SpaceStation. e SpaceCom. Instruções de Uso. Válido para Software 695D

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SpaceStation. e SpaceCom. Instruções de Uso. Válido para Software 695D"

Transcrição

1 SpceSttion e SpceCom Instruções de Uso Válido pr Softwre 695D

2

3 ÍNDICE ÍNDIC E Índice Segurnç do Pciente Cpítulo 1 A SpceSttion em detlhe Fixção de um SpceSttion Montgem e Desmontgem ds Coluns Combinção de SpceSttions Individuis...10 Cpítulo 2 Cpítulo 3 Cpítulo 4 Cpítulo 5 Cpítulo 6 Cpítulo 7 Cpítulo 8 Combinção de Bombs num SpceSttion...13 Inserção e Remoção de Bombs Individuis...14 SpceCover Stndrd...15 SpceCover Comfort Elementos Funcionis e Visor de Estdo d SpceCover Visor e Estdo d Bteri Ligr / Desligr Controle de Volume Sensor de Brilho Progrm de Mnutenção d Bteri Visor de Estdo Auto-teste Durnte Inicilizção...18 Interfces e Comunicção de Ddos Tipo de Utilizção As Ligções/Conexões SpceCom Disply de Estdo Introduzir e Remover Bteri no SpceCom Configurção ds Interfces do SpceCom SpceOnline, Aplicção de Rede do SpceCom Configurção de um Ligção de Rede Login Estdo Serviço Configurção Definições do Operdor Alterr Senh Alterr Nome de Usuário Alterr Autorizção de Acesso Definições WLAN e Ethernet Definições do Protocolo BCC Definições de Bteri Definições d Bse de Ddos Sincronizção d hor vi SNTP Wireless LAN (Ligção à Rede sem Fios)...27 Assistênci...28 Grnti Mnutenção Higiene / Descrtáveis Bteris Recrregáveis...30 Cpítulo 9 Ddos Técnicos A SpceSttion d B. Brun sem o SpceCom d B. Brun A SpceSttion d B. Brun com o SpceCom d B. Brun A SpceCover Comfort d B. Brun A SpceCover Stndrt d B. Brun...34 Ddos de Compr

4 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA DO PACIENTE Informção importnte e Observções pr Segurnç do Pciente w Atenção: Consulte documentção nex! Lei s Instruções de Uso ntes de utilizr o equipmento. Antes d utilizção do equipmento, verifique s funções do Sistem Spce: Válids pens pr o sistem Spce. Devem ser efetudos Testes Funcionis e Verificções Técnics de Segurnç, em seprdo, pr todos os equipmentos dicionlmente ligdos. Verifique e efetue s ligções à rede bem como outrs ligções de plug. Verifique se voltgem de rede corresponde à indicd n plc de tipo! Qundo ligdo, verifique o Stff Cll (simule um lrme o Stff Cll deverá regir) Avisos: Utilizção do Sistem Spce pens por profissionis qulificdos. Utilizção do Sistem Spce pens qundo estiver instruído pr funcionr com este e qundo estiver fmilirizdo com o Sistem. Ests Instruções de Uso são prte do Sistem Spce e são necessáris pr su utilizção. As Instruções de Uso deverão estr disponíveis com o Sistem Spce. Utilizção Adequd: O Sistem modulr Spce é concebido pr o trtmento de um único pciente. É especilmente concebido pr utilizção em Uniddes de Cuiddos Intensivos e Bloco Opertório. O Sistem Spce é utilizdo em Hospitis sendo, em su miori, operdo por médicos e profissionis de súde qulificdos. Verifique se versão de softwre e hrdwre instldos nos componentes do Sistem Spce são idênticos os referidos ns Instruções de Uso. Não é permitid utilizção de suportes bixos pr fm mobil ou cessórios pr utilizção móvel, um vez que o centro de grvidde do Sistem Spce pode ser modificdo. Insir suspensão de receptáculo do fm mobil, ntes do trnsporte. Verifique estbilidde e segurnç do posicionmento, especilmente durnte fixção do Sistem o fm mobil. Evite que o fm mobil deslize sobre superfícies horizontis trvés d utilizção de dispositivos de fixção. Se existir um declive mior do que 5º é necessário colocr fixção dicionl. Qundo s bombs, n Spce Sttion, estão desligds, os sistems de controle não estão tivos. Dest form, feche pinç rolete ou válvul seletor no ponto de conexão pr evitr o refluxo descontroldo. Não ligue o plug do cbo de limentção à tomd ntes de ter todo o sistem montdo e completo. O Sistem Spce é concebido pr funcionr com um únic ligção à fonte de limentção por torre. Tods s configurções devem obedecer à IEC/EN

5 SEGURANÇA DO PACIENTE Existe o perigo de explosão qundo utilizdo em presenç de nestésicos inflmáveis. Utilize pens combinções comptíveis de equipmento, cessórios, prtes funcionis e descrtáveis. Utilize pens peçs de substituição originis. A segurnç funcionl só poderá ser ssegurd pelo fbricnte no cso de se utilizr pens os correspondentes sistems comptíveis. Lei cuiddosmente s Instruções de Uso ds bombs de infusão e bombs de serings de infusão utilizds. Aplicção ds bombs de infusão e bombs de serings de infusão unicmente sob supervisão regulr de profissionis especificmente treindos. O operdor deve ssegurr que s bombs e outros componentes do sistem estão corretmente fixdos. Não coloque objetos sobre s bombs. Evite poir-se ns bombs! Os cbos de ligção devem ser colocdos de modo evitr que s pessos tropecem neles e que o trblho com o Sistem Spce não sej prejudicdo. Não coloque descrtáveis perto ds conexões ds bombs utilize s presilhs guis. Certifique-se de que s bombs sejm inserids e removids corretmente. Trnsporte: No máx. 4 bombs. Sej especilmente cuiddoso no cso de estr conectdo um pciente. Evite ções mecânics externs! Utilizção pens de: Infusomt Spce Infusomt Spce P Perfusor Spce SpceControl SpceCom Alguns componentes possuem Instruções de Uso dicionis ou instruções de montgem que devem ser considerds. Conclusões terpêutics ou de dignóstico não devem ser bseds exclusivmente nos vlores presentdos ns bombs de infusão, bem como nos ddos disponíveis trvés ds interfces. O Sistem Spce deve funcionr pens em áres que possum bo proteção contr vibrções, poeir, corrosão e gses explosivos, temperturs extrems e umidde. De modo grntir suficiente r em circulção pr rrefecimento do sistem, deverá existir, pelo menos, 5 cm de espço livre em torno do Sistem. Qundo se utiliz o mesmo tempo equipmento com elevdos níveis de rdição eletromgnétic (ex. celulres, prelhos de rios X, RMN, etc.), podem ocorrer interferêncis. Isto pode conduzir à presentção de vlores problemáticos ou à indicção de vlores pouco plusíveis. Se ocorrerem problems devido à interferênci eletromgnétic, s seguintes medids podem judr evitá-ls ou resolvê-ls: Evitr utilizr dispositivos desnecessários sob o ponto de vist médico (ex. celulres); 5

6 SEGURANÇA DO PACIENTE Aumente distânci entre fonte de interferênci e o produto médico; Altere posição dos cbos de limentção, cbos de ligção e eletrodos. Os limites EMC (comptibilidde eletromgnétic), de cordo com IEC/EN e IEC/EN são mntidos. Se o equipmento é operdo n vizinhnç de outro equipmento que poss cusr elevdos níveis de interferênci (ex. equipmento cirúrgico de AF, uniddes de TAC, celulres) mntenh s distâncis de proteção recomendds pr estes equipmentos. O Sistem Spce não deve ser exposto cmpos mgnéticos excessivos (ex. num sl de RMN). Cso sej necessário, podem ser utilizds linhs de infusão mis longs. Qundo se utiliz um desfibrildor, devem ser observds precuções que podem ser encontrds n documentção do desfibrildor. Em cso de lrme centrl (ex. de Stff Cll), é necessário verificr qul bomb de infusão cusou o lrme. Apens o lrme específico, origindo pel bomb de infusão, é relevnte pr segurnç. Infusão prlel: Pode ocorrer um umento de volume de bolus e tempos de defsgem de lrme em comprção com infusões únics! Assim: Se possível, selecione definições de bix pressão. Preste especil tenção miores volumes de bolus e tempos de defsgem de lrme. Ao remover o selo, não permit que o bolus tinj o pciente. Um redução do bolus pode conduzir um subdosgem do fármco o reinicir infusão. Recomendção: redução do bolus pel bertur extern do sistem condutor. A redução de bolus pode conduzir vrições de dosgem. Supervisão de pessol superior com fármcos críticos. Reção imedit em cso de lrme! Ao desligr bomb temporrimente, é possível dministrção de bolus devido o umento d concentrção no fluxo reduzido. Pdrões interncionis de segurnç: O Sistem Spce obedece : IEC/EN IEC/EN IEC/EN bem como IEC/EN e é ssinldo CE de cordo com diretiv UE 93/42. 6 A B. Brun Melsungen AG é certificd de cordo com DIN EN ISO 9001 e DIN EN ISO Est certificção inclui tmbém mnutenção e ssistênci. Os LED s visíveis cumprem com os produtos LED de clsse 1, de cordo com IEC/EN O Sistem Spce B. Brun é um sistem de rquivo e de comunicção flexível pr o espço de trblho médico, em especil pr os cuiddos intensivos, o que contribui

7 SEGURANÇA DO PACIENTE substncilmente pr segurnç dos seus pcientes. Ele serve clr comodção ds bombs de infusão e de serings de infusão Infusomt Spce, Infusomt Spce P e Perfusor Spce, cuj plicção concret é decisão médic profissionl bsed em crcterístics e ddos técnicos grntidos. A colun e o sistem de montgem sincronizdo de componentes permitem concepção de um espço de trblho individulizdo. O Sistem Spce é flexível devido à rápid montgem e desmontgem e o pouco espço que ocup, bem como à possibilidde de ser utilizdo como unidde móvel, de prede ou de teto. Pr mis detlhes, bem como pr montgem e desmontgem, é fvor consultr s Instruções de Uso. Dnos de trnsporte: Inspeção n entreg. Apesr do tipo de emblgem dequd, o risco de dno de trnsporte não pode ser completmente descrtdo. N entreg, verifique que nd flt. Não utilize um equipmento dnificdo. Contte o serviço de ssistênci. Emblgem: As emblgens form concebids de modo : Prevenir contr s crgs eletrostátics, e As bteris ns plcs impresss não podem ser descrregds. 7

8 A SPACESTATION EM DETALHE Cpítulo 1 A SPACESTATION EM DETALHE A SpceSttion serve pr comodr té qutro bombs de infusão e de serings de infusão. As SpceSttion individuis podem ser montds de mneir formr um, ou té três coluns, que podem ser seprds ums ds outrs. As coluns individuis requerem s sus própris fontes de limentção e encontrm-se interligds, ums às outrs, trvés de cbos de extensão especiis. Cd colun deve ser fechd com um tmp, SpceCover Stndrd ou Comfort, de modo ssegurr segurnç e complet funcionlidde do sistem. Conector pr outrs SpceSttions ou SpceCover Comfort; F5 100 V 230 V de voltgem de síd pr SpceSttion seguinte; F1B Conector pr bomb Spce. Linhs de ddos e voltgem de entrd de 12V; F2A F2D Trilhos gui pr bombs individuis 8 Alto-flnte centrl, pens no SpceCover Comfort Alvnc pr liberção do clmp universl Fixção do clmp universl SP, rottivo pr ligção os trilhos de prede e suportes de infusão 100 V 230 V de voltgem de entrd de rede; F1A Conexão pr cbo de extensão pr outr SpceSttion; F4 Conexão pr Stff Cll, botão PCA, Cbo de Ligção SP 12 V e cbo de ssistênci; F3

9 A SPACESTATION EM DETALHE Cpítulo 1 Tmp SpceCover; deve sempre cobrir o segmento de topo. Serve, o mesmo tempo, como lç de trnsporte d SpceSttion. Botão rottivo pr destrncr s bombs individuis. O bloqueio ocorre utomticmente ssim que bomb é encixd. Presilhs gui pr s tubulções de infusão Mecnismo de bloqueio d Spce Sttion ou Spce- Cover superior. w Atenção: Cd SpceSttion, ou colun consistindo em váris SpceSttions, deverá ser cobert por um tmp. Est tmp protege s conexões superiores contr umidde e dnos, ssegurndo perfeit funcionlidde do sistem. A SpceSttion e bomb individul encontrm-se ligds um à outr trvés de conectores F2A F2D. Os plugs devem ser protegidos contr dnos e umidde. 1.1 Fixção de um SpceSttion Cd SpceSttion pode ser ligd suportes de infusão e fixções verticis, ex. suspensão de teto, bem como trilhos horizontis de prede, sem necessidde de quisquer outros dptdores ou uxilires de montgem de cordo com EN1789. O Clmp universl n prte trseir pode ser roddo e tem um mecnismo de ção rápid. Ao puxr o cilindro de liberção pr trás, o bloco pode ser movido livremente e pré-posiciondo. Assim, SpceSttion pode ser fixd definitivmente trvés de um conjunto de prfusos. w Atenção: Certifique-se de que SpceSttion se encontr corretmente fixd e segur pós su montgem. Não utilize ferrments pr pertr os prfusos! 9

10 A SPACESTATION EM DETALHE Cpítulo 1 Ao puxr o cilindro de liberção pr trás, o bloco pode ser movido livremente pr ser pré-posiciondo. 1.2 Montgem e Desmontgem ds Coluns O segmento superior é empurrdo sobre o segmento inferior, prtir d prte frontl, e fixdo com um fecho no segmento inferior. Pr liberção, mov o fecho d respectiv posição e retire o segmento superior pel prte frontl. w Atenção: Cd SpceSttion individul deve ser fixd um suporte trvés de um clmp de fixção. 1.3 Combinção de SpceSttions Individuis Pr montgem de um ou múltipls coluns, s SpceSttions individuis podem ser fcilmente montds sem qulquer dificuldde e sem necessitr de ferrments especiis pr o efeito. As combinções possíveis encontrm-se n seguinte tbel: 10

11 A SPACESTATION EM DETALHE Cpítulo 1 1 Colun 2 Coluns 3 Coluns A A B A B C SpceCover Comfort 1 1 (1) 1 (1) (1) SpceCover Stndrd (1) (1) 1 (1) 1 1 SpceSttion Restrição A 6 A + B 6 A + B + C 6 (x) possível lterntiv de utilizção A, B, C número de SpceSttions por torre w Atenção: Outrs configurções, tis como mis do que três coluns, ou exceder o número de SpceSttions num colun, não são permitids e resultm em erros de configurção. Cso um sistem consist em váris coluns, ests deverão ser configurds logicmente e fisicmente d esquerd pr direit. Colun 1(A) Colun 2(B) Cbo de Extensão SP 60 ou 120 cm. O cbo é ligdo F4, n colun 1, e depois F3, n colun

12 A SPACESTATION EM DETALHE Cpítulo 1 Cd colun deve ser cobert com SpceCover Stndrd ou com SpceCover Comfort. Se for construíd um estção com dus ou três coluns e for utilizd pens um SpceCover Comfort, nest combinção todos os lrmes e informção de estdo serão presentdos nest SpceCover. No cso de cd colun ser cobert com um SpceCover Comfort, então o estdo de lrme e d informção serão presentdos n correspondente SpceCover. Colun 1(A) Colun 2(B) Colun 3(C) Cbo de Extensão SP 60 ou 120 cm. O cbo é ligdo F4, n colun 1, e depois F3, n colun 2. As coluns 2 e 3 estão interligds entre si trvés de F3 e F4. 12

13 COMBINAÇÃO DE BOMBAS NUMA SPACESTATION Cpítulo 2 COMBINAÇÃO DE BOMBAS NUMA SPACESTATION As seguintes bombs e módulos podem ser combindos num SpceSttion: 4 bombs; Infusomt ou Perfusor Spce e SpceCom opcionl 3 bombs Spce e 1 SpceControl e SpceCom opcionl 2 bombs Spce e 2 SpceControl e SpceCom opcionl 4 bombs Spce e 1 SpceControl ligdo à últim bomb do sistem w Atenção: Est configurção pens é permitid pr um SpceSttion sem SpceCom integrdo. Não é permitido o funcionmento em versão tipo ponte rolnte. Perigo de qued! O funcionmento é pens dmitido qundo montgem é efetud num suporte de infusão estável. w Atenção: não é permitid montgem e conexão de um quinto equipmento n Estção de Trblho. 13

14 INSERÇÃO E REMOÇÃO DE BOMBAS INDIVIDUAIS Cpítulo 3 INSERÇÃO E REMOÇÃO DE BOMBAS INDIVIDUAIS w Atenção: verifique se o botão rottivo verde está n posição verticl ntes d introdução. Os trilhos gui d SpceSttion devem encixr-se ns rnhurs gui d bomb. A bomb é então empurrd, com um ligeir pressão, de encontro à SpceSttion. A bomb é utomticmente fixd o sistem. O fechmento deve ser reconhecido pel posição horizontl do botão rottivo lterl. Pr liberção, rode o botão no sentido horário, n posição verticl, e remov bomb. Após liberção, bomb é suportd n SpceSttion pelos trilhos gui, ms pode fcilmente cir em conseqüênci de fortes vibrções ou durnte o trnsporte. w Atenção: Cso SpceSttion sej utilizd pr trnsportr bombs de infusão, certifique-se que s bombs estão corretmente colocds no sistem. A combinção d bomb Spce e o SpceControl é instld n SpceSttion de form idêntic. Neste cso, bomb e o SpceControl são utomticmente e individulmente fixdos. Antes d remoção, libere primeiro bomb, em seguid o SpceControl e só depois remov mbos os sistems. Pr informção mis detlhd, consulte s Instruções de Uso do SpceControl. 14

15 SPACECOVER STANDARD / SPACECOVER COMFORT Cpítulo 4/5 SPACECOVER STANDARD O SpceCover Stndrd não contém quisquer componentes eletrônicos dicionis.l Ele protege s ligções superiores contr umidde e dnos e permite que um SpceSttion sej utilizd como unidde trnsportável. w Atenção: Certifique-se de que SpceCover se encontr sempre corretmente fixd. Consulte tmbém s Instruções de Montgem e Desmontgem d SpceSttion. SPACECOVER COMFORT A SpceCover Comfort oferece um mior funcionlidde de sistem e fcilidde de mnusemento. A tmp é equipd, n su prte frontl, com um grnde visor de fácil leitur de estdo e de lrme. Todos os estdos e condições de lrme ds bombs do sistem, bem como ds própris bombs, são visulizdos. Podem ser indicds s seguintes condições: Verde Amrelo Vermelho -> -> -> OK, pelo menos um bomb em funcionmento pré-lrme de um bomb do sistem lrme de um bomb do sistem Detlhes reltivos os pré-lrmes e lrmes individuis são fornecidos ns respectivs instruções de uso ds bombs. Adicionlmente, pode ser inserid um bteri recrregável (o mesmo que com s bombs) no SpceCover Comfort. Est bteri recrregável ssegur complet funcionlidde do sistem, em cso de trnsporte e mesmo té em cso de interrupção do fornecimento de energi. Além disso, é integrdo um lto-flnte no SpceCover Comfort pr dr síd os lrmes ds bombs. O volume pode ser justdo em nove níveis, trvés dos elementos funcionis. Elementos funcionis e visor de estdo do SpceCover Visor de estdo e de lrme 15

16 SPACECOVER COMFORT Cpítulo Elementos Funcionis e Visor de Estdo do SpceCover Ajuste de volume de 9 níveis d SpceCover Botão Ligr / Desligr d SpceCover Visor de estdo, de 3 cores, d SpceSttion e SpceCover Visor do estdo d bteri, LED verde LED de 3 cores, verde, mrelo e vermelho pr visulizção do estdo d bteri Visulizção do Estdo d Bteri Os elementos do visor indicm o estdo d bteri recrregável d SpceCover e do SpceCom. A bteri recrregável encontr-se disponível, como opção, pr o SpceCom. As seguintes condições são indicds. > 75% cpcidde > 50% cpcidde > 25% cpcidde 25% cpcidde < 30 min tempo funcionmento < 3 min tempo funcionmento Necessário mnutenção Mnutenção tiv (cpcidde > 75%) Mnutenção tiv (cpcidde > 50%) Mnutenção tiv (cpcidde> 25%) Mnutenção tiv (cpcidde < 25%) LED esq. LED meio LED dto. piscr piscr piscr piscr piscr piscr 16

17 SPACECOVER COMFORT Cpítulo 5 Bteri recrregável SpceCom (é pens visulizd qundo instld). > 75% cpcidde > 50% cpcidde > 25% cpcidde 25% cpcidde Bteri pln, ligd bteri SpceSttion Mnutenção requerid Mnutenção tiv (cpcidde > 75%) Mnutenção tiv (cpcidde > 50%) Mnutenção tiv (cpcidde > 25%) Mnutenção tiv (cpcidde < 25%) Erro, substitut bteri Bteri recrregável SpceSttion LED esq. LED meio LED dto. piscr piscr piscr piscr piscr Os lrmes e pré-lrmes de bteri podem ser reconhecidos com os botões de controle de volume + e -. Assim, previne-se o lrme cústico enqunto o lrme ótico permnece no visor. Os lrmes de bteri são utomticmente reconhecidos qundo o sistem é ligdo de novo à corrente Ligr / Desligr O interruptor Ligr / Desligr encontr-se opernte pens no modo Bteri. Qundo o sistem se encontr ligdo à corrente de rede, o sistem está sempre tivo. w Atenção: Qundo não é necessário o sistem estr ligdo à corrente Spce Cover deve ser desligd. Pr desligr o sistem, o interruptor deverá ser pressiondo durnte 3 segundos. O LED pisc durnte 5 segundos e depois se pg Controle de Volume O volume do lto-flnte, instldo n SpceCover, pode ser controldo trvés dos botões + e -. A definição é efetud em 9 níveis. Após cd novo nível, so um sinl de bip mis elevdo. No cso de ser lcnçd configurção máxim ou mínim, so um sinl de bip mis grve. A últim definição é slv qundo se deslig o sistem Sensor de brilho Cd SpceCover Comfort está equipd com um sensor de brilho que dpt o brilho do visor de lrme o mbiente. O brilho não pode ser justdo mnulmente. 17

18 SPACECOVER COMFORT Cpítulo Progrm de Mnutenção d Bteri Pr grntir um cpcidde máxim d bteri e, o mesmo tempo um vid útil long, foi integrdo no sistem um progrm de mnutenção de bteri. A mnutenção d bteri é presentd utomticmente, dependendo do funcionmento d unidde. O progrm de mnutenção d bteri pode pens ser inicido qundo o sistem se encontr ligdo à corrente. Qundo o progrm está em funcionmento unidde não deve ser utilizd como unidde móvel um vez que, neste cso, não será possível grntir que o progrm rode n su totlidde. A mnutenção d bteri pode inicir-se independentemente pr SpceCover e pr o SpceCom. Qundo é necessári crg, os LEDs verde/verde/mrelo d respectiv bteri iluminm-se. O progrm de crregmento é inicido o se pressionr o botão Ligr/Desligr e o botão - do SpceControl ou o + do SpceCover o mesmo tempo. Durnte o processo de mnutenção, todos os LED s verdes piscm e pgm-se à medid que cpcidde se reduz. Qundo o progrm de mnutenção está completo, s bteris estão recrregds. w Atenção: Qundo mnutenção d bteri está sendo concluíd, unidde não deve ser utilizd como unidde móvel um vez que, neste cso, não será possível grntir que o progrm rode n su totlidde Visor de Estdo Verde -> O sistem funcion ligdo à corrente Amrelo Vermelho piscndo Vermelho -> -> -> O sistem funcion com bteri Configurção errd. Verifique s definições do sistem Erro. Substitu Cover Auto-teste Durnte Inicilizção Durnte inicilizção do SpceCover é roddo um uto-teste. Os três LED s d prte frontl são testdos por ordem: vermelho, mrelo, verde e, pós esse processo, os indicdores de estdo d SpceSttion e SpceCom são igulmente testdos. Os LED s verde, mrelo e vermelho, de cordo com Visor de Estdo d Bteri. Cso um dos indicdores de lrme frontis estej defeituoso, o LED vermelho de lrme e o LED vermelho lterl de estdo se iluminm (consulte 5.1.6). 18

19 INTERFACES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Cpítulo 6 INTERFACES E COMUNICAÇÃO DE DADOS A SpceSttion não fornece um interfce pr conexão do sistem o Ptient Dt Mngement System, PDMS (Sistem de Informção Clínic). Como opção, pode ser usdo o SpceCom pr comunicção extern de ddos. O SpceCom pode ser dquirido como prte integrnte d SpceSttion, ou como upgrde pr ess mesm SpceSttion. O SpceCom será instldo lterlmente n SpceSttion e funcion como um Interfce de um Centrl de Comunicção de todos os equipmentos no sistem. Mis detlhes sobre o SpceCom serão fornecidos nos prágrfos seguintes. Informção detlhd e suplementr sobre o Protocolo de Comunicção BCC pode ser pedid seprdmente. O SpceCom fornece váris interfces tis como: Ethernet RJ45, RS232, USB Mster e Slve, e um PS/2 pr comunicção de ddos ou conexão de cessórios. Pr comunicção wireless (sem fios) de ddos, pode ser integrdo no SpceCom um dptdor Wireless LAN. Pr cessr os ddos de infusão dos equipmentos, é possível integrção de um web server, que pode ser usdo com o recurso de um simples nvegdor de internet. w Atenção: O SpceCom com Softwre D não é comptível com s Bombs Spce e com o SpceCom com Softwre C. Dest situção podem resultr erros n trnsferênci de prâmetros no protocolo BCC e nos prâmetros mostrdos no Spce Online. Por fvor, observe que, em conjunto com o SpceCom Softwre D, pens funcionm s Bombs Spce com o Softwre D. 6.1 Tipo de Utilizção O SpceCom é utilizdo pr conexão de dispositivos externos que permitem comunicção de ddos pr um Ptient Dt Mngement System (Sistem de Informção Clínic), PC ou Pen USB. As conclusões de trtmento e dignóstico não poderão ser elbords pens com bse n informção disponibilizd pelo SpceCom, nem n informção dispost no Ptient Dt Mngement System ou n plicção de web. Em prticulr, interpretção de lrmes não liber o operdor de observr os lrmes nos respectivos equipmentos. É recomendd conexão de dispositivos que estejm em conformidde com o IEC950, ou IEC1010, e o uso de cessórios específicos d B. Brun. 19

20 INTERFACES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Cpítulo As Ligções/Conexões SpceCom Wireless LAN (opcionl) Disply de Estdo do SpceCom Ethernet RJ 45 PS/2 pr conexão o Leitor de Código de Brrs RS232 USB Slve USB Mster O plug RJ45 (d Ethernet) é protegido por um mecnismo de fechmento contr situções de desconexão cidentl. Pr remover o plug, pressione suvemente presilh. Este procedimento desbloquei o mecnismo de fechmento e o plug pode ser retirdo. 6.3 Disply de Estdo No SpceCom, existem dois Displys de Estdo que nos dão indicção do funcionmento do SpceCom. O LED verde indic o funcionmento d unidde. O LED vermelho dá-nos indicção de erros. Pr indicções sobre o estdo, consulte o qudro seguinte: Sistem inicindo. Aind não está opercionl * SpceCom opercionl Erro durnte o funcionmento LED Verde LED Vermelho piscr 20 Após inicilizção do sistem, o LED vermelho deverá se pgr pós proximdmente 60 segundos. Se isso não contecer, existe um erro. Tente corrigir o erro reinicindo o sistem. Se o LED vermelho permnecer cesso, contte o DAT B.

21 INTERFACES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Cpítulo 6 Brun (Deprtmento de Assistênci Técnic B.Brun). 6.4 Introduzir e Remover Bteri no SpceCom A tmp do comprtimento d bteri pode ser bert com um pequen moed. Coloque bteri e fixe- com presilh verde. A presilh deverá ser pressiond pr cim. Pr remover bteri puxe pr bixo presilh. O funcionmento no modo bteri no SpceCom só é possível se for usd um bteri dicionl no SpceCover Comfort. 6.5 Configurção ds Interfces do SpceCom O SpceCom pode ser configurdo trvés de um cesso web. O endereço IP por pdrão, pr port Ethernet é Podem ser justdos os seguintes prâmetros e definições: Prâmetro Endereço IP Ethernet Endereço IP WLAN Conversão de Informção Protocolo de Comunicção RS232 Definições Estático DHCP Subnet msk Gtewy Estático DHCP Subnet msk Gtewy WEP WPA TKIP BCC Budrte Definições de Trblho Intivo Intivo Intivo Versão N1 6.6 SpceOnline, Aplicção de Rede do SpceCom É possível ter cesso dicionl os ddos de infusão vi Spce Online. O servidor de web, integrdo no SpceCom, fornece diverss págins de web. O cesso é protegido por um senh que possibilit cesso controldo de Pessol, de Serviço ou Gerl do 21

22 INTERFACES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Cpítulo 6 Hospitl. É recomendd lterção do login inicil, pós instlção. Por fvor, consulte o Cpítulo pr informção mis detlhd. w Atenção: os ddos e vlores dispostos nos sites de web e em prticulr, interpretção de lrmes não liber o operdor de observr os lrmes e os ddos nos respectivos equipmentos. As conclusões de trtmento e dignóstico não poderão ser elbords pens com bse n informção disponibilizd pelo SpceCom n plicção web. O SpceOnline disponibiliz diferentes microssites que possibilitm consult e configurção de diversos ddos Configurção de um Ligção de Rede Pr definir um ligção de rede no seu PC ou PDMS, contte o dministrdor ou o fornecedor do PDMS. Configure o endereço de rede do SpceCom trvés d plicção Web. Inicie no seu PC o nvegdor MS Internet Explorer, ou similr, e insir o endereço pré-definido ou o novo endereço IP no cmpo endereço IP. Dic: use sempre no cesso o SpceOnline. Como lterntiv o endereço IP, n pst hosts, pode ser slvo um nome no sistem. Consulte documentção do Hospitl pr mis detlhes. Importnte: o nvegdor deve ceitr cookies e permitir execução de Jv scripts. Importnte: o SpceCom suport o Microsoft Internet Explorer 6.0 ou versões superiores Login Os nomes de usuários e senhs seguintes são pré-definidos: user nme estdo serviço config. senh estdo serviço config. Ativo pr Págin de Estdo Págin de Serviço Págin de Configurção Pr prevenir o cesso indevido, é recomendd lterção d senh individul pós o primeiro início de funcionmento. Pr mis informções reltivmente à configurção, consulte o cpítulo Configurção Definições do Usuário. 22

23 INTERFACES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Cpítulo Estdo Seleção do idiom Disply do Sttus de Ligção O disply de estdo mostr os ddos de infusão dos equipmentos e o estdo do sistem. A representção dos equipmentos corresponde à configurção topológic dos equipmentos no sistem. O estdo tul será presentdo de cordo com legend. Ao selecionr um equipmento, será dispost informção detlhd no ldo direito d tel. Os ddos do pciente só surgirão se estiverem introduzidos diretmente no equipmento de infusão. Estes ddos pens serão pssíveis de introdução nos equipmentos com o softwre F. Os ddos d bomb seleciond serão mostrdos tendo em cont versão de softwre do equipmento. A indicção do estdo de ligção é visível no topo d págin. Ligção de Rede o SpceOnline Ligção de Rede o SpceOnline A ligção de rede entre um PC ou nvegdor e o SpceOnline é mostrd, e o estdo do SpceOline é monitordo usndo dois displys de estdo, vermelho/mrelo/verde. O disply mud o seu estdo dinmicmente. Se um dos dois displys permnecer vermelho por segundos, existe um erro e o disply de informção não está tulizdo. Pr mis detlhes, consulte o qudro bixo: 23

24 INTERFACES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Cpítulo 6 Ligção de Rede verde mrelo vermelho Spce Online verde mrelo vermelho 6.8 Serviço Estdo OK, tulizdo (updte) OK, os ddos não form tulizdos O SpceOnline flhou, os ddos não form tulizdos OK, tulizdo (updte) OK, os ddos não form tulizdos O SpceOnline flhou, os ddos não form tulizdos Origem do Erro Aplicção flhou Ligção de Rede flhou, verifique Rede e SpceCom Os ddos do SpceOnline ind não form tulizdos Erro interno no SpceCom, pr tentr solução: reinicie Est págin contém informções sobre os equipmentos individuis e sobre o sistem. 6.9 Configurção Dentro d Configurção, podem ser feits lterções o nível do operdor e de configurções. Importnte: Alterções e novs definições só se tornm tivs pós reinicilizção do SpceCom Definições do Operdor É possível modificr senh de logins individuis, configurr protocolos BCC e determinr ligções de rede. Tmbém é possível definir identificção do Serviço Alterr Pssword Este menu permite lterr senh do usuário que estej "listdo" no cpítulo Pressione Alterr Senh pr tivr novs definições. 24

25 INTERFACES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Cpítulo Alterr Nome de Usuário Os nomes de usuários pré-definidos podem ser lterdos neste menu. Contudo não é possível dicionr novos nomes ou eliminr nomes de usuários existentes Alterr Autorizção de Acesso As utorizções de cesso podem ser dds pr cd nome de usuário individul. Os direitos de cesso do usuário podem ser definidos e terão que ser confirmdos com senh corret. 25

26 INTERFACES E COMUNICAÇÃO DE DADOS Cpítulo Definições WLAN e Ethernet Pr informções dicionis sobre configurção do Protocolo BCC, consulte descrição de interfce em seprdo. Se o SpceCom for usdo em modo DHCP, é possível tribuir um nome no sistem pr cd um dos SpceCom existentes, de modo ser loclizdo n rede Definições do Protocolo BCC O SpceCom possibilit diferentes protocolos de comunicção pr trnsferênci de informção com o Ptient Dt Mngement System (Sistem de Informção Clínic). Pr informção detlhd sobre sistems comptíveis, consulte: Informção detlhd sobre o protocolo BCC poderá ser encontrd n função Ajud do SpceOnline. As definições de budrte (velocidde de trnsmissão), bem como de prity, stopbits e dtbits, cumprem os requisitos do PDM System (Sistem de Informção Clínic). 26

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

McAfee Email Gateway Blade Server

McAfee Email Gateway Blade Server Gui de início rápido Revisão B McAfee Emil Gtewy Blde Server versão 7.x Esse gui de início rápido serve como um roteiro ásico pr instlção do servidor lde do McAfee Emil Gtewy. Pr oter instruções detlhds

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

USO DOMÉSTICO JET CLEAN. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso.

USO DOMÉSTICO JET CLEAN. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso. Mnul de Instruções Lvdor de Alt Pressão Residencil JET CLEAN ATENÇÃO: Lei s instruções ntes do uso. USO DOMÉSTICO SAL -Serviço de Atendimento Lvor 0800 770-2715 COMPONENTES G A N O F { F.1 F.2 F.3 C M

Leia mais

Obrigado por escolher Besafe izi Kid i-size. Informação vital. Preparação para instalação SIP+

Obrigado por escolher Besafe izi Kid i-size. Informação vital. Preparação para instalação SIP+ 1 6 d c e Mnul de utilizção f h g i j k l m 7 8 10 2 3 9 c e d no sentido inverso o d mrch Altur 61-105 cm 4 5 11 12 Peso máximo 18 kg Idde 6m-4 UN regultion no. R129 i-size 8 9 Origdo por escolher Besfe

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso.

USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso. Mnul de Instruções Lvdor de Alt Pressão Residencil SK USO DOMÉSTICO ATENÇÃO: Lei s instruções ntes do uso. SAL -Serviço de Atendimento Lvor 0800 770-715 COMPONENTES F A M N D E { E.1 E. E.3 C K L B { L.

Leia mais

Manual de Operações Atualização do KIT I

Manual de Operações Atualização do KIT I Mnul de Operções Atulizção do KIT I ÍNDICE ANTES DE INICIAR... 2 NOVOS RECURSOS...2 EXIBIÇÃO DO TECIDO DURANTE O ALINHAMENTO DA POSIÇÃO DO BORDADO... 3 ALTERAÇÃO DO TAMANHO DO DESENHO, MANTENDO A DENSIDADE

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios Uso Rcionl de Energi Elétric em Residêncis e Condomínios Css Verifique s Condições ds Instlções : Dimensionmento; Execução; Mnutenção; Conservção. Css Verifique os Hábitos de consumo : Form pessol de utilizção

Leia mais

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO DO VESSELVIEW 7

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO DO VESSELVIEW 7 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO DO VESSELVIEW 7 NOTA: Depois de completr instlção, gurde ests instruções com o produto pr que o proprietário poss utilizáls no futuro. IMPORTANTE: Este documento orient nossos

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

Controlador de Temperatura Modular

Controlador de Temperatura Modular Controldor de Tempertur Modulr E5ZN Novo Controldor de tempertur de montgem em clh DIN Possui dois cnis de controlo de tempertur, pesr de ter um lrgur de pens,5 mm. O Controldor de tempertur pode ser substituído

Leia mais

2015 Mercury Marine VesselView 4 8M0102714 1214 por

2015 Mercury Marine VesselView 4 8M0102714 1214 por 2015 Mercury Mrine VesselView 4 8M0102714 1214 por ÍNDICE Seção 1 - Introdução Visão gerl do VesselView 4... 2 Botões... 2 Seleção do idiom exibido... 2 Pinel trseiro... 3 Loclizções e descrições do monitor

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Motores Diesel 1.7 Modelos com Tração de Popa (Sterndrive)

Motores Diesel 1.7 Modelos com Tração de Popa (Sterndrive) Motores Diesel 1.7 Modelos com Trção de Pop (Sterndrive) Registro de Identificção Os números de série são s chves do fbricnte pr vários detlhes de engenhri que se plicm o conjunto de potênci Cummins MerCruiser

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Condicionador de Ar Split Teto Manual do Usuário

Condicionador de Ar Split Teto Manual do Usuário MARCA MUNDIAL EM AR CONDICIONADO Condiciondor de Ar Split Teto Mnul do Usuário Novo conceito em Split Teto Síd - 4 ldos GST 24-22L GST 41-22L GST 41-38L GST 60-22L GST 60-38L Mnul do Usuário 2 GST 24 /

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

Máquina de Costurar Computadorizada. Manual de Operações

Máquina de Costurar Computadorizada. Manual de Operações CONHEÇA SUA MÁQUINA DE COSTURA COSTURA BÁSICA VÁRIOS PONTOS APÊNDICE Máquin de Costurr Computdorizd Mnul de Operções Visite-nos em http://solutions.rother.com onde você poderá oter suporte do produto e

Leia mais

Manual de Operações. Máquina de costura MODELO VQ2400

Manual de Operações. Máquina de costura MODELO VQ2400 Mnul de Operções Máquin de costur MODELO VQ2400 Certifique-se de ler este documento ntes de utilizr máquin. Recomendmos gurdr este documento em um lugr de fácil cesso pr futurs referêncis. INTRODUÇÃO

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Manual do Instalador. Minisplit - Hiwall 2.600 a 7.000 BTU/h 9.000 a 24.000 BTU/h MS-SVN21C-PB

Manual do Instalador. Minisplit - Hiwall 2.600 a 7.000 BTU/h 9.000 a 24.000 BTU/h MS-SVN21C-PB Mnul do Instldor Minisplit - Hiwll 2.600 7.000 BTU/h 9.000 24.000 BTU/h 220 V - 60Hz Unid Intern Unid Extern Somente Quente 2MCW0-G 2TTK0-G Quente e Frio 2MWW0-G 2TWK0-G Abril 205 MS-SVN2C-PB Avisos e

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Manual de funcionamento de EasyMP Multi PC Projection

Manual de funcionamento de EasyMP Multi PC Projection Mnul de funcionmento de EsyMP Multi PC Projection Índice Gerl 2 Sobre o EsyMP Multi PC Projection Estilos de reunião disponibilizdos pelo EsyMP Multi PC Projection... 5 Relizr reuniões utilizndo váris

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434 ABNT-Associção Brsileir de Norms Técnics Sede: Rio de Jneiro Av. Treze de Mio, 13-28º ndr CEP 20003-900 - Cix Postl 1680 Rio de Jneiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fx: (021) 220-1762/220-6436 Endereço

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ

SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ Secretri de Tecnologi d Informção Coordendori de Suporte Técnico os Usuários SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ MÓDULO DESPACHO ASSISTIDO (versão 1.0) Sumário 1. OBJETIVO DO MÓDULO... 3 1. 2. GERENCIAMENTO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

a impressora e verifique os componentes Folheto de Segurança e Questões Legais

a impressora e verifique os componentes Folheto de Segurança e Questões Legais Gui de Instlção Rápid Início HL-2135W / HL-2270DW (pens UE) Antes de utilizr est máquin pel primeir vez, lei este Gui de Instlção Rápid pr montr e instlr máquin. Pr visulizr o Gui de Instlção Rápid em

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Central GCP 10.000 CR

Central GCP 10.000 CR GBRITO DE INSTLÇÃO MNUL DE INSTLÇÃO Central GCP 10.000 CR VERSÃO 3.5 SECURI SERVICE INDÚSTRI ELETRÔNIC LTD. INDÚSTRI BRSILEIR www.securiservice.com.br TENÇÃO!!! INFORMÇÕES IMPORTNTES LEI TENTMENTE TODS

Leia mais

COMPONENTES PARA PROJETO DE SIMULAÇÃO DE PROGRAMAS SUPERVISÓRIOS (VISUAL BASIC) Manual de operação

COMPONENTES PARA PROJETO DE SIMULAÇÃO DE PROGRAMAS SUPERVISÓRIOS (VISUAL BASIC) Manual de operação COMPONENTES PARA PROJETO DE SIMULAÇÃO DE PROGRAMAS SUPERVISÓRIOS (VISUAL BASIC) Mnul de operção Mnul de operção pr utilizção de componentes ActiveX pr Visul Bsic e lingugens Visuis que ceitem este recurso.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1 CÓDIO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ Versão 1.1 Cópis e trduções deste documento estão disponíveis em formto eletrônico no site d UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento foi trduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões.

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões. AICAES Mior Vid Útil do Corte Design do corte perfeiçodo e trtdo termicmente pr mior vid útil do licte. Cbo Ergonômico Cbo ntidesliznte fbricdo em duplo mteril pr mior conforto. Mior Durbilidde Fbricdo

Leia mais

Desempenho de coletores solares planos

Desempenho de coletores solares planos Universidde do Vle do Rio dos Sinos UNISINOS Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Mecânic Energi Solr érmic Desempenho de coletores solres plnos 2 º. semestre, 2015 Os testes seguem norms específics. Brsil:

Leia mais

Colchões mais seguros

Colchões mais seguros Colchões mis seguros Eficáci comprovd n prevenção e terpi de úlcers por pressão Úlcers por pressão um grve risco à súde Apesr de todos os vnços d medicin, s úlcers por pressão (tmbém denominds escrs de

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

TK-810 OBRIGADO SEU RECIBO VENHA DE NOVO! HAMBÚRGUER CAFÉ BATATAS FRITAS SANDUÍCHE SORVETE CAIXA REGISTRADORA ELETRÔNICA

TK-810 OBRIGADO SEU RECIBO VENHA DE NOVO! HAMBÚRGUER CAFÉ BATATAS FRITAS SANDUÍCHE SORVETE CAIXA REGISTRADORA ELETRÔNICA CAIA ISTRADORA ELETRÔNICA TK-810 OBRIGADO SEU RECIBO VENHA DE NOVO! HAMBÚRGUER 10 CAFÉ BATATAS FRITAS SANDUÍCHE SORVETE C 7 8 9 4 5 6 1 2 3 0 00 TK-810 10 Eu Di U.K. MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OPERADOR V

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Instruções de Manutenção

Instruções de Manutenção Boletim 112-P Metrico Instruções de Mnutenção TORRES DE ARREFECIMENTO ABERTAS, TORRES DE ARREFECIMENTO EM CIRCUITO FECHADO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS PARA PEÇAS ORIGINAIS E ASSISTÊNCIA DA EVAPCO, CONTACTE

Leia mais

ESPECIALISTAS. Sistemas de segurança avançados para espaços confinados DOS MUNDIAIS NA PROTECÇÃO ANTIQUEDA E SALVAMENTO SISTEMAS DE ELEVAÇÃO

ESPECIALISTAS. Sistemas de segurança avançados para espaços confinados DOS MUNDIAIS NA PROTECÇÃO ANTIQUEDA E SALVAMENTO SISTEMAS DE ELEVAÇÃO Sistems de segurnç vnçdos pr espços confindos SISTEMAS DE ELEVAÇÃO AVANÇADOS SISTEMA ANTIQUEDA PORTÁTIL SISTEMA DE CONTRAPESO CÁPSULA DE TANQUE E SISTEMA DE ENTRADA LATERAL ELEVAÇÃO COM PÓLOS E ACESSÓRIOS

Leia mais

2015 Mercury Marine. 15/20 FourStroke. Motor de popa Instalação Operação Manutenção Garantia Manual

2015 Mercury Marine. 15/20 FourStroke. Motor de popa Instalação Operação Manutenção Garantia Manual 615 por 2015 Mercury Mrine 15/20 FourStroke 8M0110115 Motor de pop Instlção Operção Mnutenção Grnti Mnul por Declrção de Conformidde - Pr motores de propulsão de brcos recretivos com os requisitos d Diretriz

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

97050579 Rev.003 06/2015. A5 - A6 Plus

97050579 Rev.003 06/2015. A5 - A6 Plus 97050579 Rev.003 06/2015 2013 A5 - A6 Plus PT ÍNDICE 1. Advertêncis geris...4 1.2.1. Clssifi cção e normtivs de referênci...4 1.2.2. Condições mbientis...5 1.2.2.1. Condições de trnsporte e emblgem...5

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

SOFTWARE FUNCIONAL DA SÉRIE VNX DA EMC

SOFTWARE FUNCIONAL DA SÉRIE VNX DA EMC SOFTWARE FUNCIONAL DA SÉRIE VNX DA EMC Aumente o desempenho dos plictivos, protej informções essenciis e reduz os custos de rmzenmento com o softwre brngente d EMC DESTAQUES O pcote de softwre VNX Softwre

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção ITS-2000 INDICADOR, TOTALIZADOR E TRANSMISSOR DE VAZÃO PARA CANAL ABERTO Cod: 073AA-032-122M Rev. F Dezembro / 2009 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060

Leia mais

Manual do proprietário (A.2.5) EN ISO 10240:2004. Características de manobra (A.4) EN ISO 8665:1995

Manual do proprietário (A.2.5) EN ISO 10240:2004. Características de manobra (A.4) EN ISO 8665:1995 Bem-vindo bordo! Prestr os cuiddos e mnutenção dequdos é muito importnte pr mnter o seu equipmento Mercury funcionndo o nível mis elevdo de eficiênci e economi. O Crtão de Registro do Proprietário nexo

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

a máquina e verificando os componentes Conjunto da unidade do cilindro (incluindo o cartucho de toner padrão)

a máquina e verificando os componentes Conjunto da unidade do cilindro (incluindo o cartucho de toner padrão) Gui de Configurção Rápid Início DCP-8080DN DCP-8085DN Antes de usr máquin, lei este Gui de Configurção Rápid pr ser como fzer su configurção e instlção corretmente. Pr visulizr o Gui de Configurção Rápid

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Product Code (Código do Produto) 885-V55

Product Code (Código do Produto) 885-V55 Máquin de Bordr Computdorizd Mnul de Operções Product Code (Código do Produto) 885-V55 PROCEDIMENTOS INICIAIS BORDADOS APÊNDICE Acesse noss págin d internet " http://solutions.rother.com " onde você poderá

Leia mais

a impressora e verifique os componentes Manual de Segurança e Questões Legais

a impressora e verifique os componentes Manual de Segurança e Questões Legais Gui de Configurção Rápid Início HL-2270DW Antes de usr impressor pel primeir vez, lei o Gui de Configurção Rápid pr instlá-l e configurá-l. Se quiser oter o Gui de Configurção Rápid em outros idioms, cesse

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

a máquina e verificando os componentes Conjunto da unidade do cilindro (incluindo o cartucho de toner padrão)

a máquina e verificando os componentes Conjunto da unidade do cilindro (incluindo o cartucho de toner padrão) Gui de Configurção Rápid Início MFC-8890DW Antes de usr máquin, lei este Gui de Configurção Rápid pr ser como fzer su configurção e instlção corretmente. Pr visulizr o Gui de Configurção Rápid em outros

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Manual de Operações. Máquina de Bordar MODELO BP2100

Manual de Operações. Máquina de Bordar MODELO BP2100 Mnul de Operções Máquin de Bordr MODELO BP2100 Certifique-se de ler este documento ntes de utilizr máquin. Recomendmos gurdr este documento em um lugr de fácil cesso pr futurs referêncis. MARCAS COMERCIAIS

Leia mais

Stûv 16-in [pt] instalace installation installatie installazione instalación instalace installation

Stûv 16-in [pt] instalace installation installatie installazione instalación instalace installation zione instlción instlção instlce instlltion instlltie instllzione instlción instlção instlce instlltion instlltie instllzione instlción instlção instlce instlltion instlltie instllzione instlción instlção

Leia mais

Válvulas Proporcionais Direcionais Pilotadas, com Feedback Elétrico de Posição e Eletrônica Integrada (OBE)

Válvulas Proporcionais Direcionais Pilotadas, com Feedback Elétrico de Posição e Eletrônica Integrada (OBE) Válvuls roporcionis Direcionis ilotds, com Feedck Elétrico de osição e Eletrônic Integrd (OE) R 29075/08.04 Sustitui: 05.02 /22 ipo 4WRKE mnho Nominl 0 té 35 Serie 3 ressão máxim de operção 350 r Vzão

Leia mais

Edição. MOVIDRIVE compact MCF/MCV/MCS4_A 08/2002. Instruções de Operação 1055 6249 / PT

Edição. MOVIDRIVE compact MCF/MCV/MCS4_A 08/2002. Instruções de Operação 1055 6249 / PT MOVIDRIVE compct MCF/MCV/MCS4_A Edição 8/22 Instruções de Operção 55 6249 / PT SEW-EURODRIVE Nots Importntes... 4 2 Informção de Segurnç... 6 3 Estrutur d Unidde... 7 3. Designção d unidde, chp sinlétic

Leia mais

ACESSÓRIOS PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA

ACESSÓRIOS PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA ACESSÓRIOS Telecomndo Suporte do telecomndo Pilhs (dus) ENGLISH PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA Este prelho não se destin ser utilizdo por pessos (incluindo crinçs) com diminuições, físics, mentis ou sensoriis

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Guia de operação para 3079

Guia de operação para 3079 MA1204-PA Gui de operção pr 3079 Sobre este mnul As operções dos botões são indicds usndo s letrs mostrds n ilustrção. Cd seção deste mnul oferece s informções que você precis sber pr relizr s operções

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

0RQLWRUDPHQWR,QWHJUDGRGD3UHVVmR GR3QHXSDUD9HtFXORV&RPHUFLDLV

0RQLWRUDPHQWR,QWHJUDGRGD3UHVVmR GR3QHXSDUD9HtFXORV&RPHUFLDLV Desenvolvido em prceri cooperção com com 0RQLWRUDPHQWR,QWHJUDGRGD3UHVVmR GR3QHXSDUD9HtFXORV&RPHUFLDLV 0RQLWRUDPHQWR,QWHJUDGRGD3UHVVmRGR3QHXSDUD9HtFXORV&RPHUFLDLV IVTM Aument Segurnç e Mobilidde (VWDWtVWLFDVHPGHVWDTXH

Leia mais

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico Onduld Brsilit Ctálogo Técnico TECNOLOGIA CRFS: CIMENTO REFORÇADO COM FIO SINTÉTICO. A ALTERNATIVA SEGURA DA BRASILIT PARA A SUBSTITUIÇÃO DEFINITIVA DO AMIANTO. Seguindo um tendênci mundil, e em respeito

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrónica

Licenciatura em Engenharia Electrónica Licencitur em Engenhri Electrónic Circuitos Electrónicos Básicos Lbortório Montgens mplificdors de fonte comum, port comum e dreno comum IST2012 Objectivos Com este trblho pretendese que os lunos observem

Leia mais

Cód. 04 Analista de Suporte Técnico

Cód. 04 Analista de Suporte Técnico PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2008 Cód. 04 Anlist de Suporte Técnico 1. Considerndo configurção prcil de um plc de rede conforme presentd n figur bixo, o Gtewypdrão

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

about us zone soft mercado nacional clientes vs softwares

about us zone soft mercado nacional clientes vs softwares bout us zone soft mercdo ncionl clientes vs softwres S Cfé S Rest S POS 1 bout us fturção fturção zone soft 2 bout us the crew Suporte Técnico 3 colbordores Apoio Agentes Testes Softwre Desenvolvimento

Leia mais

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência 1 Representção de Trnsformdores Defsdores no Problem de Fluxo de Potênci J. A. Pssos Filho, Member, IEEE, R. M. Henriques, Member, IEEE e F. R. M. Alves, Member, IEEE Abstrct--O principl objeo deste é

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

LFS Catálogo 2014. Sistemas de condução de cabos THINK CONNECTED.

LFS Catálogo 2014. Sistemas de condução de cabos THINK CONNECTED. LFS Ctálogo 2014 Sistems de condução de cbos THINK CONNECTED. Bem-vindo o poio o cliente Telefone de ssistênci: +351 219 253 220 Fx pr questões: +351 219 151 429 Fx pr encomends: +351 219 151 429 E-mil:

Leia mais

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996 Hydrulics Uniddes Hidráulics CATÁLOGO 2600-500/NR AGOSTO 1996 Grnti Certificção Termo de grnti A Prker Hnnifin Ind. e Com. Ltd, Divisão Hidráulic, dorvnte denomind simplesmente Prker, grnte os seus produtos

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais