Conflitos da vida moderna: ética, comunicação e crise

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conflitos da vida moderna: ética, comunicação e crise"

Transcrição

1 Artigo Revista Eletrônica do Programa de Pós-graduação da Faculdade Cásper Líbero Conflitos da vida moderna: ética, comunicação e crise Patrícia Brito Teixeira * Resumo Palavras-chave Ética, moral, jornalismo, crise. Volume 2, número 1 - Junho 2010 Este artigo pretende discutir os fundamentos da ética e as práticas morais associadas à comunicação. Em primeiro lugar, serão apresentadas algumas noções fundamentais de ética e moral, de modo a deixar claros alguns pontos de distinção entre ambas. Em um segundo momento, essas noções serão contextualizadas no âmbito da comunicação, conferindo destaque às normas e princípios que guiam a deontologia do jornalismo. Na parte final do texto, discute-se os problemas decorrentes da ausência de atitudes éticas dos veículos de comunicação, o que pode alavancar ou desencadear graves crises, em especial para grandes corporações. Abstract This article discusses the fundamentals of ethics and moral practices associated with communication. First od all, we will present some fundamental notions of ethics and morality, in order to make clear some points of distinction between them. In a second step, these concepts are contextualized within the framework of communication, with emphasis on rules and principles that guide the ethics of journalism. At the end of the text discusses the problems caused by the absence of ethical attitudes of the media, which can leverage or trigger severe crises, particularly for biggest corporations. Keywords Ethical, moral, journalism, crisis. *Mestranda em Comunicação pela Fundação Cásper Líbero, Comunicação na Contemporaneidade, Tecnologia e Mercado

2 Ética e moral: algumas definições gerais 2 De modo geral, os conceitos de ética e moral, quando referidos aos modos e costumes que definem como os indivíduos se comportam em sociedade, são frequentemente tomados como sinônimos. Contudo, como destacam Sung e Silva (1995), as diferenças entre essas noções podem ser evidenciadas desde a própria etimologia das palavras moral e ética. O significado de moral vem do latim: (mores) e refere-se à maneira de se comportar regulada pelo uso. Em outras palavras, a moral é um conjunto de regras de conduta criadas em uma determinada época, ou por algum grupo de homens, ou comunidade. De acordo com Aranha e Martins (1993), a moral tenta adequar e submeter o indivíduo ao grupo social ao qual ele pertence e, sendo assim, uma pessoa moral é aquela que age seguindo as regras estabelecidas por uma determinada comunidade. Isto significa que o que pode ser imoral para um grupo, pode não ser para outro. A moral foi, então, criada para garantir a sobrevivência de grupos ou comunidades, permitindo que o convívio coletivo seja baseado em regras capazes de organizar as relações entre os indivíduos. O cumprimento de tais regras morais pode ser assegurado por critérios pessoais ou coletivos. Coletivos quando existe uma pressão por parte da sociedade para o cumprimento da regras, sob pena de castigo ou punição com a expulsão da comunidade, ou até mesmo com a morte, dependendo da gravidade da falta. (Sung e Silva, 2004: 44) A moral apresenta-se sob a forma de um conjunto de valores morais que norteiam atitudes, comportamentos, hábitos, ações e pensamentos herdados pelos seres humanos de geração em geração. (Aranha e Martins, 1993). Ao mesmo tempo em que é um conjunto de regras que determina como deve ser o comportamento dos indivíduos do grupo, a moral é também baseda na livre aceitação das normas. Segundo Furrow, um ato só é propriamente moral se passar pelo crivo da aceitação coletiva de uma norma. Para ele, agir moralmente implica a habilidade de tomar as própias decisões, agir de acordo com elas e justificá-las mediante questionamento. Se nossas decisões não fossem livres, mas nos fossem impostas, não seríamos moralmente responsáveis por elas (2007: 29). Da mesma forma, Vázquez salienta que: Uma sociedade é tanto mais rica moralmente quanto mais possibilidades oferece a seus membros de assumirem a responsabilidade coletiva ou pessoal de seus atos; isto é, quanto mais ampla for a margem proporcionada para aceitar consciente e livremente as normas que regulam as suas relações com os demais (Vázquez, 2001: 58). A norma somente tem sentido se orientada para a prática. Comtempo Vol.2, n. 1 - Junho 2010

3 3 O foco do raciocínio moral não é simplesmente agir corretamente, mas viver através do dilema com a preocupação moral. Esta última envolve a apreciação de certos aspectos da situação. Ela requer sensibilidade para ver as pessoas como criaturas moralmente importantes que, às vezes, merecem estima, compaixão e apoio, e que experimentam vergonha, culpa, vulnerabilidade e desespero. Ela requer o entendimento de nossas emoções e compromissos, de um modo que revela sua importãncia moral e que é responsivo ao valor dos outros. Essa apreciação, sensibilidade, entendimento e responsividade não são só meros meios de se fazer a coisa certa. Ao invés disso, eles constituem nosso caráter a substância moral de quem somos e de como nos relacionamos com os outros (Martin, 1989: 5). Por sua vez, a palavra ética vem do grego ethos, que por também significar costume, leva à confusão com o termo moral. Na verdade, a ética é a parte da filosofia que se ocupa da reflexão a respeito das noções e princípios que fundamentam a vida moral. O conceito de ética é usado para se referir à teoria sobre a prática moral. Ética seria então uma reflexão teórica que analisa e critica ou legitima os fundamentos e princípios que regem um determinado sistema moral (Sung e Silva, 2004:13). Se as regras morais se alteram com o tempo, uma vez que são transmitidas e modificadas de geração para geração, o modo de julgá-las e de refletir sobre elas também se altera. Nas palavras de Vázquez: A ética, como qualquer teoria, é explicação daquilo que foi ou é, e não uma simples descrição. Não lhe cabe formular juízos de valor sobre a prática moral de outras sociedades, ou de outras épocas, em nome da moral absoluta e universal, mas deve explicar a razão de ser dessa pluralidade e das mudanças de moral, esclarecendo o fato de os homens terem recorrido a práticas morais diferentes e até opostas. (2001: 21) A ética permite o questionamento sobre as práticas, atitudes, regras e ações humanas. Para que isso seja possível, é necessário saber quais critérios serão utilizados para avaliação da ação humana. A função da moral é a obtenção do objetivo de normatizar as relações entre os seres humanos entre si, com a comunidade e com a natureza. Além disso, a ética exige mudança de atitude. O ser humano precisa se conscientizar de que suas atitudes repercutem na vida dos outros. Segundo Herrero: Pertencemos à uma comunidade ilimitada de comunicação: reconhecemos que todos nós, cada um conforme suas forças e competências, temos, em princípio, a obrigação moral de colaborar na realização dos processos de comunicação e cooperação política que possibilitam à humanidade assumir a responsabilidade solidária pelas consequências de suas atividades coletivas (2002: 76). A solução para ações individualistas estaria no debate construído com a participação de todos os grupos envolvidos. Isto exigiria a construção de uma ética com princípios, normas e valores aceitos coletivamente e válidos para todos. A contradição entre os princípios morais e as exigências da vida moderna pode levar as pes- Comtempo Vol.2, n. 1 - Junho 2010

4 4 soas a caminharem para a moral individualista, explicam Sung e Silva (2004: 47). Isso significa deixar de seguir a tradição, as normas, e escolher o que é melhor para si mesmo. As pessoas passam a ter atitudes egoístas, individualistas, sem pensar, nem pesar, suas conseqüências diante o outro. Este pensamento é típico da sociedade capitalista, na qual a concorrência está fortemente acirrada e pisar no outro para crescer, ou subir da vida, é aceitável. Ao aplicar a moral do capitalismo, as pessoas mais tradicionais tendem a dizer que os valores foram perdidos com o passar do tempo. Nesse sentido, pode-se dizer que a moral está em crise, que não se existe respeito como antigamente. Há a forte percepção de que os valores estão ai, mas perderam sua força por conta dos interesses pessoais e imediatistas. O problema do emprego da moral individualista é que ela conduz à seguinte questão: como viver em sociedade, em grupo, se todos aplicarem tal fórmula? Para viver em comunidade não é necessário abrir mão dos interesses pessoais para que a vida em grupo seja minimamente digna. A criação das normas não pode ficar nas mãos de uma minoria que defenda somente seus interesses. A solução para isto é que os membros da comunidade participem na criação das normas. O ideal da participação e a busca de consenso formam a base para a aplicação da ética da responsabilidade. As questões éticas e morais nos processos de comunicação Para falar das questões éticas dos meios de comunicação, é necessário fazer uma reflexão acerca da evolução dos media, a dimensão que eles adquiriram na sociedade e a repercussão em torno do papel que eles desempenham na construção e manutenção das relações sociais. Também é importante apontar a transformação das estruturas culturais em torno da sociedade, salientando a pluralidade dos estilos de vida e a necessidade de respeito às diferenças. Esteves (2003) chama atenção sobre a imagem construída sobre a discussão ética e moral da comunicação em torno dos media. Para ele, uma discussão a respeito da ética e da moral no âmbito dos processos de comunicação não deve perder de vista o universo mais amplo da comunicação aquilo que envolve e funda os próprios media, sempre, numa perspectiva da comunicação pública como teia complexa de simbolicidade e discurso (2003: 146). Outro fator importante a destacar no âmbito do entrelaçamento da comunicação pública e dos processos ético-morais é a evolução dos dispositivos tecnológicos que afetam diretamente os medias e desencadeiam novos questionamentos acerca dos princípios normativos a serem seguidos. Como limitar os usos e seus impactos? A comunicação pública baseada nos media modernos atinge uma circulação cada vez mais generalizada, resultado do tipo de suportes tecnológicos utilizados, o que torna praticamente ilimitadas as possibilidades de extensão no tempo e nos espaços das Comtempo Vol.2, n. 1 - Junho 2010

5 5 formas simbólicas. (Esteves, 2003: 152) Esteves aponta ainda uma contradição central no entendimento do papel dos meios de comunicação nas sociedades atuais. Se, de um lado, a mídia pode ser concebida como empresa voltada para o aprimoramento da técnica e para a expensão de seus negócios, de outro ela amplia o espaço público, pois além de reproduzirem e disseminarem valores morais, os medias transformam-se em espaços de entrecruzamento de perspectivas, contribuindo na criação de um amplo espaço de argumentação. Assim, a mídia pode mobilizar as pessoas para participarem de debates ao ampliar a visibilidade e a repercussão dos fatos. É ela quem indica, seguindo alguns padrões de destaque e enquadramento, os fatos que a população comentará nos espaços de conversação do cotidiano, nas rodas de amigos, com colegas de trabalho e entre a família. A mídia é, ao mesmo tempo, um ator estratégico, e um espaço de deliberação, de argumentação no qual diferentes atores negociam seus pontos de vista com o intuito de melhor entender e solucionar uma questão de interesse coletivo. Códigos deontológicos no jornalismo Para Esteves (2003), os princípios que regem a atividade jornalística muito se aproximam do ideal de um projeto democrático de sociedade. Contudo, o conjunto de códigos que embasam a atividade jornalística não pode ser confundido com a crença de que os profissionais da mídia podem condicionar o modo de funcionamento dos meios de comunicação. Há uma intenção de projetar os media como esteios da democracia, tendo por base a função informativa e um conjunto de valores nucleares do jornalismo: verdade, objectividade, neutralidade distanciamento, imparcialidade, etc.. O aspecto ilusório, desta deontologia e que acaba por lhe conferir um caráter irredutível de ideologia é a crença (explícita ou pressuposta) de que os profissionais (os jornalistas em primeiro lugar) têm a possibilidade de condicionar de forma decisiva (impor) o funcionamento democrático dos media, só por si e sem qualquer mudança estrutural mais profunda ao nível dos próprios media ou da sociedade no seu conjunto. (Esteves, 2003: 149). Caio Túlio Costa (2009) aponta nos veículos de comunicação (jornal, revista, rádio, televisão ou internet), de falta de ética no exercício da profissão. Ele aponta as acusações contra a imprensa norte-americana, reunidas por Niceto Blasques em seu livro Ética e meios de comunicação. Tais acusações foram feitas à imprensa norte-americana na primeira metade do século XX, pelo jornalista Carl W. Ackerman, diretor de jornalismos da Universidade de Columbia: As normas reguladoras do jornalismo são estabelecidas em função das tiragens de jornais, revistas, ou das audiências em televisão e internet; os veículos oferecem ao público o que eles acham que o público pede e não aquilo que ele necessita; a imprensa viola os direitos Comtempo Vol.2, n. 1 - Junho 2010

6 6 individuais e a intimidade; em termos de negócio, a notícia é proporcional e não informativa; o valor das notícias é superficial e trivial; os repórteres em geral são inexatos quando oferecem a informações baseadas em entrevistas; a imprensa está a serviço das minorias organizadas e apresenta criminosos como heróis; as manchetes não correspondem aos fatos; a imprensa está interessada principalmente nos acontecimentos de um dia para o outro e não oferece ao leitor um relato contínuo; a imprensa serve à maquina política; a imprensa não é sincera quando denuncia a injustiça dos tratamentos privilegiados, porque ela mesma tem os seus próprios interesses empresariais; o maior defeito da imprensa é a propriedade, e ela não pode ser imparcial e verdadeira do bem público; as notícias e as fotografias são muitas vezes falsas; muitos receiam expressar as suas verdadeiras opiniões; nos assuntos religiosos, a imprensa busca o sensacionalismo; a imprensa dá demasiada ênfase as declarações dos políticos. (Ackerman apud Costa, 2009: 229) Apesar de elas terem sido direcionadas aos jornais americanos, essas acusações podem se aplicar também aos demais veículos, e podem inclusive ser transpostas para o contexto no qual atuam as mídias brasileiras. Na mesma linha de raciocínio, Eugênio Bucci (2000) descreve os sete pecados capitais do jornalismo: distorção deliberada ou inadvertida; culto das falsas imagens; invasão de privacidade; assassinato e reputação super exploração do sexo; envenenamento das mentes de crianças; abuso de poder. No meio jornalístico, existem diferentes códigos deontológicos para jornalistas, oriundos de entidades classistas (sindicatos e federações), associações de meios de comunicação ou empresas jornalísticas. No Brasil, vários códigos deontológicos se dividem entre o mercado e as redações, o que impede que o jornalismo seja exercido livremente e aplicado de forma correta. No Brasil, existem diferentes códigos e eles se separam de acordo com a área de atuação jornal, revista, rádio e TV. O exercício da profissão é uma atividade de natureza social, a opinião veiculada deve ser vivida com responsabilidade. O jornalista é responsável e responde pela informação que divulga e tem, ou deveria ter como princípio o combate a corrupção, os demandos, a discriminação e as perseguições. Sua bússola é orientada pelo interesse público e avesso à censura ou a qualquer interrupção do fluxo informativo. Christofoletti (2008). Fazer com que se siga o código de ética é um dos desafios da classe dos jornalistas. Por ter sanções brandas, não ter uma comissão de ética efetiva e atuante, o Código de Ética dos jornalistas Brasileiros apresenta resistência na sua aceitação e consequentemente pouca eficiência da punição. Christofoletti (2008), Não se tem um estudo que comprove, mas o que se sabe é que os jornalistas seguem mais as recomendações éticas da empresa em que trabalham do que das entidades e órgãos de classe. É entendida que sugestões de conduta são entendidas como ordens do patrão. Christofoletti (2008) chama a atenção que, no jornalismo, ética não é etiqueta, não é bons modos. É necessário ter equilíbrio, bom senso e disposição para refletir sobre a própria conduta. Diante da situação correta, no momento da decisão, o jornalista terá de escolher o que fazer. O jor- Comtempo Vol.2, n. 1 - Junho 2010

7 7 nalista deverá analisar o que deve e como fazer, quem e quais as partes poderão ser prejudicadas, quais as melhores alternativas, os princípios e valores a aplicar. Seguindo este roteiro, o jornalista poderá caminhar pela trajetória da ética. Quando a falta de ética vira uma crise. Algumas considerações finais Com a chegada da internet, cada vez mais pessoas estão conectadas e realizando suas atividades online. Do carro, do ônibus, metrô, do aeroporto, as pessoas estão vendo notícias, e postando sobre o que está acontecendo. Com base no jornalismo atual, o tempo entre o acontecimento, a produção e a distribuição da notícia é cada vez mais curto. Há uma disputa entre quem dará a notícia mais rápida: site, portais, TV ou rádio? Ao mesmo tempo em que a internet e as facilidades da tecnologia da informação trazem grandes benefícios ao jornalismo, a web também se tornou um grande palco e um potencializador de atitudes antiéticas. Na internet, é possível buscar conhecimento graças aos buscadores de informações, também possibilita disseminar boatos, mentiras ou ajuda a distribuir reportagens inventadas ou não bem-apuradas. Diante disto, pesquisadores, jornalistas e a própria sociedade passam a discutir a ética e princípios como a verdade, a confiabilidade, a qualidade da informação e a credibilidade da fonte. A forma de produção de notícia mudou. Agora, os jornalistas precisam ser mais ágeis, eficientes e competentes, ou alguma etapa da produção da notícia será excluída do processo de produção. Quando não se consegue a qualidade pretendida, a pauta ou a apuração será prejudicada. A matéria pode sair pela metade, ou os dados aparecem incorretos ou incompletos. Geralmente, as primeiras notícias de um desastre, por exemplo, são perdidas pela falta informações, o que pode gerar uma crise muito maior (Christofoletti. 2008). Por que gera-se uma crise? Jornalistas sem informações exatas colocam num site uma notícia a respeito da qual não têm certeza. Num acidente aéreo, ou um desastre de qualquer natureza, existem vidas envolvidas, existe famílias e amigos esperando por respostas exatas. Um erro no número de mortos pode acarretar dores e desesperanças. Qual é a solução? Buscar o furo ou ser cauteloso, dar a notícia certa e chegar depois? No caso do acidente da TAM, em 2007, assim como indicou Christofoletti (2008), foi um exemplo de imprudência e falta de ética do jornalismo. Um avião cai na região de Congonhas, sem informações verídicas, jornalistas baseiam-se em fonte que também não possuíam informações certas. Começaram a trabalhar com suposições. Em poucos minutos, três portais tinham dado informações completamente diferente um do outro. Somente depois do posicionamento da companhia aérea e que se começou a falar do número de mortos. A partir daí, os jornalistas começaram a corrigir suas matérias no ar. Na ânsia de dar notícias quase que instantâneas, os três sites ofereceram conteúdos compro- Comtempo Vol.2, n. 1 - Junho 2010

8 8 metedores. Antes da publicação faltou a checagem, típica e importante no jornalismo. Não adianta chegar antes da concorrência se a matéria estiver cheia de erros. Outro recurso tecnológico forte usado atualmente no jornalismo é a fotografia digital, que também pode gerar uma crise no jornalismo e em pessoas envolvidas. Para ganhar uma foto única, é permitido adulterar uma foto? Modificar a realidade unindo cenas? Mesmo com a chegada de tecnologia, onde tudo é possível, manipular a opinião pública é antiético. (Costa, 2009). Outra razão de crise no universo do jornalismo atual, envolve a internet, onde qualquer pode agir como um repórter. Basta um pequeno relato, uma foto de câmera digital para contar uma informação. Podemos chamar isto de jornalismo? Existe uma briga intensa em relação ao tema. Podese chamar de jornalismo cidadão, uma situação em que as pessoas relatam o que acontecem no seu bairro ou na região que vivem. É o tipo de noticiário local que possibilita a participação do público. Sob esta ótica, o jornalismo colaborativo, como aponta Christofoletti (2008), é muito bem-vindo uma vez que ajuda na composição dos fatos. Mas jornalismo continua exigindo responsabilidade, ética e o comprometimento com a credibilidade. Ética na comunicação e a relação com o mundo corporativo No que tange o mundo corporativo, Carvas Junior (2006) destaca que as empresas devem observar a evolução da comunicação em especial no que diz respeito à velocidade dos fatos. É inegável a velocidade com que as informações trafegam, tanto por canais formais quanto informais. Especialmente quando se trata de temas polêmicos ou negativos. Nenhuma empresa que valoriza sua marca e respeita seus stakeholders pode negligenciar esse fato. A rapidez e a consistência de sua resposta têm de estar em total sintonia com esta rapidez da informação. Qualquer segundo perdido sem que se consiga demonstrar perante a opinião pública um comportamento sério, responsável e efetivo pode significar o comprometimento, às vezes irreversível, da imagem da empresa, e consequentemente, causa um impacto negativo em seu negócio. (Carvas Junior, 2006: 42). A falta de ética na comunicação e a evolução dos meios tecnológicos, a qual exige agilidade das informações, são desencadeadores de crises de imagem e reputação. Sendo assim, pode-se afirmar que a velocidade da informação e as notícias mal apuradas são riscos para um negócio de uma corporação. Por outro lado, é com ética e transparência que uma crise é amenizada. Marconi (2000) aponta em seus estudos de crises corporativas que a ética, a honra e a integridade são as bases de formação de reputação e estas geraram negócios, os quais criaram empresas e carreiras. A ética no departamento de marketing é um reflexo da ética na cúpula e em todos os outros níveis da administração de uma empresa. Uma companhia, produto, serviço ou pessoa considerada ética é respeitada por todos. A inter-relação entre honestidade, integridade, produtos e serviços de qualidade, respeito aos consumidores e um perfil digno conquista a confiança. Se a maneira que Comtempo Vol.2, n. 1 - Junho 2010

9 9 você escolheu para se tonar mais conhecido for por meio de uma presença ética, com alta divulgação, você criará e solidificará uma boa reputação. Essa reputação vale mais do que ouro nos bons momentos, mas muito especialmente nos momento de crise. (Marconi, 2000: 92) Com toda essa análise sobre ética no exercer da profissão da comunicação, percebe-se que a falta de ética se tornou um dos grandes riscos para as corporações. Para fazer com que os códigos de ética passem a vigorar com mais eficácia nas corporações e mesmo entre profissionais, é preciso fazer com que eles sejam constantemente discutidos, revistos e remodelados por todos aqueles que são diretamente ou indiretamente afetados por seus princípios. O diálogo e a transparência são a solução para a prevenção, para a solução e para a criação de uma ética da responsabilidade que considere o conjunto de pessoas e instituições envolvidas em problemas de dimensão coletiva. Bibliografia ARANHA, Maria Lucia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando, Introdução à Filosofia. 2º edição. São Paulo: Ed. Moderna, BUCCI, Eugênio. Sobre Ética e Imprensa. São Paulo: Companhia das Letras, CARVAS JUNIOR, Waldomiro. Relações Públicas no Gerenciamento de Crises. In. KUNSCH, Margarida Maria Krohling (Org.). Obtendo Resultados com Relações Públicas. São Paulo: Pioneira Thomson, COSTA, Caio Túlio. Ética, jornalismo e Nova mídia, uma moral provisória. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, CHRISTOFOLETTI, Rogério. Ética no Jornalismo. São Paulo: Contexto, 2008 ESTEVES, João Pissara. Espaço Público e Democracia. São Leopolso: Ed. Unisinos, FILHO, Clóvis de Barros. Ética na Comunicação; atualização Sérgio Praça. 6ºedição, São Paulo: Summus, FURROW, Dwight. Ética: Conceitos-chave em Filosofia; Tradução Fernando José R. da Rocha. Porto Alegre: Artmed, HERRERO, Francisco Javier. Ética na construção da política. In: DOMINGUES, I.; MARGUTTI, P; DUARTE, R. (orgs.). Ética, Política e Cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2002, pp MARCONI, Joe. Marketing em Momentos de Crise. São Paulo: Makron Books, MARTIN, Mike. Everyday Morality: an introduction to applied ethics. California: Wadsworth Publishing Company, 1989, pp SUNG, Jung Mo; SILVA, José Cândido. Conversando sobre ética e Sociedade. Petropólis, RJ: Vozes, 1995 VÁZQUEZ, Adolfo. Ética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Comtempo Vol.2, n. 1 - Junho 2010

10 Expediente CoMtempo São Paulo, volume 2, número 1, jun.2010/nov.2010 A revista CoMtempo é uma publicação científica semestral em formato eletrônico do Programa de Pós-graduação em Comunicação Social da Faculdade Cásper Líbero. Lançada em novembro de 2009, tem como principal finalidade divulgar a produção acadêmica inédita dos mestrandos e recém mestres de todos os Programas de Pós-graduação em Comunicação do Brasil. Presidente da Fundação Cásper Líbero Paulo Camarda Diretora da Faculdade Cásper Líbero Tereza Cristina Vitali Vice-Diretor da Faculdade Cásper Líbero Welington Andrade Coordenador da Pós-Graduação Dimas Antônio Künsch Editor Walter Teixeira Lima Junior Comissão Editorial Ângela Cristina Salgueiro Marques (Faculdade Cásper Líbero) * Carlos Costa (Faculdade Cásper Líbero) Luis Mauro de Sá Martino (Faculdade Cásper Líbero) * Maria Goreti Frizzarini (Faculdade Cásper Líbero) Liráucio Girardi Junior (Faculdade Cásper Líbero) * Walter Teixeira Lima Júnior (Faculdade Cásper Líbero) Conselho Editorial Angela Cristina Salgueiro Marques (Faculdade Cásper Líbero) * Antonio Roberto Chiachiri (Faculdade Cásper Líbero) * Carlos Gerbase (Pontíficia Universidade Católica/RS) * Carlos Roberto da Costa (Faculdade Cásper Líbero) * Dimas Antônio Künsch (Faculdade Cásper Líbero) * Dulcilia Helena Schroeder Buitoni (Faculdade Cásper Líbero) * Gilson Schwartz (Universidade de São Paulo) * Heloiza Helena Gomes de Matos (Faculdade Cásper Líbero) * José Augusto Dias Júnior (Faculdade Cásper Líbero) * José Eugenio de Oliveira Menezes (Faculdade Cásper Líbero) * Liráucio Girardi Jr.(Faculdade Cásper Líbero) * Luis Mauro Sá Martino (Faculdade Cásper Líbero) * Maria Goreti Juvencio Sobrinho Frizzarini (Faculdade Cásper Líbero) * Patrícia Bandeira de Melo (Fundação Joaquim Nabuco) * Roberto Reis de Oliveira (Unimar) * Sílvio Henrique Vieira Barbosa (Faculdade Cásper Líbero) * Sonia Castino (Faculdade Cásper Líbero) * Walter Teixeira Lima Junior (Faculdade Cásper Líbero) Assistente Editorial Paulo Lutero * Tel. (11) * Projeto Gráfico e Logotipo Danilo Braga * Marcelo Rodrigues Revisão de textos Ângela Cristina Salgueiro Marques * Walter Teixeira Lima Junior Editoração eletrônica Walter Teixeira Lima Junior Correspondência Faculdade Cásper Líbero Pós-graduação Av. Paulista, 900 5º andar São Paulo (SP) Brasil Tel.: (11) Comtempo Volume 2, número 1 - Junho 2010

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL. Silmara de Fátima Narciso Brancalhão

A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL. Silmara de Fátima Narciso Brancalhão A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL Resumo Silmara de Fátima Narciso Brancalhão Esse artigo problematiza a importância da escolha das estratégias a serem

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Capítulo I - Do direito à informação Art. 1º O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros tem como base o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

C Da Nome D Empr PRO idade epar ta esa tamen T OC to OL O DE ENTRE GA Estado RG A C ssina ar go tur a CÓDIGO DE ÉTICA

C Da Nome D Empr PRO idade epar ta esa tamen T OC to OL O DE ENTRE GA Estado RG A C ssina ar go tur a CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA Prezados, O Código de Ética apresenta os princípios éticos que devem orientar as decisões e a conduta dos funcionários do Ultra e parceiros da companhia. Além de expressar os compromissos

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista.

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista. PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009. (Do Sr. Dep. Paulo Pimenta e outros) Altera dispositivos da Constituição Federal para estabelecer a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Direito de Resposta Infraero x Jornais Impressos 1

Direito de Resposta Infraero x Jornais Impressos 1 Direito de Resposta Infraero x Jornais Impressos 1 Adriana Mesquita do Nascimento 2 Vaneska Freire Marques 3 Mariella Silva de Oliveira Costa 4 Faculdade Anhanguera de Brasília, DF RESUMO O artigo analisa

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social CÓDIGO DE ÉTICA PSS Índice Página 1. Apresentação 2 2. Introdução 3 3. Objetivos Gerais 3 4. Integridades Profissional e Pessoal 4 5. Condutas Não Aceitáveis 5 6. Condutas Esperadas 6 7. Relações com os

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ÉTICA PROFISSIONAL

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ÉTICA PROFISSIONAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ÉTICA PROFISSIONAL Código: CTB-467 Pré-requisito: ----------.Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda TOMITA, Iris Y. mestre Unicentro - PR RESUMO A expansão dos cursos de Publicidade e Propaganda nos anos 1990 reflete um contexto histórico

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS ÍNDICE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa:

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa: 31 6 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Um dos principais objetivos da comunicação institucional é o estabelecimento de relações duradouras com os seus públicos. Isso é possível através de ações personalizadas

Leia mais

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Maicon Ferreira de SOUZA 3 Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel, PR. RESUMO O presente

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVI Prêmio Expocom 2009 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVI Prêmio Expocom 2009 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Jornal Laboratório Páginas Abertas - Produzido pela Central de Produções Jornalísticas (CPJ), do Curso de Jornalismo do Centro Universitário Newton Paiva 1. Uma Parceria com o Pré-Vestibular Lima Barreto

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

Projeto de Assessoria de Imprensa 1 Transportadora Americana

Projeto de Assessoria de Imprensa 1 Transportadora Americana Projeto de Assessoria de Imprensa 1 Transportadora Americana Ana Carla CANDIDO 2 Gabriela Almeida MINGHINI 3 Maria Juliana Gomes de OLIVEIRA 4 Renata Andrade de RAMOS 5 Marcel José CHEIDA 6 Pontifícia

Leia mais

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente.

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Introdução. Jornal é o meio de comunicação de maior credibilidade. Por isso,

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 18

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 18 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 18 Índice 1. Conclusão...3 2. Referências bibliográficas...5 2 1. CONCLUSÃO A importância da ética para o contador é muito grande, pois ele gere o patrimônio de outros,

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Ética e responsabilidade social: discussões sobre as práticas nas empresas, relacionadas ao uso da tecnologia de informação 1

Ética e responsabilidade social: discussões sobre as práticas nas empresas, relacionadas ao uso da tecnologia de informação 1 Ética e responsabilidade social: discussões sobre as práticas nas empresas, relacionadas ao uso da tecnologia de informação 1 Lílian Viana Teixeira Cananéa 2 Guilherme Ataíde Dias 3 Resumo As Tecnologias

Leia mais

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Com DANILO CUNHA Ética A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Conceito Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível

Leia mais

A quem se destina: empresas, ONGs e instituições, personalidades, lideranças, profissionais liberais, CEOs e executivos.

A quem se destina: empresas, ONGs e instituições, personalidades, lideranças, profissionais liberais, CEOs e executivos. 1 REPUTAÇÃO DIGITAL Na era da informação digital, sua reputação não é construída apenas e partir das informações que você disponibiliza. Blogueiros, ativistas, funcionários, clientes e outras pessoas participam

Leia mais

Princípios de Conduta e Ética

Princípios de Conduta e Ética Princípios de Conduta e Ética Índice 2 Visão, Missão e Valores da Alpargatas 4 Apresentação 6 O que são princípios éticos A quem eles se aplicam O Comitê de Ética da Alpargatas 8 Compromisso com nosso

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 1 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras-chave: Gestão democrática; espaços escolares; organizações. 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

ASSUNTO. em pauta. 52 setembro / outubro de. Hemera Technologies

ASSUNTO. em pauta. 52 setembro / outubro de. Hemera Technologies ASSUNTO Hemera Technologies em pauta 52 R E V I S T A D A E S P M setembro / outubro de 2010 Repórteres e assessores de imprensa Dois profissionais norteados pela mesma matriz ideológica, o jornalismo,

Leia mais

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito Fabiana Ferraz Dias 1 Marcela Juliana.A. de Oliveira Marink Martins de Souza Vagliano Ralphe Vinicius Pereira dos Santos Resumo: Diante do

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014.

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. Aprova o Guia para o Relacionamento com a Imprensa do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

Código de Ética. Rio Bravo Investimentos

Código de Ética. Rio Bravo Investimentos Código de Ética Rio Bravo Investimentos Sumário Palavra do CEO 5 i. Do Código de Ética 10 ii. Visão Geral 14 iii. Filosofia Corporativa 16 iv. Valores 20 v. Do Relacionamento Interno, Externo e Políticas

Leia mais

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR Oeiras, Agosto de 2010 Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Regulamento interno de ética e boas práticas Introdução O presente regulamento de ética e deontologia elaborado

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Índice CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL 3 5 6 7 INTRODUÇÃO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS RELACIONAMENTOS CONSELHO DE ÉTICA SANÇÕES DISPOSIÇÕES FINAIS INTRODUÇÃO Considerando que a paz,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fabiane Silveira GOMES 2 Claudia Nociolini REBECHI 3 Universidade Metodista de São Paulo - UMESP, São Paulo, SP RESUMO Em posse de dados cruciais

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

- Coleção objethos de Códigos Deontológicos - ÁUSTRIA

- Coleção objethos de Códigos Deontológicos - ÁUSTRIA - Coleção objethos de Códigos Deontológicos - ÁUSTRIA CÓDIGO DE ÉTICA PARA A IMPRENSA AUSTRÍACA (Adotado pelo Conselho Austríaco de Imprensa em janeiro 1983) Tradução: Milena Lumini Prâmbulo Jornalismo

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

A missão da Itapoços é transformar, através da prestação de serviços de qualidade, água em prosperidade e desenvolvimento sustentável, contribuindo

A missão da Itapoços é transformar, através da prestação de serviços de qualidade, água em prosperidade e desenvolvimento sustentável, contribuindo ITAPOÇOS POÇOS ARTESIANOS DE ITABIRA NASCIMENTO LTDA Introdução A missão da Itapoços é transformar, através da prestação de serviços de qualidade, água em prosperidade e desenvolvimento sustentável, contribuindo

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA Código de 1. O CÓDIGO 1.1 PRINCÍPIOS ÉTICOS: 1.1.1. Os dirigentes e os empregados da Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE pautam suas ações no

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis A ÉTICA PROFISSIONAL EXERCIDA PELOS CONTADORES RESENHA LARISSA DE C. PAVÉGLIO RAQUEL F. SCHAEFER

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO Considerando a intensificação do relacionamento do profissional na área da segurança do trabalho, sendo imperativo para a disciplina profissional,

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Conselho de Arbitragem RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Abril /2013 1 / 4 1. INTRODUÇÃO O Futebol evolui consideravelmente nos últimos anos e a competitividade

Leia mais

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 Jeaine Cardoso Soares 2 Resumo Parafraseando a célebre indagação Shakespeariana: Ser ou não ser, eis a questão e aproveitando

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Por estar inserida em uma sociedade, a Interact Solutions preza por padrões de conduta ética em suas atividades, quando se relaciona com clientes, fornecedores, canais de distribuição,

Leia mais

CEC CÓDIGO DE ÉTICA DA CODEVASF

CEC CÓDIGO DE ÉTICA DA CODEVASF CEC CÓDIGO DE ÉTICA DA CODEVASF SUMÁRIO CAPÍTULO I Objetivo...02 CAPÍTULO II Princípios Gerais...02 CAPÍTULO III Deveres...02 CAPÍTULO IV Diretrizes com Relação aos Órgãos Públicos Competentes...04 CAPÍTULO

Leia mais

Princípios éticos fundamentais da comunicação: Primazia da verdade sobre a mentira

Princípios éticos fundamentais da comunicação: Primazia da verdade sobre a mentira Ética da Comunicação Disciplina: Legislação e Ética da Comunicação Prof. Ms. Laércio Torres de Góes Ética da comunicação Os princípios éticos não mudam, mas sim as situações humanas que condicionam sua

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution GTI Solution Código de Ética: GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA 1. INTRODUÇÃO A GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Apresentação...4. Glossário...5. Princípios Éticos Suzano...6. Governança Corporativa...6. Integridade...7. Igualdade...9. Transparência...

Apresentação...4. Glossário...5. Princípios Éticos Suzano...6. Governança Corporativa...6. Integridade...7. Igualdade...9. Transparência... Índice Apresentação...4 Glossário...5 Princípios Éticos Suzano...6 Governança Corporativa...6 Integridade...7 Igualdade...9 Transparência...10 Desenvolvimento Sustentável...10 Valorização Profissional...11

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET 1 HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET Marlesson Castelo Branco do Rêgo IFPE Doutorando em Ciências Humanas pela UFSC Introdução Em 2004, o governo federal lançou

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Curso de Jornalismo CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Área 1 Jornalismo Especializado (1 vaga) Graduação Exigida: Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo Titulação mínima exigida:

Leia mais

PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012

PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012 PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012 FRAUDE Vantagem sobre outro por meio de sugestões falsas ou omissão da verdade COMPLIANCE Estar em conformidade e fazer

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

O IMPACTO SOCIAL DA INTERNET

O IMPACTO SOCIAL DA INTERNET O IMPACTO SOCIAL DA Miguel Gomes da Costa Junior Rede de milhões de computadores de todo o mundo interligados por linhas telefônicas, fibra ótica e satélites. Poderosa fonte de informação e comunicação

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Proposta de publicidade

Proposta de publicidade Proposta de publicidade Olá, prezado (a) Vimos por meio deste apresentar nosso Jornal e a nossa proposta de publicidade para seu negocio ou serviço, que segue-se adiante. Informação é fundamental nos dias

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 17/06/2015 17:31. Centro de Ciências Humanas e da Comunicação

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 17/06/2015 17:31. Centro de Ciências Humanas e da Comunicação 7/6/5 7: Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Curso: 85 Jornalismo (Matutino) Currículo: / COM..- Teorias da Comunicação I Ementa: Conceituação e objetivo da Comunicação Social. História da comunicação.

Leia mais

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br ÉTICA: A RESPONSABILIDADE SOCIAL DO OUVIDOR/OMBUDSMAN Rui Maldonado ABO/RJ aborj_ouvidores@yahoo.com.br Empresa Cidadã:

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re.

Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re. 1. Código de Ética 1.1. Introdução Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re. O IRB-Brasil Re valoriza a reflexão ética como forma de aprimorar comportamentos

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO)

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO) Código de Conduta Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global John Snyder Presidente e Diretor Executivo (CEO) Mike Janssen Diretor de Operações (COO) Stephan

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo. Um novo enfoque de RI para um novo mercado

Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo. Um novo enfoque de RI para um novo mercado + Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo Um novo enfoque de RI para um novo mercado + Menu Cenário Menu + + Cenário RI hoje: uma operação indiferenciada Comunicação muito limitada com foco quase

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais