FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO. 1.Título do Projeto: CLIE - Ja: Centro Linguístico de Inglês e Espanhol em Jaguari.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO. 1.Título do Projeto: CLIE - Ja: Centro Linguístico de Inglês e Espanhol em Jaguari."

Transcrição

1 FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.Título do Projeto: CLIE - Ja: Centro Linguístico de Inglês e Espanhol em Jaguari. Coordenador: Lucas Martins Flores Câmpus envolvido(s): Câmpus Jaguari Curso ou Área de Vinculação: Área Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Línguas Estrangeiras. Público Alvo: Alunos Matriculados nos Cursos de Ensino Médio e Ensino Superior do IF Farroupilha-Câmpus Jaguari N de Pessoas a serem diretamente atingidas: aproximadamente 20 alunos para cada turma Período e local de Realização: Abril a Novembro 2015 Projeto de: ( x ) Longa Duração ( ) Curta Duração Carga Horária Total: 120 h

2 2. RECURSOS HUMANOS a) Coordenador Nome: Lucas Martins Flores SIAPE: Cel: (55) b) Colaborador(es) Nome Câmpus SIAPE Graciele Turchetti de Oliveira Denardi (espanhol) Jaguari N de horas no projeto Rubrica Erick Callegaro (inglês) Jaguari APROVAÇÃO DIREÇÃO DE ENSINO / DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO* Nome Função Assinatura Neiva Lílian Ferreira Ortiz DE 4. DECLARAÇÃO DE CEDÊNCIA DE DIREITOS AUTORAIS Eu, Lucas Martins Flores, autorizo a destinação desse Projeto ao Banco de Projetos de Ensino do Instituto Federal Farroupilha e sua execução em outro Câmpus, desde que citada a autoria. Assinatura Nome Lucas Martins Flores * A Diretoria de Ensino deverá aprovar caso haja previsão orçamentária do Câmpus para a execução do Projeto.

3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA Câmpus Jaguari CLIE - Ja: Centro Linguístico de Inglês e Espanhol em Jaguari

4 Santa Maria 2015

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 2 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS 4 3 JUSTIFICATIVA 4 4 RESULTADOS ESPERADOS 5 5 REVISÃO DA LITERATURA 6 6 METODOLOGIA 8 7 CRONOGRAMA 10 8 ORÇAMENTO 11

6 1 INTRODUÇÃO O Projeto de Ensino CLIE - Ja: Centro Linguístico de Inglês, Espanhol tem como foco construir um espaço dedicado à valorização e difusão do estudo das línguas estrangeiras: Inglês e Espanhol no Instituto Federal Farroupilha - Câmpus Jaguari, juntamente, com todos os benefícios que o ensino de línguas pode trazer ao ser humano. O ser humano possui características que lhes são próprias de sua condição. Nenhum outro ser, por exemplo, tem a capacidade de articulação linguística em termos de léxico e sintaxe; o ser humano é o único ser capaz de refletir sobre sua própria condição e de evoluir de uma geração para outra; ele pode transformar o mundo, se transforma e transforma a percepção que temos do mundo. Tudo isso, através das competências linguísticas, seja pela fala, escrita, leitura, pelos ensinamentos transmitidos de uma geração para outra, pela cultura, etc. O ensino de línguas permite salientar o aluno na sua essência, tanto pela ação do verbo ensinar que significa provocar mudança, quanto pela sua evolução enquanto seres falantes. Esses, através do conhecimento de outras línguas, podem evoluir enquanto seres, a partir do conhecimento de outras culturas, proporcionado pelo aprendizado de línguas. Nesse sentido, o objetivo principal deste Projeto de Ensino é ensinar Inglês e Espanhol não só no nível da recepção escuta e leitura mas, principalmente, no nível da produção fala e escrita. Essas línguas não devem ser ensinadas apenas para recepção, fazendo com que os alunos sejam, por exemplo, apenas leitores, incapazes de falar, escrever ou ouvir e entender a/na língua. Para tanto, este projeto abrangerá todos os alunos regularmente matriculados no Câmpus Jaguari, que hoje frequentam cursos de Ensino Médio, e/ou Superior. No entanto, somente àqueles que fizerem suas matrículas para

7 determinado curso, demonstrando por esse ato, seu real interesse nesse aprendizado. Os alunos podem matricular-se nos quatro cursos e/ou optar dentre: 02 de Inglês (um no primeiro semestre e outro no segundo), 02 de Espanhol (um no primeiro e outro no segundo semestre), cada curso terá a duração de 60 horas/aula. A partir disso, pensando na relevância do ensino e aprendizado de línguas, cada turma deverá ter no máximo 20 alunos, sendo que os cursos só abrirão, com o mínimo de 8 alunos matriculados, o que permitirá ao professor, utilizando-se de uma metodologia sócio-interacionista, dar atenção a cada aluno no que diz respeito ao ensino dessas quatro habilidades (falar, ouvir, escrever e ler). Importante destacar que será oferecida uma turma em cada língua. Caso haja excessiva procura, a Diretoria de Ensino, junto à Coordenação do Projeto, avaliarão a possibilidade dessa oferta, observando a disponibilidade dos professores envolvidos e as atividades estudantis. Esperamos, através do CLIE - Ja, constituir o Câmpus Jaguari, como excelência no ensino de línguas; acelerar as atividades relacionadas à implantação do Centro de Línguas do Instituto Federal Farroupilha, também conhecido como Núcleo de Ações Internacionais NAI; incentivar os alunos à participação de intercâmbios estudantis, propiciar maior possibilidade de exploração de materiais e recursos de aprendizagem em outras línguas, de busca de outras atividades. 2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Construir um espaço dedicado à valorização e difusão do estudo de Línguas Estrangeiras (Inglês e Espanhol) no Instituto Federal Farroupilha Câmpus Jaguari, com foco no uso real da língua enquanto prática social. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

8 Possibilitar a reflexão sobre a língua materna do educando, através do aprendizado da(s) língua(s) estrangeira(s); Utilizar a(s) língua(s) estrangeira(s) como elemento(s) fundamental(is) de transformação social; Valorizar a diversidade cultural advindo do aprendizado de cada língua; Promover atividades concretas do uso da(s) língua(s) estrangeira(s) em práticas educacionais e sociais; 3 JUSTIFICATIVA O Projeto de Ensino CLIE - Ja: Centro Linguístico de Inglês e Espanhol nasce com o desejo de constituir o Câmpus Jaguari como referência no que tange ao ensino de línguas. A oferta de um projeto de ensino, que contemple a aprendizagem de duas línguas estrangeiras, também é legitimado no IF Farroupilha - Câmpus Jaguari, pois representa um apoio didático pedagógico aos alunos, diante de um contexto educacional cada vez mais exigente. Os próprios aportes legais do Ministério da Educação, indicam que a aprendizagem de línguas estrangeiras, precisa ser compreendida como um direito básico de todas as pessoas e uma resposta a necessidades individuais e sociais do homem contemporâneo não apenas como forma de inserção sócio profissional, mas igualmente, pelo fato de incentivar e promover a participação social. Esse movimento tem papel fundamental na formação dos adolescentes, jovens e adultos. Nesse sentido, é fundamental reconhecer que a língua estrangeira permite o acesso a uma ampla rede de comunicação e à grande quantidade de informações presentes na sociedade contemporânea. Destacase também a contribuição da Língua Estrangeira na escola, pelo fato de contribuir na interpretação do quadro político e social composto pela mídia, bem como a entender tanto as culturas estrangeiras quanto a própria cultura, com as diferentes formas de expressão e de comportamento. (BRASIL, 2008).

9 Desse modo, o ensino de Língua Estrangeira tem um papel central na formação interdisciplinar dos estudantes, pois contribui para a construção da cidadania e fortalece a participação social, oportunizando que aumenta a visão e a leitura do mundo em que vivem, reflitam sobre isso e possam nele inserirse e transformar. (BRASIL, 2008). Portanto, o presente projeto se justifica, pois objetiva contribuir com a formação de profissionais e cidadãos ampliando o acesso a novos conhecimentos, acessível em outras línguas, constituindo-se em instrumentos linguísticos que facilitem inúmeras circunstâncias de pesquisa, redação de currículos, leitura de manuais da área, entrevistas de emprego, entre outros. Também é notável apontar que servirá como alternativa de lazer ao oferecer uma perspectiva mais abrangente, permitindo que os adolescentes, jovens e adultos possam aproveitar melhor a leitura de livros, jornais, revistas, compreender melhor filmes, músicas, telejornais, documentários, entre tantos opções a que tem acesso no cotidiano. (BRASIL, 2008). Assim, vale lembrar, que o Câmpus Jaguari encontra-se em período de implantação de suas atividades no Vale do Jaguari. Como previsto na Lei /2008, os Institutos Federais foram criados prevendo a oferta de 50% das vagas para cursos de nível médio, preferencialmente, técnico integrado. Esses cursos, normalmente, têm a duração de três anos. Da mesma forma, essa Lei, prevê o compromisso de 20% da oferta dos Cursos de Formação de Professores, que hoje é assumido pelo Câmpus Jaguari, com o Curso de Licenciatura em Educação do Campo, com duração de quatro anos. Por isso, o Centro de Línguas, através do Projeto de Ensino CLIE, promove a continuação de suas atividades para propiciar a esses alunos, tanto dos Cursos de Ensino Médio, quanto dos Cursos superiores, a oportunidade de, talvez, em três ou quatro anos concluírem seus respectivos cursos, constituindo conhecimentos na(s) língua(s) suficientes para participarem de ações internacionais, como intercâmbios, além de ampliar perspectivas. Os alunos que hoje frequentam os Cursos Superiores ofertados pelo Câmpus Jaguari, Nesse sentido, o aluno terá a oportunidade de escolher o idioma a cursar ou poderá estudar mais de um, despertando o interesse e gosto pelo estudo de línguas. Segue os cursos que serão ofertados neste segundo ano:

10 Inglês dois cursos: Básico 1 (40 horas) e Básico 2 (40 horas). Espanhol dois cursos: Básico 1 (40 horas) e Básico 2 (40 horas). Há uma intencionalidade de nos próximos anos, terceiro e quarto anos do CLIE - Ja, oferecer curso intermediário e avançado para que seja possível ao aluno, prestar a prova do TOEFL, que é uma das ações previstas pelo NAI. Diante disso, caso o NAI, nos próximos anos, já esteja regulamentado no Instituto Federal Farroupilha, seguiremos essa proposta do Centro de Línguas pelo NAI e não por um Projeto de Ensino Portanto, o Instituto Federal Farroupilha- Câmpus Jaguari assume com esse projeto, o compromisso de ser um lugar para a constituição de uma identidade, ao colaborar que o aluno se perceba como integrante de uma comunidade linguística. 4 RESULTADOS ESPERADOS Através da criação do CLE - Ja, esperamos impulsionar as tratativas relacionadas à implantação do Centro de Línguas do Instituto Federal, a fim de que se torne institucional a frequência de alunos do Farroupilha em Centros de Línguas, como prevê as Diretrizes Institucionais para os Cursos Técnicos do IF Farroupilha (Resolução nº 102, de 02 de dezembro de p. 21). Além disso, é fundamental despertar o interesse dos alunos ao estudo de línguas para que seja efetiva sua frequência nas aulas e assim, possamos realmente concretizar o desejo de que, ao final dos cursos sequenciais, os discentes possam comunicar-se de forma básica nas línguas estrangeiras acima referidas. Esperamos, além disso, possibilitar e encorajar os alunos a participar de intercâmbios estudantis promovidos pelo Instituto Federal Farroupilha e outras instituições mediante capacitação/ proficiência na(s) língua(s) estrangeira(s). É oportuno manifestar a perspectiva de que essa atividade contribua para o aprimoramento da qualidade dos Cursos ofertados, fortaleça a formação

11 acadêmica, estimule o intercâmbio, impulsionando as atividades de ensino, pesquisa e extensão. 5 REVISÃO DA LITERATURA O mundo globalizado está a exigir a aprendizagem de línguas estrangeiras. Esse cenário atual, não pode ficar despercebido pelas instituições de ensino, que assumem oferecer um processo educacional com qualidade. Nesse contexto, nasce a necessidade de um ensino-aprendizagem da língua inglesa e espanhola nos currículos escolares, tendo em vista que os estudantes já convivem cotidianamente com estes idiomas bem como pela determinação da própria Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece em seu artigo 26, parágrafo 5º: Na parte diversificada do currículo será incluído, obrigatoriamente, a partir do quinto ano, o ensino de pelo menos uma língua estrangeira moderna, cuja escolha ficará a cargo da comunidade escolar, dentro das possibilidades da instituição. Há uma compreensão nos aportes legais e também por parte dos pesquisadores do campo educacional, que o processo de ensino-aprendizagem da língua inglesa e da língua espanhola nas escolas privadas e públicas precisa estabelecer uma pedagogia realista, com objetivos claros e bem definidos pelos docentes que trabalham nessa área. Nas palavras de Celani (1997) essa ação formativa necessita estar articulada à função social da língua estrangeira em relação aos alunos em questão, ou seja, ao papel social dessa língua estrangeira na construção da cidadania como parte integrante da formação global do indivíduo. Esse tem sido um dos compromissos assumidos pelo Instituto Federal Farroupilha- Câmpus Jaguari, que na atualidade, oportuniza a participação de seus alunos em programas de intercâmbios. É possível afirmar que o intercâmbio consiste em uma atividade que proporciona diversos tipos de conhecimentos, além de ser uma experiência muito rica, pois oferece o contato com a língua foco e culturas diferenciadas. No entanto, um dos grandes entraves existentes para os estudantes que desejam realizar esse tipo de atividade é o seu conhecimento na(s) língua(s)

12 estrangeira(s). Por isso, este projeto abrande Inglês e Espanhol pelos seguintes motivos. Escolhemos trabalhar com Inglês, por se tratar da língua estrangeira mais estudada no mundo (LEFFA, 2006, p. 364). De acordo com o referido autor, o inglês é falado por mais de um bilhão e meio de pessoas; o inglês é a língua usada em mais de 70% das publicações científicas; o inglês é a língua das organizações internacionais. O inglês não tem fronteiras geográficas: enquanto o chinês também é falado por mais de um bilhão de pessoas, a língua chinesa está restrita à China e a alguns países vizinhos. O inglês é não só declaradamente a língua oficial de 62 países, mas é também a língua estrangeira mais falada no mundo: para cada falante nativo há dois falantes não-nativos que a usam para sua comunicação, corrobora Leffa (2006, p. 364). O espanhol também é fonte de interesse dos alunos, e por isso, ofereceremos seu estudo, tendo em vista à proximidade com os países do MERCOSUL. Somos o único país que não possui o espanhol como língua materna na América do Sul. Além disso, de acordo com a Lei nº , de 05 de agosto de 2005, o ensino de língua espanhola, de oferta obrigatória pela escola e de matrícula facultativa para o aluno será oferecido no PPC do Curso, no entanto, com ênfase na área técnica e não como se propõe o CLIEI, com ênfase sócio-comunicativo: fazendo com que o estudante se torne hábil de comunicar-se com fluência na língua. Ao levarmos em consideração as questões mundiais, regionais e locais dos alunos é que justificamos a opção por trabalhar com, respectivamente, Inglês e Espanhol no CLIE - Ja. Em janeiro de 2014, o Jornal Hoje anunciou que o número de brasileiros que fizeram intercâmbio para estudar cresceu cinco vezes em nove anos. De acordo com a reportagem, em 2003, 34 mil brasileiros foram para o exterior fazer intercâmbio. No ano passado, 2013, 175 mil estudantes. Isso comprova o

13 incentivo que se tem pelas instituições de ensino para a formação integral, linguística e cultural dos alunos. O Instituto Federal Farroupilha, através da criação do NAI, propõe-se a envolver seus alunos nessa realidade de trocas interculturais. É oportuno enfatizar que as ações pedagógicas direcionadas ao ensino e aprendizagem do idioma estrangeiro no contexto brasileiro, têm sido cada vez mais valorizadas, contemplando as propostas curriculares das instituições de ensino, fundamentadas na legislação brasileira vigente. Essa implementação está apoiada na consonância com a Lei de Diretrizes e Bases, os Parâmetros Curriculares Nacionais, e os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio, bem como as Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, com a finalidade de oportunizar uma formação inovadora aos brasileiros, com vistas ao desenvolvimento de habilidades para o uso da língua nas práticas sociais do cotidiano. REFERÊNCIAS BRASIL. Lei nº de dezembro de Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Presidência da República. Brasília, BRASIL, Proposta Curricular. Língua Estrangeira. Língua Estrangeira na Educação de Jovens e Adultos na Educação de Jovens e Adultos. Vol. 2. Ministério da Educação. Brasília Disponível em: mento/vol2_linguaestrangeira.pdf BRASIL. Lei nº , de 05 de agosto de Dispõe sobre O ensino da Língua Espanhola. Presidência da República. Brasília, BRASIL. Currículo Básico Comum Língua Estrangeira / Ensinos Fundamental e Médio. Secretaria de Educação de Minas Gerais. Minas Gerais, BRASIL. LDB : Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 9. ed. Brasília : Câmara dos Deputados, Edições Câmara, p. (Série legislação ; n. 118). Disponível em: LDB%209.ed..pdf?sequence=1 CELANI, Maria Antonieta Alba. Ensino de línguas estrangeiras: olhando para o futuro.ensino de segunda língua redescobrindo as origens. São Paulo:

14 EDUC, INSTITUTO FEDERAL, DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA. Resolução nº 102, de 02 de dezembro de Diretrizes Institucionais para os Cursos Técnicos. Santa Maria, 02 dez LEFFA, Vilson J. O professor de línguas: construindo a profissão. 2ª ed., Pelotas: EDUCAT, METODOLOGIA O Projeto de Ensino CLIE - Ja: Centro Linguístico de Inglês e Espanhol em Jaguari destina-se aos alunos regularmente matriculados e frequentes nas atividades do Câmpus. Atualmente, Curso Técnico em Agroindústria Integrado, Curso Técnico em Agroindústria PROEJA, Licenciatura em Educação do Campo: Habilitações Ciências da Natureza e Ciências Agrárias, totalizando, aproximadamente, 260 alunos. A inserção do discente ao projeto se dará pelos seguintes critérios: a) estar regularmente matriculado; b) frequente nas aulas; c) cumprindo com as atividades acadêmicas, conforme demanda de cada curso e suas especificidades. Assim que obtivermos a aprovação do CLIEI - Ja, os alunos serão comunicados sobre a existência do Projeto; haverá um edital organizado pela Direção de Ensino e as coordenações dos Projetos de Ensino para a inscrição e a seleção dos alunos; assim que os alunos forem selecionados, o coordenador do projeto realizará uma reunião com esses alunos para explicação do projeto, sua finalidade e quais os papeis do coordenador, dos docentes colaboradores dos alunos participantes. Caso seja necessário, conforme a procura pelos cursos, haverá um edital para matrículas a ser divulgado no site institucional e locais de circulação, em seguida, os horários dos cursos serão organizados, conforme a disponibilidade dos professores e alunos, levando em consideração os dias e turnos livres em que os discentes encontram-se na instituição. Nesse sentido, destaca-se que no Câmpus Jaguari, cada turma encontra-se em diferentes turnos na

15 instituição, por exemplo: Técnico em Agroindústria Integrado e PROEJA (segunda, terça e quarta-feira) diurno e noturno respectivamente; Licenciatura em Educação do Campo (sextas e sábados). Nesse contexto, torna-se inviável aos professores colaboradores do CLIE Ja oferecer a abertura de uma turma para cada curso, por isso, após os alunos matriculados, haverá uma reunião com esses alunos para a decisão de que dia e horário fica melhor para que possa haver a participação de um máximo possível de alunos nos cursos do CLIE Ja, a partir de proposta inicial dos colaboradores de cada curso. Cada professor poderá adequar-se as atividades dos cursos ofertados pelo CLIE Ja, conforme as propostas de Cursos do Câmpus Jaguari. Por exemplo, os cursos são ofertados pela Pedagogia da Alternância, método que consiste em articular saberes vividos, experimentados em tempos e espaços distintos, tendo como finalidade a formação integral e profissional. Os cursos do CLIE Ja poderão utilizar-se desses saberes oriundos dos espaços vivenciados pelos alunos para planejar suas aulas de línguas. Além disso, algumas atividades extra-classe poderão ser contabilizadas para as horas/ curso, como atividades de produção textual, exercícios de escuta, interpretação de textos, via tecnologias de informação, etc. Ao finalizarmos um ano de cursos do CLIE Ja, pretendemos fazer uma festa temática de encerramento que envolva culturas das Línguas Inglesa e Espanhola, objetivando valorizar essas diferentes culturas e a importância de cada um no contexto mundial, nacional, regional e local. Essa atividade tem o objetivo de incentivar aos alunos o estudo de línguas. 7 CRONOGRAMA ETAPA Abril Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Divulgação/ Matrículas/ Preparação Material Didático Início das aulas X X X

16 Curso Inglês (1 e 2) X X X X X X X X Curso Espanhol (1 e 2) X X X X X X X X Evento cultural de encerramento ORÇAMENTO x a) Materiais de Consumo* Descrição Unidade Quantidade Valor Unit. (R$) Valor Total (R$) TOTAL (R$) * Indicar somente os materiais que precisam ser adquiridos b) Materiais Permanentes* Descrição Unidade Quantidade Valor Unit. (R$) Valor Total (R$) Som Portátil Philco PH229i - 8W, c/ USB, Dock Connection, MP3/MP4 Dicionário Oxford Escolar - Para Estudantes Brasileiros de Inglês - Nova Ortografia Michaelis - Dicionário Escolar Espanhol - Espanhol-português - Nova Ortografia - Com CD 1 250,00 250, ,00 640, ,00 780,00 TOTAL (R$) 1.670,00 * Indicar somente os materiais que precisam ser adquiridos c) Diárias Descrição do deslocamento Unidade Quantidade Valor Unit. (R$) Valor Total (R$) TOTAL (R$) d) Recursos Humanos PROJETOS DE CURTA DURAÇÃO Participantes do projeto N de horas no projeto Valor da hora Total

17 Coordenador Colaborador 1 Colaborador 2 Colaborador 3 Colaborador 4 Colaborador 5 TOTAL (R$) Valor Total de Recursos para Projeto de Curta Duração (a+b+c+d) e) Recursos Humanos PROJETOS DE LONGA DURAÇÃO Participantes do projeto Número de bolsas (6 ou 8) Valor da bolsa Total Coordenador Bolsista 1 Bolsista 2 Bolsista 3 Bolsista 4 TOTAL (R$) Valor Total de Recursos para Projeto de Longa Duração (a+b+c+e) f) Origem dos recursos financeiros necessários para a execução do projeto (itens a, b e c) ( ) Bolsa/horas atividade do coordenador ( x ) Orçamento do Câmpus* Detalhamento * Neste caso a previsão orçamentária deverá ser realizada em conjunto e com a autorização da Direção de Ensino e da Diretoria de Administração com detalhamento dos itens que serão custeados pelo orçamento do Câmpus.

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

1.5Público Alvo: Alunos do Curso Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio

1.5Público Alvo: Alunos do Curso Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio 1. IDENTIFICAÇÃO FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Jogos Lúdicos para o Ensino da Matemática 1.2 Coordenador: Mauricio Osmall Jung 1.3 Câmpus envolvido(s): Câmpus Jaguari 1.4 Curso ou

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional - DIRGRAD Departamento de Educação Campus XXXXXXX ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO DE INGLÊS PARA CANDIDATOS AO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO,

ESTRATÉGIAS DE ENSINO DE INGLÊS PARA CANDIDATOS AO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO, PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS PROGRAMA DE APOIO À FORMAÇÃO EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PARA CERTIFICAÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS EDITAL

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO DE INGLÊS PARA CANDIDATOS AO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO,

ESTRATÉGIAS DE ENSINO DE INGLÊS PARA CANDIDATOS AO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO, PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS PROGRAMA DE APOIO À FORMAÇÃO EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PARA CERTIFICAÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS EDITAL

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SABARÁ Endereço provisório: Avenida Serra Piedade, 341,

Leia mais

Diminuir as diferenças culturais e sociais provocadas pela exclusão digital;

Diminuir as diferenças culturais e sociais provocadas pela exclusão digital; PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA BOLSISTA DO Edital MCT/CNPq Nº 49/2010 REID/Casa Brasil, COMO PROPONENTE: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO. DESCRIÇÃO O Instituto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 Nº Coordenadores Título do Projeto Bolsista Resumo do Projeto 1 Ana Cristina Cunha da Silva Laboratório de Pronúncia de Língua Inglesa 01 Anexo 1 2 Andrea Cristina

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Uso do Arduíno como ferramenta de apoio ao processo de ensinoaprendizagem

FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Uso do Arduíno como ferramenta de apoio ao processo de ensinoaprendizagem FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Uso do Arduíno como ferramenta de apoio ao processo de ensinoaprendizagem 1.2 Coordenador: Renira Carla Soares 1.3 Câmpus envolvido(s):

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA Resumo Simara Cristiane Braatz 1 - IFPR Câmpus Irati Grupo de Trabalho Formação de

Leia mais

FACULDADE SÃO MIGUEL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE

FACULDADE SÃO MIGUEL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE 2014 2 MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Normas e orientações gerais para o Estágio Supervisionado da Licenciatura em Letras 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal Homologado em 16/5/2014, DODF nº 98, de 19/5/2014, p. 6. Portaria nº 103, de 19/5/2014, DODF nº 100, de 21/5/2014, p. 7. PARECER Nº 82/2014-CEDF Processo nº 084.000083/2014 Interessado: Secretaria de Estado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS IFAL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX 2016

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS IFAL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX 2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS IFAL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX 2016 EDITAL DE CHAMADA PARA OFERTA DE CURSOS DE EXTENSÃO A Pró-Reitoria de Extensão PROEX,

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA Câmpus Santo Augusto FAZENDOARTE.COM.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA Câmpus Santo Augusto FAZENDOARTE.COM. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA Câmpus Santo Augusto FAZENDOARTE.COM.BR Santa Maria 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVOS...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

EDITAL nº 04, de 06 de janeiro de 2015

EDITAL nº 04, de 06 de janeiro de 2015 EDITAL nº 04, de 06 de janeiro de 2015 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS RELATIVOS A NÚCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS E CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO E INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA NEABI -

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

EDITAL N. 01, DE 24 DE MARÇO DE 2014

EDITAL N. 01, DE 24 DE MARÇO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA INGLÊS SEM FRONTEIRAS PROJETO NÚCLEO DE LÍNGUAS NucLi EDITAL N. 01, DE 24 DE MARÇO DE 2014 A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM),

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA Art. 1º O presente regulamento estabelece as orientações básicas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 04/2014 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS Rodovia JK, KM 02, Campus Marco Zero, Macapá AP CEP. 68906-970. Fone: (96) 3312-1748 home: www.unifap.br/proeac - e-mail: proeac@unifap.br

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN N 025, DE 01 DE SETEMBRO DE 2014. Aprova o Regulamento do Estágio Supervisionado

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL

UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL R.L. Stange *, A. A. Batista*. * Universidade Tecnológica federal do Paraná, Guarapuava, Brasil e-mail: rlgomes@utfpr.edu.br Resumo

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional;

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional; RESOLUÇÃO CONSEPE 22/2014 APROVA O REGULAMENTO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS, MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF, PARA TURMAS COM INÍCIO EM

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO, DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, MODALIDADE LICENCIATURA DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Vice-Reitor

Leia mais

CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO

CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CÂMPUS MORRINHOS CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

CURSOS DE ENFERMAGEM, FONOAUDIOLOGIA E NUTRIÇÃO FACULDADE FÁTIMA MANUAL ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (APS)

CURSOS DE ENFERMAGEM, FONOAUDIOLOGIA E NUTRIÇÃO FACULDADE FÁTIMA MANUAL ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (APS) CURSOS DE ENFERMAGEM, FONOAUDIOLOGIA E NUTRIÇÃO FACULDADE FÁTIMA MANUAL ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (APS) APRESENTAÇÃO Este Manual tem como objetivo fornecer orientações para a realização das Atividades

Leia mais

Curso Ler e Pensar em Educação, Comunicação e Práticas de Ensino

Curso Ler e Pensar em Educação, Comunicação e Práticas de Ensino Curso Ler e Pensar em Educação, Comunicação e Práticas de Ensino REGULAMENTO 1) EMENTA: Ampliar as possibilidades de atuação dos profissionais titulados pelas licenciaturas universitárias, oferecendo oportunidade

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS Processo Seletivo n o 03, de 18 de novembro de 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR BOLSISTA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO IF BAIANO,

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO IF BAIANO, REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO IF BAIANO, Campus SENHOR DO BONFIM LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO LICENCIATURA EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS (Aprovado em reunião

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 16/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS FACULDADE PHENIX (Portaria MEC Nº 89, DE 12/01/06) MANUAL DO CURSISTA 2014 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS Seja bem-vindo ao Instituto de Educação Ethikos. O Manual do Cursista

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO O curso de Educação Física da FISMA, através de sua orientação de estagio supervisionado obrigatório, vem por meio de o presente documento estabelecer as diretrizes básicas da realização

Leia mais

RESOLUÇÃO. São Paulo, 24 de junho de 2010. Prof. Héctor Edmundo Huanay Escobar Presidente

RESOLUÇÃO. São Paulo, 24 de junho de 2010. Prof. Héctor Edmundo Huanay Escobar Presidente RESOLUÇÃO CONSEPE 18/2010 APROVAÇÃO DO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO, DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, DO CAMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO INICIAL... 1 CAPÍTULO II DA NATUREZA E FINALIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO IV DOS REQUISITOS... 3 CAPÍTULO V DO REGULAMENTO...

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável:

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015 1. ABERTURA O Diretor Geral do IFBA Campus Jacobina, no uso de suas atribuições, faz saber que,

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Inglês básico.

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Inglês básico. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas São Paulo, 20 de maio de 2009. ASSUNTO: NORMA ADMINISTRATIVA PARA A REALIZAÇÃO DE MONITORIA NO CCSA Prezado(a) Aluno(a), Considerando: I. a importância da monitoria como um dos meios para a operacionalização

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Vendas PROEJA FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE EXTENSÃO- EDITAL Nº 76, DE 10 DE JULHO DE 2014

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE EXTENSÃO- EDITAL Nº 76, DE 10 DE JULHO DE 2014 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE EXTENSÃO- EDITAL Nº 76, DE 10 DE JULHO DE 2014 O Diretor Geral do Campus São Luís Centro Histórico, do Instituto Federal do Maranhão, torna público que estarão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

LLE9400 - Introdução à Educação a Distância 05 LLE9401 - Leitura e Produção Textual Acadêmica 05 LLE9411 - Língua Espanhola I 05 TOTAL 15

LLE9400 - Introdução à Educação a Distância 05 LLE9401 - Leitura e Produção Textual Acadêmica 05 LLE9411 - Língua Espanhola I 05 TOTAL 15 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Educação a Distância Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900 Trindade - Florianópolis - Santa Catarina

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Edital N 12/2015 SRI/UFF

Edital N 12/2015 SRI/UFF Edital N 12/2015 SRI/UFF Dispõe sobre o programa de Mobilidade Internacional de alunos de graduação da Universidade Federal Fluminense para o segundo semestre de 2016 e primeiro de 2017. A Superintendência

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO:Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Eventos FORMA/GRAU: (X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Língua Francesa Nível Básico I. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Língua Francesa Nível Básico I. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

2.3O candidato deverá ter disponibilidade para atuar como monitor nos fins de semana e feriados, no horário matutino e/ou vespertino.

2.3O candidato deverá ter disponibilidade para atuar como monitor nos fins de semana e feriados, no horário matutino e/ou vespertino. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA PRO TEMPORE DE EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS DIRETORIA DE AÇÃO INTERCULTURAL CURSINHO POPULAR: MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais