- Aula CIRCUITOS COMBINACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Aula 7 - 1. CIRCUITOS COMBINACIONAIS"

Transcrição

1 - Aula 7-1. CIRCUITOS COMBINACIONAIS É através do estudo destes que poderemos compreender o funcionamento de circuitos, tais como: somadores, subtratores, codificadores, decodificadores e outros utilizados na construção de computadores. O circuito combinacional é aquele em que a saída depende única e exclusivamente das combinações entre as variáveis de entrada. A seqüência abaixo ilustra o processo a partir da situação até o circuito final. Situação Tabela Verdade Expressão Simplificada Circuito 1.1. Projeto de Circuitos Combinacionais A figura abaixo mostra o esquema geral de um circuito combinacional composto pelas variáveis de entrada, o circuito propriamente dito e suas saídas. Circuito Lógico O circuito pode possuir diversas variáveis de entrada e uma ou mais saídas conforme o caso do projeto Circuitos com 2 variáveis A figura abaixo representa o cruzamento das ruas A e B. Neste cruzamento queremos instalar um sistema automático para os semáforos, com as seguintes características: 1º - Quando houver carros transitando somente na rua B, o semáforo 2 deverá permanecer verde para que estas viaturas possam trafegar livremente. 1

2 2º - Quando houver carros transitando somente na rua A, o semáforo 1 deverá permanecer verde pelo mesmo motivo. 3º - Quando houver carros transitando nas ruas A e B, deveremos abrir o semáforo para a Rua A, pois é preferencial. Para solucionar este problema, podemos utilizar um circuito lógico. Para montarmos este circuito lógico, necessitamos e sua expressão, assim sendo é necessário obter a tabela verdade. Inicialmente, é necessário estabelecer as seguintes convenções: a) Existência de carro na rua A : A = 1; b) Não existência de carro na rua A A = 0 ou A = 1; c) Existência de carro na rua B B = 1; d) Não existência de carro na rua B B = 0 ou B = 1; e) Verde do sinal 1 aceso V 1 = 1 f) Verde do sinal 2 aceso V 2 = 1 g) Quando V 1 = 1 a. Vermelho do semáforo 1 apagado: Vm 1 = 0; b. Verde do semáforo 2 apagado: V 2 = 0; c. Vermelho do semáforo 2 aceso: Vm 2 = 1 h) Quando V 2 = 1 V 1 = 0, Vm 2 = 0 e Vm 1 = 1. Montando a tabela verdade Situação A B V 1 Vm 1 V 2 Vm

3 A situação 0 representa a ausência de veículos em ambas as ruas. Se não há veículos independe a cor do sinal. No entanto, adotamos que o verde do sinal permanece aceso; A situação 1 representa a presença de veículos na rua B e ausência de veículos na rua A, logo devemos acender o sinal verde para a rua B; A situação 2 representa a presença de veículo na rua A e ausência na rua B, logo, devemos acender o sinal verde para a rua A; A situação 3 representa a presença de veículos em ambas as ruas, logo, devemos acender o sinal verde para a rua A, pois esta é preferencial. Vamos transpor a tabela para os Mapas de Karnaugh e agrupar para obtermos as expressões simplificadas das saídas V 1, V 2, Vm 1 e Vm 2 : V 1 = A Vm 1 = A V 2 = A Vm 2 = A Pela tabela ou pelos diagramas, nota-se que as expressões de V 1 e Vm 2 são idênticas, o mesmo correndo com V 2 e Vm 1. Assim sendo, as expressões simplificadas são: V 1 = Vm 2 = A V 2 = Vm 1 = A 3

4 O circuito, a partir destas expressões ficaria assim: A V 1 Vm Circuitos com 3 variáveis V 2 Vm 1 Deseja-se utilizar um amplificador para ligar 3 aparelhos: - 01 toca-discos - 01 toca-fitas - Radio FM Definindo as prioridades: - 1ª Prioridade: Tica-Discos - 2ª Prioridade: Tica-Fitas - 3ª Prioridade: Rádio FM Quando não ligarmos nem o toca-discos, nem o toca-fitas, o rádio FM, se ligado, será conectado à entrada do amplificador. Se ligarmos o toca-fitas, automaticamente o circuito conectálo-á à entrada do amplificador, pois possui prioridade sobre o rádio FM. Se então, for ligado o toca-discos, este será conectado ao amplificador, pois representa a 1ª prioridade. Diagrama Toca-Discos Toca-Fitas Rádio FM S A CH 1 S B CH 2 S C CH 2 AMPLIFICADOR Neste projeto, o circuito lógico receberá as informações das variáveis de entrada A, B e C, representando os aparelhos, e através das saídas S A, S B, S C comutará as chaves CH 1, CH 2 e CH 3 para fazer a conexão conforme a situação requerida. 4

5 Convenções: Entrada: A, B e C 0 = Desligado 1 = Ligado Saída: S A, S B, S C S = 0 = Chave Aberta S = 1 = Chave Fechada Montando a Tabela Verdade Para preencher a Tabela Verdade é necessário analisar as oito situações possíveis: Caso 0: Os três estão desligados, logo a condição é irrelevante; Caso 1: Está ligado apenas o rádio FM, logo somente S C assume valor 1; Caso 2: Está ligado apenas o toca-fitas, logo somente S B assume valor 1; Caso 3: Estão ligados o rádio FM e o toca-fitas. O toca-fitas tem prioridade, logo somente S B assume o valor 1; Caso 4: Está ligado apenas o toca-discos, logo somente o S A assume o valor 1; Caso 5: Estão ligados o toca-discos e o rádio FM. O toca-discos tem prioridade, logo somente S A assume o valor 1; Caso 6: Análogo ao caso 5; Caso 7: Análogo aos casos 5 e 7. Situação A B C S A S B S B x x X Transpondo para os diagramas, temos: x x S A = A S B = A B 5

6 x S C = A B O circuito obtido a partir das expressões é o seguinte: A B S A S B S C Circuitos com 4 variáveis Vamos imaginar uma empresa que queira implantar um sistema de prioridade nos seus intercomunicadores, da seguinte maneira: 1ª Prioridade Presidente 2ª Prioridade Vice-Presidente 3ª Prioridade Engenharia 4ª Prioridade Chefe de seção Diagrama 6

7 Presidente Vice-Presid Engenharia Ch. Seção S A CH 1 S B CH 2 S C CH 3 S D CH 4 CENTRAL Primeiramente, deve-se estabelecer as variáveis de entrada e saída do circuito lógico e as convenções do projeto: Convenções: Entradas: Intercomunicador do presidente Intercomunicador do vice-presidente Intercomunicador da engenharia Intercomunicador do chefe de seção A B C D Presença de Chamada 1 Ausência de Chamada 0 Saídas: S A, S B, S C e S D Efetivação da chamada 1 Não efetivação da chamada 0 Montando a Tabela Verdade Situação A B C D S A S B S C S D 0 Não efetua Chamada Efetua chamada do Ch. Seção Efetua chamada da Engenharia Engenharia tem prioridade 4 Efetua chamada do vide-presid Vice-presid. tem prioridade Efetua chamada do presidente 7

8 Efetua chamada do presidente S A = A S B = A B S C = A B C S D = A B C D O circuito obtido a partir das expressões é o seguinte: A B C D S A S B S C S D 8

Eletrônica Digital. Mapa de Karnaugh

Eletrônica Digital. Mapa de Karnaugh UEM/CTC Departamento de Informática Curso: Ciência da Computação Professor: Flávio Rogério Uber Eletrônica Digital Mapa de Karnaugh Obs.: a elaboração deste material foi baseada no material do prof. Dr.

Leia mais

Eletrônica Digital. Projeto de Circuitos Combinacionais. Prof. Wanderley

Eletrônica Digital. Projeto de Circuitos Combinacionais. Prof. Wanderley Eletrônica igital Projeto de Circuitos Combinacionais Prof. Wanderley Introdução O circuito combinacional é aquele em que a saída depende única e exclusivamente das combinações entre as variáveis de entrada.

Leia mais

Eletrônica Digital I SUMÁRIO INTRODUÇÃO ELETRÔNICA DIGITAL

Eletrônica Digital I SUMÁRIO INTRODUÇÃO ELETRÔNICA DIGITAL SUMÁRIO INTRODUÇÃO ELETRÔNICA DIGITAL 1 SISTEMAS NUMÉRICOS 2 SISTEMA NUMÉRICO BINÁRIO 3 CONVERSÃO DO SISTEMA BINÁRIO PARA O SISTEMA DECIMAL 4 CONVERSÃO DO SISTEMA DECIMAL PARA O SISTEMA BINÁRIO 4 SISTEMA

Leia mais

1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS

1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Automação Predial e Industrial Professor: Ronimack Trajano 1 CIRCUITOS COMBINACIONAIS Um circuito digital é dito combinacional quando em um dado instante de tempo

Leia mais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Introdução. Códigos. Outros Códigos BCD de 4 Bits. Código BCD 8421. Circuitos Combinacionais.

Circuitos Digitais. Conteúdo. Introdução. Códigos. Outros Códigos BCD de 4 Bits. Código BCD 8421. Circuitos Combinacionais. iência da omputação ircuitos ombinacionais Parte II Prof. Sergio Ribeiro onteúdo Introdução ódigos inários ódigo Outros ódigos ódigo Excesso de ódigo Gray ódigos de bits ódigo odificadores e ecodificadores

Leia mais

Funções Lógicas e Portas Lógicas

Funções Lógicas e Portas Lógicas Funções Lógicas e Portas Lógicas Nesta apresentação será fornecida uma introdução ao sistema matemático de análise de circuitos lógicos, conhecido como Álgebra de oole Serão vistos os blocos básicos e

Leia mais

Eletrônica Digital. Projeto de Circuitos Combinacionais. Alex Vidigal Bastos

Eletrônica Digital. Projeto de Circuitos Combinacionais. Alex Vidigal Bastos Eletrônica Digital Projeto de Circuitos Combinacionais Alex Vidigal Bastos Introdução O circuito combinacional é aquele em que a saída depende única e exclusivamente das combinações entre as variáveis

Leia mais

Aula 8 Circuitos Integrados

Aula 8 Circuitos Integrados INTRODUÇÃO À ENGENHRI DE COMPUTÇÃO PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI ula Circuitos Integrados Introdução Portas Lógicas em Circuitos Integrados Implementação de Funções

Leia mais

Práticas de laboratório de Eletrônica Digital

Práticas de laboratório de Eletrônica Digital Universidade Federal de Uberlândia Práticas de laboratório de Eletrônica Digital Prof. Dr. Alan Petrônio Pinheiro Faculdade de Engenharia Elétrica Curso de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações (campus

Leia mais

1 Título. 2 Objetivos. 3 - Fundamentos Teóricos. Página 1 de 5 Universidade Federal de Juiz de Fora. Prática 1 Aplicações das Funções Lógicas

1 Título. 2 Objetivos. 3 - Fundamentos Teóricos. Página 1 de 5 Universidade Federal de Juiz de Fora. Prática 1 Aplicações das Funções Lógicas Página 1 de 5 1 Título Prática 1 Aplicações das Funções Lógicas 2 Objetivos Identificação do encapsulamento dos Circuitos Integrados (CIs) que serão utilizados no decorrer das aulas práticas, interpretação

Leia mais

Álgebra de Boole e Teorema de De Morgan Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Álgebra de Boole e Teorema de De Morgan Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Álgebra de Boole e Teorema de De Morgan Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Álgebra de Boole A Álgebra de Boole é empregada no projeto de circuitos digitais, para: análise - é um

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

Técnicas Digitais. Saul Azzolin Bonaldo

Técnicas Digitais. Saul Azzolin Bonaldo Técnicas Digitais Saul Azzolin Bonaldo Santa Maria - RS 2011 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Colégio Técnico Industrial de Santa

Leia mais

Circuitos Digitais. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica. São Paulo 2014. Prof. José dos Santos Garcia Neto

Circuitos Digitais. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica. São Paulo 2014. Prof. José dos Santos Garcia Neto Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Circuitos Digitais Prof. José dos Santos Garcia Neto São Paulo 2014 Prof. José dos Santos Garcia Neto 1 Introdução Esta apostila tem como objetivo

Leia mais

Circuitos combinacionais

Circuitos combinacionais Eletrônica digital I Circuitos combinacionais Slide 4 Nielsen C. Damasceno Circuitos combinacionais É aquele que executa uma expressão booleana através da interligação de várias portas lógicas existentes,

Leia mais

Circuitos Digitais 1

Circuitos Digitais 1 UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO CAMPUS DE SOROCABA Circuitos Digitais 1 - Prática de Laboratório - Simulação de decodificador para display de 7 segmentos Prof Dr

Leia mais

Introdução. de Eletrônica Digital (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. Carga Horária: 60 horas

Introdução. de Eletrônica Digital (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. Carga Horária: 60 horas Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Conceitos Básicos B de Eletrônica Digital (Parte II) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo

Leia mais

Exercícios de Eletrônica Digital Instrutor Gabriel Vinicios Tecnologia Eletrônica II - Tarde

Exercícios de Eletrônica Digital Instrutor Gabriel Vinicios Tecnologia Eletrônica II - Tarde Exercícios de Eletrônica Digital Instrutor Gabriel Vinicios Tecnologia Eletrônica II - Tarde 1.0 - Projeto de ircuitos ombinacionais 1.1 Três botões controlam três motores de potências diferentes. O botão

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 8 - Antes de começar o estudo sobre decodificadores, o que é bastante semelhante ao que já vimos anteriormente é necessário relembrarmos alguns conceitos sobre códigos binários. 1. Códigos Binários

Leia mais

Testador de cabos de rede

Testador de cabos de rede Testador de cabos de rede Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram neste manual: detalhes

Leia mais

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações.

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações. Parte 4 - Técnicas de programação (Lógica simples) INTRODUÇÃO Programar em ladder é muito simples, desde que ele tenha uma estrutura sob a qual o programa deve ser desenvolvido, ou seja, se deve ter um

Leia mais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Circuitos Combinacionais. Esquema Geral de um Circuito Combinacional. Circuitos Lógicos Combinacionais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Circuitos Combinacionais. Esquema Geral de um Circuito Combinacional. Circuitos Lógicos Combinacionais Ciência da Computação Circuitos Combinacionais Parte I Prof. Sergio Ribeiro Conteúdo Circuitos Combinacionais Esquema de um Circuito Combinacional com Variáveis com Variáveis Circuitos Integrados Resumo

Leia mais

CAPÍTULO II. Funções e Portas Lógicas

CAPÍTULO II. Funções e Portas Lógicas UNIVERIDDE FEDERL DE UERLÂNDI FCULDDE DE ENGENHRI ELÉTRIC postila de Eletrônica Digital CPÍTULO II Funções e Portas Lógicas 2.1 Introdução Em 1854 o matemático inglês George oole apresentou um sistema

Leia mais

Projeto de Máquinas de Estado

Projeto de Máquinas de Estado Projeto de Máquinas de Estado Organizado por Rodrigo Hausen. Original de Thomas L. Floyd. Versão 0: 15 de março de 2013 http://compscinet.org/circuitos Resumo Grande parte deste texto, exemplos e estrutura

Leia mais

Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex

Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex Murilo Soares Pereira, RA: 298468 Pedro Henrique de Freitas, RA: 321443 Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex Prof. Takashi Utsonomiya Universidade Federal de São Carlos São Carlos - SP Sumário

Leia mais

Técnicas Digitais TDI

Técnicas Digitais TDI Educação Profissional Técnica Mecatrônica Técnicas Digitais TDI 2 o semestral SENAI-SP, 2 Trabalho adaptado pela Faculdade SENAI de Tecnologia Mecatrônica e Gerência de Educação Diretoria Técnica Walter

Leia mais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais Circuitos Combinacionais Sistemas digitais Agenda } Codificador X Decodificador } Código BCD 8421, código BCH, código 9876543210 } Display de 7 segmentos } Multiplexador X Demultiplexador } Comparadores

Leia mais

Modelagem de Circuitos Digitais

Modelagem de Circuitos Digitais 1 Modelagem de Circuitos Digitais Para modelar um circuito digital para realizar uma determinada operação: Analisar problema Identificar sinais de entrada do circuito Identificar sinais de saída do circuito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INF01118 - Técnicas Digitais para Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INF01118 - Técnicas Digitais para Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INF01118 - Técnicas Digitais para Computação Prof. Fernanda Gusmão de Lima Kastensmidt (turmas DEF) Exercícios Área 2 Lembre-se que o

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Comutador de Iluminação de Provisória Para Lâmpadas HQI ou Sódio, Código AFCSC250 Equipamento destinado a ser instalado em locais que são iluminados através de lâmpadas HQI ou de Sódio, geralmente estas

Leia mais

Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais

Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais Prof. Alan Petrônio Pinheiro Apostila de MultiSim 17 Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais O primeiro passo para se trabalhar com circuitos digitais é inserir portas lógicas. Para isto, dispomos

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO A barra sinalizadora Winglux-S oferece uma solução moderna de sinalização com tecnologia 100% digital. Equipada com módulos de 4 ou 8 LEDs de 1W - 45 Lumens (típico) conhecidos

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis. Automação e Controlo Industrial. Escola Superior de Tecnologia. Ricardo Antunes, António Afonso

Controladores Lógicos Programáveis. Automação e Controlo Industrial. Escola Superior de Tecnologia. Ricardo Antunes, António Afonso Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Automação e Controlo Industrial Ano Lectivo de 2004/2005 Controladores

Leia mais

Excel Básico e Avançado. Aula 5

Excel Básico e Avançado. Aula 5 Excel Básico e Avançado Aula 5 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Mudanças Abruptas www.mudancasabruptas.com.br PROCURA VERTICAL - PROCV Objetivos Busca vertical de identificadores e valores associados

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento 1 2 3 Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento digital - (Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações

Leia mais

5º Experimento: Somador Binário de números com sinal

5º Experimento: Somador Binário de números com sinal Capítulo 1 5º Experimento: Somador Binário de números com sinal 1.1 Objetivos Usar uma porta XOR de duas entradas para realizar a função unária de negação. Usar um somador binário para somar números sem

Leia mais

Portas Lógicas (continuação)

Portas Lógicas (continuação) ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I Portas Lógicas (continuação) Circuitos Combinacionais Minimização Booleana 2 A complexidade de uma função Booleana reflete a complexidade combinacional do circuito

Leia mais

Período: 4º Disciplina: Técnicas e Sistemas Digitais

Período: 4º Disciplina: Técnicas e Sistemas Digitais Período: 4º Disciplina: Técnicas e Sistemas Digitais Carga Horária Semestral: 60 h/a Carga Horária Semanal: 3 h/a Núcleo Profissionalizante Pré-requisito: Não há Correquisito: Não há Disciplina Obrigatória

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Circuito combinacional

Circuito combinacional Circuito combinacional É todo circuito cuja saída depende única e exclusivamente das várias combinações das variáveis de entrada. Estudando os circuitos combinacionais podemos entender o funcionamento

Leia mais

Circuitos Combinacionais

Circuitos Combinacionais Circuitos Combinacionais Nesta apresentação será fornecida uma introdução aos circuitos cuja saída depende exclusivamente das variáveis de entrada: os circuitos combinacionais José ugusto aranauskas Departamento

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 1 - SISTEMA DE NUMERAÇÃO BINÁRIA E DECIMAL Todos os computadores são formados por circuitos digitais, onde as informações e os dados são codificados com dois níveis de tensão, pelo que o seu sistema

Leia mais

Hera Indústria de Equipamentos Eletrônicos LTDA. Manual de Instalação e Operação. Central de alarme HR 4020 2 setores HERA.

Hera Indústria de Equipamentos Eletrônicos LTDA. Manual de Instalação e Operação. Central de alarme HR 4020 2 setores HERA. Central de alarme HR 4020 2 setores HERA Manual do Usuário 1 Índice: 1 Aplicação... 3 2 Características... 3 3 - Apresentação da Central... 3 3.1 - Parte externa... 3 3.2 - Parte interna... 4 4 - Diagramas

Leia mais

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUMÁRIO CONTROLADOR DE PORTARIA RCP-2000...1 A) O EQUIPAMENTO RCP-2000... 1 A.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS...

Leia mais

Circuitos Digitais. Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais

Circuitos Digitais. Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais Circuitos Digitais Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais Circuito combinacional: Possui portas lógicas conectadas para produzir valor dos sinais de saída Não possui

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

Manual de utilização do módulo NSE METH-8RL/Exp

Manual de utilização do módulo NSE METH-8RL/Exp INSTALAÇÃO 1 - Baixe o arquivo Software Configurador Ethernet disponível para download em www.nse.com.br/downloads-manuais e descompacte-o em qualquer pasta de sua preferência. 2 - Conecte a fonte 12Vcc/1A

Leia mais

Exercícios de Circuitos Combinacionais

Exercícios de Circuitos Combinacionais ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I Exercícios de Circuitos Combinacionais FONTE: ENADE 2005 e 2008 Exercício 1 2 João, ao tentar consertar o módulo eletrônico de um carrinho de brinquedos, levantou

Leia mais

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações 1 Introdução Neste manual serão apresentados os procedimentos de instalação e configuração do sistema de detecção e prevenção de incêndio GALBA V251, além de dicas que certamente agilizarão os trabalhos

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I Nome do Aluno : Gabarito 1) Associe as definições abaixo : (a) Base de Numeração (b) Símbolos de um sistema de numeração (c) Valor de um número (d)

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr. Índice 1. SISTEMAS NUMÉRICOS 1.1 Caracterização dos Sistemas Numéricos 1.2 Sistemas Numéricos em uma Base B Qualquer 1.2.1 Sistema de Numeração Decimal 1.2.2. Sistema de Numeração Binário 1.2.3 Sistema

Leia mais

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos 1 Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos Prof. Valdemir Carrara www.valcar.net www.carrara.us 2 1 INTRODUÇÃO Na introdução deve-se descrever os objetivos principais do trabalho

Leia mais

A01 Controle Linguagens: IL e LD

A01 Controle Linguagens: IL e LD A01 Controle Linguagens: IL e LD Prof. Dr. Diolino J santos Filho Modelo Estrutural Interação entre os dispositivos A partir de agora adotaremos como modelo estrutural padrão o diagrama a seguir. Dispositivo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

LNBF MULTIPONTO NO SAT HD REGIONAL

LNBF MULTIPONTO NO SAT HD REGIONAL Tutoriais Como configurar: LNBF MULTIPONTO NO SAT HD REGIONAL Receptor: SAT HD Regional Modelo: Tech CONFERIR A VERSÃO DO SOFTWARE Tecle Menu Selecione Informação Menu principal 1 Canais 2 Configurações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CANCELA PARA AUTOMAÇÃO DO SISTEMA GEST Controle de Revisões Elaborador: Luiz Coelho Alves da Silva Neto Validador: Adriano José Cunha de Aguiar Aprovador: Camilo Magalhães de Sales

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV008-d VM3 Carrinho Mecatrônico Parte Eletrônica Ensino Médio Direitos Reservados Newton C. Braga 1 Mecatrônica Prof. Newton C. Braga Prof. Ventura, Beto

Leia mais

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Introdução à Algebra de Boole Em lógica tradicional, uma decisão é tomada

Leia mais

Disciplina: : ELETRÔNICA DIGITAL

Disciplina: : ELETRÔNICA DIGITAL Disciplina: : ELETRÔNICA DIGITAL Professor: Júlio César Madureira Silva Julho 2011 1 Ementa: 1. Sistemas de numeração Numeração decimal Numeração binária Numeração octal Numeração

Leia mais

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE SOM 2.0 CANAIS HI-FI ÍNDICE Prefacio...2 Conteúdo da Embalagem...2 Informações de segurança...3 Funções do Painel Frontal...4 Funções Painel Traseiro...4 Conexões do

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

Monitor Digital Interno VPIP

Monitor Digital Interno VPIP Imagem Meramente Ilustrativa Monitor Digital Interno VPIP Manual de Referência e Instalação Sumário 1. Parâmetros Técnicos... 3 2. Funções Básicas... 4 3. Instalação... 4 4. Conexões... 5 5. Operação de

Leia mais

Manual do Usuário SINALIZADOR DE PONTOS LINCE GPS. Comece Aqui

Manual do Usuário SINALIZADOR DE PONTOS LINCE GPS. Comece Aqui Manual do Usuário SINALIZADOR DE PONTOS LINCE GPS Comece Aqui Bem vindo (a) ao Lince GPS! O Sinalizador de Pontos Lince GPS é um aparelho GPS especializado, para instalação no painel do carro, que auxilia

Leia mais

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho.

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho. 1 2 Recursos de desenho para a análise urbana A. Mapa de Zoneamento Macroestudo do entorno, características do lote em relação a uma determinada região, características do ponto de vista do zoneamento

Leia mais

CIRCUITOS COMBINACIONAIS Codificadores e decodificadores

CIRCUITOS COMBINACIONAIS Codificadores e decodificadores Disciplina: Circuitos Digitais CIRCUITOS COMBINACIONAIS Codificadores e decodificadores Prof. a Dra. Carolina Davanzzo Gomes dos Santos Email: profcarolinadgs@gmail.com Página: profcarolinadgs.webnode.com.br

Leia mais

Sistemas Digitais para Computação. AULAS TEÓRICAS 19 a 33

Sistemas Digitais para Computação. AULAS TEÓRICAS 19 a 33 Departamento de Computação Sistemas Digitais para Computação AULAS TEÓRICAS 9 a 33 Prof. MSc. Mário Oliveira Orsi Prof. MSc. Carlos Alexandre Ferreira de Lima Abril de 29 Sistemas Digitais para Computação

Leia mais

ANTES DE TUDO, FAÇA ISTO...

ANTES DE TUDO, FAÇA ISTO... ATENÇÃO PARA SAT DIMEP: o EXISTEM 2 TIPOS DE SAT DIMEP. o O DE COR BRANCA QUE DEVE SER USADO PARA FAZER DEMONSTRAÇÕES. CASO A REVENDA DESEJE APARELHO PARA DEMONSTRAÇÃO, É ESTE QUE DEVE SER ADQUIRIDO o

Leia mais

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts.

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts. I FUNÇÔES E LOCOS LÓGICOS I.1 - SISTEMS DIGITIS - INTRODUÇÃO Sistemas Digitais Notas de ula 1 O mundo real apresenta duas representações para as medidas. Representação analógica e a representação digital.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor PARTE 1. ANÁLISE DO CONTROLE DE VELOCIDADE

LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor PARTE 1. ANÁLISE DO CONTROLE DE VELOCIDADE LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor OBJETIVOS: - analisar a resposta transitória a mudanças degrau pelas variações de ganho, pela inclusão de atraso e pelo aumento do momento de inércia;

Leia mais

Atividade 1. Dispositivo que transforma alguma modalidade de energia em energia potencial elétrica.

Atividade 1. Dispositivo que transforma alguma modalidade de energia em energia potencial elétrica. Atividade 1 1) PROBLEMATIZAÇÃO: Se observarmos uma lanterna, um rádio ou alguns tipos de brinquedos, perceberemos que estes aparelhos só funcionam enquanto estão sendo alimentados por uma fonte de energia

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

EXPERIÊNCIA 2: CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s.

EXPERIÊNCIA 2: CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s. EXPERIÊNCIA : CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s. PROCEDIMENTO: Polarização da porta:. Com o módulo e a fonte variável desligadas, instalar a placa CEB-0 no Slot E ou F do Módulo Universal 000. + V (Var)

Leia mais

Resolvendo problemas de conexão de rede wireless no pregão 83/2008

Resolvendo problemas de conexão de rede wireless no pregão 83/2008 Resolvendo problemas de conexão de rede wireless no pregão 83/2008 Recentemente forma instalados em minha cidade novos laboratórios do pregão 83/2008 mas em nenhum deles os terminais acessavam a rede.

Leia mais

SP 01/07/92 NT 149/92. Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO. Introdução

SP 01/07/92 NT 149/92. Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO. Introdução SP 01/07/92 NT 149/92 Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO Introdução Em 1991, a CET através das Gerências de Engenharia de Tráfego operou 400 Km

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 CENTRAL DE E SEM FIO AS- CARACTERÍSTICAS DO APARELHO - Central de alarme sem fio com setor misto ( com e/ou sem fio ); - Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; - Carregador de bateria

Leia mais

Termo de Garantia. Extinção da Garantia

Termo de Garantia. Extinção da Garantia OBS IMPORTANTE: Você esta adquirindo um produto de segurança. Verifique com o Engenheiro responsável da obra, se ele atende as necessidades para o local onde será Instalado, pois todo o equipamento de

Leia mais

Manual Equipamento ST10 Flasher Rev. 1

Manual Equipamento ST10 Flasher Rev. 1 Maio de 2014 2 Sumário Introdução:... 3 Acessórios utilizados:... 4 Instalação:... 5 Abrindo e Conhecendo o Software:... 10 SET PORT... 11 RELOAD MONITOR... 13 BlankCheck... 14 ERASE FLASH... 14 DUMP...

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA 3. CARACTERÍSTICAS 3.1 Central de alarme microprocessada com 1 setor; 3.2 Acompanha dois transmissores (mod. TSN); 3.3 Freqüência de transmissão: 433MHz;

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. RELÓGIO ESPIÃO Elegance

MANUAL DE INSTRUÇÕES. RELÓGIO ESPIÃO Elegance MANUAL DE INSTRUÇÕES RELÓGIO ESPIÃO Elegance Antes de manusear leia atentamente todas as instruções deste manual: Este aparelho é constituído de mecanismos internos muito sensíveis e delicados, sendo que

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL 1

ELETRÔNICA DIGITAL 1 CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE DESCENTRALIZADA DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO DE TELECOMUNICAÇÕES ELETRÔNICA DIGITAL 1 CAPÍTULO 3 Prof. Jorge H. B. Casagrande ABRIL 2005 SUMÁRIO

Leia mais

Relógio Espião de Pulso - Clássico

Relógio Espião de Pulso - Clássico Relógio Espião Relógio Espião de Pulso - Clássico Página1 1 - Introdução: Obrigado por adquirir este produto. Por favor, leia atentamente este manual. Ele contém informações importantes sobre o uso e a

Leia mais

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Autor: Prof. Heliliano Carlos Sartori Guedes prof.helilianoguedes@gmail.com

Leia mais

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas Circuitos Lógicos Aulas Práticas A Protoboard A Protoboard A Protoboard é um equipamento que permite interconectar dispositivos eletrônicos tais como resistores, diodos, transistores, circuitos integrados

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N

CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N Imagem Ilustrativa Características: 1. Leitura de 125 khz do cartão de proximidade com o EM chip acoplado internamente para o modelo padrão. 2. Os parâmetros do sistema

Leia mais

Leitor MaxProx-Lista

Leitor MaxProx-Lista Leitor MaxProx-Lista O leitor de cartões de proximidade MaxProx-Lista é destinado aos Integradores de Controle de Acesso. Ele foi especialmente projetado para controle de acesso, para ser usado Stand Alone

Leia mais

Linha de Módulos de Comando

Linha de Módulos de Comando RKM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E CONTROLE LTDA. Rua Catão Coelho, 215 PORTO ALEGRE RS Fone: (51) 3029-3250 www.rkmautomacao.com.br Linha de Módulos de Comando RKM Aurora MANUAL DE CONFIGURAÇÃO Rev. 1.0 Abril

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS. Fluxogramas. Prof. Carlos Sêrro Alterado para lógica positiva por Guilherme Arroz. Dezembro de 2005 Sistemas Digitais 1

SISTEMAS DIGITAIS. Fluxogramas. Prof. Carlos Sêrro Alterado para lógica positiva por Guilherme Arroz. Dezembro de 2005 Sistemas Digitais 1 SISTEMAS DIGITAIS Fluxogramas Prof. Carlos Sêrro Alterado para lógica positiva por Guilherme Arroz Dezembro de 2005 Sistemas Digitais 1 Fluxogramas Em vez de diagramas de estado ou de tabelas de estados/saídas,

Leia mais

Aplicações com circuito integrado LM3914

Aplicações com circuito integrado LM3914 Aplicações com circuito integrado LM3914 O circuito integrado LM3914 é um indicador de linear de tensão, tem como principal aplicação à monitoração linear de sinais aplicados à sua entrada. Seu funcionamento

Leia mais

FingerTech Importação e Comércio de produtos tecnológicos LTDA

FingerTech Importação e Comércio de produtos tecnológicos LTDA FingerTech Importação e Comércio de produtos tecnológicos LTDA Avenida Tiradentes, 501 - Torre 2 5 Andar - Sala 502 Jardim Shangrilá A - 86070-565 Londrina - PR Sumário 1. Introdução...4 1.1 Características...4

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL Aula 01 04/08/2008 Universidade do Contestado UnC Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores 2ª Fase Prof. Carlos Guerber ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL O QUE É O COMPUTADOR? Um computador

Leia mais

S U M Á R I O APRESENTAÇÃO...2. 1 Instalando os programas...3 2 Introdução à lousa...19 3 Calibrando a caneta...20 4 Abrindo o programa...

S U M Á R I O APRESENTAÇÃO...2. 1 Instalando os programas...3 2 Introdução à lousa...19 3 Calibrando a caneta...20 4 Abrindo o programa... S U M Á R I O APRESENTAÇÃO...2 1 Instalando os programas...3 2 Introdução à lousa......19 3 Calibrando a caneta......20 4 Abrindo o programa...22 1 A c t i v B o a r d 1 0 0 Uma nova ferramenta didática

Leia mais

Lista de Exercícios de Eletricidade Básica e Eletrônica CEV 2012

Lista de Exercícios de Eletricidade Básica e Eletrônica CEV 2012 Lista de Exercícios de Eletricidade Básica e Eletrônica CEV 2012 1) Calcule a tensão de R4 no circuito abaixo. a) 3 V b) 7 V c) 10 V d) 50 V 2) Em um circuito elétrico, composto de cinco lâmpadas, iguais,

Leia mais