CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA (UNICURITIBA) NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO ACADÊMICA (NPEA) I SIMPÓSIO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA (UNICURITIBA) NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO ACADÊMICA (NPEA) I SIMPÓSIO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA:"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA (UNICURITIBA) NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO ACADÊMICA (NPEA) I SIMPÓSIO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA: Natureza e Sociedade ISSN

2 Organização-geral: Thais E. de Oliveira Lima e Nilson Cesar Fraga Coordenadores da Comissão de Agenda Científica: Thais E. de Oliveira Lima e Nilson César Fraga Coordenadora da Comissão de Agenda Cultural: Cristina Luiza Czerwonka Surek Comissão Organizadora Acadêmica: Gustavo Glodes Blum e Thiago de Oliveira Gonçalves Comissão de Divulgação: acadêmicos de Iniciação Científica do UNICURITIBA de RI (Grupo GRTP) e de Direito (Grupo Jus Vitae) Coordenadora da Comissão de Infra-estrutura: Cristina Luiza Czerwonka Surek Secretaria: Dulcemeri Antonietto Ramos e Edson Felício (UNICURITIBA) Comissão Organizadora: Ana Cristina de Souza Luz, Camilo Catto, Carlos Luiz Strapazzon, Cristina L. C. Surek, Daniel Ferreira, João Manoel Maranhão Siqueira Dias, Luzenira Alves dos Santos, Maria da Glória Colucci, Nilson Cesar Fraga, Rosana Fumi Totake, Silvia Thais de Poli, Suelen Francini Borges de Moraes, Thais E. de Oliveira Lima, Vinicius Santos Leme Membros da Comissão Científica: Ana Cristina de Souza Luz Letras, UNICURITIBA Antônio Castelnou Arquitetura e Urbanismo, UFPR Arildo Camargo - Design, UNICURITIBA, UTFPR, FAE Carlos Luiz Strapazzon Direito, UNICURITIBA Caroline Afonso Ganzert Arquitetura, UNICURITIBA Camilo Catto Marketing, UNICURITIBA Cristina Luiza Czerwonka Surek Sociologia, UNICURITIBA Djanires Lageano de Jesus Turismo, UEMS Fábio Tokars Direito, UNICURITIBA Glávio Leal Paúra - Logística, UNICURITIBA João Bosco Lee Arbitragem Internacional, UNICURITIBA João Pedro Pezzato Educação, UNESP Lucileyde Feitosa Sousa Letras, UNIRON Lucia Isabel Czerwonka Sermann Pedagogia, POSITIVO Marcelo Harger Direito, CESUSC Maria Alves Dal Santo Geografia, UDESC Maria Eliza Zanella Geografia, UFCE Micheline H. Cot Marcos Arquitetura, UNICURITIBA Nilson Cesar Fraga Geografia (Meio Ambiente), UNICURITIBA/UFPR/FAE Orides Mezzaroba Direito, UFSC Roberto Hosokawa Engenharia Florestal, UFPR Sérgio Cademartori - Direito, UFSC Sigrid Andersen Sociologia, UFPR Thais E. de Oliveira Lima Biologia, UNICURITIBA Ubaldo C. Balthazar Direito, UFSC Wendel Henrique Geografia, UFBA

3 CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA Núcleo de Pesquisa e Extensão Acadêmica I SIMPÓSIO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 09 COMUNICAÇÃO E SOCIEDADE Adriana Domingues de SOUZA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: ORIGEM, EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS 2. Ana Claudia PETRI TRANSTORNOS MENTAIS: FALTA DE DIAGNÓSTICO E AS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO 3. Ana Cristina de Souza LUZ A SOCIEDADE IDOSA NO BRASIL 4. Cristina Luiza Czerwonka SUREK AS INTERMITÊNCIAS DAS MÍDIAS NOS ESPAÇOS DE REPRESENTAÇÕES 5. Everton Santos SIQUEIRA e Martina MÓGOR COMUNICAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE 6. Johane Rinaldi de OLIVEIRA, Gisele PASSAÚRA e Marlus Vinicius FORIGO SACERDOTES DA VIOLÊNCIA. ANÁLISE DO PAPEL DA MÍDIA NO CASO ENVOLVENDO OS DOMINICANOS, CARLOS MARIGHELA E OS GRUPOS ARMADOS DE OPOSIÇÃO À DITADURA MILITAR 7. Milton MAYER IMPLICAÇÕES ÉTICAS DO DESENVOLVIMENTO DA CONSCIÊNCIA MORAL NA EDUCAÇÃO DIREITO André Filipe Pereira Reid dos SANTOS DESIGUALDADE E CULTURA: REFLEXÕES A PARTIR DO CASO BRASILEIRO 2. Andréa Carolina Leite BATISTA DIREITO AO SANGUE E A RECUSA A TRANFUSÃO POR MOTIVO DE CRENÇA RELIGIOSA 3. Andréa Silo PALADINO OS DESEMBARGADORES DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ: UMA ANÁLISE DO PERFIL SOCIAL E ORIENTAÇÃO JURÍDICA NAS CARREIRAS DE MAGISTRADO E DO QUINTO CONSTITUCIONAL

4 4. Andrey Osinaga TERRES RAZOÁVEL DURAÇÃO DO PROCESSO: PARÂMETROS PARA AFERIR A DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO E AS CONSEQUÊNCIAS DE SEU DESCUMPRIMENTO (HISTÓRICA FUNDAMENTAÇÃO JURÍDICA E ESTUDOS DE CASOS) 5. Carlos Luiz STRAPAZZON NEOCONSTITUCIONALISMO NO BRASIL E A NATUREZA ESSENCIALMENTE POLÍTICA DA JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL 6. Cristiane Liz Baptista BALLAROTTE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PREVENÇÃO, PROMOÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE OCULAR NO BRASIL 7. Daniel FERREIRA ATIVIDADE EMPRESARIAL E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 8. Eduardo Milléo BARACAT A REPARAÇÃO DO DANO TRABALHISTA 9. Eduardo Emanoel Dall Agnol de SOUZA SUBJETIVIDADE NA CIÊNCIA E SEUS REFLEXOS NO DIREITO: O PAPEL DA CIÊNCIA NAS REGRAS DE CONDUTA CONFORME JACOB BRONOWSKI 10. Eduardo Seino WIVIURKA SUBJETIVIDADE NA CIÊNCIA E SEUS REFLEXOS NO DIREITO: A SOCIEDADE E O CONHECIMENTO NO PENSAMENTO DE EDGAR MORIN 11. Elis Wendpap CECCATTO O CONCEITO DE INVESTIMENTO NA CONVENÇÃO DE WASHINGTON DE Eliseu Raphael VENTURI e Nelson Giovannini FILHO ANÁLISE ECONÔMICA DO DIREITO ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS E HERMENÊUTICOS NO CONTEXTO DA CIÊNCIA PÓS-MODERNA 13. Eliseu Raphael VENTURI SUBJETIVIDADE NA CIÊNCIA E SEUS REFLEXOS NO DIREITO IV: KARL POPPER E A RESPONSABILIDADE MORAL DO CIENTISTA DEDUZINDO ASPECTOS DEONTOLÓGICOS E AXIOLÓGICOS DAS CARREIRAS JURÍDICAS 14. Fernando dos Santos LOPES O SIGNIFICADO DAS UNIDADES FUNCIONAIS NO CONTEXTO DA PROTEÇÃO DOS BENS JURÍDICOS COLETIVOS: SOBRE A PROTEÇÃO PENAL DOS BENS JURÍDICOS COMPLEXOS NO MARCO DA SOCIEDADE PÓS-INDUSTRIAL 15. Germene MALLMANN SUBJETIVIDADE NA CIÊNCIA E SEUS REFLEXOS NO DIREITO III: GASTON BACHELARD E O PROGRESSO DIALÉTICO DOS CONCEITOS 16. José Mário TAFFURI RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS EM FACE DA CONSTITUIÇÃO

5 17. Juliana de Abreu CASSEMIRO O CONFLITO DE INTERESSES JURIDICAMENTE TUTELÁVEIS NA PRODUÇÃO PROBATÓRIA 18. Liza Valença RAMOS; Tatyana Scheila FRIEDRICH DIREITO COMUNITÁRIO DA CONCORRÊNCIA E O SISTEMA DE BRASILEIRO DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA, INSTITUÍDO PELO PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 06/ Luiz Eduardo GÜNTER TUTELA DOS DIREITOS DE PERSONALIDADE NA ATIVIDADE EMPRESARIAL: OS EFEITOS LIMITADORES NA CONSTITUIÇÃO DA PROVA JUDICIÁRIA 20. Luiz Eduardo GÜNTER AS GARANTIAS DA DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO E DOS MEIOS ASSEGURADORES DA CELERIDADE DE SUA TRAMITAÇÃO, SUA EFETIVIDADE E CONSEQÜÊNCIAS NO ÂMBITO EMPRESARIAL 21. Luiz Eduardo GÜNTER A ONERAÇÃO DA ATIVIDADE ECONÔMICA, PELA DURAÇÃO, CUSTO E INEFICÁCIA DO PROCESSO DE EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA. 22. Luiz Eduardo GÜNTER O PRINCÍPIO DA IGUALDADE JURÍDICA E OS ASPECTOS JURÍDICOS DAS AÇÕES AFIRMATIVAS 23. Luiz Fernando GONÇALVES ESTABILIDADE ACIDENTÁRIA: CARACTERIZAÇÃO E EFEITOS NOS CONTRATOS DE TRABALHO 24. Marcelo Piazzetta Antunes A EFICÁCIA EXTRÍNSECA DA FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO 25. Marcelo Piazzetta Antunes O FIM DE RECURSO DE APELAÇÃO NO DIREITO BRASILEIRO 26. Maria da Glória Colucci SOBERANIA NACIONAL E PRESERVAÇÃO DA DIVERSIDADE E INTEGRIDADE DO PATRIMÔNIO GENÉTICO HUMANO NO BRASIL 27. Mariana Correa Monteiro SECCATTO NOVOS PARADIGMAS DO DIREITO DE PROPRIEDADE E A REPERCUSSÃO NA ATIVIDADE EMPRESARIAL O MUNDO PÓS- MATERIAL E A RELAÇÃO JURÍDICA DE DIREITO REAL 28. Mário Luiz RAMIDOFF REDUÇÃO DA IDADE DE MAIORIDADE PENAL 29. Mário Luiz RAMIDOFF TEORIA JURÍDICA DA PROTEÇÃO INTEGRAL 30. Mayara Cristina GRUENDLING A ATIVIDADE LABORAL NA INDÚSTRIA FUMAGEIRA: REGULAMENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO NO DIREITO BRASILEIRO 31. Rafael Rodrigues de QUADROS A SITUAÇÃO SÓCIO-FAMILIAR DO ADOLESCENTE INFRATOR E A EFETIVIDADE DA ORDENAÇÃO JURÍDICA NO BRASIL

6 32. Ricardo Reis MESSAGGI e Carlyle POPP DIREITO E LITERATURA: A FAMÍLIA NOS CONTOS DE NELSON RODRIGUES 33. Roberto Di Benedetto DIREITOS SOCIAIS NO BRASIL ANTES DE VARGAS: O CÓDIGO DO TRABALHO, AS GREVES E O TRATADO DE VERSALHES. 34. Tanya Kristyane Kozicki de Mello HATE SPEECH: QUANDO MAIS EXPRESSÃO É MENOS EXPRESSÃO 35. Victor Hugo DOMINGUES SOLIDARIEDADE INTERGERACIONAL E TAXA SOCIAL DE DESCONTO GESTÃO E PRODUÇÃO Alexandra Almawi e Eric David Cohen UM ESTUDO DO VALOR VITALÍCIO DE CLIENTES COMO ATIVOS FINANCEIROS DA EMPRESA 2. Evelin PICCININ, Diogo KRYMINICE e Camilo CATTO A GESTÃO INTEGRADA DE MARKETING EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR DE PEÇAS PARA VEÍCULOS OFF ROAD 3. Emerson CATAFESTA, Maria Helena CATAFESTA, Juliana CRISTINE e Glavio Leal PAURA O IMPACTO DO TRANSPORTE DE CARGAS DO ESTADO DO PARANÁ NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO REGIONAL E NO MEIO AMBIENTE 4. Jamil ABDANUR JÚNIOR e Roberto T. HOSOSKAWA SELEÇÃO DE ÍNDICES NA ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS DE EMPRESAS FLORESTAIS, EM PROCESSO CONCORDATÁRIO, DO ESTADO DO PARANÁ: UMA APLICAÇÃO DA TÉCNICA ESTATÍSTICA ACP, ANÁLISE DAS COMPONENTES PRINCIPAIS 5. Léia Cordeiro Gaglionone ENDOMARKETING PARA EMPRESAS DE MÉDIO PORTE 6. Michele Aparecida HOBAL A EVOLUÇÃO SOCIAL DO TURISMO NO BRASIL 7. Michele Aparecida HOBAL A RESPONSABILIDADE DO MARKETING NO DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 8. Vera Maria BARBOSA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: A IMPORTÂNCIA DA CPAs NAS IES MEIO AMBIENTE Alessandra Izabel de CARVALHO MONTANHAS E MEMÓRIAS, UMA IDENTIFICAÇÃO CULTURAL NO 84

7 MARUMBI 2. Ana Cecília PARODI FUNÇÃO SOCIAL DA PESQUISA: REFORMA DA ABNTNBR E A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PELO CONSUMO DE PAPEL NAS IES 3. Eduardo Emanoel Dall Agnol de SOUZA A ESTRUTURA DAS REVOLUÇÕES CIENTÍFICAS E O CONCEITO DE PARADIGMA NA OBRA "SABER AMBIENTAL" DE ENRIQUE LEFF 4. Eduardo Seino WIVIURKA O CONCEITO DE COMPLEXIDADE (MORIN) COM BASE NO SABER AMBIENTAL PROPOSTO ENRIQUE LEFF 5. Eliseu Raphael VENTURI EPISTEMOLOGIA E MEIO AMBIENTE: A RACIONALIDADE AMBIENTAL SEGUNDO ENRIQUE LEFF 6. Janiffer T. Gusso Zarpelon e Rafael Pons Reis DA SOLUÇÃO AO PROBLEMA: UM ESTUDO SOBRE OS CONFLITOS, OS IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS E AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS ENVOLVIDAS NO USO E NA GESTÃO DA ÁGUA NA COMUNIDADE RURAL DE FERVIDA (COLOMBO-PR). 7. Juliana Oliveira NASCIMENTO MEIO AMBIENTE: A AGENDA 21 E O PROTOCOLO DE KYOTO 8. Michele Aparecida HOBAL PAISAGEM TURÍSTICA: ELEMENTO PARA O PLANEJAMENTO TURÍSTICO SUSTENTÁVEL 9. Priscilla Nogueira Calmon de Passos A CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO COMO PONTO DE PARTIDA PARA A PROTEÇÃO INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE 10. Thais de OLIVEIRA LIMA, Roberto Tuyoshi HOSOKAWA, Sebastião do Amaral MACHADO e Umberto KLOCK CARACTERIZAÇÃO FITOSSOCIOLÓGICA DE UM FRAGMENTO PROTETIVO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA MONTANA NA BACIA DO RIO DAS PEDRAS, GUARAPUAVA PR RELAÇÕES INTERNACIONAIS Alana DAMIAN e Nilson Cesar FRAGA TERRITÓRIO E OCUPAÇÃO DA AMAZÔNIA: OS CASOS DE MARABÁ (PA) E CAROLINA (MA) 2. Bruno Quadros e QUADROS A PARTICIPAÇÃO DA ROMÊNIA NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL COMO ESTADO PRÓ-EIXO PERIFÉRICO: UMA RECONSTITUIÇÃO FACTUAL 3. Edgar Stefani Rodrigues Martins de SOUZA BRASIL E PARAGUAI: RELAÇÕES INTERNACIONAIS E EFICÁCIA DE COOPERAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICA E CULTURAL. 4. Gustavo Glodes BLUM e Etiane Caloy BOVKALOVSKI NACIONALISMO E GLOBALIZAÇÃO: A RELAÇÃO COM O

8 TERRITÓRIO NUMA ERA DE MOVIMENTAÇÃO 5. Gustavo Glodes BLUM e Nilson Cesar FRAGA TERRITÓRIO E OCUPAÇÃO DA AMAZÔNIA: OS CASOS DE ARAGUATINS (TO) E URUARÁ (PA) 6. Gustavo Glodes BLUM, Thiago de Oliveira GONÇALVES e Nilson Cesar FRAGA RELAÇÕES TRANSFRONTEIRIÇAS, FRONTEIRA, TURISMO E COMPLEXIDADES ESPACIAIS 7. Nilson Cesar FRAGA, Alana DAMIAN, Gustavo Glodes BLUM, Marcelo BORDIN, Mauro José Ferreira CURY, Michele Aparecida HOBAL, Rafael Carlos Prieto FERNANDES, Tâmis Guerra PACHECO e Thiago de Oliveira GONÇALVES GEOGRAFIA POLÍTICA, TERRITÓRIO E PODER 8. Thiago de Oliveira GONÇALVES e Nilson Cesar FRAGA TERRITÓRIO E OCUPAÇÃO DA AMAZÔNIA: OS CASOS DE BALSAS (MA) E MEDICILÂNDIA (PA) 9. Thiago de Oliveira GONÇALVES, Diogo Kanayama SANTOS, Thais E. de OLIVEIRA-LIMA GEOPOLÍTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS E DISPUTAS PELO CONTROLE DA BACIA DO RIO JORDÃO, NO ORIENTE MÉDIO

9 APRESENTAÇÃO O Núcleo de Pesquisa e Extensão Acadêmica (NPEA) e os Coordenadores do I SIMPÓSIO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA (SPIC), do Centro Universitário Curitiba (UNICURITIBA) têm a honra de entregar aos participantes os Anais deste evento. Agradecemos as numerosas contribuições científicas recebidas nesta primeira edição, vindas das seis diferentes áreas do conhecimento que chamaram à reflexão para questões ligadas à Sociedade e a Natureza, tão caras ao mundo contemporâneo. Nos resumos enviados e aqui publicados, o leitor poderá tomar conhecimento das diferentes linhas de pesquisa existentes na Instituição, bem como dos trabalhos que estão sendo desenvolvidos nos diversos setores e departamentos do UNICURITIBA. Esperamos que o I SPIC represente um marco para divulgação e agregação dos grupos de pesquisa atuantes nesta IES, contribuindo, ainda, para a expansão das linhas de pesquisa e do envolvimento de alunos e de professores na ampliação da produção científica. Desejamos a todos um bom Simpósio de Pesquisa e Iniciação Científica, esperando que as trocas sejam positivas e que, a partir deste primeiro conclave, se desencadeie a vontade acadêmica de pesquisar e ampliar as respostas socioambientais complexas que marcam os primeiros anos do novo século. Curitiba, 19 de outubro de Profª Cristina L. C. Surek Supervisora do NPEA Prof. Dr. Nilson Cesar Fraga Coordenador do SPIC Profª. Drª. Thais Espinola de Oliveira Lima Coordenadora do SPIC

10 COMUNICAÇÃO E SOCIEDADE

11 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: ORIGEM, EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS Adriana Domingues de SOUZA 1 A Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) é um tema que vem ganhando destaque e é considerado de grande relevância numa sociedade capitalista que busca prioritariamente o lucro e muitas vezes esquece o papel primordial que o capital humano exerce sobre o desenvolvimento das organizações. O conceito de QVT aqui adotado é de gestão do bem estar, desse modo representa a necessidade de atuar mais profundamente na valorização das condições de trabalho, no que se refere aos procedimentos da tarefa em si, ao ambiente físico e aos padrões de relacionamento. O objetivo deste trabalho é conceituar e conhecer a origem e evolução da QVT na relação do indivíduo x trabalho x organização, e suas influências nas organizações. Tomando como ponto de partida as primeiras manifestações da Revolução Industrial, com as devidas repercussões nos métodos de produção, explicitando os principais posicionamentos de alguns dos cientistas da época sobre as formas de produção e sobre expectativa de comportamento do indivíduo diante do trabalho. Além disso, avalia as dificuldades e obstáculos enfrentados para a adequada implementação de programa de QVT. O método de pesquisa utilizado foi bibliográfico, relacionado com os temas: teoria de gerenciamento, Qualidade de Vida no Trabalho(QVT), psicologia social, bem como livros, artigos, material eletrônico, monografias, teses. Apresentando alguns programas de empresas ganhadoras do Prêmio Nacional de Qualidade de vida, demonstrando que as organizações estão progressivamente se conscientizando da 1 Bacharel em Secretariado Executivo pela Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER e Pós-Graduada em Gestão de Pessoas pelo Instituto Brasileiro de Pós- Graduação e Extensão - IBPEX. Secretária Executiva da Reitoria do Centro Universitário Curitiba UNICURITIBA

12 importância de investir e valorizar o capital humano através da implantação de ações de qualidade de vida, porém ainda há muito a ser realizado. Eixo temático: Comunicação e Sociedade TRANSTORNOS MENTAIS: FALTA DE DIAGNÓSTICO E AS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO Ana Claudia PETRI 2 Transtornos mentais podem ser vistos como manifestações de uma disfunção comportamental, psicológica ou biológica no indivíduo, associadas com sofrimento, deficiência ou perda da liberdade. Os transtornos mentais quando diagnosticados, são tratados facilmente, porém, diante da falta de diagnóstico ou do diagnóstico impreciso, são geradas inúmeras conseqüências. Nesta pesquisa, traça-se o perfil das condições mentais do idoso institucionalizado na cidade de Curitiba, utilizando uma amostra de 326 idosos, onde 167 (51,4%) indivíduos apresentaram queixa de transtorno mental e 157 (48,3%) não relataram queixas. 54 idosos apresentaram diagnóstico impreciso e 272 casos ou não apresentavam quaisquer doenças mentais ou obtiveram diagnósticos confirmados. Em 130 casos, foi encontrado como motivo de institucionalização, a necessidade familiar. Quando indagadas sobre o porquê desta necessidade, muitas famílias relataram dificuldade em prestar cuidados aos idosos acometidos por alterações de humor, esquecimento, déficits de atenção, entre outros, o que favoreceu a busca por Instituições Geriátricas como solução de atendimento eficiente. Diante de todas essas condições, surge a necessidade de pesquisas científicas que contemplem o estudo do envelhecimento normal e patológico, e suas implicações. Com este estudo, visa-se demonstrar a importância de diagnósticos precisos, para que o tratamento seja 2 Acadêmica do Curso de Administração do UNICURITIBA -

13 feito adequadamente e haja maior chance do idoso permanecer em seu lar, promovendo a qualidade de vida, tanto dos pacientes quanto dos familiares e cuidadores. Eixo temático: Comunicação e Sociedade A SOCIEDADE IDOSA NO BRASIL Ana Cristina de Souza LUZ 3 Uma realidade que não se pode negar: Os jovens de hoje, serão velhos amanhã. É claro a todos que as transformações ocorridas com a idéia capitalista do neoliberalismo transformaram o homem naquela pessoa consumista, fazendo com que ela nunca esteja, nunca seja, mesmo querendo ser nunca está; enfim, jamais seremos. Estas transformações focalizadas ao mundo do trabalho, na estrutura familiar, nas inovações tecnológicas contribuíram em muito a deixar sempre o idoso para um segundo plano. Tornando-o, por vezes, invisível. A começar pela sociedade, que está completamente esquecida de um termo chamado tradição, há transformações de paradigmas que necessitam iminente atendimento ou, mais que isto, de uma troca de ação: tanto na gestão pública, quanto à transformação de políticas públicas de atendimento ao idoso; quanto à saúde do idoso, seus momentos de lazer, as prioridades que o Estatuto do Idoso tem como norma de conduta para esta, considerada a melhor idade. Há demandas a serem atendidas a fim de buscar respostas efetivas às necessidades da população idosa e que podem ser oferecidas pela própria comunidade, por órgãos públicos, por entidades sociais e por organizações 3 Mestre em Letras (PUC-PR). Participante do NPEA e professora do Curso de Administração

14 sociais. O aumento da longevidade é fruto de trabalho de ramos da medicina: a Geriatria e a Gerontologia, aliados ao avanço de tratamentos sofisticados e que produzem o resultado esperado; porém, não são todos os idosos que a estes tratamentos têm acesso, fato que gera uma discriminação do sistema de saúde, pois que prejudicará, obviamente, o idoso mais carente. Indicadores Econômicos do Idoso no Estado do Paraná apresentam novos desafios para o Estado e à família, tais como: Necessidade de aprimoramento da rede prestadora de serviços e das respectivas dotações orçamentárias, especialmente nas áreas de Assistência Social, Saúde, Educação, Trabalho, Habitação e Urbanismo, Justiça, Cultura, Previdência Social, Esporte e Lazer. Reestruturação do comportamento da família. O UNICURITIBA tem se preocupado com esta parte da população que mais cresce em nossa sociedade, ofertando Cursos para Cuidadores de Idosos tentando colocá-los no mercado de trabalho e ainda mais: oferecendo um Programa chamado Cuidando do Cuidador, que atende os Cuidadores de Idosos, oferecendo-lhes encontros e palestras nas quais as dúvidas podem ser tiradas, assuntos diferentes podem ser tratados e o compartilhamento do Cuidador se efetiva, de forma a atender também a sua qualidade de vida. Eixo temático: Comunicação e Sociedade

15 AS INTERMITÊNCIAS DAS MÍDIAS NOS ESPAÇOS DE REPRESENTAÇÕES Cristina Luiza Czerwonka SUREK 4 A temática das mídias é um recorte na pesquisa que investiga O Espaço de Representação das Mulheres de Roça Velha Araucária PR, desenvolvida na perspectiva de gênero. Tem como objetivo a pesquisa sobre o impacto das mídias, em especial da televisão na construção das identidades de mulheres de diferentes gerações residentes na área mencionada. A metodologia adotada é a da pesquisa qualitativa, utilizando-se das técnicas da observação participante e história de vida por serem as mais indicadas porque permitem um mergulho profundo nas nuances e particularidades que o tema comporta e também apreender e compreender a vida conforme ela é relatada pelo próprio ator. Roça Velha é uma localidade próxima à 4 Supervisora do Núcleo de Pesquisa e Extensão Acadêmica no Centro Universitário Curitiba. Mestre em Educação. Professora do Mestrado e da Graduação no UNICURITIBA

16 Curitiba que se originou pelo represamento do rio Passaúna, para a construção da represa, em É predominantemente habitada por descendentes de poloneses e apresenta traços de ruralidade. O universo da pesquisa é composto de mulheres mais velhas, originárias de áreas rurais que desempenham atividades domésticas, mulheres mais jovens, originárias do local que desempenham atividades agrícolas e também atuam no comércio e mulheres urbanas, algumas donas de casa e outras profissionais de diferentes áreas. Na perspectiva teórica parte-se do entendimento de que a apreensão do mundo como realidade social não é resultante de criações autônomas de significado por indivíduos isolados, mas começa com o fato do indivíduo assumir o mundo no qual os outros já vivem. O assumir é um processo original para cada pessoa e o mundo uma vez assumido pode ser modificado de maneira criadora ou recriado. Ao construir suas representações o indivíduo sofre a pressão das representações dominantes na sociedade e é nesse meio que pensa e exprime seus sentimentos. Essas representações diferem de acordo com a sociedade em que nascem e são moldadas.no universo pesquisado é possível perceber dentre as diversas mídias, a influência da tv de formas diferentes conforme o universo ao qual as mulheres pertencem.o acesso à tv é, na sua maioria, aos canais abertos e todas assistem novelas. As mulheres mais velhas são influenciadas pela tv para a aquisição de produtos alimentícios e novos produtos de utilização na área agrícola, mas não demonstram interesse em produtos de beleza ou vestuário.as mulheres mais jovens, mesmo as locais, são influenciadas pela tv no modo de vestir, no consumo de produtos de beleza e até em algumas expressões de linguagem. As outras mídias, como a Internet, por exemplo, são utilizadas pelas jovens do local e pelas mulheres urbanas. A busca de qualidade de vida que fez com que as mulheres urbanas se mudassem para Roça Velha não alterou sua relação com as mídias; continuam influenciadas pelas mídias em seu cotidiano, assistem diversos programas de tv aberta e digital, utilizam computadores, Internet, orkut e telefones celulares. A pesquisa demonstra que a influência das mídias está fortemente ligada às origens sociais das mulheres, que subjetivamente dotam de sentido, diferentes produtos apresentados pelas mídias, aos quais conferem valores e importância conforme a utilidade e coerência com seu mundo.as representações das mulheres estão vinculadas à sua categoria social de

17 origem, ou seja, as mais velhas ainda educadas num mundo menos tecnológico e com grande influência de poder masculino permanecem com os valores sociais já moldados.mesmo as mais jovens, mas que tem origens na área agrícola parecem não sofrer grande influência das mídias. Esta questão necessita ser melhor investigada porque talvez essas mulheres se sintam constrangidas em exprimir sentimentos e manifestar desejos diferentes de seu grupo de origem.para as urbanas, as mídias são parte integrante do cotidiano e estão incorporadas aos seus hábitos, independentes do local em que residam.fazem parte do seu mundo de representações e reforçam normas culturais e realidades espaciais, fazem parte de sua identidade. Eixo temático Comunicação e Sociedade COMUNICAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE Everton Santos SIQUEIRA 5 Martina MÓGOR 6 5 Acadêmico do curso de Publicidade e Propaganda no UNICURITIBA - Bolsista da FUNADESP. 6 Acadêmica do curso de Publicidade e Propaganda no UNICURITIBA -

18 A Propaganda, como ação de propagar, de comunicar, permeia todos os setores da sociedade e é uma ferramenta imprescindível no sentido de reorganizar nossa convivência e nossas relações no e com o espaço ambiental que nos circunda. Assim, este projeto de pesquisa tem por objetivo analisar a prática da comunicação ambiental por meio das campanhas publicitárias da organização não-governamental Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS) e da Fundação O Boticário veiculadas na mídia desde o ano de Para tanto, será necessário o mapeamento dos canais e conteúdos, da estrutura de apoio à criação e à difusão e dos sistemas informais envolvidos. Através do levantamento e da análise crítica dessas campanhas, o trabalho visa avaliar, com base no referencial teórico científico, a efetividade comunicativa e educativa propostas pelas mesmas. Como o trabalho está em andamento, a comunicação que propomos mostrará o desenvolvido da pesquisa até o momento, das leituras realizadas à pesquisa qualitativa que foi desenvolvida junto à comunidade acadêmica do UNICURITIBA com o intuito de levantar informações como: quais são as ong s ambientalistas locais que ela conhece, se há a lembrança de alguma campanha veiculada pelas ong s, se houve alguma mobilização ou participação em ações socioambientais motivada em função das campanhas e a percepção sobre as atividades comunicativas das ong s, assim como as perspectivas teórico-metodológicas que direcionam a finalização do estudo. Eixo temático Comunicação e Sociedade SACERDOTES DA VIOLÊNCIA. ANÁLISE DO PAPEL DA MÍDIA NO CASO ENVOLVENDO OS DOMINICANOS, CARLOS MARIGHELA E OS GRUPOS ARMADOS DE OPOSIÇÃO À DITADURA MILITAR Gisele PASSAÚRA 7 7 Acadêmica do curso de Relações Internacionais no UNICURITIBA. Bolsista do Programa de Iniciação Científica do UNICURITIBA -

19 Johane Rinaldi de OLIVEIRA 8 Marlus Vinicius FORIGO 9 O projeto Sacerdotes da violência. Análise do papel da mídia no caso envolvendo os dominicanos, Carlos Marighela e os grupos armados de oposição à ditadura militar tem como objetivo de estudo analisar as diferentes práticas discursivas: a jornalística-política da mídia impressa e a política-religiosa dos frades dominicanos, por ocasião da morte de Carlos Mariguela em Surge dessa diferença a problemática que norteou a construção deste projeto: explicar e revelar os alicerces destas duas práticas discursivas e refletir sobre a reconstituição da história a partir de fontes jornalísticas. O corpus discursivo se constitui de reportagens acerca do envolvimento dos frades dominicanos com a luta armada e que foram publicadas em diferentes veículos de comunicação impressa como os jornais Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, O Globo e as revistas Veja, Fatos e Fotos, Manchete e o Cruzeiro, além dos arquivos do DOPS no período de 1969 a Para proceder à abordagem das práticas discursivas se fez uso das contribuições teóricas de Michel Foucault e de outros autores que trabalharam a história com o discurso da imprensa. A partir de leituras realizadas foi possível realizar algumas conjecturas como a afirmação de a luta contra o regime militar transcendeu as fronteiras da luta armada e da repressão do Estado e adentrou o mundo simbólico onde a memória, o imaginário e o medo do diferente foram constantemente revisitados e acabaram por também deixar suas marcas nas enunciações da imprensa. A pesquisa se realiza em duas frentes de pesquisa: numa frente a orientanda Johane Rinaldi de Oliveira dedica seus estudos à reconstituição histórica da atuação do líder da ALN Carlos Mariguela e sua relação com 8 Acadêmica do curso de Relações Internacionais no UNICURITIBA - 9 Orientador do Grupo de Pesquisa Sacerdotes da violência. Análise do papel da mídia no caso envolvendo os dominicanos, Carlos Marighela e os grupos armados de oposição à ditadura militar. Professor dos cursos de Administração e Relações Internacionais no UNICURITIBA.

20 os frades dominicanos no contexto do regime militar. Noutra frente, a orientanda Gisele Passaúra se dedica a entender até que ponto se pode escrever a historia tendo como base o estudo de periódicos: se realmente são fiéis à realidade ou são um reflexo superestrutural? Se podem, a partir da contribuição teórica de Foucault, ser compreendidos como uma determinada formação discursiva? Por fim, é relevante destacar que apesar da pretensão de se trabalhar com a história oficial dos registros da repressão do regime militar, de também se trabalhar com as enunciações dos frades dominicanos, o trabalho fundamental será o de subtrair das páginas dos jornais e revistas da época as memórias de uma determinada discursividade. Eixo temático: Comunicação e Sociedade

21 IMPLICAÇÕES ÉTICAS DO DESENVOLVIMENTO DA CONSCIÊNCIA MORAL NA EDUCAÇÃO Milton MAYER 10 Nosso ponto de partida é a percepção de que o Brasil encontra-se mergulhado em uma inequívoca crise de valores éticos. Num mundo onde a economia e a política se processam globalizadamente, parece óbvio que todas as outras instâncias e segmentos da sociedade sofram as influências deste importante movimento social. O que interessa é discutir os resultados da globalização no campo dos valores. Nesse ambiente globalizado, novos personagens entram em cena, diferentes culturas passam a ser conhecidas, com perspectivas e visões de mundo próprias, dando origem a novas formas de comportamento. É possível observar a consolidação de Novos Paradigmas na sociedade, onde valores e regras de convivência humana são repropostos. A pergunta principal que qualquer pai de família e/ou escolas se fazem hoje é: como educar moralmente nossas crianças? Como preparar nossos filhos para viver de forma digna, honesta e responsável no mundo de hoje? Este texto, dirigido a professores, tem como objetivo oferecer subsídios que possam orientar seu trabalho educacional, cuja finalidade, entre outras, deve contemplar a formação ética das novas gerações. Para tanto, nossa reflexão terá dois momentos: 1) Principais tendências teóricas da educação moral; 2) Implicações ético-pedagógicas do comportamento do professor. O primeiro momento se fundamenta nos principais estudos contemporâneos que tiveram como objetivo desvelar a origem do juízo moral e formular os processos do desenvolvimento da educação moral. Trata-se, portanto, de oferecer subsídios, de cunho filosófico e psicológico, que visam fundamentar a prática didático-pedagógica dos educadores na sua tarefa de educar moralmente. O segundo momento procura trabalhar numa perspectiva predominantemente prática, oferecendo elementos que possam orientar o professor a exercer didaticamente sua função de educador moral. 10 Professor, membro do Núcleo de Apoio Pedagógico (NAP) e Pesquisador Institucional do UNICURITIBA -

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/ Email: carlabrazevangelista@gmail.com) Indiara Carvalho dos Santos Platel (NEPB-UFPB/ Email: indiaracs@hotmail.com)

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO Projeto de Pesquisa Individual Prof. FREDERICO VIEGAS DIREITO CIVIL- CONSTITUCIONAL

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Extensão universitária. Direitos sociais. Cidadania.

PALAVRAS-CHAVE Extensão universitária. Direitos sociais. Cidadania. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP)

ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP) ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP) OBRIGATÓRIAS (6 disciplinas de 60 h cada = 360 h) Estado, Sociedade e Administração Pública O Estado, elementos constitutivos, características

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Pós-graduação em Gestão das Minorias

Pós-graduação em Gestão das Minorias 1 Ascensão Acadêmica Pós-Graduação alavanca sucesso na carreira profissional Pesquisa coordenada pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2010, indica que as pessoas que não

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ATENDIMENTO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES USUÁRIOS DE DROGAS ENCAMINHAMENTOS DECORRENTES DE SEMINÁRIO ORGANIZADO PELA COORDENADORIA DA INFÂNCIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

I. Apresentação Geral... 3

I. Apresentação Geral... 3 Programa de Pós- Graduação Lato Sensu Especialização em Direito Constitucional Entrada: 2011 1º Semestre Índice I. Apresentação Geral... 3 II. Especialização em Direito Constitucional... 4 1. Plano de

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE.

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. ANA LÚCIA ARAÚJO DE SOUZA RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais