PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO"

Transcrição

1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PETROLINA CEFET PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO CHAMADA PÚBLICA MEC/SETEC nº2/27 Petrolina PE Março - 28

2 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PETROLINA CEFET PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DA EDUCAÇÃO Fernando Haddad SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Ronaldo Motta SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Eliezer Moreira Pacheco CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PETROLINA DIRETOR GERAL Sebastião Rildo Fernandes Diniz CHEFE DE GABINETE Cíntia Carvalho Felisberto Matos

3 DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL Adelmo Carvalho Santana DIRETOR DE GESTÃO DE ORÇAMENTO Macário da Silva Mudo DIRETOR DE ARTICULAÇÃO EMPRESARIAL E COMUNITÁRIA Artidônio Araújo Filho GERÊNCIA DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CULTURAIS E DESPORTIVAS Nalba Maria da Silva GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO E PATRIMÔNIO I Delmo Soares Freire GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO E PATRIMÔNIO II Elizabeth Carvalho Fernandes GERÊNCIA DE ENSINO I Selma Maria Rodrigues de Andrade Alves GERÊNCIA DE ENSINO II Elza Maria de Carvalho GERENTE DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Ebenilton Luiz da Silva Souza GERÊNCIA DE ATIVIDADES CONTÁBEIS E FINANCEIRAS Adelson Barros de Melo

4 RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA. Portaria nº 342/27 PRESIDENTE DA COMISSÃO Cícero Antônio de Souza Araújo SECRETÁRIO/RELATOR Jorge Barboza de Souza Ronald Juenyr Mendes MEMBROS Alberto Carlos Bertuola Antonio Jacson Pereira Alencar Edigênia Cavalcante da Cruz Araújo Jane Oliveira Perez Jorge Barboza de Souza Jorge Tadeu Nogueira Nunes José Aidran Mudo José Batista da Gama José Roberto Queiroz Teixeira de Barros José Valderi de Oliveira Luciano Manfroi Luiz Fernando de Souza Magno Campeche Manoel Fernandes da Silva Manuel Rangel Borges Neto Marcos Martins Masutti Maria de Fátima de Souza Palitot Marta Eugênia Cavalcanti Ramos Ronald Juenyr Mendes Rosemary Barbosa de Melo Francielma Pereira Magalhães Neldson Felipe Falcão Monte

5 APRESENTAÇÃO A Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica está alcançando o maior nível de expansão da sua história, passando de 14 unidades no ano de 22, para as atuais 179 unidades e com perspectiva de expansão de mais 15 até o ano de 21. Diante da expansão das suas unidades e do quadro de pessoal docentes e administrativos, a proposição de criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFET) vêm como parte da evolução natural dos modelos de reorganização das Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica (IFET) em todos os seus níveis e modalidades, integrada e referenciada regionalmente. Após a publicação do Decreto nº 6.95/27 constituiu-se uma comissão, integrada pelos diversos segmentos da comunidade, para discussão do processo de criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFET), a partir da rede de Educação Profissional e Tecnológica, que terminalizou seu trabalho com uma consulta à comunidade onde 94,48% foram favoráveis à transformação do CEFET Petrolina em IFET. Para atender à chamada pública MEC-SETEC nº 2/27, o CEFET-Petrolina instalou outra comissão para construir esta proposta de criação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnológica do Sertão Pernambucano, apresentando-se, de forma voluntária, para integrar o novo modelo de rede, um arranjo educacional que articula uma experiência institucional inovadora, podendo abrir excelentes perspectivas para o ensino médio, básico, superior e profissional.

6 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES...I LISTA DE TABELAS... II 1. INTRODUÇÃO O ESTADO DE PERNAMBUCO DIVISÃO REGIONAL DO ESTADO CONJUNTURA ECONÔMICA DE PERNAMBUCO SITUAÇÃO DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SITUAÇÃO EDUCACIONAL ATUAL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PELA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MUNICÍPIO ONDE SE ESTABELECERÁ A REITORIA BASE TERRITORIAL DE AÇÃO RELAÇÃO DOS CAMPI QUE INTEGRARÃO O INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA E EDUCACIONAL DA MICRORREGIÃO DE PETROLINA MAPEAMENTO DESCRITIVO DA SITUAÇÃO ATUAL DO CAMPUS DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DE PETROLINA RELAÇÃO DOS CURSOS REGULARES ATUALMENTE OFERTADOS NÚMERO DE ALUNOS, POR NÍVEL / MODALIDADE DE ENSINO NÚMERO DE PROFESSORES E DE TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS DO QUADRO EFETIVO DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA INFRA-ESTRUTURA FÍSICA CONSTRUÍDA MAPEAMENTO DESCRITIVO DA SITUAÇÃO ATUAL DO CAMPUS DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DE PETROLINA RELAÇÃO DOS CURSOS REGULARES ATUALMENTE OFERTADOS NÚMERO DE ALUNOS, POR NÍVEL / MODALIDADE DE ENSINO...36

7 NÚMERO DE PROFESSORES E DE TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS DO QUADRO EFETIVO DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA INFRA-ESTRUTURA FÍSICA MAPEAMENTO DESCRITIVO DA SITUAÇÃO ATUAL DO CAMPUS DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DE FLORESTA CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA E EDUCACIONAL DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO CAMPUS RELAÇÃO DOS CURSOS REGULARES ATUALMENTE OFERTADOS NÚMERO DE ALUNOS, POR NÍVEL / MODALIDADE DE ENSINO NÚMERO DE PROFESSORES E DE TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS DO QUADRO EFETIVO DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA INFRA-ESTRUTURA FÍSICA CONSTRUÍDA MAPEAMENTO DESCRITIVO DA SITUAÇÃO ATUAL DO CAMPUS DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DE SALGUEIRO CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA E EDUCACIONAL DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO CAMPUS MAPEAMENTO DESCRITIVO DA SITUAÇÃO ATUAL DO CAMPUS DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DE OURICURI CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA E EDUCACIONAL DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO CAMPUS...46 REFERÊNCIAS... 49

8

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1-Mesoregiões do Estado de Pernambuco em função do perfil sócio-econômico dos municípios (IBGE 2)... 2 Ilustração 2-Distribuição das IES No Estado de Pernambuco Ilustração 3-Imagem de satélite da localização da reitoria Ilustração 4-Campus de Ciências Agrárias... 3 Ilustração 5- Laboratórios do Campus de Ciências Agrárias...33 Ilustração 6-Campus de Ciências e Tecnologia Ilustração 7- Laboratórios do Campus de Tecnologia Ilustração 8-Campus de Floresta...44 I

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1-Variação do emprego celetista de Pernambuco, por região Tabela 2-Variação do emprego celetista em Pernambuco, por mesorregião e grande setor de atividade... 1 Tabela 3-Vagas ofertadas pelas Instituições públicas no estado de Pernambuco...13 Tabela 4-Evolução da matrícula, por dependência administrativa, ao longo dos últimos quatro anos Tabela 5-Número de Estabelecimentos que oferecem Cursos Técnicos por Dependência Administrativa e Localização, segundo a Região Geográfica e a Unidade Tabela 6-População por municípios, por micro e mesorregião da base territorial de ação do IFET do Sertão Pernambucano Tabela 7-Distribuição do número de alunos por cursos e por níveis e modalidades de ensino Tabela 8-Distribuição do número de docentes do CEFET Petrolina por titulação, por regime de trabalho, em Tabela 9-Distribuição quantitativa de servidores técnico-administrativos por nível de escolaridade, por nível de carreira Campus de Ciências Agrárias de Petrolina...32 Tabela 1-Quantidade de cerca (m), de área construída coberta e descoberta (m²), por ambientes, do Campus de Ciências Agrária de Petrolina Tabela 11-Número de alunos, por nível e modalidade de ensino Tabela 12-Distribuição do número de docentes por titulação, por regime de trabalho, em Tabela 13-Distribuição quantitativa de servidores técnico-administrativos por nível de escolaridade, por nível de carreira, em Tabela 14-Quantidade e área construída (m2) de ambientes no Campus de Ciências e Tecnologia de Petrolina Tabela 15-Quantidade de recursos audiovisuais por unidade de ensino do CEFET Petrolina. 4 Tabela 16-Número de vagas ofertadas por cursos na primeira e segunda entrada de 28 no II

11 Campus de Floresta Tabela 17-Distribuição do número de docentes por titulação e regime de trabalho, em Tabela 18-Infra estrutura física construída III

12

13 1. INTRODUÇÃO 1.1. O ESTADO DE PERNAMBUCO O estado de Pernambuco, no Centro-leste da região Nordeste do Brasil, tem uma área de km2, com clima Tropical atlântico (litoral), e semi-árido (agreste e sertão), é constituído por 184 municípios e pelo território de Fernando de Noronha, com uma população de , sendo Urbana e rural, com densidade demográfica de 8,37 hab/km2. As cidades mais populosas são Recife ( ), Jaboatão dos Guararapes ( ), Olinda (367.92), Paulista ( ), Caruaru ( ), Petrolina ( ). O Pernambuco participa com 2,71% do PIB Brasileiro, sendo os principais produtos agrícolas a mandioca, o feijão, a cana-de-açúcar e o milho. Os maiores rebanhos são de bovinos ( ) e caprinos ( ). Os produtos minerais principais são o calcário e a gipsita. As maiores indústrias são as de transformação de minerais não metálicos, de confecções, de mobiliário e de curtume. Os Setores de ponta são o pólo médico, o pólo gesseiro, o pólo de informática e os pólos turísticos DIVISÃO REGIONAL DO ESTADO A Divisão Regional do Brasil em mesoregiões, partindo de determinações mais amplas a nível conjuntural, buscou identificar áreas individualizadas em cada uma das Unidades Federadas, tomadas como universo de análise e definiu as mesoregiões com base nas seguintes dimensões: o processo social como determinante, o quadro natural como condicionante e a rede de comunicação e de lugares como elemento da articulação espacial, tendo aplicabilidade para: elaboração de políticas públicas; subsidiar o sistema de decisões quanto à localização de atividades econômicas, sociais e tributárias; subsidiar o planejamento, estudos e identificação das estruturas espaciais de regiões metropolitanas e outras formas de aglomerações urbanas e rurais. Neste sentido o estado de Pernambuco está dividido em cinco 1

14 mesoregiões, a saber: Metropolitana, Zona da Mata, Agreste, Sertão Pernambucano e São Francisco Pernambucano (Ilustração 1). Ilustração 1-Mesoregiões do Estado de Pernambuco em função do perfil sócio-econômico dos municípios (IBGE 2) CONJUNTURA ECONÔMICA DE PERNAMBUCO AGRICULTURA A agricultura pernambucana revelou maior desempenho em 27. As culturas mais representativas do agronegócio estadual apresentaram crescimento: cana-de-açúcar (24,4%), uva (9,3%), coco-da-baía (8,2%), decorrente da produção de coco verde no vale pernambucano do São Francisco e da cultura da manga irrigada que revelou crescimento de 7,9% na atual safra. Por outro lado, as culturas do semi-árido estadual, a exemplo do feijão, mandioca e milho sofreram reduções de produção física em virtude das adversidades climáticas. Entretanto, com a redução dos replantios indiscriminados e maior precaução dos pequenos produtores, as perdas foram bem inferiores às do passado. O expressivo crescimento da cultura do arroz com 15,% (no sistema de produção irrigado) pode significar a retomada de um novo ciclo de seu crescimento. 2

15 AVICULTURA A avicultura pernambucana bateu novos recordes nos meses de setembro, outubro e no acumulado do ano de 27. No confronto desses dois meses com os mesmos de 26, apresentou variações de 4,6% e de 2,3% respectivamente. No acumulado do ano apresentou crescimento de 12,8%. No acumulado de 12 meses revelou um crescimento em torno de 12,5%. O setor avícola estadual aumentou seu potencial de produção. A produção média mensal que, em 26, foi de pintos, alcançou a marca de pintos de corte em 27. Desse modo, o setor avícola pernambucano bateu novo recorde histórico, assumindo maior importância no cenário da avicultura nacional CONSTRUÇÃO CIVIL E MERCADO IMOBILIÁRIO O consumo de cimento, indicador que melhor representa o nível de atividade da construção civil, sofreu uma queda da ordem 5,1% no nono mês do ano em relação ao mês anterior, registrando uma demanda de toneladas. Esse recuo não aconteceu somente em Pernambuco, mas em todos os estados da Federação, influenciando o desempenho do Nordeste, que apresentou uma queda na procura por cimento de 6,2%, bem como o Brasil com um decrescimento de 9,9%. A principal causa desse arrefecimento no consumo de cimento em todo o País, no mês de setembro, está diretamente relacionada ao preço do produto. Com o anúncio do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) no início do ano, as quedas constantes de juros e um déficit habitacional no Brasil, a procura por construção aumentou consideravelmente em todo o País e as indústrias do setor não estão conseguindo atender à demanda. Consequentemente o preço do cimento aumentou em 62,1%, e segundo Hiroshi Shimuto, presidente do Conselho Fiscal da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (ANAMACO), as condições da economia apontam para um aumento de preço de 1,% do produto ainda em 27. 3

16 Apesar desse recuo, o comportamento do consumo de cimento em relação ao mesmo mês do ano anterior, registrou um crescimento de 4,3% em Pernambuco, enquanto a região Nordeste cresceu 3,4% e o consumo Nacional foi de 8,4%. Quanto ao desempenho no acumulado do ano registrou-se no estado um acréscimo de 4,1%, no Nordeste 5,3%, e o Nacional 8,4%. Nos últimos 12 meses foi registrado um desempenho positivo ainda mais significativo, tendo Pernambuco 7,3%, o Nordeste 13,6% e Brasil 9,1% COMÉRCIO VAREJISTA O Comércio varejista de Pernambuco registrou crescimento de 1,6% para o mês de outubro de 27, relacionado com o mesmo mês do ano anterior, segundo o índice de volume de vendas, da pesquisa mensal de comércio PMC/IBGE. No desempenho do comércio por atividades, todas apresentaram resultados positivos para a relação outubro de 27 outubro/26 do índice de volume de venda: hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,1%), mantendo sua posição de maior influência no ranking das atividades pesquisadas. Este desempenho continua a receber a influência do aumento real do salário da economia, como também, por ser a atividade de maior peso relativo dentro da PMC; móveis e eletrodomésticos (9,3%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (15,5%), também tiveram seu desempenho influenciado pela melhoria geral da economia; tecidos, vestuário e calçados (9,3%) - este desempenho recebeu, provavelmente, influência da comemoração do Dia da Criança; combustíveis e lubrificantes (1,9%); produtos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (29,3%). O crescimento da massa de salários e a diversificação da linha de produtos comercializados são os principais fatores explicativos deste desempenho; equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (13,3%), ressaltando-se que esta é a atividade com o maior patamar de crescimento durante o ano de 27 e, que dentre os fatores que determinam este desempenho, destacam-se a queda de preços dos produtos do gênero, fartura do crédito, bem como a crescente inserção dos produtos de informática e comunicação na cesta de consumo da família. 4

17 COMÉRCIO EXTERNO A balança comercial pernambucana apresentou em dezembro de 27 um déficit de US$ 119,8 milhões, resultado das exportações no valor de US$ 62,2 milhões, representando um decréscimo de 37,7% em relação a novembro, e das importações de US$ 182, milhões, com um acréscimo de 21,6% em relação ao mês anterior. Na comparação do mês de dezembro de 27 com o mesmo mês em 26 foi registrada uma elevação nas importações do mês em 119,6% e um recuo das exportações de 33,9%. Com o déficit registrado no mês de dezembro, o ano de 27 acumulou US$ 849, milhões. Na pauta de exportações do estado, no acumulado até dezembro de 27, os Açúcares responderam por 23,5% das vendas externas, seguido por Frutas com cerca de 15,1% das exportações. Nas importações o destaque foram os Produtos Químicos Orgânicos que representam 31,7% da pauta, seguido por Combustíveis Minerais com 16,1% INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO A produção industrial de Pernambuco ajustada sazonalmente avançou,6% em novembro frente ao mês imediatamente anterior, revertendo a queda de 1,3% registrada em outubro. Nos confrontos com iguais períodos de 26, os resultados foram positivos: expansão de 2,8% frente a novembro e crescimento de 4,4% no acumulado do ano. A taxa anualizada, indicador acumulado nos últimos doze meses, repete os 4,3% observados em outubro, interrompendo a trajetória descendente iniciada em agosto (5,8%). O indicador mensal da indústria pernambucana avançou 2,8%, com somente cinco das onze atividades industriais apontando taxas positivas. A maior contribuição positiva sobre a média global foi assinalada por produtos químicos (23,6%), devido, sobretudo, ao aumento na produção de tintas e vernizes para construção e borracha de estireno-butadieno. Outras influências positivas relevantes vieram de metalurgia básica (6,2%) e de refino de petróleo e produção de álcool (16,%). Nestes segmentos, se sobressaem a maior fabricação dos itens vergalhões de aço ao carbono, e álcool, respectivamente. Por outro lado, a principal pressão 5

18 negativa vem de alimentos e bebidas (-1,9%), devido, sobretudo, à redução na produção de açúcar cristal. O indicador acumulado no ano apresentou expansão de 4,4%, com resultados positivos em sete setores, permanecendo com produtos químicos (21,5%) a principal influência sobre a taxa global. Vale também citar os avanços observados em borracha e plástico (1,9%), alimentos e bebidas (1,2%) e minerais não-metálicos (6,6%). Nestas atividades se sobressaem os aumentos na produção de tintas e vernizes para construção e borracha de estireno-butadieno; filmes de plástico; sorvetes e margarina; pia, banheiras e semelhantes para uso sanitário. Do lado negativo, as maiores contribuições foram observadas em máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-3,7%) calçados e artigos de couro (-12,9%), por conta da menor fabricação de pilhas ou baterias elétricas; couros e peles de bovinos. O índice de média móvel trimestral mostrou estabilidade (-,1%), resultado próximo ao obtido no mês anterior (,2%). O índice de média móvel trimestral ficou estável (,1%), interrompendo quatro meses consecutivos de queda, período em que acumulou perda de 3,5% MERCADO DE TRABALHO TAXA DE DESOCUPAÇÃO A taxa de desocupação na Região Metropolitana do Recife em Novembro de 27 foi estimada em 11,%, representando um decrescimento de 1,4 ponto percentual em relação ao mesmo mês de 26 (12,4%) e uma queda de 1,2% em relação a Setembro de 27 (12,2%). Vale salientar que a taxa de novembro foi a terceira menor registrada desde o começo da pesquisa em março de 22. Das seis regiões pesquisadas a RM de Recife continua registrando a segunda maior taxa de desocupação, sendo a RM de Salvador a maior (12,8%), enquanto a RM de Porto Alegre a menor com 6,1%. Destaca-se que em Novembro de 27, na média das seis RM s, a taxa registrada ficou 8,2% menor na série. 6

19 Por atividade, no confronto anual as maiores quedas foram na construção (2,8 p.p.), seguindo-se os outros serviços (2, p.p). Em relação a outubro de 27 as mesmas atividades registram decrescimento: a construção com 2,9 p.p. e os outros serviços com 1,2(p.p). Nas duas comparações o comércio apresentou o maior incremento na comparação anual de,5p.p. e mensal de,8 p.p POPULAÇÃO OCUPADA A queda anual da taxa de desocupação deveu-se, principalmente, à queda da População Economicamente Ativa PEA em 4,1%, enquanto a População Ocupada PO registrou queda de 2,5%. Em números absolutos foram fechadas 34 mil vagas, onde somente a indústria foi responsável por 2 mil, seguida pela administração pública, com menos 1 mil vagas. Ao mesmo tempo mais de 64 mil pessoas economicamente ativas deixaram de procurar trabalho no mês de novembro, favorecendo a taxa de desocupação. Em relação a outubro de 27, houve uma estabilidade na PEA (,1%) e um incremento na contratação de 1,6%, fazendo com que a taxa de desocupação apresentasse um decréscimo no confronto mensal. Os impactos positivos foram no comércio e na construção que, juntas, criaram 39 mil empregos. O desempenho negativo foi, mais uma vez, na indústria a perda de 11 mil postos. Por fim, a RMR obteve um saldo positivo de 21 mil novas vagas no mercado de trabalho na comparação mensal. O contingente de pessoal desocupado alcançou o patamar de aproximadamente 166 mil pessoas, contra as 195 mil pessoas em novembro de 26, representando um decrescimento de 14,9%, enquanto em relação outubro de 27 apresentou uma queda de 9,8%, muito influenciado pelas taxas negativas da PEA RENDIMENTO REAL O rendimento médio habitualmente recebido pelas pessoas em outubro de 27 foi estimado em R$ 82,4 representando um decrescimento de,6% em relação ao mesmo mês do ano anterior, ocorrendo estabilidade (,1%) em relação a outubro de 27. Das seis regiões 7

20 pesquisadas, a RM de Recife continua registrando o menor rendimento; a RM de São Paulo, o maior, com aproximadamente R$ 1.267,9 com uma média das seis RM s pesquisada estimada em R$ 1.143,6 ou seja, aproximadamente 39% maior que a RMR. Na comparação anual, a RM do Belo Horizonte apresentou o maior incremento (7,2%) e a RM de Salvador (,5%) junto com a Região Metropolitana de Recife foram as únicas que apresentarem queda. No confronto mensal a RM de Salvador apresentou o maior incremento com 4,%, enquanto a maior redução foi registrada na RM de Recife. Por posição de ocupação, na RM de Recife foi a que apresentou a maior e única queda anual no pessoal privado com carteira de trabalho assinada (2,4%), enquanto o pessoal privado sem carteira de trabalho assinada registrou o maior incremento (3,6%). Na comparação com outubro de 27 o pessoal do setor público apresentou o maior decrescimento com 4,8% e a única que mostrou incremento significativo foi o pessoal autônomo com 3,1%. Com R$ 1,11 bilhões a RMR tem a menor participação no total das seis regiões (R$ 24,59 bilhões), com aproximadamente 4,5% no mês de novembro de 27, enquanto a RM de São Paulo registrou 46,6%. Anualmente a Região Metropolitana de Recife apresentou a maior queda com 3,3%, enquanto a RM de Belo Horizonte o maior incremento (13,7% ). Com relação a outubro a RM de Salvador mostrou o maior crescimento com 7,2% e as RM de São Paulo e Rio de Janeiro o menor com 1,% de incremento MERCADO DE TRABALHO FORMAL Para o estado de Pernambuco os dados conjunturais de mercado de trabalho se referem apenas ao emprego formal celetista, originados de um registro administrativo, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) - do Ministério do Trabalho e Emprego. Nos últimos doze meses o emprego formal no estado cresceu 4,82%, o que significou a criação de novos postos de trabalho. O ritmo de expansão do emprego celetista foi maior no interior (5,84%) que na área metropolitana (4,38%). Em termos absolutos, entretanto, a Receita Metropolitana de Recife gerou a maior parte dos empregos do estado 8

21 ainda que em proporção menor ao seu peso relativo. Como mesoregiões mais dinâmicas destacaram-se a zona da mata, com variação de 9,23%, impulsionada pela cadeia produtiva do açúcar e álcool, e o agreste (6,6%) dinamizado principalmente pela indústria de confecções e pelo comércio. Salienta-se que a única microrregião com desempenho negativo referente à empregabilidade foi a de Petrolina, devido à forte retração no emprego do cultivo de uva. Tabela 1-Variação do emprego celetista de Pernambuco, por região Fonte: MTE/CAGED Em agosto de 27 o emprego formal em Pernambuco cresceu 1,5%, com base em julho de 27, o que significou a abertura de 12,2 mil postos de trabalho. A expansão do emprego celetista foi maior nas mesoregiões da Mata (2,9%) e do São Francisco (2,7%). Em termos absolutos, foram abertos aproximadamente 2,6 mil postos de trabalho na Mata Pernambucana e 1,4 mil no São Francisco Pernambucano. Na Região Metropolitana, o 9

22 crescimento absoluto do emprego foi de quase 7,7 mil novas vagas, o que representou uma variação positiva de 1,3%. (Tabela 1) Em relação aos grandes setores de atividade econômica, as contribuições para o desempenho geral positivo vieram principalmente da agricultura (5,8%) e também da indústria (2,8%). Houve a abertura de aproximadamente 4,9 mil vagas na indústria e 3,3 mil na agricultura o que equivale a 2/3 dos postos de trabalho criados em agosto (Tabela 2). Tabela 2-Variação do emprego celetista em Pernambuco, por mesorregião e grande setor de atividade Fonte: MTE/CAGED No período de janeiro a agosto de 27 o emprego formal em Pernambuco elevou-se em 1,4%. Esse comportamento, que resultou na criação de 12, mil vagas nesse período, é decorrente da composição de dois fatores: a abertura de 22,7 mil vagas em todos os grandes setores de atividade contrabalançada pela notória exceção da indústria, que perdeu 1,7 mil postos de trabalho no período. Destaca-se o elevado crescimento do emprego agrícola no estado (12,8%), fruto do excelente desempenho da ocupação agrícola no São Francisco Pernambucano (68,3%) desde o início deste ano até o mês de agosto SITUAÇÃO DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO O estado de PE tem uma população habitantes, sendo na zona urbana e na zona rural (IBGE 2), um PIB de , corresponde a 2,71% do PIB nacional. O índice de desenvolvimento humano (IDH) (UNESCO-2) e o 1

23 índice de desenvolvimento infantil (UNICEF),692 e,699, respectivamente são considerados médios EDUCAÇÃO BÁSICA Em 26 a rede estadual constituir-se-ia de 1.27 estabelecimentos de ensino fundamental, sendo 863 na zona urbana e 164 na rural, permitindo alcançar uma taxa de escolarização líquida para o ensino fundamental (7 a 14 anos) de 93,4%. A disponibilização de 74 estabelecimentos de ensino médio (659 e 45 na zona rural) promoveu uma taxa de escolarização na zona urbana líquida de 29,8% em 26, quando se considerou uma faixa etária de anos. Isto indica que 7,2% dos adolescentes desta faixa etária estão fora da sua faixa de escolaridade ou fora da escolaridade ou fora da escola. O IDEB foi de 3,1 para os anos iniciais do ensino fundamental, 2,4 para os anos finais do ensino fundamental e de 2,7 para o ensino médio da rede estadual valores inferiores às medias nacionais atuais (3,8, 3,5 e 3,4) para os anos iniciais e finais do ensino fundamental e médio respectivamente, índices esses aquém das metas almejadas pelo PDE, até 221, que é de (6,5, 5 e 5,2,) respectivamente, revelando que no estado crianças e adolescentes têm limitado acesso ao ensino, ocorre desperdiço de tempo com repetências e abandono da escola, resultando em baixa aprendizagem. Na educação fundamental da rede estadual, incluindo o EJA (1ª e ª fases), registra-se um total de de funções docentes; 81,76% têm Licenciatura, 2,37% outras graduações, 1,9% o ensino médio, 13,52 o normal médio e,45% sem o ensino médio. Nos anos iniciais do ensino fundamental, tem-se ainda 58% das funções docentes com o normal médio. Como resultado da ação docente obteve-se, em 25, uma taxa de aprovação de 74,44 e 48,53%, diurna e noturna, respectivamente. A taxa de reprovação diurna (14,34%) foi superior à noturna (9,32%), sendo ainda mais preocupante a taxa de abandono noturna (5,58%) superior à diurna (11,23%), indicando a necessidade de políticas especiais para redução da evasão escolar. Há uma distorção idade-série no Ensino Fundamental de 43,21% e 93,37% 11

24 nos turnos diurno e noturno respectivamente, o que não tem sido reduzido pelos programas de Correção de Fluxo, uma vez que dos alunos matriculados em classes de aceleração, apenas 22 obtiveram reclassificação no Ensino Fundamental, em 25, na rede estadual. No ensino médio, com matrículas de alunos nos cursos regulares, na educação técnica concomitante, na educação técnica seqüencial, no Curso Normal e na Educação de Jovens e Adultos (EJA) - presencial, há funções docentes, destacando-se uma grande diferença em termos de capacitação para o ensino, entre os atuantes no ensino médio regular e no EJA com (95,72 e 92,35% de licenciados, respectivamente) em relação ao da educação profissional concomitante (39,45%) e seqüencial (1,2%). A exacerbação do percentual de docentes sem licenciatura na educação técnica seqüencial no estado, em 26, em torno de 98,78%, deixa evidente a necessidade de implantação de curso de licenciatura para formação de professores para educação profissional e tecnológica. Como resultado da ação docente obteve-se, em 25, uma taxa de aprovação de 8,65 e 68,1%, diurna e noturna, respectivamente. A taxa de reprovação diurna (6,58%) foi inferior à noturna (8,98%), sendo ainda mais preocupante a taxa de abandono noturna (23,93%) superior à diurna (12,78%), indicando a necessidade de políticas especiais para redução da evasão escolar, também no ensino médio. A distorção idade-série no ensino médio variou em torno de 51,98%, em 25. Nenhuma matrícula foi oferecida pelo Estado, no ensino médio, na modalidade de EJA Integrado a Educação Profissional PROEJA, o que contribui para o aumento da dívida social do estado com esta população historicamente desassistida, sendo esta uma lacuna que deve ser preenchida pela esfera federal, na consecução dos objetivos do Plano de Desenvolvimento de Educação (PDE). 12

25 EDUCAÇÃO SUPERIOR Ao todo são 89 Instituições de Ensino Superior (IES) em todo o estado de Pernambuco. Recife contempla 38,2% desse total. Calculando-se o total de vagas para ensino superior disponíveis no estado, verifica-se que ao todo são abertas vagas por ano, das quais estão na capital, o que corresponde a 5,48% das vagas ofertadas no Estado. Ilustração 2-Distribuição das IES No Estado de Pernambuco Na Ilustração 2 verifica-se a grande concentração das IES na Mesorregião Metropolitana de Recife, indicando a necessidade de descentralizar os novos investimentos do setor público na área educacional, seja no nível estadual ou federal. Tabela 3-Vagas ofertadas pelas Instituições públicas no estado de Pernambuco Vagas Ofertadas IES Pernambuco Recife Municípios até 5 km de Recife Municípios Importantes (+5 km) Demais municípios 2499 % ,2 23,6 14,6 23,6 Fonte: cálculo elaborado pelo autor do projeto 13

PLANO DE QUALIFICAÇÃO INSTITUCIONAL PQI 2008-2012 EM AVALIAÇÃO

PLANO DE QUALIFICAÇÃO INSTITUCIONAL PQI 2008-2012 EM AVALIAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PETROLINA - CEFET PLANO DE QUALIFICAÇÃO INSTITUCIONAL PQI 2008-2012

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista ampliado

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista ampliado COMENTÁRIOS Em maio, o Comércio Varejista do País apresentou variações em relação ao mês anterior ajustadas sazonalmente, de 0,5% para o volume de vendas e de 1,0% para a receita nominal. Quanto à média

Leia mais

Mesa Redonda: PNE pra Valer!

Mesa Redonda: PNE pra Valer! Mesa Redonda: PNE pra Valer! Construindo o futuro ou reeditando o passado? Um esboço comparativo entre a Lei 10.172/2001 e o PL 8035/2010 Idevaldo da Silva Bodião Faculdade de Educação da UFC Comitê Ceará

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local 4ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais Brasília, 29 de

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

Políticas para a Educação Superior

Políticas para a Educação Superior Políticas para a Educação Superior A experiência da UFERSA Prof. Augusto Carlos Pavão Pró-Reitor de Graduação A Universidade Políticas Públicas Expansão Acesso Interiorização SISU Lei das Cotas PIBID Bolsas

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

P A L N A O N O D E D E E X E P X A P N A S N Ã S O Ã O I II

P A L N A O N O D E D E E X E P X A P N A S N Ã S O Ã O I II PLANO DE EXPANSÃO III (2011 2014) ESTUDO DE VIABILIDADE Equipe Técnica Responsável: Prof. Dr. Jimmy de Almeida Léllis - Coordenador Prof. Dr. Ridelson Farias de Sousa - Coordenador Prof. M.Sc. Thiago José

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação:

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação: INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. ) Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação a construção de uma Unidade de Ensino Descentralizada do CEFETES na Região Noroeste do Estado do Espírito Santo.

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente anterior, na série livre de influências

Leia mais

PROGRAMA SESI EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR. Gerência de Educação. Versão Julho_09

PROGRAMA SESI EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR. Gerência de Educação. Versão Julho_09 PROGRAMA SESI EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR Gerência de Educação Versão Julho_09 O SESI (Serviço Social da Indústria) ao longo de seus sessenta anos de história sempre foi fiel à sua missão de promover a qualidade

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Conversatorio Internacional. La educación tecnológica en Brasil

Conversatorio Internacional. La educación tecnológica en Brasil Conversatorio Internacional "Mitos y verdades sobre la acreditación en la Educación Superior" La educación tecnológica en Brasil Prof. Dr. Rolando V. Vallejos Brasil seguindo o caminho de desenvolvimento

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº48 tou ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Vendas dos supermercados crescem 2,24% em 2014 Em dezembro, as

Leia mais

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Nº 4 Outubro CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Em, a retomada do crescimento econômico em patamar superior ao verificado nos últimos anos

Leia mais

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Henrique Paim Ministro de Estado da Educação Maceió, abril de 2014 Plano Nacional de Educação PNE balizador de todas as ações do MEC. Desafios:

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS 2012

OBSERVATÓRIO INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS 2012 OBSERVATÓRIO INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS 2012 Petrolina (PE), novembro de 2012. INTRODUÇÃO O município de Salgueiro, fundado em 23 de dezembro de 1835, fica localizado no Estado de Pernambuco, na Mesorregião

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº56 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Ritmo de vendas do autosserviço diminui em agosto Resultado do mês

Leia mais

Análise do mercado de trabalho

Análise do mercado de trabalho Análise do mercado de trabalho 1 Introdução Esta análise tem como propósito a apresentação do desempenho do mercado de trabalho brasileiro no primeiro trimestre de 2010 com base, principalmente, nos indicadores

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação.

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. GOVERNANÇA A Fundação Bunge é uma organização comprometida com o desenvolvimento sustentável. Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. Missão: contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Plano Nacional de Educação

Plano Nacional de Educação Plano Nacional de Educação Sistema Nacional de Educação O poder público deverá instituir, em lei específica, contados 2 (dois) anos da publicação desta Lei, o Sistema Nacional de Educação, responsável

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INFLUÊNCIA DA UESB NA REGIÃO SUDOESTE DA BAHIA - BRASIL

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INFLUÊNCIA DA UESB NA REGIÃO SUDOESTE DA BAHIA - BRASIL UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INFLUÊNCIA DA UESB NA REGIÃO SUDOESTE DA BAHIA - BRASIL Marialda da Silva Brito (Profª Ms. do Departamento de Geografia/ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil/ Doutoranda

Leia mais

Educação profissional

Educação profissional II Fórum de Ensino Técnico da Área Química Fórum +10 Educação profissional José Vitório Sacilotto Proposta Algumas conceituações As mudanças a partir de 2004 (Fórum + 10) Organização do sistema de ensino

Leia mais