A PRÁTICA DE LEITURA DE LITERATURA INFANTIL NA PRÉ-ESCOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRÁTICA DE LEITURA DE LITERATURA INFANTIL NA PRÉ-ESCOLA"

Transcrição

1 A PRÁTICA DE LEITURA DE LITERATURA INFANTIL NA PRÉ-ESCOLA Resumo Ana Paola M. De Lima 1 Jacianne Rodrigues 2 Zélia Porto 3 A leitura de histórias infantis na pré-escola é um momento importante para se despertar o gosto, como também é uma fonte de reflexão e prazer para as crianças. Cabe então, enfatizar a necessidade de colocá-las em contato com a leitura de maneira prazerosa a partir da educação infantil. Assim, o presente estudo objetivou investigar a prática de leitura de literatura infantil de duas professoras da pré-escola. O instrumento utilizado para coleta de dados foi uma entrevista semi-estruturada e a observação das aulas de leitura, em uma escola da rede particular de ensino de Jaboatão dos Guararapes. Através dessas observações percebemos a importância do papel da professora para o desenvolvimento de uma prática de leitura adequada, afim de promover o gosto das crianças pela leitura. Palavras chave: Literatura infantil, prática de leitura, educação infantil Este trabalho tem como objetivo apresentar resultados de pesquisa sobre a importância do desenvolvimento de práticas de leitura de literatura infantil desenvolvidas por professoras em classes de pré-escolar. Essa temática tem se intensificado e vem despertando o interesse de pesquisadores que enfatizam a importância do contato de crianças pequenas com a literatura infantil, no sentido de que as mesmas desenvolvam o gosto pela leitura. Alguns destes pesquisadores (RÊGO, 1988; ABRAMOVICH, 1993; COELHO, 2000; TEBEROSKY, COLOMER, 2005) salientam a necessidade desse 1 Concluinte do Curso de Pedagogia - Centro de Educação UFPE. 2 Concluinte do Curso de Pedagogia Centro de Educação UFPE. 3 Professora do Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino UFPE.

2 contato, das crianças com a leitura de textos literários, mesmo antes de se apropriarem da leitura e da escrita. Estes estudos têm revelado que a leitura de histórias na pré-escola, além de ser uma atividade prazerosa, também se torna um momento importante de aprendizagem, pois as crianças aos poucos irão identificando e construindo conhecimentos e hábitos sem que lhe sejam impostos severamente. Desta forma, torna-se necessário difundir as leituras de livros de literatura infantil de modo que estas leituras sejam fonte de reflexão e prazer e não apenas pretexto para exercícios de alfabetização ou ensinamentos morais, práticas de leitura identificadas na literatura como uma escolarização inadequada da literatura e da leitura. Sobre esta escolarização da leitura de literatura infantil Magda Soares (2003), adverte a inevitável escolarização da Literatura Infantil. Segundo a autora, não se pode evitar que esta se escolarize. O que se pode criticar é uma escolarização inadequada da literatura como resultado de uma didatização mal compreendida que ao transformar o literário em escolar, tira o caráter lúdico do livro para ensinar conteúdos curriculares, causando a repugnância das crianças à leitura e ao livro. Porém, de acordo com Soares (2003) é preciso escolarizá-la adequadamente, obedecendo a critérios que preservem o literário e que conduzam eficazmente às práticas de leitura literária que ocorrem no contexto social e às atitudes e valores próprios do ideal de leitor que se quer formar. Neste sentido é importante destacar a função que a professora desempenha no processo de desenvolvimento do gosto pela leitura das crianças para a formação de verdadeiros leitores. A este respeito Rego (1995) destaca o papel da professora como fundamental na medida em que esta age como incentivadora do interesse e do gosto da criança pela leitura. A autora afirma que o interesse despertado na criança se dá, na medida em que a professora não se comporta apenas como leitora [...] mas também como espectadora das leituras reproduzidas pelas crianças (REGO, 1995, p.56) 2

3 Sendo a leitura de literatura infantil um importante instrumento de conscientização e de transformação do sujeito, por apresentar ao seu leitor uma visão aberta de mundo, com novas possibilidades de interpretação da realidade, cabe ao professor realizar atividades adequadas de leitura que despertem o gosto e o interesse das crianças pela literatura. Pois ao ler uma história a criança desenvolve um raciocínio crítico, que a leva a pensar, questionar, duvidar e através da identificação com as personagens, encontra respostas para seus próprios problemas e indagações (COELHO, 2001; ABRAMOVICH, 1993; FRANTZ, 2005). Ao considerar a leitura de literatura infantil como uma oportunidade de ampliar, transformar ou enriquecer a experiência de vida das crianças e o papel da professora no desenvolvimento do gosto das crianças pela leitura. Surge o interesse de investigarmos a prática pedagógica de leitura de Literatura Infantil desenvolvida por duas professoras da Educação Infantil. Esperamos este trabalho, poder contribuir para a reflexão sobre algumas questões relacionadas às práticas pedagógicas de leitura de literatura na préescola. Pretendemos assim, com os resultados obtidos, subsidiar as educadoras da educação Infantil nas suas práticas, no sentido de que as mesmas utilizem à literatura infantil de forma adequada proporcionando aos seus alunos a oportunidade de ampliar seus conhecimentos de mundo. 1. Concepções de Leitura O conceito de Leitura mais utilizado nas práticas dominantes tem sido a decodificação dos signos gráficos. Tais práticas ocorrem de forma descontextualizada, tornando o ato de ler algo enfadonho e mecânico, dificultando na aprendizagem e na estimulação do gosto das crianças pela leitura (MARTINS, 1985; ORLANDI, 1996; COELHO, 2000;FRANTZ, 2005) 3

4 Segundo Orlandi (1996) esta é uma concepção de leitura mais restrita que pode significar ou está vinculada à alfabetização e pode adquirir o caráter de estrita aprendizagem formal. Neste sentido muitos professores têm feito a separação entre ler e compreender, limitando o verdadeiro significado da leitura, uma vez que [...] nesse processo não se pode desvincular a capacidade do leitor de decifrar sinais da sua capacidade de atribui-lhe sentido (FRANTZ, 2005, p.18). Numa concepção mais abrangente ler significa aprender a ler o mundo, dar sentido a ele e a nós próprios. Martins (1985) afirma que ler é [...] um processo de compreensão abrangente cuja dinâmica envolve componentes sensoriais, emocionais, intelectuais, fisiológicos, neurológicos, culturais, econômicos e políticos (MARTINS, 1985, p.31-34). Nesta perspectiva, a leitura se torna algo indispensável para a formação do sujeito, pois desenvolve nele a conscientização individual e social, ampliando a sua capacidade de pensar, sentir e interagir. Segundo Resende a leitura deve ser a mediadora entre o leitor e o mundo para que a partir dela ele possa redimensionar valores e vislumbrar novos horizontes para si e para sociedade (RESENDE, 1985, p.52). Através da leitura as crianças podem ter um conhecimento de mundo mais significativo. Frantz (2000) afirma que A criança busca na leitura, antes de mais nada, o prazer, mas busca também respostas para as inúmeras indagações sobre a vida e os seres humanos, a vivência de emoções novas e gratificantes e sugestões alternativas para as suas inquietações diante da vida que se descortina à sua frente (FRANTZ, 2000, p.43). Sendo assim, a prática da leitura de literatura infantil deve fazer parte da formação dos alunos desde a pré-escola, contribuindo na construção da sensibilidade e da subjetividade das crianças. 4

5 2. Práticas de Literatura Infantil na pré-escola Nos dias atuais a literatura infantil está tendo um grande espaço no âmbito escolar, porém as práticas de leitura de literatura infantil, principalmente na préescola, não tem sido realizadas de forma prazerosa e significativa para as crianças (COELHO, 2000; MONTEIRO, 2003: SOARES, 2003). A escola tem falhado por não conseguir mostrar as crianças à beleza, a magia e o prazer que uma boa leitura proporciona ao seu leitor. Frantz (2005) afirma que o aluno não consegue perceber a leitura como algo significativo, por isso não se interessa por ela. A este respeito Kaercher (2001) destaca que Somente iremos formar crianças que gostem de ler e tenham uma relação prazerosa com a literatura, se proporcionar desde cedo, um contato freqüente e agradável com o objeto livro e com o ato de ouvir e contar histórias (KAERCHER, 2001, p.82). Na pesquisa de Melo (1996) é demonstrado que a criança sendo trabalhada oportunamente, a partir de bases literárias, dará vazão ao desenvolvimento lingüístico, à expressão criadora. Esta mesma autora afirma que os alunos sensibilizados para o reconhecimento do valor da literatura infantil deverão despertar em si o interesse criativo. Vemos então, que introduzir a leitura de literatura infantil na pré-escola não é uma tarefa difícil, pois as crianças compartilham da mesma natureza da literatura infantil, ambas são lúdicas, mágicas e questionadoras, e que essas afinidades fazem da literatura um grande aliado do professor e da criança, pela busca da compreensão do mundo e do ser humano (FRANTZ, 2005). Outro aspecto relevante nas práticas de leitura se refere ao ato de ler uma história para as crianças, pois não se pode fazê-lo de qualquer jeito. Antes de ler para elas, o livro precisa ser lido pelo professor. Abramovich (1996) diz que o narrador tem que transmitir confiança, motivar a atenção e despertar a admiração dos seus ouvintes. 5

6 O professor deve tentar fazer as crianças entrarem no mundo do texto, participando da leitura, a partir de atividades que os alunos tenham que perguntar, prever, recapitular para os colegas, opinar, resumir, comparar suas opiniões com relação ao que leram, tudo isso fomenta uma leitura inteligente e critica, na qual o leitor vê a si mesmo como protagonista do processo de construção de significados (SOLÉ, 1998). É importante preparar a leitura com apresentações sobre o conteúdo, o titulo e o autor, envolver as crianças em perguntas e discussões, estimular a reconstrução oral, além de preparar um lugar alegre e confortável. Frantz (2005) afirma que Criar condições de leitura significa criar uma atmosfera agradável, um ambiente que convide à leitura na própria sala de aula ou mesmo fora dela. É também destinar tempo para ela na sala de aula, demonstrando assim que essa é uma atividade importante, fundamental e que merece também ocupar um espaço nobre (FRANTZ, 2005, p. 48). No desenvolvimento do interesse das crianças pela leitura de literatura infantil é importante incluir a leitura como rotina escolar, de modo que as crianças saibam onde se sentar, o que fazer, como se comportar e em que momento vai acontecer à leitura. Sendo assim cabe ao professor iniciar desde cedo um trabalho interessante desafiador e prazeroso com a literatura infantil de modo que as crianças despertem o gosto pela leitura. 3. Escolarização da literatura infantil 4 Nas práticas pedagógicas de leitura de literatura infantil é comum à utilização dos textos como pretexto para a aprendizagem de valores morais ou 4 Título inspirado em SOARES (1999). 6

7 conteúdos curriculares sem se ter noção dos problemas que este tipo inadequado de prática pode causar (ORLANDI, 1996; SOARES, 2004; BRANDÃO, 2005). Isto se deve ao fato da escola desconhecer especificamente a função e a importância da literatura na formação do aluno, bem como a falta de intimidade do professor com os livros na sua prática social de leitura. De acordo com Coelho (2000) apesar dos textos literários terem conseguido entrar no espaço escolar, não significa, exatamente, que a escola saberia que lugar eles deveriam ocupar. Assim a leitura de leitura literária, fica relegada à leitura para aprender, promovendo a inadequada escolarização da literatura infantil. Para que as crianças aprendam a apreciar o momento da leitura, o professor precisa ser exemplo para seus alunos, demonstrando seu contato e gosto pela leitura, lendo com interesse, mas primeiramente, ele deve ser um leitor. Através do incentivo e de seu exemplo, conduzirá o aluno com maior segurança ao hábito da leitura, criando um ambiente agradável e realizando atividades significativas para proporcionar o hábito e o gosto das crianças pela leitura. Nesse sentido alguns autores (REGO, 1988; ABRAMOVICH, 1993; FRANTZ, 2005) têm destacado a importância do professor como modelo de leitor para as crianças pois [...] o professor que lê historias, que tem boa e prazerosa relação com a leitura e gosta verdadeiramente de ler tem um papel fundamental: o de modelo para as crianças (RECNEI, 1998, P.144). Sendo assim, cabe ao professor ter o cuidado de fazer das experiências de leitura algo realmente prazeroso e gratificante para as crianças. E se quiser prolongar este prazer é preciso propor atividades lúdico-artísticas afinadas com o texto literário e não destruir o prazer da leitura com atividades chatas, repetitivas e que não tem a ver com a leitura feita. Contudo não se faz necessário desenvolver sempre atividades após a leitura da literatura infantil, é muito importante realizar leituras sem compromisso algum leituras livres. Cagliari (1989) afirma que [...] às vezes uma simples leitura basta. Nem tudo o que se lê precisa ser discutido, comentado, interpretado (CAGLIARI, 1989, p.181). 7

8 Entretanto Monteiro (2004) comenta a importância de promover atividades de leitura que permitam aos alunos conquistar o uso desejável e eficaz da leitura, onde a razão de ser das propostas de leitura e escrita seria a compreensão ativa e não a decodificação e o silêncio que tanto empobrece a noção e o uso da leitura. 4. O livro de literatura infantil na pré-escola Ao se pensar sobre os livros que se oferecem as crianças, lembramos que não existe obra inocente, todas são carregadas de uma determinada visão de mundo. Assim devemos escolher bons livros e oferecer uma diversidade de livros para que as crianças tenham a possibilidade de discordar ou não de certos textos. Pesquisa realizada em escolas públicas do Recife (MELO, 1996) tem demonstrado que o uso de livros infantis desde a pré-escola contribui para o desenvolvimento do interesse lúdico, que variará em função da qualidade, da freqüência e do valor atribuído pelos adultos que vivem com as crianças. Rêgo (1995) afirma que a qualidade dos livros é extremamente importante e não pode estar alheia aos interesses dela. Sendo assim o professor deve promover aos seus alunos o contato com livros que possibilitem enriquecer sua visão de mundo, permitindo que as crianças levantem questionamentos, duvidem e mudem de opinião. De acordo com Coelho (2000) ao livro é atribuída a maior responsabilidade na formação da consciência de mundo das crianças. Considerando a seleção do livro um fator decisivo no sucesso da leitura e no desenvolvimento do gosto pela leitura, é dever dos professores se preocuparem com a escolha dos livros, para que sejam adequados aos interesses e às necessidades de seus alunos. O professor tem papel importante na seleção dos livros a serem lidos para as crianças. Se o texto agrada e atende as suas exigências como leitora mais experiente, se diz algo significativo à sua sensibilidade. Além de disponibilizar livros diversos para que as próprias crianças escolham é algo indispensável para formar leitores. 8

9 Segundo Teberosky e Colomer (2003) a proximidade física dos livros influi no interesse e no entusiasmo das crianças. Por tanto é muito importante que os alunos tenham contato com os livros e tenham a oportunidade de escolhê-los, afinal eles sabem o que os agrada e o que lhes interessa naquele momento. A este respeito Yunes e Pondé afirmam que: [...] A escolha é um ato de liberdade tanto pode abarcar situações próximas do leitor, que lhe permitam a projeção pessoal, como envolver a fantasia, a aventura, que lhe propiciam reelaborar o real (YUNES, PONDÉ, 1989, p.55). Sendo assim o professor que tem o objetivo de desenvolver no aluno o interesse pela leitura deve se preocupar em construir uma metodologia de leitura que propicie o prazer e o gosto, sendo fundamental que ele também construa um acervo de obras interessantes e, dentro de uma atmosfera não autoritária, dar chance para que os alunos leiam aqueles livros com que melhor se identificam (SILVA, 2005, p.32). Por tanto quanto mais acentuarmos no dia-a-dia da escola infantil momentos de ouvir e contar historias, mas estaremos contribuindo para formar crianças que gostem de ler e vejam no livro, na leitura e na literatura uma fonte de prazer e divertimento. Objetivo Geral O presente trabalho tem como objetivo geral investigar a prática pedagógica de leitura de Literatura Infantil desenvolvida por duas professoras da Educação Infantil e como essas práticas se aproximam ou se distanciam das concepções que elas produzem em situações de entrevistas sobre a importância da leitura de literatura infantil na pré-escola. Objetivos específicos Identificar a concepção de leitura das professoras 9

10 Identificar os critérios de seleção dos livros lidos pelas professoras Observar como os livros de Literatura Infantil são lidos pela professora Analisar as atividades de leitura desenvolvidas pelas professoras Metodologia Os participantes dessa pesquisa foram 2 professoras (pedagogas) de uma escola particular do município de Jaboatão dos Guararapes. As professoras responderam a 9 questões referentes à concepção da mesma sobre leitura e sua prática pedagógica de leitura de literatura infantil. As informações foram coletadas através de dois instrumentos: a observação e registro, em sala de aula que possibilita um contato pessoal e estreito do pesquisador com o fenômeno pesquisado; e a entrevista semiestruturada por ser um instrumento onde o pesquisador e o entrevistado estão presentes no momento de sua realização, permitindo uma maior flexibilidade para obtenção de informações uma vez que o pesquisador pode investir mais ou menos em uma determinada questão (ANDRÉ, 1995). O estudo ocorreu dentro de um olhar qualitativo admitindo a experiência subjetiva do investigador e dos participantes, para construção de uma leitura de acontecimentos que se passaram num determinado momento, dentro do contexto escolar. A partir destes instrumentos, buscamos coletar os dados necessários para investigarmos a prática de leitura de professoras da Educação Infantil a fim de verificarmos se essas práticas se aproximam ou se distanciam das concepções que elas produzem em situações de entrevistas sobre a importância da leitura de literatura infantil na pré-escola. 10

11 Análise dos resultados Sabemos que ouvir histórias é o inicio da aprendizagem para ser um bom leitor, por possibilitar o desenvolvimento do gosto das crianças pela leitura. Diante disto, o professor é visto como mediador deste processo, além de ter o papel fundamental de ser o modelo para seus alunos, através de suas próprias experiências de leitura. Dois fatores "curiosidade e exemplo" são destacados por Machado (2001) como aqueles que levam uma criança a gostar de ler: Não importa a maneira de ler ou contar uma história, desde que isso seja com prazer. Sendo assim, faz-se necessário uma prática de leitura prazerosa que permita o envolvimento integral das crianças com o livro literário. Neste sentido buscamos neste estudo investigar a prática de leitura de literatura infantil de duas professoras da rede particular de Jaboatão dos Guararapes afim de verificar se essas práticas se aproximam ou se distanciam das concepções que elas produzem em situações de entrevistas sobre a importância da leitura de literatura infantil na pré-escola. A partir das observações realizadas em duas classes de pré-escolar verificamos que em alguns momentos houve um distanciamento das concepções das professoras em momento de entrevista de suas práticas em relação à leitura de literatura infantil na pré-escola. Observando os resultados encontramos três categorias referentes à concepção de leitura que predominaram na prática das duas professoras: ler para despertar o gosto; ler para aprender; ler como pretexto. Enquanto que em momento de entrevista identificamos apenas uma categoria referente à concepção de leitura, conforme demonstrado no Quadro 1.1: ler para aprender. 11

12 1.1. Quadro demonstrativo das concepções de leitura (entrevista) Como podemos identificar as duas professoras compartilham da mesma concepção ao afirmarem que: Leitura é conhecer novas palavras significados, reconhecer letras, associar objetos/figuras, reconhecer palavras. As letras. (Professora A) É importante eles lerem, pois já fica uma pré-alfabetização, é um ramo que eles podem crescer.(professora B) Assim percebemos que a concepção que perpassa a fala das duas professoras em momento de entrevista é de que a leitura é um processo de decodificação de signos gráficos e ampliação de vocabulário. De acordo com Orlandi (1996) esta é uma concepção restrita da leitura pois pode significar ou está vinculada à alfabetização e pode adquirir o caráter de estrita aprendizagem formal. Por outro lado, através da observação de sala de aula, podemos verificar no quadro a seguir apresentado, que as professoras seguem concepções distintas de suas falas. Concepções Professora a Professora b Ler para despertar o gosto Ler para aprender (conteúdos escolares) X X Ler por pretexto (ensinar valores éticos) 12

13 1.2Quadro demonstrativo das concepções de leitura (a partir da observação de sala de aula) Categorias Professora a Professora b Ler para despertar o gosto X X Ler para aprender (conteúdos escolares) X Ler por pretexto (ensinar valores éticos) X A professora A apresentou uma concepção de leitura mais diversificada, indicando uma prática de leitura com o objetivo de despertar o gosto das crianças pela leitura, no entanto, ela também fazia a leitura de livros relacionados ao projeto de animais domésticos. Além de utilizar a leitura para apresentar signos gráficos destacando algumas letras do alfabeto. Frantz afirma que [...] nesse processo não se pode desvincular a capacidade do leitor de decifrar sinais da sua capacidade de atribui-lhe sentido (FRANTZ, 2005, p.18). Sendo assim podemos dizer que a prática desta professora se aproxima da concepção de leitura mais abrangente, pois mesmo ensinando conteúdos curriculares, a maneira como ela faz a leitura e utiliza o texto, nos faz supor que isto possa vir a proporcionar aos seus alunos a construção de significado e o gosto pela leitura. Nas aulas da professora B observamos que a leitura foi utilizada, na maioria das vezes, com pretexto de ensinar valores éticos como vimos anteriormente este tipo de prática é identificada na literatura como uma escolarização da literatura uma vez que se tira o caráter mágico da literatura para focalizar ensinamentos moralizantes com o fim de moldar comportamentos. No entanto, acreditamos que ao proporcionar o contato das crianças com a literatura infantil esta professora contribui de certa forma, para despertar o gosto 13

14 pela leitura, isto porque mesmo utilizando a literatura de forma inadequada, as crianças por compartilharem da mesma natureza da literatura infantil (FRANTZ, 2005), conseguem atribuir sentido a leitura do texto e sentir prazer ao ouvir as histórias. Com isso verificamos que a professora B apresentou uma prática diferente do seu discurso, pois na entrevista sua concepção de leitura está relacionada à decodificação de signos, ou seja, ler para aprender conteúdos curriculares. Enquanto que na sua prática a leitura foi utilizada como pretexto para ensinamentos de valores. O que não foi observado na sala de aula da professora A, o que lhe confere uma prática coerente com a sua fala na entrevista. Ao serem questionadas sobre a importância da literatura infantil as professoras afirmaram que: A literatura infantil desperta vários sentimentos neles. Além do lúdico, trabalha a cidadania que é o tema gerador deste ano. Despertar o gosto pela leitura. Ampliar o vocabulário. (professora A) É importante para despertar o gosto, essa rotina promove um bom aprendizado, aumenta o vocabulário e eles crescem. (professora B) Estas afirmações demonstram que as professoras entrevistadas reconhecem a importância da literatura na pré-escola como fundamental para despertar o gosto pela leitura e também pode ser utilizada no desenvolvimento e na aprendizagem das crianças. Durante a observação percebemos um interesse por parte das professoras em realizar a leitura de literatura na sala de aula, com o objetivo de despertar o gosto dos alunos, pois vimos que havia uma rotina de ler todos os dias e que tinha um lugar (cantinho da leitura) destinado para este momento da aula, assim os alunos já sabiam onde sentar e como se comportar na hora da leitura. Segundo Abramovich (1989), esta rotina ajuda bastante no desenvolvimento do interesse das crianças pela leitura de literatura infantil. Afinal a literatura é 14

15 indispensável para a formação de qualquer criança pois escutá-la é o inicio da aprendizagem para ser um bom leitor, e ser leitor é ter um caminho de descoberta e de compreensão do mundo. No entanto, percebemos uma falta de preparação das professoras no momento da leitura. Apesar da leitura de literatura infantil fazer parte da rotina das duas turmas, as mesmas não aproveitavam adequadamente este momento, pois não havia uma conversa inicial para motivar o aluno em relação ao texto que seria lido, antecipando idéias e outros elementos do texto para facilitar o entendimento das crianças sobre a história que seria contada. Acreditamos que isso se deve ao fato delas não terem um planejamento para o momento da leitura, mesmo a professora A que realizava as leituras com um objetivo especifico, não lia antes o livro para poder extrair o sentido do texto, para assim realizar uma leitura significativa para as crianças, permitindo a compreensão do texto. Também observamos que a professora B fazia a leitura de três livros, em apenas quinze minutos, o que ocasionava a dispersão dos alunos. Este é um aspecto importante a ser destacado porque não é pelo grande número de histórias que contamos, mas pela ênfase que damos a esta atividade essencial para a criança, que serão alcançados bons resultados. Assim, a professora acabava não trabalhando nenhum dos textos adequadamente, por não explorar de forma prazerosa a leitura, impedindo os alunos de se aprofundarem e refletirem sobre a história. Sobre a questão referente ao que é ser um bom leitor as professoras deram as seguintes respostas: Interpretar, gostar de ler, interesse por novidades. (professora A) É saber interpretar, gostar de ler. (professora B) 15

16 De acordo com Solé (1996) [...] bons leitores não são apenas os que compreendem mais e melhor os textos que lêem, mas o que sentem prazer e gosto pela leitura (SOLÉ,1996, pág.12). Sendo assim estas professoras demonstram que compreendem o significado de ser um bom leitor, o que deveria contribui para que elas tenham uma prática de leitura adequada, sendo primeiramente um modelo para seus alunos, pois [...] o professor que lê história, que tem boa e prazerosa relação com a leitura e gosta verdadeiramente de ler tem um papel fundamental : o de modelo para as crianças (RCNEI, 1998, pág.144) Porém como já foi visto anteriormente na prática desta professoras não percebemos está relação professor-leitor. No nosso entender isso dificulta os alunos a desenvolverem o gosto pela leitura, pois não vêem sua professora como um exemplo de leitor. No que se refere à questão do que é primordial ensinar e aprender através da leitura de literatura infantil as professoras justificaram suas respostas: Despertar na criança o interesse pela leitura. O interesse do aluno em buscar e não ser algo obrigatório (professora A) O primordial é despertar o interesse e as outras coisas vêm com o tempo (professora B) Através desta questão percebemos um distanciamento entre a resposta da entrevista e a prática destas professoras, pois apesar delas demonstrarem à importância da leitura de literatura infantil na pré-escola e que o primordial é despertar o interesse dos alunos pela leitura, as mesmas não estimulam os alunos a explorarem a literatura, para que esse interesse fosse despertado. Observamos que em alguns momentos da aula os alunos procuravam satisfazer suas curiosidades, levantando questionamentos, porém as professoras não os levavam em consideração. Demonstrando assim o distanciamento entre sua fala e a prática, ao afirmarem a importância da literatura em despertar o interesse das crianças na busca por informações, no entanto, na prática elas não 16

17 viabilizavam esta busca, dificultando os seus alunos na construção de sentidos do texto. Quando as professoras foram questionadas na entrevista sobre a seleção dos livros (Quado1.3) percebemos que elas possuem os mesmos critérios de seleção, ou seja as necessidades dos alunos e a interação dos conteúdos que está sendo trabalhado. Em relação à escolha do livro a ser lido a professora A afirma que tanto ela como os alunos escolhem os livros enquanto que a professora B diz que são apenas os alunos que escolhem. A professora e os alunos. De acordo com as necessidades dos alunos e interação do conteúdo.(professora A) Os alunos. De acordo com a necessidade dos alunos e com o que está trabalhando.(professora B) Ao observarmos a prática verificamos que na turma da professora A, é ela que escolhe os livros na maioria das vezes, pois ela sempre faz a leitura com algum objetivo, seja para abordar conteúdos, resolver problemas ou simplesmente para ler, despertando o prazer pela leitura. Neste sentido percebemos que há uma aproximação entre a fala e a prática desta professora. Enquanto que na turma da professora B, são os alunos que na maioria das vezes escolhem os livros de acordo com preferência deles, porém em algumas aulas a professora escolheu o livro para resolver um problema que surgiu na turma. Assim diferente do que vimos na entrevista, esta professora não relaciona o livro literário com os conteúdos do projeto, apenas faz leituras de acordo com a vontade dos alunos ou para trabalhar valores na resolução de problemas da turma. Através das observações percebemos que as duas professoras não proporcionam o contato físico das crianças com os livros, mesmo na turma da professora B onde os alunos escolhem os livros eles não têm a oportunidade de manuseá-los. 17

18 De acordo com Teberosky e Colomer (2003) a proximidade física dos livros influi no interesse e no entusiasmo das crianças. Por isso, mesmo que o professor tenha um papel fundamental na escolha do livro é indispensável para a formação de leitores, disponibilizarem livros diversos para que as crianças escolham. Vimos também que na prática destas professoras falta uma maior intimidade com os livros que são escolhidos pois elas não realizam uma leitura antes dos alunos. Faria (2000) comenta que: O professor para elaborar seu trabalho com a leitura de livros para as crianças precisa ler primeiro essas obras como leitor comum, deixando-se levar espontaneamente pelo texto, sem pensar ainda na sua utilização em sala de aula em seguida vira a leitura analítica reflexiva e avaliativa (FARIA, 2000, pág.14). Antes de tudo a professora tem que ser uma boa leitora, onde não só compreende mas também tem prazer pela leitura. Desta forma torna-se possível realizar uma prática adequada promovendo a compreensão dos alunos sobre o texto, ampliando seus conhecimentos. Questionadas sobre a forma como as professoras fazem à leitura da literatura infantil na sala de aula ela relataram que faziam à leitura de diferentes formas: Com texto coletivo, dramatização, recontar historia e fantoches.(professora A) Desenho. Reconto de historias, eles contam da maneira deles. Figuras sem texto para que eles montem a história.(professora B) Contudo ao observarmos a prática das professoras percebemos um distanciamento do que elas falaram na entrevista, pois como vemos no quadro abaixo elas realizavam em sua prática apenas à recapitulação das histórias. Segundo Zanotto (2003) esta atividade permite que a criança desenvolva um esquema de texto narrativo, e a partir da recontagem as crianças compreendem melhor o texto. 18

19 1.3 Quadro demonstrativo referente à sistematização da prática (prática) Durante a leitura da professora A pudemos observar a utilização de outras estratégias de leitura como antecipações a partir do titulo do livro, previsões, formulação e comprovação de hipóteses, perguntas literais, inferências, além do uso de modalidades da voz e conversa após a leitura do livro. Estas estratégias são muito importantes para a construção de sentido dos alunos. De acordo com Solé (1998) o professor deve tentar fazer com que as crianças entrem no mundo do texto, que participem da leitura, promovendo atividades em que os alunos tenham que perguntar, prever, recapitular para os colegas, opinar, resumir, comparar suas opiniões com relação ao que leram, tudo isso fomenta uma leitura inteligente e critica, na qual o leitor vê a si mesmo como protagonista do processo de construção de significados (SOLÉ, 1998). Após a leitura esta professora pedia para os alunos recontarem a história, ela orientava as crianças, para auxiliá-las a prestar atenção nos elementos importantes como o cenário, os personagens e os eventos do texto. Nas aulas da professora B verificamos o uso de interpretação de texto através de perguntas literais de localização e inferências. Estes tipos de perguntas são Sistematização da prática Professora a Professora b Recontar historia X X Fantoches Figuras sem texto para que eles contem a história Dramatização Texto coletivo importantes para que a criança possa estabelecer, por exemplo, relações de tempo e espaço; distância e proporção; sentimentos e formas de expressão, que 19

20 funcionam como uma preparação para a interpretação do texto (BRANDÃO, 2005). No entanto esta professora interrompia a leitura, todo momento, para que os alunos respondessem as perguntas que ela fazia sobre o que estava acontecendo a cada página da história e não se mostrava aberta às perguntas elaboradas pelos alunos. No nosso entender esta é uma prática inadequada de leitura, pois se desfaz o lúdico e a magia da história, além de impedir que as crianças construam suas próprias indagações. Assim, a escola que é um ambiente que deveria realizar leituras nas situações de valorização do texto literário a partir do diálogo, despertando na criança o prazer e as relações culturais, ou subjetivas, alinhadas ao texto escrito, não o tem feito. Ao contrário, o que se tem observado é a realização de atividades organizadas com objetivos específicos de aprendizagem (MONTEIRO, 2005). Na questão referente às atividades após a leitura as professoras relataram que realizavam as seguintes atividades: Reconto de historias, dramatização, texto coletivo (escriba), área psicomotora, brincadeiras. (professora A) Dramatização, texto coletivo e recreação. (professora B) Após a leitura a professora A realizava apenas atividades de pintura de desenhos xerocados relacionados com a historia que foi lida e atividades psicomotoras trabalhando a escrita da vogal A e da palavra CACHORRO. Em relação a esta atividade durante a entrevista a professora falou que ao manusear os livros os alunos iriam desenvolver a psicomotria fina, contudo verificamos que este contato não foi permitido em nenhum momento. Como foi analisada anteriormente esta professora também realizava a recontagem de histórias. Na prática da professora B não identificamos nenhumas das atividades citadas por ela. Segundo Frantz (2005) o professor não tem obrigação de realizar 20

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Mara Luiza Silva 1 Resumo Este artigo relata o desenvolvimento

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA A LITERATURA INFANTIL COMO INSTRUMENTO DE FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA GT 13 - DIÁLOGOS ABERTOS SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA Daniella

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA.

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. Francisca Fabiana Ferreira da Silva 1 fabiana.igor@hotmail.com Francisca Mônica Paz de Sousa Dantas 2 monnyka@hotmail.com

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA 1 O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA Joelma da Silva Moreira 1 Angela Maria Corso 2 RESUMO: O presente artigo, na condição de trabalho de conclusão de curso, pretende

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

MEDIADORES DE LEITURA

MEDIADORES DE LEITURA MEDIADORES DE LEITURA BERNO, Gladis Marize 1 ; BIGOLIN, Aurea 2 ; KARLINSKI, Leila Marlise Cavinato 3 ; LEAL, Joice Cinara Muniz da Silva 4 MORAES, Sidônia Regina Dal Molin de 5 ; MOURA, Adriana Ueker

Leia mais

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência Ana Raquel da Rocha Bezerra, UFPE Andressa Layse Sales Teixeira, UFRN RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

A Escolarização da Literatura Infantil: O Encontro da Arte com o Saber Escolar?

A Escolarização da Literatura Infantil: O Encontro da Arte com o Saber Escolar? A Escolarização da Literatura Infantil: O Encontro da Arte com o Saber Escolar? CARDOSO, Elizandra Kelly S. i ; Rossi, Maria Aparecida ii Palavras-chave: Literatura infantil, escolarização, saber escolar

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1155 FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 1 Mestranda

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR Cristina Marico Matsubara Prefeitura do Município de São Paulo cr.matsubara@gmail.com Emilio Celso de Oliveira Prefeitura

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS RESUMO: Glenda Gabriele Bezerra Beltrão; Wanessa da Silva Reis;

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Literatura Brasileira e infantil Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Literatura infantil:

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

A LEITURA PARA ALÉM DOS LIMITES DA SALA DE AULA: UMA FERRAMENTA PARA A COMPREENSÃO DO MUNDO

A LEITURA PARA ALÉM DOS LIMITES DA SALA DE AULA: UMA FERRAMENTA PARA A COMPREENSÃO DO MUNDO A LEITURA PARA ALÉM DOS LIMITES DA SALA DE AULA: UMA FERRAMENTA PARA A COMPREENSÃO DO MUNDO Débora da Silva Ferreira UAG/UFRPE Taynah de Brito Barra Nova - UAG/UFRPE Resumo: Diante da sociedade letrada

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES VERA LUCIA MAZUR BENASSI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA). Resumo O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Nara Fernanda de Campos 1 RESUMO Considerando os jogos e as brincadeiras infantis como uma ferramenta ideal ao aprendizado, podemos dizer

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Edna Aparecida Pereira 1 Vanessa Rodrigues Ferreira 2 RESUMO A música na Educação Infantil vem atendendo a objetivos alheios a questões próprias dessa linguagem

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais Dayanne Cristina Moraes de DEUS; Dulcéria TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES; Reila Terezinha da Silva LUZ Departamento de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

Leitura infanto-juvenil no SESC-Piedade

Leitura infanto-juvenil no SESC-Piedade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Artes e Comunicação Departamento de Ciência da Informação Curso de Biblioteconomia Professora: Cecília Prysthon Leitura infanto-juvenil no SESC-Piedade (Relatório

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Connie, a Vaquinha 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): A Ponte 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio A Ponte faz parte da série Connie,

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

RESUMO INTRODUÇÃO. Universitári@ - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.5, Edição Especial, outubro 2011 571

RESUMO INTRODUÇÃO. Universitári@ - Revista Científica do Unisalesiano Lins SP, ano 2, n.5, Edição Especial, outubro 2011 571 DIFICULDADES DE LEITURA NO 2º ANO DO CICLO I DO ENSINO FUNDAMENTAL Aline Evelyn Pereira Augusto - aline.lineforever@gmail.com Claudia Ferreira dos Santos - kakau.spfc@hotmail.com Jéssica dos Santos Alves

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR VOLTADO PARA OS SABERES MATEMÁTICOS DAS CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR VOLTADO PARA OS SABERES MATEMÁTICOS DAS CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR VOLTADO PARA OS SABERES MATEMÁTICOS DAS CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES Maria Raquel da Silva- Graduanda em Pedagogia (UFPE- CAA) G. Nóbrega L. de

Leia mais

TÍTULO: O CURSO DE LICENCIATURA PLENA PARCELADA EM PEDAGOGIA E SUAS IMPLICAÇÕES NAS PRÁTICAS DO ENSINO DE ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

TÍTULO: O CURSO DE LICENCIATURA PLENA PARCELADA EM PEDAGOGIA E SUAS IMPLICAÇÕES NAS PRÁTICAS DO ENSINO DE ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL. TÍTULO: O CURSO DE LICENCIATURA PLENA PARCELADA EM PEDAGOGIA E SUAS IMPLICAÇÕES NAS PRÁTICAS DO ENSINO DE ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Anália Cássia Gonçalves de Souza 1 INTRODUÇÃO A presente investigação

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador.

AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador. AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador. MARISTELA PITZ DOS SANTOS SEMED BLUMENAU 1 Janela sobre a utopia Ela está no horizonte

Leia mais

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE 2014 DISCIPLINA: LINGUAGEM

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS.

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. RESUMO SANTOS, Enia Ramalho os UEPB enia.ramalho @hotmail.com SANTOS, Patricia Ferreira

Leia mais

A LEITURA E A ESCRITA NO COTIDIANO ESCOLAR: DESCOBERTAS, ENCANTOS E DESENCANTOS

A LEITURA E A ESCRITA NO COTIDIANO ESCOLAR: DESCOBERTAS, ENCANTOS E DESENCANTOS A LEITURA E A ESCRITA NO COTIDIANO ESCOLAR: DESCOBERTAS, ENCANTOS E DESENCANTOS Alessandra da Paixão de Jesus Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB alessandrav70@hotmail.com Lucinea Costa de Jesus

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE 1. APRESENTAÇÃO Este Projeto de Incentivo a Leitura "Minha Escola Lê", será desenvolvido nas unidades escolares que

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA Encontro Nacional de Educação Matemática A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA Thiarla avier Dal-Cin Zanon Prefeitura Municipal de Castelo/ES Universidade

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM.

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. UCHÔA, Yasmim Figueiredo Graduanda de Pedagogia/ UEPB. Bolsista PIBID CABRAL, Isabel Cristina Gomes de Morais Graduanda

Leia mais

CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN

CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN Autoras: Claydianne dos Santos Freitas - Estudante do Curso de Pedagogia

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais