AS EMPRESAS CONSTRUTORAS E TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS EMPRESAS CONSTRUTORAS E TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL"

Transcrição

1 MÁRIO SÉRGIO NOGUEIRA BORGES AS EMPRESAS CONSTRUTORAS E TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil. SÃO PAULO 2004

2 MÁRIO SÉRGIO NOGUEIRA BORGES AS EMPRESAS CONSTRUTORAS E TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil. Orientador: Prof. Antonio Calafiori Neto. São Paulo 2004

3 AGRADECIMENTOS Aos meus pais pelo pela dedicação e comprometimento em fazer seu filho obter o Diploma. A meu Orientador, Prof. Antonio Calafiori Neto, pelo conhecimento, atenção e desprendimento de tempo para atingimento de meu objetivo final. A minha irmã Ana Lúcia Nogueira Borges, pela compreensão e entendimento de meus compromissos com o trabalho estudantil. E a todos os meus amigos que sempre estiveram ao meu lado.

4 SUMÁRIO RESUMO... VI ABSTRACT... VII 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico METODOLOGIA DO TRABALHO JUSTIFICATIVA O RELACIONAMENTO COMERCIAL ENTRE EMPRESAS CONSTRUTORAS E TERCEIRIZADORAS DE SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL O que é Terceirização Histórico Comparativo das terceirizações no Brasil com as utilizadas no Mercado Global Quesitos para terceirização Sindicalização das Empresas terceirizadoras Legislação Atividade de Meio, Atividade Fim e Solidariedade Obrigações Conceitos de Solidariedade e Subsidiariedade Mudanças na Legislação Reclamações Trabalhistas...19

5 5.3 Tipos de Contratos e Custos Contrato com prazo determinado Contrato por prazo indeterminado Contrato por obra certa Contrato Temporário Trabalho Autônomo Custos Compartilhados ESTUDO DE CASO Formatação de Concorrência para contratação de mão de obra para serviços determinados Tomada de Preços Critérios para avaliação de Proponentes Formatação de Orçamento pela empresa terceirizadora Critérios de Avaliação do Empreendimento a ser orçado Localização do Empreendimento Avaliação do projeto orçado Avaliação do Contratante Formatação de Orçamento Contratação Contratação de pessoal qualificado Treinamento para mão de obra contratada Controle de Qualidade dos serviços executados Sistemas de medição e Faturamento de Serviços Planilhas para medição Sistema de Cobrança Controle Comercial e de Relacionamento Sistema de Entrega de Serviços Contratados Controle de Satisfação do Cliente...56

6 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS...57 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...58

7 vi RESUMO No mercado da construção civil brasileira, é pratica freqüente a substituição de mão de obra própria por mão de obra terceirizada, onde se objetiva a redução de custos diretos e indiretos para se obter maior competitividade no atendimento aos clientes e maior obtenção de lucro. Em constante busca ao atendimento as normas técnicas e legislação vigente, é fato as construtoras adequarem-se às modernizações existentes nas formas de Gestão e Controle da Produtividade. Necessitam-se criar parcerias com os diversos tipos de fornecedores existentes, principalmente aos Terceirizadores de Serviços. Criam-se então, sistemas de administração conjunta e controle de produção adequados a cada tipo de necessidade.

8 vii ABSTRACT In the Brazilian civil construction market, it is a common practice to replace internal labor for outsourced labor, with the goal of reducing direct and indirect costs to gain higher competitiveness in servicing clients and to have profits. In a continuous attempt to fulfill technical rules and the legislation in force, construction companies do fit themselves to existing modernizations in the form of Management and Productivity Control. It is necessary to prompt partnerships with several types of existing suppliers, especially with Service Outsourcing Suppliers. Joint administration and production control systems are then created that are appropriate to each kind of necessity.

9 1 1 INTRODUÇÃO Com a competitividade cada vez mais presente, observa-se a necessidade da profissionalização das pessoas envolvidas nos processos produtivos e de terceirização, na formação de parcerias observadas no atual cenário econômico. Este trabalho enfoca, dentro da área de construções residenciais, a caracterização dos processos relacionais entre empresas Construtoras e terceirizadoras de mão de obra. A partir de um estudo de caso, analisou-se a documentação envolvida nos processos de orçamento, contratação, acompanhamento e gestão de produção para a terceirização de serviços de mão de Obra civil em empreendimentos de cunho residencial no Município de São Paulo.

10 2 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral Apresentar os processos comerciais relacionados às empresas terceirizadoras de mão de obra para construção civil e Construtoras. 2.2 Objetivo Específico Caracterizar a partir de um estudo de caso a documentação que envolve o processo para orçamento, contratação, acompanhamento e gestão de produção para a terceirização de serviços de mão de Obra civil em empreendimentos de cunho residencial.

11 3 3 METODOLOGIA DO TRABALHO Utilizaram-se como fontes de pesquisa, legislação trabalhista específica; materiais institucionais da empresa Planog Construções e Reformas Ltda (empresa prestadora de serviços); e informações relacionadas ao tema terceirização, provenientes de órgãos públicos, privados e literaturas disponíveis, para fundamentar a análise relacional entre Contratante (Construtora) e Contratada (Terceirizadora).

12 4 4 JUSTIFICATIVA Com os constantes desenvolvimentos de processos de gestão de mão de obra nas várias empresas terceirizadoras de serviços, este trabalho enfoca os processos de Treinamento e Gerenciamento da Produção. No que Tange ao desenvolvimento de Parcerias, o que é comumente visto no mercado, mais uma vez se enquadra a necessidade da profissionalização do setor de serviços.

13 5 5 O RELACIONAMENTO COMERCIAL ENTRE EMPRESAS CONSTRUTORAS E TERCEIRIZADORAS DE SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL 5.1 O que é Terceirização Histórico Com o início da II Guerra Mundial, a terceirização de serviços surge como alternativa às necessidades da indústria bélica que precisava concentrar todos os seus esforços no desenvolvimento da produção de armamentos, passando algumas atividades tidas como secundárias a empresas prestadoras de serviços. Com a crescente internacionalização da economia e o aumento exponencial da competitividade, a terceirização de serviços tornou-se cada vez mais usual para que as empresas mantivessem seu foco em seus produtos finais, aumentando assim o dinamismo e alta produtividade. Na década de 70, iniciou-se no Brasil uma reestruturação nos modos de produção das Empresas utilizando a Terceirização como um novo modelo de Gestão de Mão de Obra e baseando-se em um conjunto de inovações tecnológicas.

14 6 Neste momento surge um novo conceito de trabalho orientado pela flexibilização. A terceirização tornou-se cada vez mais premissa para a flexibilização dos custos de mão-de-obra através da redução ou eliminação dos encargos sociais, trabalhistas e previdenciários. Em uma economia em crise necessitou-se optar pela melhoria de condições de produção e redução acentuada de custos. No advento da crise da construção Civil na década de 80, as empresas construtoras se encontraram presas à necessidade de reduzir seus custos aplicados. Para tal evento necessitou-se optar por uma reformulação geral nos sistemas de trabalho, incluindo otimização dos serviços, procura de novos materiais e investimento em sistema de gerenciamentos e controle eficazes. Os custos agregados na parcela de mão de obra, que incluem leis sociais, impostos e treinamentos, oneravam os orçamentos em demasia. Uma das soluções adotadas nos primórdios do processo foi a de convocar os funcionários mais destacados como, encarregados, mestre de obras, líderes de produção, feitores e demais cargos de confiança a montarem suas próprias empresas e continuarem a prestar serviços para a empresa, que antes era sua contratante formal, no sistema de Empreitada, ou seja, a empresa contratada executaria os serviços em preço fixo e préajustado, não onerando o contratante em custos indiretos.

15 7 Com a evolução das legislações trabalhistas e de segurança do trabalho, sistemas de controle e gerenciamento, as empresas terceirizadoras, ou empreiteiras de mão de obra, necessitaram evoluir nos seus sistemas produtivos para atender às novas exigências dos contratantes. Para o atendimento da demanda de terceirização, consolidam-se empresas especializadas nas seguintes atividades: Serviços de Terceirização; Trabalhadores Temporários; Autônomos; Cooperativados. A atual legislação trabalhista brasileira ainda se baseia num conjunto de leis denominado Consolidação das Leis Trabalhistas (C.L.T.), criada na metade do século. Esta legislação vem sendo modernizada nos últimos anos no sentido de diminuir a interferência do Estado nas relações entre empregados e empregadores, sendo comum ainda, funcionários de empresas terceirizadas acionarem na Justiça do Trabalho as duas, os proprietários da empresa tomadora e a prestadora, alegando vínculo empregatício ou os princípios de Solidariedade e Subsidiariedade, e exigindo do contratante do serviço, direitos trabalhistas que não foram cumpridos pelas empresas terceirizadas. A "flexibilização das relações trabalhistas", com ênfase a partir do Governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso, imprimiu ao

16 8 mercado de trabalho brasileiro, uma nova fórmula de entendimento. Assim, as empresas ou grupos de empresas determinarão com os Sindicatos dos Empregados a ampliação ou redução de direitos e benefícios, além dos básicos contidos na Constituição Federativa. Neste sentido, o Brasil já está aprimorando as leis trabalhistas criando novas formas como a do Contrato Temporário de Trabalho, com redução de encargos trabalhistas e a Demissão Temporária. Ainda, para negociação salarial, são utilizadas as convenções coletivas, que envolvem categorias inteiras ou grandes empresas e conglomerados Comparativo das terceirizações no Brasil com as utilizadas no Mercado Global. Seguindo exemplo dos Estados Unidos, é utilizada a terceirização de atividades por prazos determinados. No Brasil, os contratos são mais complexos e dificilmente uma empresa é contratada para períodos pequenos ( horas ou dias ). Além disso o conceito de vínculo empregatício também é diferente. Nos EUA as empresas podem contratar funcionários por períodos preestabelecidos ou por tempo indeterminado, no Brasil, somente empresas de terceirização estão autorizadas por lei a contratar e fornecer mão-de-obra temporária.

17 9 Outra diferença fundamental é que em muitos países o trabalhador terceirizado pode optar por um salário menor ou maior dependendo de seu interesse em trabalhar em determinada empresa, enquanto que no Brasil, os sindicatos de trabalhadores definem com as grandes empresas (Convenções Coletivas) os pisos salariais de cada categoria, e um funcionário, deve receber este piso Quesitos para terceirização O processo de contratação de uma empresa terceirizadora, pode ser feito através de concorrência, sempre observando e analisando os seguintes tópicos: Contrato Social e alterações contratuais; Responsabilidade dos sócios, tanto legais como contratuais; Seguros para Acidentes de Trabalho; Capital Social compatível com o Faturamento; Relacionamento com instituições financeiras nos últimos dois anos; Bens imóveis para garantias de futuras condenações; Estrutura Patrimonial - examine os últimos balanços; Curriculum dos executivos e pessoal de primeira linha;

18 10 Se presta serviços ou produz para mais de um tomador, naquela atividade; Informações comerciais e financeiras; Composição da Folha de Pagamento - Fórmulas e Relatórios; Data e forma de pagamento de salários e adicionais; Contratos individuais da jornada de trabalho; Contrato inter empresarial de serviço ou produção ; As últimas convenções coletivas de trabalho, tanto da tomadora como da prestadora; Decisões judiciais (Justiça Federal e do Trabalho); Corpo jurídico próprio ou terceirizado; Decisões administrativas (trabalho e previdência); Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (F.G.T.S.); Registro de Empregados; Autorização do Ministério do Trabalho, no caso de cessão de mão-deobra temporária. Capacidade Técnica; Capacidade Técnica dos Recursos Humanos;

19 11 Fornecedores de matéria-prima com regularidade de entrega, e com fisco federal e estadual; Se presta serviços ou fabrica para mais de um tomador, naquela atividade no momento; Capacidade de modernização de seus equipamentos. Ouvir os empregados da contratada, conversar com empresas que já utilizam os seus serviços, conhecer os planejamentos a curto e longo prazo e a filosofia da empresa. Este processo é utilizado para diminuição dos riscos de execução dos serviços a serem contratados Sindicalização das Empresas terceirizadoras A legislação brasileira vincula as funções exercidas pelos trabalhadores às suas categorias específicas e não às empresas onde trabalham. Deste modo, compete às Empresas Terceirizadoras o cumprimento irrestrito da Legislação Trabalhista. No início do processo de terceirização no Brasil (item 5.1.1), muitas empresas demitiram departamentos internos inteiros, forçando os exfuncionários a montarem "empresas prestadoras de serviços" que na realidade continuariam exercendo exatamente as mesmas funções desses departamentos, mas sem "teóricos" riscos trabalhistas para a tomadora. Como muitas dessas "empresas" acabavam trabalhando exclusivamente para o antigo patrão, depois de algum tempo os

20 12 "funcionários" da "nova empresa" exigiam da tomadora seus direitos trabalhistas e muitas ações desse tipo na Justiça deram ganho de causa ao trabalhador. Por isso é fundamental que uma empresa terceirizada não preste serviços a um único tomador, o que pode caracterizar vínculo empregatício entre o tomador e o trabalhador. Atualmente, processos desse tipo são menos comuns e as empresas terceirizadas estão se organizando em associações e sindicatos para garantir não somente os seus próprios direitos, mas também oferecer uma tranqüilidade maior às Empresas Clientes. Acontece que as empresas prestadoras de serviços no Brasil estão historicamente ligadas às federações e sindicatos do comércio, contribuindo até compulsoriamente para essas entidades. Com isso existe uma certa dificuldade para as empresas terceirizadas formarem suas próprias entidades representativas. Entretanto, até mesmo por força de acordo internacional recente com o Fundo Monetário Internacional, o Brasil está comprometido com a modernização na legislação trabalhista que passa necessariamente pela queda da Unicidade Sindical. O princípio da Unicidade Sindical exige que empresas e trabalhadores estejam ligados a um único e determinado sindicato existente numa base física, mesmo que este de fato não represente seus interesses.

21 Legislação Atividade de Meio, Atividade Fim e Solidariedade Ainda se discute para fins trabalhistas quando é possível terceirizar serviços dentro da área física das empresas. Apesar de algumas atividades como Limpeza, Vigilância e Alimentação já estarem terceirizadas em centenas de empresas no Brasil, alguns estudiosos continuam considerando que o enunciado 331 do Tribunal Superior do Trabalho e a Portaria 3/98 do Ministério do Trabalho, impedem da subcontratação na atividade fim das empresas. A exceção é a contratação de mão-de-obra temporária prevista na Lei 6.019/74.Decorrente disto, grandes empresas foram objeto de multas dos Ministérios (Trabalho e Previdência) e tiveram condenações trabalhistas quanto a empregados de seus subcontratados. Muitas demandas judiciais continuam acontecendo, mas gradativamente está se consolidando no meio jurídico que fiscais do trabalho ou da previdência não podem desconsiderar contratos entre empresas. Com isso, lentamente se cria uma jurisprudência que no futuro deve permitir de que a terceirização avance na atividade fim. Na realidade, a Lei brasileira não proíbe explicitamente a terceirização na atividade fim, mas também não a permite em seus dispositivos legais, de modo que permanece a discussão enquanto não se cria uma legislação mais ampla e definida. De qualquer modo, no novo texto do Artigo 31 da

22 14 Lei 8212/91 que regulamenta o recolhimento da contribuição para o INSS a expressão "serviços contínuos relacionados ou não com as atividades normais da empresa" foi alterada para serviços contínuos relacionados ou não com a atividade fim da empresa". Por enquanto, para efeitos legais tem se utilizado do contrato social da prestadora para identificar na cláusula do objeto social quais são as atividades fins da empresa Diz a Consolidação das Leis Trabalhistas em seu art. 455 (CLT): Nos contratos de Subempreitada responderá o subempreiteiro pelas obrigações derivadas do contrato de trabalho para celebrar, cabendo, todavia, aos empregados o direito de reclamação contra o empreiteiro principal pelo inadimplemento daquelas obrigações por parte do primeiro. Parágrafo único. Ao empreiteiro principal fica ressalvada, nos termos da lei civil, ação regressiva contra o subempreiteiro e a retenção de importância a este devidas para garantia das obrigações previstas neste artigo. Segundo Baraúna(1997, pág 59), na subempreitada, tanto o empreiteiro principal como o subempreiteiro desenvolvem uma atividade econômica cujos riscos assumem e para qual se utilizam do trabalho alheio, que assalariam e dirigem, logo são empregadores. Trata-se de um caso típico de solidariedade passiva por força de lei.

23 Obrigações No Brasil as relações entre empregadores e empregados são disciplinadas pela Consolidação das Leis Trabalhistas (C.L.T.), Constituição Federal de (com artigo específico para direitos dos trabalhadores) por leis esparsas e portarias governamentais. A C.L.T., na opinião da maioria dos juristas brasileiros impõe na relação capital/ trabalho, um "protecionismo" em favor do empregado, por ser considerado a parte mais fraca da relação, com direitos como: Licença paternidade (5 dias de afastamento); Licença maternidade (120 dias de afastamento); Férias anuais (30 dias), com acréscimo de 1/3 do salário; Salário adicional em Dezembro, chamado de 13º salário; Indenização de 30 dias, em caso de demissão sem justa causa; Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (F.G.T.S.) - 8% do salário mensal, mais multa de 40% na rescisão; Piso salarial; Insalubridade, para algumas categorias; Periculosidade, para algumas categorias;

24 16 Limite de 8 horas diárias ou de 44 horas semanais; Repouso semanal remunerado; Adicional de horas extras, no mínimo de 50%. Existem ainda os chamados benefícios extra salariais tais como: Vale refeição; Assistência médica; Seguro de vida em grupo; Vale alimentação; Plano de aposentadoria; Vale transporte (obrigatório). Ao fornecer estes benefícios extra salariais, a Empresa se vale de legislação específica para abatimento em Imposto de Renda, como por exemplo, até 8% para o vale transporte/ vale alimentação. O benefício do vale transporte não pode ser pago em dinheiro, sendo também um custo social para a Empresa. Ele é o reembolso da locomoção do empregado, da sua residência para o local de trabalho, e vice-versa, o trabalhador participa no custo do benefício com 6% de seu salário. A maioria dos benefícios regula-se através de acordos coletivos firmados entre os empregadores e os sindicatos de trabalhadores.

25 Conceitos de Solidariedade e Subsidiariedade As Empresas Clientes que contratam serviços ou produtos terceirizados dentro do seu parque fabril, devem ser muito criteriosas para a contratação destes, uma vez que na Legislação Trabalhista dois princípios são irrefutáveis: SOLIDARIEDADE - A solidariedade no contrato de trabalho, significa que a Empresa Tomadora dos serviços ou produtos terceirizados, ou seja, a Empresa Cliente, e a Empresa Fornecedora, são igualmente responsáveis pelas obrigações resultantes da relação empregatícia. O vínculo jurídico existe entre ambas as Empresas, responsabilizando-as por qualquer pagamento não realizado, dentro da legislação trabalhista. Uma única condenação trabalhista atinge duas empresas. Também no caso de acidente de trabalho, com danos morais e materiais e mesmo as ações criminais, a justiça comum adota este conceito. SUBSIDIARIEDADE - A subsidiariedade no contrato de terceirização ocorre quando a Empresa Prestadora de Serviços ou fornecedora de produtos não cumpre suas obrigações, ficando a Empresa Tomadora, ou seja, a Empresa Contratante, responsável pelos débitos não cumpridos pela prestadora. Neste caso, a Empresa Tomadora somente se responsabilizará pelas obrigações se estas não forem cumpridas pela Empresa Prestadora. A diferença entre a SOLIDARIEDADE e a SUBSIDIARIEDADE é que na primeira a responsabilidade entre as duas Empresas é igual; e na

26 18 segunda se a Empresa de Serviços não cumprir suas obrigações, a outra será notificada a pagar o débito. O Judiciário Brasileiro ainda está no processo de transição do conceito de solidariedade para subsidiariedade, acontecendo condenações trabalhistas das duas formas. As Empresas de Serviços Terceirizados no Brasil, além de serem obrigadas a cumprir as exigências trabalhistas, necessitam sistematicamente provar ao Contratante sua regularidade, a fim de evitar passivos trabalhistas, fundiários (FGTS) ou administrativo (multas). O ponto chave no relacionamento Empresa Cliente / Empresa Prestadora de Serviços / empregados, é salvaguardar os interesses da Empresa Cliente na contratação do serviço, exigindo via contrato que a fornecedora cumpra a Legislação Brasileira, preservando-os de futuros débitos oriundos da relação trabalhista. É enfatizada a questão trabalhista porque é mais difícil de ser identificada. Há questões que por vezes levam mais de 10 anos para se tornarem aparentes e que normalmente se restringem a condenações financeiras Mudanças na Legislação A contribuição previdenciária, anteriormente era obrigação da empresa prestadora, a qual deveria fazer recolhimentos sobre a folha de pagamentos. Porém, se a mesma não efetuasse tal recolhimento, havia condenação solidária entre as empresas tomadora e prestadora, embora, muitas

27 19 vezes, a primeira já tivesse efetuado o pagamento referente à parcela previdenciária à segunda, mediante a inclusão dessa verba na fatura. Por este motivo, as empresas prestadoras e seus clientes sempre almejaram alterar a legislação, de modo que cada empresa efetue os seus recolhimentos, de modo que a empresa cliente não tenha a preocupação de verificar se a empresa prestadora realmente efetuou os recolhimentos previdenciários. A Lei 9711/98 alterou o artigo 31 da Lei 8212/91 e eliminou os princípios de Solidariedade e Subsidariedade para fins de contribuição para o INSS, repassando para a Empresa Tomadora a responsabilidade de recolher ao INSS 11% do valor da fatura de serviços da Empresa Prestadora. Com isso, a Tomadora efetua o recolhimento da previdência e salvaguarda futuros débitos previdenciários. Segundo normativa do INSS, o objetivo desta mudança, que passou a valer a partir do dia 1º de Fevereiro de 1999, é reduzir a sonegação e estimular a contratação de prestadoras de serviços, eliminando a solidariedade Reclamações Trabalhistas A Justiça Trabalhista no país é especializada e é poder moderador nas questões trabalhistas entre o patrão e o empregado. Ela é composta em três graus: 1º grau - Juntas de Conciliação e Julgamento - Municípios;

28 20 2º grau - Tribunais Regionais - Grandes Capitais; 3º grau - Tribunal Superior do Trabalho - Capital: Brasília. Suas principais atribuições são: Atuar nas reclamações realizadas pelos empregados. Atuar como mediador dos acordos sindicais entre empregadores e empregados, caso haja reclamação destes. Atuar nos casos de ação civil pública movida pelo Ministério Público. Na Constituição Federal do Brasil (1.988), o artigo 114 define a competência da Justiça do Trabalho. Na hierarquia das condenações, os direitos trabalhistas preferem os direitos comerciais e direitos tributários - (Decreto Lei Federal 7661/45 art. 102 Código Comercial). Por isso é tão importante que contratos entre empresas para terceirização de funções não deixem margens para interpretações como simples tentativa de redução de encargos trabalhistas e nem possam prejudicar no futuro a Empresa Cliente pelo não pagamento de direitos do trabalhador de responsabilidade da Empresa Terceirizada. Ordem de preferências: Créditos trabalhistas; Créditos fiscais e parafiscais (União, Estados, Municípios);

29 21 Encargos da massa (custas judiciais); Dívidas da massa (feitas pelo síndico); Créditos com direito real de garantia (penhor hipoteca); Créditos com privilégio especial sobre determinados bens (créditos por aluguel de prédio locado ao falido, sobre o mobiliário respectivo). Créditos com privilégio geral (debêntures); Créditos quirografários (duplicata, notas promissórias, letras de câmbio, cheques, etc); 5.3 Tipos de Contratos e Custos Contrato com prazo determinado Considera-se como de prazo determinado o contrato de trabalho cuja vigência dependa de termo prefixado ou da execução de serviços especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada (CLT, Constituição Federal 1998). O contrato por prazo determinado só será válido em se tratando de serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique a predeterminação do prazo; De atividades empresariais de caráter transitório; De contrato de experiência.

30 22 Ele não poderá ser estipulado por mais de 2 (dois) anos. Podendo ser prorrogado por mais dois anos alcançando quatro anos. Mas se o contrato de trabalho por prazo determinado que, tácita ou expressamente, for prorrogado mais de uma vez, passará a vigorar sem determinação de prazo Contrato por prazo indeterminado O contrato por prazo indeterminado é aquele em que as partes não estipulam prazo para seu final. A CLT considera como contrato indeterminado aquele que suceder, dentro de seis meses, a outro contrato por prazo determinado, salvo se a expiração deste dependeu da execução de serviços especializados ou da realização de certos acontecimentos. Como as partes não sabem a data final deste contrato, a parte que der motivo para sua rescisão terá que avisar a outra parte, com a antecedência mínima de 30 dias. Este contrato é regido em todos os seus termos pela CLT Contrato por obra certa É o mais utilizado na Construção Civil, uma espécie de contrato por prazo determinado, cuja duração depende da execução de um determinado serviço (ex. construção de um muro, construção de uma casa, etc.). É regido pela Lei 2.959, de 17 de novembro de Existem apenas quatro diferenças entre o contrato por prazo determinado e por obra certa:

31 23 O contrato por obra certa não é fixado por tempo de serviço, e, sim pela execução de determinados serviços, sendo que o empregado somente trabalhará até a realização da obra contratada; deverá ser anotada na Carteira de Trabalho (CTPS) do autor que está sendo contratado por obra certa, como também deverá ser anotado qual o tipo de serviço que o empregado está desempenhando como também a descrição da obra, pois se houver dúvida aplicam-se as regras do contrato por prazo indeterminado; findo o contrato fará jus o trabalhador ao levantamento do FGTS, sem qualquer multa Contrato Temporário Esta modalidade permite oferecer trabalhadores temporários exclusivamente por meio de empresas autorizadas pelo Ministério do Trabalho, de acordo com as exigências contidas em Lei. As empresas interessadas em fornecer trabalhadores temporários devem manifestar este interesse como objetivo em seu contrato social, segundo a Lei 6019/74. Em seguida, devem solicitar uma autorização ao Ministério do Trabalho que, através da Secretaria de Emprego e Salário, emite um Certificado de Empresa de Trabalho Temporário. Nenhuma tomadora deve contratar trabalhadores temporários de empresa que não possua este certificado. A necessidade de contratação de temporários surge durante períodos de pico de trabalho, ou para substituição de funcionários ausentes por motivos diversos, como férias, licença maternidade, afastamento para tratamento médico, ou em ocasiões de projetos e promoções especiais.

32 24 A duração de um contrato temporário, segundo a Lei 6.019/74, é de noventa dias, podendo ser prorrogado por mais noventa dias, desde que notificada ao Ministério do Trabalho. Esta Lei está sendo modernizada através do Projeto de Lei 4.302/98, que em breve deve ampliar o prazo para nove meses ou vincular o tempo em função do motivo a ser atendido. Pode-se observar que no Brasil os Encargos Sociais sobre a Folha de Pagamento desta Lei, são menores do que aqueles sob o regime da C.L.T., contudo é condição que o salário do empregado temporário deve ser igual ao recebido pelo trabalhador similar da categoria de trabalhadores permanentes da Empresa Tomadora. O custo final para a tomadora de um trabalhador temporário é aproximadamente o dobro de seu salário mensal Trabalho Autônomo Para contratação de profissionais independentes, não é necessária a intermediação de uma Empresa de Trabalho Temporário, seja qual for o período ou o prazo do contrato. O trabalhador autônomo administra seu próprio serviço através da efetiva realização de tarefas, sendo responsável pelos Encargos Sociais, Impostos Municipais sobre seus Serviços e Imposto de Renda. Não há pagamento de salário e sim honorários ou recibo de pagamento por serviço prestado (R.P.A), ou ainda notas fiscais de serviços de pessoas físicas conforme a Lei. É necessário alvará individual junto a

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais ENCARGOS SOCIAIS 1 INSS 20,00% 2 SESI ou SESC 1,50% 3 SENAI ou SENAC 1,00% 4 INCRA 0,20% 5 Salário Educação 2,50% 6 FGTS 8,00% 7 Seguro Acidente do Trabalho/SAT/INSS 3,00% 8 SEBRAE 0,60% 9 SECONCI 1,00%

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME.

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. CARTA DE APRESENTAÇÃO Estamos encaminhando nosso portfólio na intenção de apresentar nossa empresa. Após estudo e análise do mercado no segmento de Segurança, Segurança

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA LEGISLAÇÃO Lei 8.212 de 24/07/91, com alterações estabelecidas pelas Leis 9.528/97 e 11.941/2009 Dispõe sobre a exigência de entrega de GFIP

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE.

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE. GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE. Gerência de Contabilidade Março/2014 APRESENTAÇÃO A finalidade deste guia é orientar

Leia mais

LICITAÇÃO SESC/ARRJ MODALIDADE: PREGÃO ELETRÔNICO PR 44/2014 GLC

LICITAÇÃO SESC/ARRJ MODALIDADE: PREGÃO ELETRÔNICO PR 44/2014 GLC LICITAÇÃO SESC/ARRJ MODALIDADE: PREGÃO ELETRÔNICO PR 44/2014 GLC OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO ESCLARECIMENTO 09 O SESC/ARRJ vem através

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios

ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 39 ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios Dr. Oscar Azevedo (info@azevedoguedes.adv.br)

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 16-04/04/09 1 Negociação Comercial ETAPAS E MODELO DE UMA PROPOSTA COMERCIAL Parte 1/2 2 OBJETO...(preencher)........., conforme descritos na Proposta Técnica. 2 ETAPAS DO PROJETO

Leia mais

ANEXO I MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE PROPOSTA

ANEXO I MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE PROPOSTA ANEXO I MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE PROPOSTA (Identificação completa do representante da EMPRESA), como representante devidamente constituído de (Identificação completa da EMPRESA)

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO SEMINÁRIO ESPECIAL PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO A ELABORAÇÃO DA PLANILHA PASSO A PASSO: ESTUDO DA LEGISLAÇÃO, JURISPRUDÊNCIA E MEMÓRIA DE CÁLCULO DE CADA RUBRICA

Leia mais

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS I APRESENTAÇÃO Este relatório tem por finalidade fornecer subsídios a empresas construtoras e órgãos contratantes sobre o método de cálculo do percentual de encargos

Leia mais

Erros nas contratações geram tributos excessivos

Erros nas contratações geram tributos excessivos A parte de imagem com identificação de relação rid38 não foi encontrada no arquivo. Login: Senha: Esqueci minha senha. O Portal da Arquitetura, Engenharia e Construção Quem somos Contato Anuncie Login

Leia mais

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções?

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções? LUANA ASSUNÇÃO ALBUQUERK Especialista em Direito do Trabalho Advogada Associada de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados O CONTRATO TEMPORÁRIO DE TRABALHO São as conhecidas contratações

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria Executiva Diretoria de Administração

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria Executiva Diretoria de Administração MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria Executiva Diretoria de Administração PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 11/2015 PROCESSO Nº 03110.014908/2014 55 OBJETO: Contratação

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00 Q AU SECRETARIA A DE AVIAÇÃO CIVIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - ANAC Ref.: D PREGÃO ELETRÔNICO N.º 07/2013 Processo R Nº 00055.002521/2013-99 Abertura: O 09/10/2013 às 09:00 h R PROPOSTA COMERCIAL E Prezados

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

Como contratar seu empregado

Como contratar seu empregado MEI - Microempreendedor Individual: Como contratar seu empregado O que você precisa para contratar o seu empregado? Para você que já se tornou MEI Microempreendedor Individual e precisa contratar um empregado,

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO

CONTRATO DE TRABALHO 7 Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p CONTRATO DE TRABALHO Contrato Individual de Trabalho o negócio jurídico pelo qual uma pessoa física se obriga, mediante remuneração, a prestar

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

expert PDF Trial Aspectos Trabalhistas e Previdenciários (Departamento Pessoal) Outubro 2013 Elaborado por: Valéria de Souza Telles

expert PDF Trial Aspectos Trabalhistas e Previdenciários (Departamento Pessoal) Outubro 2013 Elaborado por: Valéria de Souza Telles Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Convite nº 081/2007 Fls.

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Convite nº 081/2007 Fls. Convite nº 081/2007 Fls. 1 CARTA CONVITE Processo nº 11784/05 Convite nº 081/2007 Entrega Envelopes até o dia: 15 de junho de 2007, às 14h00. Abertura Envelopes dia: 15 de junho de 2007, às 14h30. A COMISSÃO

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições:

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições: INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 013, de 30 de outubro de 1996 O MINISTRO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO, no uso de sua competência, e considerando o disposto no Decreto nº 2.031, de 11 de

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Gestão de contratos de limpeza e vigilância. Práticas realizadas no Ministério da Integração Nacional

Gestão de contratos de limpeza e vigilância. Práticas realizadas no Ministério da Integração Nacional Gestão de contratos de limpeza e vigilância Práticas realizadas no Ministério da Integração Nacional Gestão de contratos de limpeza Palestrantes: e vigilância Ana Lilia Lima dos Santos Chefe da Divisão

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016

01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016 BOLETIM INFORMATIVO Nº 28/2015 ANO XII (13 de agosto de 2015) 01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016 Embora o esocial passe efetivamente a ser obrigatório a partir de setembro de 2016,

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário?

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário? Trabalho temporário Fonte: Fecomercio Em acréscimo ao Mix Legal Express, nº 168, de 2014, que trata de algumas peculiaridades do trabalho temporário, a que se refere à Lei nº 6.019 de 1974 e Portaria do

Leia mais

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, DE UM LADO O SINDICATO DOS CONDUTORES DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS E TRABALHADORES EM TRANSPORTES DE CARGAS EM GERAL E PASSAGEIROS NO MUNICÍPIO DO RIO DE

Leia mais

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos.

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos. Documento 1 Estatuto ou Contrato Social consolidado com todas as alterações realizadas, devidamente arquivado no registro de comércio da sede da sociedade participante. É o documento pelo qual uma empresa

Leia mais

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL Dados complementares para composição dos custos referentes

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do ProUni deverá solicitar, salvo em caso de

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR A CPSA deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente um dos seguintes comprovantes de identificação: 1. Carteira

Leia mais

ANEXO - II MEMÓRIA DE CÁLCULO. PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014

ANEXO - II MEMÓRIA DE CÁLCULO. PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014 ANEXO - II PROCESSO Nº 23216.000072/2014-31 APRESENTAÇÃO MEMÓRIA DE CÁLCULO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014 A presente Memória de Cálculo demonstram os passos seguidos para a fixação

Leia mais

9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO

9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO 9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO Instrução de trabalho de concretagem de peça estrutural Fonte: Modelos elaborados e cedidos pela Construtora Giacomazzi Ltda., de Curitiba-PR. 1. OBJETIVO

Leia mais

Planilhas_Custo_final

Planilhas_Custo_final Planilhas_Custo_final Quadro demonstrativo - Valor Global da Proposta Valor Global da Proposta Descrição Qtde de Postos Valor Por Posto Valor Mensal Valor Global (12 meses) Auxiliar 7 R$ 2.070,36 R$ 14.492,53

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO. Item 1- Razão Social:. CNPJ:. Item 2 - Denominada simplesmente:. EMPRESA- Item 3 - Endereço: Fone: (45) Foz do Iguaçu Paraná

TERMO DE CONVÊNIO. Item 1- Razão Social:. CNPJ:. Item 2 - Denominada simplesmente:. EMPRESA- Item 3 - Endereço: Fone: (45) Foz do Iguaçu Paraná TERMO DE CONVÊNIO De um lado a GUARDA MIRIM DE FOZ DO IGUAÇU Entidade de direito privado, de fins educacionais e de assistência social, de utilidade pública sem fins lucrativos, com sede à Travessa Tadeu

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013. Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013. Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013 Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Planilha de Custo e Formação de Preços (Em conformidade à Portaria nº 7, de 09/03/2011

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT O contrato de trabalho por prazo determinado é aquele cuja duração dependa de termo prefixado ou da execução de serviços específicos ou ainda

Leia mais

Consultoria TRABALHISTA SINDICAL

Consultoria TRABALHISTA SINDICAL Café com Ideias Sindilojas Caxias do Sul Flávio Obino Filho -Maio 2015 Consultoria TRABALHISTA SINDICAL Regulamentação da Terceirização e as consequências nas relações empresariais e de trabalho Consultoria

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSPMESP

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSPMESP 1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 - ESTATUTÁRIO Pelo presente instrumento particular de Acordo Coletivo de Trabalho de um lado o Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Itu, entidade

Leia mais

Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos Utilitários BNDES Pro- Utilitário

Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos Utilitários BNDES Pro- Utilitário Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 39/2015-BNDES Rio de Janeiro, 21 de setembro de 2015. Ref.: Ass.: Produto BNDES Automático Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos

Leia mais

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta

Leia mais

ABRIGO DO MARINHEIRO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS PESQUISA DE PREÇOS (ESPECIFICAÇÕES E INSTRUÇÕES)

ABRIGO DO MARINHEIRO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS PESQUISA DE PREÇOS (ESPECIFICAÇÕES E INSTRUÇÕES) ABRIGO DO MARINHEIRO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS PESQUISA DE PREÇOS (ESPECIFICAÇÕES E INSTRUÇÕES) REFORMA DAS INSTALAÇÕES DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO DO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS SOCIAIS DO ABRIGO DO

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR - Carteira de Identidade fornecida pelos órgãos de segurança pública das Unidades da Federação;

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ:

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: ENDEREÇO: TELEFONE: ( ) FAX: ( ) E-MAIL: REPRESENTANTE LEGAL: NACIONALIDADE:

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

CONVITE Nº 033/2009. DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 09/12/2009 às 14 horas

CONVITE Nº 033/2009. DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 09/12/2009 às 14 horas CONVITE Nº 033/2009 DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 09/12/2009 às 14 horas 01. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1 O Senac Departamento Nacional torna público que, na Seção de Material,

Leia mais

CARIOCA CHRISTIANI NIELSEN ENGENHARIA S.A.

CARIOCA CHRISTIANI NIELSEN ENGENHARIA S.A. Gestão Financeira 23/08/02 1 / 10 5.1. Abertura de Conta Corrente 5.1.1. Escolha da Agência Bancária O processo deve começar por definir qual o banco com que a obra vai trabalhar. Os bancos que a empresa

Leia mais

O CONDOMÍNIO JÁ ANALISOU O PREÇO, NÃO ESQUEÇA DA QUALIDADE!!!

O CONDOMÍNIO JÁ ANALISOU O PREÇO, NÃO ESQUEÇA DA QUALIDADE!!! O CONDOMÍNIO JÁ ANALISOU O PREÇO, NÃO ESQUEÇA DA QUALIDADE!!! Como em qualquer segmento, quando fazemos uma licitação muitas vezes nos deparamos com propostas que aparentemente oferecem os mesmos serviços,

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR DOCUMENTAÇÃO APRESENTADA PELO ESTUDANTE Após concluir sua inscrição no SisFIES, o estudante deverá procurar a Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) em sua instituição de ensino e validar

Leia mais

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS 2 de abril de 2013 CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Hoje foi promulgada uma Emenda Constitucional que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos. Alguns direitos

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA OPERAÇÕES DE. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade I SISTEMAS PARA OPERAÇÕES DE. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade I SISTEMAS PARA OPERAÇÕES DE RECURSOS HUMANOS Prof. Me. Alexandre Saramelli Workers II Óleo sobre tela Rob Jefferson Fonte: http://www.millergallery.com/artblog /?tag=rob-jefferson Consolidação

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA.

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF Ref: Aviso de Edital ADG nº 003/2014 publicado em 28/10/2014. 1 1. OBJETO A

Leia mais

CARTILHA PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL. Esta cartilha visa orientar e contribuir

CARTILHA PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL. Esta cartilha visa orientar e contribuir CARTILHA PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL Esta cartilha visa orientar e contribuir objetivamente as pessoas de um modo geral e aos nossos clientes candidatos a LOCATÁRIOS, informando o passo a passo,nahoradeselocarumimóvel.

Leia mais

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.949, de 14 de fevereiro de 2014 que estabelece mecanismos de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões

Leia mais

Informamos que os documentos exigidos no Termo de Referência deverão ser apresentados, visto que o mesmo é parte integrante do Edital.

Informamos que os documentos exigidos no Termo de Referência deverão ser apresentados, visto que o mesmo é parte integrante do Edital. Senhor Licitante, Informamos que os documentos exigidos no Termo de Referência deverão ser apresentados, visto que o mesmo é parte integrante do Edital. Atenciosamente, Vera Lucia M. de Araujo Pregoeira

Leia mais

Memorial Técnico para Elaboração de Proposta Comercial

Memorial Técnico para Elaboração de Proposta Comercial I MEMORIAL TÉCNICO DO XXVII CBP: 1. Objeto da Concorrência: 1.1. Selecionar a(s) Montadora(s) prestadora(s) de serviços de montagem para as diversas fases BLOCOS para a implantação do XXVII CBP no Transamérica

Leia mais

O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis.

O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis. O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis. Renan Cesco de Campos VIII Fórum de Relações Trabalhistas

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP:

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: A oportunidade de se tornar um facilitador de aprendizagem e/ou consultor para o sucesso das micro e pequenas empresas APRESENTAÇÃO Esta cartilha

Leia mais

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra Gestão de Suprimentos e logística de distribuição Professor : (francisco.cardoso@poli.usp.br) Aula 3: Gestão de subempreiteiros. SCM em Salvador Tópicos da aula: Gestão de subempreiteiros: introdução ao

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Capitulo I - Objetivo. Artigo 1º - O presente regulamento

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO 1. A empresa prestadora de serviços de trabalho temporário pode ter mais de uma atividade econômica? Sim. Desde que a atividade de locação de mão-de-obra

Leia mais

PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011.

PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011. PORTARIAS PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011. Altera o anexo III da Instrução Normativa nº 02/2008, de 30 de abril 2008, que dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos proponentes em licitações

Leia mais

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos o conteúdo de artigo enviado pelo Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples ou originais de todo o grupo familiar os documentos abaixo:

O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples ou originais de todo o grupo familiar os documentos abaixo: LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO CBG Nº 001/2015 ASSESSORIA DE IMPRENSA. Data Evento Horário Forma Local

EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO CBG Nº 001/2015 ASSESSORIA DE IMPRENSA. Data Evento Horário Forma Local EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO CBG Nº 001/2015 ASSESSORIA DE IMPRENSA A CBG Confederação Brasileira de Golfe, de acordo com a Lei 10.264 de 16 de julho de 2001 Lei Agnelo/Piva, regulamentada pelo

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz

Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz 1-O que é um aprendiz? É um adolescente/jovem que tem que entre 14 e 24 anos de idade e que esteja matriculado em um Programa de Aprendizagem numa ONG, Escola

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS Pelo presente termo de Acordo Coletivo de Trabalho, e de acordo com a convenção Coletiva de Trabalho conforme cláusulas específicas celebraram

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTA 01- Contexto Operacional: SIMPROEL Sindicato Municipal dos Profissionais em Educação de Lages - SC Fundado em 17/12/1997,

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº:

CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº: CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº: LOCADOR: Salão de Beleza ou (Estética), situado na Rua, Bairro, CEP, Cidade, Estado, inscrito no CNPJ sob o número, Alvará Municipal

Leia mais