Marxismo e metodologia da ciência social: aprendizados, limites e possibilidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marxismo e metodologia da ciência social: aprendizados, limites e possibilidades"

Transcrição

1 Anais do IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina ISSN: Imperialismo, nacionalismo e militarismo no Século XXI 14 a 17 de setembro de 2010, Londrina, UEL GT 8. Marx e marxismos latino-americanos Marxismo e metodologia da ciência social: aprendizados, limites e possibilidades Maciel Cover * Introdução Este texto pretende organizar algumas reflexões sobre metodologia das ciências sociais, buscando considerar alguns aprendizados referentes à obra de Marx, incorporando criticas atuais ao marxismo, desde uma perspectiva interna do campo. Para tanto será exposto algumas categorias chaves para compreender metodologia a partir de Marx. Posteriormente será apresentando as criticas e por fim um breve balanço considerando possibilidades de utilização desta concepção particular de ciência na pesquisa sociológica atual. Aprendizados do Marxismo A obra de Karl Marx ( ) é multidisciplinar. Filósofo de formação, Marx escreveu importantes contribuições também para a economia e para a política. Sua preocupação central era política, participava ativamente dos movimentos operários da época. As fontes teóricas com * Mestrando do Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Campina Grande/PB. End. eletrônico: GT 8. Marx e marxismos latino-americanos 162

2 quem ele dialoga para interpretar a realidade e construir sua obra são a filosofia clássica alemã, a economia política inglesa e a política francesa. De maneira muito particular Marx vai apontando os limites de cada corrente de pensamento, ao mesmo tempo em que aproveita os conceitos centrais reelaborando a teoria do valor de Smith e Ricardo, invertendo a dialética idealista de Hegel, debatendo um caráter cientifico para o projeto de socialismo utópico criado no movimento operário europeu do século XIX. A interpretação teórica de Marx é intensa, com conceitos de um caráter bastante explicativo. Marx não escreveu nenhum texto especifico sobre metodologia. Porém, na Introdução de 1857 aos Gundrisse o autor faz anotações sobre o método da economia política, demonstrando com que bases organizou a reflexão de sua densa obra chamada O capital: contribuição a critica da economia política. Categorias como totalidade; concreto aparente e pensado; e contradição são centrais para compreender a metodologia das obras de Marx. Um primeiro aprendizado a extrair é a necessidade de observar a materialidade das relações sociais. Esse conceito que inclusive denomina o método de Marx (Materialismo Histórico Dialético) foi desenvolvido em debate com o a filosofia idealista de Hegel, que considerava que as idéias antecediam a ação humana. Marx discorda dessa concepção e na formulação a seguir, deixa claro que não é a consciência dos homens que determina o seu ser, mas ao contrário, é o seu ser social que determina a sua consciência. (MARX, 1974, pg.136). Porém o materialismo de Marx não é estático, que considera apenas que a realidade é anterior ao homem, e que a materialidade determina as idéias e ponto final. Em debate com o filosofo materialista Feuerbach, Marx considera a práxis e a subjetividade ativa como fundamental para compreender e transformar a realidade e formula que os filósofos se limitaram a interpretar o mundo de diferentes maneiras; mas o que importa é transformá-lo (XI Tese sobre Feuerbach - Marx, 2005, pg. 118). Considerando estas premissas, de que o real precede o ser social, e que o ser social transforma este real, é que Marx irá desenvolver sua obra. Na Introdução aos Gundrisse de 1857, onde o autor expõe uma resenha do que seria seu método de analise, escreve que: Se começasse, pois, pela população, teria uma representação caótica do conjunto e, precisando cada vez mais, chegaria analiticamente a conceitos cada vez mais simples; do concreto representando chegaria a abstrações cada vez mais sutis até alcançar determinações mais simples. Chegando a este ponto, haveria que empreender a viagem de retorno, até dar de novo GT 8. Marx e marxismos latino-americanos 163

3 com a população, porém, desta vez não teria uma representação caótica de um conjunto senão uma rica totalidade com múltiplas determinações e relações (...). Este último é, manifestamente, o método cientifico correto. O concreto é concreto por que é a síntese de múltiplas determinações, portanto unidade de diverso. Aparece no pensamento como processo de síntese, como resultado, não apenas como ponto de partida, ainda que seja o efetivo ponto de partida, e, em conseqüência, o ponto de partida também da intuição e da representação. No primeiro caminho, a representação plena é volatilizada em uma determinação abstrata; no segundo as determinações abstratas conduzem à reprodução do concreto pelo caminho do pensamento (MARX, 1976, parte I, Parágrafo 3) A primeira questão a ser considerada é que para Marx, a realidade é algo que se apresenta de maneira caótica. O concreto aparente que temos acesso através de nossos sentidos não permite que enxerguemos a totalidade das relações sociais, pois não temos como perceber a historicidade e o movimento que faz as transformações acontecerem. Assim, esse concreto aparente é um conjunto de informações: vemos os estudantes, a universidade, os pobres, os ricos, a indústria, o dinheiro, os bancos, as instituições, a polícia, os migrantes, as greves e etc., mas não temos, num primeiro momento uma explicação ou uma relação entre estas diversas unidades. São coisas aleatórias da realidade, do nosso cotidiano. Para organizar estas informações em uma explicação da realidade, é necessário considerar que existe um processo histórico que constitui o nosso cotidiano; esse processo não é linear, mas se move a partir das contradições existentes na realidade. Enfim, é necessário relacionar estas múltiplas determinações, para se ter um concreto pensado, uma totalidade. Marx diferencia a investigação/pesquisa da exposição. Para Marx: A investigação (ou pesquisa) tem que se apropriar do material em detalhe, analisar suas diferentes formas de desenvolvimento e detectar o seu liame interno. Somente após a conclusão deste trabalho é que se pode passar para a exposição do movimento real-efetivo. (MARX apud MALAGODI 1993, pg. 56). Isso implica dizer que é necessário fazer uma observação direta da realidade, examinando as partes isoladas, buscando os nexos invisíveis ao observador superficial, para depois recompor a realidade, desvelando o que não é possível ver a olho nu. Feito isso, o cientista social deverá ter um método didático para expor sua pesquisa. É necessário não confundir totalidade com uma essência da realidade, como nos moldes de do filosofo grego Platão, em que nunca teríamos GT 8. Marx e marxismos latino-americanos 164

4 acesso a realidade, pois vivemos nas sombras. Na perspectiva teórico metodológica de Marx, a totalidade é aberta e, portanto sempre provisória, que é uma totalidade pensada (mais ainda: inevitável para pensar) que reproduz esse conflito, essa tensão entre sua abstração e suas determinações concretas. (GRÜNER, 2007, pg. 124). Outro ponto importantíssimo da obra de Marx é considerar a contradição e o conflito como elementos centrais da realidade. Como aborda Mao Tse Tung, A concepção materialista-dialética entende que, no estudo do desenvolvimento de um fenômeno, deve-se partir de seu conteúdo interno, das suas relações com os outros fenômenos, quer dizer, deve-se considerar o desenvolvimento dos fenômenos como sendo o seu movimento próprio, necessário, interno, encontrando-se, aliás, cada fenômeno no seu movimento, em ligação e interação com os fenômenos que o rodeiam. A causa fundamental dos fenômenos não é externa, mas interna; ela reside no contraditório do interior dos próprios fenômenos. No interior de todo fenômeno há contradições, daí seu movimento e desenvolvimento. O contraditório no seio de cada fenômeno é a causa fundamental do respectivo desenvolvimento enquanto ligação mutua e ação recíproca entre os fenômenos não constituem mais do que causas secundarias. (TSÉ TUNG, 1999, pg.41). Temos aqui, a partir da obra de Marx, três categorias importantes para a ciência social: a materialidade das relações sociais; a totalidade sempre renovada a partir da atualização da síntese de múltiplas determinações e, a contradição como inerente dos processos sociais. Mas, num contexto de Brasil, no século XXI, qual a validez destas categorias para interpretar a realidade? Quais os limites destas formulações para quem produz sociologicamente desde os países do Sul do mundo? É o que vamos analisar a seguir. Limites do Marxismo Certamente há varias maneiras para se criticar uma obra da envergadura de Karl Marx. Poderíamos partir de uma perspectiva mais comum, e considerar o marxismo como não cientifico e ultrapassado, por que carrega juízos de valor, por que não tem neutralidade, por que é panfletário, ou todas essas afirmações que ouvimos de maneira sutil nos bancos acadêmicos, evidentemente fundamentados por teorias coerentes; ou de maneira leviana, direta e objetiva nos editoriais e comentários dos grandes meios de comunicação social. Mas não é nesta perspectiva que buscaremos refletir. GT 8. Marx e marxismos latino-americanos 165

5 Aqui, busca-se apontar limites do marxismo desde autores de Universidades Latino-Americanas, que ao fazer uma critica a colonialidade do saber e ao eurocentrismo, inclui também o marxismo nesse conjunto de teorias elaboradas na Europa e que contribuíram no processo de colonização do chamado terceiro mundo. Cabe diferenciar as obras de Marx e as formulações posteriores chamadas de marxismo, sem isentar o primeiro das criticas. Por marxismo compreendemos a produção teórica de analise social desenvolvida posteriormente a Marx por autores como Lênin, Engels, Stalin, Kautsky, etc. Para descrever a colonialidade do saber e a crítica ao eurocentrismo nos ancoramos em Enrique Dussel e Anibal Quijano. Para estes autores as principais características do eurocentrismo são: a. As dualidades atrasado-moderno, superior-inferior, civilizado-barbaro: o processo de colonização das Américas mostra que os europeus, com auto-imagem de modernos e protagonistas da modernidade, portanto superior aos povos considerados bárbaros, primitivos. Esse sentimento faz com que os europeus, se sentissem na obrigação moral de desenvolver estes povos, impondo sua educação e se necessário utilizar a violência, pois o bárbaro tem culpa em não aceitar a modernidade, em não querer se civilizar. É uma perspectiva evolucionista e etnocêntrica. O não europeu é considerado atrasado. b. A não percepção do outro: a modernidade não considerou o índio sacrificado, o negro escravizado, a mulher oprimida, a criança e a cultura popular alienadas como seres iguais e sim como seres inferiores. c. O dualismo radical cartesiano: separação entre razão/sujeito e corpo, onde o corpo foi naturalizado como objeto. Essa separação é base das pretensões universalizantes de um saber científico que reivindica sua separação do subjetivo. E que vai considerar verdadeira e cientifica a objetividade. d. A idéia de raça: a classificação e hierarquização da sociedade entre europeus e não-europeus (negros, índios, mestiços) é social, porém foi naturalizada num conceito aparentemente biológico, mas que não é biológico é social. A obra de Marx foi desenvolvida neste contexto, dialogando com este universo cultural europeu, e se postula como cientifico/verdadeiro diante da reflexão dos socialistas franceses e ingleses (Saint Simon, Owen, Fourier e etc.) tidos como utópicos, e, portanto não científicos. GT 8. Marx e marxismos latino-americanos 166

6 É necessário abordar que o marxismo é uma das criticas mais bem elaboradas da sociedade capitalista, e que inclusive o pensamento critico latino-americano se utilizou das categorias básicas do marxismo para analisar de maneira conseqüente a sociedade atual. Mesmo assim, faz-se necessário apontar limites para a reflexão. Os principais eixos do debate em torno ao eurocentrismo e colonialismo no marxismo gravita em torno das seguintes idéias, descritas por Lander (2007): 1. Marxismo como ciência positiva: a reflexão de Marx procura fazer uma critica ao capitalismo, numa vertente cientificista que incorpora de forma não questionada o modelo de produção de conhecimento característico da ciência positiva que privilegia um sujeito histórico particular e a construção de todos os outros como objetos do conhecimento. Reproduz, portanto a dissociação do sujeito razão com o objeto corpo. 2. Teoria Leninista da Verdade: compreende o desenvolvimento histórico como um processo natural e o socialismo como produto de uma análise estritamente cientifica das tendências da sociedade capitalista. A realidade existe fora de nós e podemos chegar a conhecê-la de maneira absoluta, tendo o marxismo como única ciência do conhecimento objetivo da realidade. Nas palavras de Lênin: A única conclusão que se pode tirar da opinião, compartilhada pelos marxistas, de que a teoria de Marx é uma verdade objetiva, é a seguinte: indo pela senda da teoria de Marx, nos aproximamos cada vez mais da verdade objetiva [sem chegar nunca a seu fim]; indo por qualquer outra senda, não podemos chegar mais que à confusão e à farsa (LENIN, 1908, pg. 145) 3. O desenvolvimento progressivo a ascendente das forças produtivas. A maior parte das produções marxistas e do próprio Marx, vê a tecnologia como neutra e compartilha com o imaginário liberal da possibilidade de crescimento da felicidade e da liberdade humana sobre a abundância material sempre ascendente, assumindo uma perspectiva dualista entre cultura e natureza, própria do pensamento eurocêntrico. 4. Metarrelato Histórico Eurocêntrico: A sucessão histórica de modos de produção (sociedade sem classes, sociedade escravista, sociedade feudal, sociedade capitalista, sociedade socialista) postula uma versão de historia universal a partir de uma interpretação da história paroquial européia. A perspectiva marxista não vê fora das relações de produção capitalistas, de suas forças produtivas e em seus sujeitos históricos, outras forças dinâmicas de transformação. Essa ordem teleológica entra em crise com a queda do socialismo realmente real (Lander, 2009) GT 8. Marx e marxismos latino-americanos 167

7 abrindo perspectiva para se pensar outros processos, tendo possibilidades de futuro abertas. 5. A separação hierárquica dos âmbitos da vida social e do determinismo econômico em ultima instancia : Wallerstein (1996) aponta que a postulação da existência de âmbitos separados da vida histórico social - o passado e o presente; o moderno e o atrasado; o social e o econômico é uma das construções mais potentes da concepção de mundo liberal. Lander (2007) considera que o marxismo não superou essa separação, ao contrario, reforçou com as categorias infra-estrutura e super estrutura e de determinação do econômico em ultima instancia. Outro limite da teoria marxista dentro dessa incorporação liberal é utilizar a categoria totalidade ignorando as heterogeneidades histórico-sociais existentes. É compreensível que seria impossível o marxismo surgir sem dialogar com o pensamento eurocêntrico. Para se validar o marxismo necessitava dialogar dentro das categorias teóricas existentes na sociedade européia industrial. Por vezes o marxismo rebateu, em outras reproduziu e incorporou o eurocentrismo em sua sociogênese. Porém aqui não cabe justificar essa relação sim constatar que para uma análise da sociedade contemporânea é necessário considerar essa reflexão sobre o marxismo e o eurocentrismo. Possibilidades e desafios Diante dos limites expostos, como aproveitar o marxismo como ferramenta conceitual para analisar a sociedade contemporânea? Utilizar o marxismo de maneira dogmática não é uma pista aconselhável. Gonzalez afirma que: Muito dano tem feito ao pensamento dogmático que converteu o marxismo em um corpo teórico acabado e auto-suficiente, com respostas inequívocas para todo tempo e lugar. Tal tipo de atitude parece mais própria dos livros de auto-ajuda que da tradição de pensamento vivo que Marx ajudou a fundar. (GONZALEZ, 2007, pg. 24) Nessa mesma perspectiva é necessário considerar que, uma interpretação passiva do marxismo, reproduzindo de maneira acrítica os conceitos, não enriquece as analises, para Grüner: A estilo de interpretação (característico, por exemplo, da hermenêutica bíblica tradicional) chamaremos interpretação passiva, já que ao que ela conduz não é a produção de um novo conhecimento, mas sim a restauração de uma realidade que na verdade sempre esteve ali, só que deformada pela mascara simbólica. (GRÜNER, 2007, pg. 119). GT 8. Marx e marxismos latino-americanos 168

8 Cremos que, utilizar as categorias de Marx, para estimular o pensamento, é uma alternativa viável, conforme nos indica Malagodi: O pensamento precisa ser entendido como instancia de criação, e não apenas de recriação das coisas já existentes. Um espaço do real ainda que seja apenas do real pensado -, e não como sua pura projeção. Do contrario, de nada adianta nos livrarmos do platonismo para cair em um realismo que aprisiona arbitrariamente o pensamento e não encara suas questões porque as procura alhures, ou seja, fora de onde elas, por direito, deveriam estar. (MALAGODI, 1993, pg. 52). Reinventar, estimular o pensamento, usar os conceitos como inspiração e não apenas reproduzir doutrinas são passos necessários para analisar a sociedade desde uma perspectiva critica e transformadora, sendo também críticos e transformadores no âmbito da teoria e da metodologia da ciência social. Bibliografia DUSSEL, Enrique. 1492: El encubrimiento del outro. Hacia el origem del mito de la modernidad. Nueva Utopia: Madri, GONZÁLEZ, Sabrina. Crônicas marxianas de uma morte anunciada.. In: BORON, A. et al. A teoria marxista hoje: problemas e perspectivas. CLACSO Livros/ Expressão Popular: São Paulo, GRÜNER, Eduardo. Leituras culpadas: Marx (ismos) e a práxis do conhecimento. In: BORON, A. et al. A teoria marxista hoje: problemas e perspectivas. CLACSO Livros/ Expressão Popular: São Paulo, LANDER, Edgardo. Marxismo, eurocentrismo e colonialismo.. In: BORON, A. et al. A teoria marxista hoje: problemas e perspectivas. CLACSO Livros/ Expressão Popular: São Paulo, LENIN, V.I. Materialismo y empiricismo. Notas criticas sobre una filosofia reaccionaria. Editorial Progresso: Moscou, MALAGODI, Edgard. Notas Epistemológicas e Metodológicas sobre a teoria dialética. Campina Grande/PB. UFPB, MARX, Karl & ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã: Feuerbach a contraposição entre as cosmovisões materialista e idealista. Martin Claret: São Paulo, MARX, Karl. Elementos fundamentales para la critica de la economia política (Gundrisse) Siglo XXI: México, GT 8. Marx e marxismos latino-americanos 169

9 MARX, Karl. Para a critica da economia política. In Marx K. Manuscritos Economicos Filosóficos e outros textos escolhidos. Nova Cultural: São Paulo, TSÉ TUNG, Mao. Sobre a prática e sobre a contradição. Expressão Popular: São Paulo, WALLERSTEIN, Immanuel. Abrir las ciências sociales. Siglo XXI: México, GT 8. Marx e marxismos latino-americanos 170

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, "Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx", Revista Portuguesa de

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx, Revista Portuguesa de Karl Heinrich Marx (1818 1883) e Friedrich Engels (1820 1895), foram filósofos, historiadores, economistas e políticos alemães, criadores de uma importante corrente de pensamento que visava a transformação

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

Introdução à Sociologia Clássica 1

Introdução à Sociologia Clássica 1 Introdução à Sociologia Clássica 1 Eleandro Moi 2 A sociologia constitui um projeto intelectual tenso e contraditório. Para alguns ela representa uma poderosa arma a serviço dos interesses dominantes,

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA?

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? 1 Ivo Tonet* 1. Introdução Costuma-se associar o termo teoria crítica à Escola de Frankfurt. Contudo, no presente texto, nosso objetivo não é discorrer sobre a teoria

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO GRUPOS EXCLUÍDOS, MOVIMENTOS SOCIAIS E DIREITOS HUMANOS PROFESSOR: MARCUS ORIONE GONÇALVES CORREIA

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Pensamento Marxista e a Educação na Sociedade Capitalista Atual

Pensamento Marxista e a Educação na Sociedade Capitalista Atual 1 Pensamento Marxista e a Educação na Sociedade Capitalista Atual DINIZ, Rosemeri Birck - Universidade Federal do Tocantins. rosebirck@uft.edu.br SOUZA, Raquel Aparecida. Universidade Federal do Tocantins.

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

A PERSPECTIVA HISTÓRICO-CRÍTICA NA PESQUISA SOCIAL 1. Maisa Miralva da Silva 2 maisasilva@uol.com.br

A PERSPECTIVA HISTÓRICO-CRÍTICA NA PESQUISA SOCIAL 1. Maisa Miralva da Silva 2 maisasilva@uol.com.br Boletín Electrónico Surá # 170, Setiembre 2010 Escuela de Trabajo Social - Universidad de Costa Rica www.ts.ucr.ac.cr Derechos Reservados a favor del autor del artículo A PERSPECTIVA HISTÓRICO-CRÍTICA

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO.

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. 1 IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. André Talhamento - UFPel Eixo 5: Trabalho-educação e a formação dos trabalhadores

Leia mais

KARL MARX (1818-1883)

KARL MARX (1818-1883) KARL MARX (1818-1883) 1861 Biografia Nasceu em Trier, Alemanha. Pais judeus convertidos. Na adolescência militante antireligioso; A crítica da religião é o fundamento de toda crítica. Tese de doutorado

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO Sistema de Ensino CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO UNO Ensino Médio Sociologia 1 Módulo I Nascimento da Sociologia I Do início 1. Da era pré-científica ao Renascimento I. O conhecimento como característica

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética

1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética Ética e linguagem: uma perspectiva marxista Renato Campos Pordeus Mestrando pelo Departamento de Filosofia da UFPE 1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética A compreensão do homem,

Leia mais

Vigotski e os fundamentos de uma psicologia marxista

Vigotski e os fundamentos de uma psicologia marxista Vigotski e os fundamentos de uma psicologia marxista Autor: Paulo C. Duarte Paes Doutorando em Educação - UFSCar Em toda a extensão da obra de Vigotski o materialismo histórico e dialético aparece como

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI Ariana Célis Leite Lívia Hernandes de Carvalho Lívia Moura Marinho Thiago Agenor dos Santos de Lima RESUMO: O presente artigo tem como

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA COMO PERSPECTIVA DIDÁTICA DE ENSINO: UMA DISCUSSÃO SOBRE SEUS LIMITES 1

PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA COMO PERSPECTIVA DIDÁTICA DE ENSINO: UMA DISCUSSÃO SOBRE SEUS LIMITES 1 1 PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA COMO PERSPECTIVA DIDÁTICA DE ENSINO: UMA DISCUSSÃO SOBRE SEUS LIMITES 1 Vanessa Manosso Ramos 2 RESUMO: Este artigo pretende discutir sobre a utilização da proposta pedagógica

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Escola Cidade/Campo; APP- sindicato;

Palavras-chave: Formação de professores; Escola Cidade/Campo; APP- sindicato; 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES DAS ESCOLAS DAS CIDADES/CAMPO: A CONTRIBUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DE MARINGÁ PR (APP-SINDICATO) Rozenilda Luz Oliveira de Matos 1 Maria Edi da Silva Comilo 2 Resumo

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Marx e a religião: a construção do conhecimento histórico

Marx e a religião: a construção do conhecimento histórico Marx e a religião: a construção do conhecimento histórico Sylvana Maria Brandão de Aguiar 1 Edson de Araújo Nunes 2 Renan Vilas Boas de Melo Magalhães 3 Rafaella Valença de Andrade Galvão 4 Resumo Extremamente

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

ALIENAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE SUA INFLUÊNCIA NA ATIVIDADE DOCENTE

ALIENAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE SUA INFLUÊNCIA NA ATIVIDADE DOCENTE ALIENAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE SUA INFLUÊNCIA NA ATIVIDADE DOCENTE Adriano Maciel de Souza André Siviero Fábio Luiz Tognin Lilian Luzia Tiezzi dos Santos Nascimento Luci Ramos Lisboa Zioli Maria Elisa Gonçalves

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

A EFICÁCIA DOS DIREITOS HUMANOS: fragmentos de contribuições políticas latino-americanas

A EFICÁCIA DOS DIREITOS HUMANOS: fragmentos de contribuições políticas latino-americanas 1 A EFICÁCIA DOS DIREITOS HUMANOS: fragmentos de contribuições políticas latino-americanas A literatura acerca da temática leva à inferência de que o processo de colonização da América parte de um projeto

Leia mais

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER Introdução França e Inglaterra desenvolveram o pensamento social sob a influência do desenvolvimento industrial e urbano, que tornou esses países

Leia mais

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX ROSA, Aline Azevedo 1 DELGADO, Valéria 2 MARTINS, Eduardo 3 RESUMO Este artigo abordará a temática acerca da disciplina sociologia da educação. Esta disciplina

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

Elementos teóricos para uma perspectiva interpretativa: totalidade, mediações e formação social

Elementos teóricos para uma perspectiva interpretativa: totalidade, mediações e formação social ESTUDIOS HISTORICOS CDHRP- Año III - Octubre 2011 - Nº 7 ISSN: 1688 5317. Uruguay Elementos teóricos para uma perspectiva interpretativa: totalidade, mediações e formação social Prof. Dr.Agostinho Mario

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil MALINA, ANDRÉ; BARRETO DE AZEVEDO, ÂNGELA CELESTE O ESPORTE PODE TUDO: O

Leia mais

O HUMANISMO DE KARL MARX: O TRABALHO NA HISTÓRIA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO HOMEM

O HUMANISMO DE KARL MARX: O TRABALHO NA HISTÓRIA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO HOMEM O HUMANISMO DE KARL MARX: O TRABALHO NA HISTÓRIA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO HOMEM Felipe Gustavo Soares da Silva 1 RESUMO Muitas críticas são tecidas já a algum tempo acerca da concepção do trabalho na sociedade

Leia mais

SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO

SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO Aurélia Lopes Gomes [1] Paula Rosane Vieira Guimarães 1 RESUMO: Este trabalho visa oferecer

Leia mais

Nome do Departamento: Instituto de Relações Internacionais Nome do(a) Aluno(a): Alessandro Biazzi Couto

Nome do Departamento: Instituto de Relações Internacionais Nome do(a) Aluno(a): Alessandro Biazzi Couto PIBIC 05/06 Nome do Departamento: Instituto de Relações Internacionais Nome do(a) Aluno(a): Alessandro Biazzi Couto Nome do(a) Orientador(a): João Franklin A.P. Nogueira Título do Projeto: O Mundo Visto

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é:

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: Atividade extra Fascículo 3 Sociologia Unidade 5 Questão 1 Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: a. Isolamento virtual b. Isolamento físico c.

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Assinalar a alternativa correta: A) Com seu giro linguístico hermenêutico, Gadamer mostra que o processo hermenêutico é unitário,

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Fundamentos e Tendências da Educação: perspectivas atuais

Fundamentos e Tendências da Educação: perspectivas atuais Fundamentos e Tendências da Educação: perspectivas atuais Poplars on the River Epte Claude Monet, 1891 Vandeí Pinto da Silva NEPP/PROGRAD ... as circunstâncias fazem os homens tanto quanto os homens fazem

Leia mais

1. Introdução. Página 1 de 7

1. Introdução. Página 1 de 7 O ESPAÇO DOS HOMENS PLENOS: FERNANDO SALINAS, A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ARQUITETURA DO ISPJAE / CUBA E A PERSPECTIVA DE FORMAÇÃO OMNILATERAL Fábio Fernandes Villela, Doutor em Sociologia

Leia mais

O racismo como subproduto da sociedade de classes

O racismo como subproduto da sociedade de classes O racismo como subproduto da sociedade de classes José Bezerra da Silva * & Maria Edna Bertoldo ** Resumo O racismo é descrito no texto como uma forma terrível de apropriação do trabalho humano. Assim,

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito)

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) 1- EXPLIQUE o que argumenta a Teoria do Conflito Social. 2- Em que consiste as teses defendidas pelo interacionismo simbólico? 3- O que

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 2

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 2 2 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: REFLETINDO SOBRE AS POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL E DE DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIAS E/OU DIFICULDADES ESCOLARES Profº Dr. Irineu A. Tuim Viotto

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV. Cultura Política em Perspectiva

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV. Cultura Política em Perspectiva CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV Cultura Política em Perspectiva Maria Raquel Lino de Freitas Dezembro de 2006 UMA BREVE COLOCAÇÃO DO PROBLEMA Sociedade Civil Estado

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

EXERCÍCIOS - SOCIOLOGIA - POSITIVISMO

EXERCÍCIOS - SOCIOLOGIA - POSITIVISMO 1. A sociologia nasce no séc. XIX após as revoluções burguesas sob o signo do positivismo elaborado por Augusto Comte. As características do pensamento comtiano são: a) a sociedade é regida por leis sociais

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UFMG PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO

FACULDADE DE DIREITO DA UFMG PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO FACULDADE DE DIREITO DA UFMG PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO Disciplina: Fundamentos Filosóficos do Trabalho Professora: Daniela Muradas Aluno: Matheus Campos Caldeira Brant Maio de 2009 A DIALÉTICA MATERIALISTA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MATERIALISMO DIALÉTICO I

INTRODUÇÃO AO MATERIALISMO DIALÉTICO I INTRODUÇÃO AO MATERIALISMO DIALÉTICO I - Introdução O marxismo está intimamente ligado a uma filosofia e a um método. Esse método é o materialismo dialético e torna-se fundamental entendê-lo, não só para

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo À medida que a mente compreende as coisas como necessárias, ela tem um maior poder sobre os seus afetos, ou seja, deles padece menos. Benedictus de Spinoza in Ética Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS Professor(es): WALLACE DOS SANTOS DE MORAES Disciplina: TÓPICO

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

Palavras-chave: Marx; Ernst Bloch; Teses sobre Feuerbach. Financiamento: Fundação Araucária.

Palavras-chave: Marx; Ernst Bloch; Teses sobre Feuerbach. Financiamento: Fundação Araucária. AS TESES DE MARX SOBRE FEUERBACH: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE ERNST BLOCH Larissa Klosowski de Paula Prof. Dr. Roberto Leme Batista (Orientador) Universidade Estadual do Paraná UNESPAR Campus de Paranavaí

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO 1. Da justiça particular e do que é justo no sentido correspondente, uma espécie é a que se manifesta nas distribuições de honras, de

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

A exploração da liberdade

A exploração da liberdade A crise da liberdade A exploração da liberdade A liberdade foi um episódio. Episódio significa entreato, intervalo entre dois atos. O sentimento de liberdade situa se na transição de uma forma de vida

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS 1 VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS OS FUNDAMENTOS MARXISTAS E GRAMSCIANOS À LUZ DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO ENSINO MÉDIO DO INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO Problematização Juliana Gimenes Gianelli

Leia mais

ENSINO MÉDIO - 2015 MATÉRIAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 1ª série Língua Portuguesa Profa. Rosana. Pronomes e Verbo (tudo sobre).

ENSINO MÉDIO - 2015 MATÉRIAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 1ª série Língua Portuguesa Profa. Rosana. Pronomes e Verbo (tudo sobre). REDE SAGRADO - COLÉGIO SAGRADO CORAÇÃO DE MARIA UBÁ - ANO 2015 Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, Pré-Vestibular, Curso Técnico em Meio Ambiente Praça São Januário, 276 CEP:36500-000

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais