tanto no meio acadêmico quanto no meio corporativo. Em relação aos meios de comunicação e as estratégias utilizadas pela IES para atingir o público interno, pouco mais de 75% julga que a divulgação de eventos e o acesso às determinações das diretorias estão entre regular e bom. Entre os meios de comunicação destacam-se o , o telefone, o blackboard e site todos com mais de 85% de aprovação. Em relação às políticas institucionais, o ticket restaurante e o cartão alimentação são aprovados por unanimidade dos funcionários. As bolsas de ensino oferecidas para os funcionários pela Instituição têm aprovação de 77% do corpo técnico administrativo e a política de bonificação 70%. Em suma, a grande maioria dos itens referentes ao programa de Melhoria e Qualidade de Vida tiveram aumentos sensíveis nos índices de avaliação. Em relação ao Plano de Carreira Docente, a maioria considera alto o grau de exigência para o ingresso na ESPM e justos os critérios para a progressão. 82% consideram que a ESPM respeita o Plano de carreira e 95% do corpo docente classificam como fácil o acesso aos diretores dos cursos e aos chefes de departamento. Em relação aos discentes, os meios de comunicação como site, Blackboard, SMS e telefone foram considerados satisfatórios em média por 41%, contudo apresentaram queda nos índices comparados com a última avaliação. Em consideração à avaliação dos cursos pelos alunos, a atualização dos cursos, a prática, o estímulo a pensar, a criatividade no ensino, a proximidade do mercado, bem como a qualidade dos professores, foram avaliados positivamente. 7

9 Com relação aos programas institucionais que a ESPM oferece aos alunos, três deles tiveram destaque nesta edição e aumento no percentual em relação à última avaliação: Programas de Estágio, Orientação Profissional e Intercâmbio satisfatórios para 68% do alunado. Diante disso, é possível concluir que permaneceu a percepção de que existe uma boa coerência entre gestão, objetivos e estrutura organizacional. Todavia, é de nosso conhecimento que precisamos melhorar ainda mais para atingirmos a excelência que almejamos. Os principais itens estão abordados nos pontos fracos a desenvolver Pontos Fracos O compromisso social da ESPM ainda não é bem divulgado para seus públicos interno e externo, sendo desconhecido por 75% da comunidade discente, e por 40% dos funcionários administrativos, porém consideradas satisfatórias para 49% daqueles que as conhecem. Embora os funcionários aprovem o grau de exigência para o ingresso na ESPM (80%), pouco mais da metade ainda não está satisfeita com a progressão da carreira. Vale ressaltar que houve um aumento de 30% no índice que mensura a satisfação com a carreira (40%) em relação à avaliação anterior, devido o aumento de promoções que ocorreu no último ano. Os colaboradores também defenderam mais transparência nos critérios de seleção interna e mais equidade no plano de carreira para evitar que pessoas sejam favorecidas em detrimento de outras. Dos programas de Benefício e Melhoria da qualidade de vida, quase 60% alegam desconhecer o fundo de pensão da Instituição. Este percentual salta para quase 66% em relação à desinformação dos professores. Alguns colaboradores defendem a volta dos cursos gratuitos dos idiomas inglês e espanhol. Quanto ao desenvolvimento e aprimoramento das atividades docentes, cerca de 75% aprovam a Academia de professores. Já em relação aos demais programas Institucionais que visam o aprimoramento da atividade docente, menos de 55% consideram bons o apoio à titulação, avaliação docente e incentivo à pesquisa e publicação. Em relação à comunicação interna, como verificado na última avaliação, os docentes demonstram conhecer pouco ou nada em relação aos Programas Sociais e dificuldade de navegação na intranet. Sugestões de Melhoria ESPM Social Ações Sugeridas Divulgar as ações e integrá-las às práticas pedagógicas; Promover um relatório semestral, baseado em indicadores, sobre o resultado obtido pela ESPM Social. 8

10 Comunicação Interna Plano de Carreira técnicoadministrativa Melhorar a comunicação interna, através da atualização das televisões, intranet e melhor utilização dos murais. Divulgar o cursos novos e ações em andamento para todos os níveis da Organização. Divulgação e acompanhamento da aplicação do plano de carreira técnico administrativo, com critérios definidos e com formas claras de progressão. 4.2 Dimensão 2 Ensino dos Cursos de Graduação Organização didático-pedagógica; Práticas Pedagógicas; Projeto Pedagógico dos Cursos; - Adequação da grade curricular à formação do aluno, à demanda social e aos objetivos da IES - integração no mercado de trabalho Inovações didático-pedagógicas; Atividades Complementares; Atividades de Extensão; - Análise das atividades de extensão desenvolvidas pela IES e seu impacto na própria IES e na sociedade; - Relações com o setor produtivo e o mercado de trabalho. Atividades Científicas - Indicadores da atividade (artigos publicados; trabalhos publicados em anais, conferências, congressos); - Dados estatísticos: - Porcentagem de docentes que tiveram participação nestas atividades; - Porcentagem de discentes que tiveram participação nessas atividades; - Contribuição da Pesquisa para o desenvolvimento local/regional; - Critérios para desenvolvimento de pesquisa, participação em eventos e publicação de trabalhos. Integração ensino/pesquisa/extensão; Integração da Graduação/pós-graduação. 9

11 4.2.1 Pontos Fortes No item Ensino da Graduação, a pesquisa atual mostra que mais da metade dos itens investigados tiveram avaliação excelente e boa para pelo menos 77% do público. Destacam-se novamente os seguintes pontos: objetivos gerais e específicos são claros e coerentes com os conteúdos curriculares, a metodologia de ensino é adequada às características dos cursos e bibliografia atualizada. Com 88% de aprovação estão ainda a adequação entre os conteúdos curriculares dos cursos com as Diretrizes Curriculares nacionais da Área e a identificação de que os projetos pedagógicos são atualizados. No que se refere à Missão e Organização Institucional da ESPM, desta vez 100% dos respondentes demonstraram acreditar que a ESPM tem condições de cumprir o que definiu como sua missão de domínio público, avaliando entre os graus 5 e 6. Demonstram ainda, como na avaliação anterior, confiança no padrão administrativo e que este atende as necessidades dos Cursos atuais e dos que virão a ser oferecidos. Para 85% dos respondentes, a comunicação interna da ESPM vem melhorando sistematicamente. Por fim, a resposta ao item sobre a imagem da ESPM confirma a percepção positiva da imagem da instituição na sociedade, uma vez que 88% concordam com esta afirmação Pontos Fracos Aproximadamente 55% do corpo discente desconhecem ou julga insuficiente o PIC- Programa de Iniciação Científica da instituição, cuja proposta é fornecer aos alunos a possibilidade de atuar em projetos de pesquisa no Núcleo de Pesquisas na ESPM- RJ. Já em relação às Atividades complementares, mais de 35% considera que as Atividades Complementares não são valiosas para a formação acadêmica. Na opinião da metade dos chefes de departamentos, as atividades complementares oferecidas pela ESPM poderiam ser mais diversificadas e contundentes para a formação do aluno. A percepção negativa dos programas de bolsas para auxilio à pesquisa e extensão dos discentes aumentou de 30% para 40% e dos docentes manteve-se nos 30% anteriores. Sugestões de Melhoria Trabalho de orientação sobre as Atividades Complementares, a fim de agregar mais abrangência na formação do aluno Ações Sugeridas Promoção de palestras de orientação à atividades extracurriculares interessantes aos discentes e melhor divulgação daquelas oferecidas pela instituição 10

12 Fomentar e divulgar mais as atividades de pesquisa entre os alunos e professores. Comunicar com mais eficiência os programas de pesquisa e extensão existentes, além de avaliar a viabilidade de se ampliar a gama de projetos de pesquisa. Além disso, é fundamental a publicação efetiva dos resultados alcançados nos estudos realizados. 4.3 Dimensão 3 Corpo Docente A percepção do corpo docente sobre as questões acadêmicas e operacionais da instituição foi obtida a partir da análise das respostas às questões apresentadas no questionário. De acordo com o projeto de avaliação interna da ESPM, submetido ao MEC e aprovado pelo Ministério da Educação, a dimensão 3 pode avaliar os seguintes pontos referentes à gestão da ESPM: Formação acadêmica; Dedicação à Instituição; Experiência Profissional no Magistério Superior; Experiência Profissional fora do Magistério Superior; Envolvimento com o ensino, pesquisa e extensão; Plano de Carreira, mecanismos de seleção, contratação, aperfeiçoamento e avaliação do corpo docente; Programas de apoio e incentivo à docência; Critérios de Ingresso na IES; Medidas que contribuiriam para a melhorar a produtividade e a qualidade do trabalho dos docentes na IES; Dados estatísticos: nº docentes X nº de alunos; Órgãos colegiados e a participação docente. De acordo com a LDB, para as Universidades, o percentual de professores com titulação de mestre e doutor deve ser no mínimo 1/3 do corpo docente. A fim de obter um conceito bom para a Escola e contar como pontos na avaliação do MEC a ESPM tem procurado continuamente elevar esse padrão. Observamos que o percentual de mestres e doutores em toda a Instituição na Graduação permaneceu estável em relação à avaliação anterior. Já no quesito Regime de Trabalho do corpo docente, que na mesma LDB exige 1/3 em regime integral para as Universidades, a ESPM faz a opção de trabalhar com docentes com experiência de mercado, ficando apenas com 10% do corpo docente em regime de trabalho integral. 11

13 Levando em consideração o semestre vigente, 2012/2, podemos visualizar o seguinte cenário do corpo docente por curso de graduação: Administração Quant. Quant. Quant. TITULAÇÃO RTI RTP RTE TOTAL % Doutores ,42% Mestres ,42% Especialistas ,16% TOTAL ,0% % 7,90% 2,63% 89,47% 100% Comunicação Social Quant. Quant. Quant. TITULAÇÃO RTI RTP RTE TOTAL % Doutores ,59% Mestres ,55% Especialistas ,86% Design TOTAL ,0% % 11,69% 2,60% 85,71% 100% Quant. Quant. Quant. TITULAÇÃO RTI RTP RTE TOTAL % Doutores ,00% Mestres ,42% Especialistas ,58% TOTAL ,0% % 11,43% 14,28% 74,29% 100% Relações Internacionais Quant. Quant. Quant. TITULAÇÃO RTI RTP RTE TOTAL % Doutores ,50% Mestres ,90% Especialistas ,6% TOTAL ,0% % 15,79% 5,26% 78,95% 100% 12

14 4.3.1 Pontos Fortes No aspecto titulação, há um bom número de mestres e doutores nos cursos de Administração, Comunicação, Design e Relações Internacionais. O menor percentual em Comunicação está relacionado à especificidade do curso e ao fato de possuir maior número de professores. Entende-se como ponto forte do corpo docente a associação de sólida formação acadêmica e grande experiência de mercado. Como relatado anteriormente, acreditamos que o fato da Escola possuir pequeno número de docentes em regime integral não comprometa a qualidade do ensino da ESPM. Semelhante à última avaliação, a média de alunos por docente em cada curso foi considerada boa pelo Grupo. Não ocorreram mudanças significativas. Mais de 95% dos professores avaliam como muito boa ou excelente a metodologia de ensino e sua adequação aos respectivos cursos. Um pequeno aumento na percepção em relação à última avaliação. A respeito do plano de carreira, 86% julgam entre excelente e bom os critérios de justiça para progressão na carreira e também o grau de exigência para ingresso na IES. Este percentual salta para 95% ao se tratar da premissa em que a ESPM respeita o plano de carreira docente. Percebe-se assim, que de acordo com as últimas avaliações, a política de Carreira Docente vem agradando os professores ao longo dos anos. Em relação aos programas de apoio e incentivo à docência destacam-se nesta avaliação apenas a Academia de professores (80%). A grande maioria do corpo docente demonstra permanecer muito satisfeita com o atendimento e relacionamento com a secretaria de professores, dos diretores e das chefias de área. Isto demonstra a manutenção da qualidade destes serviços. Em relação atendimento do Departamento Pessoal, em torno de 80% apresentação satisfação, apresentando uma leve queda com o último levantamento Pontos Fracos A maioria dos professores alegam desconhecer o CDP. Pouco mais da metade dos professores desconhece o programa de bolsas oferecidas na instituição e quase 70% não sabem da existência do Fundo de Pensão ESPM. Verificou-se que são percebidas novamente falhas na comunicação dos programas e benefícios oferecidos pela instituição o que resulta em índices significativos de desconhecimento por parte dos docentes. 13

15 Sugestões de Melhoria Melhorar a titulação dos docentes. Divulgação mais ampla dos Programas de Incentivo à Titulação, Pesquisa e Publicação. Melhorar a divulgação dos setores internos e benefícios oferecidos pela instituição Ações Sugeridas Para melhorar o aspecto titulação, o grupo sugere que a Instituição solicite aos mesmos o ingresso em curso de mestrado em sua área de atuação. Soma-se a isto a maior divulgação do Programa de Apoio e incentivo à titulação oferecido pela ESPM aos docentes, para que seja utilizado, mas dentro do orçamento determinado. Apresentação dos programas na academia de professores, envio de , cartazes na sala dos professores. Organizar palestras onde cada setor direta ou indiretamente relacionado ao docente apresente seus serviços, além de apresentar os benefícios disponibilizados pela IES. 4.4 Dimensão 4 Corpo Discente A percepção do corpo discente sobre as questões acadêmicas e operacionais da instituição foi obtida a partir da análise das respostas às questões apresentadas no questionário. Seguindo o projeto de avaliação interna da ESPM aprovado pelo Ministério da Educação, a dimensão 4 pode avaliar os seguintes pontos referentes ao corpo discentes: Acompanhamento Pedagógico; Acompanhamento do Ingresso; Acompanhamento dos estudantes; Acompanhamento do Egresso; Sistema de Atendimento aos alunos (Secretaria, Biblioteca, Laboratórios e Administração geral); Espaço de participação e conveniência dos alunos; Programa de Estágios; Programa de Iniciação Científica; Programas de intercâmbio; Participação em unidades estudantis, como: Empresa Junior, Agência Júnior, Atlética e outras que não foram citadas e que existem nos campi da ESPM. 14

16 4.4.1 Pontos Fortes. Com o objetivo de apresentar uma visão geral desta percepção, segue abaixo a lista com os itens mais relevantes desta parte da avaliação. Na percepção da maioria dos alunos, em relação aos cursos, temos as seguintes opiniões: são considerados bem atualizados, as disciplinas ministradas e os assuntos são reconhecidos como importantes, o ensino é criativo e estimula o pensar, estimula a relação com o mercado e reconhecem qualidade nos professores. Ao avaliar a importância dos Programas Institucionais para a formação pessoal e profissional, para aproximadamente 60%, o Programa de Estágio-CDP é regular ou bom, apresentando uma leve queda comparado a pesquisa anterior. Menos de 50% dos alunos avaliaram como bons os demais programas e, sendo assim, serão evidenciados nos pontos fracos. Em relação à valorização da participação nas unidades estudantis, a Empresa Jr. e a Origem foram as melhores avaliadas, estando na percepção de aproximadamente 60% entre regular e boa. As unidades restantes serão abordadas mais a frente. Na avaliação das políticas de atendimento aos alunos, as Informações Fornecidas no Site e o Atendimento dos Professores receberam notas entre 5 e 6 por mais de 60% dos alunos. Contudo, estes dois fatores são satisfatórios para 77% e 92% respectivamente. Entre aqueles que foram avaliados entre regular e bom, destacam-se o atendimento da Secretaria de Alunos (78,5%), atendimento do Setor Financeiro (77,3%). Estes e todos os sistemas de atendimentos avaliados entre 5 e 6 por menos de 50% precisam ser revistos para que a ESPM eleve alcance a excelência. A avaliação da biblioteca subiu em quase todos os itens avaliados em comparação aos resultados da pesquisa anterior. Foram avaliados como bons com maior destaque a limpeza do setor (74%) e o horário de atendimento (68%). Entre os fatores avaliados entre regular e bom, sobressaem: o acervo; a quantidade de livros; os espaços para confecção de trabalhos individuais e em grupos e o sistema de catalogação e acesso aos acervos. O Blackboard mais uma vez foi o mais bem avaliado entre todos os meios de comunicação. Isto demonstra mais uma vez que o esforço do departamento de TI para melhorar a ferramenta. O incentivo dos professores e coordenadores para sua utilização em todas as disciplinas e em todos os cursos tem também se mostrado eficiente. A infraestrutura se mostrou adequada no atendimento às necessidades dos cursos da ESPM, na percepção do aluno. As salas de aula e os laboratórios foram consideradas algo entre bom e ótimo para a maioria dos alunos. A Segurança foi avaliada positivamente para 80% dos entrevistados. No que diz respeito à comunicação da instituição, itens como Internet, s e SMS foram avaliados positivamente. 15

17 4.4.2 Pontos Fracos Para os discentes apenas 50% consideram as Atividades Complementares valiosas para a formação, sendo que quase 30% alegam desconhecer a existência delas na grade curricular. Dentre os programas institucionais, 40% dos respondentes desconhecem: o Programa de Iniciação Científica; Programa de Apoio e Orientação (PAPO); Acompanhamento Pedagógico (coordenador/professor). Em relação às unidades para estudantes, em média, 35% do corpo discente revela desconhecerem o Coral, a ESPM Social, e a Radio Acorde, o que evidencia problemas na comunicação destes órgãos. Entre as políticas de atendimento existe um alto grau de desconhecimento dos estudantes em relação à Ouvidoria (46%) e ao CDP (57,6%), sendo que este teve um pequeno aumento no desconhecimento e aquele se tornou levemente mais conhecido em relação à pesquisa anterior. Como informado anteriormente deverão ser objetos de análise e melhorias os seguintes serviços: Ouvidoria; CDP; Atendimento do Setor Financeiro; Atendimento da Secretaria de alunos; Atendimento Telefônico. A queda na satisfação destes quatro itens pode ser explicada devido à renovação de colaborações que ocorreu nos setores envolvidos. Este fato mostra a necessidade de treinamento qualificado para os novos profissionais destas áreas. Sugestões de Melhoria ESPM Social Atividades Complementares Coral e Rádio Acorde Ouvidoria, CDP, PAPO Atendimento nas áreas de serviços Ações Sugeridas Divulgar as ações integrá-las às práticas pedagógicas; Promover um relatório semestral, baseado em indicadores, sobre o resultado obtido pela ESPM Social. Chamar a atenção dos alunos quanto à validação das horas complementares tanto em atividades dentro como fora da instituição. Massificar a campanha vinculando o papel do coral como uma ferramenta para o aprimoramento da expressão oral, tão necessária nas atividades profissionais. Criar eventos periódicos de apresentação para a comunidade acadêmica e em geral. Criar campanha de comunicação mais intensa e em todos os espaços de trânsito dos alunos, bem como nos demais canais de comunicação Melhorar o processo de serviços na secretaria, biblioteca, estúdios e financeiro a partir de um programa de treinamento em atendimento. 16

18 4.5 Dimensão 5 Corpo Técnico Administrativo Segundo o projeto de avaliação interna da ESPM, esta Dimensão pode avaliar os seguintes pontos referentes ao corpo técnico-administrativo: Infraestrutura física, recursos de informação e comunicação. o Número e condição das instalações administrativas o Recursos de informática Plano de Carreira e critérios de admissão, progressão na carreira e avaliação; Programas de qualificação profissional e de melhoria da qualidade de vida; Dados estatísticos: relação nº de estudantes x nº do pessoal técnico administrativo Pontos Fortes. O formulário aplicado ao corpo de funcionários possui a primeira parte dedicada à comunicação interna da instituição. Nos itens que compõem este quesito, observase uma melhoria significativa. Em relação à comunicação, percebe que se que melhorou um pouco a divulgação dos eventos, recebendo os graus 5 e 6 por 70%, mas 90% afirma estar satisfeita. O acesso às determinações da Diretoria está entre regular e bom para 85% dos entrevistados. Estas ferramentas tiveram melhor avaliação se comparadas ao processo avaliativo anterior. Para 85% dos respondentes, o grau de exigência para o ingresso na ESPM é satisfatório. Como apresentado na Dimensão 1, observa-se que as bolsas de ensino oferecidas para os funcionários, o ticket restaurante e alimentação e a política de bonificação são aprovados pelos colaboradores. Boa parte dos itens referentes ao programa de Melhoria e Qualidade de Vida tiveram aumentos sensíveis nos índices de avaliação, o que denota o aumento da satisfação dos colaborares em relação aos benefícios em face dos resultados anteriores. No que diz respeito à velocidade de atendimento das necessidades internas, os setores que se destacam como bons são a Manutenção e a Área Financeira, embora tenham apresentado pequena queda no índice de satisfação geral. Para mais de 75% dos entrevistados, os serviços do Centro de Desenvolvimento de Pessoas-CDP então entre regulares e bons. Este percentual sobe para quase 82% ao se tratar da área de informática. Em relação às instalações dos departamentos tivemos melhoras significativas nos índices de satisfação. Quase todos receberam majoritariamente notas 5 e 6, com maior destaque para: qualidade dos equipamentos de informática e facilidade de acesso à internet; telefone. 17

19 4.5.1 Pontos Fracos. Na opinião dos técnicos administrativos, é satisfatória a qualidade da comunicação entre os departamentos (75%) e a integração entre os setores (83%). Alguns meios de comunicação não tiveram avaliação desejada e deverão ser revistos. Receberam menos de 50% de os graus 5 e 6 além os seguintes: WAE e Intranet. Entre os funcionários, somente 30% avalia como boa a possibilidade de progressão de carreira dentro da ESPM. Entre os comentários textuais, solicita-se que os critérios de seleção sejam mais transparentes. Os programas de Melhoria de Qualidade de vida mais mal avaliado foi o Fundo de Pensão ESPM, desconhecido por mais de 55% dos administrativos e avaliados entre 5 e 6 por apenas 35%. Em relação aos programas de qualificação profissional foi citada a necessidade de maior oferta de treinamentos e cursos de capacitação. Menos de 35% julga boa a atuação do RH de SP e apena 45% mostra se satisfeita com este departamento. Em média, apenas 30% dos colaboradores julgam boa a atuação da área de compras, da Academia de funcionários e da Ouvidoria. Estas informações ensejam a necessidade de uma revisão destes serviços para que na próxima avaliação obtenha-se resultados mais satisfatórios. 37% julgam como bom o espaço físico do departamento. Como apresentado na avaliação anterior, nota-se o desejo e a necessidade dos técnicos-administrativos por um novo prédio, com instalações mais amplas. Houve uma melhora na avaliação da CIPA e da Brigada de Incêndio em relação aos resultados anteriores, mas ainda estão aquém do que a ESPM deseja. Sugestões de Melhoria Comunicação entre os Setores WAE Intranet Plano de Carreira Ações Sugeridas Atividades organizadas pelo setor de RH para diagnosticar os gargalos na comunicação para então oferecer treinamento adequado aos colaboradores Atualização deste sistema acadêmico de modo a atender melhor às necessidades dos usuários. Divulgar melhor estas mídias entre funcionários, além de se veicular mais conteúdos do interesse do público alvo. Divulgar os critérios do plano de carreira. Fazer uma pesquisa salarial por função e promover um enquadramento para os cargos de nível médio. 18

20 RH CIPA Promover um número maior de treinamentos. Realizar uma pesquisa com a equipe de funcionários para delinear novos treinamentos. Divulgar, com maior clareza a matriz de competências de cada área relacionando-as às analises de tarefas e aos treinamentos. Tornar-se mais participativa levantando as necessidades dos colaboradores e com a apresentação de palestras e dos resultados alcançados periodicamente. 4.6 Dimensão 6 Infraestrutura Física, Recursos de Informação e Comunicação Avaliação da Situação Atual O objetivo deste relatório é analisar a infraestrutura física, recursos de informação e comunicação avaliados pelo corpo docente, discente e técnico-administrativo da ESPM do Rio de Janeiro. Serão objetos de análise os recursos e infraestrutura: a biblioteca; as salas de aula; o espaço para doentes; laboratórios; e infraestrutura em geral (acesso aos portadores de necessidades especiais, banheiros, telefones, segurança e as áreas de conveniências e serviços). O Grupo considera esses itens de suma importância para a construção de um bom ambiente organizacional e para o alcance dos objetivos acadêmicos, operacionais da ESPM Pontos Fortes A percepção de qualidade da biblioteca aumentou para os docentes, tendo em vista que quase todos os itens sob avaliação tiveram aumento nos índices de aprovação (em média 3 pontos percentuais). Dos fatores considerados bons, destacam-se o horário de atendimento, a informatização e base de dados. Para os alunos a qualidade percebida em relação à biblioteca cresceu praticamente em todos os quesitos. Cerca de 80% dos alunos avaliaram que as salas de aula são adequadas e atendem às necessidades dos cursos da ESPM. Já na visão do corpo docente, 90% deles concordam que a limpeza das salas é adequada. Mais de 85% consideram ágil o atendimento do suporte em sala de aula. Entre regular e bom estão a quantidade de salas (91%) e a infraestrutura em geral (espaço, carteira, iluminação, ventilação, acústica e equipamentos de audiovisual) para cerca de 85%. A avaliação do espaço destinado aos docentes também foi positiva mais uma vez. Os percentuais de aprovação aumentaram em referência à avaliação anterior. Dentre os fatores considerados entre regulares e bons, destacaram-se a facilidade de acesso à internet (91,9%), a qualidade dos equipamentos de informática (87%) e 19

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Pós-Graduação

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Pós-Graduação Graduação ITEM: As carteiras das salas de aula são adequadas. 88,2% Graduação ITEM: As instalações do laboratório de informática são adequadas. Graduação ITEM: As instalações da biblioteca são adequadas.

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS EM ENSINO EM MEDICINA VETERINÁRIA VERIFICAÇÃO

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR. Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2

PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR. Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2 PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2,%$6('($78$d 2'$68%&20,66 2,&XUVRVGHJUDGXDomRRIHUHFLGRVQDiUHDGD6XEFRPLVVmR

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Faculdades Integradas Dom Pedro II São José do Rio Preto - SP

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Faculdades Integradas Dom Pedro II São José do Rio Preto - SP RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DAS FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS As, ao apresentar o Relatório do sistema de autoavaliação (CPA), consideram

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Introdução O PROPAV foi instituído para permitir à Universidade uma revisão geral de seus cursos e métodos de ensino, buscando a opinião dos docentes e discentes

Leia mais

RESULTADO DE ENQUETE APLICADA PELO PORTAL

RESULTADO DE ENQUETE APLICADA PELO PORTAL 01/11/2012 10:31:12 1 Código Nome da Enquete D. Inicio D. Fim 597 Outras Dimensões - 4º ano A 08/10/12 31/10/12 1-1. 1ª Dimensão Planejamento Institucional: Você acessa as normas institucionais (Regimento,

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Relatório de Avaliação TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

Relatório de Avaliação TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Relatório de Avaliação TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS A temática tecnologia da informação esta em todas as áreas: áreas da saúde, empresarial, governamental. A humanidade está entrando

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL LEVANTAMENTO DAS MEDIDAS REALIZADAS

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL LEVANTAMENTO DAS MEDIDAS REALIZADAS AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL LEVANTAMENTO DAS MEDIDAS REALIZADAS RELATÓRIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CPA 2011/12 Porto Velho RO 2011/2012 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Profª Drª. Nelice Milena Batistelli

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1 FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1 A Comissão Própria de Avaliação (CPA) é o órgão responsável por coordenar,

Leia mais

Ata de Reunião Análise Crítica do Sistema de Gestão da Qualidade da FDSM

Ata de Reunião Análise Crítica do Sistema de Gestão da Qualidade da FDSM FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS Av. Dr. João Beraldo, 1075 Centro Pouso Alegre MG Fone: (35) 3449-8100 Fax: (35) 3499-8102 Rev.: 00 / / Form.: Aprov.: Pág 1 de 1 Ata de Reunião Crítica do Sistema

Leia mais

Relatório da Avaliação pela CPA

Relatório da Avaliação pela CPA 1 Relatório da Avaliação pela CPA 10 de outubro 2011 Visando atender a abrangência necessária no que tange à Avaliação Institucional da AJES, conforme Sistema elaborado pela CPA, este Relatório busca aliar

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação - CPA

Comissão Própria de Avaliação - CPA AVALIAÇÃO DO CEFET-RJ PELOS DISCENTES -2010/2 A avaliação das Instituições de Educação Superior tem caráter formativo e visa o aperfeiçoamento dos agentes da comunidade acadêmica e da Instituição como

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Relatório de Avaliação Ensino Aprendizagem Curso Administração Ano de 2011/02 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA

Relatório de Avaliação Ensino Aprendizagem Curso Administração Ano de 2011/02 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA AMAZÔNIA REUNIDA FESAR Relatório de Avaliação Ensino Aprendizagem Curso Administração Ano de 2011/02 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Redenção PA 2011 1 SUMÁRIO I APRESENTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1 -

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor comparece com regularidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda )

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda ) PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda ) Introdução O PROPAV foi instituído para permitir à Universidade

Leia mais

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Administração de Empresas

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Administração de Empresas CURSO:ADMINISTRAÇÃO EMPRESAS ITEM: As carteiras das salas de aula são adequadas. CURSO:ADMINISTRAÇÃO EMPRESAS ITEM: A infra-estrutura do prédio da Faculdade é adequada. CURSO:ADMINISTRAÇÃO EMPRESAS ITEM:

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA IV REGIÃO (SP) COMISSÃO DE ENSINO TÉCNICO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE PARA CURSOS TÉCNICOS DA ÁREA QUÍMICA CRITÉRIOS PARA A RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 1 - NOVEMBRO DE 2010 WWW.CRQ4.ORG.BR

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE 1 FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO (Síntese dos resultados) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA FACINTER - EAD 2º SEMESTRE - 2011 FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA FACINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 886, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 46. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE ITUVERAVA

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE ITUVERAVA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE ITUVERAVA CPA - 2013 RELATÓRIO DO RESULTADO DAS PESQUISAS INSTITUCIONAL Sumário 1. PESQUISA COM EGRESSOS.... 4 2 PESQUISA

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Resultado na ótica discente. Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014

Resultado na ótica discente. Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014 Resultado na ótica discente Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014 Metodologia PÚBLICO-ALVO: Discentes dos cursos de graduação da FAESA. METODOLOGIA DA PESQUISA: A metodologia utilizada por meio de

Leia mais

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Faculdade Promove de Sete Lagoas 1.º-213 Sete Lagoas (MG) Membros da CPA Nome Segmento que representa Ludimila Tavares Rocha Silva Antônio Marcos de Oliveira

Leia mais

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS Comissão Própria de Avaliação Porto Alegre, março de 2005. 1 Diretora Vera Lucia Dias Duarte Coordenador do Curso Dr. Dakir Lourenço Duarte

Leia mais

FACULDADE MODELO CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º Semestre de 2010

FACULDADE MODELO CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º Semestre de 2010 FACULDADE MODELO CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º Semestre de 2010 1. APRESENTAÇÃO O relatório que segue apresenta a Avaliação Institucional da Faculdade Modelo

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE CNEC FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS EGRESSOS

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE CNEC FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS EGRESSOS FFACERB - FFACULLDADE CENECISTTA DE RIO BONITTO ENTIDADE MANTENEDORA: CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE Credenciada pela Portaria 57/09 MEC Publicada no D.O.U. em 14/01/2009 Av. Sete de Maio,

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) UNIESP FACULDADES INTEGRADAS DE RIBEIRÃO PIRES FIRP COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RIBEIRÃO PIRES DEZEMBRO DE 2014 2 COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - Sinaes Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Código da IES INEP: 1547 Caracterização da IES: Instituição Privada Sem Fins Lucrativos Estado: Ceará Cidade: Juazeiro do Norte Composição

Leia mais

FACULDADE UNIDADE SERRA PLANO DE AÇÃO - CPA

FACULDADE UNIDADE SERRA PLANO DE AÇÃO - CPA FACULDADE UNIDADE SERRA PLANO DE AÇÃO - CPA PLANO DE AÇÃO Apresentação do Plano de Ação da CPA Os dados trabalhados são baseados na Avaliação Institucional realizada em Maio/2013 CPA- (comissão permanente

Leia mais

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2014 APRESENTAÇÃO O Plano de Ação ora apresentado planeja o processo da Autoavaliação Institucional, que vem se consolidando na Faculdade Norte Capixaba de São

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

1.2 - Como você avalia a divulgação dos resultados da autoavaliação institucional para a comunidade universitária da sua unidade/subunidade?

1.2 - Como você avalia a divulgação dos resultados da autoavaliação institucional para a comunidade universitária da sua unidade/subunidade? Informações do Questionário Programa Autoavaliação Institucional - UFSM - 2014 Questionário Questões Gerais Descrição do Programa A aplicação do instrumento de autoavaliação é fundamental para toda instituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise:

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise: Relatório de análise de dados O presente relatório trata da análise dos resultados provenientes de informações obtidas por meio dos questionários da autoavaliação referentes ao curso de graduação em Dança

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Autoavaliação Institucional

Autoavaliação Institucional Autoavaliação Institucional Relatório da Comissão Própria de Ano de 2014 1 SUMÁRIO I - DADOS DA INSTITUIÇÃO 3 II- COMPOSIÇÃO DA CPA 3 III CONSIDERAÇÕES INICIAIS 3 IV -DESENVOLVIMENTO 4 V. AÇÕES PLANEJADAS

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Formulário para uso das Comissões de Verificação

Formulário para uso das Comissões de Verificação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Ensino Superior Departamento de Políticas de Ensino Superior Coordenação das Comissões de Especialistas de Ensino COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Programa de Acompanhamento de Egressos

Programa de Acompanhamento de Egressos FACULDADE FACULDADE DE TALENTOS DE HUMANOS TALENTOS HUMANOS - FACTHUS - FACTHUS Programa de Acompanhamento de Egressos UBERABA-MG 2010 I - OBJETIVO GERAL Desenvolver uma política de acompanhamento dos

Leia mais

!"#$$ %& %'$ %"! "( )" ""*+%!',%" -.

!#$$ %& %'$ %! ( ) *+%!',% -. !"#$$ %& %'$ %"! "( )" ""*+%!',%" -. 2 $ %& %'$ %"! "( 1. INTRODUÇÃO O presente relatório tem por finalidade apresentar os dados computados no questionário elaborado pelo PROPAV, e disponibilizado eletronicamente

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO 2015 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO 2015 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO FACULDADE CAPIXABA DA SERRA Situação Real/Reclamações Professores O índice de insatisfação vem diminuindo em relação ao apresentado desde 2011. - Permanece sendo realizado o processo de seleção: edital;

Leia mais

SOCIEDADE ROLIMOURENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA S/C FACULDADE DE ROLIM DE MOURA FAROL. Relatório de auto-avaliação da Faculdade de Rolim de Moura

SOCIEDADE ROLIMOURENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA S/C FACULDADE DE ROLIM DE MOURA FAROL. Relatório de auto-avaliação da Faculdade de Rolim de Moura 1 SOCIEDADE ROLIMOURENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA S/C FACULDADE DE ROLIM DE MOURA FAROL Relatório de auto-avaliação da Faculdade de Rolim de Moura Rolim de Moura, 2010 2 RESUMO O relatório, ora apresentado,

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO

IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO Comissão Própria de Avaliação Institucional: Representante Docente: Fábio Nazareno Machado-da-Silva Representante Técnico-administrativo: Diego Martins Braga Representante

Leia mais

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015 Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Ciclo Avaliativo 2013 2015 Cascavel 2014 CPA Comissão Própria de Avaliação Presidente Prof. Gelson Luiz Uecker Representante Corpo Docente Profa. Anália

Leia mais

INDICE 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 3 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 4 3. METODOLOGIA... 9 4. RESULTADOS... 11

INDICE 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 3 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 4 3. METODOLOGIA... 9 4. RESULTADOS... 11 Março/0 INDICE. DADOS DA INSTITUIÇÃO.... CONSIDERAÇÕES INICIAIS.... OBJETIVOS E METAS DA INSTITUIÇÃO.... DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA.... DOS ITENS OBSERVADOS NA AVALIAÇÃO.... DAS INSTÂNCIAS

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00%

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00% Diagnóstico Planejamento PDI 2014-2018 Período de respostas: 05/09/13 a 18/09/13 Questionários Respondidos 52 Docentes 30 57,69% Técnicos-Administrativos 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade

Leia mais

A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior. Prof. Marcílio A. F. Feitosa

A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior. Prof. Marcílio A. F. Feitosa A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior Prof. Marcílio A. F. Feitosa Avaliação das Instituições de Educação Superior A Avaliação Institucional é um dos componentes

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento de Educação Continuada Docente. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais