O ANGLO RESOLVE O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ANGLO RESOLVE O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO"

Transcrição

1 O ANGLO RESOLVE O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO É trabalho pioneiro. Prestação de serviços com tradição de confiabilidade. Construtivo, procura colaborar com as Bancas Examinadoras em sua tarefa árdua de não cometer injustiças. Didático, mais do que um simples gabarito, auxilia o estudante em seu processo de aprendizagem. Constituído de 63 questões objetivas, envolve conceitos de várias disciplinas do Ensino Médio, cruzando- -os entre si, com a finalidade de avaliar a capacidade de interpretar textos e manipular dados. Este trabalho, preparado por autores do Sistema Anglo de Ensino, focalizou apenas a parte objetiva da prova

2 SIMULADO ENEM 2006 Questões Objetivas ELABORAÇÃO, RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS BIOLOGIA Armênio Uzunian Dan Edésio Pinsetta Nelson Caldini Jr. Nelson Henrique C. de Castro Sezar Sasson FÍSICA José Roberto Castilho Piqueira (Sorocaba) Ronaldo Moura de Sá GEOGRAFIA Hélio Carlos Garcia Reinaldo Scalzaretto Tito Márcio Garavello HISTÓRIA José Carlos Pires de Moura Gianpaolo Franco Dorigo Gilberto Tibério Marone Jucenir da Silva Rocha MATEMÁTICA Alexandre Marmo Glenn Albert Jacques van Amson Roberto Benedicto Aguiar Filho Roberto Miguel El Jamal PORTUGUÊS Cely Arena Dácio Antônio de Castro Eduardo Antonio Lopes Eduardo CalBucci Fernando Marcílio Lopes Couto Francisco Platão Savioli Henrique Santos Braga José De Paula de Ramos Júnior Rubens César Carnevale QUÍMICA Edgard Salvador Geraldo Camargo de Carvalho João Usberco 3

3 SISTEMA ANGLO DE ENSINO Rua Tamandaré, 596 Liberdade São Paulo SP CEP Fone/Fax (011) COORDENAÇÃO DA PROVA Sezar Sasson COORDENAÇÃO GERAL Nicolau Marmo DIREÇÃO Emílio Gabriades Guilherme Faiguenboim PROGRAMAÇÃO VISUAL Ulhôa Cintra Comunicação Visual e Arquitetura COMPOSIÇÃO Gráfica e Editora Anglo Ltda. 5

4 INTRODUÇÃO A prova que você resolveu é uma simulação do ENEM Exame Nacional do Ensino Médio, que o MEC criou e aplicou, pela primeira vez, em A participação no exame é voluntária, podendo inscrever-se todos os alunos matriculados na 3ª série do Ensino Médio e aqueles que tenham concluído esse curso. Algumas universidades, inclusive do Estado de São Paulo, como, por exemplo, a USP, a UNESP e a UNICAMP, utilizam a nota obtida pelo candidato no ENEM como parte de sua avaliação, que continua sendo feita por meio de vestibulares. A prova do ENEM tem como proposta avaliar 21 habilidades, que decorrem de 5 competências. Cada habilidade é medida em três questões; portanto a prova é composta de um total de 63 questões. Algumas das habilidades são bastante genéricas. A habilidade 2, por exemplo, analisa a capacidade de o aluno entender um gráfico cartesiano, de variável socioeconômica ou técnico-científica Em outras palavras, mede a habilidade de se ler um gráfico e entender o que ele propõe, não importando se o assunto é Biologia, Geografia, Física, Química ou História. Outras habilidades, mais específicas, estão relacionadas a determinadas disciplinas. Imagine, por exemplo, uma questão que meça a habilidade 6, que se refere a função da linguagem : você a identificaria facilmente como uma questão de Português, que envolve textos e sua compreensão. É importante entender que, numa prova desse tipo, pretende-se examinar não o conhecimento da matéria ou a disciplina propriamente dita, mas cada uma das 21 habilidades. Nesse caso, as disciplinas são utilizadas, de certa forma, como instrumentos para a avaliação das habilidades. O simulado que você fez foi elaborado levando em conta o que foi exposto acima. Nas páginas a seguir, encontram-se as 5 competências, uma lista das 21 habilidades a elas relacionadas e a indicação das três questões que propusemos para avaliar cada uma. Para facilitar, também ao lado da resolução de cada questão consta o número da habilidade analisada. Dentro de alguns dias, você receberá relatório de seu desempenho nesta prova. Desejamos que você tenha sucesso no ENEM, em agosto. 7

5 A RELAÇÃO ENTRE AS COMPETÊNCIAS E AS HABILIDADES O diagrama mostra as cinco competências e as habilidades a elas relacionadas. Cada habilidade é medida três vezes (três questões para cada habilidade). São 21 habilidades avaliadas, portanto a prova constará de 63 questões de igual valor. Assim, há duas categorias de avaliações: Uma avaliação global do desempenho do participante, em que o total de pontos obtidos na prova é colocado numa escala de 0 a 100. Uma avaliação do candidato em cada uma das cinco competências, igualmente representada por uma nota de 0 a I II III V IV I Dominar linguagens II Compreender fenômenos III Enfrentar situações-problema IV Construir argumentações V Elaborar propostas 9

6 AS 5 COMPETÊNCIAS I Dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica. II Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas. III Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema. IV Relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente. V Recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. AS 21 HABILIDADES 1. Dada a descrição discursiva ou por ilustração de um experimento ou fenômeno, de natureza científica, tecnológica ou social, identificar variáveis relevantes e selecionar os instrumentos necessários para a realização ou interpretação do mesmo. Questões: 23, 31, Em um gráfico cartesiano de variável socioeconômica ou técnico-científica, identificar e analisar valores das variáveis, intervalos de crescimento ou decréscimo e taxas de variação. Questões: 2, 3, Dada uma distribuição estatística de variável social, econômica, física, química ou biológica, traduzir e interpretar as informações disponíveis, ou reorganizá-las, objetivando interpolações ou extrapolações. Questões: 19, 42, Dada uma situação-problema, apresentada em uma linguagem de determinada área de conhecimento, relacioná-la com sua formulação em outras linguagens ou vice-versa. Questões: 1, 28,43 5. A partir da leitura de textos literários consagrados e de informações sobre concepções artísticas, estabelecer relações entre eles e seu contexto histórico, social, político ou cultural, inferindo as escolhas dos temas, gêneros discursivos e recursos expressivos dos autores. Questões: 12, 24, Com base em um texto, analisar as funções da linguagem, identificar marcas de variantes lingüísticas de natureza sociocultural, regional, de registro ou de estilo, e explorar as relações entre as linguagens coloquial e formal. Questões: 17, 48, 53 11

7 7. Identificar e caracterizar a conservação e as transformações de energia em diferentes processos de sua geração e uso social, e comparar diferentes recursos e opções energéticas. Questões: 25, 52, Analisar criticamente, de forma qualitativa ou quantitativa, as implicações ambientais, sociais e econômicas dos processos de utilização dos recursos naturais, materiais ou energéticos. Questões: 5, 6, Compreender o significado e a importância da água e de seu ciclo para a manutenção da vida, em sua relação com condições socioambientais, sabendo quantificar variações de temperatura e mudanças de fase em processos naturais e de intervenção humana. Questões: 13, 16, Utilizar e interpretar diferentes escalas de tempo para situar e descrever transformações na atmosfera, biosfera, hidrosfera e litosfera, origem e evolução da vida, variações populacionais e modificações no espaço geográfico. Questões: 21, 46, Diante da diversidade da vida, analisar, do ponto de vista biológico, físico ou químico, padrões comuns nas estruturas e nos processos que garantem a continuidade e a evolução dos seres vivos. Questões: 18, 27, Analisar fatores socioeconômicos e ambientais associados ao desenvolvimento, às condições de vida e saúde de populações humanas, por meio da interpretação de diferentes indicadores. Questões: 10, 22, Compreender o caráter sistêmico do planeta e reconhecer a importância da biodiversidade para preservação da vida, relacionando condições do meio e intervenção humana. Questões: 7, 41, Diante da diversidade de formas geométricas planas e espaciais, presentes na natureza ou imaginadas, caracterizá-las por meio de propriedades, relacionar seus elementos, calcular comprimentos, áreas ou volumes, e utilizar o conhecimento geométrico para leitura, compreensão e ação sobre a realidade. Questões: 26, 44, Reconhecer o caráter aleatório de fenômenos naturais ou não e utilizar em situações-problema processos de contagem, representação de freqüências relativas, construção de espaços amostrais, distribuição e cálculo de probabilidades. Questões: 4, 9, Analisar, de forma qualitativa ou quantitativa, situações-problema referentes a perturbações ambientais, identificando fonte, transporte e destino dos poluentes, reconhecendo suas transformações; prever efeitos nos ecossistemas e no sistema produtivo e propor formas de intervenção para reduzir e controlar os efeitos da poluição ambiental. Questões: 38, 59, Na obtenção e produção de materiais e de insumos energéticos, identificar etapas, calcular rendimentos, taxas e índices, e analisar implicações sociais, econômicas e ambientais. Questões: 11, 29, 30 12

8 18. Valorizar a diversidade dos patrimônios etnoculturais e artísticos, identificando-a em suas manifestações e representações em diferentes sociedades, épocas e lugares. Questões: 35, 36, Confrontar interpretações diversas de situações ou fatos de natureza histórico-geográfica, técnico-científica, artístico-cultural ou do cotidiano, comparando diferentes pontos de vista, identificando os pressupostos de cada interpretação e analisando a validade dos argumentos utilizados. Questões: 20, 33, Comparar processos de formação socioeconômica, relacionando-os com seu contexto histórico e geográfico. Questões: 8, 32, Dado um conjunto de informações sobre uma realidade histórico-geográfica, contextualizar e ordenar os eventos registrados, compreendendo a importância dos fatores sociais, econômicos, políticos ou culturais. Questões: 14, 51, 60 13

9 QUESTÕES OBJETIVAS Texto para a questão 1. Petição ao prefeito Governador desta cidade, Excelentíssimo Prefeito General Mendes de Morais, Ouça o que digo, e tenho que há de Mover-se-lhe o sensível peito Dado às coisas municipais! Há no interior do quarteirão Formado pelas avenidas Antônio Carlos, Beira-Mar, Wilson e Calógeras, tão Bem traçadas e construídas, Um pântano que é de amargar! Não suponha que eu exagero, Excelência: é a verdade pura, Sem nenhum véu de fantasia, Já o pintei uma vez: não quero Fabricar mais literatura Sobre tamanha porcaria! Reporters, a quem nada escapa, Escreveram sueltos diversos Sobre esse foco de infecção. Fotógrafos bateram chapa... Coisas melhores que os meus versos De velho poeta solteirão! Fiz, por sanear-se esta marema*, Uma carta desesperada Ao seu ilustre antecessor. Uma carta em forma de poema: O homem saiu sem fazer nada... Pelo martírio do Senhor, Ponha o pátio, insigne Prefeito, Limpo como o olhar da inocência, Limpo como feita a ressalva Da muita atenção e respeito Devidos a Vossa Excelência Sua excelentíssima calva! (Manuel Bandeira, Mafuá do Malungo. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1996, p ) * Marema: designação comum aos pântanos do litoral da Itália. Questão 1 Habilidade 4 Assinale o comentário que encontra sustentação no texto de Bandeira: A) O título sugere uma forma de linguagem que é perfeitamente compatível com textos poéticos. B) Ao redigir uma petição numa forma de linguagem própria de poema, o enunciador está ridicularizando a poesia. C) Por meio de vários tipos de irreverência na linguagem, o poeta denuncia o estado de degradação da cidade e o descaso dos governantes. D) Ao utilizar formas de tratamento típicas do gênero das relações oficiais, o poeta quer enfatizar a gravidade do assunto e o respeito para com a autoridade. E) Todas as prescrições típicas da linguagem protocolar foram cumpridas pelo poeta, desde o tratamento cerimonioso (Excelentíssimo) até combinações sintáticas refinadas (Mover-se-lhe o sensível peito). 15

10 Há no texto inúmeras irreverências, tanto na escolha quanto na combinação das palavras: expressões populares contrastam chocantemente com palavras ou expressões cerimoniosas e eruditas. É o caso de Ouça o que digo ; que é de amargar ; Sobre tamanha porcaria ; O homem saiu sem fazer nada... ; Sua excelentíssima calva! Além desse tipo de irreverência, chamam a atenção ironias disseminadas pelo texto. Ao falar, por exemplo, do sensível peito / Dado às coisas municipais!, o poeta só pode estar ironizando o sinal de exclamação confirma essa versão. A referência Ao seu ilustre antecessor também deve ser entendida pelo avesso, pois vem confirmada pela reclamação de que ele nada fez. Os versos Da muita atenção e respeito / Devidos a Vossa Excelência vêm desmentidos pelo último, Sua excelentíssima calva. Há também expressões de desespero do poeta, as quais, junto com os vários sinais de exclamação, dão mostras do estado de degradação em que se encontra a cidade: Um pântano que é de amargar! ; Sobre tamanha porcaria! ; Sobre esse foco de infecção. ; Uma carta desesperada ; Pelo martírio do Senhor. Resposta: C f(t) O enunciado a seguir refere-se às questões 2 e 3: Na figura, temos o gráfico do número f(t) de pessoas que, de um modo ou de outro, ficaram sabendo de um determinado fato, t dias após sua ocorrência. Estudos mostraram que f(t) = f(0) e k t, em que e é uma constante cujo valor aproximado é 2,7 e k é uma C constante positiva. Os pontos A, B e C, pertencentes à curva, têm abscissas, nessa ordem, iguais a 0, t B e t C, com t C = t B + 2. Sabe-se, B ainda, que o número de pessoas cientes do fato em questão A aumenta de 30% por dia. 0 t B t C t Questão 2 Habilidade 2 Podemos concluir, também, que: A) f(t C ) = f(t B ) + 2 D) e k = 1,3 B) f(t C ) = f(t B ) e 2k E) f(t) = f(0) 0,3 t C) a ordenada do ponto A é igual a 1. f(1) = f(0) + 30% de f(0) f(1) = f(0) + 0,30 f(0) f(1) = f(0) 1,3 De f(t) = f(0) e k t e f(1) = f(0) 1,3, temos: f(0) e k 1 = f(0) 1,3 Como f(0) 0, temos e k = 1,3. Resposta: D Questão 3 Habilidade 2 Podemos afirmar que, a cada dois dias, o número de pessoas cientes do fato em questão aumenta de: A) 56% D) 69% B) 60% E) 73% C) 63% Do enunciado, temos: f(t + 1) = f(t) 1,3 f(t + 2) = f(t + 1) 1,3 f(t + 2) = f(t) 1,3 2 f(t + 2) = f(t) 1,69 f(t + 2) = f(t) (1 + 0,69) f(t + 2) = f(t) + 0,69f(t) f(t + 2) = f(t) + 69% de f(t) Resposta: D 16

11 Questão 4 Habilidade 15 Com o fim da Guerra Fria, a maior parte dos países e organizações internacionais que ajudavam a África hoje o mais pobre dos continentes reduziu seu apoio. Observe a evolução de três importantes indicadores que se relacionam a essa realidade. US$ 5 GASTOS PER CAPITA COM SAÚDE NA ÁFRICA Fonte: Economic Commission for Africa from official sources. ONU, US$ 15 GASTOS PER CAPITA COM EDUCAÇÃO NA ÁFRICA Fonte: Economic Commission for Africa from official sources. ONU, EVOLUÇÃO DA TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL NA ÁFRICA POR MIL Fonte: World Bank: EAR

12 Indique a alternativa que analisa, de forma correta, essa situação-problema e indica as probabilidades de sua evolução. A) A elevação da taxa de mortalidade infantil na África está relacionada à disseminação da epidemia de Aids pelo continente, e não à redução dos investimentos em saúde e educação, que teve reflexos apenas nos setores econômicos. B) Se a taxa de mortalidade infantil continuar se elevando na África, certamente, em um futuro próximo, a qualidade da sua mão-de-obra será comprometida, gerando redução dos investimentos no continente. Isso poderá ampliar o quadro de pobreza. C) Ao longo das últimas décadas, houve redução nos gastos públicos por habitante na África, o que explica, em grande parte, o fato de a taxa de mortalidade infantil estar se elevando. D) A elevação da taxa de mortalidade infantil da África é resultado da proliferação de conflitos étnicos, após o fim da Guerra Fria; e a previsão de que ela subirá até 2007 se deve à participação de crianças nesses conflitos. E) Os dois primeiros gráficos podem gerar uma interpretação equivocada, já que, na verdade, o volume total de investimentos em saúde e educação na África vem crescendo bastante, fato que não aparece porque sua população tem uma das menores taxas de crescimento demográfico do mundo. Os dois primeiros gráficos (GASTOS PER CAPITA COM SAÚDE NA ÁFRICA e GASTOS PER CAPITA COM EDUCA- ÇÃO NA ÁFRICA) confirmam o enunciado, mostrando que os investimentos em dois dos mais importantes aspectos da qualidade de vida da população atingiram os mais baixos níveis das últimas décadas. Somente esses dados amostrais já são suficientes para que se deduza a situação de pobreza e miséria da população africana e nos permitem prever que as probabilidades de piora da situação são elevadas. O terceiro gráfico (EVOLUÇÃO DA TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL NA ÁFRICA) reforça essa dedução, pois mostra que, ao contrário da tendência mundial (que é de queda), na África as taxas de mortalidade infantil estão aumentando. Resposta: C Questão 5 Habilidade 8 A ilustração a seguir representa o ciclo do carbono

13 Legenda: 1. CO 2 na atmosfera e traços de CO e CH 4 2. Queima de florestas e decomposição de matéria orgânica 3. Combustão de combustíveis fósseis para movimentar veículos, produzir energia elétrica e calor 4. Respiração e decomposição 5. Fotossíntese 6. Fotossíntese 7. CO 2 dissolvido na água 8. Turfa 9. Carvão (ou hulha) 10. Petróleo e gás 11. Tempo 12. Material orgânico 13. Tempo 14. Sedimentos calcários 15. Calcário (Referência: Environmental Science, p. 70) Tome por base a ilustração e seus conhecimentos prévios para avaliar as seguintes afirmações: I O combustível utilizado no abastecimento do automóvel pode ser a gasolina, que é classificada como uma substância composta. II A queima de combustíveis obtidos a partir do petróleo origina compostos de enxofre. Quando esses compostos são lançados na atmosfera, originam um tipo de chuva ácida contendo ácido sulfúrico. III O gás carbônico, quando dissolvido em água, reage com a mesma originando uma solução de ph menor do que 7. IV O sal presente no exoesqueleto de animais marinhos é o carbonato de cálcio, cuja fórmula é CaCO 2. V Está se tornando freqüente nos meios de comunicação a expressão ar visível, que apresenta na sua composição material particulado cujo principal componente é o enxofre. São corretas: A) Todas. D) Somente II, IV e V. B) Somente I e II. E) Somente I, III e V. C) Somente II e III. I Incorreta. A gasolina é uma mistura de hidrocarbonetos. II Correta. S + O 2 SO 2 1 SO 2 + O 2 SO 2 3 SO 3 + H 2 O H 2 SO 4 III Correta. CO 2 + H 2 O H 2 CO 3 ácido carbônico ph 7 IV Incorreta. Carbonato de cálcio = CaCO 3 V Incorreta. O principal material sólido presente no ar visível é o carbono (carvão), em dispersão coloidal. Resposta: C Questão 6 Habilidade 8 Na edição do dia 23/4/2006 do jornal Folha de S.Paulo, o articulista Antonio Ermírio de Moraes escreveu sobre a auto-suficiência na produção de petróleo atingida pelo Brasil com a inauguração, no dia 21/4/2006, da plataforma P-50. Segue um trecho desse artigo. O Brasil é auto-suficiente em petróleo com um crescimento econômico de 2,5%. Precisaremos de muito mais petróleo quando crescermos a 5% ou 6%. Ademais as reservas vão durar no máximo 30 anos e terão de ser exploradas em lugares cada vez mais inóspitos. 19

14 Considere a afirmações: I O crescimento econômico do país implicará maior consumo de energia. II O petróleo é uma fonte de energia inesgotável para nós brasileiros, desde que o crescimento econômico seja de 2,5% ao ano. III Auto-suficiência brasileira em petróleo significa que a nossa produção equivale pelo menos ao nosso consumo. Estão corretas as afirmações: A) I e II. B) I e III. C) II e III. D) somente a II. E) somente a I. I Correta. II Incorreta: o petróleo é uma fonte de energia não-renovável. III Correta. Resposta: B Questão 7 Habilidade 13 Leia o texto a seguir, extraído da edição de 10/4/2006 do jornal O Estado de S.Paulo, página A14. ONU projeta cenário sombrio para região do Mediterrâneo A costa do Mar Mediterrâneo (...) corre o risco de um colapso ambiental. Um levantamento da ONU apontou que, se o ritmo de degradação da região não for revertido, em 20 anos os balneários estarão saturados e o impacto social em alguns países da região poderá ser profundo. (...) Segundo as previsões da ONU, em 2025, 312 milhões de turistas passarão pelas praias do Mediterrâneo por ano. Hoje, são 175 milhões.(...) A população das cidades costeiras também tende a uma explosão. (...) Com uma urbanização excessiva, a previsão é de que o consumo de água seja incrementado em 25%.(...) A costa do Mediterrâneo poderá se transformar em um local com sérios problemas de acesso à água limpa, em que a desertificação irá gerar o empobrecimento do setor rural e a perda de biodiversidade será irreversível. (...) Para completar o cenário catastrófico, a poluição das águas do mar mais navegado do mundo tende a chegar a uma situação crítica. Cresce a cada ano o número de embarcações que transitam pelas águas do Mediterrâneo, derramando produtos químicos e combustível em uma região que hoje é responsável por 7% da biodiversidade marinha mundial. De acordo com o texto e utilizando os seus conhecimentos sobre o tema, é possível afirmar que: A) o agravamento do efeito estufa é, sem dúvida, um dos responsáveis pela atual situação da costa do Mar Mediterrâneo, ao promover a elevação do nível dos mares. B) apesar do tom alarmista do artigo, a situação não é tão grave, uma vez que a região é responsável apenas por uma parcela da biodiversidade marinha, menos importante do que a biodiversidade terrestre. C) a desertificação citada no artigo refere-se a um processo devido, naquela região, à ação dos ventos quentes e secos provenientes do Saara. D) o derramamento de produtos químicos é, em última análise, o principal responsável pelos problemas de acesso à água limpa mencionados no texto. E) o excessivo número de pessoas que buscam a região com propósitos turísticos a cada ano está provocando degradação ambiental na costa do Mar Mediterrâneo. De acordo com o texto, a ocupação turística excessiva ( os balneários estarão saturados ) da costa do Mediterrâneo está levando essa região a uma situação de colapso ambiental. Resposta: E 20

15 Questão 8 Habilidade 20 Interessante artigo do ex-jogador de futebol Raí, publicado no jornal Folha de S.Paulo, em 16/01/2006, examina a situação atual do nosso esporte mais popular e a compara com momentos da história brasileira nos comprovou, mais uma vez, que o futebol brasileiro tem uma verdadeira vocação para ser uma eterna colônia a ser explorada. Nossos craques estão espalhados por boa parte do mundo, invariavelmente tendo um papel protagonista e decisivo. Nunca tivemos tanto poderio, se olharmos a relação quantidade / qualidade. No império da bola, somos cada vez mais conquistadores. Começamos pelo velho continente, depois expandimos para o Oriente. Hoje já dominamos a Itália temos até um imperador por lá; a Espanha, onde temos um esquadrão no time do primeiro-ministro, que se rende diante da magia e eficiência de nossos fenômenos; Portugal, onde nossos representantes integram a família real incluindo o comandante Felipe, do exército de elite. Na Alemanha e na Inglaterra, onde a resistência é maior, temos menos representantes, porém nosso domínio cresce a cada ano. Há também o Japão, país em que fomos catequizadores. (...) No império da bola, sem dúvida, somos o maior paradoxo. Dominamos os que nos dominam, federação rica, clubes pobres, equipe dos sonhos, realidade medíocre, e por aí vai, mas não volta. Nos trechos citados podemos identificar a seguinte idéia: A) O futebol segue a mesma rota dos grandes navegadores do século XV, ou seja, a conquista da África e do Oriente. B) Na Itália, nosso futebol vive o papel dos povos bárbaros na queda do Império Romano. C) Na Espanha, os brasileiros personificam os cavaleiros das Cruzadas do século XII. D) No Japão, os brasileiros atuam ensinando, como os missionários que converteram os índios ao cristianismo. E) Por meio do futebol, o Brasil está se tornando uma potência econômica e dominando os países que outrora nos dominaram. O texto aponta a expansão da presença de brasileiros na Europa e no Oriente e estabelece paralelos entre o jogador Adriano e o Imperador romano; refere-se ainda ao fenômeno Ronaldo na Espanha e à atuação de Felipe Scolari como treinador da seleção nacional de Portugal. Ao referir-se ao Japão, o autor chama os brasileiros de catequizadores, comparando-os aos missionários que converteram os povos da América à prática católica. Resposta: D Questão 9 Habilidade 15 Numa sala de aula de um curso noturno, a distribuição das idades dos alunos é dada pelo gráfico seguinte. 5 número de alunos idade dos alunos Escolhido um aluno ao acaso, a probabilidade de sua idade ser no máximo 18 anos é: A) D) 20 B) E) 4 C)

16 O número total de alunos é = 20 O número de alunos com no máximo 18 anos é = 12 A probabilidade pedida é: 12 P = = Resposta: C Questão 10 Habilidade 12 A febre maculosa brasileira (FMB) é uma doença infecciosa causada pela bactéria Rickettsia rickettsii e transmitida pelo carrapato-estrela ou micuim (Amblyomma cajennense). Esse carrapato pode infestar, além do homem, animais silvestres (a capivara, por exemplo) e domésticos. O número de casos de FMB em seres humanos e de óbitos provocados por ela, anualmente, no Estado de São Paulo estão demonstrados no gráfico que segue EPIDEMIOLOGIA Número de casos de febre maculosa e de óbitos provocados por esta doença no Estado de São Paulo, entre 1985 e 2005 (*dados provisórios) Número de casos Número de óbitos Fonte: Div. Zoonoses CVE * 2005* (Jornal do Cremesp Conselho Regional de Medicina de São Paulo, nov./2006, p. 16) Assinale a alternativa que corresponde a uma interpretação correta desse gráfico. A) Em todos os anos em que houve registro de casos, ocorreram óbitos. B) Em alguns anos, o número de casos e o de óbitos coincidiram. C) Nos três últimos anos (de 2003 a 2005) o número de óbitos foi cerca de três vezes maior que o número de casos do ano D) Em todo o período considerado, o número de casos aumentou gradativamente. E) Em 2004, o número de óbitos foi proporcionalmente maior que em O gráfico revela que, em 1988 e 1995, o número de casos coincidiu com o de óbitos. Resposta: B 22

17 Questão 11 Habilidade 17 Quantidades enormes de herbicidas são produzidas pela indústria química. Entre os componentes dos herbicidas temos as dioxinas, compostos altamente tóxicos, cuja contaminação produz sérios danos à saúde. Há alguns anos, na Bélgica, descobriu-se que frangos estavam contaminados com uma dioxina e apresentavam, por kg, 2, mol desse composto. Sabendo-se que um adulto pode ingerir, por dia, sem perigo, no máximo 3, g dessa dioxina, qual a massa, em kg, de frango que ele poderia consumir diariamente? Dados: fórmula da dioxina Cl O Cl Cl O Cl massas molares em g/mol: C = 12; H = 1; O = 16; Cl = 35,5. A) 1,0. B) 0,5. C) 1,5. D) 2,0. E) 0,25. Massa molar da dioxina (C 12 H 4 Cl 4 O 2 ) = 322g/mol Massa (m) de dioxina/kg de frango m = mol 322g/mol = g = 6, g 1kg de frango 6, g de dioxina x 3, g de dioxina x = 0,5kg de frango Resposta: B Questão 12 Habilidade 5 Os poetas Alberto de Oliveira e Bernardo da Costa Lopes (conhecido como B. Lopes) foram contemporâneos e estrearam em poesia quase ao mesmo tempo (o primeiro com Canções românticas, de 1878, e o segundo com Cromos, de 1881). Apresentamos a seguir as duas primeiras estrofes de poemas escritos por cada um deles: O muro É um velho paredão, todo gretado Roto e negro a que o tempo uma oferenda Deixou num cacto em flor ensangüentado E num pouco de musgo em cada fenda. Serve há muito de encerro a uma vivenda; Protegê-la e guardá-la é seu cuidado; Talvez consigo esta missão compreenda, Sempre em seu posto, firme e alevantado. Alberto de Oliveira Cromo XXXI Hera, musgo e parasita, Desde o muro ao patamar, Essa trindade esquisita Faz o encanto do teu lar, Das janelas vê-se o mar Beijando a praia infinita... De tua casa bonita Vêem-se flores no pomar. B. Lopes 23

18 A partir da leitura dos trechos, assinale a alternativa correta: A) O fato de os dois poetas terem vivido na mesma época, bem como a semelhança temática dos textos, estabelece entre eles uma necessária identidade estilística, permitindo filiá-los à mesma escola literária, o Parnasianismo. B) O rigor formal notável na métrica regular e na presença das rimas permite situar os dois poetas no âmbito do Realismo, reforçado pelas imagens singelas e pelo tom pessoal e subjetivo dos textos. C) A preocupação com o perfeccionismo formal e a solenidade das imagens associam o primeiro poema ao Parnasianismo, enquanto o ritmo mais leve do segundo, bem como as imagens ligadas ao cotidiano, permitem filiá-lo ao Realismo. D) O primeiro poema pode ser incluído na estética realista, graças à crueza das imagens e à linguagem direta e clara; o segundo pertence à estética parnasiana, pelo despojamento formal e pela simplicidade das imagens. E) A temática da natureza explorada pelos dois textos sugere uma inclusão na estética romântica, hipótese confirmada pela preocupação com o rigor formal e pela poesia descritiva e de forte objetividade. O poema de Alberto de Oliveira apresenta elementos característicos do Parnasianismo, como o rigor formal e o descritivismo, enquanto o de B. Lopes embora sem deixar de apresentar esses mesmos elementos pode ser associado mais propriamente ao Realismo, pela presença marcante de um universo concreto imediato, desprovido de idealismo. Acrescente-se a solenidade (ausente no registro mais ameno que o poema de B. Lopes faz do mesmo objeto o muro) que os versos decassílabos do primeiro conferem à descrição. Resposta: C Questão 13 Habilidade 9 Um dos fatores determinantes do conforto térmico de um ambiente é a umidade relativa do ar. Se ela for muito alta, nosso suor não evapora e nos sentimos melados, mesmo que a temperatura ambiente seja relativamente baixa. Se a umidade relativa for baixa, mesmo que a temperatura ambiente seja relativamente alta, sentimo-nos confortáveis. A umidade relativa é a razão entre a quantidade de água na forma de vapor suspensa na atmosfera e a quantidade máxima de água na forma de vapor que seria possível estar suspensa na atmosfera, naquela temperatura. À temperatura de 12ºC, a quantidade de água máxima suspensa na forma de vapor é 12g/cm 3. Se a umidade relativa do ar nessa temperatura for 75%, qual é a quantidade de água suspensa na forma de vapor na atmosfera? A) 5g/cm 3 B) 6g/cm 3 C) 7g/cm 3 D) 8g/cm 3 E) 9g/cm 3 Seja d a densidade da água suspensa na forma de vapor. O problema presente, na verdade, pode ser resolvido por uma regra de três. umidade relativa densidade da água na forma de vapor 100% 12g/cm 3 75% d Nessas condições, d = 100 = 9g cm 3. Resposta: E 24

19 Questão 14 Habilidade 21 A Casa do Bandeirante, do século 18, na Praça Monteiro Lobato, no Butantã, é uma casa-documento. ( ) Na reconstituição, do lado direito da casa, ficava o quarto do casal e o quarto das filhas mulheres. Do lado esquerdo, o quarto dos filhos homens. No meio da casa, voltada para o alpendre de acesso ficava a sala de jantar, na qual as mulheres não tinham assento, quando houvesse visita, como observaram com espanto vários viajantes dos séculos 18 e 19. (...) A casa paulista dos tempos coloniais era uma casa hierárquica e mística. Externamente, constituía a fortaleza masculina da família e, internamente, o reduto de uma certa segregação da mulher. O homem estava voltado para fora e a mulher para dentro. Expressão de uma sociedade cujo núcleo mais consistente e sagrado era a intimidade do casal. (...). Como mostrou Câmara Cascudo, uma casa simbolicamente uterina, baseada na pressuposição de que a morada é a figuração do útero. (...). A típica casa rural paulista é uma casa sem ambigüidades. É historicamente feminina, o avesso da morte. Mais do que uma casa, é um rito permanente. (José de Souza Martins, Feminino e masculino na Casa do Bandeirante, O Estado de S.Paulo, 4/2/2006) Algumas características da sociedade paulista do período colonial podem ser identificadas na descrição da Casa do Bandeirante que você acabou de ler. Assinale a afirmação correta sobre essas características. A) A sociedade colonial era matriarcal, de base essencialmente agrícola. B) A sociedade colonial era patriarcal, conservadora e autoritária. C) A sociedade paulista não se baseava na escravidão em sua fase colonial. D) O papel da mulher na organização da casa refletia a organização escravista da sociedade. E) Por ser bandeirante, o homem paulista atribuía à mulher a organização da casa e da família. O texto faz referência à casa rural paulista do período colonial como fortaleza masculina em que a mulher pode sofrer segregação na ocupação dos espaços internos de acordo com as situações sociais (presença de visitas, por exemplo). O caráter patriarcal, conservador e autoritário típico de uma sociedade escravista fica retratado na organização da residência dos colonos. Resposta: B Questão 15 Habilidade 2 Observe atentamente o gráfico sobre o crescimento médio real do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro no período , publicado no jornal Folha de S.Paulo em 13/11/2005. CRESCIMENTO MÉDIO REAL DO PIB, A CADA PERÍODO DE GOVERNO DOS PRESIDENTES, EM % Figueiredo ( ) 2,27 Sarney ( ) 2,64 Collor e 2,78 FHC 2,56 Itamar (1º mandato ( ) ) FHC (2º mandato ) 2,09 Lula* ( ) 3,11 9,17 6,76 0,81 7,91 7,50 5,39 3,61 ANO A ANO, CRESCIMENTO REAL 3,20 1,03 4,92 5,85 4,22 4,36 4,94 2,66 3,27 3,303,70 0,13 0,79 1,311,92 0,55 0,05 0,54 4,28 2,92 5, * 06* *Crescimento de 2005 e 2006 e projeção feita pela MS Consult Fonte: MS Consult com dados do IBGE 25

20 Com base nos dados apresentados, é possível concluir que: A) no governo João Figueiredo o PIB apresentou crescimento constante e regular. B) em razão dos planos Cruzado, do governo Sarney, Collor e Real, do governo Itamar Franco, o PIB declinou em toda a fase C) na Era FHC ocorreram os maiores índices de crescimento constante do PIB. D) oscilações constantes, com tendência à estabilidade, marcaram os governos FHC e Lula. E) o PIB apresentou tendência de queda em todo o período analisado. Observando o gráfico, constatamos que o PIB oscilou entre índices positivos e índices negativos no período que vai de 1979 a 1994, correspondente aos governos Figueiredo, Sarney, Collor e Itamar Franco. Já no governo de FHC ( ), o PIB apresentou índices de crescimento positivos (apesar de oscilantes) e abaixo das médias anteriores e posteriores. Assim, nos governos FHC e Lula, mesmo com oscilações, o PIB apresentou apenas crescimento, com médias de 2,09% e 3,11%, respectivamente. Resposta: D Questão 16 Habilidade 9 O processo de dissolução do oxigênio do ar na água é fundamental para a existência de seres vivos que habitam oceanos, rios e lagoas. Ele pode ser representado pela equação: O 2 (g) + aq O 2 (aq) (aq) = quantidade muito grande de água Algumas espécies de peixes necessitam, para a sua sobrevivência, de taxas de oxigênio dissolvido relativamente altas. Peixes com essas exigências teriam maiores chances de sobrevivência: I num lago de águas a 10ºC do que num lago a 25ºC, ambos à mesma altitude. II num lago no alto da cordilheira dos Andes do que num lago na base da cordilheira, desde que a temperatura da água fosse a mesma. III em lagos cujas águas tivessem qualquer temperatura, desde que a altitude fosse elevada. Dessas afirmações, está(ão) correta(s): A) somente I. B) somente II. C) somente III. D) somente I e II. E) somente I e III. Fatos observados no cotidiano mostram que a solubilidade de um gás num líquido aumenta com o aumento da pressão do gás sobre o líquido e com a diminuição da temperatura. Assim, ao abrirmos uma garrafa de refrigerante gaseificado (guaraná, Coca-Cola, etc.), há uma efervescência, que é causada pela liberação do gás nele dissolvido. Ao ser aberta a garrafa, diminui a pressão do gás no seu interior e, com isso, há liberação do gás dissolvido, produzindo a efervescência. Isso mostra que a solubilidade de um gás num líquido aumenta com o aumento da pressão. Por outro lado, essa efervescência é muito mais intensa quando o refrigerante está em temperatura ambiente (fora da geladeira) do que quando ele está gelado. Isso demonstra que a solubillidade de um gás num líquido aumenta com a diminuição da temperatura. I Correta, já que a solubilidade de O 2 na água é maior a 10ºC do que a 25ºC. II Incorreta. No alto da cordilheira, a pressão atmosférica e, portanto, a pressão do oxigênio são menores do que na sua base. Em conseqüência, a solubilidade do gás na água do lago no alto da cordilheira é também menor do que na sua base. III Incorreta, pois a alteração da temperatura e a da pressão (influenciada pela altitude) estão relacionadas à solubilidade do gás na água. Resposta: A 26

ÍNDICE DEZ PERGUNTAS FREQÜENTES SOBRE O ENEM... 3 MARATONA ENEM COMO FORAM ORGANIZADOS O PROVÃO DO FUNDAMENTAL E O PROVÃO DE TREINEIROS...

ÍNDICE DEZ PERGUNTAS FREQÜENTES SOBRE O ENEM... 3 MARATONA ENEM COMO FORAM ORGANIZADOS O PROVÃO DO FUNDAMENTAL E O PROVÃO DE TREINEIROS... 1 ÍNDICE DEZ PERGUNTAS FREQÜENTES SOBRE O ENEM... 3 MARATONA ENEM COMO FORAM ORGANIZADOS O PROVÃO DO FUNDAMENTAL E O PROVÃO DE TREINEIROS... 9 UM DIAGNÓSTICO ATUAL DO APRENDIZADO DO ESTUDANTE USANDO A

Leia mais

Av. Moaci, 965 Moema São Paulo SP CEP: 04083-002 Tel. +55 (11) 2532-4813 www.geekie.com.br. Prezados colégios,

Av. Moaci, 965 Moema São Paulo SP CEP: 04083-002 Tel. +55 (11) 2532-4813 www.geekie.com.br. Prezados colégios, Prezados colégios, Buscando atender a demanda por GeekieTestes para o 1º e 2º anos do Ensino Médio, elaboramos nossa Matriz Geekie de Avaliação para 2014. Nela, buscamos contemplar os principais conteúdos

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

FICHAS DE ESTUDO COM A HABILIDADE E O TEMA FOCALIZADOS

FICHAS DE ESTUDO COM A HABILIDADE E O TEMA FOCALIZADOS FICHAS DE ESTUDO COM A HABILIDADE E O TEMA FOCALIZADOS AULAS DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Ficha 1 - H1: Identificar as diferentes linguagens e seus recursos expressivos como elementos de caracterização

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

ANEXO II, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003

ANEXO II, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO FUNDAMENTAL ANEXO II, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 1 - Matriz de Competências e Habilidades de Ciências Naturais Ensino Fundamental EIXOS COGNITIVOS I.

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS CONHECIMENTOS GERAIS 01 A poluição atmosférica vem aumentando devido ao crescimento dos grandes centros urbanos. Estudos demonstram que a temperatura desses locais varia de acordo com o aumento da poluição.

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

ANEXO 1- EDITAL DO VESTIBULAR UNIFEMM 01/2014 (VESTIBULAR DE VERÃO) ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO

ANEXO 1- EDITAL DO VESTIBULAR UNIFEMM 01/2014 (VESTIBULAR DE VERÃO) ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova de Conhecimentos Gerais (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) - AR

ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) - AR ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) é uma das áreas da biologia que mais cai no ENEM, sendo que, dentro da ecologia, impactos ambientais são pontos bem cobrados. Nessa aula, iremos estudar alguns

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

1) Analise os quadros a seguir:

1) Analise os quadros a seguir: 1) Analise os quadros a seguir: QUADRO 1 QUADRO 2 Marque a alternativa CORRETA: a) O fator responsável para explicar o quadro 1 é o aumento do processo migratório decorrente do processo de globalização.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015 Domínio: Terra em transformação Subdomínio: Dinâmica externa da Terra ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Identificar os minerais constituintes de rochas, considerando as suas propriedades físicas

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

PROVA EXEMPLO VÁLIDA APENAS PARA FINS DE SIMULAÇÃO NÃO FAZ PARTE DO PROCESSO SELETIVO FACULDADE IBTA GABARITO DISPONÍVEL NO FINAL DO DOCUMENTO

PROVA EXEMPLO VÁLIDA APENAS PARA FINS DE SIMULAÇÃO NÃO FAZ PARTE DO PROCESSO SELETIVO FACULDADE IBTA GABARITO DISPONÍVEL NO FINAL DO DOCUMENTO NÃO FAZ PARTE DO PROCESSO SELETIVO FACULDADE IBTA GABARITO DISPONÍVEL NO FINAL DO DOCUMENTO INSTRUÇÕES: 01. Cada questão possui apenas uma resposta certa. A marcação em mais de uma alternativa anula a

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 13 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 7º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da Recuperação Industrialização Urbanização População 1- A função urbana de uma cidade diz respeito

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº09 Prof. Paulo Henrique

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº09 Prof. Paulo Henrique Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº09 Prof. Paulo Henrique Assunto: Interpretação e Análise de gráficos 1. O que é importante na hora de analisar um gráfico? Atenção

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

O capitalismo e a sociedade de consumo

O capitalismo e a sociedade de consumo O capitalismo e a sociedade de consumo Sociedade de consumo As sociedades dos países capitalistas desenvolvidos que usufruem intensamente dos bens e serviços existentes no mundo moderno. O consumismo contribui

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA Prof Cazuza 1 (Uff 2012) O ciclo de Stirling é um ciclo termodinâmico reversível utilizado em algumas máquinas térmicas Considere o ciclo de Stirling para 1 mol de um gás ideal monoatônico ilustrado no

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO. 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio.

LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO. 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio. P R OVA D I S C U R S I VA LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO 2 1 / 1 1 2 0 1 5 V E S T I B U L A R 2 0 1 6 INSTRUÇÕES 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Mudanças Climáticas Rodrigo Valle Cezar O que é o Clima O clima compreende os diversos fenômenos que ocorrem na atmosfera da Terra. Atmosfera é a região gasosa que envolve toda

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

O mar está morrendo!

O mar está morrendo! A UU L AL A O mar está morrendo! O mar, além de ser fonte de recursos para a humanidade, serve também como local de turismo. Esse ambiente abriga uma grande quantidade de seres vivos, desde formas microscópicas

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

Lista de Geografia IV- Bimestre

Lista de Geografia IV- Bimestre Professor (a): Esther Maria Noleto Disciplina Geografia Aluno (a): Série: 6º ANO Data: / / 2014 1) A respeito das águas subterrâneas, é correto afirmar que: (0,5) a) Os aquíferos cársticos apresentam elevado

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

www.serrano.neves.nom.br

www.serrano.neves.nom.br SERRANO NEVES Diretor Institucional HUMBERTO R. MOREIRA Superintendente Administrativo CYLENE DANTAS DA GAMA Gestora Operacional Educação Sócio-ambiental no entorno no Lago da UHE SERRA DA MESA - Reg.

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Exercícios 3º ano Química -

Exercícios 3º ano Química - Exercícios 3º ano Química - Ensino Médio - Granbery 01-ufjf-2003- Cada vez mais se torna habitual o consumo de bebidas especiais após a prática de esportes. Esses produtos, chamados bebidas isotônicas,

Leia mais

NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL

NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL Jessica Barbosa Tavares 1 Everton da Silva Ferraz 2 Silvia Helena Antunes dos Santos 3 RESUMO: De cunho bibliográfico a

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE

PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE COORDENAÇÃO COLÉGIO OFICINA 1 PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE DISCIPLINA CONTEÚDO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES LÍNGUA PORTUGUESA REDAÇÃO OFICINA DE LEITURA ARTES EDUCAÇÃO

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. O Ministério do Meio Ambiente, em junho de 2009, lançou campanha para o consumo consciente de sacolas plásticas, que já atingem, aproximadamente,

Leia mais

Modulo I Mudanças Climáticas

Modulo I Mudanças Climáticas Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Exercícios Extras Silvia Set/09 Modulo I Mudanças Climáticas 1. (UFRJ) A maior parte do aquecimento da atmosfera é proveniente da radiação terrestre: a atmosfera deixa

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

GRUPO V 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO V 2 o BIMESTRE PROVA A Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 8/6/2011 PROVA GRUPO GRUPO V 2 o BIMESTRE PROVA A Nome: Turma: Valor da prova: 3,0 Nota: Leia o texto e faça o que se pede a seguir. Filtro

Leia mais

PROF: KELTON WADSON OLIMPIADA / 8º SÉRIE ASSUNTO: PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA

PROF: KELTON WADSON OLIMPIADA / 8º SÉRIE ASSUNTO: PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA PROF: KELTON WADSON OLIMPIADA / 8º SÉRIE ASSUNTO: PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS Um fenômeno físico ocorre sem que a substância transforme-se em outra substância, ou

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade

IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade Gabarito Primeira Fase Cruzadinha Preencha as linhas da cruzadinha com as palavras ou expressões correspondentes. 1 C A R B O N O 2 A Q U E C

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

REDAÇÃO COMENTÁRIO DE REDAÇÃO. O trecho a seguir é parte do poema Mocidade e morte, do poeta romântico Castro Alves:

REDAÇÃO COMENTÁRIO DE REDAÇÃO. O trecho a seguir é parte do poema Mocidade e morte, do poeta romântico Castro Alves: ENEM/2001 1 e REDAÇÃO COMENTÁRIO DE REDAÇÃO O trecho a seguir é parte do poema Mocidade e morte, do poeta romântico Castro Alves: Oh! eu quero viver, beber perfumes Na flor silvestre, que embalsama os

Leia mais

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar Gabarito Primeira Fase Cruzadinha 3 6 1 V Ê N U S E 2 L U A 8 1 S N M 3 E S P E C T R O S C O P I A Q 2 R R U T E 4 É I 4 E C L Í P T I C A 7 N R

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Águas do Planeta

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Observe a figura

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 3 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

4. Introdução à termodinâmica

4. Introdução à termodinâmica 4. Introdução à termodinâmica 4.1. Energia interna O estabelecimento do princípio da conservação da energia tornou-se possível quando se conseguiu demonstrar que junto com a energia mecânica, os corpos

Leia mais

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo?

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? 07/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Quais são os gases do efeito estufa?

Quais são os gases do efeito estufa? Foto: Edu Coelho O efeito estufa Nos últimos anos os cientistas têm pesquisado os aspectos climáticos do nosso planeta e uma importante e preocupante descoberta é a elevação de sua temperatura média devido

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. O Ministério do Meio Ambiente, em junho de 2009, lançou campanha para o consumo consciente de sacolas plásticas, que já atingem, aproximadamente,

Leia mais

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre Página 1 de 5 ' nmlkji nmlkj ok Edição 1979. 25 de outubro de 2006 Entrevista: James Lovelock A vingança de Gaia < O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Considerando que, ao colocar o sólido dentro da caixa, a altura do nível da água passou a ser 80 cm, qual era o volume do sólido?

Considerando que, ao colocar o sólido dentro da caixa, a altura do nível da água passou a ser 80 cm, qual era o volume do sólido? 1 2 Com o objetivo de trabalhar com seus alunos o conceito de volume de sólidos, um professor fez o seguinte experimento: pegou uma caixa de polietileno, na forma de um cubo com 1 metro de lado, e colocou

Leia mais