Utilizadores de internet participam mais em estruturas associativas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilizadores de internet participam mais em estruturas associativas"

Transcrição

1 6. PARTICIPAÇÃO ASSOCIATIVA E INTERVENÇÃO CÍVICA participam mais em estruturas associativas Dos utilizadores de internet, 30% são membros de entidades associativas. São os utilizadores que pertencem mais a associações ou grupos associativos em comparação com os não utilizadores. Enquanto que no primeiro grupo, 29,9% declaram pertencer a uma qualquer entidade associativa (associação, clube, organização não governamental, sindicato ou partido político) entre os não utilizadores de internet são 17,4% que o fazem. A salientar ainda o facto da grande maioria dos utilizadores ou dos não utilizadores de internet não pertencer a nenhuma estrutura de tipo associativo (69,6% e 82,6% respectivamente). Quadro 6.1 Pertença a entidades associativas n % n % Pertence a alguma Associação, Clube, Organização Não Governamental (ONG), Sindicato, Partido político ou qualquer entidade associativa? Total Sim , ,4 Não , ,6 Ns/Nr 4 0,5 1 0, , ,0 1

2 Associações desportivas como principal pertença Nos utilizadores de internet, destacam-se como as cinco primeiras associações a que mais se pertence, as seguintes: associação/clube desportivo (50,1%); associação cultural e recreativa (20,8%); sindicato (19,1%); associação profissional (15,7%); e partido político (7,5%). Já nos não utilizadores de internet esses cinco primeiros lugares são ocupados, de forma semelhante, por: associação/clube desportivo (43,1%); associação cultural e recreativa (16,7%); associação religiosa e paroquial (9,1%); associação profissional (6,6%); e sindicato (5,7%). Neste segmento é também de salientar a pertença de 21,5% dos não utilizadores a outras entidades, de entre as quais se destacam os bombeiros e as associações de apoio social. As associações de tipo desportivo são, pois, as que recolhem maior número de membros de entre todos os tipos de entidades associativas analisados, mantendo-se uma diferença de mais de cinco pontos percentuais entre a pertença a este tipo de associação pelos utilizadores de internet (50,1%) e pelos não utilizadores (43,1%). A destacar, entre outros aspectos, a diferença no número de pertenças entre os que utilizam e os que não utilizam a internet, a ordenação por que aparecem as preferências de pertença e o surgimento, no segundo grupo, das pertenças a associações religiosas e paroquiais como terceira entidade mais referida. 2

3 Quadro 6.2 Tipo de entidade associativa a que pertence Sim Não Total Sim Não Total Pertence Associação/Clube desportivo? Pertence Associação excursionista? Pertence Associação cultural e recreativa? Pertence Associação religiosa e paroquial? pais e mães de alunos? mulheres? jovens? Pertence Associação da terceira idade? vizinhos? Pertence Associação profissional? Pertence Sindicato? consumidores? Pertence Associação ecologista? Pertence Partido político? Pertence Associação protectora de animais? denúncia e reinvidicação para a defesa dos direitos humanos? Pertence a Associação ou ONG solitária? Pertence a Outra? n % 50,1 49,9 100,0 43,1 56,9 100,0 n % 100,0 100,0 100,0 100,0 n % 20,8 79,2 100,0 16,7 83,3 100,0 n % 5,9 94,1 100,0 9,1 90,9 100,0 n % 3,3 96,7 100,0 0,7 99,3 100,0 n % 100,0 100,0 100,0 100,0 n % 4,7 95,3 100,0 0,6 99,4 100,0 n % 1,2 98,8 100,0 5,5 94,5 100,0 n % 2,3 97,7 100,0 4,8 95,2 100,0 n % 15,7 84,3 100,0 6,6 93,4 100,0 n % 19,1 80,9 100,0 5,7 94,3 100,0 n % 1,4 98,6 100,0 1,5 98,5 100,0 n % 1,3 98,7 100,0 0,7 99,3 100,0 n % 7,5 92,5 100,0 4,0 96,0 100,0 n % 3,7 96,3 100,0,4 99,6 100,0 n % 0,4 99,6 100,0 3,5 96,5 100,0 n % 1,7 98,3 100,0 3,3 96,7 100,0 n % 10,4 89,6 100,0 21,5 78,5 100,0 3

4 Apoio a campanhas de solidariedade e participação cívica: o uso da internet como fonte de informação Tentou-se perceber, para além das pertenças associativas, como é que os utilizadores de internet participam ou apoiam campanhas de solidariedade ou acções de intervenção cívica e social. Em geral, 26,9% dos utilizadores de internet já apoiaram ou participaram numa acção de solidariedade, fazendo-o cerca de dois terços destes (19,9%) apenas ocasionalmente. Em contrapartida, só 10,2% dos não utilizadores de internet já participaram ou apoiaram acções idênticas. Uma esmagadora maioria, de cerca de 90%, nunca participou neste tipo de iniciativa, de entre os que não utilizam a internet. Mais uma vez, é no grupo dos utilizadores que surge uma adesão mais forte ao apoio a campanhas de solidariedade ou uma maior participação cívica e social. A utilização de internet em aspectos relacionados com campanhas que apoiam ou em que participam é referida por 23,1% dos utilizadores da web. Destaca-se, enquanto prática de utilização desta plataforma tecnológica, a recepção de informação sobre as campanhas respectivas. A acção directa individual ou em grupo é o aspecto para o qual menos se utiliza a internet. Quadro 6.3 Utilização da internet em campanhas que apoia ou em que participa Sim Não Ns/Nr Total Utiliza a internet em aspectos relacionados com as campanhas que apoia ou em que participa? n % 44 23, ,7 18 9, ,0 4

5 Timor, como exemplo. Diferentes usos tecnológicos, diferentes formas de participação Interpelados sobre a situação concreta de Timor, vivida em Setembro de 1999, as tendências são muito semelhantes. São 22,2% os utilizadores de internet que participaram nalguma acção de protesto ou solidariedade para com o povo de Timor, enquanto que no grupo dos que não utilizam a internet são apenas 11,2% os que afirmam ter desenvolvido algum tipo de iniciativa. São, pois, em geral, muito elevadas as taxas de não participação em acções de protesto ou solidariedade em ambos os grupos. Quanto às formas de manifestação/participação, as que mais se destacam foram parar o país por três minutos (cerca de 78%, nos dois grupos) e o vestir de branco e/ou colocar faixas brancas nas janelas (esta última com diferenças significativas de participação sendo 41,7% no grupo dos utilizadores de internet e 26,5% no dos não utilizadores). São também significativas as diferenças registadas em todas as acções que implicam o uso de equipamentos tecnológicos ou da plataforma web, como seria de esperar, com taxas de participação mais elevadas entre os utilizadores de internet. Os abaixo-assinados em páginas web ou os envios de fax/ s para as Nações Unidas ou para os países do Conselho de Segurança da ONU são as iniciativas em que essas diferenças são mais notórias. 5

6 Quadro 6.4 Formas de participação em acções de protesto e solidariedade para com o povo de Timor Sim Não Ns/Nr Total Sim Não Ns/Nr Total Envio de faxes/ s n para as Nações Unidas % 10,8 89,2 100,0 4,6 94,8 0,6 100,0 Manifestação junto à embaixada dos Estados Unidos em Lisboa n % 6,4 92,9 0,7 100,0 4,0 95,5 0,6 100,0 Vestir de n branco/colocar faixas brancas na janela % 41,7 58,3 100,0 26,5 73,0 0,6 100,0 Envio de faxes/ s para os países do Conselho de Segurança da ONU Parar o país por 3 minutos n % 8,0 90,8 1,2 100,0 1,2 98,3 0,6 100,0 n % 78,3 21,0 0,7 100,0 78,2 21,2 0,6 100,0 Envio de faxes/ s n para a Presidência Indonésia % 1,6 97,7 0,7 100,0 0,9 98,6 0,6 100,0 Manifestação junto à n embaixada Indonésia em Madrid % 0,5 98,8 0,7 100,0 99,4 0,6 100,0 Votação na página web da CNN ou BBC sobre apoio à intervenção militar Abaixo assinado em páginas web n % 4,7 95,3 100,0 0,3 99,1 0,6 100,0 n % 8,6 91,4 100,0 99,4 0,6 100,0 Dístico no carro em apoio de Timor Leste Lançar flores aos rios n % 11,5 88,5 100,0 10,5 88,9 0,6 100,0 n % 5,5 94,5 100,0 3,1 96,3 0,6 100,0 Abaixo-assinados, cartas de protesto e contactos com instituições: utilizadores mais activos e como meio de comunicação Uma outra forma de acção cívica dos utilizadores e não utilizadores de internet foi analisada: a que se refere à subscrição de abaixo-assinados ou o envio de cartas de protesto ou reclamação a órgãos do estado e da administração pública (Quadro 5). São 18,7% os utilizadores de internet que 6

7 admitem já ter efectuado nalguma ocasião uma destas acções, contra 6,7% de não utilizadores. Dos que já tomaram este tipo de iniciativa, 27,1% indicam que o fizeram através do correio electrónico. E essas acções, quando feitas pelos utilizadores de internet, foram dirigidas em maior número a ministros ou outros elementos do governo (41%), seguidos pelos deputados da Assembleia da República (16%) e pelo Presidente da República (13%). Já os não utilizadores de internet dirigiram essencialmente essas iniciativas a câmaras municipais (presidentes ou vereadores) (28%), e também a ministros (20%) e a deputados (19%). De referir que as escolas e as juntas de freguesia são as instituições às quais menos se dirigem este tipo de iniciativas. Quadro 6.5 Subscrição de abaixo-assinados ou cartas de protesto ou reclamação a órgãos do estado e da administração pública Em alguma ocasião, subscreveu abaixoassinados ou escreveu cartas de protesto ou reclamação a órgãos do estado e da administração pública? Sim Não Ns/Nr Total Sim Não Ns/Nr Total n % 18,7 81,0 0,2 100,0 6,7 93,1 0,3 100,0 Ainda a propósito de outras formas de intervenção, mantém-se a mesma tendência quando comparados utilizadores e não utilizadores de internet. As taxas relativas ao envio de cartas de opinião a directores de publicações (6,8%) ou ao contacto com a Câmara Municipal ou Junta de Freguesia sobre alguma coisa que afecte a cidade em que vivem (20,3%) realizados pelos utilizadores são sempre mais altas do que as efectuadas pelos não utilizadores (1,7% e 11,4%, respectivamente), embora mais baixas do que as enviadas aos órgãos do estado e da administração pública. Já no que se refere à utilização do correio electrónico como meio para fazer esses contactos, a taxa respectiva é muito mais alta no envio de cartas 7

8 para directores de publicações (39,6%) em comparação com o contacto com as instituições do poder local (12,5%). Opiniões sobre relação cidadãos-governo: utilizadores mais mobilizáveis e menos cépticos quanto à influência nas decisões políticas Para concluir este capítulo dedicado às formas de participação social e cívica e suas articulações com o facto de se ser ou não utilizador de internet, apresenta-se um conjunto de indicadores que permitem avaliar as opiniões que os inquiridos têm sobre a relação cidadão-governo e sua capacidade de influenciar ou não as decisões políticas. É de salientar que duas tendências opostas se desenham. Uma caracteriza os utilizadores de internet como cidadãos que acham mais que é possível influenciar as decisões políticas e os acontecimentos mundiais, acreditando que uma das formas disso se concretizar é através da mobilização colectiva. Pelo contrário, a outra tendência caracteriza os não utilizadores da web e evidencia posições de maior cepticismo em relação à possibilidade dos cidadãos poderem influenciar as decisões políticas ou os acontecimentos mundiais, ao mesmo tempo que se mostram menos mobilizáveis para a acção colectiva, em particular, para a resolução dos problemas do mundo. São também sempre superiores as percentagens de pessoas que não respondem no grupo dos que não utilizam a internet em comparação com os que a utilizam. 8

9 Quadro 6.6 Opiniões sobre a relação cidadãos governo Concorda Discorda Ns/Nr Total Concorda Discorda Ns/Nr Total As pessoas podem influenciar os acontecimentos mundiais com n mobilizações políticas e sociais % 71,0 24,6 4,4 100,0 53,0 35,1 11,9 100,0 Os cidadãos comuns têm influência no que o governo decide n % 50,1 47,7 2,1 100,0 36,7 55,5 7,8 100,0 Para as pessoas é difícil controlar n o que fazem os membros do governo % 80,4 15,6 4,0 100,0 76,8 15,0 8,2 100,0 No mundo há umas quantas pessoas que mandam e os cidadãos comuns não podem fazer grande coisa para controlá-los n % 72,8 22,6 4,6 100,0 75,1 16,2 8,7 100,0 Com esforço e em conjunto n podíamos acabar com a corrupção política % 51,4 40,2 8,4 100,0 43,1 40,4 16,5 100,0 Um dos motivos das guerras é porque as pessoas não se interessam suficientemente pela política n % 35,0 55,8 9,2 100,0 36,7 44,4 18,9 100,0 Nós, os consumidores pouco n podemos fazer para que não subam os preços % 69,9 26,4 3,7 100,0 77,9 15,8 6,3 100,0 Quando pensa nas decisões n políticas, dá-se conta que é impossível influenciá-las % 61,0 31,7 7,3 100,0 69,8 18,7 11,5 100,0 Prefere dedicar a sua energia a coisas diferentes do que as que se relacionam com a resolução dos problemas do mundo Os responsáveis da má governação, seja local ou estatal, são definitivamente os cidadãos que não votam como deviam n % 59,1 35,2 5,7 100,0 61,8 23,7 14,5 100,0 n % 48,6 41,2 10,1 100,0 50,4 30,7 18,9 100,0 9

7. CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE E DESENVOLVIMENTO PESSOAL

7. CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE E DESENVOLVIMENTO PESSOAL 7. CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE E DESENVOLVIMENTO PESSOAL Principal referência identitária: a família As principais referências identitárias dos utilizadores de internet são com a família (41,0%) e consigo

Leia mais

Utilização da internet: uma prática relativamente recente

Utilização da internet: uma prática relativamente recente 2. PRÁTICAS E MOTIVAÇÕES DE USO DA INTERNET Utilização da internet: uma prática relativamente recente A utilização da internet pelos portugueses é, na maioria dos casos, relativamente recente. Cerca de

Leia mais

Participação pública. Impactes Ambientais 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Participação pública. Impactes Ambientais 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Mestrado em Engenharia do Ambiente 5º ano / 1º semestre Participação pública Impactes Ambientais 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Actores Inerentemente activos no processo: Promotor

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 04 de Dezembro 2007 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 MAIS DE 7 EM CADA 10 EMPRESAS COM DEZ E MAIS PESSOAS AO SERVIÇO ACEDEM

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Glossário. Assembleia de Voto É o local onde o eleitor vota, ou o conjunto de cerca de 1.000 eleitores que a integram.

Glossário. Assembleia de Voto É o local onde o eleitor vota, ou o conjunto de cerca de 1.000 eleitores que a integram. Glossário Apuramento Geral É a determinação final e a nível nacional através de escrutínio, da vontade expressa pelos eleitores relativamente à escolha dos Deputados ao Parlamento e do Presidente da República.

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Ideias para o Reaproveitamento do Antigo Hotel. Estoril e da Piscina Municipal Estoril. Relatório da análise das opiniões recolhidas junto da

Ideias para o Reaproveitamento do Antigo Hotel. Estoril e da Piscina Municipal Estoril. Relatório da análise das opiniões recolhidas junto da Ideias para o Reaproveitamento do Antigo Hotel Estoril e da Piscina Municipal Estoril Relatório da análise das opiniões recolhidas junto da sociedade e do inquérito efectuado por telefone Apresentado pela:

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 22 de Dezembro de 2006 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 MAIS DE 6 EM CADA 10 EMPRESAS ACEDEM À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

Cidade e Cidadania: O efeito-metrópole sobre o exercício da cidadania política no Brasil

Cidade e Cidadania: O efeito-metrópole sobre o exercício da cidadania política no Brasil Cidade e Cidadania: O efeito-metrópole sobre o exercício da cidadania política no Brasil Luiz César de Queiroz Ribeiro Sergio de Azevedo Orlando Alves Santos Junior. O Observatório das Metrópoles IPPUR/UFRJ

Leia mais

Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. Artigo 1º. Comissão Eleitoral. Artigo 2º

Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. Artigo 1º. Comissão Eleitoral. Artigo 2º Regulamento Eleitoral Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Artigo 1º Comissão Eleitoral 1 A Comissão Eleitoral será formada por um Presidente e dois vogais, a

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012

Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012 Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012 Todos os Organismos da Administração Pública Central e Regional e as Câmaras Municipais dispõem de ligações à Internet.

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

QUEIXA AO PROVEDOR DE JUSTIÇA CONTRA A CÂMARA MUNICIPAL DA FEIRA E ASSEMBLEIA MUNICIPAL DA FEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO

QUEIXA AO PROVEDOR DE JUSTIÇA CONTRA A CÂMARA MUNICIPAL DA FEIRA E ASSEMBLEIA MUNICIPAL DA FEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO QUEIXA AO PROVEDOR DE JUSTIÇA CONTRA A CÂMARA MUNICIPAL DA FEIRA E ASSEMBLEIA MUNICIPAL DA FEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO PARTIDO ECOLOGISTA OS VERDES, pessoa colectiva com o NIPC

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

ANEXO I (À Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais 2012) DESCONTOS A APLICAR AOS VALORES DA TABELA DE PREÇOS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS

ANEXO I (À Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais 2012) DESCONTOS A APLICAR AOS VALORES DA TABELA DE PREÇOS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS ANEXO I (À Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais 2012) DESCONTOS A APLICAR AOS VALORES DA TABELA DE PREÇOS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS Aos preços da Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de S. João da Madeira Artigo 1º Definição O Conselho Municipal de Juventude é o órgão consultivo do município sobre matérias relacionadas com a política de

Leia mais

Regulamento Eleitoral dos Núcleos Creditados pela AAUBI. Secção I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Âmbito)

Regulamento Eleitoral dos Núcleos Creditados pela AAUBI. Secção I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Âmbito) Regulamento Eleitoral dos Núcleos Creditados pela Secção I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente Regulamento aplica-se a todas as eleições que venham a ter lugar nos núcleos de estudantes

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 008 de 25/01/01 Vamos passar ao ponto nº 4 da nossa ordem do dia, ou seja, à Proposta de Resolução Medidas de Combate à Leptospirose. Tem a palavra o Sr. Deputado Bento Barcelos. Deputado

Leia mais

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Eleição. para o Presidente da República

Eleição. para o Presidente da República Eleição para o Presidente da República O que é uma eleição? Uma eleição é quando votamos na melhor pessoa para defender os nossos interesses. Podemos decidir votar numa pessoa porque concordamos com as

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA 1. Congratulo-me vivamente com a realização deste Congresso do Ano Internacional dos Voluntários. Trata-se de um acontecimento da maior importância

Leia mais

Câmaras Municipais 2004

Câmaras Municipais 2004 Câmaras Municipais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação (Resultados Provisórios) Dezembro de 2004 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Câmaras Municipais

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria-Geral

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria-Geral MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Geral Circular Informativa N.º 5 Data 03/05/2011 Para conhecimento de todos os serviços e organismos dependentes do Ministério da Saúde ASSUNTO: Eleições Legislativas 2011

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 2016

ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 2016 ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 20 Critérios de Participação Artigo 1º Missão O Orçamento Participativo Jovem do Município de Alcanena é um processo de envolvimento e auscultação da população jovem

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13)

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) d) Livro de obra, com menção do termo de abertura; e) Plano de segurança e saúde. 2 Quando a emissão do alvará seja antecedida de deferimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 Este encarte Tendências aborda as manifestações populares que tomaram as grandes cidades brasileiras em junho

Leia mais

JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES REGULAMENTO ELEITORAL ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA J.S.AÇORES E X CONGRESSO REGIONAL Capítulo I Eleição do Presidente da J.S. Açores Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento estabelece

Leia mais

Cidadania O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO

Cidadania O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO 24 Capítulo 43 2 25 Estudos, Depois Formação da Outros Licenciatura e Trabalho Apoios 5 O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO 5 Capítulo Capítulo 5 57 O ASSOCIATIVISMO

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

Junta de Freguesia de Valongo do Vouga -----010119-----

Junta de Freguesia de Valongo do Vouga -----010119----- REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇAS DE TAXAS E LICENÇAS E RESPECTIVA TABELA DA JUNTA DE FREGUESIA DE VALONGO DO VOUGA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Aprovação 1 - É aprovado o Regulamento de

Leia mais

Conselho Nacional de Educação. Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006)

Conselho Nacional de Educação. Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006) Votos de Pesar VOTOS DE PESAR Conselho Nacional de Educação Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006) Faleceu hoje, vítima de doença prolongada, a Prof. a Doutora Maria Teresa Vieira

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 813/X/4.ª

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 813/X/4.ª Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 813/X/4.ª Altera a Lei nº 10/2000, de 21 de Junho (Regime jurídico da publicação ou difusão de sondagens e inquéritos de opinião) proibindo a

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº. 2 alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para

Leia mais

ELEIÇÕES REGIONAIS ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

ELEIÇÕES REGIONAIS ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ELEIÇÕES REGIONAIS 2 0 1 5 ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA O que é uma eleição? Uma eleição é quando votamos para escolher quem nos vai representar e falar em nosso nome.

Leia mais

O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto

O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Ciências da Comunicação: Jornalismo, Assessoria e Multimédia O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Metodologia da Investigaça

Leia mais

Apresentação e objetivo da pesquisa. Uso dos dados e Forma de citação

Apresentação e objetivo da pesquisa. Uso dos dados e Forma de citação Apresentação e objetivo da pesquisa A pesquisa Trajetórias e práticas políticas no serviço público resulta de parceria entre o IPOL/UnB, a ENAP e o IPEA. Foi realizada, em sua primeira bateria, com os

Leia mais

O Público dos Blogues

O Público dos Blogues O Público dos Blogues em Portugal Universidade Católica Portuguesa Comunicação Social e Cultural Variante Digital Interactiva Públicos e Audiências Dezembro 2005 Dinis Correia 130301088 Filipa Manha 130301505

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM O J O V E M REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O PARTICIPATIVO JOVEM Artigo 1º Referências A Junta de Freguesia de Santo António dos Olivais, como forma de potenciar os valores da Democracia, num sector ainda

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Do Diagnóstico às Propostas de Acção

Do Diagnóstico às Propostas de Acção AGENDA 21 LOCAL DE GUIMARÃES 2º Fórum de Sustentabilidade Do Diagnóstico às Propostas de Acção 29 Junho 2005 AGENDA 21 LOCAL DE GUIMARÃES O que é a AGENDA 21 LOCAL? É um Plano ÚTIL para Aumentar a QUALIDADE

Leia mais

No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o. Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de

No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o. Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de 6. Associativismo No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de movimento associativo e em termos de serviços/acções disponibilizados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA O Decreto-Lei nº7/2003, de 15 de Janeiro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto, retificada pela

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Netsonda Network Research Travessa do Jasmim 10 1º Andar 1200-230 Lisboa Tel. 21.3429318 Fax 21.3429868 Estudo Número N de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Síntese de Resultados Janeiro de 2004

Síntese de Resultados Janeiro de 2004 A Imprensa na Internet Síntese de Resultados Janeiro de 2004 Netsonda - Consultadoria, Sondagens e Estudos de Mercado, Lda. Travessa. do Jasmim, 10, 1º Tel: 213 429 318 netsonda@netsonda.pt 1200-230 Lisboa

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Encontro Os Jovens e a Política

Encontro Os Jovens e a Política Encontro Os Jovens e a Política Grupo de Trabalho de Política Local 2 Recomendações às Organizações de Juventude - Promover a formação de líderes e dirigentes associativos juvenis. 3 Recomendações ao Governo

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998

Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998 Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998 Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição,

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO Em 1986 a Organização Mundial de Saúde (OMS) lança o projeto Cidades Saudáveis em 11 cidades europeias. O propósito desta iniciativa visou fortalecer

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

A Televisão na Sociedade em Rede

A Televisão na Sociedade em Rede A Sociedade em Rede Portugal 2010 A Televisão na Sociedade em Rede Setembro de 2011 flash report Março 2009 0 Índice Introdução... 4 Sumário Executivo... 5 Perfis e caracterização do consumo de Televisão,

Leia mais

Case study. Galpshare UM PROGRAMA DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EMPRESA

Case study. Galpshare UM PROGRAMA DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EMPRESA Case study 2009 Galpshare UM PROGRAMA DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EMPRESA A Galp Energia é um operador integrado presente em toda a cadeia de valor do petróleo e do gás natural e cada vez mais activo nas

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto Regulamento Conselho Municipal de Desporto 30.abril.2015 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO Preâmbulo Considerando que as autarquias, pela sua proximidade com a população, são

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro. Regulamento

Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro. Regulamento Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro Regulamento 2ª Edição, Novembro de 2011 Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro 2ª Edição Novembro de 2011 Regulamento Artigo 1º Objectivo

Leia mais

1.1. O objectivo do presente passatempo, a ser realizado pela marca Roger&Gallet Portugal na rede social Facebook, é promover os produtos marca.

1.1. O objectivo do presente passatempo, a ser realizado pela marca Roger&Gallet Portugal na rede social Facebook, é promover os produtos marca. REGULAMENTO DO PASSATEMPO PEQUENOS PRAZERES, GRANDES FRAGRÂNCIAS A L ORÉAL PORTUGAL UNIPESSOAL, Lda., pessoa colectiva n.º 500250839, com sede na Rua Dr. António Loureiro Borges, 7, Arquiparque, Miraflores,

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados.

Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados. Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados Artigo 1º Objecto O presente documento tem por objecto estabelecer um

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD Objectivos: ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA FICHA DE ACTIVIDADE N.º 4- " de A a Z " 1. Reconhecer conceitos que integram o indivíduo na sociedade. 2. Conhecer o exercício da cidadania. AUTARQUIAS:

Leia mais

Escola Sénior do Mundo Rural - 2006

Escola Sénior do Mundo Rural - 2006 Escola Sénior do Mundo Rural - 2006 A Escola Sénior do Mundo Rural (ESMR), insere-se no âmbito da actividade 6 - "Apoio ao Movimento Associativo", do projecto ParticipAR. Tendo como objectivo principal

Leia mais

MÓDULO IV O ROI NUM SISTEMA DE ELEARNING

MÓDULO IV O ROI NUM SISTEMA DE ELEARNING MÓDULO IV O ROI NUM SISTEMA DE ELEARNING Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Identificar os diferentes tipos de custos de elearning; Comparar os custos de elearning com

Leia mais

ÍNDICE. Guia Prático dos Animadores Cívicos CNE, Comissão Nacional De Eleições, edição atualizada em 2014.

ÍNDICE. Guia Prático dos Animadores Cívicos CNE, Comissão Nacional De Eleições, edição atualizada em 2014. ÍNDICE nota introdutória 2 conduta pessoal....5 objectivos da campanha.. 6 particularidades destas eleições gerais de 2014...9 plano de trabalho...10 aspectos práticos 11 exercício prático.. 12 simulação

Leia mais