RENOVAR AS NAÇÕES UNIDAS. Estatísticas fundamentais. Os mesmos valores novos métodos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RENOVAR AS NAÇÕES UNIDAS. Estatísticas fundamentais. Os mesmos valores novos métodos"

Transcrição

1 RENOVAR AS NAÇÕES UNIDAS Para as Nações Unidas, enfrentar com êxito os desafios da globalização traduz-se, em última análise, em responder às necessidades das pessoas. Foi em seu nome que a Carta foi redigida; a realização das suas aspirações continua a ser o nosso projecto no século XXI. Kofi Annan, Relatório do Milénio Estatísticas fundamentais Segundo um estudo de opinião internacional levado a cabo pela Gallup, menos de metade dos inquiridos considerava o desempenho das Nações Unidas satisfatório. Pela primeira vez na história da ONU, cerca de 400 funcionários por ano passarão à reforma nos próximos cinco anos. A ONU transformou-se numa organização com uma forte presença no terreno: dois de cada três funcionários seus participam actualmente em operações no terreno. A ONU é o maior editor do mundo de estatísticas sobre comércio internacional e de estatísticas económicas e demográficas e a principal fonte reconhecida como fidedigna no que se refere a métodos e classificações estatísticas. As conferências mundiais da ONU da década de 1990 expuseram claramente soluções práticas para as grandes questões mundiais, que não foram debatidas pela comunidade internacional no seu conjunto em nenhum outro lugar. A composição do Conselho de Segurança, com os seus cinco membros permanentes e dez não permanentes, é a mesma desde 1965, ano em que foram acrescentados quatro novos membros. O número de organizações não governamentais internacionais aumentou, a nível mundial, de 5000, em 1975, para quase , em Os mesmos valores novos métodos Devemos colocar as pessoas no centro de tudo o que fazemos... se a ONU pretende privilegiar mais a dimensão humana, deverá basear-se mais em resultados, tanto em termos do seu pessoal como da distribuição dos recursos. Esta citação do Relatório do Milénio do Secretário-Geral resume o tipo de renovação por que a Organização passa para servir melhor tanto os Estados como os povos, no século XXI. Trata-se de uma renovação dos meios utilizados para alcançar os objectivos da ONU: paz, prosperidade, justiça social e um futuro sustentável. Estes objectivos estão cada vez mais a ser prosseguidos por meio da colaboração com empresas privadas e organizações não governamentais e públicas e do recurso às novas tecnologias da informação, como a Internet. Existe também uma renovação no interior da Organização, sob a forma de uma execução de programas mais racional e orientada para o cliente, que visa tornar as Nações Unidas uma estrutura menos pesada e mais eficaz. A chegada do novo milénio e os acontecimentos que a acompanharam ofereceram aos Estados Membros da ONU uma excelente oportunidade de se dedicarem de novo à missão das Nações Unidas e aos seus valores fundamentais: liberdade, tolerância, equidade, não violência, respeito pela natureza e partilha de responsabilidades. Quando foi criada, há mais de meio século, em consequência da Segunda Guerra Mundial, a ONU reflectia as esperanças mais elevadas da humanidade numa comunidade mundial justa e pacífica. A ONU continua a ser a única instituição do planeta que conta com uma participação universal.

2 Mas o método de alcançar os importantes objectivos das Nações Unidas deve ser tão eficaz quanto possível. Aquilo que as pessoas nos dizem em todo o mundo é que as nossas realizações passadas não bastam, dada a dimensão dos desafios que enfrentamos. Devemos fazer mais e melhor, afirma o Secretário-Geral no seu Relatório do Milénio. A ONU aderiu fortemente à Internet e a outras tecnologias avançadas, a fim de melhorar a sua interacção com o resto do mundo e de criar oportunidades para pôr termo ao ciclo da pobreza. O Secretário-Geral pediu à indústria da tecnologia da informação que ajudasse a Organização neste esforço. Renovar as Nações Unidas Sem uma ONU forte, será muito mais difícil enfrentar todos estes desafios. Reforçar a ONU é algo que depende dos Governos, e em especial da sua vontade de trabalhar com outros o sector privado, as organizações não governamentais e os organismos multilaterais para encontrar soluções. As Nações Unidas devem agir como um catalisador, para estimular a acção de outros. E devem explorar plenamente as novas tecnologias, em particular a da informação. O Secretário-Geral recomenda uma acção nestas quatro áreas decisivas: Identificar os principais pontos fortes. A ONU deve continuar a ser o lugar onde são definidas as novas normas de conduta internacional e onde se alcançam amplos consensos em relação a elas. Estabelecer redes pela mudança. A ONU deve servir de catalisador da acção colectiva, tanto no seio dos Estados Membros como entre estes e a vibrante constelação de novos intervenientes que não são o Estado. Estabelecer ligações informáticas. A ONU deve controlar o poder da tecnologia de modo a melhorar o destino dos países em desenvolvimento. Promover a revolução tranquila. Como organização, a ONU deve tornar-se mais eficaz, eficiente e acessível aos povos do mundo. Identificar os principais pontos fortes A influência e o impacte das Nações Unidas no mundo são muito maiores do que muitos pensam. Essa influência não decorre do exercício do poder, mas sim da força dos valores que a ONU representa; da sua capacidade de estimular a preocupação e acção do mundo; e da confiança que o seu trabalho concreto para melhorar a vida das pessoas inspira. Pense nos seguintes factos: A guerra era outrora uma acção normal que qualquer estado podia levar a cabo; agora, é proscrita universalmente, excepto em circunstâncias muito concretas. A democracia não só prevaleceu em grande parte do mundo como é, em regra, considerada a mais legítima e desejável forma de governo. Os direitos humanos, que antes eram apenas um assunto interno de estados soberanos, transcendem agora os governos e as fronteiras. Uma nova ordem jurídica mundial: o alargamento do estado de direito foi a base de grande parte do progresso social conseguido no último milénio. O Secretário-Geral pensa que deveríamos levar mais longe estes aspectos positivos, em especial insistindo na importância do estado de direito. Mas também entende que precisamos de adaptar a própria ONU, nomeadamente reformando o Conselho de Segurança, para que possa funcionar com eficácia e gozar de uma legitimidade incontestada. E devemos alargar a relação da ONU com as organizações da sociedade civil, bem como com o sector privado e as fundações. Segundo o Secretário-Geral, uma área fundamental é a reforma do Conselho de Segurança. O Conselho deve funcionar de uma forma eficaz, mas deve também gozar de uma legitimidade incontestada. Estes dois critérios definem o espaço dentro do qual se deve encontrar uma solução.

3 Qualquer alteração do número de membros do Conselho de Segurança exige uma alteração à Carta da ONU que tem de ser ratificada por dois terços dos Estados Membros da Organização (incluindo os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Federação Russa). A discussão de potenciais modificações da composição do Conselho de Segurança no período pós-guerra fria arrasta -se há já muito tempo. Até agora, não foi alcançado um consenso. Destacam-se duas questões: quem é membro do Conselho? Quem tem direito de veto? Há muito que os reformadores teóricos falam de mexer na estrutura do Conselho o Japão e a Alemanha têm sido apontados como candidatos a lugares permanentes mas nenhum dos cinco membros permanentes do Conselho estava interessado: Se não está avariado, não lhe toque. Na aliança ocidental, a Itália tem sido particularmente inflexível contra o alargamento dos membros permanentes de modo a incluir esses dois países (o que a deixaria para trás, enquanto a Alemanha passava a pertencer à elite). A soma das contribuições financeiras dos cinco permanentes para os orçamentos da ONU representa hoje 41% do total, o que está muito longe dos 75% do orçamento que os cinco permanentes pagavam em (Jeffrey Laurenti, UNA-USA) Estabelecer redes pela mudança O Secretário-Geral tem defendido que se complementem as instituições formais com redes informais sobre políticas, que reúnam instituições internacionais, sociedade civil e organizações do sector privado com os governos nacionais, na prossecução de objectivos comuns. Com recursos mínimos, a ONU intensificou o seu trabalho com diversos actores influentes que não são o estado, tal como o sector privado, as organizações não governamentais (ONG) e os organismos governamentais. O objectivo é alargar a rede mundial de políticas de forma a levar todos os intervenientes a combaterem os efeitos negativos da globalização, com vista a criar um mundo melhor para todos. A 26 de Julho de 2000 teve lugar nas Nações Unidas em Nova Iorque uma reunião histórica com os executivos de empresas do mundo inteiro. Foi um exemplo estimulante do impulso renovado da ONU em prol da colaboração com as empresas privadas e públicas, a fim de resolver os problemas do planeta. As empresas não deveriam esperar por que os governos aprovem leis para pagar ordenados decentes ou para aceitar não poluir o ambiente, disse o Secretário- Geral da ONU às altas chefias de 50 empresas multinacionais, de uma dúzia de organizações laborais e grupos de vigilância, que se deslocaram às Nações Unidas para aderir ao Pacto Global. Nos termos do acordo, comprometem-se a apoiar os direitos humanos, a eliminar o trabalho infantil, a autorizar sindicatos livres e a abster-se de poluir o ambiente onde quer que exerçam a sua actividade. Entre os signatários figuravam a Bayer, a Dupont, a Ericsson, a Haltheon/WebMD, e a Unilever, bem como a Amnesty International e o World Wildlife Fund. A reunião demonstrou que os governos e os líderes das empresas contam cada vez mais uns com os outros para ajudar as pessoas que a globalização deixou para trás. As Nações Unidas proporcionam a infra-estrutura para abordar estas importantes questões. Estabelecer ligações informáticas Utilizando a nova tecnologia da informação, a ONU pode tornar-se mais eficaz e melhorar a sua interacção com o resto do mundo. Mas, para o fazer, deve ultrapassar uma cultura de resistência à mudança. O Secretário-Geral pede à indústria da tecnologia da informação que ajude a Organização a conseguir isso.

4 A ONU tenciona criar um website com links para websites médicos com informação para hospitais e clínicas de todo o mundo em desenvolvimento. A iniciativa será liderada pela Fundação WebMD, em parceria com outras fundações e empresas. Começando pela Índia, uma fase-piloto de 6 a 12 meses centrar-se-á na avaliação das necessidades em alguns países e na construção do conteúdo do portal da Internet, dando especial importância aos programas de saúde pública prioritários. A ONU criou também um Serviço de Tecnologia da Informação das Nações Unidas UNITeS, um consórcio de associações voluntárias ligadas às tecnologias de ponta, entre as quais figurarão a Net Corps Canada e a Net Corps America, que dará formação a grupos de pessoas dos países em desenvolvimento sobre a utilização das tecnologias de informação. O UNITeS tornou-se operacional em 1 de Agosto de 2000, data em que o primeiro voluntário iniciou uma missão na Índia, no Estado de Orissa. Estão em curso outras iniciativas do UNITeS no Butão, Botswana, Chile, Equador, Jordânia, Mongólia, Senegal e África do Sul. A NetAid.org procura encontrar soluções para a pobreza extrema Nas aldeias das zonas rurais do Ruanda, onde um em cada 77 nascidos-vivos provocou a morte da mãe e um em cada nove lactantes morre antes de ter completado um ano de idade, não há computadores, nem ligações à Internet nem tecnologia de alta velocidade. Porém, o poder da Internet e a tecnologia que está por detrás de um website sem paralelo contra a pobreza estão a dar a milhares de futuras mães e aos seus bebés recémnascidos do distrito de Kibungo, no Sudeste do Ruanda, mais hipóteses de sobreviverem. Os visitantes da NetAid.org pessoas de lugares tão distantes como Chicago, Paris e Kuala Lumpur podem comprar um dos diversos kits de cuidados pré-natais para distribuição pelas mães do distrito e pelas parteiras tradicionais que as ajudam. O Projecto de Sobrevivência das Mães e seus Bebés é um exemplo vívido de como a NetAid.org, a iniciativa mundial pela erradicação da pobreza, lançada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Cisco Systems, em 1999, está a informar os visitantes da World Wide Web sobre pobreza extrema, ao mesmo tempo que lhes dá os meios para a combater e regista, on-line, o impacte da sua contribuição. Juntar as Pessoas A dimensão e a gravidade das catástrofes naturais das três últimas décadas exigiram cada vez mais das organizações de socorro. Isto salientou a necessidade de melhores comunicações no terreno. A fim de responder a este desafio, a empresa Ericsson lançou um importante programa de intervenção em caso de catástrofe, Primeiros no Terreno, que, entre outras iniciativas, fornecerá ligações por telefones móveis e conhecimentos especializados ao pessoal dos organismos de auxílio humanitário no terreno e ajudará também a melhorar as redes de comunicação existentes, quando for este o caso. O programa será executado graças ao apoio das filiais da empresa em mais de 140 países. Isto é apenas um exemplo da cooperação entre o sector privado e o público, iniciada pela ONU, com vista a colocar as novas tecnologias ao serviço das vítimas de catástrofes em todo o mundo. O furacão Mitch fustigou as Honduras em 1998, provocando a pior catástrofe natural que atingiu o país nesse século. Um escritório local em Tegucigalpa, com apoio da ONU, tinha apenas quatro funcionários, quatro computadores e 30 linhas telefónicas, mas estava exactamente no local certo à hora certa, quando o furacão Mitch se fez sentir. Em menos de quatro horas, o primeiro anúncio de ajuda internacional chegou por correio electrónico. Na aldeia de Santa Barbara, nas montanhas hondurenhas, cerca de aldeões sem abrigo, entre eles 900 crianças, foram amontoados em abrigos improvisados, sem suficientes alimentos, água potável ou medicamentos. Médicos e enfermeiros ofereceram os seus serviços por correio electrónico e muitas pessoas e organizações responderam aos apelos a pedir ajuda.

5 Promover a revolução tranquila O Secretário-Geral propôs mudanças ambiciosas do Secretariado da ONU, que ele chefia. Diversas medidas de reforma fizeram já da organização mundial uma estrutura mais leve e mais eficaz: Foi criado o posto de Vice-Secretário-Geral, com competência para tratar de questões de gestão: Os procedimentos de gestão foram racionalizados; Foram desviados recursos da administração para o trabalho em prol do desenvolvimento; Foi introduzido um modelo de gestão de tipo colegial; e Melhorou-se a coordenação entre membros distantes do que se conhece como a família da ONU, que inclui todas as organizações do sistema das Nações Unidas. A reforma ao nível dos procedimentos e políticas internas é necessária, se se quiser que a ONU alcance os seus objectivos com os recursos mínimos que foram canalizados para o seu trabalho. O orçamento relativo às principais funções da ONU é de apenas 1250 milhões de dólares por ano. Isto representa cerca de 4% do orçamento anual da Cidade de Nova Iorque ou quase menos um milhão de dólares do que o custo anual do funcionamento do Serviço de Bombeiros de Tóquio. Se medirmos as nossas responsabilidades e as esperanças depositadas em nós pela bitola dos nossos recursos, depara-se-nos uma realidade que nos faz pensar... Os nossos recursos não estão, pura e simplesmente, de acordo com as nossas tarefas à escala mundial, diz o Secretário-Geral. Eis o que é necessário fazer para optimizar a utilização dos fundos e ir ao encontro das necessidades do século XXI: Um consenso mais claro sobre as prioridades entre os Estados Membros; Um controlo menos intrusivo da gestão quotidiana; As decisões da Assembleia Geral devem incluir limites ou prazos de expiração para novas iniciativas; Um sistema orçamental baseado em resultados. Como é que se avalia o êxito? O Secretário-Geral pediu aos Estados Membros que tornassem a ONU uma organização mais baseada em resultados, tanto em termos do seu pessoal como da distribuição de recursos. Quando este sistema orçamental assente em resultados estiver plenamente em vigor, favorecerá a eficácia e a flexibilidade e, ao mesmo tempo, aumentará a transparência e a responsabilização do Secretariado da ONU perante os Estados Membros, diz o Relatório do Milénio. A gestão da Organização deveria centrar-se mais no impacte do seu trabalho do que nos contributos e procedimentos. Colocar as pessoas no centro da Organização significa centrar-se em como é que um determinado programa beneficia as pessoas que se pretende que sejam o seu alvo. Deveriam definir-se claramente os objectivos de cada programa ou actividade, concentrandose nas necessidades das audiências-alvo, não dos criadores nem da instituição. Devido aos reduzidos recursos financeiros, a existência de alvos específicos dos programas, produtos e serviços torna-se ainda mais importante. A ONU Trabalha para Si As Nações Unidas iniciaram uma campanha promocional que pretende fazer ressaltar a ligação entre o seu trabalho quotidiano e as aspirações das pessoas de todo o mundo. As pessoas comuns, em especial os jovens, bem como os orientadores de opinião que podem ajudar a difundir a mensagem, tanto no mundo desenvolvido como no mundo em desenvolvimento, são o público-alvo.

6 A campanha utiliza um slogan forte e que visa fomentar a iniciativa, segundo o qual a ONU trabalha para Si, combatendo a pobreza, a fome e a doença, promovendo o desenvolvimento, a alfabetização e a igualdade das mulheres e protegendo o ambiente, para contar a história da Organização de uma forma simples e apelativa. A campanha, que começou no âmbito dos preparativos para a Cimeira do Milénio (6-8 de Setembro de 2000) prossegue depois deste evento, como elemento fundamental de uma estratégia de comunicação a longo prazo, destinada a sensibilizar para o trabalho das Nações Unidas e o seu impacte positivo na vida quotidiana das pessoas e para, desse modo, granjear um maior apoio ao nível das comunidades. Que se seguirá? O Secretário-Geral instou os Estados Membros a discutirem e tomarem medidas em diversas áreas, nomeadamente: O problema da reforma do Conselho de Segurança deveria ser resolvido sem demora. A Assembleia Geral deveria procurar encontrar maneiras de melhorar a sua relação com a sociedade civil, nomeadamente com as organizações não governamentais e governamentais, adaptando o seu trabalho deliberativo para que possa beneficiar plenamente do contributo destas. Deveria ser levado a cabo um estudo sobre as melhores práticas, para analisar o contributo da sociedade civil para o trabalho das Nações Unidas, em todos os aspectos. A ONU deveria actualizar e melhorar a sua capacidade interna no domínio da tecnologia da informação e integrar a sua informação on-line. A Assembleia Geral deveria aprovar a utilização de prazos de expiração, que definissem os limites temporais concretos das novas iniciativas. A Assembleia Geral deveria apoiar plenamente um sistema orçamental baseado em resultados. Sugestões de actividades para alunos Muitas vezes ficam-se a entender melhor as complexidades da ONU quando se faz uma simulação. Adira ao clube local de Model-UN (Sessão Modelo da ONU) ou crie o seu próprio clube. Com base no debate sobre as questões e nas actividades recomendadas na sequência do debate, tome medidas positivas para apoiar acções que merecem a sua aprovação escrevendo cartas de apoio a pessoas, governos ou organizações que levam a cabo políticas que aprova ou angariando fundos que ajudem essas iniciativas a fazer mais. Analise o interesse do seu país pela reforma da ONU. É possível conhecer as posições dos países sobre diversas questões, através do website da ONU. A partir deste, contacte a Missão Permanente do seu país junto das Nações Unidas. Siga para a fim de obter informação. Que pensa acerca da política do seu país? Partilhe as suas opiniões com os funcionários eleitos. Muitas organizações não governamentais (ONG), que abrangem uma vasta gama de interesses, estão filiadas na ONU não só na Sede da Organização mas também em vários organismos especializados situados no mundo inteiro. Siga para e para encontrar os nomes de algumas ONG conhecidas da sua zona. Talvez queira entrevistar membros destas ou convidá-los para a sua aula, para que falem sobre a maneira como a organização a que pertencem colabora com a ONU. Muitas grandes empresas foram convidadas a participar no Pacto Global. Se quiser descobrir se houve empresas do seu país que aderiram, siga para e Talvez queira entrar em contacto com grandes empresas cujos nomes não apareçam na lista da sua zona e sondálas sobre o seu interesse em trabalhar com a ONU.

7 Planeie um evento especial a realizar na sua aula ou escola, perto do Dia das Nações Unidas (24 de Outubro), para ficar a saber mais coisas sobre o vasto trabalho da ONU e das suas muitas componentes. O Centro de Informação das Nações Unidas no seu país ou as secções locais da Associação das Nações Unidas talvez possam ajudar, apresentando sugestões ou prestando ajuda. O website indica maneiras interessantes de ligar o seu plano de estudos com a ONU e de se envolver no traba lho actual da Organização. Consulte-o. Faça o seu próprio estudo de opinião sobre as Nações Unidas, na sua escola. Interrogue os alunos acerca do seu conhecimento da ONU, a opinião que têm da Organização, o local onde obtêm informação sobre a ONU, o que as Nações Unidas deveriam fazer, etc. Divulgue os resultados aos meios de comunicação social, aos funcionários eleitos ou ao Secretário-Geral. Alguns recursos Na World Wide Web Publicações Basic Facts about the United Nations, Departamento de Informação Pública, ONU. Challenges to the Network, Internet for Development, União Internacional das Telecomunicações (UIT), Outubro de Choices (A revista do Desenvolvimento Humano), PNUD, Junho de 2000.

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

SÍNTESE a SÍNTESE. Janet Murdock NOVEMBRO 2009. Understanding conflict. Building peace.

SÍNTESE a SÍNTESE. Janet Murdock NOVEMBRO 2009. Understanding conflict. Building peace. SÍNTESE a Governação de Recursos Naturais em São Tomé e Príncipe: Um Estudo de Caso sobre a Supervisão e Transparência das Receitas Petrolíferas SÍNTESE Janet Murdock NOVEMBRO 2009 Understanding conflict.

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Preâmbulo Com o objectivo de unir os esforços das Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento (ONGD) associadas da Plataforma Portuguesa das

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação

REPÚBLICA DE ANGOLA. Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação REPÚBLICA DE ANGOLA Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação Intervenção de Sua Excelência Licínio Tavares Ribeiro, Ministro dos Correios e Telecomunicações ANGOLA (Genebra, 12 de Dezembro de 2003)

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Caminho para a dignidade 2015-2030. Uma Agenda universal e participativa

Caminho para a dignidade 2015-2030. Uma Agenda universal e participativa Caminho para a dignidade 2015-2030 Uma Agenda universal e participativa 2015 Caminho para a dignidade 2015-2030 Fusão de 6 agendas/diálogos internacionais (!) 1.Agenda do desenvolvimento e os ODM 2.Desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

*** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO

*** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Comércio Internacional 22.11.2011 2010/0343(NLE) *** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO sobre o projecto de decisão do Conselho relativa à celebração pela União Europeia

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO 15 de Junho de 2006 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: FRANCÊS Quinquagésima-sexta sessão Addis Abeba, Etiópia, 28 de Agosto - 1 de Setembro de 2006 REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

O Pacto Global. Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002

O Pacto Global. Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002 O Pacto Global Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002 Em nome do Secretário-Geral Kofi Annan e do Gabinete do Pacto Global, que

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Teambuilding (Habitat for Humanity Portugal)

Teambuilding (Habitat for Humanity Portugal) Teambuilding (Habitat for Humanity Portugal) A Habitat for Humanity Portugal é uma organização não governamental sem fins lucrativos de base cristã e ecuménica e procura lutar contra o problema da pobreza

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Março de 2014 Índice 1. Resumo das actividades....1 2. Perspectivas para as actividades

Leia mais

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global Grupo Parlamentar Português sobre População e Cumprimentos: Desenvolvimento Assembleia da República 18 de Novembro

Leia mais

Preparação de um Plano de Trabalho

Preparação de um Plano de Trabalho Preparação de um Plano de Trabalho Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION "DIREITOS DAS MULHERES ONLINE" Por: Alsácia Atanásio. Coordenadora do Projecto

UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION DIREITOS DAS MULHERES ONLINE Por: Alsácia Atanásio. Coordenadora do Projecto UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION "DIREITOS DAS MULHERES ONLINE" Por: Alsácia Atanásio Coordenadora do Projecto SIITRI, Moçambique Ò o UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTO DA WORLD

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Mapeando uma Estratégia de Advocacia

Mapeando uma Estratégia de Advocacia Mapeando uma Estratégia de Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Exemplos de Boas Práticas de RSE

Exemplos de Boas Práticas de RSE Exemplos de Boas Práticas de RSE 7.4. Pritchard Englefield Filme sobre a RSE na comunidade Resumo A empresa Pritchard Englefield foi fundada em 1848. Está sediada na City de Londres (Grã-Bretanha). A Pritchard

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE PEQUENOS ESTADOS-ILHA EM VIAS DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Relatório. Paquistão: Cheias 2010. Resumo. Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038

Relatório. Paquistão: Cheias 2010. Resumo. Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038 Relatório Actualização sobre os primeiros 12 meses de operações. Paquistão: Cheias 2010 Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038 Este relatório cobre o período

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Estabelecendo Prioridades para Advocacia

Estabelecendo Prioridades para Advocacia Estabelecendo Prioridades para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Utilizadores de internet participam mais em estruturas associativas

Utilizadores de internet participam mais em estruturas associativas 6. PARTICIPAÇÃO ASSOCIATIVA E INTERVENÇÃO CÍVICA participam mais em estruturas associativas Dos utilizadores de internet, 30% são membros de entidades associativas. São os utilizadores que pertencem mais

Leia mais

O que é o Banco Europeu de Investimento?

O que é o Banco Europeu de Investimento? O que é o Banco Europeu de Investimento? O BEI é o banco da União Europeia. Como primeiro mutuário e mutuante multilateral, proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projectos de investimento

Leia mais

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências O compromisso das Nações Unidas para a melhoria do Estado das pessoas com deficiências Mais de quinhentos milhões de pessoas são portadoras de deficiências,

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com Plano de Atividades 2014 (Revisão) www.andonicanela.com PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2014 REVISTO INTRODUÇÃO e VERTENTE ESTRATÉGICA A LPN como a mais antiga e mais consistente organização não governamental

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

ESCOLAS AMIGAS DOS DIREITOS HUMANOS TRANSFORMAR COMUNIDADES ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO PARA OS DIREITOS HUMANOS

ESCOLAS AMIGAS DOS DIREITOS HUMANOS TRANSFORMAR COMUNIDADES ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO PARA OS DIREITOS HUMANOS ESCOLAS AMIGAS DOS DIREITOS HUMANOS TRANSFORMAR COMUNIDADES ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO PARA OS DIREITOS HUMANOS Isto é o que temos de fazer, se queremos seres humanos íntegros, solidários e tolerantes. Ana, 4º

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO

MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO República de Angola MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, DR. PAULINO BAPTISTA, SECRETÁRIO DE ESTADO PARA A HOTELARIA DA REPÚBLICA DE ANGOLA, DURANTE A VIII REUNIÃO DE MINISTROS

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco O documento em PDF está pronto a ser utilizado. Por favor, lembre-se de guardar as alterações após responder à totalidade do questionário, enviando em seguida para o seguinte endereço eletrónico maria.carmona@hzg.de

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais